Lemuel Schofield

Lemuel Schofield


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Lemuel Bradley Schofield nasceu em 1893. Ele se tornou advogado e acabou se tornando o diretor de segurança pública da Filadélfia (então os departamentos de polícia e bombeiros), e como comissário de imigração e naturalização dos EUA. Ele era casado e tinha quatro filhos.

A princesa Stephanie von Hohenlohe foi presa como espiã nazista. Em 7 de março de 1941, o presidente Franklin D. Roosevelt deu uma ordem direta ao procurador-geral dos Estados Unidos, Francis Biddle: "Essa mulher Hohenlohe deve ser retirada do país por uma questão de boa disciplina. Faça-a embarcar para o Japão ou Vladivostok. Ela é húngara e não acho que os britânicos a aceitariam. " No dia seguinte, o major Schofield ordenou a prisão da princesa Stephanie.

Poucos dias depois, Schofield a visitou no centro de detenção. De acordo com Jim Wilson, autor de Princesa nazista: Hitler, Lord Rothermere e a princesa Stephanie Von Hohenlohe (2011): "Como ela havia feito com sucesso tantas vezes antes, ela ativou seus indubitáveis ​​encantos sexuais e flertou com seu captor. Schofield dificilmente era um belo partido. Ele era obeso, com feições grandes e feias, mas tinha autoridade e influência Apesar de sua posição superior de confiança no serviço de imigração americano, Schofield sucumbiu de bom grado aos ardis sedutores da princesa. Da maneira que tantos homens influentes haviam feito antes dele, ele descobriu que não podia resistir a ela. " Em 19 de maio de 1941, em uma medida que contradizia a ordem específica do presidente, Schofield libertou-se sob fiança de $ 25.000 sob a "condição de informar ao serviço de imigração de onde morava; não fez nenhum contato com Wiedemann em San Francisco; ou teve qualquer contato com alguém outro governo estrangeiro; e não deu entrevistas nem fez quaisquer declarações públicas. "

A princesa Stephanie e sua mãe de 89 anos se mudaram para o Raleigh Hotel em Washington. Schofield também alugou um quarto no hotel. Schofield escreveu para Stephanie: "Tudo em você é novo e diferente e me deixa animado. Você é a pessoa mais interessante que já conheci. Você se veste melhor do que qualquer outra pessoa, e toda vez que entra em uma sala, todo mundo desaparece da picture ... Por sua causa eu faço tantas coisas malucas, porque estou louca por você. "

Em 8 de dezembro de 1941, um dia após o Japão realizar seu ataque surpresa a Pearl Harbor, a princesa Stephanie e sua mãe foram visitar amigos na Filadélfia. Ao sair de um cinema, Stephanie foi presa pelo FBI. Ela não teve permissão para telefonar para Lemuel Schofield e foi levada para o Centro de Imigração de Gloucester, em Nova Jersey. Pouco depois, o procurador-geral dos Estados Unidos, Francis Biddle, assinou uma ordem citando que a princesa Stephanie era um perigo potencial para a segurança pública e a paz. O FBI revistou sua casa e encontrou a Medalha de Ouro de Honra do Partido Nazista dada a ela por Adolf Hitler em 1938. Seu filho, o príncipe Franz Hohenlohe, também foi preso e internado.

O presidente Franklin D. Roosevelt ficou furioso quando descobriu que a princesa Stephanie não havia sido deportada. Ele escreveu a J. Edgar Hoover em 17 de junho de 1942: "Mais uma vez tenho que incomodá-lo sobre aquela mulher Hohenlohe. O caso beira não apenas o ridículo, mas o vergonhoso ... Se as autoridades de imigração não pararem de uma vez e para todos que mostrarem favores a Hohenlohe, serei forçado a solicitar um inquérito. Os fatos não serão muito palatáveis ​​e remontarão à sua primeira prisão e à sua intimidade com Schofield. Estou ciente de que ela está internada no centro de Gloucester, mas, segundo todos os relatos, ela goza de privilégios especiais lá. Para ser honesto, tudo isso está se transformando em um escândalo que requer uma ação extremamente drástica e imediata. "

O procurador-geral agiu imediatamente e transferiu a princesa Stephanie para um centro de internamento mais remoto, Camp Seagoville, perto de Dallas. Lemuel Schofield tentou obter privilégios especiais para ela, incluindo o direito de fazer ligações fora do acampamento. Quando isso foi descoberto, Schofield foi forçado a renunciar e voltou para a cidade de Nova York, onde desenvolveu um escritório de advocacia de sucesso. Um agente do FBI relatou que ela ficou "perturbada e emocionada" quando soube da notícia. No entanto, ele acrescentou que achava que ela era "uma atriz consumada" e que suas "emoções eram artificiais e projetadas para ganhar minha simpatia".

A princesa Stephanie foi morar com Lemuel Schofield na cidade de Nova York. De vez em quando, detalhes de seu passado nazista apareciam nos jornais. Em março de 1947, o principal colunista de jornal, Robert Ruark, com uma coluna distribuída em todos os Estados Unidos, apontou que a princesa Stephanie era uma ex-amiga próxima de Adolf Hitler e havia sido "sua espiã de maior confiança". Em julho de 1947 The San Francisco Examiner publicou uma história dizendo que ela estava sendo homenageada na sociedade de Long Island: "A princesa é muito conhecida localmente. Não favoravelmente. Ela já foi uma ardente e bem subsidiada embaixadora da boa vontade nazista."

Eles moravam em uma fazenda perto de Phoenixville, na Pensilvânia, como marido e mulher.

Lemuel Schofield morreu de ataque cardíaco em 1954.

Mais uma vez tenho que incomodá-lo com aquela mulher Hohenlohe. Para ser honesto, tudo isso está se transformando em um escândalo que exige uma ação extremamente drástica e imediata.

Após uma ausência de onze anos, Stephanie voltou à Europa para mostrar "Brad", como ela chamava Schofield, sua terra natal austríaca. No ano seguinte, o casal viajou para a Europa novamente, desta vez com as duas filhas de Schofield. Eles tinham um motorista que os conduziu pela França, Alemanha, Áustria e Itália. A filha de Schofield, Helen, mais tarde se casou com o historiador húngaro respeitado internacionalmente, John Lukacs, e Stephanie foi uma testemunha na cerimônia.

Na segunda viagem, Stephanie não resistiu e revisitou seu amado Schloss Leopoldskron. Isso trouxe de volta muitas memórias. Mas sua casa agora era Anderson Place, a bela fazenda de Schofield. Infelizmente, essa felicidade durou apenas até 1954, quando Schofield sofreu um ataque cardíaco e morreu. Ele tinha apenas sessenta e dois anos.

A morte do célebre advogado teve consequências importantes. The Philadelphia Reporter publicou uma longa história que gerou comoção na cidade, com a revelação de que o falecido Lemuel B. Schofield vinha sonegando impostos nos últimos seis anos e que o valor devido à Receita Federal, incluindo juros, era na região de um milhão de dólares. Os fiscais foram trabalhar e verificaram outros "cidadãos proeminentes" que conheciam o advogado: sua família, seus sócios e, claro, a mulher de sua vida. No decorrer de suas investigações, o IRS estabeleceu isso desde sua chegada aos EUA. Stephanie não ganhou nenhum dinheiro, mas nos anos de 1971, 1952 e 1973 ela não fez nenhuma declaração de impostos. Uma inspeção inicial revelou impostos não pagos de US $ 250.000.

A princesa teve então a astúcia de fazer uma declaração voluntária e, de fato, conseguiu mostrar que não tinha um único dólar de impostos atrasados ​​para pagar. Ela afirmou que seu famoso estilo de vida luxuoso era "financiado pela venda de joias, obras de arte e antiguidades", que haviam sido guardadas em segurança durante sua internação, algumas na Grã-Bretanha e outras com sua mãe. Dessa forma, ela ganhava "algumas centenas de dólares por mês". Isso pode muito bem ser verdade. E, de qualquer forma, durante os anos que o IRS estava examinando, ela morava com um advogado rico.

De luto pela morte de Schofield, a princesa deixou essa parte de sua vida para trás e mudou-se para outra bela fazenda. Cobble Close, perto de Red Bank, New Jersey. A propriedade pertencera originalmente a Herbert N. Straus, dono da Macy's, a maior loja de departamentos do mundo. Morava nas proximidades outro multimilionário, Albert Monroe Greenfield, o homem mais rico da Filadélfia. Com ele como um novo amante agradável, Stephanie passaria os próximos três anos em Cobble Close.


Rei lemuel

Com relação ao capítulo 31 de Provérbios, quem é o rei Lemuel e sua mãe?

Provérbios 31: 2-9 [2] O quê, meu filho? e o que, o filho do meu ventre? e o que, o filho dos meus votos? [3] Não dês às mulheres a tua força, nem os teus caminhos às que destroem os reis. [4] Não é para os reis, Lemuel, não é para os reis beberem vinho, nem para os príncipes bebida forte; [5] para que não bebam, e se esqueçam da lei, e pervertam o juízo de algum dos aflitos. [6] Dai bebida forte ao que está para perecer, e vinho aos que estão com o coração pesado. [7] Beba ele, e esqueça sua pobreza, e não se lembre mais de sua miséria. [8] Abre a boca para o mudo, pela causa de todos os que estão destinados à destruição. [9] Abre a boca, julga com justiça e pleiteia a causa dos pobres e necessitados.
Veja tudo. é apresentado como as palavras do Rei Lemuel da profecia que havia sido ensinada a ele por sua mãe. Provérbios 31: 1 Palavras do rei Lemuel, a profecia que sua mãe lhe ensinou.
Veja tudo. afirma: "As palavras do rei Lemuel, a profecia que sua mãe lhe ensinou." Lemuel é mencionado apenas nesta passagem da Bíblia (Provérbios 31: 1 As palavras do rei Lemuel, a profecia que sua mãe lhe ensinou.
Veja tudo. , 4). Isso deixou a porta aberta para todos os tipos de especulação quanto à sua verdadeira identidade. Ele foi considerado pelos intérpretes como imaginário, como o próprio Salomão, como Ezequias, como um Lemuel rei de Massa (um trocadilho com as palavras hebraicas), ou apenas algum príncipe árabe mesquinho. Em outras palavras, ninguém realmente sabe.

O nome significa "a Deus" e tem a implicação de "pertencer a Deus". El (o nome básico de Deus em hebraico) no final de Lemuel mostra que o nome é um composto de Deus. Pessoalmente, acho que o nome e o contexto apontam para uma referência poética a Salomão. Em Eclesiastes, Salomão nunca usa seu próprio nome, mas se apresenta sete vezes como o "Pregador" (Eclesiastes 1: 1. Palavras do Pregador, filho de Davi, rei em Jerusalém.
Veja tudo. , 2, 12, 7:27
Veja tudo. 12: 8
Veja tudo. , 9, 10). A mudança de ênfase em Provérbios exigiria uma construção diferente. Na maioria dos Provérbios, Salomão está dando palavras de sabedoria a seu filho. Em Provérbios 31, o rei Lemuel está repetindo as palavras de sabedoria que sua mãe lhe deu.

O conselho é claramente um conselho que Salomão precisava ouvir. A mãe de Lemuel advertiu seu filho contra dar sua força às mulheres (Provérbios 31: 3 Não dê a tua força às mulheres, nem os teus caminhos ao que destrói os reis.
Veja tudo. ) Este problema levou diretamente ao declínio de Salomão nos anos posteriores (1 Reis 11: 1-4 [1] Mas o rei Salomão amava muitas mulheres estranhas, junto com a filha de Faraó, mulheres moabitas, amonitas, edomitas, sidônios e hititas: [2] Das nações a respeito das quais o Senhor disse aos filhos de Israel: Não ireis a elas, nem eles entrarão a vós; porque certamente irão desviar o vosso coração após os seus deuses; Salomão apegou-se a estes em amor. [3] E ele teve setecentas mulheres, princesas e trezentas concubinas, e suas mulheres lhe rejeitaram o coração. deuses; e o seu coração não era perfeito para com o Senhor seu Deus, como o era o coração de David, seu pai.
Veja tudo. ) Ela também advertiu contra a bebida forte (Provérbios 31: 4-7 [4] Não é para os reis, ó Lemuel, não é para os reis beberem vinho, nem para os príncipes a bebida forte: [5] Para que não bebam e se esqueçam da lei e perverter o juízo de qualquer dos aflitos. [6] Dai bebida forte ao que está para perecer, e vinho aos que têm o coração pesado. [7] Beba ele, e esqueça sua pobreza, e lembre-se da sua não mais a miséria.
Veja tudo. ) Isso é algo que sabemos que Salomão brincou com seu testemunho em Eclesiastes 2: 3. Busquei em meu coração entregar-me ao vinho, mas familiarizando meu coração com a sabedoria e apegando-me à tolice, até que pudesse ver o que era bom para o filhos dos homens, o que eles devem fazer sob o céu todos os dias de suas vidas.
Veja tudo. - "Procurei em meu coração entregar-me ao vinho, mas familiarizando meu coração com sabedoria e apoderar-me da tolice, até que pudesse ver o que era bom para os filhos dos homens, o que eles deveriam fazer sob o céu por todos os dias de sua vida. " Por fim, ela advertiu duas vezes seu filho: "Abre a boca" (Provérbios 31: 8) Abra a boca para os mudos na causa de todos os que estão destinados à destruição.
Veja tudo. , 9). Ele deve abri-lo na causa que não pode falar por si (v.8) e julgar com justiça (v.9). Sabemos da hesitação e preocupação inicial de Salomão nesta questão de julgar o povo pelo seu próprio testemunho em 1 Reis 3: 7-9 [7] E agora, ó Senhor meu Deus, fizeste teu servo rei em vez de Davi, meu pai: e eu sou apenas uma criança: não sei sair nem entrar. [8] E teu servo está no meio do teu povo, que escolheste, um grande povo, que não pode ser contado nem contado como multidão. [9] Dá, pois, ao teu servo um coração entendido para julgar o teu povo, a fim de discernir entre o bem e o mal; pois quem poderá julgar este teu tão grande povo?
Veja tudo. . Ele se via como uma criança (v.7) e desejava a ajuda de Deus para "julgar este teu tão grande povo" (v.9).

As palavras também são apresentadas como "profecia" dada a Lemuel por sua mãe (Provérbios 31: 2 O que, meu filho? E o que, o filho do meu ventre? E o que, o filho dos meus votos?
Veja tudo. ) A profecia inclui a proclamação da verdade de Deus, mas normalmente tem pelo menos um elemento de predição do futuro. Se isso se refere a Bate-Seba e ela está dizendo a Salomão como ele deve agir quando for rei, então definitivamente inclui um forte elemento de profecia, pois Salomão era um filho mais novo e, portanto, não o natural em linha para ser rei. Quando Davi se aproximou da morte e Adonias se estabeleceu como rei, Bate-Seba se aproximou dele com esta súplica: "Meu senhor, juraste pelo Senhor teu Deus à tua serva, dizendo: Certamente, teu filho Salomão reinará depois de mim, e ele reinará senta-se no meu trono "(1 Reis 1:17 E ela lhe disse: Meu senhor, juraste pelo Senhor teu Deus à tua serva, dizendo: Certamente Salomão, teu filho, reinará depois de mim, e ele se assentará no meu trono.
Veja tudo. ) Davi e Bate-Seba falaram sobre isso. A escolha era ser Salomão. Bate-Seba poderia profetizar o reino vindouro de seu filho ao falar com o jovem príncipe Salomão.

Outra evidência interna de que Lemuel pode ser um nome poético para Salomão está no endereço da mãe para o filho. Provérbios 31: 2 O quê, meu filho? e o que, o filho do meu ventre? e o que, o filho dos meus votos?
Veja tudo. afirma: "O que, meu filho? e o que, o filho do meu ventre? e o que, o filho dos meus votos?" Lemuel é o filho de seus votos. O primeiro filho de Bate-Seba e Davi foi um filho de votos quebrados. Por causa daqueles votos quebrados, aquele filho teve que morrer (2 Samuel 12:14, porém, porque com este ato deste grande ocasião para que os inimigos do SENHOR blasfemem, também o filho que te nasceu certamente morrerá.
Veja tudo. ) No entanto, quando Salomão nasceu, o pecado de Davi foi revelado, confessado e perdoado. Deus aceitou o casamento e o filho Salomão.

Observe, no nascimento de Salomão, o Senhor o amou. Então, ele é chamado pelo "nome de Jedidias, por causa do Senhor". Esta é a única ocorrência do nome Jedidias na Bíblia. Significa "amado de Deus". Verdadeiramente, Salomão era filho dos votos de Bate-Seba. E, aquele que era "amado de Deus" também poderia ser chamado de "pertencente a Deus" (significado de Lemuel). Portanto, embora a identidade não possa ser fixada com certeza absoluta, há boas razões para pensar que Salomão está aqui se referindo a si mesmo.


Arquivo: Schofield nomeado para o Serviço de Imigração e Naturalização. Washington, D.C., 14 de junho. O procurador-geral Robert Jackson assumiu o controle do Serviço de Imigração e Naturalização hoje. LCCN2016877753.tif

Clique em uma data / hora para ver o arquivo como ele apareceu naquele momento.

Data horaMiniaturaDimensõesDo utilizadorComente
atual10:54, 26 de março de 201810.047 × 8.045 (154,19 MB) Fæ (falar | contribs) Biblioteca do Congresso Harris e coleção Ewing 1940 LCCN 2016877753 tif # 24.847 / 41.540

Você não pode sobrescrever este arquivo.


Você apenas arranhou a superfície do Schofield história de família.

Entre 1943 e 2004, nos Estados Unidos, a expectativa de vida de Schofield estava em seu ponto mais baixo em 1944 e mais alto em 1992. A expectativa de vida média de Schofield em 1943 era de 36 e 75 em 2004.

Uma vida excepcionalmente curta pode indicar que seus ancestrais Schofield viveram em condições adversas. Uma vida curta também pode indicar problemas de saúde que antes eram prevalentes em sua família. O SSDI é um banco de dados pesquisável de mais de 70 milhões de nomes. Você pode encontrar datas de nascimento, datas de falecimento, endereços e muito mais.


Cinco membros da 1ª Infantaria de Wisconsin, Companhia C, que se alistaram em 1861, foram capturados na Batalha de Chickamauga e escaparam juntos de uma prisão confederada. Da esquerda para a direita em pé: Joseph Leach e Lemuel McDonald. Da esquerda para a direita sentados: Chauncey S. Chapman, Thomas Anderson e John R. Schofield. Esta fotografia foi provavelmente tirada depois da fuga deles, quando eles se reuniram em Cincinnati na casa dos soldados de lá. Veja o documento original: WHI 33518

A 1ª Infantaria de Wisconsin foi organizada em um regimento de serviço de três meses em Camp Scott em Milwaukee, e então reunida em serviço em 27 de abril de 1861. Depois disso, foi reorganizada para serviço de três anos em Camp Scott, e reunida novamente em outubro 19 de 1861. O regimento deixou Wisconsin para Louisville, Kentucky, de 28 a 31 de outubro de 1861, e mudou-se através do Tennessee, Alabama e Geórgia durante a guerra.

Ele participou da Batalha de Chickamauga e do Cerco de Atlanta, e se reuniu em 13 de outubro de 1864.

O regimento perdeu 300 homens durante o serviço. Seis policiais e 151 recrutas foram mortos. Um oficial e 142 soldados morreram de doença.

Ver um histórico mais longo
Veja a lista
Veja uma lista de vítimas
Ver documentos originais
Ver atribuições para brigadas, divisões, corpos e exércitos

[Fonte: Estabrook, Charles E, ed. Registros e esboços de organizações militares: população, legislação, eleitorais e outras estatísticas relacionadas a Wisconsin no período da Guerra Civil. (Madison, 1914?)]


Schofield Revolver: S & # 038W & # 8217s Top-Break mais famoso

O revólver Schofield surgiu com os esforços do coronel George Schofield para melhorar o modelo americano três para uso militar. O americano foi o primeiro revólver de cartucho adotado pelos militares em 1870, com a compra de 1.000. No entanto, em 1874, o Exército comprou 8.000 modelos Colt Single Action Army, observando uma preferência por sua força e simplicidade. Nos testes do Exército dessa época, S&W americanos e russos foram aprovados nos critérios de disparo e funcionamento, mas foram criticados por sua complexidade e número de peças. A maior facilidade e velocidade de recarga foram notadas, mas não receberam muito crédito como vantagem tática. O modelo russo foi criticado pela estranheza de sua empunhadura, martelo e espora do guarda-mato.

Já em 1871, Schofield vinha trabalhando em melhorias para o S&W American que ele achava que o tornariam mais adequado para uso militar. O mais óbvio deles consistia em mudar a trava de montagem em barril para montagem em estrutura. O modelo Schofield foi testado e recebeu aprovação militar. Eles solicitaram que fosse produzido para o cartucho Colt .45. S&W objetou, observando que a borda do .45 Colt era inadequada para extração positiva no projeto S&W, e sem dúvida considerando que o cilindro e a estrutura do Modelo 3 teriam que ser alongados para acomodar o longo arredondamento. Em vez disso, a S&W se ofereceu para reprojetar o cartucho militar para uma bala calibre .45 que funcionasse em ambos os tipos de revólver. Isso foi considerado aceitável, e 3.000 Schofields S&W foram encomendados inicialmente em 1875. Outras modificações menores foram feitas, e 5.000 adicionais na configuração do segundo modelo foram entregues em 1877. No final de 1877, o Exército havia comprado cerca de 8.000 Schofields S&W, e cerca de 15.000 SAAs Colt. Algumas armas foram feitas para o mercado civil, mas a grande maioria dos Schofields eram armas militares.

Uso militar

Melhor kit inicial para transporte oculto:

Divulgação: Alguns desses links são links de afiliados. Caribou Media Group pode ganhar uma comissão de compras qualificadas. Obrigado!

Muitos Schofields foram emitidos para unidades ativas, supostamente incluindo a 4ª, 9ª e 10ª Cavalaria. O 4º esteve envolvido na campanha do Geronimo. Os dias 9 e 10 envolveram os famosos “Buffalo Soldiers” - tropas afro-americanas estacionadas no sudoeste americano. Lá eles lutaram nas Guerras Indígenas, incluindo campanhas contra os Apaches, e serviram em distúrbios civis, como a Guerra do Condado de Lincoln.

Outros Schofields foram para as milícias estaduais. Nova York recebeu 2.000 em 1877 Michigan 536 em 1878 e 1879 Indiana 300 em 1878 e 1879 Território de Washington 180 em 1882 e 1891 Califórnia pelo menos 100 e possivelmente 300 em 1880 Kansas 100 em 1879 West Virginia 79 em 1878 com quantidades menores indo para Arkansas , Colorado, Geórgia, Illinois e Tennessee. Flórida, Maine, Nevada, Carolina do Norte, Oklahoma e Pensilvânia receberam menos de sete armas cada. É provável que algumas das armas vendidas para milícias estaduais tenham sido anteriormente distribuídas para unidades regulares do exército.

Um revólver Schofield que se acredita ter sido usado na Batalha do Little Big Horn é propriedade da Smithsonian Institution, embora nunca tenha ficado claro de que lado seu dono estava lutando. Após a aniquilação de Custer e seus homens, havia algum argumento impresso de que o resultado poderia ter sido diferente se as tropas estivessem armadas com repetidores Winchester e os Schofields de carregamento rápido em vez de portas Trap de disparo único e Peacemakers de recarregamento lento.

O coronel Charles Pate, autoridade notável em revólveres militares S&W, escreve que o grande S&W ainda estava em uso por unidades do exército regular em 1887. Vários artigos de Pate sobre Schofields serão encontrados nas reimpressões do 25º aniversário do SWCA Journal. O Springfield Research Service relata que alguns Schofields aparentemente ainda estavam em serviço com unidades voluntárias em 1898 durante a Guerra Hispano-Americana. No entanto, muitos foram aposentados antes.

O velho oeste

Muitos dos revólveres Schofield excedentes foram comprados por revendedores como Bannerman e Schuyler, Hartley & Graham. Em seguida, foram colocados à venda, muitas vezes com o cano cortado em um comprimento mais prático de 5 polegadas e a arma revestida a níquel para suportar os rigores do uso ocidental. A combinação de capacidade de recarga rápida e poder de calibre .45 grande os tornou populares entre os homens da lei, fora da lei e outros que levavam suas armas a sério.

Os revólveres Schofield eram supostamente favoritos do James Gang, com os números de série 3444 e 5476 atribuídos a Frank James e o número de série 2341 a Cole Younger. Jesse James carregava o número de série 366, e o número de série 273 teria sido usado por um membro do James Gang, possivelmente Jesse. Famosos legisladores Bill Tilghman e Frank McLowery de O.K. A fama de Corral está entre outros que supostamente carregaram Schofields.

Wells Fargo

Estima-se que várias centenas de Schofields com os barris de 5 polegadas cortados foram comprados pela Wells Fargo para armar seus mensageiros. As armas foram marcadas pela empresa no lado direito da carcaça do ejetor sob o cano, estampando a patente Schofield. A marcação diz “W.F. & COS EX ”junto com uma nova impressão do número de série das armas. O S foi retirado do nome da empresa em 1898, e as armas são encontradas marcadas nos dois sentidos, sugerindo o período de uso. Acredita-se que todos os Wells Fargo Schofields autênticos conhecidos até agora têm números de série abaixo de 6000. O número de série 1 de Schofield estava entre os usados ​​por Wells Fargo.

Variações das marcações do Wells Fargo consideradas autênticas nesses exemplos de revólver Schofield, de cima para baixo. 1) Itálico tardio, singular “CO.” marcação da empresa, com algarismos pequenos. Wells Fargo repetiu o número de série da arma como o número de sua empresa 2) Primeira letra de forma, plural "CO'S" empresas marcadas com números de tamanho médio. 3) Marcação das primeiras empresas com numerais de maior tamanho.

Três tamanhos diferentes de numerais foram relatados nas marcações de número de série do Wells Fargo. O mais comum é o tamanho pequeno, quase do mesmo tamanho que a abreviatura do nome da empresa. Um tamanho médio foi supostamente marcado pelo escritório de Chicago, com um numeral de tamanho grande sendo o mais raro.

Infelizmente, sempre que uma marcação relativamente simples agrega interesse e valor a uma arma, há a tentação de falsificar. Esse é o caso de Wells Fargo Schofields, com marcações falsas não incomuns. Uma dica rápida para algumas falsificações é carimbar o nome da empresa. Acredita-se que em todas as armas WF autênticas foi usado um carimbo de linha. W.F. & CO EX carimbados em letras individuais desiguais devem levantar suspeitas imediatas. Já os algarismos da estampagem foram estampados individualmente e seus espaçamentos podem ser irregulares.

Polícia de São Francisco

Os Schofields às vezes são encontrados com um grande número de dois ou três dígitos, geralmente abaixo de 300, estampado na alça traseira. Estes têm sido chamados de Schofields da “Polícia de São Francisco”. Acredita-se que essas armas foram enviadas para São Francisco na época dos motins de Sandlot e acabaram sendo levadas para a milícia da Califórnia. Um artigo de Charles Pate na revista Man at Arms discute essa variação.


Smith & # 038 Wesson Modelo No. 3 Schofield

Em serviço: 1870-1898

Tipo: Revólver de cartucho de ação única

Calibre: 0,45 Schofield

O revólver S & ampW Schofield Modelo 3. Remington Modelo 1858

Em 1870, o Exército dos EUA adotou um novo tipo de revólver, o calibre .44 S & # 038W americano Smith & # 038 Wesson Modelo 3, tornando-o o primeiro revólver de cartucho metálico padrão do serviço militar dos EUA.

Até então, cada arma lançada era um revólver de boné e bola, que era incrivelmente lento para recarregar, mesmo com cartuchos de papel, e suscetível a intempéries e umidade de todos os tipos. O uso de cartuchos metálicos que continham o propelente, projétil e primer tornou os revólveres mais duráveis ​​e confiáveis, já que o ajuste apertado dos componentes muitas vezes impedia que a umidade chegasse ao pó e os soldados não precisavam lidar com cartuchos de papel ou soltos pó, na chuva. Seu uso também tornou a recarga exponencialmente mais rápida e fácil.

O Modelo 3 era um revólver top-break. Uma trava sob a mira traseira no topo da estrutura mantinha a arma unida durante o uso. Para recarregar, a trava foi liberada e o cilindro e o cano giraram para frente em uma dobradiça localizada na frente do guarda-mato. Isso significava que todas as seis câmaras podiam ser acessadas ao mesmo tempo, e que recarregamentos rápidos tornaram-se subitamente possíveis.

A desvantagem de qualquer projeto top-break é que ele limita a resistência da estrutura à resistência do mecanismo de travamento e, se esse mecanismo não for adequado, a arma pode se despedaçar ao disparar.

Os Modelos 3 feitos para o Exército foram apelidados de S & # 038W Schofield Modelo 3 porque incorporaram melhorias de design sugeridas pelo Major George W. Schofield, principalmente no sistema de travamento. O Schofield Modelo 3 tinha uma reputação de confiabilidade, com alguns continuando em serviço até a Guerra Hispano-Americana e a Guerra Filipino-Americana.

O revólver deveria disparar a munição Colt .45 que já estava em serviço em 1875, mas o S ​​& # 038W desenvolveu sua própria bala calibre .45 um pouco mais curta, apelidada de .45 Schofield ou .45 S & # 038W.

Ambos os cartuchos funcionariam na pistola Colt Single Action Army mais recente, mas não eram intercambiáveis ​​no Schofield. Consequentemente, o Exército tentou mudar para o .45 Schofield como cartucho padrão, mas grandes estoques de munição .45 Long Colt e a pressão política eventualmente fizeram com que o Exército deixasse de usar a maioria de seus Schofields e continuasse com o Colt SAA.

O Schofield ganhou enorme popularidade nos Estados Unidos e foi supostamente usado por personagens famosos como Jesse James, Robert Ford (que usou um para matar James), John Wesley Hardin, Pat Garrett, Theodore Roosevelt, Virgil Earp, Billy the Kid e muitos outros. Um revólver Smith & # 038 Wesson No. 3 foi usado por Wyatt Earp durante o famoso OK Corral Gunfight.

Um dos compradores não militares mais notáveis ​​do Schofield foi a Wells Fargo and Company, que comprou os revólveres para serem usados ​​pelos Agentes Rodoviários Wells Fargo. Eles tiveram os canos encurtados de 7,5 polegadas para 5 polegadas mais manejáveis ​​e ocultáveis.

Estranhamente, o tenente-coronel Schofield deu um tiro em 17 de dezembro de 1882 com um revólver Schofield S & # 038W, após sofrer um ataque de & # 8220 doença mental, estresse e isolamento. & # 8221

No O assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford (2007), Ford (Casey Afleck) usa com precisão um Schofield para atirar em Jesse James (Brad Pitt). foto de imfdb.org foto da web


Lemuel Amzi Donnell nasceu no Tennessee em 6 de março de 1839. Como tantos outros colonos do Missouri, a família de Donnell mudou-se do Tennessee para o Missouri antes de 1850 em busca de novas terras. Calvin e Martha Donnell, pais de Lemuel, começaram uma fazenda e criaram seus cinco filhos. Donnell ainda vivia com seus pais em Hickory County, Missouri em 1860. Ele estudou Teologia antes de se alistar na Guarda Estadual de Missouri em 20 de agosto. Donnell foi eleito 1º Tenente da Companhia F, 4º Regimento de Infantaria, 8ª Divisão, Guarda Estadual de Missouri. Após a Batalha de Wilson's Creek (10 de agosto de 1861), a Guarda do Estado do Missouri marchou para o norte para Lexington, MO e sitiou a cidade de 13 a 20 de setembro. Donnell registrou em seu diário que sua empresa teve uma licença durante esse período e estava no acampamento em Warsaw, Missouri, a 90 milhas de Lexington.

A empresa de Donnell passou vários dias perfurando e se preparando para a vida como soldado. Ele se considerou "tão ignorante de táticas militares quanto Ouran Outang é de um cotilhão, ou um Esquimaux é de uma dança de guerra indiana". A vida no acampamento não foi bem para Donnell. Ele escreveu: “Acho a vida no acampamento muito desagradável, em consequência da má alimentação e das refeições irregulares, já que ninguém sabia muito sobre culinária”. A empresa F recebeu ordens para se juntar novamente ao corpo principal da Guarda do Estado de Missouri após o cerco em Lexington. Eles se encontraram com Sterling Price e o resto dos guardas perto de Greenfield, Missouri.

Até onde eu podia ver, a face da terra estava coberta de tendas. Alguns dos homens estavam cozinhando, alguns lendo, alguns brincando, alguns vadiando, enquanto outros estavam engajados em várias indústrias ou ociosidade conforme sua conveniência. Foi uma cena interessante para mim, ser um novato neste negócio.

Diário de Lemuel Donnell - 4 de outubro de 1861

Donnell ficou surpreso ao ver que Price recuou para o sul após sua vitória em Lexington, sem perceber que a Guarda Estadual de Missouri estava sendo fortemente perseguida pelas Forças Federais de Jefferson City. Onze dias depois, a Guarda do Estado de Missouri marchou para Neosho, onde permaneceram durante a Convenção de Neosho. Donnell wrote, “We come to Neosho, where Gov [Claiborne F.] Jackson convened the Legislature, which after some days of deliberation declared in favor of secession and elected members to represent Missouri in the Congress of the Confederate States.” Legislators gathered at the Newton County Courthouse in Neosho on October 21, and passed an ordinance of secession.

After the Neosho Convention, Donnell’s company marched through several towns in Southwest Missouri, and was permitted to return to Hickory County to “drive the ‘Home Guards’ out of the county.” Donnell’s company reached Springfield, Missouri around December 30, 1861. There, they erected tents in the snow and endured the bitter cold. The Missouri State Guard occupied Springfield until mid February, before they were forced to retreat from the town by Federal troops. Springfield was a crucial strategic position, as it served as a supply distribution center for Southwest Missouri and Northern Arkansas. General Samuel R. Curtis’s Army advanced down the wire road determined to engage Confederate forces yet again. Price abandoned his position in Springfield on February 12, and retreated southward to join forces with Benjamin McCulloch in Arkansas. “The Federals cause us to retreat towards the South by hard marching day and night, fighting almost daily in the near, passing through Cassville, Keytsville, Mo, Mudtown, Fayetteville and Cane Hill in Arkansas.” The Missouri State Guard joined McCulloch’s forces who were encamped south of the Boston Mountains. On March 4, the Confederates began their march north to meet the Union Army.

The Confederate’s rapid advance exhausted their infantry. Donnell noted he had one biscuit for breakfast and nothing for dinner during the march. He ate nothing on March 6, when they finally reached the outskirts of Bentonville. On March 7, the 8th Division Missouri State Guard moved north to engage the Union line. “The engagement lasts till sunset just before sunset we lay for ½ hour in front of our battery till it selanced the enemy’s battery & then we charge the enemy, capturing their Commissaries, and many prisoners.” Among the captured prisoner’s was one of Donnell’s cousins, Sam Reynolds. Donnell and the rest of the 8th Division slept on the battlefield and resumed the engagement the following morning. The Confederates withdrew from the battlefield and retreated towards Van Buren. Company F was discharged from the Missouri State Guard, and Donnell re-enlisted in Company H of the 6th Infantry Regiment, 8th Division, Missouri State Guard.

After the Battle of Pea Ridge, Confederate Commanders transferred the majority of their forces east of the Mississippi River. Donnell and his company were transported to Memphis to assist with the Battle of Shiloh. He learned that his brother, Alexander L. Donnell, was very ill and visited him in the hospital. Lemuel remained in the hospital until Alexander died around May 24, 1862. He was buried in Elmwood Cemetery in Memphis, Tennessee. Donnell’s service term expired in early June 1862 and he received pay for his service and his brothers. He then reenlisted in the 11th Missouri Infantry. Donnell spent the remainder of the War with this company, which as he stated, seemed like a life time.

While on furlough in Carroll County, Arkansas Donnell and John W. Murray were captured at Huntsville, Arkansas by Federal Scouts and taken to Cassville, MO and then to Springfield. He was eventually released and traveled home. During that time, his father was killed on September 15, 1862 by the Missouri Home Guards, or as Donnell called them, “Home Despoilers,’ in the name of the US.” Donnell remained in Hickory County until early October when he decided to return to the 11th Missouri Infantry, camped in Benton County, Arkansas. Donnell noted he received another pass to visit family in Texas, and began a five month absence from the military. He spent the entire time in Texas visiting family and doing various jobs. He returned to the 11th Missouri Infantry on February 26, 1863 and reported for duty to Company D at Little Rock, Arkansas. Donnell compared service in the Missouri State Guard to the regular Confederate Army. “I find the regular Confederate service much better regulated and disciplined, in as much as we drill 4 hours almost daily, except for Sundays, when we have preaching or other religious service.”

Donnell marched throughout Arkansas in the spring of 1863. On June 10, he became very ill, and “so reduced in flesh I can scarcely walk.” Ten days later, the Regiment marched towards Helena, Arkansas, but Donnell was so ill that he left his company and traveled 8 miles into the country side. He ate a diet of vegetables and rapidly improved. He started his returned to the Army on June 28th, which held a defensive position in Helena. Donnell stayed outside of Helena on June 3, the following morning he was woken by the sound of cannon fire. The battle waged and eventually on July 4 the Union Army claimed victory. Donnell rejoined the 11 Missouri Infantry on July 5, as the Regiment retreated from the town. Donnell and the 11th Missouri Infantry took position near Little Rock and prepared for the Federal’s advance. “Breastworks completed, consisting of 2 ditches 4 ft wide & deep and 12 ft apart, and dirt thrown between extending from the river below to Camp Anderson above. We now wish an attack to be made as we believe we could withstand any number.” However, the 11 Missouri Infantry retreated from their position, much to the dislike of Donnell and his regiment. Donnell spent several following weeks traveling across Arkansas with the regiment drilling and preparing winter quarters. He made one visit to family in late January 1864, and was gone for nine days. In February, Donnell joined the Knights of the Golden Circle, which he defined as “a secret order of Southern sympathizers in the North during the war.” At the meeting, Donnell noted they discussed how they might recognize each other in battle.

In March 1864, the 11th Missouri Infantry marched south into Louisiana to support Confederate troops against Union General Nathaniel Bank’s Red River Expedition. Donnell noted several towns and the total number of miles marched during each day. The 11th Missouri Infantry participated in the Battle of Pleasant Hill in Louisiana, and Donnell’s company suffered minimal casualties (1 killed, 4 wounded). Following the battle, the 11th Missouri Infantry returned north to Arkansas, and Donnell recorded activities at Camden, Arkansas and Jenkins Ferry. Donnell wrote about Jenkins Ferry,

Battle began at 8 o’clock A.M. and lasts till 1 o’clock P.M. The engagement took place in the low lands on the river almost entirely under water and rained all the time of the battle, and Gen’l [Edmund K.] Smith said the hardest small arm firing he ever heard. Three in Co “D” were slightly wounded in this engagement.

Lemuel Donnell Diary – April 30, 1864

Donnell noted he traveled 500 miles in little over a month and participated in two battles. The 11th Missouri Infantry was exhausted, and the spent most of May marching across southern Arkansas. Towards the end of his diary Donnell began reciting poetry, including an acrostic poem about camp life. He used the alphabet to describe activities around camp, and ended the poem with,

Let all who read these lines of mine
E’er think there’s truth in every line
Much more than this may yet be true
Unless there’s drill or something else to do.
Even if they should not know the author’s name
Let me tell them how they may find the same

Let the first letter of of each line be combined
And in the word my name you shall find

Anonymous

Lemuel Donnell Diary – June 10, 1864

Summer of 1864 was fairly uneventful for Donnell. He noted most of his time was in camp, and finally in August 1864 he noted marching orders for the regiment. They traveled across southern Arkansas, and noted Prices leave for Missouri. “Gen’l Price has taken all the Cavalry and gone to Missouri, and we are left alone without pickets.”
He later wrote,

Gen’l Price, with the cavalry, has made a successful raid as far North as Jefferson City in Missouri, thence West to Kansas, thence back to the army again, and having come to town (Shreveport) last night almost the entire brigade went to serenade him. He bears the appellation of “Old Pap” and “Grand Pap” to signify that we esteem him as our father in war, and the high regard we have always entertained for him.

Lemuel Donnell Diary – March 25, 1865

Donnell reported that he received a 44 day furlough on November 30, 1864 and started on foot for Texas. He traveled approximately 180 miles to his uncle’s home in Wood County, Texas. Donnell visited several family members in Texas before beginning his voyage back to the army. He entered Camp Bragg on January 14, 1865 and wrote, “having walked the greater portion of the way through mud & water and barefooted too. I was in good condition to appreciate a good rest, even with hard dirt, and after one day’s rest resume my old business of making details for camp duty.”

The remainder of the war was calm for Donnell. He wrote poems in his diary and recorded his perspective of camp life as a soldier. He noted President Abraham Lincoln’s assassination, and commented that Ford’s Theater was “an unseemly place for a Christian President to be killed.” He wrote about the surrender of the Trans-Mississippi Theater, and General Price’s farewell to his troops. “Price return to-day [from New Orleans], paroled, and bid us adieu, and has gone to his family in Texas, and from thence to Mexico.” Donnell dedicated the following poem to his comrades:

Comrades! Order arms.
Now stack your arms,
This conflict has no further charms
Surrender is the word we hear.
From foremost van-guard to the rear.
Here let us pause and drop a tear,
For the lost cause we loved so dear
With down bowed heads and saddened hearts,
Till its silent shade departs.
Four years ago you heard the call
To patriotic men and all
You shouldered arms and marched away
Like gallant soldiers to the fray.
We had “Old Pap” then for our guide
To-day he still is by our side.
He loved us then, he loves us still.
As witness many a battle field.
Now muffle the “drum” we’ll need no more.
The “Long Roll” beat, when cannons roar:
Neither “Tattoo,” nor the loved “Retreat,”
Nor “Revellie” to rouse us up from sleep.
Now place the “Fife” here with our arms
We need no more its music’s charms
And “Dixie” too our native air
To chant or sing, we must forbear
And now break ranks, and let us go.
To homes once dear four years ago
Be this our motto all through life
We’ll ne’er engage in deadly strife

Lemuel Donnell Diary – June 4, 1865

On June 21, 1865, the 11th Missouri Infantry turned in their arms, boarded a steamboat for St. Louis, marched to Schofield Barracks, and were paroled.

This closes my record as a soldier, and I return to the quiet, and much more desirable, pursuits of civil life, having served as a soldier 4 years, lacking two months, being 26 years, 3 months & 15 days old.

Lemuel Donnell Diary – June 21, 1865

Throughout his diary, Donnell provided his perspective of camp life and “the business of soldiering.” His distaste for rough living conditions did not change yet, he learned to endure the conditions in his four years of service. Also interesting is the frequency he received “furloughs.” The timing and duration of Donnell’s leave seems contradictory to most soldiers’ experiences during the War. He missed several engagements and was gone for multiple weeks on end, which leads one to question the authenticity his furloughs. Desertion was common during the Civil War, particularly among the Missouri State Guard. Perhaps Donnell truly did received numerous furloughs but if they were indeed unexcused absences, then he conceivably documented them as issued leave to protect his honor for all of history to remember.

View this collection

  1. Lemuel Amzi Donnell, Lemuel Donnell Diary, Aug. 1861 – Jul. 1865. S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas, Page 1, http://mdh.contentdm.oclc.org/cdm4/document.php?CISOROOT=/mack&CISOPTR=4187&REC=1&CISOSHOW=4187 . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas.
  2. A Samuel Reynolds served in the 8th Indiana Infantry, and that regiment was at the position overrun by the 8th Division, Missouri State Guard. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas. . S-89-114-67. Shiloh Museum of Ozark History, Springdale, Arkansas.

HOME | ABOUT | LIFE IN THE OZARKS | CONTACT
©2009-2021 Springfield-Greene County Library District. All Rights Reserved. Site by Schilling/Sellmeyer.


Commissioners and Directors

The Immigration Act of 1891 stated that a Superintendent of Immigration would oversee federal immigration law under the Department of the Treasury. An 1895 law changed the title of Superintendent to Commissioner General of immigration. This title remained the same in 1903 when Congress approved the transfer of immigration work to the newly created Department of Commerce and Labor and upgraded the Office of Immigration to the Bureau of Immigration.

In 1906, after citizenship policy became a federal responsibility, the Commissioner of Immigration headed a combined Bureau of Immigration and Naturalization. This continued until 1913, when the Bureau transferred to the new Department of Labor and divided into two separate bureaus: The Bureau of Immigration, under direction of the Commissioner General of Immigration and the Bureau of Naturalization, under direction of the Commissioner of Naturalization. In 1933 an Executive Order again combined the two Bureaus forming the Immigration and Naturalization Service (INS), led by a Commissioner of Immigration and Naturalization.


News Inside

“I don’t care what their defense is,” he said. “They are guilty and they are going to get the limit.”

“It is certainly not your practice to pre-determine the guilt of a defendant in a criminal case,”said Capone’s lawyer. “I am only asking that these men be given a fair opportunity to prove their case. They were certainly entitled to a fair trial, and you know, in the presence of this mob, with the newspaper agitation, the presence of the Director of Public Safety, all the assistant district attorneys, and all these policemen, that these men cannot receive a fair trial today.”

“I told you to go to trial, now go to trial!” the judge retorted. “This case will be tried now, defense or no defense.”

Anyone who has stood before a fulminating judge, and surely Capone’s lawyers had, understood this to be the final word in the exchange. There would be no continuance, no witnesses for the defense, a hostile judge, and a jury well-informed of Capone’s reputation. Even then the lawyers struggled to decide how to proceed, but finally the decision was made that the men should plead guilty. The judge, good to his word, immediately sentenced both men to the maximum one year incarceration. There was nothing left to do but appeal.

A month and a half later, the lawyers were back in Courtroom 650 seeking a new, and fair, trial for Al Capone. He was now represented by a congressman from Philadelphia, Benjamin Golder, who had specifically requested that his client be brought from jail to attend the hearing but the judge, having seen first hand the havoc created by Capone’s presence in a courtroom, denied the request. Golder took an exception to the judge’s ruling, to which the judge responded, “I grant you that exception, all the exceptions you want.” It didn’t take a fortune teller to portend that things might not go Capone’s way.

The hearing itself was remarkable for its honesty. Magistrate Carney testified and pulled no punches, going so far as to say that he took the actions he took “to railroad them.” This comment irritated the judge, who interrupted Carney to ask him why he was “volunteering” information. Carney’s apologetic response was that he didn’t “mean to be insulting.”

As for the Honorable John E. Walsh, he defended his behavior as well. When confronted with the affidavits the two defense attorneys had written about their representation of Capone, Walsh agreed that their narratives were accurate—except for the accusation that he had prejudged the case: “That I cannot stand. All the other parts I will agree are true. What about it?”

The district attorney was aghast at what his former law partner had just conceded:

“But Your Honor cannot admit those facts to be true? He wants you to include the fact that everybody in the courtroom was pointing a finger at the defendant, calling him “murderer.” Your Honor certainly does not admit that to be true. This courtroom was regularly and properly conducted, and I heard nothing here detrimental to this defendant, nor was he accorded any other insults from the audience or anybody else that anybody could complain of. Certainly Your Honor does not admit those facts contained in the affidavit?

Judge Walsh did not back away from his admission rather, he saw nothing wrong with the way he had conducted the proceedings. “The Court still feels in its conscience that it made no error,” he declared.

Capone’s attorneys attempted some further appeals, but no higher court ever addressed the circumstances of the arrest or guilty plea. It was reported that he closely followed his own coverage in the newspapers, and that references to himself as a “killer” would “arouse his ire.” Although he was transferred to several different prisons to serve his sentence, his time passed without significant consequence. He suffered tonsillitis, he pitched for the prison baseball team, he minded his own business, and on March 17, 1930 he was released from custody. He had served exactly 10 months in jail, saving himself two months incarceration by good behavior.

Capone was in a hurry to leave Philadelphia, and a few days after his release he was back in Chicago. He told the press he wasn’t staying, however: “I need the sunshine for a month or two. I shall take a little trip to Florida after I get things straightened out here. You see, I haven’t had much sunshine for the last 10 months.” This prompted the governor of Florida—who quite clearly had been paying attention to developments in Philadelphia—to telegraph all 67 sheriffs in the state that Capone was to be arrested and escorted to the state’s border should he attempt to return to his residence. But Capone’s lawyers had been paying attention as well. They sent an immediate telegram to the governor:

We would respectfully request you to advise us under and by what authority you or the sheriffs of the state may seize and banish from this state a citizen of the United States who is not charged with any crime…Is constitutional government still in existence in Florida, and if it is, are you cognizant of the oath you have taken to support, protect and defend the constitutions of the United States and of Florida? Lawlessness is no way to combat lawlessness.

A federal judge agreed with his lawyers, and imposed a restraining order stopping the sheriffs from “transporting, banishing or expelling” Capone from Florida without the authority of the law. This did not stop the Miami police from arresting him four times for vagrancy, a law that had been rewritten to allow anyone known or suspected of being a “crook [or] gangster” to be arrested on sight. Capone was harassed in this way until, a year and a half after leaving a Philadelphia jail, he was convicted of income tax evasion and went to federal prison. He eventually succumbed to syphilis, and died 71 years ago at the age of 48. In the end, Capone’s notoriety and larger-than-life status proved not to be his salvation, but his undoing.

And of course, those men who besieged and incarcerated Capone—Deputy-Inspector Connelly, Magistrate Carney, his prosecutors, Judge John E. Walsh—are dead as well, as is the Florida governor. They rounded him up, denied him bail, pursued his prosecution in a forum that resembled less an American courtroom than a star chamber and then barred him from entering a state because of who he was. Not exactly what the Founding Fathers had in mind.

Almost 90 years later, two lessons are evident from the Philadelphia experience. The first—that we can bring down even the most powerful racketeer if we simply deprive him of his constitutional rights—is alive and well. In the past year a former sheriff from Arizona, who had gained a certain amount of celebrity by conducting “sweeps” of random cars to find illegal immigrants, and was then found in contempt for his refusal to stop racial profiling of Latinos, has been pardoned by the president. The Attorney General of the United States has endorsed an aggressive stop-and-frisk policy that only five years ago a federal judge declared unconstitutional by endorsing this quote: “The idea of universal suspicion without individual evidence is what Americans find abhorrent.” And the President has advocated the rough treatment of those accused of crime (“Please don’t be too nice”), condemned legal immigration to the United States from “shithole countries,” and declared an Indiana-born federal judge unfair because he was a “Mexican.” It is the world we now live in, and it is not so very far from 1929 as we might think. But the second lesson from the Capone case is more enduring and justice, always a slow learner, would be well served to remember it: lawlessness is no way to combat lawlessness.

Marc Bookman is co-Director of the Atlantic Center for Capital Representation, a nonprofit specializing in death penalty cases.


Assista o vídeo: Lessons from Laman and Lemuel