Marian Anderson

Marian Anderson


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Marian Anderson era uma contralto afro-americana, mais lembrada por sua performance no Domingo de Páscoa de 1939, nos degraus do Lincoln Memorial em Washington D.C. O concerto começou com uma emocionante interpretação de "América". O evento foi organizado pela primeira-dama Eleanor Roosevelt e o secretário do Interior Harold Ickes, depois que as Filhas da Revolução Americana (DAR) proibiram Anderson de cantar no Constitution Hall. Quatro anos depois, Anderson foi convidado pelo DAR para cantar em um evento beneficente para a Cruz Vermelha americana.Infância e educaçãoMarian Anderson nasceu na Filadélfia, Pensylvania, em 1897, filho de John e Anna Anderson. Anderson e as meninas foram morar com os pais de John. Marian se formou na South Philadelphia High School depois de se concentrar em música e cantar frequentemente em assembleias. Pouco depois de se formar, no entanto, o diretor de Marian permitiu que ela conhecesse Guiseppe Boghetti, um professor muito procurado. Quando ouviu Marian cantar “Deep River” para a audição, ele foi às lágrimas.Uma carreira ilustreEm 1925, Anderson entrou na competição do Estádio Lewisohn. Apesar desse sucesso, Anderson ainda se apresentou principalmente para o público negro. Anderson viajou para a Europa e permaneceu lá até 1935, se apresentando para inúmeras audiências e também da realeza. Anderson viajou pela Europa novamente e, durante 1938, deu cerca de 70 apresentações por ano. Em 9 de abril de 1939, após a rejeição do DAR, Anderson cantou em frente à estátua de Lincoln para 75.000 pessoas e milhões de ouvintes de rádio. Algumas semanas depois, ela deu um concerto na Casa Branca, onde o presidente Franklin D. Roosevelt estava entretendo o rei George VI e a rainha Elizabeth da Grã-Bretanha. Em julho de 1943, Anderson casou-se com Orpheus H. Durante a Segunda Guerra Mundial e a Guerra da Coréia, ela entreteve tropas em hospitais e bases. Em 1957, Anderson percorreu a Índia e o Extremo Oriente como embaixadora da boa vontade, através dos Estados Unidos. Quando ela voltou, o presidente Dwight D. Eisenhower a nomeou como delegada do Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas. Ela cantou em sua inauguração e na inauguração de John F. Kennedy. Anderson deu seu último concerto no domingo de Páscoa, 19 de abril de 1965, após uma turnê de despedida de um ano.Homenageado até o fimMarian Anderson recebeu vários prêmios ao longo de sua carreira, começando com a Medalha Springarn em 1939. Em 1963, o presidente Lyndon B. Johnson concedeu-lhe a Medalha Americana da Liberdade. Em 1986, o presidente Ronald Reagan a presenteou com a Medalha Nacional de Artes. Em 1986, o marido de Anderson faleceu. Em julho de 1992, ela se mudou para Portland, Oregon, para morar com seu sobrinho, o maestro James DePriest. Em junho, mais de 2.000 admiradores compareceram a um serviço memorial no Carnegie Hall.


Para outras mulheres famosas, consulte Mulheres Importantes e Famosas na América.


Marian Anderson

Marian Anderson foi uma das maiores cantoras do século 20, mas foi sua dignidade diante do preconceito racial que confirmou seu legado nos Estados Unidos.

Marian Anderson nasceu em 27 de fevereiro de 1897, na Filadélfia, Pensilvânia, filha de John Berkley Anderson e Annie Delilah Anderson. John era carregador no Reading Terminal Market e vendia gelo e carvão na Filadélfia. Antes de se casarem, Annie frequentou o Virginia Seminary and College em Lynchburg, Virginia e mais tarde trabalhou como professora. Ela não pôde lecionar na Filadélfia devido a uma lei que se aplicava apenas aos negros, exigindo que eles tivessem um diploma para poder lecionar. Marian era a mais velha das crianças, todas filhas e todas se tornariam cantoras.

A família era bastante ativa na Igreja Batista União na Filadélfia e a tia de Marian, Mary, a persuadiu a se juntar ao coro da igreja júnior quando ela tinha seis anos de idade. Marian tinha permissão para cantar solos no coro e muitas vezes cantava conjuntos com sua tia. Seu apelido entre os fãs era “The Baby Contralto”. Mary levou Marian a shows pela cidade e muitas vezes encontrou oportunidades para Marian cantar em eventos, ganhando até 50 centavos. À medida que crescia, ela tornou-se mais séria em relação ao canto e ganhou cada vez mais dinheiro por seus esforços.

Em 1909, John Anderson foi atingido na cabeça acidentalmente enquanto trabalhava. Ela morreu de insuficiência cardíaca em janeiro de 1910. A família foi morar com os pais de John, Benjamin e Isabella Anderson. Benjamin, um ex-escravo, morreu um ano depois.

Marian freqüentou a Stanton Grammar School, mas após a formatura, a família não conseguiu pagar para que ela frequentasse o ensino médio. Ela permaneceu ativa na igreja e continuou se apresentando e aprendendo com qualquer pessoa que a ensinasse a cantar. Ela era membro da União dos Jovens Batistas, das Camp Fire Girls e do People’s Chorus. Membros da igreja juntaram-se para arrecadar dinheiro para pagar suas aulas de canto e para ela frequentar o ensino médio. Ela frequentou a William Penn High School e depois a South Philadelphia High School e se formou em 1921. Ao mesmo tempo, ela começou a estudar com sua professora de canto Mary S. Patterson.

Tendo se formado no ensino médio, Marian se inscreveu na Academia de Música da Filadélfia, totalmente branca (agora conhecida como University of the Arts). Apesar de seu talento, ela teve sua admissão negada por causa de sua raça, disse "nós não aceitamos pessoas de cor" pelo funcionário de admissão. Marian não se intimidou e, com a ajuda contínua de sua igreja e comunidade, começou a ter aulas particulares com Giuseppe Boghetti e Agnes Reifsnyder, famosos professores de voz na Filadélfia.

Em 23 de abril de 1924, ela deu um concerto na Prefeitura de Nova York. Infelizmente, o comparecimento ao evento foi baixo e as críticas foram misturadas, com alguns críticos achando que sua voz era "insuficiente". Em 1925, Marian deu o passo corajoso ao entrar em um concurso de cantores patrocinado pela prestigiosa Filarmônica de Nova York. Ela surpreendeu a todos ao ganhar o primeiro prêmio e cantar com a orquestra em 26 de agosto de 1925. Isso abriu uma série de portas para ela, expondo-a à aclamação da crítica, bem como dando-lhe mais oportunidades de cantar em público. Ela agora ganhou a atenção de Frank LaForge, um pianista e compositor que ajudou a treiná-la, e de Arthur Judson, gerente da Filarmônica de Nova York e da Orquestra da Filadélfia. Judson assinou contrato para se tornar seu empresário, organizando uma série de apresentações em concertos nos Estados Unidos, eventualmente estreando no Carnegie Hall em 30 de dezembro de 1928. Um crítico do New York Times opinou que “Uma verdadeira mezzo-soprano, ela englobava ambos faixas com força total, sentimento expressivo, contraste dinâmico e extrema delicadeza. ” Infelizmente, ela não conseguiu escapar do preconceito racial e decidiu viajar para a Europa. Na Europa, ela estudou com a famosa cantora Sara Charles-Cahier antes de se envolver em uma grande turnê cantando pelo continente. Ela havia recebido uma bolsa para estudar na Grã-Bretanha da National Association of Negro Musicians.

Ela estreou em 1930 no Wigmore Hall em Londres e aproveitou sua turnê de primavera. Ela não foi prejudicada pelo racismo que ela constantemente encontrou nos Estados Unidos. Ela continuou a turnê, mudando-se para a Escandinávia no verão de 1930, acompanhada pelo pianista Kosti Vehanen. Vehanen foi um pianista e compositor finlandês que também acompanhou muitos dos maiores cantores da época. Ele também serviu como seu treinador vocal por vários anos. Através de Vehanen, ela conheceu Jean Sibelius, um dos maiores compositores da Finlândia. Ele ficou impressionado com a paixão dela e os dois desenvolveram parceria profissional com Sibelius escrevendo ou alterando composições para Anderson cantar. Sibelius ficou tão emocionado com a apresentação dela que dedicou sua música “Solidão"Para ela, e proclamou" o telhado da minha casa é muito baixo para a sua voz. "

Em 1935, Arthur Rubenstein apresentou Marian a Sol Hurok. Hurok conseguiu alguns dos maiores artistas do século 20 e convenceu Anderson a permitir que ele se tornasse seu novo empresário. Ele a convenceu a voltar para os Estados Unidos e ela deu um recital no Town Hall em Nova York e recebeu ótimas críticas e nos quatro anos seguintes ela alternou entre a Europa e os Estados Unidos. Ela apresentou uma série de árias de ópera em estúdio, mas recusou-se a se apresentar no palco devido à sua falta de experiência. Ela continuou para a Europa e depois viajou para a Europa Oriental e Rússia. Em 1935, o grande maestro italiano Arturo Toscanini a ouviu cantar e disse que ela tinha uma voz “ouvida uma vez em cem anos”.

Apesar de sua fama, sucesso e estatura, Anderson ainda sofreu o preconceito ultrajante que existia na época nos Estados Unidos. Ela foi negada o serviço em restaurantes e hospedagem em grandes hotéis, mas o mais doloroso foi a negação dela como cantora. Em 1939, as Filhas da organização da Revolução Americana (DAR) se recusaram a dar permissão a Anderson para cantar para uma multidão integrada no Constitution Hall em Washington, DC O gerente do Constitution Hall disse a Hurok “Nenhum negro jamais aparecerá neste salão enquanto eu estiver Gerente." Indignados, muitos membros proeminentes do DAR, incluindo a primeira-dama Eleanor Roosevelt renunciaram à organização. O presidente Franklin Roosevelt junto com o gerente de Anderson, Sol Hurok e o presidente da NAACP Walter White persuadiram o secretário do Interior Harold Ickes a permitir um concerto no Lincoln Memorial. Ocorreu no domingo de Páscoa, 9 de abril de 1939. Acompanhado por Kosti Vehanen Anderson cantou uma série de canções, incluindo "My Country 'Tis of Thee" para uma multidão de 75.000 e uma transmissão de rádio em todo o país para uma audiência de milhões. Quatro anos depois, ela foi convidada pelo DAR para cantar no Constitution Hall diante de um público integrado. Ela descreveu seu desempenho, dizendo “Quando finalmente entrei no palco do Constitution Hall, não me senti diferente do que me senti em outras salas. Não havia sensação de triunfo. Achei que era uma bela sala de concertos e fiquei muito feliz em cantar lá. ” Infelizmente, seu triunfo foi mitigado pelo fato de que o Conselho de Educação do Distrito de Columbia continuou a negá-la de cantar no auditório de uma escola em Washington, DC.

O show no National Mall foi um momento seminal para o país. Nesta situação, a América foi confrontada com a observação de uma mulher educada, bem-educada, digna e atraente tentando cantar canções patrióticas clássicas e ainda assim ser negada. Com outros artistas, parecia que havia sempre alguma desculpa além do racismo, mas neste caso estava exposto em sua essência e claro em sua face. Assim, com seu show gratuito, ela foi capaz de demonstrar para as massas que não havia uma questão de preto e branco de forma alguma. Ela era simplesmente uma das maiores cantoras do mundo e deveria ser vista como o orgulho de sua nação. Poucas semanas depois, ela deu um concerto privado na Casa Branca para o presidente Franklin D. Roosevelt e seus convidados, o rei George VI e a rainha Elizabeth da Grã-Bretanha.

Em 17 de julho de 1943, Anderson se casou com o arquiteto Orpheus H. Fisher em Bethel, Connecticut. Os dois eram amigos desde a juventude e Fisher a havia pedido em casamento quando eram adolescentes. O casal se estabeleceu em uma fazenda de 100 acres em Danbury, Connecticut, após uma busca exaustiva complicada por vários proprietários de terras que se recusaram a vender para uma família negra. Eles chamaram a propriedade de Fazenda Marianna e ela se tornaria a casa de Marian pelos próximos 50 anos.

Outro momento marcante ocorreu em 7 de janeiro de 1955, quando Maria Anderson se tornou a primeira afro-americana a se apresentar com o Metropolitan Opera em Nova York. Ela cantou o papel de Ulrica em Giuseppe Verdi Un ballo in maschera a convite do diretor Rudolf Bing. Embora tenha sido sua única experiência com a companhia, ela foi nomeada membro permanente da companhia Metropolitan Opera. Em 1957, ela foi convidada a cantar para a posse presidencial de Dwight D. Eisenhower. Mais tarde, ela foi enviada pelo Departamento de Estado dos EUA e pelo American National Theatre and Academy em uma turnê pela Índia e pelo Extremo Oriente como embaixatriz da boa vontade. Viajando mais de 35.000 milhas em três meses, ela realizou 24 shows. Depois de ser eleita Fellow da Academia Americana de Artes e Ciências, ela foi oficialmente designada delegada nas Nações Unidas em 1958, uma função que ela havia desempenhado anteriormente a pedido do presidente Eisenhower. Em 1961, ela repetiu sua performance na inauguração presidencial de John F. Kennedy e no ano seguinte se apresentou pessoalmente para o presidente e seu convidado na sala leste da Casa Branca antes de iniciar uma turnê pela Austrália.


Com a chegada do Movimento dos Direitos Civis, Marian participou do movimento, ingressando na NAACP e no Congresso da Igualdade Racial. Em um dos momentos mais adequados para a nação, ela cantou no National Mall na March on Washington liderada pelo Dr. Martin Luther King Jr. Em 6 de dezembro de 1963. Marian foi um dos 31 membros da classe inaugural de destinatários da Medalha Presidencial da Liberdade. Depois de tantas conquistas e atividades no cenário nacional e internacional, Anderson decidiu se aposentar do palco performático. Ela lançou sua turnê de despedida a partir de 24 de outubro de 1964 no Constitution Hall, terminando no Carnegie Hall em Nova York em 18 de abril de 1965.

Após 43 anos de casamento, o marido de Anderson, Orpheus Fisher, morreu em 1986. Marian permaneceu em sua fazenda até 1992 (a fazenda foi vendida para desenvolvedores, mas o estúdio que Fisher construiu para ela foi realocado pelo Museu e Sociedade Histórica de Danbury e mais tarde aberto ao público. Em 8 de abril de 1993, Marian Anderson morreu de insuficiência cardíaca congestiva em Portland, Oregon, um mês após sofrer um derrame. Ela foi enterrada em Collingdale, Pensilvânia.

Marian Anderson brilhou, não apenas como uma cantora maravilhosa, mas também como um modelo para a face em mudança da América. Embora muitas vezes lhe negassem cortesias básicas durante seus primeiros anos, ela foi inundada com prêmios e reconhecimentos em seus últimos anos. Depois de receber a NAACP Spingarn Medal em 1939, ela foi agraciada com o Prêmio da Paz das Nações Unidas e a Medalha de Ouro do Congresso em 1977, o Kennedy Center Honors em 1978, a Medalha George Peabody em 1984, a Medalha Nacional de Artes em 1986 e em 1991 e um prêmio Grammy pelo conjunto de sua obra. Em 1980, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos cunhou uma medalha comemorativa de ouro de meia onça com sua imagem, e ela foi a primeira a receber o Prêmio de Direitos Humanos Eleanor Roosevelt em 1984. Além disso, ela recebeu o título de doutor honorário da Howard University, Temple University e Smith College. Essa adulação demonstrou que o mundo finalmente reconheceu que ela era uma Grande Heroína Negra.


Experiência Americana

Antes da lendária cantora ser um ícone dos direitos civis em casa, ela lutou pela supremacia branca no exterior.

Arte de Carla Scemama. Foto fonte: Biblioteca do Congresso

Em 1930, Marian Anderson viajou pelo Atlântico até a Europa em busca de oportunidades de estudar e viajar além das ofertas limitadas de Jim Crow America. Longe de sua casa na Filadélfia, ela teve um sucesso superando qualquer experiência nos Estados Unidos. Sua popularidade na Escandinávia era tão grande, por exemplo, que os fãs teriam “febre mariana”. Mas Anderson não conseguiu escapar das hostilidades racistas no exterior.

Em 1935, perto do fim de uma extensa turnê que incluiu apresentações na Inglaterra, França, Suécia e Rússia, o cardeal arcebispo de Salzburgo, Sigismund Waitz, veio se encontrar com Anderson nos bastidores após um show em Viena. Ele propôs que ela realizasse um concerto de caridade na Catedral de Salzburgo como parte do calendário do renomado Festival de Salzburgo. O programa anual de música e arte, realizado contra o cenário barroco da cidade natal de Mozart, atrai os artistas mais ilustres e talentosos do mundo para vários dias de ópera, drama e apresentações musicais.

Marian Anderson, 1940. Fotógrafo: Carl Van Vechten, Biblioteca do Congresso

O crescente sentimento nazista na Áustria tornou esse convite uma perspectiva tensa e até perigosa. Quando o barítono afro-americano Aubrey Pankey se apresentou em Salzburgo alguns anos antes, ele foi expulso da cidade por uma multidão nazista. Então, quando Anderson fez uma petição para cantar lá a pedido do Cardeal Waitz, as autoridades do Festival de Salzburgo proibiram sua apresentação. A cantora se viu no centro de um escândalo que ela não queria, com a mídia internacional cobrindo a proibição de concertos em Salzburgo. Sob pressão para explicar sua recusa em hospedar Anderson, os organizadores de Salzburg alegaram que o pedido de Anderson para cantar simplesmente havia chegado tarde demais. “Baron Puthon, presidente do comitê do Festival de Salzburgo, disse que não era possível para sua organização ter o show da Srta. Anderson agendado dentro do programa do Festival porque ele havia sido preparado meses atrás”, relatou O jornal New York Times. "Ele disse que o show não foi barrado e que não sabia o motivo da reclamação da Srta. Anderson."

Na verdade, ela não havia feito nenhuma reclamação conhecida. Anderson teve uma relação difícil com a política ao longo de sua carreira - ela era uma artista, não uma ativista, e foi pelos méritos de sua arte que ela pediu para ser julgada. Anderson não fez comentários à imprensa sobre a recusa do festival em incluí-la em sua programação. Em vez disso, ela abraçou graciosamente a tentativa dos organizadores do festival de conter o escândalo público: ela poderia cantar em um local de Salzburgo, mas não como parte do calendário oficial de apresentações.

Marian Anderson, 14 de janeiro de 1940. Fotógrafo: Carl Van Vechten, Biblioteca do Congresso

Na primeira noite do festival, ela deu o concerto permitido e não endossado no Mozarteum. Embora o recital tenha começado pequeno, durante o intervalo, a notícia do talento de Anderson se espalhou - seu notável alcance vocal estendeu-se de tenor a mezzo-soprano - e na segunda metade do show seu público tinha crescido visivelmente maior. Em uma crítica no dia seguinte, até um crítico local admitiu que “o cantor negro” havia feito uma atuação notável. Ainda assim, o Salzburger Volkblatt O repórter não pôde deixar de exotizar Anderson: “a senhora é, na medida em que uma pessoa branca tem direito a um julgamento de gosto, uma figura encantadora e viva”, escreveu ele. “Em um longo vestido branco de seda de gola baixa, no pescoço uma flor gigante vermelho-claro, ela parece ter se banhado por muito tempo no sol da África.”

Anderson deixou sua maior impressão nos Alpes em um segundo recital privado organizado por um próspero patrono americano das artes. Centenas de pessoas compareceram a este concerto vários dias depois. Líderes religiosos, diplomatas, ilustres funcionários do governo e muitos dos principais artistas do festival se reuniram no salão de baile do Hôtel de l’Europe, tanto para fazer um show público contra o fervor fascista que engolfava a Europa quanto simplesmente para ouvi-la cantar.

Ela abriu o concerto com duas árias populares, uma britânica e outra italiana, seguidas por composições conhecidas de quatro alemães - Handel, Schubert, Brahms e Mahler - antes de passar para duas canções de Sibelius, um compositor escandinavo com quem teve trabalhou de perto. Em seguida, ela concluiu, como sempre fazia em aparições para platéias predominantemente brancas, com uma seleção de espirituais afro-americanos.

Às vezes, uma música é apenas uma música, mas, como Marian Anderson reconheceu ao longo de sua carreira, às vezes é muito mais do que isso. Ao colocar as espirituais criadas por afro-americanos escravizados ao lado da chamada arte erudita da Europa, Anderson insistiu nos méritos iguais de ambas. Ela mudou os termos de conhecimento e envolvimento em torno de seu desempenho em uma repreensão subversiva aos poderes que, com base em seu tom de pele, tentaram negar-lhe a oportunidade de atuar.

O recital foi fascinante. “Sua voz soberba chamou a atenção do público desde a primeira nota”, lembrou um participante mais tarde, acrescentando que “[no] fim do espiritual não houve aplauso algum - um silêncio instintivo, natural e intenso, então que você estava com medo de respirar. O que Anderson fez foi algo fora dos limites da música clássica ou romântica. ”

Após o concerto, a plateia de parabéns visitou Anderson, entre eles o maestro italiano Arturo Toscanini, de renome mundial. “O que eu ouvi hoje”, declarou o reverenciado maestro em seu italiano nativo, “temos o privilégio de ouvir apenas uma vez em cem anos”. Seu elogio viria a definir o resto de sua carreira. Depois que seu agente divulgou para a imprensa, Anderson seria conhecido como "a voz de um século".

Quatro anos depois, nos degraus do Lincoln Memorial, Marian Anderson deu um concerto que representou uma ousada reivindicação do ideal de igualdade racial americana. Em resposta às Filhas da Revolução Americana, que não permitiram que ela se apresentasse em seu Constitution Hall, o concerto consagrou o memorial como um local de vitória na luta pela liberdade dos negros. Aquela apresentação no Domingo de Páscoa a elevou a uma espécie de santidade padroeira da excelência negra superando a supremacia branca.

Marian Anderson, de frente para o Monumento a Washington, canta para uma platéia sentada em frente ao Lincoln Memorial, em uma cerimônia em homenagem ao Secretário do Interior Harold Ickes, em 20 de abril de 1952. Biblioteca do Congresso

Em uma entrevista anos depois, Anderson comparou a sensação que teve no concerto do Lincoln Memorial a este momento mais íntimo em 1935. “A única coisa que se aproximou foi quando Toscanini apareceu nos bastidores em Salzburgo”, disse ela sobre sair para encontrar uma multidão de 75.000 em sua terra natal. “Meu coração estava batendo a ponto de eu quase não ouvir nada. E havia uma empolgação que fazia com que, bem, você simplesmente não pudesse, não pudesse dizer nada. ”

O que Anderson não poderia dizer, ela canalizou para a música. Foi uma mensagem que, por meio de suas lendárias performances vocais, ressoou com clareza impressionante: o triunfo da humanidade negra sobre aqueles que o negariam.


Marian Anderson: Percebendo a história por meio da música

Em 9 de abril de 1939, a contralto americana Marian Anderson (1897-1993) foi um farol de esperança para um país dilacerado por conflitos raciais. A lendária performance de Anderson e # 8217 no Lincoln Memorial naquele Domingo de Páscoa existe nos anais da história americana como um momento crucial no movimento dos Direitos Civis. Depois de ter sido negado o direito de se apresentar no Constitution Hall das Filhas da Revolução Americana & # 8217s (D.A.R.) em Washington, DC devido à cor de sua pele, Anderson recebeu uma advogada na primeira-dama Eleanor Roosevelt. A primeira-dama apresentou publicamente sua renúncia do D.A.R. em protesto pelo tratamento que Anderson recebeu e ajudou a facilitar a apresentação no Lincoln Memorial.

Leonard Bernstein ensaiando com a cantora Marian Anderson no Lewisohn Stadium, em Nova York. Junho de 1947. (Divisão de Música) [fotografias]

Anderson estava determinada a ter sucesso como cantora desde criança. Não havia obstáculo, racial ou outro, que a impedisse de atingir seus objetivos. Ela serve como um verdadeiro modelo para todos os cidadãos da comunidade global, não apenas para os músicos. Sua carreira alcançou tal importância que ela foi nomeada delegada honorária nas Nações Unidas (1958) e recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade em 1963 pelo presidente John F. Kennedy.

A história de Anderson & # 8217s é uma das muitas incluídas na Biblioteca & # 8217s Songs of America projeto. Esta iniciativa busca examinar a história americana por meio da música. A vida de Anderson como músico toca em inúmeras correntes importantes na sociedade americana do século XX, desde o sufrágio feminino e os direitos civis até as tendências relacionadas aos músicos na diplomacia cultural americana. The Music Division & # 8217s Enciclopédia de artes cênicas inclui várias gravações de Anderson & # 8217s, como & # 8220Nobody know of trouble I & # 8217ve visto & # 8221 que ela executou durante o concerto Lincoln Memorial.

Marian Anderson: A Singer & # 8217s Journey, de Allan Keiler

Abaixo está uma entrevista que conduzi com Allan Keiler, professor de música na Brandeis University em Waltham, Massachusetts. Keiler é o autor de Marian Anderson: A Singer & # 8217s Journey (Scribner, 2000) e foi destaque no recente documentário sobre a cantora, Marian Anderson: uma canção de dignidade e graça (2010).

NAB: O que te obrigou a escrever Marian Anderson: A Singer & # 8217s Journey?

Allan Keiler,
Professor de musica,
Brandeis University

AK: Eu acreditava que a lenda de Anderson e seu lugar em nossa história, especialmente os direitos civis, haviam ofuscado sua grandeza como cantora, e eu queria estabelecer um equilíbrio melhor entre esses aspectos de sua vida. Mesmo as pessoas que afirmavam saber muito sobre sua arte, descobri, desconheciam a amplitude e a versatilidade de seus esforços artísticos. Parte disso se deve ao fato de ela registrar apenas uma pequena parte de seu repertório. Mas foi mais a lenda de Anderson que permaneceu na mente das pessoas. Isso é o que eu disse [sobrinho de Anderson & # 8217s] James DePriest (1936-2013) e ressoou com ele como fez com a própria Anderson, que também acreditava que a primeira coisa que as pessoas pensaram foi no show do Lincoln Memorial, não em seu Schubert ou Debussy.


NAB:
Que tipo de consciência sobre a vida e o legado de Marian & # 8217 você espera alcançar na sociedade contemporânea?

AK: Eu realmente acho que você não pode separar Anderson no cenário mundial, suas lutas pessoais e suas realizações artísticas. Essa perspectiva global é o que eu esperava alcançar em meu livro.

NAB: Com o recente falecimento do sobrinho de Marian & # 8217s James DePriest, quem foi o campeão de seu legado, quem tem a responsabilidade de garantir que seu nome e impacto continuem relevantes nas perspectivas atuais sobre a história americana e o movimento dos Direitos Civis?

AK: Eu não acho que haja ninguém em particular. Deve ser tarefa de todos nós que nos preocupamos com o que sua vida significa, tanto pessoal quanto artisticamente. Há muitas pessoas e instituições dedicadas ao seu legado que trabalham para mantê-lo vivo: a Universidade da Pensilvânia & # 8212 onde residem seus papéis, membros de sua família, autores como eu, [Raymond] Arsenault, por exemplo, que acabou de escrever sobre o importância do show do Lincoln Memorial, empresas como VAI, que continuam a lançar suas gravações, e assim por diante.

NAB: Como Marian pode servir de modelo para os jovens cantores de hoje?

AK: É claro que suas lutas, seu trabalho árduo, seu triunfo contra tantas adversidades sempre inspirarão pessoas de qualquer raça ou religião. Também importante, especialmente para jovens cantores, é a profundidade e compreensão de sua abordagem e interpretação de Lieder, fraseado, ritmo, dicção e estilo. Tudo isso deve ser estudado em profundidade.

NAB: Que conselho você daria a futuros pesquisadores interessados ​​em examinar as contribuições de Marian & # 8217s para a música e a sociedade global?

AK: O mesmo conselho que eu daria a qualquer pesquisador: não se contente com respostas fáceis, examine todas as evidências e pense sobre o tipo de público para o qual deseja escrever. Even though this sounds presumptuous, people who want to work on the life and career of Marian Anderson cannot help but be doing it for the right reasons, I think.


Denied A Stage, She Sang For A Nation

Seventy-five years ago, on April 9, 1939, as Hitler's troops advanced in Europe and the Depression took its toll in the U.S., one of the most important musical events of the 20th century took place on the National Mall in Washington. There, just two performers, a singer and a pianist, made musical — and social — history.

At 42, contralto Marian Anderson was famous in Europe and the U.S., but she had never faced such an enormous crowd. There were 75,000 people in the audience that day, and she was terrified. Later, she wrote: "I could not run away from this situation. If I had anything to offer, I would have to do so now."

I could not run away from this situation. If I had anything to offer, I would have to do so now.

So, in the chilly April dusk, Anderson stepped onto a stage built over the steps of the Lincoln Memorial and began to sing "My Country, 'Tis of Thee." Her first notes show no sign of nerves. Her voice is forceful and sweet. And the choice of music — that opening song — is remarkable, given the circumstances. The NBC Blue Network announcer explained the unusual venue this way: "Marian Anderson is singing this public concert at the Lincoln Memorial because she was unable to get an auditorium to accommodate the tremendous audience that wishes to hear her."

That was hardly the story. According to Anderson biographer Allan Keiler, she was invited to sing in Washington by Howard University as part of its concert series. And because of Anderson's international reputation, the university needed to find a place large enough to accommodate the crowds. Constitution Hall was such a place, but the Daughters of the American Revolution owned the hall.

"They refused to allow her use of the hall," Keiler says, "because she was black and because there was a white-artist-only clause printed in every contract issued by the DAR."

Like the nation's capital, Constitution Hall was segregated then. Black audiences could sit in a small section of the balcony, and did, when a few black performers appeared in earlier years. But after one such singer refused to perform in a segregated auditorium, the DAR ruled that only whites could appear on their stage.

One of the members of the DAR was first lady Eleanor Roosevelt. Outraged by the decision, Roosevelt sent a letter of resignation and wrote about it in her weekly column, "My Day." "They have taken an action which has been widely criticized in the press," she wrote. "To remain as a member implies approval of that action, and therefore I am resigning."

The DAR did not relent. According to Keiler, the idea to sing outdoors came from Walter White, then executive secretary of the NAACP. Since the Lincoln Memorial was a national monument, the logistics for the day fell to Secretary of the Interior Harold Ickes. It was Ickes who led Anderson onto the stage on April 9, 1939.

'Of Thee We Sing'

She began with "My Country, 'Tis of Thee" — also known as "America" — a deeply patriotic song. When she got to the third line of that well-known tune, she made a change. Instead of "of thee I sing" she sang "to thee we sing."

A quiet, humble person, Anderson often used "we" when speaking about herself. Years after the concert, she explained why: "We cannot live alone," she said. "And the thing that made this moment possible for you and for me, has been brought about by many people whom we will never know."

But her change of lyric — from "I" to "we" — can be heard as an embrace, implying community and group responsibility. Never a civil rights activist, Anderson believed prejudice would disappear if she performed and behaved with dignity. But dignity came at a price throughout her 25-minute Lincoln Memorial concert. Biographer Keller says she appeared frightened before every song, yet the perfect notes kept coming.

"I think it was because she was able to close her eyes and shut out what she saw in front of her," Keiler says. "And simply the music took over."

After "America," she sang an aria from La favorite by Gaetano Donizetti, then Franz Schubert's "Ave Maria." She ended the concert with three spirituals, "Gospel Train," "Trampin'" and "My Soul is Anchored in the Lord."

On that stage, before a bank of microphones, the Lincoln statue looming behind her, iconic photographs reveal Anderson as a regal figure that cloudy, blustery day. Although the sun broke out as she began to sing, she wrapped her fur coat around her against the April wind.

Anderson's mink coat is preserved at the Anacostia Community Museum in Washington. It's kept in a large archival box in cold storage and stuffed with acid-free tissue to preserve its shape. The lining of the coat is embroidered with gold threads in a paisley pattern, and the initials M A are monogrammed inside.

Whether wrapped in that coat or gowned for a concert hall, Anderson, Museum historian Gail Lowe says, touched everyone who heard her: "Her voice was a very rich contralto and so those kind of low notes . can resonate and match one's heartbeat."

Conductor Arturo Toscanini said a voice like Anderson's "comes around once in a hundred years."

'Genuis, Like Justice, Is Blind'

When Ickes introduced Anderson, he told the desegregated crowd — which stretched all the way from the Lincoln Memorial to the Washington Monument — "In this great auditorium under the sky, all of us are free. Genius, like justice, is blind. Genius draws no color lines."

And genius had touched Marian Anderson.

Anderson inspired generations and continues to do so. An anniversary concert will take place at Constitution Hall, which denied her 75 years ago. A few featured performers are Jessye Norman, Dionne Warwick, ídolo americano winner Candice Glover, bass Soloman Howard and soprano Alyson Cambridge.

Cambridge first heard about Anderson while she was a young music student in Washington. "They said she was the first African-American to sing at the Met," Cambridge says. At 12 years old, Cambridge was just beginning voice lessons, but she knew that New York's Metropolitan Opera was isto for an opera singer.

These days, Cambridge finds she has to explain the great singer to others. "Some people sort of look at me with a raised eyebrow — 'Who's Marian Anderson?' " Cambridge says. And she continues, "She really broke down the barriers for all African-American artists and performers."

The Lincoln Memorial concert made Anderson an international celebrity. It overshadowed the rest of her long life as a performer — she was 96 when she died in 1993. Eventually she fez sing at Constitution Hall. By that time, the DAR had apologized and changed its rules. Anderson rarely spoke of that historic April day, and Keiler says when she did, there was no rancor.

"You never heard in her voice, a single tone of meanness, bitterness, blame, it was simply lacking," he says. "There is something saintly in that. Something deeply human and good."


Marian Anderson Performs at the White House

Marian Anderson rehearsing with Leonard Bernstein in 1947.

One of the most memorable performances in White House history was Marian Anderson’s rendition of Schubert’s "Ave Maria" as the culmination of a gala "Evening of American Music" presented by Franklin and Eleanor Roosevelt in 1939. The entertainment was planned for a state visit by King George VI and Queen Elizabeth of England. Anderson’s powerful voice soared that evening. Arturo Toscanini once remarked that Anderson was a talent that "comes once in a hundred years." Anderson had performed "Ave Maria" just a few months earlier as the climax to an outdoor concert that moved to tears the audience of 75,000 at the Lincoln Memorial. That concert was arranged on the Mall because the Daughters of the American Revolution refused her a singing engagement at Constitution Hall because she was black. Mrs. Roosevelt immediately resigned from the DAR and invited Anderson to sing for the British royals despite bitter criticism from segregationists.


TALENT. PASSION. LEGACY.

Nationally acclaimed artist, Marian Anderson spent her youth in Nicollet and Madelia, Minnesota. At an early age, this Minnesota farm girl was already showing her natural artistic ability, coupled with a strong love for the outdoors. Her father was an avid hunter and taught Marian about wildlife lessons she would later use in bringing her paintings to life.

Marian was a self-taught and self-published artist. Her first oil paints were a discarded set, rescued from the Madelia city dump, and the closest she came to any formal training was a three-day seminar at the Minneapolis School of Art, a gift from the Madelia Rotary Club.

After high school, Marian came to Mankato where she worked various jobs and painted whenever her free time would allow. In 1961, she became a full-time artist, selling portraits and wildlife paintings for $150 to $200 and traveling to art shows across the country. Her hard work paid off with numerous credits and awards and her art has been exhibited in galleries and private art collections throughout the United States and abroad.

Marian’s paintings are oil on stretched canvas because she likes the “live feeling” under her brush. To get to know Marian, all one has to do is look at her artwork. There you will see the things that were most important to her: the joy in children’s faces, the spirit of nature, and preserving and honoring the past.

In 1980, Marian began offering limited-edition fine art prints of some of her paintings, each print is numbered and signed by Marian. In 2010, she retired from painting and generously donated her business of fine art prints to the Blue Earth County Historical Society. The Society operates the Marian Anderson Art Gallery at the History Center as well as online store featuring a full inventory of prints. The Blue Earth County Historical Society is also home to the Marian Anderson Archives featuring original art pieces.

Marian passed away on January 26, 2021 leaving a legacy of art for generations to come. Her charitable legacy will be realized through the Marian Anderson Fund of the Mankato Area Foundation, which will focus on promoting arts and aesthetics in Blue Earth and Nicollet counties.


Marian Anderson: Voice of the Century

Arturo Toscanini said that Marian Anderson (February 27, 1897 – April 8, 1993) had a voice that came along "once in a hundred years." When one of Anderson's teachers first heard her sing, the magnitude of her talent moved him to tears. Because she was black, however, her initial prospects as a concert singer in this country were sharply limited, and her early professional triumphs took place mostly in Europe. The magnitude of her musical gifts ultimately won her recognition in the United States as well. Despite that acclaim, in 1939 the Daughters of the American Revolution banned her from performing at its Constitution Hall. First Lady Eleanor Roosevelt ultimately intervened and facilitated Anderson's Easter Sunday outdoor concert at the Lincoln Memorial on April 9, 1939—an event witnessed by 75,000 and broadcast to a radio audience of millions. The affair generated great sympathy for Anderson and became a defining moment in America's civil rights movement.


Marian Anderson Photo Archives

The African American opera singer made history with a stirring concert at the Lincoln Memorial. But there was much more to Marian Anderson.

When opera singer Marian Anderson stood on stage at Washington, D.C.’s Constitution Hall on October 24, 1964, it was the first stop on her international farewell tour, but it was also a reclamation. The hall had been the scene of another battle in the nation’s long and painful struggle for equity: In 1939 the owners of the venue, the Daughters of the American Revolution, refused to allow Anderson to perform.

Marian Anderson and pianist Kosti Vehanen at the Lincoln Memorial via JSTOR

Anderson’s life was full of groundbreaking moments. Her presence in many spaces that had previously been all-white was powerful. But what may be lost in making her story solely about her challenges in a racist society is her talent. Anderson was, as conductor Arturo Toscanini put it, a voice “one is privileged to hear only in a hundred years.”

Marian Anderson in Haiti via JSTOR

Anderson was born in Philadelphia in 1897. Her natural musical talent was always evident and supported by her community. But as Nina Sun Eidsheim explains in American Quarterly, reaching the next level was difficult because “racism and financial difficulties obstructed her efforts to obtain musical training.” Members of her church offered to pay her way through a local music school, but “she was turned away: the school ‘[didn’t] take colored.’” In 1919 she found an instructor, Giuseppe Boghetti, a graduate of the Royal Conservatory in Milan. Boghetti not only had the skills to take her to the next level, he also had valuable connections that would help her advance.

Marian Anderson with Eleanor Roosevelt via JSTOR

She began touring the South during this time, but the inequities of Jim Crow–era America made this difficult. She’d understood the realities of racism, Anderson wrote in her autobiography, “but meeting it bit deeply into the soul.”

Wanting to expand her opportunities, Anderson began touring Europe, cementing her reputation worldwide. Capitalizing on her rising fame, her manager arranged the concert at Constitution Hall. Even though Eleanor Roosevelt, one of the DAR’s most notable members, publicly resigned her membership and condemned the organization’s actions, it didn’t relent, leading to the historic and now iconic performance at the Lincoln Memorial.

Marian Anderson performing in France via JSTOR

The power of images of Anderson, from that day and so many others, is often traced to that moment. As Feman writes, “[W]e will not soon forget that the recital represents an important victory in what has been a long, difficult fight for justice.” It’s hard, he continues, to see “any other news picture of Anderson from that day, perhaps any image of Anderson at all, in any other way.”


Mint Offers Marian Anderson National Medal

Director of the Mint, Mrs. Stella B. Hackel, today announced the availability of the Marian Anderson three-inch national bronze medal.

Public Law 95-9, passed by the Congress and signed into law by the President on March 8, 1977, authorized the Secretary of the Treasury to strike a special national gold medal to be awarded to Miss Marian Anderson and also authorized the striking of duplicate bronze national medals for sale to the public. This was in recognition of her highly distinguished and impressive career of more than half a century for untiring and unselfish devotion to the promotion of the arts throughout the world, including establishment of scholarships for young people, for her strong and imaginative support to humanitarian causes for contributions to the cause of world peace through her work as United States delegate to the United Nations for her performances and recordings which have reached people throughout the world for her unstinting efforts on behalf of the brotherhood of man and for the many treasured moments she has brought to the world with enormous demand on her time, talent, and energy.

At White House ceremonies October 16, 1978, the President presented the congressionally authorized gold medal to Miss Anderson and remarked, “She’s brought joy to millions of people, and she exemplifies the finest aspects of American citizenship.”

The obverse of the medal was designed by Mr. Frank Gasparro, the United States Mint’s Chief Sculptor and Engraver. The reverse was designed by Mr. Matthew Peloso, Sculptor and Engraver, Philadelphia Mint, and by Mr. Gasparro.

The reverse of the Marian Anderson medal features hands encompassing a global world. The inscription UNITY GOD’S WAY overlaps the wrists. HE’S GOT THE WHOLE WORLD IN HIS HANDS is the theme of the medal and was personally selected by Miss Anderson. This inscription appears on the upper border of the reverse while the lower border reads HONORED BY CONGRESS FOR PUBLIC SERVICE THROUGH MUSIC 1977.

The obverse of the medal features a full-view portrait of the artist with the inscription MARIAN ANDERSON at the top.

The Marian Anderson three-inch bronze medal may be purchased for $7.00 over-the-counter from the Bureau of the Mint Sales Areas at the Philadelphia Mint, the Denver Mint, the San Francisco Old Mint, and the Department of the Treasury Main Building, in Washington, D.C.

The medal may be ordered by mail for $7.30. This price includes mailing and handling costs. The medal is number 663 on the Mint’s Medal List. A money order or check payable to the Bureau of the Mint should be sent to the Bureau of the Mint, 55 Mint Street, San Francisco, California 94175. If ordering from another country, remittance should be payable to the Bureau of the Mint either by International Money Order or a check drawn on a U.S. bank payable in U.S. currency.

A brochure listing medals available from the United States Mint, and many other national medals authorized by Congress to honor famous Americans, landmarks and historic events can be obtained by writing to the above San Francisco address.

Over the Counter Sales

Philadelphia Mint
Independence Mall
Filadélfia, Pensilvânia

San Francisco Old Mint
88 Fifth Street
San Francisco, California


Assista o vídeo: Marian Anderson sings the most soulful Es ist vollbracht Bach: Johannespassion


Comentários:

  1. Kendell

    Que palavras necessárias ... Ótimo, uma frase brilhante

  2. Gairbith

    obrigado

  3. Dugami

    Nenhum tópico ruim

  4. Goltikasa

    Realmente estranho

  5. Shaylon

    Bom dia, queridos colegas e amigos. Passei muito tempo procurando um bom blog sobre tópicos semelhantes, mas muitos deles não me combinaram com a falta ou a falta de informação, interfaces estúpidas e assim por diante. Agora encontrei o que queria e decidi acrescentar meu próprio comentário. Gostaria, queridos administradores de Sirs, que seu blog continue se desenvolvendo em um ritmo, o número de pessoas cresce de forma constante e as páginas se tornam cada vez mais. Lembrei -me do endereço do seu blog por um longo tempo e espero entrar nas fileiras dos usuários mais ativos. Muito obrigado a todos que me ouviram e levaram um minuto de tempo livre para ler este comentário. Obrigado novamente. Vitaly.

  6. Fay

    Ele se retirou da conversa

  7. Abdul-Aziz

    É a informação valiosa



Escreve uma mensagem