Arco de Tito, Roma

Arco de Tito, Roma


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Titus

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Titus, na íntegra Tito Vespasiano Augusto, nome original Titus Flavius ​​Vespasianus, (nascido em 30 de dezembro de 39 dC - falecido em 13 de setembro de 81 dC), imperador romano (79–81) e o conquistador de Jerusalém em 70.

Quem foi Titus?

Tito foi o imperador romano de 79 a 81 EC. Ele também é conhecido por ser o conquistador de Jerusalém.

O que Titus fez?

Tito comandou uma legião romana na Judéia. Em 70 EC, ele liderou uma campanha que culminou na captura e destruição de Jerusalém. Tito se tornou o imperador romano em 79. Ele concluiu a construção do Anfiteatro Flaviano, mais conhecido como Coliseu, e o abriu com cerimônias que duraram mais de 100 dias.

Como era a família de Titus?

O pai de Tito foi o imperador romano Vespasiano. Depois que Tito morreu em 81 EC, seu irmão Domiciano tornou-se imperador. Tito casou duas vezes, mas sua primeira esposa morreu, e ele se divorciou da segunda logo após o nascimento (c. 65) de sua única filha, uma filha, Flávia Julia, a quem ele concedeu o título de Augusta.

Após o serviço na Grã-Bretanha e na Alemanha, Tito comandou uma legião sob o comando de seu pai, Vespasiano, na Judéia (67). Após a morte do imperador Nero em junho de 68, Tito foi enérgico ao promover a candidatura de seu pai à coroa imperial. Licínio Mucianus, legado da Síria, a quem reconciliou com Vespasiano, considerou que um dos maiores bens de Vespasiano era ter um filho e herdeiro tão promissor. Imediatamente ao ser proclamado imperador em 69, Vespasiano encarregou Tito da guerra judaica, e uma campanha em grande escala em 70 culminou na captura e destruição de Jerusalém em setembro. (O Arco de Tito [81], ainda de pé na entrada do Fórum Romano, comemorou sua vitória.)

As tropas vitoriosas na Palestina incitaram Tito a levá-los com ele para a Itália, suspeitou-se que agiram de acordo com sua orientação e que ele estava considerando algum tipo de desafio a seu pai. Mas finalmente ele voltou sozinho no verão de 71, triunfou juntamente com Vespasiano e foi nomeado comandante da Guarda Pretoriana. Ele também recebeu o poder tribúnico e foi colega de seu pai na censura de 73 e em vários consulados. Embora Vespasiano tenha evitado de várias maneiras tornar Tito seu igual, o filho se tornou o braço militar do novo principado e é descrito por Suetônio como particeps atque etiam tutor imperii (“Participante e até protetor do império”). Como tal, ele se tornou impopular, agravado por suas relações com Berenice (irmã do sírio Herodes Agripa II), que viveu com ele por um tempo no palácio e esperava se tornar sua esposa. Mas os romanos tinham memórias de Cleópatra, e o casamento com uma rainha oriental era repugnante para a opinião pública. Por duas vezes, ele relutantemente teve que dispensá-la, a segunda vez logo após a morte de Vespasiano.

Em 79, Tito suprimiu uma conspiração, sem dúvida preocupado com a sucessão, mas, quando Vespasiano morreu em 23 de junho, ele o conseguiu pronta e pacificamente. Suas relações com seu irmão Domiciano eram ruins, mas em outros aspectos seu breve governo foi inesperadamente popular em Roma. Ele era excepcionalmente bonito, culto e afável. Suetônio o chamou de "o queridinho da raça humana". Seu sucesso foi conquistado em grande parte por gastos pródigos, alguns puramente generosos, mas algumas recompensas públicas, como a assistência à Campânia após a erupção do Vesúvio em 79 e a reconstrução de Roma após o incêndio em 80. Ele concluiu a construção do Anfiteatro Flaviano, melhor conhecido como o Coliseu, e abriu-o com cerimônias que duraram mais de 100 dias. Sua morte repentina aos 41 anos foi supostamente acelerada por Domiciano, que se tornou seu sucessor como imperador.

Tito se casou duas vezes, mas sua primeira esposa morreu, e ele se divorciou da segunda logo após o nascimento (c. 65) de sua única filha, uma filha, Flávia Julia, a quem concedeu o título de Augusta. Ela se casou com seu primo Flavius ​​Sabinus, mas após sua morte em 84 ela viveu abertamente como amante de seu tio Domiciano.

Este artigo foi revisado e atualizado mais recentemente por Alison Eldridge, gerente de conteúdo digital.


Arco de Tito, Roma - História

Uma procissão formal em celebração da vitória sobre um inimigo. A palavra grega thri · am · beu · o, que significa “liderar uma procissão triunfal”, ocorre apenas duas vezes nas Escrituras, cada vez em um cenário ilustrativo um tanto diferente. - 2Co 2:14 Col 2:15.

Procissões triunfais entre as nações. Egito, Assíria e outras nações comemoraram suas vitórias militares com procissões triunfais. Nos dias da república romana, uma das maiores honras que o Senado podia conceder a um general conquistador era permitir que ele celebrasse sua vitória com uma procissão formal e cara de triunfo, na qual nenhum detalhe de pompa e glória era esquecido.

A procissão romana moveu-se lentamente ao longo da Via Triumphalis e subiu a sinuosa subida até o templo de Júpiter no topo do Monte Capitolino. Músicos tocando e cantando canções de vitória estavam na frente, seguidos por jovens conduzindo o gado sacrificial. Então vieram carros abertos carregados de butim e enormes carros alegóricos ilustrando cenas de batalha ou a destruição de cidades e templos, e talvez encimados por uma figura do comandante vencido. Os reis, príncipes e generais capturados na guerra, com seus filhos e assistentes, eram conduzidos acorrentados, muitas vezes despidos, para sua humilhação e vergonha.

Em seguida veio a carruagem do general, decorada com marfim e ouro, enfeitada com louros e puxada por quatro cavalos brancos ou, ocasionalmente, por elefantes, leões, tigres ou veados. Os filhos do conquistador se sentaram a seus pés ou cavalgaram em uma carruagem separada atrás dele. Cônsules e magistrados romanos seguiram a pé, depois os tenentes e tribunos militares com o exército vitorioso - todos enfeitados com guirlandas de louros e presentes, e cantando canções de louvor ao seu líder. Na vanguarda estavam os sacerdotes e seus assistentes trazendo a principal vítima para o sacrifício, um boi branco.

Enquanto a procissão passava pela cidade, a população atirava flores diante da carruagem do vencedor e queimar incenso nos altares do templo perfumava o caminho. Esse cheiro doce significava honras, promoção, riqueza e uma vida mais segura para os soldados vitoriosos, mas significava morte para os cativos não perdoados que seriam executados no final da procissão. Este fato lança luz sobre a aplicação espiritual de Paulo da ilustração em 2 Coríntios 2: 14-16.


Arco de Tito, Roma - História

O Arco de Tito em Roma. Foto: Cortesia de Steven Fine, Projeto Arco de Titus.

Como era Roma nos tempos antigos?

Normalmente, quando visualizamos a Roma antiga, imaginamos um mundo de estátuas e edifícios de mármore branco reluzente. Esta, entretanto, não é uma imagem precisa. Embora muitas estátuas e monumentos romanos e gregos agora pareçam brancos (ou cinza), eles eram originalmente coloridos. A brancura que vemos hoje é o resultado de anos de desgaste.

Um dos monumentos mais famosos da Roma antiga é o Arco de Tito, construído pelo imperador romano Domiciano por volta de 81 d.C., após a morte de seu irmão e predecessor, o imperador Tito. O arco celebra as vitórias militares de Tito durante a Primeira Guerra Judaico-Romana (66-74 d.C.) - quando os romanos queimaram o Templo em Jerusalém de forma infame. Um dos painéis do arco mostra soldados romanos carregando tesouros capturados do Templo de Jerusalém, incluindo uma grande menorá, pelas ruas de Roma.

O painel da menorá do arco. Como era o Arco de Tito na Roma Antiga? O Projeto Arco de Tito mostrou que o painel da menorá do arco já foi colorido, mas com o tempo suas cores desbotaram e hoje parece incolor. Foto: Cortesia de Steven Fine, Projeto Arco de Titus.

Hoje, o Arco de Tito parece incolor, mas como era esse monumento na Roma antiga?

Usando a tecnologia, uma equipe internacional de estudiosos restaurou digitalmente um painel do Arco de Tito à sua cor original - oferecendo-nos um vislumbre de como era a Roma antiga. Steven Fine da Yeshiva University, Peter J. Schertz do Virginia Museum of Fine Arts e Donald H. Sanders do Institute for the Visualization of History detalham seus esforços de restauração no artigo “True Colors: Digital Reconstruction Restores Original Brilliance to the Arch of Titus,” publicado na edição de maio / junho de 2017 da Revisão de Arqueologia Bíblica.

A fortaleza de Herodes no deserto no topo da montanha de Massada ficou famosa como o local da última resistência entre os rebeldes judeus sitiados e os romanos que avançavam implacavelmente na conclusão da Primeira Revolta Judaica. No ebook grátis Massada: Fortaleza do Deserto do Mar Morto, descubra o que a arqueologia revela sobre a identidade, fortificações e armas dos defensores antes de seu sacrifício final.

A equipe se concentrou no painel da menorá do Arco de Tito. Depois de criar uma digitalização 3D deste painel, eles puderam ver a cena com mais detalhes do que nunca, o que lhes permitiu restaurar digitalmente partes dela - até mesmo reconstruir a mesa de pão da proposição e algumas das cabeças dos vencedores romanos que haviam sido perdidas há muito tempo atrás. Em seguida, a equipe examinou o painel em busca de sinais de cor. Traços de pigmento amarelo foram descobertos na menorá, o que confirmou que a menorá do Arco de Tito foi originalmente pintada de amarelo. Esses resultados se alinham com o relato do historiador judeu Josefo sobre o desfile da vitória romana, em que ele descreve a menorá como sendo de ouro.

Esta renderização sem cor da digitalização 3D do painel da menorá do Arco de Tito foi criada pela UNOCAL, uma empresa de digitalização em Milão. Foto: Cortesia de Steven Fine, Projeto Arco de Titus.

A equipe então adicionou cor ao resto do painel - trazendo a cena antiga à vida. Eles coloriram o fundo de azul celeste, as túnicas esbranquiçadas, as vestimentas roxas avermelhadas, as grinaldas verdes, as bagas de louro roxas, os vasos sagrados de ouro, as trombetas de prata e o couro e madeira marrom. Eles coloriram o arco (na extremidade direita do painel) de branco, preto e dourado. Além disso, eles adicionaram rótulos aos três sinais mantidos pelos vencedores romanos - esses rótulos foram baseados vagamente no texto de Josefo.

Esta reconstrução digital mostra o painel da menorá do Arco de Tito após ter sido restaurado e colorido pelo Projeto Arco de Tito e pelo Instituto de Visualização da História. Isso nos oferece um vislumbre de como era a Roma Antiga. Foto: © 2017 Institute for the Visualization of History, Inc.

Para confirmar que suas reconstruções estão corretas, a equipe espera retornar ao Arco de Tito em breve para examinar o resto do painel da menorá em busca de cores. Saiba mais sobre este projeto em “True Colors: Digital Reconstruction Restores Original Brilliance to the Arch of Titus” por Steven Fine, Peter J. Schertz e Donald H. Sanders na edição de maio / junho de 2017 da Revisão de Arqueologia Bíblica.

——————
Assinantes: Leia o artigo completo “True Colors: Digital Reconstruction Restores Original Brilliance to the Arch of Titus” por Steven Fine, Peter J. Schertz e Donald H. Sanders na edição de maio / junho de 2017 da Revisão de Arqueologia Bíblica.

Ainda não é assinante? Junte-se hoje.


ARCO DE TITUS

No ano 63 aC, o general romano Pompeu foi convidado a intervir nas lutas internas pelo poder na Judéia. Os romanos passaram os dois séculos seguintes lutando uma sucessão interminável de guerras em um esforço para subjugar a província mais rebelde do império. Ao final da Grande Revolta, eles erroneamente acreditaram que as aspirações judaicas à automonia foram esmagadas para sempre, e o imperador comemorou prematuramente essa vitória final erguendo um arco triunfal em Roma. Este arco carrega a gravura mais famosa da história judaica antiga: o saque do Grande Templo. Acredita-se que seja o único registro visual contemporâneo sobrevivente de Jerusalém e do Grande Templo no século 1 DC. O Arco de Tito faz parte do Centro Histórico de Roma, Patrimônio Mundial da UNESCO.

História

Em meados do século 2 aC, mesmo enquanto os macabeus lutavam pela independência do decadente Império Selêucida, um novo poder estava surgindo no oeste. Depois de séculos de guerra e expansão na Itália, os romanos estavam começando a absorver as pequenas cidades-estado e pequenas nações que surgiram com a dissolução do Império de Alexandre no leste. Da Macedônia, Grécia e Ásia Menor, eles avançaram para o leste, culminando em uma luta titânica contra os selêucidas, o mais poderoso dos estados sucessores de Alexandre. Os selêucidas, enfraquecidos por suas guerras com a Pérsia e por rebeliões na Judéia, foram derrotados, deixando o resto do leste aberto aos romanos.

Em 63 aC, o povo da Judéia foi envolvido em uma guerra civil, mesmo quando os romanos chegaram à sua porta. Um dos dois pretendentes ao trono, Aristóbulo II, enviou um enviado a Pompeu pedindo sua ajuda. Pompeu enviou suas legiões e restaurou a ordem. Logo depois, os romanos começaram a jogar as várias facções umas contra as outras, até que os governantes da Judéia eram pouco mais do que fantoches. Quando o povo e os líderes da Judéia perceberam o que havia acontecido, já era tarde demais e a Judéia era um reino cliente de Roma.

No entanto, o domínio estrangeiro não agradou aos judeus. Devido à inquietação perpétua, os romanos foram forçados a manter grandes exércitos permanentes na província. No final, eles foram forçados a reprimir três grandes rebeliões. A primeira rebelião, também conhecida como Grande Revolta, é a que mais terrivelmente está gravada na memória coletiva de todos os judeus. Após algumas breves vitórias judaicas em 66 e 67 DC, os romanos se reagruparam e invadiram a Judéia com o exército mais poderoso que a região já tinha visto. O general Vespasiano, escolhido a dedo pelo imperador Nero, esmagou sistematicamente a revolta judaica em todo o campo, depois voltou seus olhos para Jerusalém.

Os romanos sitiaram a cidade sagrada dos judeus. Os defensores de Jerusalém, os zelotes, lutaram ferozmente, mas em vão. Em Tisha B'Av a cidade caiu. Perto do fim da luta, o Templo de Herodes foi incendiado. Logo ficou em ruínas, junto com o resto de Jerusalém. Nos dias que se seguiram, a cidade foi saqueada e seus tesouros levados de volta a Roma como saque. Para comemorar a vitória, os romanos construíram um arco triunfal em homenagem ao imperador Tito. O Arco de Tito é um dos monumentos mais completos da Roma Antiga. É mais famoso por sua representação do saque do Segundo Templo e o roubo de sua grande menorá de ouro. Por quase dois mil anos, foi tradição entre os judeus não andar sob o arco. Essa tradição foi quebrada em 1948, quando milhares de judeus italianos marcharam sob o arco para celebrar a independência de Israel.

Visitando

O Arco de Tito faz parte das ruínas que marcam o que antes era o centro de Roma. Fica dentro do Fórum próximo ao Monte Palatino. Com quinze metros de altura, é um dos maiores monumentos sobreviventes da Roma Antiga. Concluído no final do século I DC, o arco permaneceu em excelentes condições, embora tenha passado por uma restauração substancial em 1700. É coberto com baixos-relevos, arabescos e gravuras que celebram a grande vitória de Vespasiano e Tito na Judéia. Uma gravura posterior do século 19 significa a rededicação do arco pela Igreja Católica.

O baixo-relevo pelo qual o Arco de Tito é mais famoso representa o saque do Segundo Templo de Jerusalém. Na representação, soldados e escravos romanos, estes últimos provavelmente judeus, são vistos vagando pelas ruínas de Jerusalém. O prédio ao fundo é provavelmente o Templo. Os escravos estão levando tesouros, incluindo a gigante menorá de ouro que uma vez coroou o Templo. Eles também estão carregando as trombetas sagradas, bem como outros objetos não identificáveis. Este baixo-relevo é famoso por ser a única representação contemporânea do Segundo Templo em qualquer forma já encontrada.

O Fórum Romano está localizado a sudeste do centro da moderna cidade de Roma e é facilmente acessível a pé ou de transporte público. Todo o Fórum Romano, incluindo o Arco de Tito, foi preservado como um museu ao ar livre. Está aberto todas as 9h00 até uma hora antes do pôr do sol. A admissão ao site é Eu11,00. Web: www.capitolium.org (site oficial)

Outros sites

Uma comunidade judaica existe em Roma desde o século 1 aC. Estranhamente, apesar do fato de que Roma era o lar da Igreja Católica Romana, os judeus sobreviveram em Roma por muito mais tempo do que em muitos outros lugares mais tolerantes. O maior legado dos primeiros judeus romanos é o Catacumbas da Villa Torlonia. Assim chamada porque uma entrada foi descoberta na residência da família Torlonia, essas criptas subterrâneas se estendem por uma vasta área. Elas são uma das poucas e certamente as maiores catacumbas judaicas já descobertas. Outro site famoso é o Catacumbas Judaicas de Venosano sul da Itália. Em 1986 o Grande Sinagoga de Roma foi o local de um dos maiores momentos nas relações judaico-católicas, quando o papa João Paulo II se tornou o primeiro papa desde os tempos romanos a entrar em uma sinagoga, onde orou publicamente com o rabino Elio Toaff.


Arco de Tito, Roma - História

"O Arco de Tito, em Roma, foi erguido após a morte do imperador, para comemorar principalmente a captura de Jerusalém. Tem uma única abertura flanqueada em cada face externa por colunas anexas com exemplos antigos do capitel Composto. No intradorso em caixotão do As faces do arco e da parede abaixo dele são relevos do imperador e despojos do Templo de Jerusalém. As faces externas dos pilares são restaurações exemplares do século XIX, realizadas já em 1821, após a demolição da fortificação na qual o arco foi incorporado na Idade Média. Eles consertam o que foi destruído, sem qualquer tentativa de engano. "

& # 151 Sir Banister Fletcher. Uma História da Arquitetura. p243, 246.

Na seção ocidental do Fórum Romano.

Robert Adam. Arquitetura Clássica. London: Penguin Books, 1990. ISBN 0-670-82613-8. NA260.A26 1990. desenho da seção, fig d, p152. desenho do plano, fig d, p152. desenho de elevação, fig d, p152.

Fritz Baumgart. A History of Architectural Styles. Nova York: Praeger Publishers, 1970. NA204.B3513. LC 70-110283. desenho de elevação, f44, p48. Bildarchiv Foto, Marburg.

James Stevens Curl. Arquitetura Clássica: uma introdução ao seu vocabulário e fundamentos, com um seleto glossário de termos. Nova York: Van Nostrand Reinhold, 1992. ISBN 0-442-30896-5. NA260.C87. foto externa do arco mostrando a forma colunar e trabetada mesclada com o princípio arqueado, f2.68, p52.

Sir Banister Fletcher. Uma História da Arquitetura. Londres: The Butterworth Group, 1987. ISBN 0-408-01587-X. LC 86-31761. NA200.F63 1987. desenho detalhado da pedra angular, fig a, p245. discussão p 243, 246. O texto clássico da história da arquitetura. Edição expandida de 1996 disponível na Amazon.com

Dennis Sharp, ed. The Illustrated Encyclopedia of Architects and Architecture. Nova York: Whitney Library of Design, uma marca de Watson-Guptil Publications, 1991. ISBN 0-8230-2539-X. foto, p181.

Doreen Yarwood. A Arquitetura da Europa. Nova York: Hastings House, 1974. ISBN 0-8038-0364-8. LC 73-11105. NA950.Y37. desenho em perspectiva, f157, p70. desenho detalhado em elevação da ordem composta, f97, p43.


História do Arco de Tito

Embora apenas imperador por 2 anos, Tito lutou muitas campanhas sob o comando de seu pai, o imperador Vespasiano. O Arco de Tito comemora sua deificação, bem como sua vitória na Guerra Judaica, que durou de 66 DC até a queda de Massada em 73 DC.

Os painéis que decoram o arco mostram a procissão triunfal celebrada quando os romanos capturaram e destruíram a cidade e o Templo de Jerusalém. Consequentemente, o arco também teve um significado além do período romano. Apesar da celebração da derrota sobre os judeus, a estrutura também se tornou um símbolo da diáspora judaica. Uma menorá retratada no arco funcionava como um modelo para o emblema do estado de Israel.

Além disso, o Arco de Tito forneceu um modelo para muitos arcos construídos após o século 16, sendo o mais famoso o Arco do Triunfo em Paris.

Durante a Idade Média, a família real Frangipani adicionou outro nível à abóbada e converteu o arco em uma torre fortificada. O Papa Paulo IV fez do Arco de Tito um local de juramento de submissão durante seu papado (entre 1555 e 1559).


A História do Arco de Tito

O Imperador Domiciano foi o Imperador Romano de 81 a 96 DC e foi o último governante da dinastia Flaviana, que incluiu seu pai Vespasiano e o irmão mais velho Tito. Ele continuou o trabalho de restauração de seus predecessores e família, e também fortaleceu a economia ao reavaliar as moedas romanas. O primeiro projeto de seu reinado de 15 anos foi encomendar uma homenagem a seu irmão Tito para comemorar seu sucesso na Guerra Judaica. Esta homenagem foi chamada de Arco de Tito. Com base no estilo e nos detalhes escultóricos do arco, os estudiosos acreditam que Domiciano favoreceu o arquiteto Rabirius para a tarefa, que também projetou o enorme Palácio Flaviano no Monte Palatino e a Villa Alban na atual Castel Gandolfo. Localizado no ponto mais alto da Via Sacra, Domiciano criou o Arco ao longo da rua mais movimentada da Roma Antiga para mostrar a importância desse imperador e da vitória do passado. Ao longo do tempo, o arco manteve-se uma estrutura de longa data, mesmo sobrevivendo à queda de Roma no século V. No entanto, o arco passou por uma reforma em 1817 devido à lenta deterioração das colunas externas e da decoração externa.


A Menorá de Ouro no Arco de Tito

Você provavelmente já viu isso (foi uma semana agitada de aula na última semana), mas precisamos deixar isso registrado. As últimas investigações para ver as cores que originalmente adornavam os monumentos antigos detectaram que a menorá no Arco de Tito foi originalmente pintada de amarelo (como provavelmente poderia ser antecipado). Só para ser um pouco diferente dos outros posts & # 8217, aqui & # 8217s a cobertura da University of Virginia:

Nesta parte da procissão triunfal de Tito & # 8217 (do Arco de Tito em Roma), os tesouros do Templo Judaico em Jerusalém estão sendo exibidos ao povo romano. Daí a Menorá. (Crédito da foto: Wikipedia)

Historiadores e arqueólogos estudaram as ruínas do Fórum Romano durante séculos, empregando as ferramentas disponíveis para aumentar o conhecimento deste centro da vida pública romana que sediou eleições, procissões triunfais, discursos, julgamentos, lojas e espetáculos de gladiadores.

As pesquisas mais recentes sugerem que essas estruturas, que conhecemos como mármore branco, podem ter sido pintadas com cores vivas.

Bernard Frischer, um professor de clássicos e história da arte na University of Virginia & # 8217s College of Arts & amp Sciences, liderou uma equipe de especialistas que usou tecnologia de ponta para encontrar vestígios de pigmento amarelo em um baixo-relevo de uma menorá no fórum e # 8217s Arco de Tito. Em seu apogeu, o pigmento amarelo teria parecido dourado à distância.

Frischer disse que a menorá tem um significado histórico. & # 8220A menorá no relevo é extremamente importante para os judeus, pois mostra a menorá do Segundo Templo em Jerusalém, que Tito capturou e saqueou em 70 DC. & # 8221

Exposto aos elementos durante séculos, hoje nenhum vestígio de pigmento é visível a olho nu. O arco foi limpo e restaurado na década de 1820. & # 8220Por tudo o que sabemos, qualquer pigmento sobrevivente foi raspado do mármore, como aconteceu com muita frequência no passado com outros monumentos e estátuas, & # 8221 Frischer disse. Um estudo de 1999 & # 8220 encontrou muita descoloração devido à poluição, mas nenhum vestígio de pigmento antigo. & # 8221

Frischer, codiretor de tecnologia do & # 8220Arch of Titus Restoration Project, & # 8221 liderado por Steven Fine na Yeshiva University em Nova York, reuniu especialistas para um projeto piloto - usar a tecnologia do século 21 para buscar quaisquer vestígios remanescentes de pigmento.

& # 8220Isso envolveu o uso de duas tecnologias diferentes, com as quais estou muito familiarizado em projetos anteriores, & # 8221 Frischer disse.

Os consultores usaram captura de dados óticos 3-D não invasivos e espectrometria visual ultravioleta para determinar a química dos depósitos de pigmento. Frischer contou com a experiência da Unocad de Vincenza, Itália para a captura 3-D usando o Breuckmann smartSCAN para suas medições ópticas precisas, e Heinrich Piening, um conservador do Departamento de Estado da Baviera para a Conservação de Castelos, Jardins e Lagos na Alemanha e pioneira em espectrometria visual ultravioleta, para análise.

& # 8220A espectrometria UV-VIS ainda é uma técnica relativamente nova na arqueologia romana & # 8221 Frischer disse.

Frischer aplicou tecnologias de ponta na criação de modelos digitais 3-D para a restauração policromia de figuras romanas, como o Museu de Arte da Virgínia e a estátua de Calígula # 8217, em nome do Laboratório Virtual do Patrimônio Mundial, [link: http: // vwhl.clas.virginia.edu/] que fundou em julho de 2009. O laboratório é administrado pelo departamento de clássicos e hospedado pelo departamento de arte.

As descobertas do projeto Arco de Tito também adicionarão outra dimensão ao projeto do laboratório & # 8217s virtual & # 8220Rome Reborn & # 8221 [link: http://www.romereborn.virginia.edu/], uma recriação digital de Roma como apareceu em AD 320. Frischer dirige esse esforço contínuo, que foi criado por uma equipe internacional de especialistas e lançado em 2007.

Após os estudos finais do arco, Frischer usará os dados para supervisionar duas recriações digitais em 3-D para o Projeto de Restauração do Arco de Tito.

& # 8220No primeiro, ou & # 8216modelo de estado, & # 8217 adicionaremos apenas a cor que é atestada pelos estudos do Dr. Piening & # 8217s & # 8221, disse ele. & # 8220No segundo, ou & # 8216modelo de restauração, & # 8217 iremos além da evidência irregular que sobrevive para restaurar a cor em todo o arco, inspirado tanto pelos traços reais quanto por exemplos análogos de monumentos imperiais romanos pintados.

& # 8220O que foi aprendido até agora pode encorajar até & # 8216minimalistas & # 8217 como eu a ousar restaurar a cor mesmo em monumentos que ainda não foram estudados. Afinal, a paleta de cores ancestral era limitada e estamos começando a ver o surgimento de convenções no uso da cor. E uma coisa que sabemos é que o mármore branco - seja em um prédio público ou em uma estátua - raramente, ou nunca, foi deixado sem pintura. & # 8221

Da Grécia Antiga até o século 21, as artes e as ciências se moveram juntas de forma implícita e inconsciente, disse Frischer.

& # 8220Hoje, a unidade de arte, ciência e tecnologia está rapidamente se tornando um tema consciente à medida que abraçamos a interdisciplinaridade e a unidade de conhecimento derivadas de conclusões concorrentes de uma variedade de disciplinas nas quais o conhecimento e a experiência de campos diferentes e aparentemente não relacionados, como a arqueologia , história, química e física podem convergir para dar uma melhor compreensão dos mundos humano e natural. Vejo o projeto do Arco de Tito como um bom exemplo. & # 8221

O projeto em si é dirigido por Stephen Fine e é executado & # 8216 fora do & # 8217 do Centro de Estudos de Israel na Yeshiva University & # 8230 e, claro, o projeto tem um site (muitas fotos e outras informações lá, é claro)


Recuperando um Símbolo: O Arco de Tito

Quando o Arco de Tito foi construído em 82 dC pelo então imperador romano Domiciano, ele foi visto como o símbolo de um império unindo um lembrete aos romanos e súditos romanos de que Roma ainda era o império mais poderoso de seu tempo. Para os judeus, era um símbolo de desastre, uma lembrança de um dos pontos mais baixos da história judaica - a destruição do Templo de Herodes e o saque de Jerusalém. O objetivo era lembrar como a suposta aversão aos judeus, a incapacidade de cooperar e a fraqueza inerente significavam que os judeus sempre desempenhariam um papel subserviente a poderes maiores. Hoje, esse símbolo foi quase totalmente invertido e é irreconhecível para o que era. Esse passado é tão antigo e desgastado quanto a própria relíquia e, em vez disso, agora serve como um monumento para um futuro muito mais brilhante.

10 anos antes da conclusão do Arco, o comandante militar judeu que se tornou escravo e cidadão romano, Josefo Flávio, escreveu como os romanos trazendo a menorá, a mesa sacramental e os outros tesouros retratados na face do Arco de Tito estavam, em suas mentes, o fim da existência de Deus em Jerusalém e a vinda do Deus judeu para Roma. A prática de evocatio deorum, ou o chamado dos deuses [i], era um ritual romano praticado por muito tempo, no qual o exército romano de cerco prometia o deus ou deuses da cidade em que estavam atacando um templo maior e mais grandioso para descansar em Roma . Assim, de acordo com judeus e romanos, Deus havia abandonado os judeus em favor de uma raça de pessoas muito mais poderosa e digna, uma vez que, de acordo com a tradição helenística, a ideia de trazer um deus a Roma era feita por meio do uso de objetos físicos. Digno de nota é que a menorá, a mesa sacramental e a torá estão sendo carregadas pelos soldados romanos com as coroas da vitória em suas cabeças enquanto Tito sobe ao céu em uma carruagem para se tornar um deus.

No A guerra judaica por Josefo Flávio (que, antes de se tornar um intérprete e historiador romano, uma vez lutou como comandante das forças judaicas contra o pai de Tito, Vespasiano), o Arco de Tito não foi feito para representar a guerra como realmente era - uma supressão duramente lutada e desesperadamente vencida de uma província rebelde. Os romanos, cambaleando após 69 EC ou o Ano dos Quatro Imperadores, precisavam manter a imagem de um império poderoso, capaz e, o mais importante, unido. O Arco de Tito representava para os romanos e para o mundo não a realidade da guerra, mas sim como eles queriam que a guerra fosse vista. Uma guerra simples e direta contra um inimigo estrangeiro que foi na verdade uma rebelião de oito anos e um cerco de cinco meses a Jerusalém exigindo quatro legiões contra, não um exército estrangeiro, mas um grupo de fanáticos religiosos em uma província romana [ii]. Uma nota interessante de, A guerra judaica, foi que Josefo Flávio omite qualquer menção aos soldados romanos na procissão de triunfantes retornando a Roma, como se Roma quisesse esconder a quantidade de homens e recursos necessários para derrotar o exército judeu. Com o Arco servindo como a principal lembrança da guerra, e com os despojos passando a financiar numerosos projetos durante a dinastia Flaviana (o maior dos quais sendo o Coliseu que fica bem em frente ao arco), a visão romana dos judeus sendo bizarra , fraco e preguiçoso tornou-se uma caricatura geralmente aceita em toda a Europa. Essa percepção, embora não seja clara, muito provavelmente permeou seu caminho para a sociedade judaica e o pensamento intelectual, e essa percepção de "estranho" pode ter afetado o número de judeus antigos que começaram a se ver.

A autopercepção judaica não foi a única coisa afetada após a queda do Templo de Herodes e a construção do Arco de Tito. A cultura helenística envolvia o uso de um símbolo para transmitir deuses e religião e, seguindo essa tradição, os judeus começaram a esculpir a menorá em sinagogas e lápides. This was done both a show of their national unity and as a symbol of hope of the renewal of the temple in Jerusalem. Some of the oldest symbols appeared in synagogues and gravestones from as early as the 2 nd and 3 rd centuries, the oldest from a lead seal found in a synagogue in Stobi from the 2 nd century which today sits on display in the National Museum in Belgrade[iii]. The significance of the seven-branched Menorah only intensified during the rise of Christianity within the Roman Empire to be used as a distinctive symbol from the cross. Interestingly, the Islamic star and crescent is also a result of the mixing of a Middle Eastern civilization with Hellenistic tradition. Originally the symbol of the city of Byzantium (later Constantine and currently Istanbul) it was picked to honor the goddess Diana. When the Turks conquered Constantinople in 1453 they chose it as the symbol for their new empire and as a show of power and superiority to the Christian West.

When Christianity became the dominant religion in the Roman Empire, they interpreted the Arch of Titus to mean that Christianity had superseded Judaism in the eyes of God particularly with what they interpreted from the Arch of Titus to be not the sacramental table, but the Ark of the Covenant being brought to Rome. Emperor Domitian had the arch built on Via Sacra, or “The Sacred Way” which was believed to be the center of the universe. When the Church of St. John of Lateran was built nearby it was considered to be the sanctum sanctorum, the holiest of holies. In addition, many Christians felt reminded of Mark 13 in the Gospel of Mark in which Jesus predicted the fall of the temple in Jerusalem as punishment by God against the non-believers. This prophecy, later history, was seen as historical proof by many Christians of the divinity of Christ and as continued punishment for their disbelief, Jews in Rome were forced to stand piously underneath the Arch during all sermons given by the Pope himself, and as a reminder of their submission to Western power.

As for the artifacts that were taken from the temple – reports differ to their eventual fates. According to Procopius, a Byzantine scholar who is considered the last of the major historians of the ancient Western world, the Visigoths had taken the menorah and the ark from Rome to Carthage. After the sack of Carthage by General Belisarius, the menorah became apart of Emperor Justinian’s spoils, and was carried through the streets of Constantinople much as it had been by the Roman triumphators 500 years earlier. The artifacts were placed in the Haiga Sophia in 535 and upon completion in 537, with the artifacts inside, Procopius writes that Emperor Justinian believed he had rebuilt a grader and far superior temple in Constantine and upon seeing the newly completed Haiga Sophia exclaimed, “Solomon, I have outdone thee!” Unfortunately for him the bringing of the artifacts to Constantinople in 535 coincided with an extreme cooling event of the northern hemisphere causing crop failures, famine, and the first recorded historical event of Bubonic Plague. Justinian, afraid he had angered God by hoarding the treasures, had them sent back to Jerusalem. Here many theories are posited about what could have happened to them it’s possible they were destroyed by the Persian invasion of the city in 614. Some legends suggest that the Knights Templar had brought them back to Rome where they exist today or that they are buried underneath the Temple Mount in Jerusalem. By the 19 th century public outcries were made to drain the Tiber River in an effort to look for them, none of which gained enough traction to make any sort of an impact. Or, as was shown in the 1981 movie Indiana Jones and the Raiders of the Lost Ark, it’s actually sitting in a giant government warehouse somewhere in the United States. At this point that guess is as good as any. It’s more likely that the gold has been melted down and reused countless times, and as professor of Jewish History Steven Fine likes to remind people, a piece of it could be sitting on your third index finger in the form of a wedding ring.

The Arch, which served as a shameful reminder to the Jewish people, didn’t begin to change and transform in the Jewish mind until the late 16 th century due large in part, to an offhanded remark by Gedaliah Ibn Yahya, a Jewish historian during the Italian Renaissance, who wrote in his 1587 book Shalshelet ha-Kabbalah (The Chain of Tradition):

They built in Rome a large monument of carved stone, called an arch, as an eternal commemoration of his might. They illustrated on this monument the image of the Temple vessels and the captive men…”

The notion of the menorah bearers being captive Jews rather than victorious Roman soldiers eventually seems to have been an accepted idea, even amongst Protestants at the beginning of the 19 th century. The London newspaper The Gentleman’s Weekly and Historical Chronicle and the Oxford English Prize Poem by J.T. Branco The Arch of Titus both make reference to Jews being depicted on the arch in 1822 and 1824 respectively. In the new United States of America, a country known at the time for well-funded and publicly supported conversionary missionary projects in the Middle East, a pamphlet called Rachel and Her Father at the Triumphal Arch of Titus was produced to help missionaries convert Jews to Christianity claiming as well of Jews being depicted on the Arch. The first modern Jewish source asserting that the Arch of Titus depicted Jews was produced in 1889 by Giuseppe Prospero Revere in “il Arco de Tito,” in it, Revere seems to assume that the figures being Jewish was a widely known and accepted belief. The most important and authoritative of Jewish authors to make his claim was Rabbi Moses Gaster in the London publication Israel: The Jewish Magazine in 1900. Rabbi Gaster was both a Zionist scholar and a major Cultural Zionist leader and his claims of Jews being depicted on the Arch of Titus were taken very seriously within Zionist circles. This was the first step in claiming the Arch of Titus as a Jewish motif rather than a Roman or Christian one. In Israel this sparked interest in a new school of art known as Bezalel, which tried to combine various elements of Islamic design, European tradition, and biblical themes to create a new and distinctive set of Jewish art. One of the main focuses of Bezalel art was the menorah, specifically the one carved in the Arch of Titus. In Professor Steven Fine’s book, The Menorah, Dr. Fine writes,

“Just as the French had taken the Arch of Titus to Paris in the form of the Arc de Triomphe, Pius VII had rebuilt the arch to express the renewal of papal control of Rome in 1821, and the Americans had conveyed it to Brooklyn to celebrate the victory of the Union over the Confederacy (1889-1892), the Jews were now taking control of this central “Jewish” monument.”

The most significant piece of artwork to emerge from both this new Zionist cultural thought and Bezalel art was the menorah cap medallion worn by soldiers of the Jewish Legion during the First World War[iv]. The menorah pin had the contemporary design of the menorah from the arch, the only difference being that it had been infused with the Zionist attitude prevalent during that day by having the word kadima meaning forward, or, to the east, was written on every pin. Once the British disbanded the Jewish Legion in 1921, many of it’s members would go on to become some of the State of Israel’s most prominent and important figures including future President Yitzhak Ben-Zvi, and future Prime Minister Levi Eshkol (who later suggested building an arch in Israel similar to the one in Rome) and Prime Minister David Ben-Gurion. The main proponent of having the unit symbol being the Arch of Titus menorah, Ze’ev Jabotinsky went on to found the Revisionist Youth Movement and chose the same menorah to be the symbol. In Israel, Jewish towns, villages, and kibbutzim began decorating the tops of water towers, schools, and meeting halls with the seven-candled menorah. Even in the diaspora, Jewish masonry lodges and synagogues began returning to the image from antiquity and secular Jewish homes often broadcasted their Jewishness and support for the Jewish state with a seven-candled menorah in the window. The menorah, once a symbol of the loss of Jerusalem, was now becoming the symbol of a nation about to be reborn and many Jews looked at the Arch of Titus as a symbolic challenger to that rebirth. A problem to be overcome. During World War II, weeks before the allies took Rome, the Hebrew newspaper of the Jewish Batalion of the British army, la-Hayyal, issued a pamphlet to Jewish soldiers declaring:

Historians find that there is no ethnic connection between ancient Rome and modern Italy, between Nero and Mussolini. Yet many Jews continue to see contemporary Rome as the symbol of the same kingdom that killed our freedom and destroyed our Temple. The Arch of Titus stands there still today…This modern Rome that sought to renew the war of ancient Rome against Jerusalem, to continue the thread that was first spun in the days of Pompeii and Titus, now is nothing before the Allies, and in these armies are many, many, Jews. History gets its revenge.”

During the postwar period, the arch became a place for Jewish and Zionist protest and celebration. In 1946, 2000 Jews demonstrated against crackdowns by the British towards the Revisionist Irgun militia in Palestine as a response to the King David Hotel bombings. Several months later of that same year, Irgun militias bombed the British embassy in Rome and many supporters called on the Irgun to also destroy the Arch of Titus to mark the end of Jewish subjugation by the West. The most powerful moment under the arch since its completion occurred in 1948, when hundreds of Holocaust survivors, carrying signs of support for the new state of Israel, waiting to make aliyah, walked backwards underneath the arch symbolizing the return of the Jewish people to their once exiled homeland. When attempting to determine a national symbol, and in spite of many of Israel’s socialist left wing protests, David Ben Gurion chose the menorah as a way to unite the Irgun and Haganah forces and prevent civil war. In the years after the creation of the state, the seven-candled menorah, the exact same one that had been carved on the Arch of Titus nearly 2000 years ago, became the symbol of the seal of Israel. Unlike the pin worn by the Jewish legion however, there was no kadima written on the seal, instead just the world Israel.

The Arch of Titus and provoked a massive transformation in Jewish culture, a constant reminder of the greatest catastrophe to occur in Jewish history before the Holocaust. The Arch, and later the menorah, became a symbol of power for the Romans, the Christians, and later to Western culture as a whole who used the Arch of Titus as a way to showcase their own power and unification. But the last and most unexpected people to reclaim the Arch of Titus as a symbol of their own power and unity were the Jews. The Arch of Titus serves as a reminder of how history is often in the eye of the beholder. It is both a beautiful and ancient piece of art, one whose meaning had been adopted and changed throughout history. As of today it truly does seem that history has come in full circle since the 2,000 years since the Arch of Titus was built. For Jews, what was once a reminder of loss is now a symbol of what has been achieved.

[i] Gabriella Gustafsson, Evocatio Deorum : Historical and Mythical Interpretations of Ritualised Conquests in the Expansion of Ancient Rome, (Uppsala: Uppsala University Library, 2000)

[ii] Schmidt, Emily. “The Flavian Triumph and the Arch of Titus: The Jewish God in Flavian Rome.” Beyond Borders: Selected Proceedings of the 2010 Ancient Borderlands International Graduate Student Conference, 31 Mar. 2010.

[iii] Tešić-Radovanović, Danijela, and Branka Gugolj. “The Menorah as a Symbol of Jewish Identity in the Diaspora and an Expression of Aspiration for Renewing the Jerusalem Temple.” Migrations in Visual Art, Jelena Erdeljan (Ed) University of Belgrade, Faculty of Arts Martin Germ (Ed) University of Ljubljana, Faculty of Arts Ivana Prijatelj Pavičić (Ed) University of Split Marina Vicelja Matijašić (Ed) University of Rijeka, 2018.


Assista o vídeo: Arco de Tito no fórum romano


Comentários:

  1. Britomartus

    Eu acho que ele está errado. Tenho certeza. Eu sou capaz de provar isso.

  2. Abimelech

    Este excelente pensamento, aliás, cai

  3. Machaon

    Frase muito divertida

  4. Bac

    É uma pena que não posso falar agora - tenho que sair. Mas vou voltar - com certeza vou escrever o que penso sobre esse assunto.

  5. Kazitaxe

    Concedido, sua ideia é simplesmente perfeita



Escreve uma mensagem