Por que o Reino Unido se industrializou primeiro?

Por que o Reino Unido se industrializou primeiro?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Que fatores fizeram do Reino Unido o primeiro a se industrializar? Era simplesmente a importância e o benefício de sua posição na comunidade global de comércio?


Vários historiadores / economistas responsabilizam vários fatores. Eu conheço duas obras que discutem isso em grande profundidade:

  1. A Riqueza das Nações, Adam Smith.
  2. Nação, Estado e Revolução Industrial: A Mão Visível, Lars Magnusson.

Pessoalmente, acredito que os seguintes fatores desempenharam um papel crucial:

Guerras: O isolamento da Grã-Bretanha da Europa continental significava que a Grã-Bretanha era relativamente mais pacífica do que o resto da Europa. Foi difícil invadir. No século 16, a Inglaterra frustrou uma invasão naval espanhola e chamou a atenção para a necessidade de ter uma marinha forte. Os monarcas posteriores investiram muito em tecnologia naval e navios melhores. Essa marinha não apenas se tornou um forte impedimento para uma invasão, mas também passou a proteger os interesses mercantes no mar. No final do século 18, quando a maioria dos países europeus estava sendo pilhada (as guerras napoleônicas), a Grã-Bretanha emergiu com uma superioridade naval e uma grande frota de vassalos mercantes protegida.

Mercados: Os mercadores britânicos também tinham um mercado considerável (na forma de suas primeiras colônias). Com uma pequena oferta de mão de obra em casa, havia um forte incentivo para automatizar o máximo possível de tarefas manuais. Isso começou com os têxteis, mas depois mudou para outros setores também.

Base legal: O sistema jurídico da Inglaterra também desempenhou um papel importante aqui. Várias leis que formalizaram o processo de patentes introduziram fortes incentivos. A liberdade religiosa que se seguiu ao governo de Elizabeth I também encorajou a revolução científica / de engenharia. Muitas leis modernas que protegem as empresas (como as de tributação, propriedade, propriedade, etc.) foram aprovadas durante o início do século 18 no parlamento inglês. No geral, a Inglaterra (e mais tarde a Grã-Bretanha) tornou-se um bom lugar para fazer negócios. Para um relato mais detalhado de como o sistema jurídico britânico desempenhou um papel na revolução industrial, leia o artigo de Julian Hoppit.

Descobertas científicas: Esta é mais uma continuação das três que mencionei acima, mas com riqueza suficiente em mãos e leis para proteger os direitos intelectuais, engenheiros e acadêmicos ingleses criaram as primeiras máquinas que revolucionaram a indústria pela primeira vez. A fábrica têxtil, a máquina a vapor, as locomotivas, os navios a vapor, etc., são todos exemplos de tais descobertas científicas.

Você deve ter em mente que todos esses fatores (e vários outros pequenos) eram necessários juntos. Muitos países europeus tiveram alguns deles e seguiram a suíte quando alcançaram / conseguiram o resto. Além disso, para muitos deles, uma ligeira diferença de fatores pode ser observada (por exemplo, o mercado da Alemanha era principalmente doméstico e voltado para o Oriente - não suas colônias).

A Inglaterra já havia passado pela primeira revolução industrial na época em que a máquina a vapor foi inventada. Outros países europeus foram rápidos em seguir.


Vou levar isso em uma direção talvez inesperada, estilo Connections. Tudo o mais que vejo nas outras respostas é IMHO apenas um efeito (embora RI Swamp Yankee chegue perto). O que a Inglaterra tinha que o resto da Europa não tinha e que acabou fazendo com que ela se tornasse o primeiro centro de industrialização?

Ovelha.

A Grã-Bretanha, particularmente as terras altas escocesas, passa por uma convergência de criação de animais e o clima certo (horrível) para produzir a melhor e mais lã da Europa.

Agora, inicialmente, a lã seria enviada para fábricas na Flandres para a produção de tecidos. Uma grande indústria se desenvolveu abastecendo toda a Europa com tecidos flamengos de lã inglesa. No entanto, à medida que a população da Europa (e, portanto, a demanda por tecidos) explodiu após o fim da Peste Negra, e a Holanda espanhola tornou-se o campo de batalha da Europa, cada vez mais a moagem começou a ser feita na Inglaterra e na Escócia.

Com a explosão do mercado, houve uma pressão tremenda sobre os produtores para moer mais tecido mais rápido a cada ano. Isso significava que as fábricas inglesas continuavam ficando maiores e mais eficientes. Qualquer inovação que uma fábrica descobrisse que ajudasse na eficiência teve que ser adotada pelas outras fábricas também, ou elas não poderiam competir e fechariam as portas. Eventualmente, o algodão da América e da Índia começou a suplementar a lã, mas ainda estava todo sendo enviado para as grandes fábricas britânicas. Esse processo então começou a se espalhar para qualquer outra coisa que pudesse ser moída da mesma forma (por exemplo: farinha, aço).

Os primeiros motores a vapor foram usados ​​para os moinhos. O primeiro uso generalizado do carvão foi para as usinas (o fato de que a Inglaterra também tinha muito carvão certamente ajudou as coisas). Milhões de pessoas abandonaram as áreas rurais para trabalhar nas novas cidades fabris. As ferrovias foram inicialmente inventadas para trazer mais carvão para as usinas. Os primeiros dispositivos "programados" foram teares nas fábricas de tecidos. Foi a essa transformação da sociedade que William Blake estava se referindo quando escreveu a linha "escuras moinhos satânicos" em Jerusalém.

Mas tudo começou por causa das ovelhas.


Os holandeses na verdade ultrapassaram os britânicos em quase um século - o problema deles era a falta de portos de águas profundas e recursos domésticos, então os britânicos foram capazes de ultrapassá-los no século 18.

Agora, se você quiser perguntar por que os holandeses foram os primeiros a se industrializar, posso recomendar "O Ciclo Barroco" - ficção histórica de Neal Stephenson que cobre a entrada da Inglaterra na era industrial. Os holandeses estavam fazendo coisas inovadoras com finanças e comércio, alimentados por fervor religioso (os puritanos levavam muito a sério que mãos ociosas faziam o trabalho do diabo), um sistema legal forte e um governo permissivo.

Uma das vantagens do sistema holandês eram as proteções de patentes para novas invenções - entre elas, o virabrequim alternativo de Cornelis Corneliszoon, que permitia aos holandeses construir fábricas mecanizadas. Eles puderam importar matérias-primas de todo o mundo e exportar produtos acabados para os mesmos, incluindo gim, papel, açúcar refinado, óleo de linhaça, produtos cerâmicos e, é claro, navios e cordas.

Para um tratamento mais acadêmico da industrialização holandesa no início do século 17, aqui está um capítulo sobre o tópico de "O holandês no comércio mundial: 1585-1740" Por Jonathan Irvine Israel


Vários fatores, sendo o principal deles que o minério de ferro na Inglaterra não contém fósforo. Eu identificaria dois fatores principais:

(1) A maior economia integrada do mundo. Em 1850, a Inglaterra tinha a maior economia avançada e integrada do mundo. Alemanha / Áustria / Hungria tinham tecnologia tão boa ou melhor, mas eram governados por muitos príncipes insignificantes diferentes com barreiras comerciais e de cooperação complexas que impediam o continente de agir como uma unidade. Os EUA tinham uma grande economia, mas não o império global que a Inglaterra possuía, e também não era tão avançado tecnologicamente quanto a Inglaterra.

(2) A verdadeira chave para a revolução industrial foi o aço barato. É isso que faz tudo acontecer. O desenvolvimento crítico foi o conversor Bessemer em 1856. Infelizmente para os alemães, o processo Bessemer não funciona em minérios com alto teor de fósforo, e todos os minérios alemães são desse tipo. Isso deu à Inglaterra uma grande vantagem e uma vantagem no desenvolvimento industrial.


Como não foi mencionado, vou oferecer uma visão alternativa que só recentemente foi expressa na Science (veja aqui): trigo e arroz como os principais alimentos básicos moldaram a cultura e os limites das sociedades.

NB: não se trata do Reino Unido em particular, mas do "mundo ocidental" em oposição aos impérios asiáticos da época.

A questão que surgiu girou em torno de por que os chineses não foram os primeiros, por exemplo. Sua sociedade era bastante avançada e muitas coisas eram conhecidas por eles antes de serem apresentados ou descobertos na Europa.

A conclusão parece ser que a comida molda a cultura e, em última análise, o modo de pensar. Em toda a Ásia, a comunidade geralmente conta mais do que no mundo ocidental.

A relação causal não é clara, mas o arroz requer muito mais cuidado intensivo e cooperação, enquanto o trigo é descomplicado e requer pouca ou nenhuma cooperação, mesmo em uma sociedade anterior à mecanização.

O argumento é lógico e não parece tão partidário quanto o livro de Adam Smith, "The Wealth of Nations", que foi sugerido em um comentário.


A História Revisionista de Malcom Gladwell menciona de passagem um argumento de que a Grã-Bretanha tinha mais artesãos que eram capazes do trabalho de engenharia. O podcast não explica por que a Grã-Bretanha teve mais artesãos, mas eu especularia que a lei comum era mais favorável aos artesãos. O podcast deve dar a você o suficiente para fazer pesquisas.


Tolerância religiosa

Sem a tolerância do Reino Unido com diferentes pontos de vista e opiniões que em outros lugares seriam considerados heresia (como grande parte da Europa católica e dos reinos islâmicos e muçulmanos encontrados em outros lugares), inovação, invenção, ciência e pensamento original não poderiam ter acontecido.

É especificamente essa tolerância ao pensamento original que permitiu que os inventores reinassem livremente para experimentar e publicar ideias sem medo da proscrição e perseguição dos fanáticos religiosos, como estava acontecendo na Inquisição Espanhola na Espanha que permitiu a Revolução Industrial.

Sem a Revolução Industrial, o Reino Unido nunca teria sido o primeiro a se industrializar.

Simples!


O Reino Unido já era uma nação muito rica na época. Eles estabeleceram rotas comerciais e colônias em todo o mundo, das Américas ao Extremo Oriente. Seus portos de águas profundas e sistemas de canais internos facilitaram o transporte de mercadorias do interior e a exportação delas para todo o mundo.

Também estava repleto de grandes mentes científicas. A Royal Society teve grande influência em muitos campos do estudo científico. Foi uma comunidade que reuniu muitas grandes mentes que existiam há muito tempo antes de a revolução industrial estar em pleno andamento. Entre seus muitos membros de prestígio estava Isaac Newton.

James Watt, um membro da Royal Society inventou a moderna máquina a vapor. Os primeiros motores a vapor, como os baseados no projeto de Newcomen, eram muito ineficientes e tinham uso limitado. Não foi até a invenção do motor Watt Steam, que se tornou possível usar o vapor em processos de fabricação, bem como em veículos, como barcos de canal e locomotivas.

Watt Steam Engine

James watt

sociedade Real

Canais do Reino Unido


Vários fatores entraram em jogo no Reino Unido, o que o levou a ser pioneiro em métodos industriais modernos. Três que se destacam são:

A invenção da máquina a vapor foi provavelmente o maior fator individual. Esta foi a primeira forma de energia gerada pelo homem, que poderia ser usada em qualquer lugar que a energia fosse necessária e poderia ser aumentada. A força animal, o cavalo e o boi, poderia ser usada em qualquer lugar, mas não poderia ser aumentada. A energia da água poderia ser ampliada, apenas construir uma roda d'água maior, mas só poderia ser usada onde a água corresse ladeira abaixo. A energia eólica não era confiável. Sem energia confiável e escalonável, as fábricas industriais não podem ser operadas. A máquina a vapor foi inventada e refinada no Reino Unido e deu-lhe uma grande vantagem.

Até certo ponto, a discriminação religiosa desempenhou um papel, especificamente aquelas pessoas que se recusaram a jurar fidelidade à Igreja da Inglaterra. Eles foram chamados de dissidentes e tiveram vários de seus direitos civis retirados. No entanto, eles não foram proibidos de se envolver no comércio, uma atividade considerada "abaixo" da pequena nobreza anglicana, então eles gravitaram em direção ao norte da Inglaterra para escapar da perseguição, onde a operação de destilarias de uísque levou a um estudo de transferência de calor que iria fazer as primeiras máquinas a vapor eram mais eficientes, os minérios brutos para fazer os metais necessários para o equipamento industrial estavam amplamente disponíveis e a interferência de seu status dissidente era mínima.

E, por fim, sendo a Inglaterra uma ilha, era necessário fazer um uso mais eficiente do que tinham, já que os custos de transporte de matérias-primas da Europa continental para o Reino Unido não eram baratos, além da interrupção de tais suprimentos pelo estado de guerra quase constante que A Europa estava na moda, naquela época. As origens da Revolução Industrial no Reino Unido podem ser encontradas na necessidade de trabalhar com o que eles tinham em mãos.


Vou refutar alguns dos argumentos acima. (Em seguida, dê minha própria explicação). Em primeiro lugar, cito algumas ótimas respostas aqui.

Argumento das descobertas científicas de Apoorv khurasia

Ok, isso não tem nada a ver com a industrialização da Inglaterra primeiro. Em primeiro lugar, todos os exemplos de "descobertas científicas" de Apoorv Khurasia na verdade não são descobertas científicas. Eles são invenções básicas e uma espécie de engenharia antiga. A maioria dos inventores nem mesmo eram cientistas. (Na verdade, nem mesmo um deles). O que eles fizeram foi engenharia que DEFINITIVAMENTE NÃO É CIÊNCIA. Aqui está uma definição de ciência:

A ciência é o processo de formar argumentos que são falsificáveis ​​(Karl Popper)

A engenharia, por outro lado, é pragmatismo básico. Contra-argumentos :

  • Engenharia / invenção teve que acontecer devido aos fatores que causaram a industrialização. A engenharia / invenção não causou a industrialização, mas pode ter travado o processo. (O que claramente não é o que o OP está pedindo, o OP está perguntando por que o Reino Unido primeiro)

  • A ciência não é seguida pela industrialização. Pense na civilização da Grécia Antiga, onde a ciência floresceu. Os gregos antigos eram perfeitamente capazes de produzir engenharia, mas não o fizeram. Porque eles não precisavam (a economia era baseada na escravidão). Esse tempo extra eles levaram à ciência.

O argumento da guerra de Apoorv khurasia

Concordo que a Inglaterra acabou sendo uma grande potência naval após as guerras napoeolônicas contribuiu para a industrialização devido à existência do excedente extra que pode ser obtido utilizando o mercado de maneira adequada. (Concordo totalmente com o argumento do mercado). No entanto, o isolamento da Europa continental (ou o isolamento das guerras) não contribuiu. O isolamento é uma coisa ruim, a Inglaterra construiu esse enorme poder naval por causa do fato de que a Europa estava em competição. As guerras levaram a melhores máquinas, melhor marinha e melhores armas, que mais tarde expandiram o mercado. As guerras realmente tornaram isso uma realidade. Por que a China não tinha nenhum poder naval? Porque eles não PRECISAM. Quase não havia ninguém com quem competir. As guerras podem causar menos incentivos para as pessoas investirem em capital? Não, pense na Europa continental (Alemanha) após a pós-industrialização, por exemplo.

O argumento de aço de Tyler Durden

A contribuição de Maing para a industrialização não foi o preço barato dos insumos, foi o incentivo para baratear os preços. Se os preços são baratos - você está condenado. Lembre-se de que estamos falando sobre por que o Reino Unido se indutrializou FIRST, não como esse processo ganhou impulso. (Os preços baratos do aço seriam um grande exemplo para a industrialização alemã neste caso). O Reino Unido se industrializou primeiro devido ao incentivo a preços mais baixos. Então, os preços baixaram. (Observação importante para você: correlação não implica causalidade, causalidade é o contrário neste caso.)

argumento de tolerância de spiceyokooko

Não, simplesmente não. Quase não tem nada a ver. O mundo praticamente não tinha tolerância naquela época (exceto os otomanos).

para tj1000

A invenção da máquina a vapor É RESULTADO DA INDUSTRIALIZAÇÃO.

para Jason Hutchinson

Os níveis de riqueza per capita no mundo eram quase os mesmos entre a pré-industrialização Inglaterra - Oriente Médio - Holanda - França - China - Índia. Não é por causa da RIQUEZA, é por causa dos INCENTIVOS.

Meu argumento:

A principal razão pela qual o Reino Unido passou pela industrialização foram os incentivos para reduzir os preços dos insumos de produção. Após as guerras napoleônicas, a Inglaterra acabou se tornando uma potência naval global com novos recursos de insumos em todo o mundo. Europeu / Principalmente o mercado inglês de repente cresceu quando esses insumos puderam ser transferidos para o continente. Existia uma demanda do mercado pelas mercadorias que tinham insumos localizados no exterior (principalmente na Índia). Existiam pessoas de motivos, vamos chamá-los de capitalistas que queriam extrair esse excedente do mercado - por meio de uma relação de interesse mútuo. Essas pessoas iniciando a produção - o que posteriormente elevou ainda mais os preços dos insumos. O que precisava era de preços mais baixos. A mão-de-obra era cara em comparação com o excedente ganho por bem. Porém, o mais caro eram as matérias-primas. As matérias-primas eram compradas de forma bastante barata em suas terras natais, mas o transporte custa quase 900% do preço de compra.

Essas pessoas de incentivos, capitalistas, tiveram que conseguir preços baixos de alguma forma, eles compraram invenções de métodos de produção. No entanto, esses novos métodos de produção eram antigos o suficiente, de modo que não exigiam uma boa quantidade de ciência no início. A ciência foi uma necessidade mais tarde.

Agora, as principais perguntas a serem feitas são:

  • Por que essas pessoas de motivos se formaram no Reino Unido (a explicação possível é a invenção legal e os direitos de propriedade)
  • Por que continuar pressionando os preços para baixo? (Liberalismo)


-A Revolução Industrial ocorreu no final do século 18 e início do século 19. Muitos historiadores acreditam que a Revolução começou oficialmente por volta de 1760, mas não foi totalmente sentida por volta de 1830. Você acabou de estudar 29 termos!

Outros países europeus demoraram mais para se industrializar do que a Grã-Bretanha porque a Revolução Francesa causou turbulência política que interrompeu a comunicação, desacelerou o comércio e causou inflação em toda a Europa. O que pode explicar o aumento da desigualdade global durante a Revolução Industrial?


'Financial Dunquerque'

O açúcar da Marshall Aid é descarregado no Royal Victoria Dock, em Londres, em fevereiro de 1947, assistido por funcionários dos EUA e do Reino Unido. os Estados Unidos e a União Soviética emergiram da Segunda Guerra Mundial com a psicologia de uma vitoriosa, mas com sua situação econômica mais parecida com a de um país derrotado. Apesar da vitória sobre Hitler, a Grã-Bretanha estava literalmente falida e enfrentou a perspectiva de déficits intransponíveis na balança de pagamentos nos anos seguintes.

Foi a psicologia desse vencedor que iludiu os políticos trabalhistas e conservadores, fazendo-os acreditar que a Grã-Bretanha - no centro da Comunidade Britânica e da área de Sterling - poderia ter um futuro semelhante ao seu passado. Os políticos britânicos viam o Reino Unido como uma potência de primeira classe na mesma liga que os Estados Unidos. E certamente a Grã-Bretanha parecia em muitos aspectos uma potência global, com mais de dois milhões de homens em frotas, guarnições e esquadrões aéreos espalhados pelo mundo, desde suas bases em casa até as do Japão.

Uma figura importante tinha uma visão diferente.

No entanto, John Maynard Keynes, o principal conselheiro econômico do novo governo trabalhista, advertiu os ministros em agosto de 1945 que o papel mundial da Grã-Bretanha era um fardo que '. não há expectativa razoável de sermos capazes de carregar. '

Como ele apontou, todo o esforço de guerra britânico, incluindo todos os seus compromissos militares no exterior, só foi possível graças aos subsídios americanos sob o programa Lend-Lease. Se os americanos parassem o Lend-Lease, a Grã-Bretanha enfrentaria um 'Dunquerque financeiro' - suas palavras - a menos que Washington pudesse ser tocado para um empréstimo de US $ 5 bilhões. Keynes escreveu que tal 'Dunquerque' teria que ser enfrentado por:

'. uma retirada repentina e humilhante de nossas responsabilidades onerosas com grande perda de prestígio e a aceitação por enquanto da posição de potência de segunda classe, mais ou menos como a atual posição da França. '


Por que o Reino Unido se industrializou primeiro? - História

Linha do tempo do Reino Unido

  • 6000 - As Ilhas Britânicas são formadas à medida que o nível da água sobe, separando-as do continente europeu.
  • 2200 - A construção de Stonehenge é concluída.
  • 600 - Os povos celtas começam a chegar e estabelecer sua cultura.
  • 55 - O líder romano Júlio César invade a Grã-Bretanha, mas se retira.
  • 43 - O Império Romano invade a Grã-Bretanha e faz da Britânia uma província romana.
  • 50 - Os romanos fundaram a cidade de Londinium (que mais tarde se tornou Londres).
  • 122 - O imperador romano Adriano ordena a construção da Muralha de Adriano.
  • 410 - O último dos romanos deixa a Grã-Bretanha.
  • 450 - Os anglo-saxões começam a se estabelecer na Grã-Bretanha. Eles governam grande parte da terra até a chegada dos vikings.
  • 597 - O cristianismo é introduzido por Santo Agostinho.
  • 617 - O reino da Nortúmbria é estabelecido como o reino dominante.
  • 793 - Os primeiros vikings chegam.
  • 802 - O reino de Wessex se torna o reino dominante.
  • 866 - Os vikings invadem a Grã-Bretanha com um grande exército. Eles derrotaram a Nortúmbria em 867.




Breve Visão Geral da História do Reino Unido

O Reino Unido é uma nação insular localizada no Oceano Atlântico, ao largo da costa da França. Na verdade, é uma união de quatro países, incluindo Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales.

As ilhas que hoje constituem o Reino Unido foram invadidas pelos romanos em 55 aC. Isso colocou os ilhéus locais em contato com o resto da Europa. Após o enfraquecimento do Império Romano, as ilhas foram invadidas pelos saxões, vikings e, finalmente, pelos normandos.


Os ingleses conquistaram o País de Gales em 1282 sob o comando de Eduardo I. Para tornar os galeses felizes, o filho do rei foi nomeado Príncipe de Gales. Os dois países foram unificados em 1536. A Escócia tornou-se parte da coroa britânica em 1602, quando o rei da Escócia se tornou o rei Jaime I da Inglaterra. A união tornou-se oficial em 1707. A Irlanda tornou-se parte da união em 1801. No entanto, muitos dos irlandeses se rebelaram e, em 1921, a parte sul da Irlanda tornou-se um país separado e um estado livre irlandês.

Na década de 1500, a Grã-Bretanha começou a expandir seu império em grande parte do mundo. Depois de derrotar a Armada Espanhola em 1588, a Inglaterra se tornou a potência marítima dominante no mundo. A Grã-Bretanha cresceu primeiro no Extremo Oriente e na Índia e depois nas Américas. No início de 1800, o Reino Unido derrotou a França nas Guerras Napoleônicas e se tornou a potência europeia suprema.

Nos anos 1900, o Reino Unido tornou-se menos uma potência mundial dominante. Continuou a perder o controle sobre as colônias e foi enfraquecido pela Primeira Guerra Mundial. No entanto, sob a liderança de Winston Churchill, o Reino Unido foi a última nação da Europa Ocidental a se opor à Alemanha na Segunda Guerra Mundial e desempenhou um papel importante na derrota de Hitler.

O Reino Unido desempenhou um papel importante na história do mundo, assumindo um papel de liderança no desenvolvimento da democracia e no avanço da literatura e da ciência. Em seu auge no século 19, o Império Britânico cobria mais de um quarto da superfície da Terra.


BIBLIOGRAFIA

Braibanti, Ralph e Spengler, Joseph j. (editores) 1961 Tradition, Values, and Socio-economic Development. Durham, N.C .: Duke Univ. Pressione.

De vries, egbert e medina echavarria, jose (editores) 1963 Aspectos Sociais do Desenvolvimento Econômico na América Latina. 2 vols. Paris: UNESCO.

Durkheim, Émile (1893) 1960 A divisão do trabalho na sociedade. Glencoe, III .: Free Press. → Publicado pela primeira vez como De la division du travail social.

Desenvolvimento Econômico e Mudança Cultural. → Publicado desde 1952. Especialmente valioso para estudos teóricos e empíricos da industrialização.

Feldman, Arnold S. e Moore, Wilbert E. 1962 Industrialização e Industrialismo: Convergência e Diferenciação. Volume 2, páginas 151-169 no Congresso Mundial de Sociologia, Quinto, Transações. Londres: International Sociological Association.

Hagen, Everett E. 1962 On the Theory of Social Change. Homewood, III .: Dorsey.

Conselho Internacional de Ciências Sociais 1958 Mudança Social, Econômica e Tecnológica: Uma Abordagem Teórica. Paris: O Conselho.

Conselho Internacional de Ciências Sociais 1962- Implicações sociais da mudança tecnológica. Paris: O Conselho.

Marx, Karl (1867-1879) 1925-1926 Capital: A Critique of Political Economy. 3 vols. Chicago: Kerr.

Moore, Wilbert E. 1951 Industrialização e Trabalho: Aspectos Sociais do Desenvolvimento Econômico. Ithaca, N.Y .: Cornell Univ. Pressione.

Moore, Wilbert E. 1963 Mudança social. Englewood Cliffs, N.J .: Prentice-Hall. → Veja especialmente as páginas 89-112 sobre “Modernização”.

Moore, Wilbert E. 1965 O impacto da indústria. Englewood Cliffs, N.J .: Prentice-Hall.

Moore, Wilbert E. e Feldman, Arnold S. (editores) 1960 Compromisso Trabalhista e Mudança Social em Áreas em Desenvolvimento. Nova York: Conselho de Pesquisa em Ciências Sociais.

Conferência Norte-Americana sobre as Implicações Sociais da Industrialização e Mudança Tecnológica, Chicago,1960 1963 Industrialização e Sociedade: Procedimentos. Editado por Bert F. Hoselitz e Wilbert E. Moore. Paris: UNESCO.

Weber, Max (1904-1905) 1930 A ética protestante e o espírito do capitalismo. Traduzido por Talcott Parsons, com prefácio de R. H. Tawney. Londres: Allen & amp Unwin New York: Scribner. → Publicado pela primeira vez em alemão. A edição de 1930 foi reimpressa com freqüência.

Weber, Max (1922) 1957 The Theory of Social and Economic Organisation. Editado por Talcott Parsons. Glencoe, III .: Free Press. → Publicado pela primeira vez como parte 1 do Wirtscfiaft und Gesellschaft.

Cite este artigo
Escolha um estilo abaixo e copie o texto para sua bibliografia.

“Industrialização”. Enciclopédia Internacional de Ciências Sociais. . Encyclopedia.com. 1 de junho de 2021 & lt https://www.encyclopedia.com & gt.

“Industrialização”. Enciclopédia Internacional de Ciências Sociais. . Recuperado em 01 de junho de 2021 em Encyclopedia.com: https://www.encyclopedia.com/social-sciences/applied-and-social-sciences-magazines/industrialization

Estilos de citação

A Encyclopedia.com oferece a capacidade de citar entradas e artigos de referência de acordo com os estilos comuns da Modern Language Association (MLA), do The Chicago Manual of Style e da American Psychological Association (APA).

Na ferramenta “Citar este artigo”, escolha um estilo para ver a aparência de todas as informações disponíveis quando formatadas de acordo com esse estilo. Em seguida, copie e cole o texto em sua bibliografia ou lista de obras citadas.

Como cada estilo tem suas próprias nuances de formatação que evoluem com o tempo e nem todas as informações estão disponíveis para todas as entradas ou artigos de referência, a Encyclopedia.com não pode garantir cada citação gerada. Portanto, é melhor usar as citações da Encyclopedia.com como ponto de partida antes de verificar o estilo em relação aos requisitos de sua escola ou publicação e as informações mais recentes disponíveis nestes sites:

Modern Language Association

The Chicago Manual of Style

Associação Americana de Psicologia

Notas:
  • A maioria das entradas e artigos de referência online não tem números de página. Portanto, essas informações não estão disponíveis para a maior parte do conteúdo da Encyclopedia.com. No entanto, a data de recuperação costuma ser importante. Consulte a convenção de cada estilo em relação à melhor maneira de formatar números de página e datas de recuperação.
  • Além dos estilos MLA, Chicago e APA, sua escola, universidade, publicação ou instituição pode ter seus próprios requisitos para citações. Portanto, certifique-se de consultar essas diretrizes ao editar sua bibliografia ou lista de obras citadas.

4 Poder Imperial

A Revolução Industrial também começou na Grã-Bretanha, em parte por causa dos recursos do grande império colonial do país. No início do século 19, a Marinha Real Britânica era a mais forte do mundo e dominava o comércio oceânico. Isso foi uma grande vantagem para os proprietários de fábricas britânicos, porque significava que suas exportações para o exterior poderiam ser transportadas com segurança. As colônias no exterior também proporcionaram aos industriais britânicos oportunidades de comercializar chás indianos, sedas chinesas e açúcar das Índias Ocidentais. Esses bens poderiam ser trocados por produtos industriais produzidos na Grã-Bretanha.


Industrialização

Um grande número de riachos. . . fornecem energia hídrica adequada para girar centenas de moinhos: eles fornecem o elemento água, indispensável para limpar, branquear, estampar, tingir e outros processos de manufatura; e quando coletados em seus canais maiores, ou empregados para alimentar canais, eles fornecem uma navegação interior superior, tão importante para o trânsito de matérias-primas e mercadorias.

Pintura da Revolução Industrial

O Ford Runabout é um parceiro lucrativo e um companheiro feliz para o menino que está deixando sua marca nos negócios e na escola.
Ele reduz a distância de uma questão de milhas para uma questão de minutos. Ao economizar tempo e esforço, possibilita ganhos maiores. E custando pouco para comprar e continuar, ele se paga rapidamente.
Quando chega o período de férias, o Runabout permite ao jovem empresário reduzir em horas o tempo entre o trabalho e o lazer.
Deixe-nos dizer como é fácil comprar um Ford no Plano de Compra Semanal.
Ford Motor Company, Detroit, Michigan

O anúncio promove uma nova marca de carro.

Todas as inscrições públicas na cidade foram pintadas da mesma forma, em caracteres severos em preto e branco. A prisão pode ter sido a enfermaria, a enfermaria pode ter sido a prisão, a prefeitura pode ter sido uma, ou ambas, ou qualquer outra coisa, por qualquer coisa que pareça o contrário nas graças de sua construção. Fato, fato, fato, em todo o aspecto material da cidade fato, fato, fato, em todo o imaterial.

Visões amplas, saudáveis ​​e caridosas dos homens e das coisas não podem ser adquiridas vegetando em um cantinho da terra durante toda a vida.

Leia a citação de Ralph Waldo Emerson.

Leia a citação de Adam Smith.

Leia a citação de Ayn Rand.

Leia a citação de Adam Smith.

No país, o governo diz a uma fábrica de eletrodomésticos que deve produzir no mínimo mil geladeiras. As pessoas recebem empregos na fábrica com base em suas habilidades, e o governo determina quanto receberão. O governo decide quanto custará uma nova geladeira.

Toda grande cidade tem uma ou mais favelas, onde a classe trabalhadora se aglomera. . . . As ruas geralmente não são pavimentadas, ásperas, sujas, cheias de lixo vegetal e animal [lixo], sem esgotos ou sarjetas, mas abastecidas com poças estagnadas e imundas.

O maior benefício que o capitalismo oferece é permitir a escolha humana. O capitalismo estabelece um contrato social que torna possível aos indivíduos exercerem sua franquia e agência livre. . . Cria as condições necessárias para que as pessoas saiam da pobreza e criem riqueza para si e para os outros.

Os parques nacionais são totalmente importantes na economia. Cada parque cria oportunidades para o turismo. Milhões de visitantes viajam para os parques nacionais. Por exemplo, quase 3,5 milhões de visitantes foram ao Parque Yellowstone em Wyoming em 2012. Esses visitantes precisam de muitos serviços, o que cria oportunidades de emprego para os residentes locais. Portanto, é óbvio que os parques nacionais desempenham um papel importante na economia.

Outro grande mal da fabricação de cortiços era o fato de tornar legalmente possível o trabalho das criancinhas na atividade fabril em casa, quando a lei os exclui rigidamente de tais ocupações nas fábricas. Crianças de cinco, seis e sete anos de idade foram encontradas trabalhando. Uma menina de 7 anos testemunhou que trabalhava até as oito da noite.

Leia a citação de Ralph Waldo Emerson.

Leia uma citação de Roger Butters, um economista do século XXI.

Leia a citação de Ralph Waldo Emerson.

Os parques nacionais são totalmente importantes na economia. Cada parque cria oportunidades para o turismo. Milhões de visitantes viajam para os parques nacionais. Por exemplo, quase 3,5 milhões de visitantes foram ao Parque Yellowstone em Wyoming em 2012. Esses visitantes precisam de muitos serviços, o que cria oportunidades de emprego para os residentes locais. Portanto, é óbvio que os parques nacionais desempenham um papel importante na economia.

O capitalismo é superior ao socialismo porque promove os interesses tanto do indivíduo quanto da sociedade.


Resumo da Seção

Industrialization led to radical changes in American life. New industrial towns, like Waltham, Lowell, and countless others, dotted the landscape of the Northeast. The mills provided many young women an opportunity to experience a new and liberating life, and these workers relished their new freedom. Workers also gained a greater appreciation of the value of their work and, in some instances, began to question the basic fairness of the new industrial order. The world of work had been fundamentally reorganized.


Fatos e informações importantes

LEADING TOWARDS THE INDUSTRIAL REVOLUTION

  • Before the Industrial Revolution took place in Britain, most people resided in rural areas and worked as farmers. Commoners often experienced malnourishment and diseases. Local rural shops and homes usually made simple tools and furniture.
  • By the mid-18th century, a number of European states including Britain, Spain, and France were under competition as rising colonial powers. Britain had engaged in tremendous wars such as the Austrian war of succession (1740-1783), Seven Years’ War (1756-1763), American Revolutionary War (1775-1783), and the Napoleonic Wars (1803-1815). Due to massive pressure to produce the supply of goods needed for the war, Britain underwent industrial changes.
  • With the ideas of intellectuals like Isaac Newton, Galileo Galilei, and Nicolaus Copernicus, Europe became the seat of Scientific Revolution. European societies became more open to new and innovative ideas.
  • Beginning in the 17th century until the mid-19th century, methods in agriculture evolved in Belgium and Holland. Techniques such as crop rotation, enclosed fields, selective breeding, and manuring increased food production and promoted the idea of capitalism. Moreover, it led to rapid population growth.
  • By the 18th century, an inflow of immigrants led to the development of small industries. On the other hand, India as a British colony influenced the huge production and trade of cotton. As a result, Britain became known as a woollen industry, despite its inability to grow their own cotton due to cold climate. This established trading relations with India and southern United States.
  • Due to vast coal and iron reserves, Britain took advantage of these minerals to build industries such as shipbuilding, railroads, and construction.
  • Since the 18th century, Britain already had financial institutions like a central bank, countybanks, and the stock exchange which set the stage for entrepreneurship and capitalism.
  • The central bank of the United Kingdom, now known as the Bank of England was established in 1694 to secure Britain’s financial money and business flow.
  • With the rising economy of Britain, it put pressure on improving their transport system.

INVENTIONS AND INNOVATIONS

  • The Industrial Revolution occurred in the last part of the 18th century in Great Britain. This revolution was an economic one, and it changed the way the world produced goods.
  • The population went from being agricultural to industrial. This meant people moved off of the farms and out of the country. There were huge numbers of people that moved into cities. Many people were forced to move to the cities to look for work. They ended up living in cities that could not support them.
  • During this time, there were also many new advancements in technology. The assembly line was one of the biggest inventions. Henry Ford is credited with this invention.
  • Some of the biggest advancements were in steam power. New fuels such as coal and petroleum, were used in these new steam engines. This revolutionized many industries, including textiles and manufacturing.
  • Another invention was called the telegraph. This made communicating across the ocean easier and much faster. Messages could be sent and received in minutes and delivered the same day. Writing a letter and sending it overseas could take weeks.
  • In 1764, Englishman James Hargreaves invented the spinning jenny (abbreviation of the word engine) which enabled production of multiple spools of thread continuously. In addition, English inventor Edmund Cartwright invented the power loom in the 1780s which mechanized weaving of cloth.
  • In the iron industry, Englishman Abraham Darby discovered an easier method to cast iron. By the 1850s, British engineer Henry Bessemer initiated a cheaper way to mass produce steel. Both iron and steel became a vital ingredient in building ships, infrastructure, and appliances.
  • Thomas Newcomen was the one who developed the first practical steam engine which was originally used to pump out water from mines. It was in the 1770s when James Watt, a Scottish inventor who improved on Newcomen’s work and used steam engines to power machines, locomotives, and ships.
  • Despite the effort of the British government to contain export of technologies and skilled workers within their country, they failed as industrialization moved out of Britain and spread to other European countries and the United States.

DRAWBACKS OF REVOLUTION

  • The Industrial Revolution was not a good revolution for the earth. Industry was releasing huge amounts of carbon dioxide into the atmosphere and waste into the waterways and soil. Pollution by nuclear waste, pesticides, and other chemicals were also the result of the Industrial Revolution.
  • Many natural resources were being used up at an alarming rate.
  • Advances in farming resulted in an increased supply of food and raw materials. The changes in industry and new technology resulted in increased production of thousands of goods. Companies were more efficient and earned bigger profits.
  • Due to unstoppable industrialization, urban areas were unable to keep up with the influx of migrant workers. Industrialized areas became overpopulated. People were living in overcrowded housing and were prone to unsanitary conditions which led to diseases. It was only in the late 19th century when the British government introduced labor reforms which enhanced working conditions.

Baumann, Gerd. Contesting Culture: Discourses of Identity in Multi-Ethnic London, 1996.

Bell, Colin. Middle-Class Families, 1969.

Boyce, D. George. The Irish Question and British Politics, 1868–1996, 2nd ed., 1996.

British Social Attitudes, annual editions.

Bruce, Steve. The Edge of the Union: The Ulster Loyalist Political Vision, 1994.

Byron, Reginald. Irish America, 1999.

Chapman, Malcolm. The Gaelic Vision in Scottish Culture 1978.

——. The Celts: The Construction of a Myth, 1992.

Charsley, Simon. Rites of Marrying: A Scottish Study, 1991.

Clancy, Patrick, Sheelagh Drudy, Kathleen Lynch e Liam O'Dowd, eds. Ireland: A Sociological Profile 1986.

Cohen, Anthony, ed. Belonging: Identity and Social Organisation in British Rural Cultures, 1982.

Colls, Robert, and Philip Dodd, eds. Englishness: Politics and Culture, 1880–1920, 1986.

Davies, Charlotte. Welsh Nationalism in the Twentieth Century, 1989.

Davis, Graham. The Irish in Britain, 1815–1914, 1991.

Dennis, Norman, Fernando Henriques, and Clifford Slaughter. Coal is Our Life: An Analysis of a Yorkshire Mining Community, 2nd ed., 1969.

Fenton, Alexander. The Northern Isles: Orkney and Shetland, 1978.

——. Country Life in Scotland: Our Rural Past, 1987.

Finnegan, Ruth. The Hidden Musicians: Music-Making in an English Town, 1989.

Firth, Raymond, Jane Hubert, and Anthony Forge. Families and their Relatives, 1969.

Frankenberg, Ronald. Village on the Border: A Study of Religion, Politics and Football in a North Wales Community, 1990.

Goldthorpe, John. Social Mobility and Class Structure in Modern Britain, 2nd ed., 1987.

——. Family Life in Western Societies: A Historical Sociology of the Family in Britain and North America, 1987.

Gmelch, George. Double Passage: The Lives of Caribbean Migrants at Home and Abroad, 1992.

Harris, C. C. Redundancy and Recession in South Wales, 1987.

——. Family, Economy and Community, 1990.

Jenkins, Richard, ed. Northern Ireland: Studies in Social and Economic Life, 1989.

Macdonald, Sharon. Reimagining Culture: Histories, Identities, and the Gaelic Renaissance, 1997.

Macfarlane, Alan. The Origins of English Individualism, 1978.

——. The Culture of Capitalism, 1987.

Newby, Howard. Green and Pleasant Land? Social Change in Rural England, 1979.

Pahl, R. E., ed. Patterns of Urban Life, 1970.

Parman, Susan. Scottish Crofters: A Historical Ethnography of a Scottish Village, 1990.

Radcliffe, Peter. Ethnicity in the 1991 Census, vol. 3, 1996.

Rees, Alwyn. Celtic Heritage: Ancient Tradition in Ireland and Wales, 1961.

——. Life in a Welsh Countryside, 1996.

Review of Scottish Culture, annual editions.

Sampson, Anthony. The Changing Anatomy of Britain, 1982.

Short, Brian. The English Rural Community: Images and Analysis, 1992.

Social Trends, annual editions.

Stanworth, Philip, and Anthony Giddens. Elites and Power in British Society, 1974.

Strathern, Marilyn. Kinship at the Core, 1981.

Thompson, E. P. The Making of the English Working Class, 2nd ed., 1980.

——. Customs in Common, 1991.

Tunstall, Jeremy. The Fishermen: The Sociology of an Extreme Occupation, 1962.


Assista o vídeo: Dlaczego zdecydowaliśmy się na powrót do Polski z Wielkiej Brytanii?