Francis Dodd

Francis Dodd


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Francis Dodd nasceu em Glasgow em 1874. Ele se formou na Glasgow School of Art e desenvolveu uma reputação como um dos principais retratistas da Grã-Bretanha.

Em 1916, Charles Masterman, chefe do War Propaganda Bureau (WPB), recrutou Dodd para substituir Muirhead Bone, como o artista de guerra oficial da Grã-Bretanha na Frente Ocidental. Enquanto na França, ele produziu mais de trinta retratos de oficiais militares seniores.

Em 1929, ele se tornou um curador da Tate Gallery e um RA em 1935.

Francis Dodd morreu em Blackheath em 1935.


Francis Dodd


Nascido em Holyhead, País de Gales, Francis Dodd era filho de um ministro wesleyano. Ele treinou na Glasgow School of Art, antes de se estabelecer em Londres em 1904. Durante a Primeira Guerra Mundial, Charles Masterman, o chefe do War Propaganda Bureau, nomeou Dodd um artista de guerra e o contratou para servir na Frente Ocidental aqui que ele produziu. trinta retratos de militares seniores. Após a guerra, Dodd voltou sua atenção para aquarelas e encomendas de retratos.

Criado durante uma visita à Itália, Verona - Vista da Piazza delle Erbe é uma gravura e ponto seco da Piazza delle Erbe (Praça das Ervas), a principal praça do mercado de Verona. Durante o Império Romano, a Piazza era o fórum da cidade e fazia parte da Corte Romana de Verona. Com suas lojas e história, ela tem sido o centro da vida econômica e política da cidade há séculos. A vista específica da Piazza delle Erbe é o Palácio Maffei na parte noroeste da praça. A família Maffei comprou uma propriedade na praça no século XVII e construiu um belo palácio. A grande casa foi projetada em estilo barroco e fica um pouco mais alta do que o terreno da praça para expor as ruínas do antigo Capitólio Romano abaixo. Com o tempo, a família acrescentou um corrimão adornado com estátuas de seis deuses romanos e gregos, bem como o ponto focal do palácio, seu tour de force escada helicoidal, que se curva no centro do edifício. O palácio é agora um restaurante popular na Praça.

A água-forte e a ponta seca de Dodd também representam uma coluna de mármore, que contém uma estátua do Leão de São Marcos. Esta característica é um aspecto curioso da Piazza delle Erbe, já que o Leão é um símbolo da República de Veneza. Verona juntou-se à República de Veneza em 1405, mas a cidade foi capturada por Maximiliano I em 1508 e permaneceu sob as mãos do Império até 1517. Após o retorno de Verona à República, os cidadãos celebraram colocando um monumento ao Leão de São Marcos na praça, significando a fidelidade de Verona à República de Veneza.

A gravura de Dodd em Verona data de 1914, exatamente quando a Primeira Guerra Mundial estava começando. É um ótimo exemplo de seu trabalho em meio de carreira, caracterizado por linhas ricas e aveludadas. Dez anos depois - após a experiência de Dodd como pintor de retratos em tempos de guerra - seu trabalho demonstra uma especialização aprimorada. Há uma qualidade suave e desfocada em suas impressões anteriores, incluindo Verona - Vista da Piazza delle Erbe, isso não é tão visível em seus trabalhos posteriores, mais detalhados, onde experimentou cores mais profundas.

Francis Dodd viveu e trabalhou em Blackheath, Londres até sua morte em 1949.


Sonora Louise Smart Dodd (1882–1978)

Sonora Louise Smart Dodd é conhecida como o “Dia das Mães dos Pais”. Ela começou a tentar fazer do Dia dos Pais um feriado oficialmente reconhecido em 1909.

Sonora Smart nasceu em 18 de fevereiro de 1882, em Jenny Lind (Condado de Sebastian), filha de William Jackson Smart, um fazendeiro e veterano da Guerra Civil, e de Ellen Victoria Cheek Smart. Ela era a mais velha de seis filhos e a única menina. Quando Smart tinha cinco anos, sua família deixou Arkansas e se estabeleceu em Spokane, Washington, onde ela morou pelo resto de sua vida. Em 1898, sua mãe morreu no parto e Smart ajudou seu pai a criar seus irmãos mais novos.

Smart se casou com John Bruce Dodd, um corretor de seguros, em 4 de novembro de 1899, e eles tiveram um filho, Jack Dodd, em 1909. Em 1909, Dodd ouviu um sermão na igreja sobre o Dia das Mães, que recentemente se tornou um feriado reconhecido, e ela perguntou por que não havia Dia dos Pais. Em 6 de junho de 1910, Dodd sugeriu estabelecer esse feriado para a Spokane Ministerial Association e a Young Men’s Christian Association (YMCA). O primeiro Dia dos Pais foi celebrado em Spokane em 19 de junho de 1910, quatorze dias após o aniversário do pai de Dodd.

Embora o feriado proposto tenha ganhado muitos apoiadores ao longo dos anos, incluindo os presidentes Woodrow Wilson e Calvin Coolidge, levou várias décadas para ser reconhecido nacionalmente. Em 1966, o presidente Lyndon B. Johnson declarou 19 de junho daquele ano como o Dia dos Pais. Finalmente, em 1972, o Presidente Richard M. Nixon fez do Dia dos Pais um feriado nacional permanente a ser celebrado anualmente no terceiro domingo de junho.

Além de seu trabalho estabelecendo o Dia dos Pais, Dodd era uma artista e poetisa, e ela escreveu um livro infantil sobre os nativos americanos de Spokane.

Dodd morreu em 22 de março de 1978 e está enterrado no Greenwood Memorial Terrace, em Spokane.

Para obter informações adicionais:
“Arkansas Native, Proponente do Dia dos Pais morre às 96.” Arkansas Gazette, 23 de março de 1978, p. 16A.

“Morre a mulher que comemorou o primeiro dia dos pais.” Arkansas Democrat, 23 de março de 1978, p. 5B.


Francis Dodd - História

Billy Francis Dodd nasceu em 29 de dezembro de 1948. De acordo com nossos registros, a Califórnia era sua residência ou estado de alistamento e o condado de Los Angeles incluído no registro arquivístico. Temos Wilmington listado como a cidade. Ele havia se alistado no Exército dos Estados Unidos. Entrou no serviço militar regular. Servido durante a Guerra do Vietnã. Ele começou sua turnê em 22 de agosto de 1968. Dodd tinha o posto de especialista cinco. Sua ocupação militar ou especialidade era Reparador de Helicópteros. A atribuição do número de serviço foi 561708059. Anexado à 101ª Divisão Aerotransportada, 101º Batalhão de Aviação, Companhia B. Durante seu serviço na Guerra do Vietnã, o Especialista do Exército Five Dodd passou por um evento traumático que acabou resultando na perda de vidas em 10 de fevereiro de 1970. Circunstâncias registradas atribuídas a: Morreu em ação não hostil, homicídio acidental. Local do incidente: Vietnã do Sul, província de Thua Thien. Billy Francis Dodd foi morto por um ferimento acidental de arma de fogo. ele foi originalmente enterrado no cemitério de Wilmington, Califórnia, onde seus pais viviam. Mais tarde, ele foi transferido para o Memorial Ringling, Condado de Jefferson, Oklahoma, onde seus pais estão enterrados. Billy é homenageado no Memorial do Veterano do Vietnã em Washington DC. Nome inscrito na Parede VVM, Painel 14w, Linha 120.

Francis Bacon

Elizabethan Inglaterra era tudo menos uma sociedade livre. Como a Europa continental na época, a autoridade das monarquias e da Igreja era indiscutível. Os soberanos detinham o poder de vida ou morte sobre seus súditos. As autoridades encorajaram os informantes & # 8211 espiões & # 8211 a entregar hereges e radicais políticos, que foram torturados em confissões antes de suas execuções. A Inglaterra estava dividida quanto à religião, e seu renascimento que se aproximava era apenas um lampejo nas mentes de uma minúscula elite erudita.

Em meio a esse cenário instável, Elizabeth 1 subiu ao trono em 1558. Na época em que Carlos I subiu ao trono em 1625, a língua inglesa havia se transformado e o comércio e o comércio ingleses lideravam o mundo. A América estava sendo colonizada e as bases foram estabelecidas para uma revolução no pensamento político e na ciência. W.T. Smedley, um biógrafo de Bacon, afirma:

& # 8220De 1576 a 1623, a língua inglesa se tornou o melhor exemplo de suas capacidades que existem hoje: Mas o conhecimento e a sabedoria possuídos pelos escritores clássicos, as histórias das principais nações do mundo, praticamente tudo o que valia a pena conhecer no literatura de outros países foram, pela primeira vez, disponibilizadas na língua inglesa. & # 8221 anel para provocar uma revolução nos moldes do pensamento de Bacon & # 8217. Eles familiarizaram Bacon com tradições de mistério como o gnosticismo, os mistérios egípcios e os Cavaleiros Templários, que influenciaram seus escritos posteriores. Portanto, a carreira política subsequente de Bacon no Parlamento elizabetano e sob o governo de Jaime I foi um espetáculo secundário ao vasto empreendimento filosófico que ele estabeleceu como sua prática como advogado. Mesmo assim, ele representou muitos círculos eleitorais, principalmente a sede principal de Middlesex e, mais tarde, simultaneamente, St Albans, Ipswich e Cambridge. Bacon é a única pessoa na história a ser membro da Câmara dos Lordes e da Câmara dos Comuns ao mesmo tempo. No Parlamento, ele serviu em nada menos que 29 comitês e foi considerado um dos oradores mais eloqüentes que já se apresentou perante a Câmara dos Comuns.

No entanto, ele viu que o governo onipotente não era a resposta. & # 8220A verdade nunca pode ser alcançada ouvindo a voz da autoridade & # 8221, disse Bacon. Ele se opôs aos subsídios para empresas e monopólios concedidos pelo governo. Em 1589, Bacon propôs que uma lei de subsídio (uma lei de impostos) para dar dinheiro à Rainha fosse extraordinária, em outras palavras, destinada à guerra e apenas para a guerra. A emenda foi aprovada, estabelecendo finalmente a base para a eventual ascensão do Parlamento sobre a Coroa. Em 1593, sob a ameaça de prisão por Elizabeth, Bacon voltou a falar contra a usurpação da Coroa no direito da Câmara dos Comuns de definir os níveis de tributação. Bacon acreditava que a quantia solicitada pressionaria fortemente os pobres e muitos não seriam capazes de pagá-la. Bacon venceu a Coroa e garantiu a liberdade de expressão inglesa em seu próprio Parlamento e o direito dos Comuns de definir o valor do fornecimento à Coroa. 10

Bacon falou contra os privilégios feudais e se opôs ao fechamento das terras comuns pelos proprietários de terras. Ele também propôs alterar a linguagem das leis para torná-las acessíveis ao homem comum. & # 8220As leis são feitas para proteger os direitos das pessoas, não para alimentar os advogados. & # 8221, disse Bacon no Parlamento. Francisco lutou no Parlamento pela união com os escoceses para aumentar a força da Inglaterra contra as ameaças do continente, e pressionou pela expansão da colonização na América, notadamente na Terra Nova e na Virgínia. 11 Era respeitado por todos, principalmente por sua virtude, mas era ciumento por seus inimigos como o corcunda Robert Cecil, que conhecia o verdadeiro segredo de seu nascimento e desejava mantê-lo sob controle. Sob Jaime I, Bacon ascendeu em 1606 a Procurador-Geral, em 1613 alcançou o cargo de Procurador-Geral. Em 1618 ele se tornou lorde chanceler da Inglaterra, até sua queda de um cargo público em 1621, depois de ser incriminado por seu colega parlamentar e inimigo dos tempos elisabetanos, Edward Coke. 12

Filosofia de Bacon & # 8217s
O método de Bacon para permear suas idéias filosóficas no inconsciente coletivo da época pode ser mais bem resumido em seu lema: bene visit qui bene latuit & # 8211 A pessoa vive melhor da vida oculta. Bacon ressuscitou a escola de Mistérios Rosacruzes e os maçons, e injetou nova vida nessas sociedades secretas de fraternidade, de modo que se tornaram veículos para a nova filosofia baconiana da razão e da investigação científica. Bacon, como Goethe, desprezou o conhecimento que não leva à ação e também desprezou a negação do mal em nós mesmos. Bacon agradeceu a Maquiavel por sua avaliação franca do lado sombrio da natureza humana na política: & # 8220Estamos em dívida com Maquiavel, e escritores desse tipo, que abertamente e desmascarados declaram o que os homens fazem de fato, e não o que deveriam fazer porque é impossível juntar a sabedoria da serpente e a inocência da pomba, sem o precioso conhecimento da natureza do mal. & # 8221 13 As obras de Bacon & # 8217s tocam em todos os aspectos da humanidade & # 8211 política, religião, teologia, método científico, mas suas observações mais brilhantes são psicológicas. Prenunciando as descobertas de Carl Jung sobre a natureza do inconsciente e o lado sombrio do homem, Bacon reconheceu que a baixeza do homem deve ser reconhecida e tratada abertamente, não reprimida e personificada como o diabo.

No vernáculo político moderno, Bacon era um conservador. Ele via um governo ideal como aquele que era benevolente, sem os piores excessos do despotismo por parte dos governantes ou da maioria. & # 8220 É quase sem instância que qualquer governo não foi próspero sob governadores eruditos. & # 8221 14 Bacon tinha o objetivo de ser o governador & # 8211 um rei-filósofo & # 8211 como Francisco 1 da Inglaterra, até que a morte de Elizabeth & # 8217 terminasse este sonho.

Na ciência, Bacon buscou nada menos do que a reconstrução de um sistema que pudesse ser aplicado ao alívio do sofrimento do homem. Ele construiu uma nova Classificação da Ciência (The Advancement of Learning, 1603-05), descreveu um novo método para a Interpretação da Natureza (Things Thought and Visto, 1607, Thread of the Labyrinth, 1606, Novum Organum, 1608-20). Ele investigou os fenômenos da natureza na História Natural (1622) e mostrou como os escritores do passado haviam avançado suas verdades até a época de Bacon em Forest of Forests, publicado em 1624. Bacon registrou & # 8220 antecipações & # 8221 de resultados científicos que ele sentiu que viria da aplicação de seus métodos em On Origins (1621). Como resultado da aplicação desses princípios, ele descreveu a base de uma nova sociedade que surgiria em The New Atlantis (1624). Esta Magna Instauratio, a grande reconstrução, foi inspirada pela visão que Bacon teve em sua juventude e foi uma tarefa hercúlea sem precedentes na história do pensamento. Como Bacon afirmou no prefácio de Magna Instauratio. & # 8220 e estou trabalhando para lançar o fundamento não de qualquer seita ou doutrina, mas da utilidade e poder & # 8221. Para Bacon, & # 8220 Conhecimento é poder, não mero argumento ou ornamento. & # 8221 Em Advancement of Learning, Bacon sugeriu que todas as áreas da vida tinham regras racionais e uma base empírica: medicina, psicologia, até mesmo sonhos, previsões e outros fenômenos ocultos . No entanto, ele fecha o círculo no final desta pesquisa, concluindo que a ciência precisa ser guiada pela filosofia. Bacon aplica isso à política. A busca pela política se torna uma confusão destrutiva quando divorciada da ciência e da filosofia, em outras palavras, da racionalidade e de objetivos mais elevados. Então Bacon sugeriu a organização da própria ciência, da comunicação entre centros de aprendizagem para compartilhar pesquisas e recursos, e do patrocínio real das ciências. Um resultado direto foi a Royal Society na Grã-Bretanha, formada com o apoio financeiro da Coroa.

Novum Organum
O Novum Organum representa o ápice das obras abertas de Francis Bacon & # 8217s. Era para introduzir um novo método lógico de aprendizado, para substituir os velhos métodos que haviam dado tão poucos frutos. Ele apontou para erros de pensamento que deveriam ser corrigidos para que o homem pudesse avançar. A primeira era que a experiência do mundo deveria ter primazia, não as realidades & # 8211 ou equívocos & # 8211 que as mentes dos homens sustentam. A observação deveria ser a pedra angular do método científico. O segundo erro que ele observou foi o fato de que homens diferentes olham para a mesma experiência de maneiras diferentes: filtramos a realidade para se adequar ao nosso estado atual, sem ver o que realmente está lá. Em terceiro lugar, Bacon via o uso impróprio e descuidado da linguagem como um inimigo do verdadeiro entendimento. Por último, Bacon viu erros em olhar o mundo pelos olhos de outros filósofos. O mundo de Platão e # 8217 diz mais sobre Platão do que o mundo, por exemplo. Resta a Francis Bacon explicar o método científico de investigação & # 8211 experimentação e observação. Ao acumular dados, diz Bacon, chegamos à forma dos fenômenos, sua essência.

A era secular moderna da ciência foi prenunciada em The New Atlantis, a história de uma utopia insular no Pacífico onde a ciência prevaleceu sobre a ignorância e a superstição em todas as esferas da vida humana. Politicamente, a ilha não tem eleições, nem governante, apenas um conselho erudito de homens que se provaram por meio de realizações científicas. Ou seja, um governo sem políticos. Na maioria das vezes, esses & # 8220 governantes & # 8221 estavam empenhados em tentar controlar a natureza em vez de seus semelhantes.

O futuro da liberdade
Bacon, ciente de que sua filosofia e esquemas não eram perfeitos, lançou as bases para uma nova era de sabedoria secular. Quando a Royal Society foi formada em 1662, os fundadores nomearam Bacon como seu modelo e inspiração. As grandes mentes do Iluminismo francês dedicaram sua obra-prima Cyclopdie a Francis Bacon. Diderot disse sobre ele & # 8220Aquele gênio extraordinário, quando era impossível escrever uma história do que era conhecido, escreveu um do que era necessário aprender. & # 8221 Will Durant afirma em The Story of Philosophy: & # 8220The todo o tenor e carreira do pensamento britânico seguiram a filosofia de Bacon. O método indutivo deu a John Locke a ideia de uma psicologia empírica, limitada pela observação e livre da teologia e da metafísica e sua ênfase nas & # 8220 commodities & # 8221 e & # 8220fruits & # 8221 formulação encontrada em [Jeremy] Bentham & # 8217s identificação do útil e o bom. & # 8221 15

Edmund Burke também foi muito influenciado pelo Lord Chancellor: & # 8220Genius o mais profundo, da literatura a mais extensa, da descoberta da mais penetrante, da observação da vida humana o mais distinto e refinado. & # 8221 16 Thomas Jefferson também foi profundamente influenciado pelos escritos de Bacon & # 8217s, e o próprio Jefferson pensava que estava realizando os sonhos de Bacon & # 8217s resumidos em & # 8220The New Atlantis & # 8221 ao fundar os Estados Unidos. O biógrafo Hepworth Dixon resume a contribuição dos trabalhos abertos de Bacon & # 8217s para o nosso mundo:
& # 8220As obrigações do mundo para com Francis Bacon são de um tipo que não pode ser negligenciado. Todo homem que anda de trem, que manda telegrama, que segue um arado a vapor, que se senta em uma poltrona, que atravessa o canal ou o Atlântico, que faz um bom jantar, que desfruta de um belo jardim ou passa por um sem dor operação cirúrgica, DEVEM-LHE ALGO. & # 8220 Para ele, o patriota, o estadista, o reformador da lei, o jurista científico, o historiador, o colecionador de anedotas, o amante do bom humor, da sabedoria humorística e da escrita nobre, também DEVER-LHE ALGO. & # 8221 17

Um espírito orientador por trás dos esquemas de Raleigh e outros para estabelecer colônias incipientes em um continente indomado, Francis Bacon foi incansável no lobby do rei e seus conterrâneos para explorar e colonizar a América. E sob o pseudônimo de Shakespeare, Bacon teve o efeito mais significativo na literatura inglesa de qualquer pessoa na história. Ele literalmente recriou toda a língua inglesa, escrevendo as maiores obras literárias do mundo ocidental. É sem precedentes que um homem pudesse realizar tanto em uma vida. Mas a Bacon pode ser creditada a base para nossa era moderna de razão, ciência e liberdade no Ocidente.

& # 8220Nenhuma Idade jamais refinou o Raciocínio tão gordo,
E ainda assim ela os acalma por sua política:
Para ela, TEU FILHO deve fazer seu SACRIFÍCIO
Se ele terá o Manhã de seus Olhos. & # 8221

Sir Francis Bacon escrevendo um soneto para sua mãe, a Rainha Elizabeth I, 1596.


Isenção de responsabilidade

O registro ou uso deste site constitui a aceitação de nosso Acordo de Usuário, Política de Privacidade e Declaração de Cookies, e Seus Direitos de Privacidade na Califórnia (Acordo de Usuário atualizado em 01/01/21. Política de Privacidade e Declaração de Cookies atualizados em 01/05/2021).

© 2021 Advance Local Media LLC. Todos os direitos reservados (Sobre nós).
O material neste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, armazenado em cache ou usado de outra forma, exceto com a permissão prévia por escrito da Advance Local.

As regras da comunidade se aplicam a todo o conteúdo que você carrega ou de outra forma envia a este site.


Responsabilizando Wall Street

A crise financeira foi o resultado de um fracasso fundamental de Wall Street a Washington. Alguns em Wall Street assumiram riscos irresponsáveis ​​que não entendiam totalmente e Washington não tinha autoridade para monitorar ou restringir a assunção de riscos nas maiores empresas. Quando a crise atingiu, eles não tinham as ferramentas para desmembrar ou liquidar uma empresa financeira falida sem colocar em risco o contribuinte americano e todo o sistema financeiro. A reforma financeira inclui uma série de disposições que restringirão a tomada de riscos excessivos e responsabilizarão Wall Street.

Os contribuintes não terão que arcar com os custos da irresponsabilidade de Wall Street e rsquos: Se uma empresa falir no futuro, será Wall Street & ndash e não os contribuintes & ndash que pagará o preço.

Separa o comércio & ldquoprietary & rdquo dos negócios bancários: A & ldquoRegra de Volcker & rdquo garantirá que os bancos não tenham mais permissão para possuir, investir ou patrocinar fundos de hedge, fundos de patrimônio privado ou operações de negociação proprietárias para seu próprio lucro, sem relação com o atendimento a seus clientes. A negociação responsável é uma coisa boa para os mercados e a economia, mas as empresas não devem ter permissão para administrar fundos de hedge e fundos de private equity enquanto administram um banco.

Terminando resgates: A reforma restringirá o crescimento das maiores firmas financeiras, restringirá as atividades financeiras mais arriscadas e criará um mecanismo para que o governo feche as empresas financeiras falidas sem precipitar um pânico financeiro que deixe os contribuintes e as pequenas empresas em perigo.


A mãe do dia dos pais

Quando Sonora Louise Smart Dodd tinha 16 anos, seu pai ficou viúvo e foi deixado para criar Dodd e seus cinco irmãos mais novos sozinhas. Em 1909, Dodd estava ouvindo um sermão do Dia das Mães quando percebeu a necessidade de um dia para celebrar os pais, especialmente o dela. (Veja fotógrafos Nat Geo compartilhar fotos comoventes de seus pais.)

Inspirada, Dodd redigiu uma petição para o primeiro Dia dos Pais, que ela argumentou que deveria ser comemorado no aniversário de seu pai no início de junho. Embora a petição tenha ganhado apenas duas assinaturas, Dodd convenceu várias comunidades da igreja local a participarem - com a condição de que ela adiasse a data para o final de junho para dar-lhes mais tempo para se prepararem. A celebração resultante, em Spokane, Washington, deu início à missão quase vitalícia de Dodd de promover o Dia dos Pais para o status nacional. Ao longo do próximo meio século, Dodd viajaria pelos Estados Unidos, falando em nome do Dia dos Pais e fazendo campanha pela causa.

No lar de nossa Nação, esperamos que os pais forneçam a força e a estabilidade que caracterizam uma família bem-sucedida. Se as responsabilidades do pai são muitas, suas recompensas também são grandes - o amor, a gratidão e o respeito pelos filhos e pelo cônjuge.

Embora o Dia das Mães tenha sido declarado feriado nacional em 1914, o Dia dos Pais não foi reconhecido nacionalmente até 1972. Ao longo dos anos, os presidentes Woodrow Wilson, Calvin Coolidge e Lyndon B. Johnson escreveram a favor do feriado, mas nenhum aprovou legislação ratificando o feriado durante seu mandato. Em 1970, o Congresso finalmente aprovou a Resolução Conjunta 187, que conclamava os cidadãos a "oferecer expressões públicas e privadas de tal dia ao amor e gratidão duradouros que têm por seus pais". O presidente Richard Nixon sancionou a resolução dois anos depois.


Bella Dodd - de comunista a católica

Como foi que uma garotinha católica - nascida na Itália - se tornou uma das figuras mais poderosas do Partido Comunista Americano no auge de seu poder durante o final dos anos 1930 e 1940? A história da jornada de Maria Assunta Isabella Visono de uma aldeia pobre do sul da Itália às intrigas da penetração comunista soviética na América é fascinante e assustadora. Deve ser mais conhecido do que é.

A mãe de Maria Assunta, Teresa, morava em Potenza em uma fazenda que estava em sua família há gerações. Era uma jovem viúva e mãe de nove filhos quando conheceu Rocco, de Lugano, que se apaixonou por ela. Rocco queria se casar e se mudar para a América, mas Teresa amava sua fazenda e relutava em deixar a terra. Por fim, ela concordou em permitir que Rocco levasse seus filhos mais velhos com ele para Nova York, estabelecer um lar, e ela logo seguiria com os mais novos. Ela o fez, e Teresa e Rocco se casaram na igreja de Santa Lucy, no East Harlem, em 1904. Problemas com os zeladores de sua fazenda a levaram de volta à Itália. Foi só na viagem para lá que Teresa percebeu que logo seria. mãe pela décima vez.

Da Itália para a América

Como seu negócio em Potenza demorou mais do que o esperado, sua nova filha nasceu em solo italiano. Nessas circunstâncias inusitadas, a pequena Maria Assunta Isabella veio ao mundo. Teresa voltou para Nova York logo depois, deixando o bebê aos cuidados de pais adotivos, Taddeo e “Mamarella”, simples camponeses que a amavam como se fossem seus. Teresa planejava voltar para buscar a filha dentro de um ano, mas, como a depressão econômica na América tornava difícil arrecadar dinheiro para a viagem, esse tempo se estendeu por mais de cinco anos. A pequena Maria Assunta tinha quase seis anos quando conheceu o pai, a irmã e os irmãos pela primeira vez, ela não falava inglês e sentia muita falta dos pais adotivos. Foi sua irmã Caterina, americanizada para “Katie”, que apelidou a criança de “Bella” porque ela não gostava de seus primeiros nomes. Assim começou o lento processo de americanização (de mãos dadas com a descatolicização) da menina.

Desde o início, Bella adorava a escola, ela tinha uma mente rápida e logo era proficiente o suficiente em seu novo idioma que se tornou uma líder de classe. Ela gradualmente perdeu a memória de seu pai pastor pastor e de sua amada “mamarella” e absorveu seu novo ambiente. Ela amava a agitação da cidade grande. Sua mãe, por outro lado, ansiava por sair da cidade barulhenta e suja e do apartamento apertado. Por insistência de Teresa, eles encontraram uma grande casa cercada por muitos acres no condado de Westchester, onde ela cuidava das duas irmãs solteiras idosas que eram donas do lugar. Quando as irmãs morreram, a família mudou-se para a casa. Teresa finalmente tinha sua fazenda Rocco era dono de uma mercearia bem-sucedida, e a família estava feliz.

Os Visonos se consideravam católicos, mas as duas igrejas católicas próximas de Westchester eram frequentadas por católicos irlandeses e alemães. Eles não pareciam se encaixar em sua "italianidade". Assim, gradualmente, à medida que se tornaram menos italianos, também se tornaram menos católicos. Bella não foi educada em sua fé, mas ela sempre soube que havia algo faltando em sua vida. Conforme ela crescia, sua mente buscava realização espiritual no círculo de mulheres locais da comunidade da Igreja Episcopal, frequentando estudos de livros e leituras bíblicas lá, cantando hinos, mas sempre se recusando a assistir aos serviços porque ela era católica. Ela era uma leitora ávida e se divertia nas bibliotecas públicas locais.

Ataques de tragédia

Quando Bella estava se preparando para entrar no colégio em 1916, ela teve um acidente horrível, que a deixou marcada para sempre e atrasou sua tão esperada entrada no colégio. Ela estava voltando para casa no bonde e fez sinal ao motorista para parar. Quando ela desceu do veículo, ela foi atirada para a rua e seu pé esquerdo ficou preso sob a roda do bonde. Seu pai chegou, carregou-a para o consultório médico e ela foi prontamente levada ao hospital local, onde seu pé mutilado foi removido. Infelizmente, Bella passou um ano agonizante no hospital, passando por cinco cirurgias, todas malsucedidas e demoradas para curar. Finalmente, sua mãe a trouxe para casa para se recuperar. Enquanto suas feridas cicatrizavam lentamente, Bella leu tudo que sua mãe trouxe da biblioteca local. Naquele ano terrível, ela perdeu sua amada irmã Katie para a epidemia mundial de gripe. Foi realmente um momento triste para a família Visono.

Os anos de formação

No ano seguinte, Bella estava bem o suficiente para se matricular na escola pública local. Embora seu corpo fosse deficiente, sua vontade era destemida. Com muletas, ela caminhou os dez quarteirões até a escola e se obrigou a participar das atividades escolares. A adição de um eletrodoméstico, embora estranha, permitiu que ela jogasse fora as muletas e até participasse de caminhadas como membro do Clube dos Naturalistas. Ela se destacou em acadêmicos, particularmente em inglês e ciências, e ganhou muitos prêmios, seu mais querido foi ser selecionada na formatura como a garota mais popular da classe. Ela já havia desenvolvido um interesse por política e foi no ensino médio, com sua mistura de estudantes de todas as religiões, origens étnicas e raças, que Bella foi exposta pela primeira vez a uma nova abordagem sobre questões sociais quando leu o jornal Socialista, A chamada, trazido para a escola por um colega de classe do leste do Bronx.

Com o dinheiro da bolsa de estudos que ganhou, Bella escolheu estudar no Hunter College for Women na cidade de Nova York. Naquela época, Hunter estava começando a passar de uma elegante escola de acabamento para mulheres para uma escola de preparação de professores. Influenciada por sua professora favorita, uma certa Srta. Sarah Parks, uma jovem de espírito livre que teve a audácia de ir para a escola de bicicleta, Bella foi pega nessa nova atitude de liberdade. Sem chapéu, seus longos cabelos voando ao vento, Sarah escandalizou os membros mais velhos e sérios do corpo docente e encantou as meninas. Ela era uma “nova mulher” - uma livre pensadora, que estimulava os alunos a olhar para os problemas sociais da época e a pensar por si próprios.

Como Bella nunca teve uma base real em ensinamentos morais, ela passou de grupo para grupo, finalmente se acomodando com um grupo de garotas que eram altamente intelectuais e preocupadas com problemas sociais. Ela se tornou a melhor amiga de Ruth Goldstein, cuja casa era judia ortodoxa do Antigo Testamento. Ruth, no entanto, estava mais interessada nos problemas do "proletariado". Juntos, eles se tornaram parte de um grupo amorfo que se apaixonou pelo novo pensamento. Aqui estão suas próprias palavras: “… desenvolvemos uma espécie de proletariado intelectual nosso. Discutimos revolução, sexo, filosofia, religião, não guiados por qualquer padrão de certo e errado. Falamos de uma futura ‘unidade de forças da mente’, uma ‘nova tradição’, um ‘novo mundo’, que iríamos ajudar a construir a partir do presente egoísta. ” Os jovens intelectuais caíram no agnosticismo, muitos no ateísmo.

É interessante notar que em muitos estágios de sua vida, Bella flertou com a espiritualidade tradicional. Ela adorava a observância da Sra. Goldstein dos Grandes Dias Santos Judaicos pela beleza das leituras do Antigo Testamento e pelos cantos e cerimônias comoventes. Durante seu ano no hospital católico, ela ansiava por discutir o dogma católico com um padre ou irmã, mas nunca o fez . Em seu segundo ano na Hunter, Bella era uma crente comprometida - na ciência, evolução e realização intelectual. As crenças espirituais não eram prováveis ​​pela ciência, portanto, não eram dignas de consideração. O dela era um grupo de jovens ansiosos, prontos para transformar o mundo, mas eles não tinham valores próprios verdadeiros, nenhuma bússola moral para guiá-los. Eles estavam maduros para aceitar a teoria marxista.

O futuro chega

Em junho de 1924, Bella se formou na Hunter com honras. Ela havia pensado pouco em seu futuro, mas sabia que queria trabalhar com o mínimo de deficiência possível. To that end she visited Saint Francis Hospital in New York City to inquire after their finest surgeon. She then called upon Dr. Edgerton who promised to undo the damage that the botched surgeries had done and fit her with a proper prosthesis. Bella had no money, but the doctor believed her promise to pay him over time, and the deed was done. Reflecting back upon the time spent in the Catholic hospital, she regretted that no sister or nurse approached her about the Faith. “Perhaps I might have responded,” she wrote.

True to Dr. Edgerton’s promise, Bella was walking well within six weeks after the surgery. Soon she was teaching history in a local high school. It was in teaching that she found her calling. After one semester in the high school, Bella was offered a position at Hunter College in the political science department. She accepted and began her college teaching career in February of 1926. More and more young women were entering higher education at this time as a result, classes were large and schedules full. Many of the teachers were “freethinkers” who passed on their philosophies to their students. Bella also began graduate studies at Columbia University, one of the hotbeds of liberal thinking. This step only made her more critical of the role that her country played in international politics.

In later years, after she left the Communist Party, Bella concluded that “Communists usurp the position of the left, but when one examines them in light of what they really stand for, one sees them as the rankest kind of reactionaries and Communism as the most reactionary backward leap in the long history of social movements. It is one which seems to obliterate in one revolutionary wave two thousand years of man’s progress.”

In 1927, Bella received her Master’s degree from Columbia. She then enrolled in New York University Law School while she continued teaching at Hunter. When her former undergraduate idol and colleague Sarah Parks committed suicide in 1928, Bella was thrown into an emotional tailspin. She did not yet realize that she herself was on the same, albeit slower, path to self-destruction, always seeking a moral core, finding it only in steeping herself in futile attempts to serve the masses and right the wrongs she saw in society. A trip to Europe with friends showed her the terrible unrest and fear gripping Italy as a result of fascism. The same fear was palpable in Austria and Germany although they were not yet in the clutches of fascist governments. She was shocked at the blatant immorality and open decadence she saw in Germany. Perhaps it is telling that she made a special side trip to Dresden to view the Sistine Madonna, her happiest time in that country. It was also on this European trip that she met her future husband, John Dodd.

Economic Depression, Lawyering and Marriage

When the Great Depression hit in 1929, Bella’s family was not affected immediately. She was able to leave her post at Hunter College to take a law clerk position with a prestigious firm in New York City in preparation for the bar exams. In 1930, her close associate John Dodd, ten years her senior, asked her to marry him. He, too, was a freethinker, but very different from Bella. He was a Southerner, from Georgia, and an engineer. In any case, they shared a great love for their country, and Dodd helped her overcome certain problems in her political outlook. It was through his eyes that she saw how the liberal Northern press presented a “twisted picture” of his part of these United States, which had great reservoirs of strength, based not on material wealth but upon the integrity of its people. They married in a civil ceremony in the county clerk’s office in New York City.

By 1932, both John Dodd and Bella’s family had felt the furious impact of the Depression. Because of this she returned to her post at Hunter College. It was at this time, when she could see that teachers were expected to work for very little pay and no benefits, that she became active in organizing the college faculty to seek fairness for teachers in the political sphere. Thus was born the Hunter College Instructors Association, the first grass roots teachers association in the country and the precursor of the later, more politically powerful teachers unions.

The Thunderbolt

In 1933, the government of the United States officially recognized the Soviet Union. This was the impetus for the many young Communists on campuses to “come out of the woodwork” and speak and act openly. At Hunter, the respectability that recognition brought completely changed the complexion of student activity and organization on campus. Overnight such groups as the Friends of the Soviet Union, the Young Communist League, and the League of Industrial Democracy arose. It was obvious to Bella that these organizations were not springing up spontaneously, that some greater force was behind them.

Because she was the brains behind the original Instructors Association, Bella found herself being courted by Communist Party functionaries who appreciated her organizational ability, knowledge and intelligence. Of course, she only became aware of their Communist affiliation later. By the time she realized this, she was already entrapped in their web. Like all lower level Party members and sympathizers, Bella became valuable because it was deemed that she could serve the cause. In the bigger picture, the “masses” were ripe for entrapment because of the hard economic times. In preparing a country for the Revolution, the Communist Party tries to enlist the masses, especially those who are unattached and disaffected.

Bella did not become a Communist overnight. Her primary goals were to help the teachers achieve proper salary and benefits and to help the “little people” – the forgotten man of the city who lived on the verge of destitution. She was not interested in the “dictatorship of the proletariat,” nor was she aware that they were all expendable chess pieces in the huge and dangerous game being orchestrated by Moscow.

Because of her expertise in organizing the unions, Bella was chosen Legislative Representative of the American Federation of Labor to the New York Legislature. This move made her all the more valuable to the Party. She became known in Albany and Washington as a force to be reckoned with. From there she moved up the ranks lobbying not only for the teachers, but for seamen, the unemployed, any group deemed “downtrodden.” The Communist Party became more and more powerful in the New York teachers unions as well as in the A. F. of L. itself.

The Spanish Civil War

Intellectuals of America during the tragic Civil War in Spain were in full support of the so-called Loyalists, who were in reality socialists and Communists. Because the Party had taken the stance as the main enemy of fascism, this emotional appeal attracted many Americans to the cause of the leftists in Spain. The Communists used this emotion in rallying anti-Catholic feeling in this country, calling those who supported the Church and the nationalists in Spain reactionaries, fascists, against freedom and indifferent to the poor. Anticlericalism was rampant. This was a common Communist tactic, particularly with the Catholic Irish, Polish and Italians – to drive a wedge between the people and their priests.

The truth of the matter here is that Communist Russia wanted the United States to come into line with its own foreign policy regarding Spain. To this effect, the International Brigade was set up with the intention of sending foreign soldiers to fight for the Loyalist (Communist) side. Many thousands of dollars were raised in the midst of depression for arms and materiel for the American Lincoln Brigade and to send supply ships to help the “Spanish poor.” Most of these ships were diverted to Russia. Bella herself was active in recruiting her fellow teachers to join the Lincoln Brigade, many of whom did not return from that horrible war. Even in our own time, the Lincoln Brigade is eulogized. Many Americans still do not realize that the victory of the nationalists in the Spanish Civil war was a victory of the Spanish people over the Soviet Union’s plans to communize that nation.

Complete Dedication to the Party

Because she began to spend so much time working for the Unions between 1936 and 1938, Bella devoted less and less time to her teaching duties at Hunter. Not a meeting of a learned society or an educational group happened without members of the Party present and ready to present the Marxist ideology. The object was to get Communists in key positions in the major teachers unions all over the country. Bella was at the forefront of this activity. As a consequence of her Party activity, she decided to resign her teaching position. She gave no thought to her future security her reason for living was the work of the Party. She took a huge cut in pay and settled for a salary of sixty dollars a week, which she accepted during the eight years she worked for the Party. This constant whirlwind of activity put a terrible strain on her marriage.

During this time her father had a stroke. Amazingly, her husband, who had always been very hostile to Catholicism, had called a priest and arranged for him to have the sacraments before he died. Bella held the funeral at a Catholic Church and the burial was in a Catholic cemetery. Shortly after that, John told Bella that he would seek a divorce. Bella and her mother took a small apartment in New York City where she could be close to her Party activity.

At this time — in 1939 and early 1940s — Communists were infiltrating all unions in the United States. The American Party higher-ups were taking orders directly from Stalin and the bosses in Moscow. With war in Europe on the horizon, the Communists did all they could to criticize Hitler and fascism in Germany. However, when the Soviet-Nazi pact was signed in 1939, it took the American Reds by surprise and caused a rift in the Party. The Party was now officially anti-war. Many Jewish members became alarmed and frightened by this alliance and quit their membership. There was much infighting between various factions of leftists, which, consequently, weakened the Party’s appeal. Then abruptly, on orders from Moscow, they were again pro-war and told to lobby for America’s entry into the war against Hitler. When the Japanese attacked Pearl Harbor in December of 1941, American Communists rejoiced because they knew that now the United States had to enter the war on the side of the Soviets. This signaled to them that the Soviet Union would have at its disposal the armed might of America.

Bella was deeply committed to Communism by this time, although, ironically, she had not yet become officially a member of the Party. She and her labor committee even met with Eleanor Roosevelt to enlist her help in securing the release of some union leaders who had been convicted of industrial sabotage. Mrs. Roosevelt was sympathetic to the Communist’s appeal, saying that she believed that Communists should be permitted to be members of unions, but not leaders. In her autobiography, written in 1954, Bella expressed the hope that Mrs. Roosevelt had eventually learned that there could be no meeting with the Communists half way – that “co-existence is not possible.”

A Lonely Life

When her mother, Teresa Visono, died in her arms in 1941, Bella was left completely alone in the world. She took a tiny apartment near the Hudson River in New York and immersed herself even more in the work of the Party, the only family that she had now. Because her organizational ability was so astute, Bella was put in charge of sending groups of young Communists into minority neighborhoods in New York – Black, Puerto Rican, poor Irish, poor Jews and other recent immigrants – to rev up the discontent of the disaffected and to enlist their support for Communist and left-wing candidates for local, state and national elections. The extent of Communist influence at the local level in the city was astounding, with many elective posts filled by Marxists or their sympathizers. Even at the state level, Communists had great influence, Bella included, because of her work with the teachers unions. At the national level, they canvassed neighborhoods to get out the vote for FDR.

There was new thinking on the national level now. Roosevelt had pledged mutual co-existence and continued postwar Soviet-American unity. If that pledge were kept, then America could be developed into a full-fledged socialist nation without a militant class struggle. In other words, Communist control of America would be done peacefully from within – not a shot need be fired.

When Bella was finally told that it was time for her to publicly declare her Communist affiliation, it was 1944, and it was done with great fanfare at the Party convention. She immediately became the head of the Garibaldi Branch of the Party on 116 th Street in East Harlem, an Italian neighborhood that contained a smattering of Puerto Ricans, West Indians, and other minorities. She loved being close to the little people and, in her naïve and still idealistic way, she still believed that Communism was a way to help them out of their poverty.

Confusing Changes

Earl Browder, the most powerful Communist in the American Party, had always worked for unity among diverse national groups within the Party – on instructions from Moscow, of course. Now, a reversal came about – on instructions from Moscow, not to Browder, but to a newly favored group – that Browder’s thinking was wrong. National differences were to be favored. Browder was expendable and ousted a new group was taking over. Suddenly, Browder’s former friends turned on him and spoke ill of his direction of the Party. Bella began to realize that everyone at some point could be shunned by the Party and dumped in disgrace without even being told what was happening or why. In Bella’s words: “Close friends of many years’ standing became deadly enemies overnight.”

It took Bella quite a while to realize and then accept that the turnaround

in attitude of the new Party higher-ups was not merely a local phenomenon, but was dictated by Moscow. Conditioning had been so thorough that for her “the last illusion to die was the illusion about the Soviet Union.” Communists worldwide considered Russia the great workers’ paradise. In 1946, the National Board of the Party expelled Earl Browder in disgrace. Several other high profile members, friends of Bella’s were also expelled for the slightest criticism or deviation from policy – a policy which shifted in the wind.

Bella could detect a stealth campaign being conducted against her, since she was outspoken against the mistreatment of Browder and others who had been loyal. Several times she was accused of “white chauvinism,” apparently a terrible crime by Party standards. Of all things, this was one “crime” of which she was not guilty she was the only Party official who lived and worked in Harlem with poor people of all races! When she tried to quit the Party, she was told “No one gets out of the Party. You die or you are thrown out.” By the end of 1947, Bella knew that her former colleagues were out to destroy her she had seen it happen to others. Her office was under constant surveillance her every move was watched. All the while she saw more clearly how the Party used people – rich and poor, black and white – only for what they could get out of them. Several of her acquaintances committed suicide. Bella had her doubts that those deaths were actually self-inflicted. Others she knew were murdered.

Twice she was called before boards for questioning. Finally, on June 17, 1949, she was formally expelled on the grounds that she was “anti-Negro, anti-Puerto Rican, anti-Semitic, and anti-labor.” Both the New York Times and the Communist Daily Worker carried the story of her expulsion. Bella was desolate, not because of her expulsion, but because all of her friends dared not approach her. As she expected, former friends and associates began to harass her. Her law practice was almost destroyed. She spent an awful year during which her only comfort was to read the New Testament, which she had never ceased to do in the long years she was a Communist. She thought of leaving New York and starting over some place where she was not known. But she was a stubborn woman, a born fighter, and something in her core told her she had to fight it out there.

Indictment of Communism

In 1950, Bella was called before the Tydings Committee of the United States Senate to testify as to whether or not she knew Owen Lattimore, who had been accused by Senator Joseph McCarthy of being a Soviet agent within the American government. She had not known Lattimore and as far as she knew, he was not a member of the American Communist Party. She stated those facts however, as she thought about the duplicity of the Party and how it had deceived her and thousands of others, she found herself revealing those facts as well. It was the first time that she had spoken out publicly against the Party. She began to see how the Russians had used the Spanish Civil War as a preview of the Red Revolution to come in western countries she thought of the Koreans killing each other in the name of Communism and the Americans dying in the cause she saw how the godless Communists used well-meaning Americans against their own country.

Seeing the Truth Again

There are no co-incidences with God. On a cool crisp day in the fall of 1950, an immigration appeal case took Bella to Washington, D.C. As she walked along Pennsylvania Avenue toward the House Office Building at the Capitol, she ran into an old friend from the East Bronx neighborhood of her childhood. Christopher McGrath was now a congressional representative of the Twenty-seventh District. He invited her to his office to talk of old times. He could see that she was clearly distressed and frightened and asked her if she wanted FBI protection. When she refused, he said he would pray for her safety. Then he asked, “Bella, would you like to see a priest?” He had caught her off guard, but she fervently answered, “Yes, I would.” On the spot, the Congressman’s secretary made calls and secured an appointment with Monsignor Fulton Sheen of Catholic University.

Bella saw Monsignor Sheen for the first time at his home that evening in suburban Washington. As Christopher drove her there, she thought of the many lies and canards she had let go by – even told herself – against her Church when she worked for the Communists. She was genuinely fearful of meeting the monsignor. She need not have worried, for the good priest listened as she sobbed to him, “They say that I am against the Negro,” the accusation that hurt her most. He took her into his private chapel and they knelt before a statue of Our Lady. Bella felt the battle within cease and peace took its place. He then gave her a Rosary and told her to see him on his visit to New York in the winter. Now she realized that the Communist promise of the “brotherhood of man” was impossible without the Fatherhood of God.

Return to the Church

As Christmas approached, she again felt a horrible loneliness. Poor friends, whom Bella had provided lodging in her own home years before, invited her to their coldwater walkup in Harlem for a Christmas Eve dinner. They had a simple meal and afterward read from the Psalms. When Bella boarded the bus to return to her apartment, she was so immersed in her thoughts that she passed her stop and rode many blocks farther. She got off at Thirty-Fourth Street, although she had no recollection of it. She walked and walked to the West Side until she found herself in a church, the Church of Saint Francis of Assisi. Midnight Christmas High Mass was in progress. Here she found the true brotherhood of man. So moved was she by the beautiful Mass and the devotion of the people, that she again walked the streets of New Manhattan for hours, thinking and praying, before she returned to her apartment. She felt that she had been guided by the Star of Christmas that night.

Seemingly by chance, she met Mary Riley, a former teacher whom Bella knew and who now worked at the Board of Education. Mary was a committed and active Catholic who knew what Bella had been through. They spoke of the Faith, and Mary sent her a packet of books about Catholic programs, which were actively helping the disadvantaged. One of these books was Father James Keller’s You Can Change the World. He had written, “There can be no social regeneration without personal regeneration.” She was introduced to Father Keller and began to work at the headquarters of the group he had founded, The Christophers. How these Catholics impressed Bella with their simple devotion to their work of helping others and their deep commitment to their Catholic Faith!

Bella began to attend daily Mass at Our Lady of Guadalupe Church. She read Saint Augustine, Saint Thomas Aquinas, and other classics of Catholic writers and thinkers. She purchased and studied prayer books and other books on the Faith. Then she began to receive regular instructions from Bishop Sheen himself. “I saw how history and fact and logic were inherent in the foundations of the Christian faith,” she states in her autobiography, School of Darkness.

As Easter of 1952 approached, the Bishop said that she was ready to be received into the Church. Since no baptismal record could be located in the little Italian town of her birth, Bishop Sheen conditionally baptized her in Saint Patrick’s Cathedral. She then confessed and received Our Lord from Bishop Sheen’s hands the next morning at Mass. “It was as if I had been ill for a long time and had awakened refreshed after the fever had gone,” she wrote.

The Ordeal Ahead

The year 1953 saw Bella called up by a Congressional committee investigating the infiltration of Communists in the high places of the United States government. Her newfound faith strengthened her to face this ordeal with courage and determination. She swore before the Senate Internal Security subcommittee that there were a number of Communists in legislative offices in Congress and in a number of groups advising the President of the United States. She also testified to the Communist takeover of labor unions in the country and of her personal experience securing posts for members of the Party in the unions.

Perhaps most frightening of all was her testimony that during her time in the Party, “more than eleven hundred men had been put into the priesthood to destroy the Church from within,” the idea here being that these men would be ordained to the priesthood and progress to positions of influence and authority as monsignors and even bishops. She stated that “right now they are in the highest places in the Church” where they were working to weaken the Church’s effectiveness against Communism. These changes, she declared, would be so drastic that “you will not recognize the Catholic Church.” A few years later, in a conversation with a new Catholic friend, Alice von Hildebrand, Bella told her that there are four cardinals within the Vatican “who are working for the Communists.” This was twelve years before Vatican II. The reader can draw his own conclusions.

Shortly after her conversion, Bella had great hope for the youth of America. She saw goodness and a giving, missionary spirit in the young Catholics she worked with. Bella died in 1964 at the age of sixty.

Bella Dodd did much harm to her country and her Church. It is a great blessing that she repented of those sins. We can pray that she has paid her reparation and is now with the saints in Heaven. If she is not yet, our prayers may help her to arrive Home soon.


An Aerial Battle

By downloading or embedding any media, you agree to the terms and conditions of the IWM Non Commercial Licence, including your use of the attribution statement specified by IWM. For this item, that is: © IWM Art.IWM ART LD 485

Uso não comercial aceito

Uso permitido para estes fins:

Embed

Use this image under Non-Commercial licence.

You can embed media or download low resolution images free of charge for private and non-commercial use under the IWM Non-Commercial Licence.

By downloading or embedding any media, you agree to the terms and conditions of the IWM Non Commercial Licence, including your use of the attribution statement specified by IWM. For this item, that is: © IWM Art.IWM ART LD 485

Uso não comercial aceito

Uso permitido para estes fins:

Embed

Use this image under Non-Commercial licence.

You can embed media or download low resolution images free of charge for private and non-commercial use under the IWM Non-Commercial Licence.


Assista o vídeo: Franciszek i Klara - zaproszenie