Bolsas da Babilônia - o que significa?

Bolsas da Babilônia - o que significa?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Qual é o significado de “bolsas” que os deuses babilônios freqüentemente são retratados carregando? ! [deus com bolsa]


O Met tem um destes painéis em exibição:

Também possui uma interpretação da imagem:

A figura representada no painel tem cabeça de águia e está voltada para a esquerda, segurando na mão esquerda um balde e na mão direita um cone cuja natureza exata não é clara. Uma sugestão foi que o gesto, às vezes executado por figuras flanqueando uma árvore sagrada, é um símbolo de fecundação: o "cone" lembra a espata de tâmara masculina usada pelos fazendeiros mesopotâmicos, com água, para fertilizar artificialmente as tamareiras fêmeas. Parece provável que o cone deveria segurar e dispensar água do balde dessa forma, mas é descrito em acadiano como um "purificador", e o fato de que as figuras realizando esse gesto também são mostradas flanqueando o rei sugere que alguns significado purificador ou protetor está presente.

Outra representação pode ser vista aqui (recortei a imagem abaixo para fazê-la caber aqui):

Isso mostra a mesma 'árvore sagrada' que foi discutida na imagem do Met. Portanto, temos uma representação inicial de ... um balde. Provavelmente sendo usado em alguma forma de rito de fertilidade.


Numerais babilônicos

A civilização babilônica na Mesopotâmia substituiu a civilização suméria e a civilização acadiana. Damos um pequeno pano de fundo histórico para esses eventos em nosso artigo matemática babilônica. Certamente, em termos de seu sistema numérico, os babilônios herdaram idéias dos sumérios e dos acadianos. Dos sistemas numéricos desses povos anteriores veio a base de 60, ou seja, o sistema sexagesimal. No entanto, nem o sistema sumério nem o acadiano eram sistemas posicionais e esse avanço dos babilônios foi, sem dúvida, sua maior conquista em termos de desenvolvimento do sistema numérico. Alguns argumentariam que foi sua maior conquista em matemática.

Freqüentemente, quando lhes é dito que o sistema numérico babilônico era de base 60, a primeira reação das pessoas é: quantos símbolos numéricos especiais eles devem ter aprendido. É claro que este comentário é baseado no conhecimento de nosso próprio sistema decimal, que é um sistema posicional com nove símbolos especiais e um símbolo zero para denotar um lugar vazio. No entanto, em vez de ter que aprender 10 símbolos como fazemos para usar nossos números decimais, os babilônios só tiveram que aprender dois símbolos para produzir seu sistema posicional de base 60.

Embora o sistema babilônico fosse um sistema de base posicional 60, ele tinha alguns vestígios de um sistema de base 10 dentro dele. Isso porque os 59 números, que vão para um dos lugares do sistema, foram construídos a partir de um símbolo de 'unidade' e de um símbolo de 'dez'.


Aqui está o 59 símbolos construído a partir desses dois símbolos


Agora, dado um sistema posicional, é necessária uma convenção a respeito de qual extremidade do número representa as unidades. Por exemplo, o decimal 12345 representa

que, em notação decimal, é 424000.


Aqui está 1, 57, 46, 40 em algarismos babilônicos


Agora existe um problema potencial com o sistema. Visto que dois é representado por dois caracteres, cada um representando uma unidade, e 61 é representado por um caractere para uma unidade em primeiro lugar e um segundo caractere idêntico para uma unidade na segunda posição, então os números sexagesimais da Babilônia 1, 1 e 2 têm essencialmente a mesma representação. No entanto, isso não era realmente um problema, pois o espaçamento dos caracteres permitia perceber a diferença. No símbolo para 2, os dois caracteres que representam a unidade se tocam e se tornam um único símbolo. No número 1, 1 há um espaço entre eles.

Um problema muito mais sério era o fato de que não havia zero para colocar em uma posição vazia. Os números sexagesimais, números 1 e 1, 0, a saber, 1 e 60 em decimais, tinham exatamente a mesma representação e agora não havia como o espaçamento ajudar. O contexto deixou isso claro e, de fato, apesar de parecer muito insatisfatório, não poderia ser considerado pelos babilônios. Como nós sabemos disso? Bem, se eles tivessem realmente descoberto que o sistema apresentava ambigüidades reais, eles teriam resolvido o problema - há pouca dúvida de que eles tinham as habilidades para chegar a uma solução caso o sistema fosse impraticável. Talvez devêssemos mencionar aqui que as civilizações babilônicas posteriores inventaram um símbolo para indicar um lugar vazio, de modo que a falta de um zero não poderia ser totalmente satisfatória para eles.

Um lugar vazio no meio de um número também lhes causava problemas. Embora não seja um comentário muito sério, talvez valha a pena observar que se assumirmos que todos os nossos dígitos decimais são igualmente prováveis ​​em um número, então há uma chance em dez de um lugar vazio, enquanto para os babilônios com seu sistema sexagesimal havia um uma chance em sessenta. Voltando aos espaços vazios no meio dos números, podemos ver exemplos reais onde isso acontece.

Aqui está um exemplo de uma tabuinha cuneiforme (na verdade, AO 17264 na coleção do Louvre em Paris) em que o cálculo ao quadrado 147 é executado. Em sexagesimal 147 = 2, 27 e ao quadrado dá o número 21609 = 6, 0 9.


Aqui está o exemplo babilônico de 2, 27 ao quadrado


Talvez o escriba tenha deixado um pouco mais de espaço do que o normal entre o 6 e o ​​9 do que ele teria feito se estivesse representando o 6, 9.

Agora já sugerimos a notação que usaremos para denotar um número sexagesimal com parte fracionária. Para ilustrar 10, 12 5 1, 52, 30 representa o número

além, é claro, de 10, 12, 5, 1, 52, 30, 0 ou 0 0, 10, 12, 5, 1, 52, 30 etc.

Finalmente, devemos olhar para a questão de por que os babilônios tinham um sistema numérico com uma base de 60. A resposta fácil é que eles herdaram a base de 60 dos sumérios, mas essa não é a resposta. Isso apenas nos leva a perguntar por que os sumérios usaram a base 60. O primeiro comentário seria que não precisamos voltar mais longe, pois podemos ter bastante certeza de que o sistema sexagesimal se originou com os sumérios. O segundo ponto a ressaltar é que os matemáticos modernos não foram os primeiros a fazer essas perguntas. Theon de Alexandria tentou responder a essa pergunta no século IV dC e muitos historiadores da matemática ofereceram uma opinião desde então, sem apresentar uma resposta realmente convincente.

A resposta de Theon foi que 60 era o menor número divisível por 1, 2, 3, 4 e 5, portanto, o número de divisores foi maximizado. Embora isso seja verdade, parece um motivo muito erudito. Uma base de 12 pareceria um candidato mais provável se esse fosse o motivo, mas nenhuma civilização importante parece ter surgido com essa base. Por outro lado, muitas medidas envolvem 12, por exemplo, ocorre frequentemente nas subdivisões de pesos, dinheiro e comprimento. Por exemplo, nas antigas medidas britânicas, havia trinta centímetros em um pé, doze centavos em um xelim, etc.

Neugebauer propôs uma teoria baseada nos pesos e medidas que os sumérios usavam. Sua ideia basicamente é que um sistema de contagem decimal foi modificado para basear 60 para permitir a divisão de pesos e medidas em terços. Certamente sabemos que o sistema de pesos e medidas dos sumérios usa 1 3 large frac <1> <3> normalsize 3 1 e 2 3 large frac <2> <3> normalsize 3 2 como frações básicas. No entanto, embora Neugebauer possa estar correto, o contra-argumento seria que o sistema de pesos e medidas foi uma conseqüência do sistema numérico e não vice-versa.

Várias teorias foram baseadas em eventos astronômicos. A sugestão de que 60 é o produto do número de meses no ano (luas por ano) com o número de planetas (Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno) novamente parece improvável como uma razão para a base 60. O fato de o ano ser considerado como tendo 360 dias foi sugerido como uma razão para a base numérica de 60 pelo historiador da matemática Moritz Cantor. Mais uma vez, a ideia não é tão convincente, pois os sumérios certamente sabiam que o ano durava mais de 360 ​​dias. Outra hipótese diz respeito ao fato de que o Sol se move em seu diâmetro 720 vezes durante um dia e, com 12 horas sumérias em um dia, pode-se chegar a 60.

Algumas teorias são baseadas na geometria. Por exemplo, uma teoria é que um triângulo equilátero foi considerado o bloco de construção geométrico fundamental pelos sumérios. Agora, o ângulo de um triângulo equilátero é de 60 °, então se ele for dividido em 10, um ângulo de 6 ° se tornaria a unidade angular básica. Agora, há sessenta dessas unidades básicas em um círculo, então, novamente, temos a razão proposta para escolher 60 como base. Observe que este argumento quase se contradiz, pois assume 10 como a unidade básica para a divisão!

Eu [EFR] sinto que não vale a pena considerar seriamente todas essas razões. Talvez eu tenha elaborado meu próprio argumento um pouco, mas a frase "escolhendo 60 como base" que acabei de usar é altamente significativa. Eu simplesmente não acredito que alguém tenha escolhido uma base numérica para qualquer civilização. Você pode imaginar os sumérios estabelecendo um comitê para decidir sobre sua base numérica - não, as coisas simplesmente não aconteciam dessa maneira. A razão tem que envolver a maneira como a contagem surgiu na civilização suméria, assim como 10 se tornou uma base em outras civilizações que começaram a contar nos dedos das mãos, e vinte se tornou uma base para aqueles que contavam nos dedos das mãos e dos pés.

Aqui está uma maneira pela qual isso poderia ter acontecido. Pode-se contar até 60 usando as duas mãos. Em sua mão esquerda, existem três partes em cada um dos quatro dedos (excluindo o polegar). As partes são separadas umas das outras pelas juntas dos dedos. Agora pode-se contar até 60 apontando para uma das doze partes dos dedos da mão esquerda com um dos cinco dedos da mão direita. Isso permite contar até 60 em vez de até 10. Alguém está convencido?

Uma variante desta proposta foi feita por outros. Talvez a teoria mais aceita proponha que a civilização suméria deve ter surgido pela união de dois povos, um dos quais tinha base 12 para sua contagem e o outro tinha base 5. Embora 5 não seja tão comum quanto 10 como base numérica entre os povos antigos, não é incomum e é claramente usado por pessoas que contaram com os dedos de uma mão e começaram de novo. Essa teoria então supõe que, como os dois povos se misturavam e os dois sistemas de contagem eram usados ​​por diferentes membros da sociedade negociando entre si, a base 60 surgiria naturalmente como o sistema que todos entendiam.

Já ouvi a mesma teoria proposta, mas com os dois povos que se misturaram para produzir os sumérios tendo 10 e 6 como suas bases numéricas. Esta versão tem a vantagem de haver uma unidade natural para 10 no sistema babilônico que pode-se argumentar que é um remanescente do sistema decimal anterior. Uma das coisas mais interessantes sobre essas teorias é que pode ser possível encontrar evidências escritas dos dois sistemas de mistura e, assim, fornecer o que essencialmente equivaleria a uma prova da conjectura. Não pense na história como um assunto morto. Ao contrário, nossos pontos de vista estão mudando constantemente à medida que as pesquisas mais recentes trazem novas evidências e novas interpretações à luz.


Babilônia Antiga por R. Russell

2 Kin 24: 13-14 “E Nabucodonosor da Babilônia tirou dali todos os tesouros da casa do Senhor e da casa do rei, e despedaçou todas as peças de ouro que Salomão, rei de Israel, tinha feito em o templo do Senhor, como o Senhor havia dito. Também levou para o cativeiro toda Jerusalém: todos os capitães e todos os valentes, dez mil cativos, e todos os artífices e ferreiros. Nenhum permaneceu, exceto as pessoas mais pobres da terra. & Quot


Arte Antiga da Babilônia

Simplesmente dizer a palavra Babilônia evoca jardins suspensos e civilizações antigas. Localizada perto do rio Eufrates, na Mesopotâmia (atual Iraque), a antiga cidade da Babilônia começou a crescer em destaque após a queda da Suméria. A primeira menção registrada data do século vinte e três a.C. Mas depois que a Suméria foi conquistada pelos elamitas, os amorreus se tornaram a força dominante do Crescente Fértil, como a região foi apelidada no século passado. Sob os amorreus, a Babilônia tornou-se uma poderosa cidade-estado e conquistou outras cidades para se tornar um império conhecido como o Antigo Período Babilônico.

É claro que, durante o período antigo, a Babilônia foi governada por vários grupos depois dos amorreus, como os hititas, os cassitas e, muito mais tarde, os assírios. De muitas maneiras, a cidade tornou-se um antigo caldeirão. A língua falada mudou e a cultura se adaptou a vários grupos governantes, embora deva ser notado que a arte da Babilônia realmente influenciou a arte de seus governantes, particularmente os assírios, uma vez que Babilônia era considerada no mundo antigo como um centro cultural e era altamente influente por séculos. Sua arte é um ponto focal entre as artes da antiguidade.

Durante o período da Antiga Babilônia, a arte da cidade era exposta em afrescos e azulejos esmaltados. Freqüentemente religioso no assunto, como com outras civilizações antigas, tornou-se mais complexo ao longo de seu desenvolvimento. Ao contrário dos assírios que preferiam a forma de baixo-relevo, os babilônios se especializaram em estátuas independentes. Essas figuras eram tridimensionais e bastante realistas. Entre os primeiros exemplos de estátuas babilônicas estão as estátuas de Gudea esculpidas principalmente em diorito, embora alabastro, esteatito e calcário também tenham sido usados. Devido à escassez de pedra, os artistas da Babilônia a trataram como um material precioso e se tornaram adeptos do corte e entalhe em pedra.

É claro que itens domésticos como vasos e cilindros de selos também costumavam ser reproduzidos com tratamento artístico. Esses itens podem ser decorados com formas humanas ou animais. Embora a forma do templo em zigurate já fosse conhecida pelos sumérios, continuou a ser construída pelos sumérios, que decoravam as paredes com elaboradas obras de arte. Exemplos do assunto da arte podem demonstrar desejos de boas colheitas ou fertilidade. Talvez a maior realização da arte babilônica seja evidenciada pelo famoso Portão de Ishtar, criado em c.575 a.C. sob a direção do rei Nabucodonosor II. É conhecido por seus dragões em baixo-relevo e o Caminho Processional que o acompanha, que estava alinhado com estátuas de dragões.

Segundo a lenda, Babilônia era considerada uma das mais belas cidades antigas. A cidade ficou famosa por seus palácios e pátios exuberantes. E embora seus míticos jardins suspensos não tenham sobrevivido, muitas de suas relíquias artísticas foram desenterradas para serem exibidas ao redor do mundo nos mais prestigiosos museus de arte e história.


Atividades económicas

As atividades econômicas que se desenvolveram durante o Primeiro Império Babilônico são conhecidas graças às leis do Código de Hamurabi, que é uma fonte histórica muito importante e que ajuda os historiadores a saber como era a economia durante o Império Babilônico.

Graças a ele, sabemos que a base da economia era agricultura, que assim como as outras nações (ver Sumérios) dependia da construção de canais para irrigação. Foi também um desenvolvimento importante em pecuária. Os impostos ou tributos ao Império eram pagos em espécie, ou seja, consistiam nos diferentes produtos em que trabalhava cada região.

O comércio e o desenvolvimento da tecnologia e infra-estruturas foram também afectados de forma muito positiva pelo desenvolvimento cultural e, em particular, pelo desenvolvimento da matemática e Engenharia. Por um lado, eram necessários conhecimentos avançados de engenharia para poder realizar os planos de todos os diques, barragens e outras obras de grande porte que foram concluídas nessa época, reunidos mais do que qualquer coisa do conhecimento prévio dos sumérios. .

Da mesma forma, o sistema métrico sexagesimal foi usado na Babilônia, que é um sistema muito semelhante ao nosso sistema decimal, mas em vez de ser baseado no número 10, é baseado no 60. Graças ao desenvolvimento inicial deste sistema métrico na Babilônia, o desenvolvimento da aritmética ou álgebra foi capaz de avançar muito.

Crenças religiosas na Babilônia

Eles construíram grandes monumentos como é o caso dos templos cujos edifícios em forma de torres em terraço atingiram uma altura total superior a 100 metros (328 pés). Os templos também possuíam decorações em relevo narrando aspectos importantes relativos ao culto e à divindade a que era feita a homenagem nas paredes das salas principais.

Os deuses mais importantes representados nesses templos foram os seguintes:

  • Anu: foi o deus principal durante a era mais antiga. Ele era o deus do céu.
    Enlil: ele é filho de Anu. Ele carregava a “tábua dos destinos” com a qual controlava o futuro de todos os seres. Ele acabou substituindo seu pai como rei dos deuses.
  • Ea (o Enki): é o deus do conhecimento mágico, que controlava a água doce, tão importante para a agricultura na Mesopotâmia. Ele também foi encarregado de ensinar os diferentes ofícios à humanidade.
  • Marduk: filho de Ea. Ele era o principal deus da Babilônia. Ele se tornou o rei dos deuses, começando com o Império Babilônico e também para outras regiões e culturas da Mesopotâmia.
  • Ishtar: ela é a deusa do amor. Com vários nomes, ela era conhecida em todo o oeste da Ásia, tornando-se a deusa mais popular do panteão mesopotâmico.
  • Nabu: mestre dos escribas e deus da sabedoria.

Infelizmente, devido às conquistas e destruição de cidades, às quais se somaram a deterioração do tempo e a erosão pelas condições ambientais, muitas das obras de. arte da cultura babilônica foram destruídos, mas os que foram salvos esboçam uma imagem importante para nós das características gerais da cultura nessas cidades antigas.

Esta antiga civilização possuía importantes conhecimentos relacionados a astrologia graças ao qual eles criaram um calendário bastante preciso, do qual muitos aspectos ainda são usados. Eles possuíam conhecimento sobre Medicina, a prevenção das doenças e a contenção ou propagação das mesmas, o que hoje nos surpreende se se tiver em conta a antiguidade desta nação. O conhecimento que eles possuíam sobre matemática é surpreendente.


Todas as religiões falsas começaram na Babilônia

A ORIGEM PAGÃ DAS GRÂNULAS DE ROSÁRIO

CONTAS DE ORAÇÃO & # 8211 OU & ​​& # 8211 ROSARY BEADS

As contas do rosário vêm em todas as formas, cores, tamanhos e
qualidade. Alguns rosários são amarrados com pérolas, cristal,
madeira e até mesmo plástico. Mas de onde surgiu o ritual de
o rosário vem? E o que, exatamente, é o
significado das contas do rosário?

O rosário em termos mais simples é considerado uma ferramenta
usado para auxiliar a oração e meditação. As contas de um
rosário conta as orações à medida que são recitadas em voz alta
ou na mente. O usuário conta com as contas do rosário
para manter o controle de quantas vezes você disse um
oração particular.

& # 8220Mais comumente reconhecido nos Estados Unidos
como um símbolo do catolicismo, outras religiões, incluindo
Budismo, Hinduísmo, Paganismo e Islã empregam
contas do rosário também. & # 8221
-O significado das contas do rosário
O que simbolizam as contas do rosário?
Por Jessica Ciosek

& # 8220 Grânulos de oração, ou rosários de oração, são realmente
outra forma de escada & # 8220witch & # 8217s, & # 8221 com nós
corda ou cordão usado para contar repetições durante
um feitiço ou ritual. Rezar com contas é espiritual
prática com uma longa história na maior parte do mundo & # 8217s
religiões. & # 8221
- Loja de névoas sagradas
Janet Farrar e Gavin Bone

& # 8220 as contas de pulverização originaram-se da fé hindu.
O uso de contas para devoções data do século 8 a.C.
no culto de Shiva. Nas esculturas de arenito da Índia,
estátuas por volta de 185 aC, mostram hindus com contas de oração.
Os nomes dos deuses hindus e orações são repetidos
em contas de cordas, chamadas mala, separadas por maiores
ou contas de cores diferentes. & # 8221
- UMA HISTÓRIA DE ORANDO NAS GRÂNULAS
Patricia A. Dilley

& # 8220Os convertidos hindu mantiveram seu uso tradicional de
contas de oração. Monges budistas sempre carregam um fio
de contas de oração, ou rosário, geralmente de 108 contas. & # 8221
- UMA HISTÓRIA DE ORANDO NAS GRÂNULAS
Patricia A. Dilley

Contas de oração são usadas por: hindus, budistas, muçulmanos,
e católicos, entre outros.

& # 8220 Freqüentemente, quando as religiões buscavam convertidos,
eles permitiram que eles mantivessem alguns de seus
maneiras pagãs: trajes cerimoniais, rituais pagãos
e tradições, a fim de aumentar seus números.
Isso levou à poluição espiritual. & # 8221
- UMA HISTÓRIA DE ORANDO NAS GRÂNULAS
Patricia A. Dilley

& # 8220Antes do século 12, rosários eram usados ​​para
talismãs (amuleto ou amuletos ocultos). Rosários e
contas de oração foram planejadas pela igreja católica
hierarquia, para uso dos ignorantes. & # 8221
- UMA HISTÓRIA DE ORANDO NAS GRÂNULAS
Patricia A. Dilley

& # 8220 Os pagãos já usavam contas de oração antes mesmo do
Século 8 antes de CRISTO, e eles ainda usam
hoje. & # 8221
- UMA HISTÓRIA DE ORANDO NAS GRÂNULAS
Patricia A. Dilley

A Bíblia nos adverte contra o uso de contas de oração & # 8211
Mateus 6: 7 diz & # 8211 & # 8220Mas quando orardes, não useis em vão
repetições, como fazem os pagãos: pois pensam que
eles serão ouvidos por seu muito falar.

& # 8220 E quando você orar, não & # 8230 repita o mesmo
palavras repetidas como os gentios (pagãos) fazem,
pois pensam que serão ouvidos por seu muito
falando. & # 8221
(Mateus 6: 7) (AMP) -BibleGateway

& # 8220Mas quando orar, não diga as mesmas coisas
uma e outra vez, assim como as pessoas da
nações fazem, pois imaginam que obterão uma
ouvir pelo uso de muitas palavras. & # 8221
(Mateus 6: 7) (NWT)


O que Babylon significa no Reggae?

Se você é mesmo o menor fã de música Reggae, você deve ter ouvido o termo & # 8220Babylon & # 8221 sendo usado de uma forma ou de outra. Então, o que exatamente é & # 8220Babylon & # 8221?

Bem, o cristão pode reconhecer o termo da Bíblia quando os judeus foram capturados e forçados a passar por dificuldades na Babilônia. Os rastafáris, em sua consciência histórica consistente, reconheceram as semelhanças entre essa saga bíblica e a realidade que era o comércio transatlântico de escravos ou comércio triangular.

A razão pela qual a andorinha-do-mar & # 8220Babylon & # 8221 é usada em oposição a outra é devido ao fato de que em sua maioria a Bíblia era o único ponto de referência disponível para a maioria dos escravos africanos e uma vez que eles foram despojados de sua identidade cultural e seus filhos foram Proibida de aprender a ler, a terminologia bíblica provou ser a melhor forma de comunicação entre rastas e carecas.

Não é apenas a Babilônia que é usada, mas também & # 8220Israelita & # 8221 é usado para se referir aos africanos, pois seu sofrimento sob o sistema & # 8220Babylonian & # 8221 é brutal, longo e contínuo. Outro termo popular é & # 8220exodus & # 8221, que representa o movimento & # 8220 de Jah gente através de mar Vermelho& # 8221 & # 8211 essas são letras de Bob Marley & amp the Wailers, Exodus. O termo & # 8220red & # 8221 foi usado para descrever os fatos sangrentos sobre a passagem do meio em que muitos africanos foram jogados ao mar ou morreram devido às condições nojentas do navio negreiro.

Os rasta há muito apontam o ponto, que muitos acadêmicos estão agora reconhecendo que nas escolas todo o currículo é construído em torno da cultura, história e crenças dos colonizadores, com referências vagas à África aqui e ali. Na verdade, muitos dos mais brilhantes da Jamaica ao deixar o ensino médio só podem dizer que a escravidão aconteceu há muito tempo & # 8221. Porque isso é tudo que eles sabem sobre o assunto, mas podem descrever Paris, Londres e as histórias do Mercador de Veneza. Isso é muito perturbador.

& # 8220400 anos e a mesma filosofia & # 8221 & # 8211 Peter Tosh

Na música contemporânea Reggae / Dancehall, os termos bíblicos ainda são usados ​​extensivamente e & # 8220Babylon & # 8221 se refere ao sistema construído sobre a escravidão, ou seja, o sistema global de mercado livre / globalização. A hierarquia social também está sob fogo, já que políticos e policiais há muito são apontados como fundamentais na opressão dos pobres. Se você pensar bem, faz todo o sentido. Quando se fala sobre o que leva ao capitalismo moderno, muitas vezes ouço argumentos sobre a máquina a vapor, mas nenhuma vez ouvi a escravidão, que é um modelo quase idêntico do esquema de comércio global & # 8216 Norte e Sul & # 8217 a única coisa que os bens são sendo enviado agora ao invés de pessoas. O Dr. Eric Williams defendeu esse ponto de maneira brilhante em seu livro & # 8220Capitalism & amp Slavery & # 8221

Mas isso é uma coisa que eu não consigo entender
dem nah me ensine nada sobre minha terra antiga
Inna a escola e a faculdade e a instituição
o currículo que recebo é europeu
Eu me ensinei sobre Marco Polo e Napolean
Nah me ensine nuttin sobre a margem do rio Nilo
onde a civilização começou
Você diz que não deve roubar e não deve matar ninguém
ainda assim você rouba traiçoeiro e então você ensina errado
(Sizzla) Sim, sim, escravo e você mata meu pai e minha mãe
Mas perverso babilônico e você terá que queimar


The Number Warrior

Já escrevi sobre o valor do antigo Egito, concluindo que, embora os egípcios tivessem um procedimento para encontrar a área de um círculo, eles não tinham qualquer compreensão real da proporção.

Por outro lado, os babilônios encontraram uma proporção (3,125), mas, estranhamente, não lidavam com os círculos tão bem quanto os egípcios.

Considere esta tabuinha da coleção Yale Babylonian conhecida como YBC 7302:

Como a foto é difícil de interpretar, aqui está uma versão com os números bem claros:

É cuneiforme, que felizmente em números não é muito difícil de ler.

Com base no contexto posicional, 3 parece ser a circunferência do círculo. Usando as fórmulas e,

Enquanto estávamos acostumados com um sistema de base 10 (), os babilônios usavam um sistema de base 60 (). Além disso, na época, os babilônios não tinham valor de posição, portanto, se houver & # 8217s, o número & # 822045 & # 8221 apenas o contexto poderá dizer se eles significam 45, 45/60 ou 45/60 * 60.

Se pegarmos o 45 do tablet para significar 45/60:

e o valor babilônico de acaba sendo simplesmente 3.

Agora, se você se lembra de minha postagem egípcia, o valor de também foi extraído de um procedimento de área circular exatamente da mesma maneira. Pode-se argumentar que é injusto ir mais longe; há boas razões para chamar o valor babilônico de 3 e parar por aí.

No entanto, houve alguns comprimidos encontrados em 1936 que lançam o caso para um loop.

As tabuinhas foram encontradas em Susa, na antiga capital do Império Elamita. (Também acontece de ser uma das cidades mais antigas continuamente habitadas do mundo, com mais de 7.000 anos.)

Existem fotos no Textes mathématiques de Suse, mas não posso reproduzi-los por motivos de direitos autorais.

Uma das tabuinhas (esta, eu acho) contém uma lista de constantes geométricas. Por exemplo, dá o número em relação a um pentágono regular, aparentemente significando que:

A área de um pentágono = * O lado do pentágono 2

O número real aqui deveria ser, ou aproximadamente 1,72, então os babilônios estavam errados por apenas 0,06. A tabuinha também fornece constantes usadas da mesma maneira para o hexágono (2,625, cerca de 0,027 fora do valor real) e para o heptágono (3,683, cerca de 0,049 fora do valor real).

Uma das outras constantes é 24/25. Na placa, ele combina com um círculo com um hexágono inscrito dentro.

Suponha que consideremos 24/25 como a razão do perímetro do hexágono p para a circunferência do círculo C.

Se o raio do círculo é r, adicionar alguns triângulos equiláteros revela que o perímetro do hexágono é 6r. Então:

Como isso é dado como uma razão fixa real (em vez de ser extrapolado a partir de um procedimento de área do círculo), é indiscutivelmente o primeiro valor descoberto para. Também é intrigante porque relacionar o polígono inscrito com o círculo é como Arquimedes obtém o primeiro cálculo verdadeiramente rigoroso de & # 8212 ele apenas adiciona mais lados para obter uma estimativa mais próxima. No entanto, não posso dar aos babilônios todos os louros, porque este é o único lugar que esse valor aparece. Eles nunca o reaplicaram para qualquer problema que exigisse a área ou circunferência de um círculo.


Quem é a prostituta da Babilônia? (E por que isso é importante?)

O livro do Apocalipse é como uma galeria de arte repleta de quadros pintados em cores emprestadas das telas do Antigo Testamento. Se você quer entender “a Prostituta da Babilônia”, você tem que voltar na história bíblica.

No Antigo Testamento, a cidade de Babilônia deu origem a um império que governou o mundo conhecido e impôs uma cosmovisão a todos os povos que ela conquistou. Aqueles que ela não destruiu, ela subverteu. Ela podia ser brutal, insensível e orgulhosa e acreditava que reinaria sobre a terra para sempre. Ela disse em seu coração: “Eu sou, e não há ninguém além de mim. Não ficarei viúva, nem saberei a perda de filhos” (Isaías 47: 8 ESV).

Ela falava como um deus e se considerava segura.

Sua destruição é anunciada em Isaías 47. Em resposta à sua maldade, arrogância, auto-indulgência e brutalidade para com o povo de Deus, o Senhor anuncia a súbita condenação:

Mas o mal virá sobre você, o qual você não saberá como encantar; o desastre cairá sobre você, pelo qual você não será capaz de expiar e a ruína virá sobre você de repente, da qual você nada sabe. (Isaías 47:11 ESV)

A história nos conta que o Império Babilônico caiu repentinamente e de forma muito desagradável para os persas sob Ciro, o Grande, em 539 aC. Mais tarde, quando Dario foi rei, os babilônios se revoltaram sem sucesso e, como consequência, eles experimentaram muitas das mesmas brutalidades que haviam infligido anteriormente aos judeus. Os próprios babilônios estrangularam muitas de suas esposas e filhos para evitar que morressem de fome durante o cerco brutal à capital. Quando a cidade caiu, Heródoto diz que os portões foram derrubados e 3.000 dos principais cidadãos foram empalados nas paredes. A outrora grande cidade - a Rainha do mundo - foi derrotada, devastada e espoliada.

Babilônia aparece em seguida na narrativa bíblica cerca de 630 anos depois. A antiga sede do império é agora uma vila cercada e quase engolida por um mar de areia. E ainda assim seu nome começa a reaparecer no cânon do Novo Testamento como um símbolo do mundo em guerra com o povo de Deus. Peter usa isso como uma espécie de código. Ele termina sua epístola às igrejas de Ponto e Bitínia dizendo:

Aquela que está na Babilônia, que também é escolhida, envia saudações a você, e também Marcos, meu filho. Saudai-vos uns aos outros com o beijo do amor. Paz a todos vocês que estão em Cristo. (1 Pedro 5: 13-14 ESV)

Pedro não estava nem perto de Babilônia quando escreveu aquela carta que Pedro estava em Roma, mas ele usa a palavra “Babilônia” como uma forma simbólica de se referir à nova cultura mundial em guerra com a comunidade da aliança. Pedro está dizendo: Roma é a nova Babilônia. Roma é a nova amante que seduziria e subverteria o povo de Deus.

A cidade havia se tornado um espírito.

Sua última aparição na narrativa vem em Apocalipse 17.

No livro do Apocalipse, a referência à Babilônia é obviamente simbólica. João é levado pelo Espírito ao deserto, onde viu:

“Uma mulher montada em uma besta escarlate que estava cheia de nomes blasfemos e tinha sete cabeças e dez chifres. A mulher estava vestida de púrpura e escarlate e adornada com ouro e joias e pérolas, segurando em sua mão uma taça de ouro cheia de abominações e as impurezas de sua imoralidade sexual. And on her forehead was written a name of mystery: “Babylon the great, mother of prostitutes and of earth’s abominations.” And I saw the woman, drunk with the blood of the saints, the blood of the martyrs of Jesus.” (Revelation 17:3–6 ESV)

The Whore of Babylon is the spirit of seductive culture, actively engaged in the deception and destruction of God’s people. That she rides upon “the beast” means she is propped up by the forces of anti-Christian government.

Just like the beast, who was, and is not and is about to rise, the “Whore” keeps on rising from the dead! A particular brand of her seductive charm may fall into the dust and be buried by the sands of time, but just you wait! Before you know it, she will rise again in another place, known by another name but waging the same destructive war against God’s covenant people.

As it was in the past, so shall it be in the future.

While scholars may debate some of the fine details of this particular vision, the main points of application seem abundantly clear:

1. Culture is not neutral.
2. The devil attacks God’s people via the front door through governmental persecution.
3. The devil attacks God’s people via the backdoor through seductive, idolatrous culture.
4. No enemy of God’s people will finally stand. The Lord has a day and that day is coming.

To listen to Pastor Paul’s Into The Word devotional podcast on the TGC Canada website see aqui. You can also find it on iTunes.

An earlier version of this article can be found aqui.


Babylonian handbags - meaning? - História

Babylonian and pagan roots of the Catholic Church

Roman Catholic Church (RCC) very often tries to eliminate and defame every person who expose RCC's pagan roots and that its origin is in pagan religions, not in teaching of the Bible. In the matter of fact, RCC has mixed up Biblical and pagan doctrines. This combination makes from it anti-Christian sect and cult, which doesn't represent Biblical Christianity. RCC has systematically tried to distort evidence that shows clearly wrong doctrines of RCC and its undisputed connections to paganism. The history of Christianity is mainly written by Catholics (NT texts aren't Catholic texts) and RCC has burned several books and texts that it has kept as "heretics". Church history written by Roman Catholics is not fair history. RCC tries to always lead the people to read Catholic history of Christianity, by thus they try to testify that they are the same thing as the Early Church, which they are not in any way.

The church history is mainly written by Catholics and therefore, its emphasis is Catholic and distortions are also mainly Catholic origin. In this world we don't for sure know all the things that have occurred in the history time after the Early Church. Something we can find, but not precisely. Actually, we don't have to know only that what the Bible tells, because the Word of God is sole spiritual authority to teaching of the Bible.

After the Early Church began to come apostasy concerning to the truth of the Bible. One of the things was emphasizing of the Catholic Church, in which the Early Church and the Lord Jesus taught nothing. In 1st century Ignatius first used the word Catholic (katholike) and the Roman Catholic Church put to use the word Catholic in 3th century. The Lord Jesus and apostles of the Early Church didn't use the word katholike (católico) and for this reason the word katholike is nowhere in the text of the New Testament manuscripts. The word Catholic (comum) Church is written to the Apostles' Creed for the reason that people would emphasize the faith of the Catholic Church. It is very sad and ironic that Roman Catholic Church is not the Church of God, but anti-Christian sect, which has nothing to do with the Biblical faith. The concept Catholic Church in the Apostles' Creed has set to there for the purpose to bring authority to doctrines of the RCC. RCC teaches that how people must believe the Catholic interpretation and its tradition which are, however wrong teachings.

The text of the New Testament that we have in use have been written by apostles' of the Early Church and guided by the Holy Spirit, in which all copied NT's text's in all the times are coming from. I think that this the most important and the cornerstone that should will be enough for us and the evidence for it that the texts NT are not handwriting of Catholics as they try to indicate. During 1st and 2nd centuries arisen wrong teachings find their way inside the Catholic Church that was born in 3th century. In the New Testament is said about reading and spreading of the NT's texts at the time of the Early Church. Those who read, spread and copied first the texts of the NT were not Catholics. The concept and the word catholic came in the history at 1st century, but the Early Church born about 70 years before that the concept catholic was born. God has been taking care that the birth of the NT's texts and its message has kept away for a long distance from Catholicism, because the text of the NT has nothing to do with Catholicism that is the pagan sect.

The origin of the so called the Apostles' Creed is not written by the apostles of the Early Church, but it has been written after them. The Creed of the Early Church apostles' was very brief:

Romans 10:
9 That if thou shalt confess with thy mouth the Lord Jesus, and shalt believe in thine heart that God hath raised him from the dead, thou shalt be saved.
10 For with the heart man believeth unto righteousness and with the mouth confession is made unto salvation.

Some of the Early Church believers who got the grace of God to write teaching and message of the New Testament did not bring out the Church in their Creed, because the saving faith can obtain only in the Lord Jesus who is the author and finisher of our faith. A palavra katholike means a common, but God did not give the Creed that we should connect the Church, because believing in the Lord Jesus is enough that will set all the things in the right places.

Apostle Paul said that after his departing shall grievous wolves enter in among you, not sparing the flock And also of your own selves shall men arise, speaking perverse things, to draw away disciples after them. Disciples of the Lord Jesus should be sufficient texts of the OT and NT, because they are the same thing as the Word of God. There is no meaning how people have believed after the Early Church, because only it does matter what the Bible tells. The church history after the Early Church shouldn't be for us as the signpost on how we should believe in the Lord Jesus, because only the Bible is the perfect and infallible and shows to us how we must believe in the Lord Jesus. After the Early Church have come numerous groups who have more or less get lost from the truth of the Bible. The Bible is error-free and perfect announcement of God and therefore it should be our sole spiritual authority for teaching of the Bible.

Many believers have erred to study and believe doctrines that have been written after the Early Church. I don't have any desire to study what has happened after the Early Church in that sense that I try to find there the truth, because I have the Bible where is the perfect truth. The intention of the RCC is to lead you to study church history written by Catholics, because it is a trap, which leads you away from the truth of the Bible, that you should believe in Catholic tradition, which actually fully corrupt teaching of the Bible. For this reason, it is very important that you put the Bible (OT-NT) your only authority of the faith, because the teaching of the Bible tells for us how we should believe in the Lord Jesus at the time in the New Covenant.

The focus of the disciples of the Lord Jesus should be the Lord Jesus and the truth of the Bible. Exposing the lies and pagan origins is not the center point of believers, but we must tell it that no one get lost and think that Roman Catholic Church is the Church of God. RCC can distort texts which have been written through the ages, but RCC can't distort what pagan religions have left behind them by hieroglyphs, relics, statues and images, because they tell clearly what pagan religions teaches and how they are identical with the doctrines of the RCC. When we compare evidence of pagan history, so they are identical with it that what RCC stands for.

6b.

10.
The papal tiara and Babylonian and Assyrian ruler's crown.

Picture 1. In the picture is the Black Obelisk of Assurian king Shalmaneser III so called Jehu relief, who performs oblation (drink-offering) to his god. Before the king is an eagle winged symbol of sun god Shamash. Shamash was Mesopotamian sun god that worshiped in Akkadia, Assyria and Babylon. Shalmaneser has in hand drinking-offering vessel and opposite stands a person who has above his hand the sun disk, which is the symbol of sun god Shamash.

Relief portrays how Jehu king of Israel comes to meet the Assurian king. In the picture Jehu is bending down to the ground. The picture portrays very clearly religious ritual with drinking-offering and round sun disk.

When you compare this ritual with RCC Eucharist, so the elements are the same for RCC's priest gives from chalice wine and round wafer to Catholics during the Eucharist.

RCC criticizes among other things Alexander Hislop based on his book the Two Babylons, in which he brings out that the RCC's Eucharist roots are in paganism not in the Bible. Historical Babylonian hieroglyph from sun god ritual testifies that Hislop was on the right track, even he would be mistaken in some details.

Very often when someone brings out wrong teachings of the RCC, so RCC demands evidence and tries to distort those evidence with misinformation. If someone makes a mistake by giving wrong information about the Catholic Church, so RCC raises a big noise from it, but RCC doesn't want to make repentance for its own faults and wrong doctrines.

RCC has through out of its history murdered and killed people for the sake of its theology and it teaches numerous wrong doctrines, in which RCC doesn't want to make repentance. Does this kind of institution have any right to demand of others, because it is not willing to repent its own sins and faults?

Picture 2. The monstrance is carried in the RCC's Eucharist, because the origin of the RCC's Eucharist doctrine and practice derives from Babylonian sun worshipping. When the real disciples of the Lord Jesus are gathered to the Lord's Supper there is no sun worshipping pagan religious objects, because the Bible forbids idol worshipping and objects of idol worshipping. God commanded the Israelites to remove all objects used in the idol worshipping. Same thing concern also the people of the New Covenant.

Picture 3. Babylonian sun god Shamash is sitting holding his hand sceptre and ring, which are symbols of his rule and power. On the left is the king with his two servants. On the middle is an altar where is a large 4-point sun disk with rays. Babylonian tablet portrays sun wheel or disk, which is round like the sun and through this sun wheel they were in connection witt the sun god Shamash.

When you compare Babylonian sun worship ritual with RCC Eucharist doctrine, so you see that both have an altar where is religious sun symbol used in worshipping. According to the teaching of RCC the bread and wine of Eucharist turns by the priest to the blood andthe body of Jesus and for this reason Catholics venerate and worship it also outside of the Eucharist.

Picture 4. Eucharist of RCC and and round wafer. Finnish Catholic saint Mary Church teaches for Eucharist on their website as follows (I translated text from Finnish to English): According to our Catholic faith the holy mass has the sacrificial character. The holy mass is simultaneously commendation sacrifice, praise sacrifice, memento sacrifice and atonement sacrifice of our sins. The sacrifice that Christ offered on the cross is one and the same sacrifice, only the offering form is different. The Church that is the body of Christ, participates its Head, Christ, carrying of oblation by celebrating the mass.

The mass sacrifice of RCC is not the same as Biblical Lord's Supper, but the ceremony and rite of pagan sun cult. The Bible teaches that the sacrifice of the Lord Jesus has been done once for all people, which was one sacrifice for sins for ever and no one can repeat and renew it not in any way.

According to the Bible a man shall be saved alone by the grace and by the faith when he confesses with his mouth the Lord Jesus, and shall believe in his heart that God has raised Jesus from the dead. He shall have remission of sins who repent his sins and believe in the Lord Jesus.

Picture 5. In Vatican is St. Peter's Square. The square is built as the shape of eight ray sun wheel, which is a pagan symbol. In the middle of the sun wheel is a great obelisk that caesar Caligula brought from Heliopolis to Rome. In the middle of sun wheel is small four ray sun wheel having the same shape that has found from the temple of Baal in Hazor. Baal is pagan sun god. The sun wheel was used on the sun worshipping religions. In Babylon worshipping of sun god Shamash was sun wheel with four rayed star with sun rays. There was also eight rays sun wheels and so on.

St. Peter's square is dedicated to pagan worshipping. Sun wheel and obelisk patterns were familiar symbols to the Romans and everybody knew that they were objects of pagan worshipping. Because RCC keeps on view these symbols, so it is evidence that actually RCC worships idols (Deus do sol), not God of the Bible.

Picture 6. Picture on the left is Babylonian king and he has in his wrist sun symbol. Picture on the right is the pope and he has in his glove also sun symbol where id letters IHS. RCC says that letters IHS come from Latin words Iesus Hominum Salvator (Jesus the Savior of men).

Because both pope and Babylonian king have sun symbols in their hands, so we have very good reason to think that letters IHS mean Egyptian idols Isis, Horus, Seb. From Babylon began the first religion of the world, which spread from there also to Egypt and Babylonian queen of heaven came goddess Isis in Egypt. One of the symbols of goddess Isis is round sun between horns of the Apis bull. Thus it is not far-fetched to say that Isis had a connection to sun worshipping. Thus we can't exclude possibility that Catholic Eucharist wafer letters IHS are dedicated to sun worshipping.

This conclusion shall be confirmed when you look at the picture 6b, in which Catholic symbol is depicted as the sun symbol of which inside is sun rays and the middle is letters IHS. Letters IHS in pope's glove is in the middle of sun symbols with sun rays. If IHS means Jesus the Savior of men, so why the letters are in the middle of pagan sun symbol? The logical conclusion is that in question is from pagan sun worshipping and not Jesus.

Picture 7. On the floor of St. Peter's basilica has been written Pontifex Maximus, which is one of the titles of the pope. Origin of Pontifex Maximus is in Babylon. Picture on the floor is triple crown that origins from Babylon. In the picture is also Fleur-de-lis (lily pattern) representing union between a man and a woman and in the middle of this pattern is god, in which a man and a woman are united. In the picture we can also see the tail of a fish that has been cut, which represent fish god Dagon. In the picture is also a lion with wings that is Babylonian symbol. In the picture is also "keys of Peter".

When Medo-Persian conquered Babylon, so they took in use some religious rites and ceremonies of Babylon. A Babylonian priest escaped to Pergamos that located in Asia Minor. Babylonian priests honored Greeks Pantheon temple (the temple of all gods), but they still continued to practise Babylonian religion.

The Babylonian religion of Pergamos came to Rome A.D 133. Babylonian religion that came from Pergamos to Rome was so popular and common in Rome that Rome was called as the New Babylon. The title Pontifex Maximum take in use also Roman Caesar and later the bishop of Rome (papa).

The Babylonian religion of satan came to Pergamos and from there it moved to Rome. The New Testament says that satan's seat is in Pergamos and it was there because Babylonian priests moved their Babylonian religion to Pergamos. From Pergamos Babylonian religion came to Rome A.D. 133 and in that way Babylonian religion moved inside to RCC in 3th century.

Picture 8. The statue of Egyptian Isis goddess, in which on her head is Fleur-de-lis. Fleur-de-lis symbolize union between a man and a woman and their connection to god. Fleur-de-lis on the head of Isis goddess proves that Egyptians believed that Isis goddess was the way to god. Isis cult was also in Rome that worshipped as one of the many deities. Fleur-de-lis is depicted with many other symbols of RCC. RCC worships Mary and worshipping of Mary is in ancient pagan religions where were worshipped goddesses.

The Bible forbids worshipping of the pagan queen of heaven. RCC teaches that Mary is the queen of heaven. The cult of the queen of heaven and her worshipping is pagan idolatry that RCC practise openly by worshipping of Mary. Actually object of worshipping is the ancient Babylonian queen of heaven goddess.

Picture 9. Pope John XXIII papal medal, in which is words Pontifex Maximus that is a title of pagan high priest. On the medal pope wears a triple crown and picture 10 bring out that origin of the triple crown is from Babylon.

The Pontifex Maximus was principal of Rome's religion who lead high-ranking college of Pontiffs (compare pope leads cardinals) Members of the college were high priest Pontifex Maximus. other high-ranking priests, flames and vestals who were virgins. Pontifex means bridge builder and Maximum greatest. Symbolically Pontifex Maximus means that he is bridging builder between gods and men (compare the RCC doctrine that the pope is the vicar of Christ on the earth) We can see very clearly how RCC has built the order of the Church according to order of pagan religion, which initial origin is in Babylon.

RCC is aiming to make non-Catholics Christians as Catholic by ecumenical connections. This goal comes into view very clearly for example from Catholic catechism:

Catholic catechism : 819. "Furthermore, many elements of sanctification and of truth"273 are found outside the visible confines of the Catholic Church: "the written Word of God the life of grace faith, hope, and charity, with the other interior gifts of the Holy Spirit, as well as visible elements."274 Christ's Spirit uses these Churches and ecclesial communities as means of salvation, whose power derives from the fullness of grace and truth that Christ has entrusted to the Catholic Church. All these blessings come from Christ and lead to him,275 and are in themselves calls to "Catholic unity.

Every disciple of the Lord Jesus should be clear that RCC's foundations are in pagan religions and not even one disciple of the Lord Jesus can't participate with Catholic ecumenism, because through it people are building on the earth the kingdom of anti-Christ, not the kingdom of God.


History Crash Course #43: The Jews of Babylon

The oldest and most stable of Jewish communities was spared the ravages of holy warriors.

The story of the Jews of Babylon of necessity begins some 1,000 years before our current timeline ― in the 434 BCE, when the Babylonians first marched on Israel as part of their campaign to stake claim to the former Assyrian empire. In that first foray, the Babylonians did not destroy the Temple, nor send the Jews into exile. However, they did succeed in taking into captivity 10,000 of the best and brightest Jews. (See Part 22)

While it seemed like tragedy at the time, these brilliant men, Torah scholars all, immediately established a Jewish infrastructure upon arrival in Babylon. A dozen years later when the Temple was destroyed, the Jews who were exiled to Babylon found there yeshivas, synagogues, kosher butchers, etc., all the essentials for maintaining a Jewish life. (See Part 23)

Seventy years later, when the Babylonians fell to the Persians and the Jews were permitted to return, only a small number did. Of what was probably a million Jews living in the Persian Empire, only 42,000 went back, meaning that the vast majority stayed in Babylon under Persia domination.

During the Second Temple period, up until its destruction in 70 CE, the Jewish community in Babylon ― far from the eye of the storm that raged in the Land of Israel ― continued to flourish.

Indeed, this is where the center of Jewish rabbinic authority came to rest after the Roman Empire shut down the Sanhedrin in 363 CE.

The head of the Jewish community of Babylon ― who was officially recognized by the Persian authorities ― was called Resh Galusa in Aramaic, which means Rosh Galut in Hebrew, and "Head of the Diaspora" in English.

o Resh Galusa was a person who was a direct descendant of the House of King David. Even though he was not a king no the land of Israel, he was recognized as not only being the representative of the Jewish community in Babylon but as also having noble status.

Over 1,500 year history of the Jewish community in Babylon approximately 40 people held that title, all tracing their ancestry back to King David. This was a noble line that was always preserved in Jewish history.

Part of the reason for the stability of the Jewish community in Babylon was that the area was held by the Persian Sassanian dynasty from the 3rd century CE on. The Sassanians managed to keep out of their kingdom first the Romans and then the Byzantines. (For more on the Byzantines see Part 41) In this way the Jews of Babylon were protected from harm that the Byzantine Christians inflicted elsewhere.

In this atmosphere, Jewish scholarship was able to flourish in the great yeshivas at Sura (which was founded by Rabbi Abba Ben Ibo better known as Rav) and at Nehardea (which was founded by the Babylonian sage Shmuel) and which later moved to Pumbedita.

This is where the Babylonian Talmud was written, as we saw in Part 39, immortalizing the great rabbis of Babylon, especially Abbaye and Rava. As historian Berel Wein relates in Echoes of Glory (p. 267):

(Another great rabbinic scholar in Babylon was Rav Ashi, the editor-in-chief of the Babylonian Talmud in the early 5th century.)

These rabbis, as we explained in Part 39, are known in Jewish scholarship as Amoraim, "explainers" or "interpreters." The Amoraim lived from about 200 CE to about 500 CE.(1) They were followed by the Gaonim, the "great ones" or "geniuses." The Gaonim were the heads of the yeshivas in a time when Jewish scholarship thrived in Babylon.

But then the situation changed.

Things began to worsen for the Jewish Babylonian community in the middle of the 5th century when the Persian priests, fighting against encroaching Christian missionaries, unleashed anti-Christian persecutions and included Jews in the mayhem. Writes Wein (p. 277):

Things went from bad to worse ― with the Reish Gelusa executed at one point ― as Babylonia became embroiled in civil war and as the Byzantines continued their encroachments.

In the midst of this chaos, the Moslem conquest of the Middle East in the 7th century brought unexpected benefits to the Jewish community in Babylon.

Mohammed had died in 632 leaving no successor, a situation which led to immediate strife and a split in the nascent Muslim world. The candidates for califa were two: 1) his cousin Ali, who married Mohammed's daughter Fatima and 2) his first convert and father-in-law, Abu Bakr.

This struggle gave rise to the creation of two Muslim sects: 1) the Shi'ites who recognized Ali as Mohammed's rightful successor and 2) the Sunnis, who recognized Abu Bakr as the rightful successor.

Today, the Shi'ites are the minority in the Muslim world, making up 16% of all Muslims. The majority of the Muslims are Sunnis, followers of Abu Bakr and his successor Omar, who founded the first major Islamic dynasty, the Omayyad (sometimes spelled Umayyad).

Caliph Omar recognized that the road to unity was to have a common enemy. He therefore embarked on a series of foreign wars of conquest, in which the Muslims were remarkably successful.

As part of his conquests Caliph Omar invaded Jerusalem in 638, taking it away from the Byzantines.

To see the remains of Byzantine homes from that period, you can visit today the archeological excavations below the southern end of the Temple Mount in the Old City of Jerusalem. It was this area, in particular, that Omar turned over to 70 Jewish families following his conquest. (Until then the Byzantines had forbidden the Jews from living in Jerusalem at all.)

He found the Temple Mount site in ruins and covered with garbage as the Byzantines had deliberately decreed that garbage should be dumped there to humiliate the Jews. Omar had the site cleared and may have prayed at the southern end (toward Mecca) which could well be the first time that a small mosque was erected there, though historians are not certain.

It must be made clear that up to this time, Jerusalem had no special significance to Muslims. During his lifetime already, Mohammed had changed the direction of prayer to Mecca, and the Koran does not mention Jerusalem even once!

Possibly out of concern that the magnificent Christian holy sites in Jerusalem would attract Moslems to Christianity a connection was later made between Islamic tradition and Jerusalem through the story of Mohammed's midnight ride ― which is recorded in the Koran in Sura 17-al Isra(2) ― In that dream, Mohammed rides his flying horse, El Burak ― a steed with the body of a woman and the tail of a peacock ― to the "farthest place." The farthest place in Arabic is El Aksa. There he meets Jebril (Gabriel) and goes up to heaven for a forty-day sojourn, meeting all the prophets and talking to Moses and Jesus etc.(3)

The Omayyad leadership decided that the farthest place (El Aksa) had to be the Temple Mount in Jerusalem. And that the center of the Temple Mount, where a huge stone protruded, must be the spot from which Mohammed ascended to heaven.

In 691, some fifty years after Omar's conquest, an Omayyad ruler named Abd al Malik built the Dome of the Rock, called Qubbat as Sakrah, there. It still stands today and dominates the Jerusalem skyline.

Note that the Dome of the Rock is not a mosque. Rather it is a shrine built around the huge rock, which Jews believe to be the same stone where Abraham took Isaac to be sacrificed, where Jacob dreamed of a ladder to heaven, and where the Holy of Holies once stood. The mosque ― El Aksa ― is another building altogether, built at the southern end of the Temple Mount by Abd al Malik's son, El Walid in 701. The Dome of the Rock together with the El Aksa mosque are the first great religious building complex in the Islamic world and pre-date the building of the great Mosque in Mecca.

The Dome of the Rock was not always golden as it is today. It was covered with anodised aluminum in 1956, and more recently, the late King Hussein of Jordan, sold one of his houses in London and gold-plated it with 80 kilos of gold. Today, this site is the third holiest to Suni Muslims and the fourth holiest to Shi'ite Muslims, who list Karabala, after Mecca and Medina.

The Temple Mount is known to Muslims as Haram el Sharif, "the Noble Sanctuary." Jerusalem is known to Muslims call El Quds, "the Holy."(4) The taking of Jerusalem was a big blow to the Christians, reeling from other Muslim conquests that were sweeping the world. Jews greeted it more favorably, as the Christians had been merciless to the Jews. The Muslims might humiliate them, but they would not slaughter them outright.

Indeed, when Omar defeated the Persians and took over Babylonia, he immediately re-instituted the authority of the Reish Galusa to head the Jewish community. As a matter of fact, Omar was so fond of the Reish Galusa ― Bustenai Ben Haninai ― that when he himself decided to marry the daughter of the Persian king, he insisted that Bustenai marry her sister. Thus in a bizarre twist of fate, the Reish Galusa became brother-in-law to the caliph.

(After the death of Bustenai, his sons by an earlier wife sought to delegitimatize his sons by the Persian princess, claiming that she never converted to Judaism. However, this was unlikely as the case of a Reish Galusa marrying a non-Jewish woman without conversion would have caused a furor and public condemnation. Indeed the Gaonim of the day ruled that all his children were legitimate Jews.)

During the long history of Babylonian Jewry, sometimes the Reish Galusa wielded more power, sometimes the Gaonim. Much depended on the political climate and the personalities involved. Generally, however, the position of the Gaon was determined by scholarship, while the position of Reish Galusa was depended on lineage (as the Reish Galusa was traditionally the descendant of King David.)

And it was a dispute over lineage that gave rise to a splinter sect in 8th century Baghdad ― a splinter sect that came to be known as the Karaites.

When Shlomo, the Reish Galusa, died childless in 760, two of his nephews Hananiah and Anan vied for the position. Hananiah got the job and Anan went off to start his own religion.

This is another example of a pattern we have seen previously ― a split among the Jews due to pride and ego. (We saw it, for example, in Part 20 with Rehoboam and Jeroboam.)

The sect that Anan started in some ways was similar to the Sadducees. Like the Sadducees, the Karaites didn't recognize the authority of the Oral Torah and hence they read the Written Torah literally. (Their name, Karaites, comes from the Hebrew verb, kara, meaning "read.")

As we saw earlier, it is impossible to live a Jewish life without the Oral Torah as so much of the Written Torah is not specific enough. Thus, where the Torah commands "and you shall write them [these words] upon the doorposts of your home," how can anyone know which words of the Torah, or indeed, if the entire Torah is to be written on the doorpost? It is the Oral Torah that explains that this passage refers to the words of the Shema prayer, which are to be written on a parchment scroll and then affixed in a specified place and manner on the doorpost. o mezuzah!

As a result of their literal reading of the Torah, the Karaites came to observe Shabbat in total darkness, unable to leave their homes all day except to go to the synagogue. They did away with the observance of Chanukah because it is not mentioned in the Written Torah, as well as with the separation of meat and milk for the same reason. Ironically, because so many statements in the Bible cannot be explained with out the Oral Law, the Karaites had to create their own oral law as a way of translating these statements in the Bible into practical applications.

One might think that this sect would have little appeal but, this was not the case. The Karaites began to attract those Jews who wanted to dismiss the opinions of the rabbis this turned out to be a huge draw. (5)

That is, until the great sage, the Sa'adiah Gaon entered the picture.

Sa'adiah Gaon is famed for his writings, particularly the Book of Belief and Opinions, and for his critiques of the Karaites which made mincemeat of their beliefs. In addition to being the Rosh Yeshiva (The Dean) of the great Yeshiva of Sura, he was one of the greatest Jewish legal and philosophical minds of the period.

His arguments stopped the spread of Karaitism which could have overwhelmed the entire Jewish world. It was so popular at one point that in the 10th century the majority of Jews in the Land of Israel may well have been Karaites.

However, the Karaites never recovered from the assault of Sa'adiah Gaon on the logic of their beliefs. Their numbers shrunk with time, though unlike the Sadducees, they never completely disappeared.

(During the 19th century, in the Russian Empire, the status of the Karites change until eventually they were legally considered to be a religion totally separate from Judaism. During World War II, the large Karaite community in the Crime was spared by the Nazis who also did not consider them to be Jewish.)

Today, there is a small number of Karaites left, living chiefly in Israel, though no one is sure how many as the Karaites forbid census-taking. Their population has been variously estimated at 7,000 all the way up to 40,000. Until recently the Karaites were reputed to be very religious people, and from the outside appear indistinguishable from Orthodox Jews, though they are forbidden to marry other Jews and marry only each other.

When the Sa'adiah Gaon died in 942, the period of the Gaonim of Babylon was almost over. It would officially end in 1038 with the death of Chai Gaon. By then, a great many Jews had left Babylon, following the opportunities that were opening up for them in other parts of the world conquered by Muslims, especially in Spain.


Assista o vídeo: QUÉ es ESA MISTERIOSA BOLSA que LLEVAN TODOS LOS DIOSES ANTIGUOS?


Comentários:

  1. Yissachar

    Você não está certo. Tenho certeza. Vamos discutir isso.

  2. Negor

    E isso é algo assim?

  3. Sazragore

    Eu entro. Concordo

  4. Akidal

    sim dofig ele fica ...

  5. Icarius

    Eu esqueci de lembrar.



Escreve uma mensagem