Nosso Site Podcast com Paul Reed

Nosso Site Podcast com Paul Reed



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Nosso Site Podcast com Paul Reed - História

PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 1: Estúdios WNYC com suporte para ouvintes.

JAD ABUMRAD: Antes de começarmos, só quero que você saiba que há um ou dois momentos de linguagem forte na história.

(SOUNDBITE DE INTRODUÇÃO RADIOLAB)

PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 2: Aguarde. Esperar. Você está ouvindo (risos).

PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 2: Tudo bem.

PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 2: Tudo bem.

PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 3: Você está ouvindo.

PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 2: Ouvir.

PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 3:. Para RADIOLAB.

PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 4: RADIOLAB.

PESSOAS NÃO IDENTIFICADAS: De WNYC.

PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 2: Sim.

JAD ABUMRAD: Ei. Sou Jad Abumrad. Este é o RADIOLAB. E hoje.

JAD ABUMRAD:. Matthew Kielty.

JAD ABUMRAD: Uma história do nosso produtor, Matthew Kielty.

MATT KIELTY: Heather também está aqui.

JAD ABUMRAD: Ei, Radke. Como tá indo?

HEATHER RADKE: Ótimo. Como você está?

JAD ABUMRAD: E a repórter Heather Radke.

Por onde vocês querem começar?

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

MICHAEL BARBARO: Do The New York Times, sou Michael Barbaro. Este é o "Diário".

HEATHER RADKE: Volte aos primeiros dias da pandemia.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

MICHAEL BARBARO:. Como presidente Trump.

HEATHER RADKE:. Eu estava ouvindo "The Daily". Foi um desses episódios sobre a pandemia. E no show, eles tinham.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

MICHAEL BARBARO: Repórter de ciência Donald G. McNeil Jr.

HEATHER RADKE: Don McNeil Jr. Lembro-me dos primeiros dias da pandemia, quando Don McNeil apareceu no "The Daily", você meio que sabia que ia receber más notícias e que ele ia apenas lhe contar como essa coisa era séria.

JAD ABUMRAD: Eles não o chamam de, tipo, Doomsday Don ou algo assim?

HEATHER RADKE: Quer dizer, nunca ouvi isso, mas não - não estou surpreso. Porque, tipo, em fevereiro.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

MICHAEL BARBARO: Os retratos do futuro que você pintou para nós foram incrivelmente precisos.

HEATHER RADKE: Ele estava nos dizendo que as escolas iriam fechar, que todos nós ficaríamos presos em nossas casas por semanas ou meses.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

MICHAEL BARBARO: Isso aconteceu.

HEATHER RADKE:. Que não haveria equipamento de proteção individual suficiente.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

MICHAEL BARBARO: Quase tudo que você disse que aconteceria, mais ou menos aconteceu.

DONALD G MCNEIL JR: Bem, olhe. Não sou um anjo das trevas que está simplesmente olhando para o futuro.

HEATHER RADKE: Mas ele meio que é (risos). Eu não sei. Mas de qualquer maneira, neste show.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

DONALD G MCNEIL JR: Estou falando com especialistas.

HEATHER RADKE:. Que foi em abril, eles estão falando sobre - tipo, eles estão representando o futuro da pandemia e como nosso mundo pode ser.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

DONALD G MCNEIL JR: Sabe, não vamos permitir que as pessoas se sentem próximas umas das outras em estádios de futebol.

HEATHER RADKE:. Sobre como podem ser os esportes.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

DONALD G MCNEIL JR: Deixe metade das crianças ir para a escola esta semana.

HEATHER RADKE:. Como as escolas podem funcionar.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

DONALD G MCNEIL JR: Na próxima semana, a outra metade das crianças poderá vir para a escola.

HEATHER RADKE:. Comer fora.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

DONALD G MCNEIL JR: Um restaurante que antes tinha 100 clientes agora tem cerca de 10 clientes.

HEATHER RADKE: assustadoramente presciente.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

MICHAEL BARBARO: E por quanto tempo.

HEATHER RADKE: Mas então Barbaro gosta.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

MICHAEL BARBARO: Em algum momento nós simplesmente conseguimos voltar ao normal?

HEATHER RADKE: E então McNeil diz, olha. Esta pandemia vai acabar.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

DONALD G MCNEIL JR:. Quando tivermos uma vacina que todos possamos tomar.

HEATHER RADKE: A vacina é o que vai acabar com isso.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

DONALD G MCNEIL JR: Mas o recorde que já tivemos para a produção de uma vacina é de quatro anos.

HEATHER RADKE: A vacina mais rápida que já fizemos foi a vacina contra caxumba.

(SOUNDBITE DE PODCAST, "O DIÁRIO")

DONALD G MCNEIL JR: Sim, a vacina humana mais rápida já feita foi a caxumba - quatro anos do início ao fim.

MATT KIELTY: Agora, se você é uma pessoa que consome informação, provavelmente está bem ciente do fato de que vamos quebrar esse recorde. Tipo, provavelmente iremos destruir esse registro. Teremos uma vacina muito mais rápido do que quatro anos. E, quero dizer, isso é porque COVID é uma pandemia destrutiva e que altera completamente o mundo, à qual dedicamos milhões e milhões de dólares. Milhares e milhares de pessoas trabalharam dia e noite para criar uma vacina.

Mas - e talvez você esteja se perguntando neste ponto onde estou indo com isso. Mas quando Heather ouviu aquele episódio de "The Daily", ela e eu começamos a conversar. E começamos a investigar essa história sobre caxumba, sobre o que em breve será a segunda vacina mais rápida que já fabricamos. E o que encontramos no centro dele é estranhamente apenas um cara.

MATT KIELTY:. Um cientista chamado Maurice Hilleman, um cara que de alguma forma personificou tudo o que é necessário para livrar o mundo de uma doença. Mas antes de chegarmos a Maurice.

HEATHER RADKE: O que é caxumba?

PAUL OFFIT: Eu posso te ouvir, sim.

MATT KIELTY: Então conversamos com esse cara, Paul Offit.

HEATHER RADKE:. Diretor do Centro de Educação em Vacinas.

PAUL OFFIT: E professor de pediatria na Escola de Medicina da Universidade da Pensilvânia.

MATT KIELTY: Como estão as coisas no seu mundo agora?

PAUL OFFIT: Eles estão muito ocupados. Na verdade, nunca estive tão ocupado na minha vida. E eu sou mais velha, sabe?

HEATHER RADKE: Paul está em um comitê consultivo da FDA para as vacinas COVID.

PAUL OFFIT: Tivemos uma reunião na quinta-feira passada, que durou nove horas. Foi exibido na C-SPAN.

HEATHER RADKE: É uma longa reunião.

MATT KIELTY: Mas de qualquer maneira, pedimos a Paul.

HEATHER RADKE: O que é caxumba e como é contagiosa?

PAUL OFFIT: Da mesma forma que o SARS-CoV-2 é contagioso, que se espalha por pequenas gotículas respiratórias que emanam da boca e do nariz.

MATT KIELTY: Então, tipo, tossir, espirrar, falar, beijar.

PAUL OFFIT: E principalmente, o vírus infectou crianças.

HEATHER RADKE: E o principal sintoma da caxumba é que seu rosto meio que incha.

MATT KIELTY: Tipo, suas bochechas incham e ao redor de sua mandíbula.

PAUL OFFIT: Então você tem essa aparência de esquilo.

(SOUNDBITE DE PROGRAMA DE TV, "THE BRADY BUNCH")

FLORENCE HENDERSON: (Como Carol Brady, cantando) Eu quero ser amada por você.

PAUL OFFIT: Então, as crianças que pegaram caxumba se pareciam com esses esquilos bonitinhos.

HEATHER RADKE:. O que significava que a caxumba era ótima para coisas como o enredo de "The Brady Bunch".

(SOUNDBITE DE PROGRAMA DE TV, "THE BRADY BUNCH")

MELISSA SUE ANDERSON: (Como Millicent) O médico acha que eu posso estar com caxumba.

(SOUNDBITE DE PROGRAMA DE TV, "THE BRADY BUNCH")

MIKE LOOKINLAND: (Como Bobby Brady) A caxumba?

(SOUNDBITE DE PROGRAMA DE TV, "BOAS VEZES")

CANTORES NÃO IDENTIFICADOS: (Cantando) Bons tempos.

HEATHER RADKE:. "Bons tempos."

(SOUNDBITE DE PROGRAMA DE TV, "BOAS VEZES")

ATOR NÃO IDENTIFICADO Nº 1: Ei, ei, ei.

ATOR NÃO IDENTIFICADO # 2: (falando alemão).

MATT KIELTY:. Algum velho desenho animado alemão.

ATOR NÃO IDENTIFICADO Nº 3: (falando alemão).

PAUL OFFIT: Há uma música dos Coasters.

(SOUNDBITE DA CANÇÃO DO COASTERS, "POISON IVY")

PAUL OFFIT:. Chamado "Poison Ivy".

(SOUNDBITE DA CANÇÃO, "VENENO IVY")

OS COASTERS: (Cantando) O sarampo deixa você enrugado, e a caxumba deixa você enrugado.

PAUL OFFIT: Pergunte a seus pais sobre isso.

Eu encontrei uma velha canção de vaudeville sobre uma criança pegando caxumba que eu.

(SOUNDBITE DE TOCANDO FLUTA)

HEATHER RADKE:. Testado na minha flauta.

(SOUNDBITE DE TOCANDO FLUTA)

JAD ABUMRAD: Não vi a flauta chegando.

MATT KIELTY: Tipo, caxumba é a doença mais fofa que você pode ter.

PAUL OFFIT: Quero dizer, causa - pode infectar o revestimento do cérebro e da medula espinhal.

HEATHER RADKE: O que pode causar surdez.

PAUL OFFIT: Mas isso realmente não te mata, não.

MATT KIELTY: Então não é verdade.

HEATHER RADKE: Sabe, Matt, tenho que dizer, uma coisa que eu gostaria de estar aqui era o verdadeiro problema da caxumba, que é que os homens perdem a virilidade. Eu sinto que você está evitando (risos).

MATT KIELTY: Não estou evitando isso, Heather.

HEATHER RADKE: Só estou dizendo que o grande problema da caxumba é que os testículos dos homens ficam enormes e eles não conseguem andar e, às vezes, não podem ter filhos. E assustou todo mundo no Exército. E é por isso que a caxumba era um grande negócio.

HEATHER RADKE: Adicione isso.

JAD ABUMRAD: Mas espere. Você está dizendo seriamente que o grande empurrão para, tipo, por que essa vacina em particular aconteceu tão rápido é porque era muito centrada no homem e preocupava muitos caras do Exército?

MATT KIELTY: Não. Porque é aqui que voltamos ao nosso único cara, Maurice Hilleman.

PAUL OFFIT: Maurice Hilleman, eu acho, é o pai das vacinas modernas.

HEATHER RADKE: Quero dizer, ele é um desses caras que.

PAUL OFFIT: Ele é o mestre da vacina.

HEATHER RADKE:. Em todas as suas biografias e obituários, você lerá algo como, ele pode ser o maior biólogo do século XX.

PAUL OFFIT: Certo. Ele é estimado - seu trabalho é estimado em salvar cerca de 8 milhões de vidas por ano.

HEATHER RADKE: Então, você vai ler algo como, ele foi o maior cientista do século 20.

PAUL OFFIT: Vivemos mais por causa dele. Vivemos 30 anos a mais do que 100 anos atrás, principalmente por causa dos esforços de Maurice Hilleman.

HEATHER RADKE: E então você encontrará algo que diz que ele pode ser o maior cientista que já existiu.

PAUL OFFIT: Eu gostaria que ele estivesse vivo hoje.

MATT KIELTY: Então, Maurice Hilleman morreu em 2005 de câncer aos 85 anos. Mas poucos meses antes de sua morte, Paul o entrevistou.

PAUL OFFIT: Eu só queria registrar suas histórias.

HEATHER RADKE: Eles se conheciam muito bem.

PAUL OFFIT: E ele foi legal o suficiente para me deixar entrevistá-lo por 60 ou 70 horas ou mais nos últimos seis meses de sua vida.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 5: Então, voltando a.

MATT KIELTY:. Uma equipe de filmagem entrevistou Maurice antes de sua morte, e eles foram generosos o suficiente para nos dar um pouco dessa fita.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Bem, sou Maurice Hilleman e tive uma longa carreira científica - cerca de 60 anos - fazendo pesquisa básica e desenvolvendo um grande número de novas vacinas.

PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 5: Então, conte-me um pouco de sua história pessoal.

MAURICE HILLEMAN: Bem, você pode perguntar, bem, como você se tornou um Montanan?

MATT KIELTY: Então volte - final dos anos 1800. O tio-avô de Hilleman, um batedor do Exército, acaba se estabelecendo em Montana, nesta pequena cidade.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN:. Chamado Miles Town.

MATT KIELTY:. Agora chamado de Miles City.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN:. Envolvido em negócios ilícitos. Acho que foi em grande parte prostituição (risos).

MATT KIELTY: Eventualmente, mais membros da família surgiram, acomodados ao lado dele.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: É uma rica fazenda lá.

MATT KIELTY: Grandes espaços abertos.

HEATHER RADKE: Sua mãe e seu pai trabalhavam em uma fazenda. Eles tiveram sete filhos. E então nasceu Maurice.

PAUL OFFIT: Na época da grande pandemia de gripe.

JAD ABUMRAD: Então ele nasceu bem no meio de uma segunda onda de gripe.

HEATHER RADKE: Mmm hmm. E a mãe dele ficou muito doente logo depois que ele nasceu. E ele tinha uma irmã gêmea. E tanto a irmã gêmea quanto a mãe morreram, e ele foi o único sobrevivente do nascimento.

MATT KIELTY: E o pai de Maurice realmente deu Maurice para sua tia e seu tio, que moravam bem ao lado. Então ele teve uma infância muito estranha, onde trabalhava na fazenda com seus irmãos e seu pai biológico. Eles iriam para a mesma igreja, todos eles juntos. Mas então, no final do dia, ele iria ficar sozinho com a tia e o tio.

PAUL OFFIT: E acho que ele sempre quis ser visto. Ele mencionaria isso, que ele queria ser visto por seu pai.

MATT KIELTY: Offit disse que foi uma espécie de força motriz em sua vida.

HEATHER RADKE: Então são os anos 20 em Montana.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Você realmente se tornou um workaholic para sobreviver.

MATT KIELTY: Aos 4 anos, ele vai para a cidade vender morangos no mercado.

HEATHER RADKE: De volta à fazenda.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Tínhamos uma oficina de ferreiro. Tínhamos uma oficina mecânica.

(SOUNDBITE DE MARTELO DE MARTELO)

HEATHER RADKE: Havia todos os tipos de animais.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

HEATHER RADKE: Conforme ele foi ficando mais velho.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN:. Uma das minhas funções era cuidar das galinhas.

(SOUNDBITE DE GALINHAS CLUCKING)

HEATHER RADKE: Ele os alimentou, os encurralou e coletou seus ovos.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Eu conheci galinhas.

HEATHER RADKE: E depois havia essas histórias sobre como, tipo, antes de ter 10 anos, ele.

(SOUNDBITE DE TREM RUMBLING)

HEATHER RADKE:. Quase é atropelado por um trem de carga.

PAUL OFFIT: Literalmente, um trem estava vindo na outra direção.

HEATHER RADKE: Ele quase sufoca de difteria. Ele, gosta.

HEATHER RADKE:. De alguma forma, segue um vagabundo até uma cachoeira, mas ele não sabe nadar e quase se afoga.

JAD ABUMRAD: Esse garoto está amaldiçoado.

HEATHER RADKE: Sim. A vida em Montana era difícil.

PAUL OFFIT: E então ele se via como um sobrevivente notável.

HEATHER RADKE: E ele se torna uma pessoa muito durona por causa disso. Mas ele também se interessa muito pela ciência. Então, o pai biológico de Hilleman - ele era, tipo, super luterano, muito, muito devoto.

MATT KIELTY: Ele era uma oração ávida. Ele cria na cura pela fé, que Deus poderia curar doenças.

HEATHER RADKE: E Paul disse isso talvez como uma espécie de reação a isso.

PAUL OFFIT:. Ou de uma rejeição disso.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 6: (Lendo) Quando a bordo do HMS Beagle como naturalista.

HEATHER RADKE: Hilleman se apaixonou por Darwin.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 6: (Lendo). Fiquei muito impressionado com certos fatos.

JAD ABUMRAD: Ele literalmente - tipo, Darwin é o que o atraiu para o lado negro?

PAUL OFFIT: Quero dizer, ele me contou a história com alegria sobre como ele se sentava na igreja e.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 6: (Lendo). Pareceu-me lançar alguma luz sobre a origem das espécies.

PAUL OFFIT:. Leia "Sobre a origem das espécies", de Darwin.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 6: (Lendo). Esse mistério de mistérios.

MATT KIELTY: Ao contrário da religião de seu pai, que era tudo sobre mistério e fé.

PAUL OFFIT: Isso era lógico e ordenado e fundamentado e baseado em coisas que você podia ver.

HEATHER RADKE: E ele meio que ficou extasiado com esse outro tipo de Bíblia.

MATT KIELTY: E ele vai de ler Darwin a.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN:. Paul Ehrlich e von Behring e Pasteur.

MATT KIELTY:. Esses grandes microbiologistas.

MATT KIELTY:. Quem fez pesquisas inovadoras neste campo ainda novo e emergente.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Virologia.

MATT KIELTY: A ciência dos vírus.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Todo o negócio dos vírus como a ramificação entre os vivos e os mortos - eu realmente me interessei por isso.

MATT KIELTY: Agora, quando ele terminou o ensino médio, ele realmente não planejava ir para a faculdade. Seria necessário que seu irmão voltasse do seminário para pressioná-lo a continuar seus estudos.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Então eu fui para o estado de Montana.

HEATHER RADKE: Ele estuda microbiologia.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Trabalhei muito.

MATT KIELTY: Existem histórias sobre como ele passava os fins de semana no laboratório.

HEATHER RADKE: Sobre como ele fez quatro experimentos ao mesmo tempo.

MATT KIELTY: E em 1941, ele se formou.

HEATHER RADKE: Vai para a Universidade de Chicago.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: O centro intelectual de seu tempo.

MATT KIELTY: Inicia seu Ph.D. trabalhar.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Em clamídia.

MATT KIELTY: Durante anos, as pessoas procuraram uma vacina contra a clamídia, que todos pensavam ser um vírus.

HEATHER RADKE: E em um ano, Hilleman descobre que na verdade não é um vírus.

MATT KIELTY: Foi uma bactéria.

PAUL OFFIT: E pode ser tratado com antibióticos. Isso é o que ele fez como seu doutorado. tese quando ele tinha 25 anos.

HEATHER RADKE: Uma grande conquista. Então.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

HEATHER RADKE: Ele se forma.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: De uma escola muito boa e foi cortejado pela academia.

MATT KIELTY: Para se tornar um professor.

HEATHER RADKE: Era o que esperava que ele se tornasse.

PAUL OFFIT: Isso é o que você fez.

MATT KIELTY: Você partiu e seguiu o caminho daqueles que vieram antes de você na busca do conhecimento nessas instituições públicas alardeadas, onde você iria se aprofundar, fazer suas pesquisas para o bem do público.

MATT KIELTY: E Hilleman estava tipo, não.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Eu queria sair e ver como o grande mundo funcionava, o grande mundo do prático.

PAUL OFFIT: Ele queria fazer coisas, tanto quanto as fazia na fazenda. Ele queria produzir coisas.

MATT KIELTY: Então ele vai trabalhar para uma pequena empresa farmacêutica em Nova Jersey. Então ele é convocado.

HEATHER RADKE: Bem, mas primeiro, quero dizer, não durma sobre a encefalite japonesa.

HEATHER RADKE: Então ele criou essa vacina para a encefalite japonesa, que é uma doença horrível que causa inchaço no cérebro e que vem matando pessoas na Ásia há muito tempo. E então o Exército pede que ele desenvolva uma vacina para que os soldados não morram dela quando estão lá e não são afetados por ela. E ele faz.

MATT KIELTY: E essa é a primeira vacina que ele faz.

HEATHER RADKE: Ele faz a coisa de Hong Kong quando está no Exército? Eu acho que sim.

MATT KIELTY: Doot-do-doo (ph). No final dos anos 40, instituições (ph) - cepas modernas de gripe. Sim, em 1948, ele vai para Walter Reed.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Sim. Quando fui para Walter Reed, era - minha tarefa era, muito simplesmente, aprender tudo que você puder sobre a gripe.

HEATHER RADKE: Você sabe, 1919 não é tão longe de meados dos anos 40. A pandemia está realmente na memória de todos.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Então, meu trabalho era prevenir a próxima pandemia.

HEATHER RADKE: Para descobrir como prevenir outro.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Então o que eu fiz.

HEATHER RADKE: Basicamente, ele examina todas essas amostras de gripe que eles têm em Walter Reed e descobre que o vírus da gripe muda a cada ano. E ele descobre como isso faz e por que e então ajuda.

HEATHER RADKE:. Crie um sistema para fazer uma nova vacina a cada ano.

JAD ABUMRAD: Então ele é a razão pela qual temos que tomar uma nova vacina contra a gripe todos os anos?

MATT KIELTY: Ele também é o primeiro a descobrir como os vírus mudam quando saltam para frente e para trás entre humanos e pássaros ou morcegos.

MATT KIELTY: O que permite que ele, em 1957, se torne o primeiro ser humano a evitar uma pandemia, porque ele é capaz de ver o que está acontecendo. Estava vindo de Hong Kong. Ele é capaz de ajustar a vacina contra a gripe. As pessoas são vacinadas. Ele é capaz de salvar pelo menos um milhão de vidas na América.

MATT KIELTY: Ele deu a medalha presidencial de ciências.

JAD ABUMRAD: Esse cara está apenas, tipo - ele está em uma boa corrida.

JAD ABUMRAD: Depois de seus anos miseráveis ​​de criança.

HEATHER RADKE: Eu sei. Quero dizer, você realmente.

HEATHER RADKE: Oh, vá em frente.

JAD ABUMRAD: OK, desculpe. Não não não. Eu ia fazer uma pergunta, mas acho que está chegando. Então talvez eu - talvez não responda se você estiver prestes a responder. Como ... Estou procurando uma maneira de entender por que ele era tão talentoso neste aspecto específico da ciência. Mas talvez haja algo na história que você está prestes a me contar que vai chegar lá.

MATT KIELTY: Sim, Jad. É a história da caxumba.

MATT KIELTY: Todo o motivo de estarmos aqui.

JAD ABUMRAD: Oh, espere. Posso - vocês podem esperar um segundo? Talvez eu tenha que correr e abrir a porta.

JAD ABUMRAD: Já volto.

HEATHER RADKE: Vou beber um pouco de água.

MATT KIELTY: É um bom local para uma pausa.

MATT KIELTY: Nunca consigo encontrar o aplicativo. Digite, digite, digite.

HEATHER RADKE: (Risos) Vocês têm uma verdadeira - muitas pessoas que trabalham com vocês. É uma espécie de pequena família divertida aqui no final. Todas as mãos no convés.

MATT KIELTY: Todos no convés.

HEATHER RADKE: Como se estivéssemos montando uma peça.

JAD ABUMRAD: Jad - RADIOLAB. De volta a Heather Radke e Matt Kielty e sua história sobre Maurice Hilleman, também conhecido como o pai das vacinas modernas, também conhecido como o mestre da vacina.

PAUL OFFIT: Outra coisa - ele também era um homem profano.

MAURICE HILLEMAN: Havia tantas coisas do caralho que poderiam acontecer.

Eles amavam esse cara. Bem, eu pensei que ele era um pedaço de merda.

A porra de um caminhão de sorvete parou ali.

MATT KIELTY: A propósito, essas são gravações que Offit fez com Hilleman para escrever um livro sobre ele.

PAUL OFFIT: Mas foi difícil escrever o livro porque muitas vezes eu teria, tipo, a palavra F na mesma frase da reação em cadeia da polimerase, que é provavelmente a única vez que isso aconteceu.

MATT KIELTY: De qualquer forma, em 1957, Hilleman se juntou à empresa farmacêutica Merck para administrar sua divisão de vacinas. E quando ele chegou lá, rapidamente a empresa o colocou em treinamento de gestão.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Escola de charme.

MATT KIELTY: Ou o que ele chama de escola de charme.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Não poderíamos xingar tanto, certo? Então isso é besteira.

MATT KIELTY: A certa altura, ele recebeu uma palestra sobre como criar um ambiente de trabalho mais gratificante para seus funcionários.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: O prazer era o seu trabalho. Eu falei, isso é muita (ph) merda, sabe?

PAUL OFFIT: Ele era um cara durão.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: O que a empresa deveria estar fazendo é arrasar.

PAUL OFFIT: E ele sofreu muito com os tolos.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Vou te contar, a porra do conselho que recebi dos chefes.

MATT KIELTY: Em grande parte, isso ocorre porque quando Hilleman apareceu para a Merck, ele teve uma grande visão.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: E minha visão era que eu queria vencer as doenças pediátricas das crianças.

PAUL OFFIT: Seu objetivo era eliminar qualquer infecção viral ou bacteriana que infectasse crianças.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Sarampo, caxumba, rubéola, catapora.

PAUL OFFIT: O que foi um objetivo ridículo. Mas ele chegou muito perto de conhecê-lo.

MATT KIELTY: OK, então vamos finalmente.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

PAUL OFFIT: Sim, vamos para a caxumba. Você está pronto para ir para a caxumba?

HEATHER RADKE: Tudo bem. Sim, vamos voltar ao início.

JERYL LYNN HILLEMAN: Oh, absolutamente.

HEATHER RADKE: Esta, por falar nisso, é a filha de Maurice Hilleman, Jeryl Lynn Hilleman.

Quantos anos você tinha quando começou a ter caxumba?

JERYL LYNN HILLEMAN: Eu acredito que eu tinha 5 anos.

HEATHER RADKE: Filadélfia, certo?

JERYL LYNN HILLEMAN: Fora da Filadélfia, em um subúrbio fora da Filadélfia.

MATT KIELTY: OK, então era 23 de março de 1963.

JERYL LYNN HILLEMAN: Provavelmente foi no meio da noite, muito tarde da noite. Eu fui para a cama. Eu acordei. Eu não estava me sentindo bem.

MATT KIELTY: Então ela sai da cama e atravessa o corredor.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

PAUL OFFIT: Então ela vem até você à 1 da manhã?

MATT KIELTY: Acorda o pai dela.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: E ela diz, minha garganta dói.

MATT KIELTY: Então a primeira coisa que ele fez foi pegar este livro.

JERYL LYNN HILLEMAN: Livro muito grosso, talvez 3 ou 4 polegadas de espessura, capa dura.

HEATHER RADKE: Uma espécie de livro de diagnóstico.

MATT KIELTY: Ele folheia, olha para a filha.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Eu disse, puta merda. Você tem caxumba.

PAUL OFFIT: Mas veja - eu não posso deixar ele xingando na frente de uma filha de 5 anos. Então eu não fiz isso. Acho que disse, oh, meu Deus - ou algo assim.

PAUL OFFIT: E então o que ele fez foi algo que nenhum pai faz. Ele a deitou de volta na cama. Agora, havia - sua esposa havia morrido recentemente. E então ele tinha uma governanta que também ficava em casa à noite. Então.

HEATHER RADKE: À 1 da manhã, ele se vestiu, entrou no carro e dirigiu até o laboratório.

PAUL OFFIT: Peguei um cotonete, voltou, gentilmente acordou a filha.

HEATHER RADKE: Esfregou o interior de sua boca e ele retirou um pouco do vírus da caxumba.

MATT KIELTY: E ele disse nesta entrevista que fez com a Offit.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Esta é a hora de obter uma cepa do vírus da caxumba. Quem sabe?

MATT KIELTY: Tipo, neste ponto, ele não tinha uma boa cepa do vírus da caxumba na Merck. E então ele é tipo, se uma oportunidade se apresentar.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Aproveite todas as oportunidades.

MATT KIELTY: Arranja um vírus.

HEATHER RADKE: OK, agora ele tem uma amostra do vírus e vai tentar usar o vírus de Jeryl Lynn para fazer a vacina.

HEATHER RADKE: Vamos ver. Então.

MATT KIELTY: Isso é - tipo, isso é loucura. Acontece que tornar uma vacina é uma loucura.

JAD ABUMRAD: Sim, essa é a parte em que eu fico tipo, OK, desmistifique. Então o que ele faz?

MATT KIELTY: Então a primeira coisa que ele faz é colocar o vírus da caxumba de Jeryl Lynn em um frasco de laboratório com um monte de células de embrião de galinha.

MATT KIELTY: Pergunta justa. Então, basicamente, ele vai usar essas células de pintinhos para transformar o vírus. Então o que ele faz é colocar o vírus com essas células de pintinho em um frasco de laboratório, e ele basicamente começa a observar o vírus crescer nessas células. E à medida que cresce, o que está fazendo é matando células. É isso que um vírus faz quando cresce. E ele está procurando por aglomerados de células mortas. E se ele vir um frasco que tem muitas células mortas, ele fica tipo, ah, aquele. Ele tira o vírus de lá, arranca-o, coloca em outro frasco com células de pintinho e está observando para ver se ele mata ainda mais células desta vez. E se isso acontecer, ele tira, coloca em um frasco novamente. E ele está apenas - ele basicamente está tentando fazer com que essa coisa seja cada vez melhor em matar células de frango. E a ideia aqui é.

JAD ABUMRAD: E por que - o que - e por que - oh, sim. Desculpa. Você está prestes a responder à minha pergunta, eu acho. Continue.

MATT KIELTY: Bem, a ideia é que, ao passar por células animais, essas células de galinha, repetidamente, o que você está fazendo é - essencialmente, você está enfraquecendo o efeito do vírus em um ser humano. Ainda é um vírus, e ainda é um vírus que você pode pegar e colocar dentro de um ser humano. A questão é que não vai causar o mesmo tipo de doença que causaria se fosse, tipo, muito virulento e muito forte. Está essencialmente enfraquecido. Isso é chamado de atenuação.

MATT KIELTY: Você meio que, tipo, abaixa o botão ou algo assim, o volume desse vírus conforme você o passa pelas galinhas.

HEATHER RADKE: Sim, é como se você desligasse o.

JAD ABUMRAD: Oh, isso é tão interessante.

HEATHER RADKE:. Aperte o botão do vírus humano e suba o botão do vírus da galinha.

JAD ABUMRAD: E então o que ele está procurando exatamente? Ele está procurando um vírus que é muito bom para entrar nas células das galinhas e, portanto, terrível para as células humanas? Ou ele está procurando outra coisa?

HEATHER RADKE: Quer dizer, acho que essa é a arte.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Este é um julgamento.

HEATHER RADKE: Hilleman descreveu isso como um julgamento.

PAUL OFFIT: É coragem e julgamento. É apenas tentativa e erro absolutos. Quer dizer, não há fórmula para isso. Isso não está escrito em lugar nenhum. Você apenas tenta.

HEATHER RADKE: E Offit nos contou.

PAUL OFFIT: Ele realmente tinha um sexto sentido de como fazer isso.

HEATHER RADKE: Sabe, pessoas diferentes fariam escolhas diferentes sobre isso, e ele é bom em fazer as escolhas certas. Então, você não quer que seja tão covarde que os humanos não - tipo, você sabe, um corpo humano não reconhece isso de forma alguma. Mas você não quer que seja humano (ph) a ponto de qualquer pessoa ficar doente. E esse é o verdadeiro medo de se fazer uma vacina.

HEATHER RADKE:. É que as pessoas vão pegar a doença, sabe. Então.

JAD ABUMRAD: Entendo. Oh, então é só colocar o dedo nisso. Então ele está procurando por um - ele está tentando - ou atenuá-lo para que fique exatamente na linha de falha perfeita entre ser covarde o suficiente para não machucar o humano, mas ainda ser humano o suficiente para que o sistema imunológico humano reconhecê-lo e vê-lo como uma ameaça.

MATT KIELTY: E Paul nos explicou que fazer esse processo - porque você acaba com um vírus vivo real que é a vacina que você coloca nas pessoas, você - esse processo leva a, tipo, a resposta imunológica mais robusta que uma vacina pode Criar.

PAUL OFFIT: Esse é o padrão ouro das vacinas. E essa mesma estratégia está sendo usada para fazer uma vacina COVID-19, também.

MATT KIELTY: Ah, é mesmo? Ainda fazemos isso?

PAUL OFFIT: Ainda fazemos isso, sim.

HEATHER RADKE: Às vezes, eles perguntam se você é alérgico a ovos quando você toma a vacina. É por isso.

MATT KIELTY: Oh. Antes de deixarmos essa parte do processo, rápido, tipo, quanto tempo ele demorou para fazer essa coisa de passar pela célula da galinha?

PAUL OFFIT: Provavelmente demorou cerca de dois anos para fazer isso.

MATT KIELTY: O que parece lento, mas é rápido.

HEATHER RADKE: Porque com COVID, temos centenas de cientistas em todo o mundo, todos os recursos que eles poderiam imaginar. E isso nos levou pelo menos um ano. Este é um cara com alguns assistentes de laboratório e um monte de ovos de galinha. Dois anos é realmente muito rápido.

JAD ABUMRAD: Tudo bem. E daí?

HEATHER RADKE: Então, isso é apenas o começo. Então, uma vez que ele tenha uma vacina decente, ele tem que fazer testes em pessoas.

MATT KIELTY: E esta parte do processo - é diferente do que cultivar coisas em um laboratório. Existe, tipo, todo um outro cenário de questões, julgamentos e riscos. Tipo, a vacina, se não estiver certa, pode realmente causar caxumba.

HEATHER RADKE: E também, quando testamos vacinas, não estamos apenas testando para ter certeza de que funcionam e não transmitem a doença. Também estamos testando para garantir que não haja outros efeitos colaterais desconhecidos.

MATT KIELTY: Você poderia nos explicar o que exatamente Hilleman está fazendo neste processo de julgamento?

PAUL OFFIT: Claro. Então ele começa com adultos. Então você vai descendo para as crianças.

MATT KIELTY: E o que ele está fazendo é apenas - ele está injetando sua vacina e apenas pensando, você morre ou está bem?

PAUL OFFIT: Sim. Bem, sim. Não tão sombrio.

PAUL OFFIT: Mas sim, é apenas - é seguro e está induzindo uma resposta imunológica que provavelmente será protetora?

HEATHER RADKE: Então você dá a vacina a eles. Você verifica novamente. Você tira o sangue deles. E então você procura anticorpos.

MATT KIELTY: E a questão é que, naquela época, você podia fazer isso com muita velocidade.

HEATHER RADKE: Porque esses são os dias do Velho Oeste para a produção e pesquisa de vacinas.

PAUL OFFIT: Por exemplo, para fazer um teste.

MATT KIELTY: Offit nos explicou que, para fazer um teste de vacina agora, você precisa assinar um formulário de consentimento com espaço simples de 15 páginas.

PAUL OFFIT: Então, era um cartão 3x5 que dizia: Eu permito que meu filho participe de um ensaio de vacina em branco. E você acabou de preencher, você sabe, caxumba, sarampo, sarampo alemão. E então você assinou.

PAUL OFFIT: Esse foi o formulário de consentimento.

HEATHER RADKE: Então o que Hilleman e sua equipe fizeram foi para os subúrbios.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN:. Configure estudos e Havertown, que é West Philadelphia.

MATT KIELTY: Eles basicamente tinham essas reuniões comunitárias.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN:. Pelas igrejas, algumas escolas.

MATT KIELTY: Seriam clérigos, professores, pais, que eram em sua maioria brancos, de classe média. E Hilleman e sua equipe se encontrariam com essas pessoas e - em particular com os pais, eles explicariam a eles o que é a vacina, o que eles esperam que a vacina possa fazer e então lhes entregariam um cartão 3x5 e perguntariam a eles.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN:. Para oferecer seus filhos.

HEATHER RADKE: E muitos deles se ofereceram como voluntários.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Milhares de crianças.

PAUL OFFIT: Cerca de 5.000 crianças.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 7: Bem, acho maravilhoso que eles tenham isso. E sou grato por meu filho estar participando disso.

MATT KIELTY: I actually found this old documentary from when these tests were being done. And it's just a room full of these kids getting a vaccine shot, crying, and then these mothers.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

UNIDENTIFIED PERSON #8: I'm here because I feel that if this will help children, this will be a wonderful thing.

MATT KIELTY: . Explaining why they decided to participate.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

UNIDENTIFIED PERSON #9: Oh, I hate to see any child suffering. I'm a mother of six, and I'm for anything that can help any child in the world. I'm a mother through and through.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: We owe such a huge debt to the people of that West Philadelphia area. The parents - they had to keep their records at home for what their children - take their temperatures, come in and go through all of this annoying business, bled. They had to be inoculated to participate in what was regarded as a humanitarian quest. Boy, I will never forget that.

HEATHER RADKE: Now, as Hilleman was conducting these tests on children who had been volunteered by their parents, he was actually also testing the mumps vaccine on another group of children - children who were living in state homes and had intellectual disabilities.

MATT KIELTY: They were essentially volunteered by the state.

HEATHER RADKE: So until the law changed in the early '70s, this is how a lot of drugs and particularly vaccines were tested.

MATT KIELTY: And this is actually something that comes up in Offit's interviews with Hilleman.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: It was a big ethical issue. I worried about that like, you know, hell, you know? I think we have a hell of a responsibility. And what are the ethical standards that we're using and following?

MATT KIELTY: And Hilleman says at the time, the two sort of guiding ideas were.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Do no harm.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: And do good.

PAUL OFFIT: In those days, in the 1960s, the thinking at the time - when you were in these chronic care, long-term facilities, the level of hygiene and sanitation in those areas was terrible.

MATT KIELTY: It was crowded. Disease was rampant.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Yeah, well, they all developed epidemic disease, these institutionalized kids.

MATT KIELTY: So the justification at the time was that because these kids were the most likely to get these diseases, they were also the most likely to benefit from the vaccine.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: But I'm telling you, these were judgment calls, scientifically and ethically. There is no question about it.

HEATHER RADKE: What Hilleman was doing - testing his vaccine on children with intellectual disabilities in state homes - was part of a bigger thing that was happening all over the place across the country. And a lot of kids got sick, and some even died. There was a situation in Staten Island where a group of kids were given live hepatitis. Another situation in Massachusetts were a group of children at a state home were given radiation, were just exposed to tons of radiation. And although what Hilleman was doing wasn't that, he was part of a system where children who were under the care of the state were used for scientific experimentation.

JAD ABUMRAD: Right. Well, did - before we leave this point, did anyone protest to or about Hilleman in the moment? Or was it just so commonplace that people didn't think anything of it?

HEATHER RADKE: No, they didn't. And it was very commonplace. And nobody got sick because the vaccine worked.

So in 1967, four years after he'd swabbed Jeryl Lynn's throat, Hilleman had made his mumps vaccine. It was the fastest anyone had ever made a vaccine from start to finish.

MATT KIELTY: And we'll say quick that Hilleman seemed pretty tickled that.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

PAUL OFFIT: This was her virus.

MAURICE HILLEMAN: Oh, yeah. My God, that's your virus.

MATT KIELTY: . He got to name it after his daughter.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Can you imagine that?

HEATHER RADKE: Called the Jeryl Lynn strain. It still is.

JERYL LYNN HILLEMAN: And he thought that was a nice thing. But it wasn't. Something that is just one of those facts of life (laughter).

MATT KIELTY: Jeryl Lynn told us, after he was done with mumps, he was just off to the next thing.

JERYL LYNN HILLEMAN: And, you know, he carried around a list at times.

MATT KIELTY: This list he kept in his pocket.

JERYL LYNN HILLEMAN: List of diseases that still had yet to be conquered. And I think it was a reminder that, you know, for him, his work would never be done.

PAUL OFFIT: And what - he would say this. He would say it was like putting up a fence. And, you know, then you take a break and, you know, everybody gathers around, and they drink from - you know, from this bucket of water, and they pass the ladle around. And then you're done, and then you go back to doing it again. He was never, ever satisfied.

MATT KIELTY: Well, so after mumps, it was measles.

HEATHER RADKE: And with measles, there's actually already a vaccine in existence.

PAUL OFFIT: And, I mean, that vaccine worked. But it wasn't quite attenuated enough.

HEATHER RADKE: Like, it wasn't weak enough, so you would have to get another shot at the same time in your other arm so you didn't get sick.

PAUL OFFIT: Maurice then just took that virus and very quickly attenuated it so that it was perfect. That virus bounces off you. It's a remarkable vaccine. And so we eliminated measles, the most contagious of the vaccine-preventable diseases, because it was so incredibly effective.

HEATHER RADKE: Yeah. So here's - so this is a.

JAD ABUMRAD: Yeah, you got a list?

HEATHER RADKE: Yeah, it's a - this is vaccines that Hilleman developed.

HEATHER RADKE: OK, so chicken pox.

HEATHER RADKE: Yeah, chicken pox was a late latecomer.

HEATHER RADKE: So chicken pox, adenovirus, measles, mumps, rubella - which he combined into the MMR vaccine that we all get - Japanese encephalitis, meningococcus, hepatitis A, hepatitis B, pneumococcus, Haemophilus influenzae type B and then others.

MATT KIELTY: By the end of his career, he developed over 40 vaccines.

HEATHER RADKE: Including eight of the 14 that we all get as children.

(SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA)

MAURICE HILLEMAN: Well, looking back on one's lifetime, you'll say, gee, what have I done? Have I done enough for the world to justify having been here, you know? That's a big worry to people from Montana, at least. And I would say I'm kind of pleased about all this. I'm not smug about it, but I'm pleased because there's a great joy in being useful. And that's the satisfaction that you get out of it.

MATT KIELTY: And just to, quick, give you, like, context to Hilleman's work, Paul actually helped to create one of the 14 vaccines we get as kids.

MATT KIELTY: Yeah. And it took him 26 years. So he says when he first learned about Hilleman and what all he had accomplished.

PAUL OFFIT: It was like trying to imagine another universe.

PAUL OFFIT: But he was humble. As rough as he was and as crude as he could be (laughter) and how - as profane as he could be, he was a humble man. He never promoted himself. So he just always flew below the radar, remarkably enough, given his accomplishments. I honestly think he was the single most-accomplished scientist in history. And when he died, I was at a - I gave a talk at the University of Pittsburgh. His son-in-law called me to say that he had passed away. And then after I heard that news, I walked in among a group of 35 to 50 pediatricians and say, you know, here's this man, Maurice Hilleman, who just passed away. No one heard of him. No one - zero. And these are pediatricians who give his vaccines.

MATT KIELTY: Did that surprise you in that moment?

PAUL OFFIT: Yeah. Yes, it did.

MATT KIELTY: Did it sadden you?

HEATHER RADKE: Do you think his humility, which is - you're saying is part of the reason we don't remember him, is also part of what made him good at his job?

PAUL OFFIT: In some ways, I think - he was never stopping to take a bow. But to be honest, I think it's all wrong. I mean, I think no one should be taking bows. I mean, I really - every time a CEO opens his mouth, I really shudder to hear what they say because they're always beating their chest about how quickly they're doing this and how well it's going.

HEATHER RADKE: Paul was talking about some of the CEOs who are at the companies who are at the forefront of manufacturing the COVID vaccine. And when he says he shudders, it's not just because of all the ways the development of the vaccine could go wrong, but also because it seems like they're not really recognizing the cost even when it goes right.

PAUL OFFIT: Because there has never been a medical breakthrough in history that has not been associated with a price. When Thomas Francis did the polio field trial in the mid-1950s, Jonas Salk had made his vaccine, but he didn't know whether it worked or not. So they chose to do a big field trial. Four hundred and twenty thousand children were given his vaccine over a year period funded by the March of Dimes. Two hundred thousand were given placebo - first- and second-graders throughout the country. And then after it was over, Thomas Francis stood up on the podium at Rackham Hall at the University of Michigan and said, safe, potent and effective. That's what he said. Those three words were the headline of every major newspaper in this country. I mean, church bells rang. Synagogues and churches held special prayer meetings. Department stores stopped. Trials stopped, you know, so the judges could hear that announcement. It was announced over the Voice of America.

Well, the question is, how do we know that it worked? We knew that it worked because 16 children in that study died from polio, all in the placebo group. Thirty-six children were permanently paralyzed, 34 in the placebo group. But for the flip of a coin, those children could have been alive and well today. Those were first- and second-graders in the 1950s. I was a first- and second-grader in the 1950s. I mean, those people suffered or died because they just happened to be in the control group. That's what knowledge takes. And that was - that statistic never really rang. I mean, we were so busy celebrating that that I think we didn't really stop and take a look at just how one comes to acquire knowledge.

MATT KIELTY: Yeah, I just came across this quote from Jonas Salk, who sent a letter to a man named O'Connor, who - I don't know who O'Connor is or was.

PAUL OFFIT: He headed the March of Dimes program.

MATT KIELTY: OK. And Salk wrote, I would feel that every child who is injected with a placebo and becomes paralyzed will do so at my hands.

PAUL OFFIT: That's right. That's what I was alluding to.

MATT KIELTY: And that those who argued - those demanding a placebo-controlled trial, he argued, took the position in order to reach a statistical endpoint because, quote, "values in which the worship of science involves the sacrifice of humanitarian principles on the altar of rigid methodology," end quote.

PAUL OFFIT: Yeah, that's good. Sim. No, I think Jonas Salk was always heartbroken when that trial was done because he knew that there would be children who would intentionally not be given the vaccine. I mean, the one thing is to say, as you roll out a vaccine - like the Ebola vaccine, when it rolled out into West Africa, not everybody got it at once. And so some people got it, some people didn't, and some of the people who didn't get it obviously weren't saved.

But it's different than when you actually purposefully don't give a vaccine for a period of a year. You're making the choice. You're asking a child to participate in something, and you know that half of them, half of those children, aren't going to be getting the vaccine. It just feels different. You're actually doing a trial where you know there are children who may die and be paralyzed in that other half because they haven't gotten the vaccine. And the truth be told, that's the only way you're going to know that.

HEATHER RADKE: And Paul told us that this is actually what's happening with COVID now. A while back - I don't know if you remember this - but there was a guy in Brazil who was part of a COVID trial who died.

PAUL OFFIT: You know, we all held our breath to see whether the person was in the placebo group or the vaccine group. And everybody breathed a sigh of relief when the person was in the placebo group because now you know that the vaccine didn't kill them.

HEATHER RADKE: But now what you know is that COVID killed him.

PAUL OFFIT: And had he been in the other group, he probably wouldn't have died. I'm just saying you're constructing an experiment where, by definition, you're not going to learn unless people suffer or hospitalize or die. That's the experiment you're conducting.

MATT KIELTY: There seemingly always is some sort of cost, and someone gets sacrificed to progress. And there's a question of who bears the burden of that sacrifice, and I think oftentimes it's marginalized communities. But yet, inevitably, there - like, blood is sort of shed, is what it feels like.

JAD ABUMRAD: Reporters Heather Radke and Matt Kielty.

(SOUNDBITE OF SONG, "I'VE GOT THE MUMPS")

UNIDENTIFIED SINGER: (Singing) I ain't been to school now for almost a week, I got a big lump on my left-hand cheek. Teacher said not to come back again till the doctor made it better. Ma said, oh, what ails my child? His face is full of lumps. And Pa looked at me and said, oh, bejebs (ph), our angel has the mumps. I've got the mumps. I've got the mumps. Ma gave me.

MATT KIELTY: (Singing) And don't tell Pa.

OK, special thanks to - well, a huge special thanks to Donald Mitchell, the filmmaker who passed us a lot of this audio of Maurice Hilleman. His movie is called "Hilleman: A Perilous Quest To Save The World's Children." You can watch the film online or parts of it at The Vaccine Makers Project. Also to Elaine Icanus (ph) and to Anna Vichuk (ph) and Andrew Backer (ph), who performed this lovely rendition.

(SOUNDBITE OF SONG, "I'VE GOT THE MUMPS")

UNIDENTIFIED SINGER: (Singing) I said I've got the mumps.

MATT KIELTY: . Of the "Mumps" sheet music Heather found.

(SOUNDBITE OF SONG, "I'VE GOT THE MUMPS")

UNIDENTIFIED SINGER: (Singing) Don't get up for breakfast till it's nearly 10. For a nickel, I'll rub up again you, and then you have the mumps.

MATT KIELTY: All right. That's it for me. Jad?

JAD ABUMRAD: OK. I'm Jad Abumrad. Thank you all for listening.

STEPHEN: Hi. This is Stephen (ph) phoning from Calgary, Alberta, Canada. RADIOLAB was created by Jad Abumrad and is edited by Soren Wheeler. Lulu Miller and Latif Nasser are our co-hosts. Dylan Keefe is our director of sound design. And Suzie Lechtenberg is our executive producer. Our staff includes Simon Adler, Jeremy Bloom, Becca Bressler, Rachael Cusick, David Gebel, Matt Kielty, Tobin Low, Annie McEwen, Sarah Qari, Arianne Wack, Pat Walters and Molly Webster, with help from Shima Oliaee, Sarah Sandbach and Jonny Moens. Our fact-checker is Michelle Harris.

Copyright © 2020 New York Public Radio. Todos os direitos reservados. Visit our website terms of use no www.wnyc.org for further information.

New York Public Radio transcripts are created on a rush deadline, often by contractors. Este texto pode não estar em sua forma final e pode ser atualizado ou revisado no futuro. A precisão e a disponibilidade podem variar. The authoritative record of New York Public Radio&rsquos programming is the audio record.


Compartilhado

S-Town is a podcast from Serial e This American Life, hosted by Brian Reed, about a man named John who despises his Alabama town and decides to do something about it. He asks Brian to investigate the son of a wealthy family who’s allegedly been bragging that he got away with murder. But then someone else ends up dead, and the search for the truth leads to a nasty feud, a hunt for hidden treasure, and an unearthing of the mysteries of one man’s life.

Brian, a longtime This American Life producer, started reporting this story more than three years before it aired, when he got an email from John with the subject line “John B McLemore lives in Shittown Alabama.”


Hoosick History

The Hoosick Township Historical Society and the Louis Miller Museum are located within the beautiful village of Hoosick Falls. Steeped in history, this region has played host to exploration, revolution, and industry. Our mission is to preserve the historic narratives and artifacts specific to our region while also inspiring a love of history in the next generation.

The Louis Miller Museum and historical society archives are open Monday through Friday 11am to 2pm.

Armed Forces Day & NYS Historic Marker Unveiling May 15th Noon

Following the ceremony at Liberty Park, we will be unveiling the Harris Hawthorne Medal of Honor NYS Historic Marker In Lower Maple Grove.

Photographer Erwin Hambright Open Air Gallery May 27th 4-8pm

Featured will be a multitude of photographs taken by photographer Erwin Hambright. Hambright’s work of contemporary scenes of Hoosick and the surrounding region will be for sale with proceeds to benefit the Historical Society.

Enjoy live entertainment with the Bennington Traditional Jazz Band and light refreshments.

Proceeds from the sale of items and the auction at this event will support the Historical Society’s Genealogy Preservation Project, our ongoing program to digitize death certificates and funeral records from the 1880s.

Who was the legendary Natty Bumppo?

Listen to the recent WAMC podcast featuring our own director, Joyce Brewer.

Preserve our future and our past with your membership.

Please consider offering a gift in support of the Hoosick Township Historical Society and the Louis Miller Museum. Your contribution helps further ongoing research and preservation of materials. Our staff receives multiple requests each week for information on area families, individuals, and locations. These requests require the efforts and time of our staff. Your support makes this individual attention possible! Obrigada.

Click the “Donate” button to make a secure donation via PayPal.


Compartilhado All sharing options for: Diving deep into the mud with Paul Reed

Photo by Chris Schwegler/NBAE via Getty Images

When the Sixers first drafted Paul Reed 58th overall in the 2020 NBA Draft, it was met with a general reaction of simply not knowing much about his play. He wasn’t a big name on many draft boards, commonly being found in the mid to late second round (if listed at all). Reed was a very under-the-radar prospect heading into the draft, after putting up 3 seasons with the DePaul Blue Demons.

Fast forward to now, people understand a lot more of what Paul Reed can really do on the basketball court. While his 55 minutes of playing time at the NBA level offer us a minuscule glimpse, we’ve seen him flat out dominate at the G-League level with the Delaware Blue Coats.

Paul Reed has put together an impressive case through 15 G-League games which is the complete regular season for this year. He not only has a chance to win the G-League’s rookie of the year award, he has a strong case for MVP.

Final WARP for the G League regular season. Note that unlike the WARP ratings I calculate for NBA players, these are not position-adjusted, so the top of the leaderboard tends to be heavy on bigs. pic.twitter.com/hZaDhul0w7

— Kevin Pelton (@kpelton) March 8, 2021

Paul Reed has been a joy to watch on both ends while leading the Blue Coats to their first playoff berth in franchise history at a record of 10-5. He’s filled up the stat sheet across the board while contributing to a winning team.

You can’t help but be impressed while looking at Paul Reed’s stats in the G-League Bubble. He’s contributed on every major stat and then some. Through 15 games he’s averaged: 31.5 minutes per game, 22.3 points per game, 11.8 rebounds per game, 2.3 assists per game, 1.9 steals per game, and 1.8 blocks per game. Not only is Paul Reed filling up the stat sheet, he’s doing so on incredible efficiency: averaging an impressive 58.8 field goal percentage, 44.4 three point percentage, and a 65.9 true shooting percentage.

One of the most impressive areas of Reed’s play would be his shooting. He’s looking comfortable and confident in taking midrange or three point jumpshots. While the G-League defense is certainly a tier below the NBA’s, his average of over 44% from three is very promising. Not only has he shot efficiently, but he’s averaged an impressive percentage on a decent sample, averaging over 3.6 attempts from beyond the arc per game.

Will his unorthodox form translate to the NBA as well as it has in the G-League? I do have some concerns. It’s a longer release than most and NBA defenses could close out on him quickly. However, Reed’s game isn’t just shooting jumpers. He’ll only be called upon to use it in a NBA setting when he’s wide open for a catch shoot or pick and pop. In limited uses, I’m optimistic about Reed’s jumper.

In addition to Reed’s three point shooting as an area of growth and promise, there’s been many other areas where he’s excelled. Defense was Reed’s calling card coming out of DePaul: he was everywhere on defense, could handle his own on switches, and wreak havoc on the boards. The G-League has proven no different for Reed as he’s been one of the best defenders in the entire league.

Reed has an impressive defensive skill set that can range from blocking shots around the rim to successfully switching onto quicker guards with ease. He plays with an incredibly high motor and never gives up on plays.

Reed has tremendous defensive instincts that could be huge for the Sixers in the coming future. However, his defensive discipline will need to be improved before getting consistent NBA playing time. He got into some foul trouble during the G-League regular season: averaging a team-high of over 4 fouls per game. But if Reed can play in control, he has all of the physical and intangible skills to become a great switchable NBA defender.

The Delaware Blue Coats used Reed almost exclusively as a center in the G-League Bubble — a notable trend. We’ve seen the Sixers and Blue Coats often mirror each other in terms of systems implementation to ease to transition for players between teams. Reed played both the power forward and center position in college, but it’s very possible that the Sixers see him as a center going forward. His fit alongside Ben Simmons would be almost seemless, as Reed is capable of hitting perimeter shots and running the floor in transition.

The last area I’ll touch on will be in regards to Reed’s scoring around the rim, which is quite impressive. Reed has shown flashes of impressive foot work and acitivty around the rim. As stated before, Reed plays with a very high motor which he uses to his advantage. Reed would often be found putting back shot attempts from himself or teammates. Ranging from a spin-move to euro-steps, Reed has a lot of tricks within his bag.

Paul Reed has all of the makings to be a quality player at the NBA level. Coming into this season he was viewed as a project player who possessed a lot of skills but was in need of some polishing and development. I think it’s safe to say that Reed is ahead of schedule in terms of his development and we may be seeing him sooner rather than later if he can maintain this type of play. The Sixers found a legitimate prospect at the end of the 2020 draft in Reed.

While everyone is campaigning for Joel Embiid to win MVP, we should also be doing the same for Paul Reed at the G-League level. His play on both ends of the court has shown the basketball world that he belongs and may be contributing to the team quicker than anticipated. It may be just time for Paul Reed to get out of the mud.


Our Site Podcast with Paul Reed - History

The Tor Project, Inc, became a 501(c)(3) nonprofit in 2006, but the idea of "onion routing" began in the mid 1990s.

Just like Tor users, the developers, researchers, and founders who've made Tor possible are a diverse group of people. But all of the people who have been involved in Tor are united by a common belief: internet users should have private access to an uncensored web.

In the 1990s, the lack of security on the internet and its ability to be used for tracking and surveillance was becoming clear, and in 1995, David Goldschlag, Mike Reed, and Paul Syverson at the U.S. Naval Research Lab (NRL) asked themselves if there was a way to create internet connections that don't reveal who is talking to whom, even to someone monitoring the network. Their answer was to create and deploy the first research designs and prototypes of onion routing.

The goal of onion routing was to have a way to use the internet with as much privacy as possible, and the idea was to route traffic through multiple servers and encrypt it each step of the way. This is still a simple explanation for how Tor works today.

In the early 2000s, Roger Dingledine, a recent Massachusetts Institute of Technology (MIT) graduate, began working on an NRL onion routing project with Paul Syverson. To distinguish this original work at NRL from other onion routing efforts that were starting to pop up elsewhere, Roger called the project Tor, which stood for The Onion Routing. Nick Mathewson, a classmate of Roger's at MIT, joined the project soon after.

From its inception in the 1990s, onion routing was conceived to rely on a decentralized network. The network needed to be operated by entities with diverse interests and trust assumptions, and the software needed to be free and open to maximize transparency and decentralization. That's why in October 2002 when the Tor network was initially deployed, its code was released under a free and open software license. By the end of 2003, the network had about a dozen volunteer nodes, mostly in the U.S., plus one in Germany.

Recognizing the benefit of Tor to digital rights, the Electronic Frontier Foundation (EFF) began funding Roger's and Nick's work on Tor in 2004. In 2006, the Tor Project, Inc., a 501(c)(3) nonprofit organization, was founded to maintain Tor's development.

In 2007, the organization began developing bridges to the Tor network to address censorship, such as the need to get around government firewalls, in order for its users to access the open web.

Tor began gaining popularity among activists and tech-savvy users interested in privacy, but it was still difficult for less-technically savvy people to use, so starting in 2005, development of tools beyond just the Tor proxy began. Development of Tor Browser began in 2008.

With Tor Browser having made Tor more accessible to everyday internet users and activists, Tor was an instrumental tool during the Arab Spring beginning in late 2010. It not only protected people's identity online but also allowed them to access critical resources, social media, and websites which were blocked.

The need for tools safeguarding against mass surveillance became a mainstream concern thanks to the Snowden revelations in 2013. Not only was Tor instrumental to Snowden's whistleblowing, but content of the documents also upheld assurances that, at that time, Tor could not be cracked.

People's awareness of tracking, surveillance, and censorship may have increased, but so has the prevalence of these hindrances to internet freedom. Today, the network has thousands of relays run by volunteers and millions of users worldwide. And it is this diversity that keeps Tor users safe.

We, at the Tor Project, fight every day for everyone to have private access to an uncensored internet, and Tor has become the world's strongest tool for privacy and freedom online.

But Tor is more than just software. It is a labor of love produced by an international community of people devoted to human rights. The Tor Project is deeply committed to transparency and the safety of its users.


HSBC has developed a number of traditions over its years in business and employed people who would later find fame in other fields. Por exemplo:

  • The bank’s name is derived from the initials of The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited, the founding member of HSBC
  • HSBC’s red and white hexagon symbol was developed from the bank’s original house flag which was in turn based on the cross of St Andrew
  • The HSBC lions are nicknamed Stephen and Stitt after senior managers from the 1920s
  • The comic author P G Wodehouse, creator of Jeeves and Wooster, spent two years working at HSBC’s London office. He was recorded as being late for work 20 times in his first year


Mysteries and Monsters: Episode 126 On the Search For Dragons with Richard Freeman

This week, our good friend Richard Freeman re-joins us to discuss the history of Dragons, a creature that has haunted humanity's dreams since time began.

From Asia to Australia, Europe to the America's, tales of Dragons go back centuries, yet even in this modern era, people are incrdibly still claiming to see Dragons.

Richard takes us through the history of Dragons, the different types and the stories that have stood the test of time as well diving in to some of the more modern sightings from China, Russia, Iceland and the USA.

A big thank you to Richard for joining me again.

Richard can be contacted via [email protected]


Palestine Will Be Free

Palestine is the moral barometer of Indigenous North America. While there is widespread agreement among Native people that European colonialism and Indigenous genocide is criminal and immoral, there are a surprisingly high number of Native politicians, elites, and public figures who don’t extend the same sympathies to Palestinians, Arabs, and Muslims. They range from outright Zionists who support Palestinian ethnic cleansing to liberal centrists who don’t support Palestinian rights of protest and resistance. We, The Red Nation, pledge to fulfill our commitment to Palestinian liberation. Read in full.


Embrulhar

While there are several other great business podcasts the team here at Time Doctor can recommend, these are some of the best.

It’s difficult to find time to listen to all podcasts, but if you write down your most pressing business questions, read through the podcast topic descriptions, and listen to some sample episodes, you’ll be able to find the podcast that’s the perfect fit for you and your team.

Leading a remote business can be difficult, but if you use the tools and mentorship that you have at your hand, you’ll gather the knowledge you need to succeed.

At Time Doctor, we also aim to provide business leaders with tools to increase productivity. Check out our time tracking software today.