Como as antigas comunidades nômades conduziam o comércio?

Como as antigas comunidades nômades conduziam o comércio?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Visto que os nômades estão sempre em movimento, como vocês conduziriam o comércio uns com os outros? Ou talvez uma pergunta melhor: eles negociavam um com o outro?

Sempre houve cidades / vilarejos onde predominavam comunidades nômades, onde eles podiam se reunir para encontrar / compartilhar notícias / comércio? IE havia cidades na antiga Mongólia e nas antigas Américas?

A pergunta que estou fazendo é a do título, as outras perguntas nas descrições são apenas para explicar essa pergunta com mais detalhes.


Talvez o maior desafio para responder a essa pergunta seja a dificuldade de generalizar no espaço, em vários tipos de grupos nômades e, de fato, em grupos nômades individuais. Além disso, muito do que pode ser dito depende do que sabemos sobre grupos nômades na história recente e fazemos suposições sobre grupos antigos. Acho que alguém com boas habilidades de pesquisa arqueológica pode ser capaz de oferecer uma resposta mais completa para você:

Dito isso, pensei em compartilhar algumas observações sobre os aspectos gerais do comércio nômade que achei úteis em um artigo citado abaixo:

  • Alguns grupos são definidos por antropólogos e historiadores como "puros pastores", ou seja, são quase totalmente dependentes dos produtos que encontram nas terras que cobrem e da carne e produtos dos animais que trazem com eles. Para esses grupos, o comércio é muito pouco significativo e não é realizado de forma formalizada. Os exemplos incluem os membros da tribo Kirghiz. (p19) Isso provavelmente corresponde mais de perto ao comércio de que você está falando antes do domínio das comunidades agrícolas.

  • Outra forma de distinguir o grupo acima é feita por E. Gellner: nômades "simbióticos" vs. nômades isolados "simples ou primitivos" (p42). Estes últimos podem ter negociado entre si, mas não estão na periferia de um sistema mais organizado.

  • Uma vez que se desenvolveram, mais comum foi a interação entre grupos nômades e comunidades agrícolas, como nos nômades "simbióticos" que estão embutidos em um sistema maior. De forma mais infame, isso poderia assumir a forma de invasões, etc., mas também havia comércio na forma de troca de gado, produtos animais e alimentos silvestres por grãos, etc.

  • O comércio entre grupos nômades poderia ocorrer (como apontado por @jwenting) em locais designados. Exemplo no artigo, citando o trabalho de P. H. Gulliver, é Labwor Hills como um local de intercâmbio entre os pastores Tobur e Jie na África Oriental. (P43)

  • Uma contribuição importante mais recente (embora controversa) é o trabalho Dívida: os primeiros 5.000 anos pelo antropólogo anarquista David Graeber. As descrições do comércio entre grupos nômades aparecem com frequência na obra, que começa criticando a maneira típica como as trocas trocadas antes da existência do dinheiro são retratadas em nossos livros didáticos. Em vez de um sistema ineficiente substituído por métodos racionais de contabilidade de caixa, Graeber analisa os ricos sistemas culturais de troca, dívida e poder que estão embutidos nesses sistemas. Em vez de dizer necessariamente "onde" eles se engajaram no comércio, eu o encorajaria a olhar para essa fonte como uma síntese acadêmica sobre como esse comércio era realizado e mediava as relações entre os grupos.

Os números de página acima são de:

"Pastoralismo Nômade" Rada Dyson-Hudson e Neville Dyson-Hudson Revisão Anual de Antropologia Vol. 9, (1980), pp. 15-61 Walled access em: http://www.jstor.org/stable/2155728


O Império Romano e o Comércio

O comércio era uma parte essencial da vida para os romanos - o império valia muito e o comércio conseguia render muito desse dinheiro. A população de Roma era de um milhão e esta quantidade exigia muitas coisas diferentes que foram trazidas de volta por meio do comércio. Ao importar mercadorias de outros países, eles poderiam elevar seus padrões de vida e ter mais luxos.

As rotas comerciais cobriam o Império Romano junto com as rotas marítimas cobrindo o Mediterrâneo e o Mar Negro, e muitas rotas terrestres diferentes que usavam as estradas que o comércio romano havia construído. Os dois principais motivos para a construção de estradas eram o comércio e a movimentação do exército romano.

Comércio romano

Ostia era o porto mais importante, pois era o principal mais próximo de Roma, ficava na foz do rio Tibre e ficava a apenas 15 milhas de Roma. Muitos navios navegavam entre Ostia e Cartago, uma grande cidade do Norte da África, e essa viagem durava de três a cinco dias. Ostia também recebeu navios da França e da Espanha. Todas as mercadorias podiam ser transferidas para Roma muito rapidamente, pois eram carregadas em barcaças para a cidade e até o rio Tibre, uma vez que os escravos transportavam os itens dos navios mercantes para as barcaças. Ostia de fato se envolveu muito na queda de Roma quando foi capturada em 409 DC por Alarico, o Gótico, que cortou o importante suprimento de alimentos de Roma.

Os romanos fizeram o possível para garantir a segurança das viagens marítimas, por exemplo, construindo faróis como portos e docas seguros, e a Marinha romana fez tentativas para proteger o mar Mediterrâneo dos piratas.

Roma tornou o comércio o mais simples possível - apenas uma moeda única foi usada e não complicou as taxas dos clientes. Uma recepção adicional provou ser o comércio devido aos anos pacíficos do Império. Foi fundamental para o sucesso do Império - quando ele entrou em colapso, o comércio em todas as terras que anteriormente constituíam o Império Romano também entrou em colapso. Os mercadores também descobriram que o Mediterrâneo se tornou uma zona perigosa, pois não havia autoridades disponíveis para controlar a atividade pirata no extremo norte do canal da Inglaterra.

Eles usaram sua rede rodoviária para o transporte de um país para outro:

  • Prata com a Grã-Bretanha que era usada para fazer joias e moedas, e lã para fazer roupas
  • Tintas para roupas da região sudeste do império e especiarias para temperar alimentos
  • Seda do Extremo Oriente (China) para produzir roupas finas
  • Algodão do egito
  • Animais selvagens para serem usados ​​em lutas de gladiadores da África

Espanha, França, Oriente Médio e norte da África foram os principais parceiros comerciais. Os romanos também importavam carne, milho, vidro, ferro, chumbo, couro, mármore, azeite, perfumes, madeira, lata e vinho.

A Grã-Bretanha enviou chumbo, produtos de lã e estanho - em troca importou vinho, azeite, cerâmica e papiro. Os comerciantes britânicos dependiam dos romanos para a segurança do Império - quando ele entrou em colapso e a Europa parecia ter sido tomada pelos bárbaros, os comerciantes não tinham a garantia de que seus produtos passariam. Sem o poder adicional de Roma, ninguém estaria ansioso para comprar produtos da Grã-Bretanha e de outras áreas da Europa.


O que foi adquirido de onde?

Os romanos importavam uma grande variedade de materiais: carne, milho, vidro, ferro, chumbo, couro, mármore, azeite, perfumes, tinta roxa, seda, prata, especiarias, madeira, estanho e vinho. Os principais parceiros comerciais estavam na Espanha, França, Oriente Médio e Norte da África.

A Grã-Bretanha exportou chumbo, produtos de lã e estanho. Em troca, importava de Roma vinho, azeite, cerâmica e papiro. Os comerciantes britânicos confiavam nos romanos para fornecer segurança dentro do Império. Quando isso entrou em colapso e a Europa foi aparentemente invadida por bárbaros, ninguém poderia garantir aos comerciantes que sua produção iria passar. Além disso, sem o poder de Roma, quem estaria disposto a comprar o que foi produzido na Grã-Bretanha e em outras partes da Europa?


Primeiros pastores

Pastoralismo significa pastorear animais - principalmente ovelhas, cabras e gado, mas em alguns lugares iaques, lamas e camelos. Freqüentemente, implica um modo de vida nômade ou semi-nômade, com grupos seguindo seus rebanhos de pasto a pasto para garantir que haja pasto suficiente para seus animais.

Como as áreas centrais da civilização quase sempre se situaram em áreas férteis que podem sustentar populações grandes e densas, os pastores freqüentemente parecem estar à margem da história. Na verdade, porém, eles têm desempenhado um papel fundamental na história mundial em repetidas ocasiões, bem como atuando como transportadores de comércio e influências - tecnológicas, culturais, religiosas - entre diferentes civilizações.

Conteúdo

As origens do pastoralismo

As primeiras comunidades agrícolas tiveram de aprender como fazer o melhor uso da terra que ocupavam. Para alguns, isso significava se concentrar mais nas plantações do que nos animais, para outros; em paisagens menos férteis, significava se concentrar mais na criação de gado.

Nas pastagens e planaltos da Eurásia, o clima seco e o solo mais pobre tornavam difícil ganhar a vida com o cultivo. Nessas regiões, pequenos grupos desenvolveram um estilo de vida baseado na criação de rebanhos e manadas de animais. Esses grupos se tornaram os primeiros pastores.

Animais, especialmente ovelhas e gado, requerem grandes quantidades de pastagens para se alimentar e precisam ser regularmente movidos de um lugar para outro para encontrar pastagens frescas. Uma economia pastoril, portanto, exige muito mais terra do que uma baseada no cultivo de safras e sustenta uma população menor. A maioria das sociedades pastoris, portanto, consiste em pequenos grupos que tendem a seguir um modo de vida nômade ou semi-nômade. Em muitos casos, há um ciclo anual de pastoreio dos rebanhos em pastagens de montanha mais frias durante o verão e trazê-los para pastagens mais quentes no inverno (uma prática conhecida como transumância).

O pastoralismo provavelmente se originou no início do Neolítico, quando, em áreas não adequadas para a agricultura arável, alguns grupos de caçadores-coletores complementaram seu modo de vida tradicional com a criação de gado, ovelhas e cabras domesticados.

Pastoralismo no antigo Oriente Médio

O pastoralismo sempre foi importante no Oriente Médio, grande parte do qual, sendo muito seco, é inadequado para a agricultura arável. O registro arqueológico sugere a presença de pastores na Palestina já em 8.000 aC.

O surgimento da agricultura de irrigação e, mais tarde, da civilização urbana, nos grandes vales dos rios da Mesopotâmia, teria dado um impulso extra ao pastoralismo. As densas populações que agora surgiam nos grandes vales dos rios mudaram progressivamente para plantações intensivas para se alimentarem. A criação de animais teria se tornado menos importante para eles, pois ocupava uma grande quantidade de terra que poderia ser usada de forma mais eficiente para as plantações. As pessoas dos vales dos rios ainda precisavam de produtos animais, entretanto, e para isso confiavam cada vez mais nos pastores de animais.

Relações com populações agrícolas

Estes viviam nas pastagens menos férteis nas margens das áreas irrigadas. Um sistema de troca cresceu em que os pastores trocavam suas peles, lã, leite, carne, chifre e osso, ou mesmo animais vivos, pelos grãos dos aldeões, ervilhas e assim por diante e provavelmente por alguns produtos artesanais produzidos profissionalmente também. Essa troca permitiu que os criadores de animais se especializassem mais em suas atividades pastorais.

As tribos pastorais se tornaram um elemento importante no antigo Oriente Médio. Na maioria das vezes, as relações entre moradores da cidade e fazendeiros, por um lado, e pastores, por outro, eram provavelmente razoavelmente harmoniosas. É provável que a animosidade nunca tenha estado muito longe, entretanto. As diferenças nos estilos de vida geraram desconfiança e desprezo mútuos.

Em intervalos regulares, hostilidades abertas eclodiram entre eles. Nestes, os nômades, apesar de seu menor número, tinham uma vantagem militar por causa de sua mobilidade. Coalizões de grupos nômades podiam rapidamente trazer força concentrada para atacar certos pontos, e com a mesma rapidez se dispersar. Os fazendeiros teriam achado mais difícil lidar com isso, presos como estavam a seus próprios terrenos.

Além disso, o estilo de vida nômade era difícil, e a competição entre grupos nômades por recursos escassos tornou a guerra de baixo nível endêmica entre eles: eles estavam acostumados à guerra de uma forma que os fazendeiros não. Isso também teria dado a eles uma vantagem quando se tratava de luta. Como resultado, a história do Oriente Médio foi caracterizada por frequentes ataques nômades, migrações e conquistas diretas.

Camelos

Algum tempo antes de 1000 aC, alguns pastores conseguiram domesticar camelos. Isso permitiu que grupos pastorais penetrassem muito mais fundo no deserto da Arábia. O modo de vida beduíno, no qual pequenos bandos de nômades baseados em oásis espalhados no deserto profundo, tornou-se possível.

Alguns povos pastoris do Oriente Médio

No Oriente Médio, os pastores pertenciam principalmente às raças semitas (embora nem todos os semitas fossem pastores - veja os cananeus). Os primeiros a causar um grande impacto na história foram os acadianos, depois os amorreus, os hebreus, os arameus, os caldeus e, mais tarde, os árabes. Outros pastores não semitas que causaram impacto no antigo Oriente Médio foram os ancestrais dos hititas, os Mitanni (que governaram a Síria e o norte da Mesopotâmia por volta de 1500 aC), os cassitas (que governaram a Babilônia por cerca de quatro séculos) e os iranianos . Todos esses grupos se originaram nas estepes da Ásia central.

Pastoralismo na Ásia Central

As grandes extensões de pastagens na Ásia central eram bem adequadas para uma economia pastoril. A imensidão das estepes nesta região significava que os grupos percorriam distâncias muito maiores do que no Oriente Médio e tinham menos acesso regular aos produtos das comunidades agrícolas. Eles passaram a depender mais de seus animais, cada parte dos quais era explorada: lã e peles para roupas e tendas, leite, carne e sangue para seu sustento, ossos e chifres para armas e implementos.

Cavalos, rodas, carroças e carruagens

Foi aqui que, entre 4000 e 3500 aC, grupos de pessoas domesticaram cavalos pela primeira vez. Eles faziam isso por sua carne e leite, ao invés de cavalgar: os pequenos pôneis das estepes eram pequenos demais para isso. Alguns, entretanto, podem ter sido usados ​​para arrastar trenós primitivos ao longo do solo, usados ​​para ajudar a transportar mercadorias nas migrações regulares que esses povos nômades realizavam. Por volta de 3000 aC, esses trenós tinham rodas presas a eles, para fazer as primeiras carroças. Rodas raiadas de mil anos permitiram que carrinhos pesados ​​evoluíssem para carrinhos leves ou carruagens. Eles podem ter sido desenvolvidos primeiro para ajudar as pessoas a pastorear seus cavalos, ou para a caça, eles logo seriam usados ​​para a guerra e teriam um impacto de longo alcance nas civilizações do Oriente Médio e da China.

Um desenvolvimento relacionado, também usado na caça e na guerra, foi o arco composto (às vezes chamado de composto). Este era um arco feito de chifre, tendão e madeira colados, o que lhe permitia ter muito mais força do que um feito inteiramente de madeira.

Os indo-europeus

Os primeiros grupos nômades que domesticaram cavalos e desenvolveram veículos com rodas e carruagens são considerados pela maioria dos estudiosos como os ancestrais de um grupo de povos que falavam uma língua que chamamos de “indo-europeu”. Eles se espalharam de sua terra natal ao norte do Mar Negro e do Mar Cáspio, através das estepes da Ásia central em direção ao oeste para a Europa, para o leste para o que agora é o norte da China e para o sul para o Irã e o subcontinente indiano. Ao fazer isso, eles espalharam sua língua, que se tornou ancestral do grupo indo-europeu de hoje: a maioria das línguas europeias (incluindo grego, latim, as línguas românicas do francês, espanhol, português e italiano, e as línguas germânica, escandinava e eslava ), Iraniano e várias línguas no sul da Ásia.

Eles também espalharam sua religião politeísta na Europa, onde evoluiu para as religiões da Grécia antiga, Roma, os celtas e os povos alemães e nórdicos. No Irã, formou o contexto no qual o zoroastrismo acabou surgindo e no sul da Ásia tornou-se a religião védica da Índia primitiva e formou o contexto no qual o budismo e o hinduísmo maduro emergiram.

Cavalgando

Por volta de 1000 aC, grupos pastoris nas estepes da Ásia central, tendo criado cavalos cada vez maiores, começaram a cavalgar. Guerreiros montados em cavalos são muito mais rápidos e mais móveis do que os guerreiros em carruagens, e essa habilidade deu a esses nômades uma grande vantagem sobre outros povos. As culturas civilizadas logo adotaram a equitação (os assírios foram provavelmente os primeiros a fazê-lo, e os chineses o fizeram um pouco mais tarde), e a cavalaria continuaria a ser um componente importante dos exércitos até o século XX. Por milhares de anos, porém, os nômades das estepes, como resultado de vidas passadas a cavalo, foram de longe os mais adeptos desse tipo de guerra. Juntamente com a resistência que seu estilo de vida lhes conferia e a dureza de seus pôneis, eles teriam um impacto na história da Eurásia desproporcional ao seu número. Até o século 17, quando a Ásia central caiu sob o controle dos impérios em expansão da Rússia e da China, os povos nômades representavam um perigo para os agricultores estabelecidos.

Os povos nômades que teriam o maior impacto na história mundial foram os citas, os hunos, os búlgaros, os magiares, várias tribos turcas e os mongóis.

Povos pastoris em outras partes do mundo

As primeiras sociedades pastoris também surgiram na Índia e na África. As regiões áridas da Índia central são muito adequadas para o modo de vida pastoril, e aqui o gado zebu distinto foi domesticado. No norte da África, os povos berberes e tauregs começaram a pastorear ovelhas e cabras, enquanto as culturas pastoris também surgiram no Sudão (antiga Núbia), no cinturão de savana ao sul do Saara (onde o povo fulani mais tarde predominaria) e na África oriental ( incluindo povos como os somalis e masai). Todos eles especializados em pastoreio de gado.

Algumas características das sociedades pastoris

Centenas de grupos pastoris se deram a conhecer à história mundial, cada um com sua cultura distinta, no entanto, algumas características eram comuns a muitas dessas sociedades.

Clãs e tribos

As sociedades nômades são baseadas em pequenos grupos constituídos de famílias extensas, ou clãs, movendo seus rebanhos de um lugar para outro em intervalos regulares. Vários desses clãs formam uma tribo. Os clãs de uma tribo se reúnem em um local em intervalos regulares - talvez uma vez por ano - para negociar entre si, forjar alianças matrimoniais e lidar com assuntos relativos a toda a tribo. Eles então se dispersam novamente para seus vários intervalos.

Para os nômades, o controle de recursos estratégicos, especialmente fontes de água e boas pastagens, era vital. Cada tribo e, dentro desta, cada clã, reivindicou acesso privilegiado a alguns deles e se esse acesso fosse negado, disputas surgiam. Quando surgia uma disputa entre dois clãs da mesma tribo, os anciãos tribais tentavam resolvê-la. Freqüentemente, eles falharam em evitar hostilidades de baixo nível e vinganças violentas que duraram várias gerações. Se surgisse uma disputa entre duas ou mais tribos, resultaria em guerra tribal.

As estepes viram confrontos frequentes entre tribos enquanto uma procurava expandir seus pastos às custas de outra, que muitas vezes se espalhava como invasões nos territórios de povos agrícolas vizinhos. Essa situação deu origem a uma cultura que enfatizava qualidades guerreiras, bem como uma vontade implacável de obter vantagens por quaisquer meios. Tanto no Oriente Médio quanto na Ásia central, astúcia e malandragem faziam parte do estoque do nômade no comércio, lado a lado com a generosidade e a hospitalidade de coração aberto.

Igualdade

As mulheres ocupavam uma posição mais respeitada em algumas sociedades pastoris do que em outras. Em todos os grupos, a liderança foi exercida por homens. A guerra contínua terá reforçado essa situação. Também terá produzido um consumo regular de cativos de guerra, especialmente mulheres e crianças (a maioria dos homens do lado derrotado teria sido massacrada). Alguns membros de sociedades nômades, portanto, eram escravos. No geral, porém, os pastores tendiam a ter sociedades mais igualitárias do que os agricultores, e certamente mais do que as civilizadas.

Intercâmbios

Como os grupos nômades viajavam distâncias relativamente longas, eles estavam em uma boa posição para negociar com as populações estabelecidas com as quais entraram em contato. Isso pode ter assumido a forma de troca de presentes, para manter relações pacíficas entre os diferentes grupos.

Ligado a isso, principalmente nas estepes da Ásia Central, as vastas áreas percorridas fizeram com que, mesmo desde muito cedo, os nômades agissem como um condutor de ideias e tecnologias - como rodas, carruagens, metalurgia e cavalgadas - entre os mais sedentários. civilizações que eles fizeram fronteira.

Impactos no meio ambiente

O modo de vida nômade altera claramente a paisagem menos abertamente do que a agricultura arável ou a agricultura mista, mas isso não significa que não tenha nenhum impacto. Ao longo das gerações, os rebanhos pastando tendem a favorecer certas plantas em detrimento de outras, de modo que a cobertura vegetal nas pastagens torna-se menos variada. Além disso, os pastores às vezes usam o fogo como forma de transformar a floresta em pasto e de rejuvenescer os pastos. Isso pode ter um impacto significativo no tipo de plantas presentes em tal paisagem. O fogo e a pastagem também podem impedir o crescimento das florestas e, se estiverem nas encostas das montanhas, isso pode levar à erosão.

Quando os pastores nômades invadem as terras agrícolas, seu impacto pode ser devastador para os agricultores. Isso é especialmente verdade nas terras agrícolas marginais nas zonas de fronteira que fazem fronteira com os desertos. O pastoreio dos rebanhos pode reduzir rapidamente a cobertura vegetal. Isso torna o solo instável e logo segue a erosão. Muitas terras que antes eram adequadas para plantações, especialmente no Oriente Médio, foram permanentemente tornadas adequadas apenas para o pasto de ovelhas e cabras, que podem sobreviver em paisagens semidesérticas. O que tornou isso pior é o desprezo que os nômades sentem pelos fazendeiros, e a deterioração de terras agrícolas às vezes tem sido bastante deliberada.

Um problema moderno, o sobrepastoreio, tendeu a não ocorrer em uma escala significativa no passado, pois os nômades eram hábeis em abater animais indesejados e manter seus rebanhos em tamanhos ideais. Foi principalmente quando as populações entre os próprios pastores se expandiram, como ocorreu após a introdução dos remédios modernos, que seus rebanhos também aumentaram em número, além da capacidade de seus ambientes. Este tem sido um problema particular em regiões com ecossistemas frágeis, como é o caso, por exemplo, do Sahel, na margem sul do deserto do Saara.

Inscreva-se para obter mais conteúdo excelente - e remova os anúncios


Comunidades do vale do rio em civilizações antigas

O surgimento de civilizações antigas no Egito, Oriente Próximo, Índia e China foram impactados por vastos sistemas de vales de rios que sustentaram o crescimento e a prosperidade.

A maioria das grandes civilizações antigas surgiu em torno das comunidades dos vales dos rios, coincidindo com o final do período Neolítico e o surgimento da Revolução Agrícola. Como tal, essas comunidades do vale do rio tinham origens semelhantes e formaram a espinha dorsal de comunidades em crescimento que eventualmente seriam consideradas impérios, dominando regiões geográficas inteiras. Esses desenvolvimentos podem ser mapeados no Egito, Oriente Médio, Índia e China. O desenvolvimento da cultura dentro de cada uma dessas comunidades seguiu padrões semelhantes, em grande parte devido à sedentarização associada aos grandes vales dos rios.

Tendências comuns de desenvolvimento nas antigas civilizações do vale do rio

Civilizações emergentes ao longo dos rios Nilo, Tigre, Eufrates, Indo e Amarelo transformaram as sociedades nômades em habitantes permanentes por meio de processos que incluíram elementos comuns. Entre eles estão:

  • A construção dos primeiros assentamentos que levaram à construção da cidade
  • Uso da pecuária e o desenvolvimento da agricultura geralmente associados a uma ou duas culturas primárias
  • Desenvolvimento de crenças religiosas ligadas ao meio ambiente
  • Crescimento de um sistema político
  • Desenvolvimento de comércio e comércio
  • Identificação da estrutura da classe social
  • Criação de uma autoidentidade social e cultural peculiar a cada sociedade emergente diferente
  • Início de uma tradição escrita para manutenção de registros e práticas religiosas
  • Inovações militares para proteção e conquista

Migrações neolíticas tardias para assentamentos de River Valley

Embora cada civilização do vale do rio tenha visto migração e colonização em períodos ligeiramente diferentes (Oriente Próximo / Mesopotâmia e Egito ca 8.000 a.C. China e Índia cerca de 4.000 a 3.500 a.C.E), o padrão era o mesmo. Na Mesopotâmia, por exemplo, as migrações do sudeste da Turquia causaram o desenvolvimento de comunidades agrícolas ao longo das margens dos rios Tigre e Eufrates. Esses assentamentos agrícolas eventualmente cercaram as primeiras cidades-estado. As cidades-estado ofereciam proteção e eram os centros políticos e religiosos.

No Egito, ex-grupos de caçadores-coletores se estabeleceram nos leitos secos dos rios que antes serviam como extensões do rio Nilo no Delta. Eventualmente, essas comunidades estabeleceram fazendas ao longo das margens férteis do Nilo e construíram vastos centros urbanos, bem como grandes monumentos como as pirâmides durante os primeiros anos do Império Antigo.

Civilizações que surgiram ao longo dos rios Indus e Amarelo experimentaram desenvolvimentos semelhantes, criando comunidades sofisticadas ao longo dos rios que forneciam água para empreendimentos agrícolas, comunicação e comércio por meio de remessas rudimentares e alimentos. Os sistemas fluviais também influenciaram as crenças religiosas. Isso é mais evidente na cultura egípcia antiga. Embora ao longo do Rio Amarelo na China, existem evidências de que ocorreram práticas de adoração e adivinhação aos ancestrais.

Outras civilizações antigas emergentes não associadas aos vales de rios

O final do período Neolítico viu o desenvolvimento da civilização em todo o mundo. Nas Américas, os povos indígenas dos Andes, por exemplo, desenvolveram métodos agrícolas altamente sofisticados, resultando em plantações híbridas, como batata e milho.

Em outras regiões do Mediterrâneo, civilizações menores surgiram sem o benefício dos sistemas fluviais. Isso foi verdade na Turquia, Grécia e Itália. O Museu de Antalya no sul da Turquia, por exemplo, exibe centenas de artefatos da “Idade do Bronze Inicial”, incluindo itens datados do século 4 a.C. removido da escavação de 500 cemitérios entre 1963 e 1974.

Como as civilizações dos vales dos rios tendiam a se desenvolver em impérios antigos, alguns historiadores observam a importância da geografia no desenvolvimento das civilizações. Na Grécia, por exemplo, o terreno montanhoso e as mudanças nos padrões de clima / chuva afetaram as primeiras cidades-estado, criando uma vasta gama de sociedades independentes incapazes ou relutantes em se unir, pelo menos até depois das Guerras do Peloponeso.

Além dos vales dos rios, no entanto, ainda existem fatores comuns associados a praticamente todas as civilizações emergentes. Cada um se beneficiou da Revolução Agrícola mundial. Cada um desenvolveu tradições religiosas associadas a considerações geográficas que incluíam colocar os deuses nos "lugares altos". No entanto, as civilizações dos vales dos rios, ao contrário da maioria das outras, tenderam a se desenvolver em impérios formidáveis, pelo menos nas primeiras fases da história antiga. Na Mesopotâmia, isso se deveu, em parte, a uma espécie de corrida armamentista inicial, à medida que cada potência emergente desenvolvia novas tecnologias de armas, estratégias de cerco e armas melhores.

Civilizações do vale do rio influenciam a civilização ocidental

Unal Demirer, um arqueólogo associado ao Museu de Antalya, escreve que “a Turquia não foi apenas uma passagem a partir da qual a antiga cultura turca asiática foi transmitida para a Europa, mas também, inversamente, foi uma plataforma para a cultura ocidental em seu diálogo com a cultura oriental . ” É por isso que todos os estudos da civilização ocidental começam com as civilizações do vale do rio do Egito e do Oriente Próximo.


The Tea Horse Road

A antiga estrada do cavalo do chá era composta por um sistema de caminhos de caravanas que percorriam as montanhas localizadas na atual China e no Tibete. As regiões pelas quais a rota passou incluem Sichuan e Yunnan, consideradas pelos historiadores como as primeiras regiões do mundo a cultivar chá. A rota era um elo essencial que conectava as regiões de cultivo de chá com áreas que consumiam chá, mas não tinham o clima necessário para o seu desenvolvimento adequado. Além do chá, o sal foi um dos itens mais importantes comercializados ao longo do percurso. O comércio dependia muito de cavalos, mulas. e carregadores humanos para transportar as mercadorias comerciais. Os comerciantes normalmente trocavam cavalos do Tibete por chá chinês, o que rendeu à rota seu nome exclusivo. Os cavalos eram essenciais para os chineses principalmente porque lutavam contra as comunidades nômades da época.


Seu guia para a Rota da Seda

Um esforço extraordinário para unir o Oriente e o Ocidente, esta rota comercial sinuosa também se tornou um canal de cultura, religião e ideias. Revelada a história da BBC descobre como esta artéria vital surgiu de um boato do século II aC

Esta competição está encerrada

Publicado: 6 de agosto de 2020 às 11h

O que foi a Rota da Seda?

A Rota da Seda era uma rota comercial - ou rede de rotas comerciais - que conectava a China ao Ocidente nos tempos antigos. O nome "Rota da Seda" foi cunhado apenas no século 19, mas as rotas a que se refere se originaram por volta do século II aC.

Como surgiu a Rota da Seda?

Em 138 aC, o imperador chinês despachou um enviado chamado Zhang Qian para fazer contato com um grupo tribal na Ásia central. Quando Zhang chegou, ele foi capturado e mantido como prisioneiro por vários anos, mas acabou sendo libertado e retornou à China, onde contou, entre outras coisas, sobre os magníficos cavalos árabes que havia encontrado.

As autoridades chinesas estavam ansiosas para adquirir esses cavalos e assim iniciaram um processo de comércio de longa distância com a Ásia Central. Enquanto isso, do oeste, a Ásia Central havia entrado em contato com as civilizações europeias, inicialmente pelas conquistas de Alexandre o Grande, que alcançou até a Índia no século IV aC.

Mais tarde, era o crescente império romano que dominava a região e, portanto, a emergente Rota da Seda funcionou como uma ponte entre o Oriente e o Ocidente, passando pela Ásia Central e pelo Oriente Médio.

Mais de nossa série explicativa ...

Por que é chamada de Rota da Seda?

É porque a seda foi um dos principais produtos comercializados ao longo do percurso. Os chineses aprenderam a fabricar esse luxuoso material com bichos-da-seda talvez já no terceiro milênio aC e, por muito tempo, foram as únicas pessoas que podiam produzi-lo. Era altamente valorizado por outras civilizações - especialmente a Roma Antiga - e por isso tornou-se uma das principais exportações da China e a moeda pela qual muitas vezes pagavam pelos bens de que necessitavam.

O nome Silk Road é um pouco enganador, pois a seda era apenas um de um grande número de itens diferentes que eram comercializados na rede, que também incluía tecidos, metais preciosos, especiarias e peles.

Como esses itens viajaram pela Rota da Seda?

A Rota da Seda se estendia por cerca de 4.000 milhas, então pouquíssimas pessoas teriam viajado por toda a extensão sozinhas. Geralmente as mercadorias eram transportadas por vários comerciantes diferentes, tendo sido trocadas várias vezes ao longo do caminho. Os próprios comerciantes viajavam em grupos - às vezes contendo centenas de pessoas - montados em camelos ou cavalos ou ocasionalmente viajando a pé. Alguns itens também foram transportados por via marítima, à medida que a Rota da Seda marítima se desenvolveu.

Foram apenas mercadorias que viajaram na Rota da Seda?

De jeito nenhum. In fact, perhaps the most enduring legacy of the Silk Road is the mixing of cultures and ideas that it facilitated. Along the road, people from many different civilisations got to meet each other and the results were extraordinary. Religions in particular were spread along the road and this is how, for example, Buddhism travelled from India to China. Technology was also disseminated via the Silk Road, including the Chinese inventions of paper and gunpowder.

When did the Silk Road come to an end?

The road was still in use in the late middle ages and famously the Venetian explorer Marco Polo travelled along it to China in the 13th century (although his story is increasingly questioned by historians). However, it went into decline not long afterwards for a variety of reasons, including attacks on the Chinese empire and the growth of European sea routes to the East.

Nowadays, the Silk Road has become a popular route for tourism, while policymakers speak about developing new silk roads across Asia to boost economic growth in the continent.


American Indian Women

What were women treated like in the tribes of the Indians? Were they given more rights than American women of the time?

Answer

In 1644, the Rev. John Megalopensis, minister at a Dutch Church in New Netherlands, complained that Native American women were “obliged to prepare the Land, to mow, to plant, and do every Thing the Men do nothing except hunting, fishing, and going to War against their Enemies. . . ” Many of his fellow Europeans described American Indian women as “slaves” to the men, because of the perceived differences in their labor, compared to European women. Indian women performed what Europeans considered to be men’s work. But, from the Native American perspective, women’s roles reflected their own cultural emphases on reciprocity, balance, and autonomy. Most scholars agree that Native American women at the time of contact with Europeans had more authority and autonomy than did European women.

It is hard to make any generalizations about indigenous societies, because North America’s First Peoples consisted of hundreds of separate cultures, each with their own belief systems, social structures, and cultural and political practices. Evidence is particularly scarce about women’s everyday lives and responsibilities. However, most cultures shared certain characteristics that promoted gender equality.

Kinship, extended family, and clan bound people together within a system of mutual obligation and respect. Lineage was central to determining status and responsibilities, consent held communities together, and concepts of reciprocity extended to gender roles and divisions of authority.

Men were generally responsible for hunting, warfare, and interacting with outsiders, therefore they had more visible, public roles. Women, on the other hand, managed the internal operations of the community. They usually owned the family’s housing and household goods, engaged in agricultural food production and gathering of foodstuffs, and reared the children.

Because women’s activities were central to the community’s welfare, they also held important political, social, and economic power. In many North American societies, clan membership and material goods descended through women. For example, the Five (later Six) Nations of the Iroquois Confederation all practiced matrilineal descent. Clan matrons selected men to serve as their chiefs, and they deposed chiefs with whom they were dissatisfied. Women’s life-giving roles also played a part in their political and social authority. In Native American creation stories, it was often the woman who created life, through giving birth to children, or through the use of their own bodies to create the earth, from which plants and animals emerged.

Some scholars argue that, after contact, women’s authority steadily declined because of cultural assimilation. Euro-American men insisted on dealing with Indian men in trade negotiations, and ministers demanded that Indians follow the Christian modes of partriarchy and gendered division of labor that made men farmers and women housekeepers.

However, other scholars, such as SUNY Fredonia anthropologist Joy Bilharz and University of North Carolina historian Theda Perdue, argue that many indigenous women maintained authority within their communities. Matrilineal inheritance of clan identity remained important parts of many cultures long after contact, and women continued to use their maternal authority to influence political decisions within and outside of their own nations.

For example, as the United States increased pressure against the Cherokee nation to relinquish their eastern lands and move west, groups of Cherokee women petitioned their Council to stand their ground. In these communications, they sternly reminded their “[b]eloved children” that they had raised the Council members on that land which “God gave us to inhabit and raise provisions.” They admonished their children not to “part with any more lands.”

Another Cherokee woman wrote to Benjamin Franklin in 1787, advocating peace between the new United States and the Cherokee nation. She advised Franklin that political leaders “. . . ought to mind what a woman says, and look upon her as a mother – and I have Taken the prevelage to Speak to you as my own Children . . . and I am in hopes that you have a beloved woman amongst you who will help to put her children right if they do wrong, as I shall do the same. . . . ” American Indian women assumed that their unique positions in their societies gave them the right to play the mother card when necessary.

For more information

Primary Documents:
John Megalopensis, “A Dutch Minister Describes the Iroquois.” Albert Bushnell Hart, ed., American History Told by Contemporaries, vol. I. New York: 1898.

Petitions of the Women’s Councils, Petition, May 2, 1817 in Presidential Papers Microfilm: Andrew Jackson. Library of Congress, series 1, reel 22.

“Letter from Cherokee Indian Woman to Benjamin Franklin, Governor of the State of Pennsylvania,” Paul Lauter et al., eds, The Heath Anthology of American Literature, Volume A: Beginnings to 1800, 6ª ed. New York: 2009.

For Further Reading:
Joy Bilharz, “First Among Equals? The Changing Status of Seneca Women” in Laura F. Klein, ed., Women and Power in Native North America. Norman, Ok.: 1995. 101-112.

Theda Perdue, Cherokee Women: Gender and Culture Change, 1700-1835. Lincoln, Neb: 1998.

Nancy Shoemaker, ed., Negotiators of Change: Historical Perspectives on Native American Women. New York: 1995.

Bibliografia

Images:
"Obleka, an Eskimo woman," Frank Nowell, 1907. Prints and Photographs Division, Library of Congress.

"Kutenai woman," Edward Curtis, 1910. Prints and Photographs Division, Library of Congress.


Slave Trade

When the first Europeans arrived in the late fifteenth century, many inhabitants of the Gold Coast area were striving to consolidate their newly acquired territories and to settle into a secure and permanent environment. Several immigrant groups had yet to establish firm ascendancy over earlier occupants of their territories, and considerable displacement and secondary migrations were in progress. Ivor Wilks, a leading historian of Ghana, observed that Akan purchases of slaves from Portuguese traders operating from the Congo region augmented the labor needed for the state formation that was characteristic of this period. Unlike the Akan groups of the interior, the major coastal groups, such as the Fante, Ewe, and Ga, were for the most part settled in their homelands.

The Portuguese were the first to arrive. By 1471, under the patronage of Prince Henry the Navigator, they had reached the area that was to become known as the Gold Coast because Europeans knew the area as the source of gold that reached Muslim North Africa by way of trade routes across the Sahara. The initial Portuguese interest in trading for gold, ivory, and pepper so increased that in 1482 the Portuguese built their first permanent trading post on the western coast of present-day Ghana. This fortress, Elmina Castle, constructed to protect Portuguese trade from European competitors and hostile Africans, still stands.

With the opening of European plantations in the New World during the 1500s, which suddenly expanded the demand for slaves in the Americas, trade in slaves soon overshadowed gold as the principal export of the area. Indeed, the west coast of Africa became the principal source of slaves for the New World. The seemingly insatiable market and the substantial profits to be gained from the slave trade attracted adventurers from all over Europe. Much of the conflict that arose among European groups on the coast and among competing African kingdoms was the result of rivalry for control of this trade.

The Portuguese position on the Gold Coast remained secure for almost a century. During that time, Lisbon leased the right to establish trading posts to individuals or companies that sought to align themselves with the local chiefs and to exchange trade goods both for rights to conduct commerce and for slaves whom the chiefs could provide. During the seventeenth and eighteenth centuries, adventurers--first Dutch, and later English, Danish, and Swedish-- were granted licenses by their governments to trade overseas. On the Gold Coast, these European competitors built fortified trading stations and challenged the Portuguese. Sometimes they were also drawn into conflicts with local inhabitants as Europeans developed commercial alliances with local chiefs.

The principal early struggle was between the Dutch and the Portuguese. With the loss of Elmina in 1642 to the Dutch, the Portuguese left the Gold Coast permanently. The next 150 years saw kaleidoscopic change and uncertainty, marked by local conflicts and diplomatic maneuvers, during which various European powers struggled to establish or to maintain a position of dominance in the profitable trade of the Gold Coast littoral. Forts were built, abandoned, attacked, captured, sold, and exchanged, and many sites were selected at one time or another for fortified positions by contending European nations.
Both the Dutch and the British formed companies to advance their African ventures and to protect their coastal establishments. The Dutch West India Company operated throughout most of the eighteenth century. The British African Company of Merchants, founded in 1750, was the successor to several earlier organizations of this type. These enterprises built and manned new installations as the companies pursued their trading activities and defended their respective jurisdictions with varying degrees of government backing. There were short-lived ventures by the Swedes and the Prussians. The Danes remained until 1850, when they withdrew from the Gold Coast. The British gained possession of all Dutch coastal forts by the last quarter of the nineteenth century, thus making them the dominant European power on the Gold Coast.

During the heyday of early European competition, slavery was an accepted social institution, and the slave trade overshadowed all other commercial activities on the West African coast. To be sure, slavery and slave trading were already firmly entrenched in many African societies before their contact with Europe. In most situations, men as well as women captured in local warfare became slaves. In general, however, slaves in African communities were often treated as junior members of the society with specific rights, and many were ultimately absorbed into their masters' families as full members. Given traditional methods of agricultural production in Africa, slavery in Africa was quite different from that which existed in the commercial plantation environments of the New World.

Another aspect of the impact of the trans-Atlantic slave trade on Africa concerns the role of African chiefs, Muslim traders, and merchant princes in the trade. Although there is no doubt that local rulers in West Africa engaged in slaving and received certain advantages from it, some scholars have challenged the premise that traditional chiefs in the vicinity of the Gold Coast engaged in wars of expansion for the sole purpose of acquiring slaves for the export market. In the case of Asante, for example, rulers of that kingdom are known to have supplied slaves to both Muslim traders in the north and to Europeans on the coast. Even so, the Asante waged war for purposes other than simply to secure slaves. They also fought to pacify territories that in theory were under Asante control, to exact tribute payments from subordinate kingdoms, and to secure access to trade routes--particularly those that connected the interior with the coast.
It is important to mention, however, that the supply of slaves to the Gold Coast was entirely in African hands. Although powerful traditional chiefs, such as the rulers of Asante, Fante, and Ahanta, were known to have engaged in the slave trade, individual African merchants such as John Kabes, John Konny, Thomas Ewusi, and a broker known only as Noi commanded large bands of armed men, many of them slaves, and engaged in various forms of commercial activities with the Europeans on the coast.

The volume of the slave trade in West Africa grew rapidly from its inception around 1500 to its peak in the eighteenth century. Philip Curtin, a leading authority on the African slave trade, estimates that roughly 6.3 million slaves were shipped from West Africa to North America and South America, about 4.5 million of that number between 1701 and 1810. Perhaps 5,000 a year were shipped from the Gold Coast alone. The demographic impact of the slave trade on West Africa was probably substantially greater than the number actually enslaved because a significant number of Africans perished during slaving raids or while in captivity awaiting transshipment. All nations with an interest in West Africa participated in the slave trade. Relations between the Europeans and the local populations were often strained, and distrust led to frequent clashes. Disease caused high losses among the Europeans engaged in the slave trade, but the profits realized from the trade continued to attract them.

The growth of anti-slavery sentiment among Europeans made slow progress against vested African and European interests that were reaping profits from the traffic. Although individual clergymen condemned the slave trade as early as the seventeenth century, major Christian denominations did little to further early efforts at abolition. The Quakers, however, publicly declared themselves against slavery as early as 1727. Later in the century, the Danes stopped trading in slaves Sweden and the Netherlands soon followed.

The importation of slaves into the United States was outlawed in 1807. In the same year, Britain used its naval power and its diplomatic muscle to outlaw trade in slaves by its citizens and to begin a campaign to stop the international trade in slaves. These efforts, however, were not successful until the 1860s because of the continued demand for plantation labor in the New World.

Because it took decades to end the trade in slaves, some historians doubt that the humanitarian impulse inspired the abolitionist movement. According to historian Walter Rodney, for example, Europe abolished the trans-Atlantic slave trade only because its profitability was undermined by the Industrial Revolution. Rodney argues that mass unemployment caused by the new industrial machinery, the need for new raw materials, and European competition for markets for finished goods are the real factors that brought an end to the trade in human cargo and the beginning of competition for colonial territories in Africa. Other scholars, however, disagree with Rodney, arguing that humanitarian concerns as well as social and economic factors were instrumental in ending the African slave trade.


Nomadic Tribes in Pre-Islamic Arabia

One of the major cultures that dominated the Arabian Peninsula just before the rise of Islam was that of the nomadic Bedouin people. The polytheistic Bedouin clans placed heavy emphasis on kin-related groups, with each clan clustered under tribes. The immediate family shared one tent and can also be called a clan. Many of these tents and their associated familial relations comprised a tribe. Although clans were made up of family members, a tribe might take in a non-related member and give them familial status. Society was patriarchal, with inheritance through the male lines. Tribes provided a means of protection for its members death to one clan member meant brutal retaliation.

Non-members of the tribe were viewed as outsiders or enemies. Tribes shared common ethical understandings and provided an individual with an identity. Warfare between tribes was common among the Bedouin, and warfare was given a high honor. The difficult living conditions in the Arabian Peninsula created a heavy emphasis on family cooperation, further strengthening the clan system.

Bedouin shepherd in the Syrian desert. While most modern Bedouins have abandoned their nomadic and tribal traditions for modern urban lifestyles, they retain traditional Bedouin culture with traditional music, poetry, dances, and other cultural practices.

The Bedouin tribes in pre-Islamic Arabia were nomadic-pastoralists. Pastoralists depend on their small herds of goats, sheep, camels, horses, or other animals for meat, milk, cheese, blood, fur/wool, and other sustenance. Because of the harsh climate and the seasonal migrations required to obtain resources, the Bedouin nomadic tribes generally raised sheep, goats, and camels. Each member of the family had a specific role in taking care of the animals, from guarding the herd to making cheese from milk. The nomads also hunted, served as bodyguards, escorted caravans, and worked as mercenaries. Some tribes traded with towns in order to gain goods, while others raided other tribes for animals, women, gold, fabric, and other luxury items.

Bedouin tribes raised camels as part of their nomadic-pastoralist lifestyle. Tribes migrated seasonally to reach resources for their herds of sheep, goats, and camels. Each member of the family had a specific role in taking care of the animals, from guarding the herd to making cheese from milk.


The Sahara Desert

The Sahara Desert is the world's largest hot desert, covering much of North Africa. The adaptations of the wildlife and plants to the treacherous environment are fascinating, and the cultural history of this geographic crossroads complex and involved.

The dromedary camel, one of the Sahara's most famous animals.

Wildlife

The Sahara's environment requires that the wildlife adapt to hyper-arid conditions, fierce winds, intense heat and wide temperature swings. In the heart of the Sahara, for instance, most mammals are relatively small, which helps to minimize water loss. They often meet their water needs from their diets. They take refuge in burrows during the day, hunting and foraging primarily at night, when temperatures are lower. They have developed anatomical adaptations such as the fennec fox's large ears, which help dissipate heat, and its hairy soles, which protect its feet.

Altogether, the Sahara hosts some 70 species of mammals, 90 species of resident birds, 100 species of reptiles, and numerous species of arthropods (invertebrates that have jointed limbs, segmented bodies and external skeletons). The animals include, for a few examples, Barbary sheep, oryx, anubis baboon, spotted hyena, dama gazelle, common jackal and sand fox the birds--ostriches, secretary birds, Nubian bustards and various raptors the reptiles--cobras, chameleons, skinks, various lizards and (where there is sufficient water) crocodiles and the arthropods--numerous ants, scarab beetles and the "deathstalker" scorpion. The wildlife is concentrated primarily along the less severe northern and southern margins and near desert water sources.

Perhaps the Sahara's most famous animal is the dromedary camel, domesticated for thousands of years and long used by the desert nomads. Relying on its fat-filled hump and other physiological adaptations, the dromedary can travel for days with no food or water with its large thick lips, it can feed on thorny plants, salt-laden vegetation and dry grasses with its thick footpads, it can negotiate rocky and sandy terrain with its slit nostrils and heavy eyebrows and lashes, it can protect its nose and eyes from punishing sandstorms and when given water, it can consume more than 30 gallons in a matter of minutes, preparing for more hot dry days.

Seeds sprout quickly after a rain and attempt to complete
their growing cycle before the soil dries out.

Plants

Like all deserts, the Sahara harbors a relatively sparse community of wild plants, with the highest concentrations occurring along the northern and southern margins and near the oases and drainages. It has imposed adaptations on the plants. For instance, near wadis and oases, plants such as date palms, tamarisks and acacia put down long roots to reach life-sustaining water. In the more arid areas, the seeds of flowering plants sprout quickly after a rain, putting down shallow roots, and completing their growing cycle and producing seeds in a matter of days, before the soil dries out. The new seeds may lie dormant in the dry soil for years, awaiting the next rainfall to repeat the cycle.

In the most severe areas -- for instance southern Algeria's Tanezrouft Basin, a fearsome mosaic of salt flats, sandstone and sand dunes known as the "Land of Terror" -- plants have been able to establish only the most tenuous foothold, leaving much of the landscape virtually barren.

Ruins of a mosque, its minaret still standing prominently. Located in the Atlas Mountains, at the northern edge of the Sahara, the ruins date back to the early days of Islam in North Africa.

Across the central, most arid part of the Sahara, the plant community comprises perhaps 500 species. By comparison, in South America's Amazonian rainforest -- probably the most biologically rich region in the world -- the plant community includes, according to the estimates of some authorities, well over 40,000 species.

People and Cultures

According to estimates, the Sahara's entire population probably equals less than two million people, including those who live in permanent communities near water sources, those who move from place to place with the seasons, and those who follow the ancient trade routes as permanent nomads. Most have Berber and/or Arabic roots. The Berbers, speaking several dialects of the Berber language, appeared on the scene at the dawn of the Sahara's history.

Aging man whose face shows his Berber and Arab heritage.

The Arabs, speaking Arabic, a Semitic language that originated in Arabia, appeared on the scene thousands of years ago. Most of the Sahara's population follows the Islamic religion, introduced in the seventh century AD.

The Sahara's history is written in terms of primitive hunting and gathering, nomadic trade, agricultural development, early communities, conquest, sophisticated civilizations, monumental architecture, dynasty, exploration, colonization and war. It bears the stamp, not only of the Berbers and early Arabs, but also of Egyptians, Nubians, Phoenicians, Greeks and Romans. In more recent centuries, it experienced the imprint of Ottoman, Spanish, Italian, French and English colonialism. In the nineteenth century, it heard the whisper of Roman Catholicism. During World War II, it suffered fierce and destructive battles between the Germans and the Allies. In the middle of the last century, its countries cast off their colonial yokes and found freedom.

Wonders

The Sahara, with its natural and cultural wonders, offers the tourist a rich travel experience. For a few examples, you can:

  • Explore dune fields, oases, the Nile and Niger rivers and even the most barren areas, (for instance, the Tanezrouft Basin--the Land of Terror).
  • See exotic wildlife such as the Barbary sheep, oryx, hyena, jackal and sand fox as well as various birds and reptiles.
  • Join hiking and camel treks, recalling ancient nomadic trading caravans.
  • Visit stunning monuments to the human story in the Sahara, for instance, the standing ruins of ancient cultures and the edifices of more recent cultures.
  • Enjoy the rich fare of ancient, but still lively, bazaars and marketplaces.

If you have not traveled in the Sahara and you are not familiar with the local conventions and standards, you should consult a travel agent, who should provide the information you will need for a rewarding trip.


Assista o vídeo: Veja como vivem o povo nômade no deserto do Saara


Comentários:

  1. Bedver

    Completamente compartilho sua opinião. Parece-me que é boa ideia. Concordo com você.

  2. Draven

    A escolha é desconfortável

  3. Arkwright

    Uau, eu cuspi neste blog há cerca de três meses, as vendas não pensavam que alguém estava comentando aqui :) Na verdade, não há nada a discutir do proposto, por causa do teste em que foi adicionado;)) eles se envolverão seriamente Neste blog ...

  4. Dionte

    Você eu posso verificar :)

  5. Galtero

    Eu gosto dessa ideia, eu concordo completamente com você.



Escreve uma mensagem