Objetivo da Guiné na história monetária britânica

Objetivo da Guiné na história monetária britânica


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Eu li sobre a própria Guiné, como ela foi feita, mas eu realmente não entendo por que alguém manteria um dinheiro que vale 5% a mais do que uma denominação existente como a libra.

Posso aceitar o conceito de 1/20 e 1/12, embora não seja tão confortável quanto o sistema decimal, mas 21/20, além disso, por causa do teor de ouro o valor da moeda não foi fixado em todos os tempos, mas em Vale a pena afastar-se de Pound na década de 1680 e foi substituído por Sovereign no recuo de 1816.

Eu realmente não entendo as razões pelas quais o império o manteve por mais de um século?

Pessoalmente, para mim, parece confuso sem um conceito central de como um sistema monetário deve ser regulado dentro do império. Talvez haja boas razões para mantê-lo, mas não as vejo.

ATUALIZAR

Para deixar meu ponto mais claro: vejo um padrão semelhante na Hungria, quando introduzimos uma moeda de prata fina de 0,500 em 1993-1994 após o colapso do socialismo em circulação com valor nominal de 200 HUF, logo por causa do conteúdo de prata ela se tornou mais valiosa, então as pessoas apenas os coletaram e mantiveram como mais dinheiro à prova de inflação, na verdade ele se retirou de circulação e foi oficialmente revogado pelo governo também. Foi um claro fracasso na emissão de um dinheiro com base diferente, e tanto as pessoas quanto o governo corrigiram o erro naturalmente, por que isso não aconteceu no Império Britânico por mais de 100 anos? Posso dizer que a distorção de valor foi menor entre o preço de prata e ouro do que prata e moeda fiduciária. Mas esse sistema no império britânico parece deliberadamente mantido por algum motivo.


Financeiro

Respostas da Wikipedia:

O guiné é uma moeda que foi cunhada no Reino da Inglaterra e mais tarde no Reino da Grã-Bretanha e no Reino Unido entre 1663 e 1814. Foi a primeira moeda inglesa de ouro cunhada por máquina, originalmente no valor de uma libra esterlina, igual a vinte xelins; mas os aumentos no preço do ouro em relação à prata fizeram com que o valor do guinéu aumentasse, às vezes chegando a trinta xelins; de 1717 a 1816, seu valor foi oficialmente fixado em 21 xelins. Em seguida, a Grã-Bretanha adotou o padrão-ouro e guiné tornou-se um termo coloquial ou especializado.

Então: libra libra esterlina era prata; Guiné foi criada como um ouro moeda equivalente a ele, mas então os preços das commodities divergiram.

Veja também Bimetalismo.

Social

A Guiné foi usada para citar os honorários médicos e outros:

Mesmo depois que a moeda deixou de circular, o nome guiné foi usado por muito tempo para indicar a quantia de 21 xelins (£ 1,05 em moeda decimal). A Guiné tinha um tom aristocrático; taxas profissionais e pagamento de terras, cavalos, arte, alfaiataria sob medida, móveis e outros itens de luxo eram frequentemente cotados em guinéus até alguns anos após a decimação em 1971. Era usado da mesma forma na Austrália até que o país passou para a moeda decimal em 1966.

Ainda é cotado na precificação e venda de gado em leilão e cavalos de corrida, onde o comprador pagará em guinéus, mas o vendedor receberá o pagamento em igual número de libras. A diferença (5p em cada guinéu) é tradicionalmente a comissão do leiloeiro. Muitas corridas de cavalos importantes na Grã-Bretanha, Irlanda, Canadá, Nova Zelândia e Austrália têm nomes que terminam em "1.000 Guinés" ou "2.000 Guinés", embora os valores nominais de suas bolsas hoje sejam muito mais altos do que os £ 1.050 ou £ 2.100 sugeridos por seus nomes.

Atualizar

Esse uso social foi, na verdade, o motivo da resistência do Guiné. A sociedade britânica é muito estratificada e as pistas de status social são importantes. Cotando o preço em guinéus (ouro moedas) transmitiam a imagem de "alta sociedade", então as pessoas continuam fazendo isso mesmo agora (veja acima).


A razão para isso envolve a diferença entre o comércio atacadista e varejista. O comércio por atacado e a atividade bancária eram realizados em ouro (guinéus) e o varejo em prata (libras esterlinas). O motivo da diferença de preço era fornecer uma comissão. Uma prática comum na Inglaterra era conduzir negócios de atacado em leilões comerciais. O preço seria cotado em guinéus, mas oferecido em libras. O leiloeiro embolsou a diferença como sua comissão.

Em outras palavras, o que acontece é o seguinte:

1) O leiloeiro coloca à venda muitas peles que fecham a 5 guinéus

2) o comprador atacadista paga ao leiloeiro 5 guinéus e recebe peles

3) o leiloeiro paga ao comerciante 5 libras

A diferença entre os dois pagamentos é a comissão do leiloeiro.


Sovereign (moeda britânica)

o soberano é uma moeda de ouro do Reino Unido com valor nominal de uma libra esterlina. Cunhada desde 1817, era originalmente uma moeda circulante que foi aceita na Grã-Bretanha e em outras partes do mundo agora é uma moeda de ouro e às vezes é montada em joias. Além disso, ataques de circulação e exemplos de prova são frequentemente coletados por seu valor numismático. Nos últimos anos, ostentou no reverso o desenho de São Jorge e o Dragão, as iniciais (B P) do designer Benedetto Pistrucci são visíveis à direita da data.

A moeda recebeu o nome do soberano inglês em ouro, cunhado pela última vez por volta de 1603 e originado como parte do Grande Recrutamento de 1816. Muitos no Parlamento acreditavam que uma moeda de uma libra deveria ser emitida em vez de 21 xelins (£ 1,05) Guiné que foi atingido até então. O Mestre da Casa da Moeda, William Wellesley Pole, pediu a Pistrucci que desenhasse a nova moeda, sua representação também foi usada para outras moedas de ouro. Originalmente, a moeda era impopular porque o público preferia a conveniência das notas, mas o papel-moeda no valor de 1 libra logo foi limitado por lei. Com o fim dessa competição, o soberano tornou-se uma moeda de circulação popular e foi usado no comércio internacional e no exterior, sendo considerado uma moeda contendo uma quantidade conhecida de ouro.

O governo britânico promoveu o uso do soberano como uma ajuda ao comércio internacional, e a Casa da Moeda Real tomou medidas para que as moedas de ouro leves fossem retiradas de circulação. De 1850 a 1932, o soberano também foi atingido em casas da moeda colonial, inicialmente na Austrália e depois no Canadá, África do Sul e Índia - elas foram novamente exploradas na Índia para o mercado local desde 2013, além da produção na Grã-Bretanha por a Casa da Moeda Real. Os soberanos emitidos na Austrália inicialmente carregavam um design local exclusivo, mas em 1887, todos os novos soberanos ostentavam o design George and Dragon de Pistrucci. As greves ali eram tão grandes que, em 1900, cerca de quarenta por cento dos soberanos da Grã-Bretanha haviam sido cunhados na Austrália.

Com o início da Primeira Guerra Mundial em 1914, o soberano desapareceu de circulação na Grã-Bretanha, foi substituído pelo papel-moeda e não voltou após a guerra, embora as emissões nas casas da moeda colonial continuassem até 1932. A moeda ainda era usada no Oriente Médio e a demanda aumentou na década de 1950, à qual a Casa da Moeda acabou respondendo com a conquista de novos soberanos em 1957. Desde então, foi cunhada como moeda de ouro e, a partir de 1979, para colecionadores. Embora o soberano não esteja mais em circulação, ele ainda tem curso legal no Reino Unido.


Guiné, soberana, xelim: uma breve história da moeda britânica

O batizado real da semana passada viu o lançamento pela Casa da Moeda de nove moedas comemorativas, três das quais são em ouro de 24 quilates. Estes estão em nítido contraste com a moeda mutável que uma pessoa comum encontra em seus bolsos.

As moedas têm imagens diferentes, não necessariamente associadas ao seu valor facial

Embora nossa moeda permaneça em libras, as moedas que a compõem estão mudando. Algumas moedas, que não são mais de uso geral, inspiraram afeto e sentimentalismo, enquanto outras foram mais ou menos esquecidas.

Para brilho e razzamataz, pense em guiné e soberano. O autor Thackeray escreveu como as moedas seriam lavadas em clubes por razões de higiene, mas de alguma forma não soa como se fossem soberanos ou guinéus.

Um guinéu valia £ 1,1 xelim nos dias em que £ 1 correspondia a 20 xelins. Antes feitos de ouro da Guiné, os guinéus costumavam ser a moeda regular para a compra de cavalos. Daí o título da corrida guineense de 2000 - sendo esse o valor do fundo de prémios em 1809.

Em 1814, quando a corrida das 1000 Guinés foi introduzida, a moeda-guiné foi devolvida. No entanto, a licitação do leiloeiro de estoque de sangue Tattersalls ainda é conduzida em guinéus, desde 1766, quando a empresa foi fundada. O xelim era a parte do leiloeiro e ainda leva 5% de comissão.

Os soberanos têm um valor nominal de £ 1, mas na realidade valem muito mais. Eles foram introduzidos pela primeira vez no século 15 como uma moeda muito alinhada com a imagem do soberano. Houve um longo intervalo quando as moedas não foram cunhadas. Eles foram reintroduzidos na sequência da Guiné.

Nos tempos modernos, o florim estava em circulação entre 1849 e 1967. Posteriormente, ele era conhecido como "two bob bit". Os primeiros, porém, foram chamados de 'sem graça' porque as palavras Dei Gratia, pela graça de Deus, foram omitidas causando suspeita e ressentimento entre o público.

Coroas e meias coroas

Uma coroa também era chamada de "touro". Meia coroa veio na época de Eduardo VI e foi cunhada até a introdução da decimalização há 40 anos.

O xelim era mais barato e também era conhecido como 'bob'. Tinha conotações com "tirar o xelim do rei" referindo-se ao bônus, o equivalente a seis dias de salário, que costumava atrair pessoas para o exército na era napoleônica. O movimento de escoteiro iria cobrar 'um bob por trabalho'. Um xelim representava 12 centavos pré-decimais.

Um sixpence era tão pequeno que havia uma expressão "ligue um sixpence". Na linguagem comum, era conhecido como um "curtidor". Como foi descrito parece ter adquirido algum estigma social e foi uma espécie de divisão de classes.

O Lavengro de George Borrow, escrito em meados do século 19, ilustra isso quando o "herói" está tentando comprar um livro de uma velha macieira. Ela pede um curtidor para ‘baccy’.

A velha senhora da maçã o esclarece que custa seis pence e as coroas em seus círculos, que ela diz serem chamados de "touros".

O herói continua se perguntando que conexão pode haver entre um curtidor que cura peles cruas com a preparação de casca de carvalho e outros materiais, com uma moeda ilustrando talvez sua própria distância das pessoas comuns.

Introduzido em sua forma mais lembrada em 1937 - era marrom com 12 lados e saiu de produção em agosto de 1971. Uma versão anterior em prata foi apelidada de Joey. A pequena e amada moeda dos anos posteriores às vezes era conhecida como thruppeny bit.

Um centavo à moda antiga costumava ser chamado de "cobre". A abreviatura 'd' escrita após representava uma pequena moeda romana, denário.

Normalmente, quanto menor o valor, menores são os elogios. Há muito tempo, um centavo era uma moeda atraente com a imagem de uma carriça introduzida em 1937.


Uma grande reorientação econômica ocorreu em dezembro de 1983, quando a Guiné Equatorial aderiu à União Econômica e Aduaneira da África Central (que mais tarde passou a fazer parte da Comunidade Econômica dos Estados da África Central). Em Janeiro de 1985 o país entrou na Zona do Franco, onde a sua moeda, o epkwele (anteriormente ligada à peseta espanhola), foi substituída pelo franco CFA (Communauté Financière Africaine) e ligada ao franco francês. Com a eliminação progressiva do franco francês durante 1999–2002, o franco CFA passou a estar associado ao euro.

Após o colapso econômico de meados da década de 1970, as importações passaram a exceder as exportações. A lacuna foi reduzida apenas pela ajuda externa - incluindo grandes subsídios da Espanha e ajuda de muitos outros países e agências internacionais - que aumentou após o golpe de 1979. Com a rápida expansão da indústria do petróleo nas décadas de 1980 e 90, no entanto, o O valor das exportações do país excedeu o de suas importações no final do século XX, a balança comercial permaneceu positiva no século XXI. Os Estados Unidos, China, Japão, Espanha e França, entre outros, são os principais parceiros comerciais da Guiné Equatorial.


Guiné - História e Cultura

A história da Guiné é marcada por períodos sombrios, desde o comércio de escravos até longos períodos de colonialismo, mas os guineenses conseguiram manter sua cultura diversa intacta e superar suas diferenças para viver pacificamente como uma nação. É em grande parte um país muçulmano, mas uma pequena porcentagem da população adere às crenças cristãs e animistas. A população local permanece fiel às suas origens étnicas, mas as influências da África Ocidental, bem como os costumes franceses, também são evidentes devido à geografia do país e anos sob a coroa.

História

A Guiné fez parte de uma série de impérios antes de ser colonizada pela França na década de 1890. Apesar de várias tentativas dos habitantes locais de derrubar o governo francês, a Guiné ainda estava incorporada à África Ocidental Francesa no início de 1900 e era chamada de Guiné Francesa. Durante o tempo, foram estabelecidas ferrovias e instalações portuárias, e o território tornou-se um importante canal de exportação. A industrialização posterior veio na década de 1950, quando a Guiné descobriu a mineração de ferro.

A Guiné Francesa declarou independência em 1958, aproveitando a queda dos impérios coloniais após a Segunda Guerra Mundial. No entanto, as lutas pelo poder atormentaram a política pós-independência da Guiné, levando à má gestão, repressão, vários golpes e instabilidade geral. Uma nova constituição foi assinada em 1990, e a primeira eleição presidencial foi vencida por Conté, que morreu no cargo em 2008. Os chefes de estado que se sucederam conseguiram manter a paz e uma aparência de estabilidade, embora os guineenses ainda estejam trabalhando para escapar da linha de pobreza como um todo.

Nos últimos anos, a Guiné envolveu-se em lutas territoriais e disputas sobre a riqueza mineral contra as vizinhas Serra Leoa e Libéria. Conflitos em países limítrofes também afetam o país de forma indireta, agravando as questões de segurança em toda a região. Ainda assim, a Guiné é um lugar notável que precisa ser conhecido pelos motivos certos - suas riquezas naturais e culturais. O melhor da história da Guiné está em exibição no Museu Nacional de Conakry, enquanto outros marcos e vestígios do passado estão espalhados por todo o país, aguardando serem descobertos.

Cultura

A cultura da Guiné é diversificada e interessante, habitada por uma ampla gama de grupos étnicos, cada um com suas próprias tradições distintas e muitas variações de idioma. Apesar dessas diferenças, os guineenses são predominantemente muçulmanos, aderindo aos ensinamentos e às práticas religiosas do Islã.

Entre os principais grupos étnicos do país estão Peuhl ou Fula (na região de Fouta Djalon), Maninka (nas florestas e savanas da Alta Guiné), Susus (em Conakry) e grupos menores como Toma, Kissis, Kpelle e Gerzé (nas florestas e zonas costeiras).

A música é um dos maiores aspectos da cultura guineense e os habitantes locais celebram muitos festivais para comemorar esta forma de arte predominante. Os guineenses tocam uma grande variedade de instrumentos de cordas e percussão, incluindo o ngoni, Balafon, kora (um híbrido de alaúde e harpa) e o violão. A música folclórica também é acompanhada por Dunun, emparelhado com o Djembe (bateria).


O sistema monetário britânico

O sistema monetário britânico era baseado em um sistema arcaico vagamente baseado no sistema monetário da Roma Antiga. Foi introduzido aos bretões durante a longa ocupação romana dessas ilhas. O sistema tinha como base o centavo que correspondia ao denário de prata da Roma Antiga. No início da Bretanha, apenas algumas denominações de ouro e prata existiam, mas as muitas denominações e combinações de libras, xelins e centavos solidificaram-se logo após a Idade Média.

O sistema monetário britânico do século 19:

Observe que, com tantas denominações, os preços eram cotados apenas em libras, xelins e pence. Por exemplo, um item que custa 2 libras, 4 xelins e 3 pence foi cotado como: 2 £ / 4s / 3d (O & # 8220d & # 8221 correspondia a & # 8220denário & # 8221) ou um item que custava 4 xelins, 6 pence seriam expressos como: - / 4s / 6d.

Felizmente para todos nós, a Grã-Bretanha declinou em 1970. Nesse ponto, o xelim foi traduzido como 5 pence com 100 pence = 1 £.


Objetivo da Guiné na história monetária britânica - História

Postado em: 06 7 14 por R.S. Fleming

Esperamos que você goste dos artigos e contos apresentados aqui e que se junte a Kate em suas aventuras por muitos anos.

Mediante solicitação, você receberá uma cópia inscrita do Kate Tattersall Adventures na China com cada doação de $ 10 ou mais mais frete. Use a página de contato para fornecer seu endereço de entrega e responderemos com seu total.

Em 1971, a moeda britânica passou por um processo de decimalização (100 pence por libra) simplificando a notação, os preços e os gastos. Este artigo fará uma análise do antigo sistema monetário, concentrando-se na era vitoriana e nas várias moedas que existiram e foram usadas na Grã-Bretanha, e abordará as cunhadas para propriedades coloniais. Houve mudanças durante os anos 1800 que serão incluídas. Não vou cobrir todas as facetas de um assunto vasto.

Uma réplica de um centavo, meio e quarto dos tamanhos menores de bronze, exibidos juntos para referência.

As moedas listadas abaixo são todas representadas no mesmo tamanho, portanto, consulte as descrições para os diâmetros reais. Observe que os diâmetros das denominações menos valiosas foram cunhados em tamanhos menores quando as moedas mudaram de cobre para bronze. O que se segue não se destina necessariamente a ser lido de cima para baixo, mas como um guia de referência para cada moeda.

Rainha Vitória representada em sua Coroa Imperial do Estado, coroa de luto e tiara de diamantes e safiras.

As coroas apresentadas nas moedas durante a era vitoriana eram a Coroa de São Eduardo & # 8217s, a Coroa Imperial do Estado da Rainha & # 8217s, a pequena coroa que ela fizera para pousar no topo de seu véu de luto e uma tiara. Victoria retirou-se da vida pública após a morte de seu marido em 1861. Em 1870, ela concordou em começar a fazer aparições novamente e mandou fazer uma coroa para substituir sua Coroa Imperial do Estado, que ela achou pesada e não funcionaria bem com um véu de luto . A nova coroa seguiu o desenho básico das coroas britânicas com quatro meios-arcos, patês cruzados e flor de lis, mas sem tampa interna de veludo, e contém 1.187 diamantes. (Pedras coloridas não seriam aceitáveis ​​com vestido de luto.) A tiara apareceu por último e é considerada o diamante flexível e o adorno de safira feito em 1842 como um presente do príncipe Albert, que Victoria sempre chamou de diadema. Ela sentiu que as safiras eram escuras o suficiente para combinar com o traje de luto.

A heráldica usada nas moedas incluía o detalhe do escudo real com as armas representando a Inglaterra duas vezes, a Escócia e a Irlanda, a coroa de St Edward & # 8217s e a Ordem da Jarreteira, mostrada aqui é a decoração incrustada de gemas da Rainha Vitória & # 8217s.

Quando se tratava de notação, libras eram representadas pelo símbolo £, um lance de volta para Libra, a unidade básica de peso no Império Romano, xelins por s., do latim solidus nummus significando moeda sólida, e pence por d., de denário, Latim para conter dez, uma pequena moeda romana de prata. Na palavra falada, as pessoas diriam algo como "É & # 8217será duas libras, um e quatro", que seria escrito £ 2.1s.4d., Ou £ 2.1.4., Ou tão simples como 2/1/4. A moeda de uma libra era a soberana, e a preferida por muitos por sua durabilidade, mas as notas (escritura de banco, notas de libra) eram muito mais fáceis e leves de carregar. Eu começarei com a menor denominação e aumentarei. Haverá um pouco de repetição, mas, como um guia rápido, geralmente seis perfis da Rainha Vitória foram usados ​​nas diferentes moedas: um busto jovem com o cabelo preso em um coque e um busto laureado (coroa no cabelo) com um manto drapeado sobre os ombros, uma Victoria de aparência mais velha com laureada e busto drapeado, um busto coroado com o cabelo de Victoria & # 8217 trançado e amarrado para trás, um busto Jubileu de Ouro e um busto velado com a Rainha usando sua tiara de diamante e safira. Havia muitas pequenas variações dos perfis que alteravam o cabelo, a grinalda, o manto ou as joias da Rainha & # 8217. As denominações mais baixas eram de cobre sólido até 1860 e, a partir de então, cunhadas no bronze muito mais duro e duradouro (uma liga de cobre, estanho e zinco). Uma pesquisa realizada pela Casa da Moeda Real em 1857 descobriu que cerca de um terço de todas as moedas de cobre estavam totalmente gastas e muitas delas vandalizadas. Os comerciantes martelavam anúncios nas moedas com socos ou com suas próprias matrizes rudimentares, e a imagem de Victoria & # 8217s era frequentemente alterada para incluir chapéus, pelos faciais, fumar cachimbo e etc. Existem exemplos e registros de moedas sendo transformadas em botões, uma mudança em relação aos séculos anteriores, quando botões de ouro, prata e latão eram usados ​​como moeda substituta. (No final do século e no início de 1900, moedas de denominações mais altas às vezes eram transformadas em pingentes e broches. Há alguns exemplos no final deste artigo.)

Metade de um centavo: feitas de cobre e valiam apenas um oitavo de um centavo, essas pequenas moedas tinham 18 mm de diâmetro e foram cunhadas muitos anos entre 1828 e 1856, originalmente destinadas ao uso no Ceilão. Durante o reinado de Victoria & # 8217s, eles foram produzidos dez anos: 1839, & # 821742 a & # 821744, & # 821747, & # 821751 a & # 821754 e & # 821756. Um busto da jovem rainha aparecia no anverso (frente), e no reverso dizia MEIO FARTHING com uma coroa acima e uma rosa abaixo, então em 1842 e anos seguintes a adição de um cardo e trevo com a rosa, porque a moeda tornou-se com curso legal em todo o Reino Unido. Se é Victoria & # 8217s Imperial State Crown ou St. Edward & # 8217s Crown (que se parecia muito) é discutível, mas a maioria inclina-se para o último porque o que parece ser a mesma coroa estava presente em moedas antes do reinado de Victoria & # 8217s . As moedas foram usadas na Grã-Bretanha e no Ceilão até serem desmonetizadas (não mais aceitas) em 1869. Também foram produzidos quartos de um quarto para o Ceilão e terceiros para Malta.

Quinze: datando do reinado de Carlos I, quando eram cunhados em várias formas de estanho ou cobre (ou uma combinação) e às vezes usados ​​como símbolos, durante o século 19 eles eram de cobre até 1860, quando mudaram para o bronze. Com valor de um quarto de centavo, durante o reinado de Victoria & # 8217, os anos do cobre tinham 22 mm de diâmetro e os anos do bronze 20 mm, e eram produzidos todos os anos, exceto 1837, & # 821770, & # 821771 e & # 821789. As moedas apresentavam um busto da rainha no anverso com a data abaixo, que mudou junto com o metal usado em 1860 para incluir um laureado e manto drapeado em seus ombros, e um busto mais antigo em 1874, então velho e velado em 1895 No reverso estava Britannia com um capacete, escudo e tridente, e uma rosa, cardo e trevo abaixo, então em 1860 um farol e veleiro foram adicionados, e a data apareceu abaixo. De 1838 até o final de 1859, as mesmas matrizes usadas para produzir os anversos do soberano de ouro foram usadas nos farthings. Farthings foram aceitos em circulação até 1960.

Halfpenny (ha & # 8217penny, hayp & # 8217ny): Como o farthing durante o reinado de Victoria & # 8217, o halfpenny foi cunhado em cobre até 1860, depois em bronze. O diâmetro permaneceu o mesmo, com 25,5 mm (cerca de uma polegada de diâmetro) e apresentava um busto da rainha no anverso semelhante ao farthing: o busto jovem com a data abaixo (1838-60) um busto laureado e coberto (1860- 73) uma Victoria de aparência mais velha com laureada e busto drapeado (1874-94) e um busto velado com véu (1895 a 1901). No reverso estava Britannia com MEIO PENNY ao redor da borda, e rosa, cardo e trevo abaixo, substituídos pela data em 1860. O farol e o veleiro foram adicionados em 1860, mas removidos em 1895, e o desenho de Britannia foi ampliado. Meios pennies foram produzidos para circulação até 1967.

Penny: cunhado pela primeira vez no século 8, na época em que Edgar se tornou rei da Inglaterra em 959, o penny foi aceito em todo o país. As moedas começaram feitas de prata, mas no final do século 18 mudaram para cobre e depois para bronze em 1860. Centavos eram cunhados todos os anos do reinado de Victoria & # 8217, apresentavam anversos com bustos da rainha e reversos com uma posição de Britannia sentada tridente e escudo, e tinha um diâmetro de 34 mm enquanto feito de cobre até 1860, então 31 mm quando feito de bronze a partir de então. Como o farthing e o meio penny, quatro bustos básicos de Victoria foram usados: um busto jovem (1838-60), um busto drapeado (1860-73), um busto drapeado mais antigo (1874-94) e um busto velado com véu (1895 a 1901). Como observado acima em relação ao meio penny, a data mudou, a rosa, o cardo e o trevo foram removidos e um farol e um veleiro foram adicionados em 1860. Então, em 1895, o farol e o veleiro foram removidos e a Britânia aumentada. Havia 12 centavos em um xelim e 240 centavos em uma libra, que é a palavra correta a se usar quando se refere a centavos somados. Quando você está segurando um punhado dessas moedas, elas são centavos; quando são colocadas juntas ou combinadas com outras moedas, o total ou valor torna-se centavos.

Penny-halfpenny (três half-pence, um e meio pence) eram pequenas moedas de prata postas em circulação na Jamaica e no Ceilão. Durante o reinado de Victoria & # 8217, eles foram produzidos de 1838 a 1843 e de 1860 a 1862.

Dois pence (estrelinhas, meia moeda), uma grande moeda de cobre (41 mm de diâmetro) com uma borda grossa (5 mm), cunhada apenas em 1797 com um laureado e perfil drapeado de Jorge III no anverso e Britânia segurando um ramo de oliveira e tridente no reverso. Cerca de 720.000 foram produzidos e permaneceram em circulação até a introdução das moedas de bronze em 1860, mas geralmente eram considerados pesados ​​demais para uso regular.

Três centavos (thruppence, thrup & # 8217ny): essas minúsculas moedas de prata (16 mm de diâmetro) foram cunhadas todos os anos do reinado de Victoria & # 8217s, exceto 1847, 1848 e 1852. O anverso apresentava um busto da rainha, o jovem perfil usado de 1838 a 1886, então um busto do Jubileu em 1887 e usado até 1893, depois um busto velado até 1901. O reverso representava uma coroa (provavelmente São Eduardo & # 8217s) e um grande número três, junto com o ano de emissão, tudo dentro uma coroa de flores. A coroa mudou em 1887 para coincidir com a coroa de luto da Rainha & # 8217s. Eles eram produzidos como esmolas ou "dinheiro abundante" para o soberano doar aos pobres na Quinta-feira Santa todos os anos, uma tradição que remonta a 1210, quando o rei João doava presentes aos pobres, e pequenas moedas de prata em 1213. A prática continuou esporadicamente em várias formas, e estava firmemente entrincheirado quando Victoria assumiu o trono como um serviço realizado na Capela Real, Whitehall, e depois de 1890 na Abadia de Westminster. Os pobres recebiam dinheiro e roupas, linho, sapatos & ampc. Cunhados em números limitados para o serviço e de qualidade inferior para a circulação normal após 1845, os três pence eram a moeda do reino e tinham que ser aceitos se oferecidos como pagamento, mas muitas pessoas coletavam e guardavam as moedas como lembranças anuais da Páscoa. Serviços. A cada ano, assim que o serviço religioso terminava, multidões se reuniam em torno dos participantes empobrecidos e pagavam-lhes quatro ou cinco vezes o valor de face das moedas. (De 1838 a 1844 moedas de três pence foram produzidas para uso nas Índias Ocidentais.)

Bit de quatro centavos (quatro centavos, joey, groat): essas moedas eram fabricadas com o mesmo diâmetro pequeno dos três centavos (16 mm), mas eram mais grossas e, portanto, um pouco mais pesadas. Groat era um nome tradicional para uma moeda de prata datada do século XIII. Durante o reinado de Victoria & # 8217, eles foram cunhados para circulação na Grã-Bretanha de 1838 a 1855 com um valor de quatro pence. As moedas apresentavam um jovem busto da rainha no anverso, e Britannia com a data abaixo no verso e QUATRO PENCE ao redor da borda. O apelido joey veio de Joseph Hume (Membro do Parlamento por Weymouth, Dorset), que fez campanha com sucesso pela reintrodução dos quatro centavos em 1836. A história diz que os toffs não queriam transportar moedas de cobre e as tarifas de táxi em Londres custavam em média quatro pence . Se fossem oferecidos seis pence, o taxista manteria o saldo como uma espécie de gratificação, a menos que o passageiro insistisse na troca. Então, o taxista pode dar 16 meio-farthings em troca.

Sixpence (curtidor, meio xelim): feito de prata e 19,5 mm de diâmetro, de 1838 a 1887 o anverso de sixpence apresentava um perfil jovem de Victoria com o cabelo em um coque, mas ela envelheceu ligeiramente em 1880. O reverso tinha SEIS PENCE dentro de uma grinalda, uma coroa acima e a data abaixo. Em 1887, uma versão Jubileu foi lançada com um busto muito mais antigo, coroado e coberto, e um escudo no verso. Algumas dessas moedas foram arrebatadas pela classe criminosa, que as passou como semi-soberanas após um revestimento de ouro, forçando a Casa da Moeda Real a retirá-las. O sixpence então retornou ao design reverso anterior, mas com a coroa de luto da Rainha & # 8217s. O busto do Jubileu permaneceu nas moedas até 1893, quando um busto velado com véu foi selecionado. O apelido & # 8220tanner & # 8221 provavelmente veio de John Sigismund Tanner (1705 a 1775), que foi o gravador-chefe da Casa da Moeda Real na Torre de Londres de 1741 até pouco antes de sua morte.

Xelim (bob): feito de prata com um valor de 12 pence e um diâmetro de 24 mm, os xelins foram cunhados todos os anos do reinado de Victoria & # 8217 (exceto 1847 na preparação da decimalização, e ainda assim foram produzidos 1848 e 1849 xelins) e três bustos foram usados ​​um busto jovem de 1838 a 1887, um busto Jubileu de 1887 a 1892 e um busto velado com véu de 1893 a 1901 (todos com numerosas pequenas variações). No reverso de 1838 a 1887 estava UM SHILLING circundado por uma coroa de flores, uma coroa acima e a data abaixo. Com o Jubileu em 1887, o reverso apresentava o escudo de armas reais com uma coroa e circundado por uma liga, a data abaixo, e com a mudança em 1893 vieram três escudos (Inglaterra, Escócia, Irlanda) com uma liga e UM SHILLING ao redor da borda , a data abaixo. O registro mais antigo de um xelim sendo chamado de bob vem de Old Bailey (o Tribunal Criminal Central ao lado da Prisão de Newgate) em 1789, quando era um hipócrita termo usado pela infame facção sem lei de Londres.

Florin (dois xelins, dois bob bit): Embora existisse um florim de ouro medieval, durante o reinado de Victoria & # 8217 ele era de prata e valia 24 pence. O parlamento estava debatendo a ideia de decimalização monetária e em 1849 introduziu uma moeda avaliada em um décimo de libra para testar a opinião pública. Este florim tinha 28 mm de diâmetro e um desenho incomum: o anverso retratava a Rainha usando uma coroa (a primeira vez desde Carlos II um monarca britânico apareceu assim) com VICTORIA REGINA e a data ao redor da borda. A coroa é provavelmente baseada em sua Coroa Imperial do Estado, mas foi alterada para se ajustar de forma congruente com a borda da moeda. O reverso tinha escudos cruciformes com coroas representando a Inglaterra (x2), Escócia e Irlanda, e uma rosa, cardo, rosa e trevo nos ângulos, e uma rosa no centro, circundada por UM FLORIM UM DÉCIMO DE UMA LIBRA. Moedas normalmente incluídas Dei Gratia (By the grace of God) as part of the inscription, but this didn’t, so many started referring to them as the Godless Florins. (Production of the half crown ceased in the hopes that this new coin would become popular and established, allowing a switch to ten pence to a florin, ten florins to a pound, but Brits stubbornly held out until 1971.) Although retaining the date 1849, the coins were struck in 1850 and 1851, then replaced by a new design in 1852, which lasted until 1887, with three profiles used over the years. The diameter increased to 30mm and Victoria aged a bit, but continued to wear a crown, and side plaited tied back hair. The script took on a decidedly Gothic look, included d.g., short for Dei Gratia, and the date in Roman numerals (which caused some confusion for the uneducated). The reverse still featured the cruciform shields and symbolic flora, but the centre changed to a floriated cross, and the wording was inscribed in Gothic-style letters. In 1887 a Jubilee bust florin was minted with a plain VICTORIA DEI GRATIA inscribed around her. The cruciform shields on the reverse were separated by sceptres at the angles, and the Garter Star in the centre, with no indication of the value. The size decreased slightly to 29.5 mm, and in 1893 the veiled bust was introduced with a further decrease in diameter to 28.5 mm. On the reverse were three three shields with a rose, thistle and shamrock, crossed sceptres, encircled by a garter, a crown above, and the date below, ONE FLORIN TWO SHILLINGS on the edge.

Half crown: First issued in 1526 as a small gold coin, during Victoria’s reign it was silver, had a 32 mm diameter, and equalled 2 shillings and 6 pence, or 30 pence (one eighth of a pound). From 1838 to 1850 the obverse featured a young bust of the Queen with her hair in a bun and the date underneath. The reverse portrayed a shield bearing the Royal Arms, encircled with a laurel wreath, a crown above, and a rose, thistle and shamrock below. There weren’t any half crowns minted for circulation from 1851 to 1873 because the florins were brought into use. When the half crown was reintroduced in 1874 it still had the old design, and didn’t change until Victoria’s Golden Jubilee, when the bust included a crown, jewellery and robe. The reverse retained the shield, with a garter and decorative ring replacing the laurel wreath, the crown changed to match the obverse, and a small mounted St. George slaying a dragon went below with the date. In 1893 an elderly veiled bust appeared, and the reverse simplified but retained most of the same design features.

Double florin: This coin appeared in 1887 with the new Jubilee coinage series, and was supposed to encourage the decimalization of the currency. A large silver coin (36 mm in diameter), it was worth one fifth of a pound, or 48 pence. The double florin was unpopular, people preferring the half crown, and issued for circulation only four years, ending in 1890. The obverse featured the usual Jubilee profile of the Queen wearing her little crown, mourning veil, jewellery and robe, and the reverse had four crowned cruciform shields representing England (x2), Scotland and Ireland, with sceptres in the angles and the Garter Star in the centre, the date above (similar to the Jubilee florin).

Crown: A coin dating back to 1526 (originally named the Crown of the Double Rose), during Victoria’s reign it was a large (38 mm), silver, and equalled 60 pence, or 5 shillings, or a quarter of a pound, and only minted for circulation a few years in the 1800s. The early issues (1844, 1845 and 1847) had a young profile of the Queen with the date below, and on the reverse a large shield bearing the Royal Arms, crowned and encircled by a laurel wreath, a rose, thistle, and shamrock below. Late in 1847 a small issue of 8,000 coins were struck in the Gothic-style and not meant for circulation (the style first appearing to the public on 1849 florin), with the Queen wearing her Imperial State Crown and robes, on the reverse was cruciform shields with crowns representing England (x2), Scotland, and Ireland, and a rose, thistle, rose, and shamrock in the angles, the Garter Star centred and trimmed down by the bases (bottom points) of the shields. From 1887 to 1892 a Jubilee coin was struck with the Queen wearing her little mourning crown and veil, jewellery and robe. The reverse portrayed a mounted St. George slaying a dragon with the date below. In 1893 an elderly veiled bust appeared on the obverse, the reverse remained unchanged, and was issued every year until 1900.

Half sovereign: Introduced in 1544 under Henry VIII, discontinued in 1604, then minted again starting in 1817 and throughout the 19th century, this gold coin was worth 120 pence, or 10 shillings, and during Victoria’s reign measured 19 mm in diameter. The obverse had a young bust (with slight variations) with the date below up until 1887 when the Jubilee bust was used and the date moved to the reverse. The elderly veiled bust started in 1893. The reverse sides featured the Royal Arms with the crown changing in 1887 to match the obverse, and in 1893 St. George slaying a dragon, with the date below.

Sovereign (pound): Equalling 240 pence, or 80 threepence, or 40 sixpence, or 20 shillings, or 10 florins, or 8 half-crowns, or 4 crowns, the gold sovereign was minted throughout Victoria’s reign with a diameter of 22 mm. The obverse featured a young bust (which aged slightly) with the date below from 1838 to 1887 when the Jubilee bust appeared. From 1893 to 1901 an elderly bust was used. The reverse started off featuring the Royal Arms with a crown and laurel wreath, a rose, thistle and shamrock below, then in 1887 changed to St. George slaying a dragon. Gold was shipped from Australia to London annually for the production of coins, and by 1855 a mint in Sydney opened, then one in Melbourne (1872), and in Perth (1899). The Sydney mint used different dies than the Royal Mint for fifteen years, so the sovereigns from 1855 to 1870 have greater variations.

Guinea, worth 21 shillings, a gold coin not commonly circulated after 1813, but the term remained in use and was applied to luxury items and the fees paid to professionals and artists. The name came from the Guinea coast which was famous for its gold.

A painted half penny pendant, a penny with Victoria altered into a fireman, and a heavily enamelled half crown brooch.

We hope you enjoy the articles and short stories presented here, and will join Kate in her adventures for many years to come.

Upon request, you will receive an inscribed copy of Kate Tattersall Adventures in China with every donation of $10 or more plus shipping. Please use the Contact Page to provide your shipping address and we will reply with your total.


Monetary Crime

Troughout the period up to the 1830s, the supply of coinage and currency remained a significant problem. Clipping and counterfeiting were particularly common and seen as especially heinous in the period leading up to the great recoinage of the 1690s. In the ten years prior to 1696 over four hundred coining offences are recorded in the Processos, representing over 10% of the court’s business. These offences declined in the first half of the eighteenth century, but became more frequent again from the 1760s. Throughout the nineteenth century a large number of men and women appeared at the Old Bailey charged with making and passing counterfeit coins. In terms of sheer numbers of cases, coining offences reached their high point in the 1860s, when over 2,300 cases were heard.

A 1 banknote issued by the Plymouth Dock Bank in 1823.

As well as coining offences, the rapid development of bills of exchange, small denomination bank notes issued by both the Bank of England and a large number of independent provincial banks, ensured a constant stream of forgery cases (the act of forging banknotes became a capital offence in 1697, while passing, or "uttering" forged notes became capital in 1725). During the Napoleonic Wars (1793 to 1815), the Bank of England was forced to suspend the convertibility of its currency with gold and to produce a series of new forms of currency. Between 1797 and 1821, the period known as the ‘restriction’, new, primarily copper coins and, most importantly, inexpensively produced 1 and 2 notes were brought into circulation. The poor quality of these notes led to a spate of forgeries, which in turn led to a high number of prosecutions led by the Bank itself, for both forgery and uttering forged notes. You can search the Processos for cases of forgery, and the Associated Records for the Bank of England's records relating to many of these prosecutions between 1719 and 1821.

Following the legal prohibition of most forms of trade tokens in 1817, and the collapse of many small provincial banks in the financial crisis of 1825 and 1826 (which helped to eliminate a wide range of competing forms of paper currency), British cash became more stable from the early 1830s. The death penalty for forging bank notes was changed to transportation (and later imprisonment) for life in 1832. At the same time, other financial instruments grew in ever greater complexity, opening the way to new forms of fraud and theft. Railway stock from the 1840s, and postal orders from 1881, took on many of the functions of currency, and were duly forged and stolen.

As the nature of the Central Criminal Court changed, particularly after 1834, fraud and forgery cases came to represent a growing proportion of trials. Whereas forgery and coining comprised less than 5% of all trials during the eighteenth century, by 1850 this figure had risen to over 20%, and remained between 10% and 20% of court business until the early twentieth century.


Images of black people

Dr Johnson - forbade his black servant to buy food for his cat © Black men and women found life in the UK infinitely preferable to the lives of punishing work they would have faced in the West Indies, but, though they were comparatively well treated, they were not treated as fully human.

Oil paintings of aristocratic families from this period make the point clearly. Artists routinely positioned black people on the edges or at the rear of their canvasses, from where they gaze wonderingly at their masters and mistresses. In order to reveal a 'hierarchy of power relationships', they were often placed next to dogs and other domestic animals, with whom they shared, according to the art critic and novelist David Dabydeen, 'more or less the same status'. Their humanity effaced, they exist in these pictures as solitary mutes, aesthetic foils to their owners' economic fortunes.

Owners often took it upon themselves to educate their 'possessions', and gave them lessons in accomplishments such as prosody, drawing and musical composition

Until the abolitionist movement of the 1770s and 1780s began to challenge existing stereotypes about the moral and intellectual capacity of black people, it was not unusual for them to be portrayed as simians or as occupying the bottom rung of the great chain of being. They were also said to lack reason.

As late as 1810 the Encyclopaedia Britannica described 'the Negro' thus: 'Vices the most notorious seem to be the portion of this unhappy race. they are strangers to every sentiment of compassion, and are an awful example of the corruption of man left to himself.'

Nonetheless, more humane relationships between black servants and the nobility were not unknown. Owners often took it upon themselves to educate their 'possessions', and gave them lessons in accomplishments such as prosody, drawing and musical composition.

Dr Johnson famously left his Jamaica-born employee Francis Barber a £70 annuity, and refused to let him go and buy food for his cat, as he felt that 'it was not good to employ human beings in the service of animals'. Barber's last descendant still lives in the Lichfield area he's white, his children are all daughters, and the name will die out with this generation.


Other important coins in British history

Apart from the coins which were in use right up to decimalisation in 1971, there are a number of other coins which are still remembered even though they may have been demonetised years – if not centuries – ago. Let’s look at some of them: the sovereign, the guinea and the groat.

The sovereign

The first sovereign was first minted in 1489 and showed Henry VII on the throne with the Royal Coat of Arms, shield and the Tudor rose on the reverse. Worth 20 shillings, it was the original £1 pound coin although the fact that it was made of gold shows you its purchasing power. Successive monarchs continued the tradition and Elizabeth I added a half sovereign. When James I ascended to the throne from Scotland (where he was known as James VI) he preferred the symbolism of calling the sovereign a ‘unite’.

The Coinage Reform of 1816 saw the re-issue of both the sovereign and the half sovereign (or 10 shillings). However, production of both coins was stopped during the 1st World War.

Both gold sovereigns and half sovereigns are still issued today by the Royal Mint but only as commemorative coins.

The guinea

Supposedly given its name because its gold was minted from Guinea in Africa, the guinea was originally issued in 1663 with a value of 20 shillings (later 21) and for a time took the place of the gold sovereign. Guineas worth half a guinea, two guineas and five guineas followed a few years later. The value of the guinea was allowed to fluctuate according to the price of gold so at one point in the late 17th century, it reached a high of 30 shillings. A 1/3rd of a guinea coin followed in 1797 but it never became popular.

Even though the guinea was replaced by the sovereign in 1817, there was incredible loyalty to the guinea so that until 1971 auction houses would still quote prices in guineas even though there was no longer an equivalent coin. As a result, the guinea was traditionally represented as £1,1s and the shilling would be given as a tip or service charge.

It also gave rise to the definition of an English gentleman – someone who pays his tradesmen in pounds but his tailor in guineas.

The florin was Britain’s first decimal coin though they were initially unpopular because of the inscription on them.

Half crowns were demonetised before decimalisation but crowns are still minted as commemorative coins with a value of £5 as legal tender.

Sovereigns, dating back to 1489, were the precursor of the £1 coin (minted in gold) and are now issued as commemorative coins.

Guineas replaced sovereigns for a time and prices were still quoted in guineas up to 1971 even though they’d been demonetised in 1817.

The groat

The name of the groat comes from the Middle English/Dutch word ‘groot’ meaning ‘great’. It was given this nickname because it was so much larger than the penny. The groat was a silver four-penny coin (or 1/3rd of a shilling), which was first minted in 1279. In 1344 a half groat was also issued. The groat continued to be used up to 1855 although the last minting of the groat was for use in the British West Indies (1888) and had a crowned number 4 or a picture of Britannia on the reverse.

The groat was also nicknamed a ‘joey’. It took its name from Joseph Hume, a 19th century MP, who argued to retain the groat since it was the price of a standard hansom cab fare in London. The problem being that if cab drivers were given a sixpence, they’d pretend not to have change so they could keep the 2d as a tip. The groat is still remembered in many traditional songs and nursery rhymes.

Riddle me, riddle me ree,
A little man in a tree
A stick in his hand,
A stone in his throat
If you’ll tell me this riddle,
I’ll give you a groat.

Answer to the riddle? A cherry

More interestingly, the groat is making something of a comeback. It’s been used as the currency in a number of books of fantasy as well as computer role-playing games. Perhaps because it sounds suitably ancient but not so well-known as other coins like the shilling or sovereign.

Other demonetised sterling coins

Have you heard of the gold Noble (worth 6s,8d)? What about the angel, spur ryal (15/-), rose ryal (30/-) or laurel (20/1)? Unless you’re a numismatist, it wouldn’t be a surprise if you hadn’t as the history of coin-making shows how much individual monarchs were able to influence the naming of new coins in Britain.

Why are There No Nicknames for Coins Nowadays?

When you read about the history of coins, one thing that probably strikes you is how much the British public developed a relationship with their coins and therefore gave them affectionate nicknames. Why doesn’t this happen nowadays? After all, decimal coins have been in use for nearly half a century.

In the early 1980s when pound coins were first introduced, in some areas of Britain they were called ‘Thatchers’ or ‘Brass Maggies’. The reason being that they were ‘brassy and thought they were a sovereign’. However, the nickname never really caught on.

Maybe the explanation is because we don’t have the same sense of familiarity with coins as people in the past. Although 40% of payments were made in cash in 2016 (according to the Payments Council), it’s not the same as labourers or workers in the early 20th century whose daily or weekly pay packets (of an average 14-17 shillings) were made up of coins.

Although groats (worth 4d) were demonetised in Britain in 1855, they’ve made a comeback in fantasy books and computer games.

Different coins were invented by previous British monarchs but many didn’t survive their reigns.

Despite nearly 50 years of decimalisation, the coins haven’t been given nicknames like previous pre-decimal coins.

Alternative forms of payment nowadays mean we don’t develop the same relationship with coins as people in the past who were paid in cash.


Assista o vídeo: Proclamação da Independência da Guiné-Bissau 1973