Ruínas da Torre Paikuli

Ruínas da Torre Paikuli



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

>

A torre fica em uma colina perto de Barkal, uma vila moderna a sudoeste do Lago Darband-i-Khan, governadoria de Sulaimaniya, Iraque. Foi erguido como um monumento em comemoração à vitória do rei sassânida Narseh sobre seu sobrinho Warham III. As inscrições foram escritas nas línguas parta e persa média. A parede oeste foi escrita em persa médio e consistia em 46 linhas e 8 blocos de pedra horizontais. O lado ocidental era a versão parta e composto por 7 blocos de pedra horizontais formando 42 linhas de inscrição. Esses blocos de pedra com inscrições estão agora no Museu Sulaimaniya.

De acordo com Humbach-Skjaervø, o número total de blocos é 230-240 e o comprimento total do texto é 940 cm; isso a torna a inscrição sassânida mais antiga até hoje. 293 CE.


A Torre de Iniarv era uma fortaleza quadrada situada sobre uma escarpa que dava para a High Road. As paredes da fortaleza eram de pedra de um metro e meio de espessura e aproximadamente 25 metros de lado. Duas torres de pedra quadradas de vinte pés e trinta pés de altura ficavam nos cantos norte e sul da praça. Uma portaria de dez metros de altura com portas levadiças e buracos assassinos ficava no canto oeste da praça. As três torres eram conectadas por uma passarela com parapeitos, que podiam ser alcançados por lances de escadas a partir do pátio interno. & # 915 e # 93

O pátio interno, ou enfermaria, era de terra compactada e tinha duas pequenas construções de madeira contra as paredes externas. Um edifício era uma ferraria e o outro um estábulo. Portas fora da enfermaria levavam às torres de canto, bem como à torre principal do edifício. & # 915 e # 93

A torre principal ficava no canto leste da praça e tinha quinze metros quadrados e mais de vinte metros de altura. O piso térreo tinha chão de pedra. O interior era dividido em vários níveis por pisos de madeira e também tinha uma cobertura de madeira com parapeitos. As vistas dos níveis superiores das Montanhas da Espada, da Lagoa dos Homens Mortos e da Estrada Alta foram consideradas impressionantes. Escadas conectavam cada nível e também conduziam para os porões e criptas abaixo. & # 915 e # 93

A estrutura havia sido reparada e reconstruída muitas vezes ao longo dos séculos, usando vários estilos e graus de cuidado, mas a torre sempre parecia estar em ruínas. Muitos atribuíram isso a uma maldição sobre a construção concedida pelo próprio Iniarv. Em 1372 CV, grande parte da estrutura estava em ruínas. Partes da parede externa foram rompidas, o interior de uma das pequenas torres de canto desabou, os edifícios do pátio estavam em ruínas, as escadas para as criptas foram bloqueadas com escombros, e os pisos internos e o telhado da torre principal tinham em grande parte desabou. & # 915 e # 93


Dados do inimigo

Dados do inimigo: Torre das ruínas
Imagem Nome - Jogo
Descrição
Estatisticas Itens Localização
Zumbi& # 160 & # 160 [alt] [editar]
Legado das Trevas
' HP: 15
Derrubar: x2, geralmente 100 de ouro
Floresta, Vila, Centro do Castelo, Torre das Ruínas
Cavaleiro do Inferno [Prata, Espada Longa]& # 160 & # 160 (armadura) & # 160 [alt] [editar]
Legado das Trevas
' HP: 40
Derrubar: Geralmente ouro, joia vermelha ou faca de powerUp com frequência
Castle Centre (inerte), Art Tower (inerte), Torre das Ruínas, Duel Tower
Cavaleiro do Inferno [Ouro, Espada Longa]& # 160 & # 160 (armadura) & # 160 [alt] [editar]
Legado das Trevas
' HP: 60
Derrubar: Geralmente ouro, joia vermelha ou faca de powerUp com frequência
Villa (inerte), Castle Centre (inerte), Art Tower (sempre deixa a Carta do Sol ou a Carta da Lua), Torre das Ruínas
Cavaleiro do Inferno [cobre, lúcio]& # 160 & # 160 (armadura) & # 160 [alt] [editar]
Legado das Trevas
' HP: 50
Derrubar: Normalmente, Jóia Vermelha, Ouro ou PowerUp atacam item com frequência
Castle Center, Torre das Ruínas
canibal& # 160 & # 160 (Homem-pulga) [editar]
Legado das Trevas
' HP: 5
Floresta, Centro do Castelo, Torre das Ruínas, Torre da Ciência, Torre do Relógio
Esqueleto Guerreiro [Corrida]& # 160 & # 160 [alt] [editar]
Legado das Trevas
' HP: 10 (dia), 12 (noite)
Derrubar: geralmente Red Jewel, Gold ou PowerUp frequentemente Knife
Lago de nevoeiro, floresta, parede do castelo, vila, parede externa, canal subterrâneo, Torre das Ruínas
Fantasma [Servo]  [editar]
Legado das Trevas
' HP: 1
Derrubar: Normalmente ouro, joia vermelha ou powerUp
Castle Centre (apenas Carrie), Torre das Ruínas
Fantasma [Líder]  [editar]
Legado das Trevas
' HP: 1
Derrubar: Normalmente, Red Jewel, Gold ou PowerUp sempre caem
Castle Centre (apenas Carrie), Torre das Ruínas
Crânio Flutuante  [editar]
Legado das Trevas
' HP: 1
Derrubar: Normalmente PowerUp, Red Jewel ou Gold Frequentemente Attack Item
Lago de Nevoeiro, Floresta, Vila, Túnel

Conteúdo

O nome de Narseh deriva do antigo nome teofórico iraniano de * naryasa (n) ha-, que significa "elogio dos homens". O nome de Narseh está listado como nrshy no persa médio e nryshw em parta na inscrição Paikuli e Naqsh-e Rostam. [3] A versão grega de seu nome também está listada nas inscrições, como Narsaiēs ou Narsaios. No entanto, outras fontes gregas geralmente soletram seu nome como Narsēs. [3] O nome de Narseh é conhecido em outras línguas como latim: Narseus Siríaco ܢܪܣܝ Nrsy Árabe: نرسي Narsi Armênio Nerseh cóptico Narsaph, assim como Narseos. [3]

Narseh parece ter sido o filho mais novo de Shapur I, nascido entre 228-233 durante o reinado de seu avô Ardashir I (r. 224-242). [3] Narseh é citado em uma inscrição de seu pai, Shapur I, como governador das províncias de Hind, Sakastan e Turan. Durante seu mandato como governador, ele teria desempenhado um papel importante nos assuntos da parte oriental do império. [3] Shapur I morreu em 270 e foi sucedido por Hormizd I, cujo governo durou apenas um ano devido à morte. O irmão mais velho de Narseh, Bahram I, que nunca foi considerado um candidato à sucessão ao trono por seu pai, provavelmente por ter uma mãe de origem humilde, subiu ao trono com a ajuda do poderoso sacerdote zoroastriano Kartir. [4]

Ele então fez um acordo com Narseh para abrir mão de seu direito ao trono em troca do governo da importante província fronteiriça da Armênia, que era constantemente a fonte de guerra entre os Impérios Romano e Sassânida. [3] Narseh detinha o título de Vazurg Šāh Arminān ("Grande Rei da Armênia"), que era usado pelo herdeiro do trono. [5] No entanto, Narseh provavelmente ainda via Bahram I como um usurpador. [4] O reinado de Bahram I, entretanto, durou pouco, terminando em setembro de 274 com sua morte. [4] Seu filho Bahram II o sucedeu como xá, aparentemente sem problemas, ele pode ter sido ajudado por Kartir para ascender ao trono de Narseh. [6] [7] [8] Isso provavelmente frustrou Narseh, que já havia sido negligenciado na sucessão várias vezes. [5]

Após a morte de Bahram II em 293, seu filho Bahram III foi involuntariamente proclamado xá em Pars por um grupo de nobres liderados por Wahnam e apoiados por Adurfarrobay, governador de Meshan. [9] No entanto, Bahram III foi considerado um governante fraco pelos outros nobres, que decidiram jurar lealdade a Narseh, o último filho remanescente de Shapur, e alguém que era visto como um líder mais forte e alguém que seria capaz de trazer glória para o Irã. [10] [11] Quatro meses após o reinado de Bahram III, Narseh foi convocado para a Mesopotâmia a pedido de muitos membros da nobreza iraniana. Ele os conheceu na passagem de Paikuli na província de Garmekan, onde foi firmemente aprovado e provavelmente também declarado xá pela primeira vez. As razões por trás do favorecimento dos nobres a Narseh podem ter sido devido à sua jurisdição como governador, sua imagem como defensor da religião zoroastriana e como segurador da harmonia e prosperidade do império. Sua ascendência da família sassânida provavelmente também desempenhou um papel. [3]

Para evitar derramamento de sangue, Narseh propôs fazer as pazes com Bahram III e Wahnam. [3] Ambos parecem ter concordado, já que nenhum relato de batalhas foi feito. A razão por trás de Bahram III e o rápido acordo de Wahnam para a paz pode ter sido devido à deserção entre muitos dos homens de Bahram III. Bahram III abdicou como xá e provavelmente foi poupado, enquanto Wahnam foi executado quando Narseh entrou na capital sassânida de Ctesiphon. [12] [3] Narseh então convocou os aristocratas para participarem do referendo real, um ritual que tinha sido usado desde o primeiro xá sassânida, Ardashir I (r. 224–242), e do qual Narseh agora fazia uso na ordem para obter a aprovação da aristocracia como governante legítimo em vez de usurpador. Narseh foi decididamente votado a favor da maioria e garantiu "entrar no trono de nosso pai e de nossos antepassados ​​com a ajuda dos deuses, em seu nome e no de nossos antepassados". [3] Entre os nobres que apoiaram Narseh estava o sacerdote líder Kartir, o que é atestado na inscrição Paikuli. [8]

Guerra com os Romanos Editar

Edição de fundo

Quando Narseh ascendeu ao trono, a porção oriental da Mesopotâmia (desde 244) e toda a Armênia (desde 252) estavam sob o domínio iraniano. [3] A noção tradicional da parte ocidental da Armênia foi dada ao príncipe arsácida Tirídates III foi questionada. [3] De acordo com a historiadora Ursula Weber, "é bastante certo" que toda a Armênia continuou a fazer parte do Império Sassânida no século III, até que foi posteriormente cedida aos Romanos em 298/9 após a Paz de Nisibis. [3] A proposição de Narseh presumivelmente seguindo a abordagem expansionista de Shapur I não combina com seu testemunho na inscrição Paikuli "E César e os romanos estavam em gratidão (?) E paz e amizade conosco." [3] Ao contrário do depoimento, no entanto, os dois impérios logo se enfrentaram − em 296. [3] Do ponto de vista romano, as relações mútuas com o Irã foram fortemente tensas devido à abordagem agressiva e expansionista de Ardashir I e Shapur I. [3] No entanto, as causas conclusivas para a ofensiva romana foram possivelmente devido às suas perdas territoriais e à mudança desvantajosa na esfera de autoridade e influência nas terras da Mesopotâmia-Armênia nas décadas de 240 e 250. [3]

A guerra editar

Galerius, César sob o imperador Diocleciano, invadiu a Mesopotâmia, que Narseh ocupara na esperança de impedir seu avanço. Três batalhas foram travadas posteriormente, as duas primeiras foram indecisas. Na terceira batalha em Callinicum, Galerius sofreu uma derrota completa e foi forçado a recuar. Galério cruzou o Eufrates para a Síria para se juntar a seu sogro Diocleciano em Antioquia. Em sua chegada a Antioquia, Galério foi repreendido por Diocleciano, que o desonrou por sua vergonhosa derrota nas mãos de Narseh. Prometendo vingança, Galerius fez preparativos durante o inverno de 297 e invadiu a Armênia com 25.000 homens.

Apoiado pelos armênios, Galerius surpreendeu Narseh em seu acampamento na Batalha de Satala e infligiu uma derrota esmagadora a este último, forçando-o a fugir às pressas. Sua esposa, prisioneiros, suas irmãs e vários de seus filhos foram capturados além de seu prodigioso baú militar. A Mesopotâmia oriental foi recuperada pelos romanos e Tirídates foi reintegrado como monarca da Armênia.

Negociações de paz Editar

Ansioso para fazer as pazes com os romanos, Narseh despachou seu enviado Afraban a Galerius com a seguinte mensagem:

"Toda a raça humana sabe que os reinos romano e persa se assemelham a duas grandes luminárias, e que, como os dois olhos de um homem, eles devem se adornar e ilustrar mutuamente, e não no extremo de sua ira para buscar a destruição um do outro . Portanto, agir não é agir virilmente, mas é um indicativo de leviandade e fraqueza, pois é supor que nossos inferiores nunca podem ser de qualquer utilidade para nós e que, portanto, é melhor nos livrarmos deles. Narseh, além disso, não deve ser considerado um príncipe mais fraco do que outros reis persas, tu realmente o conquistaste, mas então superaste todos os outros monarcas e, portanto, Narseh foi derrotado por ti, embora ele não seja inferior em mérito ao melhor de seus ancestrais As ordens que meu senhor me deu são de confiar todos os direitos da Pérsia à clemência de Roma e, portanto, nem mesmo trago comigo quaisquer condições de paz, pois cabe ao imperador determinar tudo. reza, o Em nome de meu senhor, para a restauração de suas esposas e filhos do sexo masculino, se ele os receber de suas mãos, ele estará para sempre em dívida com você e ficará mais satisfeito do que se os recuperasse pela força das armas. Mesmo agora, meu mestre não pode agradecê-lo suficientemente pelo tratamento gentil que ele ouve que você lhes concedeu, no sentido de que você não os insultou, mas se comportou como se estivesse a ponto de devolvê-los aos seus amigos e parentes. Ele vê aqui que você tem em mente as mudanças da sorte e a instabilidade de todos os negócios humanos. "

Mas Galerius dispensou Afraban sem dar uma resposta definitiva, ao mesmo tempo acusando os iranianos de maltratar Valerian. Nesse ínterim, ele consultou Diocleciano em Nisibis e persuadiu Galério a oferecer termos de paz aos iranianos. Conseqüentemente, os termos de paz foram acordados e ratificados por um tratado concluído por Narseh com os romanos.

  • Cinco províncias além do Tigre seriam cedidas aos romanos. Um escritor apresenta essas províncias como Ingilene, Sophene, Arzanene, Corduene e Zabdicene por outro como Arzanene, Moxoene, Zabdicene, Rehimene e Corduene.
  • O reino semi-independente da Armênia seria estendido até a fortaleza de Zintha, na Média.
  • Esperava-se que o Irã renunciasse a todos os seus direitos sobre a Península Ibérica.
  • As negociações formais entre o Irã e Roma seriam doravante conduzidas em Nisibis.

Narseh não sobreviveu por muito tempo após a conclusão desse tratado humilhante. Ele morreu em 303 e foi sucedido por seu filho, Hormizd II.

O título de Narseh em suas moedas era o típico Mazdēsn bay Narsē šāhān šāh Ērān ud Anērān kēčihr az yazdān ("o adorador de Mazda, divino Narseh, Rei dos Reis do Irã (ians) e não-Irã (ians), cuja imagem / brilho vem dos deuses"). [13] [14] A iconografia das moedas de Narseh pode ser categorizada em três fases. A primeira e a segunda fases o retratam usando uma coroa de palmeta, embora com dois penteados diferentes. Na terceira fase, ele usa uma coroa lamelar com um penteado diferente. [3]


Ruínas carrancudas: as casas da torre da Irlanda medieval

Bourchiers & # 8217 Castle, Lough Gur, County Limerick,
uma elegante torre gótica irlandesa do século XV.

Uma casa-torre é uma residência medieval fortificada de pedra, geralmente com quatro ou mais andares de altura. Como a maioria dos monumentos sobreviventes de nosso passado medieval, a maioria das torres irlandesas estão em más condições, com paredes desabadas e exteriores envoltos em hera refletindo séculos de abandono. No entanto, essas ruínas, remanescentes de uma importante indústria de construção medieval, fornecem uma valiosa fonte de informações sobre a vida na Irlanda durante o final da Idade Média. Um número crescente está sendo restaurado por meio de iniciativas privadas e estaduais, ao mesmo tempo que tem havido um aumento acentuado no interesse acadêmico nos últimos anos.
Os edifícios foram considerados castelos por seus ocupantes. Esta classificação continua até hoje e as casas-torre são consideradas uma espécie dentro do gênero do castelo. Sua evidente força defensiva não deve, no entanto, ofuscar sua natureza residencial, pois as casas-torre eram principalmente as casas defendidas de uma classe de proprietários de terras abastados e foram erguidas por famílias anglo-irlandesas e gaélicas durante o período de cerca de 1400 a cerca de 1650.
A identificação da casa da torre como uma unidade distinta de estudo entre a arquitetura acastelada da Irlanda é de origem relativamente moderna. Em 1858, o antiquário inglês John Henry Parker fez uma excursão de duas semanas ao sul da Irlanda. Entre os numerosos monumentos históricos que visitou, ele reconheceu uma classe distinta de torres acasteladas independentes com características arquitetônicas semelhantes, a casa da torre. A denominação de Parker & # 8217s, entretanto, não parece ter sido prontamente adotada pelos antiquários irlandeses contemporâneos. Thomas J. Westropp, por exemplo, preferiu usar o termo torre peel, um nome derivado de uma série de edifícios medievais amplamente semelhantes encontrados na Escócia e no norte da Inglaterra. O termo casa-torre só ganhou maior aceitação a partir da década de 1930, em grande parte devido ao trabalho de Harold G. Leask.

Pintura de John Mulvany & # 8217 de Kilmallock, County Limerick c.1800. (Cortesia da Galeria Nacional da Irlanda)

Namoro, origens e distribuição

A Irlanda no final da Idade Média era densamente povoada de castelos, de acordo com um documento inglês de 1515, havia nada menos que 500 pilhas ou castelos em todo o país. Mesmo hoje, o número exato de castelos e casas-torre não é de forma alguma certo, e há vários castelos & # 8216perdidos & # 8217. A pesquisa abrangente Westropp & # 8217s do Condado de Limerick foi baseada em informações recuperadas de documentos históricos e identificou um corpus de 405 edifícios. Hoje, a localização de apenas 176 pode ser identificada com certeza. Leask chegou a um valor de cerca de 2.900 castelos em toda a Irlanda, a maioria dos quais eram, sem dúvida, casas torre (Fig.1).
As casas-torre começaram a existir no início do século XV, quando um estatuto de 1429 permitiu que os condados de Pale concedessem £ 10 aos proprietários de terras para sua construção. A casa da torre em Kilclief, County Down, foi construída no início do século XV. Onde o conceito se originou? Eles podem ter sido cópias em escala reduzida de antigas fortalezas anglo-normandas. Eles podem ter se desenvolvido como o equivalente secular das torres do campanário erguidas nas abadias e mosteiros irlandeses durante o século XV. O conceito pode ter sido importado da Inglaterra, Escócia ou continente. Casada com qualquer discussão sobre as origens, no entanto, está a necessidade de identificar as razões pelas quais as casas das torres se tornaram proeminentes na sociedade medieval tardia.
Em uma história do Condado de Limerick publicada em 1826-7, o antiquário P.J. Fitzgerald registrou que & # 8216as ruínas carrancudas de muitos [castelos] ainda permanecem como monumentos solitários de um longo e sombrio período de distração e anarquia & # 8217. Isso pinta um quadro bastante sombrio da vida na Irlanda do final da Idade Média. Embora seja verdade que os eventos do século XIV, como as invasões de Bruce e a Peste Negra, levaram ao deslocamento social e à recessão econômica, os efeitos na sociedade podem não ter sido tão severos como muitas vezes é retratado. Roger Stalley e Tom McNeill, por exemplo, argumentaram que não houve um hiato completo na atividade de construção durante este período. Após uma recessão de meados ao final do século XIV, a indústria da construção se recuperou, construindo em um estilo - gótico irlandês - cujos elementos chegaram da Inglaterra entre 1300 e 1350. Grandes mudanças sociais e econômicas ocorreram no final do século XIV e no início do século XV. Houve uma mudança da agricultura arável para a pastoril, enquanto a pesquisa no leste de Galway, Meath e no baronato de Knockgraffon em Tipperary mostrou que havia uma fragmentação em grandes senhorios, acompanhada por uma proliferação de senhorios menores e casas-torre.
A Pesquisa Desmond da década de 1580 identifica uma situação semelhante no Condado de Limerick. O documento elizabetano é a primeira visão geral do condado após o período medieval e retrata uma paisagem dividida entre senhores e inquilinos menores que pagavam taxas de aluguel e serviços para seu suserano, o conde de Desmond. Precisamente quando essa proliferação de senhorios menores ocorreu não pode ser facilmente identificada, mas sua correlação com o advento de casas-torre a partir do século XV deve ser significativa. No condado de Limerick, as casas das torres mostram uma concentração acentuada na fértil planície central do condado. A rica terra teria fornecido excelentes pastagens para o gado, um fator chave na geração de riqueza para os proprietários de terras. A casa da torre também enfatizou a posição do proprietário de terras na sociedade. Protegida por trás de suas paredes, a casa da torre e a clareira forneciam a um proprietário de terras proteção contra vizinhos problemáticos e invasores em uma época em que as incursões eram a principal forma de guerra irlandesa.

O Castelo de Monea, no condado de Fermanagh, foi construído após a plantação do Ulster em 1609 e exibe características arquitetônicas baroniais escocesas.

A arquitetura das casas das torres

Nunca duas casas de torre são idênticas. Embora o mesmo conjunto de características arquitetônicas ocorrendo em uma casa torre possa estar presente em um edifício vizinho (sugerindo que ambos foram construídos em um período semelhante), a localização, variedade e número de características presentes em cada edifício individual podem ser diferentes. A presença de um conjunto arquitetônico compartilhado, entretanto, permite que os edifícios sejam definidos como uma série arquitetônica distinta. Além disso, cada torre funciona como uma unidade independente com as câmaras internas empilhadas verticalmente, uma sobre a outra. Ambos os fatores resultam na conformidade da aparência em toda a Irlanda.

A maioria das casas-torre tem uma planta retangular, quase quadrada, com paredes altas que se estreitam para cima a partir de bases grossas e maltratadas (Fig. 2). A entrada é ao nível do rés-do-chão, emoldurada por um portal em arco de pedra trabalhada. A presença de um pequeno orifício em uma das ombreiras da porta de pedra pode revelar onde uma porta de ferro, ou ainda, uma vez pendurada. Olhando para cima, uma caixa de pedra no nível do parapeito pode ser colocada diretamente sobre a porta. O chão aberto desta machicolagem (Detalhe 1) permitiu que mísseis fossem lançados sobre os assaltantes abaixo. Bartizans e tourelles podem se projetar de um canto superior ou do parapeito com ameias (Detalhe 2), ambos fornecendo proteção adicional ao circuito do edifício. A entrada pode levar a um pequeno saguão, no telhado do qual muitas vezes está posicionado um buraco de assassinato, outra característica defensiva e que permite aos ocupantes despachar qualquer visitante indesejado da segurança do prédio & # 8217s primeiro andar. De um lado do saguão, pode haver a entrada para uma pequena câmara subsidiária (talvez uma estação de portaria e # 8217s), enquanto muitas vezes do outro lado está a porta que leva à escada em espiral que dá acesso aos níveis superiores do andar. O lobby pode levar à grande câmara principal. Ambas as câmaras principal e subsidiária podem estar sob abóbadas de pedra, mas a tensão que as abóbadas colocadas nas paredes laterais costumavam restringir seu número na torre acabada. Como resultado, os construtores usaram com mais frequência pisos de madeira, colocados em vigas que abrangiam a sala e eram apoiados em vigas colocadas em suportes de pedra (cachorros) que se projetavam de ambas as paredes laterais da câmara (Detalhe 3).
Normalmente, a planta baixa é repetida em cada um dos níveis superiores e o espaço interno de cada nível & # 8217s é dividido entre uma câmara principal e uma câmara secundária. As portas de madeira em todo o edifício foram penduradas em & # 8216olhos oscilantes & # 8217 (Detalhe 4) ou orifícios de articulação colocados no lado interno superior da porta, nos quais a escada da porta foi inserida. As câmaras podem conter armários profundos e lareiras (embora os últimos raramente sejam encontrados em câmaras subsidiárias). Longas passagens com telhado de pedra, alojadas na espessura de uma parede lateral, levam às latrinas do castelo e # 8217s. A latrina é colocada sobre uma conduta descendente que permite que os resíduos caiam através do poço para uma abertura na face externa da parede, de onde foram alijados do edifício.
As janelas estreitas em forma de fenda dentro de suas canhoneiras profundas (Detalhe 5) nos andares mais baixos forneciam pouca luz para a área de estar interna, mas tinham uma qualidade defensiva necessária. Nos andares superiores, as considerações defensivas não eram tão primordiais; os andares superiores do edifício podem ter elaboradas janelas gradeadas, com cabeças esculpidas. Molduras de projeção (moldes de cobertura) colocadas sobre a janela na face da parede externa foram projetadas para jogar a água da chuva para longe da abertura. Essas janelas também podem ser acompanhadas por assentos de pedra colocados em cada lado da moldura da janela. A escada em espiral terminava no parapeito (às vezes em caphouse), onde havia um calçadão, protegido por ameias escalonadas. O prédio estava sob um telhado inclinado.
Variações no formato ocorrem. Nem todas as casas torre, por exemplo, têm plantas retangulares. Em Castle Troy, County Limerick, há um uso único e engenhoso do espaço em um edifício de cinco lados, enquanto também há um pequeno corpus de torres redondas, representadas por edifícios como Ballynahow, County Tipperary. Torres laterais também podem ser incorporadas à planta baixa (particularmente no norte de Leinster), como em Roodstown, County Louth. Em edifícios como Castle Hewson, County Limerick, um lance reto de degraus de pedra alojados na espessura de uma parede lateral era o preferido, em vez de uma escada em espiral.
Um viajante do início do século XVII, Fynes Moryson, afirmou que o gado irlandês & # 8216 come apenas durante o dia e é trazido à noite para as divisões dos castelos onde fica ou passa a noite toda em um quintal sujo sem nem mesmo um cacho de feno & # 8217. A divisa era um recinto fortificado onde se localizavam construções externas (talvez de madeira). As paredes de divisa eram geralmente de pedra e fechavam uma área retangular ao redor da casa da torre. De natureza menos substancial do que as paredes da casa da torre, muitos bawns foram demolidos. No condado de Limerick, eles têm uma taxa de sobrevivência particularmente baixa, com apenas quatorze exemplares restantes.

Vida doméstica em uma casa torre

A descrição mais citada da vida em uma casa de torre é o relato de Luke Gernon & # 8217s 1620 de um coshering, ou festa, onde os entretenimentos eram realizados no andar superior. A hospitalidade foi derramada sobre os convidados desde o momento em que entraram até o momento em que partiram. O fogo foi aceso na câmara, o bardo cantou e comida, álcool e tabaco foram consumidos em grandes quantidades, embora se esperasse que os convidados compartilhassem as camas do castelo, já que a mobília era escassa. Em um segundo documento, escrito em 1644, o viajante francês Bouillaye le Gouz afirma que as casas da nobreza eram & # 8216nada senão torres quadradas & # 8217, mal iluminadas, com poucos móveis e com pisos cobertos de junco de trinta centímetros de profundidade & # 8216de que fazem suas camas no verão e palha no inverno & # 8217. Este relato talvez seja um pouco desdenhoso. Quando comparada às cabanas com paredes de barro e palha nas quais morava a maioria da população contemporânea, a casa da torre era uma propriedade segura com provisão para aquecimento e saneamento.
Com defesas projetadas para resistir a saqueadores mesquinhos em vez de exércitos em marcha, a casa-torre não era uma cidadela, mas a casa de campo de seu tempo, agitada com as atividades da vida doméstica cotidiana e a administração da propriedade. As evidências disponíveis sugerem que os edifícios não eram isolados na paisagem, mas sim centros econômicos e sociais da comunidade rural. Vários castelos incluídos nos mapas pictóricos do Cromwellian Down Survey são acompanhados por edifícios menores, enquanto o The Civil Survey of the 1650s registra pomares, jardins, cabanas, moinhos e pombais associados a castelos. Escavações arqueológicas nas proximidades de casas-torre produziram evidências da atividade contemporânea na forma de sulcos de cultivo, casas externas, terraços e trilhas. O estudo de Pat O & # 8217Connor & # 8217s sobre assentamentos urbanos no condado de Limerick identificou pelo menos trinta casos em que uma igreja medieval estava localizada nas proximidades de uma casa-torre. Esta é mais uma evidência da nucleação de assentamentos e ecoa a declaração de Luke Gernon & # 8217 de que em cada aldeia havia um castelo e uma igreja, com as aldeias & # 8216 distantes umas das outras cerca de duas milhas & # 8217.
Como os trechos sobreviventes das muralhas da cidade ou igrejas medievais, a presença de uma casa-torre muitas vezes pode indicar a antiga importância medieval de um assentamento urbano moderno, pois uma cidade & # 8217s os mercadores precisariam de proteção no caso de uma invasão. A pintura de Mulvany de cerca de 1800 mostra uma animada cena de rua em Kilmallock, County Limerick (Fig. 3). A rua é emoldurada pelas conchas sem teto das casas e lojas dos comerciantes & # 8217s em um centro comercial que já teve fortes conexões mercantis com Cork e Limerick. Em 1690, John Stevens escreveu: & # 8216As ruínas mostram que foi uma boa cidade, as casas sendo de pedra, altas e grandes, mas a maioria delas em ruínas, e poucas das que permanecem habitadas & # 8217. Pat O & # 8217Connor destacou a falta de patrocínio, proprietários ausentes e eclipse econômico de Charleville como razões para a decadência pós-medieval da cidade & # 8217s.

Esta reconstrução aprimorada por computador do castelo de Oola, County Limerick, uma torre posterior, mostra a construção como ela pode ter parecido, com paredes caiadas de branco, frontões coroados com chaminés e janelas gradeadas. [Donnelly, Alexander & amp Pringle]

As defesas da casa da torre e sua barreira se engajaram em dois níveis. No primeiro nível, o bawn & # 8217s disparou buracos e loops trabalharam em conjunto com recursos semelhantes na casa da torre para manter um inimigo longe do circuito defensivo. Se esse circuito fosse rompido, uma segunda categoria de defesas entraria em jogo, à medida que os habitantes se retirassem para a casa da torre, fechando com firmeza o ainda e as portas de madeira atrás deles. Buracos de tiro tornaram a porta de entrada uma & # 8216zona de matança & # 8217, enquanto uma caixa de machicolagem no parapeito permitiu que mísseis fossem lançados nas cabeças dos agressores abaixo. Se o inimigo conseguisse entrar no prédio, os defensores fechavam as portas do saguão de entrada e voltavam para cima. Enquanto os intrusos permaneciam no saguão, eles poderiam ser atacados pelo buraco do crime acima de suas cabeças.
Esta é a aplicação teórica das defesas da casa da torre, mas o estudo arquitetônico no Condado de Limerick estabeleceu que nem todas essas características defensivas estavam presentes. Nem todos foram considerados necessários para a segurança - talvez o custo fosse muito alto. Embora os anais medievais frequentemente se refiram à captura de castelos, é uma pena que os mecanismos exatos usados ​​raramente sejam relacionados, embora algumas informações tentadoras ocasionalmente se apresentem. É apenas com a conquista dos Tudor no século XVI que aumentam as informações sobre as táticas usadas nos cercos, geralmente em relatórios do governo. Isso também corresponde a um período que testemunhou um aumento no tamanho dos exércitos e um maior uso da artilharia. As defesas da casa da torre não foram projetadas para lidar com nenhum dos dois e muitos prédios sofreram pesadamente. Relatos detalhados do cerco do Castelo de Glin, no condado de Limerick, em 1600 retratam uma dura luta pela posse.
A rebelião de 1641 viu um retorno aos métodos mais tradicionais de guerra. Sem artilharia, os irlandeses atacaram ou sitiaram os colonos em suas torres e castelos e tentaram matá-los de fome. A chegada do Novo Exército Modelo em 1649 marcou o fim de uma guerra inconclusiva. Bem equipado com artilharia, o exército do Parlamento & # 8217s esmagou toda a oposição, incluindo a erguida pela humilde casa da torre. Em uma carta ao presidente da Câmara dos Comuns em fevereiro de 1650, Cromwell menciona brevemente sua captura da casa-torre de Kilbeheny na fronteira Cork / Limerick. Em contraste com seus relatos geralmente detalhados de operações militares, a falta de detalhes de Cromwell pode sugerir que o prédio caiu com relativa facilidade.

The later tower houses and the end of a building tradition

There is a series of buildings which belong to the last phase of the developmental sequence of tower houses, during the late sixteenth and early seventeenth centuries. In Munster the buildings are characterised by their gabled walls, cruciform roofs, large mullioned and transomed windows, and gun defences (Fig. 4). As with earlier tower houses, elaboration and architectural detail differs from one building to the next, but certain features still betray their kinship with the earlier Irish Gothic building tradition of more importance is the fact that they retain the function of self-contained units. The change in style reflects a general change in architecture during this period with the construction of major fortified houses such as Portumna, County Galway, and Burntcourt, County Tipperary. The desire for defence is still apparent in the form of shot holes and machicolations, but greater emphasis was now being placed on privacy, symmetry of plan, and increased provision of heat and light.
Erected by 1619, Monea Castle, County Fermanagh, (Fig. 5) is an example built in the aftermath of the Ulster plantation of 1609 and displaying Scots Baronial architectural features. The seventeenth century saw, however, a continuing shift towards low, thin walled fortified houses, as exemplified by Tully Castle, County Fermanagh, or Castle Baldwin, County Sligo, though defensive features such as murder holes and box machicolations could still be retained. Control of the country had now passed to the English government in Dublin, with consequent changes in social, political and economic organisation. One of the last examples of a traditional tower house is Derryhivenny Castle, County Galway, erected in 1643. A few tower houses were incorporated into the fabric of later country houses, as at Leap Castle, County Offaly, while other buildings were adapted for more prosaic use. At Ballyvoreen, County Limerick, there is an example of a tower house which was cut down in height to just above ground floor level, the remaining structure being converted for use as a two-storey farmhouse. In the aftermath of the Cromwellian settlement of the 1650’s some tower houses, such as Gortnetubbrid, County Limerick, were reused as garrisons for the New Model Army.
For the majority of the buildings, however, the seventeenth century brought about what Westropp described as a ‘dull dead ending’ for the building series, and they remain under siege today from neglect, stone-robbing and frost. The map (Fig. 6) displays the location of the 176 tower houses known on the Limerick landscape. Of this number, 102 definite or probable examples have been demolished. A further twenty-eight are severely damaged and only forty-six remain in a good state of preservation. As this erosion of our medieval past continues, clearly some form of long term strategy needs to be initiated to ensure that the best preserved examples from each county are protected for future generations.

Colm Donnelly has recently completed a PhD thesis on the tower-houses of County Limerick in the Department of Archaeology and Palaeoecology, Queen’s University. Belfast.

Leitura adicional:

M. Craig, The Architecture of Ireland from earliest times to 1880 (London 1982).


Ruins that had fallen from the sky to the sea near Remnant Island, the Tower Ruins contains an interior of narrow paths with railings and broken bridges, large spinning gears and an exterior with a winding path that leads to the top of the tower.

Nayuta Herschel and Signa explore the ruins, making their way through fighting various monsters. Nayuta is crossing a bridge which suddenly breaks but is rescued by Signa. They continue to ascend to the top of the tower, where they find Noi lying on the floor. Zext di Quarius Dominador and Selam step through a dark portal which appears. Noi is then levitated and guided to Zext, who steals the Master Gear from her. She drops to the floor and the two antagonists leave through the portal from whence they came.


Conteúdo

Bestowal dialogue

'The draught is ready -- all that remains is for it to be sprinkled upon the grounds within the ruins of Dol Ringwest. It will encourage and speed the growth of the natural vines that one often finds in such places -- so much so that by the end of the next spring the ruins will be buried in a great mass of them. In but a short time, they will reduce the ruins to naught but rubble, returning them to pristine nature once again.

'To you I offer the honour of this task, for I find now that I cannot bring myself to destroy the place that I once loved so, even in its decrepit state. Pour the draught onto the ground beneath the two towers that remain standing amongst the ruins.

'Time and the forces of nature will do the deed with no further help from us.'

Fundo

Calengil has prepared his draught and has offered you the honour of cleansing Dol Ringwest. The draught will in time encourage the growth of great vines that will entwine the ruins, tearing them down and returning them to pristine nature.

Objective 1

  • Find the first tower of Dol Ringwest
  • Use the draught near the first tower
  • Find the second tower of Dol Ringwest
  • Use the draught near the second tower

Dol Ringwest is west of Duillond.

Calengil bade you pour the cleansing draught upon the ground at the base of two towers that remain standing in the ruins of Dol Ringwest.

Calengil: 'Dol Ringwest can be found to the west. Take the draught to the towers there.' Use the Cleansing Draught here Draught used Use the Cleansing Draught here Draught used

Objective 2

Calengil is in Duillond, east of Dol Ringwest.

You should return to Calengil and inform him that your task in the ruins of Dol Ringwest is complete.


Objects [ edit ]

    Jumping Puzzles: Vizier's Tower — Complete the jumping puzzle. (10 ) Daily: Daily Vizier's Tower Jumping Puzzle — Complete the Vizier's Tower jumping puzzle in Straits of Devastation. (0 ) Astralaria IV: The Cosmos:    Star Chart: Eye of Grenth— During the night, use the Celestial Cartographer's Gear near the chest at the top of the Vizier's Tower in the Straits of Devastation to chart the human constellation Eye of Grenth.The Flameseeker Prophecies I: The Experimental Shield:    The Flameseeker— Bring an Anthology of Villains to examine the Broken Mursaat statue at the top of the Vizier's Tower in the Straits of Devastation.Incinerator I: The Experimental Dagger:    Orrian Building Materials— Gather a sample of the materials used by the ancient Orrians from the altar in the Vizier's Tower in Straits of Devastation. The following achievements require using the diving goggles at the end of the jumping puzzle.
      Kamohoali'i Kotaki III: Carcharias:    Vizier's Plunge— Dive into the water using diving goggles near the Vizier's Tower in Straits of Devastation.The Minstrel III: The Bard:    Vizier's Performance— Perform a Flip using the Vizier's Tower diving goggles in Straits of Devastation.
      Mad Armory: Carapace of Chaos:    Ghostly Curse Essence— While under the ghostly aura of certain Halloween foods, loot the chest atop the Vizier's Tower in Straits of Devastation.Twilight I: The Experimental Nightsword:    Orr's Fall— Visit the Vizier's Tower, where the fall of Orr originated, and loot this from the chest there.

    Items

    Item Localização Jogos
    White Herb By a dead log in the southwest  Sw   Sh 
    Max Revive Against the ruined tower  Sw   Sh 

    Hidden items

    Unless otherwise stated, hidden items in the Wild Area regenerate every day. In many of these cases, they can also regenerate as different items.

    Every item that regenerates every day can also rarely regenerate as a Wishing Piece (at approximately a 1% chance).

    Item Localização Jogos
    Tiny Mushroom By the tree standing away from the cliff in the southwest  Sw   Sh 
    Big Mushroom
    Tiny Mushroom By the small tree along the west cliff wall north of the Dappled Grove border  Sw   Sh 
    Big Mushroom
    Revive On the northeast side of the ruined tower  Sw   Sh 
    Poké Ball On the northeast side of the ruined tower  Sw   Sh 

    Berry tree

    Shaking a Berry tree can yield Berries, but a Pokémon may be shaken loose instead and steal some of the Berries after a battle.

    Item Localização Jogos
    Cheri Berry Can fall from the Berry tree  Sw   Sh 
    Leppa Berry Can fall from the Berry tree  Sw   Sh 
    Oran Berry Can fall from the Berry tree  Sw   Sh 
    Sitrus Berry Can fall from the Berry tree  Sw   Sh 
    Tamato Berry Can fall from the Berry tree  Sw   Sh 
    Liechi Berry Can fall from the Berry tree  Sw   Sh 


    Graveyards, defensive towers, roads, fire pits and even some walls are built by the drones in the corruption. They will serve as spawn point for monsters when completed. Monsters will not repair damaged buildings over time, but may try to upgrade them anyway, therefore increasing their current/total health. Enemy buildings will gain 100 health for every single resource put into them.


    Currently there is a bug, that makes brand new corruption building sites undestroyable. They have 0 health and cannot be damaged until current map is restarted. Then their health increases to 1 point and they become vulnerable to demolishion by any source of damage.


    Assista o vídeo: Babilonia desvelada 1-2 La torre de Babel Documental