Batalha de Songhwan, 29 de julho de 1894

Batalha de Songhwan, 29 de julho de 1894


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Batalha de Songhwan, 29 de julho de 1894

A batalha de Songhwan (29 de julho de 1894) foi a primeira batalha no exterior do Japão em trezentos anos, e viu o exército japonês na Coreia derrotar uma força chinesa na estrada para Asan em uma batalha que ocorreu vários dias antes da eclosão oficial do Sino - Guerra do Japão de 1894-95.

A China e o Japão haviam transferido tropas para a Coréia em resposta a um levante de elementos pró-japoneses no início de 1894. O governo coreano pediu ajuda à China, e a China respondeu enviando um pequeno exército. A revolta desmoronou rapidamente, mas o Japão ainda enviou um exército próprio e ocupou Seul. Os dois exércitos agora estavam separados por cerca de cinquenta milhas, já que os chineses estavam baseados em Asan, ao sul de Seul.

Em 25 de julho, uma força japonesa de cerca de 4.000 homens, composta pelo Décimo Segundo e Vigésimo Primeiro Regimento de Infantaria, mudou-se para o sul de Seul. Foi comandado pelo General Oshima Yoshimasa.

Os chineses construíram um acampamento em Songhwan, um ponto-chave na estrada a cerca de 27 quilômetros de Asan. O acampamento ficava em uma colina, protegida por arrozais e terreno úmido, com um pequeno riacho em frente à colina. Os chineses tinham cerca de 2.500 a 3.000 homens na posição em Songhwan, comandados pelo general Yeh-chi-chao.

O general Oshima decidiu cruzar o riacho bem cedo, no dia 29 de julho. Sua força principal começou a cruzar o riacho às 2 da manhã e por uma hora não houve resistência. Por volta das 3 da manhã, quando o último destacamento estava cruzando a ponte, eles foram emboscados por uma força chinesa que estava escondida perto da ponte. Em uma luta que durou cerca de quinze minutos, os japoneses perderam seis mortos para o fogo chinês, 17 ou 18 afogados e 15-16 feridos, enquanto os chineses perderam 18 ou 19 mortos.

A batalha principal começou por volta das 5 da manhã, quando a ala esquerda japonesa abriu fogo. As duas alas do exército japonês atacaram então as posições chinesas na colina. Os japoneses foram pegos de surpresa pela segunda vez, desta vez por uma bateria de artilharia chinesa em um bosque à esquerda chinesa. Esta parte da linha chinesa resistiu por mais tempo, mas depois de cerca de uma hora e meia a luta acabou. Os japoneses relataram perdas de 34 mortos e 54 feridos.

Os chineses recuaram em direção à cidade de Asan, mas não resistiram e, em vez disso, recuaram para o norte em direção a Pyongyang. Em meados de agosto, os sobreviventes chineses se juntaram ao exército principal em Pyongyang, mas os japoneses não ficaram muito atrás. Em 16 de setembro de 1894, os chineses foram derrotados em Pyongyang e forçados a recuar para o norte, para fora da Coréia.


Batalha de Songhwan, 29 de julho de 1894 - História

Do lado japonês, cerca de 240.000 combatentes foram mobilizados para as campanhas na Coréia e na China, junto com outros 154.000 trabalhadores atrás das linhas. As fatalidades no campo de batalha foram surpreendentemente baixas, totalizando apenas cerca de 1.400. Além disso, muitos morreram de doenças, especialmente aquelas causadas por condições severas de inverno. Outros 50.000 soldados e 26.000 trabalhadores foram destacados na relativamente ignorada campanha de Formosa, onde as perdas japonesas foram realmente maiores. No geral, as baixas chinesas foram muito maiores. Só na batalha por Port Arthur, por exemplo, estima-se que cerca de 60.000 chineses, incluindo civis, podem ter sido mortos.

Neste momento de triunfo inebriante, o Japão realmente parecia ter & ldquothrown fora da Ásia & rdquo e ganhou reconhecimento como uma potência moderna, assim como Fukuzawa havia insistido mais de uma década antes. Essa grande demonstração de proezas militares não apenas apressou o fim dos tratados desiguais que as potências estrangeiras impunham ao Japão desde a década de 1850. Também abriu a porta para um prêmio extraordinário, quase inimaginável: a conclusão (em 1902) de uma aliança militar bilateral com a Grã-Bretanha.

Como o tempo iria mostrar, no entanto, isso provou ser um triunfo caro para todos os envolvidos. Ao tomar as potências imperialistas como modelo, embora condenando sua arrogância e agressão, os japoneses haviam adotado um papel inerentemente ambíguo e contraditório. E ao & ldquothring off & rdquo China como fizeram & mdashnot meramente decisiva, mas também zombeteiramente & mdash eles exibiram um desprezo racista por outros asiáticos que, mesmo hoje, pode tirar um fôlego.

Lafcadio Hearn, o ilustre escritor e residente de longa data do Japão, reconheceu imediatamente a natureza perigosa do novo mundo em que o Japão entrara. Em 1896, um ano após o fim da guerra, ele escreveu o seguinte:


Talvez o perigo futuro esteja apenas nesta imensa autoconfiança. Não é um sentimento novo criado pela vitória. É um sentimento de corrida, que triunfos repetidos serviram apenas para fortalecer.


(Citado do livro de Hearn & rsquos Kokoro de Shumpei Okamoto em Impressions of the Front.)

Embora a Guerra Sino-Japonesa tenha durado menos de um ano, os artistas do woodblock produziram cerca de 3.000 obras de fachada de batalha ostensiva e ldquoreportage & rdquo & mdashampling, como Donald Keene apontou, para uma incrível dez novas imagens todos os dias.

O que agora consideramos o grande florescimento da tradição da xilogravura terminou no final da era feudal com artistas de gênio extraordinário, como Katsushika Hokusai (1760 e ndash1849) e Utagawa Hiroshige (1797 e ndash1858). As & ldquoMeiji impressos & rdquo que se seguiram foram menos apreciadas. Mesmo gerações mais tarde, depois que colecionadores e conhecedores tardiamente reconheceram a enorme criatividade e o valor duradouro das gravuras da era feudal & mdash havia concedido a elas, por assim dizer, uma espécie de estatura & ldquoclássica & rdquo própria & mdash as impressões da era moderna eram geralmente mantidas em baixa que diz respeito.

Foi apenas nas últimas décadas que as gravuras Meiji chamaram a atenção. Em parte, deve-se reconhecer, isso aconteceu porque eles estavam espalhados em grande quantidade e eram muito mais baratos de coletar do que as gravuras feudais repentinamente caras. Em parte, também, esse aumento no interesse ocorreu porque essas gravuras posteriores foram vistas tardiamente como tendo um vigor distinto todo próprio.

Houve, no entanto, um terceiro fator por trás da redescoberta das gravuras Meiji. À medida que os historiadores começaram a dar atenção cada vez maior à cultura & ldquopopular & rdquo (começando por volta da década de 1960) e a dar mais ênfase ao estudo de & ldquotextos & rdquo que iam além dos documentos escritos em si, gráficos e imagens de todo tipo foram repentinamente reconhecidos como uma maneira vivaz de visualizar o passado. Pode-se, com efeito, ver literalmente o que as próprias pessoas em outras épocas e lugares estavam realmente vendo e, em seguida, tentar dar sentido a isso. Pode-se & ldquoread & rdquo imagens visuais da mesma forma que alguém pode ler a palavra escrita & mdashn - não simplesmente como arte, mas também como documentos sociais e culturais.

No Ocidente, o papel & ldquojornalístico & rdquo que as gravuras em xilogravura desempenharam no Japão do final do século 19 foi amplamente preenchido por publicações que apresentavam gravuras e litografias baseadas em fotografias. Na época da Guerra Sino-Japonesa, periódicos populares como o Notícias Ilustradas de Londres também apresentava as próprias fotografias. A impressão do mundo que esses gráficos ocidentais transmitiam era, via de regra, mais & ldquorrealista & rdquo e mais distanciada. Eram literalmente, e muitas vezes figurativamente também, incolores e nítido contraste com as impressões em xilogravura vivazes e altamente subjetivas.

Fotógrafos japoneses cobriram a Guerra Sino-Japonesa, um evocativo xilogravura de Kobayashi Kiyochika até mesmo os leva como tema, de pé na neve e fotografando as tropas com uma grande câmera box em um tripé.

Não havia contrapartida para isso no lado chinês - não havia tanta arte popular, nenhuma explosão de nacionalismo, nenhuma audiência nacional faminta por notícias do front.

Acontece que existe uma gravura em xilogravura japonesa rara e anônima de uma das maiores batalhas da Guerra Sino-Japonesa, a captura de Port Arthur em novembro de 1894. De tamanho idêntico a um tríptico de xilogravura de tamanho padrão (14 x 28 polegadas), isso sugere como os artistas gráficos japoneses poderiam ter retratado a guerra se tivessem adotado a prática ocidental de renderizações detalhadas em preto e branco. O detalhe é, de fato, meticuloso - tão obsessivamente fino que a impressão geral é quase clínica. O contraste com as estampas de xilogravuras coloridas animadas dificilmente poderia ser maior.


& ldquoIlustração do Segundo Exército Atacando e Ocupando Port Arthur, & rdquo artista desconhecido, 1894

[2000.369] Coleção Sharf,
Museu de Belas Artes, Boston

[2000.435] Coleção Sharf,
Museu de Belas Artes, Boston

A esmagadora maioria das impressões de guerra não eram, na verdade, nada disso. Embora alguns artistas e ilustradores tenham viajado com as tropas, os artistas do woodblock permaneceram no Japão & mdashcatching as últimas reportagens da frente conforme eles chegavam por telégrafo e correram para desenhar, cortar, imprimir, exibir e vender sua versão ilustrada do que leram antes que este & ldquonews & rdquo em particular se tornasse desatualizado. (Ocasionalmente, as impressões eram iniciadas em antecipação ao evento real!) Toshikata estava oferecendo uma cena imaginada e uma peça definida de mdasha que rapidamente se tornou estereotipada.

Nessas circunstâncias, as impressões muitas vezes simplesmente & ldquotavam & rdquo outras impressões. No início de novembro de 1894, por exemplo, Toshikata & rsquos colega Watanabe Nobukazu produziu uma renderização de & ldquoOur Forces & rsquo Grande Vitória e Ocupação de Jiuliancheng & rdquo que tinha grande semelhança com Toshikata & rsquos & ldquoHurrah, Hurray & rd, três meses antes. Soldados disciplinados olhavam para baixo do alto, outras tropas avançando abaixo deles. A mesma bandeira militar tremulava no mesmo painel direito do tríptico, um pinheiro torto e nodoso, tão amado na arte japonesa, foi novamente enraizado no centro da imagem, o inimigo recuou ao longe.

O mesmo capitão Higuchi & mdash ostentando sua espada e liderando suas forças no ataque enquanto agarrava uma criança chinesa encontrada abandonada no campo de batalha & mdashsteps em uma impressão por Migita Toshihide em pose heróica quase idêntica. Até mesmo as linhas horizontais que cruzam a cena para sugerir tiros aparecem em ambas as impressões. Quando Toshihide retrata & ldquoColonel Sat & # 333 & rdquo em uma batalha totalmente diferente, ele basicamente vira seu capitão Higuchi na direção oposta e o faz enfrentar as balas enquanto segura uma bandeira em vez de uma criança. Mais tarde, quando o exército japonês moveu-se para o sul para ocupar os Pescadores, Toshihide & rsquos oficial intrépido metamorfosearam-se como & ldquoCapitão Sakuma levantando um grito de guerra & rdquo. A versão Gekk & # 333 & rsquos do barbudo & ldquoColonel Sat & # 333 atacando o inimigo & rdquo fez o herói voltar para a direção usual de ataque à esquerda. Gink & # 333 colocou seu intrépido herói com uma espada (neste caso, sem nome) a cavalo em sua representação da grande batalha de Pyongyang.

A pose previsível do herói

Embora as impressões da Guerra Sino-Japonesa supostamente retratassem batalhas reais e as façanhas de oficiais e soldados da vida real, o & ldquoHero & rdquo quase invariavelmente assumia uma pose familiar & mdash como um ator Kabuki tradicional interpretando um guerreiro moderno. Oficiais em austeros uniformes de estilo ocidental brandiam espadas (a contrapartida para os homens alistados era a baioneta). Sua postura era resoluta, sua disciplina óbvia, sua vontade transparentemente inabalável.

Enquanto os guerreiros japoneses eram invariavelmente descritos como heróicos, as representações do inimigo chinês também seguiam padrões previsíveis. Suas roupas de cores vivas e antiquadas contrastavam fortemente com os austeros uniformes de estilo ocidental dos japoneses, e eram comumente descritos como oprimidos, derrotados e massacrados. Essas imagens capturaram graficamente as implicações duplas da retórica & # 8220 Jogando fora da Ásia & # 8221: primeiro, livrar-se das atitudes, costumes e comportamento antiquados e não ocidentais no próprio Japão e, segundo, literalmente superar os vizinhos asiáticos do Japão, que eram percebidos como tendo falhado em responder ao desafio ocidental, e assim colocando em risco a segurança de toda a Ásia. Essas atitudes refletiam as idéias de sobrevivência dos mais aptos que os japoneses aprenderam com as próprias potências ocidentais.

Não há nada de único em valorizar e personalizar o próprio lado de cada um ao mesmo tempo em que diminui o inimigo. Na Guerra Sino-Japonesa, entretanto, os japoneses estavam enfrentando a guerra de maneiras desconhecidas. Para começar, embora eles possuíssem uma profunda história de governo guerreiro que datava do final do século 12, isso na verdade terminou com vários séculos de paz. Do início do século 17 até a chegada do Comodoro Perry na década de 1850, a elite samurai japonesa e rsquos tinha sido guerreira sem guerras.

Contadores de histórias, atores e artistas no Japão do final do século 19, portanto, tinham uma rica tradição e repositório de imagens sobre a guerra medieval para se basear, mas nenhuma grande guerra recente além dos conflitos domésticos pouco antes e depois da Restauração Meiji. O longo período Tokugawa (1600 e ndash1868) que precedeu a Restauração produziu espadachins famosos em vez de heróis do campo de batalha. Além disso, além disso, os heróis do campo de batalha & ldquosamurai & rdquo dos tempos antigos vieram de uma elite hereditária - havia poucos plebeus entre eles.

A Guerra Sino-Japonesa, portanto, forneceu algo muito novo - não apenas uma guerra real e heróis reais no campo de batalha, e não apenas heróis das classes inferiores e classes inferiores, mas também uma guerra moderna e altamente mecanizada contra um inimigo estrangeiro. Antes da Restauração, o Japão não era uma & ldquonação & rdquo per se. Não se definiu vis- & agrave-vis outros países ou interagiu de forma séria com eles. A Restauração marcou o início real do que agora chamamos de & ldquo & mdas construção de quonação e a Guerra Sino-Japonesa levou isso a um nível inteiramente novo. Quando Lafcadio Hearn falou da conquista da China como uma marca & ldquothe real aniversário do novo Japão & rdquo, foi esse senso de nacionalista & mdas e agora imperialista & mdashmodernidade que ele tinha em mente.

Havia tensão, perigo, um risco enorme em tudo isso e, certamente, como os artistas transmitiam, beleza estimulante também. Os líderes do Japão jogaram os dados quando enfrentaram a China em 1894. De fato, a maioria dos observadores estrangeiros inicialmente presumiu que a China, com sua rica história e vasto tamanho e população, iria prevalecer. Em vez disso, enquanto os correspondentes de guerra e artistas japoneses transmitiam sem fôlego ao seu entusiasmado público de volta para casa, as vitórias japonesas vieram rapidamente. As forças chinesas foram derrotadas. O Japão dominou a guerra moderna e mdashnot apenas em terra, mas também no mar.

A maioria dos artistas de xilogravura que tentaram capturar essa empolgação eram jovens. (Em 1894, quando a guerra começou, Kiyochika, o decano desses artistas, tinha 47 anos e Ogata Gekk & # 333 35. Toshikata tinha 28, Toshihide 31, Taguchi Beisaku 30, Kokunimasa 22, Watanabe Nobukazu apenas 20. Toshimitsu & rsquos data de nascimento é pouco claro, mas ele provavelmente estava com quase 30 anos.) Eles não apenas absorveram o novo nacionalismo, mas aproveitaram o momento para apresentar novos temas artísticos (as armas e os mecanismos da guerra moderna, explosões, holofotes, inimigos asiáticos, verdadeiros heróis contemporâneos in extremis ) & mdashand, com isso, o que eles perceberam ser um novo senso de & ldquorealismo & rdquo de estilo ocidental que se estendeu além do assunto para novas maneiras de representar perspectiva, luz e sombra.

Quando tudo foi dito e feito, o que eles visualizaram em sua propagandística & # 8220 reportagem de guerra & # 8221 foi uma bela, heróica e moderna guerra. Para o que acabou sendo um momento fugaz, os artistas da xilogravura se imaginaram esplendidamente atualizados.


Batalha de Songhwan, 29 de julho de 1894 - História

NUNCA ESQUECIDO: Descendentes de soldados chineses mortos na Guerra de Jiawu espalharam flores na área de Dadonggou do Mar Amarelo, o principal campo de batalha durante a guerra, em 29 de julho perto de Dandong, província de Liaoning (CFP) do nordeste da China

A guerra também desempenhou um papel decisivo no colapso da Dinastia Qing e na ascensão do Japão como uma potência asiática, de acordo com Dai Yi, um professor da Universidade Renmin da China, com sede em Pequim.

"A guerra reduziu a China a uma presa das potências ocidentais e colocou o Japão em um caminho rápido para se tornar uma potência moderna, especialmente com as enormes indenizações de guerra da China", disse Dai.

Em 17 de abril de 1895, a China e o Japão assinaram o Tratado de Shimonoseki. No tratado, a China reconheceu a total e total independência e autonomia da Coréia - uma estipulação que na verdade tornou a Coréia mais suscetível à influência japonesa. O governo Qing também prometeu pagar ao Japão 200 milhões de taéis (no valor aproximado de US $ 5,3 bilhões hoje) em indenizações de guerra e cedeu a Península de Liaodong, Taiwan e as Ilhas Penghu.

Também cumpriu a abertura de mais quatro portos do tratado, incluindo Suzhou na província de Jiangsu, Hangzhou na província de Zhejiang, Shashi na província de Hubei e Chongqing no curso superior do rio Yangtze. A China também teve que dar aos cidadãos japoneses o direito de abrir fábricas e se envolver na indústria e manufatura na China.

"Vencer a guerra deixou os japoneses mais confiantes na superioridade militar do país. Isso enganou o Japão ao acreditar que a guerra e a agressão podem render riqueza e recursos, o que o colocou no caminho autodestrutivo do militarismo", disse Dai.

O rescaldo

A derrota da China na Guerra de Jiawu alterou o destino da China durante a Dinastia Qing. "A derrota mudou a forma como a China era vista tanto no Oriente quanto no Ocidente. A percepção da fraqueza chinesa levou a intrusões muito mais agressivas de potências estrangeiras", disse Paine. A partir de 1897, as potências imperiais, incluindo Alemanha, Rússia, Grã-Bretanha, Japão e França, separaram a China.

No entanto, Zong sugeriu que havia uma fresta de esperança na derrota. "Foi a partir da guerra que um verdadeiro movimento de renascimento começou, o que levou à Reforma dos Cem Dias em 1898, à Revolução Nacional em 1911 que derrubou o governo Qing, o Movimento de Quatro de Maio em 1919 e, finalmente, ao estabelecimento da República Popular da China em 1949 ", disse Zong.

"Devemos perceber que foi a Primeira Guerra Sino-Japonesa que abriu a porta para o povo chinês se levantar e buscar a verdadeira modernização passo a passo", disse Ma Yong, outro pesquisador do Instituto de História Moderna do CASS.

Ele disse que a história também tem aplicações modernas, já que a liderança da China agora está enfatizando as reformas e um novo enfoque no desenvolvimento do país.

"Todas as implicações da história podem ser reduzidas a uma frase: Devemos transformar a China em uma sociedade realmente moderna e civilizada, sendo respeitada por outros países", disse Ma.

Principais eventos da Guerra de Jiawu de 1894-95:

25 de julho de 1894: Navios de guerra japoneses atacam dois navios chineses perto do porto coreano de Asan

29 de julho de 1894: Os exércitos de campanha da Dinastia Qing e do Japão lutam em terra em Songhwan. A batalha termina com uma vitória japonesa no dia seguinte

1 ° de agosto de 1894: China e Japão declaram guerra oficialmente

16 de setembro de 1894: O exército Qing é derrotado em Pyongyang e recua para o lado chinês do rio Yalu

17 de setembro de 1894: A Frota Beiyang é derrotada pela Grande Frota Japonesa na Batalha do Rio Yalu

21 de novembro de 1894: O Segundo Exército do Japão conquista Lushun, também conhecido como Port Arthur, no nordeste da China e comete o Massacre de Port Arthur

2 de fevereiro de 1895: O exército japonês captura o porto de Weihai, na província de Shandong, no leste da China

12 de fevereiro de 1895: A Frota Beiyang se rende aos japoneses em Weihai

30 de março de 1895: Armistício é alcançado entre a Dinastia Qing e o Japão

17 de abril de 1895: O Tratado de Shimonoseki é assinado entre os dois países. A guerra termina.


Batalha de Songhwan, 29 de julho de 1894 - História

Este ano marca o 120º aniversário da eclosão da Primeira Guerra Sino-Japonesa de 1894-95, comumente conhecida na China como Guerra de Jiawu. O tempo passou, mas o trauma do conflito ainda é sentido pelo povo chinês até hoje.

Enfrentando crises internas e externas, a China e o Japão escolheram as reformas como o caminho para reviver suas respectivas sociedades desde a década de 1860. Enquanto o foco da Restauração Meiji do Japão era um plano de longo prazo para transformar o Japão em um país poderoso e moderno, o Movimento de Auto-Fortalecimento equivalente da China existia apenas para manter viva a Dinastia Qing.

25 de julho de 1894: Navios de guerra japoneses atacam dois navios chineses perto do porto coreano de Asan

29 de julho de 1894: Os exércitos de campanha da Dinastia Qing e do Japão lutam em terra em Songhwan. A batalha termina com uma vitória japonesa no dia seguinte

1 ° de agosto de 1894: China e Japão declaram guerra oficialmente

16 de setembro de 1894: O exército Qing é derrotado em Pyongyang e recua para o lado chinês do rio Yalu

17 de setembro de 1894: A Frota Beiyang é derrotada pela Grande Frota Japonesa na Batalha do Rio Yalu

21 de novembro de 1894: O Segundo Exército do Japão conquista Lushun, também conhecido como Port Arthur, no nordeste da China e comete o Massacre de Port Arthur

2 de fevereiro de 1895: O exército japonês captura o porto de Weihai, na província de Shandong, no leste da China

12 de fevereiro de 1895: A Frota Beiyang se rende aos japoneses em Weihai

30 de março de 1895: Armistício é alcançado entre a Dinastia Qing e o Japão

17 de abril de 1895: O Tratado de Shimonoseki é assinado entre os dois países. A guerra termina.


Impacto da greve de Homestead

Embora os trabalhadores de Homestead inicialmente tivessem amplo apoio público, isso mudou depois de seu tratamento brutal aos Pinkertons, bem como um atentado contra a vida de Frick & # x2019 no final de julho pelo anarquista Alexander Berkman, que não tinha nenhuma ligação com o sindicato. Homestead retomou as operações totalmente em meados de agosto de 1892, graças a cerca de 1.700 fura-greves, incluindo alguns dos primeiros metalúrgicos negros do estado.

Muitos dos trabalhadores em greve voltaram ao trabalho em meados de outubro, e o sindicato admitiu a derrota no mês seguinte. Os líderes da greve foram acusados ​​de assassinato e outros de crimes menores. Nenhum foi condenado, mas o dano ao trabalho sindicalizado em Homestead já estava feito. Com a Amalgamated fora do caminho, Carnegie cortou salários em todas as áreas, implementou uma jornada de trabalho de 12 horas e cortou centenas de empregos nos anos seguintes.

O desastre de Homestead ajudou a virar a opinião pública contra o uso de mão-de-obra contratada como os Pinkerton em disputas trabalhistas, e 26 estados aprovaram leis proibindo-a nos anos seguintes à greve. A própria reputação de Carnegie sofreu danos irreparáveis, com os críticos o rotulando de hipócrita e covarde por se esconder na Escócia e permitir que Frick fizesse o trabalho sujo.

Ainda assim, os lucros da Carnegie Steel continuaram a aumentar à medida que sua produtividade ultrapassava seus concorrentes, mesmo com o número de membros da Amalgamated caindo de mais de 20.000 em 1892 para 8.000 em 1895. A greve de Homestead quebrou o poder da Amalgamated e efetivamente encerrou a sindicalização entre os metalúrgicos em os Estados Unidos pelos próximos 26 anos, antes de ressurgir no final da Primeira Guerra Mundial


Jubal Early: Early Life and Military Service

Jubal Anderson Early nasceu no condado de Franklin, Virgínia, em 3 de novembro de 1816. Seu pai era um fazendeiro e político conhecido, e Early cresceu em uma plantação administrada por muitos escravos. Em 1833, Early foi nomeado para a Academia Militar dos Estados Unidos em West Point. Ele se formou em 1837, terminando em 18º em uma classe de 50. Em West Point Early também ganhou uma reputação de irascível que o acompanharia ao longo de sua carreira. Sua tendência para os insultos desempenhou um papel na altercação com o futuro General Confederado Lewis Armistead, que renunciou à Academia após quebrar um prato na cabeça de Early & # x2019s durante uma discussão.

Você sabia? A personalidade abrasiva e o temperamento explosivo do General Jubal Early & # x2019 eram notórios no Exército Confederado. Robert E. Lee, que respeitava Early como comandante de campo, era conhecido por se referir a ele como o & # x201CBad Old Man. & # X201D

Comissionado no 3º Regimento de Artilharia dos EUA, Early serviu na Segunda Guerra Seminole (1835-42) por um breve período antes de renunciar ao serviço militar em 1838 para seguir a lei. Ele provou ser um advogado de sucesso e foi eleito para a Câmara dos Delegados da Virgínia em 1841 antes de ser nomeado advogado da commonwealth & # x2019s em 1843. Ele ocupou este cargo por vários anos, com uma breve interrupção do serviço como oficial voluntário durante o México-Americano Guerra (1846-48). Cedo foi solteiro por toda a vida, mas durante seu tempo como advogado, ele começou um longo relacionamento público com uma mulher da Virgínia chamada Julia McNealey. O casal acabou tendo quatro filhos antes de ela se casar com outro homem em 1871.


Batalha de Songhwan, 29 de julho de 1894 - História



Categoria: A Campanha Asan - A Campanha Seikan [Seonghwan]) -- Beisen e seus filhos

Número de acesso: DFJN2015PRJW0024

Título (original): 大日本帝国万々歳成歓衝撃我軍大勝之図
Título: Dai Nihon Teikoku ban-banzai Seikan sh & # 333geki waga gun taish & # 333 no zu
Título traduzido: Viva o Grande Império Japonês! O ataque vitorioso do nosso exército em Seonghwan(Biblioteca Britânica)

Registrado na publicação do Worcester Art Museum de 1991 & ldquoIn Battles Light & rdquo, Como Viva! Viva! Pelo Grande Império Japonês! Imagem do ataque a Songhwan, uma grande vitória para nossas tropas. (Dai Nihon teikoku banbanzai: Seikan shūgeki waga gun taishō no zu). Número do catálogo 39, p.72.
Gravado na publicação 2001 do Museu de Belas Artes de Boston, Massachusetts & ldquoJapão no alvorecer da Idade Moderna & rdquo, como & ldquoBan-Banzai para o Grande Império Japonês! Ilustração do ataque a Songhwan, uma grande vitória para nossas tropas. & Rdquo Catálogo número 26, p.71.
Gravado na publicação Shinbaku Books 2014 & ldquoMassacres in Manchuria: Sino Japanese War Prints 1894-1895 & rdquo, editado por Jack Hunter, Como O ataque a Songhwan, com repórteres (incluindo o pintor de Kyoto Kubota Beisen) tomando notas, página 29.
Gravado na publicação do Museu de Arte da Filadélfia de 1983 & ldquoImpressões da Frente & rdquo, Como Banzai! Banzai para o Grande Império Japonês! O ataque a Songhwan (Dai Nihon teikoku banbanzai: Seikan shūgeki waga gun taishōnão zu). Número de catálogo 4. p.20.
Registrado na publicação de 1983 & ldquoA Guerra Sino-Japonesa, de Nathan Chaik & iumln & rdquo, como & ldquoImagem do ataque violento e da grande vitória de nossas forças armadas imperiais, durante a batalha de Song-hwan. Viva o Império!) (Dai Nihon teikoku ban-banzai: Seikan shōgeki waga gun taishō no zu). número de catálogo: 20. p.67.
Gravado em The Lavenberg Collection of Japanese Prints & ldquoSino-Japanese War Prints (1894-1895) & rdquo, (IHL Cat. # 81) Como & ldquoBan-Banzai para o Grande Império Japonês! Ilustração do ataque a Songhwan: uma grande vitória para nossas tropas.
Registrado no jornal de 2008 Throwing Off Asia II: xilogravuras da Guerra Sino-Japonesa (1894-95) por John W. Dower & ndash Capítulo Dois, & ldquoKiyochika & rsquos War & rdquo.pp.2-1 e 2-6. Como & ldquoHurrah, Hurrah para o Grande Império Japonês! Imagem do ataque a Songhwan, uma grande vitória para nossas tropas. & Rdquo

Artista (Original) e # 65306 水野年方 (1866-1908)
Artista & # 65306Mizuno Toshikata
Médio: tinta japonesa em xilogravura (nishiki-e) e cor no papel
Selo: Toshikata Osai shujin
Assinatura: Motome ni ojite (por solicitação) Toshikata e Oju Toshikata e
Editor (original):
Editor: Akiyama Buemon. Nihonbashi-ku
Gravador: Desconhecido
Impressora: Akiyama Buemon
Rinsha: Akiyama Buemon
Data de publicação & # 65306 Meiji 27 (agosto de 1894)
Data de aquisição: 18 de setembro de 2015

País de origem e # 65306 Japão
Tamanho: vertical e # 333ban. Tríptico. 27 e frac12 x 14 (polegadas). 69,3 x 35,7 cm

Seguida com interesse em jornais e revistas semanais em todo o Japão e no mundo, a Guerra Sino-Japonesa introduziu uma nova ocupação para o correspondente de guerra japonês. Esta impressão documenta o novo fenômeno e identifica aqueles que acompanharam o exército no ataque a Songhwan em 29 de julho de 1894, antes da declaração formal de guerra. As figuras à direita são simplesmente classificadas como & ldquonjornal correspondentes & rdquo (shō-shimbunsha tokuhain), mas aqueles à esquerda são identificados pelo nome & ndash & ldquoartist Kinsen & rdquo (gahaku Kinsen-kun) e & ldquoartist Beisen & rdquo (gahaku Beisen-kun). Kubota Beisen (1852-1906), usando o capacete branco de medula, foi um conhecido pintor de Kyoto. O mais importante repórter japonês no front, ele enviou relatos de testemunhas oculares e ilustrações que são a principal fonte de informação sobre as batalhas. & lsquo Seu filho Kinsen (1875-1954) foi correspondente durante as guerras sino-japonesas e russo-japonesas. (& lsquoKubota Beisen, Nisshin enviadoō gabō (Relatórios de imagens sobre a guerra sino-japonesa), 11 volumes (Tóquio, 1894-1895).
Da publicação & ldquoIn Battles Light & rdquo, Número do catálogo 39, pp.72 e 73.

Cena dramática das tropas imperiais japonesas atacando Songhwan durante a Guerra Sino-7Japanesa. De uma colina íngreme, soldados disparam contra uma fortaleza chinesa, chovendo uma salva de tiros sobre o inimigo assustado, que foge em pânico sob nuvens de fumaça. No centro, dois oficiais organizam o ataque, agitando suas espadas acima de suas cabeças. O mais interessante é que um grupo de repórteres pode ser visto à direita, um homem rabiscando em um caderno com um lápis enquanto outro desenha um rápido esboço com um pincel e tinta, uma prancheta suspensa em suas costas. Uma bandeira japonesa tremula com a brisa acima. Uma composição incrível e arrojada, com detalhes lindos.

Oito correspondentes de guerra observam o ataque a Songhwan em 29 de julho de 1894, nesta xilogravura. O principal repórter, Kubota Beisen (1852-1906), de boné branco, também foi pintor, cujas observações são registradas em uma série de relatos pictóricos sobre a Guerra Sino-Japonesa. Ele escreveu: & ldquoA companhia que tomou a ala esquerda chegou ao topo das colinas a nordeste de Songhwan às 5h20 e, depois de cavar, começou a bombardear o campo inimigo, que estava bem próximo, causando um grande número de vítimas. A infantaria também avançou. & ndash & ldquoCom uma força de ataque completa, nossos homens capturaram cinco acampamentos inimigos às 7h30 e os massacrados chineses fugiram, deixando incontáveis ​​quantidades de munição e suprimentos, incluindo oito canhões de campanha. Nessas duas horas de batalha feroz, a China sofreu quinhentas baixas, e o Japão, noventa, incluindo dois oficiais, & rdquo (& lsquoKubota Beisen, Nisshin enviadoō gabō (Picture Reports on the Sino-Japanese War), Volume 2, (novembro de 1894, pp.4-5).

Foi a primeira batalha travada pelo Japão em uma guerra estrangeira desde três séculos, e foi a primeira experiência do novo exército organizado inteiramente no sistema europeu. Embora os japoneses estivessem confiantes no sucesso, deve ter sido satisfatório para eles perceberem suas expectativas tão plenamente realizadas. A campanha de Asan foi pequena, mas sua pronta execução mostrou que os generais sabiam comandar e que a organização do exército funcionava bem, mesmo em um país desprovido de boas estradas. Pela primeira vez, ou assim parece, artistas e jornalistas apareceram no campo de batalha. o Kubota trio, Beisen the father, Beisen and Kinsen, his sons, were the only ones to be seen on print, although in this one, we can observe the father and the younger son Kinsen, They were present during the Song-hwan engagement, basically sketching the memorable event, nattily dressed, while newspapermen were scribbling notes and comments. Although Beisen had to return home, due to a bout of dysentery, he apparently returned, since his name is affixed on a set of illustrated books, signed by all three. Most of the artists did their stint at home, as news of each battle reached Tokyo as soon as it took place in the fields. Names and places, hitherto unknown to most, came out of press and were digested into vivid depictions about the heroic virtues of the Japanese fighting spirit. At first, some of their creations were rather on the folkloric side, but as time went on, the level of their creations reached a much higher sphere of quality, and brought out many authentic masterpieces. The Manchurian, and even more the Wei-Hai-Wei campaigns, produced works of the highest standard and some breath-taking scenes of snow and storms unequalled to this day. From the 1983 publication &ldquoThe Sino-Japanese War by Nathan Chaikïn&rdquo.

A well-known print by Mizuno Toshikata depicting a battle in July 1894, suggests many of the conventions that came to distinguish the Sino-Japanese War prints in general. This was the opening stage of the war, and the print&rsquos title alone conveys the fever pitch of Japanese nationalism: &ldquoHurrah, Hurrah for the Great Japanese Empire ! Picture of the Assault on Songhwan, a Great Victory for Our Troops.&rdquo

  • In Toshikata&rsquos rendering, stalwart Japanese soldiers with a huge &ldquoRising Sun&rdquo military flag in their midst advance against a Chinese force in utter disarray. Can we trust the Toshikata&rsquos print we see a delegation of Japanese &ldquonewspaper correspondents&rdquo that includes at its head not one but two artists, identifies by name. Depictions such as this very print, Toshikata seems to be assuring his audience &ndash and right at the start of the war &ndash could be trusted to be accurate. The overwhelming majority of war prints were, in fact, nothing of the sort. Although some artists and illustrators did travel with the troops, the woodblock artists remained in Japan &ndash catching the latest reports from the front as they came in by telegraph and rushing to draw, cut, print, display, and sell their pictured version of what they had read before this particular &ldquonews&rdquo became outdated. (Occasionally prints ere initiated in anticipation of the actual event!. Toshikata was offering an imagined scene &ndash a set piece that quickly became formulaic). From From the 2008 paper Throwing Off Asia II: woodblock prints of the Sino-Japanese War (1894-95) by John W. Dower &ndash Chapter Two, &ldquoKiyochika&rsquos War&rdquo.pp.1-6 &ndash 1-8.

Condition: Excellent colour and detail. Three separate panels. Horizontal centrefold in each panel. One small hole, repaired. Slight creasing, a few small spots.

The Basil Hall Chamberlain Collection.
British Library.
The Lavenberg Collection of Japanese Prints.
Jean S. and Frederic A. Sharf Collection, Museum of Fine Arts, Boston, Massachusetts. (Gift of Mrs. Francis Gardner Curtis [Res. 27.180.a-c]).
Massachusetts Institute of Technology.
Philadelphia Museum of Art.


In 1890, the Fon kingdom of Dahomey and the French Third Republic had gone to war in what was remembered as the First Franco-Dahomean War over the former's rights to certain territories, specifically those in the Ouémé Valley. [1] The Fon ceased hostilities with the French after two military defeats, withdrawing their forces and signing a treaty conceding to all of France's demands. [2] However, Dahomey remained a potent force in the area and quickly re-armed with modern weapons in anticipation of a second, decisive conflict.

After re-arming and regrouping, the Fon returned to raiding the Ouémé Valley, [3] the same valley fought over in the first war with France. Victor Ballot, the French Resident at Porto-Novo, was sent via gunboat upriver to investigate. [4] His ship was attacked and forced to depart with five men wounded in the incident. [4] King Benhanzin rejected complaints by the French, and war was declared immediately by the French. [4]

The French entrusted the war effort against Dahomey to Alfred-Amédée Dodds, an octoroon colonel of the Troupes de marine from Senegal. [4] Colonel Dodds arrived with a force of 2,164 men including Foreign Legionnaires, marines, engineers, artillery and Senegalese cavalry known as spahis plus the trusted tirailleurs. [4] These forces were armed with the new Lebel rifles, which would prove decisive in the coming battle. [5] The French protectorate kingdom of Porto-Novo also added some 2,600 porters to aid in the fight. [6]

The Fon, prior to the outbreak of the second war, had stockpiled between 4,000 and 6,000 rifles including Mannlicher and Winchester carbines. [7] These were purchased from German merchants via the port of Whydah. [7] King Béhanzin also bought some machine-guns and Krupp cannons, but it is unknown (and unlikely) that these were ever put to use. [7]

On the 15 June 1892, the French blockaded Dahomey's coast to prevent any further arms sales. [6] Then, on the 4 July the first shots of the war were fired from French gunboats with the shelling of several villages along the lower Ouémé Valley. [6] The carefully organized French army began moving inland in mid-August toward their final destination of the Dahomey capital of Abomey. [6]

Battle of Dogba Edit

The French invasion force assembled at the village of Dogba on the 14 September some 80 kilometres (50 mi) upriver on the border of Dahomey and Porto-Novo. [6] At around 5:00am on the 19 September the French force was attacked by an army of Dahomey. [6] The Fon broke off the attack after three to four hours of relentless fighting, characterized by repeated attempts by the Fon for melee combat. [8] Hundreds of Fon were left dead on the field with the French forces suffering only five dead. [8]

Battle of Poguessa Edit

The French forces moved another 24 km (15 mi) upriver before turning west in the direction of Abomey. [5] On the 4 October the French column was attacked at Poguessa (also known as Pokissa or Kpokissa) by Fon forces under the command of King Béhanzin himself. [5] The Fon staged several fierce charges over two to three hours that all failed against the 20-inch bayonets of the French. [5] The Dahomey army left the field in defeat losing some 200 soldiers. [9] The French carried the day with only 42 casualties. [9] The Dahomey Amazons were also conspicuous in the battle.

After the defeat at Poguessa, the Fon resorted to guerilla tactics rather than set-piece engagements. It took the French invasion force a month to march the 40 km (25 mi) between Poguessa and the last major battle at Cana just outside Abomey. [9] The Fon fought from foxholes and trenches to slow the French invasion. [9]

Battle of Adégon Edit

On 6 October, the French had another major encounter with the Fon, at the village of Adégon. [10] The Fon fared badly again, losing 86 Dahomey Regulars and 417 Dahomey Amazons. [10] The French suffered six dead and 32 wounded. [10] The French bayonet charge inflicted the lion's share of Dahomey casualties. [10] The Battle was a turning point for Dahomey: the royal court lost hope. [10] The battle was also significant in that much of Dahomey's Amazon corps was lost. [10]

Siege at Akpa Edit

The French column was able to cross another 24 km (15 mi) toward Abomey after Adégon, bivouacking at the village of Akpa. [10] From the moment they arrived, they were attacked daily. [10] From the French arrival until 14 October, Dahomey's Amazons were conspicuously absent. Then, on 15 October, they reappeared an were present in nearly every subsequent engagement, inflicting significant losses, especially against officers. [10] Once resupplied, the French departed Akpa on 26 October, heading toward the village of Cotopa. [11]

From the 26 to 27 October the French fought through the Dahomey forces at Cotopa and elsewhere, crossing lines of enemy trenches. [11] Bayonet charges were the deciding factor in nearly all engagements. The Fon penchant for hand-to-hand fighting left them at a disadvantage against French bayonets, which easily outreached Dahomey's swords and machetes. [11] The Amazons are reported by the French to have fought the hardest, charging out of their trenches but to no avail. [11]

Battle of Cana Edit

From the 2 November until the 4 November the French and Fon armies fought on the outskirts of Cana. [11] By this time, Béhanzin's army numbered no more than 1,500 including slaves and pardoned convicts. [11] On the 3 November the king directed the attack on the French bivouac. [11] Amazons seemed to have made up much of the force. After four hours of desperate combat, the Fon army withdrew. [11] The fighting continued until the next day.

The last engagement at Cana, which took place at the village of Diokoué, site of a royal palace, was the last time Amazons were used. [12] Special units of the Amazons were assigned specifically to target French officers. [12] After a full day of fighting, the French overran the Dahomey army with another bayonet charge. [12]

On the 5 November Dahomey sent a truce mission to the French, and the next day saw the French enter Cana. [12] The peace mission failed, however, and on the 16 November, the French army marched on Abomey. [12] King Béhanzin, refusing to let the capital fall into enemy hands, burned and evacuated the city. [12] He and the remnants of the Dahomey army fled north as the French entered the capital on the 17 November. [12] The French tricolor was hoisted over the Singboji palace, which survived the fire and remains in modern Benin to this day. [13]

The king of Dahomey fled to Atcheribé, 48 km (30 mi) north of the capital. [13] Attempts were initiated to rebuild the army and its Amazon Corps until the French chose Béhanzin's brother, Goutchili, as the new king. [13] King Béhanzin surrendered to the French on the 15 January 1894 and was exiled to Martinique. [13] The war had officially ended.


Coca-Cola sold in glass bottles for the first time

Though today there is almost nothing as ubiquitous as a bottle of Coca-Cola, this was not always the case. For the first several years of its existence, Coke was only available as a fountain drink, and its producer saw no reason for that to change. It was not until March 12, 1894 that Coke was first sold in bottles.

Originally developed as a non-addictive substitute for morphine, then marketed as a non-alcoholic "temperance drink," Coca-Cola was invented by John Pemberton, a druggist in Columbus, Georgia, in 1886. It was soon popular throughout the region, and the rights to the brand passed to Asa Griggs Candler. Candler&aposs nephew had advised him that selling the drink in bottles could greatly increase sales, but Griggs apparently wasn&apost interested. The first person to bottle Coke was Joseph A. Biedenharn, owner of a candy store in Vicksburg, Mississippi. Correctly determining that bottles could boost sales, Biedenharn put the drink into Hutchinson bottles, a common and reusable glass bottle that bore no resemblance to the modern Coke bottle. He sent Candler a case, but Candler continued to stick with fountain sales.

Five years later, Candler finally sold the national bottling rights to Coke𠅎xcluding the right to bottle it in Vicksburg—to two brothers from Chattanooga. Still convinced that bottling would not be a major source of revenue, Candler sold the bottling rights for a dollar and reportedly never collected even that. The contract stipulated that a bottle of Coke would cost 5 cents and had no end date, a legal oversight that resulted in the price remaining the same until 1959. In 1915, the bottlers put out a call for a new design, one so distinctive that one could recognize it if it were in pieces on the ground or by feeling it in the dark. The winning design, produced by the Root Glass Company of Terre Haute, Indiana, gave the world the iconic contoured bottle we know today.


First Sino-Japanese War

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

First Sino-Japanese War, conflict between Japan and China in 1894–95 that marked the emergence of Japan as a major world power and demonstrated the weakness of the Chinese empire. The war grew out of conflict between the two countries for supremacy in Korea. Korea had long been China’s most important client state, but its strategic location opposite the Japanese islands and its natural resources of coal and iron attracted Japan’s interest. In 1875 Japan, which had begun to adopt Western technology, forced Korea to open itself to foreign, especially Japanese, trade and to declare itself independent from China in its foreign relations.

Japan soon became identified with the more radical modernizing forces within the Korean government, while China continued to sponsor the conservative officials gathered around the royal family. In 1884 a group of pro-Japanese reformers attempted to overthrow the Korean government, but Chinese troops under Gen. Yuan Shikai rescued the king, killing several Japanese legation guards in the process. War was avoided between Japan and China by the signing of the Li-Itō Convention, in which both countries agreed to withdraw troops from Korea.

In 1894, however, Japan, flushed with national pride in the wake of its successful modernization program and its growing influence upon young Koreans, was not so ready to compromise. In that year, Kim Ok-Kyun, the pro-Japanese Korean leader of the 1884 coup, was lured to Shanghai and assassinated, probably by agents of Yuan Shikai. His body was then put aboard a Chinese warship and sent back to Korea, where it was quartered and displayed as a warning to other rebels. The Japanese government took this as a direct affront, and the Japanese public was outraged. The situation was made more tense later in the year when the Tonghak rebellion broke out in Korea, and the Chinese government, at the request of the Korean king, sent troops to aid in dispersing the rebels. The Japanese considered this a violation of the Li-Itō Convention, and they sent 8,000 troops to Korea. When the Chinese tried to reinforce their own forces, the Japanese sank the British steamer Kowshing, which was carrying the reinforcements, further inflaming the situation.

War was finally declared on August 1, 1894. Although foreign observers had predicted an easy victory for the more massive Chinese forces, the Japanese had done a more successful job of modernizing, and they were better equipped and prepared. Japanese troops scored quick and overwhelming victories on both land and sea. By March 1895 the Japanese had successfully invaded Shandong province and Manchuria and had fortified posts that commanded the sea approaches to Beijing. The Chinese sued for peace.

In the Treaty of Shimonoseki, which ended the conflict, China recognized the independence of Korea and ceded Taiwan, the adjoining Pescadores, and the Liaodong Peninsula in Manchuria.

China also agreed to pay a large indemnity and to give Japan trading privileges on Chinese territory. This treaty was later somewhat modified by Russian fears of Japanese expansion, and the combined intercession of Russia, France, and Germany forced Japan to return the Liaodong Peninsula to China.

China’s defeat encouraged the Western powers to make further demands of the Chinese government. In China itself, the war triggered a reform movement that attempted to renovate the government it also resulted in the beginnings of revolutionary activity against the Qing dynasty rulers of China.

The Editors of Encyclopaedia Britannica Este artigo foi revisado e atualizado mais recentemente por Adam Augustyn, Editor Gerente, Reference Content.


Assista o vídeo: 24 lipca 2017


Comentários:

  1. German

    Esse pensamento maravilhoso será útil.

  2. Kazijin

    eu pego de qualquer jeito

  3. Theon

    Você comete um erro. Vamos discutir. Escreva-me em PM.

  4. Odin

    Eu acho que você enganou.

  5. Tolman

    Concorda, esta opinião divertida

  6. Zulkilrajas

    Existem análogos?



Escreve uma mensagem