4 de novembro de 1941

4 de novembro de 1941


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

4 de novembro de 1941

Novembro

1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930
> Dezembro

Frente Oriental

Tropas alemãs capturam Feodosia (Crimeia)



4 de novembro de 1941 - História

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 Da Daily Missouri Republican, St. Louis, 10 de maio de 1853.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160O navio Alton chegou ontem de St. Joseph com uma carga muito leve. Seus oficiais nos informam que estavam empregados naquela época, três dias, no transporte de emigrantes pelo rio. Durante esse tempo, eles levaram 7.563 cabeças de gado, 382 contas de cavalos e 212 carroças. Quase todos os emigrantes haviam partido para as planícies na última sexta-feira, quando os barcos partiram de St. Joseph. O Alton fez uma corrida muito rápida - cinquenta e duas horas era o seu tempo de corrida de St. Joseph a esta cidade.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160De Kansas Weekly Tribune, Lawrence, 17 de agosto de 1865.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Nós foram mostradas algumas tábuas de nogueira da melhor qualidade que já vimos, com um metro de largura. Eles vieram de uma árvore que media dezoito pés de circunferência. Foi serrado na fábrica de Zimmerman na ferrovia, dez milhas a leste, e a madeira media cinco mil pés. Essa madeira é barata a cinquenta dólares por mil, e com essa taxa todos os produtos desta árvore totalizariam duzentos e cinquenta dólares. Esse é apenas o valor da madeira serrada. A quantidade de cordão de madeira e folheado que o equilíbrio da árvore produzirá não foi estimada. Chamamos isso de árvore valiosa.


NOTA DE ESTILO DE LINN COUNTY

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160De Fort Scott Monitor, 7 de novembro de 1867.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Algumas cinquenta senhoras nas proximidades de Feitoria, Condado de Linn, adotaram saias curtas, que vão até o joelho. Suas extremidades inferiores são envoltas em calças do mesmo material, muitas delas de corte muito parecido com os não mencionáveis ​​do sexo mais severo, enquanto outras são franzidas no tornozelo em genuíno estilo turco.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 Da Abilene Crônica, 10 de novembro de 1870.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Como SAMSO VOTOU EM ABILENE.-Houve apenas um voto obscuro em Abilene, nas eleições recentes, e o tolo "xingamento" votou em uma chapa democrática não arranhada. Ele o fez sob a alegação de que havia "prometido a Massa Kuney que ele votaria em demycrat tick com certeza - e que ele deveria manter a promessa". Admiramos a coragem do darkey em cumprir sua promessa, mas ele está evidentemente "cru" e deve ver o interior de uma escola por um ou dois períodos. Este caso demonstra um fato muito claramente, a saber, que se um darkey votar em uma chapa democrática, seu voto conta tanto quanto o de um homem branco votando na mesma chapa, ou em qualquer outra chapa). É maravilhoso, mas é verdade.

414 KANSAS HISTÓRICO TRIMESTRE

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160De Ellsworth Repórter, 21 de dezembro de 1871.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Último outono durante a temporada de embarques, três bois foram encontrados com chifres de comprimento tão grande que não podiam entrar em um carro, com uma porta de cinco pés, até que cinco polegadas fossem serradas fora de cada chifre.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 Do Sêneca Correio Semanal, 11 de outubro de 1872.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 O grupo de levantamento topográfico da Armstrong, que deixou a Centralia no verão passado, terminou seu trabalho e está voltando para casa. Eles se divertiram. Eles viram muitas casas selvagens, algumas das quais eram muito bonitas. Um homem de Leavenworth ofereceu US $ 1.000 por um, se pudesse ser entregue lá. Os índios se juntaram ao redor deles perto do último, e lhes deram cinco "sonos" para passar e ir embora, ou então sairiam seus escalpos e eles mostrariam como era feito! Mas os topógrafos conseguiram "dormir" dez vezes e, por trabalhar até tarde e cedo, conseguiram cruzar o rio Arkansas em 28 de setembro. Parte voltou para casa de trem, e parte por terra com equipes.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 Da cidade de Junction União, 16 de agosto de 1873.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 Houve um grande problema em Hays outro dia, causado por uma locomotiva tentando entrar no show de John Robinson sem pagar. A seção dianteira do trem foi muito lenta, e a segunda seção muito rápida, a consequência foi uma colisão, que acordou a maior e mais variada coleção de animais já mostrada em quinze tendas, e reunida de todas as partes da Ásia, África, Europa e condado de Billings, em uma extensão sem precedentes. Vários carros estavam engarrafados e parecia que ao mesmo tempo Robinson teria bifes de tigre e costeletas de macaco suficientes para durar todo o verão. O gorila comentou que estava muito feliz por ter deixado de "se exibir" e passado a dirigir uma equipe nesta temporada. Felizmente, nenhum homem ou animal foi ferido. A causa precisa do acidente não é conhecida. Alguns dizem que um dos engenheiros olhou por muito tempo para o "um quinto de uma milha" das serpentes, mas isso é contestado.


PRENDENDO O TRIBUNAL NO PRIMEIRO DIA WICHITA

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160O primeiro mandato do tribunal distrital começou no dia 13 de junho. Estava no sótão de um estábulo, quase em frente à Empire House. Exmo. W. R. Brown, do 9º distrito, que incluía o condado de Sedgwick, era o juiz. Os outros oficiais presentes eram W. N. Walker, xerife, F. J. Fulton, procurador do condado, e C. S. Roe, secretário adjunto. Os advogados da Ordem dos Advogados de Wichita presentes, além de Fulton, eram Reuben Riggs, P. T. Weeks e H. C. Slues. Os procuradores presentes, à distância, eram D. C. Hackett, Esq., De Emporia,

BYPATHS DA HISTÓRIA DE KANSAS 415

e W. P. Campbell, de El Dorado. A sala do tribunal foi dotada de uma cadeira que foi ocupada por sua honra o juiz. A mesa para acomodação dos advogados consistia em duas caixas de mercadorias colocadas "ponta a ponta". Os assentos para o bar consistiam em um choupo escarpado de dois por seis apoiado em cada extremidade em caixas de biscoitos, e colocado a uma distância conveniente da mesa, e ao longo do qual se alinhavam os advogados. Atrás das caixas estava o juiz sentado em sua cadeira solitária com o grande calcanhar direito descansando graciosamente sobre o grande joelho esquerdo, o cotovelo direito apoiado no braço da cadeira, o queixo firmemente plantado na mão direita e a faixa esquerda no bolso da calça grande. . Os assentos para os espectadores consistiam no mesmo material e padrão que os do bar, e dispostos ao redor da parede. A súmula do julgamento consistia em uma única folha de papel almaço, e a súmula da barra e o diário do mesmo. Os casos em questão eram três: um caso de homicídio, um caso contra o estado. . . Alexander Jester, acusado de agressão com intenção de matar e o outro de divórcio. O processo de divórcio foi julgado, testemunhas interrogadas e uma sentença para o autor, que era o marido. Foi revelado no julgamento que a réu em seu humor brincalhão chutou o querelante para fora da cama e o obrigou a dormir no chão, e como eles viviam em um abrigo, isso foi considerado um "terreno" suficiente para justificar o divórcio. O caso de assassinato foi levado, por mudança de local, para o condado de Butler. No caso de agressão, o réu interpôs uma moção para "esmagar" a informação, o que foi feito. É curioso que não tenha sido feito nenhum registo dos trâmites daquele tribunal, e nem mesmo o risco de uma pena sobrou para contar o facto da concessão desse divórcio.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Os meninos devem estar ficando duros por ver meninas quando vão três quilômetros até um acampamento de emigrantes para ver um, como alguns dos meninos fizeram aqui no domingo passado.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 Da cidade de Dodge Vezes, 29 de novembro de 1879.

A "raquete indiana", que já foi um esporte favorito em Dodge City, foi praticada na última segunda-feira. Um grupo de três cidadãos passeava vagarosamente pelas colinas em busca de antílopes, como foi dito ao jovem que seria vítima da piada. O grupo de caça ao antílope discutiu a probabilidade de guerras indígenas e peles vermelhas em geral, e de repente encontrou cinco pessoas vestidas em trajes indígenas e pinturas de guerra, que deram aos caçadores de antílopes uma perseguição por cerca de duas milhas, até cerca de meia milha da cidade , o engano sendo descoberto por um procedimento mais "ave". Vários cidadãos se reuniram no morro das botas para testemunhar os índios atacando os caçadores de antílopes, mas estes descobriram o engano antes de chegarem aos limites da cidade. Este jogo já foi jogado com sucesso muitas vezes antes. A prática consistia em dar a "raquete índia" a uma pessoa presunçosa ou atrevida, e submetê-la a esse susto tiraria "a força dele". Em sua humilhação e sentimento de desgraça, a vítima da piada pegaria o primeiro trem para fora de Dodge. Mas as velhas práticas em Dodge estão desaparecendo rapidamente.

416 KANSAS HISTÓRICO TRIMESTRE

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160From do Condado de Phillips Arauto, Phillipsburg, 11 de março de 1880.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Geo. W. Stinson foi repentinamente fechado na semana passada. Ele estava discutindo uma questão de direito com muito seriedade perante o esq. McCormick quando o Sr. Lowe, o escrivão do condado, correu com grande pressa, exclamando: "Mack, seu escritório está pegando fogo." Stinson terminou sua frase enquanto seguia o tribunal porta afora. Seis anos atrás, ele diz que foi repentinamente interrompido em sua discussão por uma manada de búfalos correndo para a cidade.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Na segunda-feira, um coelho de porco vindo de Iowa e indo para o oeste para escapar da seca, passou pela rua principal com todos os cães da cidade atrás dele. Por acaso, ele passou pelo local onde a eleição municipal estava sendo realizada e em menos de três sacudidas do rabo de um cordeiro morto os juízes e escrivães da eleição e os candidatos a prefeito juntaram-se à perseguição. É desnecessário acrescentar que o macaco fez uma corrida melhor do que alguns dos candidatos.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 Do Sêneca Correio Semanal, 17 de setembro de 1880.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Um cavalheiro do oeste chamado Gregory. . . conta alguns trabalhos esquisitos da colônia de negros no condado de Graham. Há 800 na colônia, e todos estão bem. Um negro tem uma vaca com a qual quebrou e melhorou doze acres de pradaria e cultivou oito acres de milho, sua esposa conduz a vaca e mantém as moscas afastadas. Outro cavou uma cerca viva de mais de um metro com cerca de 160 acres de terra.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160De Pessoas do condado de Norton, Norton, 23 de setembro de 1880.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 Peter Smoker, que mora uma milha a leste da igreja católica, perto de Almelo, tem o tipo certo de areia para este país. Como o trigo era tão curto que não podia ser embalado, ele colheu três acres cortando-o com uma faca de açougueiro.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 De The Buckner Independent, Jetmore, 18 de fevereiro de 1881.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Um dos ossos de Lillard Sanders foi colocado contra o telhado de seu estábulo, lá dentro, na última segunda-feira. A neve entrou atrás do animal e foi compactada sob seus pés tão rápido quanto entrou, até que o animal ficou preso contra o telhado. Lillard comprou uma pá e trabalhou fielmente até resgatar o cavalo.

BYPATHS DA HISTÓRIA DE KANSAS 417

DEVE TER SIDO BOOGIE-WOOGIE

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 De The Globe Live Stock Journal, Dodge City, 23 de fevereiro de 1886.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160O búfalo que anda pela cidade está acostumado à música da banda Cowboy, tem aparência ocidental e não interfere na paz e felicidade do búfalo, mas há algumas coisas que o búfalo não vai ficar de pé, e entre eles está um monte estranho de homens soprando buzinas marchando pelas ruas, encabeçados por um major da bateria vestido com enfeites vermelhos e um chapéu de lã. Ontem o búfalo observou o bando de hussardos da Simon Comedy Company desfilando pelas ruas e fez exceções, e com cabeça para baixo e cauda para cima atacou aquele bando. A música parou com o primeiro berro daquele animal selvagem, e a banda deu uma excelente corrida. Foi o pior desfile de rompimentos que você já viu. O búfalo se apoderou da rua, enquanto a banda empoleirou-se em cercas, varandas e pequenos barracos.


FONTES DE SODA E AMENDOINS PRIMEIRO

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160De Ford County Republican, Dodge City, 8 de junho de 1887.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160A câmara municipal fechou os bebedouros e barracas de amendoim no domingo, mas os bares de uísque não foram molestados. Acredita-se que a ação foi tomada para desobrigar os policiais de vigiar as barracas de refrigerantes para que pudessem dar atenção exclusiva aos bares. Podemos agora procurar alguma ação decisiva. As juntas devem desaparecer.


PIONEIRA NO CONDADO DE MORTON

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Estou escrevendo em minha casa no extremo oeste, aquela que eu mais amo. Deixe-me descrever para você. É o que chamamos no condado de Morton de escavação. A nossa é escavada a mais de um metro de profundidade e tem uma parte da estrutura com cerca de um metro e meio de altura no topo do solo. É 12 x 20 no interior, com um teto caiado de branco e uma divisória de lona. A porta, um "tiro" como a chamamos no oeste, fica na extremidade leste. Há uma janela inteira no lado norte, meia janela no oeste e uma janela inteira e duas meias janelas no sul. Os últimos três estão cheios de plantas caseiras - eles se saem esplendidamente em um abrigo. Eu tenho um pássaro canário para cantar para mim um gambá de estimação, um cachorro e um gato. Fui criado na cidade e nunca vi uma vaca ordenhada antes dos dezesseis anos. É difícil vir para o oeste para construir um lar. Poucos têm o vigor e a espinha dorsal para ficar o tempo suficiente para provar suas terras de acordo com a lei da propriedade rural. Não quero me gabar, mas vamos tentar estar entre os poucos. Vou lhe contar como administramos: somos quatro. Meu marido, dois meninos (a maioria pequenos demais para serem úteis, mas um grande conforto) e eu constituímos nossa família. Este ano tudo foi um fracasso neste concelho. Todo mundo deixou que poderia, mas temos alguns

418 KANSAS HISTÓRICO TRIMESTRE

gado e talos de milho suficientes para mantê-los vivos até a grama. Eu disse "devemos nos ater à terra, meu velho, contanto que possamos aumentar a aspereza para o inverno." Algumas manhãs haveria quatorze carroças indo para o leste, mas nem todas se foram, pois ainda estamos aqui. Na primavera passada tudo estava bem, com boas perspectivas para o outono, mas os ventos quentes vieram e a chuva não. Dos oitenta acres de safras de primavera que plantamos, não obtivemos nada além de talos de milho, nem uma espiga de milho ou um grão para a semente. Podemos ser gratos pelos talos, pois alguns nem mesmo conseguiram talos. Estamos a 47 milhas da ferrovia e a única maneira de ganhar a vida é com carga. Demora quatro dias para ir à ferrovia e voltar com uma carga. Meu homem foi buscar uma carga agora. Enquanto ele está fora, cuido de treze cabeças de gado, dois porcos, um potro e leite de quatro vacas, faço o trabalho de minha casa, faço rendas e remendo maluco. Esta manhã, serrei um novo buraco para cano de fogão no telhado e coloquei uma lata para despejar o cano. Os meninos estão na escola Durmo com uma espingarda de cano duplo carregada no armário e um revólver à mão. Eu ouço alguém dizer: "Claro, ela tem medo daqueles vaqueiros horríveis." Não, não é isso que temo, pois o vaqueiro é um cavalheiro, se você tratá-lo como tal, nunca terá um amigo melhor. É fora da lei que as pessoas temem "lá fora". O fora-da-lei se vestirá como o cowboy, e uma pessoa inexperiente irá aceitá-lo como tal, mas há uma grande diferença. Estamos perto da "Faixa" ou "Terra de Ninguém", como é chamada aqui. Esta "Terra de Ninguém" é um lugar sem governo. Todo mundo faz o que quer, então é claro que é a morada dos criminosos, que surgem de vez em quando e fazem uma incursão pelo país. Roubar mulas era sua última maldade. Neste país, vive o time de um homem, e quem o rouba tira o pão e a manteiga da boca de seus filhos, fazendo-os sofrer tanto quanto seus pais. Temos uma boa quantidade de mulas e, às vezes, temo que venham roubá-las. Se não encontrassem as mulas, poderiam tentar nos levar embora. Nesse caso, eles golpeariam um tártaro, alguém se machucaria. Meu vizinho mais próximo fica a 1,6 km a nordeste. Nossa cidade mais próxima é Richfield. As pessoas do leste estão enviando ajuda para o condado de Morton, e ele precisa muito. Há muitas pessoas aqui que não podem escapar e não podem ganhar a vida aqui, pois não há nada para fazer. Felizmente não precisamos de ajuda ainda, mas não sei por quanto tempo podemos acompanhar. É um trabalho árduo, um trabalho árduo, estou lhe dizendo, e com pouco pagamento. Já tivemos um toque amargo de inverno. Começou chovendo e choveu continuamente por duas semanas. Então veio a neve e o vento com ela, e por quatro dias e noites continuou nevando e soprando. Estávamos literalmente encobertos pela neve. Em meio a tudo isso, o estoque precisava ser cuidado e abrigado. Quando eles saem em uma tempestade, eles vagueiam com o vento e se perdem, muitas vezes são mortos. Os tempos são difíceis, mas sou generoso e quando você vier "para o oeste", fique um pouco em nosso abrigo.

& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Você deve comer panquecas e gordura de carne no café da manhã - talvez um pouco de café. Pão leve para o jantar e mingau e leite para o jantar o ano todo, com ocasionalmente um jovem coelho frito com um pouco de molho de leite. . . . BICHO DE ESTIMAÇÃO.


Comerciantes do eixo perdidos na Rota da África do Norte & # 8211 1941-1943

O mais prestativo Lorenzo Colombo, dono da excelente Con la pelle appesa a un chiodo o blog levou algum tempo durante o bloqueio para digitar a lista. Ele resumiu como & # 8220sunk & # 8221 alguns navios que realmente encalharam e consideraram as perdas totais: Sebastiano Venier (Jason) , Regulus , Vettor Pisani , Napoli , etc. Estes foram perdidos para todos os efeitos e propósitos, bem como se tivessem sido afundados. A lista não inclui navios de guerra e navios afundados no porto por qualquer motivo.

A lista também não inclui embarcações de transporte naval, como os F-isqueiros alemães (veja este link) ou embarcações menores, como Motoveliere , pequenas embarcações de carga à vela muito utilizadas no tráfego costeiro, em particular.

SS Oriani, perdido para os bombardeiros de Blenheim do Esquadrão No.105 de Malta, 11 de setembro de 1941.

Ver esse link .

Perdas por ano

O total de 230 embarcações perdidas é dado a seguir. A lista tornará possível comparar reivindicações, por ex. Aeronaves com base em Malta contra perdas reais e, portanto, devem ajudar os pesquisadores.

Agradeço a permissão de Lorenzo para postá-lo aqui com alguma formatação menor.


Re: perdas da 22ª Brigada Blindada em 19 de novembro de 1941

Postado por phylo_roadking & raquo 11 de novembro de 2013, 00h13

Os britânicos sabiam que o aglomerado de transporte era uma linha de trincheiras preparada / com canhões antitanque embutidos e canhões montados em caminhões atrás disso ou não?

Não estou interessado no reconhecimento sendo realizado ou não fiz uma pergunta simples. Eles sabiam ou não?

A conta diz que não. Se, como você diz, o relato está errado, por favor, forneça evidências de que eles SABAM que o cluster de transporte ERA uma trincheira preparada com armas antitanque embutidas e um par de armas montadas em caminhão imediatamente atrás dele. Porque você ainda não fez. Nem o outro tópico que você recomendou ler.

Re: perdas da 22ª Brigada Blindada em 19 de novembro de 1941

Postado por fredleander & raquo 11 de novembro de 2013, 01:12

David W escreveu: Re the 2Pdr conforme citado no "Crusader" acima. Não tenho certeza se alguma munição A.P estava disponível naquela época, ainda não era apenas um tiro sólido?

Re: perdas da 22ª Brigada Blindada em 19 de novembro de 1941

Postado por Atrito & raquo 11 de novembro de 2013, 01:37

As derrotas italianas são um pouco altas, mas no campo de jogo. As perdas britânicas não são, talvez um erro de digitação e eles pretendiam escrever 52 Em qualquer caso, não se trata de ser um fiasco ou não, pelo menos não para mim. É mais um constrangimento, pois apesar de todas essas perdas havia realmente muito pouco para mostrar. A Brigada Blindada 22 tinha mais 3 dias para terminar antes de deixar de ser uma força de combate.

É principalmente um ótimo exemplo que indica um problema de mentalidade, um problema de comando e um problema estrutural. 160 tanques apoiados por uma bateria do RHA e cerca de 90 soldados de infantaria motorizados. Um comandante da Brigada que tem a ideia de um reconhecimento é enviar um regimento de cruzadores para o azul quando ele tem a unidade de reconhecimento mais experiente do exército britânico sob seu comando. Um tímido comandante de infantaria que precisa vagar pelo campo de batalha oferecendo ajuda, mas é rejeitado. Uma bateria de artilharia lutando sua própria batalha isolada. Tudo para terminar com a convicção do CO de que havia conquistado uma esplêndida vitória.

Aqui está um Cappucino virtual.

Não poderia ser novatos na estreia, em vez de evidência de um mal-estar estrutural? Suponho que ninguém tenha feito um Zetterling e descoberto os estados operacionais das unidades de tanques envolvidas no Crusader, não é?

Para mim, tudo se resume a uma visão (reconhecidamente a priori) de que essas coisas são mundanas e podem ser explicadas principalmente pelo atrito e pela névoa da guerra. Se ambos os lados fossem equivalentes, os resultados mostrariam diferenças muito pequenas - baterias sem fio descarregadas, por exemplo.

Re: perdas da 22ª Brigada Blindada em 19 de novembro de 1941

Postado por Urmel & raquo 11 de novembro de 2013, 09:48

Esse é um grande 'se'. Aqui está outra questão em relação à anterior (aliás, estou genuinamente interessado em seus pensamentos sobre isso): quando no período uma divisão blindada britânica conseguiu montar um show de armas combinadas, integrando totalmente o força total de sua armadura disponível com as armas de apoio para atingir um objetivo específico? Não estou ciente de que alguma vez o fizeram. O melhor que posso encontrar são ações em nível de Brigada ou regimento, inevitavelmente controladas por uma unidade de infantaria em um ataque de bola parada, e principalmente realizadas com Matildas ou Dia dos Namorados. 1 e 7 Armored nunca parece ter conseguido isso. No entanto, 15 e 21 Panzer sim.

Pensando bem, isso é muito semelhante ao Exército Vermelho da época, que achava o controle de tanques em grandes unidades impossível de alcançar, então eles simplesmente diminuíram o tamanho para um nível onde poderiam exercer o controle com competência e essencialmente escravizar os tanques para a infantaria.

O inimigo tinha superioridade numérica, seus tanques eram mais blindados, tinham canhões de maior calibre com quase o dobro do alcance efetivo do nosso e seus telescópios eram superiores. 5 RTR 19/11/41

Re: perdas da 22ª Brigada Blindada em 19 de novembro de 1941

Postado por Atrito & raquo 11 de novembro de 2013, 10:47

Eu gostaria de ver uma comparação dos estados operacionais diários das forças blindadas do Eixo Britânico, para ter uma ideia do que estava disponível, ao invés de números duvidosos de perdas e perguntas sobre quão permanentes eles eram, pois parece mais confiável indicador de potencial. Hoje em dia, passo mais tempo estudando a Grande Guerra e as restrições estruturais no movimento versus guerra estática foram suficientes para obstruir as tentativas britânicas, francesas e alemãs de atacar 1915-1917, já que ficar parado deu uma vantagem automática ao defensor, que era de mais significância do que quantidade. Parece que a cooperação de todas as armas é mais fácil na defesa e que é um grande multiplicador.

Depois de dar uma olhada rápida no Crusader novamente, parece que o lado que estava cavado (tanto quanto você poderia cavar lá) tinha uma vantagem tática, exceto por alguns casos bem conhecidos (caros) do lado atacante superando a oposição , em um contexto de os britânicos terem a iniciativa estratégica (Gazala parece ser uma imagem espelhada). Parece-me que não havia uma grande diferença no equipamento disponível, que muitas das pequenas variações anulavam as outras (tanques britânicos mecanicamente duvidosos, mas mais deles, então um equilíbrio dinâmico de tanques quebrados e operacionais os colocou um par numérico com um número menor de tanques germano-italianos, não tão freqüentemente fora de ação devido a defeitos).

Talvez você esteja certo de que a liderança única foi mais importante do que a névoa da guerra, para determinar o destino das unidades blindadas britânicas, mas eu gostaria de saber se as unidades italiano-alemãs tomaram as mesmas decisões que as unidades britânicas mais falíveis, como bem como as unidades britânicas de maior sucesso. Se nenhuma unidade de tanques germano-italiana fizesse ataques frontais às posições preparadas da infantaria-artilharia durante o Cruzado, isso seria (para mim) um argumento convincente de que eles eram taticamente mais proficientes. Se algumas das unidades britânicas nunca o fizeram, isso tenderia a me fazer pensar se foi inépcia local, mas se todos os lados fizeram isso de vez em quando, é difícil atribuir tudo aos britânicos serem um lixo e os alemães não.

Há outra escola de pensamento aqui que tais práticas pelos britânicos foram uma resposta racional às circunstâncias da situação tática, características do equipamento, atrito, quando em dúvida fazendo algo ao invés de nada (exceto Pienaar, é claro) e ordens baseadas em informações inadequadas etc. Eu também não descartaria isso, uma vez que não podemos descartar todos os comandantes de unidades blindadas britânicas como igualmente estúpidos, inexperientes, mal treinados e com motivações questionáveis. Não sei se uma divisão blindada britânica fez um show all-arms, mas também não sei se eles estavam tentando, por isso tendo a desconsiderar o ponto de vista da "doutrina", como uma projeção anacrônica e dogmática. Nunca se sabe, pode ser que os britânicos fossem ambiciosos demais e, quando passaram a usar métodos alemães menos sofisticados, conseguiram implementá-los melhor. ou talvez não.O)

Re: perdas da 22ª Brigada Blindada em 19 de novembro de 1941

Postado por Urmel & raquo 11 de novembro de 2013, 11h42

Acho que é uma visão muito generosa.

Casos ilustrativos de cooperação bem-sucedida em todas as armas (liderada pela infantaria).

1) Ruptura de Tobruk (Divisão 70, Brigada de Tanques do Exército 32 - vamos ignorar o que aconteceu com 1 R.T.R.)
2) Fase inicial do ataque à linha de cume em Sidi Rezegh (organizado por 7 grupos de apoio, realizado por 2 K.R.R.C. e 6 R.T.R.)
3) Ataque a Sidi Omar (4 Divisões Indígenas, 1 Regimento de 1 Brigada de Tanques do Exército)
4) Ataque noturno a Ed Duda (6 Brigadas da Nova Zelândia, 1 regimento de 1 Brigada de Tanques do Exército)
5) Ataque a Bardia (2 Divisões da África do Sul, 1 regimento de 1 Brigada de Tanques do Exército)

1, 3 e 5 foram ataques bem-sucedidos em posições bem preparadas há muito tempo (no caso de Tobruk e Sidi Omar principais pontos fortes construídos desde 41 de maio, minados, com arames, bem reconhecidos e em Bardia a cobertura do cinturão da fortaleza italiana a cidade), o que de certa forma contraria o seu ponto de vista sobre a vantagem da defesa.

E isso é apenas CRUSADER, você tem outros bons exemplos durante o COMPASS.

Então foi feito. Só não pelos cruzadores (com exceção de 6 R.T.R.), e nunca organizado ou liderado pelo RAC.

O inimigo tinha superioridade numérica, seus tanques eram mais blindados, tinham canhões de maior calibre com quase o dobro do alcance efetivo do nosso e seus telescópios eram superiores. 5 RTR 19/11/41


Contos Recentes

[Welland Tribune, 4 de novembro de 1941]

Salem, 4 de novembro - O serviço religioso da Salem United foi realizado no domingo, 2 de novembro, às 11 horas. O pastor, Rev James Hampson, continuou sua série de sermões sobre a oração do Senhor, sendo seu discurso intitulado "Venha o teu reino."

A escola dominical no próximo domingo será às 10 horas da igreja às 7h30

A Sra. Amos Robbins e Mervin visitaram o Sr. e a Sra. Kenneth Lane em St Catharines na quinta-feira.

Em 16 de novembro, Domingo Educacional, o Professor Kent da Universidade de Toronto será o palestrante na escola Fenwick Continuation às 14h30.

A associação de Salem realizará sua reunião de novembro no presbitério de Fenwick em 12 de novembro, este será o W.M.S. agradecendo, a Sra. Leo Michener será a oradora convidada.

A Srta. Margaret Strawn, do hospital Niagara Falls General, passou a quarta-feira com seus pais.

O Sr. e a Sra. C. Menel e o Sr. e a Sra. R.L. Vannatter de Crystal Beach foram convidados para o jantar dos pais deste último, Sr. e Sra. L. Vannatter e família.

O Sr. e a Sra. Wm Miller de Welland passaram o fim de semana com a Sra. V.A. Carr

Hallowe’en Social
Salem W.A. realizou sua festa de Halloween na casa do Sr. e Sra. Lee Traver e do Sr. e Sra. Jacob Traver na noite de quinta-feira. Os quartos foram decorados de forma atraente com fitas laranja e pretas, gatos, bruxas e abóboras. Rev James Hampson, James Lowe e George Kelts atuaram como juízes para a grande marcha e concederam prêmios para fantasias como segue ”Senhora mais bem vestida. June Strawn, como o homem mais bem vestido da dama japonesa, o melhor quadrinho de E. Milligan, o melhor casal de Gavin Henderson, a Sra. Basil Misener e a Sra. Marshall Beamer, como as crianças mais bem vestidas dos noivos, Venita e Jacqueline Gent.

Um pequeno programa foi apresentado. Sra. Charles Bailey e filha, Sra. Basil Misener cantaram, "Em um antigo jardim holandês". A Sra. Marshall Beamer fez uma leitura e a Srta. Margaret Tuck ofereceu um solo de piano.
A Sra. Basil Misener também cantou "Obrigado, América". O reverendo James Hampson liderou a comunidade cantando. Os refrescos eram servidos pelas senhoras.


O verdadeiro motivo do Dia de Ação de Graças é na quarta quinta-feira de novembro

Veja por que comemos peru em dias diferentes a cada ano.

Shutterstock

O Natal cai em 25 de dezembro, o Dia dos Namorados é comemorado em 14 de fevereiro, o Halloween é sempre 31 de outubro - e ainda, de alguma forma, a data em que celebramos o Dia de Ação de Graças muda a cada ano. É estranho, para não dizer inconveniente. Mas você já se perguntou por que o Dia de Ação de Graças é comemorado na quarta quinta-feira de novembro? Felizmente, temos uma explicação. Continue lendo para descobrir a história e para mais fatos divertidos sobre este feriado amado, descubra O prato de ação de graças mais odiado, de acordo com uma nova pesquisa.

Acontece que este pedaço da história do Dia de Ação de Graças remonta a Franklin D. Roosevelt. Enquanto Abraham Lincoln deu ao feriado uma data semi-definida quando declarou a última quinta-feira de novembro como a data oficial da observação do Dia de Ação de Graças durante sua proclamação de 1863, as coisas se complicaram quando, tanto em 1933 quanto em 1939, novembro acabou tendo não quatro semanas, mas cinco .

Qual poderia ser o problema em mover o Dia de Ação de Graças de volta uma semana a cada poucos anos? Bem, como a Biblioteca do Congresso explica, os donos de empresas temiam que quanto mais se pressionasse o Dia de Ação de Graças, menos tempo (e, portanto, dinheiro) as pessoas gastariam nas compras de Natal.

Em uma carta endereçada a FDR com carimbo de 2 de outubro de 1933, a Downtown Association de Los Angeles expressou essas preocupações. “O Dia de Ação de Graças, este ano, de acordo com o costume usual, cairia no dia 30 de novembro, a última quinta-feira de novembro, que sairia apenas vinte dias de compras antes do Natal”, observaram. "É um fato estabelecido que as compras de Natal começam vigorosamente todos os anos nas lojas de varejo no dia seguinte ao Dia de Ação de Graças e que o período de Ação de Graças ao Natal é o período de varejo mais movimentado de todo o ano."

Parece que Roosevelt levou a sério as preocupações de seus constituintes. Em 1939, o presidente emitiu uma proclamação movendo o feriado para a penúltima quinta-feira de novembro. Vários estados se recusaram a reconhecer essa mudança e, portanto, em 1941, o Senado decidiu estabelecer oficialmente o feriado na quarta quinta-feira do mês. Obviamente, isso não resolve o problema das compras de Natal todos os anos: este ano, por exemplo, o Dia de Ação de Graças cai no final de 26 de novembro.

A resolução do Senado foi sancionada por Roosevelt em 26 de dezembro de 1941, e desde então a quarta quinta-feira de novembro é o dia em que celebramos o Dia de Ação de Graças! E para mais curiosidades sobre o Dia da Turquia, aqui estão 30 fatos do Dia de Ação de Graças para compartilhar com sua família.


22ª derrota da Brigada Blindada em 19 de novembro de 1941

Postado por Andreas & raquo 11 de fevereiro de 2007, 20:00

Alguém tem as perdas exatas do 22º AB em seu ataque à posição Ariete em Bir el Gobi? Eu vi números de perdas totais variando de 26 a 50, e eu também estaria interessado em perdas de pessoal. A divisão por tipo de perda também seria útil, ou seja, amortização total / danificada, WIA / KIA / MIA.

Encontrei algumas informações sobre o 2º RGH, que parece ter perdido 30 tanques e 50 funcionários, 22 dos quais eram MIA, 19 WIA, 10 KIA.

Postado por Andy H & raquo 13 de fevereiro de 2007, 06:41

Você provavelmente já leu estes números, mas apenas no caso de não ter lido e para outros: -

O seguinte é de 'The Sidi Rezeg Battles 1941' por Agar-Hamilton & amp Turner (parte da Union at War Series) e publicado pela Oxford UP

Da página 138
"O 22º Blindado alegou, além da captura de prisioneiros, a destruição de 'cerca de 45 tanques italianos', mas, em uma mensagem naquela noite, afirmou que 50% de seus próprios tanques haviam sido perdidos e eram necessários reforços. the signal would mean that the Brigade had lost 82 tanks, but the official Italian History clims the destruction of no more than 50, with 6 Officers and 31OR's as prisoners. General Norries stated in January 1953 that, when visting Bir el Gubi not long after , he estimated the number of British tanks remaining on the battlefield at under 20. A South African report the day after the action states that their 1st Brigade counted 10. The probability is that the Brigade was reckoning among its losses the total number of its tanks -the notoriously unreliable Crusaders-which had broken down from all causes during the previous 2days"

Playfair in Vol III of the official British history of the campaign in the Med, gives a figure of 25 tanks lost, whilst this figure is also quoted in Walkers Iron Hulls Iron Hearts (Pg 84), he also eludes to a further 10 damaged. However he then states that this combined figure is on the low side, and goes with the 50 claim of the Italian official history.

Postado por Michael Kenny » 13 Feb 2007, 08:32

This is from 'Carpiquet Bound' a privately published account of 4th CLY in WW2.

The 22nd Armoured Brigade had moved up by train to the open desert area south of Mersa Matruh at the end of October 1941 where 'shakedown' exercises continued until 16th November when Brigadier Scott-Cockbum summoned his Commanding Officers to receive orders for the advance into Libya on 18th November. The "Dogs of War" were about to be unleashed.
On the night of 17th/18th as a kind of Wagnerian prelude, a storm of tropical proportions broke at the precise moment these orders were being relayed to Troop Leaders by their respective Squadron Leaders. However, by 0900 hrs on 18th November when the advance began the weather had cleared.
The Brigade advanced through the previously created gaps in the frontier wire, 2nd RGH in the centre with 4th CLVto the left and 3rd CLY to the right. By the end of the day they had reached a position some 20 miles south-east of Bir el Gubi. The next morning 19th November, 4th CLY had 'A' Squadron in the lead with 'B' Squadron and 'C' Squadron echeloned back to left and right respectively. On 'C' Squadron's right was 'G' Squadron of 2nd RGH. The approach march of someeighty miles had taken its toll of the Regiment's Crusaders, due in part to inherent weaknesses in their design, but also to the inexcusable failure of the manufacturers to make various essential modifications when asked for well before we left England. So no Squadron was at full strength at this crucial moment - 'C' Squadron for example went into battle with only eleven tanks.
It was known that Bir el Gubi was an enemy strong point and that the Italian Ariete Division was in the vicinity. Wisdom passed down to us from Brigade Intelligence was that the Italian M13 tank would present us with no difficulties, nor would the German Mk.11 and 111 tanks. As for the German MkJV there were only twenty of those in North Africa'. We almost felt sorry for the enemy, but the rude awakening was not far off. Reconnaissance had failed to spot that the concentration of 'soft' vehicles that could be seen on the horizon were in fact well dug in and disguised anti-tank defences plus some similarly entrenched M.13 tanks.


4 November 1941 - History

Origins of Fourth Thursday of November as Thanksgiving Day

"NOVEMBER THANKSGIVING THURSDAY":

ORIGINS OF FOURTH THURSDAY OF NOVEMBER AS THANKSGIVING DAY

Why is Thanksgiving Day officially observed on the fourth Thursday of November?

Though the United States' thanksgiving celebration on the fourth Thursday of November began with the United States Congressional declaration of 1941 establishing that weekday as the legal holiday of Thanksgiving Day, earlier United States Presidential Proclamations called for the last Thursday of November to be celebrated as Thanksgiving. Those Presidential Proclamations, in turn, built upon an American Colonial tradition--predating the formation of the United States-- establishing a Thursday in November as Thanksgiving Day. And the Thanksgiving Day Proclamations issued by American Colonial Governor Jonathan Belcher (1682-1757) played an important role in the origin of "November Thanksgiving Thursday."

This is a little-known history not mentioned by other articles, which, after discussing the "first" Thanksgiving, typically begin their list of Thanksgiving Day proclamations with the one issued in 1789 by United States President George Washington naming November 26 as Thanksgiving Day. Next mentioned is often United States President Abraham Lincoln's Proclamation of 1863, which declared that the last Thursday of November should be celebrated as a day of thanksgiving. Succeeding U. S. Presidents followed Lincoln's lead, and this began the annual practice of U. S. Presidential proclamations calling on the people to celebrate Thanksgiving holiday on the last Thursday of November. Then, in 1941, the United States Congress declared that in the years thereafter, the national legal holiday of Thanksgiving Day would be on November's fourth Thursday.

The Colonial tradition most often discussed is that of the "First Thanksgiving" in New England celebrated by the settlers of the Plymouth Colony (commonly considered to be in Fall 1621). According to some researchers, Plymouth's first documented Thanksgiving Day was the day of thanksgiving observed in 1623--but this thanksgiving celebration was in Summer (probably July). Some researchers consider the "first" Thanksgiving proclamation to be the one issued by the Charlestown, Massachusetts council for a day of thanksgiving in 1676--but again, a summer day was selected: June 29.

In 1721, Governor Gurdon Saltonstall of the Connecticut Colony (formerly, the home colony of Governor Jonathan Belcher's mother Sarah Gilbert Belcher) issued a Thanksgiving Proclamation naming November 8 as a thanksgiving day--but that day was a Wednesday. Some descriptions of Thanksgiving briefly touch upon American Colonial history when they discuss Plymouth Governor William Bradford's Thanksgiving Days in December 1621 and Summer 1623 and then move on to U. S. President George Washington's Thanksgiving Day Proclamation naming November 26, 1789.

Less well known is that celebration of Thanksgiving in November didn't begin with George Washington. There were earlier November Thanksgiving Day proclamations issued by Colonial governors in the American colonies. And among the most important were those issued by Colonial Governor Jonathan Belcher.

Perhaps U. S. President George Washington got his November 26 date by following the lead of someone else. Let's follow the trail backward to reconstruct the origins of "November Thanksgiving Thursday".

About seven years prior to Washington's 1789 proclamation, the United States Continental Congress' Thanksgiving Proclamation urged the newly-formed American states to observe Thursday, November 28, 1782 as a Thanksgiving Day. The Congress' Proclamation was signed by the President of the Continental Congress, John Hanson (1721-1783), and the Secretary of the Continental Congress, Charles Thomson (1729-1824), the co-designer of the Great Seal of the United States and a man who might have had a link to American Colonial Governor Jonathan Belcher. (For a discussion of how Governor Belcher's coat of arms apparently became the template for the Great Seal of the United States and Thomson's role in this, see The Great Seal of the United States and the Belcher Coat of Arms.)

Interestingly, Hanson and Thomson were in power at the time the Great Seal of the United States (especially its Coat of Arms portion) was designed on June 19, 1782 (the final design seems to have been come up with overnight under the supervision of Charles Thomson) and adopted by the Continental Congress (of which Hanson was the President and Thomson was the Secretary) on June 20, 1782. (The Congress had turned the work of finishing the Great Seal (U. S. Coat of Arms) over to Secretary Thomson on June 13, who, as the Great Seal and Belcher Coat of Arms article explains, probably was linked to Governor Belcher through Belcher's acquaintance with Benjamin Franklin (member of the first committee to design the U. S. Seal). Since Governor Belcher also had a link to Elias Boudinot (member of the third (final) committee to design the U. S. Seal--the committee that turned the work of designing it over to Barton, who was later supervised by Secretary Thomson), the design of the Coat of Arms of the United States (displayed on the breast of the eagle as part of the Great Seal of the United States) had ties to Governor Belcher from the beginning to the end of the seal-designing process. (For further information, read the article The Great Seal of the United States and the Belcher Coat of Arms.)

(Interestingly, on September 16, 1782, President of Continental Congress Hanson was the first to use the new Great Seal of the United States, which had been entrusted to the custody of Secretary Thomson. In 1789, Thomson personally delivered the Seal to the new President of the United States, George Washington, when Thomson resigned his post as the Secretary of the Continental Congress (1774-1789)).

There is another interesting connection associated with a Thanksgiving Proclamation issued in 1774 (the year Thomson became Secretary of the Continental Congress) at the dawn of the American Revolution (though this proclamation, issued by a legislature instead of a governor, called for a quinta-feira no December). The Massachusetts Provincial Congress proclaimed December 15, 1774, to be a Day of Public Thanksgiving throughout Massachusetts. This resolution was written by a committee of three headed by Governor Belcher's friend, John Winthrop (1714-1779), a professor of mathematics and natural philosophy at Harvard College. (It was Governor Belcher who originally recommended John Winthrop to Benjamin Franklin and that's how Franklin and Winthrop struck up their acquaintance. Professor Winthrop's father, Judge Adam Winthrop, was one of Governor Belcher's special friends.) The signer of the Proclamation was the President of the Provincial Congress, John Hancock, a good friend of William Cooper's son, famed Revolutionary minister Samuel Cooper (1725-1783), who ghost-wrote some of Hancock's articles for the press. (Cooper also was a good friend of Benjamin Franklin and John Adams, two of the three members of the first committee for designing the Great Seal of the United States.) The two Coopers were also Governor Belcher's friends not only did the governor commend the ability of Samuel Cooper, but also Governor Belcher specifically selected William Cooper to write and deliver a significant election day sermon in 1740 that set the stage for the U. S. Constitution's First Amendment religion clauses.)

Though the Winthrop Proclamation of 1774 specified quinta-feira as Thanksgiving Day, it named a day in December. Hanson and Thomson's Proclamation of 1782 specified Thursday, November 28, and Washington's Proclamation of 1789 specified Thursday, November 26.

Maybe Hanson-Thomson and Washington were inspired by the November Thursday Thanksgiving dates established in 1730 and 1749 by Colonial Governor Jonathan Belcher.

Could the fact that Washington's date of November 26 was a quinta-feira have had anything to do with quinta-feira being later selected as a Thanksgiving date by President Abraham Lincoln (one of our greatest U. S. Presidents)? (Though in the same year Washington issued his Thanksgiving proclamation, a November Thursday was selected as a Thanksgiving date by the Episcopal Church, this Thursday was the primeiro Thursday in November. In contrast, President Lincoln selected the último Thursday in November--a date closer to Governor Belcher's November 23, 1749 Hanson-Thomson's November 28, 1782, and President Washington's November 26, 1789 dates.)

Governor Belcher's first Thanksgiving proclamation that established a Thursday in November as the Thanksgiving Day date was his Proclamation for Day of Thanksgiving printed in the November 2, 1730 issue of The New England Weekly Journal, clearly specifying that "THURSDAY the TWELFTH of NOVEMBER next" was to be "a day of Public THANKSGIVING throughout this Province." This Thanksgiving Proclamation specifically mentioned offering up prayer to God for "granting us a plentiful HARVEST", among other enumerated blessings. Thus, Thursday, November 12, 1730 was Governor Jonathan Belcher's First Thanksgiving Proclamation. It specifically mentioned a Thursday in November.

The 1730 Thanksgiving Day Proclamation was issued at the beginning of Jonathan Belcher's governorship of the colonies of Massachusetts and New Hampshire, which lasted from 1730 to 1741. As previously mentioned, Governor Belcher issued at least another Thanksgiving Day Proclamation in 1749, when he was governor of the colony of New Jersey. (Though he was officially chosen to be governor of New Jersey in 1746, he was on a trip to England at the time, and he didn't get to land on American shores again until 1747--hence the confusion that sometimes occurs about the beginning date of his New Jersey governorship. Since he was actually commissioned in 1746, however, the proper official beginning date for his New Jersey governorship is 1746. He died Governor of New Jersey in 1757.)

Governor Belcher's 1749 Thanksgiving Day Proclamation established Thursday, November 23 as Thanksgiving Day--just five days shy of Hanson-Thomson's Thursday, November 28 and three days shy of President George Washington's Thursday, November 26 Thanksgiving dates in 1782 and 1789, respectively. Could Hanson-Thomson and Washington have been following Governor Belcher's lead?

Elias Boudinot (1740-1821), member of the final (third) committee to design the Great Seal of the United States, lived across the street from the Governor Belcher Mansion in Elizabethtown, New Jersey. Elias' brother, Elisha, married Catherine ("Kate") Smith, the daughter of Governor Belcher's good friend William Peartree Smith (the wedding was held in the Governor Belcher Mansion). It was Elias Boudinot who "proposed a resolution asking President George Washington to issue a Thanksgiving Day Proclamation" (quoting from the account of the Proclamation's history given by United States Supreme Court Justice (later Chief Justice) William Rehnquist in his dissent in Wallace v. Jaffree (1985)). Washington's Thanksgiving Day Proclamation of 1789 mirrored Governor Belcher's Thanksgiving Day Proclamation of 1749.

Once again, Elias Boudinot was involved. He was a member of the committee that turned the design of the Great Seal of the United States over to William Barton (which in turn allowed Hanson to turn it over to Thomson supervising Barton), it was Hanson and Thomson who signed the Thanksgiving Proclamation in 1782, and it was Boudinot who specifically came up with the idea for a resolution requesting George Washington to issue his Thanksgiving Proclamation of 1789.

As with the Great Seal of the United States, there were links to Governor Belcher from beginning to end of the finalization of the "November Thanksgiving Thursday" date.

To read Governor Belcher's 1730 "Thursday in November" Thanksgiving Day Proclamation, click here.

A draft text (with spelling modernized) of Governor Belcher's 1749 "Thursday in November" Thanksgiving Day Proclamation is given below:

By His Excellency Jonathan Belcher Esqr. Captain General and Governor in Chief in and over His Majesty's Province of New Jersey and Territories thereon depending in America, Chancellor and Vice Admiral in the same & etc.

A Proclamation for a public Thanksgiving taking into consideration the manifold blessings of Heaven to a sinful and unworthy people, in particular that it hath pleased Almighty God in much mercy to preserve the life of our most Gracious King and the rest of the Royal family, and to bless His Majesty's Councils and arms, by restoring a general peace among all the nations engaged in the late war. To continue our invaluable privileges both civil and sacred and that it hath pleased a Gracious God in many respects to smile on this Province, and not to punish us as our iniquities have deserved, to favor us with such a plentiful supply of rain after a sore distressing drought, and to grant the smiles of Providence upon the former and latter harvest, filling our hearts with food and gladness which unmerited instances of the Divine Goodness call aloud for our public, humble and most grateful acknowledgments to the God of all our mercies.

I have therefore thought fit with the advice of His Majesty's Council to appoint and I do hereby appoint Thursday the twenty third Day of November next to be religiously observed as a Day of Public thanksgiving and praise to the great name of God our most gracious and bountiful benefactor, hereby exhorting both ministers and people to join in a public and serious manner in offering up their devout and thankful acknowledgments to the God of all our mercies and at same time to offer up their humble and hearty supplications at the Throne of Grace for the advancement of the Kingdom of the Lord Jesus Christ in the world and that his blessed Gospel may run and be glorified among all nations and in particular among the Original Natives of this land and for all in authority over us, particularly that the best of blessings may descend on our Gracious Sovereign King George, the Prince and Princess of Wales, The Duke, the Princesses the Royal Issue, and on every branch of this illustrious family that the Protestant Succession may abide before God forever, that this Province may ever be remembered of God for good, that He would mercifully heal our divisions, restore peace and tranquility, humble us for our sins, prevent the judgments we deserve, that He would incline us to lead quiet and peaceable lives in all godliness and honesty under the government placed over us, that He would graciously prevent the growth of sin and impiety, revive pure and undefiled religion and make us a people zealous of good works, and all servile labor is hereby strictly forbidden on said day.

Given under my hand this fourteenth day of October Anno Dom 1749.

By His Excellency's Command.

"Now, therefore, I do recommend and assign Thursday, the 26 th day of November next, to be devoted by the people of these States to the service of that great and glorious Being who is the beneficent author of all the good that was, that is, or that will be that we may then all unite in rendering unto Him our sincere and humble thanks for His kind care and protection of the people of this country previous to their becoming a nation for the signal and manifold mercies and the favorable interpositions of His providence in the course and conclusion of the late war for the great degree of tranquility, union, and plenty which we have since enjoyed for the peaceable and rational manner in which we have been enabled to establish constitutions of government for our safety and happiness, and particularly the national one now lately instituted for the civil and religious liberty with which we are blessed, and the means we have of acquiring and diffusing useful knowledge and, in general, for all the great and various favors which He has been pleased to confer upon us.

"And also that we may then unite in most humbly offering our prayers and supplications to the great Lord and Ruler of Nations, and beseech Him to pardon our national and other transgressions to enable us all, whether in public or private stations, to perform our several and relative duties properly and punctually to render our National Government a blessing to all the people by constantly being a Government of wise, just, and constitutional laws, discreetly and faithfully executed and obeyed to protect and guide all sovereigns and nations (especially such as have shown kindness to us), and to bless them with good governments, peace, and concord to promote the knowledge and practice of true religion and virtue, and the increase of science among them and us and, generally, to grant unto all mankind such a degree of temporal prosperity as He alone knows to be best."


The Creole Case (1841)

o crioulo Case was the result of an American slave revolt in November 1841 on board the crioulo, a ship involved in the United States coastwise slave trade. As a consequence of the revolt, 128 enslaved people won their freedom in the Bahamas, then a British possession. Because of the number of people eventually freed, the crioulo mutiny was the most successful slave revolt in US history.

In the fall of 1841, the brig crioulo, which was owned by the Johnson and Eperson Company of Richmond, Virginia, transported 135 slaves from Richmond for sale in New Orleans, Louisiana. o crioulo had left Richmond with 103 slaves and picked up another 32 in Hampton Roads, Virginia. Most of the slaves were owned by Johnson and Eperson, but 26 were owned by Thomas McCargo, a slave trader who was one of the crioulo passengers. The ship also carried tobacco a crew of ten the captain’s wife, daughter, and niece four passengers, including slave traders and eight slaves of the traders.

Madison Washington, an enslaved man who escaped to Canada in 1840 but was captured and sold when he returned to Virginia in search of his wife Susan, was among those being shipped to New Orleans. On November 7, 1841, Washington and eighteen other male slaves rebelled, overwhelming the crew and killing John R. Hewell, one of the slave traders. The ship’s captain, Robert Ensor, along with several crew members, was wounded but survived. One of the slaves was badly wounded and later died.

The rebels took overseer William Merritt at his word that he would navigate for them. They first demanded that the ship be taken to Liberia. When Merritt told them that the voyage was impossible because of the shortage of food or water, another rebel, Ben Blacksmen, said they should be taken to the British West Indies, because he knew the slaves from the Hermosa had gained their freedom the previous year under a similar circumstance. On November 9, 1841, the crioulo reached Nassau where it first was boarded by the harbor pilot and his crew, all local black Bahamians. They told the American slaves that under British law they were free and then advised them to go ashore at once.

As Captain Ensor was badly wounded, the Bahamian quarantine officer took First Mate Zephaniah Gifford to inform the American consul of the events. At the consul’s request, the British governor of the Bahamas ordered a guard to board the Creole to prevent the escape of the men implicated in Hewell’s death.

The British took Washington and eighteen conspirators into custody under charges of mutiny, while the rest of the enslaved were allowed to live as free people including some who remained in the Bahamas and others who sailed to Jamaica. Five people, which included three women, a girl, and a boy, decided to stay aboard the crioulo and sailed with the ship to New Orleans, returning to slavery. On April 16, 1842, the Admiralty Court in Nassau ordered the surviving seventeen mutineers to be released and freed including Washington. In total, 128 enslaved people gained their freedom, which made the crioulo mutiny the most successful slave revolt in US history.


Bibliografia

Fontes

Bergman, Andrew. We're in the Money: Depression America and Its Films. New York: New York University Press, 1971.

Bird, Caroline. The Invisible Scar. New York: David McKay Company, Inc., 1966.

Britten, Loretta, and Sarah Brash, eds. Hard Times: The 30s. Alexandria, VA: Time-Life Books, 1998.

Cott, Nancy F., ed. No Small Courage: A History of Women in the United States. New York: Oxford University Press, 2000.

Federal Writers Project. These Are Our Lives. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 1939.

Hewes, Joseph M., and Elizabeth I. Nybakken, eds. American Families: A Research Guide and Historical Handbook. Westport, CN: Greenwood Press, 1991.

McElvaine, Robert S. Down & Out in the Great Depression: Letters from the "Forgotten Man." Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 1983.

Phillips, Cabell. From the Crash to the Blitz: 1929–39. New York: The Macmillan Company, 1969.

Thacker, Emily. Recipes & Remembrances of the Great Depression. Canton, OH: Tresco Publishers, 1993.

Van Amber, Rita, ed. Stories and Recipes of the Great Depression of the 1930's. Neenah, WI: Van Amber Publishers, 1993.

Washburne, Carolyn Kott. America in the 20th Century, 1930–39. North Bellmore, NY: Marshall Cavendish Corp., 1995.

Watkins, T.H. The Hungry Years: A Narrative History of the Great Depression in America. New York: Henry Holt and Company, 1999.

Leitura Adicional

Bondi, Victor, ed. American Decades: 1930–39. Detroit, MI: Gale Research, Inc., 1995.

Britten, Loretta, and Paul Mathless, eds. The Jazz Age: The 20s. Alexandria, VA: Time-Life Books, 1998.

Calabria, Frank M. Dance of the Sleepwalkers: The Dance Marathon Fad. Bowling Green, OH: Bowling Green State University Popular Press, 1993.

Danzer, Gerald A., J. Jorge Klor de Alva, Louis E. Wilson, and Nancy Woloch. The Americans: Reconstruction Through the 20th Century. Boston: McDougal Littell, 1999.

McCoy, Horace. They Shoot Horses, Don't They? New York: Avon Books, 1935.

McDonnell, Janet. America in the 20th Century, 1920–29. North Bellmore, NY: Marshall Cavendish Corp., 1995.

Peduzzi, Kelli. America in the 20th Century, 1940–49. North Bellmore, NY: Marshall Cavendish Corp., 1995.

Rogers, Agnes. I Remember Distinctly: A Family Album of the American People 1918–41. New York: Harper & Brothers Publishers, 1947.

Winslow, Susan. Brother, Can You Spare a Dime? America From the Wall Street Crash to Pearl Harbor, An Illustrated Documentary. New York: Paddington Press, LTD, 1976.