Direitos Humanos na Noruega - História

Direitos Humanos na Noruega - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Repulsao: As autoridades deportaram os requerentes de asilo malsucedidos e outros que não tinham o direito legal de permanecer no país para a Rússia, Nigéria, Iraque, Somália, Afeganistão e outros países. As ONGs criticaram o governo por devolver alguns requerentes de asilo malsucedidos a áreas em seus países de origem diferentes de onde eram originários, como freqüentemente acontecia com repatriados ao Afeganistão. As ONGs também criticaram o governo por rejeitar uma alta porcentagem dos pedidos de asilo para afegãos.

Acesso ao asilo: A lei prevê a concessão de asilo ou estatuto de refugiado e o governo estabeleceu um sistema para fornecer protecção aos refugiados. O governo continuou a implementar regulamentos associados a uma política de imigração mais restritiva de acordo com a emenda do parlamento de 2016 às leis de imigração.

A NOAS relatou que não existe um sistema para reavaliar automaticamente os casos de menores desacompanhados com residência temporária após eles completarem 18 anos. Observou que muitos desses menores desacompanhados, temendo que seus pedidos fossem negados, “desapareceram” em vez de solicitar residência permanente. A NOAS também criticou o governo por não ter um sistema de apelação totalmente independente para os requerentes de asilo cujos pedidos são rejeitados.

País de origem / trânsito seguro: O país faz parte do regulamento Dublin III da UE, que permite ao governo transferir requerentes de asilo para o país europeu considerado responsável de acordo com o regulamento para julgar o caso. A partir de agosto, o governo solicitou a outros países do espaço Schengen que aceitassem 344 pessoas de acordo com o regulamento, incluindo 22 para a Grécia e 67 para a Itália.

Liberdade de movimento: A lei permite a detenção de migrantes para estabelecer sua identidade ou para afetar sua remoção do país se as autoridades considerarem provável que as pessoas evitem uma ordem de saída.

Os requerentes de asilo que residem num centro de recepção de asilo não podem faltar ao centro por mais de três dias sem perder potencialmente o seu lugar no centro e todo o apoio financeiro concomitante do governo. Os centros costumavam estar localizados em áreas remotas do país, e os longos períodos de viagem e a falta de dinheiro para pagar o transporte público limitaram efetivamente a capacidade dos requerentes de asilo de se moverem livremente. Os residentes podem solicitar permissão para morar temporariamente longe do centro de recepção. Os requerentes de asilo rejeitados geralmente tinham permissão para permanecer em centros de asilo enquanto aguardavam o retorno voluntário, o retorno assistido ou a deportação.

Emprego: Os requerentes de asilo não podem trabalhar enquanto os seus casos estão a ser avaliados, a menos que a sua identidade possa ser documentada através de um documento de viagem válido ou de um cartão de identificação nacional. A NOAS e outras ONGs relataram que poucos requerentes de asilo possuíam esses documentos e, portanto, relativamente poucos tinham permissão para trabalhar.

Soluções Duráveis: O governo também ofereceu reassentamento para refugiados em cooperação com o ACNUR. A Direcção de Imigração do governo (UDI) tinha vários programas para estabelecer refugiados de forma permanente no país. De acordo com a UDI, até agosto o país aceitou 1.923 refugiados para reassentamento.

Por meio da Organização Internacional para as Migrações e outros parceiros do governo, o governo auxiliou no retorno de requerentes de asilo malsucedidos aos seus países de origem por meio de programas voluntários que ofereceram apoio financeiro e logístico para a repatriação. Documentos de identidade emitidos pelo governo norueguês ou do repatriado são necessários para usar este programa. O governo continuou a oferecer aos migrantes apoio em dinheiro, além de passagens aéreas, para encorajar as pessoas com pedidos de asilo fracos ou rejeitados a deixar o país voluntariamente.

Os indivíduos que recebem o status de refugiado podem solicitar a cidadania quando atendem aos requisitos legislativos, que incluem um período mínimo de residência de sete dos últimos 10 anos, conclusão do treinamento de idioma e conclusão bem-sucedida de um teste de idioma norueguês e um curso sobre a sociedade norueguesa .

Proteção Temporária: O governo também forneceu proteção humanitária temporária a indivíduos que podem não se qualificar como refugiados e a 337 indivíduos até o final de agosto. As licenças podem ser renovadas e tornar-se permanentes. O governo também concedeu proteção temporária a 360 menores desacompanhados, que receberam autorização de residência no país até os 18 anos.


Noruega vota contra boicote à Copa do Mundo do Catar sobre direitos humanos

A Federação de Futebol da Noruega rejeitou totalmente a chance de boicotar a Copa do Mundo do Catar.

Uma reunião geral extraordinária da NFF no domingo, que durou várias horas, viu a federação suspender as demandas de alguns dos principais clubes da Noruega e uma campanha de apoiadores de base para se retirar do torneio do próximo ano por causa do tratamento que o Qatar dispensou aos trabalhadores migrantes.

Em uma votação, 368 delegados, compostos de equipes de todo o país e membros do conselho da NFF, votaram contra o boicote, com apenas 121 a favor.

Uma maioria simples de mais de 50 por cento era necessária para que o boicote ocorresse.

O NFF argumentou antes da reunião que um boicote foi mal colocado e que a federação deveria continuar o “diálogo” com o Catar para tentar fazer reformas nas práticas de trabalho do país. Ele também alegou que qualquer boicote poderia custar cerca de 200 milhões de coroas (£ 16 milhões) em compensação.

Recomendado

“Nos últimos cinco ou seis anos, trabalhamos em conjunto com organizações de direitos humanos e trabalhistas para aumentar a pressão sobre o Catar e a FIFA”, disse o presidente da NFF, Terje Svendsen. O Independente.

No entanto, apesar de uma onda de apoio a um potencial boicote - quase metade dos noruegueses, 49 por cento, são a favor do boicote, de acordo com uma pesquisa publicada na semana passada - a Noruega continuará tentando se classificar para o torneio.

A votação, entretanto, parece ter azedado as relações entre a NFF e os fãs locais, com alguns dizendo que a campanha da NFF antes da votação foi “suja”.

O atacante norueguês Erling Braut Haaland usa uma camiseta com o slogan ‘Direitos humanos, dentro e fora do campo’ enquanto se aquece antes da partida de futebol de qualificação para a Copa do Mundo da FIFA Qatar 2022 contra a Turquia em março

“Como esperado, a posição da FA de votar contra um boicote ao Qatar 2022 venceu por uma maioria significativa”, disse Havard Melnaes, editor do site independente de futebol e política, Josimar. “Mas a vitória veio depois de semanas jogando pelo manual da Fifa, que não há regras no jogo da política do futebol, tudo é permitido.”

O Catar tem sofrido fortes críticas internacionais por causa do tratamento dispensado aos trabalhadores que ajudaram a construir estádios e instalações em preparação para o maior torneio de futebol, que será disputado no Oriente Médio pela primeira vez.

O país passou por uma grande transformação para a Copa do Mundo, com oito estádios construídos ou reformados, estradas, hotéis, um aeroporto, um sistema de metrô e até uma nova cidade sendo construída a tempo.

O Catar conta com um enorme exército de trabalhadores, a maioria oriundos de países do sul da Ásia, incluindo Índia, Nepal e Bangladesh, para ajudar a construir a infraestrutura.

O estado rico em gás também usou sua riqueza surpreendente para ajudar a pagar pela reforma e avalia que gastou cerca de US $ 500 milhões por semana em grandes projetos de infraestrutura para 2022.

Mas é o tratamento dispensado a seus trabalhadores que atraiu críticas ferozes do exterior, principalmente do Ocidente. Grupos de direitos humanos e sindicatos apontaram para um sistema restritivo de emprego, que impedia os trabalhadores de mudar de emprego ou até mesmo de deixar o país sem a aprovação dos patrões, o pessoal regularmente não remunerado e sendo forçado a trabalhar em altas temperaturas de verão no estado desértico.

Um relatório recente de O guardião afirmou que 6.500 trabalhadores migrantes morreram desde que o Catar recebeu o direito de sediar a Copa do Mundo em 2010, e serviu apenas para aumentar a raiva em relação a Doha em alguns setores, incluindo a Noruega.

No entanto, o Catar diz que introduziu reformas trabalhistas que eliminaram muitas das práticas restritivas, incluindo a necessidade de os trabalhadores obterem permissão dos empregadores para deixar o país, garantindo que os trabalhadores sejam pagos em dia e a introdução de um salário mínimo. Também contesta a cifra de 6.500.

Um voto sim na Noruega teria levado ao boicote de alto nível a um evento esportivo global, já que vários países se recusaram a participar das Olimpíadas de Moscou de 1980.

Trabalhadores da construção civil no Estádio Lusail, no Catar, onde acontecerá a final da Copa do Mundo de 2022

A última recusa notável em participar da Copa do Mundo de futebol ocorreu há mais de 50 anos, quando nações africanas boicotaram o torneio de 1966 na Inglaterra por causa do número de vagas finais atribuídas a países do continente.

No entanto, a votação de domingo provavelmente significa o fim de qualquer tentativa sustentada por alguns países de pedir um boicote ao Catar.

Apoiadores dinamarqueses pediram um debate no parlamento para considerar um boicote. E nas últimas eliminatórias da Copa do Mundo, times, incluindo Alemanha e Noruega, usam camisetas que pedem o respeito aos direitos humanos.


Woke, Inc: Por que eu & # 8217m denunciando como a América corporativa está envenenando a sociedade

OSLO & # 8212 Ativistas climáticos noruegueses pediram ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (ECHR) para decidir contra os planos da Noruega & # 8217s para mais perfuração de petróleo no Ártico, disseram os ativistas na terça-feira, argumentando que a exploração do país & # 8217s priva os jovens de seu futuro .

A ação, movida por seis indivíduos entre 20 e 27 anos, além do Greenpeace e da Young Friends of the Earth, é parte de um ramo emergente da lei em todo o mundo, onde os reclamantes vão aos tribunais para defender a causa da redução das emissões que causam as mudanças climáticas.

Na Holanda, um tribunal ordenou recentemente que a Shell cortasse suas emissões em um processo movido por cidadãos que argumentaram que o major anglo-holandês do petróleo violou seus direitos humanos.

& # 8220Os ambientalistas argumentam que, ao permitir novas perfurações de petróleo em meio a uma crise climática, a Noruega viola os direitos humanos fundamentais & # 8221, disseram os ativistas em um comunicado anunciando seu apelo ao ECHR.

O anúncio foi feito no momento em que a Equinor, empresa de petróleo controlada majoritariamente pelo governo, anunciou na terça-feira que aceleraria os investimentos em energia renovável e continuaria a aumentar a produção de petróleo pelos próximos cinco anos.

O ministério norueguês de petróleo e energia se recusou a comentar o processo.

O campo de petróleo Johan Sverdrup no Mar do Norte, a oeste de Stavanger. NTB Scanpix / AFP via Getty Images

No entanto, três tribunais da Noruega já haviam decidido em favor do governo, inclusive em um veredicto da Suprema Corte em dezembro passado, esgotando assim as opções jurídicas internas.

& # 8220Temos que agir agora para limitar os danos irreversíveis ao nosso clima e ecossistemas para garantir a subsistência das próximas gerações & # 8221 disse Ella Marie Haetta Isaksen, 23, uma das ativistas que pediu ao TEDH para assumir o caso norueguês .

Lasse Eriksen Bjoern, 24, um ativista do povo indígena Sami do norte da Noruega, disse que a mudança climática já está colocando em risco um estilo de vida.

& # 8220A cultura Sami está intimamente relacionada ao uso da natureza e a pesca é essencial & # 8230 Uma ameaça aos nossos oceanos é uma ameaça ao nosso povo & # 8221, disse ele.

As regras da CEDH & # 8217s exigem que os requerentes sejam direta e pessoalmente afetados pelas supostas violações, enquanto seus julgamentos são vinculativos para os países em questão.

O tribunal agora deve decidir se o caso, classificado pelos ativistas como & # 8220 the People vs. Arctic Oil & # 8221, é admissível.

A Noruega, maior produtora de petróleo e gás da Europa Ocidental e # 8217 com uma produção diária de cerca de 4 milhões de barris de óleo equivalente, disse na semana passada que planeja continuar as políticas de petróleo atuais.


Canadenses incentivados a agir rápido, misturar Pfizer e Moderna para segundas doses

Os argumentos dos ativistas foram rejeitados por três tribunais noruegueses sucessivos, culminando em uma decisão da corte suprema do país de que a concessão de licenças de petróleo não era contrária à Convenção Europeia de Direitos Humanos porque não representava um & ldquoa risco real e imediato & rdquo à vida e integridade física.

O Greenpeace disse em um comunicado que os ativistas consideraram a decisão falha porque ela desconsiderou a importância de seus direitos constitucionais ambientais e não levou em consideração uma avaliação precisa das consequências das mudanças climáticas para as próximas gerações.

O ECHR, que agora irá considerar se o recurso dos ativistas & rsquo & mdash rotulado & ldquothe People v Arctic Oil & rdquo & mdash é admissível, exige que os casos que ouve & ldquodiretamente e pessoalmente & rdquo & rdquo afetem os candidatos. Suas decisões são vinculativas para os países envolvidos.

"Para aqueles de nós que vivem perto da natureza, os efeitos da mudança climática já são dramáticos", disse Ella Marie H & aeligtta Isaksen, uma das ativistas, que têm idade entre 20 e 27 anos. ao nosso clima e ecossistemas para garantir a subsistência das próximas gerações. & rdquo

Lasse Eriksen Bj & oslashrn, outro dos ativistas, do povo indígena Sami do norte da Noruega, disse que as licenças de exploração eram & ldquoa violação dos artigos 2 e 8 da convenção europeia sobre direitos humanos, garantindo-me o direito de ser protegido contra decisões que ponham minha vida e bem-estar. & rdquo

A cultura Sami estava & ldquoclosamente relacionada ao uso da natureza, e a pesca é essencial & rdquo, disse ele, acrescentando: & ldquoUma ameaça aos nossos oceanos é uma ameaça ao nosso povo. & Rdquo

Mia Chamberlain, uma terceira candidata, disse que a crise climática e a inação do governo estão "me impedindo de acreditar no futuro" e levando à depressão. & ldquoNossa candidatura à CEDH é para mim a manifestação de ação e esperança em face desta crise. & rdquo


Alimentação e economia

Alimentos na Vida Diária. O alimento considerado por muitos como o mais tipicamente norueguês é o queijo marrom que é cortado em fatias finas com um plano de queijo (uma invenção norueguesa) e comido no pão. Cafés da manhã (frokost) geralmente consiste em café, pães (incluindo pão sírio ou crocante), peixe em conserva ou defumado, carnes frias, talvez ovos cozidos e produtos lácteos, como queijo, manteiga, iogurte e variedades de leite azedo. O café da manhã pode ser mais substancial do que a refeição do meio-dia (lunsj) que pode consistir em um sanduíche aberto de pão, queijo, patê ou carne fria, talvez acompanhado por um pedaço de fruta e café. Peixes e carnes (porco, boi, cordeiro, frango e baleia) e batatas cozidas, geralmente servidas com molho ou manteiga derretida, tradicionalmente definem a refeição do final da tarde (meio). Os vegetais de raiz, como a cenoura, costumam complementar as batatas. Cerveja ou vinho são bebidos ocasionalmente à noite. Pizza e hambúrguer são refeições ocasionais populares e geralmente são servidos em restaurantes de fast-food. Os cafés e lanchonetes servem sanduíches abertos com frios, peixes defumados ou queijos, bem como refeições simples, porém substanciais, de carne ou peixe e batata cozida. Restaurantes chineses, indianos e outros restaurantes étnicos costumam ocupar o nicho de preço médio, enquanto restaurantes com frutos do mar e culinária continental são os mais caros. Nas últimas décadas, a gastronomia tornou-se mais diversificada e internacional. O consumo de gorduras diminuiu nos últimos vinte anos, o consumo de carne nunca foi maior e o consumo de peixe diminuiu

Costumes alimentares em ocasiões cerimoniais. No Dia da Constituição, muitas famílias tradicionalmente comem uma refeição de pão achatado, carnes secas em fatias finas e mingau de leite, com cerveja ou aquavit como bebida. As tradições das refeições de Natal variam de acordo com a região e podem incluir porco assado, outras carnes ou lutefisk. Em ocasiões festivas, tanto os restaurantes quanto as refeições familiares podem apresentar um Kaldt Bord com grande variedade de carnes frias, queijos, camarões, peixes defumados ou em conserva, saladas, geléias e pães macios e crocantes. Cloudberries e lingonberries, que crescem silvestres nos planaltos das montanhas, são particularmente favoritos.

Economia básica. O país é altamente dependente do comércio internacional de bens de consumo manufaturados, mas tem superávit comercial. A maior parte dos empregos está em serviços e manufatura altamente especializados, com apenas uma pequena força de trabalho nas ocupações tradicionais de silvicultura, agricultura e pesca. Em uma força de trabalho de mais de dois milhões de trabalhadores, aproximadamente 72% estão no setor de serviços, 23% trabalham na indústria e 5% estão envolvidos na agricultura, silvicultura e pesca. A moeda é a coroa (coroa).

Posse e propriedade da terra. A alocação de terras agrícolas é regulamentada cuidadosamente para encorajar a continuidade da propriedade dentro da linhagem familiar. As fazendas não são divididas entre herdeiros, evitando assim a fragmentação das fazendas em unidades pequenas e economicamente inviáveis. Os descendentes diretos de um fazendeiro têm o primeiro direito de comprar uma fazenda. Os conflitos sobre os limites das fazendas e o movimento sub-reptício das pedras dos limites fazem parte do folclore da maioria dos distritos agrícolas. Os caminhantes têm o direito de caminhar em terras não plantadas.

Atividades comerciais. As empresas produzem, embalam, distribuem e vendem produtos alimentícios, bebidas, têxteis, roupas, calçados, produtos de madeira, móveis e produtos químicos para consumo doméstico. Impressão, publicação e produção de mídia são empreendimentos importantes para uma nação altamente alfabetizada que é líder mundial no consumo de jornais, revistas e livros per capita.

Grandes indústrias. Como consequência da descoberta e exploração de petróleo do Mar do Norte na década de 1970, a Noruega tornou-se o segundo maior exportador mundial de petróleo e gás natural. Grande parte dessa produção é gerenciada pela Statoil, uma empresa governamental. Desde 1993, o país exporta hidroeletricidade, que produz além das necessidades domésticas. Embora a construção naval tenha diminuído, a Noruega tem uma das frotas mercantes líderes, com aproximadamente 762 navios. Outras exportações incluem equipamentos de transporte, produtos eletrometalúrgicos, produtos eletroquímicos (processados ​​com energia hidrelétrica), papel e celulose de extensas florestas e peixes, cada vez mais produzidos em pisciculturas em águas costeiras. Para o mercado interno, o país produz equipamentos, móveis e têxteis. Cerca de metade das empresas de manufatura estão localizadas ao longo do fiorde de Oslo. A pecuária é o produto mais importante do setor agrícola subsidiado.

Troca. A Noruega exporta mercadorias para seus principais parceiros comerciais: União Europeia, Suécia, Alemanha, Reino Unido, Holanda, França e Estados Unidos. As exportações incluem petróleo e gás natural, energia hidrelétrica, metais, produtos químicos, polpa de papel e peixes. Os Estados Unidos são um importador significativo de salmão defumado. Bens manufaturados, máquinas e produtos químicos são importados dos parceiros comerciais.

Divisão de trabalho. Governo, trabalho e gestão são integrados em um sistema de planejamento industrial centralizado. Desde os anos 1970, o princípio da co-determinação significa que a mão-de-obra e a administração compartilham cada vez mais a determinação das operações diárias e do planejamento de longo prazo. Os trabalhadores normalmente têm uma grande autonomia. Como consequência dessa tendência na democracia industrial, a ênfase é colocada no treinamento e na atualização das habilidades dos trabalhadores. Em contraste com os países onde a mão-de-obra é barata e o treinamento limitado, a tomada de decisões freqüentemente é delegada a trabalhadores de nível inferior. A divisão do trabalho é baseada mais em habilidades do que em status e antiguidade.


Desafios dos direitos humanos na Noruega

Apesar do histórico relativamente forte de direitos humanos da Noruega, ainda existem vários desafios de direitos humanos que precisam ser tratados pelas autoridades norueguesas.

Muitos deles estão relacionados com a implementação inadequada da legislação ou políticas existentes, mas em alguns casos requerem uma reforma legislativa ou a adoção de novas medidas.

Existem níveis preocupantes de discriminação contra grupos vulneráveis ​​na Noruega e falta de pesquisas e dados nesta área. O NIM recomendou que o Estado aumentasse a capacidade das autoridades competentes para investigar e combater o discurso de ódio, especialmente nas redes sociais e outras plataformas digitais. Em 2016, o governo norueguês adotou uma Estratégia contra o discurso de ódio, que contém vários compromissos importantes. No entanto, é preciso fazer mais para garantir que cada distrito policial tenha recursos e capacidade suficientes para combater o discurso de ódio e para coletar estatísticas detalhadas para informar medidas mais eficazes. Em 2019, o governo norueguês adotou um Plano de Ação contra o Racismo e a Discriminação com base na etnia e religião.

A violência e o abuso são um sério desafio aos direitos humanos na Noruega, e o problema é particularmente agudo nas comunidades indígenas Sámi. Os Estados têm a obrigação positiva de prevenir, combater e investigar a violência e o abuso, mas as pesquisas indicam que a polícia e os serviços de apoio não têm experiência suficiente na língua e cultura sami para fornecer proteção prática e eficaz. O NIM preparou um relatório temático sobre o assunto, que recomenda o desenvolvimento de um plano de ação nacional baseado em evidências sobre violência e abuso nas comunidades Sami. NIM também recomenda que o Estado examine os casos em que um recurso efetivo não tenha sido fornecido às vítimas de violência Sámi. O governo norueguês está atualmente desenvolvendo um Plano de Ação sobre Violência em Relacionamentos Próximos, que incluirá uma seção separada sobre violência e abuso nas comunidades Sami.

Consultas significativas e eficazes com o povo indígena Sámi continuam sendo um desafio para os direitos humanos na Noruega. Em 2005, foram estabelecidos procedimentos de consulta entre o Governo norueguês e o Parlamento Sámi. No entanto, o NIM descobriu que as práticas consultivas de diferentes ministérios e autoridades são inconsistentes e raramente alcançam consenso. Este é particularmente o caso quando as consultas envolvem a gestão da terra e dos recursos naturais nas áreas Sámi. O NIM apóia a recente proposta de procedimentos legislativos de consulta. Recomendamos que as autoridades estaduais garantam que a legislação de consulta proposta seja consistente com suas obrigações de direitos humanos em relação aos povos indígenas.

Existem vários desafios de direitos humanos que afetam as cinco minorias nacionais da Noruega, incluindo questões relacionadas à cultura e línguas, padrões de vida, participação e discriminação. O NIM escreveu um relatório temático com o objetivo de fortalecer a proteção dos direitos humanos das minorias nacionais da Noruega, contribuindo para um maior conhecimento, tanto das estruturas jurídicas internacionais relevantes quanto da pesquisa e da literatura.

O Comitê das Nações Unidas contra a Tortura, o Comitê Anti-Tortura do Conselho da Europa e o NIM levantaram preocupações sobre o uso excessivo de confinamento solitário e isolamento em prisões e instalações de detenção norueguesas. A NIM recomenda que os serviços correcionais garantam que o isolamento seja usado apenas em circunstâncias excepcionais, onde estritamente necessário, e não seja usado para aliviar recursos e problemas de pessoal. O Estado também deve garantir que ninguém permaneça nas celas isoladas da polícia por mais de 48 horas após uma prisão. O Estado tem obrigações adicionais de direitos humanos para com os detidos com doenças mentais e deve adotar medidas eficazes para garantir sua saúde e segurança, inclusive por meio da capacitação de pessoal e do projeto de prisões e instalações de detenção.

NIM e o Provedor de Justiça Civil também levantaram preocupações sobre o uso de medidas coercivas em saúde mental, bem-estar infantil e instituições de cuidados a idosos, incluindo o uso de terapia eletroconvulsiva sem consentimento. O NIM recomendou que o Estado iniciasse um estudo para compreender o escopo do problema, fornecer treinamento em direitos humanos para todos os funcionários relevantes e desenvolver diretrizes de práticas uniformes com garantias claras de direitos humanos.

Em 2018, o NIM apresentou um relatório temático à recém-criada Comissão de Tribunais sobre a organização e independência do sistema judicial norueguês. A NIM expressou preocupação com a insuficiência de recursos dos tribunais noruegueses e o impacto significativo que isso pode ter sobre o direito a uma audiência justa e pública em um prazo razoável. Recomendamos que o sistema judicial norueguês seja suficientemente financiado e organizado de forma a permitir a administração independente e eficaz da justiça.

NIM, o Provedor de Justiça Infantil e vários órgãos de tratados da ONU expressaram preocupação com o tratamento diferenciado de menores de 15 a 18 anos em busca de asilo desacompanhados. Enquanto outras crianças em situação semelhante estão sob os cuidados de Serviços de Bem-Estar Infantil, crianças em busca de asilo essa faixa etária só recebe apoio de centros de acolhimento de asilo. Pesquisas indicam que esses centros não oferecem a mesma qualidade de atendimento e que há taxas mais altas de desaparecimento, saúde mental precária e lesões autoprovocadas. A NIM recomenda que as autoridades norueguesas forneçam aos menores desacompanhados que procuram asilo com mais de 15 anos de idade instalações de cuidados que sejam iguais às fornecidas a todas as outras crianças.

O NIM lançou um relatório temático sobre os desafios dos direitos humanos para os idosos na Noruega. O Relatório identifica várias áreas que requerem atenção do Governo norueguês, incluindo os processos de aprovação da tutela legal de idosos com deficiência ou deficiências cognitivas e a prevenção da violência e abuso contra os idosos. Outras questões que requerem mais pesquisa e consideração incluem o uso de medidas coercitivas contra idosos por profissionais de saúde, discriminação no local de trabalho, alfabetização digital e design universal, e a acessibilidade de cuidados de saúde para idosos LGBTI.

A NIM tem desempenhado um papel ativo no debate público em andamento sobre privacidade, dados e vigilância do Estado. Em 2016, o NIM produziu um relatório temático sobre as questões de direitos humanos relacionadas a buscas secretas, vigilância e hackeamento de dados pela Polícia Norueguesa e Serviço de Segurança Policial. Em 2019, o NIM apresentou uma proposta de alterações legislativas em relação ao monitoramento em massa de metadados internacionais pelo Serviço de Inteligência Norueguês. Em ambos os casos, as autoridades norueguesas têm a obrigação de direitos humanos de garantir que todas as atividades de vigilância sejam legalmente autorizadas e tenham salvaguardas suficientes e mecanismos de supervisão adequados em vigor. Embora os Estados tenham uma ampla margem de discricionariedade em questões de segurança nacional, eles devem garantir proteção adequada contra o risco inerente de uso indevido em sistemas de vigilância em massa.


Organizações baseadas em minorias e de defesa

Em geral

Anistia Internacional
Tel: +47 22 40 22 00
Email: [email protected]
Site: www.amnesty.no

Centro Anti-Racista Norueguês (Antirasistisk Senter)
Tel: +47 23 13 90 00
Email: [email protected]
Site: http://www.antirasistisk-senter.no

Comitê Norueguês de Helsinque (Den norske Helsingforskomité)
Tel: +47 22 47 92 02
Site: http://www.nhc.no/php/

Instituto Norueguês de Direitos Humanos
Tel: +47 22 84 20 01
Email: [email protected]
Site: http://www.humanrights.uio.no/

Organização Norueguesa para Requerentes de Asilo (NOAS)
[Organização não governamental de direitos humanos que fornece informações e assistência jurídica aos requerentes de asilo]
Tel: +47 22 36 56 60
Email: [email protected]
Site: http://www.noas.org/

Ajuda ao Povo Norueguês
Tel: +47 22 03 77 00
Email: [email protected]
Site: http://www.npaid.no

Sami Parlamento da Noruega
Tel: +47 78 47 40 00
Email: [email protected]
Site: http://www.samediggi.no

Associação Sami Norueguesa
Tel: +47 784 86 955
Site: http://www.nsr.no

Samiraddi / Saamelaisneuvosto (Conselho Sami)
Tel: +358 9697 677351
Email: [email protected]
Site: www.saamicouncil.net

Taiga Rescue Network
[Rede internacional de organizações não governamentais, povos indígenas e indivíduos que trabalham para defender as florestas boreais do mundo & # 8217]
Tel: +46 971 17039
Site: http://www.taigarescue.org/


Nosso trabalho

A Human Rights Watch é um movimento de direitos humanos sem fins lucrativos e não governamental com uma rede de afiliadas e escritórios em todo o mundo. Inclui cerca de 400 funcionários que são profissionais de direitos humanos, incluindo especialistas nacionais, advogados, jornalistas e acadêmicos de diversas origens e nacionalidades.

Fundada em 1978, a Human Rights Watch é conhecida por sua busca precisa, relatórios imparciais, uso efetivo da mídia e advocacia direcionada, muitas vezes em parceria com grupos locais de direitos humanos. A cada ano, a Human Rights Watch publica mais de 100 relatórios e briefings sobre as condições dos direitos humanos em cerca de 90 países, gerando ampla cobertura na mídia local e internacional. Com a influência que isso traz, a Human Rights Watch se reúne com governos, as Nações Unidas, grupos regionais como a União Africana e a União Europeia, instituições financeiras e corporações para pressionar por mudanças nas políticas e práticas que promovam os direitos humanos e a justiça em todo o mundo .

Lama Fakih falando sobre o retorno das crianças norueguesas - ISIS do conflito no Festival Film fra Sør. Exposição fotográfica da Human Rights Watch fora de Stortinget e em Bergen em apoio à Declaração de Escolas Seguras, endossando as Diretrizes para Proteção de Escolas e Universidades do Uso Militar durante Conflitos Armados. Belkis Wille falando sobre a situação das mulheres e crianças presas nos campos do ISIS, durante o Jantar Anual de 2019 em Oslo. ©


Esportes e recreação

Os noruegueses têm as vantagens especiais de espaço abundante e contato tradicionalmente próximo com a natureza. O esqui cross-country e todas as formas de patinação são passatempos nacionais na longa temporada de inverno. A patinadora artística Sonja Henie foi uma das atletas mais famosas da Noruega, conquistando medalhas de ouro olímpicas nos Jogos de Inverno de 1928, 1932 e 1936 e, posteriormente, tornando-se uma grande estrela do cinema internacional. A Noruega sediou os Jogos de Inverno duas vezes: em Oslo em 1952 e em Lillehammer em 1994. Os noruegueses ganharam mais medalhas nos Jogos de Inverno do que atletas de qualquer outro país. As proezas esportivas norueguesas não se limitam, entretanto, às competições de inverno. A Noruega também tem um excelente histórico no atletismo, principalmente em eventos de corrida de longa distância.

Mas, acima de tudo, o esqui é fundamental para a identidade do país. A Noruega introduziu competições de esqui no século 18 para seus soldados, e o primeiro evento de esqui não militar ocorreu em 1843 em Tromsø. O Holmenkollen Ski Festival anual é o mais antigo do mundo (1892), atraindo dezenas de milhares de pessoas.

As segundas residências, principalmente localizadas ao longo da costa protegida e nas montanhas, são muito populares entre os noruegueses. Há cerca de 1 casa de férias para cada 10 habitantes. Mesmo do centro de Oslo, são apenas 20 minutos de carro para chegar à floresta densa e, em um agradável domingo de inverno, as colinas que cercam a cidade estão repletas de esquiadores.


Noruega

Como em muitos outros países europeus, a história registrada da censura na Noruega coincide com a invenção da imprensa escrita. The Norwegian history of censorship of books from the middle of the 16th until the middle of the 20th century has been thoroughly documented in "Confiscated and suppressed publications" (Original Norwegian language title: "Beslaglagte og supprimerte skrifter") by Arthur Thuesen, published in Oslo 1960. The bibliographical data on publications censored in Norway through the ages for political, religious or moral reasons, as documented by Thuesen, are available in the Beacon for freedom of expression database.

The Constitutional Right to Freedom of Expression

The records shows that early censorship in the Scandinavian countries followed the same trends as elsewhere in Europe, thus the main reasons for banning or confiscating books, or punishing authors were the bitter conflict between Catholicism and Protestantism, recorded as early as 1580(1). Furthermore, publications considered harmful to King and state authorities or deemed offensive to public morals.

In 1770, censorship was abolished in Denmark, hence also in Norway, then under Danish rule. With Norway's independence from Denmark in 1814, the Norwegian Constitution was adopted (May 17, 1814) and freedom to print was protected in the first sentence of Article 100 of the Constitution. However, this freedom was not without limitations, thus disobedience of Norwegian law, deliberate contempt of religion or decency or the constitutional authorities, as well as defamation, were specifically prohibited. The last sentence of Article 100 stated: "Everyone shall be free to speak his mind frankly on the administration of the State and on any other subject whatsoever."

When in 1902 the Penal Code was revised, the limits of free expression as specified in Article 100 were elaborated, and new concerns were introduced, such as the consideration of relations to foreign powers and that of national security. Also in Norway, the First World War (1914-1918) had significant negative consequences for freedom of expression on the grounds of national security. New laws were introduced prohibiting disclosure of defence secrets, and censorship of letters and telegrams were established along with trade restrictions also on printed material. After 1918, these laws conveniently aided surveillance of the growing radical political and labour movements. Among other laws introduced, significant to the extent of freedom of expression, were the 1913 law on pre-censorship of moving pictures, and the 1933 State monopoly of broadcasting, in 1960 extended to television. The State monopoly of broadcasting were abolished in 1981. Amendments to Article 100 of the Constitution was proposed in 1999 by a Commission on freedom of expression appointed by Royal Decree.

Selected Cases of Freedom of Expression vs. Blasphemy and Pornography

The most noteworthy challenge of religious tolerance occurred in 1933, when the prominent poet Arnulf verland held a lecture on "Christianity - the tenth plague" ("Kristendommen - den tiende landeplage") in the Students Society at Oslo university. The trial against verland remains one of the most outstanding trials on freedom of expression in Norwegian history in peace time. Even though verland was acquitted, Parliament tightened the penal code on blasphemy a year later.

The public notion of decency was most notably challenged in the late 19th century by two authors Hans J ger ("Fra Kristiania-Boh men" 1886) and Christian Krohg ("Albertine" 1887). Both novels were confiscated, though only J ger was sent to prison. Seventy years passed before the authorities once more took penal action against authors on behalf of public decency. In the 1950s and 60s the authors Agnar Mykle ("Sangen om den r de rubin", 1957)(2), the American author Henry Miller ("Sexus" (Danish edition) 1957-59 )(3) and Jens Bj rneboe ("Uten en tr d", 1966)(4) were all subject to criminal prosecution and the novels confiscated. In each case the sentence of the County Court was appealed to the Supreme Court. In Mykle's case, the majority of Supreme Court voted for acquittal and lifted the confiscation. In Miller's case the majority of the Supreme Court sentenced the booksellers to accept confiscation of the novel, and for the first time in 70 years a novel was prohibited in Norway. From USA Miller wrote a "Defence of the Freedom to Read: a Letter to the Supreme Court of Norway", published in English and Norwegian by J.W. Cappelen Forlag. In 1995 "Sexus" was published by the Norwegian publisher Den norske Bokklubben as part of the series " Library of the Century". In the case of Bj rneboe and his publisher, the majority of the Supreme Court ruled to uphold County Court's sentence of fines for both author and publisher and the order of confiscation. Jens Bj rneboe's novel "Uten en tr d" thus became the second - and last - novel in the 20th century to be prohibited.

Today, these mid-20th century criminal trials against outstanding and internationally renowned novelists may seem like tales of the dark ages. At the time and long thereafter, these cases created heated public debate, thus contributing to extend public tolerance, and also helped shift the authorities and judicial system's focus of prosecution from fictional artistic expression to the vastly more serious crimes of child pornography and speculative violent adult pornography. Bibliographic information about the above mentioned titles are available in the database.

Norway in War

The 1940-45 German occupation represented the most sinister and suppressive period of censorship in Norway's history. Immediately after the invasion in April of 1940, the Nazi rulers clamped down on the press and broadcasting. Newspapers faced the choice of being shut down or to accept Nazi control. Strict censorship of cultural life followed, including publishing houses, bookstores and libraries. In February of 1941, the Nazi authorities issued a decree concerning the protection of Norwegian literature and introduced a comprehensive index of forbidden literature. Indexed were numerous international and Norwegian publishing houses, single works by authors and whole authorship's. Identical lists were applied in all German occupied countries - Denmark, Norway, France, Luxembourg, Belgium, The Netherlands, Lithuania, Latvia, Estonia, Belarus, Poland, Yugoslavia and Greece - as well as Germany. Thus tens of thousands of works by Jewish authors and authors considered to be communists were banned throughout Europe, or authors classified as subversive and therefore deemed harmful to the Nazi ideology. The purging of libraries throughout Norway was executed by the local police.
This index of books, authors and publishers banned in Norway during World War II was published by AL. Biblioteksentralen in 1995. (Original title: Beslaglagte b ker - Norge i krig 1940-45.) The entire index is available in the database.

In October 1942, censorship was tightened in Norway, as was the punishment. Thus the Decree issued by Reichskommissar Terboven, states:

"[. ] anyone …who propagates for an enemy state, or produces, acquires or disseminates information or other matters harmful to German interests, or who listens to any other transmitters than those that are German or under German control.. will be punished by death."

Radioes were forbidden and confiscated. Strict control and threats of severe punishment did not prevent Norwegians from keeping illegal radios and listening to the BBC Norwegian transmission from London, or read illegal news bulletins and papers. From 1940 until 1945, 444 illegal newspapers were produced throughout the country and disseminated amongst Norwegians. A few newspapers were professionally produced in illegal printing shops or secretly in legitimate print shops in relatively substantial amounts of copies, but the majority of these regular publications were humble typewritten and duplicated before being disseminated and furthermore passed from person to person. The well organised illegal press naturally recruited professional journalists and writers, but the majority of the thousands of Norwegians who run these vital sources of uncensored war news - equally important as information channels for the Norwegian resistance movement - were ordinary men, women and young adults. An estimated 3-4000 people were arrested for these illegal activities. An estimated 212 people lost their lives, 64 of whom were executed, while another 91 perished in prison or in German concentration camps. The illegal press during the German occupation of Norway has been thoroughly recorded and annotated by Hans Luihn, himself an active participant in this vital part of the Norwegian resistance movement.

The entire publication "Den frie hemmelige pressen i Norge under okkupasjonen 1940-45" (unauthorised English translation: "The free secret press in Norway during the occupation 1940-45") is available in the database.

Selected Cases: Freedom of Expression vs. National Security

In Norway, as in many other Western countries, the Cold War represented a period when the issues of freedom of expression and freedom of the press became strongly politicised. The Norwegian post World War II measures regarding surveillance and national security, Norway's membership in NATO (1948), the pending threat of a press censorship act and the 1950 controversial Alert Bill, authorizing Government to act on threats to national security, all became central issues in heated freedom of expression-debates in the late 1940s. No less heated was the debate on public access to documents and information held by government administration, finally leading to Parliament passing the first Bill on access in 1972. The Bill, containing numerous exceptions to the rule, did not end the debate on openness and access to information. The Bill was amended in 1982 and again in 1995.

In the Cold War clashes between freedom of the press and national security, three cases in particular caused extensive public debate on the authorities’ policy on secrecy.

In 1977 the daily newspaper Arbeiderbladet disclosed the Norwegian government's secret cooperation with USA (1959-60) of instalments in Norway of the Long Range Navigation - electronic navigation system that was part of the US atomic submarine programme Polaris. A cooperation unknown to Parliament, and clearly in violation of the non-atomic weapons policy adopted by Parliament. The government, although much of the information on Loran-C had long since been published in USA, considered prosecution of the newspaper, then ordered an inquiry into the incident. Following the decision to keep the report of the inquiry commission secret, two members of Parliament deliberately disclosed parts of the report and were consequently also threatened with impeachment. Parliament finally decided not to impeach.

Also in 1977, the weekly leftwing newspaper Ny Tid disclosed top secret Norwegian espionage in the Soviet Union during 1953 via agents in Finland. One of the journalists responsible for the disclosure also demonstrated detailed knowledge of the Norwegian Secret Service, claiming the information was systematically compiled from open sources. This was also publicly confirmed by two army officers. The public debate ran high on open and secret sources, and illegal political surveillance, and more press disclosures followed to the great embarrassment of the government. The Chief Prosecutor ordered a police action against the newspaper, and the two officers were prosecuted according to the Military Penal Code, charged with activities harmful to national security and violation of professional secrecy. The three journalists and another person involved stood trial in the County Court (Oslo), two of them charged according to the so called "spy" articles of the Penal Code. The editor demanded to be charged on account of her responsibility as an editor, but was refused. All accused were sentenced to prison for a duration between 60 days and one year, although all four received suspended sentences.

In 1983, the magazine Non Violence (original title Ikkevold) published a critical review entitled "Bomb target Norway" (original title "Bombem l Norge") concerning the position Norway de facto held in the allied atomic strategy, as compared to the non-atomic defence policy adopted by the Norwegian Parliament. In both these cases, the Chief Prosecutor brought charges against the newspapers and editors/journalists involved of activities harmful to national security. The editorial staff of Ikkevold were found guilty by the County Court (Oslo) in 1985 and sentenced to jail. The sentence was appealed to the Supreme Court and consequently annulled. However, new charges were brought against the editorial staff, and in 1986 the County Court (Oslo) once more found them guilty as charged. Finally, all were acquitted by the Supreme Court in 1987.

In the early 90s, these three cases led eventually Parliament to appoint a commission to investigate the allegations of illegal political surveillance of Norwegian citizens. The critical report, confirming that illegal surveillance had taken place, also called for measures to secure greater openness and accountability on the part of the secret service. The so called Lund-commission's report was simultaneously presented to Parliament and published in full. (Lund-rapporten. Rapport til Stortinget fra kommisjonen som ble nedsatt for granske p stander om ulovlig overv kning av norske borgere. Dokument nr. 15 (1995 -96)).

Available in the database is a comprehensive list of literature written on these important and much debated cases.

Freedom of Expression: The Indigenous Sami People of Norway

The indigenous populations - or more precisely the First Peoples - of most countries have suffered a multitude of censorship-related problems, ranging from prohibition of the use of their languages to lack of opportunities and channels of expression. This is also the case of the Sami people of Norway. The First Peoples often represent a minute part of the general population of a country, in many cases much smaller than immigrated ethnic minorities. More often than not, the problems of the First People are overlooked when national freedom of expression issues are discussed. So also in Norway, where both government white-papers and state initiated support systems until the 1980s were entirely focused on enhancing the Norwegian language, literature or the press.

The native languages of the Sami people of Norway (Sweden and Finland) suffered various forms of suppression for centuries. After World War II, Norwegian authorities started a more systematic and relentless policy of assimilation of the Sami population, the benevolent aim being to force the Sami population to become truly "Norwegian". One of the measures was to prohibit the use of Sami language in schools, the Sami non-written poetry (joik) in particular prohibited, regarded as pagan, and therefore alien to the Christian foundation of the Norwegian public educational system. The Sami language was forbidden in Norwegian schools until 1958, but the right to receive education in Sami was only granted to Sami children in the law on primary education in 1988. The establishment of the Sami Parliament (Sametinget) in 1989 boosted the Sami struggle for improved opportunities and economical conditions for Sami language press, publishing and broadcasting, thus also for education and official use of the language. In 1992 the Sami language was finally adopted as Norway's third official language.

Seen in the context of this database - Beacon for freedom of expression -, a database aimed at documenting all censored literature and newspapers through the ages -, the enduring deliberate suppression of the First Peoples languages or prohibitive conditions for publishing books or newspapers throughout the world, remains a painful fact never to be adequately recorded in all its destructive consequence. This we can only regret.

The Norwegian Constitution: Amendments of Article 100

Throughout the 20th century, and in particular during the latter half of the century, public debate has mounted on Article 100 of the Norwegian Constitution. Basically, the concerns have been related to the constant elaboration of the Penal Code, inflicting on or curtailing freedom of expression as stated in the Constitution, thus undermining the core principle of Article 100. Conflicts between the Article 100 and the Penal Code were numerous throughout the century, as illustrated above.(5) In addition, a case of prevention of racial discrimination versus freedom of expression in the late 90s, highlighted the conflict imbedded in the European Convention on Human Rights and the UN Charter on Human Rights, as well as in Norwegian and international law.(6) As Article 100 explicitly protected printed material, a long lasting concern had been the lack of specific constitutional protection of non-printed media, matching the media-technological development. Another major concern was the lack of explicit protection of the right to receive and impart information, in accordance with Article 19 of the UN Charter on Human Rights.

When in 1996, a Norwegian Governmental Commission on freedom of expression was appointed by Royal Decree the appointment was warmly welcomed, not least by the professional artist, author and press organisations and the NGO-community. The commission presented its report, Official Norwegian Report 1999: 27 "Freedom of Expression Should Take Place" - Proposal for a new Article 100 of the Constitution, to the Minister of Justice in 1999 (Original title: NOU 1999: 27 "Ytringsfrihed b r finde Sted" Forslag til ny Grunnlov 100).

During the work of the Commission on freedom of expression, the government presented to Parliament a Bill on enhancement of the position of human rights in Norwegian law, (Lov om styrking av menneskerettighetenes stilling i norsk rett (menneskerettsloven) 1999 nr.30), that necessitated an amendment of the Norwegian Constitution, thus Article 110c now states: "The State authorities are obliged to respect and secure human rights." (Authors note: unauthorised translation).

The core principle (1st paragraph) of the amendments proposed by the Commission on freedom of expression reads: "There shall be freedom of expression". The amendments incorporate both European Convention on Human Rights and the UN Charter on Human Rights, thus making them into Norwegian law. The full text of the 6 paragraphs is quoted below. For the complete English summary, see Chapter 12 of NOU 1999:27 "Ytringsfrihed b r finde Sted" Forslag til ny Grunnlov 100. Further bibliographic information may be accessed through the Beacon for freedom of expression database.

Full text of amendments proposed by the Commission on freedom of expression (NOU 1999:27 Ytringsfrihed b r finde Sted" Forslag til ny Grunnlov 100.)

  1. There shall be freedom of expression.
  2. No person may be held liable in law for imparting or receiving information, ideas or messages unless such liability can be justified in relation to the reasons behind freedom of expression, i.e. the seeking of truth, the promotion of democracy and the individual's freedom to form his or her own opinions. Such legal responsibility must be clearly prescribed by law. No person may be held liable in law for the reason that a statement is untrue if it was uttered in non-negligent good faith.
  3. Everyone shall be free to speak his mind frankly on the administration of the State and on any other subject whatsoever.
  4. Prior censorship and other preventive measures may only be used as far as is necessary to protect children and the youth from harmful influence of moving pictures. Censorship of letters may only be implemented in institutions and by leave of a court of law.
  5. Everyone has a right of access to the documents of the State and of the municipal administration and a right to be present at sittings of the courts and of administrative bodies elected by the people. The law may only prescribe such clearly defined limitations to this right as overriding considerations show to be necessary.
  6. It is the responsibility of the authorities of the State to create conditions enabling an open and enlightened public debate.


This article is based on a variety of sources, a selection of which is listed below. The main sources have been the following selected :


Assista o vídeo: POL ECHR - Europejska Konwencja Praw Człowieka Polish Version


Comentários:

  1. Kazikinos

    Sinto muito, mas, em minha opinião, você está enganado. Vamos discutir. Escreva para mim em PM.

  2. Ungus

    Desculpe, mas não é exatamente isso que eu preciso. Existem outras opções?

  3. Stanwyk

    O que falar aqui?

  4. Vito

    Você não está certo. Convido você a discutir.



Escreve uma mensagem