Crise de Berlim

Crise de Berlim


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O termo Crise de Berlim é aplicado principalmente aos eventos de 1961, mas o status da antiga capital nacional de Berlim tornou-se uma fonte perpétua de conflito entre os aliados do tempo de guerra quando o controle da cidade foi dividido em quatro seções de controle da milícia, enquanto o campo ao redor do a cidade passou a fazer parte da esfera soviética. A primeira tentativa dos soviéticos de modificar o status pela força levou ao transporte aéreo de Berlim de 1948-49.

Depois de quase um ano, os soviéticos cederam e o transporte de superfície foi retomado. Pelos próximos dez anos, os imigrantes alemães, muitas vezes possuindo as habilidades necessárias para a economia da Alemanha Oriental, cruzaram as linhas de demarcação em Berlim e fugiram para o Ocidente, que havia sido unificado em 1949 como a República Federal da Alemanha, substituindo os franceses, americanos, e zonas britânicas de ocupação. Embora a fronteira tenha sido oficialmente fechada para visitas em 1952, a administração de uma fronteira que ocupava ruas em uma cidade era difícil de aplicar. Os números giraram em torno de 100.000 por vários anos e então começaram a se acelerar em 1960 e particularmente em 1961.

Em novembro de 1958, o premier Khruschev deu um ultimato aos aliados, dando-lhes seis meses para converter Berlim em uma cidade desmilitarizada e livre. Os aliados recusaram e afirmaram seu direito continuado de livre acesso à cidade. No início de 1959, Krhruschev concordou com uma Cúpula das Quatro Potências para resolver os problemas. Seguiram-se conversas diretas entre Khruschev e Eisenhower no retiro presidencial em Camp David. Nenhuma resolução real foi alcançada, mas foi acordado que ultimatos deveriam ser evitados e uma resolução completa seria buscada em uma reunião em Paris em maio de 1960. Infelizmente, a história do avião espião U-2 estourou pouco antes da conferência e matou seus potencial.

Em junho, Khruschev renovou sua ameaça de assinar um acordo unilateral com a Alemanha Oriental, que encerraria os direitos especiais de acesso dos aliados ocidentais a Berlim. Os aliados ocidentais responderam que isso não era legalmente possível em um tratado unilateral. Embora indicando algum entendimento da posição soviética e alguma flexibilidade em uma divisão permanente, Kennedy também solicitou um aumento militar de homens e equipamentos e dobrou o tamanho do calado.

Depois de estocar materiais abertamente por algum tempo, os alemães começaram, à meia-noite entre sábado e domingo, 11 e 12 de agosto de 1961, a construir um muro. Pela manhã, a cidade estava efetivamente dividida. Ruas foram rasgadas onde corria a parede.

O protocolo de ocupação especificava que as tropas aliadas podiam viajar livremente pela cidade. Os soviéticos criaram dificuldades e vários movimentos críticos se seguiram.

No auge da tensão, as linhas de tanques americanos e soviéticos se enfrentaram a uma curta distância nas linhas divisórias. Ambos os lados tinham munição real e ordens de atirar em caso de fogo. Eventualmente, um lento desengate dos tanques com nenhum dos lados parecendo recuar abruptamente foi alcançado.

Após essa data, não houve crise em Berlim quanto ao controle e a divisão entre Oriente e Ocidente tornou-se mais rígida. O Muro de Berlim permaneceu até ser derrubado por civis em 8 de novembro de 1989. Krhruschev respondeu


Bem-vindos, leitores! Você acabou de ver meu primeiro post na nova série Um Século de História Alemã. Este ano, postarei dez artigos, um para cada década dos 20º século. O século foi o mais dramático de nossa história. [1] E possivelmente em nenhum lugar foi mais do que na Alemanha, um país que às vezes se encontrava do lado errado da história, às vezes do lado certo e às vezes até dos dois ao mesmo tempo. A série, portanto, não tenta apenas mostrar um pouco da história alemã, mas também lançar luz sobre os processos mais amplos daqueles tempos em que a Alemanha era um sujeito e um objeto. Cada artigo apresentará um evento focal (todos eles no ano que termina em 9) e usará um - e apenas um! - jogo de tabuleiro para ilustrar. Hoje, começamos com a superpotência discutindo sobre Berlim durante a Crise de Berlim (depois de olhar para a situação especial de Berlim Ocidental). O jogo de tabuleiro que virá com isso, no entanto, se concentra em Cuba: 13 Dias: A Crise dos Mísseis Cubanos (Asger Harding Granerud / Daniel Skjold Pedersen, Jolly Roger Games). Por que escolhi este jogo então? Leia e descubra.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os Aliados concordaram em colocar Berlim sob uma administração conjunta assim que vencessem a guerra. Conseqüentemente, a cidade foi dividida em quatro setores após a guerra (um soviético, americano, britânico e francês) - assim como a Alemanha como um todo - mas a responsabilidade por Berlim como um todo permaneceu quadripartite. A cooperação soviético-ocidental, entretanto, se desfez logo após o fim da guerra. Como Berlim estava no meio da zona ocupada pelos soviéticos da Alemanha, os três setores ocidentais formaram uma ilha no Mar Vermelho. Os soviéticos rapidamente aproveitaram essa vantagem. Em 1948, eles negaram todo o acesso aos setores ocidentais de Berlim do exterior - o Bloqueio de Berlim. Stalin esperava incorporar Berlim Ocidental à Zona de Ocupação Soviética ou obter concessões na Alemanha Ocidental para suspender o bloqueio. No entanto, os aliados ocidentais foram capazes de fornecer Berlim Ocidental inteiramente por via aérea, e sua contrapressão conseguiu que os soviéticos acabassem com o bloqueio. O status quadripartido da cidade permaneceu inalterado. O mesmo aconteceu com a sensação desconfortável em Berlim Ocidental: os soviéticos continuavam a assediar o tráfego ocidental para Berlim Ocidental de vez em quando e podiam bloquear a cidade novamente quando quisessem.

As zonas de ocupação das potências aliadas na Alemanha: soviética (vermelha), americana (laranja), britânica (verde) e francesa (azul). Berlim está dividida em quatro setores e totalmente cercada pela zona de ocupação soviética. Imagem CC-BY-SA 3.0, criada pelo usuário da Wikipedia glglgl.


Conteúdo

O balão sobe
22 de outubro de 1961
As quatro potências que governam Berlim (União Soviética, Estados Unidos, Reino Unido e França) concordaram na Conferência de Potsdam de 1945 que o pessoal aliado não seria parado pela polícia alemã em nenhum setor de Berlim. Mas em 22 de outubro de 1961, apenas dois meses após a construção do Muro, o Chefe da Missão dos Estados Unidos em Berlim Ocidental, E. Allan Lightner, foi parado em seu carro enquanto cruzava o Checkpoint Charlie para ir a um teatro em Berlim Oriental, mesmo com ocupação visível força matrículas. O ex-general do Exército Lucius D. Clay, conselheiro especial do presidente dos EUA John F. Kennedy em Berlim Ocidental, decidiu demonstrar a determinação americana.

Clay enviou um diplomata americano, Albert Hemsing, para sondar a fronteira. Enquanto investigava em um veículo diplomático, Hemsing foi parado pela polícia de transporte da Alemanha Oriental pedindo para ver seu passaporte. Assim que sua identidade ficou clara, a Polícia Militar dos EUA foi levada às pressas. A Polícia Militar escoltou o carro diplomático enquanto ele entrava em Berlim Oriental e a chocada polícia da RDA saiu do caminho. O carro continuou e os soldados voltaram para Berlim Ocidental. Um diplomata britânico - aparentemente fora do circuito ou tentando conciliar - foi detido no dia seguinte e entregou seu passaporte, deixando Clay enfurecido.

27 de outubro de 1961
Talvez isso tenha contribuído para a decisão de Hemsing de tentar novamente. O Sr. Hemsing novamente se aproximou da fronteira da zona em um veículo diplomático. Mas Clay não sabia como os soviéticos reagiriam, então, no caso, ele enviou tanques com um batalhão de infantaria para o campo de aviação de Tempelhof nas proximidades. Para alívio de todos, a mesma rotina se repetiu. A Polícia Militar e os jipes dos EUA voltaram para Berlim Ocidental e os tanques que esperavam atrás também voltaram para casa.

Imediatamente, 33 tanques soviéticos dirigiram-se ao Portão de Brandemburgo. Curiosamente, o primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchev afirmou, como entendia, os tanques americanos viram os tanques soviéticos chegando e recuaram. O coronel Jim Atwood, então comandante da Missão Militar dos Estados Unidos em Berlim Ocidental, mais tarde discordou. Como um dos primeiros a detectar os tanques quando eles chegaram, o tenente Vern Pike recebeu a ordem de verificar se eram tanques soviéticos. Ele e o motorista do tanque Sam McCart dirigiram até Berlim Oriental, onde Pike aproveitou a ausência de soldados perto dos tanques para subir em um deles. Ele apresentou evidências definitivas de que os tanques eram soviéticos, incluindo um jornal do Exército Vermelho.

Dez dos tanques continuaram até Friedrichstraße e pararam a apenas 75 metros do posto de controle no lado soviético da fronteira. Os tanques dos EUA voltaram em direção ao posto de controle, parando a uma distância igual dele no lado americano da fronteira.

27 de outubro de 1961 às 17h a 28 de outubro de 1961 às 11h
As respectivas tropas se enfrentaram. De acordo com as ordens permanentes, os dois grupos de tanques foram carregados com munições ativas. Os níveis de alerta da guarnição dos EUA em Berlim Ocidental, depois da OTAN e, finalmente, do Comando Aéreo Estratégico dos EUA (SAC) foram aumentados. Ambos os grupos de tanques tinham ordens de atirar se alvejados. Foi neste ponto que o Secretário de Estado dos EUA, Dean Rusk, comunicou ao General Lucius Clay, o oficial comandante dos EUA em Berlim, que "Há muito decidimos que Berlim não é um interesse vital que justificaria o recurso determinado à força para proteger e sustentar . " Clay estava convencido de que o fato de os tanques dos EUA usarem montagens de escavadeira para derrubar partes do Muro teria encerrado a crise para uma vantagem maior dos EUA e seus aliados, sem provocar uma resposta militar soviética. Suas opiniões e as evidências correspondentes de que os soviéticos podem ter recuado após essa ação apoiam uma avaliação mais crítica das decisões de Kennedy durante a crise e sua disposição de aceitar o Muro como a melhor solução.

Com o espião da KGB Georgi Bolshakov servindo como o principal canal de comunicação, Khrushchev e Kennedy concordaram em reduzir as tensões retirando os tanques. O posto de controle soviético tinha comunicações diretas com o general Anatoly Gribkov no Alto Comando do Exército Soviético, que por sua vez estava ao telefone com Khrushchev. O posto de controle dos EUA continha um policial militar ao telefone para o quartel-general da Missão Militar dos EUA em Berlim, que por sua vez se comunicava com a Casa Branca. Kennedy ofereceu-se para passar facilmente por Berlim no futuro, em troca dos soviéticos removendo seus tanques primeiro. Os soviéticos concordaram. Na verdade, Kennedy foi pragmático em relação ao Muro: "Não é uma solução muito boa, mas um muro é muitíssimo melhor do que uma guerra."

28 de outubro de 1961 às 1100 horas e 1 minuto
Os tanques de ambos os grupos começaram a se afastar do posto de controle Charlie e é aqui que a linha do tempo se divide. Devido a algumas acústicas estranhas na área, os soviéticos e as forças da OTAN ouviram o que soou como um tiro no momento em que um cascalho atingiu um tanque soviético na alvenaria de um prédio próximo. Para os dois lados, soou como um tiro, embora apenas um tiro saiu pela culatra. Como nenhum deles viu exatamente o que havia acontecido, os soviéticos pensaram que as forças da OTAN haviam aberto fogo contra eles e aberto fogo. O balão subiu dali.

As forças da OTAN perto do portão responderam. Isso continuou enquanto ambos os lados notificavam seus comandantes. Esses comandantes ativaram suas forças para atacar as outras forças. Enquanto as forças eram ativadas para ambos os lados, a informação subia nas cadeias de comando e conforme a luta se espalhava, as nações do Pacto de Varsóvia ativaram suas forças e se dirigiram para a Alemanha Ocidental e a Europa Ocidental. Eventualmente, os líderes de ambos os lados, para tentar parar a luta, perderam o controle de suas armas nucleares. O primeiro usado foi contra o setor controlado pelo US V Army Corp pelo Soviets 8th Guards Army Corp para que eles viessem através da parede, pois haviam se preparado para explodir as aberturas na parede. Enquanto isso acontecia, o governo se dispersou para a continuação dos locais do governo. Kennedy foi enviado para o bunker presidencial em Mount Weather.

30 de outubro de 1961
Depois disso, o uso de armas nucleares foi usado à esquerda, direita e centro. Os soviéticos começaram a atingir alvos da OTAN e as forças da OTAN começaram a atingir alvos soviéticos. Isso se espalhou pela Europa e pela URSS. A China percebeu o que estava acontecendo e foi atrás da Mongólia e do extremo leste da Sibéria para aumentar o tamanho do país para que a população tivesse mais espaço. Os comandantes soviéticos assumiram a responsabilidade de disparar vários mísseis de curto e médio alcance contra a China, todos de ponta nuclear. Um míssil de médio alcance atingiu Pequim e outro atingiu Xangai, destruindo ambas as cidades. Cada míssil tinha na ponta uma ogiva que totalizava dez megatons e detonou a uma altitude de cerca de 1,4 km acima do solo.

Quando o Comando Militar Chinês ficou offline, os militares liberaram tudo o que tinham em suas reservas nucleares. Coréia do Sul, Vietnã do Sul, Camboja e Japão foram todos atingidos, bem como todos os locais militares soviéticos na Sibéria que os chineses conheciam, erradicando-os da existência logo depois que os soviéticos lançaram seus mísseis na China e nos Estados Unidos. As forças americanas navegaram de Midway, Guam e Pearl Harbor para dentro do alcance de ataque de 2.500 milhas náuticas de nossos mísseis Polaris A-2 em uso na época. Estes foram disparados contra todos os alvos selecionados para esses navios.

29 de outubro de 1961
O DEW recolheu os vagões que se aproximavam e notificou o NORAD junto com os comandantes canadenses. Os truques foram verificados com a linha Pinetree e rastreados para possíveis alvos com a linha Mid-Canada. Os Estados Unidos foram para o DEFCON 1, imediatamente ativaram os bombardeiros de longo alcance enviando então em direção a seus alvos na URSS e disparando a série de mísseis balísticos intercontinentais que foram armados para o lançamento de primeiro ataque. Um desses bombardeiros foi enviado a Cuba para remover a ameaça de Castro e seus insurgentes comunistas. Em seguida, o restante entrou em contagem regressiva de homem morto por três dias. Com esses mísseis configurados para isso, não há como impedi-los de lançar, pois qualquer outra entrada de um controlador humano será ignorada.

31 de outubro de 1961
Os mísseis disparados do que eram os Estados Unidos atingiram seus alvos em toda a URSS e várias horas depois os bombardeiros que sobreviveram aos interceptores soviéticos atingiram seus alvos. Um dos bombardeiros, devido aos danos da batalha, não conseguiu abrir as portas do compartimento de bombas e, em vez disso, lançou o avião no alvo para completar a corrida de ataque. A URSS disparou todos os seus mísseis restantes contra seus alvos e lançou os bombardeiros restantes que foram capazes de voar em direção a seus alvos através do hemisfério norte. A lista de alvos incluía várias dezenas de alvos em todo o Canadá enquanto os bombardeiros sobrevoavam.

30 de outubro de 1961
Outra série de detonações nucleares atingiu o que eram os Estados Unidos. Em retaliação, todos os submarinos de mísseis balísticos americanos que não haviam sido lançados receberam autorização do Mount Weather para entrar no alcance e disparar todos os seus mísseis de lançamento primários e esperar três dias antes de disparar os outros. Vários desses submarinos foram afundados após o lançamento ao entrarem em batalha com navios de guerra de outros países envolvidos no conflito. Eventualmente, todos foram atingidos em um ponto ou outro por armas nucleares sendo disparadas contra eles.

2/3 de novembro de 1961
A contagem regressiva do homem morto termina e os lançamentos finais das últimas ogivas nucleares existentes na terra são lançados pelo que foram os Estados Unidos contra o que foi a URSS. Esses mísseis atingem seus alvos 45 minutos depois, encerrando a Terceira Guerra Mundial.

Por favor, sinta-se à vontade para adicionar suas adições ao cronograma aqui. Se você tiver informações para outra parte da linha do tempo do projeto, que podem ser adicionadas mais adiante na página ou em outra página associada para um dos países ou organizações envolvidas na guerra.


T H E B E R L I N C R I S I S 1 9 5 8 - 1 9 6 2

A crise de Berlim envolveu uma controvérsia tão amarga e sustentada que, no auge, os líderes mundiais temeram que um passo em falso pudesse desencadear uma guerra nuclear. A crise se desenrolou por meio de uma guerra de palavras, negociações diplomáticas, cúpulas de superpotências e posturas e preparações militares enquanto Oriente e Ocidente discutiam sobre o status de Berlim. Para os presidentes Eisenhower e Kennedy, a "credibilidade" dos EUA estava em jogo: um fracasso em Berlim poderia perturbar a OTAN e enfraquecer a influência americana na Alemanha Ocidental, a chave para o equilíbrio de poder na Europa.


The Berlin Crisis, 1958-1962 fornece um registro abrangente da formulação da política dos EUA em relação a Berlim e Alemanha Ocidental. Ele contém aproximadamente 3.000 documentos, totalizando mais de 11.500 páginas, muitos deles documentos recentemente desclassificados disponíveis aqui pela primeira vez. A coleção começa com documentos que datam do final de 1953, quando o governo Eisenhower começou a formular seus planos de contingência de Berlim e termina no final dos anos 1960 com uma série de histórias recém-desclassificadas do Departamento de Estado. O núcleo da coleção consiste em documentos de novembro de 1958 até o outono de 1962 que permitem aos pesquisadores acompanhar os desenvolvimentos da política dos EUA no dia-a-dia e descobrir as inter-relações entre a política diplomática e militar dos EUA ao longo da crise.

Em um telegrama secreto obtido pelo National Security Archive em agosto de 1991-EUA. O Embaixador Llewellyn Thompson analisa a situação de Berlim e avisa o Secretário de Estado sobre as "possibilidades de guerra ou ignominiosa Ameaça Ocidental.

Este cabo secreto recebe uma entrada de catalogação completa e uma frase de indexação permutada. Os cabeçalhos de assunto, sublinhados aqui para maior clareza, fornecem cinco pontos de acesso para pesquisadores. Os colchetes denotam paralelismo.

Berlim deve ser direcionada para ganhar tempo
e Reduzindo a possibilidade de um Direct U.S.-
Confronto Soviético
Cabo secreto 2 pp.
Origem: Embaixada dos Estados Unidos. União Soviética
Para: Estados Unidos. Departamento de Estado
De: Thompson, Llewellyn E.
Índice: Llewellyn E. Thompson - fornece suas opiniões sobre
[Posições de negociação das intenções soviéticas ocidentais] - com
a respeito da crise de Berlim para o Encontro entre João
F. Kennedy e Nikita S. Khrushchev em Viena,
Áustria (3-4 de junho de 1961) - e afirma que os Estados Unidos
política - deve ser direcionada para ganhar tempo e
evitando um confronto direto sobre Berlim


10/01/66 Crise sobre Berlim: Política Americana Relativa às Ameaças Soviéticas a Berlim - 11 / 58- 12/62, Departamento de Estado, Escritório de Relações Públicas, História Super Secreta

1962 História Anual: Exército dos EUA, Europa: 1961, Comando Europeu dos EUA, Exército, Divisão de Operações, História Super Secreta

02/08/62 Briefing para o presidente sobre Berlim, Departamento de Estado, Força-Tarefa de Berlim, Memorando Top Secret

18/07/62 Memorando de Conversação entre o Presidente e o Embaixador Dobrynin, 17/07/63, Gabinete da Casa Branca, Memorando Secreto de Conversação

12/03/62 Alemanha e Berlim: Discussões Rusk-Gromyko em Genebra, Departamento de Estado, Memorando Secreto de Conversação

26/01/62 Análise das conversas Thompson-Gromyko, Departamento de Estado, Escritório de Inteligência e Pesquisa, Memorando Secreto

21/09/61 Alemanha e Berlim: Desarmamento, China Vermelha, Departamento de Estado, Memorando Secreto de Conversação

28/06/61 Relatório de Acheson ao Presidente sobre Berlim, Escritório Executivo do Presidente, Memorando Secreto

06/04/61 Viena Reunião entre o presidente e o presidente Khrushchev: Discussão final da Alemanha e Berlim, Departamento de Estado, Memorando Secreto de Conversação

26/09/59 Documentos de Problemas e Procedimentos: Discussão sobre Khrushchev-Eisenhower, Departamento de Estado, Memorando Secreto de Conversação

20/04/59 Esforço de planejamento militar tripartido para contingências de Berlim - Diretiva sobre pessoal de planejamento do LIVE OAK, Embaixada dos Estados Unidos, França, Top Secret

02/08/59 Dulles e Adenauer discutem planos de contingência e uso de armas nucleares, Departamento de Estado, Top Secret Memorandum of Conversation

28/11/58 Relatório do Grupo de Trabalho Ad Hoc da Defesa do Estado-JCS sobre possíveis cursos de ação em Berlim, Estado-Maior Conjunto, Memorando Top Secret

24/11/58 Possíveis contramedidas ao bloqueio de Berlim, Exército dos EUA, Vice-Chefe do Estado-Maior para Operações Militares, Memorando Top Secret

20/11/58 A transferência do controle dos postos de controle para a Alemanha Oriental seria uma armadilha para garantir o reconhecimento dos aliados da RDA, Missão dos EUA, Berlim Ocidental, cabo secreto

John C. Ausland Autor, ex-Diretor Adjunto, Força-Tarefa de Berlim, Departamento de Estado dos EUA

Martin J. Hillenbrand Diretor, Centro de Política Comercial Leste-Oeste, ex-Diretor da Universidade da Geórgia, Força-Tarefa de Berlim, Departamento de Estado dos EUA

Anna K. Nelson Professora Adjunta de História, American University

David A. Rosenberg Professor de História, Temple University

Marc Trachtenberg Professor de História, Universidade da Pensilvânia


Título: A crise de Berlim, 1958-1962

Contente: Reproduz em microfilme aproximadamente 3.000 documentos, totalizando mais de 11.500 páginas que registram a política dos EUA em relação a Berlim e Alemanha de 1958-1962.

Arranjo: As microfichas são organizadas cronologicamente. Para facilidade de uso, os números de identificação exclusivos atribuídos aos documentos são impressos em tipo legível no canto superior direito e precedem cada documento na tira de microficha.

Padrões: Os documentos são reproduzidos em microficha de leitura positiva de haleto de prata com uma redução nominal de 24x. Eles são arquivados permanentemente e estão em conformidade com os padrões AIIM, BSI e ANSI. Qualquer microficha fisicamente inferior será substituída gratuitamente.

Acesso: Um guia impresso e um índice totalizando aproximadamente 2.000 páginas acompanham a coleção de microfichas. O guia contém uma cronologia de eventos, glossários de nomes, organizações, eventos, acordos internacionais e acrônimos, uma bibliografia de fontes secundárias e uma lista cronológica de documentos. O índice fornece acesso em nível de documento detalhado para assuntos, indivíduos e organizações.


Eventos: [editar | editar fonte]

6 de maio de 2058, [editar | editar fonte]

16h36 Central - Os motins se tornam mais violentos quando algumas pessoas começam a esfaquear oficiais Furry e policiais.

2:54 Pacífico - DaRealpotatolord entra em Berlim, usando a mesma estratégia de "bater o avião" que fizeram durante a Revolução Iris.

17:47 - Trabalhadores poloneses chegam e montam cozinhas de alimentação e hospitais de campanha.

7 de maio de 2058, [editar | editar fonte]

3:45 Mountain - O Furry Empire envia milhares de soldados e começa a executar os manifestantes. Um incidente horrível seria um tiroteio em massa na rua, conhecido como o "Massacre de Berlim", com milhares de mortos e ainda mais feridos. Os protestos começam a cair significativamente.

4:48 PM Central - Os trabalhadores poloneses do serviço humano se armam ligeiramente para a defesa. Além disso, a segurança armada é convocada para continuar a protegê-los durante seus empregos.

19h02 Central - Forças Furry são forçadas a se posicionar na metade oeste da cidade enquanto os grandes grupos restantes de manifestantes começam a fazer do lado leste de Berlim "seu" território por meio de medidas extensivas, como gás mostarda e molotovs.

8 de maio de 2058, [editar | editar fonte]

12h57 Central - Em resposta ao Massacre de Berlim, várias forças da 1ª Divisão de Comandos de Choque de Mecha surpreendentemente chegam a Berlim e ajudam os manifestantes que permanecem, dando-lhes suprimentos como armas e comida enquanto eles seguram os Furries usando fogo de artilharia. Uma estrutura semelhante a uma fronteira é montada no meio da cidade, onde os rebeldes se refugiam no lado leste dessa "fronteira" e começam a se reagrupar enquanto se preparam para assumir o controle de Berlim.

12 de maio de 2058 [editar | editar fonte]

18h Central - Mais ajuda humanitária é enviada por entidades privadas da Polônia, bem como milícias de defesa armada que em breve se declaram enviadas pelo governo da Polônia.


John F. Kennedy & # 8217s endereço sobre a crise de Berlim (1961)

Em 25 de julho de 1961, o presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy foi à televisão para falar ao povo americano sobre a crise de Berlim. Ele condenou as ameaças e ultimatos de Nikita Khrushchev sobre Berlim, enquanto anunciava um aumento na preparação militar dos EUA para defender a cidade, caso ocorresse um ataque:

& # 8220Boa noite,

Sete semanas atrás, esta noite, voltei da Europa para relatar meu encontro com o premier Khrushchev e os outros. Suas advertências sombrias sobre o futuro do mundo, seu aide memoire em Berlim, seus discursos e ameaças subsequentes que ele e seus agentes lançaram, e o aumento do orçamento militar soviético que ele anunciou, todos levaram a uma série de decisões por Administração e uma série de consultas aos membros da organização da OTAN.

Em Berlim, como você deve se lembrar, ele pretende encerrar, com um golpe de caneta, primeiro nossos direitos legais de estar em Berlim Ocidental e, em segundo lugar, nossa capacidade de cumprir nosso compromisso com os dois milhões de pessoas livres daquela cidade . Isso não podemos permitir.

Temos clareza sobre o que deve ser feito & # 8211 e pretendemos fazê-lo. Quero falar francamente com você esta noite sobre os primeiros passos que iremos dar. Essas ações exigirão sacrifícios por parte de muitos dos nossos cidadãos. Mais será necessário no futuro. Exigirão, de todos nós, coragem e perseverança nos anos que virão. Mas se nós e nossos aliados agirmos com força e unidade de propósito & # 8211 com determinação calma e nervos firmes & # 8211 usando moderação em nossas palavras, bem como em nossas armas & # 8211, tenho esperança de que a paz e a liberdade sejam sustentadas .

A ameaça imediata aos homens livres está em Berlim Ocidental. Mas aquele posto avançado isolado não é um problema isolado. A ameaça é mundial. Nosso esforço deve ser igualmente amplo e forte, e não ser obcecado por uma única crise fabricada. Enfrentamos um desafio em Berlim, mas também existe um desafio no sudeste da Ásia, onde as fronteiras são menos protegidas, o inimigo é mais difícil de encontrar e os perigos do comunismo são menos aparentes para aqueles que têm tão pouco. Enfrentamos um desafio em nosso próprio hemisfério e, na verdade, onde quer que a liberdade dos seres humanos esteja em jogo & # 8230

Nossa presença em Berlim Ocidental e nosso acesso a ela não podem ser eliminados por nenhum ato do governo soviético. O escudo da OTAN foi estendido há muito tempo para cobrir Berlim Ocidental & # 8211 e demos nossa palavra de que um ataque a essa cidade será considerado um ataque a todos nós & # 8230

Seria um erro outros considerar Berlim, por causa de sua localização, um alvo tentador. Os Estados Unidos estão lá, o Reino Unido e a França estão lá, a promessa da OTAN está lá e o povo de Berlim está lá. Nesse sentido, é tão seguro quanto o resto de nós, pois não podemos separar sua segurança da nossa & # 8230 Não queremos lutar & # 8211, mas já lutamos antes. E outros, em épocas anteriores, cometeram o mesmo erro perigoso de presumir que o Ocidente era muito egoísta, muito brando e muito dividido para resistir a invasões de liberdade em outras terras. Aqueles que ameaçam lançar as forças da guerra em uma disputa por Berlim Ocidental devem lembrar as palavras do antigo filósofo: & # 8216Um homem que causa medo não pode estar livre do medo & # 8217.

Não podemos e não permitiremos que os comunistas nos expulsem de Berlim, seja gradualmente ou à força. Pois o cumprimento de nosso compromisso com aquela cidade é essencial para o moral e a segurança da Alemanha Ocidental, para a unidade da Europa Ocidental e para a fé de todo o Mundo Livre. A estratégia soviética há muito visa não apenas Berlim, mas também dividir e neutralizar toda a Europa, obrigando-nos a voltar para nossas próprias costas. Devemos cumprir nossa promessa freqüentemente declarada aos povos livres de Berlim Ocidental & # 8211 e manter nossos direitos e sua segurança, mesmo em face da força & # 8211, a fim de manter a confiança de outros povos livres em nossa palavra e em nosso resolver. A força da aliança da qual nossa segurança depende depende, por sua vez, de nossa disposição em cumprir nossos compromissos com eles & # 8230

Conseqüentemente, agora estou realizando as seguintes etapas:

1. Solicito amanhã ao Congresso, para o atual ano fiscal, um adicional de US $ 3,247 bilhões em dotações para as Forças Armadas.

2. Para preencher nossas atuais Divisões do Exército e disponibilizar mais homens para implantação imediata, estou solicitando um aumento na força total autorizada do Exército de 875.000 para aproximadamente um milhão de homens.

3. Estou solicitando um aumento de 29.000 e 63.000 homens, respectivamente, na força ativa da Marinha e da Força Aérea.

4. Para atender a essas necessidades de mão de obra, estou ordenando que nossas convocações preliminares sejam duplicadas e triplicadas nos próximos meses. Estou pedindo ao Congresso autoridade para ordenar o serviço ativo de certas unidades de reserva prontas e reservistas individuais, e para estender viagens de serviço & # 8230

5. Muitos navios e aviões que se dirigiam para a aposentadoria devem ser retidos ou reativados, aumentando nosso poder aéreo taticamente e nossa capacidade de transporte marítimo, aéreo e de guerra anti-submarino. Além disso, nosso poder aéreo estratégico será aumentado com o adiamento da desativação dos bombardeiros B-47.

6. Finalmente, cerca de US $ 1,8 bilhões & # 8211 cerca de metade da soma total & # 8211 é necessária para a aquisição de armas não nucleares, munições e equipamentos & # 8230

O mundo não se deixa enganar pela tentativa comunista de rotular Berlim como um foco de guerra. Hoje há paz em Berlim. A fonte de problemas e tensões mundiais é Moscou, não Berlim. E se a guerra começar, terá começado em Moscou e não em Berlim. Pois a escolha de paz ou guerra é em grande parte deles, não nossa. Foram os soviéticos que provocaram esta crise. São eles que estão tentando forçar uma mudança. São eles que se opõem às eleições livres. Foram eles que rejeitaram um tratado de paz totalmente alemão e as regras do direito internacional. E, como os americanos sabem de nossa história em nossa velha fronteira, os tiroteios são causados ​​por bandidos, e não por oficiais da paz.

Em suma, embora estejamos prontos para defender nossos interesses, também estaremos prontos para buscar a paz & # 8211 em conversas exploratórias silenciosas, em reuniões formais ou informais. Não queremos que considerações militares dominem o pensamento do Oriente ou do Ocidente. E o Sr. Khrushchev pode descobrir que seu convite a outras nações para se juntarem a um tratado sem sentido pode levá-lo a convidá-lo a se juntar à comunidade de homens pacíficos, abandonando o uso da força e respeitando a santidade dos acordos & # 8230 & # 8221


Explique 2 consequências da crise de Berlim - História, 8 marcos

docx, 12,46 KB

Uma resposta detalhada para a pergunta. Ele ganha nota máxima aplicando contexto, mostrando conhecimento sofisticado e aplicando análise minuciosa.

Q) Explique 2 consequências da crise de Berlim (8 pontos)

Avaliações

Sua classificação é necessária para refletir sua felicidade.

É bom deixar algum feedback.

Algo deu errado, tente novamente mais tarde.

Este recurso ainda não foi revisado

Para garantir a qualidade de nossos comentários, apenas os clientes que compraram este recurso podem analisá-lo

Relate este recurso para nos informar se ele viola nossos termos e condições.
Nossa equipe de atendimento ao cliente analisará seu relatório e entrará em contato.


Crise de Berlim - História

Berlim

Quando o presidente Kennedy assumiu o cargo, Berlim era sem dúvida a questão mais polêmica entre os Estados Unidos e a União Soviética. Em seu primeiro ano de mandato, o presidente temeu constantemente que os soviéticos pudessem tomar uma ação unilateral que resultasse em uma guerra geral. When they built the Berlin Wall to keep the East German citizens from leaving, the President vocally condemned the action, but privately was pleased that the Soviets had undertaken actions that the US could accept and not go to war over.

From the moment he was elected, the issue of Berlin was on President Kennedy's mind. In his initial meeting with President Eisenhower, Berlin was one of the first items on the agenda. And, Berlin was clearly Khrushchev&rsquos concern as well. When President Kennedy suggested a summit in Vienna, he wrote that Berlin was &ldquoa dangerous source of tension in the very heart of Europe.&rdquo

Kennedy had hoped to reach an agreement with the Soviets on Berlin during the Vienna meeting. Não era pra ser. At the Vienna Summit, the issue of Berlin was the most contentious. Khrushchev made it clear he was willing to sign a separate peace agreement with East Germany, and would not be concerned about US or Western rights in Berlin. JFK made it clear that Berlin was not a peripheral question for the United States. He stated to Khrushchev: &ldquoThis matter is of greatest concern to the US. We are in Berlin, not because of someone&rsquos sufferance. We fought our way there. If we were expelled from the area, and if we accepted the loss of our rights, no one would have any confidence in US commitments and pledges.&rdquo The one concession Khruschev was willing to make was his willingness to wait until December to sign an agreement with East Germany.

Kennedy returned from the summit fearful there might indeed be war with the Soviets over Berlin. Too many East Germans were voting with their feet, moving to West Berlin and leaving the Soviet bloc, which was exceptionally embarrassing to the Soviets who were not willing for the status quo to continue. The summer of 1961 was tense, with the issue of Berlin dominating. The question everyone asked, was whether President Kennedy was willing to risk nuclear war to protect US rights in Berlin. In a press conference on June 28th, he spoke out about Berlin, but refused to answer questions that might show too much of his hand. During this period, Kennedy was simultaneously supporting a military buildup, while at the same time, pushing to find diplomatic solutions to the problem.

On July 25th, Kennedy gave a nationwide address on Berlin. In it, Kennedy successfully balanced his need to show strength, while seeming to be flexible. Kennedy made it clear the US would not walk away from Berlin. He also announced a major US military buildup. At the same time, Kennedy stated he was open to any diplomatic solution to the problem.

Khruschev came to the conclusion that Kennedy would indeed fight over the rights of the Western powers in Berlin. So Khruschev chose to implement an alternative strategy that caught the West by surprise. Early on the morning of August 13th 1961, East German security started putting up barriers between East and West Berlin, barriers which were to become the Berlin Wall. While Kennedy was not happy that the Wall was being built, he realized it was a way out of the crisis. He stated to his aid O&rsquoDonnell: &ldquoIt's not a very nice solution, but a wall is hell of a lot better than a war.&rdquo The Wall was to remain a central divide between East and Western Europe until, following the disintegration of the Soviet Union, the Wall was dismantled on November 9th 1990.


Conteúdo

The balloon goes up
October 22, 1961
The four powers governing Berlin (Soviet Union, United States, United Kingdom, and France) had agreed at the 1945 Potsdam Conference that Allied personnel would not be stopped by German police in any sector of Berlin. But on 22 October 1961, just two months after the construction of the Wall, the US Chief of Mission in West Berlin, E. Allan Lightner, was stopped in his car while crossing at Checkpoint Charlie to go to a theater in East Berlin even with visible occupation forces license plates. The former Army General Lucius D. Clay, U.S. President John F. Kennedy's Special Advisor in West Berlin, decided to demonstrate American resolve.

Clay sent an American diplomat, Albert Hemsing, to probe the border. While probing in a diplomatic vehicle, Hemsing was stopped by East German transport police asking to see his passport. Once his identity became clear, US Military Police were rushed in. The Military Police escorted the diplomatic car as it drove into East Berlin and the shocked GDR police got out of the way. The car continued and the soldiers returned to West Berlin. A British diplomat—apparently either out of the loop or attempting to conciliate—was stopped the next day and handed over his passport, infuriating Clay.

October 27,1961
Perhaps this contributed to Hemsing's decision to make the attempt again. Mr. Hemsing again neared the zone boundary in a diplomatic vehicle. But Clay did not know how the Soviets would respond, so in case, he sent tanks with an infantry battalion to the nearby Tempelhof airfield. To everyone's relief the same routine played out again. The US Military Police and Jeeps went back to West Berlin, and the tanks waiting behind also went home.

Immediately, 33 Soviet tanks drove to the Brandenburg Gate. Curiously, Soviet premier Nikita Khrushchev claimed as he understood it, the American tanks had seen the Soviet tanks coming and retreated. Col. Jim Atwood, then Commander of the US Military Mission in West Berlin, later disagreed. As one of the first to spot the tanks when they arrived, Lieutenant Vern Pike was ordered to verify whether they were Soviet tanks. He and tank driver Sam McCart drove over to East Berlin, where Pike took advantage of the absence of any soldiers near the tanks to climb into one of them. He came out with definitive evidence that the tanks were Soviet, including a Red Army newspaper.

Ten of the tanks continued to Friedrichstraße, and stopped just 75 meters from the checkpoint on the Soviet side of the boundary. The US tanks turned back towards the checkpoint, stopping an equal distance from it on the American side of the boundary.

October 27, 1961 at 1700 hours to October 28, 1961 at 1100 hours
The respective troops faced each other. As per standing orders, both groups of tanks were loaded with live munitions. The alert levels of the US Garrison in West Berlin, then NATO, and finally the US Strategic Air Command (SAC) were raised. Both groups of tanks had orders to fire if fired upon. It was at this point that US Secretary of State Dean Rusk conveyed to General Lucius Clay, the US commanding officer in Berlin, that "We had long since decided that Berlin is not a vital interest which would warrant determined recourse to force to protect and sustain." Clay was convinced that having US tanks use bulldozer mounts to knock down parts of the Wall would have ended the Crisis to the greater advantage of the US and its allies without eliciting a Soviet military response. His views, and corresponding evidence that the Soviets may have backed down following this action, support a more critical assessment of Kennedy’s decisions during the crisis and his willingness to accept the Wall as the best solution.

With KGB spy Georgi Bolshakov serving as the primary channel of communication, Khrushchev and Kennedy agreed to reduce tensions by withdrawing the tanks. The Soviet checkpoint had direct communications to General Anatoly Gribkov at the Soviet Army High Command, who in turn was on the phone to Khrushchev. The US checkpoint contained a Military Police officer on the telephone to the HQ of the US Military Mission in Berlin, which in turn was in communication with the White House. Kennedy offered to go easy over Berlin in the future in return for the Soviets removing their tanks first. The Soviets agreed. In reality Kennedy was pragmatic concerning the Wall: "It's not a very nice solution, but a wall is a hell of a lot better than a war."

October 28, 1961 at 1100 hours and 1 minute
The tanks from both groups started backing away from checkpoint Charlie and this is where the timeline splits. Due to some strange acoustics in the area the Soviets and NATO forces both heard what sounded like a gunshot just as a gravel hit a Soviet tank form the stonework of a nearby building. To both sides it had sounded like a gunshot, although only a car backfire. Since none of them saw exactly what had happened, the Soviets thought that the NATO forces had opened fire on them and opened fire. The balloon went up from there.

The NATO forces near the gate fired back. This continued while both sides notified their commanders. These commanders activated their forces to attack the other forces. While the forces were being activated for both sides the information went up both chains of command and as the fighting spread, the Warsaw Pact nations activated their forces and headed into West Germany and Western Europe. Eventually, the leaders of both sides, to try to stop the fighting, loosed the controls of their nuclear weapons. The first one used was against the sector controlled by the US V Army Corp by the Soviets 8th Guards Army Corp to them from coming through the wall as they had set charged to blow openings in the wall to come through. As this was happening the government dispersed to continuation of government locations. Kennedy was sent to the presidential bunker in Mount Weather.

October 30, 1961
After this the use of nuclear weapons were used left, right and center. The Soviets started hitting NATO targets and NATO forces started hitting Soviet targets. This spread across Europe and the USSR. China noticed what was happening and went after Mongolia and far eastern Siberia to increase the size of the country so the population would have more room. Soviet commanders took it upon themselves to fire several short and medium range missiles at China, all nuclear tipped. A medium range missile hit Beijing and another hit Shanghai, destroying both cities. Each missile was tipped with a warhead that totaled 10 megatons and detonated at an altitude of roughly 1.4 kilometers above the ground.

When the Chinese Military Command went offline the military let loose with everything they had in their nuclear reserves. South Korea, South Vietnam, Cambodia, and Japan were all struck as well as all Soviet military locations in Siberia that the Chinese knew about, eradicating them from existence just after the Soviets Launched their missiles at China and the United states. American forces sailed from Midway, Guam and Pearl Harbor to within the 2,500 nautical miles strike range of our Polaris A-2 missiles in use at the time. These were fired at all of the targets that were selected for these ships.

October 29, 1961
The DEW Picked up the incoming bogies and notified N.O.R.A.D. Along with the Canadian commanders. The bogies were verified with the Pinetree Line and tracked to possible targets with the Mid-Canada line. The United States went to DEFCON 1, immediately activated the long range bombers sending then towards their targets in the USSR and firing of the series of intercontinental ballistic missiles that were set for first strike launch. One of these bombers was sent to Cuba to remove the threat of Castro and his communist insurgents. Then the remainder went into deadman countdown for three days. With those missiles set for this, there is no stopping them from launching as any further input from a human controller will be ignored.

October 31, 1961
The missiles fired from what was the United States hit their targets across the USSR and several hours later the bombers that had survived the Soviet interceptors struck their targets. One of the bombers, due to battle damage, could not open their bomb bay doors and instead dropped the plane on the target to complete the attack run. The USSR fired all of its remaining missiles at its targets and launched the remaining bombers that were able to fly toward their targets across the northern hemisphere. The target list included several dozen targets throughout Canada as the bombers flew overhead.

October 30, 1961
Another series of nuclear detonations hit what was the United States. In retaliation, all American ballistic missile submarines that had not launched were given clearance from mount weather to move into range and fire all of their primary launch missiles and to wait three days before firing the others. Several of these subs were sunk after launch as they got into battle with naval ships from other countries involved in the conflict. Eventually, everyone got hit at one point or another by nuclear weapons being fired against them.

November 2/3, 1961
The deadman countdown finishes and the final launches of the last existing nuclear warheads in existence on earth are launched by what was the United States against what was the USSR. These missiles strike their targets 45 minutes later ending World War III.

Please, feel free to add your timeline additions here. If you have information for another part of the timeline project that can be added further down the page or on another associated page for one of the countries or organizations involved in the war.


Assista o vídeo: ERASMUS w Hiszpanii: wady i zalety wyjazdu


Comentários:

  1. Geremia

    O que você me aconselha?

  2. Athanasios

    Falaremos com este tópico.



Escreve uma mensagem