Cabeça de bronze de duas faces descoberta na China central

Cabeça de bronze de duas faces descoberta na China central


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Arqueólogos na China descobriram uma rara cabeça de bronze com duas faces em um complexo de tumbas na província de Hubei. Acredita-se que remonte 3.000 anos ao início da Dinastia Zhou Ocidental (1046-771 aC)

"É a primeira vez que tal escultura foi descoberta na Dinastia Zhou Ocidental", disse Li Boqian, arqueólogo da Universidade de Pequim.

A cabeça de bronze foi encontrada no Cemitério Ye Jiashan na cidade de Suizhou, que se acredita conter os corpos de cerca de 150 nobres durante a Dinastia Zhou Ocidental. Ela foi encontrada na tumba M111, que ganhou as manchetes no início deste mês, quando foi percebida pela primeira vez como a maior tumba já encontrada para o período. Os residentes locais se reuniram ao redor animadamente enquanto os arqueólogos também descobriam 6 grandes sinos feitos de bronze.

A cabeça de bronze foi colocada sobre a cabeça do dono da tumba, sugerindo que se acreditava que ela tinha algum significado e pode ter tido um propósito religioso. De acordo com Bogian, pode representar um deus que era adorado pelo povo da época.

A escultura, que apresenta olhos grandes, maçãs do rosto salientes e chifres, é semelhante às máscaras descobertas nas ruínas de Sanxingdui na província de Sichuan, sudoeste da China, que também apresentava olhos grandes e salientes e características faciais incomuns. No entanto, outros arqueólogos acreditam que ela se assemelha mais a outra escultura de duas faces encontrada em uma tumba da dinastia Shang (1600-1046 aC) em 1989 na província de Jiangxi.

A escavação do cemitério Ye Jiashan lançou uma nova luz sobre as práticas de sepultamento da Dinastia Zhou Ocidental. Junto com a rara cabeça de bronze de duas faces, os arqueólogos também descobriram o primeiro bronze pintado da dinastia e uma tumba enterrando um conjunto de 19 dings (recipientes de cozinha) e 12 guis (recipientes de comida) que não são típicos para o enterro de um rei ou nobre .


    Sanxingdui

    Sanxingdui (Chinês: 三星堆 pinyin: Sānxīngduī aceso. 'Three Star Mound') é o nome de um sítio arqueológico e uma importante cultura da Idade do Bronze na moderna Guanghan, Sichuan, China. Descoberto em grande parte em 1986, [1] após uma descoberta preliminar em 1927, [2] os arqueólogos escavaram artefatos notáveis ​​que datam por radiocarbono situados nos séculos 12 a 11 aC. [3] O tipo de local para a cultura Sanxingdui que produziu esses artefatos, os arqueólogos identificaram o local com o antigo reino de Shu. Os artefatos são exibidos no Museu Sanxingdui, localizado perto da cidade de Guanghan. [3]

    A descoberta em Sanxingdui, bem como outras descobertas, como as tumbas Xingan em Jiangxi, desafia a narrativa tradicional da civilização chinesa que se espalhou da planície central do Rio Amarelo, e os arqueólogos chineses começaram a falar de "múltiplos centros de inovação ancestrais conjuntamente para a civilização chinesa. " [4] [5]

    Sanxingdui, junto com o local de Jinsha e as tumbas dos caixões em forma de barco, está na lista de sítios provisórios do patrimônio mundial da UNESCO. [6]


    A dinastia Shang (c. 1600–1046 aC)

    Os primeiros exemplos de vasos de bronze foram desenterrados em Erlitou, perto da moderna cidade de Luoyang, na província de Henan, que pode ou não representar a capital Shang, Po, se não um local ainda anterior da dinastia Xia. Lá um “palácio” com base de terra batida, jades finos, vasos de bronze simples e ossos de oráculo foram encontrados. Em Erligang, na área de Zhengzhou, na província de Henan, foram encontrados vestígios de uma cidade murada que pode ter sido a capital de Shang, conhecida como Ao.

    Yin, a mais duradoura das capitais Shang, durando até os reinados dos últimos 9 (ou 12) reis Shang, estava localizada perto da moderna cidade de Anyang, na província de Henan. Sua descoberta em 1899 por paleógrafos seguindo os rastros de ladrões de tumbas abriu o caminho para a verificação de relatos tradicionais da dinastia Shang e para o primeiro exame científico da civilização primitiva da China. Lá, gravada em ossos de oráculos, a documentação escrita pela primeira vez é rica, arquivística e ampla a respeito das atividades do governo teocrático de Shang. Escavações realizadas perto de Anyang entre 1928 e 1937 forneceram o campo de treinamento inicial para a arqueologia chinesa moderna e continuaram periodicamente após 1949.

    Nada menos que 14 tumbas reais foram desenterradas perto de Anyang, culminando na escavação de 1976 da primeira grande tumba que sobreviveu intacta - a de Fu Hao, que se acredita ter sido consorte do rei Shang Wuding e de um famoso líder militar . A tumba de Fu Hao continha mais de 440 vasos de bronze e 590 objetos de jade entre suas inúmeras obras requintadas. Restos de assentamentos da Idade do Bronze do período Shang também foram encontrados em uma grande área do norte e centro da China.

    Mais do que qualquer outro fator, foi a descoberta de magníficos vasos de bronze em Anyang que demonstrou o poder e a riqueza dos governantes Shang. Os vasos eram usados ​​em cerimônias divinatórias para oferendas de sacrifício de carne, vinho e grãos, principalmente aos espíritos dos ancestrais do clã, especialmente os do governante e sua família. Eles provavelmente foram mantidos no salão ancestral do clã e, em alguns casos, foram enterrados com seu dono.

    Surpreendentemente, talvez, os vasos de bronze não foram discutidos nas inscrições de osso do oráculo Shang. Mas no final da época Shang, eles próprios às vezes passavam a ter inscrições curtas, moldadas e dedicatórias, fornecendo o nome do tipo de embarcação, o patrono e o ancestral a quem a embarcação era dedicada. O que pode ser um nome de clã também é frequentemente incluído, dentro de um quadrado entalhado inscrito de significado incerto, mas agora chamado de latindo. O acréscimo comum no início dos tempos Zhou (1046-256 aC) da frase "Que os filhos e netos considerem e usem para sempre" fornece evidências de que a maioria dos vasos foi feita originalmente para uso em sacrifícios no templo, e não para sepultamento, mas outros vasos, mal moldados e inscritos com nomes ancestrais póstumos do recém-falecido, foram claramente destinados ao túmulo.

    O direito de lançar ou possuir esses vasos estava provavelmente confinado à própria casa real originalmente, mas mais tarde foi concedido aos governadores locais criados pelo governante ainda mais tarde, na dinastia Zhou, o direito foi reivindicado pelos governantes dos estados feudais e, de fato, por qualquer um que fosse rico e poderoso o suficiente para lançar seus próprios vasos.

    Os tipos de embarcações são conhecidos hoje por nomes dados a eles na época de Shang ou Zhou, que podem ser identificados em inscrições contemporâneas, como o li, ding, e xian (yan), ou por nomes como tu, jia, e gongo que foram dados a eles por eruditos e antiquários chineses posteriores. Os vasos podem ser agrupados de acordo com sua função presumida nos ritos de sacrifício. Para cozinhar alimentos, os principais tipos são os li, um vaso de corpo redondo com uma base trilobada que se estende em três pernas ocas, seus primos os ding, um vaso hemisférico em três pernas sólidas, e o presas, um navio quadrado apoiado em quatro pernas e o xian, ou yan, um vaporizador que consiste em uma tigela colocada acima de um li tripé, com grelha perfurada entre os dois. Para oferecer comida, o principal vaso era o gui, uma tigela colocada em um pé em forma de anel, como uma wok moderna.

    A palavra zun abrange recipientes de vinho de uma variedade de formatos. Entre os recipientes para aquecer ou oferecer vinho estão os tu, um balde coberto com uma alça giratória jia, um tripé redondo ou quadrúpede quadrado com uma alça na lateral e postes elevados com gorros saindo de sua borda jue, um copo menor em três pernas, com um bico de despejo estendido na frente, uma cauda pontiaguda na parte traseira, uma alça lateral e postes com tampas ele, que se distingue por seu bico de vazamento cilíndrico, o gongo, que se assemelha a uma molheira coberta e a elegante boca de trompete gu. Os vasos para abluções incluem o frigideira, uma tigela grande e rasa. As formas dos vasos de corpo redondo eram freqüentemente derivadas de formas de cerâmica anteriores. Os vasos de seção quadrada, com lados planos geralmente ricamente decorados, são considerados derivados de caixas, cestos ou recipientes de madeira entalhada ou osso. Outros objetos relacionados com os ritos eram tambores e sinos de bronze. Armas e acessórios para carruagens, arreios e outros fins utilitários também eram feitos de bronze.

    Os recipientes de bronze não eram fundidos pelo processo de cera perdida (usando um molde de cera), como se supunha anteriormente, mas em moldes seccionais, quantidades dos quais foram encontradas em locais de Shang. Neste processo complexo, que reflete o domínio chinês inicial do meio de cerâmica, um modelo de argila do corpo é construído em torno de um núcleo sólido que representa o molde de argila do interior do vaso é usado para envolver o modelo, em seguida, cortado em seções e removido o modelo. eliminado, as peças do molde são reconstruídas em torno do núcleo, usando espaçadores de metal para separar o molde e o núcleo, e o bronze fundido é derramado no espaço oco. Pernas, alças e esculturas anexadas são freqüentemente fundidas separadamente e posteriormente integradas em um derramamento lock-on. A decoração da superfície pode ser adicionada à superfície do modelo antes da aplicação do molde, exigindo uma dupla transferência de argila para argila para metal, ou adicionada ao contrário à superfície do molde após sua remoção do modelo, com um desenho inciso no molde produzindo um desenho em relevo na superfície do metal. Os vasos rituais variam de cerca de 15 cm (6 polegadas) a mais de 130 cm (50 polegadas) de altura com pesos de até 875 kg (1.925 libras). A complexidade e nitidez da decoração mostram que, no final do segundo milênio aC, a arte da fundição de bronze na China era a mais avançada do mundo.

    Enquanto muitos bronzes rituais Shang são lisos ou apenas parcialmente ornamentados, outros são ricamente decorados com uma variedade de motivos geométricos e zoomórficos, e um pequeno número assume a forma de um pássaro ou animal. O motivo dominante é o taotie, visto como duas criaturas estilizadas justapostas face a face ou como uma única criatura com seu corpo aberto em ambos os lados de uma cabeça semelhante a uma máscara. O termo taotie apareceu pela primeira vez no final de Zhou e talvez esteja relacionado à mitologia do eclipse e à ideia de renovação. Os antiquários da dinastia Song ofereceram a interpretação improvável de que representava um alerta contra a gula. As sugestões modernas alternativas são que era um símbolo de fertilidade como o dragão chinês posterior, conferindo longevidade ao clã governante, pois era um espírito feroz que protegia os ritos e os participantes do mal, pois incorporava uma variedade de criaturas relacionadas aos sacrifícios cerimoniais que era totêmico ou relacionado ao empoderamento xamânico ou que sua estrutura dual representava as forças inseparáveis ​​de criação e destruição. Outras criaturas nos bronzes são os gui (cada um como a metade do dobro taotie), tigre, cigarra, cobra, coruja, carneiro e boi. Em tempos posteriores, o tigre representava o poder da natureza, a cigarra e a cobra simbolizavam a regeneração, a coruja era uma portadora da alma e o carneiro e o boi eram os principais animais dos sacrifícios ancestrais. Não se sabe se esses significados foram atribuídos às criaturas nos bronzes Shang, pois nenhuma escrita Shang aborda o problema, mas parece provável que eles tivessem um propósito mais do que puramente decorativo. Não existe uma configuração ambiental sugerida para essas criaturas. A figura humana raramente aparece em bronzes Shang, geralmente nas mãos dessas poderosas criaturas zoomórficas.

    A arte dos bronzes Shang começou como tecnicamente simples, embora às vezes bastante elegantes, vasos de fundição fina que eram claramente protótipos de cerâmica. Alcançou um clímax de monumentalidade escultórica no final da dinastia, refletindo um longo período de paz e estabilidade em Anyang. No início dos anos 1950, o estudioso Max Loehr identificou cinco fases ou estilos na evolução da decoração de superfícies de bronze Shang e técnicas de fundição. Os vasos de paredes finas do Estilo I normalmente carregam um registro estreito de motivos zoomórficos que são mais abstratos na aparência do que os motivos de épocas posteriores. Os motivos são compostos por linhas finas e elevadas criadas por incisão nos moldes de produção. As formas zoomórficas Estilo II são compostas por faixas largas e planas em registros horizontais estreitos, incisos no modelo, geralmente em uma faixa elevada de aplique de cerâmica. No Estilo III, designs curvilíneos densos derivados daqueles da fase anterior começam a cobrir grande parte da superfície de um vaso de paredes cada vez mais espessas, e o zoomorfo se torna cada vez mais difícil de discernir. Os principais motivos zoomórficos do Estilo IV, embora alinhados à superfície do navio (exclusivo de cabeças, alças e acessórios totalmente esculturais), tornam-se claramente distinguíveis quando colocados contra um fundo de espiral denso conhecido como "padrão de trovão" (Leiwen) nesta fase, com espirais semelhantes colocadas esparsamente sobre o zoomorfo, ele próprio construído a partir do mesmo vocabulário linear, um intrincado sistema decorativo de formas interativas, rico em implicações filosóficas, começa a atingir a maturidade. No Estilo V os motivos principais são apresentados em relevo plástico cada vez mais ousado, por meio do uso de apliques de cerâmica no modelo. A forma corporal do Estilo I revela claramente a conceitualização derivada da cerâmica, enquanto os vasos do Estilo V utilizam totalmente as possibilidades esculturais da tecnologia de bronze moldado. Os estilos I e II aparecem em Zhengzhou. O estilo III aparece em Zhengzhou e no início de Anyang, e os estilos IV e V são encontrados apenas no período Anyang. Vasos Pré-Estilo I, de forma cerâmica, paredes finas e com pouca ou nenhuma decoração de superfície, foram encontrados em Erlitou perto de Luoyang, demonstrando as origens Shang ou mesmo Xia.


    Antiga área de defesa militar descoberta no centro da China

    ZHENGZHOU, 30 de janeiro (Xinhua) - Uma praça que antes servia como área de defesa militar na China antiga foi desenterrada na província central de Henan.

    Conhecida como Wengcheng em chinês, é a primeira área de defesa quadrada já descoberta na China, de acordo com Liu Haiwang, chefe do Instituto Provincial de Patrimônio Cultural e Arqueologia de Henan.

    A área de defesa foi descoberta na cidade de Kaifeng de Henan, que já serviu como capital de oito dinastias na China.

    "A descoberta forneceu materiais valiosos para a pesquisa sobre o layout da capital da Dinastia Song do Norte (960-1127), a evolução dos portões nas antigas capitais chinesas e a história do desenvolvimento de Kaifeng", disse Liu.

    Wengcheng era geralmente construído em fortalezas militares antes da Dinastia Tang (618-907). Começou a fazer parte da construção da cidade durante a Dinastia Song (960-1279).


    Pote de bronze de 2.000 anos com líquido desconhecido descoberto na China central

    Um pote de bronze de 2.000 anos recém-descoberto na província de Henan, na China central, continha mais de 3.000 ml de um líquido desconhecido.

    Os arqueólogos descobriram o pote com pescoço curvo em forma de cisne em uma tumba na cidade de Sanmenxia. Também desenterrados da tumba incluíam um capacete de bronze, uma bacia de bronze e espadas feitas de ferro e jade.

    Um pote de bronze de 2.000 anos recém-descoberto na província de Henan, na China central, continha mais de 3.000 ml de um líquido desconhecido. [Foto / Xinhua]

    O líquido desconhecido no pote era de cor marrom-amarelada com impurezas. A amostra foi enviada a Pequim para mais testes.

    O julgamento preliminar com base na forma da tumba indica que a tumba foi construída na virada da Dinastia Qin (221 AC-207 AC) e na Dinastia Han (202 AC-220 DC). Seu proprietário pode ser um oficial de baixa patente com um título.

    O pote de bronze foi escavado de uma tumba antiga quando os arqueólogos examinavam o local de um projeto de reforma de uma favela local, disse Zhu Xiaodong, vice-chefe do instituto de relíquias culturais e arqueologia de Sanmenxia.

    Este também foi o primeiro pote de bronze desse tipo descoberto em Sanmenxia, ​​de acordo com Zhu.

    Os arqueólogos convidaram um veterinário sênior para ajudar a identificar a forma de um cisne.

    "O desenho lembra o de um cisne mudo", disse Gao Ruyi, veterinário sênior do parque pantanoso Sanmenxia, ​​acrescentando que o bico de um cisne é mais longo do que o de um ganso, que se degenerou como resultado de ser alimentado por seres humanos.

    Os arqueólogos especularam que os antigos artesãos podem ter observado cisnes de perto para criar o pote em uma forma tão realista.

    "Podemos estimar ousadamente que cisnes podem ter aparecido em Sanmenxia durante o final das dinastias Qin e no início dos Han", disse Zhu.

    Sanmenxia recebe cisnes da Sibéria no inverno desde os anos 1980. A população local gosta dos pássaros graciosos e os alimenta voluntariamente.

    Localizada entre Xi'an e Luoyang, duas antigas capitais da história chinesa, Sanmenxia costumava servir como artéria militar e de tráfego. Como resultado, a cidade é rica em relíquias históricas.


    Sanxingdui é uma relíquia alienígena? A resposta está escondida nos últimos resultados arqueológicos

    Descrito pelos internautas chineses como & # 8220six blind boxes & # 8221, a arqueologia do site Sanxingdui divulgou seus resultados mais recentes ao público no dia 20.

    Antes disso, a impressão de Sanxingdui poderia ser resumida por palavras como & # 8220 misterioso & # 8221 e & # 8220novel & # 8221, e muitas pessoas se perguntariam que tipo de povo antigo vivia neste local, e alguns até especularam que Sanxingdui é o que resta de alienígenas. No entanto, os últimos resultados arqueológicos responderam a algumas perguntas até certo ponto.

    Sanxingdui é uma civilização extraterrestre?

    A razão para este e aquele tipo de imaginação de Sanxingdui está intimamente relacionada com as muitas relíquias culturais desenterradas no & # 8220Sacrificial Pit & # 8221 do local em 1986.

    A estátua alta de deus em bronze, árvore de bronze, máscara de ouro requintada, cajado de ouro, bem como grande jade, marfim & # 8230 & # 8230 esses preciosos artefatos desenterrados no século passado, todos eles mostram às pessoas a enorme diferença entre Sanxingdui e as pessoas & Impressão # 8217s das relíquias culturais da China e # 8217s.

    Na coletiva de imprensa da manhã do dia 20, Sun Hua, professor da Escola de Arqueologia, Artes e Ciências da Universidade de Pequim, disse francamente que a descoberta daquele ano atraiu grande atenção de estudiosos nacionais e estrangeiros e do público porque & # 8220todos ficaram surpresos. Parecia que a China não lançou essas coisas antes. ”

    Em suma, tem características de civilização extraterritorial. Como resultado, várias especulações se seguem. Como resultado, não apenas reivindicações estrangeiras, mas também especulações ousadas como & # 8220Sanxingdui é uma relíquia de alienígenas & # 8221 apareceram.

    Então, Sanxingdui é realmente uma relíquia fora da civilização chinesa? A resposta deve ser encontrada nas evidências arqueológicas.

    Os últimos resultados arqueológicos & # 8220 têm algo a dizer & # 8221

    Na verdade, os artefatos escavados de Sanxingdui que chocaram o mundo no século passado são apenas das fossas sacrificais nº 1 e nº 2 & # 8220. & # 8221 De novembro de 2019 a maio de 2020, os arqueólogos descobriram seis novas & # 8220 fossas sacrificais & # 8221 da cultura Sanxingdui.

    De acordo com as notícias da Administração Estatal de Patrimônio Cultural, no momento, 3, 4, 5, 6 poços foram escavados na camada de artefato, 7 e 8 poços estão escavando o fosso, desenterrou fragmentos de máscara de ouro, peças de ouro em forma de pássaro , folha de ouro, olhos com cabeça de bronze pintada, máscara gigante de bronze, árvore de bronze, marfim, restos de escultura de dentes finos, congs de jade, ferramentas de pedra de jade e outras relíquias culturais importantes, mais de 500 peças.

    Além disso, Song Xinchao, vice-diretor da Administração Estatal do Patrimônio Cultural da China, disse em uma entrevista à mídia que o dzong quadrado de bronze, grandes máscaras de bronze e bugigangas de marfim esculpidas com ornamentos em forma de diamante encontrados lá são novas descobertas muito importantes .

    Uma coisa aqui parece ser diferente da impressão inerente às pessoas: o local Sanxingdui com características óbvias de civilização extraterritorial também tem Fangzun que era popular fora de Sichuan nos tempos antigos?

    Marcas de intercâmbio cultural

    Dakouzun na parte sul do final da Dinastia Shang foi encontrada em Hunan, Hubei e outros lugares da história. Na coletiva de imprensa do dia 20, Zhang Changping, professor da Escola de História da Universidade de Wuhan, destacou que isso mostrava que Sanxingdui tinha a possibilidade de se comunicar com o médio e o baixo rio Yangtze naquela época.

    Zhang Changping também disse que os bronzes locais de Sanxingdui têm uma origem muito clara dos elementos da cultura das Planícies Centrais. & # 8220Por exemplo, o padrão de nuvens e trovões é ampliado como um símbolo de Sanxingdui. & # 8221 E o padrão de nuvens e trovões é o ornamento representativo da cultura Shang nas Planícies Centrais.

    Ran Honglin, a pessoa no controle do local da escavação arqueológica de Sanxingdui, disse em uma apresentação na mesma tarde que uma série de estátuas de bronze, figuras de bronze e estátuas de jade podem ser encontradas no local das Ruínas de Yin. Mostra uma espécie de associação com a cultura Shang. É evidente que há uma espécie de semelhança entre as estátuas de bronze, figuras de cobre e objetos de jade dos locais desenterrados.

    Obviamente, a cultura Sanxingdui não está isolada.

    Ran Honglin também apontou que, da perspectiva das relíquias culturais desenterradas, o local Sanxingdui e o local Jinsha em Sichuan estão mais intimamente relacionados. & # 8220Seja o bronze, o jade e o ouro desenterrados nos dois lugares, ou a escolha da localização dos dois restos, a direção das casas e túmulos, pode-se perceber a continuidade entre os dois. Os sítios Jinsha e Sanxingdui pertencem ao antigo Shu. Civilização é o local central de dois períodos diferentes criados pelo mesmo grupo de pessoas. & # 8221

    Mistérios não resolvidos e novas questões

    As escavações no local de Sanxingdui, que continuaram por décadas, até agora não encontraram nenhum registro escrito. Há ou não escrita na Sanxingdui?

    Ran Honglin revelou que os arqueólogos encontraram símbolos gravados em muitos vasos de cerâmica. & # 8220Tendemos a pensar que isso é pelo menos uma indicação de que havia escrita. & # 8221 Mas o que significam os símbolos? Essa é outra nova questão.

    O artigo da Administração Estatal do Patrimônio Cultural mostra que os arqueólogos fizeram pleno uso da tecnologia moderna nessa escavação. Também abriu os olhos dos arqueólogos para a possibilidade de resolver algumas das dúvidas.

    Sun Hua chamou a escavação de & # 8220 escavação fina & # 8221. Uma melhoria importante em relação às escavações anteriores é que há muita matéria orgânica que não éramos capazes de extrair no passado, mas agora temos a possibilidade de extraí-la.

    Por exemplo, ele disse, & # 8220Nós encontramos tantas cabeças de bronze, qual é o seu corpo? As pessoas costumavam especular que era madeira, mas agora vejo que parece haver algo de madeira semelhante a um corpo já sendo desenterrado. Pode ser um pilar, pode ser um corpo. Acho que definitivamente haverá novas descobertas, é só que essas descobertas agora estão aparecendo. & # 8221

    Além disso, durante a escavação, a equipe do China Silk Museum encontrou vestígios de têxteis nas cinzas do Pit 4 por meio de observação microscópica, possivelmente presos à superfície do bronze a presença de proteínas da seda na camada de cinzas do Pit 4 foi monitorada por meio de enzimas tecnologia de imunoensaio ligada, sugerindo que a seda já esteve presente no poço 4.

    Yang Zhou, diretor do departamento técnico do Museu da Seda Chinesa, tende a acreditar que essas sedas talvez fossem usadas em rituais na época, como um veículo de comunicação entre o céu e a terra, o homem e Deus.

    Vale a pena mencionar que Ran Honglin revelou que, com base nas informações disponíveis atualmente, a cova nº 8 que está sendo escavada e preenchida com solo ainda pode ser desenterrada relíquias culturais relativamente ricas.


    Cabeça de bronze de duas faces descoberta na China central - História

    Uma cabeça de bronze descoberta no local de Sanxingdui, na província de Sichuan. Foto: Li Hao / GT

    Um punho de bronze Foto: Li Hao / GT

    Sichuan, uma província no sudoeste da China, é famosa por sua rica história e grande variedade de relíquias culturais que refletem os costumes e crenças locais que datam de cerca de 3.000 anos atrás.

    Voltando aos seus primórdios, a região do que hoje é o oeste de Sichuan já foi o centro do que ficou conhecido como Reino de Shu (Desconhecido - 316 aC). Para apresentar a história brilhante desta região ao público em geral, uma exposição com uma seleção de antigas relíquias culturais Shu de Sichuan teve início no Museu Nacional da China em Pequim na quinta-feira.

    A exposição está organizada em ordem cronológica com cinco seções principais que mostram a história deste misterioso reino antigo e as culturas conectadas Sanxingdui, Shierqiao e Qingyanggong.

    Cultura Shu primitiva

    Após uma descoberta preliminar em 1929, Sanxingdui foi sistematicamente escavado a partir de 1986. As descobertas, que cobrem um período que vai do século 18 aC a meados do século 12 aC, deram aos arqueólogos uma excelente janela para o desenvolvimento inicial de Shu cultura.

    O local de Sanxingdui foi a capital inicial do Reino Shu, bem como seu "centro cultural", disse Guo Juntao, curador do Museu de Sichuan, em uma entrevista coletiva para a exposição na quinta-feira.

    Os achados mais importantes descobertos no local foram dois depósitos de tesouros contendo mais de 1.700 relíquias culturais no total, incluindo esculturas de bronze, pomo de bronze e jades. Somando-se ao valor histórico dessas descobertas, os estilos dos artefatos são muito diferentes daqueles encontrados em outros locais da China que datam do mesmo período.

    De acordo com Guo, a maioria das relíquias da cultura Sanxingdui em exibição foram selecionadas dos dois poços do tesouro.

    "O enorme rosto de bronze que você vê ao entrar pela primeira vez na exposição é o item mais representativo da cultura Sanxingdui", observou Guo, referindo-se a uma grande cabeça de bronze com longos olhos protuberantes.

    "De acordo com documentos históricos, este rosto de bronze pode ser um reflexo das vagas memórias que eles tinham sobre o ancestral do antigo povo Shu. Eles ouviram histórias lendárias sobre seu grande ancestral e fizeram este rosto de bronze para que pudessem orar a seu ancestral."

    A segunda seção investiga a cultura Shierqiao que existiu entre o século 12 aC e o século 6 aC. Durante esse tempo, a capital do Reino de Shu mudou-se da área de Sanxingdui para uma área a 50 quilômetros de distância, perto de onde está localizada a moderna Chengdu, capital da província de Sichuan. Os restos desta capital foram descobertos no que agora é conhecido como o sítio Jinsha.

    "Encontramos pomos de bronze semelhantes aos que encontramos em Sanxingdui. No entanto, não temos evidências que nos ajudem a determinar qual era sua função. Muito provavelmente, eram símbolos de poder", explicou Huang Yi, curador do Museu Nacional da China.

    Cultura Shu tardia

    "Muitos visitantes podem estar familiarizados com os sítios arqueológicos Sanxingdui e Jinsha, mas poucos ouviram sobre a cultura Shu tardia", explicou Guo.

    A cultura Shu tardia, que se refere à cultura Sichuan após o século 4 aC, muitas vezes é esquecida em comparação com as culturas Sanxingdui e Shierqiao anteriores, devido ao fato de que o Reino Shu foi conquistado pela Dinastia Qin (206 aC-220 dC) em 316 aC. Após sua unificação na Dinastia Qin, a cultura Shu começou a se fundir com outras culturas das planícies centrais da China.

    No entanto, algumas descobertas importantes datadas desse período foram descobertas.

    Em 1980, uma enorme tumba foi descoberta em Majiaxiang, condado de Xindu, na província de Sichuan. Datado do período dos Reinos Combatentes (475 aC-221 aC), a tumba continha mais de 200 peças de bronze. De acordo com especialistas, os objetos de enterro de luxo indicam que o dono da tumba era "possivelmente o rei dos Shu".

    A exposição está prevista para terminar em 19 de setembro, após o qual seguirá para a província de Guangdong, no sul da China, e depois para a Itália em dezembro.


    Cabeça de bronze de duas faces descoberta na China central - História

    postado em 20/09/2020 8:19:18 PDT por SunkenCiv

    Após o teste, pesquisadores chineses confirmaram que os 3.000 ml de um líquido desconhecido encontrado em um pote de bronze descoberto na província de Henan na China central na década de 39 é álcool datado do início da dinastia Han Ocidental (206 a.C. - 24 d.C.).

    Em uma tumba na cidade de Sanmenxia, ​​os arqueólogos descobriram o pote com um pescoço curvo em forma de cisne neste mês de maio.

    Pesquisadores da Universidade da Academia Chinesa de Ciências (UCAS) também descobriram que o álcool era semelhante ao licor medicinal registrado em um antigo livro médico descoberto nas Tumbas de Mawangdui da Dinastia Han em Changsha, na província de Hunan na China central e # 39.

    Os testes continuarão, incluindo uma análise isotópica de nitrogênio, para obter mais informações sobre as matérias-primas, processos de produção e funções do antigo álcool, de acordo com Yang Yimin, professor do Departamento de Arqueologia e Antropologia da Universidade da Universidade da Academia Chinesa de Ciências.

    & quotUm pote de bronze deste tipo raramente é visto. O relatório do teste da amostra indica que a panela foi usada para conter álcool ”, disse Zheng Lichao, chefe do Instituto de Relíquias Culturais e Arqueologia de Sanmenxia.

    Da tumba, um espelho de bronze, uma bacia de bronze e espadas feitas de ferro e jade também foram desenterradas por arqueólogos.

    TÓPICOS: História Ciência Viagem
    PALAVRAS-CHAVE: godsgravesglyphs handynasty enologia zimurgia Navegação: use os links abaixo para ver mais comentários.
    primeiro 1-20, 21 próximo último


    A bebida do cisne drwan tem o melhor sabor

    Você tem que obter esses isotipos de nitrogênio corretamente.

    Esse pote deve ter um selo hermético.

    Alguém provou isso? Qualquer coisa melhor do que a bebida do moonshiner & # 8217s?

    Suspeito que o álcool reagiria ao bronze, pelo menos até que uma pátina se formasse sobre o metal.

    É a abertura real do & quotpot & quot onde está o anel em volta do pescoço?

    E o & quotneck & quot curvo era um plugue justo que selava essa abertura?

    Nesse caso, posso ver como um encaixe por pressão de metal com metal - reforçado por uma fina camada de corrosão preenchendo qualquer lacuna - pode ter feito uma vedação eficaz.


    Imagem de topo: Parte do tesouro chinês encontrado no ano passado nas Ruínas de Sanxingdui em vários poços de sacrifício. Esta estátua de bronze com um vaso zun no topo é considerada importante o suficiente para solicitar o status de Patrimônio Mundial da UNESCO.

    Arqueólogos explorando poços de sacrifício em uma ruína de 3.000 anos revelaram um tesouro chinês que consiste em mais de 1000 relíquias de suprema importância cultural. No entanto, o artefato mais importante neste tesouro chinês é uma figura de bronze maciça e singular. Foi considerado importante o suficiente para que o local se candidatasse ao status de Patrimônio Cultural Mundial da UNESCO.

    As ruínas de Sanxingdui, na província de Sichuan do sudoeste da China, não são apenas a descoberta arqueológica mais famosa da China, mas de acordo com um artigo recente do Global Times, & ldquoin the world. & Rdquo Descoberto pela primeira vez em 1929, o site de Sanxingdui, que remonta ao Bronze Idade, representa o maior local de elite já encontrado na Bacia de Sichuan.

    Now, archaeologist exploring the site&rsquos ancient sacrifice pits have unearthed a Chinese treasure hoard of enormous value, including hundreds of ivory and bronze artifacts, and a massive bronze god statue that is so important that the entire site might be given world heritage status.

    Though not from this year’s Chinese treasure hoard, this Sanxingdui Ruins site bronze head wearing a gold foil mask is considered to be exceptional, and of great importance.

    The Chinese Treasure Hoard: Ivory, Bronze, Gold and Jade

    Dating back to the Xia (c. 2,070 BC-c. 1,600 BC) and Shang (c. 1,600 BC-1,046 BC) dynasties, the discoveries at Sanxingdui have been featured in an animated film, several documentaries, books and computer games.

    As of May 2020, &ldquo534 important cultural artifacts&rdquo made of ivory, bronze, gold and jade ware have been unearthed from the site. Furthermore, around 2,000 broken relics, including a gold mask, were found in a series of six sacrificial pits.

    As if this priceless Chinese treasure hoard wasn&rsquot enough for one year, in Pit 3, a &ldquo1.15 meters [3.8 feet] high, 3,000-year-old bronze figure was discovered with a zun, (ancient wine vessel) on top of the head.&rdquo According to Global Times, this single artifact is being described as an &ldquounprecedented cultural relic,&rdquo on a global scale.

    This bronze altar previously unearthed at the Sanxingdui Ruins site consists of 3 levels: the bottom level is a circular base bearing a pair of fabulous animals, on the second level are 4 standing human figures supporting hills on their heads. The top lev

    Learning From The Sacred Bronze Statue&rsquos Dragon Zun Vessel

    Tang Fei, dean of the Sichuan Provincial Cultural Relics and Archeology Research Institute, told the Global Times that his team has now removed almost all of the ivory relics from the pits and they are now focusing on the rare bronze statue. The upper part comprises a 55-centimeter-high (22-inch-high) broad mouthed bronze zun drinking vessel with dragon-shaped decorations , while the lower part is a 60 centimeter-tall (22-inch-tall) kneeling figure with something in its hands.

    Further bronze-made relics were found buried underneath the layer of ivory relics , and Dr Tang told CCTV on Friday that these bronze figures reflect &ldquosacrifice in the spiritual world of the ancient Shu civilization.&rdquo For this reason, he calls the discovery of the statue &ldquoa national treasure-level cultural relic.&rdquo

    Already, as a result of the excavations of these sacrifice pits at the Sanxingdui Ruins site, archaeologists now know that fine silks were votively offered by members of the ancient dynasty, Tang said.

    As of late May 2021, more than 1,000 important cultural relics have been unearthed at the Sanxingdui Ruins. This newly discovered golden mask from the site is under restoration, officials said at a recent global promotion event.

    Tracing The Origins Of The Chinese Relic Makers

    The Sanxingdui civilization was located in the Huaxia Fringe zone and as early as the Neolithic period it was connected with Qinghai-Tibet Plateau cultures . Later the region was connected with the ancient Silk Road to the northwest, therefore it was also connected with the coast of China.

    Dr Tang says the ancient Sanxingdui civilization has the characteristics &ldquoof the integration of Eastern and Western civilizations&rdquo and he theorizes that the culture was most likely based on the traditional Central Plains civilization and its prominent Bashu culture, as well as being influenced by the other ancient civilizations that surrounded it.

    China often gets a bad rap for its draconian social control and inability to work with the rest of the world, but in this instance, according to Zhu Yarong, deputy curator of the Sanxingdui Museum, relics from the Sanxingdui Ruins are to be found in 21 countries.

    And now, in a further display of international spirit, the Sanxingdui Ruins will soon become a major new &ldquointernational tourism site&rdquo said Luo Qiang, vice-governor of Sichuan Province.


    The mysterious Sanxingdui actually confirmed the ancient legend?

    Chinanews client, Beijing, March 24th (Reporter Song Yusheng) There is no shortage of legends in the land of Shu. Recently, these long-lived legends have echoed the new archaeological discoveries at Sanxingdui site. So, do the archaeological discoveries of Sanxingdui coincide with the records of later generations? How many of these legends are true? Bronze head with gold mask, unearthed in

    Chinanews client, Beijing, March 24th (Reporter Song Yusheng) There is no shortage of legends in the land of Shu.

    Recently, these long-lived legends have echoed the new archaeological discoveries at Sanxingdui site.

    So, do the archaeological discoveries of Sanxingdui coincide with the records of later generations?

    How many of these legends are true?

    Bronze head with gold mask, unearthed in 1986 at No. 2 Sacrifice Pit of Sanxingdui Site.

    Photo courtesy of Sanxingdui Museum

    Has the ancient Shu king ever become immortal?

    "Hey, the danger is high! The difficulty of the road of Shu, it is difficult to go to the blue sky! The silkworm and the Yufu, how lost is the founding of the country! You are forty-eight thousand years old, and you don't live with Qin Sai."

    Li Bai talked about the past of Shu at the beginning of his masterpiece "The Difficulty of Shu Road".

    However, these descriptions have an obvious literary color, in which traces of the legends of the Shu area at that time can be seen, but also exaggerated.

    Among the documents that people know about today, the legendary stories of Shu in the pre-Qin period are nothing more than "Benji of the King of Shu" and "The History of Huayang" and other books.

    Based on the records of these documents, the first Shu king was called "Can Cong", the later Shu king was called "Bai Yi" (a "Bai Guan"), and the next Shu king was called "Yu Fu".

    This is exactly what Li Bai called the "founding" king of Shu in "The Difficulty of Shu Road"-"Can Cong and Yu Fu".

    Fragment of the golden mask, unearthed at Sanxingdui site.

    Photo courtesy of Jinsha Site

    What's interesting is that the descriptions of these Shu kings in the literature are quite mythical, like Yufu, who "becomes a god".

    For example, in "The History of Huayang Kingdom", after the death of Can Cong, he was buried in a stone coffin while the king of Yufu "suddenly got the path of immortality."

    The "Benji of the King of Shu" is even more miraculous. It says that the three generations of Cancong, Baiyi, and Yufu all lived for hundreds of years, and "all were deified and immortal."

    At the same time, the book also wrote about Yufu "Dexian".

    Although the mythological description is not true history, it also casts layers of mist on the past of Shu and adds a mysterious color.

    These legends may be true

    So, are these ancient books that record the story of Shu land unreliable?

    In fact, scholars have speculated that the Sanxingdui site was in the Yufu period.

    The archaeology of Sanxingdui also confirmed some legendary content to a certain extent, such as "Zongmu".

    The most representative giant longitudinal-eye bronze face in Sanxingdui cultural relics.

    Photo by Du Jia Source: Visual China

    "Huayang Guozhi" mentioned that the silkworm Cong was "its eyes".

    For a long time, it was difficult for later generations to understand such expressions in the literature. It was not until the unearthed cultural relics such as the Zongmu bronze human face in Sanxingdui that everyone had an intuitive understanding.

    This bronze human face not only has a cylindrical eyeball shape, but also clearly protrudes beyond the eye socket.

    Related research believes that this obviously has the characteristics of "longitudinal".

    In the cultural relics found in Sanxingdui, there is no shortage of exaggerated eyes.

    It can be seen that the so-called "Zongmu" is not a source of water.

    In addition, the communication between the ancient Shu area and the outside world is also confirmed to a certain extent by archaeological objects.

    Cultural relics in the "sacrifice pit".

    According to the literature, during the Shang and Zhou dynasties, the land of Shu had already communicated with the Central Plains.

    Judging from the archaeological results, it should be true.

    Ran Honglin, the person in charge of the archaeological excavation site at the Sanxingdui site, made it clear at the ventilation meeting held on the 20th that a series of artifacts, such as bronze statues, copper lizards, and Yu Ge unearthed at the Yinxu ruins, can be found in the Sanxingdui site with similar shapes, which can be reflected. Its connection with business culture.

    Thus, it can be seen that the statement of "not communicating with Qin Sai" in Li Bai's poems is not historical fact.

    These records need to be verified

    Compared with the literature, what other guesses can we have about the history of ancient Shu?

    In the archaeology of Sanxingdui, a question that everyone is very concerned about is whether there are any texts in Sanxingdui?

    According to the documents that can be seen today, the ancient Shu people "do not know words."

    At the archaeological level, although no text has been discovered so far, Ran Honglin once revealed that archaeologists have found carved symbols on many pottery.

    He also tends to think that Sanxingdui "has signs of writing."

    However, whether cultural relics with written text can be found requires further archaeological excavations.

    Archaeologists are working at the excavation site.

    In an interview with the media, Lei Yu, director of the Sanxingdui Site Workstation of the Sichuan Provincial Institute of Cultural Relics and Archaeology, said frankly that such a developed bronze civilization should have written words.

    He guessed that maybe the words of the ancient Shu people were written on wood or on organic materials such as silk, silk, and silk, which are now completely destroyed.

    On the 23rd, experts inferred that Sanxingdui No. 4 pit was about 3,200 to 3,000 years ago, and belongs to the late Shang Dynasty.

    As the mystery is uncovered step by step, the obliterated history more than 3,000 years ago may soon be seen again.

    Reference materials: "The History of Huayang Kingdom", "The Benji of the King of Shu", "The General History of Chinese Culture", "The Elaboration of Ancient History of Bashu", "The Discrimination of Ancient History", "Out of the Era of Doubtful Ancient Times", "The Book of the King of Shu" and the Legend of Ancient Shu by Yang Xiong


    Assista o vídeo: China quer transformar portos em armas; General americano justifica telefonema para China


    Comentários:

    1. Laziz

      Muito útil! E então quanto você não escala não há nenhum blá blá blá contínuo. Mas não aqui, e agrada!

    2. Frisco

      Você comete um erro. Vamos discutir isso. Escreva para mim em PM.

    3. Tamas

      Bravo, sua ideia brilhante

    4. Akirr

      Este é o ponto principal.

    5. Northclyf

      Havia mais deles O_O

    6. Lanston

      Em trabalho vaidoso.



    Escreve uma mensagem