Ipswich PC-1186 - História

Ipswich PC-1186 - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Ipswich

(PC-1186: dp. 295, 1. 174 '; b. 23'; dr. 8 '; s. 19 k .; cpl.
65; a.13 '', 140 mm., 220 mm., 2rkt., 4dcp., 2dct.)

PC-1186 foi estabelecido pela Gibbs Gas Engine Co., Jacksonville, Fla., 20 de abril de 1943; lançado em 27 de setembro; patrocinado pela Sra. George Wharton e comissionado em 9 de junho de 1944, o tenente (j.g.) Paul L. Adams no comando.

Depois de shakedown e treinamento ASW fora de Miami, Flórida, o PC-1186 foi designado para escolta de comboio no Atlântico. De agosto a dezembro, ela realizou tarefas de escolta, patrulha e reconhecimento da costa da Nova Inglaterra a Guantánamo, Cuba. No final de dezembro de 1944, chegou a Coco Solo, C.Z., para patrulhar e escoltar operações entre o Canal do Panamá e Cuba.

O PC-1186 continuou esses serviços pelo restante da Segunda Guerra Mundial. Após a guerra, ela patrulhou a Zona do Canal e realizou exercícios de treinamento com submarinos até 7 de maio de 1946, quando navegou para Charleston, SC. O PC-1186 recebeu o nome de Ipswich em 15 de fevereiro de 1956. Ipsich ~ foi retirado da Lista da Marinha em 1 de abril de 1959 e vendido para a Hughes Brothers, Inc. em 16 de setembro de 1959.


Ipswich School & # 8211 uma breve história

A partir dessas origens humildes, a história inicial da escola assumiu um curso muito diferente com a ascensão ao poder do ex-aluno Thomas Wolsey. Wolsey começou a refundar a escola com o objetivo de fornecer alunos para sua faculdade em Oxford. Thomas Cromwell, o conselheiro de confiança de Wolsey, assumiu a tarefa e dissolveu doze mosteiros locais para pagar a escola.

No entanto, pouco mais de um ano depois, Wolsey, incapaz de garantir o divórcio necessário para Henrique VIII, caiu em desgraça e o monarca estava ansioso para fechar sua nova escola. Pedras destinadas a novos edifícios escolares foram enviadas de Ipswich para Londres e usadas para construir o que hoje é o Palácio de Whitehall. Contra todas as probabilidades, a Ipswich School sobreviveu. Cromwell convenceu
Henry concederá à escola seu primeiro alvará, o que foi posteriormente confirmado por Elizabeth I.

No século XIX, a Ipswich School mudou-se para seu local atual próximo ao Christchurch Park. O príncipe Albert lançou a pedra fundamental do prédio da escola principal em 1851. Pouco depois disso, em 1883, a Escola Preparatória foi
estabelecido para crianças de 7 a 11 anos, proporcionando um trampolim para a Escola Sênior. Mudou-se para o seu novo edifício impressionante em 2006.

A Ipswich School pode reivindicar vários ex-alunos ilustres: Thomas Wolsey, Cardeal, Arcebispo de York e Lord Chancellor da Inglaterra sob Henrique VIII, quase certamente frequentou a escola. Homens de ação eminentes incluem Thomas Howard, duque de Norfolk, o comandante inglês na batalha de Flodden e o contra-almirante Sir Philip Broke. Ele foi capitão do HMS Shannon em um celebrado noivado com o USS Chesapeake. O romancista Henry Rider Haggard foi aluno aqui na década de 1870 e artistas ilustres como Sir Edward Poynter, Presidente da Royal Academy, Charles Keene of Punch e Edward Ardizzone frequentaram a escola. No campo da ciência, o neurofisiologista pioneiro e ganhador do Prêmio Nobel Sir Charles Sherrington é o mais distinto Ipswichiano antigo até hoje.


Ipswichhistory

The Bone Detectives é um programa do Canal 4 no qual Tori Herridge e uma equipe de cientistas juntam histórias de vida por trás de ossos desenterrados.

No último episódio, a equipe se concentra em um cemitério há muito esquecido em Ipswich, onde 1.400 corpos revelam sinais de trabalhos forçados, doença, assassinato e, possivelmente, a primeira autópsia do país.

Fui convidado pela equipe de produção para ajudar com algumas das pesquisas que eles estavam fazendo para o programa e, em seguida, convidado para participar de uma curta entrevista no episódio.

Compartilhar isso:

Assim:

IPSWICH HISTORY PODCAST EPISODE 6

IPSWICH E A LIGA HANSEATIC

Neste episódio, falo com Pat Grimwade do Ipswich Maritime Trust sobre sua nova publicação sobre as conexões pouco conhecidas de Ipswich com a Liga Hanseática.

A Liga Hanseática era uma confederação de corporações mercantes que outrora dominou grande parte do comércio europeu do final do período medieval, conectando portos da Alemanha, Holanda, Escandinávia, Báltico e alguns poucos na Grã-Bretanha, incluindo Ipswich. No auge, a Liga Hanseática chegou a reunir uma força militar que venceu a guerra contra a Dinamarca.

Pat nos conta como Ipswich se tornou um porto hanseático, que tipo de coisas foram negociadas de e para Ipswich durante esse período e que evidências físicas permanecem das conexões hanseáticas da cidade hoje.

Você pode ver a semelhança impressionante entre essas focas medievais de Danzig (atual Gdańsk, Polônia) e Elbing (moderna Elbląg, Polônia) e a própria foca da cidade de Ipswich e # 8217? Saiba mais sobre isso também neste episódio do podcast.

Você pode ouvir e assinar o podcast no iTunes, Spotify etc ou transmiti-lo online: https://anchor.fm/caleb-howgego

Compartilhar isso:

Assim:

IPSWICH HISTORY PODCAST EPISODE 5

IPSWICH PRÉ-HISTÓRICO

Este episódio apresenta uma conversa com Hannah Cutler, do Serviço Arqueológico do Conselho do Condado de Suffolk, sobre a Ipswich pré-histórica.

Hannah fala sobre como era a área que um dia se tornaria Ipswich durante o Paleolítico (Idade da Pedra Antiga) e Mesolítico (Idade da Pedra Média). Hannah também nos conta sobre o trabalho que está fazendo atualmente para atualizar o Registro de ambiente histórico para esta área, que envolve melhorar as informações mantidas online que o público pode explorar por si próprios visitando https://heritage.suffolk.gov.uk /

Também ouvimos sobre algumas escavações locais históricas de primeiros achados pré-históricos, incluindo por Nina Layard, uma arqueóloga e antiquária pioneira.

Você pode ouvir no iTunes, Spotify etc ou por streaming online: https://anchor.fm/caleb-howgego

Nina Layard, picareta na mão, que liderou a escavação da Foxhall Road em Ipswich 1903-1905

Compartilhar isso:

Assim:

IPSWICH HISTORY PODCAST EPISODE 4

A ponte Orwell sobre o rio Orwell

Você pode ouvir o episódio procurando o podcast no iTunes, Spotify etc ou fazendo streaming online: https://anchor.fm/caleb-howgego

Neste episódio, falo com Andy Parker sobre como o rio Orwell veio a ser presenteado a Ipswich pelo rei Henrique VIII em 1519 e por que Ipswich parece ser a única cidade no país a possuir um rio.

Andy é voluntário do Ipswich Maritime Trust, que busca proteger e promover a surpreendente história e herança marítima do Rio Orwell e Ipswich. Andy escreveu um artigo para o Ipswich Star explicando como Ipswich foi presenteado com o rio Orwell, que você pode ler neste link:

Também falo com meu pai, David Howgego, sobre como ele se tornou um Freeman de Ipswich e quais direitos adicionais (se houver) Freeman tem atualmente.

Compartilhar isso:

Assim:

IPSWICH HISTORY PODCAST EPISODE 3

Este mini-episódio de podcasts examina a história de Chestnut Pond, localizado na periferia leste de Ipswich, em Rushmere St. Andrew, e suas conexões anteriores com o contrabando.

Ele também reconta outra história local sobre como um lugar chamado Cat House uma vez desempenhou um papel no contrabando no rio Orwell.

Você pode encontrar o episódio no iTunes, Spotify etc ou transmiti-lo online: https://anchor.fm/caleb-howgego

Compartilhar isso:

Assim:

BBC RADIO SUFFOLK ENTREVISTA

Recentemente, fui muito gentilmente convidado para o programa Lesley Dolphin & # 8217s BBC Radio Suffolk, como convidado no sofá, para falar sobre a história local e como me interessei por ela. Este é o áudio da minha entrevista do programa que foi ao ar em 16 de março de 2020.

Compartilhar isso:

Assim:

PAREDES DA CIDADE

Ipswich nem sempre foi a cidade relativamente pacífica que a encontramos hoje. Houve uma época em que estava sujeito a ataques, ocasionalmente até de saqueadores continentais. Uma maneira pela qual o povo da Ipswich medieval tentou trazer maior segurança à sua cidade foi construindo um perímetro defensivo. Hoje parece não haver nenhum vestígio de uma antiga muralha em Ipswich, então quais eram as defesas da cidade e quando desapareceram?

Ainda existe um registro que menciona valas de cidade cavadas em 1203, mas isso pode estar se referindo à extensão de uma linha defensiva ainda mais antiga. Embora algumas referências sejam feitas às muralhas da cidade em documentos ao longo dos séculos seguintes, mais frequentemente as defesas são chamadas de “grandes fossos da cidade”. Um pedido em 1604 para um caminho de cascalho ser colocado no topo das paredes deixa claro que a maioria, senão todas, das muralhas neste ponto eram um banco de terra em vez de uma parede de pedra. Portanto, parece provável que as defesas consistissem em uma linha de valas e muralhas de terra com paredes conectando-as em seus pontos mais fracos. Essa linha defensiva teria se curvado ao redor das bordas oeste, norte e leste de Ipswich - a borda sul da cidade descia até o rio Orwell. À medida que a cidade cresceu, as comunidades se desenvolveram do lado de fora das muralhas, mas aqueles que viviam dentro gozavam de maior segurança, embora pagassem mais impostos pelo privilégio.

Embora a extensão em que as paredes de pedra foram usadas pareça ter sido mínima, certamente havia portões de pedra colocados em intervalos ao redor das muralhas da cidade. Ipswich tem sido historicamente mais um centro de comércio do que uma fortaleza militar e os portões foram usados ​​tanto para regular o comércio quanto para segurança. Cargas de mercadorias chegavam a esses portões e, em seguida, podiam entrar ou ser proibidas de entrar na cidade. Um dos mais impressionantes deles era o Portão Oeste, uma estrutura imponente com ameias, que em 1448 foi convertida para também abrigar uma prisão por muitos anos.

A inspeção cuidadosa do mapa de 1610 de John Speed ​​& # 8217 mostra as muralhas da cidade (especialmente ao norte da cidade. A chave também lista os vários portões da cidade.

O Westgate foi demolido na década de 1780 e no início de 1900 praticamente todas as muralhas, valas e portões haviam desaparecido. O último lugar óbvio em que qualquer uma das antigas defesas poderia ser vista era ao norte da cidade, onde algumas casas vitorianas estavam empoleiradas no topo de um banco de terra. Essa área foi então aplainada e transformada em um espaço para um estacionamento e mais tarde se tornou a estação de ônibus em Tower Ramparts.

Uma fotografia do shopping center Tower Ramparts tirada em 2014 antes de ser remodelado e renomeado para Sailmakers

Embora os restos físicos tenham desaparecido, a memória das muralhas e portões continua viva no lugar e nos nomes das ruas de Ipswich, como Tower Ramparts e Northgate Street. O mais perto que podemos chegar de ver qualquer uma das defesas da cidade agora é fazendo uma visita à Pousada Halberd, pois é dito que os últimos vestígios do Portão Norte foram incorporados ao porão deste edifício.

Compartilhar isso:

Assim:

IPSWICH HISTORY PODCAST EPISODE 2

Episódio 2 e # 8211 Ipswich do século 17 e a caça às bruxas de East Anglian

No ano de 1645, a maior caça às bruxas da história da Inglaterra começou e East Anglia estava em seu centro sombrio. Centenas de pessoas foram enforcadas em East Anglia durante os anos seguintes, após serem julgadas por supostos crimes de bruxaria. No entanto, uma mulher chamada Mary Lackland, que morava em Ipswich, foi condenada à sentença especialmente extrema de ser queimada por seus supostos crimes.

Neste episódio do podcast eu falo com David Jones sobre seu livro A bruxa de Ipswich, Mary Lackland e a caça às bruxas de Suffolk.

Falamos sobre como teria sido a vida para as pessoas que viviam nas ideias de Ipswich, David & # 8217s do século 17 sobre o que pode ter levado ao julgamento e execução de Mary Lackland & # 8217s, métodos usados ​​por caçadores de bruxas para testar a inocência ou a culpa dos acusados, e o que pode ter estado por trás do surgimento de julgamentos de bruxas em um nível tão extremo durante a década de 1640.

O podcast está disponível no iTunes, Spotify e na maioria dos outros provedores de podcast. Se você não tiver acesso a um dispositivo com um aplicativo de podcast, também poderá ouvir clicando neste link para ouvir o Ipswich History Podcast

Compartilhar isso:

Assim:

IPSWICH EM 50 EDIFÍCIOS

Tenho o prazer de anunciar que um novo livro em que estou trabalhando chamado Ipswich em 50 edifícios será publicado em 15 de junho de 2019.

Eu estarei celebrando o lançamento do livro com um evento de autógrafos no Ipswich Museum no sábado, 6 de julho às 14h, onde o livro também estará disponível para compra na loja do museu. Todos são bem-vindos para participar e # 8211 seria ótimo vê-los lá!

Aqui está a sinopse, se você quiser saber mais sobre Ipswich em 50 edifícios:

Ipswich tem uma história fascinante que remonta às suas raízes anglo-saxãs como um assentamento nas margens do rio Orwell em East Anglia. Desde então, a cidade tem sido um dos portos mais importantes da Inglaterra, um centro para o comércio de lã medieval e, na era vitoriana, tornou-se um próspero centro industrial. A história distinta de Ipswich está incorporada nos edifícios que moldaram a cidade ao longo dos séculos, à medida que gerações sucessivas deixaram suas próprias marcas arquitetônicas.

Ipswich em 50 edifícios explora a rica história da cidade por meio de uma seleção de suas joias arquitetônicas, desde magníficas igrejas medievais e tesouros Tudor, como a mansão de Christchurch, até obras-primas modernas, como o design inovador do edifício Willis. O autor e historiador Caleb Howgego celebra o patrimônio arquitetônico de Ipswich & # 8217s de uma maneira nova e acessível enquanto guia o leitor pelos edifícios históricos e modernos da cidade & # 8217s.

Compartilhar isso:

Assim:

EVENTO BASIL BROWN

Como você saberá se for um leitor de longa data deste blog, sou um grande fã do arqueólogo de Suffolk, Basil Brown. Eu fiz um podcast sobre ele no início deste ano, que você pode ouvir aqui

I & # 8217m irei liderar um evento Museum Secrets no Ipswich Museum sobre Basil Brown (que já foi um Museum Attendant no Ipswich Museum) no domingo, 25 de novembro de 2018, 14h15-3.15h. É um evento gratuito e imediato, portanto, não há necessidade de reservar para comparecer.

Mais informações sobre o evento podem ser encontradas neste link: Segredos do Museu - Basil Brown: Arqueólogo de Suffolk


Sexta forma

A Level History fornece um curso interessante e desafiador que irá aprimorar suas habilidades de análise e habilidade de escrever argumentos persuasivos e lúcidos. É uma qualificação bem vista por universidades competitivas, quer você esteja se candidatando a um diploma em Artes, Ciências Sociais ou Ciências.

Você será incentivado por professores que estão trabalhando em suas áreas de especialização. Os cursos são ministrados usando materiais escritos pelo departamento e apoiados por uma ampla gama de livros relevantes.

Você será guiado na direção de leituras adicionais à medida que seus próprios interesses se desenvolvem. Você será encorajado a discutir e debater com seus colegas e professores. Com o tempo, você também deverá trabalhar de forma independente e se tornar um aluno autossuficiente. Mais importante ainda, você irá cobrir alguns dos aspectos mais fascinantes e controversos da história moderna.

No ano 12, estudamos a história da Alemanha e da Alemanha Ocidental de 1918-1989, incluindo uma investigação sobre o debate histórico em torno das causas da Segunda Guerra Mundial. Isso é acompanhado por um artigo que considera a ascensão e queda do fascismo na Itália por volta de 1911-1946. No ano 13, passaremos a considerar a relação entre a Irlanda e a União c1774-1923. Há também um módulo de trabalho em que os alunos produzirão um trabalho independente sobre um debate histórico relacionado ao Holocausto.

A banca de exame é Edexcel. Um extenso programa de revisão é fornecido na preparação para os exames.

“Acabei de receber um diploma de Primeira Classe em História Internacional pela Universidade de Leeds ... e realmente acredito que isso não teria sido possível sem o seu apoio e incentivo contínuos.” Ex-aluno A Level History.

Siga o Departamento de História da Ipswich School no twitter @IpswichHistory.

Resultados dos exames

A média dos resultados da História nos últimos três anos é:


História

Originalmente em um edifício do final do período vitoriano, as funções de museu, biblioteca e galeria de arte foram combinadas. A biblioteca foi removida no início do século 20, mas a Galeria de Arte e o Museu continuaram a compartilhar instalações na década de 1970.

Museus como inspiração

Quando o Museu e a Galeria de Arte foram ligados, as coleções do museu forneceram inspiração direta para o trabalho dos alunos e dos funcionários. Algumas das primeiras obras de Maggi Hambling e as esculturas de pássaros de Bernard Reynolds fornecem uma ligação óbvia.

Muitos outros artistas foram, e continuam a ser, inspirados por coleções de museus, especialmente a ideia de 'Gabinetes de Curiosidades' que formou as origens dos museus modernos e cujo espírito ainda continua a imbuir alguns museus modernos, como os Rios Pitt ou a Galeria Vitoriana no Museu de Ipswich. Os primeiros trabalhos de Damien Hirst inspiraram-se diretamente neste tema.

Vários artistas proeminentes, como Mark Dion, continuam a usar as idéias e sistemas de catalogação e classificação científica e de museu como fonte para suas obras.

O casamento de um museu, especialmente da ideia do Gabinete de Curiosidades, e a arte contemporânea tem uma tradição longa e bem respeitada e algo que pode continuar a ser incorporado no novo espaço combinado.

Arte do século 20

O Benton End Group (às vezes chamado de Escola de Pintura e Desenho East Anglian) foi inaugurado por Cedric Morris (1889-1982) e Arthur Lett Haines (falecido em 1978), primeiro em Dedham em 1937 e de 1940 até o final dos anos 1970 em Benton Fim, perto de Hadleigh Suffolk. Foi uma grande influência para muitos pintores de Suffolk e deu uma contribuição vital para o ensino de arte no leste da Inglaterra por quarenta anos.

Benton End foi executado em linhas muito idiossincráticas. Não havia ensino formal, mas sim o estabelecimento de um ambiente no qual os artistas pudessem explorar seu potencial. A atmosfera inspirou muitos artistas e foi uma experiência formativa nas primeiras carreiras de Lucien Freud e Maggi Hambling, entre outros. Já existem várias pinturas na coleção em Ipswich de artistas associados a Benton End, incluindo Cedric Morris, Arthur Lett-Haines, Maggi Hambling, Lucy Harwood, Joan Warburton e Glyn Morgan. Outras figuras notáveis ​​influenciadas por Cedric Morris e o grupo também incluíram Beth Chatto.

A Ipswich School of Art também atraiu muitos artistas talentosos, escultores e gravadores para sua equipe, incluindo Bernard Reynolds, Leonard Squirrel, Lawrence Self e Colin Moss, que estão representados na coleção. Alguns alunos notáveis ​​incluem Maggi Hambling e Brian Eno.

A proximidade das duas escolas significava que vários artistas tinham ligações com ambas ou se cruzavam entre elas, incluindo mais notavelmente Maggi Hambling e Bernard Reynolds. Neste momento também existem oportunidades para aumentar significativamente as obras de alguns destes artistas, entre as quais Cedric Morris, tanto como exemplos da sua arte, mas também como ilustração do seu trabalho.


Ipswich, Suffolk

Por ocasião de sua morte em 1551, o rico comerciante Henry Tooley deixou uma grande quantia a ser usada para fornecer alívio e acomodação para os pobres de Ipswich. Em 1569, a fundação erguida em seu nome adquiriu o antigo priorado dominicano, no que hoje é a rua Foundation, para estabelecer o que foi efetivamente o primeiro asilo da cidade, que ficou conhecido como Hospital de Cristo. Podia acomodar 40 presidiários, incluindo pobres 'inocentes' (idosos, órfãos, viúvos e doentes) e pobres 'preguiçosos' (vagabundos, vagabundos e mendigos). Em 1574, uma grande reforma ocorreu no local e oficinas foram incluídas para fornecer a 40 pessoas trabalhos como cardagem, fiação e tecelagem. Após a aprovação da Lei de Ajuda aos Pobres de 1601, que atribuía a responsabilidade de socorrer as paróquias individuais, o Hospital de Cristo parece ter deixado de ser um asilo municipal e, em vez disso, assumido o papel de uma escola de caridade para educar as crianças pobres.

Um relatório parlamentar de 1777 listou uma dúzia de casas de trabalho paroquiais em funcionamento em Ipswich: St Clement (com acomodação para até 70 presidiários), St Helen (10), St Lawrence (25), St Margaret (100), St Mary at Elms ( 10), St Mary at the Key (25), St Mary Stoke (30), St Mary Tower (30), St Matthew (30), St Nicholas (20), St Peter (28) e St Stephen (24) .

Depois de 1834

A Ipswich Poor Law Union foi formada em 9 de setembro de 1835. Seu funcionamento foi supervisionado por um Conselho de Guardiões eleito, 20 em número, representando suas 14 freguesias constituintes, conforme listado abaixo (os números entre parênteses indicam o número de Guardiões, se houver mais de um):

Condado de Suffolk: St Clement's (3), St Helen, St Lawrence, St Margaret (3), St Mary-at-Elms, St Mary-at-the-Quay, St Mary Stoke, St Mary-at-the-Town, St Matthew ( 2), St Nicholas, St Peter (2), St Stephen, Westerfield, Whitton.

A população pertencente à União no censo de 1831 era de 20.528 & mdash, variando de Whitton (população 346) a São Clemente (4.779). A despesa média anual com taxas ruins para o período de 1833-35 tinha sido & libra 13.685 ou 13s.4d. per capita da população.

Great Whip Street Workhouse

O novo Ipswich Union comprou um terreno de 3,5 acres na Great Whip Street do Christ's Hospital a um custo de £ 525 com o propósito de construir uma casa de trabalho. Conhecida como a casa de trabalho de São Pedro, foi construída em 1836-7 a um custo de £ 6.585 e destinava-se a acomodar até 400 presidiários. O arquiteto foi William Mason, que também foi responsável pelos esquemas de ampliação das casas de trabalho em Hartismere e Bury St Edmunds.

O prédio da Great Whip Street foi construído em tijolo vermelho. Seu layout seguia amplamente o popular desenho cruciforme ou "quadrado". Seu bloco de entrada na Great Whip Street continha a sala da diretoria e as enfermarias de recepção. Na parte traseira, quatro asas de acomodação irradiavam de um cubo octogonal central. O perímetro externo era formado por oficinas e dependências de um andar. Posteriormente, foi acrescentada uma capela nas traseiras do edifício e também um bloco de enfermaria. A localização e o layout da casa de trabalho são mostrados no mapa de 1884 abaixo.

Local de trabalho da Ipswich Great Whip Street, 1884.

Oficina e enfermaria de Heath Road

Em 1898-9, uma nova casa de trabalho de planta de pavilhão e enfermaria foram erguidas em um local de campo verde no lado sul de Woodbridge Road. Seu design foi aberto à competição e os planos vencedores foram apresentados por Stephen Salter e H Percy Adams com Lister Newcombe. O trabalho de construção começou em 1896, os construtores George Grimwood & amp Son contrataram um preço de £ 25.773 pela obra. O custo final da casa de trabalho, que poderia acomodar 369 presidiários, foi de mais de £ 30.000. O desenho de um arquiteto mostra uma vista aérea do local.

Nova casa de trabalho e enfermaria de Ipswich do norte, 1899.

Um bloco de recebimento no noroeste do local continha um alojamento de porteiro, enfermarias de recebimento e celas de vagabundos. Um depósito para roupas de indigente ficava no primeiro andar.

Pousada de entrada de Ipswich do nordeste, 2001.
e copie Peter Higginbotham.

Bloco de recepção de Ipswich do nordeste, 2001.
e copie Peter Higginbotham.

O edifício principal da casa de trabalho compreendia um bloco de administração central conectado por corredores a alas de dois andares, a masculina a oeste e a feminina a leste. No andar térreo de cada ala havia salas de estar, banheiros, lavatórios, dormitórios e salas de estar para os enfermos. No primeiro andar ficavam os dormitórios. Na frente do bloco central ficavam a sala do comitê e os aposentos principais. Na parte de trás do bloco central havia um refeitório com 270 lugares que também servia como capela.

A enfermaria da casa de trabalho ficava ao sul do local.

Enfermaria de Ipswich do sudeste, 2001.
e copie Peter Higginbotham.

A localização e o layout do site são mostrados no mapa de 1903 abaixo.

Em 1930, a enfermaria da casa de trabalho tornou-se Ipswich Borough General Infirmary, com a seção da casa de trabalho continuando como Instituição de Assistência Pública de Heathfields. Em 1955, o local tornou-se a Ala Heath Road do Ipswich General Hospital. O prédio principal da casa de trabalho foi demolido, mas alguns dos outros blocos sobreviveram.

Antigo local de entrada de Ipswich pelo oeste, década de 1950.
e copie Peter Higginbotham.

Peter Collier, cujos pais eram responsáveis ​​por Heathfields de 1937 a 1946, lembra:

Meus pais e eu nos mudamos para cá em 1937 e permanecemos até 1946, quando nos mudamos para Salford. Meu pai foi nomeado mestre do antigo asilo e, durante a guerra, também foi nomeado administrador do hospital, com responsabilidade por questões administrativas leigas. O hospital tinha uma enfermeira-chefe separada.

O bloco central da casa de trabalho continha uma grande lavanderia que servia tanto para casa de trabalho quanto para enfermaria. Havia também uma grande cozinha, mas não me lembro se servia para as duas partes ou apenas para o asilo. A instituição possuía também extensos terrenos a sul do hospital que compreendiam uma quinta, tanto arável como com gado (gado e porcos com certeza e pode ter havido alguns cavalos a trabalhar). Também havia pomares. A casa de trabalho tinha um 'pátio de trabalho' sob o controle de um mestre de trabalho que supervisionava o trabalho manual dos internos aptos, por exemplo, serrar toras.

A fotografia abaixo é da frente da casa de trabalho tirada por meu pai por volta de 1937. Nossas acomodações compreendiam o andar térreo esquerdo e todo o primeiro andar.

Bloco de entrada de Heathfields do sudeste, c.1937.
e copie Peter Collier.

A vida na casa de trabalho não era completamente desprovida de eventos sociais, pelo menos no que dizia respeito à equipe e aos Guardiões, se a imagem abaixo do "Baile da Casa de Trabalho" de 1912 servir de referência. Os textos que adornam as paredes, no entanto, parecem um tanto contrários aos procedimentos.

Ipswich Workhouse Ball, 1912.
e copie Peter Collier.

St John's Children's Home

Uma casa separada para crianças pobres foi proposta pela primeira vez pela Ipswich Union por volta de 1870. Esta foi uma medida incomum para sindicatos não metropolitanos na época e pode ter sido o resultado da falta de espaço na casa de trabalho da Great Whip Street. Os planos foram produzidos em 1871 e 1873 para um longo edifício com um bloco central flanqueado por alas separadas contendo acomodações para meninos e meninas. O prédio, eventualmente erguido na Bloomfield Street em 1879, acomodava 80 meninos e 50 meninas. Os meninos aprenderam a trabalhar na terra, como alfaiataria, sapataria e carpintaria. As meninas aprenderam costura e outras habilidades domésticas para equipá-las para o serviço doméstico. Uma pequena enfermaria foi posteriormente adicionada.

Casa das Crianças de Ipswich St John, 1927.

Casa das crianças de Ipswich St John, c.1910.
e copie Peter Higginbotham.

Casa das crianças de Ipswich St John, c.1910.
e copie Peter Higginbotham.

Oficina de carpintaria do lar de crianças de Ipswich St John, c.1910.
e copie Peter Higginbotham.

Casa de Ipswich St John's Children's, início do século XX.
e copie Peter Higginbotham.

Casa de Ipswich St John's Children's, início do século XX.
e copie Peter Higginbotham.

Casa de Ipswich St John's Children's, início do século XX.
e copie Peter Higginbotham.

Casa de Ipswich St John's Children's, início do século XX.
e copie Peter Higginbotham.

A propriedade, mais tarde conhecida como Freelands, foi demolida na década de 1970. O local agora é ocupado por um conjunto habitacional.

Pessoal

Presos

Registros

Nota: muitos repositórios impõem um período de fechamento de até 100 anos para registros que identificam indivíduos. Antes de viajar uma longa distância, verifique sempre se os registros que deseja consultar estarão disponíveis.

  • Suffolk Record Office, Gatacre Road, Ipswich IP1 2LQ. As coleções incluem: Livros de atas dos tutores (1835-1930) Nascimentos (1836-1938) Mortes (1836-1933) Registros do credo (1906-50) Registros e livros de registro do lar de crianças de São João (1882-1950) etc.

Links

Reconhecimento


Salvo indicação em contrário, esta página () é copyright Peter Higginbotham. O conteúdo não pode ser reproduzido sem permissão.


História

De acordo com registros que datam de 1689, a propriedade que hoje é o Ipswich Inn já foi o local de várias casas. Originalmente, era uma casa de tijolos de propriedade do Sr. Thomas Bracy, que vendeu a propriedade para Robert Paine, 'Ancião para a igreja de Ipswich'. Conforme relatado pelos registros, ele era um homem que zelava principalmente pelo avanço educacional da comunidade. Em 1689, o Sr. Paine passou a posse de sua mansão e três acres de terra, com pomar, jardim, etc., a seu filho Robert Paine Jr., em 12 de fevereiro de 1689 (IPS. Deeds 5: 590).

Um ano depois, a propriedade que consistia em dois e três quartos de acres, foi vendida ao Sr. Francis Wainwright, 30 de setembro de 1690 (Ips. Deeds 5: 326.) Os Wainwrights eram uma família famosa --- Francis, o imigrante, serviu com grande distinção na guerra do Pequot em sua juventude. Ele se tornou um comerciante próspero e cidadão proeminente. Ele morreu em 19 de maio de 1692.

Seu filho, também chamado Francis, formou-se no Harvard College em 1686. Ele foi o coronel de um regimento, Town Clerk, Representante no Tribunal Geral, Feoffee e Justiça do Tribunal Geral de Sessões. Ele morreu em 3 de agosto de 1711.

No quadragésimo oitavo ano de sua idade Em 1740, a propriedade foi novamente vendida ao capitão Thomas Staniford. O capitão Staniford, de acordo com os registros, foi um & ldquogentlemen & rdquo que ocupou a casa até sua morte em 28 de fevereiro de 1740. Seu testamento foi arquivado em 7 de setembro de 1778 (Pro. Rec. 353: 206), e o inventário de sua propriedade, arquivado em 9 de dezembro de 1778 (353: 316) revela o mobiliário de uma das belas mansões do período revolucionário, com os valores inflacionados que prevaleciam na época. Alguns itens são de interesse, o que especifica o guarda-roupa de um cavalheiro daquela época e vários artigos de mobília.

O filho do capitão Thomas Staniford também era capitão e seu nome era James. O capitão James Staniford ocupou a mansão, que costuma ser chamada de "tijolo velho", porque tinha pontas de tijolo e mantinha uma pousada. Ele também comprou de Richard Dummer Jewett a metade indivisível de cinco e três quartos de acres da terra adjacente, em 28 de maio de 1803 (172: 178).

Os herdeiros de James Staniford e seu filho James venderam "a casa de tijolos" e oito acres e meio para o Dr. Thomas Manning, em 10 de junho de 1830 (259: 76). O Dr. Manning vendeu "o tijolo velho" para seu filho, Dr. Joseph Manning de Charleston, SC, 27 de dezembro de 1830 (266: 73) e o passou para John Jewett, 9 de dezembro de 1835 (290: 121 ) O Sr. Jewett derrubou a velha mansão, que ainda estava em excelente preservação, e construiu no local a casa de tijolos, que foi comprada há alguns anos e demolida pelo Sr. John B. Brown e pelo Sr. Harry B. Brown.

A propriedade passou por várias outras famílias e acabou sendo propriedade de Susanna Wilcomb em 27 de março de 1814, que vendeu seu lote aos administradores da Igreja Episcopal Metodista. Uma casa de reuniões foi então construída nesta propriedade e usada pela igreja até a construção da igreja atual. O lote foi então vendido pelos curadores da Igreja Metodista Episcopal a Robert Jordan em 17 de maio de 1862. Robert Jordan era um veterano da Guerra Civil que ganhava a vida como mercador após a guerra. O Sr. Jordan construiu esta casa em abril de 1863. Anos depois, a casa pertencia ao Dr. Bailey, um médico local, que tratava seus pacientes em seu consultório, que ficava nos fundos da casa.

A casa de Robert Jordan é um belo exemplo de um estilo vitoriano italiano, situado em um acre de terra no centro histórico de Ipswich. A parte traseira da propriedade possui terraços que foram desenvolvidos com arbustos de amoreira para a indústria do bicho-da-seda / seda que floresceu em Ipswich no início do século XIX. Interesting architectural features of the house include the Belvedere on the third-floor roof, the curved front stairway, original ceiling moldings, and the ice house at the rear of the main house, which was part of the &ldquosummer kitchen&rdquo. The carriage house is at the back of the property.

Margaret and I bought this house in 1996. We had been on Pleasant Street for twenty-two years, and after our three kids grew up got married, Margaret decided we needed more room. A bed and breakfast was not in our plans but we began to think of the fun it would be meeting new people, and sharing our home with strangers that wanted to pay us for being here (a no-brainer). So, out of those thoughts and dreams, came our B&B, which grew to become The Ipswich Inn.

This is our 20th year. All we wanted and wished for has come true. This has been a great adventure that continues to bring more and more people into our lives that have become friends. We truly hope your stay with us and your meal will be as pleasant and restful as the joy we have in bringing it to you.


The Regent Theatre Ipswich opened in 1929 as a cine-variety hall. At 7.00pm on Monday November 4th, the entrance doors of the new Regent, Ipswich opened and into its spacious foyer crowded nearly 2,000 Ipswich people who had come to witness this momentous occasion.

Ipswich Regent Theatre Opening Night 1929

Opening night screening of The Last of Mrs. Cheyney

1963 Show Poster for The Beatles Headlining at the Ipswich Regent Theatre then known as The Gaumont

The Beatles Headlining at the Ipswich Regent Theatre in 1963 then known as The Gaumont

Outside the theatre a large queue had formed, filing past Botwoods Garage. As a Ransomes steam lorry tooted its whistle, the staff of the Regent lined up for their first inspection by the manager, Albert E. Crabb who checked their ‘electric’ torches.

On the stage, the Mayor of Ipswich, Dr Hossack, performed the opening ceremony musical numbers were played on the brand new Wurlitzer organ by the resident organist Frank Newman F.R.C.O. that included the Merry Wives of Windsor by Otto Nicolai. The film chosen to open the venue then began – “The Last of Mrs Cheyney” starring Norma Shearer and Basil Rathbone – an ‘all-talking’ picture with front circle seats costing 2s / 4d.

The luxurious Regent restaurant enhanced a visit to the theatre and, if desired, tea could be served in any of the fourteen boxes at the rear of the stalls. The boxes and the Manager’s cottage at the rear of the theatre are unique features of the Regent.

Before World War II, the stage was not used to any great extent, although up to the mid-1930’s, the 18 piece Regent Orchestra, under the direction of Louis Baxter frequently entertained the audiences. Most theatre orchestras were disbanded in the late 1930’s and the organ then became the principal musical attraction.

During the war the Regent provided much needed escapism and helped sustain public morale. After the war, The Regent flourished and enjoyed an attendance boom. Also during this period, the stage was employed in the presentation of Ipswich Civic Concerts. The stage was also used for the presentation of Sadler’s Wells Ballet, Carl Rosa Opera and one-night band shows.

The popularity of cinema in the 1930’s and 40’s was so great that another cinema in Ipswich, The Ritz, was opened in 1937. But the advent of television in the 1950’s proved a testing time for cinemas up and down the country and even the highly successful Regent, by now known as the Gaumont, did not survive intact. To allow the cinema to become more profitable, the restaurant was closed down and replaced by the Victor Sylvester Dance Studio.

In the late 1950’s the ‘pop’ music phenomenon exploded. Buddy Holly and the Crickets started off the craze at the Gaumont and since then thousands of international artists have graced the theatre’s stage including the Beatles, Tina Turner, The Bay City Rollers, Tom Jones, Chris Rea, Status Quo and many of today’s top artistes.

From 1958, local musicians and dramatic societies were encouraged to perform at East Anglia’s largest theatre. These included the Ipswich Operatic Society, the Gilbert and Sullivan Society and later the Co-op Juniors. The programme has since included a wide range of productions including professional touring theatre, opera, ballet, comedy and full-scale orchestras.

By 1965 the proprietors, The Rank Organisation, were sufficiently confident of the future to spend £50,000 on a major modernisation and redecoration programme. But by the 1970’s, the large cinemas that had been so successful in the 30’s and 40’s proved to be less economically viable.

The Gaumont’s dance studio was converted to a luxury 200-seat cinema, which could be rented out for use by the local business community. Rank also proposed to convert the main auditorium to a multi-screen complex. However, after a great deal of persuasion, Rank’s plans were abandoned because the auditorium was established as the only local venue of sufficient capacity to stage live shows and concerts despite its limited performance facilities.

The theatre was re-launched in September 1991 after Ipswich Borough Council successfully negotiated the ownership from the Rank Organisation and NCP. Today, Ipswich Borough Council continues to fund the theatre as part of its arts and entertainment portfolio which also includes the Corn Exchange and Ipswich Film Theatre.

Based on an article written by David Lowe, Manager 1958-1989.


Materials and methods

Nanopore sequencing and datasets

Nanopore sequencing data for NA19240 [26], NA12878 [24], and Ashkenazi trio [29] human cell lines are publicly available. A complete description of the datasets, their base calling, mapping, and usage in our study are provided in additional file 1 along with the link to the sources.

We also sequenced the Colo829BL B-lymphoblast cell line using one nanopore PromethION flow cell and Illumina paired-end sequencing at 30× coverage. A complete description of nanopore and Illumina sequencing protocols and data obtained is also provided in Additional file 1.

CpG methylation calling from nanopore data

To call CpG methylation, we benchmarked three model-based approaches: Nanopolish [10], Megalodon [14], and DeepSignal [15]. Nanopolish uses a hidden Markov model to call CpG methylations from raw nanopore data while Megalodon and DeepSignal use neural networks. We called CpG methylation using these tools (with the default parameters) for 12 flow cells of NA12878 publicly available data (Additional file 1) and compared the results with WGBS data from ENCODE project (ENCFF835NTC) [51] and Human Methylation 27 (27k) array from Fraser et al. [25].

Variant calling

We used Clair to call SNVs [22]. We called variants for each chromosome using clair.py callVarBam --threshold 0.2 e a HG122HD34 model. Indels were filtered out. To evaluate variant calling, we compared SNVs called by Clair from nanopore data to those from 1KGP phase 3 [30] (GRCh37 coordinates). Clair’s variant calls were lifted over to GRCh37 human reference genome coordinates using CrossMap [52] for comparison to 1KGP data.

For our in-house Colo829BL sample, we compared Clair variant calls to Strelka [53] v 2.9.10 calls made from paired-end Illumina reads (Additional file 1).

Model training to improve SNV calling

We calculated average qualities and mutation frequencies for each position of each 5-mer window containing an SNV. Mutation frequencies were calculated as the number of instances over coverage for each genomic position in the 5-mer window. Base qualities for a given position were calculated as the average of all base qualities mapped to the position. We used these as inputs to a fully connected artificial neural network classifier composed of four hidden layers with a relu activation function. The first hidden layer is six times larger than the input layer and the size of subsequent hidden layers decreases through a factor two.

We trained three models to compare the classifier using different coverages. NA12878 20 flow cells (24×), NA12878 all flow cells (44×), and HG003 (80×) were used for training. First, we called variants for each dataset using Clair and then determined true and false positives using high-quality variants using the Genome in a Bottle database (GIAB) [27]. Using NA12878 20 flow cell data, a randomly selected balanced dataset of 25 million 5-mers was used for training and 4 million unseen randomly selected 5-mers were used as the validation set. For the NA12878 whole dataset and HG003 sample, the training datasets were 18M and 14.9M, respectively, and validation sets were 2.5M and 2M, respectively (Additional file 2: Fig. S6). The NA12878 20 flow cell model was used for < 30× coverage data, NA12878 all flow cells for 30×–45× coverage data, and HG003 model for > 45 coverage data.

Phasing single nucleotide variants detected from nanopore sequencing

In order to phase nanopore reads and CpG methylation, we first called SNVs for both samples (NA19240 run 1 and Colo829BL) using Clair [22], then used SNVoter to normalize the quality scores and filter out false positives (Fig. 2e and Table 1). Finally, we used WhatsHap [23, 31] v0.18 with the default parameters and --ignore-read-groups on to determine haplotype status for each SNV.

Phasing of nanopore reads and CpG methylations

Phased SNVs and CpG methylation calls were leveraged to phase reads along their CpG methylation to diploid haplotypes. After filtering out a considerable number of false-positive SNVs using SNVoter, we still noticed 10–20% false-positive SNV calls in the datasets (Table 1). These unfiltered false-positive calls, in addition to sequencing errors, can result in reads incorrectly mapping to the SNVs from haplotype 1 when the read would actually belong to the haplotype 2 and vice versa. We noticed reads presenting SNVs from both haplotypes when mapping them to phased SNVs. In NA19240 run 0, out of

3M reads which mapped to at least one phased SNV,

2M reads had SNVs from both haplotypes (Additional file 2: Fig. S7a). To further overcome false positives and the sequencing error problem, we made several filtering steps to account for remnant false-positive SNVs and haplotype ratio (number of SNVs from HP1/HP2 or HP2/HP1). As we analyzed NA19240 run 0, we noticed a lower base quality distribution for false-positive SNVs compared to true positives that could not be filtered out by SNVoter (Additional file 2: Fig. S7b). Therefore, we assigned a minimum base quality threshold to successfully map each read at a phased SNV position. To manage reads containing SNVs from both haplotypes, we defined another threshold, the haplotype ratio, which ensures the reads are assigned to a single haplotype. Based on the quality distribution of SNVs (Additional file 2: Fig. S7b), the proportion of false positives which is between 10 and 20% (Table 1) and haplotype ratios (Additional file 2: Fig. S7a), and also based on empirical phasing at a few known imprinted regions, we used seven as the minimum base quality and 0.75 as haplotype ratio. We also used two as the minimum number of phased SNVs a read must present to be considered for phasing. In order to assign a read to a defined haplotype, a read must satisfy the following criteria:

As the reads are separated to different haplotypes, their associated CpG methylations from processed methylation call file are also separated to the corresponding haplotypes. We have integrated all the steps and filters in our python3 command-line tool, NanoMethPhase. Users can input methylation call data from Nanopolish, phased variant calling file, alignment file, and reference genome to NanoMethPhase (Fig. 3c). NanoMethPhase will output phased reads in aligned format, phased mock WGBS converted format for visualization (see the “Visualization” section Fig. 4c, d), phased methylation calls, and methylation frequency files. The latter can be used for differential methylation analysis to detect DMRs between haplotypes.

Differential methylation analysis

After phasing reads and CpG methylation to haplotypes, NanoMethPhase can perform DMA to detect mono-allelic methylated regions. It uses the DSS R package [36] for DMA. Users can perform all analyses in a command-line interface and directly perform DMA using the dma module of NanoMethPhase on the output phased methylation frequency data to detect DMRs.

Visualização

NanoMethPhase can convert phased reads into separate mock-WGBS bam files using the processed methylation call file from its methyl_call_processor module. Each cytosine in each CpG in each read is converted to a T, A, or N depending on the CpG being called as methylated, unmethylated, or uncalled. These pairs of files can be loaded into a genome browser such as IGV [34] in bisulfite mode for visualization (Fig. 4c, d).


Métodos

Strains and growth conditions

Escherichia coli DH5α was used for plasmid amplification. T. reesei Rut-C30 (ATCC 56765), NG14 (ATCC 56767), and PC-3-7 (ATCC 66589) were purchased from ATCC (American type culture collection). T. reesei strain QM6a (ATCC 13631), QM9414 (ATCC 26921), and RL-P37 (NRRL 15709) were respectively purchased from DSMZ (Deutsche Sammlung von Mikroorganismen und Zellkulturen), Institute of Microbiology-Chinese Academy of Sciences, and NRRL (Agriculture Research Service Culture Collection). E. coli was cultured in Luria broth (LB) medium. All the strains of T. reesei were cultivated at 28 °C (200 rpm) in 2× Mandels’ medium (1.0 g/L yeast extract, 3 g/L peptone, 0.6 g/L urea, 2.8 g/L (NH4)2SO4, 4.0 g/L KH2PO4, 0.5 g/L CaCl2, 0.6 g/L MgSO4∙7H2O, 5 mg/L FeSO4∙7H2O, 1.6 mg/L MnSO4∙4H2O, 1.4 mg/L ZnSO4∙7H2O, and 20 mg/L CoCl2∙6H2O) in which 2% glucose, 2% lactose, or 1% (w/v) Avicel was used as carbon source [31]. In addition, all these strains were maintained on potato dextrose agar (PDA) plates at 28 °C for the generation of conidia.

Plasmid construction, Agrobacterium-mediated transformation, and transformants screening

The primers used in this study are listed in Additional file 8: Table S2. LML2.1 [32] was used as a skeleton for the two plasmids, plasmidA734 and plasmidA723, to obtain two types of transformants bearing the ACE3-734 and ACE3-723 protein, respectively. The 5′- and 3′-arms of the homology double exchange for ACE3-734 and ACE3-723 sequences were constructed as described by Zhang et al. [26]. The DNA fragment of the 5′-arm of truncated ACE3-723 (approximately 900 bp) was cloned using the genome of Rut-C30 and the primer pair ace3-1/ace3-2723. Similarly, the fragment of the 5′-arm of native ACE3-734 (approximately 1000 bp) was cloned using the QM6a genome and the primer pair ace3-1/ace3-2734. The 3′-arms of these structures (about 1000 bp) were amplified from Rut-C30 or QM6a genomic DNA using the primer pair ace3-3/ace3-4. KOD-Plus-Neo (TOYOBO, Japan) was used for PCR. Next, the 5′- and 3′-arms of ACE3-723 and ACE3-734 were ligated in an orderly manner into PacI/XbaI and SwaI sites of linearized LML2.1 [32] to form PlasmidA723 and PlasmidA734, respectivamente. The transformation experiments were performed using Agrobacterium-mediated transformation as described by Zhang et al. [32]. Correct intermediate transformants of A723 and A734, obtained by a homologous double exchange, were checked by diagnostic PCR [33] and quantitative PCR (qPCR Additional file 2) [34,35,36] to avoid unspecific locus integration (ectopic integration events). The primer pairs ace3-CF/D70-4 and HG3.6/ace3-CR were used in diagnostic PCR (Additional file 3: Figure S2A-B), which was followed by DNA sequencing (Additional file 3: Figure S2E) to confirm the correct knock-in at the ace3 locus in T. reesei genomes. The single-copy DNA fragment integration in transformed clones was verified by qPCR (Additional file 3: Figure S2C-D). The hygromycin marker gene in the transformants was excised using xylose-induced cre recombinase expression [32], and then the intermediate transformants were turned into the final transformants by excising the hygromycin marker gene. The final transformants were obtained and confirmed by hygromycin sensitive phenotype and with the second-round diagnostic PCR. Thus, the final A723/A734 transformants were used for further analysis.

Cellulase production in a shake flask and fermenter culture

Cellulase production in a shake flask was conducted according to a previously described method [26], with some modification. In brief, conidia (final concentration 10 6 /mL) of T. reesei strains were grown at 28 °C, in 20 mL of 2× Mandels’ medium containing 2% (w/v) lactose or 1% (w/v) Avicel (PH-101, Sigma-Aldrich) as the sole carbon source. The biomass dry weights were indirectly measured by calculating the total amount of intracellular proteins [37]. The supernatant was used for cellulase assays. Mycelia were collected for RNA extraction.

The activity of the produced cellulase was measured as described in another study [38]. In brief, the pNPCase and pNPGase activities were determined against 5 mM p-nitrophenol- d -cellobioside (pNPC, Sigma-Aldrich) and p-nitrophenyl β- d -glucopyranoside (pNPG, Sigma-Aldrich) as substrates in 50 mM sodium acetate buffer at pH 5.0 at 50 °C for 30 min, respectively. The release of p-nitrophenol was determined by measuring absorbance at 405 nm. One unit of pNPCase and pNPGase activities was defined as 1 μmol of p-nitrophenol released per minute. The CMCase activities were determined by incubation in 50 mM sodium acetate buffer with 1% carboxymethylcellulose (CMC, Sigma-Aldrich), at pH 5.0, 50 °C and for 30 min. The FPase activities were determined using Whatman filter paper as the substrate with a 50 mM sodium acetate buffer at pH 5.0, 50 °C, and for 30 min. One unit of CMCase or FPase activity was defined as the amount of enzyme producing 1 μmol of reducing sugar per min.

Cellulase production in a fermenter culture was conducted according to the method described by Li et al. [39] with some modification. In brief, fermentation was carried out in the 30-L fermenter (Shanghai Bailun Bio-technology Co., Ltd.) with an initial working volume of 10 L at 28 °C for mycelial growth. Seed cultivation was performed as follows: for each strain, about 10 9 conidia were inoculated into 1 L of 2× Mandels’ medium and 20 g/L of glucose, then cultivated by rotation (200 rpm) at 28 °C for 2 days. This culture was poured into 9 L of fresh 2× Mandels’ medium containing 10 g/L of wheat bran and 15 g/L of Avicel in a 30 L jar fermenter. A mixture of glucose and β-disaccharides (MGDS SUNSON ® , Beijing, China) was fed after inoculation. The feeding took place every 6 h, which maintained glucose concentration low, between 0.05 g/L and 0.30 g/L. The temperature was decreased to 25 °C after 48 h for more efficient cellulase production. The dissolved oxygen (DO) and pH were controlled as described by Li et al. [39]. The samples were taken every 24 h, and the supernatant was analyzed for the FPase, pNPCase, pNPGase, and CMCase activities. Mycelia were collected for biomass measurement.

RNA extraction and real-time reverse-transcription polymerase chain reaction (RT-qPCR)

The methods used for RNA extraction and RT-qPCR methods are as those described by Chen et al. [33]. In brief, total RNA was extracted from cell fresh weight using a FastRNA Pro Red Kit (MPbio, Irvine, CA, USA). Synthesis of cDNA from total RNA was performed using the TransScript One-Step gDNA Removal and cDNA Synthesis SuperMix (TransGen, Shanghai, China), according to the manufacturer’s instructions. For RT-qPCR, the PerfectStart™ Green qPCR SuperMix (TransGen, Shanghai, China) was used (see Additional file 8: Table S1). The transcriptional levels of the sar1 gene and the RNA of the parental strain were measured for reference calculation and data normalization. Primers used in RT-qPCR are listed in Additional file 8: Table S2.

Pre-treatment and enzymatic hydrolysis of lignocellulose biomass

Dry dilute acid pretreated and bio-detoxified corn stover (containing 37.6% cellulose and 4.4% hemicellulose) was donated by Professor Jie Bao [40]. The hydrolysis efficiency of the crude cellulase was evaluated by mixing 5% (w/v) dry pretreated and bio-detoxified corn stover as a substrate and the same amount of crude enzyme (5 mL) in 50 mM phosphate buffer to a final volume of 20 mL at 50 °C and pH 5.0 for 72 h. The glucose concentration in the supernatant was determined using a glucose assay kit and glucose yield was analyzed as described by Li et al. [39]. In brief, the glucose concentration in the supernatant was measured with the GOD (glucose oxidase) method. The glucose yield was calculated as follows: Glucose yield (%) = (Glucose (g) × 0.9 × 100)/(Cellulose in substrate (g)).

Statistical analysis

All experiments were performed with at least three independent samples with identical or similar results. The error bars indicate standard deviation (SD) of the mean of triplicates. Student’s t test was used to compare two samples, and Duncan’s multiple-range test was used for multiple comparisons. Within each set of experiments, p < 0.05 was considered significant.


Assista o vídeo: ATCLOUD for PC - Windows Vista, 7, 8, 10 and Mac