Alemães introduzem gás venenoso

Alemães introduzem gás venenoso


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em 22 de abril de 1915, as forças alemãs chocaram os soldados aliados ao longo da frente ocidental, disparando mais de 150 toneladas de gás cloro letal contra duas divisões coloniais francesas em Ypres, na Bélgica. Este foi o primeiro grande ataque com gás pelos alemães e devastou a linha aliada.

A fumaça tóxica foi usada ocasionalmente em guerras desde os tempos antigos e, em 1912, os franceses usaram pequenas quantidades de gás lacrimogêneo em operações policiais. Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, os alemães começaram a desenvolver ativamente armas químicas. Em outubro de 1914, os alemães colocaram alguns pequenos cilindros de gás lacrimogêneo em projéteis que foram disparados em Neuve Chapelle, na França, mas as tropas aliadas não foram expostas. Em janeiro de 1915, os alemães dispararam cartuchos carregados com brometo de xilila, um gás mais letal, contra as tropas russas em Bolimov, na frente oriental. Por causa do frio invernal, a maior parte do gás congelou, mas os russos relataram mais de 1.000 mortos como resultado da nova arma.

ASSISTIR: Primeira Guerra Mundial: A Primeira Guerra Moderna no Cofre da HISTÓRIA

Em 22 de abril de 1915, os alemães lançaram sua primeira e única ofensiva do ano. Conhecida como a Segunda Batalha de Ypres, a ofensiva começou com o bombardeio de artilharia usual da linha inimiga. Quando o bombardeio cessou, os defensores aliados esperaram pela primeira onda de tropas de ataque alemãs, mas em vez disso entraram em pânico quando o gás cloro flutuou pela terra de ninguém e caiu em suas trincheiras. Os alemães alvejaram seis quilômetros de frente com o gás venenoso soprado pelo vento e dizimaram duas divisões das tropas coloniais francesas e argelinas. A linha aliada foi rompida, mas os alemães, talvez tão chocados quanto os aliados com os efeitos devastadores do gás venenoso, não conseguiram tirar o máximo proveito, e os aliados mantiveram a maioria de suas posições.

Um segundo ataque com gás, contra uma divisão canadense, em 24 de abril, empurrou os Aliados ainda mais para trás, e em maio eles haviam recuado para a cidade de Ypres. A Segunda Batalha de Ypres terminou em 25 de maio, com ganhos insignificantes para os alemães. A introdução de gás venenoso, no entanto, teria grande significado na Primeira Guerra Mundial.

Imediatamente após o ataque alemão com gás em Ypres, a França e a Grã-Bretanha começaram a desenvolver suas próprias armas químicas e máscaras de gás. Com os alemães assumindo a liderança, um grande número de projéteis cheios de substâncias mortais poluiu as trincheiras da Primeira Guerra Mundial. O gás mostarda, introduzido pelos alemães em 1917, empolou a pele, os olhos e os pulmões e matou milhares. Estrategistas militares defenderam o uso de gás venenoso, dizendo que ele reduzia a capacidade de resposta do inimigo e, portanto, salvava vidas em ofensivas. Na realidade, as defesas contra o gás venenoso geralmente acompanhavam os desenvolvimentos ofensivos, e ambos os lados empregavam sofisticadas máscaras de gás e roupas de proteção que essencialmente negavam a importância estratégica das armas químicas.

LEIA MAIS: Desenvolvimentos tecnológicos da Primeira Guerra Mundial

Os Estados Unidos, que entraram na Primeira Guerra Mundial em 1917, também desenvolveram e usaram armas químicas. O futuro presidente Harry S. Truman era o capitão de uma unidade de artilharia de campanha dos EUA que disparou gás venenoso contra os alemães em 1918. Ao todo, mais de 100.000 toneladas de agentes de armas químicas foram usadas na Primeira Guerra Mundial, cerca de 500.000 soldados ficaram feridos e quase 30.000 morreram, incluindo 2.000 americanos.

Nos anos que se seguiram à Primeira Guerra Mundial, Grã-Bretanha, França e Espanha usaram armas químicas em várias lutas coloniais, apesar das crescentes críticas internacionais à guerra química. Em 1925, o Protocolo de Genebra de 1925 proibiu o uso de armas químicas na guerra, mas não proibiu seu desenvolvimento ou armazenamento. A maioria das grandes potências acumulou reservas substanciais de armas químicas. Na década de 1930, a Itália empregou armas químicas contra a Etiópia e o Japão as usou contra a China.

Na Segunda Guerra Mundial, a guerra química não ocorreu, principalmente porque todos os principais beligerantes possuíam tanto armas químicas quanto as defesas - como máscaras de gás, roupas de proteção e detectores - que os tornavam ineficazes. Além disso, em uma guerra caracterizada por um movimento militar extremamente rápido, os estrategistas se opuseram ao uso de qualquer coisa que atrasasse as operações. A Alemanha, entretanto, usou gás venenoso para assassinar milhões em seus campos de extermínio.

Desde a Segunda Guerra Mundial, as armas químicas foram usadas apenas em um punhado de conflitos - o conflito do Iêmen de 1966-67, a Guerra Irã-Iraque de 1980-88 - e sempre contra forças que não tinham máscaras de gás ou outras defesas simples. Em 1990, os Estados Unidos e a União Soviética assinaram um acordo para reduzir seus arsenais de armas químicas em 80%, em um esforço para desencorajar nações menores de estocar essas armas. Em 1993, um tratado internacional foi assinado proibindo a produção, armazenamento (após 2007) e uso de armas químicas. Ela entrou em vigor em 1997.


Assista o vídeo: 23 de Março - O início da ditadura nazista na Alemanha


Comentários:

  1. Arashitaur

    Infinitamente tópico

  2. Desire

    Na minha opinião, ele está errado. Vamos tentar discutir isso. Escreva-me em PM, fale.

  3. Frontino

    Engraçado no domingo

  4. Orlege

    parece-me, você não está certo



Escreve uma mensagem