Quantas vezes os EUA experimentaram antes de lançar a bomba atômica no Japão?

Quantas vezes os EUA experimentaram antes de lançar a bomba atômica no Japão?



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Eu sei que é pelo menos uma vez. Eles realizaram um teste chamado Trinity.

Foi o único?


Sim, foi o único teste.

O projeto da bomba de plutônio (implosão) foi testado apenas uma vez antes de ser usado em Nagasaki. O projeto da bomba de urânio (arma) não foi testado (*) quando usado em Hiroshima.


(*): "Não testado" / "testado apenas uma vez" refere-se a um "dispositivo" completo que leva a uma reação em cadeia descontrolada. Eles testaram profundamente os componentes individuais e realizaram muitos testes para descobrir em que ponto a reação em cadeia descontrolada ocorreria para que pudessem construir um dispositivo que não "fracassaria" (iniciar a reação em cadeia cedo demais e partir "pop" em vez de "boom" porque o dispositivo se destrói prematuramente) nem deixa de entrar na reação em cadeia.

O projeto de urânio (arma) foi considerado tão simples que a chance de mau funcionamento era mínima e não exigia testes. Além disso, eles só tinham U235 suficiente para uma bomba de qualquer maneira.


Voltar para Hiroshima: Por que o lançamento da bomba salvou dez milhões de vidas

A próxima visita do presidente Barack Obama ao Japão reavivou o interesse no debate sobre a decisão de lançar a bomba atômica em Hiroshima.

Para mim, o assunto é cristalino e as questões morais e éticas são diretas. A destruição causada por essas bombas foi horrível além da descrição, e Hiroshima deve estar sempre na mente dos formuladores de políticas, para evitar que pesadelos como esse ocorram novamente.

Mas sejamos claros. No contexto de 1945, o uso das bombas atômicas salvou vidas - milhões delas.

Então, os Estados Unidos estavam certos em usar as bombas? Inquestionavelmente.

Enfatizo isso por causa da desinformação que freqüentemente circula sobre os supostos planos japoneses de rendição mesmo sem as bombas.

Em algum ponto desses debates, você sem dúvida ouve a seguinte joia citada, da Pesquisa Estratégica de Bombardeio dos Estados Unidos (SBS):

& quotCom base em uma investigação detalhada de todos os fatos e apoiada pelo testemunho dos líderes japoneses sobreviventes envolvidos, é a opinião da Pesquisa que certamente antes de 31 de dezembro de 1945, e com toda probabilidade antes de 1 de novembro de 1945, o Japão teria se rendido mesmo se as bombas atômicas não tivessem sido lançadas, mesmo se a Rússia não tivesse entrado na guerra, e mesmo se nenhuma invasão tivesse sido planejada ou contemplada. & quot

Esta afirmação é totalmente tendenciosa. A pesquisa SBS realmente relatou isso, mas totalmente por suas próprias razões partidárias. Ou seja, eles queriam desesperadamente preservar a existência de uma Força Aérea dos EUA separada após a guerra e, por isso, precisavam minimizar os efeitos das bombas atômicas. Eles fizeram muitas dessas afirmações que, de fato, não eram corretas.

A declaração sobre a rendição nunca foi exata, ou quase exata, e não seria mantida por muitos historiadores de renome hoje.

Grande parte da confusão envolve a definição de termos como "rendição". Os japoneses de fato criaram vários esquemas para encerrar a guerra, mas em termos totalmente inaceitáveis ​​para qualquer potência aliada. Entre outras coisas, esses esquemas não envolviam ocupação, nem desmantelamento do militarismo ou imperialismo, nem punição de criminosos de guerra. Nenhuma retaliação pelos crimes selvagens na China, nas Índias Orientais e em outros lugares. Então, após um hiato de alguns anos, o Japão lançaria a próxima onda de agressão. Eles claramente não estavam falando de "rendição" em nenhum sentido do termo que poderíamos reconhecer.

Deixe-me fazer uma analogia. Suponha que, no final de 1944, a Alemanha nazista tivesse sugerido termos de paz que envolviam manter as fronteiras existentes como estavam naquele momento. O regime permaneceria em vigor indefinidamente e, presumivelmente, os assassinatos em massa continuariam. Alguém do lado aliado teria tolerado tal resultado?

Sem bombas atômicas, sem rendição japonesa. Agora temos muitos testemunhos de ambos os lados para deixar isso absolutamente claro. Então, quais foram as alternativas? E se a guerra tivesse continuado, digamos, no final de 1946?

A invasão era impossível. A planejada invasão norte-americana de Kyushu (Operação Olímpica) no final de 1945 teria sido uma das maiores catástrofes da história militar, até porque os japoneses sabiam precisamente onde e quando aconteceria. Eles estavam extremamente bem preparados, com frotas de milhares de homens-bomba. O ataque de acompanhamento planejado a Honshu em 1946 (Coronet) nunca teria acontecido porque os militares dos EUA teriam sido efetivamente destruídos. Além dos japoneses, o grande tufão de outubro de 1945 teria esmagado a frota de invasão dos EUA antes que ela chegasse perto das praias.

A estimativa às vezes citada de 30-40.000 mortes nos Estados Unidos em tal invasão é uma piada, um número preparado para persuadir a administração de que o General MacArthur deveria ter permissão para escapar impune com uma estupidez monstruosa.

A única resposta realista dos EUA nesta fase teria sido uma bomba incendiária a colheita de arroz de 1946. A fome resultante teria matado pelo menos vários milhões, por estimativas confiáveis. O reforço dessa campanha teria sido mais bombardeios contra cidades japonesas, como o de Tóquio em março de 1945, que matou cem mil pessoas. Isso não está bem na liga da bomba atômica - mas está muito perto.

Enquanto isso, há um ponto que para mim é bastante decisivo. Quando consideramos o pedágio de não lançando as bombas, lembre-se sempre dos muitos milhares de civis que morreram sob a ocupação japonesa na China e na Indonésia ao longo de 1945, e devemos continuar contando as mortes que teriam ocorrido nessa taxa até 1946. Nada iria parar tão menos do destruição total da capacidade de fazer guerra japonesa.

Adicione a isso o assassinato de todos os prisioneiros de guerra aliados em mãos japonesas, como os japoneses ordenaram no caso de um ataque direto ao continente. Juntando esses números, junto com as prováveis ​​fatalidades japonesas, você obtém cerca de dez milhões de mortos - e esse é um número conservador. A grande maioria dessas mortes adicionais teria sido de asiáticos do leste e sudeste, principalmente japoneses e chineses.

As consequências políticas também são horríveis de se contemplar. Se descobrisse que dezenas de milhares de soldados americanos estavam sendo mortos enquanto os EUA não usavam uma arma para vencer a guerra, o Serviço Secreto provavelmente teria assumido a liderança no assassinato de Harry Truman.

Eu realmente entendo por que pessoas bem-intencionadas gostariam de pensar que o Japão estava à beira da rendição, de modo que a opção nuclear poderia ter sido evitada. Isso teria tornado o debate ético tão claro e simples. Mas não, desculpe, essa simplesmente não era uma opção viável e decisões muito mais difíceis tiveram que ser tomadas.

Philip Jenkins é distinto professor de história na Baylor University e codiretor do Programa de Estudos Históricos da Religião noInstituto de Estudos da Religião. Ele é autor de muitos livros, incluindoA Grande e Santa Guerra: como a Primeira Guerra Mundial se tornou uma cruzada religiosa.


Quantas vezes os EUA experimentaram antes de lançar a bomba atômica no Japão? - História

O TESTE DA TRINDADE
(Trinity Test Site, 16 de julho de 1945)
Events & gt Dawn of the Atomic Era, 1945

  • A guerra entra em sua fase final, 1945
  • Debate sobre como usar a bomba, final da primavera de 1945
  • The Trinity Test, 16 de julho de 1945
  • Safety and the Trinity Test, julho de 1945
  • Avaliações da Trindade, julho de 1945
  • Potsdam e a decisão final de bombardear, julho de 1945
  • O Bombardeio Atômico de Hiroshima, 6 de agosto de 1945
  • O Bombardeio Atômico de Nagasaki, 9 de agosto de 1945
  • Japan Surrenders, 10-15 de agosto de 1945
  • O Projeto Manhattan e a Segunda Guerra Mundial, 1939-1945

Até que a bomba atômica pudesse ser testada, permaneceriam dúvidas sobre sua eficácia. O mundo nunca tinha visto uma explosão nuclear antes, e as estimativas variavam muito sobre a quantidade de energia que seria liberada. Algum cientistas no Los Alamos continuou em particular a ter dúvidas de que funcionaria. Havia apenas urânio suficiente para armas disponíveis para uma bomba, e a confiança no design tipo arma estava alto, portanto, em 14 de julho de 1945, a maior parte da bomba de urânio ("Little Boy") começou sua viagem para o oeste, para o Pacífico sem que seu projeto tivesse sido totalmente testado. Um teste da bomba de plutônio parecia vital, no entanto, tanto para confirmar seu romance Implosão conceber e recolher dados sobre explosões nucleares em geral. Várias bombas de plutônio estavam agora "no oleoduto" e estariam disponíveis nas próximas semanas e meses. Portanto, decidiu-se testar um deles.

Robert Oppenheimer escolheu o nome de teste "Trinity", um nome inspirado nos poemas de John Donne. o local escolhido era um canto remoto na cordilheira de bombardeio de Alamagordo conhecido como "Jornada del Muerto" ou "Jornada da Morte", 210 milhas ao sul de Los Alamos. A elaborada instrumentação ao redor do local foi testada com uma explosão de uma grande quantidade de explosivos convencionais em 7 de maio. Os preparativos continuaram ao longo de maio e junho e foram concluídos no início de julho. Três bunkers de observação localizados a 10.000 jardas ao norte, oeste e sul (direita) da torre de tiro no marco zero tentariam medir os principais aspectos da reação. Especificamente, os cientistas tentariam determinar a simetria da implosão e a quantidade de energia liberada. Medidas adicionais seriam tomadas para determinar as estimativas de danos, e o equipamento registraria o comportamento do bola fogo. A maior preocupação era controle da radioatividade que o dispositivo de teste liberaria. Não inteiramente satisfeito em confiar em condições meteorológicas favoráveis ​​para transportar a radioatividade para a alta atmosfera, o Exército estava pronto para evacuar as pessoas nas áreas vizinhas.

Em 12 de julho, o núcleo de plutônio foi levado para a área de teste em um sedã do exército (à esquerda). Os componentes não nucleares partiram para o local de teste às 12h01, sexta-feira 13. Durante o dia 13, foi realizada a montagem final do "Gadget" (como foi apelidado) na fazenda McDonald. Às 17h00 no dia 15, o dispositivo foi montado e içado no topo da torre de tiro de 30 metros. Leslie Groves, Vannevar Bush, James Conant, Ernest Lawrence, Thomas Farrell, James Chadwick, e outros chegaram na área de teste, onde estava chovendo torrencialmente. Groves e Oppenheimer, parados no bunker de controle do S-10.000, discutiram o que fazer se o tempo não melhorasse a tempo para o teste programado para as 4h. Para quebrar a tensão, Fermi começou a oferecer a quem estivesse ouvindo uma aposta sobre "se a bomba incendiaria ou não a atmosfera e, se assim fosse, se ela apenas destruiria o Novo México ou destruiria o mundo". O próprio Oppenheimer havia apostado dez dólares contra o salário do mês inteiro de George Kistiakowsky de que a bomba não funcionaria. Enquanto isso, Edward Teller estava deixando todos nervosos ao aplicar grandes quantidades de protetor solar na escuridão antes do amanhecer e se oferecer para distribuí-lo. Às 3:30, Groves e Oppenheimer atrasaram o tempo para 5:30. Às 4:00, a chuva parou. Kistiakowsky e sua equipe armaram o dispositivo pouco depois das 5:00 e recuaram para S-10.000. De acordo com sua política de que cada um observasse de diferentes locais em caso de acidente, Groves deixou Oppenheimer e juntou-se a Bush e Conant no acampamento base. Os que estavam nos abrigos ouviram a contagem regressiva no sistema de som, enquanto os observadores no acampamento base a captaram em um sinal de rádio FM.

Durante os segundos finais, a maioria dos observadores deitou no chão com os pés voltados para o local da Trindade e simplesmente esperou. Quando a contagem regressiva se aproximou de um minuto, Isidore Rabi disse ao homem deitado ao lado dele, Kenneth Griesen: "Você não está nervoso?" "Não" foi a resposta de Griesen. Como Groves escreveu mais tarde, "Enquanto eu estava lá nos segundos finais, pensei apenas no que faria se a contagem regressiva chegasse a zero e nada acontecesse." Conant disse que nunca soube que segundos podiam ser tão longos. Quando a contagem regressiva chegou a 10 segundos, Griesen repentinamente deixou escapar para seu vizinho Rabi: "Agora estou com medo." Três, dois, um e Sam Allison gritou: "Agora!"

Precisamente às 5h30 da segunda-feira, 16 de julho de 1945, a era nuclear começou. Enquanto os membros da equipe do Projeto Manhattan assistiam ansiosos, o dispositivo explodiu sobre o deserto do Novo México, vaporizando a torre e transformando o asfalto em torno da base da torre em areia verde. Segundos após a explosão, veio um enorme explosão onda e aquecer queimando no deserto. Ninguém podia ver o radiação gerado pela explosão, mas todos sabiam que estava lá. O contêiner de aço "Jumbo", pesando mais de 200 toneladas e transportado para o deserto apenas para ser eliminado do teste, ficou entreaberto, embora estivesse a oitocentos metros do marco zero. À medida que a bola de fogo laranja e amarela se estendia e se espalhava, uma segunda coluna, mais estreita que a primeira, se ergueu e se achatou em forma de cogumelo, proporcionando assim à era atômica uma imagem visual que ficou impressa na consciência humana como um símbolo de poder e destruição impressionante.

As reações imediatas mais comuns à explosão foram surpresa, alegria e alívio. Lawrence estava saindo de seu carro quando, em suas palavras, tudo foi "da escuridão ao sol brilhante em um instante", ele ficou "momentaneamente atordoado pela surpresa". (Clique aqui para ler os pensamentos de Lawrence sobre o teste Trinity.) Ouviu-se um militar exclamar: "Os cabelos compridos deixaram que isso escapasse deles!" Hans Bethe, que estava olhando diretamente para a explosão, ficou completamente cego por quase meio minuto. Norris Bradbury relatou que "a bomba atômica não se encaixava em nenhum preconceito de qualquer pessoa". A onda de choque derrubou Kistiakowsky (que estava a mais de cinco milhas de distância). Ele rapidamente se levantou e deu um tapa nas costas de Oppenheimer, dizendo: "Oppie, você me deve dez dólares". O físico Victor Weisskopf relatou que "nosso primeiro sentimento foi de euforia". A palavra que Isidor Rabi usou foi "jubiloso". Em minutos, Rabi estava passando uma garrafa de uísque. No acampamento base, Bush, Conant e Groves apertaram as mãos. Rabi relatou ter visto Oppenheimer chegar ao acampamento-base após o teste:

Quando se conheceram, Groves disse a Oppenheimer: "Estou orgulhoso de você". O assistente de Groves, Thomas Farrell, comentou com seu chefe que "a guerra acabou", ao que Groves respondeu: "Sim, depois de lançarmos duas bombas no Japão". (Clique aqui para ler as observações de Groves sobre o teste Trinity [pdf].) Provavelmente, a resposta mais mundana de todas foi a de Fermi: ele havia calculado com antecedência até que ponto a onda de choque poderia deslocar pequenos pedaços de papel lançados nela. Cerca de 40 segundos após a explosão, Fermi se levantou, espalhou seus pedaços de papel pré-preparados no vento atômico e estimou a partir de sua deflexão que o teste havia liberado energia equivalente a 10.000 toneladas de TNT. O resultado real, conforme foi finalmente calculado - 21.000 toneladas (21 quilotons) - foi mais do que o dobro do que Fermi havia estimado com este experimento e quatro vezes tanto quanto havia sido previsto pela maioria em Los Alamos.

Logo o choque e a euforia deram lugar a reflexões mais sóbrias. Rabi relatou que após a euforia inicial, um calafrio logo se instalou nos presentes. O diretor do teste, Kenneth Bainbridge, chamou a explosão de "exibição horrível" e comentou com Oppenheimer: "Agora somos todos filhos da puta". Expressões de horror e remorso são especialmente comuns nos escritos posteriores dos presentes. Oppenheimer escreveu que a experiência trouxe à sua mente a lenda de Prometeu, punido por Zeus por dar fogo ao homem, e disse também que pensou fugazmente na vã esperança de Alfred Nobel de que a dinamite acabasse com as guerras. Mais famosa, Oppenheimer lembrou mais tarde que a explosão o fez lembrar de uma linha do texto sagrado hindu, o Bhagavad-Gita: & quotAgora me tornei a Morte, o destruidor de mundos. "O aterrorizante poder destrutivo das armas atômicas e os usos que poderiam ser feitos para assombrar muitos dos Cientistas do Projeto Manhattan para o resto de suas vidas.

O sucesso do teste Trinity significou que ambos os tipos de bombas - o desenho de urânio, não testado, mas considerado confiável, e o desenho de plutônio, que acabara de ser testado com sucesso - estavam agora disponíveis para uso na guerra contra o Japão. Little Boy, a bomba de urânio, foi lançada primeiro em Hiroshima em 6 de agosto, enquanto a arma de plutônio, Fat Man, seguiu três dias depois em Nagasaki em 9 de agosto. Dentro de alguns dias, Japão se ofereceu para se render.

  • A guerra entra em sua fase final, 1945
  • Debate sobre como usar a bomba, final da primavera de 1945
  • The Trinity Test, 16 de julho de 1945
  • Safety and the Trinity Test, julho de 1945
  • Avaliações da Trindade, julho de 1945
  • Potsdam e a decisão final de bombardear, julho de 1945
  • O Bombardeio Atômico de Hiroshima, 6 de agosto de 1945
  • O Bombardeio Atômico de Nagasaki, 9 de agosto de 1945
  • Japan Surrenders, 10-15 de agosto de 1945
  • O Projeto Manhattan e a Segunda Guerra Mundial, 1939-1945

Anterior Próximo


21 fatos surpreendentes sobre os ataques com bomba atômica no Japão

Setenta anos depois, os ataques da bomba atômica dos EUA em Hiroshima e Nagasaki continuam, felizmente, a única vez que armas nucleares foram usadas na guerra ativa. Parte do que aconteceu o surpreenderá, incluindo o homem que sobreviveu aos dois ataques.

21. O Enola Gay recebeu o nome da mãe do piloto

O Enola Gay era o avião bombardeiro Boeing B-29 Superfortress que lançou a bomba atômica em Hiroshima em 6 de agosto de 1945. Ele foi pilotado pelo Coronel Paul Tibbets, um coronel de 30 anos de Illinois. Ele deu o nome do avião em homenagem a sua mãe, Enola Gay Tibbets.

20. A primeira meta foi decidida uma hora antes da queda

As boas condições meteorológicas em Hiroshima selaram o destino da cidade. Isso foi determinado por um avião meteorológico que sobrevoou Hiroshima. No solo, um alerta amarelo soa por 22 minutos. Muitos civis o ignoram, imperturbáveis ​​pela visão familiar de um único avião B-29 sobrevoando a cidade. O avião do tempo envia uma mensagem codificada para Enola Gay, avisando que Hiroshima deve ser o alvo principal. Tibbets notifica sua tripulação pelo intercomunicador e o avião define o curso.

19. 60 milhões de graus

Essa era a temperatura Fahrenheit em Hiroshima no marco zero após a detonação.

18. Até 246.000 mortos

Cerca de 166.000 foram mortos em Hiroshima e 80.000 em Nagasaki morreram como resultado do lançamento de duas bombas atômicas. Cerca de metade morreu no primeiro dia, o resto morreu de ferimentos horríveis causados ​​por envenenamento por radiação nos dias, semanas e meses que se seguiram.

17. 'Meu Deus, o que fizemos?'

Foi isso que o capitão da tripulação do Enola Gay, Robert A. Lewis, disse, e mais tarde registrou em seu caderno, depois que a bomba foi lançada.

O operador de radar Joe Stiborik lembrou-se da tripulação sentada em um silêncio atordoado no vôo de volta. As únicas palavras de que se lembrou de ouvir foram Lewis & # 39s & quotMeu Deus, o que fizemos & quot. Ele explicou: & quotFiquei estupefato. Lembre-se, ninguém nunca tinha visto o que uma bomba atômica poderia fazer antes. Aqui estava uma maldita cidade quase tão grande quanto Dallas, em um minuto tudo em boa forma e no minuto seguinte desapareceu e foi coberto por incêndios e fumaça. . Quase não houve conversa de que me lembre em nossa viagem de volta à base. Era muito para expressar em palavras, eu acho. Todos estávamos em estado de choque. Acho que a coisa mais importante em todas as nossas mentes era que isso acabaria com a guerra e tentamos ver as coisas dessa forma. & Quot

16. A bomba foi armada no ar

No hangar na Ilha Tinian, onde a bomba foi lançada pelo USS Indianapolis, Little Boy é empurrado com cuidado para fora do hangar e em direção ao Enola Gay. Mas o capitão William & quotDeak & quot Parsons, um especialista em balística atômica, está preocupado.

Dois aviões B-29 explodiram na decolagem nas últimas 24 horas. Se o B-29 carregando Little Boy explodir, as consequências podem ser catastróficas. Ele toma uma decisão radical & ndash tanto ele quanto seu colega, o tenente Morris Jeppson, armarão a bomba no ar. É um feito não tentado fora de um laboratório.

15. Nagasaki era um alvo secundário

O Enola Gay participou do segundo ataque atômico como a aeronave de reconhecimento do tempo para o alvo principal de Kokura. Nuvens e fumaça resultaram no bombardeio de Nagasaki.

14. O avião que derrubou a segunda bomba chamava-se 'Bockscar'

O B-29 que lançou a bomba & quotFat Man & quot em Nagasaki estava sob o comando do capitão Frederick C. Bock. O nome & quotBockscar & quot é um trocadilho com seu nome.

13. A maioria dos homens que entregaram a bomba já estava morta quando a bomba foi lançada

As peças da bomba atômica foram entregues à ilha de Tinian pelo USS Indianapolis, um cruzador pesado que recolheu as peças em São Francisco, parou em Pearl Harbor e avançou para Tinian. Mas depois de deixar as peças, o Indianápolis foi afundado por torpedos de um submarino japonês em 30 de julho. Como sua missão era secreta, a perda do Indianápolis não foi descoberta por quase quatro dias. Dos 1.196 tripulantes, cerca de 300 afundaram com o navio e cerca de 575 morreram na água - muitos por ataques de tubarões. Acredita-se que seja o maior ataque de tubarões a humanos na história. Apenas 317 sobreviveram para ouvir sobre os bombardeios.

12. Uma lua de mel ajudou Kyoto a escapar da destruição

A bela cidade japonesa de Kyoto foi inicialmente considerada para a segunda bomba, mas - como diz a lenda - o secretário da Guerra Henry Stimson pediu que ela fosse removida da lista de alvos porque ele estivera lá em lua de mel.

11. O Enola Gay Crew tinha comprimidos de cianeto

Se a missão falhasse, eles não seriam capturados com vida.

10. As 2 bombas eram completamente diferentes

A bomba de 6 de agosto que foi lançada em Hiroshima foi chamada de & ldquoLittle Boy & rdquo e era baseada em urânio. A bomba de 9 de agosto que foi lançada em Nagasaki foi chamada de & ldquoFat Man & rdquo e era baseada em plutônio. Little Boy & rdquo tinha cerca de 3 metros de comprimento e pesava mais de quatro toneladas. O & ldquoFat Man & rdquo era ainda maior, com cerca de 3,5 metros de comprimento e 4,5 toneladas.

9. Este homem sobreviveu a ambos os ataques a bomba

Tsutomu Yamaguchi era um empresário de 39 anos que morava em Nagasaki. Yamaguchi estava em Hiroshima a negócios para seu empregador, a Mitsubishi Heavy Industries, quando a cidade foi bombardeada às 8h15, em 6 de agosto de 1945. A explosão rompeu seus tímpanos, cegou-o temporariamente e deixou-o com graves queimaduras no lado esquerdo de a metade superior de seu corpo.

Ele voltou a Nagasaki no dia seguinte e, apesar dos ferimentos, voltou ao trabalho em 9 de agosto, dia do segundo bombardeio atômico. Naquela manhã, ele estava contando a seu supervisor como uma bomba havia destruído a cidade, ao que seu supervisor lhe disse que ele estava louco, e naquele momento a bomba de Nagasaki explodiu. Ele não foi ferido naquela explosão.

Yamaguchi morreu de câncer no estômago em 4 de janeiro de 2010, aos 93 anos.

8. O Pai da Bomba fez campanha contra a proliferação nuclear

J. Robert Oppenheimer, a figura-chave do Projeto Manhattan, que desenvolveu a bomba no deserto do Novo México, disse que a detonação das bombas o lembrou de palavras do Bhagavad Gita: "Agora me tornei a Morte, o destruidor de mundos." Depois da guerra, ele se tornou o principal conselheiro da recém-criada Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos e usou essa posição para fazer lobby pelo controle internacional da energia nuclear para evitar a proliferação nuclear e uma corrida armamentista com a União Soviética. Depois de provocar a ira de muitos políticos com suas opiniões francas durante o Segundo Pânico Vermelho, ele teve seu certificado de segurança revogado. Ele continuou seu trabalho antinuclear até sua morte em 1967 de câncer na garganta aos 62 anos.

7. Truman estava preparado para lançar mais bombas

O presidente dos Estados Unidos, Harry Truman, sabia que uma invasão de Tóquio causaria enormes vítimas nos Estados Unidos. Com a nova tecnologia nuclear, ele estava preparado para usá-la. “É um aproveitamento do poder básico do universo. A força da qual o sol retira sua energia foi liberada contra aqueles que trouxeram a guerra ao Extremo Oriente ”, disse ele em um comunicado à imprensa após o bombardeio de Hiroshima. & quotSe eles não aceitarem nossos termos, podem esperar uma chuva de ruína do ar, como nunca foi vista nesta terra. & quot;

6. A rendição do imperador Hirohito no rádio foi a primeira vez que sua voz foi ouvida publicamente

É isso mesmo, no poder desde 1926, Hirohito permitiu que uma gravação de seu discurso de rendição fosse transmitida pelo rádio em 15 de agosto de 1945 (a primeira vez que o Imperador foi ouvido no rádio pelo povo japonês). Ele falava em japonês clássico, tornando difícil para alguns cidadãos compreenderem totalmente o que ele estava dizendo. Apesar de dois ataques devastadores ao país, muitas pessoas estão chocadas & ndash o Império Japonês afirmou que seria mais nobre suportar a aniquilação do que render-se ao inimigo. O ministro da Guerra do Japão tentou suicídio e morre no dia seguinte. Muitos pensaram que o imperador ordenaria o suicídio em massa de todos os cidadãos, em vez de se render. Ele não fez.

5. Nagasaki e Hiroshima não são radioativos hoje

Isso porque as bombas explodiram a cerca de mil pés acima das cidades, em vez de detonar no solo.

4. Uma Testemunha do Ataque de Hiroshima Venceu a Maratona de Boston

Shigeki Tanaka tinha 13 anos e vivia a 20 milhas de Hiroshima quando viu o bombardeio. Seis anos depois, ele se tornou o primeiro japonês a vencer a Maratona de Boston. A vitória em 1951 foi um momento marcante na restauração da dignidade e honra do país destruído pela guerra. Após a Segunda Guerra Mundial, os atletas japoneses foram impedidos de participar dos Jogos Olímpicos de Verão de 1948 em Londres e de todas as grandes competições internacionais ao redor do mundo.

3. Uma árvore de bonsai plantada em 1626 sobreviveu ao ataque de Hiroshima

O viveiro que abrigava a árvore ficava a menos de três quilômetros do local da explosão. Agora reside em Washington, D.C. no National Arboretum.

2. O Museu Memorial da Paz de Hiroshima é um dos lugares mais emocionantes do mundo

Localizado no Parque do Memorial da Paz de Hiroshima, no centro de Hiroshima, não se dedica apenas a documentar o bombardeio atômico da Segunda Guerra Mundial, mas tem como objetivo adicional promover a paz mundial. Visitada por um milhão de pessoas por ano, é surpreendentemente um lugar de esperança e vale a pena a longa viagem de trem saindo de Tóquio.

1. Lanternas de papel significam a vida após a morte

Os milhares de lanternas de papel coloridas lançadas no rio Motoyasu da cidade, simbolizavam a jornada espiritual dos mortos pela bomba.


Experiência Americana

Há dezesseis horas, um avião americano lançou uma bomba em Hiroshima e destruiu sua utilidade para o inimigo. Essa bomba tinha mais potência do que 20.000 toneladas de TNT. Ela tinha mais de duas mil vezes o poder de explosão do "Grand Slam" britânico, que é a maior bomba já usada na história da guerra.

Os japoneses começaram a guerra do ar em Pearl Harbor. Eles foram reembolsados ​​muitas vezes. E o fim ainda não chegou. Com esta bomba, agora adicionamos um novo e revolucionário aumento na destruição para complementar o crescente poder de nossas forças armadas. Em sua forma atual, essas bombas estão em produção e formas ainda mais poderosas estão em desenvolvimento.

É uma bomba atômica. É um aproveitamento do poder básico do universo. A força da qual o sol retira seu poder foi liberada contra aqueles que trouxeram a guerra ao Extremo Oriente.

Antes de 1939, os cientistas acreditavam que era teoricamente possível liberar energia atômica. Mas ninguém conhecia nenhum método prático de fazer isso. Em 1942, entretanto, sabíamos que os alemães estavam trabalhando febrilmente para encontrar uma maneira de adicionar energia atômica às outras máquinas de guerra com as quais esperavam escravizar o mundo. Mas eles falharam. Podemos ser gratos à Providence pelo fato de os alemães terem adquirido os V-1s e V-2s atrasados ​​e em quantidades limitadas e ainda mais gratos por não terem recebido a bomba atômica.

A batalha dos laboratórios trazia riscos fatais para nós, bem como as batalhas do ar, da terra e do mar, e agora vencemos a batalha dos laboratórios como vencemos as outras batalhas.

Começando em 1940, antes de Pearl Harbor, o conhecimento científico útil em foi agrupado entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, e muitas ajudas inestimáveis ​​para nossas vitórias vieram desse arranjo. Sob essa política geral, a pesquisa sobre a bomba atômica foi iniciada. Com cientistas americanos e britânicos trabalhando juntos, entramos na corrida das descobertas contra os alemães.

Os Estados Unidos tinham disponível um grande número de cientistas de destaque nas muitas áreas do conhecimento necessárias. Tinha os tremendos recursos industriais e financeiros necessários para o projeto e eles podiam ser dedicados a ele sem prejuízo indevido de outro trabalho de guerra vital. Nos Estados Unidos, o trabalho de laboratório e as unidades de produção, nas quais já havia um início substancial, estariam fora do alcance dos bombardeios inimigos, enquanto na época a Grã-Bretanha estava exposta a constantes ataques aéreos e ainda ameaçada com a possibilidade de invasão. Por essas razões, o primeiro-ministro Churchill e o presidente Roosevelt concordaram que era sensato dar continuidade ao projeto aqui. Agora temos duas grandes fábricas e muitas obras menores dedicadas à produção de energia atômica. O emprego durante o pico de construção chegou a 125.000 e mais de 65.000 pessoas estão agora engajadas na operação das fábricas. Muitos trabalham lá há dois anos e meio. Poucos sabem o que vêm produzindo. Eles veem grandes quantidades de material entrando e não veem nada saindo dessas plantas, pois o tamanho físico da carga explosiva é excessivamente pequeno. Gastamos dois bilhões de dólares na maior aposta científica da história - e ganhamos.

Mas a maior maravilha não é o tamanho da empresa, seu sigilo, nem seu custo, mas a realização de cérebros científicos em reunir peças de conhecimento infinitamente complexas mantidas por muitos homens em diferentes campos da ciência em um plano viável. E não menos maravilhoso tem sido a capacidade da indústria para projetar e do trabalho para operar, as máquinas e métodos para fazer coisas nunca antes feitas, de modo que a ideia de muitas mentes surgiu em forma física e funcionou como deveria. Tanto a ciência quanto a indústria trabalharam sob a direção do Exército dos Estados Unidos, que alcançou um sucesso único ao administrar um problema tão diverso no avanço do conhecimento em um tempo surpreendentemente curto. É duvidoso que tal outra combinação pudesse ser obtida no mundo. O que foi feito é a maior conquista da ciência organizada da história. Foi feito sob pressão e sem falhas.

Agora estamos preparados para destruir mais rápida e completamente todos os empreendimentos produtivos que os japoneses tenham acima do solo em qualquer cidade. Devemos destruir suas docas, suas fábricas e suas comunicações. Que não haja engano, destruiremos completamente o poder do Japão de fazer a guerra.

Foi para poupar o povo japonês da destruição total que o ultimato de 26 de julho foi emitido em Potsdam. Seus líderes rejeitaram prontamente esse ultimato. Se eles não aceitarem nossos termos, podem esperar uma chuva de ruína do ar, como nunca foi vista nesta terra. Atrás deste ataque aéreo seguirão forças marítimas e terrestres em número e poder que eles ainda não viram e com a habilidade de luta de que já estão bem cientes.

O Secretário de Guerra, que manteve contato pessoal com todas as fases do projeto, fará imediatamente um comunicado com mais detalhes.

Sua declaração fornecerá fatos sobre os locais em Oak Ridge perto de Knoxville, Tennessee, e em Richland, perto de Pasco, Washington, e uma instalação perto de Santa Fé, Novo México. Embora os trabalhadores nos locais tenham fabricado materiais a serem usados ​​para produzir a maior força destrutiva da história, eles próprios não correram perigo além do de muitas outras ocupações, pois foi tomado o máximo cuidado com sua segurança.

O fato de podermos liberar energia atômica inaugura uma nova era na compreensão do homem sobre as forças da natureza. A energia atômica pode, no futuro, suplementar a energia que agora vem do carvão, do petróleo e da queda d'água, mas no momento não pode ser produzida em bases para competir comercialmente com eles. Antes que isso aconteça, deve haver um longo período de pesquisa intensiva. Nunca foi o hábito dos cientistas deste país ou a política deste governo reter do mundo o conhecimento científico. Normalmente, portanto, tudo sobre o trabalho com energia atômica seria divulgado.

Mas nas presentes circunstâncias não se pretende divulgar os processos técnicos de produção ou todas as aplicações militares. Enquanto se aguarda um exame mais aprofundado dos possíveis métodos de nos proteger e ao resto do mundo do perigo de destruição repentina.

Recomendarei que o Congresso dos Estados Unidos considere prontamente o estabelecimento de uma comissão apropriada para controlar a produção e o uso da energia atômica nos Estados Unidos. Darei mais consideração e farei outras recomendações ao Congresso sobre como a energia atômica pode se tornar uma influência poderosa e poderosa para a manutenção da paz mundial.

Fonte: Biblioteca Harry S. Truman, "Notas para a imprensa do Exército", caixa 4, Papers of Eben A. Ayers.


SOLTANDO A BOMBA ATÔMICA

Todos os beligerantes na Segunda Guerra Mundial buscaram desenvolver armamentos poderosos e devastadores. Já em 1939, cientistas alemães descobriram como dividir átomos de urânio, a tecnologia que permitiria a criação da bomba atômica. Albert Einstein, que emigrou para os Estados Unidos em 1933 para escapar dos nazistas, instou o presidente Roosevelt a lançar um projeto americano de pesquisa atômica, e Roosevelt concordou em fazê-lo, com reservas. No final de 1941, o programa recebeu seu codinome: Projeto Manhattan. Localizado em Los Alamos, Novo México, o Projeto Manhattan empregou 150.000 pessoas e custou cerca de US $ 2 bilhões. Em julho de 1945, os cientistas do projeto testaram com sucesso a primeira bomba atômica.

Na primavera de 1945, os militares começaram a se preparar para o possível uso de uma bomba atômica, escolhendo os alvos apropriados. Suspeitando que a explosão imediata da bomba se estenderia por mais de uma milha e os efeitos secundários incluiriam danos de fogo, uma cidade compacta de valor militar significativo com edifícios densamente construídos parecia ser o melhor alvo. Eventualmente, a cidade de Hiroshima, o quartel-general do Segundo Exército Japonês e o centro de comunicações e suprimentos para todo o sul do Japão, foi escolhida. A cidade de Kokura foi escolhida como o alvo principal da segunda bomba, e Nagasaki, um centro industrial que produz material de guerra e o maior porto marítimo do sul do Japão, foi escolhido como alvo secundário.

o Enola Gay , um bombardeiro B-29 com o nome da mãe de seu piloto, lançou uma bomba atômica conhecida como "Little Boy" em Hiroshima às 8:15 da manhã. Uma enorme nuvem em forma de cogumelo se ergueu sobre a cidade. Sobreviventes sentados para o café da manhã ou se preparando para ir para a escola lembram-se de ter visto uma luz forte e, em seguida, ser soprada pela sala. O imenso calor da explosão derreteu pedra e metal, e acendeu incêndios por toda a cidade. Mais tarde, um homem se lembrou de ter visto sua mãe e seu irmão queimar até a morte enquanto o fogo consumia sua casa. Uma sobrevivente do sexo feminino, uma criança na época do ataque, lembra-se de ter encontrado o corpo de sua mãe, que havia sido reduzido a cinzas e se desfez quando ela o tocou. Dois terços dos edifícios em Hiroshima foram destruídos. Uma hora após o bombardeio, uma “chuva negra” radioativa começou a cair. Aproximadamente setenta mil pessoas morreram na explosão original. O mesmo número morreria mais tarde de envenenamento por radiação. Quando o Japão se recusou a se render, uma segunda bomba atômica, chamada Fat Man, foi lançada sobre Nagasaki em 9 de agosto de 1945. Pelo menos 60 mil pessoas foram mortas em Nagasaki. Kokura, o alvo principal, estava envolto em nuvens naquela manhã e, portanto, escapou da destruição. É impossível dizer com certeza quantos morreram nos dois ataques. O calor das explosões das bombas incinerou ou vaporizou muitas das vítimas.

De acordo com as estimativas, as bombas atômicas lançadas em Hiroshima e Nagasaki (a) juntas mataram de 125.000 a 250.000 pessoas. A chamada Cúpula Genbaku (Bomba A), agora Memorial da Paz de Hiroshima, foi a única construção que restou perto do hipocentro da bomba de Hiroshima (b).

A decisão de usar armas nucleares é amplamente debatida. Por que exatamente os Estados Unidos implantaram uma bomba atômica? A feroz resistência que as forças japonesas montaram durante suas primeiras campanhas levou os planejadores americanos a acreditar que qualquer invasão às ilhas japonesas seria extremamente sangrenta. De acordo com algumas estimativas, cerca de 250.000 americanos podem morrer para garantir a vitória final. Tais considerações, sem dúvida, influenciaram a decisão do presidente Truman. Truman, que não sabia sobre o Projeto Manhattan até a morte de Roosevelt, também pode não ter percebido como ele era verdadeiramente destrutivo. De fato, alguns dos cientistas que construíram a bomba ficaram surpresos com seu poder. Uma pergunta que não foi totalmente respondida é por que os Estados Unidos lançaram a segunda bomba em Nagasaki. Como alguns estudiosos observaram, se a intenção de Truman era eliminar a necessidade de uma invasão à ilha natal, ele poderia ter dado ao Japão mais tempo para responder após bombardear Hiroshima. Ele não o fez, no entanto. O segundo atentado pode ter o objetivo de enviar uma mensagem a Stalin, que estava se tornando intransigente em relação à Europa do pós-guerra. Se for realmente verdade que Truman tinha motivações políticas para usar as bombas, então a destruição de Nagasaki pode ter sido a primeira salva da Guerra Fria com a União Soviética. E, no entanto, outros historiadores apontaram que a guerra havia desencadeado tantas atrocidades em massa contra civis por todos os beligerantes - incluindo os Estados Unidos - que, no verão de 1945, o presidente não precisava mais de nenhum motivo específico para usar todo o seu arsenal nuclear.


Um exclusivo do New York Times

Em gratidão pelos serviços de Laurence, o Exército deu uma dica à alta administração do Times em 2 de agosto sobre o uso iminente da bomba contra o Japão, para que o jornal pudesse se preparar.

Em 6 de agosto de 1945, o mundo ficou sabendo da bomba atômica quando os Estados Unidos a lançaram na cidade japonesa de Hiroshima. Três dias depois, o Corpo de Aviação do Exército atacou novamente, desta vez em Nagasaki. A bordo de uma das aeronaves em 9 de agosto estava Laurence.

William Laurence (à esquerda) no Pacífico na véspera dos bombardeios. Força aérea dos Estados Unidos

Como testemunha jornalística oficial do Projeto Manhattan, ele era agora o primeiro civil americano a observar o uso da terrível nova arma na guerra. Sua narrativa poética e detalhada (que apareceu no Times um mês depois) começava simplesmente: “Estamos a caminho de bombardear o continente do Japão”.

Conforme as horas passavam no caminho para o alvo, Laurence refletia sobre a moralidade de se preparar para varrer uma cidade inteira do mapa.

Ele se perguntou se sentia pena dos “pobres-diabos” que seriam destruídos pela bomba. Sua resposta: “Não quando se pensa em Pearl Harbor e na Marcha da Morte em Bataan”. Em outras palavras, ele percebeu - como muitos americanos - que os “japoneses” mereciam.

Então, sobre Nagasaki, Laurence e a tripulação viram o caos existencial desencadeado pela divisão do átomo:

“Estupefatos, o vimos disparar para cima como um meteoro vindo da terra em vez do espaço sideral, tornando-se cada vez mais vivo à medida que subia em direção ao céu através das nuvens brancas. Não era mais fumaça, nem poeira, nem mesmo uma nuvem de fogo. Era uma coisa viva, uma nova espécie de ser, nascida bem diante de nossos olhos incrédulos.

Em um estágio de sua evolução, cobrindo milhões de anos em termos de segundos, a entidade assumiu a forma de um totem quadrado gigante, com sua base de cerca de três milhas de comprimento, diminuindo para cerca de uma milha no topo. Sua parte inferior era marrom, seu centro era âmbar, sua parte superior branca. Mas era um totem vivo, esculpido com muitas máscaras grotescas fazendo caretas para a terra ...

Ele continuou lutando em uma fúria elementar, como uma criatura no ato de quebrar as amarras que o prendiam. Em poucos segundos, ele se libertou de sua haste gigantesca e flutuou para cima com uma velocidade tremenda, seu impulso foi levado para a estratosfera a uma altura de cerca de 60.000 pés ...

Enquanto o cogumelo flutuava para o azul, ele mudou sua forma para uma forma de flor, sua pétala gigante curvando-se para baixo, branco cremoso por fora e rosa por dentro. Ele ainda mantinha essa forma quando o olhamos pela última vez a uma distância de cerca de 320 quilômetros. ”


Quantas vezes os EUA experimentaram antes de lançar a bomba atômica no Japão? - História

O lançamento das bombas atômicas era eticamente permissível ou não? A public spiritual message from Master Ryuho Okawa, the CEO and founder of Happy Science, shed light on the ethical controversy concerning World War II, a debate that continues to this day. Former U.S. President Truman was the man who decided to drop the atomic bombs on Japan. Former U.S. President Franklin Roosevelt was the one who launched the Manhattan Project to develop the A-bomb in the first place.

In this shocking spiritual message, the spirits of both former presidents truthfully speak about WWII. It offers important lessons for reconsidering the Japanese and American historical viewpoints as well as for jointly creating world peace.

Giving a Fresh Look at Modern History in Order to Create Strong U.S. – Japan Relations That Will Foster World Peace.

In the United States, students learn at school: one million American soldiers would have died without the use of the atomic bombs. The war against Japan was a victory for freedom and democracy, which justified the use of the atomic bombs.

However, did this explanation really justify the use of the atomic bombs? Right before the atomic bombs were dropped in Hiroshima and Nagasaki, the U.S. had conducted indiscriminate bombings on more than 200 Japanese cities, and it had already claimed the lives of 330,000 civilians, even though Japan had already communicated via the Soviet Union its intention to surrender and the end of war was just a matter of time. Even U.S. Generals MacArthur and Eisenhower opposed the idea of using the atomic bombs, and they claimed there was no military benefit.

Furthermore, why did the U.S. target Japan first? In a spiritual message, former President Truman said, “I dropped two atomic bombs as an ‘experiment,’” which ended up claiming the lives of as many as 200,000 civilians. His spirit indicated that since he did not consider the Japanese were human beings, his actions did not constitute war crimes.

In his comments, one can see that there was racism based on the idea of white supremacy. One of the causes of the war that Japan fought for was “liberating Asia from Western colonialism and abolishing racial discrimination.” Before the East Asian War, the world had only 69 independent countries, but now there are nearly 200. Although Japan lost the war, the liberation of colonies and the abolishment of racial discrimination were successfully realized.

In the U.S., the war between America and Japan has been explained as “a war to overthrow Japanese fascism.” But that is not actually true. As you can see from the excerpts of the chief editor’s column“,

“Japan was forced to fight a “war of self-defence” against looming white supremacist colonial rule and communist expansion.
After the Russo-Japanese War, Japan and America came into direct conflict over their interests on the continent of China. In the Second Sino-Japanese War from 1937, America supported the Kuomintang and in actuality entered a “war by proxy” against Japan. Japan was driven into a corner by such things as the post-Great Depression change to bloc economies, the formation of the anti-Japanese ABCD encirclement, and American oil embargoes, and this led to the outbreak of war between Japan and the U.S. in 1941.”

In the United States, some media labels Mr. Abe as “a right-wing nationalist”. Reporters criticize his revisionist views, and discuss the outrage in China as well as South Korea.

However, in order to stop China’s hegemonic ambitions, the U.S. now stands at a crossroad. Will it accept a strong Japan or not?

While the winners always write history, that type of perception of history does not necessarily satisfy the standards of God’s justice.

Through series upon series of spiritual messages, Master Okawa has revealed justice throughout world history by discovering where great past figures are now, and what they have been doing since their deaths.

In order to create truly constructive U.S. – Japanese relations that will serve to create world peace, we see it is necessary to re-examine history up until the Second World War with a fresh perspective. The spiritual messages from Truman show a way to overcome the past conflict between the U.S. and Japan, and give us the opportunity to create strong relations that will serve for the realization of world peace.

Extracts from this public, spiritual message follow (note 1).

Note 1: These spiritual messages were channelled through Ryuho Okawa. However, please note that because of his high level of enlightenment, his way of receiving spiritual messages is fundamentally different from other psychic mediums who undergo trances and are completely taken over by the spirits they are channeling.

Each human soul is made up of six soul siblings, one of whom acts as the guardian spirit of the person living on earth. People living on earth are connected to their guardian spirits at the innermost subconscious level. They are a part of people’s very souls, and therefore, exact reflections of their thoughts and philosophies.

However, please note that these spiritual messages are opinions of the individual spirits and may contradict the ideas or teachings of the Happy Science Group.

Read more on this>>

Answers to questions on spiritual messages part 1

Answers to questions on spiritual messages part 2

Let’s Explore Who Is “Responsible for Dropping the A-bombs”!

Today’s theme is whether the atomic bombings were a crime against humanity. No one has ever investigated this subject, and there may well be no moralist, religious leader, or thinker with the responsibility enough to answer this question.

After the A-bombs were dropped, I believe that Einstein and many other scientists who were involved in building the atomic bombs threw themselves into the peace movement. The scientists, who actually built the bomb, became opposed to it, because its use generated political problems.

Harry S. Truman gave the order to drop the A-bombs. He was the vice-president who succeeded to the presidency when Franklin Roosevelt died in April, 1945. I’d first like to clarify the issue of whether he bears some form of responsibility for actually ordering the attacks, and whether his actions were wrong.

However, I think that the droppings of the A-bombs were actually decided during the time of Franklin Roosevelt. Therefore, an assessment of Roosevelt is necessary for this underlying issue. It would seem that he fundamentally created the direction for post-WWII American history and the new world order.

That should be effective, but as someone who likes to inspect history, I feel obliged to check whether America’s actions were “fair”.

Was the Last World War One Between “Gods” and “Demons”?

In the final count, Japan was defeated in the war, but was it a war between “gods” and “demons” as the West likes to portray? To put this gently, was it a battle between “democracy” and “fascism”? In other words, was it a conflict between “the West” and “the Fascist Axis of Japan, Germany, and Italy”?

It’s true to say that this is the approach often taken in the field of political science in the U.S., and people who have studied in the U.S. would probably have come across it. I don’t think anyone other then me has the ability to reveal the truth any more, but it does have tremendous, historical importance.

Master Okawa Summons the Spirit of the Former U.S. President Harry S. Truman.

I’ll try to invite Truman here.

At present, he’s the last U.S. president to have graduated from high school only. He must have been a very able man. He apparently had a long life, because he lived until the age of 88.

Oh, President Harry S. Truman, issuer of the order to drop the atomic bombs as 33rd President of the United States, please come down to the Hall of Great Awakening. Tell us the true significance of the war!

We’ve already investigated the Japanese side, and now I ask you to tell us about the American point of view and circumstances.

Oh spirit of Harry S. Truman, please come down to the Hall of Great Awakening, and tell us your opinions concerning the situation at the end of the war.

(A silence of about 20 seconds)

Truman Apologized, “They Shouldn’t Have Been Dropped.”

- Are you Harry Truman, the 33rd President of the United States?

Truman: (Sighs deeply) Ah…. What did I do? I did something unforgivable.

- What did you say just now?

Truman: You’re asking me about the A-bomb, aren’t you?

Truman: They should have never been used.

- You shouldn’t have dropped them? Did you realize that after you died?

Truman: Well, yes, I guess so. Mind you, I had a long life, and I gradually came to see it that way as the relationship between Japan and the U.S. improved after the war and we became friends.

During the war, I regarded Japan as a hateful enemy, and I was ready to use anything to defeat Japan. I lived a long life after the war, and when I returned to the Real World, I felt strongly that there might not have been any reason to use them after all.

As Soon As Atomic Bombs Came Into Existence, Japan Was the Target.

- Can you tell us the reason you ordered nuclear attacks when you were the American President?

Truman: Well, they’d been developed. Discussions about the actual use of the atomic weapons started even before the Japan-U.S. war began. In fact, ‘research’ got underway about 20 years before I dropped them, and I knew for a long time that scientists could theoretically develop them. When I was looking at how much longer it would take to complete them, the tests were finally successful.

I wanted to try the bombs in actual warfare, but of course, I couldn’t bear to use them in Europe since Germany and Italy were Christian countries like America.

Even though Hitler existed, it was still a Christian Protestant country. Therefore, I allowed the Soviet Union to invade, and we ultimately won the land war. I was unable to use the weapons there. In fact, they could have been dropped.

Berlin was practically in ruins from the air raids, but of course, it was easier to drop the bombs on Japan, which was not a Christian country. Maybe I should say that it was easier to win over public opinion for my decision.

- Chronologically speaking, Germany surrendered in May of 1945, and, to be precise, Trinity (mankind’s first nuclear test) was successfully staged in New Mexico on July 16th.

- It means the final A-bomb test was not completed before Germany’s surrender. For argument’s sake, would you have hesitated to use the A-bomb had Germany’s surrender been delayed?

Truman: I probably wouldn’t have used it. It wasn’t in the original plan, you see. The target was Japan right from the very start.

- Why was the bombing of Japan with a nuclear weapon your goal?

Truman: Because, after all, the American people couldn’t understand the Japanese. Before the war, many people were even calling for Japanese immigrants to be expelled.

As well as that, from the American point of view, that tiny country had entered Manchuria, occupied Mainland China, and invaded a succession of Asian countries that European countries had previously colonized. Japan had beaten Britain, France, and the Netherlands, and it was establishing a string of Japanese colonies. Well, as far as the people of America were concerned, despite the fact that my next remark might seem rather rude and insulting to the people of Japan, we felt as if there was no way we could let you Japs get away with it.

Truman Continues to Talk About the “Japanese Menace”.

- I believe that Japan didn’t attack civilians.

- However, America planned indiscriminate slaughters, such as the Great Tokyo Air Raid, right from the start, didn’t it? What were your opinions at the time?

Truman: It would be true to say that I regarded Japan as a totalitarian state. In terms of Japan, a totalitarian state meant that the Emperor alone was the “queen bee” or “queen ant”, and everyone else was in the same position as a “worker bee” or “soldier ant”. To me, all Japanese shared the same values, whether they were military or civilians. I regarded Japan as a kind of totalitarian state.

I Dropped Two A-bombs as an “Experiment”.

- Why did you use two bombs?

Truman: Well, it was to test two slightly different kinds of incendiaries.

Truman: Uh-huh. The Nagasaki and Hiroshima versions were slightly different types of the same bomb. We checked to see how much offensive power each of them had.

Truman Didn’t Want to Accept the Japanese as Being Equal Members of the Human Race

- There was that side of it, but even so, I can’t imagine that you could justify the slaughter of around 350,000 Japanese in two bombings. I wonder whether your racist views influenced your use of the nuclear weapons.

- You were aware that the Japanese were suing for peace after the Tojo government collapsed, weren’t you?

- How do you define a crime against humanity?

- What would you say is a crime against peace?

Truman: That’s what it would have been had I accepted the Japanese as being equal members of human race. During the war, I didn’t recognize the Japanese as being equivalent to other human beings the way that Caucasians were.

“The Nanking Massacre” Was Necessary to Balance “America’s Actions”.

- Class A war criminals are “guilty of killing many people”, aren’t they?

- The fabrication of the Nanking Massacre…

Truman: That was the hardest thing about the time when the war ended. America’s actions could have been labelled in a damaging way. We had to balance it out like that. We would have been in trouble unless the Japanese were seen as even more vicious than us.

America Boosted Its Fighting Spirit Through a Campaign to “Dehumanize the Japanese”.

- What do you think about the people who died in the atomic bombings? About the feelings of those who were burnt to death?

Truman: We aimed to boost our fighting spirit during the war. In America, we enthusiastically waged a campaign to convince people that the Japanese were inhuman.

The Democrats are a political party that emphasizes human rights, but there wasn’t the same doctrine of human rights as there is now. When it comes to American “human rights”, Lincoln said, “All men are created equal.” However, the word “men” referred white men it didn’t include blacks or women.

The liberation movements for blacks and women occurred in the 1960s, which was after I exploded the atomic bombs. From the perspective of those prejudicial times, it’d be true to admit that I didn’t see the Japanese in any regard as similar to us.

Was It Really Fascism Versus Democracy?

- It’s just that, looking back now, doesn’t it seem at least like there was a clear distinction along the lines of fascism and democracy?

Truman: We, Americans, created that idea to justify our actions.

There Is Some Truth in “the Greater East Asian War to Release European Karma”.

- Then, can you clearly state whether Japan’s war was right or wrong?

Truman: Um, I don’t know. If you say the Great Depression that started in the US caused it, I couldn’t say that I didn’t share some responsibility.

Japan certainly used the words “the Greater East Asian War” as an act to release the karma that Europe had accumulated in the centuries since the Age of Discovery, and I think in fact there’s some truth to it.

The Tokyo Trials, in Which “the Victorious Nations Judged the Defeated” Were Not Without Fear or Favor.

- Did the International Military Tribunal for the Far East really provide a fair trial? What was your opinion, Mr. Truman?

Truman: Well, it was obviously not fair, because the victors judged the losers. That’s why the United Nations itself isn’t neutral since the countries that won the war created the U.N. It’s an organization created to keep the losers permanently contained.

Truman: It’s an organization created after the war for the systems of the victorious nations to continue, and the U.N. isn’t even-handed.

Just as individuals have wants, as fellow citizens, we want to protect our own interests in order to maintain our advantage.

Thinking about it now, from the American point of view, I really didn’t want to include the Soviet Union and Communist China as permanent members in the Security Council. To be perfectly frank, it’s a bit of a shame they were as it would have been a much better set-up if they weren’t.

To be perfectly honest, if it were today, I would have wanted to include Japan and Germany instead of Russia and Communist China.

The Imposition of the Pacifist Constitution Was the Same As “the Subjugation of the Indians”.

- This is a question about the Japanese Constitution, and of course, the issue of Article 9.

- The Japanese Constitution was drafted in your day. And in that constitution Article 9 stipulates that the Japanese people forever renounce war and will not maintain war potential. What was your thinking on this issue at the time, Mr. Truman?

In addition, with the extension of China’s current hegemony, please give us your opinion on today’s international situation.

Truman: Well, it’s a really lousy constitution. America recognized its mistake when the Korean War started. America knew that it was a constitution that shouldn’t be imposed upon an independent country, and we abandoned it. However, the Japanese clung to it, you know.

It was awful matter, which we handled exactly in the same manner as the way we treated the Native Americans. We overcame them with our cavalry, and then we disarmed them. Article 9 should never have been imposed had we recognized Japan’s sanctity as a sovereign state.

- Are you saying that “war potential will never be maintained”, having been written into the Constitution, is in itself strange?

Truman: The Japanese have probably been brainwashed by it, haven’t they? Doesn’t it mean that they’ve vowed to be annihilated rather than to have an army and to kill foreign nationals? How do you interpret it?

- Mr. Truman, it’s no exaggeration to state that you decided the Japanese should be brainwashed.

Truman: Me… Was it me? Well, I don’t remember, but anyway, I only kept that opinion for five years. When the Korean War began, I already changed my mind. I did previously believe that Japan was a bad country. However, when I actually started interacting with the Japanese after the war, I saw first-hand that they were actually a rather advanced society and had long enjoyed a splendid culture. None of us in America knew that democracy had existed in pre-war Japan.

Truman: Americans didn’t really know about the Taisho period democracy or the greatness of the Meiji Restoration. We weren’t aware that Japan was a country with a history.

A Tearful Truman Utters Words of Self-Reflection.

- Well, this is my last question. Today, when politicians in Japan pay their respects at Yasukuni Shrine, other countries criticize them. What do you think about the people who fought in such wars?

Truman: They should pay their respects there. Hmm. Of course, they should. Nationality is not an issue in this business. Whatever enemies they fought against, they were people who didn’t fight out of self-interest they were people who fought to defend, and died for their country. It’s only natural that their successors should pray for them.

- There’s a way of looking at it in the media that says, “Class A war criminals have been enshrined there, and people mustn’t go and pay their respects”.

Truman: That’s wrong, isn’t it? I think that’s mistaken. If we’d been defeated, Americans would find it unforgivable if other countries were to tell them, “You mustn’t pay your respects.” From the perspective of human equality, people shouldn’t say that. I think they’re incorrect to comment on it.

Now, when I impartially look back on the military history of the world, I think that the Japanese army was truly excellent.

I’m sorry (suddenly bursting into tears).

The people of this tiny country with no natural resources really put up a brave fight… Excuse me. I really feel so sorry for them.

Even though they had no natural resources…I’d like you to ask Roosevelt about that. Anyway, they kept on fighting even though the oil, coal, and iron ore supplies had been cut off. I feel so sorry for them. Oh, they really put up a brave fight.

People must forgive the Japanese soldiers. They really tried hard. Oh, the poor things. I really feel so sorry for them. I have to reflect upon it now, I think. I’m sorry.

The president, who’s currently in office, probably can’t make an apology. As the person responsible for the atomic bombings, I must state that I would have probably started a war, too, had I been in Tojo’s position. I would have certainly waged war. Oh….. I am very sorry…

- President Truman, thank you very much for coming here today.

Master Okawa (to Truman): Thank you very much.

Ah…He seems to be suffering rather a lot, doesn’t he?

Master Okawa: He may almost never be able to forget that he’s the person who’s ultimately responsible for the atomic bombings.

- I think that’s the way of it.

Master Okawa: He might not be able to forget even after a thousand years because there are people who hate him, aren’t there?


Little Boy: The First Atomic Bomb

Two American atomic bombs ended World War II in August 1945, and the devastation will be forever remembered. In an instant when the first bomb was dropped, tens of thousands of residents of Hiroshima, Japan were killed by “Little Boy,” the code name for the first atomic bomb used in warfare in world history.

Hiroshima after atomic bombing, 1946. (National Archives Identifier 148728174)

The Project

Scientists developed the technology for the atomic weapon during the highly classified project code-named “The Manhattan Project.” U.S. Army Col. Leslie R. Groves oversaw the military’s participation, while civilian scientist Robert Oppenheimer was in charge of the team designing the core details of Little Boy. Facilities for the research were set up in Manhattan, Washington State, Tennessee, and New Mexico. Scientists on the project drew from the earlier work done by physicists Enrico Fermi and Leo Szilard, both of whom received funding from the U.S. Government in the late 1930s to study enriched uranium in nuclear chain reactions. The enriched uranium-235 was the critical element in creating an explosive fission reaction in nuclear bombs.

The Manhattan Project team agreed on two distinct designs for the atomic bombs. In Little Boy, the first atomic weapon, the fission reaction occurred when two masses of uranium collided together using a gun-type device to form a critical mass that initiated the reaction. In effect, one slug of uranium hit another after firing through a smooth-bore gun barrel. The target was in the shape of a solid spike measuring seven inches long and four inches in diameter. The cylinder fit precisely over the spike as the two collided together creating the highly explosive fission reaction. While the theory of the gun firing concept was not fully tested until the actual bomb dropped on Hiroshima, scientists conducted successful lab tests on a smaller scale that gave them confidence the method would be successful.

The final construction of Little Boy occurred in stages. Various components of the bomb were transported by train from Los Alamos, New Mexico, to San Francisco, California. There, the heavy cruiser USS Indianapolis shipped the collection of parts to Tinian Island in the Pacific Ocean south of Japan, where it arrived on July 26. In order to prevent a catastrophic accident, the target piece of enriched uranium flew separately aboard three C-54 Skymaster transport planes to Tinian Island, where it also arrived on July 26. Upon final assembly, Little Boy weighed 9,700 pounds and measured 10 feet in length and 28 inches in diameter.

Atomic bomb preparations at Tinian Island, 1945. (National Archives Identifier 76048771)

Once on Tinian, the officer in charge of Little Boy’s assembly, U.S. Navy Capt. William S. Parsons, decided to forestall the final segment of assembly until the very last moment. He did this in order to prevent a catastrophic accidental detonation caused by an electrical short or crash.

The Mission

In the early morning hours of August 6, 1945, a B-29 bomber named Enola Gay took off from Tinian and proceeded north by northwest toward Japan. The bomber’s primary target was the city of Hiroshima, located on the deltas of southwestern Honshu Island facing the Inland Sea. Hiroshima had a civilian population of almost 300,000 and was a critical military center that included 43,000 soldiers.

Topographical map, Hiroshima. (National Archives Identifier 166126365)

The aircraft, piloted by the commander of the 509th Composite Group, Col. Paul Tibbets, flew at low altitude on automatic pilot before climbing to 31,000 feet as it closed in on the target area. At approximately 8:15 a.m. Hiroshima time, the Enola Gay released “Little Boy” over the city. Forty-three seconds later, a massive explosion lit the morning sky as the bomb detonated 1,900 feet above the city, directly over a parade field where soldiers of the Japanese Second Army were doing calisthenics.

Mesmo que a Enola Gay had already flown 11 and a half miles away from the target after dropping its payload, it was rocked by the blast. After the initial shock wave hit the plane, the crew looked back at Hiroshima, and Tibbets recalled that “The city was hidden by that awful cloud . . . boiling up, mushrooming, terrible and incredibly tall.” [1] The force of the explosion was later estimated at 15 kilotons (the equivalent of 15,000 tons of TNT).

Col. Paul W. Tibbets, Jr., pilot of the Enola Gay, waves from the cockpit before takeoff, August 6, 1945. (National Archives Identifier 535737)

Many Americans viewed the bombing as a necessary means toward an end to the conflict with Japan. When Dr. J. Robert Oppenheimer was briefed on the bombing, he expressed guarded satisfaction. He, more than any other, understood the power of the weapon he helped produce and the destruction that was unleashed on humanity.

Enola Gay returns after strike at Hiroshima, 1945. (National Archives Identifier 76048622)

We will never definitively know how many died as a result of the bombing of Hiroshima. Some 70,000 people are estimated to have perished as a result of the initial blast, heat, and radiation effects. This included about 20 American airmen who were held as prisoners in the city. By the end of 1945, because of the continuing effects of radioactive fallout and other after effects, including radiation poisoning, the Hiroshima death toll was likely over 100,000. The five-year death total may have even exceeded 200,000, as cancer and other long-term effects are considered.

Read the blog post Harry Truman and the Bomb and the notes of Captain Robert Lewis, co-pilot of the Enola Gay, to learn more about the first atomic aomb.


Hiroshima: Before and After the Atomic Bombing

Later this month, Barack Obama will become the first U.S. president to visit Hiroshima, Japan, 71 years after the United States dropped the first atomic weapon used in warfare on the city in 1945, killing tens of thousands. President Obama plans to tour the site with Japan's Prime Minister Shinzo Abe, but will reportedly not be offering any apologies or revisiting the decision by the U.S. to drop the bomb. On my last visit to the National Archives, I found a number of pre-war and post-war images of Hiroshima, and have gathered them here, a stark reminder of what happened when a nuclear weapon was detonated over a densely-populated area.

A pre-war photograph of Hiroshima’s vibrant downtown shopping district near the center of town, facing east. Only rubble and a few utility poles remained after the nuclear explosion and resultant fires. #

Looking upstream on the Motoyasugawa, toward the Product Exhibition Hall building (dome) in Hiroshima, before the bombing. The domed building was almost directly below the detonation, which occurred in mid-air, about 2,000 feet (600 meters) above this spot. Today, much of the building remains standing, and is known as the Atomic Bomb Dome, or the Hiroshima Peace Memorial. #

Looking northeast along Teramachi, the Street of Temples, in pre-war Hiroshima. This district was completely ruined. #

Looking north from the vicinity of the Aioi Bridge (the central T-shaped bridge targeted by the bomb). Wooden houses line the bank of the Otagawa, with traditional Japanese river boats in the foreground. #

Aerial view of the densely built-up area of Hiroshima along the Motoyasugawa, looking upstream. Except for the very heavy masonry structures, the entire area was devastated. Ground zero of the atomic bomb was upper right in the photo. #

Hiroshima Station, between 1912 and 1945. #

A pre-war photo of Ujina Harbor. This relatively small harbor was developed as the port for Hiroshima and was one of the principal embarkation depots for the Japanese Army during World War II. #

On August 6, 1945, a mushroom cloud billows into the sky about one hour after an atomic bomb was dropped by American B-29 bomber, the Enola Gay, detonating above Hiroshima, Japan. Nearly 80,000 people are believed to have been killed immediately, with possibly another 60,000 survivors dying of injuries and radiation exposure by 1950. #

Survivors of the first atomic bomb ever used in warfare await emergency medical treatment in Hiroshima, Japan, on August 6, 1945. #

Shortly after the atomic bomb was dropped over the Japanese city of Hiroshima, survivors receive emergency treatment from military medics on August 6, 1945. #

Civilians gather in front of the ruined Hiroshima Station, months after the bombing. #

Japanese troops rest in the Hiroshima railway station after the atomic bomb explosion. #

Streetcars, bicyclists, and pedestrians make their way through the wreckage of Hiroshima. #

One of several Japanese fire engines transferred to Hiroshima shortly after the bombing. #

Hiroshima after the bombing. #

A Japanese woman and her child, casualties in the atomic bombing of Hiroshima, lie on a blanket on the floor of a damaged bank building converted into a hospital and located near the center of the devastated town, on October 6, 1945. #

The devastated landscape of Hiroshima, months after the bombing. #

𠇍irection of blast” chalk marks and outlines of the feet of a victim caught in the explosion. The intense heat of the initial flash of the detonation seared every nearby surface, leaving inverted “shadows,” like those seen on this bridge left by the railings and by a person who had been standing in this place. #

Post office savings bank, Hiroshima. Shadow of window frame left on fiberboard walls made by the flash of the detonation. October 4, 1945. #

In Hiroshima, gas tanks showing shadowing effects of the flash on asphalt paint. #

Two Japanese men sit in a makeshift office set up in a ruined building in Hiroshima. #

The shattered Nagarekawa Methodist Church stands amid the ruins of Hiroshima. #

A huge expanse of ruins left after the explosion of the atomic bomb in Hiroshima. #

An aerial view of Hiroshima, some time after the atom bomb was dropped on this Japanese city. Compare this with pre-war photo number 5 above. #

A Japanese soldier walks through a completely leveled area of Hiroshima in September 1945. #

Queremos saber o que você pensa sobre este artigo. Envie uma carta ao editor ou escreva para [email protected]


Assista o vídeo: O dia em que os Estados Unidos lançaram uma bomba atômica no Japão