Estela de Ity

Estela de Ity


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Estela

UMA estela (/ ˈ s t iː l i / STEE -lee), [Nota 1] ou ocasionalmente estela (plural stelas ou stel ...), quando derivado do latim, é uma pedra ou placa de madeira, geralmente mais alta do que larga, erguida no mundo antigo como um monumento. A superfície da estela geralmente tem texto, ornamentação ou ambos. Eles podem ser inscritos, esculpidos em relevo ou pintados.

As estelas foram criadas por vários motivos. Estelas sepulcrais eram usadas para fins funerários ou comemorativos. As estelas como placas de pedra também seriam usadas como avisos do governo grego e romano antigo ou como marcadores de limite para marcar fronteiras ou linhas de propriedade. Estelas foram erguidas ocasionalmente como memoriais para batalhas. Por exemplo, junto com outros memoriais, há mais de meia dúzia de estelas erguidas no campo de batalha de Waterloo nos locais de ações notáveis ​​dos participantes da batalha. [1]

As lápides ocidentais tradicionais podem ser consideradas tecnicamente o equivalente moderno das estelas antigas, embora o termo raramente seja aplicado dessa forma. Da mesma forma, formas semelhantes a estelas em culturas não ocidentais podem ser chamadas por outros termos, e as palavras "estela" e "estela" são aplicadas de forma mais consistente em contextos arqueológicos a objetos da Europa, do antigo Oriente Próximo e do Egito, [2] China e, às vezes, América pré-colombiana.


Conteúdo

O nome Yaxha deriva do maia yaxa ', que significa "água azul esverdeada". [2] Yaxha é notável pela sobrevivência de seu topônimo do período clássico, quando era uma cidade próspera. [3] David Stuart primeiro propôs que o símbolo do emblema do site fosse lido Yax-ha e que o nome da cidade (e do lago) é de origem antiga. [2]

Localizada no atual departamento de Petén, norte da Guatemala, fica a aproximadamente 30 quilômetros (19 milhas) a sudeste de Tikal [4]. Yaxha está situada na margem norte do Lago Yaxha [3]. As ruínas se estendem por cerca de 3 quilômetros (1,9 milhas) ) ao longo de uma colina paralela à margem do lago. [5] As ruínas estão dentro das fronteiras do Parque Nacional Yaxha-Nakum-Naranjo, [6] que abrange uma área de 37.160 hectares (143,5 milhas quadradas) e incorpora os restos de quatro antigas cidades maias: Yaxha, Topoxte, Nakum e Naranjo, bem como 10 locais intermediários e mais de 280 assentamentos menores. [7]

Nome Governado
K'inich Lakamtuun c.799 [8]

Edição Pré-Clássica

Yaxha já era significativo no Pré-clássico tardio (c. 350 aC - 250 dC), e era um grande sítio já no Pré-clássico Médio (c. 1000–350 aC). [9] Investigações arqueológicas indicam que o primeiro assentamento, pré-clássico médio, foi no que se desenvolveu nos setores sul e oeste da cidade. No final do Pré-clássico, a cidade se tornou o maior assentamento na bacia de Yaxha-Sacnab, com um aumento marcante na população e na atividade de construção. [10]

Edição Clássica Antecipada

A cidade atingiu o auge de seu poder durante o período clássico inicial da cronologia mesoamericana (c. 250-600 DC), período durante o qual a cidade se expandiu enormemente. [11] Os primeiros monumentos clássicos da cidade estão mal preservados, o que significa que a história de seu período de potência máxima é mal compreendida. [4] A influência da metrópole distante de Teotihuacan no Vale do México é evidente nas imagens do Clássico Inicial após a intervenção decisiva de Teotihuacan em Tikal em 378 DC. [12] No final do Clássico Inicial, a atividade sísmica causou o movimento do Yaxha Falha, resultando em danos a edifícios na Acrópole Leste. O mesmo terremoto parece ter causado danos em toda a cidade e na vizinha Nakum. [13] O terremoto pode ter resultado no abandono temporário da Acrópole Leste. [14]

Durante este período a cidade se consolidou como um importante centro das rotas comerciais que cruzavam a região dos lagos Petén. [14]

Edição Clássica Final

No Late Classic (c. AD 600-900) a cidade se desenvolveu com grandes projetos de construção ocorrendo em todo o centro da cidade, [15] especialmente durante o século 8, o complexo das pirâmides gêmeas é um exemplo de um dos principais projetos de construção realizados em desta vez. [14] Nessa época, a cidade se tornou um importante centro comercial a sudeste da grande cidade de Tikal. [16] Durante o Clássico Tardio, a cidade travou várias guerras contra a cidade vizinha de Naranjo, que eclipsou Yaxha no poder, mas nunca foi capaz de dominá-la completamente. [11] Em 710, o rei K'ak 'Tiliw Chan Chaak de Naranjo saqueou Yaxha, capturou seu rei e o sacrificou. [17]

No final do século 8, o rei K'ak 'Ukalaw Chan Chaak de Naranjo tomou uma princesa Yaxha como sua esposa Lady Shell Star deu ao rei seu herdeiro. [18] Este herdeiro foi incapaz de manter a paz entre as cidades e Itzamnaaj K'awiil de Naranjo foi à guerra contra Yaxha e seus aliados em 799 DC, lançando ataques contra a cidade de sua mãe em julho e setembro daquele ano, alguns meses após derrotar vários satélites de Yaxha. [19] Ele conseguiu capturar K'inich Lakamtuun, o rei de Yaxha. [8]

Terminal Classic Edit

Não há evidências do rápido colapso da política Yaxha no Terminal Classic (c. 800-900 DC), como ocorreu em outras cidades nas vizinhanças. Em vez disso, há evidências de uma atividade de construção renovada e generalizada. É evidente que a elite local fez todos os esforços para prolongar o sistema político Clássico Tardio da cidade. Alguns controles de entrada na cidade foram removidos para encorajar o fluxo de visitantes para Yaxha das áreas vizinhas que foram mais imediatamente afetadas pelo colapso dos maias clássicos. [16]

Edição Pós-Clássica

Durante o pós-clássico (c. 900-1525), há alguma evidência de atividade no local associado às ilhas habitadas do Lago Yaxha, mas isso não estava de forma alguma associado à ocupação da cidade em si, consistindo em peças de cerâmica e alimentos lixo deixado na cidade pelos ilhéus. [20]

História moderna Editar

Teoberto Maler relatou pela primeira vez a existência de Yaxha após visitar as ruínas em 1904. A Carnegie Institution of Washington mapeou as ruínas na década de 1930 e o local foi novamente mapeado no início da década de 1970, quando foram realizadas escavações de teste. [4] O Proyecto Nacional Tikal ("Projeto Nacional de Tikal") realizou um levantamento dos danos arquitetônicos em Yaxha em 1987 e em 1988 o primeiro trabalho foi realizado para estabilizar algumas das estruturas. [5] As escavações arqueológicas continuaram no século 21 [21] A Acrópole do Sul foi escavada de 2005 a 2007. [6] As escavações do início do século 21 de Yaxha formaram uma parte do Programa de Desenvolvimento Sustentável de Peten (Programa de Desarrollo Sostenible de Petén) financiado pelo Banco Interamericano de Desarollo (Banco Interamericano de Desenvolvimento). [22]

Yaxha é a terceira maior ruína da Guatemala, com apenas Tikal e El Mirador sendo maiores. [11] O centro da cidade consistia em uma série de praças e grupos arquitetônicos, com grupos periféricos e as margens do lago ligadas por pontes. [4] Os principais grupos arquitetônicos são o Grupo Maler ao norte, ligado à área central pela Calçada Blom, a Acrópole Sul (ou Principal), o Grupo Oeste, a Acrópole Nordeste, a Acrópole Leste e uma série de praças e menores grupos constituem o núcleo do site. A cidade estava ligada às margens do Lago Yaxha pela Calçada do Lago. A Plaza A é um complexo de pirâmides gêmeas. [23] Dez principais vias de comunicação foram identificadas na cidade, com as quatro rotas principais sendo classificadas como vias elevadas pelos arqueólogos, com o restante classificado como "vias". [5] Yaxha era mais densamente ocupada do que a maioria das outras cidades maias. [24]

O local tem mais de 500 estruturas, [24] incluindo cerca de 40 estelas, [24] 13 altares, 9 pirâmides de templos, 2 quadras de bola mesoamericanas e uma rede de sacbeob (calçadas) que conectam os 'acropoleis' centrais, do norte (Maler) e do leste, e a calçada do Lago que era a entrada principal no passado. O topo do Templo 216 (restaurado) oferece uma vista dos dois lagos de um lado e da selva e das pirâmides de degraus do outro.

Yaxha possui um dos poucos complexos de pirâmides gêmeas fora de Tikal. O fato de o local conter um complexo de pirâmides gêmeas fornece uma visão visível das alianças políticas que eventualmente influenciaram o estilo arquitetônico da cidade em seu pico, [11] embora pareça que o complexo em Yaxha estava inacabado. [3]

Editar grupos arquitetônicos

Plaza A é um complexo de pirâmides gêmeas ao norte da Acrópole Oriental. [25] Foi construído durante o século 8 DC. [14]

Plaza B está no lado oeste da Acrópole Oriental. [26]

Plaza C é um complexo astronômico do E-Group a sudeste do núcleo do site, [27] ligado ao centro da cidade pela Calçada de Lincloln. Três estelas do Antigo Clássico foram erguidas no lado leste da praça. [24]

Plaza D está no núcleo do site, na extremidade noroeste da Lincoln Causeway e imediatamente ao norte da Acrópole Sul. Faz fronteira ao norte com a Acrópole Nordeste. [28]

Plaza E está situado no núcleo do sítio, no lado norte da Acrópole Sul e está ligado a ela por uma escada que sobe da praça. [29]

o Acrópole Leste fica no lado leste do centro da cidade, ao sul do Twin Pyramid Complex. [26] Ela ocupa a área mais alta da cidade e é cercada pelas praças A, B e C. A área que viria a ser ocupada pela Acrópole Oriental foi primeiro nivelada com a rocha calcária no Pré-clássico Médio. [25] No Pré-clássico, a Acrópole Oriental foi delineada como um complexo de pirâmide triádica, mas foi radicalmente modificada durante o Clássico Antigo. [30] Em sua forma final, a Acrópole Leste formou um complexo fechado com doze estruturas cobrindo uma área total de 8.100 metros quadrados (87.000 pés quadrados). Os principais edifícios da Acrópole Oriental eram a Estrutura 216, um templo-pirâmide, e a Estrutura 218, um palácio. [21] A praça da Acrópole Leste apresentava uma escadaria monumental voltada para o oeste construída no Pré-clássico Tardio e remodelada no Clássico Tardio. [13] A primeira versão do templo foi construída no final do pré-clássico, enquanto a versão mais antiga do palácio data do início do clássico. [31] A Acrópole Leste parece ter sido temporariamente abandonada no final do Clássico Inicial devido à destruição causada por um terremoto, [14] mas foi reocupada e desenvolvida durante o curso do Clássico Final. Durante o Terminal Clássico (século IX DC), grandes quantidades de cinzas e cerâmicas domésticas foram depositadas na Acrópole Leste. [32] Nesta época, uma pequena plataforma foi construída contra a Estrutura 219, que bloqueou o acesso ao terraço sudoeste do complexo. [33]

o Acrópole Nordeste remonta ao pré-clássico tardio e incorpora um arranjo que inclui uma pirâmide triádica que faz parte de um complexo astronômico do E-Group. [34]

o Acrópole Sul, às vezes chamado de Acrópole Principal, foi construído sobre uma alta colina cárstica. Ele tinha uma longa história, com a construção começando no final do período pré-clássico médio e continuando até o Terminal Classic. [35] A acrópole é um complexo que consiste em seis grupos de pátio sobre uma plataforma artificial e inclui uma quadra de bola mesoamericana (quadra de bola 1). [6] Os pátios são separados por estruturas abobadadas que provavelmente eram residências de elite, a exceção é a Estrutura 363, que é um templo entre o Pátio 5 e o Pátio 6. [36] A Acrópole Sul está localizada na porção sul do núcleo do local perto da junção de várias calçadas e vias. A acrópole é limitada no lado norte pelo campo de bola e pelas praças D e E. Ela é limitada no lado oeste pela Via 5 e no lado sul pela Via 6. Em sua forma final durante o Terminal Clássico, a plataforma basal formou uma forma irregular retângulo medindo 200 metros (660 pés) de leste-oeste por 100 a 120 metros (330 a 390 pés) de norte-sul. A plataforma tinha níveis escalonados e cantos arredondados [6] o acesso principal parece ter sido uma escada na metade oeste do lado norte, que ligava a Praça E aos Pátios 5 e 6 da acrópole. [36] Escavações da acrópole ocorreram em 1996 e 2006, os escavadores encontraram evidências de investigações arqueológicas anteriores que não haviam sido registradas e sugeriram investigação profissional na década de 1970. [37]

o Maler Group está localizado ao norte do núcleo do local, ligado a ele pela Calçada Blom. [26]

Editar Estruturas

Estrutura 216 é uma grande pirâmide no lado leste da Plaza A na Acrópole Oriental. Os restos do santuário do templo ainda estão sobre a base piramidal e a altura total da estrutura é de mais de 30 metros (100 pés), tornando-a a estrutura mais alta de Yaxha. [38] A estrutura mais antiga no local era a plataforma da praça elevada no Pré-clássico tardio, que consistia em uma plataforma de cinco degraus com talude paredes e uma escadaria monumental voltada para oeste de 17,5 metros (57 pés) de largura, consistindo de 32 degraus, cada um com um piso de 0,45 metros (1,5 pés) e um degrau de 0,35 metros (1,1 pés). Esta fase pré-clássica tardia tinha cerca de 11 metros (36 pés) de altura. [31] No Early Classic, uma nova versão da estrutura foi construída (Structure 216 sub 1). Tratava-se de uma plataforma escalonada, como sua antecessora, embora a escada da nova versão se projetasse para o oeste, possivelmente ladeada por balaustradas. A altura máxima desta fase de construção foi de 22,75 metros (74,6 pés). [39] No século 8 DC, uma nova versão da Estrutura 216 foi construída, atingindo uma altura de 23,25 metros (76,3 pés). A base da pirâmide tinha oito níveis escalonados com cantos arredondados e apresentava uma escada saliente. O santuário do cume tinha três portas e duas câmaras internas. A Stela 41 foi erguida na base da escada. [14] Uma oferta foi encontrada no enchimento sob a primeira câmara do templo que consistia em sete excêntricos, cinco deles feitos de obsidiana e dois de sílex, e um pedaço de madrepérola. [33]

Estrutura 217 é uma estrutura tipo palácio na extremidade norte da Estrutura 218 na Acrópole Leste. A primeira fase de construção data do Early Classic. [39] No século 8, a estrutura foi redesenhada. Ergueu-se sobre uma plataforma basal com paredes ligeiramente inclinadas. A estrutura tinha duas câmaras abobadadas e era acessada por uma escada voltada para o leste. [14] No século 9, a base da estrutura foi revestida com alvenaria. [33]

Estrutura 218 é uma estrutura tipo palácio na Acrópole Oriental. [21] A versão mais antiga do edifício data do período clássico inicial (Estrutura 218 sub 1A) e tinha uma sala comprida com um telhado abobadado por consolo. A estrutura tinha várias portas voltadas para o leste, possivelmente cinco, e duas portas estreitas no centro da fachada oeste. Vestígios de pigmento vermelho sobrevivem na cornija. A localização e as características desta fase Clássica Inferior levam os arqueólogos a acreditar que ela foi construída ligeiramente após a fase Clássica Inferior da Estrutura 216 (sub 1). O edifício foi remodelado várias vezes no início do clássico. A etapa 1B consistiu na divisão da sala em três câmaras, adição de uma bancada no interior da câmara norte e adição de pequenas máscaras zoomórficas aos painéis rebaixados da cornija. A Fase 1C consistiu na adição de uma pequena plataforma à fachada oeste. A subestrutura do Early Classic sofreu afundamento na extremidade sul devido ao movimento de uma falha geológica. [39] O Estágio 2A data do Clássico Tardio, durante o século VIII DC. A fachada poente passou a ser a fachada principal, a altura da abóbada dos consolos foi reduzida e a estrutura anterior foi preenchida. A estrutura 218 Sub 2A media 36,5 metros (120 pés) de comprimento e foi erguida sobre uma plataforma de 1,85 metros (6,1 pés) de altura. Como a versão anterior, tinha uma sala longa com teto abobadado, as paredes tinham 1 metro (3,3 pés) de espessura e a abóbada interna tinha 2,6 metros (8,5 pés) de altura. O edifício apresentava cornijas decoradas. A altura total do edifício medida a partir do chão da praça pode ter sido superior a 6,5 ​​metros (21 pés). A parte traseira, leste, lado do Estágio 2A consistia em três níveis simples e escalonados. Dois bancos foram construídos contra os cantos, possivelmente para disfarçar o afundamento que ocorreu como resultado do terremoto anterior. [14] Uma oferta foi depositada sob a câmara central, consistia em 9 excêntricos de obsidiana cinza, 14 excêntricos de sílex, um espondilo casca, um pequeno fragmento de pedra verde e carbono permanece misturado com fibras vegetais não identificadas. [40] A etapa seguinte, denominada 2B pelos arqueólogos, também data do século VIII e consistiu na unificação da Estrutura 218 com as estruturas vizinhas 217 e 219, criando uma nova fachada com nove portais. [41] Três câmaras abobadadas foram adicionadas à fachada leste, com espaçamento entre elas as câmaras norte e sul (A e B) foram construídas sobre os bancos anteriores. A câmara central (Câmara C) tinha escadas de flanco. o talude parede entre as câmaras A e C tinha os restos de uma máscara gigante, mas a seção superior da parede foi demolida pelos ocupantes do Terminal Classic da cidade. Os restos de pinturas murais foram descobertos no interior da câmara central do palácio, utilizando pigmentos vermelhos, azuis, pretos e amarelos. Os murais foram muito danificados, mas aparentemente retratavam figuras humanas realizando ações perto de um palácio e de um campo de jogos. Um enterro Clássico tardio de alto status (Enterro YX-08) também foi encontrado na Estrutura 218, enterrado em uma cisto em frente à entrada principal. [40] Quatro indivíduos foram enterrados ao sul deste túmulo principal durante o Terminal Classic. Eles não foram enterrados em cistos e não foram acompanhados por ofertas. Os ossos pertenciam a indivíduos de idades e gêneros variados. Nesta época, durante o século IX dC, um edifício de três câmaras com um telhado perecível foi construído sobre a plataforma superior da estrutura as câmaras eram ligadas por portas. O único acesso ao prédio era por meio de uma escada estreita e rebaixada construída diretamente sobre a fissura do terremoto. Em sua forma final, a Estrutura 218 tinha 38 metros (125 pés) de altura, com quatro plataformas escalonadas apoiando a superestrutura. A remodelação final do edifício resultou no bloqueio do topo da escada com uma parede. [33]

Estrutura 219 é outra estrutura tipo palácio na extremidade sul da Estrutura 218 na Acrópole Leste. A primeira fase de construção data do Early Classic. [39] No século 8, a Estrutura 219 foi reconstruída de maneira muito semelhante à Estrutura 217, com duas câmaras abobadadas sobre uma plataforma basal e uma escada voltada para o leste. [14] Durante o século IX, no Terminal Clássico, a base da estrutura era revestida de alvenaria e duas pequenas plataformas foram adicionadas à porção sudeste do edifício, uma contra o lado norte e outra contra o canto sudeste. [33]

Estrutura 363 é um templo localizado entre o Patio 5 e o Patio 6 da Acrópole Sul. [36] Um monumento de pedra foi colocado na frente da fachada oeste do templo, a colocação de tal monumento dentro de um complexo de acrópole é incomum. [29]

Editar Causeways

o Lake Causeway (Calzada del Lago em espanhol) corre para o norte da margem do lago até o centro da cidade, onde continua como Via 5. O comprimento total da calçada e da via é de cerca de 400 metros (1.300 pés). A Calçada do Lago foi projetada para permitir o rápido movimento de mercadorias e pessoas entre a cidade e o lago, e fácil acesso à água. O Lake Causeway provavelmente se desenvolveu a partir de um caminho pré-clássico médio que corria entre a costa e o povoamento inicial. A versão mais antiga do Lake Causeway foi construída no Pré-clássico tardio, tinha cerca de 10 metros (33 pés) de largura e foi elevada a 0,5 metros (1,6 pés) acima do nível do solo natural. A continuação da Via 5 não existia no Pré-clássico tardio, quando o centro da cidade posterior ainda não havia se desenvolvido. [42] Durante o Clássico Tardio, a ponte foi desenvolvida e ampliada com a construção formal da Via 5 passando pelo núcleo do local. O ponto onde os dois se encontraram foi deliberadamente estreitado com a construção de edifícios de flanco e é provável que tenha sido um posto de guarda onde o acesso ao núcleo do local era controlado. [15] É provável que viajantes e mercadorias que chegam à cidade tenham sido inspecionados e tributados neste ponto de controle. [16] Em seu ponto mais estreito, a entrada da ponte para a Via 5 tinha apenas 2 metros (6,6 pés) de largura. Os parapeitos foram erguidos flanqueando a Calçada do Lago, eles tinham aproximadamente 1 metro (3,3 pés) de altura e variavam de 2 a 3 metros (6,6 a 9,8 pés) de largura. O extremo sul da ponte foi modificado com a construção de uma plataforma coberta de estuque com paredes de alvenaria definindo os lados leste e sul. Do extremo sul da ponte até a união com a Via 5, há uma diferença de altitude aproximada de mais de 50 metros (160 pés). Há algumas evidências de que os degraus foram esculpidos na rocha calcária onde a plataforma sul encontrava a Calçada do Lago. [15] Durante uma segunda fase de construção no Late Classic, a plataforma sul foi ampliada para medir 32 metros (105 pés) leste-oeste por 19 metros (62 pés) norte-sul. A plataforma foi apoiada nos lados sul e leste por talude paredes revestidas a estuque. A própria ponte foi redesenhada como uma longa rampa que unia a plataforma sul com o centro da cidade e a junção com a Via 5. No Terminal Classic (c. 800-900 DC), a extremidade sul da Calçada do Lago foi reformada com calcário preencher. Os lados escalonados da plataforma sul foram preenchidos e cobertos com pedra para formar rampas. Por volta dessa época, Stela A, um monumento simples, foi erguido na plataforma. Também no Terminal Classic as restrições na extremidade norte da calçada onde se encontrava a Via 5 foram removidas, toda a área foi nivelada com pedra e argamassa finamente revestida que deixou o acesso livre em toda a largura da calçada. Restos de cerâmica recuperados da Calçada do Lago são escassos e mal preservados devido ao forte fluxo de água ao longo da inclinação causado durante a estação das chuvas, resultando em artefatos sendo erodidos e arrastados para baixo em direção ao lago. [20]

o Blom Causeway (Calzada Blom em espanhol) vai do centro da cidade para o norte até o Grupo Maler. [43]

o Calçada Galindo (Calzada Galindo em espanhol) corre de norte a sul entre a Acrópole Leste (na extremidade norte) e a Plaza C (na extremidade sul). [26]

o Lincoln Causeway (Calzada Lincoln em espanhol) vai do centro da cidade até a Plaza C. [26]

Edição de Monumentos

Aproximadamente 40 estelas maias foram recuperadas em Yaxha, metade das quais eram monumentos simples sem rostos esculpidos. [24]

Stela A é uma estela simples que foi erguida sobre a plataforma na extremidade sul (lado do lago) do Lake Causeway durante o Terminal Classic. [20]

Stela 3 é a mais setentrional das três estelas erguidas no lado leste da Plaza C. Ela data do período clássico inicial e está estilisticamente relacionada à cultura Izapan da costa do Pacífico. Está mal preservado e apenas o painel inferior sobreviveu apresenta uma semelhança com o painel equivalente na Stela 4. [24]

Stela 4 é a estela central no lado leste da Plaza C e é o mais bem preservado dos três monumentos do Antigo Clássico. Traz a imagem esculpida de uma figura em pé com os pés voltados para a esquerda sobre uma cabeça grotesca. Dois hieróglifos são esculpidos à esquerda dos joelhos da figura. [24] Um dos glifos preservados na Estela 4 é o Glifo do Emblema de Yaxha. [30]

Stela 5 é a estela meridional das três no lado leste da Plaza C. Está muito erodida, mas foi datada de 357 DC, tornando-se o monumento datado mais antigo da cidade. [24]

Stela 8 encontra-se no Grupo Maler. Ele data do início do clássico e está mal preservado, sobrevivendo apenas a parte inferior. [38]

Stela 10 está situada no Grupo Maler. Está muito danificado, sobrevivendo apenas a parte inferior. Foi datado do Clássico Antigo. [38]

Stela 11 é um monumento clássico primitivo bem preservado no lado leste da Plaza B, [38] na base da Estrutura 218 na Acrópole Oriental. [30] O estilo da estela é o de Teotihuacan, com a figura esculpida de um guerreiro com os atributos de Tlaloc, a divindade central mexicana da chuva. [45] A figura traz anéis de olho característicos, e um enfeite de borboleta sobre a boca, e usa um cocar de penas. O guerreiro carrega uma lança e um escudo. O monumento é muito semelhante à Stela 32 de Tikal e está associado à intervenção de Teotihuacan na região de Petén durante o período clássico inicial. [30]

Stela 13 era um monumento esculpido, mas foi quebrado em fragmentos, embora grande parte da escultura esteja preservada. O texto da estela inclui uma data em 793, a última data registrada na cidade. A estela foi erguida na base da Pirâmide Ocidental do Complexo das Pirâmides Gêmeas. [38] Stela 13 traz a imagem de um rei de Yaxha junto com um texto que descreve a celebração de um equinócio. [30]

Stela 30 é a mais setentrional das duas estelas encontradas na Plaza E. Está partida em dois pedaços. Data do início do clássico. [38]

Stela 31 está localizado na Plaza E. Data do Clássico Tardio e representa uma figura ornamentada com um grande adereço para a cabeça. O monumento está muito danificado e partido em vários pedaços. [38]

Stela 36 é um monumento muito erodido no lado oeste da Plaza B. [46]

Stela 41 foi erguido na base da escada de acesso do Templo 216 no século 8 DC. [14] O monumento está faltando sua extremidade, e pode não estar em sua localização original, todos os quatro lados são esculpidos em um estilo iconográfico clássico antigo. A face frontal da estela apresenta duas máscaras voltadas para a esquerda e uma figura antropomórfica usando uma pulseira de um tipo usado desde o final do Pré-clássico até o Clássico Inferior. As inscrições hieroglíficas nas faces norte e sul da estela estão erodidas, mas incluem um glifo que pode ser o Glifo do Emblema de Yaxha. [30]

Enterro YX-08 foi escavado em frente à entrada principal da Estrutura 218, um edifício tipo palácio na Acrópole Leste. Os restos mortais foram depositados em uma cisto e possivelmente pertenceram a um membro da elite da cidade. Os restos mortais eram de um jovem adulto do sexo masculino em seus vinte e poucos anos, enterrado deitado de costas com o crânio voltado para o norte. [40] O crânio foi deformado e os incisivos superiores foram modificados artificialmente com incrustações de jade. [47] Duas peças de jade esculpido foram encontradas perto do pescoço, uma delas uma placa quadrada com a inscrição de uma figura antropomórfica. Ambas as peças de jade tinham vestígios de pigmento vermelho. [33]


Conteúdo

A área de Naranjo cobre pelo menos 8 km² com o centro urbano cobrindo cerca de 2,25 km². [2] Existem atualmente 389 edifícios registrados na área central e mais de 900 ao redor do centro. [1]

O epicentro consiste em seis complexos triádicos, duas quadras de futebol, dois complexos palacianos e um grupo-E. C-9 é o maior complexo triádico da cidade. A estrutura C-9 é a pirâmide principal do complexo e a maior do local. Por ocupar o topo de uma colina natural com uma caverna localizada em seu interior, é um lugar perfeito para ser categorizado como uma "montanha sagrada". [5]

Uma escada hieroglífica, que se acredita ter sido tirada do Caracol, foi adicionada à estrutura B-18 em algum momento do século VII DC. [6]

O local foi mapeado e fotografado pela primeira vez por Teoberto Maler em 1905, enviado pelo Museu Peabody da Universidade de Harvard. [7] Em 1908, Maler escavou a escada hieroglífica da estrutura B-18, [6] partes da qual estão agora alojadas no Museu Britânico [8] em Londres. Na década de 1910, novas investigações do local foram feitas por Sylvanus G. Morley e Oliver Ricketson. [7]

As investigações do local de Xunantunich sugerem que fazia parte do reino de Naranjo. [3]

Na década de 1920, muitas das esculturas antigas já haviam desaparecido. O problema se agravou na década de 1960, quando muitas das grandes esculturas do local foram destruídas em fragmentos por saqueadores para retirá-las do país. [2]

Em 1972-1973, 19 estelas foram retiradas de Naranjo pelo Departamento de Monumentos Pré-hispânicos do IDAEH para serem protegidas de saqueadores. [2]

De 1997 a 2001, o site foi controlado por saqueadores. De 2002 a 2004, foi realizado um projeto para avaliar a extensão do saque, que encontrou cerca de 270 túneis e trincheiras. A arqueóloga Vilma Fialko foi fundamental neste projeto. [2]

Um projeto de conservação do Ministério da Cultura e Esporte começou em 2002. Em 2006, Naranjo foi adicionado ao World Monuments Watch. [1]

Em 2013, um edifício de cerca de 600 DC foi encontrado nas proximidades de Holmul com um friso de estuque gigante mostrando uma régua central e duas laterais em repouso. O friso está muito bem conservado. Abaixo está uma longa inscrição da qual parece que a construção foi encomendada por Aj Wosal de Naranjo. Na época, Naranjo estava subordinado à dinastia Kaanul de Dzibanche e Calakmul. [9]

A história de Naranjo inclui vários distúrbios importantes no governo dinástico, quando as alianças e identidades dos reis locais foram sujeitas a mudanças. Textos no site registram uma fundação mítica da cidade por seu deus patrono. [3]

Não se sabe muito sobre o local antes do governante Aj Wosal que chegou ao poder em 546 DC. [5] Os locais de La Sufricaya e Holmul ao norte de Naranjo estiveram envolvidos no estabelecimento da nova ordem política em Peten após a chegada de Siyaj K'ahk 'em 378 DC. É plausível supor que Naranjo também possa ser sob a influência da hegemonia de Siyaj K'ahk e dos governantes Tikal posteriores. Se houvesse algum monumento dessa época, ele foi destruído e / ou armazenado em cache.

Em 546 DC Naranjo ficou sob o controle de Calakmul, cujo governante Tuun Kab Hix nomeou Aj Wosal. Este foi um movimento deliberado de Calakmul para tirar aliados de Tikal. Em 626, dois ataques foram feitos a Naranjo pela Caracol. Naranjo foi então retomado por Calakmul em 631. Naranjo derrotou Caracol em 680 DC em uma "guerra estelar" que colocou Caracol em um período de hiato. [3]

Em 682 DC, Calakmul enviou Lady Six Sky, também conhecida como Wak Chanil, para restabelecer a dinastia Naranjo. [3] Sua chegada está escrita na estela 24 encontrada na frente da Estrutura C-7. [5] Lady Six Sky era filha do governante dos Pilas, B'alaj Chan K'awiil. Embora nunca tenha sido oficialmente feita governante, Lady Six Sky atuou como governante, possivelmente como regente de seu filho K'ak 'Tiliw Chan Chaak, que aderiu em 693 DC aos cinco anos de idade, embora nenhuma inscrição conhecida estabeleça explicitamente essa relação. Entre 693 e 698 DC Naranjo realizou uma série de pelo menos oito ataques, provavelmente sob o governo de Lady Six Sky, derrotando Tikal em 695 DC e Ucanal em 698 DC. K'ak 'Tiliw Chan Chaak começou outra série de ataques em 706 DC, incluindo a derrota de Yaxha em 710 DC. Lady Six Sky morreu em 741 DC, ela é retratada nas estelas 3, 18, 24, 29 e 31. [3]

Naranjo foi derrotado por Tikal em 744 DC e o governante, Yax Mayuy Chan Chaak, foi levado cativo e provavelmente sacrificado durante as celebrações da vitória de Tikal. [3]

A queda de Naranjo pode ter sido o resultado de turbulências políticas e uma severa seca datada de 810 DC. [3]


Quem eram os hicsos? De onde eles vieram? . e para onde eles desapareceram?

& quotContestado & quot seria uma maneira melhor de descrevê-lo.

Estamos nos afastando um pouco da questão original dos hicsos, mas tentarei explicar o que quero dizer.

Se você se lembra do registro de Piye (Piankhy) quando ele empurrou para o norte no Delta, ele enfrentou estrangeiros, ele descreveu seus inimigos como / mHtj / = & quotnortistas & quot. We are most fortunate that Piye identifies specific cities that rebelled against him. So, we have no trouble in identifying the northland/northerners. You may recall the city of Per-Ramesses was described as "the city of the Northland".
The current maps of the Delta show a curved coastline extending out into the Mediterranean, this did not exist in the 2nd millennium, in fact Lake Manzelah did not exist that far back. We know all this thanks to the work of Bietak and the core soundings he took across the eastern Delta.
There are also delta survey's by van Wetering, and by the Western Delta Survey, which have demonstrated over 700 ancient tells most of which were islands/gezirah's especially in flood season.

If you notice Ramesses III refers to his Asiatic enemies as 'rebels', but in their view they are independent. This reflects the contention between the long-time enemies of Egypt in the far north, & Pharaoh.
Ramesses talks about these 'rebels' as "restless in their isles", that they make a conspiracy "in their isles". He also explains how these "foreign countries" came from their isles in the midst "Hry-ib" = "within/inside" the sea/delta.

Hannig, in his huge hieroglyphic dictionary accepts that /mHtj/ refers to inhabitants within 'traditional' Egypt, but on the fringe. Not, as many have assumed over the decades a reference to northern peoples outside Egypt.

The coastal approaches of the delta were described by the Greeks as unsettled with many sandbanks, marshland, a terrible place, the haunt of pirates, etc.

It would appear Asiatics, Libyans & perhaps Aegeans had been occupying these peripheral regions for many centuries, so quite possibly the so-called Hyksos had always been there in various numbers since the Old kingdom.

I have lost you for a while because of a matter of transliteration regarding the mHtj. I know mHt and mHty [it's the same].
mHt was the term they used to indicate the marshes of the Delta and mHty was they word for "Northern" or simply "North".
For accuracy, phonetically mHt [with a different spelling: V22-X1-N35A] was also the word which indicated the flood waters.


Stela of Ity - History

A Mayan ruler in ritual dress, Stela 51, Calakmul, Campeche, Mexico, 731 C.E., (Museo Nacional de Antropología, Mexico D.F.)

Kings in stone

In 1839, American lawyer and amateur archaeologist John Lloyd Stephens and English artist Frederick Catherwood were the first outsiders to venture into the rainforests of Central America. They brought back their romanticized accounts and drawings of the remains of ancient Maya civilization to an eager England. In their publications, Stephens and Catherwood conveyed that they had uncovered the ruins of a great civilization that was uniquely American—one that had developed without contact with Egypt, India, or China.

Solemn and strange

Among the many strange and wonderful sites they encountered, it was the monuments that most aroused their interest and sparked their Victorian sensibility for engaging past civilizations. In regard to these hefty carved stones, Stephens penned the following excerpt, “standing as they do in the depths of the forest, silent and solemn, strange in design, excellent in sculpture, rich in ornament…their uses and purposes and whole history so entirely unknown….”

Over the past thirty years, scholars have made substantial advances in understanding the “uses and purposes” of Maya stone sculptures, and of the ancient peoples that produced them. This progress is due in no small part to developments in the decipherment of Maya hieroglyphics, which has escalated in recent decades. Epigraphers and art historians have labored to reconstruct the history and culture of the flourishing Classic period (c. 250-900 C.E.) expressed on the sculptures found throughout México, Honduras, Guatemala, El Salvador and Belize.

We now understand that the sculptors who chiseled these monuments were commissioned by privileged elites who lorded over vast city-states. These regional political and geographic partitions were dominated by singular powerful city-centers that vied for control of land and resources. Such cities were immense, and within them architects built grand pyramids and temples embellished with sculptures. Sculpted stone was an enduring record, and as early explorers witnessed, the remains of hundreds of carved monoliths still grace the ruins of these ancient Maya cities.

A medium for political and religious rhetoric

Portrait of ’18-Rabbit’ from Stela A, Copán, Honduras, 731 C.E. (photo adapted: Dennis Jarvis)

The stone monuments over which Stephens and Catherwood marveled were crucial to the social and political cohesion of ancient Maya city-states. While small-scale art objects were cloistered behind the walls of privileged homes and courts, larger stone sculptures served as the principal medium for presenting political and religious rhetoric to the public.

The most vital and imposing format was the stela—an upright flat slab of stone worked in relief on one, two, or four faces. Their placement at the base of immense pyramids or in open plazas facing small stage-like platforms suggests that they were intended to be viewed by vast audiences in conjunction with other public spectacles. These lakam-tuun “banner stones,” conveyed a broad and complex set of ideologies concerning royal history and politics, ceremonial activity, and calendrical reckoning. Their just-over human scale renders them ideal for presentations of engaging and awe-inspiring ruler portraits. In the tense political atmosphere of the Classic period, enduring images of powerful leaders ensured that the public recognized the authority of the ruler, the fortitude of his or her dynasty, and of the favor of deities.

The conquering ruler

Portrait of King Tahn Te’ K’inich in the garb of a warrior from Stela 6, Aguateca, Guatemala, ruled 770-802 C.E. (Museo Chileno del Arte Precolombino, Santiago, Chile)

As regional conflicts became more frequent in 8th century, military themes on portrait stelae increased.

Stela 6 from Aguateca, Guatemala (left) exemplifies the archetype of the conquering ruler, responsible for defeating enemies and procuring captives for ritual sacrifice. Although the hieroglyphs on this monument are eroded, the portrait appears to depict King Tahn Te’ K’inich (ruled 770-802 C.E.) as he brandishes a spear and shield and stands victoriously over two bound enemy captives.

Although Classic-period Maya stelae are no longer shrouded in mystery, numerous questions remain in regard to how they functioned. Perhaps most importantly, they provide only one side of the story, that of the ruler and of royal ideology. Stelae offer us little information regarding how they were received by the public, and we can only guess as to how effectively they impacted the common person. Although we know far more about ancient Maya stelae than Catherwood and Stephens ever imagined possible, the haze of mystery and intrigue through which they viewed these monuments has hardly evaporated.


Fig W0991: Stela H – Back Monument 8: Stela H

The back of Stela H is most unusual, as you can see in fig. W0991 . In the top right corner, it features the date glyph (signifying that a date is to follow) which is angled at 45° clockwise, so it reads from top right to bottom left. As Mayan glyphs are written in pairs, the immediate thought is that it would be reading from top left to bottom right. So it is doubly strange that it is not only diagonal, but grouped in fours. Suffice it to say, this is very uncommon – in fact only one other example has been found, in the little known site of Cancuén, 150 miles northwest of Quirigua.

The date reads 9.16.0.0.0, 2 Ahua 13 Tzec – 7 th May 751 AD , which makes it one of the earliest monuments that Cauac Sky erected.
Fig W0992: The Corn God On the side if Stela H is a wonderful depiction of Cauac Sky as the young God of Maize, emerging from the roots of “World Tree”. Corn was the main sustenance for the ancient Maya, and any ruler who could provide corn in abundance was considered to be an embodiment of the God of Maize and highly revered. Cauac Sky reigned for an astonishing 61 years which suggests he was able to keep the people of Quirigua very well fed and happy. The Corn God, and indeed the “World Tree”, are both tied in to the Creation Myth that was later referenced in Stela C and the trinity of stones which includes Stela A and Zoomorph B (click here for more info…). Stela H may therefore be an early indication of Cauac Sky’s ever growing belief that he was the “Great Ruler”.


The Why

The monumental inscriptions of Mesoamerica were not widely known in the United States until after Stephens and Catherwood published their findings in 1841.11 The excitement in and around Nauvoo over their findings in 1842 indicates that Joseph Smith and early Latter-day Saints were most likely unaware of things like stone inscriptions found in the Americas previously.

Even as awareness of Mesoamerican stelae grew, the inscriptions remained undecipherable, and as such the understanding of their contents was limited. Before the 1960s, most scholars believed that Mesoamerican monuments had no historical content whatsoever, but exclusively depicted and described gods and myths.12 Yet the Book of Mormon described a “large stone” engraved with the history of a king, his battles, his ancestors, and the origins of his ruling lineage.

Today, it is easy to take for granted the evidence for large stone monuments from Mesoamerica and assume it is of little or no significance for the Book of Mormon. Such an attitude, however, fails to appreciate how unknown the practice was in Joseph Smith’s own time and the fact that it took 130–160 years for linguists and epigraphers to catch up with Amaleki’s description in Omni 1:20–22.13

The more scholars learn about Mesoamerican stelae, the more comfortably Coriantumr’s stela fits the description. This is one instance where archaeology agora strongly supports the Book of Mormon, whereas it did not seem to before. Realizing this underscores the importance of patience when it comes to comparing a text like the Book of Mormon to the archaeological record.14


Maya, King Tut’s treasurer

In Egypt itself, a campaign was launched to restore traditional temples and reorganize the country’s administration.

The treasury was headed by Tutankhamun’s treasurer, Maya.

Maya was also responsible for the gradual demolition of the temples and palaces of Akhenaten, first in Thebes and later also in Amarna.

In addition, as supervisor of the work in the great cemetery of the Valley of the Kings , Maya would be responsible for organizing the transfer of the mortal remains of Akhenaten and Tutankhamun to their respective graves.


Assista o vídeo: Anna Estela feat Ton Dezy Vohémar - Tsara ratsy ny ela. NOUVEAUTE CLIP GASY 2021