Willie Paul

Willie Paul


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

William (Willie) Paul nasceu em Glasgow em 1884. Tornou-se socialista e acabou ingressando no Socialist Labour Party (SLP). A organização que se inspirou nos escritos de Daniel De Leon, o homem que ajudou a estabelecer o International Workers of the World (IWW) e o Socialist Labour Party nos Estados Unidos. Os líderes do grupo incluíram John S. Clarke, Jack Murphy, Arthur McManus, Neil MacLean, James Connally, John MacLean e Tom Bell.

Paul acabou se tornando editor adjunto do jornal SLP, The Socialist, com John S. Clarke, Tom Bell e Arthur McManus. O jornal defendeu a importância do "socialismo industrial revolucionário" e se recusou a trabalhar com partidos reformistas como a Federação Social-Democrata e o Partido Trabalhista. Em vez disso, o SLP concentrou-se na ação política para fins de propaganda.

No The Socialist Willie Paul defendeu o controle operário da indústria: "Afirmamos que apenas aqueles que trabalham nas indústrias têm o conhecimento necessário pelo qual essas indústrias podem ser controladas. Apenas os trabalhadores industriais conhecem as necessidades e demandas dos processos de produção de riqueza ... É costume que os trabalhadores assalariados sejam informados de que devem buscar a salvação do Estado. Nos últimos vinte anos e mais, trabalhistas proeminentes nos garantiram que a esperança dos trabalhadores residia no Estado. A maior parte do movimento operário em sua atividade política tem sido responsável pela defesa do que eles chamam de Socialismo de Estado. Como sindicalistas industriais, argumentamos que a propriedade do Estado tira todo o controle dos trabalhadores e os deixa à mercê de ministros antipáticos e irresponsáveis. "

Em 1911, Paul se envolveu na disputa da fábrica de máquinas de costura Clydesbank Singer, na qual 10.000 trabalhadores entraram em greve em protesto contra a decisão da empresa de cortar o pagamento da força de trabalho. Cantores interromperam a greve em três semanas. Willie Paul e Arthur McManus foram considerados líderes da greve e, junto com outros 500 trabalhadores, perderam seus empregos na empresa.

Paul mudou-se agora para Derby, onde ganhava a vida administrando uma pequena barraca de mercado de meias e cortinas como um negócio individual. Ele teve sucesso neste empreendimento e outras barracas foram abertas em Manchester, Birmingham, Sheffield, Rotherham e Chesterfield. De acordo com Graham Stevenson: "Estes foram usados ​​sub-repticiamente como centros de distribuição de literatura radical e angariação de fundos revolucionária. Embora este negócio e o papel de tutor marxista errante levassem Paul a estadias temporárias em muitas cidades e vilas do norte e do interior, ele era principalmente residente em Derby para o resto de sua vida. "

Willie Paul se opôs ao envolvimento da Grã-Bretanha na Primeira Guerra Mundial. Mais de 3.000.000 de homens se ofereceram para servir nas Forças Armadas britânicas durante os primeiros dois anos da guerra. Devido às pesadas perdas na Frente Ocidental, o governo decidiu introduzir o recrutamento (inscrição obrigatória), aprovando a Lei do Serviço Militar. A No-Conscription Fellowship (NCF) montou uma vigorosa campanha contra a punição e prisão de objetores de consciência. Cerca de 16.000 homens se recusaram a lutar. A maioria desses homens eram pacifistas, que acreditavam que, mesmo durante a guerra, era errado matar outro ser humano.

Paul juntou-se a Alice Wheeldon, John S. Clarke e Arthur McManus, no estabelecimento de uma rede em Derby para ajudar os objetores de consciência em fuga ou na prisão. Isso incluía o filho de Alice, William Wheeldon, que estava morando secretamente com sua irmã, Winnie Mason, em Southampton e, de acordo com Nicola Rippon Clarke, "passou a maior parte da guerra escondido na fazenda do Sr. Turner em Arleston, agora parte de Sinfin, nos arredores do sul de a cidade."

Durante a Primeira Guerra Mundial, ele deu aulas de ciências sociais em Derby de 1917-18. Um livro de suas palestras intitulado O Estado: sua origem e funções foi publicado como resultado dessas aulas. De acordo com Graham Stevenson: "A obra segue claramente temas marxistas clássicos, mas o mais interessante é que tira as mesmas conclusões teóricas ou semelhantes às que Lenin estava chegando ao mesmo tempo, sem o benefício de Paulo ser capaz de ler a obra de Lenin neste momento, uma vez que ainda não havia sido traduzido. "

Em 1918, ele candidatou-se sem sucesso a Wigan como candidato do Partido Trabalhista Socialista nas Eleições Gerais. Ele obteve 13% dos votos em uma luta direta com um candidato oficial do Partido Trabalhista.

Em abril de 1920, Willie Paul, Tom Bell, Willie Gallacher, Arthur McManus, Harry Pollitt, Rajani Palme Dutt, Helen Crawfurd, AJ Cook, Albert Inkpin, Arthur Horner, JT Murphy, John R. Campbell, Bob Stewart e Robin Page Arnot ingressaram forças para estabelecer o Partido Comunista da Grã-Bretanha (CPGB). McManus foi eleito o primeiro presidente do partido e Bell e Pollitt se tornaram os primeiros trabalhadores em tempo integral do partido.

Willie Paul argumentou fortemente contra a estratégia sugerida por Lenin de que o PCGB deveria desenvolver uma relação estreita com o Partido Trabalhista. "Nós, do Grupo da Unidade Comunista, sentimos muito a nossa derrota na questão da filiação ao Partido Trabalhista. Mas pretendemos acatar lealmente a decisão da convenção de base ... Os camaradas que votaram a favor do Partido Trabalhista foram, sem dúvida influenciados pelos argumentos apresentados sobre esta questão por Lenin, Radek e muitos outros comunistas russos. Acreditamos que esses camaradas heróicos, ao insistirem na filiação ao Partido Trabalhista, erraram em uma questão de tática. Mas admitimos francamente o próprio fato de que Lenin, Radek, Bukharin e os outros aconselham que tal política é um bom motivo pelo qual vários delegados pensaram que talvez estivéssemos errados. "

Paul tornou-se editor da Communist Review (1921-1923). Ele também contribuiu para o Sunday Worker, The Communist e o Labor Monthly. Ele foi o candidato do Partido Comunista da Grã-Bretanha no distrito eleitoral de Rusholme nas Eleições Gerais de 1922. Ele recebeu 5.366 votos e foi batido em terceiro lugar por Charles Masterman. Ele também terminou em terceiro nas Eleições Gerais de 1924.

Paulo deixou de desempenhar um papel ativo no Partido Comunista da Grã-Bretanha após a segunda dessas eleições parlamentares. Foi alegado que ele estava insatisfeito com o papel que Joseph Stalin desempenhou na formação da política do PCGB. Paulo, como defensor do controle operário da indústria, também desaprovava o "socialismo de estado" de estilo soviético.

Durante a Segunda Guerra Mundial, ele esteve muito envolvido nas campanhas de ajuda à União Soviética na luta contra a Alemanha nazista. Depois da guerra, ele foi um defensor proeminente do Conselho de Paz de Derby.

Willie Paul morreu em Derby em março de 1958.

O sindicalismo industrial não é apenas um meio de melhorar as condições imediatas de trabalho. Tem um objetivo maior do que isso; visa controlar os meios de produção de riqueza em nome dos trabalhadores. Afirmamos que apenas aqueles que trabalham nas indústrias têm o conhecimento necessário pelo qual essas indústrias podem ser controladas. Somente os trabalhadores industriais conhecem as necessidades e demandas dos processos de produção de riqueza. Afirmamos ainda que o sindicalismo industrial, representando os trabalhadores nas linhas de geração de riqueza, é a única solução democrática para o problema social. O sindicalismo industrial é, portanto, não apenas o melhor meio de travar a luta de classes, mas também o melhor e mais seguro método pelo qual os trabalhadores podem alcançar sua emancipação.

É costume dizer aos trabalhadores assalariados que devem buscar a salvação do Estado. A maior parte do movimento da classe trabalhadora em sua atividade política foi responsável pela defesa do que chamaram de “Socialismo de Estado”. Como sindicalistas industriais, argumentamos que a propriedade do Estado tira todo o controle dos trabalhadores e os deixa à mercê de ministros antipáticos e irresponsáveis. Declaramos repetidamente que é impossível para os funcionários do Estado compreender a natureza dos problemas que surgem nas indústrias, ou apreciar as queixas dos trabalhadores. Os relatórios emitidos pelos Comissários de Desassossego Industrial provam claramente que os burocratas do Estado são incapazes de perceber os problemas que surgem, em todas as oficinas.

Tive uma longa e interessante entrevista com Lenin. Falamos sobre vários aspectos do movimento e, particularmente, sobre o crescimento e o progresso do comunismo na Grã-Bretanha. Lenin havia lido o relatório da Convenção da Unidade Comunista realizada em Londres em agosto passado. Disse que o relato integral dos discursos e resoluções da Convenção mostra que a formação do Partido Comunista marcou uma época na história do movimento revolucionário britânico. O Partido Comunista havia percorrido um longo caminho para unificar os elementos comunistas na Grã-Bretanha, e ele esperava que o Partido, que havia feito tal esforço para alcançar a unidade, ajudasse a Internacional Comunista a fazer do próximo Congresso da Unidade um grande sucesso. Nossa maior fraqueza é a prevalência contínua de facções sectárias na ala esquerda. Esse espírito deve ser esmagado, argumentou ele, a todo custo. Já havia passado o tempo para a existência de corpos estreitos, partidários e doutrinários como o atual S.L.P.

Ele estava muito interessado em meu relato sobre o S.L.P. e sua defesa pioneira na Grã-Bretanha da forma industrial da República Socialista. Disse que nunca soube da existência de um partido na Grã-Bretanha que se recusasse a participar nos vários Congressos da Segunda Internacional antes da guerra. Mas por que, ele perguntou, um partido com tal histórico - um recorde que parecia indicar que ele estava elaborando as teorias dos bolcheviques antes da Revolução de 1917 - deixou de responder às necessidades revolucionárias do movimento recusando-se a participar a convenção de base na qual o Partido Comunista foi lançado? Eu disse que o ponto vital de diferença entre o S.L.P. e o Partido Comunista era a questão da filiação ao Partido Trabalhista. O S.L.P. considerou que qualquer abordagem do Partido Trabalhista era um compromisso de princípios. Aqueles de nós que foram expulsos do SLP, por tentarem garantir a unidade, eram igualmente contra a filiação ao Partido Trabalhista, mas estávamos preparados para ir e iluminar nosso caso no plenário da Convenção da Unidade e acatar o resultado da decisão . Víamos toda a questão da filiação ao Partido Trabalhista como uma questão de tática e não de princípio fundamental. Também consideramos a necessidade da unidade comunista de maior importância do que pontos menores, como filiação trabalhista. Lenin disse que essa era a atitude correta. Mas, disse ele, agora que o Partido Trabalhista rejeitou a candidatura do Partido Comunista, agora que o próprio Partido Trabalhista resolveu o problema que separava o S.L.P. do Partido Comunista seria o S.L.P. aderir ao Partido Comunista? Eu disse que não pensava assim. Tal partido, disse ele, está destinado a desaparecer rapidamente; o movimento não tem tempo nem lugar para tais corpos. Em qualquer caso, a Terceira Internacional, ao organizar uma nova Convenção da Unidade, da qual todos os grupos disciplinados que reivindicam adesão à Internacional Comunista teriam de comparecer, ofereceu uma última chance às várias facções da ala esquerda do movimento britânico de construir um movimento comunista unido.

Lenin então passou a discutir a atitude do Partido Comunista em relação ao Partido Trabalhista em vista das tão comentadas Eleições Gerais que se aproximavam. Suas opiniões sobre o assunto mostraram que ele abomina o tipo de revolucionário que tem uma mente canalizada, ou de uma via única. Lenin considera todas as armas necessárias no conflito com o capitalismo. Para ele, como um bom aluno do velho Dietzgen, cada arma, cada política e cada problema devem ser examinados em termos de suas relações com as necessidades do momento e os meios à nossa disposição. Isso explica por que ele não sai de seu caminho para exaltar uma arma em particular. Ele percebe claramente o valor da ação parlamentar revolucionária, mas também entende suas limitações como um poder construtivo na criação de uma República Industrial Operária. Para Lenin, o teste do verdadeiro comunista revolucionário é saber quando usar uma determinada arma e quando descartá-la.

Falando sobre o Partido Trabalhista, Lenin disse que estava muito feliz em saber que ele se recusou a aceitar o pedido de filiação ao Partido Comunista. Foi uma boa jogada ter se candidatado à filiação, porque a recusa do Partido Trabalhista em aceitar os comunistas em suas fileiras mostrou às massas exatamente onde o Partido Trabalhista se posicionava. Assim, Henderson, sem querer, prestou um grande tributo ao crescente poder do comunismo revolucionário na Grã-Bretanha por temer a presença de comunistas agressivos em sua organização; e o Partido Trabalhista, por sua própria ação, ao rejeitar o Partido Comunista, indicou claramente que havia finalmente um grupo de luta na Grã-Bretanha que havia atraído bons lutadores de massas para suas fileiras. Claro, continuou Lênin, não devemos esquecer que o Partido Comunista, em seu pedido de filiação ao Partido Trabalhista, apresentou com muita franqueza certas condições que lhe teriam dado plena liberdade de ação para conduzir sua própria política à sua maneira. Nunca devemos entrar em negociações com órgãos, como o Partido Trabalhista, sem exigir plena liberdade de ação. A esse respeito, a atitude do Partido Comunista ao solicitar a admissão do Partido Trabalhista às suas fileiras diferia, fundamentalmente, de organizações como o I.L.P. e B.S.P., que aceitou formalmente a constituição e política do Partido Trabalhista. A forte posição assumida pelo Partido Comunista, ao buscar afiliação ao Partido Trabalhista, foi sem dúvida alcançada como resultado do B.S.P. política aguçada pelos elementos militantes expulsos do S.L.P. Era um bom presságio para o futuro que esses dois grupos pudessem se reunir. E foi bom que o ex-S.L.P. os homens, que se opunham tanto à filiação ao Partido Trabalhista, perceberam o valor da disciplina revolucionária recusando-se a dividir o novo partido porque sua posição não havia sido aceita. Da mesma forma, quando o Partido Trabalhista rejeitou o pedido de filiação, foi o B.S.P. elemento que foi testado e se manteve firme. Ter passado por duas provações tão severas e ter mantido a solidariedade da organização foi uma homenagem à seriedade dos camaradas que haviam formado o Partido Comunista.

Em todas as seções moderadas do movimento trabalhista britânico, não se ouve nada além de lamentações pueris a respeito da grande conspiração capitalista para esmagar os trabalhadores industriais organizados. Este é o grito que agora é proferido pelos Srs. Henderson, Clynes, Thomas e as outras “privadas” do trabalhismo moderno. Não negamos que a classe capitalista organizou suas forças para tentar esmagar o movimento sindical; na verdade, nunca ouvimos falar de uma época, na história da sociedade proprietária, em que o objetivo dos proprietários não era tentar subjugar as massas trabalhadoras. Mas não é necessário apenas que a atenção dos trabalhadores se dirija ao ataque decidido que a classe dominante está a fazer sobre eles, e ainda mais importante é que eles saibam da hedionda conspiração dos dirigentes sindicais que mais têm trabalhado. mais devastação entre as massas organizadas do que todos os ataques combinados dos interesses proprietários jamais poderiam ter feito. Afinal, uma ofensiva capitalista sobre as massas sindicais automaticamente reage a elas e instintivamente cria ressentimento, que por sua vez produz táticas defensivas e agressivas. Ninguém pode negar isso. Os mineiros comuns queriam lutar quando Smillie desviou a luta para a trégua de derrota da Comissão Sankey. No ano passado, a luta de massas industrial foi sabotada pela Black Friday. Este ano, 47 sindicatos, liderados por A. Henderson, sofreram uma derrota sem paralelo até mesmo na história das traições sindicais britânicas. A conspiração contra a classe trabalhadora, neste país, não é que ela esteja sendo atacada pela classe capitalista; essa é a condição normal da luta de classes. A verdadeira conspiração contra os sindicatos reside na maldita traição dos próprios líderes sindicais que, desde o armistício, têm sistematicamente e com sucesso minado todas as tentativas instintivas das bases para colocar uma resistência de luta contra a classe empregadora. O destemido espírito de luta das massas era tal que facilmente poderia ter superado a fraqueza inerente dos sindicatos. Mas o que não conseguiu superar foi o poder burocrático dos líderes determinados a evitar uma luta, mesmo às custas de trair seus próprios membros.

O esboço descritivo de John Reed das cenas iniciais da revolução soviética é a história retratada com vivacidade cinematográfica. Depois de ler algumas páginas, parece que nos voltamos para o vórtice da própria revolução. Tão gráfica é a escrita que não se lê página a página; a pessoa vive e se move de um evento para outro.

O autor estava bem equipado para sua tarefa. Enquanto estudante em uma universidade americana, ele jogou sua sorte com os membros revolucionários do I.W.W. Ele era um poeta enraizado nas realidades do mundo por um estudo de Marx. Aqui, de fato, foram misturados os ingredientes ideais para escrever o épico da primeira vitória dos trabalhadores em sua conquista do capitalismo mundial.

O perspicaz John Reed entrou na Rússia em 1917 como correspondente de um jornal americano. Ele foi capaz de ver o caos criado pela guerra e pelo governo czarista. Ele foi confrontado, por todos os lados, pela incompetência desamparada e covarde de Kerensky e seus ministros socialistas de direita. Esses cavalheiros não destruíram o czarismo; ele entrou em colapso internamente devido à sua própria condição pútrida quando as massas o picaram. O que Kerensky e seus associados fizeram foi se recusar a enfrentar qualquer um dos problemas imediatos forçados pela capitulação do czar. Nem a indústria nem a terra foram cuidadas. O governo parecia reduzido àquele estado de perplexidade paralisada que é a condição normal da Segunda Internacional quando confrontada com as tarefas e responsabilidades do governo.

Quando Lenin e os outros líderes comunistas chegaram à Rússia, as massas não estavam favoravelmente dispostas em relação aos bolcheviques. Lênin, com sua política inteligente e direta de sempre forçar as lutas, desmascarou a covardia e a inépcia de Kerensky e dos mencheviques. Cada dia que passava verificava a atitude de Lênin e mostrava, ao mesmo tempo, que Kerensky e seus conselheiros socialistas de direita estavam errados. Como a história estava se movendo rapidamente em alta velocidade, a própria rapidez dos eventos tornou as coisas cada vez mais difíceis para Kerensky e mais fáceis para os comunistas. Assim, as massas se uniram a Lenin.

E o que isso significa? Significou o início da verdadeira batalha pelo poder. Significou o início da maior luta da história - a transferência do poder político do controle dos interesses proprietários para as mãos das massas sem propriedade.

Kerensky e seus amigos socialistas de direita falaram muito alegremente sobre a nacionalização. Eles foram quase tão alegres neste ponto quanto alguns de nossos I.L.P. amigos. E como o I.L.P. eles não haviam elaborado a necessidade da luta pelo poder. Portanto, quando Kerensky recebeu o cargo, ele só poderia realizar, como seu imitador MacDonald, uma política de continuidade capitalista.

Dez dias que abalaram o mundo é o registro da luta dos trabalhadores russos pelo poder. A crise revolucionária durou muito mais do que dez dias. Mas aqueles dias críticos decidiram o destino final dos interesses proprietários russos.

O estudo notável de John Reed é, antes de tudo, uma história; em segundo lugar, é uma história; e em terceiro lugar é uma tese sobre a luta revolucionária. Aqueles que possuíam a cara edição original geralmente a liam três vezes. Alguém o percorre na primeira leitura; depois, na segunda vez, estuda-se para lembrar os marcos importantes no desenvolvimento da revolução soviética. Na terceira leitura, avançamos mais devagar e aprendemos importantes lições que podem ser aplicadas universalmente.


Willie Paul - História

http://www.NewsAndOpinion.com | Os e-mails têm obstruído o sistema, os telefonemas começaram, a Fox News ligou. . É como nos velhos tempos, também conhecidos como os anos Clinton.

Sim, Slick Willie está de volta, não que ele já tenha morrido completamente. Mas desta vez ele foi ressuscitado por seu alter ego, Bill Clinton. Enquanto empurrava suas memórias para "60 Minutes", o filho pródigo de Arkansas mencionou que, de todos os apelidos que adquiriu, é o que menos gosta de Slick Willie.

Eu me enchi de orgulho. E suspirou com a perspectiva de ter que escrever mais uma coluna sobre a história de Slick Willie, passando por sua vida e época, seu nascimento e. aparente imortalidade.

Quando você pensa que Slick Willie pertence à história, ele aparece em "60 Minutes". Ele é como um Golem que você invocou por motivos que pareciam perfeitamente bons na época, mas que se recusa a ir embora quando seu tempo acabar. Mais ou menos como o próprio Bill Clinton.

Desta vez, Slick Willie arrancou fogo do próprio Bill Clinton, que diz que há "uma razão muito boa" para ele não gostar do nome: "Ninguém poderia olhar com justiça para minha vida política e dizer que eu não acreditava em nada".

Mesmo? E que crença política ele não modificaria se sua popularidade dependesse disso? Ele não especificou. Ele raramente o faz. Não seria clintonesco (outro termo que ele inspirou) para ser específico. Se houve uma única constante à qual ele aderiu ao longo de sua carreira política, provavelmente foi a triangulação.

Bill Clinton pode estar confundindo o termo Slick Willie com Fato Vazio. Ambos podem se aplicar no caso dele, mas além do equívoco - no qual ele permanece o mestre - o termo Slick Willie implica duplicidade. É por isso que o usei para descrever sua personalidade política.

Em 1996, uma editora de livros me convenceu a publicar uma coleção de meus editoriais e colunas de Clinton ao longo dos anos. Pesquisei rolo após rolo de microfilme na biblioteca pública de Pine Bluff, Arkansas, para ver quando usei pela primeira vez o termo Slick Willie. Acontece que era 27 de setembro de 1980. Era um editorial do Pine Bluff Commercial inspirado pelo ataque de duas caras que ele fez ao seu oponente governamental naquele ano, Frank White.

Por um lado, Bill Clinton estava tentando se colocar na tradição honrada dos governadores reformadores do Arkansas pós-Faubus quando falou na convenção estadual de seu partido naquele ano - embora ele próprio tivesse abraçado Orval Faubus, literalmente, no início de seu primeiro mandato.

Ele também criticaria Frank White, com razão, por demagogar a questão de como lidar com os refugiados cubanos que chegaram ao Arkansas naquele verão. Então-Gov. Clinton deu as boas-vindas aos refugiados no início, mas em setembro daquele ano ele estava falando mal de Jimmy Carter por enviar os cubanos para Fort Chaffee. Na desonrosa tradição de Orval Faubus, ele ameaçou desafiar todo o Exército dos Estados Unidos se Washington mandasse mais em nosso caminho. Foi tudo muito habilidoso. Daí o apelido de Slick Willie.

Ele pegou. Porque os políticos não recebem apenas apelidos. Eles os ganham. Em algum ponto, um apelido atrai a imaginação do público com um clique quase audível - Old Hickory, The Rail Splitter, Tricky Dick, The Great Communicator. e, claro, Slick Willie.

Slick Willie teve um longo período de incubação. Já em 1979, eu ainda estava testando apelidos para o novo governador do estado. Mais jogado em sua juventude - Kid Clinton, Boy Governor, Young Smoothie - pois ele era o mais jovem governador da União na época. Mas nada funcionou até Slick Willie, que se tornaria nacional quando Bill Clinton o fez em 1992.

A essa altura, já me vi creditado por cunhar o apelido de Slick Willie com tanta frequência que espero que seja anotado em minha lápide. (Eu deveria saber que Marido e Pai Devotados era esperar demais.) Gerações de bancos de dados daqui sem dúvida conterão a entrada, "Slick Willie - Apelido dado ao 42º presidente dos EUA pelo obscuro editor do jornal Ark."

Mas a história nunca é simples, nem a história de Slick Willie. Apresso-me a acrescentar que um escritor de cartas ao velho Arkansas Democrat - Sr. J.L. Crosser de Calico Rock, Ark. - usou a frase algum tempo antes em 1980. E não havia também um bar e churrasqueira, talvez combinado com um salão de sinuca, chamado Slick Willy's por perto na mesma época?

Tudo o que sei é que, quase um quarto de século atrás, nas profundezas do mais escuro Arkansas em Pine Bluff, eu estava felizmente alheio a todos aqueles outros Slick Willies. Eu estava me divertindo muito inventando apelidos para o nosso jovem governador, mal suspeitando que um dia ele se tornaria nosso jovem presidente.

Então, quem realmente criou Slick Willie? Isso é fácil: Bill Clinton.

Todos os dias da semana, o JewishWorldReview.com publica o que muitos em Washington e na mídia consideram "leitura obrigatória". Inscreva-se para a atualização diária do JWR. É grátis. Clique aqui.


O contribuidor da JWR Paul Greenberg, editor da página editorial do Arkansas Democrat-Gazette, ganhou o Prêmio Pulitzer por redação editorial. Envie seus comentários clicando aqui.


Willie Nelson nasceu como Willie Hugh Nelson no dia 29 de abril de 1993 em Abbott, Texas, filho de Ira Doyle Nelson e Myrle Marie-Greenhaw. Eles são de etnia anglo-escocesa. Seu pai, Late. Ira era mecânico.

Ele tem uma irmã, Bobbie. Ela é uma pianista.

Histórico familiar

Sua mãe, Myrle deixou a família logo após seu nascimento. Seu pai, Ira, se casou novamente. Mais tarde, ele deixou ele e sua irmã. Willie e sua irmã, Bobbie, foram criadas juntas pelos avós. Eles ensinaram os irmãos a tocar violão. Seu avô trouxe uma guitarra aos seis anos e lhe ensinou alguns acordes.

Aos nove anos, Nelson tocava guitarra na banda local Bohemian Polka. Além disso, ele colhia algodão e criava porcos para viver.


A história das faltas profissionais: de Willie Young a Federico Valverde

Willie Young derruba Paul Allen na final da FA Cup em 1980 e Federico Valverde faz o mesmo com Álvaro Morata na Supercopa de Jeddah. Composto: Alan Cozzi / Offside Francois Nel / Getty Images

Willie Young derruba Paul Allen na final da FA Cup em 1980 e Federico Valverde faz o mesmo com Álvaro Morata na Supercopa de Jeddah. Composto: Alan Cozzi / Offside Francois Nel / Getty Images

Última modificação em Ter 14 de janeiro de 2020 às 17.41 GMT

Q uando o atacante do Atlético de Madrid, Álvaro Morata, avançou à baliza a poucos minutos do final da Supercopa espanhola, o meio-campista do Real Madrid Federico Valverde sabia o que tinha que fazer. O futebol muda constantemente, mas sempre há espaço para a merda clássica. “Foi algo que eu não deveria ter feito”, disse Valverde. “Pedi desculpas a Morata, mas foi a única coisa que pude fazer porque ele é um jogador muito rápido.”

O tackle de Valverde pode não ter sido no espírito de jogo limpo, mas funcionou bem para sua equipe. Ele foi expulso imediatamente, mas, ao tirar Morata, ajudou seus companheiros a permanecerem em jogo e jogarem nos pênaltis. O Real Madrid venceu a disputa de pênaltis e o Atlético ficou se perguntando o que poderia ter sido. Não que seu gerente culpasse Valverde. “Eu disse a ele que ele fez o que tinha que fazer naquele momento”, disse Diego Simeone após o jogo.

O desafio de Valverde trouxe à mente uma falta igualmente cínica cometida há 40 anos em uma final da Copa da Inglaterra. Esse desarme negou a um jovem jogador a chance de marcar um gol famoso em Wembley e também levou a uma mudança nas leis do jogo que ainda existem.

A final da FA Cup de 1980 não ia sair do roteiro. O West Ham, que estava na segunda divisão na época, havia assumido a liderança com um raro cabeceamento de Trevor Brooking e o Arsenal - que venceu o Liverpool depois de quatro partidas exaustivas nas semifinais - simplesmente ficou sem ideias . Então veio a chance de o West Ham encerrar o jogo e adicionar um último fator de bem-estar à trama.

Enquanto um exausto time do Arsenal - jogando sua 67ª partida da temporada - lutava por um empate improvável, o meio-campista do West Ham, Paul Allen, de 17 anos, se viu apurado no gol com apenas Pat Jennings para vencer. Allen, o jogador mais jovem a ter disputado a final da FA Cup na época, estava prestes a completar seu conto de fadas do futebol. No entanto, Willie Young tinha outras idéias.

Young formou uma ótima parceria com David O'Leary no Arsenal, mas seria justo descrever o escocês como um zagueiro intransigente. E, enquanto Allen corria em direção ao gol do Arsenal aos 87 minutos, Young optou por demonstrar sua abordagem ao jogo.

“Paul foi colocado, cerca de 20 metros fora da caixa”, lembrou Young no belo livro de Jon Spurling, Rebels for the Cause. “Eu tive uma fração de segundo para me decidir. Ou ele provavelmente teria marcado, ou eu tive a chance de pelo menos nos segurar com um grito. Então pensei: ‘Filho, você tem que ir’. Eu era um defensor e defendia. Não foi uma falta brutal. Eu apenas bati o pé dele e ele caiu. Paul foi muito bom quanto a isso e disse: ‘Eu teria feito o mesmo, grande homem’. Nunca perdi o sono por causa disso ”.

O torcedor do Arsenal, Nick Hornby, escreveu em Fever Pitch que, embora tenha ficado envergonhado com o tackle enquanto estava nos terraços de Wembley, “parte de mim realmente gostou da falta”. “Foi tão cômico, parodicamente Arsenalesco. Quem mais, a não ser um zagueiro do Arsenal, teria derrubado um minúsculo membro de 17 anos da academia? ”

Enquanto as leis do jogo obrigavam o árbitro a dispensar Valverde na noite de domingo, tal punição não existia em 1980. O árbitro em Wembley, George Courtney, meramente marcou um livre para o West Ham e um cartão amarelo para Young. Ao fazer isso, ele abriu um debate nacional. A punição branda deu crédito à ideia de que o futebol precisava de uma lei profissional contra a falta.

Embora a maioria das reportagens dos jornais se concentrasse na vitória do West Ham e no raro gol de cabeça de Brooking, todas elas mencionaram o desafio de Young. Alguns o apoiaram, argumentando que a culpa era da lei e não do defensor. Outros chamaram o sujo de grosseiro, insensível e cínico. Jeff Powell disse que isso criou uma “memória amarga” para o mundo que assistia. “Contanto que as faltas profissionais valham a pena, elas serão cometidas”, observou a seção de comentários do Mail.

David Lacey escreveu no Guardian: “A Associação de Futebol pode considerar que vale a pena informar os árbitros sobre seu total apoio, caso decidam na próxima temporada dispensar aqueles que cometeram tais faltas cínicas e sórdidas, para as quais cartões amarelos e cobranças de falta são punições inadequadas”.

Quando a Football League posteriormente nomeou um comitê para considerar maneiras de tornar o futebol mais divertido - com Jimmy Hill presidindo a discussão e Matt Busby e Bobby Charlton pedindo suas opiniões - eles sugeriram que os jogadores que cometessem faltas profissionais fossem expulsos. A lei foi introduzida dois anos depois. The change was obviously made to deter calculating defenders but, as Valverde showed, there is still room in the sport for pure cynicism. At least he ended up on the winning team. Young didn’t even have that consolation.


Appraisal Details

Understanding Our Appraisals

Executive producer Marsha Bemko shares her tips for getting the most out of ANTIQUES ROADSHOW.

Value can change: The value of an item is dependent upon many things, including the condition of the object itself, trends in the market for that kind of object, and the location where the item will be sold. These are just some of the reasons why the answer to the question "What's it worth?" is so often "It depends."

Note the date: Take note of the date the appraisal was recorded. This information appears in the upper left corner of the page, with the label "Appraised On." Values change over time according to market forces, so the current value of the item could be higher, lower, or the same as when our expert first appraised it.

Context is key: Listen carefully. Most of our experts will give appraisal values in context. For example, you'll often hear them say what an item is worth "at auction," or "retail," or "for insurance purposes" (replacement value). Retail prices are different from wholesale prices. Often an auctioneer will talk about what she knows best: the auction market. A shop owner will usually talk about what he knows best: the retail price he'd place on the object in his shop. And though there are no hard and fast rules, an object's auction price can often be half its retail value yet for other objects, an auction price could be higher than retail. As a rule, however, retail and insurance/replacement values are about the same.

Verbal approximations: The values given by the experts on ANTIQUES ROADSHOW are considered "verbal approximations of value." Technically, an "appraisal" is a legal document, generally for insurance purposes, written by a qualified expert and paid for by the owner of the item. An appraisal usually involves an extensive amount of research to establish authenticity, provenance, composition, method of construction, and other important attributes of a particular object.

Opinion of value: As with all appraisals, the verbal approximations of value given at ROADSHOW events are our experts' opinions formed from their knowledge of antiques and collectibles, market trends, and other factors. Although our valuations are based on research and experience, opinions can, and sometimes do, vary among experts.

Appraiser affiliations: Finally, the affiliation of the appraiser may have changed since the appraisal was recorded. To see current contact information for an appraiser in the ROADSHOW Archive, click on the link below the appraiser's picture. Our Appraiser Index also contains a complete list of active ROADSHOW appraisers and their contact details and biographies.


In September 2018, Randy Edwards was pronounced dead after a fatal car accident.

According to state police, Randy&aposs car struck a pole, which caused the Chevrolet Silverado to flip. He was then ejected from the vehicle and his injuries were fatal. At the time, a statement was posted on Willie and Juniors shared Facebook page from cast member Ronnie Adams. 

"It is in deep sadness that I make this post. Junior and Theresa&aposs son, Willie&aposs brother, Randy passed away in a vehicle accident early this morning. Randy was 35. Please keep the Edwards family in your prayers and also please respect their privacy at this time."  


&aposShotgun Willie&apos and &aposPhases and Stages&apos

Back on his home turf, Nelson also resumed his recording efforts, but in his own style and on his own terms. Soon, that unique approach won the long-haired, bandanna-wearing performer a devoted following. Released in 1973, Shotgun Willie is considered by many to be one of his best albums, showcasing his abilities as a singer, storyteller and performer, despite the fact that it did not chart well. The same would be true of 1974’s Phases and Stages.


Hollywood connections

In the 1930s, Moretti became friends with then unknown singer Frank Sinatra. Sinatra's first wife, Nancy Barbato, was a paternal cousin of John Barbato, a Moretti associate. Moretti helped Sinatra get bookings in New Jersey clubs in return for kickbacks. Finally, in 1939, Sinatra signed a recording contract with band leader Tommy Dorsey. However, by the early 1940's, Sinatra had achieved national popularity and wanted to sign a more lucrative recording contract, but Dorsey refused to release him from their existing contract. Sinatra asked Moretti for help. In a meeting with Dorsey, Moretti jammed a gun barrel down his throat and threatened to kill Dorsey if he did not release Sinatra. Dorsey eventually sold the contract to Sinatra for one dollar. & # 913 & # 93

In the late 1940s, Moretti become acquainted with comedians Dean Martin and Jerry Lewis while they were performing at Bill Miller's Riviera nightclub in Fort Lee, New Jersey. In earlier years, Moretti and Abner "Longy" Zwillman were watching the club's cardroom when it was previously owned by Ben Marden. In 1947, Martin, Lewis, Sinatra, and comedian Milton Berle all performed at the wedding reception of Moretti's daughter.


How long can the guitar stay together?

There are instruments older than Trigger, but few guitars have logged as many playing hours in a lifetime, and Nelson plays hard. This type of acoustic guitar wasn’t intended to be played with a pick — and the wear shows on the top — but Trigger is also a testament to just how durable a fine guitar can be.

By now the frets are worn down, the top is covered in cuts and autographs, and despite several repairs there is a large hole through the front of the guitar. Trigger sees a guitar technician at least twice a year, and despite everything the instrument has been through it has no major cracks, the back is whole, and the headstock has never been broken.

All this wear has shaped the timbre into something unique – Trigger is an instrument that sounds like no other.

Nelson has said in interviews that he thinks they’ll give out at about the same time. The only time they’ve been apart was when the IRS went after Nelson’s possessions and Trigger had to hide away in Hawaii until the dust cleared.


Willie Paul - History

HISTORY MATTERS

Some topics are born into trouble. You'll see what I mean in a moment. This week, for example, I got a letter from a reader in North Carolina who upbraided me for daring to suggest that the Portsmouth Powder Alarm of 1774 was the first armed conflict of the American Revolution. That's how this all got started. (Continued below)

Hey, it wasn't my idea. Locals have been making that claim for two centuries. Today a number of important historians with impressive credentials agree. Shots were fired at Fort William & Mary, gunpowder was stolen, and the King's flag was torn down four months before the battles at Lexington and Concord.

Not so, according to my North Carolina reader. The first armed insurrection against the King was the Battle of Alamance in North Carolina on Mary 16, 1771. A stone marker erected there in 1880 declares that Alamance was the "First Battle of the Revolution." But the longer I study history, the less I trust old stone markers and bronze plaques. So I googled it. Modern historians generally disagree.

Alamance was clearly a grassroots uprising by discontented farmers called "Regulators." They fought bravely against the superior militia of the royal governor of North Carolina. But their beef was with local sheriffs and tax collectors, not with the King of England. The Regulators showed that many American colonists were discontented and willing to take up arms against authority. But they did not espouse a new form of government or combine organized forces to establish a new nation.

Who was Willie Jones?

I'm not picking on North Carolina, but while we're on the topic of Revolutionary War legends, I must tackle Willie Jones. This story has been bugging me for years. Willie (pronounced Wyley) was a radical leader during the run-up to the American Revolution in 1774 and 1775. Think of him as the Samuel Adams or Patrick Henry of North Carolina. Willie and his brother Allen were wealthy slave-holding aristocrats who reportedly befriended a young Scottish sailor named John Paul around 1773. John Paul was reportedly a long-lost cousin of Willie Jones. According to one version of the story, Paul Jones hung out with the Jones brothers in their mansion at "The Grove" for two years. Living with the families of these cultured men and women, the story goes, John Paul was transformed "from the rough and reckless mariner into the polished man of society."

As the Revolution approached, the Jones brothers reportedly pulled a few strings and helped young John Paul get his first job with the Continental Navy -- and a great career was launched. In appreciation for their guidance while staying at "The Grove" in Halifax, NC, the young captain, family legend claims, officially changed his name to John Paul Jones.

The story neatly fills in the "lost years" in the life of John Paul Jones who disappears from the record books in the West Indies in 1773 and reappears on the radar in Philadelphia almost two years later as captain of the ship Alfred. He arrived in Portsmouth, NH to captain the Ranger in 1777 and sailed from here into the history books by attacking the British in their own waters. We know that young John Paul was captain of the merchant ship Betsy before he came to America. He was accused of murdering one of his crewman and bound over for trial at Tobago in 1773. Rather than wait for his trial, he took off for Fredericksburg, Virginia, historians believe, where his elder brother William Paul, a tobacco farmer, had recently died. The next 20 months are a matter of speculation.


Assista o vídeo: WILLY PAUL X KLONS MELODY - ODI LOVE official video