No. 94 Squadron (RAAF): Segunda Guerra Mundial

No. 94 Squadron (RAAF): Segunda Guerra Mundial


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

No. 94 Squadron (RAAF) durante a Segunda Guerra Mundial

Aeronave - Locais - Grupo e dever - Livros

O Esquadrão No.94, RAAF, foi um esquadrão de caça-bombardeiro Mosquito formado na Austrália em maio de 1945, mas que nunca entrou em ação. O esquadrão foi formado em Nova Gales do Sul em 30 de maio de 1945 e foi equipado com o Mosquito FB Mk 40 de fabricação australiana, tornando-o o terceiro esquadrão da RAAF a receber o tipo no teatro do Pacífico. O esquadrão ainda estava trabalhando quando a rendição japonesa encerrou a Segunda Guerra Mundial. Ele apenas sobreviveu em 1946, mas em 7 de janeiro de 1946 foi transferido para Richmond e duas semanas depois foi dissolvido.

Aeronave
Maio de 1945 a janeiro de 1946: De Havilland Mosquito FB Mk 40

Localização
Maio de 1945 a janeiro de 1946: Nova Gales do Sul
Janeiro de 1946: Richmond

Códigos de esquadrão: -

Dever
1945-46: Esquadrão de caça-bombardeiro, trabalhando, Austrália

Livros

Hcomo citar este artigo:Rickard, J (29 de agosto de 2012), No. 94 Squadron (RAAF): Segunda Guerra Mundial



No. 10 Esquadrão RAAF

No. 10 Esquadrão RAAF

No. 10 Esquadrão é um esquadrão de patrulha marítima da Real Força Aérea Australiana (RAAF) com base na Base da RAAF em Edimburgo, Austrália do Sul, como parte do No. 92 Wing. O esquadrão foi formado em 1939 e prestou serviço ativo durante a Segunda Guerra Mundial, conduzindo operações anti-submarinas e patrulhas de bases no Reino Unido até sua dissolução no final de 1945. Foi reformado na Austrália em 1949 e desde então tem contribuído à intervenção da Austrália no Timor Leste, e foi implantado no Oriente Médio como parte da Guerra contra o Terrorismo e da Guerra do Golfo de 2003.


Conteúdo

O esquadrão foi formado na RAF Driffield em Yorkshire, Inglaterra, em 10 de outubro de 1942, sob o Artigo XV do Empire Air Training Scheme. A maioria de seu pessoal original era das forças aéreas da Commonwealth britânica, exceto a RAAF. Sua substituição por australianos foi um processo gradual e foi somente no final da guerra que o pessoal do esquadrão era predominantemente membro da RAAF. [2]

A primeira tripulação do Comando de Bombardeiro totalmente australiana a completar uma missão na guerra, uma tripulação do Esquadrão 466 de Wellington na RAF Leconfield, 1943

Depois que o esquadrão foi equipado com bombardeiros médios Vickers Wellington, ele foi transferido para RAF Leconfield, também em Yorkshire, em 27 de dezembro de 1942 e voou sua primeira missão em 13 de janeiro de 1943. Suas principais funções eram bombardeios estratégicos sobre a Alemanha e colocação de minas navais no Mar do Norte. [2] O esquadrão teve seu primeiro encontro direto com o Luftwaffe em 14 de fevereiro de 1943 quando, durante um ataque a Colônia, um Wellington Mk.X, número de série HE506, identificação "HD-N", abriu fogo contra um caça noturno Junkers Ju 88, enquanto ele estava sobre Turnhout Bélgica ou sobre a ilha holandesa de Tholen (fontes divergem). A tripulação relatou ter visto um flash brilhante depois que o artilheiro traseiro, Sargento Angus, abriu fogo contra ele e os Junkers foram declarados como provavelmente destruídos. [5] [6]

Após uma missão em 14 de abril de 1943, quatro membros da tripulação de um 466 Sqn Wellington Mk.X, HZ256, "HD-L", comandado pelo Sargento Edward Hicks (Força Aérea Auxiliar), recebeu medalhas. [7] [8] Uma Ordem de Serviço Distinto (DSO) foi concedida ao Oficial Piloto Raymond Hopkins (RAFVR), uma Cruz Voadora Distinta (DFC) foi para o Oficial Voador Reginald Clayton (RAFVR), uma Medalha Voadora Distinta (DFM) para o sargento Frederick Blair (RAF) e uma medalha de galantaria conspícua (CGM) para Hicks. De acordo com o Museu RAAF, a atribuição de tantas decorações a uma única tripulação era "altamente incomum". [9] Os prêmios foram publicados em 14 de maio de 1943, com uma citação conjunta (veja abaixo). Após as operações subsequentes, Hicks recebeu mais condecorações e elogios. [10]

466 Sqn se converteu no bombardeiro pesado Handley Page Halifax no final de 1943. Em junho de 1944, o esquadrão voltou para Driffield. A partir de maio de 1944, as operações se concentraram na infraestrutura alemã na França, como baterias de artilharia costeira e pátios de triagem ferroviária, em preparação para a invasão da Europa. [9]

O oficial voador Joe Herman (RAAF), capitão de um 466 Sqn Halifax B.Mk.III, escapou por pouco da morte em um incidente notável em 4 de novembro de 1944. [7] [9] [11] [12] Durante uma missão noturna. Alemanha, sua aeronave (LV936, "HD-D"), foi seriamente danificado por Flak. Depois de ordenar que a tripulação saltasse, Herman foi atirado para fora do avião, sem pára-quedas. Depois de cair por um longo caminho, possivelmente mais de 3.000 metros, Herman caiu sobre o artilheiro do Halifax, F / O John Vivash (RAAF), e agarrou uma de suas pernas. Ambos os homens desceram em um pára-quedas, sofreram ferimentos leves ao pousar e sobreviveram à guerra como prisioneiros de guerra. De uma tripulação total de sete, apenas um outro aviador, o sargento H. W. Knott (RAF), sobreviveu. De acordo com uma fonte, pelo menos três membros da tripulação foram assassinados após serem capturados. [12]

Em maio de 1945, após o fim da guerra na Europa, o esquadrão despejou bombas excedentes no mar e começou a treinar novamente na RAF Bassingbourn, em Cambridgeshire, como uma unidade de transporte. Algumas fontes afirmam que o esquadrão foi renumerado como No. 10 Esquadrão RAAF em 20 de junho de 1945, [13] enquanto outros dizem que o esquadrão operava como uma unidade combinada com No. 10 Sqn. [14] Estava se reconvertendo em bombardeiros pesados ​​Consolidated Liberator quando o Japão se rendeu, [2] [9] quando o esquadrão foi dissolvido na RAF Bassingbourn em 26 de outubro de 1945. [14] [15]

466 Sqn voou 3.326 surtidas contra 269 alvos diferentes, lançando 8.804 toneladas de bombas e colocando 442 toneladas de minas. Um total de 81 aeronaves foram perdidas e 184 funcionários da RAAF servindo no esquadrão foram mortos. [2]

Londres, novembro de 1943. A tripulação totalmente britânica / RAF do 466 Sqn Wellington "HD-L" no Palácio de Buckingham, prestes a receber medalhas resultantes de sua missão em 14 de abril: Oficial de vôo Raymond Hopkins DSO de Newport, País de Gales (à esquerda) Piloto Oficial Frederick Blair DFM de Belfast, o piloto Edward Hicks CGM de Newbury Park, Essex e o oficial voador Reginald Clayton DFC de Carshalton, Surrey. O oficial piloto Hopkins, o oficial voador Clayton e os sargentos Hicks e Blair eram bombardeiros aéreos (miradores de bombas), navegador, capitão e operador sem fio, respectivamente, de uma aeronave designada para atacar um alvo no Ruhr. Sobre a Alemanha, a aeronave foi atacada por um caça inimigo [noturno]. A primeira rajada de fogo do atacante feriu fatalmente o artilheiro traseiro [Sgt R. F. Field, RAF] e feriu o bombardeiro aéreo, o navegador e o operador sem fio. O caça fez um segundo ataque, mas o sargento Hicks evitou o tiroteio virando-se abruptamente sob a aeronave inimiga, que não foi vista novamente. Embora os sistemas hidráulico e de freio. foram danificados, fazendo com que as rodas caíssem e as portas da bomba se abrissem, a tripulação decidiu continuar sua missão. Oficial piloto Hopkins. apesar de sofrer de uma fratura exposta no braço e. retendo a consciência com grande dificuldade, exibiu determinação insuperável ao direcionar seu piloto ao alvo e bombardeá-lo com sucesso. No voo de retorno, o oficial piloto Hopkins, o oficial voador Clayton e o sargento Blair trabalharam por mais de 2 horas para ajudar o artilheiro de retaguarda mortalmente ferido, libertando-o de sua torre e administrando morfina. Alguns de seus esforços foram feitos durante o vôo a 15.000 pés e sem oxigênio. O sargento Hicks acabou levando a aeronave danificada para um campo de aviação neste país, onde efetuou um pouso sem o auxílio de flaps.

Durante a primeira metade de 1943, submarinos japoneses operaram na costa leste australiana, afundando 16 navios e danificando vários outros. Em resposta a essas perdas, o governo australiano expandiu as forças militares da guerra anti-submarina (ASW). Três novas unidades de patrulha marítima da RAAF equipadas com aeronaves de treinamento Avro Anson, os esquadrões nº 66, nº 67 e nº 71, foram levantadas durante esta expansão. Embora fosse reconhecido que os Ansons não tinham alcance e carga útil suficientes para serem eficazes no papel de ASW, aeronaves superiores não estavam disponíveis. [1]

O No. 71 Squadron foi formado em 26 de janeiro de 1943 em voos localizados nas estações da RAAF Amberley e Bundaberg, em Queensland, e nas estações da RAAF em Richmond e Coffs Harbour, em New South Wales. [2]

O esquadrão começou a voar patrulhas anti-submarino e escolta de comboio logo após sua formação. Em 17 de março, uma aeronave do Esquadrão No. 71 atacou o que sua tripulação acreditava ser um submarino japonês. A mesma tripulação alegou ter sido alvejada por outro submarino onze dias depois. [2] Em 5 de maio, um esquadrão nº 71 Anson estava patrulhando um comboio quando o navio mercante SS Fingal foi torpedeado e afundado. Embora a tripulação da aeronave tenha localizado os rastros do torpedo, eles não conseguiram localizar o submarino japonês. [3] Dez dias depois, uma das aeronaves do esquadrão em uma patrulha anti-submarina de rotina avistou um barco salva-vidas contendo sobreviventes do AHS Centauro que havia sido afundado por um submarino japonês em 14 de junho, a perda do navio era desconhecida na época, e este foi o primeiro avistamento de sobreviventes. O Esquadrão No. 71 participou da busca intensiva subsequente por mais sobreviventes e pelo submarino responsável, mas encontrou apenas botes salva-vidas vazios. [4] O esquadrão estava envolvido em outro ataque a um comboio em 16 de junho, quando um de seus Ansons estava patrulhando à frente do Convoy GP55 no momento em que dois navios foram torpedeados por um submarino japonês I-174. A aeronave ficou sem combustível logo após o ataque, entretanto, e teve que retornar à base sem avistar o submarino. [5] Dois dos Ansons do esquadrão caíram durante patrulhas em 1943 com a perda de toda a tripulação. [6]

Em dezembro de 1943, o quartel-general do Esquadrão No. 71 mudou-se para Coffs Harbour, com o vôo em Lowood ocorrendo em junho. [6] Em julho de 1944, foi decidido dissolver os esquadrões nº 71 e nº 73 como parte de uma redução no esforço de ASW da RAAF. [7] O esquadrão foi declarado não operacional em 12 de julho de 1944, mas continuou a realizar exercícios de treinamento até ser dissolvido em 28 de agosto. [6]


No. 450 Squadron

450 Squadron, apelidado de "Desert Harassers", foi um dos mais famosos esquadrões da Força Aérea Real Australiana da Segunda Guerra Mundial. Seu apelido foi derivado das provocações do locutor de propaganda alemão "Lord Haw Haw" que, durante as operações do esquadrão no Deserto Ocidental, o rotulou como um bando de "mercenários australianos cujas táticas de assédio foram facilmente derrotadas pela Luftwaffe".

Criado sob o "Artigo XV" do Empire Air Training Scheme, o 450 Squadron passou a existir em Williamtown em New South Wales em 16 de fevereiro de 1941. Foi o primeiro esquadrão do "Artigo XV" a ser formado e inicialmente consistia apenas de solo equipe técnica. Depois de chegar ao Oriente Médio em maio de 1941, foi combinado com os pilotos e Hawker Hurricanes do 260 Squadron da Royal Air Force, para formar um esquadrão operacional. Este esquadrão combinado voou predominantemente em missões de ataque ao solo durante a campanha síria de junho-julho de 1941.

Em agosto de 1941, a equipe de solo do 260 Squadron chegou da Grã-Bretanha e o 450 Squadron recuperou sua identidade original. Aguardando a chegada de seus próprios pilotos e aeronaves, mudou-se para o Egito em outubro e começou a operar como uma unidade avançada de reparo e serviço. Em 18 de dezembro, a primeira aeronave do esquadrão - Curtis P-40 Kittyhawks - começou a chegar, permitindo que o esquadrão se reformulasse como um esquadrão de caças.

O Esquadrão 450 iniciou suas operações em 20 de fevereiro de 1942 e permaneceu ativo pelo resto da guerra, participando das campanhas no Deserto Ocidental, que se estendeu pelo Egito e Líbia (fevereiro de 1942 - fevereiro de 1943), Tunísia (fevereiro - maio de 1943), Sicília (Julho - agosto de 1943) e Itália (agosto de 1943 - maio de 1945). Embora designado como um esquadrão de caças, sua função principal era o ataque ao solo em apoio próximo às forças terrestres. Esse papel exigia que a organização terrestre do esquadrão fosse altamente móvel e, particularmente no norte da África, ele saltaria destacamentos de sapos de um campo de pouso avançado para o próximo para acompanhar o ritmo dos combates no solo. Durante os combates na Itália, o esquadrão era frequentemente empregado em tarefas de "classificação de táxi", nas quais as aeronaves circulavam perto do campo de batalha, prontas para serem chamadas por controladores baseados em terra para atacar alvos que impediam o avanço do exército. O comandante do Exército Alemão na Itália refletiria mais tarde sobre o impacto dos caças-bombardeiros Aliados: "a eficácia dos caças-bombardeiros residia no fato de que sua mera presença, sobre o campo de batalha, paralisava todos os movimentos".

A guerra do 450 Squadron terminou, justamente quando se preparava para se reequipar com os Mustangs P-51 norte-americanos, com a rendição das forças alemãs na Itália em 2 de maio de 1945. Dissolveu-se em Lavarino, na Itália, em 20 de agosto de 1945.


Conteúdo

Primeira Guerra Mundial

Em 20 de setembro de 1916, o No. 2 Squadron foi estabelecido como uma unidade do Australian Flying Corps (AFC) em Kantara, Egito, [1] atraindo pessoal principalmente de unidades Australian Light Horse da Australian Imperial Force (AIF). Logo após a formação, sob o comando do Major Oswald Watt, a unidade foi transferida para o Reino Unido para completar o treinamento, chegando a Harlaxton em 30 de janeiro de 1917. [2] Entre fevereiro e setembro de 1917, o esquadrão realizou treinamento com unidades do Royal Flying Corps antes de ser equipado com caças Airco DH.5. Para diferenciar o esquadrão do Esquadrão Nº 2 britânico RFC, ele era conhecido pelos militares britânicos como "Esquadrão Nº 68 RFC". [1] Esta terminologia nunca foi aceita pela AIF, que continuou a usar a designação AFC independentemente, [3] e em janeiro de 1918 a designação britânica foi oficialmente descontinuada. [1]

No final de setembro de 1917, o esquadrão voou com sua aeronave através do Canal da Mancha, pousando em St Omer sem incidentes ou perdas & # 160 - e depois de pernoitar lá, mudou-se para Baizieux. Atribuído para o 13º Exército Wing, RFC, [4] empreendeu suas primeiras operações de combate na Frente Ocidental um mês depois. [2] Sua primeira grande ação ocorreu durante a Batalha de Cambrai em novembro e dezembro, quando estava fortemente envolvida como uma unidade de ataque ao solo de baixo nível, atacando trincheiras alemãs, mas sofrendo pesadas baixas ao fazê-lo. [2] Em 22 de novembro, o esquadrão abateu sua primeira aeronave alemã em combate ar-ar durante um encontro casual em uma surtida de ataque ao solo. Depois disso, várias outras aeronaves alemãs foram abatidas pelos pilotos do esquadrão antes que o esquadrão fosse retirado das operações em dezembro para reequipar os caças Royal Aircraft Factory S.E.5a. Em janeiro de 1918, o esquadrão mudou-se para Savy, e no mês seguinte obteve suas primeiras vitórias com o novo tipo de aeronave. [1]

No início de 1918, os alemães lançaram uma grande ofensiva na Frente Ocidental depois que o colapso da Rússia permitiu que aumentassem suas forças no oeste. [5] Caindo inicialmente contra o flanco sul britânico, a ofensiva empurrou os Aliados significativamente para trás, e o esquadrão foi forçado a retirar-se para campos de aviação mais para trás da frente enquanto as forças alemãs avançavam constantemente: em março, mudou-se para La Bellevue e depois para Fouquerolles , permanecendo lá até junho, quando se mudou para Liettres para apoiar os franceses durante a ofensiva de Marne. [6] Durante este tempo, o esquadrão foi atribuído de várias maneiras às asas 10, 22, 51 e 80 da Força Aérea Real, [4] e apesar dos movimentos, o esquadrão manteve um ritmo operacional elevado, envolvendo-se em operações aéreas pesadas combate aéreo durante varreduras de caça, e também sendo usado para atacar as forças terrestres alemãs em avanço. [1] Depois que a ofensiva alemã foi finalmente interrompida, os Aliados lançaram sua própria ofensiva em agosto ao redor de Amiens, após a qual o esquadrão foi empregado para atacar os campos de aviação alemães, e como os alemães foram forçados a recuar, atacando as tropas alemãs em retirada no solo. [7] Ao longo de outubro, em um esforço para acompanhar o avanço, o esquadrão moveu-se três vezes e quando o armistício foi assinado em novembro, ele estava baseado em Pont-a-Marq. [6]

Após a conclusão das hostilidades, o esquadrão foi retirado para o Reino Unido em março de 1919, quando o processo de desmobilização começou. Em 6 de maio seu pessoal embarcou no transporte Kaisar-i-Hind para repatriação de volta à Austrália, momento em que o esquadrão foi dissolvido. [6] [4] [7] Durante a guerra, o No. 2 Squadron produziu 18 ases voadores, [6] incluindo Francis Ryan Smith, Roy Cecil Phillipps (o maior pontuador do esquadrão), [6] Roby Lewis Manuel, Henry Garnet Forrest , Adrian Cole, Eric Douglas Cummings, Richard Watson Howard, Frank Alberry, Ernest Edgar Davies e James Wellwood. [8] A pontuação total do esquadrão foi de 94 aeronaves abatidas, 73 fora de controle e 18 abatidas. [6] Suas baixas totalizaram 25 mortos e oito feridos. [4]

Segunda Guerra Mundial

Em 1922, o No. 2 Squadron foi brevemente reformado como parte da recém-independente Royal Australian Air Force em Point Cook, Victoria, mas nunca progrediu além de uma unidade de quadros e foi dissolvida alguns meses depois. [7] Foi reformado novamente em 3 de maio de 1937 em Laverton. Após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, sob o comando do líder do esquadrão Alan Charlesworth, o esquadrão iniciou as operações de patrulha marítima e escolta de comboio na costa leste australiana, operando Avro Ansons, antes de ser reequipado com Lockheed Hudsons em maio e junho de 1940. [9] [7]

O comandante de ala Frank Headlam assumiu o comando do esquadrão em abril de 1941, [10] e no início de dezembro de 1941, pouco antes da entrada do Japão na guerra, o esquadrão mudou-se para Darwin, Território do Norte, onde manteve seu papel marítimo e destacou destacamentos para o ilhas ao norte da Austrália, incluindo Ambon nas Índias Orientais Holandesas. Após a eclosão da Guerra do Pacífico, o esquadrão montou missões de reconhecimento e bombardeio contra as forças japonesas, com foco no transporte marítimo japonês. O sucesso veio cedo com um navio japonês de 306 toneladas (301 toneladas longas 337 toneladas curtas) sendo fortemente danificado em 8 de dezembro, embora grandes perdas também tenham ocorrido no início. No início de 1942, os destacamentos do esquadrão foram retirados de volta para a Austrália enquanto as forças japonesas avançavam para o sul, atacando as bases avançadas do esquadrão. [9] O esquadrão continuou as operações depois disso, mantendo uma intensa campanha de bombardeio contra navios e instalações japonesas em ilhas incluindo Timor e Ambon de maio a outubro, durante a qual 13 tripulações foram mortas. Por seu serviço, o esquadrão recebeu uma Menção de Unidade Presidencial dos EUA. [7] [11]

Ao longo de 1942-1943, o esquadrão continuou as operações com seus Hudsons contra os japoneses nas Índias Orientais e realizou reabastecimento aéreo para elementos da Força Sparrow que estavam lutando em Timor. No final de 1943, o esquadrão começou a treinar no Bristol Beaufort, completando sua conversão em janeiro de 1944. O esquadrão operou o tipo apenas brevemente antes de converter para o norte-americano B-25 Mitchell em maio. [9] Depois de ser retirado das operações brevemente, ele reiniciou as missões de combate no final de junho, [11] com foco em ataques anti-navegação, mas também atacando campos de aviação japoneses. [12] No final da guerra, o Esquadrão No. 2 mudou-se para Balikpapan em Bornéu, onde foi usado para enviar suprimentos para as tropas aliadas em campos de prisioneiros de guerra japoneses antes de realizar tarefas de transporte após o fim das hostilidades. O esquadrão retornou à Austrália em meados de dezembro de 1945 e foi dissolvido em maio de 1946 em Laverton. As baixas durante a guerra chegaram a 176 mortos. [11]

Pós-Segunda Guerra Mundial

No período pós-Segunda Guerra Mundial, o esquadrão foi reformado brevemente como um esquadrão de comunicações baseado em Mallala, Austrália do Sul, em junho de 1947 antes de uma reorganização no início do ano seguinte ser redesignado como Esquadrão No. 34, enquanto o anteriormente existente No. O Esquadrão 21, equipado com Avro Lincolns na Base Amberley da RAAF, tornou-se o segundo esquadrão. [13] Em 1953, o esquadrão foi reequipado com GAF Canberras, que mais tarde operou da RAAF Butterworth durante a Emergência na Malásia, após desdobramento lá em 1958 para substituir o Esquadrão No. 1 RAAF equipado com Lincoln. Durante a emergência, o esquadrão realizou ataques aéreos contra as forças comunistas e, após o fim do conflito, permaneceu na Malásia durante o início dos anos 1960 durante o Confrontation, antes de despachar oito Canberras para o Vietnã do Sul em abril de 1967 como parte do compromisso da Austrália com a Guerra do Vietnã. [14] [15]

Com base na Base Aérea de Phan Rang na província de Ninh Thuan, a unidade tornou-se parte da 35ª Asa de Caça Tática da Força Aérea dos Estados Unidos (35 TFW) e entre abril de 1967 e junho de 1971, [16] os Canberras voaram aproximadamente 12.000 surtidas. [17] Embora o esquadrão tenha empreendido inicialmente ataques noturnos de alto nível, a maioria de suas operações foram ataques diurnos de baixo nível e de acordo com o historiador Steve Eather o esquadrão alcançou uma alta taxa de sucesso, respondendo por 16 por cento das 35 bombas avaliadas por TFW danos apesar de voar apenas cinco por cento de suas missões, mantendo uma taxa de manutenção de 97-98 por cento. [18] [15] Ele lançou 76.389 bombas e foi creditado com 786 inimigos confirmados mortos e mais 3.390 mortos com 8.637 estruturas, 15.568 bunkers, 1.267 sampans e 74 pontes destruídas. [19] Uma aeronave do esquadrão respondeu a um pedido de socorro em 24 de abril de 1969 e, contra ordens operacionais, bombardeou um local no Camboja (o Fishhook) onde as forças especiais dos EUA foram imobilizadas. [20] Cinco membros da tripulação foram mortos durante a guerra, [15] e dois Canberras foram abatidos em 1970 e 1971. Um foi derrubado por um míssil terra-ar do qual os tripulantes & # 160 - um dos quais era o comandante do esquadrão, Wing Commander Frank Downing & # 160 - ejetado com segurança e resgatado por helicóptero, e outro foi perdido durante um bombardeio ao redor de Da Nang. [13] A tripulação da última aeronave não foi recuperada durante a guerra e foi postada como "desaparecida em ação", no entanto, os destroços de seu Canberra foram finalmente localizados em abril de 2009 e seus restos mortais foram devolvidos à Austrália. [21] O esquadrão foi premiado com a Menção de Unidade Cruzada de Galantaria do Vietnã e uma Comenda de Unidade Extraordinária da Força Aérea dos Estados Unidos por seu serviço no Vietnã. [18] [15] Durante a implantação, a aeronave do esquadrão usou o indicativo "Magpie" em reconhecimento ao emblema do esquadrão. [22]

O esquadrão retornou à Austrália em 1971, tendo sido implantado no exterior por um total de 13 anos. [13] Depois do Vietnã, o No. 2 Squadron foi baseado em Amberley, a oeste de Brisbane, Queensland. [17] Retornou brevemente ao papel de bombardeio em treinamento, mas nos últimos anos das operações do bombardeiro de Canberra RAAF, foi predominantemente usado para reboque de alvos em apoio à frota de caças Dassault Mirage III da RAAF e mapeamento aéreo da Austrália e outros locais incluindo Papua Nova Guiné, Irian Jaya e as Ilhas Cocos e Christmas. Eventualmente, os bombardeiros de Canberra do esquadrão foram retirados do serviço e no final de julho de 1982 o esquadrão foi dissolvido. [18] [13]

O esquadrão foi reformado em janeiro de 2000 para operar aeronaves Boeing 737 Airborne Early Warning & amp Control (AEW & ampC) adquiridas como parte da Projeto Wedgetail, fora da Base RAAF Williamtown e Base Tindal da RAAF. [17] [23] Em 26 de novembro de 2009, a RAAF aceitou os dois primeiros de seis Boeing 737, [24] e no final de 2010, o esquadrão havia começado o treinamento. Em 2011, após um período de treinamento de conversão de suas tripulações, participou do Exercício Talisman Saber com as forças norte-americanas e australianas. [17] O esquadrão faz parte da Ala No. 42 do Grupo de Vigilância e Resposta, que é responsável pela capacidade AEW e ampC da RAAF. [25] [26] Em 14 e # 160 de setembro de 2014, o governo federal se comprometeu a desdobrar um dos Boeing 737 do esquadrão para a Base Aérea de Al Minhad nos Emirados Árabes Unidos, como parte de uma coalizão para combater as forças do Estado Islâmico no Iraque. [27] A aeronave começou a realizar missões no Iraque em 1 e # 160 de outubro. [28]


História

O No. 37 Squadron foi estabelecido em julho de 1943 na RAAF Station Laverton, Victoria. Ele foi equipado pela primeira vez com transportes Lockheed C-60 Lodestar bimotores e operado em Parafield, Austrália do Sul, e Morotai nas Índias Orientais Holandesas. No final da Segunda Guerra Mundial, ele foi reequipado com transportes bimotores Douglas C-47 Dakota. [2] [3] Em maio de 1945, o nº & # 16037 Squadron estava baseado em Essendon, Victoria. Após o fim das hostilidades, ela se engajou no transporte de ex-prisioneiros de guerra de Cingapura para a Austrália e, posteriormente, no transporte de equipamento para o Japão para a Força de Ocupação da Comunidade Britânica. [1] [2] Em agosto de 1946, juntou-se aos Esquadrões Nº & # 16036 e 38, também voando Dakotas, como unidades da Asa Nº & # 16086 na Estação Schofields da RAAF, New South Wales. Em fevereiro de 1948, o No. & # 16037 Squadron foi dissolvido em Schofields. [2]

Nº & # 16037 Esquadrão reformado na Base RAAF de Richmond, New South Wales, em fevereiro de 1966. [4] Equipado com Lockheed C-130E Hercules, ele iniciou missões de longo alcance em apoio às forças australianas no Vietnã, incluindo transporte aeromédico soldados feridos de volta à Austrália, geralmente via RAAF Base Butterworth, Malásia. [5] Em 5 e # 160 de fevereiro de 1967, um dos Hércules da unidade foi a primeira aeronave de transporte estratégico australiana a pousar em Vung Tau. O esquadrão também transportou forças para fora do Vietnã após a retirada australiana do conflito em dezembro de 1972. [6] Além de participar de exercícios militares e compromissos de manutenção da paz no exterior, o Hércules tornou-se conhecido no Pacífico Sul após ser chamado para socorro após muitos desastres naturais, incluindo ondas gigantes na Nova Guiné, ciclones nas Ilhas Salomão e Tonga, e incêndios e inundações em toda a Austrália. [7] Ele desempenhou um papel vital na evacuação de civis após o ciclone Tracy em Darwin, Território do Norte, em 1974-75, um No. & # 16037 O Esquadrão C-130E foi a primeira aeronave a pousar em Darwin após o desastre. [5] O Hercules também evacuou o pessoal da embaixada australiana de Saigon, Vietnã do Sul, e Phnom Penh, Camboja, após o fim da Guerra do Vietnã em 1975. [5] [8] Em janeiro-fevereiro de 1979, dois Nº & # 16037 O Esquadrão C-130Es evacuou o pessoal da embaixada australiana e de outras embaixadas estrangeiras de Teerã, pouco antes do colapso do governo real durante a Revolução Iraniana. [9] No mesmo ano, o esquadrão iniciou as operações com dois ex-Boeing 707 da Qantas, entregando-os ao No. & # 16033 Flight no início de 1981. [10]

Em 1986, o No. & # 16037 Squadron transportou os Popemobiles na viagem de João Paulo II à Austrália, suas outras cargas incomuns incluíram cangurus e ovelhas para a Malásia e exibições arqueológicas da China. [5] Em fevereiro de 1987, a unidade juntou-se novamente ao Esquadrão nº & # 16036, junto com o Esquadrão nº & # 16033, como parte de uma ala reformada nº & # 16086 sob o recém-estabelecido Grupo de Elevação Aérea. [11] No ano seguinte, o No. & # 16037 Squadron atingiu 200.000 horas de vôo sem acidentes no Hercules. [5] O público australiano teve a experiência de voar nos C-130s quando foram contratados pelo Governo Federal para fornecer transporte aéreo durante a disputa entre pilotos australianos de 1989 que reduziu as operações das duas companhias aéreas domésticas. [12]

Descrita como uma das unidades "mais ocupadas" e "mais trabalhadoras" da RAAF, no. & # 16037 Esquadrão reequipado com o novo modelo C-130J Hercules em 1999. [1] A unidade continuou a apoiar a manutenção da paz australiana missões em todo o mundo, incluindo operações de transporte durante a primeira Guerra do Golfo em 1990–91 e após a invasão do Iraque em 2003. [6] [12] [13] Ele foi fortalecido para criar um "super esquadrão" em 17 e # 160 de novembro de 2006, quando sua força de doze C-130Js foi aumentada em doze C-130Hs do Esquadrão nº & # 16036, antes de o último se reequipando com o Boeing C-17 Globemasters e se mudando para a Base RAAF de Amberley, Queensland. [6] [14] Em julho de 2008, o No. & # 16037 Squadron celebrou o 65º aniversário de seu estabelecimento durante a Guerra Mundial & # 160II. [13] Ele foi transferido da ala nº & # 16086 para a ala nº & # 16084 em 1 e # 160 de outubro de 2010, como parte de uma reestruturação do Grupo Air Lift. [15]


  • A Rainha marcou o Centenário da Real Força Aérea Australiana no CWGC Air Forces Memorial, Surrey
  • É relatado que uma monarca de 94 anos apareceu após receber sua segunda dose de vacina de Covid
  • O Memorial das Forças Aéreas do CWGC em Runnymede, Surrey, foi inaugurado oficialmente por Sua Majestade em outubro de 1953
  • O último noivado de Sua Majestade foi ao lado do neto William em Porton Down, perto de Salisbury, em outubro passado

Publicado: 22:59 BST, 31 de março de 2021 | Atualizado: 09:22 BST, 1 de abril de 2021

A Rainha 'recebeu seu segundo golpe de Covid' antes de enfrentar o público sem uma máscara hoje durante seu primeiro noivado oficial após cinco meses no bloqueio.

O monarca de 94 anos visitou o Memorial das Forças Aéreas da Commonwealth em Runnymede, Surrey, para marcar o centenário da Real Força Aérea Australiana.

Embora ela tenha sido vista em videochamadas neste ano, hoje é a primeira vez que o Monarca foi visto em público desde dezembro, quando ela deu as boas-vindas ao duque e à duquesa de Cambridge de volta a Windsor depois de sua excursão pela Grã-Bretanha.

É relatado que ela apareceu, que está intimamente ligada a 12 semanas desde que recebeu sua primeira injeção de Covid, após receber sua segunda dose da vacina.

O evento foi seu primeiro compromisso oficial em pessoa em 2021 - e o primeiro desde outubro passado, quando ela visitou o Laboratório de Defesa em Porton Down ao lado de seu neto, o Príncipe William.

É também a primeira vez que ela é vista desde a entrevista bombástica de Harry e Meghan na Oprah.

Mas em um momento leve hoje, a Rainha interrogou um soldado australiano sobre seu trabalho com os jatos Typhoon e perguntou se eles estavam 'sendo enviados para perseguir os russos?' e foi dito: 'Correto, senhora, é muito divertido para nós!'

A Rainha, que recebeu sua primeira dose do jab em janeiro, não usou cobertura no rosto, mas vestiu um conjunto inspirado na primavera brilhante, um vestido Angela Kelly em marfim, um casaco verde e um chapéu combinando adornado com narcisos e orquídeas artificiais e a acácia australiana broche apresentado a ela em sua primeira turnê pelo país em 1954.

Ela brincou: 'Faz muito tempo que não estou aqui', ao chegar ao memorial - que havia inaugurado no ano da coroação, em 17 de outubro de 1953.

O evento ocorre no momento em que seu marido, o príncipe Philip, se recupera em casa, após passar por uma cirurgia cardíaca no Hospital St. Bartholomew, em Londres, no início deste mês.

Hoje também marca o primeiro aniversário de 'Megxit' - quando o neto da Rainha, Harry, e a ex-atriz de Suits, Meghan Markle, renunciaram aos deveres reais e pararam de usar seus estilos de Sua Alteza Real, em 31 de março do ano passado.

A visita ocorre em meio a um momento tumultuado para a família, após a reunião televisiva dos Sussex com Oprah Winfrey no início deste mês, que deixou a família real enfrentando uma de suas piores crises por gerações.

A Rainha emitiu um comunicado posteriormente, dizendo que as questões levantadas - incluindo acusações de racismo em sua entrevista explosiva - seriam tratadas em particular como uma família, mas que 'algumas lembranças podem variar'.

A rainha estava de bom humor ao chegar ao CWGC Air Forces Memorial em Runnymede, Surrey

O escudeiro da rainha, o major Tom White, depositou uma coroa de flores em seu nome em homenagem aos aviadores e mulheres caídos

The 94-year-old viewed panels bearing the names of Australian war dead and a display of fallen airmen and women in the memorial cloister, before meeting serving RAAF personnel

When the Queen arrived at Runnymede she was greeted by Claire Horton, director general of the Commonwealth War Graves Commission, and George Brandis, High Commissioner for Australia

Service personnel at the event looked delighted to have Her Majesty in their company, as she happily chatted to them all ahead of the service

She chatted to the Honourable George Brandis (left), High Commissioner for Australia

Left, The Queen opening the memorial at Runnymeade in Surrey in October 1953. Right, the Queen today, March 2021

The monarch was animated at the display today, cheerily greeting fellow guests and enjoying the Red Arrows fly past

The Monarch was all smiles as she happily chatted to service personnel at the event, her first public outing this year

The Queen bowed her head as prayers were said for Royal Australian Air Force servicemen and women who have lost their lives in service of their country

The 94-year-old clutched a programme of the day's events as she made her way around the memorial in Runnymede, Surrey

The Queen at the memorial, which commemorates more than 20,000 Commonwealth airmen and women who died during operations in north and west Europe and have no known grave

She joked: 'It's a very long time since I've been here,' as she arrived at the memorial - which she had opened in her coronation year, on October 17, 1953 (pictured here)

More than 350,000 men and women have served in the RAAF since its formation in 1921, fighting in conflicts ranging from the Second World War to others in Korea, Vietnam and Afghanistan and Iraq, with more than 11,100 losing their lives in service

After spending the morning chatting with members of the Australian Air Force and taking part in centenary celebrations, the Queen made her way back to Windsor Castle

The ceremony began with a flypast by the Red Arrows, but with white smoke only instead of the familiar red, white and blue. As they do not normally perform at this time of year, their smoke pods are in for maintenance

Her Majesty was pictured leaving Windsor this morning, en route to the War Memorial at Runnymede

More videos

Husband hugs Caroline Crouch's mum before confessing to 'killing'

Handcuffed Babis Anagnostopoulos escorted by officers into court

Villagers in shock after tragic death of 23-year-old girl in Derbyshire village

Longest-known Covid patient dies after ending treatment

Hero guard who escaped armed robbers details attempted heist

Kate Middleton: Time for action is now on early childhood development

Woman is slashed in the face by man in Washington Square Park

Dame Andrea Leadsom says people 'terrified' of return to office

Ex-Commons Speaker and Tory MP John Bercow defects to Labour

Locals concerned about safety at night around Washington Square Park

Russia and China unveil future lunar base construction roadmap

Lorraine hints Emmerdale's Jonny McPherson is single after split

Generations of Royal Australian Air Force members (pictured with the Queen in 1953), have provided outstanding service to Australia in conflicts including WWII, Korea, Malaya, Vietnam, East Timor, Afghanistan and Iraq

'Are they chasing Russians?' Queen probes pilots about RAF jets

The Queen was in typically good spirits today as she laughed and joked with fellow attendees - and even asked an RAAF officer working with Typhoon jets if they were 'being sent off to chase the Russians?'

Her Majesty asked the air force personnel about working with Typhoon jets in Northumberland.

The Queen asked: 'Are they being sent off to chase the Russians?'

He replied: 'That's correct ma'am, it's a lot of fun for us!'

The Queen responded simply, 'Hmm'

A source told The Sun: 'Given the Queen has decided to make a public appearance so close to 12 weeks after the announcement of receiving her first vaccine it is clear she has already had her second.

'Aides won’t have wanted to put her at any risk.

'It is obviously much more reassuring to know that anyone who has received two doses of the vaccine is so well protected — even aged 94.'

When the Queen arrived at Runnymede she was greeted by Claire Horton, director general of the Commonwealth War Graves Commission, and George Brandis, High Commissioner for Australia.

The ceremony began with a flypast by the Red Arrows, but with white smoke only instead of the familiar red, white and blue. As they do not normally perform at this time of year, their smoke pods are in for maintenance.

Prayers were then said for Royal Australian Air Force servicemen and women who have lost their lives in service of their country before Her Majesty's Equerry Major Tom White laid a wreath on her behalf.

It bore a note reading, 'In memory of the glorious dead, Elizabeth.'

She said to one member of the Royal Australian Air Force who'd recently been posted to the UK: 'It's rather bad luck to have arrived in lockdown isn't it?

'I hope in the next couple of years you'll be able to travel a bit more'.

As she arrived at the memorial, which she opened in 1953, the Queen remarked on how long it was since she had last been there.

She added: 'You've got a good day for it. It's a very windy spot normally.'

The Duke of Edinburgh, 99, was admitted to St Bartholomew's Hospital in London on February 17 after feeling unwell.

He underwent surgery for a pre-existing heart condition - three months before his 100th birthday - before returning to King Edward VII hospital.

The couple - who had their first Covid vaccine in January - have spent the pandemic in lockdown at Windsor Castle with a team of staff dubbed 'HMS Bubble.'

Brothers in arms: The RAF and the RAAF

An RAF Typhoon intercepting a Russian 'Bear' bomber off the Scottish coast last September

The Royal Air Force has always had a strong relationship with the Royal Australian Air Force (RAAF).

They have an active personnel exchange programme - the officer the Queen was talking to is an RAAF squadron leader currently seconded as an air traffic controller to a Typhoon unit working as the Quick Reaction Force that intercepts Russian planes over the North Sea when they fly into British or NATO airspace.

Earlier this year, the Guardian revealed how Australia's air force personnel had been piloting deadly British air force drone strikes on enemy combatants in Iraq and Syria.

More than 350,000 men and women have served in the RAAF since its formation, fighting in conflicts ranging from the Second World War to Korea, Vietnam, Afghanistan and Iraq, with more than 11,100 losing their lives in service.

During World War Two, 65 Australians lost their lives flying from RAF Coningsby, and at least 50 are known to have been decorated for gallantry.

Today the Queen was also given the promise of a present, to be delivered later when they have been made: two RAAF dog jackets for her new corgis.

'That's very kind,' she said. 'I look forward to it.'

HMQ wrote in a foreword to the order of service: 'As one of the oldest Air Forces in the world, it is fitting to pay tribute to the efficiency, skill and sacrifice of the men and women who have served in its ranks, in Australia and overseas, during the past one hundred years.'

The Queen's visit today comes after it emerged Prince Andrew's sex accuser could testify about him at Ghislaine Maxwell's trial.

The original photograph showing the Her Majesty's son, the Duke of York with his arm around Virginia Giuffre's waist at Maxwell's home in 2001 has been requested.

Ms Giuffre's lawyer Sigrid McCawley revealed in court documents that Maxwell's team want access to original copies of various photographs, reported The Sun.

It is thought Ms Giuffre, 37, who currently lives in Australia with her husband and three children, could give evidence alongside victims Maria and Annie Farmer.

It comes after new criminal charges against Maxwell renewed pressure on Prince Andrew because they fall within the time frame that he was meeting paedophile Jeffrey Epstein.

More than 350,000 men and women have served in the RAAF since its formation in 1921, fighting in conflicts ranging from the Second World War to others in Korea, Vietnam and Afghanistan and Iraq, with more than 11,100 losing their lives in service.

The Duke of Cambridge will also mark the centenary with a video message being released later on Wednesday that reflects on the service, courage and sacrifice made by generations of Royal Australian Air Force men and women.

The message will be played at the RAAF centenary dinner being held in the Australian capital Canberra with guests featuring the country's prime minister Scott Morrison and the governor-general, retired General David Hurley, who is the Queen's representative.

Since the pandemic began the Queen has carried out a handful of official events beyond the walls of Windsor Castle.

She was last seen outside her Berkshire residence in November during the annual Remembrance Sunday service at the Cenotaph and, a few days before that, wore a face mask in public for the first time during a poignant visit to the grave of the Unknown Warrior at Westminster Abbey to mark the centenary of his burial.

In October the Queen joined by her grandson the Duke of Cambridge when she visited the Defence Science and Technology Laboratory, Porton Down in Wiltshire and formally opened the Energetics Analysis Centre.


The Queen’s maskless moment at RAAF ceremony

Runnymede: Of all the 1383 names of lost Australians carved into stone at the Runnymede Air Forces Memorial west of London, four captured the Queen’s attention during a rare journey beyond the walls of Windsor Castle.

Royal Australian Air Force pilot Donald Irving, navigator Stanley King, wireless operator Norman Huggett and air gunner Walter Adam took off from an airfield in Lincolnshire to attack Nuremberg on March 31, 1944 but were never heard from again. The bombing force lost 106 planes and 545 men to the angry skies over Europe that night — its deadliest of the campaign.

The Queen met serving members of the Royal Australian Air Force stationed in Britain. Credit: Getty Images

It later emerged the Lancaster bomber was blown off course and shot down east of Frankfurt. The plane crashed in thick forest, killing all eight crew including a Canadian mission specialist and a British engineer.

Australians John Newman and John Noskey were buried in Berlin War Cemetery but the bodies of Irving, King, Huggett and Adam were never recovered. They are four of the 20,456 men and women from the air forces of the British Empire who died during World War II and are remembered at Runnymede because they have no known grave.

The Queen made a surprise visit there on Wednesday, March 31, 2021 — 77 years to the day since that deadly night over Germany — to mark the anniversary of the Royal Australian Air Force which formed 100 years ago on March 31, 1921.

The event was the monarch’s first public appearance in nearly five months and only the fourth time she has held an engagement away from the castle where she and Prince Philip have sheltered for most of the coronavirus pandemic.

Her attendance had been carefully planned for months by Australian High Commissioner George Brandis and Buckingham Palace officials.

“The Queen receives tens of thousands of invitations to do functions and the fact that she chose an Australian event, here in the south of England, to mark this centenary I think a particularly significant compliment to Australia,” Brandis said.

Wearing the same diamond wattle brooch she was given during her first visit to Australia in 1954, the 94-year-old held court as she met serving RAAF members following the brief service which included a flypast by the Red Arrows.

Speaking to one RAAF officer about Britain’s Typhoon fighter jets, the Queen asked if they were “being sent off to chase the Russians?” The officer replied: “That’s correct Ma’am, it’s a lot of fun for us.”

The Queen first opened the Runnymede memorial in 1953. Credit: Getty Images

In another light moment, the monarch asked Brandis about Australians stranded in the United Kingdom during the pandemic. When Brandis dutifully informed her about efforts to get as many home as possible, the Queen quipped: “There are worse places to be stuck.”

She also beamed when Defence officials presented her with two RAAF-themed dog jackets for her new corgis.

In a formal statement, the Queen said she was “delighted” to congratulate the RAAF.

“As one of the oldest Air Forces in the world, it is fitting to pay tribute to the efficiency, skill and sacrifice of the men and women who have served in its ranks, in Australia and overseas, during the past one hundred years,” she said.

“Throughout my reign, the Royal Australian Air Force has shown immense dedication to duty and defended our freedom in many conflicts around the world.”

High Commissioner George Brandis lays a wreath at the socially-distanced anniversary service. Credit: Getty Images

Prince William — who flew for the Royal Air Force — also marked the centenary with a video message that reflected on the service, courage and sacrifice made by generations of Australians.

The Queen – who served as a driver and mechanic during World War II – first opened the Runnymede memorial in 1953. The then-26-year old had succeeded to the throne just one year earlier.

Group Captain Adrian Maso, the most senior RAAF officer stationed in the UK, said Defence had been in contact with descendants of the lost Australians the Queen heard about on Wednesday and they “are all very humbled by us telling their family story”.

Her appearance - just two days after restrictions were eased on how many people could gather outdoors in England – points to a more public profile this year as the COVID-19 risk subsides.

She has been isolating at home and left Windsor Castle only three times before for public engagements. The first was in October 2020 to meet scientists at a defence facility near Salisbury the other ventures were for the centenary of the burial of the Unknown Warrior in Westminster Abbey in November, and a service for Remembrance Sunday at the Cenotaph on Whitehall.

The Queen and 99-year-old Prince Philip were given their first dose of a COVID-19 vaccine in early January and are thought to have since had the second shot. She did not wear a mask on Wednesday and each guest underwent a COVID-19 test before entry.

The Queen is nearly the same age as the RAAF and has reigned for more than two-thirds of its existence.

Major Thomas White, Equerry to the Queen, prepares to lay a wreath on her behalf. Credit: Getty Images

Under the so-called Imperial Gift of 1920, Britain gave Australia 126 planes which were either surplus to needs or replacements for Australian aircraft lost during battle.

One aircraft – a SE5a fighter – was handed to the Australian War Memorial in 1929 and displayed at the Royal Exhibition Building in Melbourne before being moved to the Australian War Memorial in Canberra.

The skies over Europe were by far the most dangerous theatre of operations for Australians during World War II, with more than 4100 RAAF members killed while serving under the umbrella of the Royal Air Force Bomber Command.

More than one in three RAAF members who served in the Bomber Command were killed, amounting to 20 per cent of all Australian combat losses during the war.

Flight Lieutenant James Clarke from the Royal Australian Air Force is on a three-year exchange program in the UK and is currently based with 3(F) Squadron Typhoon at Royal Air Force Coningsby Lincolnshire. Credit: Crown Copyright MOD 2021

Flight Lieutenant James Clarke is the only RAAF member flying fast jets in skies over the UK today, via an exchange program. The 32-year-old flies Typhoons - the same aircraft the Queen referred to when joking about chasing off “the Russians” - at speeds of up to 1500 miles per hour or twice the speed of sound.

“Life moves at a different pace - you’re talking split-second decisions,” Clarke told The Sydney Morning Herald e A idade. “It’s eye-watering.”

Clarke’s base at Coningsby is steeped in World War II history. “The stresses we deal with today are nothing compared with the thought of taking off out of rural Lincolnshire in the fog, flying across really cold and dangerous water and then battling your way in to Europe and turning around and coming back,” he said. “It is awe-inspiring. The skill those men had were absolutely unbelievable.

“I can’t imagine what it must have been like to be on those aircraft very simple cockpit setups, very simple instruments with just them and their crew. And then you stack the odds against them with everything they had to contend with in Europe.

“My heart goes out to them - I’m incredibly humbled to be in this position to almost experience that, albeit with today’s modern technology. It’s an honour to showcase to the world what a potent force the RAAF has become over the past 100 years.”

Nearly 11,200 Australian air force members have been killed on active service.


Royal New Zealand Air Force

As New Zealand’s post-war air force faced up to the challenges of peacetime cutbacks, the onset of the Cold War in Europe led to a new focus for the RNZAF. Aircrews were provided for the Berlin airlift in 1948�, while a squadron of Vampire jet fighters was based in Cyprus from 1952 to 1955 as part of New Zealand’s contribution to Commonwealth defence plans for a possible war against the Soviet Union.

By the mid-1950s, New Zealand’s military commitment had switched to South-east Asia.  Three RNZAF squadrons operated against communist guerilla forces during the Malayan Emergency. Between 1955 and 1958 Vampires and Venom fighter-bombers of No. 14 Squadron flew 115 strike missions against guerilla targets – the first RNZAF combat operations since the Second World War. They were replaced by No. 75 Squadron (Canberras), while No. 41 Squadron (Bristol Freighters) dropped supplies to anti-guerilla forces.

The 1960s saw major changes to the RNZAF’s fleet. Under the guidance of the Chief of Air Staff, Air Vice-Marshal I.G. Morrison, the air force was re-equipped with American-made aircraft – P-3 Orions, C-130 Hercules, Bell UH-1 Iroquois and Bell 47G Sioux helicopters, and in 1970 A4 Skyhawks. They arrived just as new commitments in South-East Asia began affecting the RNZAF.

From 1964 to 1966, a squadron of Canberra bombers was based in Singapore to support Commonwealth operations during Indonesia’s Confrontation with Malaysia. RNZAF units were also part of New Zealand’s contribution during the Vietnam War. The first New Zealand combat troops were airlifted to South Vietnam by No. 40 Squadron (Hercules) in 1965, and No. 41 Squadron (Bristol Freighters) flew regular resupply missions from Singapore until 1975. From 1967 New Zealand helicopter pilots served with the RAAF’s No. 9 Squadron, while others flew with USAF squadrons as Forward Air Controllers. In total, 30 RNZAF pilots served in Vietnam between 1967 and 1971.

In the decade after Vietnam the RNZAF adopted a stronger maritime focus. Long-range surveillance patrols became more frequent in the waters around New Zealand as Orion crews hunted Soviet submarines and foreign fishing vessels operating illegally within New Zealand’s Exclusive Economic Zone. At the same time RNZAF aircrews forged stronger ties with their United States and Australian counterparts through ANZUS-sponsored exercises.

Turbulent years

The 1980s and 1990s were turbulent decades for the RNZAF. New Zealand’s anti-nuclear stance led to its effective exclusion from ANZUS and the severing of overt military ties with the United States. The RNZAF ceased to participate in United States-sponsored exercises and personnel exchanges at a time when New Zealand military was looking to increase its involvement in international peacekeeping missions.

Keeping the peace

The RNZAF’s first peacekeeping deployment was to the Sinai in the 1982. Since then air contingents have been sent to Iran (1988�), Somalia (1993), Uganda (1994), Bosnia (1994�), Bougainville (1997�), Persian Gulf (1998), East Timor (1999� and 2007�) and the Solomon Islands (2003�).

A major government defence review in 1991 led to sweeping changes within the RNZAF. Budget cuts forced the closure of several bases, including Wigram, and around 700 personnel left the service as air force trades were civilianised. By 1999 the RNZAF operated from three main bases at Auckland, Ōhakea and Woodbourne, with No. 2 Squadron (Skyhawks) at Nowra in Australia. Two years later the Labour-led government made the controversial decision to disband the RNZAF combat wing (Nos 2, 14 and 75 squadrons). The mothballing of the Skyhawks and Aermacchi jet trainers led to a massive reorganisation of the air force’s resources and the departure of more personnel.

A new century

The new millennium brought with it a fresh set of the challenges for the streamlined RNZAF. New Zealand’s decision to join the ‘war on terror’ following the 9/11 terrorist attacks on the United States led to a succession of air deployments to the Middle East during the early 2000s.

Helping at home

When the Christchurch earthquake struck on 22 February 2011, the RNZAF (along with army and navy) responded within a few hours. On the afternoon of the quake, an RNZAF Orion flew over the city taking photographs of damaged infrastructure, while a Boeing 757 arrived with search and rescue teams and medical personnel. Other RNZAF aircraft helped deploy police and medical personnel, and evacuate casualties and tourists.

Three months after the attack on the Twin Towers, two Hercules from No. 40 Squadron carried elements of the NZSAS to Pakistan following the invasion of Afghanistan. Another detachment was sent to Kyrgyzstan in 2003 to fly cargo and personnel into Afghanistan, while No. 5 Squadron Orions carried out surveillance flights around the Gulf region in 2003� during the invasion and occupation of Iraq.

These deployments signalled the beginning of a new operational era for the RNZAF. Humanitarian and peacekeeping operations in the Pacific and Middle East reinforced the importance of strategic and tactical air transport, maritime surveillance, and helicopter support for army and naval forces. They also exposed the limitations of the air force’s ageing equipment. In 2002 the government announced a major upgrade programme that has seen the modernisation of the Hercules and Orions and the renewal of the helicopter fleet. By 2012, modern NH-90 and A-109 helicopters had replaced the Vietnam War-era Iroquois and Sioux. The arrival of these modern aircraft, like the arrival of the Blériot in 1913, opens up a range of new possibilities for the RNZAF at home and in the wider world.


Assista o vídeo: No. 94 Squadron Career - Part Fifteen - Rise of Flight


Comentários:

  1. Ion

    Você está errado. Eu posso provar.

  2. Yoll

    você pode discutir isso infinitamente



Escreve uma mensagem