Revisão da Alemanha nazista (líderes e eventos principais)

Revisão da Alemanha nazista (líderes e eventos principais)


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

  • Abwehr
  • Anti-semitismo na Alemanha nazista
  • Putsch de cervejaria
  • Cristianismo na Alemanha nazista
  • Campo de concentração
  • Noite de cristal
  • Unidades da cabeça da morte
  • Der Stürmer
  • Educação na Alemanha nazista
  • Habilitando Bill
  • Campos de Extermínio
  • Solução final
  • Exército alemão
  • Eleição alemã em 1933
  • Liga Alemã de Meninas
  • Fascismo alemão
  • Frente de Trabalho Alemã
  • Resistência Alemã
  • Gestapo
  • Juventude Hitlerista
  • Crianças judias na escola
  • Emigração Judaica da Alemanha
  • Judeus na Alemanha nazista
  • Enredo de julho (1944)
  • Serviço de Trabalho
  • Lebensborn
  • Luftwaffe
  • Mein Kampf
  • Cronograma da Alemanha Nazista
  • Propaganda Nazista
  • Partido Nazista (NSDAP)
  • Noite das Facas Longas
  • Leis de Nuremberg
  • Rally de Nuremberg
  • Julgamentos de guerra de Nuremberg
  • Memorando Oberfohren
  • Operação Valquíria
  • Reichstag
  • Reichstag Fire
  • Schutzstaffel (SS)
  • Serviço de Segurança SD
  • Força pela Alegria
  • Sturmabteilung (SA)
  • Sindicatos na Alemanha nazista
  • Volkswagen
  • Völkischer Beobachter
  • Waffen SS
  • Wannsee Conference
  • Mulheres na Alemanha nazista
  • Grupo Rosa Branca
  • Max Amann
  • Klaus Barbie
  • Joseph Berchtold
  • Ernst Bergmann
  • Albert Bormann
  • Martin Bormann
  • Philip Bouhler
  • Viktor Brack
  • Karl Brandt
  • Wilhelm Brückner
  • Wilhelm Canaris
  • Kurt Daluege
  • Theodor Dannecker
  • Fritz Darges
  • Richard Darré
  • Sepp Dietrich
  • Otto Dietrich
  • Rudolf Diels
  • Karl Doenitz
  • Anton Drexler
  • Karl von Eberstein
  • Dietrich Eckart
  • Adolf Eichmann
  • Theodore Eicke
  • Franz Ritter von Epp
  • Karl Ernst
  • Hermann Esser
  • Gottfried Feder
  • Hermann Fegelein
  • Eugen Fischer
  • Hans frank
  • Wilhelm Frick
  • Hans Fritzsche
  • Roland Freisler
  • Walther Funk
  • Fritz Gerlich
  • Kurt Gerstein
  • Erwin Giesing
  • Joseph Goebbels
  • Hermann Göring
  • Walter Gross
  • Otto Günsche
  • Ernst Hanfstaengel
  • Albrecht Haushofer
  • Karl Haushofer
  • Erhard Heiden
  • Edmund Heines
  • Rudolf Hess
  • Walter Hewell
  • Reinhard Heydrich
  • Erich Hilgenfeldt
  • Heinrich Himmler
  • Adolf Hitler
  • Rudolf Hoess
  • Heinrich Hoffmann
  • Alfred Hugenberg
  • Ernst Kaltenbrunner
  • Emile Kirdorf
  • Erich Koch
  • Karl Koch
  • Josef Kramer
  • Hermann Kriebel
  • Gustav Krupp
  • Alfried Krupp
  • Robert Ley
  • Heinz Linge
  • Kurt Ludecke
  • Victor Lutze
  • Erich Ludendorff
  • Franz von Pfeffer Solomon
  • Emil Maurice
  • Rochus Misch
  • Theodor Morell
  • Heinrich Mueller
  • Ludwig Müller
  • Arthur Nebe
  • Konstantin von Neurath
  • Carl Oberg
  • Hans Oster
  • Oswald Pohl
  • Johannes Popitz
  • Herman Rauschning
  • Erich Raeder
  • Joachim von Ribbentrop
  • Ernst Röhm
  • Alfred Rosenberg
  • Jutta Rüdiger
  • Bernard Rust
  • Fritz Saukel
  • Hjalmar Schacht
  • Julius Schaub
  • Max Scheubner-Richter
  • Walter Schellenberg
  • Ernst-Gunther Schenck
  • Baldur von Schirach
  • Julius Schreck
  • Kurt von Schröder
  • Richard Schulze-Kossens
  • Franz Schwarz
  • Hans von Seeckt
  • Wolf Sendele
  • Arthur Seyss-Inquart
  • Franz von Pfeffer Solomon
  • Martin Sommerfeldt
  • Albert Speer
  • Reinhard Spitzy
  • Fritz Stangl
  • Johannes Stark
  • Julius Streicher
  • Gregor Strasser
  • Otto Strasser
  • Max Scheubner-Richter
  • Fritz Thyssen
  • Fritz Todt
  • Albert Voegle
  • Horst Wessel
  • Fritz Wiedemann
  • Karl Wolff
  • Apaziguamento
  • Sudetenland
  • Checoslováquia
  • Pacto Anti-Comintern
  • Polônia
  • Operação Barbarossa
  • Ofensiva Ocidental
  • Rhineland
  • Anschluss
  • Acordo de Munique
  • Pacto Nazi-Soviético
  • Pacto Alemão-Japonês
  • Atrocidades alemãs
  • Invasão da Finlândia
  • Ferdinand von Bredow
  • Hugo Bleicher
  • Eduard Bloch
  • Susanne von der Borch
  • Eva Braun
  • Gretl Braun
  • Ilse Braun
  • Norah Briscoe
  • Paul Briscoe
  • Wallace R. Deuel
  • Otto Dibelius
  • Otto Dix
  • Gertrud Draber
  • Erich Dressler
  • Elsbeth Emmerich
  • Effie Engel
  • Hedwig Ertl
  • Inge Fehr
  • Joachim Fest
  • Johannes Fest
  • Fritz Fink
  • Erich Fromm
  • August von Galen
  • Marianne Gärtner
  • Fritz Gerlich
  • Ima Grese
  • Gustaf Gründgens
  • Magda Goebbels
  • Adam Grolsch
  • Franz Gürtner
  • Erwin Hammel
  • Reinhold Hanisch
  • Veit Harlan
  • Fritz Hartnagel
  • Konrad Heiden
  • Martin Heidegger
  • Armin Hertz
  • Rolf Heberer
  • Lina Heydrich
  • Gudrun Himmler
  • Heinrich Himmler
  • Margarete Himmler
  • Ilse Hirsch
  • Henriette Hoffmann
  • Stephanie von Hohenlohe
  • Ernst Jünger
  • Hans Junge
  • Traudl Junge
  • Gustav von Kahr
  • Wolfgang Kapp
  • Erich Kempka
  • Egon Erwin Kisch
  • Erich Klausener
  • Erich Koch
  • Hildegard Koch
  • Ilha Koch
  • Ilse Koehn
  • Agosto Kubizek
  • Anne Lehmann
  • Wilhelm Leuschner
  • Herbert Lutz
  • Inge Neuberger
  • Ernst Oberfohren
  • Friedrich Olbricht
  • Franz von Papen
  • Hedwig Potthast
  • Thomas Mann
  • Melita Maschmann
  • Emil Maurice
  • Karl Mayr
  • Hans Mend
  • Ruth Mendel
  • Unity Mitford
  • Renate Mueller
  • Arthur Nebe
  • Inge Neuberger
  • Rudolf Olden
  • Franz von Papen
  • Irmgard Paul
  • Leopold Potsch
  • Adolf Rall
  • Geli Raubal
  • Karma Rauhut
  • Maria reiter
  • Leni Riefenstahl
  • Karl Ritter
  • Lord Rothermere
  • Alfons Sack
  • Ernst Schmidt
  • Helga Schmidt
  • Elisabeth Scholl
  • Magdalena Scholl
  • Robert Scholl
  • Werner Scholl
  • Gertrud Scholtz-Klink
  • Christa Schroeder
  • William L. Shirer
  • Truman Smith
  • Josef Stone
  • Fritz Tobias
  • Ernst Torgler
  • Bert Trautmann
  • Tomi Ungerer
  • Rebecca Weisner
  • Christa Wolf
  • Johanna lobo
  • Gerda Zorn
  • Konrad Adenauer
  • Hannah Arendt
  • Karl Barth
  • Ludwig Beck
  • Ernst Bergmann
  • Eduard Bernstein
  • Heinrich Blücher
  • Dietrich Bonhoffer
  • Klaus Bonhoffer
  • Willy Brandt
  • Rudolf Breitscheid
  • Bertolt Brecht
  • Axel von dem Bussche
  • Georgi Dimitrov
  • Otto Dix
  • Hans Dohnanyi
  • Erich Fellgiebel
  • Frank Foley
  • Viktor Frankl
  • Kurt Gerstein
  • Hans Gisevius
  • Carl Goerdeler
  • Willi Graf
  • Christiane Grautoff
  • George Grosz
  • Herschel Grynszpan
  • Heinrich Gruber
  • Werner von Haeften
  • Falk Harnack
  • Paul von Hase
  • Ulrich von Hassell
  • John Heartfield
  • Wolf von Helldorf
  • Hans Hirzel
  • Susanne Hirzel
  • Erich Hoepner
  • Casar von Hofacker
  • Erich Honecker
  • Kurt Huber
  • Otto john
  • Jakob Kaiser
  • Egon Erwin Kisch
  • Edwald Kleist-Schmenzin
  • Gunther von Kluge
  • Kathe Kollwitz
  • Heinz Kucharski
  • Traute Lafrenz
  • Carl Langbehn
  • Julius Leber
  • Hans Leipelt
  • Katharina Leipelt
  • Marinus van der Lubbe
  • Erika Mann
  • Heinrich Mann
  • Klaus Mann
  • Helmuth von Moltke
  • Josef Muller
  • Erich Mühsam
  • Zenzl Mühsam
  • Willie Munzenberg
  • Martin Niemöller
  • Hans Ulrich von Oertzen
  • Hans Oster
  • Friedrich Olbricht
  • Rudolf Olden
  • Erwin Piscator
  • Hubert Pollack
  • Johannes Popitz
  • Blagoi Popov
  • Christoph Probst
  • Albrecht Metz von Quirnheim
  • Lilo Ramdohr
  • Adolf Reichwein
  • Kurt Rosenfeld
  • Greta Rothe
  • Fabian Schlabrendorff
  • Alexander Schmorell
  • Hans Scholl
  • Inge Scholl
  • Sophie Scholl
  • Richard Sorge
  • Claus von Stauffenberg
  • Günther Stern
  • Helmuth Stief
  • Carl-Heinrich von Stülpnagel
  • Vassili Tanev
  • Ernst Thalmann
  • Karl Freiherr von Thüngen
  • Ernst Toller
  • Henning von Tresckow
  • Adam von Trot
  • Walter Ulbricht
  • Eduard Wagner
  • Josef Wirmer
  • Juegen Wittenstein
  • Erwin von Witzleben
  • Peter von Wartenburg
  • Clara Zetkin
  • Jurgen von Arnium
  • Hermann Balck
  • Fritz Bayerlein
  • Ludwig Beck
  • Werner von Blomberg
  • Guenther Blumentritt
  • Fedor von Bock
  • Heinrich von Brauchitsch
  • Ernst Busch
  • Wilhelm Canaris
  • Kurt Daluege
  • Joseph Dietrich
  • Karl Doenitz
  • Adolf Eichmann
  • Alexander von Falkenhausen
  • Werner von Fitsch
  • Erich Fromm
  • Adolf Galland
  • Hermann Goering
  • Heinz Guderian
  • Franz Halder
  • Erich Hartmann
  • Kurt Hammerstein-Equord
  • Gotthard Heinrici
  • Adolf Heusinger
  • Erich Hoepner
  • Herman Hoth
  • Hans Hube
  • Alfred Jodl
  • Wilhelm Keitel
  • Albert Kesselring
  • Paul von Kleist
  • Gunther von Kluge
  • George von Kuechler
  • Wilhelm Leeb
  • Joachim Lemelsen
  • Siegmund List
  • Erich von Manstein
  • Hasso Manteuffel
  • Erhard Miltch
  • Walther Model
  • Werner Moelders
  • Walther Nehring
  • Freidrich Paulus
  • Gunther Prien
  • Erich Raeder
  • Walther von Reichenau
  • Wolfram von Richthofen
  • Erwin Rommel
  • Hans Ulrich Rudel
  • Gerd von Rundstedt
  • Friedrich Schorner
  • Fabin Schlabrendorff
  • Kurt von Schleicher
  • Rudolf Schmundt
  • Hans von Seeckt
  • Fridolin von Senger
  • Otto Skorzeny
  • Hans Speidel
  • Hugo Sperrle
  • Jürgen Stroop
  • George Stumme
  • Kurt Student
  • Carl Stulpnagel
  • Kurt von Tippelskirch
  • Wilhelm von Thoma
  • Henning von Tresckow
  • Ernst Udet
  • Heinrich Vietinghoff
  • Walther Warlimont
  • Siegfried Westphal
  • Karl Wolff
  • Erwin von Witzleben
  • Kurt Zeitzler
  • Exército alemão
  • Sturm Abteilung (SA)
  • Marinha alemã
  • Luftwaffe
  • Schutz Staffeinel (SS)
  • Waffen SS
  • Alemanha nazista
  • A infância de Adolf Hitler
  • Daily Mail e Adolf Hitler
  • Adolf Hitler e a Primeira Guerra Mundial
  • O Partido dos Trabalhadores Alemães
  • Quem ateou fogo ao Reichstag?
  • Adolf Hitler, o Orador
  • Sindicatos na Alemanha nazista
  • A Juventude Hitlerista
  • Sturmabteilung (SA)
  • Dia D: Abrindo a Segunda Frente
  • Liga Alemã de Meninas
  • Noite das Facas Longas
  • Estudo de caso: Sophie Scholl
  • Avaliação do Pacto Nazi-Soviético
  • Jornais britânicos e Adolf Hitler
  • Kristallnacht
  • Grupo Rosa Branca Anti-nazista
  • Adolf Hitler v John Heartfield
  • Mulheres na Alemanha nazista
  • Volkswagen de Hitler
  • Heinrich Himmler e a SS
  • Assassinato de Reinhard Heydrich
  • Últimos dias de Adolf Hitler

Uma breve história do Partido Nazista

O Partido Nazista foi um partido político na Alemanha, liderado por Adolf Hitler de 1921 a 1945, cujos princípios centrais incluíam a supremacia do povo ariano e culpar judeus e outros pelos problemas dentro da Alemanha. Essas crenças extremas eventualmente levaram à Segunda Guerra Mundial e ao Holocausto. No final da Segunda Guerra Mundial, o Partido Nazista foi declarado ilegal pelas Potências Aliadas de ocupação e oficialmente deixou de existir em maio de 1945.

(O nome "nazista" é na verdade uma versão abreviada do nome completo do partido: Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei ou NSDAP, que se traduz como "Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães".)


Hoje na história do trabalho: nazistas destroem sindicatos

Em 2 de maio de 1933, as tropas de assalto de Adolf Hitler e # 8217 ocuparam todas as sedes sindicais em toda a Alemanha, e os líderes sindicais foram presos e colocados em campos de prisão ou de concentração. Muitos foram espancados e torturados. Todos os fundos sindicais & # 8217 & # 8211 em outras palavras, o dinheiro dos trabalhadores & # 8217 & # 8211 foram confiscados. Ex-dirigentes sindicais foram colocados em listas negras, impedindo-os de encontrar trabalho.

Este foi um dos primeiros atos de Hitler e dos nazistas, que acabavam de chegar ao poder na Alemanha alguns meses antes, em janeiro de 1933. O movimento operário alemão era um dos maiores e mais fortes do mundo, com cerca de 7 milhões de membros no momento. Os nazistas, assim como alguns da extrema direita em nosso próprio país naquela época e agora, viram que os sindicatos exerciam um poder significativo ao representar os interesses dos trabalhadores e ao promover uma perspectiva humanitária democrática entre os trabalhadores. Os sindicatos representaram uma barreira ao esforço nazista de controlar todas as áreas da vida e criar um estado corporativo-fascista. Portanto, os nazistas priorizaram a eliminação dos sindicatos na Alemanha.

Em seu lugar, Hitler criou uma & # 8220German Labour Front & # 8221 que incluía empregadores e trabalhadores. Sob o pretexto de fornecer benefícios e serviços aos trabalhadores, apoiou a agenda nazista racista e pró-corporativa e espalhou a propaganda nazista entre os trabalhadores. Os judeus foram proibidos de ser membros. A negociação coletiva e o direito de greve foram proibidos. O pagamento e as condições de trabalho foram decididos pelos funcionários de Hitler. Como resultado, os salários foram congelados e a semana de trabalho média aumentou 20% em apenas alguns anos.

A destruição de sindicatos por Hitler foi apoiada por importantes líderes empresariais alemães e políticos conservadores que compartilhavam do medo nazista de uma revolução socialista durante a turbulenta década de 1920 e início da década de 821730. Muitas dessas pessoas queriam restrições ou abolição completa dos sindicatos, que eles sentiam que haviam se tornado & # 8220muito poderosos. & # 8221 Esta foi uma das razões pelas quais muitos conservadores ajudaram os nazistas a chegar ao poder e aderiram ou apoiaram o governo de Hitler & # 8217.

Entre 1933 e 1945, milhares de sindicalistas alemães foram presos e encarcerados e muitos foram torturados, executados ou enviados para campos de concentração.

Assim, a derrota de Hitler e a libertação da Alemanha do nazismo representaram uma vitória importante para a classe trabalhadora da Alemanha e do resto do mundo. Mas a luta pelos direitos trabalhistas continua, como vemos diariamente em nosso próprio país.

Foto: Comunistas e sindicalistas estavam entre os primeiros alvos de Hitler. Aqui, os nazistas se manifestam em frente à sede do Partido Comunista Alemão (KPD) em 1933 em Berlim. Os slogans no prédio incluem: Contra a guerra, fascismo, fome & # 8230 por trabalho, pão e liberdade. Robert Sennecke, Biblioteque nationale de France, Wikimedia Commons


Marechal de Campo do Exército Alemão (Wehrmacht), Chefe do Alto Comando Supremo das Forças Armadas Alemãs (OKW) e Chefe da Defesa da Alemanha, Chefe do Estado-Maior de Hitler.

Chefe da Chancelaria do Partido Nazista (uma função anteriormente chamada de Vice-Fuhrer até que Hess desertou e Bormann o substituiu pelo novo título), Secretário Pessoal Privado de Hitler, controlando todas as informações passadas de e para Hitler e controlador de todo acesso pessoal a Hitler. Ele tinha a aprovação final sobre toda a legislação e controle de fato sobre todos os assuntos domésticos.


O partido nazista

Em 5 de janeiro de 1919, Anton Drexler juntamente com Gottfried Feder e Dietrich Eckart fundaram o Deutsche Arbeiterpartei DAP (Partido dos Trabalhadores Alemães & # 8217). Drexler queria formar um partido que apoiasse a força de trabalho alemã. Desde o início, o partido tendeu para a política de direita. Era nacionalista, racista, anti-semético, anti-capitalista, anti-comunista e determinado a ver um retorno à Alemanha pré-guerra.

Embora o grupo tivesse apenas cerca de 40 membros em 1919, as autoridades estavam preocupadas que pudesse ser um grupo comunista e então enviaram um agente de inteligência do exército, Adolf Hitler, para investigar.

Em 12 de setembro de 1919, Adolf Hitler participou de uma reunião do Partido dos Trabalhadores Alemães & # 8217. Durante a reunião, foi levantado um ponto com o qual Hitler discordou e fez um discurso apaixonado contra. Anton Drexler ficou impressionado com a habilidade de Hitler e # 8217 de falar bem e o convidou para se juntar à festa. Após alguma persuasão, Hitler concordou. Ele foi a quinquagésima quinta pessoa a se juntar ao grupo. (Mais tarde, ele mudou seu cartão de membro para mostrar que ele era a 7ª pessoa).

Em 24 de fevereiro de 1920, o nome do grupo foi alterado para Deutsche Nationalsozialistische Arbeiterpartei NSDP Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães & # 8217, conhecido como Partido Nazista. Como parte de seu relançamento, o partido publicou seu programa de 25 pontos:

1. Exigimos a unificação de todos os alemães na Grande Alemanha com base no direito à autodeterminação dos povos.

2. Exigimos igualdade de direitos para o povo alemão em relação às outras nações, a revogação dos tratados de paz de Versalhes e St. Germain.

3. Exigimos terras e territórios (colônias) para o sustento de nosso povo e colonização para nossa população excedente.

4. Apenas um membro da raça pode ser cidadão. Um membro da raça só pode ser aquele que tem sangue alemão, sem consideração de credo. Conseqüentemente, nenhum judeu pode ser membro da raça.

5. Quem não tem nacionalidade só pode viver na Alemanha como hóspede e deve estar sujeito à legislação para estrangeiros.

6. O direito de decidir sobre assuntos administrativos e jurídicos só pertence ao cidadão. Portanto, exigimos que todo cargo público, de qualquer tipo, seja no Reich, no condado ou no município, seja preenchido apenas por cidadãos. Combatemos a corrupção da economia parlamentar, ocupando cargos apenas de acordo com as inclinações partidárias, sem consideração de caráter ou habilidades.

7. Exigimos que o estado seja encarregado primeiro de fornecer oportunidades de sustento e estilo de vida para os cidadãos. Se for impossível sustentar a população total do Estado, os membros de nações estrangeiras (não cidadãos) serão expulsos do Reich.

8. Qualquer nova imigração de não cidadãos deve ser evitada. Exigimos que todos os não alemães, que imigraram para a Alemanha desde 2 de agosto de 1914, sejam obrigados a deixar imediatamente o Reich.

9. Todos os cidadãos devem ter direitos e obrigações iguais.

10. A primeira obrigação de todo cidadão deve ser trabalhar tanto espiritual como fisicamente. A atividade dos indivíduos não é para contrariar os interesses da universalidade, mas deve ter seu resultado dentro da estrutura do todo para o benefício de todos. Conseqüentemente, exigimos:

11. Abolição de rendimentos não ganhos (trabalho e mão-de-obra). Quebra da escravidão do aluguel.

12. Em consideração ao monstruoso sacrifício de bens e sangue que cada guerra exige do povo, o enriquecimento pessoal através da guerra deve ser considerado um crime contra o povo. Portanto, exigimos o confisco total de todos os lucros da guerra.

13. Exigimos a nacionalização de todas as indústrias (anteriores) associadas (trustes).

14. Exigimos uma divisão dos lucros de todas as indústrias pesadas.

15. Exigimos uma expansão em grande escala do bem-estar para os idosos.

16. Exigimos a criação de uma classe média sã e a sua conservação, a comunalização imediata dos grandes armazéns e o seu arrendamento a baixo custo a pequenas empresas, a máxima consideração de todas as pequenas empresas em contratos com o Estado, município ou município.

17. Exigimos uma reforma agrária adequada às nossas necessidades, disposição de uma lei para a desapropriação gratuita de terras para fins de utilidade pública, abolição dos impostos sobre a terra e prevenção de toda especulação fundiária.

18. Exigimos luta sem consideração contra aqueles cuja atividade é prejudicial ao interesse geral. Criminosos nacionais comuns, usurários, Schieber e assim por diante devem ser punidos com a morte, sem consideração de confissão ou raça.

19. Exigimos a substituição de um direito consuetudinário alemão no lugar do direito romano que serve a uma ordem mundial materialista.

20. O Estado deve ser responsável por uma reconstrução fundamental de todo o nosso programa nacional de educação, para permitir que todo alemão capaz e trabalhador obtenha educação superior e subseqüentemente seja introduzido em posições de liderança. Os planos de instrução de todas as instituições educacionais devem conformar-se com as experiências da vida prática. A compreensão do conceito de Estado deve ser buscada pela escola [Staatsbuergerkunde] desde o início do entendimento. Exigimos a educação às custas do Estado de filhos excepcionalmente dotados intelectualmente de pais pobres, sem consideração de posição ou profissão.

21. O Estado deve zelar pela elevação da saúde nacional, protegendo a mãe e o filho, banindo o trabalho infantil, pelo incentivo à aptidão física, por meio do estabelecimento legal da obrigatoriedade da ginástica e do esporte, com o máximo apoio da todas as organizações preocupadas com a instrução física dos jovens.

22. Exigimos a abolição das tropas mercenárias e a formação de um exército nacional.

23. Exigimos oposição legal a mentiras conhecidas e sua divulgação pela imprensa. Para permitir o fornecimento de uma imprensa alemã, exigimos que:

uma. Todos os escritores e funcionários dos jornais publicados na língua alemã devem ser membros da corrida:

b. Os jornais não alemães devem ter a permissão expressa do Estado para serem publicados. Eles não podem ser impressos na língua alemã:

c. Os não alemães são proibidos por lei de qualquer interesse financeiro em publicações alemãs, ou qualquer influência sobre elas, e como punição por violações o fechamento de tal publicação, bem como a expulsão imediata do Reich do não alemão em questão. Publicações que sejam contrárias ao bem geral devem ser proibidas. Exigimos o processo legal de formas artísticas e literárias que exercem uma influência destrutiva em nossa vida nacional, e o fechamento de organizações que se opõem às demandas feitas acima.

24. Exigimos liberdade religiosa para todas as denominações religiosas dentro do estado, desde que não ponham em risco sua existência ou se oponham aos sentidos morais da raça germânica. O Partido, como tal, defende o ponto de vista de um cristianismo positivo sem se vincular confessionalmente a nenhuma denominação. Combate o espírito materialista judaico dentro e ao nosso redor, e está convencido de que uma recuperação duradoura de nossa nação só pode ter sucesso a partir de dentro da estrutura: a utilidade comum precede a utilidade individual.

25. Para a execução de tudo isso, exigimos a formação de um forte poder central no Reich. Autoridade ilimitada do parlamento central sobre todo o Reich e suas organizações em geral. A formação de câmaras estaduais e profissionais para a execução das leis feitas pelo Reich nos vários estados da confederação. Os líderes do Partido prometem, se necessário com o sacrifício de suas próprias vidas, apoiar pela execução dos pontos expostos acima sem consideração.

Ano


Alemanha nazista

Correndo o risco de parecer estar falando bobagem, digo a vocês que o movimento nazista durará 1.000 anos!

Adolf Hitler a um jornalista britânico

No início da década de 1930, o Partido Nazista de Adolf Hitler explorou o descontentamento generalizado e arraigado na Alemanha para atrair apoio popular e político. Havia ressentimento com os termos terríveis, militares e econômicos do Tratado de Versalhes, que Hitler atribuiu a políticos traiçoeiros e prometeu derrubar. A República de Weimar democrática pós-Primeira Guerra Mundial foi marcada por um governo de coalizão fraco e crise política, em resposta à qual o partido nazista ofereceu uma liderança forte e renascimento nacional. De 1929 em diante, a depressão econômica mundial provocou hiperinflação, agitação social e desemprego em massa, aos quais Hitler ofereceu bodes expiatórios como os judeus.

Hitler prometeu paz civil, políticas econômicas radicais e a restauração do orgulho nacional e da unidade. A retórica nazista era virulentamente nacionalista e anti-semita. Os judeus "subversivos" foram retratados como responsáveis ​​por todos os males da Alemanha.

Nas eleições federais de 1930 (que se seguiram ao Crash de Wall Street), o Partido Nazista ganhou 107 cadeiras no Reichstag (o Parlamento Alemão), tornando-se o segundo maior partido. No ano seguinte, mais que dobrou suas cadeiras. Em janeiro de 1933, o presidente von Hindenburg nomeou Hitler como chanceler, acreditando que os nazistas poderiam ser controlados de dentro do gabinete. Hitler começou a consolidar seu poder, destruindo a democracia de Weimar e estabelecendo uma ditadura. Em 27 de fevereiro, o Reichstag incendiou o comunista holandês Marianus van der Lubbe, que foi encontrado lá dentro, preso e acusado de incêndio criminoso. Com o Partido Comunista desacreditado e banido, os nazistas aprovaram o Decreto de Incêndio do Reichstag, que reduziu drasticamente as liberdades civis.

Leia mais sobre: ​​Hitler

10 coisas que você não sabia sobre Hitler

Em março de 1933, os nazistas usaram de intimidação e manipulação para aprovar a Lei de Habilitação, que lhes permitiu aprovar leis que não precisavam ser votadas no Reichstag. No ano seguinte, os nazistas eliminaram toda a oposição política remanescente, banindo os social-democratas e forçando os outros partidos a se separarem. Em julho de 1933, a Alemanha foi declarada um estado de partido único. Na 'Noite das Facas Longas' de junho de 1934, Hitler ordenou que a Gestapo e a SS eliminassem os rivais dentro do Partido Nazista. Em 1935, as Leis de Nuremburg marcaram o início de uma perseguição anti-semita institucionalizada que culminaria na barbárie da 'Solução Final'.

Os primeiros movimentos de Hitler para derrubar o assentamento de Versalhes começaram com o rearmamento da Alemanha e, em 1936, ele ordenou a remilitarização da Renânia. Hitler tornou-se mais ousado ao perceber que a Grã-Bretanha e a França não queriam nem eram capazes de desafiar o expansionismo alemão. Entre 1936 e 1939, ele forneceu ajuda militar às forças fascistas de Franco na Guerra Civil Espanhola, apesar de ter assinado o 'Acordo de Não-Intervenção'. Em março de 1938, as tropas alemãs marcharam para a Áustria, o Anschluss foi proibido em Versalhes. O compromisso anglo-francês com o apaziguamento e a 'paz para o nosso tempo' significou que, quando Hitler provocou a 'Crise dos Sudetos', exigindo que os Sudetos fossem cedidos à Alemanha, a Grã-Bretanha e a França concordaram com suas exigências na conferência de Munique em setembro de 1938. A expansão territorial da Alemanha para o leste foi motivada pelo desejo de Hitler de unir os povos de língua alemã e também pelo conceito de Lebensraum: a ideia de fornecer aos alemães arianos um 'espaço vital'.

No final do ano, pogroms antijudaicos estouraram na Alemanha e na Áustria. Kristallnacht - um ataque orquestrado pelo Estado à propriedade judaica - resultou no assassinato de 91 judeus. Mais vinte mil foram presos e transportados para campos de concentração. Em março de 1939, a Alemanha confiscou o restante da Tchecoslováquia em agosto. Hitler assinou o Pacto Nazi-Soviético de não agressão com a URSS. O próximo passo seria a invasão da Polônia e a chegada da Segunda Guerra Mundial.

Você sabia?

Quando Adolf Hitler era um artista lutador e pobre em Viena, ele não mostrou nenhum sinal de anti-semitismo. Muitos de seus associados mais próximos no albergue onde ele morava eram judeus que o ajudaram a vender seus quadros.

Durante as Olimpíadas de Berlim de 1936, Hitler se recusou a apertar a mão do afro-americano Jesse Owens, que ganhou quatro medalhas de ouro. No entanto, quando questionado sobre isso, Owens disse: Hitler não me desprezou - foi FDR quem me esnobou. O presidente nem me mandou um telegrama.


Após a Segunda Guerra Mundial, a maioria dos "nazistas comuns" voltou a viver na obscuridade. O mundo deve recuperar suas histórias antes que seja tarde demais

Entre as inúmeras tragédias da atual crise do COVID-19 está o grande número de sobreviventes do Holocausto que estão entre as vítimas da doença. Nas últimas semanas, jornais de todo o mundo publicaram obituários comoventes de judeus que, há mais de três quartos de século, fugiram da perseguição, se esconderam ou sobreviveram aos horrores dos campos de concentração. Vários desses tributos refletiram até mesmo sobre um mundo em um futuro não muito distante, no qual não haverá mais sobreviventes do Holocausto para compartilhar seu testemunho. Com os educadores cientes desta situação, hologramas dos sobreviventes restantes foram produzidos, para que as gerações futuras possam fazer perguntas sobre a vida na Europa dos anos 1930 e 1940.

Mas enquanto os sobreviventes do Holocausto de primeira e segunda geração muitas vezes não são estranhos à exposição pública que vem com a educação de suas comunidades sobre o passado, o mesmo não pode ser dito para a maioria dos ex-nazistas e filhos de perpetradores, cuja participação ou relacionamento com o O Terceiro Reich não passou pelo mesmo nível de interesse público ou escrutínio.

Após a guerra, a maioria dos nazistas comuns & mdashGestapo agentes, auxiliares do S.S. e S.A., membros do partido e funcionários do governo, bem como cidadãos alemães que abraçaram a retórica do partido & rsquos & mdashfaded em relativa obscuridade e foram capazes de criar novas identidades falsas e romper com seu passado. Eles foram auxiliados por um silêncio dentro das famílias e dentro da política que persistiu por décadas. Quando ocorreram os julgamentos pós-guerra contra os nazistas, eles geralmente ignoraram funcionários de baixo escalão e assassinos e objetivaram condenar apenas membros proeminentes do regime. Entre 1945 e 1958, apenas 6.093 ex-nazistas foram condenados por terem cometido um crime & mdasha gota no oceano quando lembramos que em 1945 o partido nazista tinha oito milhões de membros. Apesar das inúmeras pessoas apanhadas no nazismo antes e durante a Segunda Guerra Mundial, a maioria de nós pode, hoje, citar apenas um punhado de nazistas, quase sempre aqueles que fizeram parte do círculo interno de Hitler.

Nesse contexto, não é surpreendente que não vejamos com frequência histórias nos jornais alemães sobre os perpetradores do Holocausto ou seus descendentes sendo afetados pelo vírus. Olhando para os números, descobrimos que mais de 5.000 das 8.700 mortes relacionadas ao COVID na Alemanha eram pessoas com mais de 80 anos. A lógica dita que muitas dessas pessoas, que seriam crianças ou adolescentes se vivessem na Alemanha durante o O Terceiro Reich provavelmente teve pais que constituíram Hitler e milhões de seguidores sem nome e sem rosto. Outras fatalidades do novo coronavírus na Alemanha ocorreram no final da adolescência e até no início dos 20 anos durante a Segunda Guerra Mundial, mais de 1.600 dos que morreram tinham mais de 90 anos, enquanto dezenas tinham mais de cem.

Assim como começamos a imaginar um mundo sem sobreviventes, o desaparecimento daqueles com memórias de primeira mão da vida sob o nazismo nos obriga a parar por um momento e fazer perguntas sobre um mundo sem perpetradores e, também, aquele que não mais contém qualquer pessoa que conheceu, cresceu com ou mesmo amou um nazista.

Perder essas memórias é importante. Para entender o funcionamento interno do Terceiro Reich, precisamos conhecer não apenas seus líderes, mas os nazistas comuns que formaram suas fileiras, cujo papel na guerra e no genocídio desapareceram dos registros históricos. O ato de recuperar as vozes dos perpetradores lança luz sobre o consentimento e a conformidade sob a suástica, permitindo-nos fazer novas perguntas sobre responsabilidade, culpa e manipulação.

Em 2011, um estofador em Amsterdã encontrou um maço de documentos cobertos com a suástica dentro da almofada de uma poltrona que estava consertando. Os papéis pertenciam a Robert Griesinger, um advogado de Stuttgart que era membro da SS e trabalhava para o Reich em Praga ocupada pelos nazistas. Jana, a poltrona e rsquos proprietária tcheca, comprou a cadeira quando era estudante em Praga na década de 1960. Como historiador profissional da Segunda Guerra Mundial, que por acaso era conhecido pela filha de Jana & rsquos, fui convidado a investigar o mistério dos papéis escondidos. Eu imediatamente comecei a descobrir mais sobre este oficial do S.S., que não foi mencionado em nenhum livro sobre a Praga ocupada ou em qualquer lugar online. Os resultados se tornaram meu novo livro The S.S. Officer & rsquos Poltrona.

Minha busca por Griesinger duraria cinco anos. Isso me levaria a cidades provinciais alemãs onde ele havia estudado e trabalhado e a arquivos e bibliotecas em toda a Europa e América. Descobri cedo que Griesinger não era tão alemão quanto eu pensava e que seu pai, nascido em Nova Orleans, vinha de uma família que possuía escravos na Louisiana. Griesinger cresceu em uma família militar conservadora, que & mdashas era típica para a época e lugar & mdashs culpou os judeus por iniciarem a Grande Guerra. Não era inevitável que Griesinger se voltasse para o nazismo, mas foi impressionante a rapidez com que se adaptou a ele. Como um jovem oficial legal que buscava estabelecer uma carreira em um cenário político sem precedentes, Griesinger nem mesmo era um membro do partido nazista no início de 1933, mas dentro de um ano ele se juntou a uma série de organizações nazistas, incluindo a SS, como um canal para progressão na carreira.

Mais tarde, consegui rastrear suas filhas e até li o diário de sua mãe. Sua história ofereceu um lembrete assustador de como pessoas comuns, não monstros, criaram o regime nazista e seus crimes hediondos.

Retornar textura e agência a um desses perpetradores permite que Griesinger substitua os milhares de nazistas comuns anônimos, cuja culpabilidade generalizada causou estragos em incontáveis ​​vidas e cujas biografias, até agora, nunca viram a luz do dia. Tantas outras histórias como a sua nunca foram postas no papel e, dado o rápido declínio do número de pessoas que ainda são capazes de se lembrar de elementos pessoais desses indivíduos, questiona-se se algum dia serão escritas.


Evacuação e Libertação de Buchenwald

Quando as forças soviéticas entraram na Polônia ocupada pelos alemães, os alemães evacuaram milhares de prisioneiros dos campos de concentração alemães nazistas. Depois de longas e brutais marchas, mais de 10.000 prisioneiros fracos e exaustos de Auschwitz e Gross-Rosen, a maioria deles judeus, chegaram a Buchenwald em janeiro de 1945. Em fevereiro, o número de prisioneiros em Buchenwald chegou a 112.000.

No início de abril de 1945, quando as forças dos EUA se aproximaram do campo, os alemães começaram a evacuar cerca de 28.000 prisioneiros do campo principal e vários milhares de prisioneiros adicionais dos subcampos de Buchenwald. Não há registros de mortes resultantes de fome, exposição, exaustão ou assassinato por guardas.

The underground resistance organization in Buchenwald, whose members held key administrative posts in the camp, saved many lives. They obstructed Nazi orders and delayed the evacuation.

On April 11, 1945, in expectation of liberation, prisoners stormed the watchtowers. They seized control of the camp. Later that afternoon, US forces entered Buchenwald. Soldiers from the 6th Armored Division, part of the Third Army, found more than 21,000 people in the camp.

Between July 1937 and April 1945, the SS imprisoned some 250,000 persons from all countries of Europe in Buchenwald. Exact mortality figures for the Buchenwald site can only be estimated, as camp authorities never registered a significant number of the prisoners. The SS murdered at least 56,000 male prisoners in the Buchenwald camp system. Some 11,000 of them were Jews.


Nazi Germany (Leaders & Main Events) Revision - History

This site contains the complete Treaty of Versailles as well as maps and related material.

This site discusses many of the ideas contained within Mein Kampf.

After Hitler was released from prison, he formally resurrected the Nazi Party. Hitler began rebuilding and reorganizing the Party, waiting for an opportune time to gain political power in Germany. The Conservative military hero Paul von Hindenburg was elected president in 1925, and Germany stabilized.

Hitler skillfully maneuvered through Nazi Party politics and emerged as the sole leader. The Führerprinzip, or leader principle, established Hitler as the one and only to whom Party members swore loyalty unto death. Final decision making rested with him, and his strategy was to develop a highly centralized and structured party that could compete in Germany's future elections. Hitler hoped to create a bureaucracy which he envisioned as "the germ of the future state."

The Nazi Party began building a mass movement. From 27,000 members in 1925, the Party grew to 108,000 in 1929. The SA was the paramilitary unit of the Party, a propaganda arm that became known for its strong arm tactics of street brawling and terror. The SS was established as an elite group with special duties within the SA, but it remained inconsequential until Heinrich Himmler became its leader in 1929. By the late twenties, the Nazi Party started other auxiliary groups. The Hitler Youth , the Student League and the Pupils' League were open to young Germans. The National Socialist Women's League allowed women to get involved. Different professional groups--teachers, lawyers and doctors--had their own auxiliary units.

Reich president Paul von Hindenburg's advisers persuaded him to invoke the constitution's emergency presidential powers. These powers allowed the president to restore law and order in a crisis. Hindenburg created a new government, made up of a chancellor and cabinet ministers, to rule by emergency decrees instead of by laws passed by the Reichstag. So began the demise of the Weimar democracy.

Heinrich Brüning was the first chancellor under the new presidential system. He was unable to unify the government, and in September 1930, there were new elections. The Nazi Party won an important victory, capturing 18.3% of the vote to make it the second largest party in the Reichstag.

The Great Depression has a large impact on Germany.

Germany's government remained on the brink of collapse. The SA brownshirts, about 400,000 strong, were a part of daily street violence. The economy was still in crisis. In the election of July 1932, the Nazi Party won 37% of the Reichstag seats, thanks to a massive propaganda campaign. For the next six months, the most powerful German leaders were embroiled in a series of desperate political maneuverings. Ultimately, these major players severely underestimated Hitler's political abilities.

A more complete account of the complexity of German politics in 1932 is available.

Interactive quiz on the rise of the Nazi Party.

Lesson plans, discussion questions, term paper topics, reproducible handouts, and other resources for teaching about the rise of the Nazi Party are available here.


The ugly history of ‘Lügenpresse,’ a Nazi slur shouted at a Trump rally

BERLIN — When a video of two Donald Trump supporters shouting “Lügenpresse” (lying press) started to circulate Sunday, viewers from Germany soon noted its explosive nature. The defamatory word was most frequently used in Nazi Germany. Today, it is a common slogan among those branded as representing the “ugly Germany”: members of xenophobic, right-wing groups.

Its use across the Atlantic Ocean at a Trump rally has worried Germans who know about its origins all too well. Both the Nazi regime and the East German government made use of it, turning it into an anti-democracy slogan.

“Lügenpresse” was branded a taboo word in Germany in 2015 by an academic panel after anti-Islam movements, such as Pegida, started using it more frequently in the presence of journalists. As in the United States, trust in mainstream media is on the decline in Germany.

The verbal attacks against journalists soon turned into physical violence in Germany. At times, media members were unable to cover the Pegida-organized protest marches without private security personnel. Some reporters who risked going in without bodyguards were beaten up. It is without doubt that the word “Lügenpresse” has an extremely ugly meaning in modern-day Germany.

Its history is even worse, though.

The term emerged way before the Nazis took over in Germany. For instance, the German Defense Ministry released a book titled “The Lügenpresse of Our Enemies” in 1918 during World War I. According to the Frankfurter Allgemeine Zeitung newspaper, the term was coined by Reinhold Anton in 1914. In books, Anton used the term mainly in a foreign context to refer to “enemy propaganda.” It is unclear whether Anton was a pseudonym.

At that time, the word was used more descriptively. A decade later, it had turned into an explosive and stigmatizing propaganda slogan, used to stir hatred against Jews and communists. Critics of Adolf Hitler's regime were frequently referred to as members of the “Lügenpresse apparatus.”

Until today, the word has an anti-Semitic connotation, and it implies hatred not only against journalists but against everyone who opposes the “will of the people.” That abstract concept emerged during World War II when Hitler sought to propagate the idea that Germans were a "master race" superior to all others, especially Jews and Slavic people.

The consequences of that rhetoric — of which the term “Lügenpresse” was an important component under propaganda minister Joseph Goebbels — were horrifying. Millions of people were killed in concentration camps by the Nazis, including Jews, political opponents and homosexuals.

Although the word disappeared from public discourse for almost half a century in democratic West Germany, it continued to flourish in communist East Germany, where it was used to condemn Western countries, including the United States.


Concentration camps in Nazi Germany

Concentration camps in Nazi Germany served a number of purposes. First, these camps were used to jail those who opposed Hitler’s government or were thought to threaten it. Second, knowledge of what life was like in a concentration camp was allowed to leak out – or came out when someone was released. The fear of ending up in such a camp was sufficient for a great many Germans to openly declare their loyalty to Hitler even if this was not the case. Therefore for the Nazi leaders, concentration camps served the dual purpose of controlling the majority of the population because of the fear they engendered and also locking away those who crossed the line- a line imposed by the Nazi government.

Hitler had no issues with the harshness of these institutions. Even before he became Chancellor in January 1933 he said to Hermann Rauschning:

“We must be ruthless. We must regain our clear conscience as to ruthlessness. Only thus shall we purge our people of their softness and sentimental philistinism, of their easy going nature and their degenerate blight in beer-swilling. We have no time for fine sentiments. I don’t want the concentration camps transferred into penitentiary institutions. Terror is the most effective instrument. I shall not permit myself to be robbed of it simply because a lot of stupid, bourgeois mollycoddlers choose to be offended by it.”

Officially concentration camps were to “reform” those who had expressed opposition to Hitler’s regime and to turn “anti-social members of society into useful members”. Hitler argued that the Weimar constitution made such camps legal but just in case this was not the case, a law was passed on February 28 th 1933 that suspended the personal liberties of dissenters and allowed for them to be kept in “protective custody”.

The first concentration established in Nazi Germany was at Dachau. As the name of the camps suggest, these camps incarcerated a large number of people into a relatively small area – i.e. concentrated their numbers into a small space. Dachau served southern Germany. Very quickly concentration camps were also established at Buchenwald that served middle Germany, and Sachsenhausen that served northern Germany. Others were built at places such as Ravensbrück (for women), Mauthausen in Austria, Flossenberg and Bergen-Belsen.

Those arrested and put into “protective custody” included Jews, trade unionleaders, Socialists, Communists, Roman Catholics and Protestants. In fact, anyone who deviated from Gleichshaltung could be included.

Before the start of World War Two, it is thought that 200,000 people had been sent to a concentration camp. Some were sentenced to a short term in the hope that they would have ‘learned their lesson’ by the time they were released. Others spent far longer in these camps. Those sent to a concentration camp frequently had no trial and consequently they had no right of appeal against the sentence. When World War Two broke out in September 1939 it is known that at that time there were 50,000 inmates in the camps. During the war, the number of inmates greatly increased.

Inmates were put into four groups: political opponents, members of “inferior races”, criminals and the “shiftless element”. Those classed as criminals found the group subdivided further into BV’s and SV’s. BV’s were criminals who had served several short stays in the camps and had been sentenced to another one. SV’s were in secure custody and were serving long term sentences. Homosexuals were classed as part of the “shiftless element” group and post-war research found that they were especially pick-out by guards for appalling treatment and their fatality rate in the camps was very high.

All concentration camp inmates had to wear a sign on their clothing that indicated what group they were from. The sign was worn on the left breast of the jacket and on the right trouser leg. Jews had to wear a yellow Star of David, homosexuals wore a pink triangle, political prisoners had to wear a red triangle while criminals wore a green triangle. Those in the camps who were deemed to be simple wore a jacket with ‘Blöd’ (Stupid) written on it. Those who the guards thought posed a threat with regards to escape had a jacket with a shooting target in red and white on the front and back of their jacket.

As the Allies advanced east and west in 1944 and 1945, camp guards did what they could to destroy any documentary evidence as to the crimes committed at these camps. However, they could not destroy all of the most obvious of evidence – the victims in the actual camps. When the Americans first entered and filmed the concentration camp at Dachau they were horrified at what they saw. The same occurred at Bergen-Belsen when the British relieved the camp. Concentration camp commandants and the guards who could be traced were punished after the war, as were the doctors at Dachau who had performed inhuman operations on camp inmates.

However, despite the arrival of the Allies, the suffering of those in the camps continued. The Allied authorities took the decision that the risk of disease spreading was so great that the inmates were confined to the camps. Food and other essential supplies were brought in but the authorities could not afford risking the spread of typhus or typhoid until that risk had passed. It was only then that a process started whereby those in the camps started their journey home.


Assista o vídeo: niemiecki nazistowski obóz koncentracyjny w Warszawie 1943-44 DYSKUSJA