Descendentes de Agamenon: quem eram os micênicos?

Descendentes de Agamenon: quem eram os micênicos?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Micenas, no nordeste do Peloponeso, foi o principal local fortificado da civilização grega contemporânea no final da Idade do Bronze (por volta de 1500-1150 aC), da qual a época agora leva o seu nome.

Na era clássica, este era um topo de colina remoto e insignificante com vista para a planície de Argos, o principal centro urbano local e estado.

Mas sua correta identificação na lenda grega e nas epopéias de Homero como a sede fortificada e palaciana do principal estado da Grécia na Idade do Bronze mostrou que as memórias orais (depois que a arte de escrever foi perdida) estavam corretas.

Armand D'Angour, um renomado erudito clássico, encontrou novas fontes de que Sócrates de fato recebeu muitas de suas idéias, especialmente aquelas sobre o amor, de uma mulher com quem teve um caso.

Ouça agora

A primeira era de ouro da Grécia

As lendas alegavam que havia uma cadeia de cidades-estado sofisticadas e aliadas em toda a Grécia, em um nível de civilização superior ao da "Idade do Ferro" que se seguiu, quando a sociedade era rural e amplamente localizada, com poucos contatos comerciais externos.

Isso foi confirmado pela arqueologia do final do século XIX. A descoberta triunfante de uma grande cidadela fortificada e palácio em Micenas pelo arqueólogo alemão Heinrich Schliemann, o recente descobridor da antiga Tróia, em 1876 confirmou que as lendas do senhor da guerra de Micenas, Agamenon, como "Grande Rei" da Grécia, eram baseadas na realidade.

Heinrich Schliemann e Wilhelm Dörpfeld ao lado do icônico Lion Gate na entrada de Micenas, em 1875.

A dúvida permanece, no entanto, se esse senhor da guerra realmente liderou uma coalizão de seus vassalos para atacar Tróia por volta de 1250-1200 aC.

A datação arqueológica estava, no entanto, em sua infância na época, e Schliemann confundiu as datas dos artefatos que descobriu.

As joias de ouro sofisticadas que ele desenterrou nos túmulos reais de 'cova' ('tholos') fora das paredes da cidadela foram cerca de três séculos antes da Guerra de Tróia e uma máscara de enterro que ele encontrou não era 'o rosto de Agamenon '(imagem em destaque), como ele afirmou.

Essas sepulturas parecem vir de um período inicial de uso de Micenas como centro real, antes da construção do palácio da cidadela com seu complexo sistema de armazenamento burocrático.

Reconstrução do cenário político em c. 1400–1250 aC continente sul da Grécia. Os marcadores vermelhos destacam centros palacianos micênicos (Crédito: / CC).

Micênicos e mediterrâneos

Normalmente, presume-se que um grupo culturalmente menos "avançado" e mais militarista de monarquias guerreiras na Grécia continental coexistiu por volta de 1700-1500 com a civilização comercial urbana mais rica de Creta "minóica", centrada no grande palácio de Knossos, e então o eclipsou.

Dada a destruição de alguns centros de palácios cretenses pelo fogo e a substituição da escrita cretense local de ‘Linear A’ pelo protogrego ‘Linear B’ do continente, a conquista de Creta pelos senhores da guerra do continente é possível.

A partir das descobertas de mercadorias de comércio micênicas através do Mediterrâneo (e mais recentemente de navios bem construídos), parece que havia redes de comércio e contatos bem usados ​​até o Egito e a Idade do Bronze na Grã-Bretanha.

Uma reconstrução do palácio minóico em Knossos, em Creta. (Crédito: Mmoyaq / CC).

Poder nos palácios

Os estados letrados e burocraticamente organizados com base nos principais centros palacianos da Grécia "micênica" anterior a 1200, como mostrado pela arqueologia, eram governados por uma elite rica. Cada um era liderado por um ‘wanax’ (rei) e líderes de guerra, com uma classe de funcionários e uma população rural cuidadosamente tributada.

Parece ser mais uma Creta burocrática "minóica" do que os estados guerreiros "heróicos" romantizados no mito durante a era clássica e cristalizados nas epopéias da "Ilíada" e na "Odisséia", atribuídos desde os primeiros tempos à poeta lendário 'Homer'.

Presume-se que Homero tenha vivido no século 8 ou início do século 7 aC, se é que era mesmo uma pessoa, em uma era de cultura oral - a alfabetização na Grécia parece ter terminado quando os grandes palácios foram saqueados ou abandonados no século 12 século AC.

O Portão do Leão, na entrada de Micenas, no nordeste do Peloponeso (Crédito: GPierrakos / CC).

Os bardos dos séculos posteriores apresentaram uma época que era vagamente lembrada na terminologia de sua própria época - assim como os escritores e cantores medievais fizeram com a Grã-Bretanha "arturiana" anterior.

A própria Micenas era claramente um estado poderoso o suficiente para fornecer o "Grande Rei" grego da época da Guerra de Tróia, como na lenda, e seu governante pode de fato ter sido responsável por reunir seus vassalos para realizar expedições estrangeiras.

O governante de Micenas é o candidato mais provável a ‘Rei da Acaia’ ou ‘Ahiwiya’ registrado como um poderoso soberano ultramarino - aparentemente na Grécia - e um invasor da Ásia Menor Ocidental nos registros hititas do século 13 aC.

Desde a luta com os persas durante a Guerra Persa até a demissão por Alexandre o Grande em 335 aC, Tebas teve uma história notável. O professor Paul Cartledge, autor de Tebas, a Cidade Esquecida, responde à pergunta-chave sobre esta cidade importante da Boeot.

Assista agora

Um declínio misterioso

Evidências arqueológicas do momento do colapso de Micenas podem apoiar as lendas que colocam o saque de Micenas ao invadir tribos 'dóricas' como ocorrendo após a época do filho de Orestes, filho de Agamenon, pelo menos 70 anos após a Guerra de Tróia em meados -Séc. XIII AC.

Mas os historiadores modernos duvidam que alguma vez tenha havido uma grande 'invasão' dos reinos micênicos por povos 'tribais' com um nível mais baixo de civilização do norte da Grécia - mais provavelmente os estados entraram em caos devido a lutas políticas ou sociais internas ou como resultado de fome e epidemias.

No entanto, a chegada de novos estilos de cerâmica e sepulturas em locais pós-1000 da "Idade do Ferro" sugere uma cultura diferente, presumivelmente baseada em uma elite nova e não alfabetizada, e os palácios desertos não foram reutilizados.

O Dr. Timothy Venning é um pesquisador freelance e autor de vários livros que vão da antiguidade ao início da era Moderna. A Chronology of Ancient Greece foi publicado em 18 de novembro de 2015, pela Pen & Sword Publishing.

Imagem em destaque: A Máscara de Agamenon (Crédito: Xuan Che / CC).


Questionando a máscara da morte micênica de Agamenon

O arqueólogo alemão Heinrich Schliemann é talvez um dos arqueólogos mais sortudos da história. Sua descoberta do Máscara de Agamenon não foi a sua primeira, mas sim a segunda descoberta notável. Já tendo descoberto a localização real do lendário Tróia, o próximo projeto de Schliemann era descobrir o local de descanso final de Agamenon, o rei de Micenas que liderou as forças gregas durante a Guerra de Tróia. Embora haja debate se Schliemann alcançou seu segundo objetivo, ele certamente fez outra descoberta impressionante no processo - a 'Máscara de Agamenon'.

Schliemann é provavelmente mais conhecido por sua identificação de Tróia em Hissarlik e pela descoberta do "Tesouro de Príamo". Menos conhecido, pode ser sua escavação subsequente em Micenas, Grécia. No entanto, foi aqui que ele fez outra descoberta impressionante, uma máscara mortuária de ouro.


História da Arte: Máscara de Agamenon

Trail são dois arqueólogos que desafiam a autenticidade da máscara. Eles apresentaram argumentos que tentam provar que a máscara é uma falsificação. Alguns estudiosos afirmam que seus argumentos não são válidos e carecem de raciocínio acadêmico para apoiá-los. Alguns estudiosos acreditam que a máscara é uma mistura de estilos diferentes de lugares e épocas diferentes. Ninguém pode realmente dizer que a máscara é autêntica ou falsa. Acredito que a máscara foi editada por Schlemiels e seus homens. A máscara de Agamenon não é autêntica devido à falta de qualidades micênicas que valorizariam sua autenticidade.

A máscara de Agamenon não é autêntica, portanto foi editada por Schlemiels e seus trabalhadores. A máscara de Agamenon foi encontrada em Shaft Grave V por Schlemiels no Tesouro de Auteur e é uma das obras de arte mais famosas que já foram encontradas. A máscara de Agamenon é uma máscara funerária de ouro. Foi feito pelo método reposes ©. Esta técnica faz com que pareça que foi martelado. O cabelo na máscara parece ter sido gravado. A máscara está torta. As orelhas não estão em proporção, o bigode parece que Vass colocou errado e tudo nesta máscara parece errado. A barba na máscara é em forma de V.

A maioria das máscaras funerárias são planas, mas esta não é. A máscara é tridimensional e parece que as orelhas foram cortadas em vez de feitas junto com o resto da máscara. O cabelo na máscara é detalhado com cautela, quase se pode ver cada fio de sua barba. Os olhos da máscara parecem estar abertos. As pálpebras são feitas de forma que os olhos pareçam estar abertos e fechados ao mesmo tempo. Em comparação com a máscara de Agamenon, outros objetos encontrados nas sepulturas parecem micênicos e autênticos. Um exemplo é a imagem três, que é a adaga incrustada, foi encontrada na sepultura A Mycenae, Grécia, 1600-1500 BCC.

A adaga tem cerca de vinte centímetros de comprimento. É feito de metais diferentes, como ouro, prata e Nellie: Nellie é um produto químico que é esfregado no corte em forma de agulha para fazer a textura da adaga. As adagas eram difíceis de fazer e são muito detalhadas. Uma mostra a cena de uma caça ao leão. Os leões parecem heráldicos e simbólicos, o que explica por que foram encontrados em túmulos, porque apenas oficiais importantes foram enterrados com ornamentos caros. Os leões da adaga estão na pose do galope voador, que é uma convenção iniciada pelos minoicos e depois adaptada pelos micênicos.

As figuras na adaga estão usando shorts, mas não capacetes e carregando um escudo. Acredito que as figuras representam as pessoas enterradas nas sepulturas, porque parecem heróicas e pessoas importantes foram enterradas nas sepulturas. É possível que Schlemiels tenha feito uma suposição semelhante ao encontrar a máscara de Agamenon, já que ele era um soldado troiano. As duas obras de arte descritas anteriormente são diferentes, embora se afirme serem da mesma civilização. A Figura três mostra mais qualidades micênicas do que a máscara de Agamenon.

A maioria das obras de metal micênicas não eram feitas de ouro puro. Como a adaga incrustada, a maioria deles foi misturada com metais como prata. Ambos são incrustados, mas a adaga tem sinais da convenção micênica de retratar cenas de animais. Acredita-se que a máscara funerária que Schlemiels encontrou seja uma falsificação. A máscara funerária não se parece com alguma das outras máscaras funerárias de ouro micênicas. Um repórter local do Argils News relatou que a “máscara não tinha bigode”. Em comparação com a figura dois encontrada na sepultura A, as características faciais na máscara de Agamenon não correspondem a todas as outras.

Acredita-se que os pelos faciais não parecem micênicos. De acordo com Harrington Spencer, a boca na figura é curta e grossa, com lábios mal definidos e nenhum queixo discernível, mas a máscara de Agamenon tem uma boca mais larga, lábios finos e um queixo bem definido. Os olhos na máscara de Agamenon são diferentes das outras máscaras encontradas nos túmulos de poço de Micenas. As sobrancelhas na figura dois não são nada detalhadas, mas as sobrancelhas na máscara de Agamenon parecem como se tivessem sido gravadas na máscara.

As pálpebras da máscara de Agamenon parecem estar abertas, enquanto as da figura dois são as mais próximas. Schlemiels editou a máscara por não possuir nenhuma semelhança com outros trabalhos em metal encontrados em Micenas. A máscara parece muito refletiva em comparação com as outras máscaras encontradas no túmulo, parece que foi feita em uma data posterior. Não está severamente desbotado como as outras obras de arte encontradas nos túmulos de poço de Micenas. Os micênicos 'não faziam sua obra de metal puramente de ouro. A maior parte de sua arte foi feita com metais diferentes, como prata e bronze.

Acredito que a máscara foi editada porque se acreditava que a máscara de Schlemiels encontrada era feita de ouro puro e, de acordo com Calder, “nenhum objeto antigo foi feito de ouro puro”. Alguns estudiosos, como David Trail ’, questionaram a autenticidade da máscara de Agamenon e solicitaram que o objeto fosse testado. Trail pediu que ela fosse testada para ver se a máscara é realmente feita de ouro, mas seu pedido foi negado. Se a máscara é considerada autêntica, por que não foi testada? A resposta não é conhecida.

Acredita-se que a quinta máscara seja uma peça autêntica, então ela deve ser testada. Testar a máscara para saber se é ouro puro não estraga a máscara, em vez de testá-la permitirá que os estudiosos descubram a verdade sobre a autenticidade da máscara. Alguns estudiosos acreditam Schlemiels plantou a máscara. As datas em que a máscara foi encontrada suscitam dúvidas se a máscara é falsa ou não. De acordo com Calder, “as escavações de Micenas ocorreram entre 7 de agosto e 3 de dezembro de 1876, a máscara foi descoberta em 30 de novembro. Apenas três dias antes do fechamento do local”.

Parece que a máscara foi plantada no túmulo para ser encontrada. Por que Schlemiels fecharia o local logo depois de encontrar a máscara de Agamenon? Pode ser que ele plantou a máscara na sepultura para que se tornasse famoso por encontrar a máscara de Agamenon. Pode ser que Schlemiels estivesse procurando um plano para avançar em sua carreira e para isso plantou a máscara e ganhou fama por supostamente tê-la encontrado. Alega-se que a obra de escavações foi encerrada nos dias 26 e 27 de novembro. Sua ausência poderia ter possibilitado que ele colocasse a máscara.

Alguns arqueólogos não acreditam que Schlemiels tenha plantado a máscara, em vez disso afirmam que “é difícil ver como a inserção Da máscara poderia ter sido realizada quando Schlemiels estava trabalhando sob a supervisão constante de Pantsuits Astigmatism o diretor de Antiguidades, que foi atendido a partir de 28 de novembro por outro arqueólogo enviado de Atenas, e por uma guarda de soldados gregos no local ”. Sob essa supervisão estrita, é altamente duvidoso que Schlemiels tenha plantado a máscara na sepultura para que pudesse encontrá-la.

Pelas razões expostas anteriormente, acredita-se que a máscara de Agamenon foi editada por não se relacionar com outra arte micênica. É diferente em comparação com as outras obras de arte encontradas nos túmulos A e a. A máscara de Agamenon não segue a convenção da arte micênica. A trilha afirma que "a máscara de Agamenon não mostra nenhum traço da norma ou convenção micênica". De acordo com Calder, 'a máscara de Agamenon é elegante e inovadora. Está longe da convenção micênica e parece bastante novo. Acredite que a máscara de Agamenon foi alterada por Schlemiels.

Não há muita prova que mostre que foi editado, mas o pedido não parece autêntico. William Calder e David Trail tentam provar que a máscara é uma falsificação, mas eles não têm evidências substanciais para apoiar seu argumento. Parecem avgas feitos com pressa, e as obras de arte antigas não eram feitas exclusivamente de ouro. Também acredito que a máscara foi editada porque Schlemiels não era um homem honesto, ele admitiu que comprou alguns dos objetos que afirmou ter encontrado. A máscara de Agamenon deve ser removida dos livros didáticos porque o arqueólogo não tem informações suficientes sobre ela, com base em observações e na percepção de um indivíduo dela.

Para exportar uma referência a este ensaio, selecione um estilo de referência abaixo:


Trono de governantes micênicos descoberto na Grécia

O mito da guerra de Tróia inspirou historiadores ao longo dos milênios, principalmente porque era uma parte importante e influente da cultura grega antiga e, em parte, porque era uma boa história de guerra com heróis, vilões e, claro, uma heroína. Em uma descoberta recente surpreendente, os arqueólogos gregos afirmaram ter desenterrado os fragmentos do trono do talvez o mais heróico grego antigo, pelo menos de acordo com Homero.

Christofilis Maggadis liderou o projeto arqueológico nos últimos dois anos e finalmente apresentou uma descoberta significativa o suficiente para causar agitação não apenas nos setores arqueológicos, mas também nas avenidas políticas. Maggaddis ainda está trabalhando no projeto, na esperança de descobrir o máximo possível de evidências em apoio às suas afirmações. Em entrevista coletiva, Magaddis disse que havia descoberto as peças do trono dos governantes micênicos, o trono possivelmente usado por Agamenon, o governante que ajudou a vencer a guerra de Tróia.

Falando sobre as ruínas, Maggadis acrescentou que os fragmentos do trono desenterrados foram possivelmente enterrados sob o magnífico palácio construído no topo da colina em 1200 AC, e que o palácio desabou em um grande terremoto.

O governo dos micênicos se estende por volta do século 14 aC até o século 12 aC Os governantes micênicos são considerados os gregos mais proeminentes e influentes que governaram na Idade do Bronze. No entanto, a vida dos micênicos era nada menos do que uma Guerra dos Tronos da vida real - a realeza estava frequentemente envolvida em lutas sangrentas pelo poder, incesto e traições dinásticas. De acordo com Homero - o primeiro escritor / historiador mitológico que mencionou a guerra de Tróia e seus participantes em detalhes - Agamenon foi o micênico mais distinto que já viveu, ele possuía os traços heróicos únicos essenciais para um governante entrar na história como um guerreiro Rei. De acordo com os relatos mitológicos, Agamenon fazia parte do Exército que sitiou e posteriormente saqueou a lendária cidade de Tróia.

Após a descoberta do trono de Agamenon, o mundo arqueológico foi abalado e as pessoas precisavam de mais informações sobre o assunto. No entanto, o Ministério da Cultura grego discorda das descobertas, alegando que os fragmentos descobertos nunca poderiam ter feito parte do trono. Quando o Ministério da Cultura despachou seu especialista para analisar as ruínas e fragmentos desenterrados, eles chegaram a uma conclusão totalmente contrária às descobertas de Maggadis. Os especialistas do ministério afirmaram que as peças pertenciam claramente a um lavatório devido à sua natureza curva e não podiam fazer parte de um trono de qualquer forma. Maggadis rejeitou a análise dos especialistas do ministério, dizendo que os fragmentos vieram de uma parte curva do trono e não poderiam ter vindo de uma pia puramente porque a composição dos fragmentos sugere que são feitos de pedra porosa.


História da Arte: Máscara de Agamenon

ARTE ANTIGA 200 Foi a máscara de Agamenon editada por Schliemann e seus trabalhadores? 14/05/2011 Sandra. Baah | Schliemann foi um arqueólogo alemão que escavou os túmulos de Micenas. Ele encontrou uma máscara que se dizia ser a máscara de Agamenon. Isso trouxe debates intermináveis ​​sobre a autenticidade da máscara. A máscara é considerada uma das falsificações de Schliemann & # 8217s. Alguns estudiosos afirmam que a máscara é muito nova ou não possui quaisquer qualidades que provem que é micênica. É difícil saber se a máscara é autêntica ou falsa. William A. Calder e David A.

Traill são dois arqueólogos que desafiam a autenticidade da máscara. Eles apresentaram argumentos que tentam provar que a máscara é uma falsificação. Alguns estudiosos afirmam que seus argumentos não são válidos e carecem de raciocínio acadêmico para apoiá-los. Alguns estudiosos acreditam que a máscara é uma mistura de diferentes estilos de diferentes lugares e épocas. Ninguém pode realmente dizer se a máscara é autêntica ou falsa. Acredito que a máscara foi editada por Schliemann e seus homens. A máscara de Agamenon não é autêntica devido à falta de qualidades micênicas que provariam sua autenticidade.

A máscara de Agamenon não é autêntica, portanto, foi editada por Schliemann e seus trabalhadores. A máscara de Agamenon foi encontrada em Shaft Grave V por Schliemann no Tesouro de Atreus e é uma das obras de arte mais famosas que já foram encontradas. A máscara de Agamenon é uma máscara funerária de ouro. Foi feito com o repousse? método. Essa técnica faz com que pareça que foi martelado. O cabelo da máscara parece ter sido gravado. A máscara está torta. As orelhas não estão em proporção, o bigode parece que foi colocado errado e tudo nesta máscara parece errado.

A barba na máscara é em forma de V. A maioria das máscaras funerárias são planas, mas esta não é. A máscara é tridimensional e parece que as orelhas foram cortadas em vez de feitas junto com o resto da máscara. O cabelo da máscara é muito detalhado, dá para ver quase todos os fios de sua barba. Os olhos da máscara parecem estar abertos. As pálpebras são feitas de forma que os olhos pareçam estar abertos e fechados ao mesmo tempo. Em comparação com a máscara de Agamenon, outros objetos encontrados nos túmulos parecem micênicos e autênticos.

Um exemplo é a imagem três, que é a adaga incrustada, foi encontrada na sepultura A Micenas, Grécia, 1600-1500 aC. A adaga tem cerca de vinte centímetros de comprimento. É feito de metais diferentes, como ouro, prata e niello niello é um produto químico que é esfregado no corte em forma de agulha para fazer a textura da adaga. As adagas eram difíceis de fazer e são muito detalhadas. Uma mostra a cena de uma caça ao leão. Os leões parecem heráldicos e simbólicos, o que explica por que foram encontrados em túmulos, porque apenas oficiais importantes foram enterrados com ornamentos caros.

Os leões da adaga estão na pose de galope voador, que é uma convenção iniciada pelos minóicos e depois adaptada pelos micênicos. As figuras na adaga estão usando shorts, mas não capacetes e carregando um escudo. Acredito que as figuras representam as pessoas enterradas nas sepulturas, porque parecem heróicas e pessoas importantes foram enterradas nas sepulturas. É possível que Schliemann tenha feito uma suposição semelhante ao encontrar a máscara de Agamenon, já que ele era um soldado troiano. As duas obras de arte descritas anteriormente são diferentes, embora se afirme serem da mesma civilização.

A Figura três mostra mais qualidades micênicas do que a máscara de Agamenon. A maioria das obras de metal micênicas não eram feitas de ouro puro. Como a adaga incrustada, a maioria deles foi misturada com metais como prata. Ambos são incrustados, mas a adaga tem sinais da convenção micênica de retratar cenas de animais. Acredita-se que a máscara funerária encontrada por Schliemann seja uma falsificação. A máscara funerária não se parece com alguma das outras máscaras funerárias de ouro micênicas. Um repórter local do Argolis News relatou que a “máscara não tinha bigode”.

Em comparação com a figura dois encontrada na sepultura A, as características faciais na máscara de Agamenon não correspondem a todas as outras. Acredita-se que os pelos faciais não parecem micênicos. Segundo Harrington Spencer, a boca da figura 2 é curta e grossa, com lábios mal definidos e sem queixo perceptível, mas a máscara de Agamenon tem boca mais larga, lábios finos e queixo bem definido. Os olhos na máscara de Agamenon são diferentes das outras máscaras encontradas nos túmulos de poço de Micenas. As sobrancelhas na figura dois não são mostradas em detalhes, mas as sobrancelhas na máscara de Agamenon parecem como se tivessem sido gravadas na máscara.

As pálpebras da máscara de Agamenon parecem abertas, enquanto as da figura dois estão fechadas. Schliemann editou a máscara porque ela não tem nenhuma semelhança com outros trabalhos em metal encontrados em Micenas. A máscara parece muito perfeita em comparação com as outras máscaras encontradas no túmulo, parece que foi feita em uma data posterior. Não está severamente desbotado como as outras obras de arte encontradas nos túmulos de Micenas. Os micênicos & # 8217 não faziam sua obra de metal exclusivamente com ouro. A maior parte de sua arte foi feita com metais diferentes, como prata e bronze.

Acredito que a máscara foi editada porque a máscara encontrada por Schliemann era considerada de ouro puro e, de acordo com Calder, “nenhum objeto antigo foi feito de ouro puro”. Alguns estudiosos, como David Traill, questionaram a autenticidade da máscara de Agamenon e solicitaram que o objeto fosse testado. Traill pediu que ela fosse testada para ver se a máscara é realmente feita de ouro, mas seu pedido foi negado. Se a máscara é considerada autêntica, por que não foi testada? A resposta não é conhecida.

Se a máscara for considerada uma peça autêntica, ela deve ser testada. Testar a máscara para saber se é ouro puro não a estraga; em vez disso, testá-la permitirá que os estudiosos descubram a verdade sobre a autenticidade da máscara. Alguns estudiosos acreditam que Schliemann plantou a máscara. As datas em que a máscara foi encontrada suscitam dúvidas se a máscara é falsa ou não. Segundo Calder, “as escavações de Micenas ocorreram entre 7 de agosto e 3 de dezembro de 1876, a máscara foi descoberta em 30 de novembro. Apenas três dias antes do fechamento do local”.

Parece que a máscara foi plantada no túmulo para ser encontrada. Por que Schliemann fecharia o site logo após encontrar a máscara de Agamenon? Pode ser que ele plantou a máscara na sepultura para que se tornasse famoso por encontrar a máscara de Agamenon. Pode ter sido que Schliemann estivesse procurando um plano para avançar em sua carreira e para isso ele plantou a máscara e ganhou fama por supostamente tê-la encontrado. Alega-se que as escavações foram fechadas nos dias 26 e 27 de novembro. Sua ausência poderia ter possibilitado que ele colocasse a máscara.

Alguns arqueólogos não acreditam que Schliemann tenha plantado a máscara, em vez disso afirmam que “é difícil ver como a inserção da máscara poderia ter sido realizada quando Schliemann trabalhava sob a supervisão constante de Panagiotis Stamatakis, o diretor de Antiguidades, que foi auxiliado a partir de 28 de novembro por outros arqueólogos enviados de Atenas, e por uma guarda de soldados gregos no local ”. Sob essa supervisão estrita, é altamente duvidoso que Schliemann tenha plantado a máscara na sepultura para que ele pudesse encontrá-la.

Pelas razões expostas anteriormente, acredito que a máscara de Agamenon foi editada por não se relacionar com outra arte micênica. É diferente em comparação com as outras obras de arte encontradas nos túmulos A e B. A máscara de Agamenon não segue a convenção da arte micênica. Traill afirma que “a máscara de Agamenon não apresenta nenhum traço da norma ou convenção micênica”. De acordo com Calder “a máscara de Agamenon é estilosa e inovadora. Está longe da convenção micênica e parece bastante novo.

Acredito que a máscara de Agamenon foi alterada por Schliemann. Não há muitas provas que mostrem que ela foi editada, mas a máscara não parece autêntica. William Calder e David Traill tentam provar que a máscara é uma falsificação, mas não têm evidências substanciais para apoiar seu argumento. Parece que foi feito com pressa e as obras de arte antigas não eram feitas exclusivamente de ouro. Também acredito que a máscara foi editada porque Schliemann não era um homem honesto, ele admitiu que comprou alguns dos objetos que alegou ter encontrado.

A máscara de Agamenon deve ser removida dos livros didáticos porque os arqueólogos não têm informações suficientes sobre ela, ela é baseada em observações e na percepção de um indivíduo sobre ela. Não deve ser adicionado aos livros de história da arte antes de ser testado. Eu acredito que para algo a ser estudado, deve-se ter um conhecimento prévio do objeto. Figura 1 Máscara de Agamenon 1550-1500 aC Figura 2 Máscara funerária da Tumba IV 1550-1500 aC Encontrada no Círculo de túmulos A por Schliemann e seus trabalhadores. Figura 3 Lâmina de adaga incrustada, 1550-1500 a.C.

Adaga do túmulo círculo A em Micenas. Encontrado no museu arqueológico nacional de Atenas. BIBLIOGRAFIA Christopulous, George A e John C Bastias. Pré-história e Proto-história. University park, Pennsylvania: Pennsylvania state univveristy press, 1974. Dickinson, Oliver. & # 8220The & # 8216Face of Agamenon. & # 8216 & # 8221 Hesperia: The Journal ofthe American School of Classical Studies at Athens, 3rd ser., 74 (julho-agosto de 2005): 299-308. Acessado em 2 de maio de 2011. http: / www. jstor. org / stable / 25067959.

Elliot, Alexander. O conciso do horizonte da Grécia. Nova York: American Heritage, 1972. Harrington, Spencer P. M. & # 8220Behind the Mask of Agamemnon. & # 8221 Arqueologia 52, no. 4 (julho-agosto de 1999). Acessado em 2 de maio de 2011. http: / web. ebscohost. com / ehost / entrega? sid = 1d53bfed-ae35-45c6-8097-2d4bcffa3301% 40sessionmgr10vid = 7hid = 18. Hilson, Muriel. & # 8220Estudos em Educação Artística. & # 8221 Arte Neolítica e História da Arte Clas 32, no. 4 (1991): 230-238. Acessado em 27 de abril de 2011. http: / www. jstor. org / stable.


Máscara micênica de Agamenon

A Máscara Dourada de Agamenon, o Rei de Micenas: A máscara de Agamenon é um artefato descoberto em Micenas em 1876 pelo arqueólogo alemão Heinrich Schliemann. Esta máscara é feita de ouro e é uma máscara funerária encontrada sobre o rosto de um cadáver em um cemitério em Micenas. Schliemann pensava que o corpo e a máscara eram do lendário Rei Agamenon.

No entanto, pesquisadores e arqueólogos modernos acreditam que a máscara data de uma época muito anterior à vida e ao reinado de Agamenon. Seja qual for o caso, esta máscara é feita de ouro puro e tais máscaras foram colocadas nos rostos de reis falecidos e pessoas reais.

De acordo com a mitologia grega, Agamenon era filho do Rei Atreu de Micenas e da Rainha Aerope. Ele foi o líder dos gregos durante a Guerra de Tróia, já que Micenas era a cidade grega mais poderosa da época. Ele também era irmão de Menelau e marido de Clitemnestra. Agamenon teve três filhas e um filho. Uma de suas filhas, Ifigênia, foi sacrificada à deusa Ártemis para que o vento soprasse e os navios gregos pudessem zarpar para Tróia. Quando Agamenon retornou ao seu reino após o fim da Guerra de Tróia, ele foi assassinado por sua esposa Clitemnestra e seu amante Egisto, em vingança pelo sacrifício de Ifigênia.

A polêmica e a dúvida sobre a autenticidade dessa máscara permanecem até hoje. Esta exibição de ouro está atualmente em exibição no Museu Arqueológico Nacional de Atenas. Apesar de todas as dúvidas, esta distinta máscara de ouro que tem cerca de 30 centímetros de altura ainda é conhecida como o Máscara de Agamenon e é uma das descobertas mais valiosas da antiga era micênica.


Civilização Micênica

A primeira grande civilização na Grécia continental realmente floresceu com o desaparecimento da civilização minóica. A Civilização Micênica (1900–1100 a.C.) também é conhecida como Civilização Aqueia. Isso se deve aos migrantes indo-europeus, que não apenas se estabeleceram na Grécia continental, mas também se adaptaram ao estilo de vida minóico.

** A imagem acima mostra uma máscara mortuária, conhecida como Máscara de Agamenon
Por Xuan Che (Auto-fotografado (Flickr), 20 de dezembro de 2010) [CC BY 2.0], via Wikimedia Commons

Cidades-estados independentes, como Pilos, Corinto e, claro, Micenas, que era a mais poderosa de todas, era uma característica da Civilização Micênica. Micenas também foi a cidade da lendária figura Agamenon, um dos líderes que derrotou Tróia. Essas cidades-estado eram governadas por reis, cujos palácios ficavam no topo de colinas, cercados por enormes muralhas, muito fáceis de defender.

Micenas, com seu impressionante Portão dos Leões, tornou-se a potência dominante no Peloponeso. These palaces soon appeared all over Greece, but unlike those on Crete, these were all huge fortifications and much more difficult to penetrate. As with the Cycladic Civilisation, an impressive legacy was also left by the Mycenaean Civilisation in the form of gold jewellery and ornaments. A collection of these treasures can be seen at the National Archaeological Musuem in Athens.

The Mycenaean were also literate and wrote in a script known as Linear B. This script is an early form of Greek which is unrelated from Linear A from the Minoan Civilisation of Crete. It has however been deciphered. Other examples of the script Linear B have also been found on Crete, which has led to the possibility that the island may have been invaded by the Mycenaean people at around 1500 B.C.

At around 1400 B.C. the palace of Knossos was destroyed on Crete, as well as destruction all over the island. This wide spread destruction has led many to believe that Crete was not attacked by a foreign force, but that a revolt against the Mycanaean rulers had probably taken place.

Mycenaean artifacts have also been discovered in Italy, Eygpt, Asia Minor and North Syria. It is likely that they had permanent strongholds in some of these places as their influence seems so strong. The defeat of Troy was accomplished with the Mycenaean city-states joining together to protect their Black Sea trade routes.

During 1200 B.C. the decline of the civilization had began, with many Mycenaean structures being destroyed. The situation now in Greece was very similar to the one that had happened on Crete following the destruction of Knossos. It is difficult to grasp at how all of the city-states actually declined.

Some have put forward that due to trade with the east stopping, many overseas settlements were lost. Others believe that along with factors such as famine and epidemics, internal battles and overpopulation, the reason was when the civilization was overtaken by the Dorians.


História

The people of Mycenae were Indo-Europeans who came to Greece between the 20 th and 16 th centuries BC. They spoke a language similar to what the future Greek dialect would be. The civilization flourished from the 16 th century to about the end of the 13 th century BC. The Mycenaeans were also successful traders and controlled trade routes to the Corinthian Isthmus.

The Mycenaean’s built palaces and fortified citadels. The citadel walls were built out of large stones, which are referred to as the cyclopean walls. Ancient Greeks believed the only way they could have been built was by cyclops, which is how the walls received their name. These kinds of walls were very common among other Mycenaean citadels as well.

At the back of the citadel there is a secret stairway that has ninety-nine steps leading down to a large container. This was connected to a spring by pipes in case in times of war everyone was trapped inside the city. At the highest peaks of the citadels, the king’s palaces were built. The planning of the palaces was similar to Minoan structures.The palace that was discovered at Mycenae matched the description of where Agamemnon lived, as described by the Greek poet Homer. This further added to ideas that Agamemnon was a real person and not just a king of myth. The citadels were also administrative headquarters for the rulers. The common people of the town lived at the foot of the citadels in the countryside. Experts can tell the difference in the society structure by the goods buried in the graves. This shows that there was definitely a lower class and ruling class. The political hierarchy consists of the king on top, who was the political and religious leader of the town. Underneath the king were the local chiefs who looked over administrative duties. The safety of the town was left up to the Lawagetas, the head of the army. Scribes overlooked economic production and transaction, allotted work and distributed rations. In Mycenaean economy there were two types of people: the ones who worked in the palace and the ones who were self-employed. Even the workers in the palace could be self-employed if they wished though.

The Mycenaens were a warrior culture as well as great engineers who built bridges, tombs, and palaces. They also invented their own script called linear B which was an improved version of Linear A or the Minoan language. From clay tablets we can tell that the agricultural economy was well organized and had well distributed. One of the most significant industries in their culture was the textile industry.

The preservation of the ruins can be contributed to the rapid decay that took place in the 12 th century BC because of the Doric invasion. The Doric invasion also ceased the building of new cities and quarters. How Mycenae came to a complete end is still a continued discussion because the acropolis shows signs of inhabitation until 468 BC, the year of destruction. The Doric invasion was not the end of Mycenae though. The first theory is population movement because the Dorian’s attacked. This hypothesis has been questioned because the Dorian’s had always been present in Greece around that time. It could have also been what the Mycenaens called the “Sea People.” The second theory is internal conflict. This is suggesting conflict between the rich and the poor because of the lower class becoming impoverished towards the end of the late Helladic period and rejecting the system in which they were governed. However when Mycenae came to an end, its demise started the Greek dark ages.


Scions of Agamemnon: Who Were the Mycenaeans? - História


Featured in Macworld - one of the
best history sites on the web

Casa

Bookstore

Exhibits

Did You Know?

HistoryMaker

Fontes primárias

Procurar

Was there a Trojan War?

Always be the best, my boy, the bravest, and hold your head up high above the others. Never disgrace the generations of your fathers. -- The Iliad (trans. by Robert Flagles). Hippolochus to his son Glaucus


7th century BC pottery depiction of the Trojan Horse

More Information

Was there a Trojan War? The short answer is "probably." Though for most of modern history, archeologists believed that the war was just a legend, today it is accepted that there probably was such a war. The amateur archeologist Heinrich Schliemann, using A Ilíada e a The Odyssey do Homer as a guide, discovered the ruins of a powerful city in Asia Minor. The Ancient Greeks from the classical period thought the Trojan War was a historical event that had taken place in the 13th or 12th century BC, and believed that Troy was located in modern day Turkey and the Dardanelles. The city Schlieman found is where Troy would have been, and was destroyed at the end of the 13th century. Its location and apparent wealth suggest that it would have been a trade rival to the fpowerful Mycenaeans. The prize was control of the Aegean. Other parts of the poems appear to have had a historical basis. Archeologists discovered great bronze age cities on the mainland, the remnants of the Mycenaeans.

Archeologists discovered that there was a powerful city in Asia Minor where Troy would have been, which was destroyed at the end of the 13th century. There were many levels of cities on this site. The one which most likely corresponds with the great war of the Achaeans is Troy VII, which was destroyed in 1190 BC either by earthquake or by attack. Its location and apparent wealth suggest that it would have been a trade rival to the powerful Mycenaeans.The prize was control of the Aegean. Other parts of the poems appear to have had a historical basis. Archeologists discovered great bronze age cities on the mainland, the remnants of the Mycenaeans. Archeologists studying Troy found a Mycenean cemetery at Besik Bay, south of Troy, which may have been the Greek landing place - there were over 50 cremations with grave goods, so the Mycenaeans were there.

It is clear that Troy had contact with the Mycenaeans. Trojan pottery imitating the Mycenaean style has been found at the Troy excavations.

But the truth in the poems is only a kernel. Bards modified as they transmitted the poems through the dark centuries. The more interesting the poems, the more enthusiastic the response from their audiences, and the greater the stature of the poet. And the descriptions became more and more distorted, as features of the dark age culture became part of the poems. For example Homer speaks of iron in weapons, which was common in the iron age civilization of the dark ages, but which would not have been present in Mycenaean culture, a bronze age civilization. No A Ilíada the leaders were cremated as they were in the Iron Age, while the Mycenaeans clearly buried their noble dead in tholos tombs.

The evidence indicates that the Mycenaeans probably did sack Troy in around 1250 BCE. But around 1200 BCE sees the the decline of the Mycenaeans. One theory of the Mycenaean fall may be found in Homer and Greek legends. The war took a toll on their civilization. When the kings returned they found their power weakened, and were engaged in power struggles. Odysseus, for example, when he finally arrived at Ithica, found his loyal wife Penelope hounded by suitors. She had reached the point where she had to accept one of them, who would then become the king. Other returning kings, such as Agamemnon, met bad fates. Do these stories have a kernel of truth too? Did the Mycenaean kings have to fight for their place when they came back from Troy? Were they so weakened by 10 years of war, that they never regained their prosperity and power?


Mycenae History

The Mycenaean period extends for over four centuries, after which Mycenae disappeared and fell into oblivion, to the point that many people even though it had never existed. Throughout the ages, the only testimony which confirms the existence of the Mycenaean empire is the myths and the literature sources. For example, the Mycenaean war against Troy was poetically told by Homer, although this was taken as fiction. o history of Mycenae was an important period for Greece and influenced the course of the country.

The amateur archaeologist Heinrich Schliemann discovered the city of Troy by basing his investigation on the information given by Homer. Then, he discovered the legendary city of Mycenae in northeastern Peloponnese. These two excavations confirmed that the epics of Homer were not just fiction but contained a large amount of truth.

The monarchic organization of the Mycenaean society was characterized by the concentration of power to the kings. Unlike Minoan Crete, in Mycenae, this wealth was not shared with the rest of society. The Mycenaean kings were constantly at war, as this civilization had an important warrior profile, characterized by promoting battles and invading territories. According to the remaining records found in Asia Minor and the Middle East, the Mycenaean army was included in the raider lists of the Egyptians. Their war character was also shown when the Minoan civilization got weaker due to a series of earthquakes. Apparently, the Mycenaean warriors took advantage of this situation to conquer Crete.

The war profile of the Mycenaean culture is also depicted in the Cyclopean Walls, the huge walls made of gigantic stones that surrounded the Mycenaean towns for protection. The legend says that human was impossible to build these walls with the technology of that era, so the walls must have been constructed by Cyclops. This war environment had a deep influence in the art of Mycenae, which in this case was obviously characterized by warfare and hunting themes. This contrasts to the Minoan style and way of life, more dedicated to everyday life.

On the other hand, after the invasions over the Aegean populations, the Mycenaeans finally imposed their culture over them. Another activity, apart from war and invasions, was trading. The Mycenaean people developed trade, although not at the level of the Minoans. They usually traded oil, animal skins and other raw articles in exchange for fine objects like jewelry from Crete, Egypt, and Asia Minor, all of which used to stand out in the productions of such objects. However, as it was mentioned at first, the opulence provided by this activity was just enjoyed by the kings and a few well-off officials.

Such expensive and fine objects have been frequently discovered in the tomb of kings and other members of the royal family as offerings to the dead. The Mycenaean tombs, also known as tholos, had vaulted roofs and two rooms: one room for the dead and another larger room for the offerings. The most famous vaulted tomb is the Treasury of Atreus, located in a walking distance from the archaeological site of Mycenae, that is believed to be the tomb of King Agamemnon. It is quite interesting that the tombs of unwanted people or criminals were constructed outside the city gates.


Assista o vídeo: Agamenon- Mitologia grega