John Knox

John Knox


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


John Knox

A nova biografia de Jane Dawson do reformador escocês John Knox é intitulada simplesmente John Knox. A evasão de uma legenda é uma indicação da ambição de uma obra que já foi aclamada como definitiva. Esta é uma biografia de todo o homem, não uma faceta de sua vida ou pensamento. A imagem da capa de Knox é de uma pintura a óleo de propriedade da Universidade de Edimburgo que, após limpeza e restauração, é considerada a primeira imagem sobrevivente do reformador. Da mesma forma, o próprio livro oferece uma reavaliação de um rosto familiar baseado em parte em fontes primárias recém-descobertas e anteriormente indisponíveis. Esta biografia será, sem dúvida, o trabalho padrão em Knox por muitos anos.

Em sua introdução, Dawson reconstrói o batismo do primeiro filho de Knox, Nathaniel, em Genebra, em 23 de maio de 1557. Ela usa essa vinheta para destacar aspectos-chave do pensamento de Knox, para apresentar personagens importantes e, finalmente, para expor seu desafio à visão tradicional de Knox como uma figura estrita, misógina e paroquial. O livro é em grande parte cronológico: começa com um batismo e termina com uma morte. No entanto, Dawson expõe suas preocupações temáticas desde o início e as tece nesta narrativa com considerável habilidade. Por exemplo, ela identifica a repulsa de Knox pelo que ele via como o embelezamento da adoração com invenções antibíblicas como central para sua paixão pela reforma. Nos capítulos iniciais, Dawson contrasta a simplicidade austera do batismo de seu filho com o próprio batismo de Knox na Igreja Católica, que foi uma "cerimônia elaborada e altamente visual" (p. 12). O último foi o mundo em que Knox nasceu e o primeiro foi o mundo que ele ajudou a criar.

Dada a falta de fontes sobre sua juventude, a narrativa aqui é marcada por usos frequentes da palavra "provavelmente" e outras qualificações. Dawson aproveita a oportunidade para pintar um quadro do meio religioso, cultural e institucional da Escócia no início do século XVI. O país ainda estava marcado pelo trauma de Flodden, temeroso de novas invasões inglesas e politicamente volátil. Neste tempo de incerteza, a Igreja da Escócia representou um ponto de estabilidade e Dawson está certo em enfatizar, apesar do prenúncio inerente a tal biografia, que ninguém previu as convulsões da Reforma.

Knox estudou em St Andrews com o grande professor escolástico John Mair, ou Major, e foi aqui que desenvolveu o amor pela linguagem, retórica e debate pugilístico. As metáforas do boxe percorrem a biografia e reforçam a visão de Knox como uma espécie de agressor, pelo menos quando se tratava de falar em público. Dawson nos lembra que, em um mundo semianalfabeto, o comando da palavra falada era uma ferramenta poderosa (p. 18). Foi "porque ele podia despertar grande emoção em seus ouvintes e ... suas palavras podiam levar as pessoas à ação" que Knox se tornou uma figura histórica significativa (p. 18). É importante que o historiador se lembre disso, absorvido como frequentemente estamos no mundo da palavra escrita. A diferença entre um tratado político erudito, lido por poucos, e um discurso ou sermão apaixonado que inspira muitos à ação é crucial. Para esclarecer esse ponto, Dawson faz comparações entre as habilidades oratórias de Knox e as de Winston Churchill e Martin Luther King Jr. (pp. 183, 317).

O esboço da infância de Knox que Dawson desenha é convencional. Como ela diz: "Por mais que tenha rejeitado isso mais tarde, Knox deveu seu início de carreira inteiramente à Igreja do final da Idade Média, e ele era um homem da Igreja por completo" (p. 21). É frustrante, embora obviamente não seja culpa de Dawson, que os registros da infância de Knox sejam tão esparsos. Sua conversão de um padre católico a um pregador protestante é, apesar dos melhores esforços de Dawson, difícil de rastrear ou explicar e sua infância permanece em grande parte opaca. Dawson aponta 1543 como o ano em que Knox começou a manter algumas crenças protestantes, o mesmo ano em que o conde de Arran se aliou à Inglaterra e procurou introduzir uma reforma limitada da igreja (p. 23). Isso incluiu o envio de pregadores para viajar pelo país e foi por meio desses sermões que Knox passou a adotar a doutrina da salvação pela fé somente. Dawson vê isso como o primeiro estágio nas três etapas de transição de Knox de padre católico para pregador protestante. A segunda etapa foi encontrar o pregador George Wishart em 1545 (pp. 28–37), e a etapa final foi seu chamado para ser um ministro enquanto no castelo de St Andrews sitiado em 1547 (pp. 38–52)

Trabalhando com uma base de fontes relativamente estreita, Dawson é obrigada a especular em alguns pontos, mas ela sempre tem o cuidado de qualificar tais comentários e não há dúvida de que eles são baseados em estudos excelentes. A leitura atenta de eventos e palavras de Dawson é esclarecedora. Por exemplo, ela sugere que o 'acréscimo incomum à assinatura notarial da frase, “uma testemunha fiel por meio de Cristo a quem seja a glória, amém” pode ser uma sugestão inicial de uma mudança nas crenças de Knox' (pp. 22-3 ) Sobre a decisão de Knox de agir como "guarda de segurança" de Wishart e carregar uma claymore, ela observa que ele "também estava explicitando sua própria mudança de status porque os sacerdotes não deveriam portar armas ou derramar sangue" (p. 29). Essas e outras percepções dão corpo e vida à narrativa. É sempre um prazer ler um trabalho acadêmico bem escrito, e Dawson é um autor confiante, mas charmosamente modesto. Sua prosa é vívida, precisa e bem-humorada e ela usa metáforas com moderação e eficácia.

A ênfase dela na vida familiar de Knox e seus relacionamentos pessoais próximos certamente ajudam a suavizar a imagem popular do homem. No entanto, ela nunca nega que ele também era um fanático. Knox, ela escreve, 'sempre precisou estar em um ou outro lado de uma cerca e nunca se sentiu confortável com áreas cinzentas', ele favoreceu escolhas em preto e branco e 'ficou mais feliz vendo o mundo em polaridades cristalinas e prosperou em contrastes inconfundíveis ”(pp. 29, 31, 32). No entanto, Dawson perceptivelmente observa uma tensão em seu pensamento entre o povo de Deus, amplamente concebido, e os pequenos grupos de crentes comprometidos com os quais ele se sentia mais confortável. Este é um reflexo, sem dúvida, da tensão dentro da própria teologia da aliança. Roger Williams, o polêmico religioso do século 17, questionou a legitimidade da mudança de um pacto de graça com os eleitos para um pacto político com toda a nação. Esse problema parecia incomodar Knox em um nível pessoal, mas ele não parece ter articulado uma resposta a ele.

É uma tentação constante para o historiador fazer ligações entre o passado e o presente. Quando isso não é anacrônico, é uma busca que vale a pena, embora onerosa. Dawson faz conexões sutis, como quando ela observa que a paróquia de Knox perdeu sua igreja durante os Rough Wooings e não recuperou uma até 1973 (pp. 15-16), que a estrada que ele viajou através dos planaltos do sul em 1555-156 é hoje a A71 (p. 115), e o túmulo de Knox fica sob o estacionamento fora do Court of Session em Edimburgo (p. 311). Esses lados fornecem uma base física mais firme para a narrativa e gentilmente estimulam o leitor a pensar mais profundamente sobre as pontes entre o mundo de Knox e o nosso.

Na Escócia politicamente febril de hoje, animada por um referendo sobre a independência do Reino Unido e a probabilidade de outro no futuro, é tentador para alguns recorrer às figuras mitificadas do passado da Escócia para fins políticos atuais. Knox é um personagem problemático a esse respeito. Ele era, como Dawson escreveu em outra obra, um escocês que na década após 1548 "perseguiu sua carreira quase exclusivamente em um contexto inglês, casou-se com uma mulher inglesa e adquiriu um sotaque notavelmente inglês e um estilo literário híbrido anglo-escocês". (1) A Bíblia vernácula que Knox leu estava em inglês, uma vez que não existia nenhuma versão escocesa ou gaélica, e foi da Inglaterra que as obras antipapais foram importadas (pp. 25-26). O ponto forte do argumento de Dawson é que Knox não era uma figura paroquial escocesa, mas um homem de importância internacional profundamente moldado pela experiência de vários exilados.

É claro que Knox pensava tanto em termos internacionais quanto nacionais. A "estratégia anglo-escocesa" que, argumenta Dawson, Knox e seus amigos planejaram em Genebra tinha a unidade protestante entre a Inglaterra e a Escócia em seu núcleo. Embora profundamente religiosa em motivação e concebida dentro de uma estrutura apocalíptica, essa estratégia também era política. Era claramente do interesse dos ingleses impedir que a Escócia ficasse sob o controle da França, e a verdadeira religião em qualquer um dos países nunca estaria totalmente segura, a menos que ambos fossem reformados. É irônico, então, que foi em parte devido aos escritos radicais de Knox que a igreja elizabetana se afastaria de Genebra e Calvino em direção a Zurique e Bullinger. É de se perguntar como as coisas poderiam ter sido diferentes se a retórica revolucionária de Knox e Christopher Goodman não tivesse contaminado a percepção da igreja de Genebra na Inglaterra. O desejo de uniformidade religiosa, tanto por razões religiosas quanto políticas, seria certamente um dos principais temas das Guerras dos Três Reinos, e Dawson postula que foi em parte devido a Knox que a Inglaterra e a Escócia seguiram caminhos religiosos diferentes .

É a relação entre Knox e o protestante radical inglês Christopher Goodman, e não entre Knox e sua primeira esposa Marjorie, que dá à biografia seu núcleo pessoal. Tornar-se marido e chefe de família, sem dúvida, "alterou o padrão de sua vida e a forma como ele via o mundo", como Dawson argumenta, mas ela não fornece muitos detalhes sobre o último ponto (p. 121). Dawson retrata Knox inicialmente como quase o sócio sênior em seu relacionamento com Goodman. Ele "convenceu Goodman de sua abordagem de adoração", e Goodman "também aceitou a análise de Knox sobre as falhas da Igreja Eduardiana e adotou a versão profética e apocalíptica escocesa da história inglesa recente" (pp. 106-7). No entanto, a relação era claramente simbiótica: Goodman mudou a opinião de Knox também, e Knox emprestou sua visão das obrigações do pacto (pp. 138, 157). Ela está, sem dúvida, certa ao dizer que a "pressão apocalíptica" sentida por Knox e Goodman contribuiu para sua retórica revolucionária (p. 146). Knox era, no entanto, mais um homem de palavras do que de ação, embora sua retórica inspirasse atos radicais.

Um dos objetivos declarados de Dawson é corrigir a visão de Knox como um misógino irredimível. No entanto, sua contextualização e interpretação de O primeiro toque da trombeta contra o Monstruoso Regimento Feminino faz pouco para dissipar essa visão do escocês (pp. 140-6). Em vez disso, Dawson conta com os muitos relacionamentos íntimos de Knox com mulheres para suavizar sua imagem. Não é um empreendimento totalmente bem-sucedido, e algumas vezes parece que Dawson está tentando um pouco demais defender seu assunto. Knox claramente não odiava as mulheres, mas é igualmente claro que as via como inferiores aos homens. Sem dúvida, não cabe ao biógrafo tentar reconciliar as contradições e hipocrisias de seu tema. Dawson habilmente destaca a tensão entre as relações pessoais privadas de Knox e suas obras políticas públicas, mas ela não explora esse dualismo em grande profundidade. Em defesa de Dawson, é claro que é importante lembrar que nossos próprios padrões não devem ser aplicados de forma anacrônica às sociedades do passado e as aparentes contradições na visão de Knox sobre as mulheres eram improváveis ​​de serem vistas como tal no século 16. As opiniões de Knox podem ser intragáveis ​​para os leitores modernos, mas eram comuns em sua própria época.

É difícil encontrar falhas neste livro. Existem caminhos que não foram explorados e ideias apenas sugeridas, mas isso é de se esperar em uma biografia. Certamente há muitas sugestões para outros historiadores aprenderem e desenvolverem. Um pequeno ponto de crítica é que os títulos dos capítulos, embora evocativos, também são esotéricos e não oferecem ao leitor uma visão geral clara da estrutura do livro. No entanto, cada título é baseado em uma citação contemporânea pertinente que é explicada no capítulo. O índice, por outro lado, é incomumente extenso, com subseções temáticas úteis sobre, por exemplo, "Escritos", "Personalidade" e "Pensamento político". Dois mapas são fornecidos, juntamente com uma seleção de imagens e um guia para leituras adicionais, divididos por capítulo. A única coisa que falta é uma linha do tempo, o que teria sido útil, dados os ocasionais saltos cronológicos que Dawson dá, sobretudo porque esta edição se dirige claramente a um amplo mercado. No entanto, cada capítulo começa de forma útil com um resumo conciso destacando os principais temas e dando o contexto histórico.

A abordagem cronológica, embora acessível, tem seus pontos fracos. A discussão da teologia de Knox é limitada a uma breve seção no capítulo final, por exemplo. Também teria sido benéfico dar uma visão geral da historiografia em torno de Knox e uma reavaliação de seu lugar na história e na cultura escocesa. A biografia de John Coffey de outro zeloso escocês, Samuel Rutherford, é um bom exemplo desse tipo de biografia. (2) Dawson John Knox pode ser visto como um ponto de partida ideal, acessível ao público em geral, oferecendo insights, profundidade e nuances suficientes para envolver o leitor acadêmico também. Os temas e ideias tocados em sua biografia são, obviamente, desenvolvidos de forma mais completa em muitos outros artigos e capítulos de Dawson sobre Knox. A biografia de Dawson é um estudo mais simpático, embora de forma alguma acrítico, de John Knox. Assim como o retrato na capa do livro, a limpeza suave e o trabalho restaurador nos levaram a olhar para o homem de novo.


John Knox

John Knox (c. 1510 - 24 de novembro de 1572) foi o homem que trouxe a Reforma Protestante para a Escócia. Ele foi um dos fundadores da Igreja Presbiteriana. Knox se juntou ao movimento para mudar a Igreja Católica Romana na Escócia. Ele se casou duas vezes, teve cinco filhos e continuou a pregar até morrer.

Uma luta de longa data entre a França católica e a Inglaterra protestante pela Escócia começou novamente por causa da Reforma. À medida que a discussão ficava mais acalorada, às vezes a França tinha o poder, às vezes a Inglaterra. Knox passou muitos meses como escravo de galera e também passou um tempo no exílio por causa de suas crenças protestantes. Durante uma visita de retorno à sua terra natal, a pregação de Knox ajudou o movimento protestante. Vários nobres protestantes se reuniram e formaram um grupo chamado Senhores da Congregação. Quando o grupo teve mais poder, eles convidaram Knox de volta à Escócia para ficar.

Durante 1500 e 1561, o Parlamento escocês aceitou a confissão de fé reformada feita por Knox e outras pessoas. Knox discutiu muitas vezes com Maria, Rainha dos Escoceses. No livro dele História da Reforma na Escócia ele escreve sobre suas cinco "conversas" com a rainha católica romana. Em uma dessas conversas, Mary perguntou a Knox que direito ele tinha de repreender a rainha tão direta e abertamente. Knox respondeu: ". Eu sou um verme desta terra, e ainda um súdito. Mas eu sou um vigia, tanto sobre o reino (terra) quanto sobre a Kirk [Igreja] de Deus. Por essa razão, estou preso na consciência (ela é meu dever) tocar a trombeta publicamente (abertamente) ". A vida violenta de Maria finalmente fez até mesmo seus ajudantes católicos perderem o apoio. Ela desistiu do trono. Então, Knox foi capaz de fazer a igreja protestante na Escócia. Por causa dele, a igreja presbiteriana foi feita.


John Knox morreu - neste dia na história da Escócia

John Knox, um líder da Reforma Escocesa, morreu em 24 de novembro de 1572 em Edimburgo. Knox foi um clérigo erudito que foi influenciado por João Calvino na Suíça e inspirado a trazer reformas religiosas para a Escócia.

John Knox, um líder da Reforma Escocesa, morreu em 24 de novembro de 1572 em Edimburgo. Knox foi um clérigo erudito que foi influenciado por João Calvino na Suíça e inspirado a trazer reformas religiosas para a Escócia.

A Reforma Escocesa começou depois que Knox pregou um sermão inflamado na igreja de São João Batista em Perth, após o qual uma multidão começou a se rebelar e saquear as igrejas e conventos circundantes. Em 1560, Knox e seus conselheiros redigiram uma nova Confissão de Fé, que foi seguida por atos do parlamento proibindo a celebração da missa na Escócia e abolindo a adesão ao Papa.

Knox passou seus últimos anos em Edimburgo e, aos cinquenta anos (em 1564), causou polêmica ao se casar com Margaret Stewart, de dezessete anos, com quem teve três filhas. Ele pregou até seus últimos dias e morreu enquanto ouvia leituras bíblicas de seus amigos e esposa.


John Knox: Você sabia?

JOHN KNOX É FAMOSO por sua pregação: com ela ele instigou uma revolução religiosa na Escócia, e quando os protestantes ficaram abatidos na luta, sua pregação os levou à vitória. Ainda assim, das centenas de sermões que ele pregou, apenas dois foram publicados.

No início dos anos 1500, na Escócia, a Igreja Católica possuía mais da metade dos imóveis e acumulava uma renda anual quase 18 vezes maior que a da coroa.

Bispos e padres na Escócia pré-Reformada eram freqüentemente nomeados por suas conexões políticas, e muitos exibiam morais horríveis: o Arcebispo de St. Andrews, Cardeal Beaton, abertamente consorciado com concubinas e gerou dez filhos.

Knox já foi condenado a trabalho escravo, remando em uma galera francesa. Knox mais tarde falou sobre o “tormento. nas galés, o que trouxe soluços em meu coração. ” Durante aqueles 19 meses, ele contraiu uma infecção renal e úlceras estomacais, doenças que o incomodaram pelo resto de sua vida.

Durante o exílio em Genebra, Knox trabalhou brevemente com Miles Coverdale na tradução para o inglês chamada Bíblia de Genebra.

Os reformadores escoceses proibiram a celebração dos dias dos santos e até mesmo o Natal. Eles acreditavam que apenas o Dia do Senhor deveria ser observado.

Uma das maneiras mais importantes pelas quais a fé da Reforma se espalhou pela Escócia foi por meio de “Privy Kirks”, pequenos grupos que se reuniam para orar e estudar a Bíblia.

O Primeiro Livro da Disciplina, um esboço do governo para a igreja escocesa reformada com coautoria de Knox, propunha que todas as crianças escocesas recebessem educação primária e secundária - uma ideia séculos à frente de seu tempo.

Quando um líder protestante exortou Knox a começar a pregar, Knox ficou assustado e chorou abertamente em confusão.

Durante o tempestuoso ano de 1559, quando a revolução religiosa varreu a Escócia, Knox escreveu que só conseguia dormir cerca de quatro horas por noite. Ele também pediu a um amigo que arranjasse um cavalo para ele usar: “Pois uma grande vigilância está posta para minha apreensão, e muito dinheiro prometido [a] qualquer que me matar.”

Não sabemos os detalhes da conversão de Knox ao protestantismo. No entanto, em seu leito de morte, ele pediu à esposa que lesse para ele João 18, descrevendo-o como a passagem “onde lancei minha âncora pela primeira vez”.

Anos depois da morte de sua primeira esposa, Knox, de 50 anos, casou-se novamente. Sua noiva? Margaret Stewart, de dezessete anos, uma parente distante de Mary Queen of Scots - sua principal antagonista.

Em seus sermões, Knox costumava passar meia hora exegetando calmamente uma passagem bíblica. Então, ao aplicar o texto à situação escocesa, ele se tornava “ativo e vigoroso” e batia violentamente no púlpito. Disse um anotador: “Ele me fez crescer [tremer] e tremer, que não pude segurar a caneta para escrever”.

A Rainha Maria certa vez implorou a Knox para impedir os protestantes de empunharem a espada contra os padres católicos. Knox respondeu: "A espada da justiça é de Deus, e se os príncipes e governantes deixarem de usá-la, outros podem."

Até este século, quando uma estátua de Knox foi erguida em Edimburgo, não havia nenhum memorial dedicado a Knox na Escócia. Ainda hoje o local onde está enterrado é coberto por um estacionamento.

A participação na Igreja Reformada Escocesa tornou-se obrigatória para os protestantes.

Certa vez, um aspirante a assassino disparou contra uma janela onde Knox costumava sentar-se de costas para a rua. A bala passou pela cadeira e atingiu um lustre, mas não Knox, que nesta ocasião optou por se sentar em outra cadeira.

Knox plantou as sementes do sistema presbiteriano de governo da igreja. Hoje, sua progênie espiritual inclui cerca de 750.000 presbiterianos na Escócia, 3 milhões nos Estados Unidos e muitos mais milhões em todo o mundo.

Por Kevin Dale Miller

[A História Cristã publicou originalmente este artigo na edição 46 da História Cristã em 1995]

Kevin Dale Miller é editor assistente de O leitor cristão e Sua igreja revistas.


John Knox e o Monstruoso Regimento de Mulheres

Nota: Em 2014, estamos comemorando o 500º aniversário de John Knox no Domingo da Reforma. Baixe nosso encarte do boletim sobre a entrevista de Knox com a Rainha Mary, explorada detalhadamente nesta postagem do blog.

Antes de John Knox voltar para casa do exílio para se tornar um herói da Reforma Escocesa, ele escreveu uma polêmica chocante contra as mulheres em funções de autoridade: O primeiro toque de trombeta contra o Monstruoso Regimento Feminino . A diatribe, que ele planejou seguir com uma segunda e terceira explosão, preparou o cenário para um relacionamento tumultuado com quatro rainhas governantes: Maria de Guise (1515-1560), Maria Tudor (1516-1558), Maria Stuart (1542-1587 ) e Elizabeth Tudor (1533-1603).

Knox usou & ldquomonstrous & rdquo e & ldquoregiment & rdquo em um sentido arcaico para significar & ldquounnatural & rdquo e & ldquorule & rdquo, argumentando que o domínio feminino sobre os homens era contra Deus e a natureza. Ele lamentou que o futuro da fé protestante estivesse exclusivamente nas mãos de uma monarquia feminina amplamente hostil aos seus preceitos. Ecoando a suposição generalizada da era de que as mulheres eram inferiores aos homens, capazes apenas de atos domésticos, como ter filhos, Knox culpou o "império abominável de mulheres perversas" pelas provações e tribulações da Reforma.

Os eventos que levaram Knox a escrever A Primeira Explosão provavelmente começou em 1556, quando ele escreveu uma carta a Maria de Guise, rainha regente da Escócia, ao mesmo tempo elogiando-a por salvá-lo de enfrentar acusações de heresia em Edimburgo e criticando sua fé católica. Maria de Guise não ficou impressionada. Chamando sua carta de & ldquopasquil & rdquo (uma sátira abusiva), ela reviveu seu julgamento de heresia e Knox foi publicamente queimado como uma efígie na Escócia. No ano seguinte, Knox tentou retornar à Escócia, mas viu seu convite para casa retirado pelo Queen Mary quando chegou ao porto francês de Dieppe. Foi nessa época, preso na França, que Knox expressou sua frustração ao compor A Primeira Explosão. Em 1558, após a publicação de A Primeira Explosão, Knox continuou seu pasquil publicando também sua carta original a Maria de Giuse como parte de um trio de cartas abertas aos escoceses, denunciando ainda mais a monarquia feminina e apelando para seu direito de voltar e pregar em sua terra natal.

Knox escreveu em oposição aos argumentos feitos por John Calvin e Heinrich Bullinger, que apelaram a Débora e Huldah como exemplos da vontade de Deus de suspender a ordem natural e elevar as mulheres a posições de autoridade. Knox recusou-se a reconhecer o direito natural de uma mulher de governar e mdasheven nos casos em que não havia herdeiro masculino ao trono. Ao contrário de Knox, Calvino considerou ilegal interferir nas práticas de herança de longa data estabelecidas por Deus.

Em 1558, a meia-irmã de Mary Tudor e rsquos, Elizabeth Tudor, de tendência protestante, assumiu o trono da Inglaterra. Embora não seja o alvo pretendido de Knox e rsquos Primeira Explosão, A Rainha Elizabeth ficou muito ofendida com a publicação e, em 1559, recusou repetidamente a passagem de Knox para a Escócia através da Inglaterra. Knox tentou se desculpar com a rainha, escrevendo uma série de cartas a seu conselheiro-chefe, Sir William Cecil, mas novamente conseguiu tanto críticas quanto elogios. Como Maria de Guise antes dela, Elizabeth Tudor ficou mais agitada com o reformador.

Até Calvino se tornou culpado aos olhos da rainha Elizabeth, que rejeitou sua homenagem, feita a ela em uma republicação de sua Comentários sobre Isaías, devido a uma conexão percebida com A Primeira Explosão. Na verdade, Calvino não aprovava os pontos de vista de Knox & rsquos e até o aconselhou a não publicá-los. Em sua própria carta a William Cecil, Calvin expressou seu extremo desagrado com Knox: & ldquoPor razão da arrogância impensada de um indivíduo, a miserável multidão de exilados teria sido expulsa, não apenas desta cidade [de Genebra], mas mesmo de quase todo o mundo. & rdquo[1]

Em 1561, logo depois que Knox voltou para casa na Escócia, o retorno de Maria Stuart, Rainha dos Escoceses, ameaçou devolver a Escócia ao catolicismo. Ouvindo seu sermão em St. Giles contra sua primeira missa, a Rainha Mary convocou Knox ao Palácio de Holyrood, onde o acusou de promover rebelião, sedição e massacre, publicando um livro atacando ela e sua mãe e a autoridade de rsquos e praticando necromancia e acusação de mdashan que aludia ao poder do reformador sobre o povo da Escócia e da Inglaterra. [2]

A Rainha apresentou um argumento semelhante ao de Calvin & rsquos, declarando, & ldquoVocês ensinaram o povo a receber outra religião diferente daquela que seus príncipes podem permitir, e como essa doutrina pode ser de Deus, visto que Deus ordena que os súditos obedeçam a seus príncipes? & rdquo[3] A resposta de Knox & rsquos baseou-se em um conceito então radical: o princípio da monarquia limitada e constitucional. Comparando a relação de um súdito e príncipe com a de um filho e pai, ele argumentou que os monarcas ilegais podiam ser resistidos pela força. [4]

A disputa culminou em um julgamento perante o Conselho Privado, onde a Rainha Mary acusou Knox de traição por apoiar um protesto contra uma missa ilegal realizada em sua ausência. Apesar de sua tentativa de uma vitória final contra Knox, a acusação foi rejeitada e o julgamento terminou em constrangimento para a Rainha Mary.

Tendo suportado a controvérsia de A Primeira Explosão, Knox passou a desempenhar um papel fundamental na oposição da Escócia à monarquia católica, solidificando a Escócia como uma nação protestante e presbiteriana nos séculos vindouros. Quanto à sua segunda e terceira explosões, parece que a & quotTrombeta da Reforma Escocesa & quot aprendeu uma lição importante. Nenhum dos dois nunca foi tocado.


John Knox e a Reforma Escocesa

Este artigo apresenta o papel que a liderança de John Knox desempenhou no sucesso da Reforma Protestante Escocesa em 1560.

John Knox, nascido aproximadamente em 1514 em Haddington, East Lothian, Escócia, é considerado um dos fundadores da Reforma Escocesa, que foi estabelecida em 1560. O início infeliz de Knox serviu de catalisador para suas ambiciosas revelações de reforma e dedicação à adaptação do país crenças do reino escocês.

O que se sabe sobre o início da vida de Knox é limitado, mas acredita-se que seja de origem humilde, caracterizado pela pobreza e problemas de saúde, o que, sem dúvida, forneceu uma base para sua luta por mudanças. Lloyd-Jones argumenta que Knox foi “criado na pobreza, em uma família pobre, sem antecedentes aristocráticos e sem ninguém que o recomendasse”. Portanto, não é nenhuma surpresa que Knox tenha escolhido trabalhar para alcançar um status melhor para si mesmo e usar sua paixão pelo protestantismo para melhorar sua posição social e melhorar sua situação financeira.

John Knox

O reino escocês na época da existência de Knox estava sob a dinastia Stewart e a Igreja Católica. Knox culpou os problemas econômicos entre os pobres sobre aqueles que tinham o poder político para mudar a situação, mais notavelmente Marie de Guise, Regente da Escócia e em seu retorno à Escócia em 1560, a Rainha Mary Stewart ou como ela é mais popularmente conhecida, Mary Rainha da Escócia. Essas queixas políticas de Knox contra os responsáveis ​​e sua ambição de reformar a Igreja Nacional da Escócia resultaram em uma luta para estabelecer a Igreja Protestante Reformada, levando a uma Reforma Protestante que alteraria o governo e os sistemas de crenças na Escócia.

Em seus primeiros anos, Knox experimentou a perda de seus colegas Patrick Hamilton e George Wishart, que eram líderes da causa protestante. Tanto Hamilton quanto Wishart foram executados por suas consideradas “crenças heréticas” pelo governo escocês, na época católico. Durante o início do século XVI, o protestantismo era um conceito relativamente novo e não amplamente aceito na Europa Moderna. As execuções de Wishart e Hamilton mexeram com Knox e ele usou as idéias de martírio e perseguição em seus escritos para agir como crítica contra as instituições católicas e pregar a corrupção no início do mundo moderno.

Em Knox's & # 8216The First Blast of the Trumpet Against the Monstrous Regiment of Women & # 8217 publicado em 1558, ele demonstrou que o Scottish Kirk tinha sido liderado por líderes corruptos e estrangeiros e que o país precisava de reformas e mudanças para seu próprio avanço religioso moralidade:
“Vemos nosso país preparado para uma oração às nações estrangeiras, ouvimos o sangue de nossos irmãos, os membros de Cristo Jesus mais cruelmente ser derramado, e o monstruoso império de uma mulher cruel (exceto o conselho secreto de Deus) nós sabe-se que é a única ocasião de todas as misérias ... O vigor da perseguição atingiu todos os corações dos protestantes ”.

A linguagem de Knox nesta publicação expressa as queixas dos reformadores protestantes contra seus governantes católicos e sua gestão das divisões religiosas e sociais que existiam no reino. Ele retrata uma raiva profunda em relação à falta de moralidade religiosa e à falta de assistência aos pobres.

Knox passou um tempo na Inglaterra após seu exílio da Escócia e, portanto, foi capaz de trabalhar em sua Reforma Protestante sob o reinado de Eduardo VI, o jovem rei Tudor.

Knox referiu-se ao rei como tendo grande sabedoria, apesar de ser menor, e que sua dedicação à causa protestante era inestimável para o povo da Inglaterra. A progressão de Knox na Inglaterra, no entanto, foi interrompida pela morte repentina de Eduardo em 1554 e a sucessão da rainha católica Mary Tudor. Knox argumentou que Mary Tudor perturbou a vontade de Deus e que sua presença como Rainha da Inglaterra foi uma punição pela falta de integridade religiosa do povo. Ele argumentou que Deus tinha
"Grande desprazer ... como os atos de seu infeliz reinado podem testemunhar suficientemente."

A sucessão de Mary Tudor em 1554 desencadeou os escritos de reformadores protestantes, como Knox e o inglês Thomas Becon, contra a corrupção dos governantes católicos na Inglaterra e na Escócia da época, e usou a natureza de seu sexo para apenas minar sua autoridade e moralidade religiosa . Em 1554, Becon observou
“Ah, Senhor! Tirar o império de um homem e dá-lo a uma mulher parece ser um sinal evidente de sua raiva contra nós, ingleses. ”

Knox e Becon, neste momento, podem estar irritados com a estagnação das reformas protestantes devido às rainhas católicas Mary Tudor e Mary Stewart e seus regimes católicos.

Knox did leave his mark on the English Church through his involvement in the English ‘Book of Common Prayer’, which was later adapted by Queen Elizabeth I of England in her restoration of the Protestant Church of England in 1558.

Later Knox spent time in Geneva under the reformer John Calvin and was able to learn from what Knox described as “the most perfect school of Christ.”

Geneva provided the perfect example to Knox how, with dedication a Protestant Reformation in a realm was possible and could flourish. Calvin’s Protestant Geneva provided Knox with the initiative to fight for a Scottish Protestant Reformation. With his return to Scotland in 1560 and with the aid this time of Protestant individuals such as James, Earl of Morray, half-brother to the Queen of Scots, the Protestant Reformation in Scotland could be a success.

John Knox admonishing Mary Queen of Scots, engraving by John Burnet

When Mary Queen of Scots returned to Scotland, it is commonly known that she and Knox were not the best of friends. Knox was anxious to push forward with the Protestant Reforms, whilst Mary was a hinderance to this as she was strictly Catholic and despised Knox’s actions that attacked her authority and her beliefs. Although Mary remained Scotland’s Queen, the power of the Scottish Protestants was ever-growing and in 1567, Mary lost her fight for her crown and was sent to England under house arrest.

The Scottish Protestants had control now and Protestantism became the religion of the realm. By this time the protestant Elizabeth I was ruling England and had Mary Stewart under her control.

Whilst by the time of Knox’s death in 1572, the Protestant Reformation was by no means complete, Scotland by this time was being ruled by a Scottish Protestant King, James VI the son of Mary Queen of Scots. He would also inherit the crown of England to become King James I of England and unite both countries under Protestantism.

Knox’s writings and his determination to fight for Scotland to be Protestant saw the Scottish nation and its identity changed forever. Today Scotland’s national religion remains Protestant in nature and therefore, demonstrates that the Scottish Reformation Knox started in 1560 was a success and longstanding.

Written by Leah Rhiannon Savage aged 22, Master’s Graduate of History from Nottingham Trent University. Specialises in British History and predominantly Scottish History. Wife and Aspiring Teacher of History. Writer of Dissertations on John Knox and the Scottish Reformation and The Social Experiences of The Bruce Family during The Scottish Wars of Independence (1296-1314).


History of Redemption

The video lectures in this course focus on the unfolding of the history of redemption as revealed in the Old and New Testaments. The Triune God prepared the redemption of His people before the foundation of the world and gradually revealed Himself and His plan of salvation in the covenant of grace. Consequently, the whole Bible reveals the Lord Jesus Christ, beginning in the first pages of Genesis and leading to the full light of the New Testament exposition of His person and work. The development of the covenant of grace expands throughout the Old Testament and culminates in the incarnation of Christ, God's eternal Son. His death, burial, resurrection, ascension and sending of the Holy Spirit secure the spread of His redemption throughout the world to the present day. Redemptive history concludes on the Last Day, when the King of kings and Lord of lords will gather His church to Himself in everlasting glory, to reign with Him forever. The purpose of this course is to equip God's people with a deeper understanding of the Bible and with a fuller knowledge of God as He reveals Himself in Christ. So, if you wish to know God better, and if you want a better grasp of the message of the Scriptures, these lectures aim to benefit you.

Definition of Biblical Theology:

The discipline of Biblical Theology studies the progressive nature of biblical revelation. It emphasizes the development of God’s revelation throughout the consecutive periods of biblical history, as recorded in the inspired Scriptures of the Old and New Testaments. God did not provide the final product of His revelation all at once. Later portions of the Bible build upon and expand the concepts, vocabulary, doctrines, images and events of earlier periods. Biblical theology studies the revelation of God in Christ chronologically, analyzing the theology of each stage of history and how God weaves those strands together throughout the other portions of redemptive history. Systematic theology, by way of contrast, considers the final, completed product of biblical revelation and organizes individual doctrines into logical categories drawn from the material in the Bible as a whole. Biblical theology and systematic theology serve and support each other. Both are indispensable to knowing the Bible and understanding sound theology.


John Knox and the Scottish Reformation: Christian History Interview — Prophet Without Honor?

Woman hater. Fanatic. Ruthless revolutionary. Such charges have been made against John Knox. What is his legacy, both negative and positive? What can Christians today learn from his life and teachings? We put these questions to David F. Wright, former dean of the faculty of divinity at the University of Edinburgh and a longtime editorial adviser for História Cristã

How do people today view John Knox?

Knox has a bad press in Scotland nowadays. He’s become a bogey figure blamed for various ills. He’s thought of as a misogynist, a woman hater. Knox is also seen as an insolent, arrogant person given to harshness and even cruelty. And whenever someone discusses the development of music or theater, Knox (and Calvinism in general) gets blamed for any tendency in Scotland to want to censor or restrict artistic freedom.

How true are these charges?

There is a bit of substance in all of them, but the modern picture is greatly exaggerated and reflects little awareness of Knox and his work.

For example, people remember his notorious The First Blast of the Trumpet against the Monstrous Regiment of Women. However, the title is often misunderstood, but regimentsimply means “rule,” and monstrous means “not in accord with nature.” Knox is objecting to women as monarchs, not damning the whole lot. In other writings, you see him acting in an extremely tender and affectionate way toward women. Even in the exchanges between him and Mary Queen of Scots, he’s defiant because he believes he’s standing on principle, but he remains remarkably respectful.

One shouldn’t forget, also, that Knox produced visionary ideals for Scotland. The First Book of Discipline is a kind of manifesto for a Christian commonwealth it is far-seeing about the need for universal education for children, about universities, and about relief for the poor.

What did Knox give the religious reformation in Scotland? Would it have happened without him?

I suppose there would have been reformation of some kind, just as there was in most other European nations. And Knox didn’t work alone.

But Knox was the most important preacher and leader of reform by a long way. Clearly, he must have been a major drafter of The Scots Confession e The First Book of Discipline. He’s terribly important also because he spearheaded the rejection of the papacy without (as happened in England) leaving the church subject to the monarch. He drastically purified the church—a much more thorough reformation than the one England was experiencing at the same time.

Were there efforts at reform within the Catholic church?

The pre-Reformation Catholic church in Scotland was at a low ebb spiritually. It didn’t have high levels of piety, learning, or theological scholarship.

Still, in the 1540s, councils of the old church, spearheaded by a fine archbishop, John Hamilton, produced commendable reform proposals, but they remained paper reforms. Hamilton even sponsored a catechism that spoke strongly about justification by faith. But there simply wasn’t enough spiritual vigor to carry through the changes and make the Protestant movement unnecessary.

How would you respond to people who say that Knox purified worship to the point that it lost much of its beauty?

No The Book of Common Order or “Knox’s Liturgy,” as it’s sometimes called, the prayers become long and wordy. The prayers become like sermons, as do the exhortations in the Communion service. I don’t see Knox at his best in that context. But the concentration on Scripture and preaching was very important.

Why was Knox more of a “hard-liner” in reforming worship? Why did he, for instance, forbid the celebration of Christmas?

I think it’s fair to say that Knox is too obsessed with the idea that the Mass is idolatry. Knox operates by the rule that in worship, one should do only what is explicitly laid down in Scripture it is not sufficient that something not contradict Scripture. For example, since in the Scripture there’s no trace of pipe organs or manmade hymns (distinct from God-given psalms), Knox did away with them, and organs did not come back into the Scottish church until the nineteenth century.

In addition, since it’s not obvious from the New Testament that the early church observed Christmas and Easter and Trinity Sunday, these special days were cut out of the Scottish church calendar. The development of Christmas as a major Christian festival in Scotland is a remarkably recent re-emergence. There are still one or two smaller Presbyterian churches that make more of New Year than they do of Christmas.

Was Knox basically a Scottish John Calvin?

There is great agreement between them theologically, but Knox doesn’t have the degree of sophistication, depth, and subtlety Calvin had. We have hardly any biblical exposition from Knox. We don’t have a great corpus of theological works. His writings are quite limited compared with Calvin’s enormous output. If you compare them, the best you could say was that theologically Knox was a mini-Calvin.

In some respects, though, Knox was bolder than Calvin. He went farther than Calvin in advocating resistance to unjust rulers. And he wrote an impressive history of the Reformation Calvin never wrote history.

Actually, it’s a little unfair to compare the two. Calvin worked mostly in one city. Knox had to work on a national canvas, which is clearly more difficult.

How much, then, do the tens of millions of Presbyterians worldwide owe to John Knox?

If by presbyterianism, you mean elders working together in a hierarchy of courts of the church—not much. That emerges clearly in The Second Book of Discipline (1578) and the work of Andrew Melville, who leads the reformed cause after Knox’s death (1572). Many scholars see Melville as the real architect of presbyterianism.

Still, the building blocks and general vision of presbyterianism are in place under Knox. He rejected the papacy and distrusted having a monarch rule the church. He swept away those alternatives and led a quest for government of the church by its own officers.

Outside of the Presbyterians, who has been most influenced by Knox’s life and teachings?

The Reformed churches generally would have some regard for Knox as the most prominent leader of the reformation in Scotland. That Reformation, through the export of presbyterianism, had an impact on various parts of the world including, of course, North America. It has been said, with some justification, that the American Revolution is a Presbyterian revolution—many of its leaders were Presbyterian, having imbibed the fierce Scottish sense of independence.

Consequently, Knox comes up for discussion in the context of the right of Christians to resist rulers. He is often mentioned in histories of political thought, and wherever Christians find themselves under oppressive rule (as did the German Christians under Hitler), his views on rebellion are given a fresh look.

He also gets discussed a bit in relation to the Scots language. It’s interesting that the Scottish Reformation never produced a vernacular, Scots-language version of the Bible. The English versions were used. Knox, partly because he had spent a number of years in England, is often viewed as someone who played a significant role in Anglicizing the Scots tongue.

How strong is the Scottish Presbyterian church today?

The Church of Scotland (the largest by far of the Presbyterian churches in the country) is the national church. We don’t normally talk about it as the “established” church, but it is the national church in terms of national recognition and national protection from the Crown—without any interference whatsoever. It has commonly been said that the general assembly of the Church of Scotland, which meets every year for a week in Edinburgh, is the nearest thing we’ve got to a Scottish parliament.

Yet the Church of Scotland has been losing members at a steady and serious rate for forty years. There’s not much sign we’ll be able to stem that decline. Most congregations are ineffective in winning young people. So we are becoming a worryingly old church, and some of the financial consequences of this are coming home to roost.

But there are also some signs of hope—a return to the ministry of the Word in a systematic way and a greater commitment to prayer.

Among Christians today, Knox is relatively unknown. Porque?

I suppose it has to do with his reputation as a woman-hater and advocate of violence—in many respects, he’s a difficult person with whom to have sympathy. And so, though we enjoy his legacy, we’re not much interested in him. That’s true especially in Europe and America. Ironically, one country where there’s more appreciation for Knox is Korea! Korean Presbyterians come here to Scotland in considerable numbers on a kind of pilgrimage.

One problem with Knox’s being ignored is that we are in danger of forgetting the good he did, which just reinforces a distorted image of him. Por exemplo, The Scots Confession of 1560 has by and large had a good press in the modern Church of Scotland it’s often admired as being a warm document—yet Knox doesn’t get much credit for playing a key role in producing it.

Knox had obvious flaws. What have you found to admire in him?

Even if he was more strident than I would care to be in carrying out his reformed convictions, nevertheless I think his stand against the Mass as it was held at the time—not what it has become since—was an entirely proper and necessary protest. He had, in my view, a positive view of the Lord’s Supper, which has always been important to Scottish Presbyterians.

His courage as a prophet is really admirable. Knox couldn’t take the stand he did out of consideration of his own pocket or status. I admire the sheer courage of his stand. CH

By David F. Wright

[Christian History originally published this article in Christian History Issue #46 in 1995]


Puritanism under the Stuarts (1603–49)

Puritan hopes were raised when James VI of Scotland succeeded Elizabeth as James I of England in 1603. James was a Calvinist, and he had once signed the Negative Confession of 1581 favouring the Puritan position. In 1603 the Millenary Petition (which claimed 1,000 signatures) presented Puritan grievances to the king, and in 1604 the Hampton Court Conference was held to deal with them. The petitioners were sadly in error in their estimate of James, who had learned by personal experience to resent Presbyterian clericalism. At Hampton Court he coined the phrase “no bishop, no king.” Outmaneuvered in the conference, the Puritans were made to appear petty in their requests.

The situation remained tense during James’s reign as he pursued monarchist and episcopal policies that failed to resolve contemporary difficulties. Following the Hampton Court Conference he appointed Richard Bancroft as Whitgift’s successor as archbishop of Canterbury and encouraged the Convocation of 1604 to draw up the Constitutions and Canons against Nonconformists. Conformity in ecclesiastical matters was imposed in areas where nonconformity had survived under Elizabeth. Furthermore, the enforced reading from pulpits of James’s Book of Sports, dealing with recreations permissible on Sundays, in 1618, was an additional affront to those who espoused strict observance of the sabbath, making compromise more difficult. For many Puritan groups compromise was unacceptable anyway, and in 1607 a congregation from Scrooby, England, fled to Holland and then migrated on the Mayflower to establish the Plymouth Colony on the shore of Cape Cod Bay in North America in 1620. Of those who remained in England, a number of clergy were deprived of their positions, but others took evasive action and got by with minimal conformity. Members of Parliament supported the Nonconformists and argued that the canons of 1604 had not been ratified by Parliament and therefore did not have the force of law. Moreover, men of Puritan sympathies remained close to the seat of power during James’s reign.


Assista o vídeo: PRAYERS OF JOHN KNOX


Comentários:

  1. Machupa

    Para preencher um vazio?

  2. Ball

    Infelizmente, não posso te ajudar. Eu acho que você encontrará a solução certa.

  3. Colquhoun

    As meninas não têm feminilidade e as mulheres não têm virgindade. Grupo Escultural: Hércules rasgando a boca de um garoto de mij da beira. Distintivo em um homem de 150 quilômetros: o progresso tornou os soquetes inacessíveis para a maioria das crianças - o dado mais talentoso. A esposa do meu amigo não é uma mulher para mim ... mas se ela é bonita. ... ... ele não é meu amigo! Embriaguez - luta! Foda -se - foda -se! O amor é o triunfo da imaginação sobre o intelecto. Eu odeio duas coisas - racismo e negros.

  4. Cranleah

    there is something similar?



Escreve uma mensagem