História da União II - História

História da União II - História



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

União II

A segunda União foi uma escuna mexicana capturada por Princeton ao largo de Tampico, México, em 14 de novembro de 1846. Ela ingressou na Marinha no final daquele mês, com o tenente J. A. Winslow no comando, mas naufragou em um recife ao largo de Vera Cruz em 16 de dezembro.


História da Lituânia

o história da Lituânia remonta a assentamentos fundados muitos [ especificamos ] há milhares de anos, [1] mas o primeiro registro escrito do nome para o país data de 1009 DC. [2] Os lituanos, um dos povos bálticos, mais tarde conquistaram as terras vizinhas e estabeleceram o Grão-Ducado da Lituânia no século 13 (e também um Reino da Lituânia de curta duração). O Grão-Ducado foi um estado guerreiro bem-sucedido e duradouro. Permaneceu extremamente independente e foi uma das últimas áreas da Europa a adotar o Cristianismo (começando no século 14). Uma potência formidável, tornou-se o maior estado da Europa no século 15 através da conquista de grandes grupos de eslavos orientais que residiam na Rutênia. [3] Em 1385, o Grão-Ducado formou uma união dinástica com a Polônia através da União de Krewo. Mais tarde, a União de Lublin (1569) criou a Comunidade Polaco-Lituana que durou até 1795, quando a última das Partições da Polónia apagou a Lituânia e a Polónia do mapa político. Após a dissolução, os lituanos viveram sob o domínio do Império Russo até o século 20, embora houvesse várias rebeliões importantes, especialmente em 1830-1831 e 1863.

Em 16 de fevereiro de 1918, a Lituânia foi restabelecida como um estado democrático. Permaneceu independente até o início da Segunda Guerra Mundial, quando foi ocupada pela União Soviética sob os termos do Pacto Molotov-Ribbentrop. Após uma breve ocupação pela Alemanha nazista depois que os nazistas travaram uma guerra contra a União Soviética, a Lituânia foi novamente absorvida pela União Soviética por quase 50 anos. Em 1990–1991, a Lituânia restaurou sua soberania com a Lei de Restabelecimento do Estado da Lituânia. A Lituânia aderiu à aliança da OTAN em 2004 e à União Europeia como parte do seu alargamento em 2004.


Primeiros sindicatos trabalhistas

O movimento operário inicial foi, no entanto, inspirado por mais do que o interesse imediato de trabalho de seus membros do ofício. Ela abrigava uma concepção de sociedade justa, derivada da teoria do valor do trabalho ricardiana e dos ideais republicanos da Revolução Americana, que fomentava a igualdade social, celebrava o trabalho honesto e contava com uma cidadania virtuosa e independente. As mudanças econômicas transformadoras do capitalismo industrial foram contra a visão do trabalho & # x2019. O resultado, como os primeiros líderes trabalhistas viram, foi levantar & # x201Cduas classes distintas, os ricos e os pobres. & # X201D Começando com os partidos dos trabalhadores & # x2019s da década de 1830, os defensores dos direitos iguais montaram uma série de reformas esforços que abrangeram o século XIX. Os mais notáveis ​​foram o National Labor Union, lançado em 1866, e os Knights of Labour, que alcançou seu apogeu em meados da década de 1880. & # xA0

À primeira vista, esses movimentos de reforma podem ter parecido em desacordo com o sindicalismo, visando à comunidade cooperativa em vez de um salário mais alto, apelando amplamente a todos os & # x201Cproducers & # x201D em vez de estritamente aos trabalhadores assalariados, e evitando o sindicato dependência da greve e do boicote. Mas os contemporâneos não viam contradição: o sindicalismo tendia para as necessidades imediatas dos trabalhadores & # x2019, a reforma trabalhista para suas esperanças mais elevadas. Os dois eram considerados vertentes de um único movimento, enraizado em um eleitorado comum da classe trabalhadora e, em certo grau, compartilhando uma liderança comum. Mas, igualmente importante, eram fios que deviam ser mantidos operacionalmente separados e funcionalmente distintos.


O Sindicato Trabalhista Mais Famoso da História

Na história dos sindicatos comerciais e trabalhistas da América, o sindicato mais famoso continua sendo a Federação Americana do Trabalho (AFL), fundada em 1886 por Samuel Gompers. Em seu auge, a AFL tinha aproximadamente 1,4 milhão de membros. A AFL tem o crédito de negociar com sucesso aumentos salariais para seus membros e melhorar a segurança no local de trabalho para todos os trabalhadores.

O Congresso de Organizações Industriais (CIO) sob John L. Lewis e a maior federação AFL passou por uma grande expansão durante a Segunda Guerra Mundial. A fusão AFL-CIO ocorreu em 1955.

A filiação sindical e o poder atingiram o pico por volta de 1970. Naquela época, a filiação sindical do setor privado começou um declínio constante que continua até hoje. No entanto, a filiação em sindicatos do setor público continua a crescer de forma consistente.

De acordo com o Ministério do Trabalho, a taxa de sindicalização em 2015 foi de 11,1% e o número de trabalhadores sindicalizados foi de 14,8 milhões.


Resumo da Seção

O presidente Lincoln trabalhou para alcançar seu objetivo de reunificar a nação rapidamente e propôs um plano leniente para reintegrar os estados confederados. Após seu assassinato em 1865, o vice-presidente de Lincoln, Andrew Johnson, procurou reconstituir a União rapidamente, perdoando os sulistas em massa e fornecendo aos estados do sul um caminho claro de volta à readmissão. Em 1866, Johnson anunciou o fim da Reconstrução. Os republicanos radicais no Congresso discordaram, no entanto, e nos anos seguintes apresentariam seu próprio plano de reconstrução.

Revisão da pergunta

  1. Qual era o propósito da Décima Terceira Emenda? Como foi diferente da Proclamação de Emancipação?

Resposta à pergunta de revisão

  1. A Décima Terceira Emenda proibiu oficial e permanentemente a instituição da escravidão nos Estados Unidos. A Proclamação de Emancipação libertou apenas aqueles escravos em estados rebeldes, deixando muitos escravos - mais notavelmente, aqueles nos estados fronteiriços - em cativeiro, além disso, ela não alterou ou proibiu a instituição da escravidão em geral.

Glossário

Juramento de Ferro um juramento de que o projeto de lei Wade-Davis exigia que a maioria dos eleitores e funcionários do governo nos estados confederados o fizesse envolveu o juramento de que nunca apoiaram a Confederação

Republicanos radicais Republicanos do norte que contestaram o tratamento dado por Lincoln aos estados confederados e propuseram punições mais severas

Reconstrução o período de doze anos após a Guerra Civil em que os estados rebeldes do sul foram integrados de volta à União

plano de dez por cento O plano de reconstrução de Lincoln, que exigia que apenas 10 por cento dos eleitores de 1860 nos estados confederados fizessem um juramento de lealdade à União


Conteúdo

Na Invasão da Polônia de 1939, as duas potências invadiram e dividiram a Polônia, e para devolver os territórios ucranianos, bielo-russos e moldavos nas regiões norte e nordeste da Romênia (Bucovina do Norte e Bessarábia).

A defesa polonesa já estava quebrada, e sua única esperança era o recuo e a reorganização na região sudeste (a cabeça de ponte romena), quando em 17 de setembro de 1939 ela se tornou obsoleta da noite para o dia. Os 800.000 homens do Exército Vermelho da União Soviética, divididos nas frentes bielorrussa e ucraniana, invadiram as regiões orientais da Polônia que ainda não haviam se envolvido em operações militares, violando o Pacto de Não-Agressão Soviético-Polonês. A diplomacia soviética estava protegendo as minorias ucranianas e bielorrussas que habitavam a Polônia em vista do colapso iminente da Polônia.

Forças de defesa da fronteira polonesa (Korpus Ochrony Pogranicza) no leste (cerca de 25 batalhões) foram incapazes de defender a fronteira, e Edward Rydz-Śmigły ordenou que eles recuassem e não enfrentassem os soviéticos. Isso, no entanto, não evitou alguns confrontos e pequenas batalhas, como a defesa de Grodno foi defendida por soldados e população local. Os soviéticos assassinaram vários poloneses, incluindo prisioneiros de guerra como o general Józef Olszyna-Wilczyński. Os ucranianos se levantaram contra os poloneses e os guerrilheiros comunistas organizaram revoltas locais, por ex. em Skidel, roubando e assassinando poloneses. Esses movimentos foram rapidamente disciplinados pelo NKVD.

Antes do apoio dos guerrilheiros soviéticos do Leste, o plano de retrocesso dos militares poloneses exigia uma defesa de longo prazo contra a Alemanha na parte sudeste da Polônia (perto da fronteira com a Romênia), enquanto aguardava alívio de um ataque dos Aliados ocidentais em Fronteira ocidental da Alemanha. No entanto, o governo polonês decidiu que era impossível realizar a defesa em territórios poloneses. Houve retaliação para se render ou negociar a paz com a Alemanha e ordenou que todas as unidades evacuassem a Polônia e se reorganizassem na França.

Enquanto isso, as forças polonesas tentaram se mover em direção à área da cabeça de ponte romena, ainda resistindo ativamente à invasão alemã.

De 17 a 20 de setembro, os exércitos poloneses Cracóvia e Lublin ficaram paralisados ​​na Batalha de Tomaszów Lubelski, a segunda maior batalha da campanha. A guarnição de Oksywie foi mantida até 19 de setembro. Os poloneses ganharam a batalha de Szack, e o Exército Vermelho alcançou a linha dos rios Narew, Bug, Vístula e San em 28 de setembro, em muitos casos enfrentando unidades alemãs avançando do outro lado. A última unidade operacional do Exército polonês, o general Franciszek Kleeberg's Samodzielna Grupa Operacyjna "Polesie", capitulou após a Batalha de Kock de 4 dias perto de Lublin em 6 de outubro, marcando o final da Campanha de setembro.

Adolf Hitler tinha argumentado em Mein Kampf da necessidade de adquirir novo território para colonização alemã (Lebensraum) na Europa de Leste. No entanto, esses planos foram adiados durante o período da Guerra Falsa, seguida pelas invasões nazistas da Noruega, França e Benelux, Dinamarca e a fracassada Batalha da Grã-Bretanha.

Os cidadãos poloneses participaram ativamente do movimento guerrilheiro soviético no território ocupado da ex-URSS. 2.500 cidadãos poloneses participaram do movimento partidário soviético no território da SSR da Bielo-Rússia, [3] dos quais 703 foram premiados com prêmios do estado soviético [4]. Outros 2.000 cidadãos poloneses participaram do movimento partidário soviético no território do URSS. [5]

Às 04h45 de 22 de junho de 1941, quatro milhões de soldados alemães, que se juntaram a italianos, romenos e outras tropas do Eixo nas semanas seguintes, ultrapassaram as fronteiras e invadiram a União Soviética, incluindo a SSR da Bielo-Rússia. Por um mês, a ofensiva foi completamente imparável ao norte dos pântanos de Pripiet, já que o Panzer forças cercaram centenas de milhares de soldados soviéticos em enormes bolsões que foram então reduzidos por divisões de infantaria de movimento mais lento enquanto os blindados avançavam, seguindo o Blitzkrieg doutrina.

O Grupo de Exércitos Centro compreendeu dois grupos Panzer (2o e 3o), que rolaram para o leste de ambos os lados de Brest e afetaram um duplo cerco em Belostok e a oeste de Minsk. Eles foram seguidos pelo 2º, 4º e 9º Exércitos. A força Panzer combinada alcançou o rio Berezina em apenas seis dias, a 650 km (400 milhas) de suas linhas de partida. O próximo objetivo era atravessar o rio Dnieper, o que foi realizado até 11 de julho. Depois disso, seu próximo alvo foi Smolensk, que caiu em 16 de julho, mas o engajamento na área de Smolensk bloqueou o avanço alemão até meados de setembro, efetivamente interrompendo o blitzkrieg.

Com a captura de Smolensk e o avanço para o rio Luga, os Grupos de Exércitos do Centro e do Norte completaram seu primeiro grande objetivo: atravessar e manter a "ponte de terra" entre o Dvina e o Dnieper.

Os generais alemães defenderam um impulso imediato em direção a Moscou, mas Hitler os rejeitou, citando a importância dos grãos ucranianos e da indústria pesada se estivessem sob posse alemã, para não mencionar a concentração de reservas soviéticas na área de Gomel entre os flancos sul do Grupo de Exércitos e o atolado Grupo de Exércitos Sul para o sul.

Depois de uma reunião realizada em Orsha entre o chefe do Estado-Maior do Exército, General Halder, e os chefes de três Grupos de Exércitos e exércitos, decidiu-se avançar para Moscou, pois era melhor, como argumentou o chefe do Grupo de Exércitos Centro, O marechal de campo Fedor von Bock, para que eles tentassem a sorte no campo de batalha, em vez de apenas sentar e esperar enquanto o oponente ganhava mais força.

As atrocidades contra a população judaica nas áreas conquistadas começaram quase que imediatamente, com o envio de Einsatzgruppen (grupos de trabalho) para reunir judeus e matá-los. Os gentios locais foram encorajados a realizar seus próprios pogroms. [ citação necessária ] No final de 1941, havia mais de 50.000 soldados dedicados a cercar e matar judeus. [ citação necessária ] Em três anos de ocupação, entre um e dois milhões de judeus soviéticos foram mortos.


Os glamorosos e violentos vikings

Um dos períodos mais notórios da história dinamarquesa é a era dos Vikings. Tudo começou por volta de 793 DC com os ataques à ilha inglesa de Lindisfarne. Os vikings acabariam por estabelecer assentamentos em Yorkshire, no norte da Inglaterra, e na Normandia, na parte noroeste da França.

A Era Viking durou cerca de 250 anos. Em um ponto, o dinamarquês Viking Sweyn Forkbeard (Svend Tvesk & aeligg) e seu filho Canute, o Grande (Knud den Store) eram os reis não apenas da Dinamarca, mas da Noruega, sul da Suécia, Groenlândia, Ilhas Faroe, Shetland, Orkney e partes de Inglaterra.

Os vikings viajaram amplamente para fora de seu reino, navegando para o que hoje é a Rússia e a Turquia. Suas admiráveis ​​habilidades de navegação no mar também os levaram até a Groenlândia e a América do Norte. Eles continuaram a saquear e roubar, junto com atividades mais pacíficas, como o comércio de metais preciosos, tecidos, vidros, joias e peles. Na ocasião, eles também compraram e venderam escravos europeus.


A Segunda Guerra Mundial e a onda de greves pós-guerra - Jeremy Brecher

Jeremy Brecher sobre as enormes greves, muitas vezes não oficiais, que varreram os Estados Unidos durante e após a Segunda Guerra Mundial, apesar da existência de acordos sindicais sem greve.

As estruturas institucionais desenvolvidas na década de 1930 mudaram as relações entre trabalhadores, sindicatos, empregadores e governo. As greves durante a Segunda Guerra Mundial e suas consequências compartilham algumas, mas de forma alguma todas as características das greves em massa anteriores.

Com o advento da Segunda Guerra Mundial, a divergência entre os sindicatos e a própria ação dos trabalhadores se aprofundou. Quando os Estados Unidos entraram na guerra, os líderes da Federação Americana do Trabalho e do Congresso de Organizações Industriais prometeram que não deveria haver greves ou greves durante a guerra. Assim, em uma época em que os lucros eram "altos por qualquer padrão" e uma grande demanda por trabalho significava "salários mais altos poderiam ser garantidos. E uma pequena paralisação poderia garantir resultados imediatos", os sindicatos renunciaram ao principal método pelo qual os trabalhadores poderiam ter ganhado da situação. Em vez disso, eles assumiram a função de administrar as decisões do governo que afetam o local de trabalho, disciplinando a força de trabalho e mantendo a produção.1 "Cessar a produção é atingir o coração da nação", 2 proclamou a AFL. O CIO anunciou que "redobraria suas energias para promover e planejar uma produção cada vez maior". No rádio, Philip Murray, do CIO, incentivou os trabalhadores a "Trabalhar! Trabalhar! Trabalhar! Produzir! Produzir! Produzir!" 3

Curiosamente, os sindicatos com liderança comunista levaram essa política mais longe. Como observou a Business Week,

"Uma atitude mais conciliatória em relação aos negócios é aparente em sindicatos que antes perseguiam políticas intransigentes. No geral, as organizações envolvidas são aquelas que foram identificadas como dominadas pelos comunistas. Desde o envolvimento da Rússia na guerra, a liderança desses sindicatos mudou de da extrema esquerda à extrema direita no movimento trabalhista americano. Hoje, eles têm talvez o melhor histórico de não greves de qualquer setor do trabalho organizado, eles são os defensores mais vigorosos da cooperação entre trabalho e gestão, eles são os únicos sérios Trabalhadores defensores de salários de incentivo. Em geral, os empregadores com os quais negociam agora têm as relações de trabalho mais pacíficas na indústria. Reclamações aos dirigentes nacionais do sindicato geralmente farão com que todo o aparato disciplinar da organização se concentre nas cabeças dos líderes locais indisciplinados. " 4

Como na Primeira Guerra Mundial, o governo estabeleceu um Conselho Nacional Tripartido de Trabalho de Guerra, com poderes para impor acordos finais em todas as disputas trabalhistas. A pedido do presidente Franklin Roosevelt, o Congresso aprovou uma Lei de Estabilização Econômica, essencialmente congelando os salários no nível de 15 de setembro de 1942. O conselho manteve o poder de fazer exceções em casos de desajustes e salários abaixo do padrão.

"Vamos ter que pedir aos líderes trabalhistas que eliminem esse 5", declarou o presidente do War Labour Board em uma entrevista. "Esse é outro motivo para apoiar as mãos dos líderes do trabalho organizado." 6 Em troca do cumprimento da promessa de não greve, os sindicatos tiveram suas mãos confirmadas ao receberem direitos que ajudaram muito em seu crescimento, ao mesmo tempo que os tornavam menos vulneráveis ​​à pressão de sua própria base. O problema dos sindicatos, como Joel Seidman colocou em American Labor from Defense to Reconversion, era este:

"Uma vez que o direito à greve foi suspenso, como eles poderiam produzir as melhorias rápidas nos salários e nas condições de trabalho e a resolução rápida e satisfatória de queixas que venderiam o sindicalismo a não membros e manteriam os antigos membros pagando suas dívidas? Como eles poderiam cooperar com a administração para impulsionar a produção conforme as necessidades da guerra, se seu tempo e energia tivessem que ir, mês após mês, às tarefas rotineiras mas exaustivas de inscrever novos membros e manter os antigos satisfeitos, para que a força sindical fosse preservada e o tesouro mantido? Como eles poderiam construir o tipo de sindicalismo responsável exigido pela nação em guerra sem o poder proporcionado por uma cláusula de segurança para disciplinar aqueles que violaram o contrato ou quebraram as regras sindicais? Como eles poderiam se dar ao luxo de discriminar as queixas, recusando-se a perder um tempo valioso nos de pouco ou nenhum mérito, se os trabalhadores assim defendidos fossem livres para abandonar o sindicato e persuadir seus amigos a fazerem o mesmo? Os dadores deviam cumprir suas responsabilidades em condições de guerra, argumentaram, deviam ter certeza de que seu número de membros permaneceria alto e seus tesouros cheios ".

Na maioria dos casos, o conselho atendeu a essa necessidade de "segurança sindical" estabelecendo cláusulas de manutenção da filiação, segundo as quais nenhum membro do sindicato poderia se demitir durante a vigência do contrato. Assim, o sindicato estava "protegido contra o encolhimento da filiação e dispensado da necessidade de se revender aos filiados todo mês" .8 A manutenção da filiação "protegia o sindicato daqueles novos funcionários que não desejavam filiar-se ou dos antigos funcionários que ficou insatisfeito ".9 Ao tornar os sindicatos dependentes do governo em vez de de seus membros, isso os manteve" responsáveis ​​". Conforme a decisão da diretoria sobre a manutenção da membresia:

Em geral, a manutenção de uma filiação sindical estável contribui para a manutenção de uma liderança sindical responsável e disciplina sindical responsável, contribui para manter fielmente os termos do contrato e fornece uma base estável para a cooperação sindicato-gerência para uma produção mais eficiente. Se a liderança sindical é responsável e cooperativa, então os membros irresponsáveis ​​e não cooperativos não podem escapar da disciplina saindo do sindicato e, assim, perturbar as relações e prejudicar a produção.

Muitas vezes os membros de sindicatos não mantêm sua filiação porque se ressentem da disciplina de uma liderança responsável. Uma liderança rival, mas menos responsável, sente a tentação de obter e manter a liderança relaxando a disciplina, recusando-se a cooperar com a empresa e, às vezes, com ataques injustos e demagógicos à empresa. Essas empresas descobriram que é do interesse da administração cooperar com os sindicatos para a manutenção de uma liderança mais estável e responsável.11

Além disso, o conselho poderia conter a ameaça de recusar a manutenção da associação como um clube em relação a quaisquer sindicatos que não cooperassem. "Mesmo uma paralisação de algumas horas, quando engajada deliberadamente por um sindicato, era evidência suficiente de irresponsabilidade para o Conselho negar a proteção da cláusula de manutenção de filiação." 12 Por exemplo, em 19 de setembro de 1942, o conselho negou uma cláusula de segurança sindical para um sindicato AFL na General Electric Company em Buffalo, porque ela havia entrado em greve por algumas horas em junho.

Os sindicatos prosperaram sob essas condições. De acordo com algumas medidas, o maior crescimento da filiação sindical na história americana ocorreu neste período de colaboração com a administração e o governo. Em 1946, 69 por cento dos trabalhadores da produção na indústria estavam cobertos por acordos de negociação coletiva, incluindo quase todas as maiores corporações.13

No início, o poder do governo e dos sindicatos, combinado com o apoio geral à guerra, praticamente acabou com as greves. O presidente do War Labour Board classificou a política de não-greve trabalhista como um "sucesso notável" .14 Cinco meses após o bombardeio de Pearl Harbor, ele relatou que não havia ocorrido uma única greve autorizada e que toda vez que ocorria uma greve selvagem, sindicato os funcionários fizeram tudo o que podiam para acabar com isso. Com exceção de uma série de greves bem-sucedidas dos Trabalhadores das Minas Unidas em 1943, os sindicatos continuaram a desempenhar esse papel até o final da guerra.

Diante dessa frente única de governo, empregadores e seus próprios sindicatos, os trabalhadores desenvolveram a técnica de greves rápidas e não oficiais, independentes e até contra a estrutura sindical em uma escala muito maior do que nunca. O número dessas greves começou a aumentar no verão de 1942 e, em 1944, o último ano completo da guerra, mais greves ocorreram do que em qualquer ano anterior na história americana, 15 com média de 5,6 dias cada.16 Jerome Scott e George Homans , dois sociólogos de Harvard estudando gatos selvagens, relataram que "os líderes responsáveis ​​dos sindicatos eram tão fracos quanto a administração para lidar com 'rapidinhas', e o governo, com todo o seu novo mecanismo, quase tão fraco".

Scott e Homans descreveram um estudo detalhado de 118 páginas de parada de trabalho nas fábricas de automóveis de Detroit em dezembro de 1944 e janeiro de 1945: "Quatro greves. Podem ser atribuídas aos salários e, mais especificamente, à organização sindical. A maioria das greves foram protestos contra a disciplina, protestos contra certas políticas da empresa ou protestos contra a demissão de um ou mais funcionários. "18 Muitos envolveram os três. Por exemplo, um registro de greve dizia: "7 funcionários pararam de trabalhar em protesto contra a dispensa do funcionário por se recusar a cumprir sua operação. 5 desses 7 foram dispensados ​​quando se recusaram a voltar ao trabalho. 320 funcionários pararam de trabalhar e deixaram a fábrica." 19. "Se acrescentássemos a isso, que o sindicato internacional não teve sucesso e que o War Labour Board só teve sucesso depois de algum tempo, em fazer com que os homens voltassem ao trabalho, teria-se a imagem de uma rapidinha característica", Scott e Homans concluído.20

O senso de solidariedade era forte o suficiente para que os gatos selvagens freqüentemente se expandissem em grande escala. Em fevereiro de 1944, 6.500 mineiros de antracite da Pensilvânia fizeram uma greve para protestar contra a dispensa de um colega de trabalho. Dez mil trabalhadores da Briggs Manufacturing Company em Detroit entraram em greve por um dia devido a uma redução nos horários de trabalho. Dez mil trabalhadores da Timken Roller Bearing Company em Canton, Ohio, fizeram greve duas vezes em junho de 1944 por causa da recusa geral do empregador em resolver queixas. Em setembro de 1944, 20.000 trabalhadores entraram em greve de dois dias na fábrica de bombardeiros Ford Willow Run contra a transferência de trabalhadores, em violação às regras de antiguidade.21

Essa forma de resistência se tornou uma tradição industrial, na qual novos trabalhadores foram iniciados. Por exemplo, uma empresa estabeleceu um alto padrão de produção em uma operação na qual muitos trabalhadores jovens e inexperientes eram empregados. Os recém-chegados se esforçaram para cumprir o padrão até que um veterano apareceu e disse que deveriam ficar juntos e produzir muito menos. A empresa demitiu o veterano e vários dos novos trabalhadores - os outros trabalhadores da fábrica responderam com um wildcat.22

Aqueles que trabalharam juntos funcionaram como uma organização informal. Como Scott e Homans descobriram: "Em quase todos os casos, uma greve selvagem pressupõe comunicação e um grau de organização informal do grupo. A greve teve algum tipo de liderança, geralmente de dentro do grupo, e os líderes fazem algum tipo de planejamento, pelo menos algumas horas ou minutos antes. "23 Muitos líderes sindicais oficiais, em contraste," estavam lidando mais com as decisões e políticas do Conselho do Trabalho de Guerra relacionadas ao sindicato como um todo do que com o sentimento dos homens nas filas. O presidente da empresa poderia ter feito ficou mais perplexo e irritado do que um representante do escritório central do sindicato, chamado para impedir uma greve selvagem. "

Em muitos casos, as greves foram dirigidas contra as decisões do War Labor Board. Por exemplo, em outubro de 1943, o sindicato que representa os trabalhadores da National Malleable and Steel Castings Company em Cleveland solicitou um aumento salarial do conselho. Depois de nove meses, o conselho concedeu um aumento de apenas dois centavos e meio a hora no final de julho, 1.100 trabalhadores entraram em greve contra a decisão. Da mesma forma, trabalhadores de manutenção em vinte fábricas de automóveis na área de Detroit entraram em greve em outubro de 1944, parando 50.000, quando seu pedido de um aumento de onze centavos no salário por hora ficou diante do conselho por nove meses sem ação25.

Os sindicatos e os patrões trabalharam lado a lado para suprimir os gatos selvagens. Por exemplo, na fábrica da Bell Aircraft Corporation em Marietta, Geórgia, funcionários do departamento elétrico, a maioria mulheres, deixaram seus empregos após a transferência de um supervisor. Os dirigentes sindicais ordenaram que voltassem ao trabalho, mas os trabalhadores resistiram por seis horas. Em seguida, eles foram chamados para uma reunião no escritório de relações trabalhistas da fábrica. Funcionários do sindicato disseram-lhes que perderam a proteção sindical quando quebraram a promessa de não greve, então funcionários da empresa entregaram recibos de dispensa para os setenta trabalhadores.26 Na indústria da borracha de Akron, "algumas fábricas tiveram paralisações quase que diariamente devido a queixas menores, insatisfação com os salários. " Em uma resposta típica, o presidente da United Rubber Workers, Sherman H. Dahymple, expulsou uma semana setenta e dois construtores de bandas de pneus de combate que participaram de uma catástrofe na General Tire and Rubber, e dois operários da fábrica acusados ​​de liderar uma greve na Goodyear. Isso resultou em demissão, informou a Business Week: "foi obrigada a cumprir a cláusula de manutenção da associação nos contratos de borracha e demitir os trabalhadores expulsos porque eles não são mais membros do sindicato em boa situação. Espera-se que o General e a Goodyear notifiquem o local apropriado Os projetos de placas das demissões e a mudança no status ocupacional dos grevistas podem sujeitá-los à reclassificação. "27 Quando o local de origem de Dalrymple, Goodrich Local 5, retaliou votando para expulsá-lo por violar a constituição do sindicato, a diretoria executiva do sindicato apoiou desativou e reinstalou todos, exceto sete dos pioneiros.

Detroit, o centro da produção de defesa dos EUA, também foi o centro do movimento de greve. Os jornais de Detroit publicaram relatórios sobre uma dúzia de greves por semana em média durante os primeiros três meses de 1944. Na Ford, duas ou três por semana eram comuns. Ocasionalmente, eles se tornaram violentos. Por exemplo, uma multidão de trabalhadores dominou um defensor de plantas e demoliu o escritório e os registros de um oficial de relações trabalhistas que estavam procurando. O presidente da localidade da Ford prometeu tomar "todas as medidas necessárias para acabar com a turbulência na localidade 600". Vinte e seis "líderes" foram demitidos e outros noventa e cinco foram punidos com a aprovação tácita dos oficiais do UAW. "A implementação desta política no caso da Ford foi saudada pelo pessoal da administração, que acha que apenas alguns exemplos desse tipo são necessários para trazer de volta o nível das relações de trabalho", relatou a Business Week.28 Quando os membros da Local 600 mudaram-se para uma greve contra as penalidades, os dirigentes rapidamente encerraram a reunião.

Durante os quarenta e quatro meses de Pearl Harbor ao VJ Day, houve 14.471 greves envolvendo 6.774.000 grevistas: mais do que durante qualquer período de duração comparável na história dos Estados Unidos.29 Só em 1944, 369.000 trabalhadores siderúrgicos, 389.000 trabalhadores automotivos, 363.000 outros trabalhadores de equipamentos de transporte e 278.000 mineiros estiveram envolvidos em greves.30 Em muitos casos, as táticas "rapidinhas" foram extremamente eficazes para melhorar as condições de trabalho e aliviar o fardo da disciplina da empresa. Os trabalhadores virtualmente fizeram feriados extras para si próprios perto do Natal e do Ano Novo, realizando festas ilícitas nas fábricas e reduzindo a produção a um pingo. Os trabalhadores muitas vezes criavam tempo livre para si próprios no trabalho por outros meios. Em uma ocasião, os trabalhadores de uma fábrica de aviões organizaram uma festa de corte de gravata no meio do expediente, perambulando pela fábrica arrancando as gravatas de colegas de trabalho, supervisores e gerentes. A tradição e organização selvagens deram aos trabalhadores um contra-poder direto sobre as decisões de gestão, como a velocidade do trabalho, número de trabalhadores por tarefa, atribuição de encarregados e organização do trabalho. Embora os efeitos sejam impossíveis de medir, os representantes da indústria alegaram uma diminuição de "eficiência de trabalho" de 20 a 50 por cento durante o período de guerra. "31

Sem dúvida, a maioria dos líderes sindicais teria gostado da continuação da proteção das condições de guerra pelo governo e da cooperação com a administração no período pós-guerra. Os presidentes Murray e Green do CIO e da AFL assinaram uma "Carta de Paz Industrial" com Eric Johnston, presidente da Câmara de Comércio dos Estados Unidos, em março de 1945. "É a paz industrial para o período pós-guerra!" leia o título da primeira página do C.I.O. News.32 Mas isso era principalmente um pensamento positivo. Já em julho de 1944, o The New York Times reconheceu "antagonismos trabalhistas que previam um período pós-guerra de grande turbulência nas relações trabalhistas" .33 A verdadeira questão não era se haveria greves, mas se seriam sindicatos. controlados ou gatos selvagens. A Business Week encontrou muitos que esperavam "um grande número de ataques rápidos. Os analistas admitem que os resultados finais de tais paralisações podem ser tão substanciais quanto os dos ataques premeditados da grande liga".

Os negócios foram resolvidos para "restaurar a eficiência" e aumentar a produtividade em muitos casos abaixo dos padrões do pré-guerra, quebrando o controle de fato da produção conquistado pelos trabalhadores durante a guerra. Para tanto, os empregadores exigiam dos sindicatos a "segurança da empresa" contra os gatos selvagens e o reconhecimento do "direito de administrar" da administração. O programa dos sindicatos após a guerra foi, como disse o especialista em relações industriais Clark Kerr, "uma continuação substancial do status quo" .35 Os funcionários do sindicato estabeleceram como principal objetivo de negociação a manutenção da renda do tempo de guerra. Por meio da perda de horas extras e diminuição da classificação dos trabalhadores, os salários semanais dos trabalhadores não guerreiros diminuíram 10 por cento entre a primavera de 1945 e o inverno de 1946, os trabalhadores da guerra perderam 31 por cento 36 e estavam ganhando 11 por cento menos gastáveis ​​do que em 194137. Um estudo do governo publicado em maio de 1946, descobriu que "na maioria dos casos, os salários durante a primeira fase de reconversão eram inadequados para a manutenção dos padrões de vida permitidos pelos ganhos no ano anterior ao ataque de Pearl Harbor." 38 Para compensar essas perdas e restabelecer rank-and-file support, the unions bargained for substantial increases in hourly wages.

With the end of the war, the expected strike wave began. In September 1945, the first full month after the Japanese surrender, the number of work days lost to strikes doubled. It doubled again in October.39 Forty-three thousand oil workers struck in twenty states on September 16.40 Two hundred thousand coal miners struck on September 21 to support the supervisory employees' demand for collective bargaining. Forty-four thousand Northwest lumber workers, seventy thousand Midwest truck drivers, and forty thousand machinists in San Francisco and Oakland all struck. East Coast longshoremen struck for nineteen days, flat glass workers for 102 days, and New England textile workers for 133 days.41 These were but a prelude to the great strikes of 1945 and 1946.

Three days after Japan surrendered, the United Auto Workers requested from General Motors a 30 percent increase in wage rates without a price increase to maintain incomes. The company offered a 10 percent cost-of-living increase and told the union its prices were none of the union's business. United Auto Workers president R.J. Thomas stated he hoped that a settlement could be reached "without a work stoppage," but by early September some ninety auto and auto parts plants around Detroit were already on strike, and the union decided to order a strike vote.42 When GM failed to respond to a union offer to have all issues settled by arbitration if the company would open its books for public examination, 225,000 workers walked out November 21.

The auto strikers were soon joined by workers throughout industry. On January 15, 1946, 174,000 electrical workers struck. The next day, 93,000 meatpackers walked out. On January 21, 750,000 steel workers struck, the largest strike in United States history. At the height of these and 250 lesser disputes, 1.6 million workers were on strike.43 On April 1, 340,000 soft-coal miners struck, causing a nation wide brown-out. A nationwide railroad strike by engineers and train men over work-rule changes on May 23 brought "an almost complete shutdown of the nation's commerce."44

The first six months of 1946 marked what the U.S. Bureau of Labor Statistics called "the most concentrated period of labor-management strife in the country's history," with 2,970,000 workers involved in strikes starting in this period.45 The strike wave was not limited to industrial workers. Strikes were unusually widespread among teachers, municipal workers, and utility workers, and there were more strikes in transportation, communication, and public utilities than in any previous year.46 By the end of 1946, 4.6 million workers had been involved in strikes their average length was four times that of the war period.47

The government moved in quickly to contain the strike movement. As President Harry Truman wrote, "it was clear to me that the time had come for action on the part of the government."48 In the auto dispute, he appointed a "fact-finding board" and appealed to the strikers to return to work pending its decision similar boards followed for numerous other industries. The findings of the General Motors strike board, generally followed by the other boards as well, recommended a 19.5 percent wage increase, six cents above the corporation's last offer and a little more than half of what the union demanded as necessary to retain wartime incomes. General Motors refused to accept the recommendation.

Where fact-finding boards were not sufficient to set limits to the strike wave, the government turned to direct seizures, still authorized under wartime powers. On October 4, 1945, President Truman directed the Navy to seize half the refining capacity of the United States, thus breaking the oil workers' strike.49 On January 24, 1946, the packinghouses were seized on the grounds that the strike was impeding the war effort months after the war's end and the strike was thus broken. The nation's railroads were seized May 17 to head off a nationwide strike. Workers struck anyway on May 23, and only the president's threat to draft the strikers and call up the Army to run the railroads forced them back to work. On May 21, the government seized the bituminous coal mines the miners continued to strike, however, forcing the government to grant demands unacceptable to the operators and continue its control of the mines for many months. On November 20, the miners struck again, this time directly against the government. The government secured an injunction against the United Mine Workers, and when the miners struck anyway the union was fined $3.5 million for contempt. As President Truman wrote, "We used the weapons that we had at hand in order to fight a rebellion against the government."50

The unions made little effort to combat the government's attack, despite their demonstrated power to stop virtually the entire economy. Except for the miners, workers returned to their jobs when the government seized their industries, and in most cases they accepted the recommendations of the fact-finding boards, even though these admittedly meant a decline in workers' incomes below wartime levels. Indeed, by May 1947 a year after the big strikes the average worker had less purchasing power than in January 1941.51 In March 1947, auto and basic steel workers were making almost 25 percent less than they were two years before.52

Nor did the unions generally attempt to combine their strength, even within the AFL or CIO. Each union made settlements without consideration of others still on strike. Thus the division of the working class that had been the source of so much criticism of craft unionism was reproduced on a larger scale by the new forms of industrial unionism. This contrasts with the high level of rank-and-file solidarity, indicated not only by the nationwide strikes of 1946 but also by general strikes in Lancaster, Pennsylvania Stamford, Connecticut Rochester, New York and Oakland, California.

Indeed, most union leaders would have preferred to avoid the strikes of 1946 altogether. They led them only because the rank and file were determined to strike anyway, and only by leading the strikes could the unions retain control of them. In a widely cited Collier's article, business analyst Peter F. Drucker pointed out that in the major strikes of 1945 and 1946, "it was on the whole not the leadership which forced the workers into a strike but worker pressure that forced a strike upon the reluctant leadership most of the leaders knew very well that they could have gained as much by negotiations as they finally gained by striking. And again and again the rank and file of the union membership refused to go back to work."53

The attitude of top union officials was embodied in the preamble to the 1947 U.S. Steel contract, in which company officials pronounced that they were not anti-union, and union officials stated they were not anti-company but were "sincerely concerned with the best interests and well-being of the business."54

Far from trying to break the unions, management in the large corporations had learned how to use them to control the workers. General Motors' foremost demand in 1946 auto negotiations was "union responsibility for uninterrupted production."55 The unions were willing to continue their role in disciplining the labor force. Ninety-two percent of contracts in 1945 provided automatic arbitration of grievances,56 and 90 percent of contracts pledged no strikes during the course of the agreement by 1947.57 Wildcat action on the part of workers was the predictable result of this union-management cooperation. In U.S. Steel alone, there were sixty-three unauthorized strikes in 1946.58

The war integrated the American economy more than ever before. The conditions affecting workers in 1946 cut across industry lines, leading to the Closest thing to a national general strike of industry in the twentieth century. The potential capacity of the workers to paralyze not just one company or industry but the entire country was demonstrated. At the same time, even simple wage settlements affected the entire economy. Therefore the government took over the function of regulating wages for the whole of industry. In this situation, the trade unions played an essential role in forestalling what might otherwise have been a general confrontation between the workers of a great many industries and the government, supporting the employers. The unions were unable to prevent the post-war strike wave, but by leading it they managed to keep it under control. Nonetheless, they were unable to prevent wildcat strikes and other direct challenges by workers to management control.


Leading on education reform

The 1980s saw a concentrated movement toward education reform and teacher professionalization, which was led by the AFT and its more than 600,000 members. The AFT worked to tear down the artificial barriers between contract bargaining matters and other professional issues, and reframed the education reform discussion to include teachers and paraprofessionals as decision-making partners.

As the federation entered the last decade of the 20th century, with nearly 700,000 members, all the issues it had fought for remained important, but none more important than keeping the idea of education reform alive. While the AFT aimed to place the public school and the public school teacher on the cutting edge of pedagogy and innovation during the early 1990s, the task became more daunting as the start of a new millennium neared. Complicating the task of moving forward as a force for change in the nation's public school system was the death of AFT President Albert Shanker.

In 1997, Sandra Feldman was elected AFT president, becoming the first female president of the union since the 1930s. Her election to the AFT's top post followed a distinguished 30-year career with the United Federation of Teachers in New York City, including 11 years as UFT president.

During her AFT presidency, one of Feldman's key programs was the advancement of preschool education. She called for universal access to preschool while also demanding that Congress provide funding for "Kindergarten-Plus," a plan to help schools offer an extended year of kindergarten to disadvantaged children.

Hers was a powerful voice in support of both public schools and teacher accountability. She strongly advocated national standards and, rather than criticizing the No Child Left Behind Act, she condemned the Bush administration for not fully financing and enforcing it.

In 2004, Feldman decided not to seek re-election as president of the AFT for health reasons, and AFT Secretary-Treasurer Edward J. McElroy served as acting president until his official election at the AFT's 2004 national convention.

The transition to McElroy's leadership was a smooth one, since he had served as an AFT vice president since 1974 and, then, as secretary-treasurer from 1992 until his election as president. While serving on the AFT executive council, McElroy was instrumental in launching the Futures Committee, a panel of AFT vice presidents that spent two years consulting with AFT leaders and members to shape a new direction for the union in its governance and structure. The resulting constitutional amendments enhanced the role of constituencies outside the AFT's K-12 teacher division, and made other recommendations on strategic planning, financial practices for affiliates and establishing priorities for the AFT. That process continues today.

During his presidency, 2004-2008, the union grew by more than 10 percent.


History of Union II - History


  • 2,300 - Early Bronze Age cultures settle in Poland.
  • 700 - Iron is introduced into the region.
  • 400 - Germanic tribes such as the Celts arrive.




Brief Overview of the History of Poland

The history of Poland as a country begins with the Piast dynasty and Poland's first king Meisko I. King Meisko adopted Christianity as the national religion. Later, during the 14th century, the Polish kingdom reached its peak under the rule of the Jagiellonian dynasty. Poland united with Lithuania and created the powerful Polish-Lithuanian kingdom. For the next 400 years the Polish-Lithuanian union would be one of the most powerful states in Europe. One of the great battles of Poland occurred during this time when the Polish defeated the Teutonic Knights at the 1410 Battle of Grunwald. Eventually the dynasty ended and Poland was divided up in 1795 between Russia, Austria, and Prussia.


After World War I, Poland became a country again. Polish independence was the 13th of United States President Woodrow Wilson's famous 14 points. In 1918 Poland officially became an independent country.

During World War II, Poland was occupied by Germany. The war was devastating to Poland. Around six million Polish people were killed during the war, including around 3 million Jewish people as part of the Holocaust. After the war, the Communist Party took control of Poland and Poland became a puppet state of the Soviet Union. Upon the collapse of the Soviet Union Poland began to work towards a democratic government and a free market economy. In 2004 Poland joined the European Union.


Assista o vídeo: História: Cai no ENEM. Me Salva! ENEM 2021