Edith Summerskill

Edith Summerskill


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Edith Summerskill, a filha mais nova do Dr. William Summerskill (1866–1947) e sua esposa, Edith Clara Wilde, nasceu em Doughty Street, Londres, em 19 de abril de 1901. Quando criança, ela acompanhava o pai em visitas domiciliares e ele lhe disse sobre as conexões entre pobreza e problemas de saúde. A Dra. Summerskill tinha opiniões políticas de esquerda e era uma forte defensora do sufrágio feminino.

Edith foi educada na Eltham Hill Grammar School e em 1918 ganhou uma vaga no King's College, onde estudou medicina. Treinada no Charing Cross Hospital, ela se qualificou como médica em 1924. No ano seguinte, ela se casou com o Dr. Edward Jeffrey Samuel (1895–1983).

Em 1928, Edith e seu marido estabeleceram uma prática médica conjunta no norte de Londres. Em uma entrevista que ela deu à BBC Radio 4 muitos anos depois, ela se lembra de ter assistido a seu primeiro confinamento como médica recém-formada. Chocada com o estado da casa e com a subnutrição da mãe, cujo primeiro filho tinha raquitismo, disse: "Naquela noite, naquele quarto, tornei-me socialista".

Em 1930, o Dr. Charles Brook conheceu o Dr. Ewald Fabian, editor do Der Sozialistische Arzt e chefe da Verbandes Sozialistischer Aerzte na Alemanha. Fabian disse que ficou surpreso com o fato de a Grã-Bretanha não ter uma organização que representasse os socialistas na profissão médica. Brook respondeu marcando um encontro para 21 de setembro de 1930 no National Labor Club. Como resultado, decidiu-se formar a Associação Médica Socialista. Brook foi nomeado secretário da SMA e Somerville Hastings, o deputado trabalhista de Reading, tornou-se o primeiro presidente. Outros membros iniciais incluíram Edith Summerskill, Hyacinth Morgan, Reginald Saxton, Alex Tudor-Hart, Archie Cochrane, Christopher Addison, John Baird, Alfred Salter, Barnett Stross, Robert Forgan e Richard Doll.

A Socialist Medical Association aprovou uma constituição em novembro de 1930, "incorporando os objetivos básicos de um serviço médico socializado, gratuito e aberto a todos, e a promoção de um alto padrão de saúde para o povo da Grã-Bretanha". A SMA também se comprometeu com a disseminação do socialismo dentro da profissão médica. O SMA estava aberto a todos os médicos e profissionais afins, como dentistas, enfermeiros e farmacêuticos, que fossem socialistas e subscrevessem os seus objectivos. As ligações internacionais foram estabelecidas através da Associação Médica Socialista Internacional, com sede em Praga, uma organização que havia sido criada pelo Dr. Ewald Fabian.

Em 1931, a SMA, após representações de Somerville Hastings e Charles Brook, tornou-se filiada ao Partido Trabalhista. No ano seguinte, em sua conferência anual do partido, foi aprovada uma resolução pedindo que um serviço nacional de saúde fosse uma prioridade imediata de um governo trabalhista. A SMA também lançou o jornal The Socialist Doctor em 1932. Summerskill era um membro ativo da SMA e, como John Stewart, o autor de A batalha pela saúde: uma história política da Socialist Medical Association (1999), apontou, "ela defendeu um serviço de saúde socializado, e foi ela quem teve a ideia de organizar eventos sociais tanto para arrecadar dinheiro quanto para atrair publicidade para a organização".

Summerskill, que estava na ala esquerda do Partido Trabalhista, desempenhou um papel ativo no apoio ao governo da Frente Popular durante a Guerra Civil Espanhola. Em 8 de agosto de 1936 foi decidido formar um Comitê Espanhol de Assistência Médica. Christopher Addison foi eleito presidente e a marquesa de Huntingdon concordou em se tornar tesoureiro. Outros apoiadores incluíram Summerskill, Somerville Hastings, Charles Brook, Isabel Brown, Leah Manning, George Jeger, Philip D'Arcy Hart, Frederick Le Gros Clark, Lord Faringdon, Arthur Greenwood, George Lansbury, Victor Gollancz, DN Pritt, Archibald Sinclair, Rebecca West, William Temple, Tom Mann, Ben Tillett, Eleanor Rathbone, Julian Huxley, Harry Pollitt e Mary Redfern Davies. Summerskill também esteve envolvida no estabelecimento do Apelo Nacional das Mulheres por Alimentos para a Espanha.

John Stewart apontou no Dicionário Oxford de biografia nacional que: "Como feminista, Summerskill prestou atenção especial às questões sociais e políticas das mulheres. Na década de 1930, ela foi franca em seus ataques à alta taxa de mortalidade materna prevalecente e pediu que os interesses da futura mãe sempre fossem priorizados pelos serviços de maternidade. Ela criticava especialmente os médicos negligentes e a provisão inadequada, apontando que uma proporção significativa das mortes no parto resultava de infecções evitáveis ​​e, portanto, desnecessárias. Previsivelmente, isso estava relacionado a reivindicações mais amplas de assistência médica com financiamento e administração pública serviço."

Summerskill foi escolhido como candidato parlamentar para Bury. Nas Eleições Gerais de 1935, ela foi atacada pela Igreja Católica Romana por apoiar o direito das mulheres ao controle da natalidade. Isso contribuiu para sua derrota e, no ano seguinte, foi adotada como candidata do Partido Trabalhista pelo eleitorado parlamentar de Fulham West. Summerskill ganhou a cadeira em uma eleição parcial em abril de 1938 e ela agora se juntou a dois outros membros da SMA, Alfred Salter e Somerville Hastings, na Câmara dos Comuns. Mais tarde naquele ano, Summerskill foi cofundador com Vera Brittain, Helena Normanton e Helen Nutting da Associação de Mulheres Casadas. A organização buscou relações de igualdade entre homens e mulheres no casamento.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a influência de Summerskill e da Socialist Medical Association aumentou. Em outubro de 1940, no início da Blitz, ela disse a seus colegas parlamentares que a organização dos serviços de saúde durante a guerra e o impacto da própria guerra mudaram de forma significativa e irreversível a oferta e a percepção dos cuidados de saúde. Junto com Somerville Hastings, ela foi membro do comitê consultivo do Trabalhismo em saúde pública, um órgão encarregado de formular propostas para um serviço nacional de saúde. Em 1944 ela se tornou membro da executiva nacional do Partido Trabalhista.

Summerskill foi devolvido à Câmara dos Comuns nas Eleições Gerais de 1945 como MP pelo Fulham West. Ela foi um dos doze membros eleitos da SMA e agora era um esforço concentrado para persuadir o governo a introduzir um Serviço Nacional de Saúde. Hastings era considerado muito velho para se tornar Ministro da Saúde, mas esperava-se que Clement Attlee nomeasse outro membro da SMA, como Edith Summerskill. No entanto, Attlee rejeitou este conselho e Aneurin Bevan foi nomeado em seu lugar.

Summerskill foi nomeado secretário parlamentar do Ministério da Alimentação. Como John Stewart apontou: "Esta sempre seria uma posição desafiadora em uma época de racionamento e austeridade - aspectos da vida pós-guerra com os quais o povo britânico estava se tornando cada vez mais desencantado. Entre suas campanhas estavam aquelas para tornar o leite grátis da tuberculose, uma questão na qual ela poderia recorrer a seus conhecimentos médicos. "

Em 1950, Summerskill tornou-se ministro do Seguro Nacional. No entanto, ela perdeu o cargo após a derrota do Partido Trabalhista nas Eleições Gerais de 1951. Nos oito anos seguintes, ela serviu no gabinete sombra do Trabalhismo. Ela também foi membro do executivo nacional do Partido Trabalhista e presidente do partido em 1954-1954. Em 1956 foi um dos palestrantes da famosa Trafalgar Square do Trabalhismo contra a Guerra de Suez.

Em fevereiro de 1961, Summerskill foi promovida a uma nobreza vitalícia. Ela era um membro ativo da Câmara dos Lordes e seu projeto de lei de membro privado bem-sucedido, tornou-se a Lei de Propriedade de Mulheres Casadas de 1964. Ela também apoiou a reforma da lei relativa à homossexualidade e para a legalização do aborto e fez campanha contra as armas nucleares e a intervenção americana no Vietnã. Em 1967, ela publicou sua autobiografia, A Woman's World.

Edith Summerskill morreu em sua casa em Millfield Lane, Highgate, em 4 de fevereiro de 1980.

Outros historiadores chegaram a conclusões amplamente semelhantes. Honigsbaum descreve detalhadamente o que ele vê como a "derrota" das políticas da SMA na década de 1940. Kenneth Morgan sugere que Bevan estava "totalmente familiarizado" com os argumentos da Associação e, em seguida, demonstra como o Ministro ignorou a maioria deles. Ele também, curiosamente, sugere que a SMA "teve sucesso em forçar" suas idéias na conferência do Partido Trabalhista em 1934; e faz a observação interessante de que as próprias experiências de Bevan o tornaram profundamente cético em relação aos "interesses ocultos de grupos de pressão de classe média, como a classe médica". Embora seja claramente o que o BMA Morgan tem em mente, vale a pena especular sobre como a classe trabalhadora Bevan respondeu aos conselhos - muitas vezes não solicitados - dados pela SMA, predominantemente de classe média.

Os biógrafos de Bevan e de sua esposa Jennie Lee também ajudam a esclarecer seu relacionamento com a Associação. Lee mais tarde lembrou dos problemas de seu parceiro em persuadir o parlamento e seus colegas trabalhistas dos méritos de seus planos de serviços de saúde. Esses problemas se deviam em parte, afirmou ela, aos ataques públicos de "cabeças-quentes, lideradas pela Associação Médica Socialista". A resposta particular de Bevan foi ver as demandas do "Dr. Stark Murray e seus colegas da Associação Médica Socialista" como "puras, mas impotentes", um comentário revelador de um político ao mesmo tempo com princípios e pragmatismo. John Campbell sugere que Murray, em particular, "nunca perdoou" o Ministro da Saúde do Trabalho por sua negligência em relação a uma exigência fundamental da Associação, os centros de saúde. Michael Foot, um grande admirador de Bevan, tem pouco a dizer diretamente sobre seu relacionamento com a SMA, embora afirme que a resolução da conferência da Associação de 1945 foi direcionada mais contra as ações dos ministros conservadores do governo do que para "o tipo de serviço que um governo trabalhista deve considerar ". Isso, pode-se argumentar, nos diz tanto sobre o desejo de Foot de deixar Bevan fora do gancho por ignorar a política trabalhista estabelecida quanto sobre a SMA.

Finalmente, Patricia Hollis, em sua biografia de Lee, vê Bevan como situado entre as demandas da SMA, "que elaborou as políticas de saúde do Trabalho"; e os da BMA. No final, ela continua, Bevan provavelmente estava certo em seu julgamento de que "a maioria dessas questões não importava muito", uma observação reveladora sobre a importância da democracia interna no Partido Trabalhista. No entanto, Hollis também observa que o esquema de Bevan teve "custos pesados", por exemplo, em suas estruturas administrativas, mas conclui que: "o

tensão em Nye, e em Jennie, como ele foi denunciado pela Socialist Medical Association por se trair, pela BMA por suas tendências despóticas, pelos conservadores ... e por seus colegas de gabinete por incorrer na ira de todos eles, foi imenso."

Na verdade, a SMA entendeu bem que qualquer ministro da Saúde enfrentava na BMA um grupo de pressão poderoso e politicamente bem conectado. Ele havia dedicado considerável energia, especialmente pós-Beveridge, para atacar o que considerava a principal atitude reacionária do corpo profissional, e isso continuou após a eleição do governo trabalhista. Um memorando interno da Associação reconheceu que Bevan enfrentou dificuldades em lidar com "interesses adquiridos", e que isso foi agravado pelas negociações secretas de Willink com a BMA. O Livro Branco, portanto, não era mais a base para prosseguir, levantando a possibilidade de que Bevan teria que buscar um acordo do Gabinete para novas propostas "cortando todas as discussões e dificuldades anteriores". Consequentemente, isso pode forçar a SMA a decidir se ela pode suportar um sistema não controlado pelas autoridades locais; em que os médicos eram remunerados por meio de sistema de captação; e em que a prática privada foi autorizada a continuar. Dado o plano de Bevan, esta foi uma análise presciente do dilema que a Associação logo enfrentaria.

O ponto principal, entretanto, é que, ao assumir seu cargo ministerial, Bevan não se sentiu obrigado a dar atenção especial à SMA, apesar de sua importante contribuição para a política de saúde do Partido Trabalhista até 1945; e que isso era algo que, sem surpresa, a Associação cada vez mais via como uma falha na estratégia do Ministro. O Serviço Nacional de Saúde, instituído por Bevan, oferece atendimento médico integral e universal, gratuito no local do consumo. A venda de consultórios de GP foi abolida; os hospitais foram efetivamente nacionalizados, contornando e eliminando a divisão voluntária / municipal; e o sistema era financiado com impostos gerais, e não por meio de uma versão estendida do seguro saúde. Tudo isso foi, por qualquer padrão, um grande e radical passo à frente no bem-estar social, e alcançado por negociações extremamente exigentes entre Bevan e a classe médica até o Dia Nomeado. A habilidade política de Bevan nessas circunstâncias difíceis, especialmente porque ele também era responsável pelo programa habitacional, não pode ser exagerada.

Por outro lado, os serviços de saúde não eram unificados. Foi criado um sistema tripartido, constituído pelo atendimento hospitalar (sendo os hospitais de ensino com estatuto especial próprio); prática geral; e restantes funções de saúde da autoridade local. A unificação e integração por meio de autoridades locais controladas democraticamente foram, portanto, rejeitadas. Nesse complexo sistema, a prática privada permaneceu e a condição de assalariada dos médicos foi abandonada em favor da remuneração por capitação. A maioria dos praticantes, portanto, continuou como contratados independentes. Além disso, a profissão médica (embora não outros profissionais de saúde) exerceu um poder considerável sobre o NHS, tanto em termos de administração quanto de política. Isso ocorreu às custas do controle democrático dentro do serviço e, possivelmente, pela sociedade como um todo.


Edith Summerskill nos arquivos

A série da Biblioteca LSE Mulheres: fazendo história destaca histórias de mulheres de alguns dos arquivos e coleções especiais mantidas na Biblioteca LSE. Curador Daniel Payne compartilha Edith Summerskill & # 8217s luta pelos direitos das mulheres & # 8217s.

Em seu primeiro discurso na Câmara dos Comuns como MP Trabalhista de Warrington, a Dra. Edith Summerskill disse:

“Há um ditado que diz que as mulheres não são boas com números, que não têm cabeça para números, mas lembro-me de que em todo este país, em milhares de lares, o Chanceler do Tesouro é uma mulher.”

Assim, começou uma carreira política que lutou pelos direitos das mulheres em todas as esferas, e levou a se tornar a Ministra do Seguro Nacional durante o governo trabalhista. Você pode ler todos os discursos de Edith no parlamento acessando o Hansard Online.

Salário igual para trabalho igual: alguma dúvida?

Edith foi atraída pela política depois de trabalhar como médica na casa dos vinte e trinta anos e vivenciar em primeira mão os efeitos da pobreza de longo prazo, da fome e de um serviço social inadequado.

Edith Summerskill na Conferência do Partido Trabalhista, 1949

Em 1938, ela se tornou MP do Fulham West. Em sua autobiografia, ela descreve o parlamento como "como uma escola para meninos que decidiu aceitar algumas meninas" e é lembrada de uma discussão que teve sobre o tema da igualdade de remuneração para as mulheres em seu tempo como vereadora no Conselho do Condado de Middlesex. Enquanto a discussão continuava, um jornalista entregou-lhe uma nota:

“Para Edith
Embora as palavras que tenho a dizer
Nunca foram feitos para irritar
A única chance de igualdade salarial para mulheres
É mudança de sexo ”.

Imagens de Edith Summerskill dos arquivos da Biblioteca LSE

Como Secretária Parlamentar do Ministério da Alimentação, Edith relembra em suas memórias sua primeira aparição perante o comércio de doces e confeitos diante dos “aristocratas do negócio” Sr. Mackintosh e Sr. Cadbury. Edith escreve:

“O departamento me deu um briefing, mas, tendo uma queda por doces, pensei em abrir com um lembrete de que ... como sempre gostei de alcaçuz, achei justo dizer que, enquanto o Sr. Mackintosh e o Sr. Cadbury gostavam desempenhou um papel importante na minha vida, mas gostaria, em algum momento, de conhecer o Sr. Percy Bassett. Houve uma gargalhada e da fileira de trás pulou um homenzinho rechonchudo charmoso que gritou: "Aqui estou, sou Percy Bassett". Depois disso, tudo foi fácil. ”

Edith Summerskill como Secretária Parlamentar do Ministério da Alimentação

Como médica, seu interesse pela saúde persistiu na política. Na década de 1930, ela e outros médicos formaram um grupo denominado Associação Médica Socialista, que pretendia ser um “projeto de um Serviço Nacional de Saúde que poderia ser implementado pelo próximo governo trabalhista”.

Recorte de jornal e fotografia de Edith Summerskill, data desconhecida

Edith escreveu muitas cartas para sua filha ao longo de sua vida, cobrindo uma variedade de tópicos. Shirley Summerskill viria a se tornar uma política trabalhista. Estes são publicados em “Cartas para minha filha”, disponível na Biblioteca Feminina da LSE. Sua carta final nesta coleção para sua filha termina assim:

“As sombras das mulheres que abriram o caminho para que você e eu pudéssemos ser livres para nos realizar pareciam sentar-se comigo nos bancos verdes de Westminster na noite passada. Sinto agora que você, por sua vez, avançará para destruir finalmente aqueles monstruosos costumes e preconceitos que têm assombrado a vida de gerações de mulheres ”.

Contribuição de Daniel Payne (Curador de Política e Relações Internacionais, Biblioteca LSE)

Os arquivos de Edith Summerskill estão disponíveis na Biblioteca LSE e incluem correspondência, notas de discurso, fotografias, efêmeras eleitorais, recortes de jornal e outros documentos. Também há material disponível na Biblioteca Feminina da LSE. Para saber mais e acessar este arquivo, dê uma olhada nas páginas da web de destaques da coleção da Biblioteca ou entre em contato.


O próximo em nossoSeries sobre mulheres parlamentares pela equipe de redação Hansard da Câmara dos Comuns.

Dame Irene Ward (1895-1980) e a Dra. Edith Summerskill (1901-1980) foram dois dos parlamentares mais antigos de seus partidos. Ambos lutaram por salários iguais e igualdade para as mulheres no local de trabalho, inclusive na própria Câmara dos Comuns.

Irene Mary Bewick Ward, Baroness Ward de North Tyneside por Bassano Ltd. Meia placa de vidro negativo, 25 de novembro de 1931. NPG x31247 © National Portrait Gallery, Londres

Franca e muitas vezes combativa no debate, a habilidade de falar em público de Ward levou à sua seleção como candidata parlamentar, mas ela teve que se candidatar ao Parlamento duas vezes antes de ser eleita Membro Conservador por Wallsend em 1931, que representou até 1945. Ela voltou ao Parlamento em 1950 como MP por Tynemouth e aposentou-se da Câmara dos Comuns em 1974.

Ward estava em casa com tópicos de bem-estar à indústria pesada - seu discurso inaugural foi sobre a Lei de Minas de Carvão em 1932. Em 1961, ela se tornou a primeira mulher a fazer uma pergunta a um primeiro-ministro. Seu zelo em defender a autoridade do Parlamento contra o Executivo rendeu-lhe uma exclusão de cinco dias em 1968, depois que ela protestou na frente do Macea sobre uma moção de guilhotina sobre o projeto de lei de finanças.

Ward era um parlamentar ativo e teve quatro projetos de lei privados para membros aprovados, que é um número recorde, em questões como a Lei de Direitos de Entrada (Conselhos de Gás e Eletricidade) de 1954 e uma medida de 1937 para dar mesada a residentes idosos de instituições pobres . Ela também atuou no Comitê de Contas Públicas em meados da década de 1960.

Ward foi uma grande defensora da igualdade de salários, levantando o assunto em um debate em 1950. Ela também abordou o caso da única repórter de Hansard, Jean Winder, e apelidou o Chanceler do Tesouro de “pequeno ditador” por bloquear uma mudança para pague-lhe o mesmo que os homens. Essa campanha foi vencida em 1953 e abriu o caminho para Ward, ao lado das parlamentares trabalhistas Edith Summerskill e Barbara Castle e a sindicalista do Ulster Patricia Ford, apresentarem uma petição de mais de 80.000 assinaturas em favor da igualdade de pagamento. Ward se tornou uma dama em 1955 e uma colega vitalícia em 1975.

Edith Summerskill, Baroness Summerskill, de Bassano Ltd. Negativo de filme de meia chapa, 16 de agosto de 1940. Oferecido por Bassano & amp Vandyk Studios, 1974. NPG x19469 © National Portrait Gallery, Londres

Edith Summerskill

Summerskill foi atraída para a política socialista ao testemunhar a pobreza e os problemas de saúde durante seu tempo como uma jovem médica, que ela descreveu em uma transmissão política do partido BBC em 1948. Ela foi uma das primeiras defensoras da saúde socializada e membro da Associação Médica Socialista, afiliada ao Trabalho. Ela foi eleita em 1938 como MP por Fulham West, mas depois que esse círculo eleitoral foi abolido, ela se tornou MP por Warrington em 1955.

Desde o início de sua carreira parlamentar, Summerskill teve um interesse particular em questões que afetam as mulheres, incluindo a igualdade de salários e emprego feminino, e questões médicas em particular, como o uso de anestésicos no parto. Em seu discurso de estreia, ela disse a famosa frase: "Há um ditado que diz que as mulheres não são boas com números, que não têm cabeça para números, mas lembro-me de que em todo este país, em milhares de casas, o Chanceler do Tesouro é uma mulher" .

Summerskill fundou a Associação de Mulheres Casadas, da qual se tornou presidente, em 1938, e também foi fundamental para estabelecer o grupo não-partidário Women for Westminster, que tinha como objetivo encorajar mais mulheres na política. No início da década de 1940, ela falou vividamente sobre as consequências da guerra pela igualdade de gênero e a "turbulência social" que resultaria de uma participação mais ampla das mulheres no local de trabalho. Como mostra um filme da Pathé, ela tinha orgulho de realizar os “três trabalhos do tamanho de um homem” de esposa, médico e deputado.

Summerskill foi nomeada Secretária Parlamentar no Ministério da Alimentação em 1945 e usou seu treinamento médico para encorajar uma nutrição melhor, apesar do racionamento. Ela foi nomeada Ministra do Seguro Nacional em 1951. Depois de entrar na Câmara dos Lordes em 1961, tornando-se a quinta mulher no mesmo nível vitalício a ser nomeada, ela permaneceu politicamente ativa e fez campanha pela liberalização das leis de homossexualidade e pela legalização do aborto, entre outras coisas. Sua filha, Shirley Summerskill, foi eleita MP em 1964.


Assista Yasmin Vossoughian ensinando a essas meninas sobre as mulheres pioneiras

Ada Lovelace (1815-1852): a primeira programadora de computador

A primeira programadora de computador do mundo, Ada Lovelace, foi uma matemática e escritora inglesa que ajudou seu mentor, o matemático Charles Babbage, a reconhecer que uma máquina de computação, que foi a precursora do computador, pode fazer mais do que cálculos.

Suas contribuições não receberam reconhecimento até 1953, quando B.V. Bowden republicou suas notas, que descreviam como códigos poderiam ser criados para uma máquina de computação lidar com letras e símbolos junto com números. Em 1980, o Departamento de Defesa dos EUA homenageou Lovelace ao nomear uma linguagem de computador recém-desenvolvida de "Ada".

A Rainha Elizabeth II também celebrou Lovelace recentemente em sua primeira postagem no Instagram, onde ela compartilhou a imagem de uma carta dos Arquivos Reais do Museu de Ciência de Londres.

Madame C. J. Walker (1867-1919): milionária que se fez sozinha e deu poder a mulheres afro-americanas

Nascida na Louisiana em 1867, Madame C.J. Walker se tornou uma das primeiras mulheres americano-americanas a se tornar milionária depois de inventar uma cadeia de produtos para cabelo e beleza em 1905. Sua inspiração foi sua própria condição no couro cabeludo que levou à queda de cabelo.

Walker também fundou a Madam C. J. Walker Manufacturing Company e iniciou um sistema de franquia que capacitou centenas de mulheres afro-americanas que tinham opções de emprego limitadas na época.

Alice Paul (1885-1977): abriu caminho para o direito das mulheres de votar

A ativista dos direitos das mulheres, Alice Paul, foi uma líder do movimento sufragista feminino nos EUA e mais tarde fundou o Partido Nacional das Mulheres com Lucy Burns. Paul foi uma figura-chave na promoção da aprovação da 19ª Emenda em 1920, que baniu a discriminação sexual no direito de voto, e introduziu a primeira Emenda de Direitos Iguais no Congresso em 1923. Paul continuou a fazer campanha pelos direitos civis e práticas de emprego justas .

Frances Marion (1888-1973): a roteirista mais bem paga de Hollywood

Frances Marion trabalhou como correspondente de combate durante a Primeira Guerra Mundial e foi conhecida como a primeira mulher a cruzar o Reno após o armistício. Mais de uma década depois, ela se tornou a mais famosa roteirista do século XX.

Ela foi a primeira escritora a ganhar dois Oscars. Em 1931, ela ganhou o Oscar de melhor história por "The Big House" e, um ano depois, o Oscar de melhor história por "The Champ". Com quase 200 créditos de escrita ao longo de sua carreira, ela também era conhecida como a roteirista mulher mais bem paga, ganhando US $ 50.000 por ano.

Septima Poinsette Clark (1898-1987): educadora e ativista dos direitos civis

O Dr. Martin Luther King Jr. chamou Septima Clark de "a arquiteta do movimento pelos direitos civis". Ela foi professora de alguns dos ativistas mais influentes, incluindo Rosa Parks, Diane Nash e Fannie Lou Hamer. Ela ensinou jovens estudantes por mais de 40 anos e também deu aulas informais de alfabetização para adultos. Clark trabalhou com a NAACP e outras organizações de direitos civis.

Cecilia Payne-Gaposchkin (1900-1979): líder em astronomia

Cecilia Payne-Gaposchkin, que obteve um Ph.D. em astronomia de Harvard, foi o primeiro astrônomo a descobrir que as estrelas são feitas principalmente de hidrogênio e hélio. Ela também se tornou a primeira professora e diretora de departamento de Harvard. Ela publicou vários livros durante sua vida, incluindo “The Stars of High Luminosity” e “Variable Stars and Galactic Structure”.

Edith Summerskill (1901-1980): defensora dos direitos iguais para as mulheres

A política e médica britânica Edith Summerskill era uma defensora destemida da igualdade de direitos para donas de casa e mulheres divorciadas. Seus esforços levaram à aprovação da Lei de Propriedade de Mulheres Casadas em 1964, que autorizava uma mulher a ficar com metade de todas as economias que tivesse feito com a mesada dada por seu marido, e a Lei de Casas Matrimoniais em 1967, que permitia que uma mulher ficasse em sua casa matrimonial após o divórcio.


Edith Summerskill

Sua conta de acesso fácil (EZA) permite que os membros de sua organização baixem conteúdo para os seguintes usos:

  • Testes
  • Amostras
  • Compósitos
  • Layouts
  • Cortes ásperos
  • Edições preliminares

Ele substitui a licença composta on-line padrão para imagens estáticas e vídeo no site da Getty Images. A conta EZA não é uma licença. Para finalizar seu projeto com o material que você baixou de sua conta EZA, você precisa obter uma licença. Sem uma licença, nenhum outro uso pode ser feito, como:

  • apresentações de grupos de foco
  • apresentações externas
  • materiais finais distribuídos dentro de sua organização
  • qualquer material distribuído fora de sua organização
  • quaisquer materiais distribuídos ao público (como publicidade, marketing)

Como as coleções são atualizadas continuamente, a Getty Images não pode garantir que qualquer item específico estará disponível até o momento do licenciamento. Reveja cuidadosamente todas as restrições que acompanham o Material licenciado no site da Getty Images e entre em contato com seu representante da Getty Images se tiver alguma dúvida sobre elas. Sua conta EZA permanecerá ativa por um ano. Seu representante Getty Images discutirá uma renovação com você.

Ao clicar no botão Download, você aceita a responsabilidade pelo uso de conteúdo não lançado (incluindo a obtenção de todas as autorizações necessárias para seu uso) e concorda em obedecer a quaisquer restrições.


Serviço de streaming premiado de documentos completos para fãs de história, observadores reais, aficionados por cinema e entusiastas de trens amplificadores. Visite britishpathe.tv British Path & eacute agora representa a coleção histórica da Reuters, que inclui mais de 136.000 itens de 1910 a 1984. Comece a explorar!

As origens da Lei de Discriminação Sexual de 1975

Nem todo mundo para a cura da insônia é estudar os arquivos da Hansard, mas aqui segue um tópico (que eu poderia continuar a acrescentar, dependendo de futuras incidências de insônia) sobre as origens do Sex Discrimination Act 1975.

Recebeu o consentimento real em 12 de novembro de 1975 e é considerada uma legislação histórica para os direitos das mulheres no Reino Unido. Muitos dos princípios contidos na Lei foram transportados para legislação posterior, como a Lei da Igualdade de 2010.

A ONU designou 1975 o Ano Internacional da Mulher & # 8217s e parece ter havido muito trabalho na corrida para explorar a discriminação contra as mulheres, como este trecho de & # 8216A História Oficial do Serviço Civil Britânico & # 8217 (por Rodney Lowe) indica.

Margherita Rendel declara em 1978 (& # 8216 Legislação por Igualdade de Salário e Oportunidade para Mulheres na Grã-Bretanha & # 8217) que houve uma tentativa malsucedida de alterar a Lei de Relações Raciais (que se tornaria uma Lei em 1965) para que abrangesse a discriminação contra as mulheres.

Rendel prossegue observando que em cada sessão parlamentar subsequente, foram feitas tentativas de apresentar um projeto de lei de membro privado & # 8217s sobre a discriminação contra as mulheres. Eles receberam apoio crescente na Câmara dos Comuns, mas foram derrotados.

Por fim, o Projeto de Lei Antidiscriminação, derrotado na Câmara dos Comuns, foi apresentado na Câmara dos Lordes em 1971 pela Baronesa Seear, membro do Partido Liberal. Nesse ponto, Seear também era presidente da Fawcett Society.

Excepcionalmente, o projeto de lei foi encaminhado a um comitê seleto, que levou dois anos reunindo evidências sobre a discriminação enfrentada pelas mulheres. Concluiu por unanimidade que era necessária legislação.

Rendel afirma que os membros conservadores do Comitê Seleto & # 8220 defenderam furiosamente seu relatório no plenário da Câmara dos Lordes contra as tentativas de seus líderes partidários de denegrir suas recomendações & # 8221. Agora mergulharemos em um debate na House of Lords em 14 de maio de 1973 & # 8230. Você pode ler a transcrição de Hansard aqui.

A Baronesa Seear dá início ao debate, primeiro agradecendo ao Presidente do Comitê Seleto, Lord Royle. (Você notará que o que era o Projeto de Lei Antidiscriminação foi renomeado como Projeto de Discriminação Sexual. Eu não fui capaz de estabelecer o ponto exato em que isso aconteceu.)

Lord Royle começa observando o quão incomum em termos de procedimentos é um projeto de lei ser encaminhado a um comitê seleto. (Um processo semelhante ocorreu na Câmara dos Comuns. Daí sua referência à & # 8220 atividade paralela em outro lugar & # 8221).

Alguma frustração expressada por Lord Royle, que leu na imprensa a sugestão de que o Governo não pretendia prosseguir com a legislação, mas em vez disso apresentar legislação própria na próxima sessão parlamentar.

O Ministro, Visconde Colville de Culross responde indicando que embora o Governo esteja & # 8220 totalmente em simpatia com os propósitos subjacentes do Projeto de Lei & # 8221, eles têm várias reservas.

É interessante observar este comentário do Visconde Colville: & # 8220 a natureza da discriminação em razão do sexo é diferente da discriminação em razão da raça. Isso ocorre tanto em escala quanto na história, embora possa ser que ambos tenham raízes semelhantes no preconceito. & # 8221

Podemos ver as origens das exceções para pessoas do mesmo sexo e dos Requisitos Ocupacionais Gerais (ambos os recursos da EA 2010): & # 8220 Também é provável que haja muitos empregos onde o gosto público ou a decência estabelecem, de qualquer forma, uma forte presunção em favor do emprego de um sexo ou outro. & # 8221

Em seguida, o ministro passou a falar sobre educação. Mesmo quatro décadas e meia depois, ainda é chocante ver esses números sobre o número de meninas na educação. Mas também um lembrete do progresso que houve.

O Comitê Selecionado parece ter recomendado que deveria haver um movimento em direção à descontinuação das escolas para pessoas do mesmo sexo. O Ministro objeta, dizendo: & # 8220O Governo considera correto que seja mantida a maior liberdade possível de escolha dos pais. & # 8221

O Ministro expressa a esperança de que haja uma mudança no & # 8220 clima social & # 8221 que permita que meninas e meninos estudem qualquer matéria de sua escolha. (& # 8220Em princípio, acho uma boa ideia que os meninos cozinhem e que as meninas saibam como consertar fusíveis. & # 8221)

Encerrando seu discurso, o Ministro passa algum tempo falando sobre como configurar um órgão de fiscalização. É interessante notar que ele também lamenta & # 8220 a falta de orientação sobre as exceções de que falei anteriormente & # 8221.

Lord Maybray-King (Labour) then asks why the Government has not sought to amend the Bill and the Minister replies confirming press reports that they intend instead to bring forward their own legislation, for which they will produce a consultative document “as soon as possible”.

Next up is Baroness Summerskill (Labour). She is evidently unhappy (angry?) to learn that the the work of the Select Committee is to be abandoned in favour of a Government bill down the line.

Interesting aside: Edith Summerskill was the grandmother of Ben Summerskill, who was the CEO of Stonewall from 2003-2014.

Back to the debate. Intervention from Lord Shackleton (Labour) who is unhappy with the Government position. He also says: “I find it quite extraordinary to use the fact that there are now more highly educated women than ever before as an argument that everything is all right.”

Lord Shackleton is adamant that a legislative approach is required to tackle discrimination against women.

Lord Reigate (Conservative), another member of the Select Committee, also expresses his exasperation at the Government’s plans, saying: “I hesitate to accuse my own Government of discourtesy, but I think that in fact we have been rather discourteously treated.”

He goes on to emphasise that he was not an enthusiast for a legislative approach, but that he changed his mind as he was “amazed by the degree and the wide field of prejudice which exists, and which exists most importantly of all to the damage of our economy”.

Baroness Wooton: “The principal difference is that in the case of race it is a discrimination of the majority against the minority, and in the case of sex it is a case of discrimination of the minority against the majority of the population of this country.”

Side note: Baroness Wooton studied Classics and Economics at Girton College, Cambridge from 1915 to 1919, winning the Agnata Butler Prize in 1917. She gained a first class in her final exams, but as a woman she was prevented from appending BA to her name.

Anger from Baroness Summerskill and Lord De Clifford that the Minister (Viscount Colville) did not intend to engage in the debate further. The Minister responds saying they are wrong to presume that the work of the Select Committee was in vain.

Baroness Seear re-enters the debate, emphasising that the Committee was of the wrong view that it had accumulated sufficient evidence that the legislation was required. She again advances the idea that single sex schools should be phased out in order to tackle sex discrimination.

His concluding remarks spark this very entertaining (!) exchange between him and Baroness Phillips (Labour). Side note: Baroness Phillips’ daughter Gwyneth Dunwoody would later become a Labour MP.

More discussion about the idea of a General Occupational Requirement and whether the Bill should contain an exhaustive list of occupations or whether it should evolve in line with developing case law.

Compartilhar isso:

Assim:

We believe that it is important to share a range of viewpoints on women’s rights and advancement from different perspectives. WPUK does not necessarily agree or endorse all the views that we share.


Would the right hon. Lady also read the letter from Mr. J. W. Graham in reply to the article in the Lancet?

I am trying to quote some absolutely objective authorities. A few skilled experts may escape, but after about fifty fights in a few years the ordinary fighter begins to show unmistakable signs of deterioration. [Laughter.] Hon. Members opposite are giving me my case without my having to make a speech. The boxer then fails to time his blows properly because the damage to his brain has caused cerebral atrophy. His defence is inadequate and he is soon a back number. The great tragedy, however, is his loss of mental health, his capacity to concentrate and, very often, to co-ordinate his movements and to hold down a responsible job. No amount of medical inspection can make the sense organs less vulnerable or the bone of the temple any thicker.

It is generally agreed that no instrument has yet been invented which can detect the small haemorrhages and the torn fibres of the brain which a boxer sustains in the course of a fight and which, if repeated over the years, produce the condition of punch-drunkenness. When the symptoms appear it is too late to hope that a rest will result in a cure. These injuries do not heal and the destruction of the brain cells is permanent. The frontal lobes which are damaged in this way are those parts which control man's highest functions, namely, his power to co-ordinate his movements, to restrain his impulses and to exercise his power of self-control.

It is argued that individuals watching fights which are accompanied by hysterical yells as the pace quickens and the contestants show signs of wear and tear are worthy men who should be allowed to enjoy their leisure as they think fit. The fact is that the circumstances of a fight unleash sadistic impulses, which are revealed in the ugly behaviour which so often accompanies a prize fight. I would remind the House that cock-fighting was prohibited not for the sake of the cock but because such a display caters to the basest instincts and is calculated to deprave the onlookers.

Can anybody sensibly suggest that the screaming crowd round a boxing ring is having implanted in it the fine qualities of pluck, endurance and restraint? We are told by those in this business that the sole object in view is to give the spectators a display of a sport regulated by rules calculated to ensure the maximum enjoyment of boxing techniques. If that is so, why are these bouts accompanied in the newspapers and on the radio by a commentary deliberately phrased to emphasise the brutal element?

I appeal to hon. Members on both sides to recognise that it is of the utmost importance to control by example the destructive impulse. Our prisons today are overfull of young men guilty of physical assault. This is not a problem peculiar to Britain. Other countries have recognised the harmful effect of these displays. Iceland has led the world and has set an example by making boxing illegal, and powerful anti-boxing movements in Sweden and Belgium have succeeded in introducing certain regulations. One cannot speak too strongly about the pernicious example set to adolescent youth who week after week in their own homes watch violent scenes glamourising brutality which yet have official sanction.

Has not the time arrived when Parliament should take steps to protect our young people from the men who organise these displays on highly profitable business lines? Today I am asking permission to introduce a Bill in order that the whole question may be examined.


Edith Summerskill - History

The interactive parts of this resource no longer work, but it has been archived so you can continue using the rest of it.

"Keep mum – she's not so dumb" - Charcoal, gouache, ink & pastel on board.

"Keep mum – she's not so dumb"

A careless talk poster, illustrated with the figure of a blonde-haired woman reclining, and officers from each branch of the Armed Forces about her, with the slogan ‘Keep mum – she's not so dumb!' The slogan was an adaptation of the 1940 campaign, ‘Be Like Dad, Keep Mum', which had so enraged the Labour MP Dr Edith Summerskill.

The campaign was issued in 1942, for the attention of all ranks, with this particular image intended for officers' messes and other places where the commissioned ranks met. At the end of May, Advertiser's Weekly noted that ‘sex appeal' had been introduced in the form of a beautiful spy, who they insisted on ‘christening Olga Polovsky after the famous song'. In June 1941 they further noted that, having covered public house talk, wayside conversations with strangers, and ‘harmless chat' with friends when on leave, the government believed they had identified ‘the major problem' at last. The campaign was to make a direct appeal along the lines of ‘Cherchez la femme', as a reminder that ‘when in the company of a beautiful woman, remember that beauty may conceal brains'. Service personnel seemed particularly ready to disclose their station and line of work.


Edith Summerskill (1901-80)

Edith Summerskill original David Low caricature portrait artwork.

Edith Summerskill’s childhood experiences of accompanying her father on home visits exposed her to the reality of poverty and ill health and galvanised her to study medicine. She was an early member of the Socialist Medical Association. Throughout the 1930s and 1940s, she put forward the case for a socialised health service, and it was she who came up with the idea of organising social events both to raise money and to attract publicity to the organisation. Such middle-class professionals, and especially women, were relatively rare in the Labour Party at this time, dominated as it was by male trade unionists. In 1934 she won a by-election to Middlesex County Council and she represented the working-class Green Lanes division of Tottenham until 1941. In 1944 she became a member of Labour's national executive committee, a sign of her rising status, and served on it until 1958 she was party chairman in 1954-5. After the 1945 general election Summerskill, a great admirer of Clement Attlee, received her first major post as parliamentary secretary at the Ministry of Food. In 1950, and a further sign of Attlee's confidence in her, Summerskill became minister of national insurance. She had little time to settle in this post, however, before Labour's defeat at the 1951 general election. From 1951 until 1959 she served on Labour's shadow cabinet. In the late 1940s and 1950s she implacably opposed Aneurin Bevan and his supporters. During the election campaign in 1951 Summerskill told an election rally that Bevan was not the architect of the National Health Service, only its midwife, and that credit for the service should be given to those, such as herself, who had campaigned for socialised medicine since the 1930s. In February 1961 Summerskill was made a life peeress.


Assista o vídeo: Edith Piaf - L Accordeoniste


Comentários:

  1. Morrey

    Obrigado por sua ajuda neste assunto, eu também gostaria de algo que você pode ajudar?

  2. Beaufort

    Desculpe-me por interrompê-lo, mas você não poderia dar mais informações.

  3. Batair

    Na minha opinião você não está certo. Estou garantido. Eu sugiro isso para discutir. Escreva para mim em PM, vamos conversar.

  4. Timmy

    Informações bastante divertidas



Escreve uma mensagem