Patty Hearst Sequestrada

Patty Hearst Sequestrada



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em 4 de fevereiro de 1974, Patty Hearst, a neta de 19 anos do editor de jornal William Randolph Hearst, é sequestrada de seu apartamento em Berkeley, Califórnia, por três estranhos armados. Seu noivo, Stephen Weed, foi espancado e amarrado junto com um vizinho que tentou ajudar. Testemunhas relataram ter visto Hearst em dificuldades, sendo carregada com os olhos vendados e colocada no porta-malas de um carro. Os vizinhos que saíram para a rua foram forçados a se proteger depois que os sequestradores dispararam suas armas para cobrir sua fuga.

Três dias depois, o Symbionese Liberation Army (SLA), um pequeno grupo de esquerda dos EUA, anunciou em uma carta a uma estação de rádio de Berkeley que mantinha Hearst como um "prisioneiro de guerra". Quatro dias depois, o SLA exigiu que a família Hearst desse US $ 70 em alimentos para cada pessoa necessitada de Santa Rosa a Los Angeles. Feito isso, disse o SLA, seria iniciada a negociação para o retorno de Patricia Hearst. Randolph Hearst, hesitante, doou alimentos no valor de US $ 2 milhões. O SLA então considerou isso inadequado e pediu $ 6 milhões a mais. A Hearst Corporation disse que doaria a quantia adicional se Patty fosse libertada ilesa.

Em abril, no entanto, a situação mudou drasticamente quando uma câmera de vigilância tirou uma foto de Hearst participando de um assalto à mão armada em um banco de São Francisco, e ela também foi vista durante um assalto a uma loja de Los Angeles. Posteriormente, ela declarou, em uma fita enviada às autoridades, que havia aderido ao SLA por vontade própria.

Em 17 de maio, a polícia de Los Angeles invadiu a sede secreta do SLA, matando seis dos nove membros conhecidos do grupo. Entre os mortos estava o líder do SLA, Donald DeFreeze, um ex-presidiário afro-americano que se autodenominava Marechal de Campo Cinque. Patty Hearst e dois outros membros do SLA procurados pelo assalto a banco em abril não estavam no local.

Finalmente, em 18 de setembro de 1975, depois de cruzar o país com seus captores - ou conspiradores - por mais de um ano, Hearst, ou “Tania” como ela se chamava, foi capturada em um apartamento em São Francisco e presa por assalto à mão armada. Apesar de sua alegação de que havia sofrido uma lavagem cerebral pelo SLA, ela foi condenada em 20 de março de 1976 e sentenciada a sete anos de prisão. Ela cumpriu 21 meses antes de sua sentença ser comutada pelo presidente Carter. Depois de sair da prisão, ela voltou a uma existência mais rotineira e mais tarde se casou com seu guarda-costas. Ela foi perdoada pelo presidente Clinton em janeiro de 2001.

LEIA MAIS: 7 famosos perdões presidenciais


Como uma herdeira americana se tornou a criança-pôster da Síndrome de Estocolmo

Menos de três meses depois de ser sequestrada sob a mira de uma arma, a situação mudou: Patty Hearst, a jovem herdeira do império da mídia de Hearst, estava segurando a arma e ajudando seus captores a roubar um banco. Quando uma foto icônica de Hearst armado com uma metralhadora foi capa da TIME (à direita) e Newsweek em abril de 1974, ela cativou a nação quando sua história borrou a linha entre a vítima e o cúmplice.

Onde Hearst antes gerava simpatia, agora ela se tornou suspeita. Um proprietário tirou uma placa em seu jardim da frente que dizia: & ldquoGod Bless You, Patty & rdquo per O Atlantico. Outros se sentiram igualmente dilacerados. Hearst já havia renunciado publicamente sua família e amigos, declarando sua lealdade ao grupo revolucionário desorganizado - o Exército de Libertação Simbionês - que a havia sequestrado. Os encarregados da aplicação da lei não tinham certeza se deviam abordá-la como alguém que precisava ser resgatado ou preso. Como disse a TIME:

Houve um debate furioso, apesar das 1.200 fotos tiradas pelas câmeras do banco & # 8217s durante o roubo de cinco minutos, sobre se Patty havia participado voluntariamente. Em Washington, o procurador-geral William Saxbe & hellip [ofereceu sua] visão de que a garota & # 8220 não era uma participante relutante & # 8221 e rotulou todos os ladrões de banco, incluindo Patty, & # 8220 criminosos comuns. & # 8221 Reagindo com raiva, [Randolph] Hearst chamado Saxbe & # 8217s declaração & # 8220irresponsável. & # 8221 Oficialmente, pelo menos, o FBI não compartilhava da visão de Saxbe & # 8217s.

O FBI acabou descobrindo a visão criminosa, no entanto, e neste dia, 18 de setembro, quarenta anos atrás & mdash19 meses após seu sequestro & mdashHearst foi capturado novamente, desta vez por agentes do FBI. Seu julgamento focou em grande parte se ela deveria ser responsabilizada por colaborar com o S.L.A., ou se ela havia sofrido uma lavagem cerebral pelo grupo. Embora Hearst já tivesse chamado a última sugestão de & ldquorídica a ponto de ser inacreditável & rdquo, sua equipe de defesa argumentou que a negação era um sintoma em si. Psicólogos de defesa testemunharam, por TEMPO, que seu tempo em cativeiro custou-lhe cerca de 20 pontos de QI e a deixou com um & # 8220 nível infantil de funcionamento & # 8221 baixa auto-estima e orgulho despedaçado.

Embora o júri que a condenou não tenha acreditado na teoria da lavagem cerebral, muitos americanos concordaram e consideraram sua sentença de sete anos de prisão (mais tarde comutada para dois pelo presidente Carter) uma injustiça. Ela foi amplamente vista como uma vítima da síndrome de Estocolmo - um termo cunhado apenas dois anos antes de sua prisão, quando quatro bancários suecos foram mantidos como reféns por seis dias e vieram para o lado de seus captores.

Mas, assim como alguns relutam em acreditar que Hearst tenha sofrido uma lavagem cerebral, nem todos concordam que a síndrome de Estocolmo seja real. Não há critérios padronizados para identificar o transtorno que não está incluído no manual de diagnóstico principal da psiquiatria. Os & ldquo [C] ritics insistem que & # 8217 é em grande parte uma invenção da imaginação da mídia & # 8217 & rdquo TIME observa.

E embora muitos psicólogos possam explicar por que isso pode acontecer, e os negociadores de crises até mesmo encorajem até certo ponto, uma vez que dá aos cativos uma chance melhor de sobreviver, a síndrome de Estocolmo parece ser mais a exceção do que a regra entre as vítimas de sequestro. Um relatório do FBI de 2007, de acordo com a TIME, descobriu que 73% dos cativos e ldquadros não demonstram afeição por seus sequestradores. & ldquo

Leia mais de 1975, aqui nos arquivos da TIME:Patty & # 8217s Twisted Journey


Patty Hearst sequestrada: Este dia na história

Patty Hearst pode ser conhecida por seu famoso sobrenome, mas ela é muito mais do que apenas uma herdeira. Aqui está uma retrospectiva de seu infame sequestro, radicalização autoproclamada e onde ela está hoje.

A herdeira do jornal Patty Hearst foi sequestrada há 46 anos na terça-feira, colocando em movimento uma bizarra cadeia de eventos que terminou com ela sendo condenada por assaltar um banco com um grupo terrorista e depois ser perdoada pelo presidente Jimmy Carter.

Hearst, que tinha 19 anos na época, foi levada por membros armados do Symbionese Liberation Army (SLA), um grupo de esquerda, de seu apartamento em Berkeley, Califórnia, de acordo com o FBI. O grupo queria incitar uma guerra de guerrilha contra o governo dos EUA e destruir o "estado capitalista".

As autoridades disseram que Hearst foi o alvo porque veio de uma família rica e poderosa. Seu avô era o magnata do jornal William Randolph Hearst.

Patty Hearst segura um rifle de assalto enquanto assaltava um banco de São Francisco em 15 de abril de 1974 com outros membros do Exército de Libertação Simbionês, um grupo de esquerda decidido a entrar em guerra com o governo dos EUA. (FBI)

O grupo anunciou o sequestro em um programa de rádio e exigiu doações de alimentos para ajudar os pobres na Califórnia para que as negociações pudessem começar para a libertação de Hearst.

"Ao mesmo tempo, eles aparentemente começaram a abusar e fazer lavagem cerebral em seus prisioneiros, na esperança de transformar essa jovem herdeira das camadas mais altas da sociedade em uma garota-propaganda de sua revolução que se aproximava", disse o FB.

Em 3 de abril de 1974, o SLA lançou uma fita com Hearst dizendo que ela havia se juntado ao grupo. Dias depois, ela foi vista em uma fita de vigilância de segurança empunhando uma arma de assalto durante um assalto a banco com o grupo.

Em 17 de maio daquele ano, o SLA entrou em um tiroteio com a polícia de Los Angeles quando os policiais cercaram uma casa onde uma van em fuga durante outro assalto foi descoberta. Seis membros do SLA morreram quando a casa pegou fogo.

Hearst e vários outros membros escaparam e viajaram pelo país para escapar da captura. Ela foi presa em 18 de setembro de 1975, em San Francisco, e acusada de assalto a banco e outros crimes.


Rapto de Patty Hearst

O sequestro de Patty Hearst foi um dos casos de sequestro mais estranhos e seguidos da história do FBI. Em 4 de fevereiro de 1974, um grupo de homens e mulheres bateu na porta do apartamento de Patty Hearst de 19 anos e começou a sequestrá-la, indo embora com Patty guardada no porta-malas de seu carro e espancando seu noivo no processo .

O grupo que sequestrou Patty era um grupo radical de terroristas domésticos conhecido como Exército Simbionês de Libertação (SLA). Este grupo, liderado por Donald DeFreeze, tinha a missão de destruir o & # 8220 estado capitalista. & # 8221 Eles sequestraram Hearst estrategicamente porque ela fazia parte de uma família rica e poderosa (seu avô era um jornalista famoso) e sabia disso por sequestro Patty, eles receberiam muita atenção e imprensa.

Após o desaparecimento de Patty & # 8217s, o SLA a manteve com os olhos vendados pelos próximos dois meses na sede do grupo & # 8217s. O grupo logo começou a lançar fitas para o público em geral, que pedia milhões de dólares em doações de alimentos em troca de sua liberdade. Enquanto o pai de Patty inicialmente cedeu a essas demandas, seus esforços logo saíram pela culatra, pois o SLA se recusou a liberar seu controle sobre Patty.

Durante o tempo em que Patty foi mantida refém, o SLA também começou a fazer uma lavagem cerebral nela, com o objetivo de transformar Hearst em cúmplice de seus objetivos revolucionários e terroristas. Patty foi abusada tanto física quanto psicologicamente, e mais tarde alegou que estava isolada a ponto de sentir que ninguém a resgataria e que ela foi abusada sexualmente por vários membros de gangue. Além disso, Patty afirmou que foi constantemente exposta às crenças radicais do grupo e foi forçada a gravar mensagens que machucariam seus entes queridos.

Esses métodos de lavagem cerebral parecem estar surtindo efeito depois que o SLA lança uma fita na qual Patty, usando seu novo nome & # 8220Tania & # 8221, afirma que ela se juntou à luta do SLA & # 8217s. Poucos dias após o lançamento desta fita, Hearst foi flagrado participando de um assalto a banco SLA claramente ajudando a causa do SLA & # 8217s. Uma fita lançada logo após o roubo mostrava Patty explicando que os membros do grupo eram seus camaradas e que suas ações criminosas eram necessárias para apoiar os planos da gangue para a revolução. Chamando sua família de nomes ofensivos, Patty negou veementemente que estava passando por uma lavagem cerebral e descartou uma ideia tão ridícula, reiterando que ela era, & # 8220 & # 8230 uma soldado do exército do povo & # 8217s. & # 8221

Apesar da insistência de Patty & # 8217s de que ela não sofreu lavagem cerebral, e que ela estava fazendo a escolha de apoiar o SLA por sua própria vontade, muitas pessoas próximas a Patty, bem como aqueles que seguem seu caso, permaneceram não convencidas, pois o comportamento de Patty & # 8217 estava radicalmente diferente de como ela era antes do sequestro. Alguns teorizam que ela se apaixonou por um dos membros do grupo & # 8217s (chamado & # 8220Cujo & # 8221 a quem ela mencionou em um dos vídeos lançados), enquanto outros teorizam que ela se juntou à missão SLA & # 8217s por medo, simpatia ou lavagem cerebral.

A essa altura, no caso de Hearst, o FBI havia lançado uma das buscas mais massivas e intensivas de agentes de sua história para encontrar Hearst e interromper o SLA.

Em 16 de maio de 1974, membros do SLA foram pegos roubando munição de uma loja local em Los Angeles, Califórnia. Quando a polícia de Los Angeles pegou os membros da gangue em um esconderijo do SLA, um tiroteio se seguiu, enviando todo o prédio em chamas e, por fim, causando a morte de seis membros do SLA.

Embora, após o incêndio, Hearst tenha fugido prontamente pelo país para evitar a captura, os agentes do FBI rapidamente a encontraram e a acusaram de assalto a banco, entre outros crimes.

O julgamento de Patty Hearst & # 8217 foi um processo longo e complicado, assim como a busca após seu sequestro. Embora F. Lee Bailey, um advogado altamente renomado conhecido por ter defendido Albert DeSalvo (The Boston Strangler) e Sam Sheppard, representasse Patty, ela foi finalmente considerada culpada pelo júri e sentenciada a sete anos de prisão. O júri na época não considerou plausível a teoria de que ela sofreu lavagem cerebral pelo SLA, embora hoje o caso de Patty Hearst & # 8217s seja considerado por muitos como um exemplo claro da Síndrome de Estocolmo.

Depois de cumprir dois anos de prisão, no entanto, o presidente Carter comutou a sentença de Patty, que mais tarde foi perdoada pelo presidente Bill Clinton como um de seus atos finais no cargo. Após a libertação de Hearst da prisão, ela se tornou atriz e se casou com seu ex-guarda-costas Bernard Shaw, com quem agora tem dois filhos.

Para saber mais sobre a experiência de Patty Hearst & # 8217s através de seus próprios olhos, você pode verificar seu livro, Patty Hearst: sua própria história, originalmente intitulado, Cada coisa secreta.


16 fatos malucos sobre o sequestro de Patty Hearst

Patty como uma estudante antes de seu sequestro. CBS News.

15. Patty Hearst foi sequestrada em 4 de fevereiro de 1974

Patty morava com seu noivo e Atilde & cópia, Steven Weed, um professor de Berkeley. Quando ela estava no segundo ano do curso de história da arte, com apenas 19 anos, alguém bateu em sua porta pedindo para usar o telefone. Eles amarraram e amordaçaram Patty e espancaram seu noivo, Atilde e sua cópia. Alguém disparou com um rifle automático e testemunhas disseram que ouviram Patty gritando para que seus sequestradores a deixassem em paz. Weed ficou inconsciente durante a provação e Patty desapareceu. O terror inicial de seu sequestro, combinado com técnicas posteriores de tortura e lavagem cerebral que poderiam ter saído diretamente de um manual da Guerra Fria da CIA, provavelmente contribuiu para a série de eventos que logo aconteceriam.

O sequestro de Patty e rsquos imediatamente chegou às manchetes nacionais, o que não é surpreendente, visto que sua família era dona dos principais jornais do país. O que foi tão surpreendente foi que seu avô tinha se tornado conhecido no jornalismo & ldquoyellow & rdquo, um precursor dos tablóides de hoje que se orgulhavam de histórias de sensacionalismo e do & ldquopeopessoas & rdquo do que dos eventos atuais. O evento traumático do sequestro de Patty & rsquos poderia facilmente ter parecido uma história sensacionalista, mas era muito real. A neta do homem que inspirou Cidadão Kane foi enfiada no porta-malas de um carro e levada para um local desconhecido.


Como o sequestro de Patty Hearst a transformou em um ícone da contracultura dos anos 1970

Os anos 1970 foram caóticos na América. Um dos momentos mais eletrizantes da década de & # 8217, ampliando os pontos de destaque na política, cultura e jornalismo americanos, foi o sequestro da herdeira do jornal Patricia & # 8220Patty & # 8221 Campbell Hearst no início de 1974.

Conteúdo Relacionado

O espetáculo que ganhou as manchetes apenas contribuiu para a onda de desastrosas crises políticas, econômicas e culturais que engolfaram a América naquele ano. O escândalo Watergate se intensificou quando o presidente Nixon negou veementemente o conhecimento da invasão ilegal da sede do Comitê Nacional Democrata. A economia continuou a estagnar quando a inflação atingiu 12% e o mercado de ações perdeu quase metade de seu valor. A crise do petróleo se aprofundou, com longas filas na bomba de gasolina e nenhum sinal de adiamento. Grupos de contracultura radical continuam a detonar bombas em todo o país, com aproximadamente 4.000 bombas plantadas na América entre 1972-1973. E, na cidade natal de Hearst & # 8217s, San Francisco, as autoridades ainda trabalharam desesperadamente para identificar o infame & # 8220Zodiac & # 8221 assassino que já havia matado cinco pessoas (mas suspeito de ter matado dezenas de outras) e ainda assim continuou solto.

Em meio a esse clima desestabilizado, ocorreu o sequestro de Hearst. O sequestro em si foi um dos poucos casos na história moderna em que alguém tão rico e respeitável como Hearst foi sequestrado, simultaneamente catapultando um jovem estudante universitário e os movimentos contraculturais radicais dos Estados Unidos para a proeminência nacional. Espalhado ao longo de vários anos, o Hearst & # 8220saga & # 8221 veio para enfatizar uma cisão na sociedade americana, à medida que as gerações mais jovens ficavam cada vez mais desiludidas com um sistema político legado por seus mais velhos que aparentemente não estavam dispostos a enfrentar a instabilidade econômica e social da nação. .

O infame sequestro é agora o assunto do novo livro de Jeffrey Toobin e # 8217 Herdeira da América: a saga selvagem do sequestro, crimes e julgamentos de Patty Hearst. (Hearst sempre odiou ser conhecida como & # 8220Patty & # 8221, um nome de animal de estimação originalmente dado a ela por seu pai que a seguiu desde então.) O Nova-iorquino escritor refaz o sequestro e caso criminal de Hearst e sua vida de lam, oferecendo novas percepções sobre este conto verdadeiramente mítico. Ao contrário de relatos anteriores sobre a história de Hearst, Toobin interroga o estrelato criminoso de Hearst & # 8217 no despertar do sequestro, explorando como ela paradoxalmente se tornou uma garota-propaganda da contracultura desenfreada da década & # 8217s e forte sentimento anti-estabelecimento, bem como um & # 8220 criminoso comum & # 8221 que & # 8220 deu as costas a tudo o que havia de benéfico em seu país. & # 8221

Herdeira americana: a saga selvagem do sequestro, crimes e julgamento de Patty Hearst

A saga de Patty Hearst destacou uma década em que a América parecia estar sofrendo um colapso nervoso coletivo. Com base em mais de cem entrevistas e milhares de documentos anteriormente secretos, American Heiress relata de maneira emocionante a loucura da época.

Patricia era neta do barão dos jornais William Randolph Hearst, fundador de uma das maiores redes de jornais da América e também a inspiração para Orson Welles & # 8217 Cidadão Kane. Embora Patricia tenha nascido na dinastia Hearst, William Randolph deixou um pedaço considerável para cada um de seus cinco filhos (incluindo o pai de Patricia e # 8217, Randolph), mas confiou a maior parte da riqueza aos curadores da Hearst Corporation. Com apenas 19 anos, Hearst era uma figura relativamente inócua, mas também uma representação da riqueza e das estruturas de poder que a contra-cultura queria usurpar.

A saga começou quando um pequeno e pouco conhecido grupo guerrilheiro desorganizado chamado & # 8220Symbionese Liberation Army & # 8221 (SLA) escolheu Hearst, então um estudante do segundo ano na Universidade da Califórnia, Berkeley, para sequestrar. Eles esperavam que o sequestro não apenas chamasse a atenção para a causa radical de seu grupo, mas que a própria Hearst pudesse ser usada como moeda de troca para libertar ex-companheiros do SLA encarcerados na prisão. (O nome & # 8220Symbionese & # 8221 referia-se à ideia do grupo & # 8217 de & # 8220 simbiose política & # 8221 em que movimentos políticos segregados, como a libertação gay e o marxismo, trabalharam juntos em harmonia para alcançar fins socialistas.) Em 4 de fevereiro de 1974 , um grupo de cinco pessoas invadiu o apartamento de Hearst & # 8217s & # 8212 um local que eles descobriram facilmente após consultar o registro público da universidade & # 8217s & # 8212 empunhando armas e lançando ameaças violentas. Eles agarraram Hearst e a enfiaram na parte de trás de um carro roubado enquanto seu noivo saía correndo gritando e fugindo de terror.


Três dias depois, o SLA enviou uma carta a uma estação de rádio próxima de Berkeley anunciando que haviam levado Hearst e agora a mantinham como refém como & # 8220 prisioneira de guerra & # 8221, desencadeando um frenesi na mídia. A organização exigiu que, em troca de sua libertação, o pai de Patricia e # 8217 devesse alimentar toda a população de Oakland e San Francisco de graça, uma tarefa aparentemente impossível. Mas depois de tentativas fortuitas de sua família de alimentar toda a área da baía & # 8212, juntamente com dois meses de & # 8220communiqu & # 233s & # 8221 político inconsistente e bizarro do SLA & # 8212, a própria Hearst anunciou ao mundo que estava fazendo o inimaginável: ela estava juntando-se a seus sequestradores em sua campanha para causar agitação política na América. Patricia adotou o nome & # 8220Tania & # 8221 e, entre outras atividades ilícitas, roubou um banco com o SLA.

Em um esforço para provar sua conversão completa e despertar o interesse em sua luta, o SLA decidiu roubar um banco local, não apenas porque precisava do dinheiro, mas também porque o próprio roubo seria gravado em uma fita de vigilância. Com evidências visuais de Hearst cometendo crimes, eles poderiam alavancar isso para mais cobertura da mídia. À medida que mais americanos começavam a consumir notícias da televisão, e menos dos jornais noturnos ou vespertinos, o SLA entendia o impacto que as filmagens da câmera de segurança causariam.

Além disso, a ligação simbólica de Hearst com a história do jornalismo americano permitiu que o SLA explorasse a tendência da mídia de notícias de olhar o umbigo, monopolizando a cobertura da imprensa em todos os formatos e transformando suas atividades criminosas em uma sensação nacional.

Depois de cruzar a nação com seus camaradas por mais de um ano, Hearst foi finalmente capturada em setembro de 1975, acusada de roubo à mão armada. Seu julgamento se tornou um circo da mídia - a legitimidade da & # 8220 síndrome de Estocolmo & # 8221 a condição psicológica em que uma vítima sequestrada começa a se identificar intimamente com seus captores, rapidamente se tornou o foco do processo. (O nome vem de um caso de refém de banco de alto perfil em Estocolmo um ano antes, no qual vários dos funcionários do banco tinham laços estreitos com seus captores.)

Os críticos da defesa de Hearst & # 8217s & # 8220Stockholm & # 8221 apontaram para várias gravações de áudio nas quais Hearst aparentemente falou com calma e lucidez sobre sua decisão de desertar, tudo por sua própria & # 8220 livre vontade. & # 8221 Mas para outros, Hearst era uma O caso clássico da condição, só se juntando a seus sequestradores por causa da intensa tensão e trauma de seu sequestro, física e psicologicamente desfazendo-se em tal cativeiro isolado. O fato de ela ter agido ou não sob coação não influenciou o juiz, com Hearst considerado culpado e condenado a sete anos & # 8217 de prisão em 1976.

A deserção de Hearst e a subsequente onda de crimes há muito ajudaram a consagrar sua história na história americana moderna. Para Toobin, existem relatos intermináveis ​​e conflitantes sobre a decisão real de Hearst & # 8217 de desertar, incluindo inconsistências em seu depoimento no tribunal e confissões policiais. & # 8220Patricia afirmaria que sua paixão por ingressar era um subterfúgio porque ela realmente acreditava que a verdadeira escolha era ingressar ou morrer, & # 8221 ele escreve.

Toobin observa como o sequestro foi originalmente tratado como um espetáculo de celebridade Patricia & # 8217s enfrentam capas de revistas dominadas com manchetes como & # 8220Heiress Abducted & # 8221 retratada como uma socialite jovem e inocente presa por radicais hardcore. Mas ele argumenta que, quando ela desertou, ela logo se transformou em ícone para muitos americanos jovens e desiludidos que passaram a se identificar com suas escapadas anti-sistema e seu desejo de se livrar da vida & # 8220corrupta & # 8221 em que ela foi criada. Como alguém que cresceu no colo do luxo & # 8212de fato de uma família imune às muitas realidades econômicas e políticas sombrias da época & # 8212Hearst & # 8217s a decisão de ficar com seus sequestradores foi uma transgressão profundamente simbólica, que articulou a raiva de modo muitos se sentiram contra o sistema americano.


Ao contrário do já enorme corpo de escritos sobre o tópico, o estudo de Toobin & # 8217s mostra uma consciência aguda das tensões subjacentes que operam na cultura mais ampla, muitas das quais ajudaram a moldar como o público americano percebia o espetáculo. & # 8220 [A] saga foi pega na reação contra a violência e a desordem da época & # 8221 escreve Toobin. Mas depois de sua captura depois de fugir, a opinião pública balançou significativamente contra ela. & # 8220 Em 1975, ela não era mais um símbolo de inocência ferida, mas sim de juventude rebelde. & # 8221 Embora Toobin não tivesse participação de Hearst & # 8212 ela se recusou a se envolver no projeto & # 8212, sua história, no entanto, conecta as forças da contracultura, A identidade pública amorfa de Hearst & # 8217 e alienação que nem mesmo Hearst & # 8217 possui conta (publicado como & # 160Cada coisa secreta& # 160em 1981) poderia oferecer.

Muito parecido com seu estudo do O.J. Julgamento Simpson, & # 160Para a corrida de sua vida& # 160 (recentemente adaptado para a série de televisão FX), Toobin trabalha com uma estratégia semelhante, desvendando os paradoxos do título de Hearst & # 8217s de & # 8220criminoso celebridade. & # 8221 Da mesma forma que O.J. O julgamento de Simpson se tornou um símbolo das tensões raciais da década de 1990, representando o abismo entre as experiências da América branca e negra. A história de abdução de Hearst mais tarde agiu como um emblema da década de 1970. Toobin ressalta a desilusão generalizada e quase contagiosa da década, que viu as pressões ideológicas mapearem as percepções do governo, a crescente instabilidade econômica e um movimento de contracultura difundido e cada vez mais popular.

Mas, ao contrário de O.J., Simpson, cuja imagem de estrela está agora inextricavelmente ligada a seus crimes violentos individuais, a imagem pública de Hearst na época (e agora) é vista como menos pessoal e mais indicativa da psicose da época. Depois que o presidente Carter comutou a sentença de Hearst para 22 meses, ela evitou permanecer uma figura pública, casando-se com seu guarda-costas Bernard Shaw e tentando começar uma vida normal fora dos holofotes & # 8212 uma, mais importante, muito mais próxima de suas origens de Hearst do que de seu SLA escapadas. Ela lançou seu livro de memórias em uma tentativa de acabar com a atenção ao seu caso e se distanciar de sua celebridade do crime. O interesse por Hearst diminuiu conforme a década de 1980 deixou muitos dos problemas da década anterior para trás.

Herdeira americana& # 160 argumenta que o sequestro foi, em última análise, & # 8220muito uma história da América na década de 1970 & # 8230 fornecendo dicas do que a América se tornaria mais tarde. & # 8221 Patricia & # 8220Patty & # 8221 Hearst se tornou uma figura improvável na década , não apenas porque ela havia experimentado publicamente um trauma impensável, mas também porque ela simbolicamente apontou fissuras na vida americana - tensões que acabaram se tornando marcas permanentes da época.

Sobre Nathan Smith

Nathan Smith é um escritor de cultura e tecnologia. Sua escrita apareceu em O Atlantico, Com fio e Forbes.


Lembre-se de quando. Patty Hearst ocupou o centro do palco em um assalto a banco

Quando um comunicado gravado da herdeira raptada Patricia Hearst chegou em 3 de abril de 1974, não era o que ninguém esperava.

Hearst foi sequestrada de seu apartamento em Berkeley, Califórnia, em 4 de fevereiro de 1974 por um grupo que se autodenominava Exército de Libertação Simbionês (SLA).

Hearst foi mantida como "prisioneira de guerra" até que comunicações do grupo recebidas em 2 de abril de 1974 disseram que ela seria libertada em breve.

Mas, houve um problema com essa mensagem.

A edição de 16 de abril de 1974 de The Home News, mostrando Patricia Hearst participando do assalto ao Banco Hibernia em São Francisco em 15 de abril de 1974. (Foto:

Graças a problemas de entrega, essa mensagem demorou um dia a chegar. Se tivesse chegado a tempo, teria sido recebido em 1º de abril - Dia da Mentira.

No comunicado gravado de 3 de abril, Hearst anunciou que ela "escolheu ficar e lutar" em vez de ir para casa.

Em sua autobiografia de 1982, "Every Secret Thing", co-escrita por Alvin Moscow, Hearst escreveu que a opção original apresentada a ela era muito diferente: Junte-se ao SLA ou seja executada.

Agora que Hearst havia feito sua declaração de lealdade ao SLA, eles tinham que provar que ela era uma verdadeira convertida à causa deles.

Postou!

Um link foi postado em seu feed do Facebook.

Cortesia de Christopher Galluzzo

Cortesia de Township of Montgomery

Cortesia de Make-A-Wish New Jersey

Cortesia de Somerset County 4-H SACH Club

Cortesia de Weichert, corretores de imóveis

Cortesia de Tyler Cashman

Cortesia de Middlesex County College

Interessado neste tópico? Você também pode querer ver estas galerias de fotos:

Cinco membros do SLA entraram na agência Sunset do Hibernia Bank em San Francisco em 15 de abril de 1974, sob a mira de uma arma.

No centro do banco estava Hearst.

Primeira página do The Courier-News de 16 de abril de 1974, mostrando a vítima de sequestro Patricia Hearst participando do roubo do The Hibernia Bank em San Francisco, Califórnia. (Foto:

O grupo saiu com mais de US $ 10.000. Dois transeuntes foram baleados e feridos.

"Acho que esta é a primeira vez nos anais da história do direito que uma vítima de sequestro aparece no meio de um assalto a banco", disse o procurador dos EUA James L. Browning Jr. em uma reportagem no Courier-News em 16 de abril , 1974. "Se ela estava envolvida, vamos acusá-la de assaltante de banco. Pelas fotografias, fica claro que ela pode ter agido sob coação."

Então-U.S. O procurador-geral William Saxbe tinha uma opinião diferente.

Em 17 de abril, Saxbe disse em uma entrevista coletiva em Washington que pessoalmente pensava que Hearst "não era um participante relutante neste roubo", de acordo com uma reportagem no Courier-News em 18 de abril de 1974.

Cartaz de procurado após o assalto ao Banco Hibernia em 15 de abril de 1974, em San Francisco. (Foto: Brad Wadlow)

Saxbe rotulou o SLA de um grupo de "criminosos comuns" e incluiu Hearst "como parte deles", de acordo com o relatório.

Uma "testemunha material" foi emitida para Hearst.

O agente especial do FBI encarregado do caso, Charles W. Bates, disse que Hearst não foi acusado de assalto à mão armada por causa da dúvida de que ela participou voluntariamente. Bates disse que as fotos do assalto a banco sugerem que dois membros do SLA mantiveram suas armas apontadas para ela durante o assalto, de acordo com o relatório.

Cartaz de procurado pelo roubo em 15 de abril de 1974 do Hibernia Bank em San Francisco. Na foto estão três dos participantes do roubo: Patricia Soltysik, Camilla Hall e Nancy Ling Perry. (Foto: Brad Wadlow)

Embora o roubo do Hibernia Bank tenha sido notícia nacional, houve outro assalto a banco naquela semana, muito mais perto de casa.

E o carro de fuga era um pouco incomum.

Em 17 de abril de 1974, um bandido contratou um táxi para sua viagem de ida e volta de um assalto a um banco de $ 4.000 em Bernards.

The Courier-News de 18 de abril de 1974. (Foto:

O FBI disse que Albert Broderick, um paciente do Lyons Veterans Administration Hospital, era o suspeito do assalto ao Somerset Hills e ao County National Bank, na seção Liberty Corner do município.

Enquanto Broderick supostamente roubava o banco, a taxista, Mary Delitcher de Bernards, sem querer esperou por ele no estacionamento do banco e depois o levou ao centro de Plainfield.

A busca pelo ladrão de Somerset Hills e do County National Bank chegou ao fim em 19 de abril de 1974. Broderick entrou na sede da polícia de Lyndhurst e se entregou, após um voo de dois dias da lei que incluía uma viagem ao Texas e de volta, de acordo com uma reportagem no Courier-News em 20 de abril de 1974.

Demorou um pouco mais para as autoridades rastrearem Hearst.

Mas, em 18 de setembro de 1975, Hearst foi preso em 625 Morse St. em San Francisco.

Brad Wadlow, redator da equipe, do lado de fora da Rua 625 Morse em San Francisco, onde Patricia Hearst foi presa em 18 de setembro de 1975 por sua participação no roubo do Banco Hibernia em 15 de abril de 1974. (Foto:

"We said, 'Don't move,' Patty said, 'All right,' and we placed her under arrest," said San Francisco police officer Tim Casey, according to a report in the Courier-News on Sept. 19, 1975. "I asked her if she was glad it was all over, and she just didn't say a word."

Bill and Emily Harris, the two of Hearst's surviving kidnappers (the rest had been killed in a 1974 shootout), were arrested at a separate location in San Francisco a little before Hearst's arrest took place.

Help MyCentralJersey continue to provide in-depth reporting like this. Find our latest subscription options and special offers here.

After a trial that would be called "the trial of the century," Hearst was sentenced to seven years in prison. Her sentence was commuted by President Jimmy Carter on Feb. 1, 1979, nearly five years to the day of her kidnapping.

Hearst received a pardon from President Bill Clinton on Jan. 20, 2001.

In addition to "Every Secret Thing" (later renamed "Patty Hearst: Her Own Story," to coincide with the release of the 1988 movie about her kidnapping), Hearst also wrote, with Cordelia Frances Biddle, "Murder at San Simeon," and has appeared in several movies directed by John Waters, including "Cry-Baby," "Serial Mom," and "Cecil B. Demented."

Brad Wadlow is Community Content Specialist for MyCentralJersey.com. To get unlimited access to his Pulitzer Prize-worthy work, please subscribe or activate your digital account today.

Read more articles and stay in touch with your local news by clicking here


The Rest Is History

THIS IS ABSOLUTELY CRAZY GET READY FOR SOME WEIRD STUFF HERE WE GO KIDS, I had to do some serious research to get all the facts for this week’s story straight, but we’re talking about how Patty Hearst got kidnapped and the court’s response. Think back to your days in America History class, remember that guy William Randolph Hearst the guy who pretty much inventado mass media in America and controlled everything that was printed, so yeah that were flooded with CA$H. His son, Randolph Apperston Hearst, was the father of our star, Patty Hearst.

On February 4, 1974 Patty, at the age of 19 Patty was living with her fiance Stephen Weed in an apartment while attending UC Berkley. It was just a casual night, they were reading and chillin’ when there was a knock at the door, the fiance opened the door to a group of men who came into her apartment knocked out Weed and blind folded Hearst. She was then beat with a wine bottle, kidnapped, and trapped in a closet for 57 days.

Her captors were the Symbionese Liberation Army. They literally made up the word ‘Symbionese’ it doesn’t mean anything. Dictionary.com defines it as it is outlined in the groups manifesto “taken from the word symbiosis … a body of dissimilar bodies and organisms living in deep and loving harmony” I swear to God, google it and only her kidnapping shows up. Anyway, the SLA was a radical activist group led by Donald DeFreeze who had escaped from prison in 1973, It has been assumed it was a terrorist group established for the sole purpose of social revolution through violence, only two years before the kidnapping a bomb factory affiliated with the SLA was found by police and in November of 1973 the SLA shot and killed the superintendent of Oakland schools with bullets laced with cyanide.

So the SLA took pictures of Patty with machine guns, and sent pictures and voice recordings to her parents saying she was okay but they needed to help feed the poor, requesting $70 in food to be distributed for every person from Santa Rosa to Los Angeles.

MAS somehow the Hearsts could not afford that much, but they could afford $2 million. So they started distributing food to the poor throughout Oakland. The food was distributed by the Black Muslims, formerly run by Malcolm X, and turned into a riot more than 10,000 people showed up and fought over food. So the SLA demanded $6 million more, but the Hearst’s could not afford it, so they did not release Patty.

But here’s the cool part. When they let her out of the closet and took the off blind fold, she loved all of her captors. Classic Stockholm Sydnrome. Awesome. (But not really). Only two months after her kidnapping, a voice recording from Patty was leaked worldwide in which she claimed she had voluntarily joined the SLA and her new name was Tania. After that, she became involved in SLA criminal activity such as bank robbery and extortion.

Just before the tapes went out, she was seen having helped the SLA rob the Hibernia Bank in San Francisco. About a month later, on May 17th, the FBI was given the location of the SLA headquarters. The FBI raided and threw poisonous gas canisters into the home, killing DeFreeze and four other SLA members, but Patty was not in the house.

The heiress was eventually found by the FBI on September 18, 1975 and she was sentenced to 35 years in prison after being convicted for bank robbery. Thankfully, she was released in 1979 by Jimmy Carter who reduced her sentencing to less than 2 years and was pardoned by Bill Clinton in 2001.

Even though Patty had been raped, kidnapped, coerced, isolated and brainwashed she was still found guilty. The prosecution suggested Patty had had prior relationships with the SLA and had taken planned her own kidnapping. There is no evidence to support this theory.

This is an interview of Patty with Larry King, it’s kind of heart breaking hearing how the police did very little to help her, and even more they were actually trying to find reasons to arrest her.

This story shows the interesting establishment of cult culture beginning in the 70’s that have been a strange phenomenon in American culture for centuries, but gaining widespread support in the recent decades, along with ideas of psychological effects of kidnapping on hostages. But it also brings to light a juxtaposition in what we think of as the wealthy elite being pardoned for all crimes, yet Patty was still found guilty after obvious abuse.


Artifact of the Month

On the morning of February 4, 1974, a 19-year-old college student named Patty Hearst was kidnapped from her apartment in Berkeley, California by a group of armed men and women. This group of radical anarchist and extremist men and women from different walks of life called themselves the Symbionese Liberation Army (SLA). The SLA was attempting to instigate a guerrilla war against the U.S. government and had already shot two Oakland school officials, killing one and wounding the other.

The SLA knew that Hearst was from a wealthy, powerful family, and sure enough, the kidnapping made front-page national news and captured the interest of the American people.

The SLA began releasing audiotapes demanding money and food in exchange for Hearst’s release. In April 1974, the SLA released a tape in which Hearst claimed to have joined the SLA’s fight against the U.S. government herself. Days later, Hearst was caught on camera participating in a bank robbery with the SLA.

The January 2017 Artifact of the Month is the coat worn and gun brandished by Patty Hearst during that infamous SLA bank robbery.

To stop the SLA and find Hearst, the FBI launched a large-scale, agent-intensive investigation. Hearst and other SLA members went into hiding and were on the run until September 18, 1975, when FBI agents caught up with Hearst. She was charged with bank robbery along with other crimes and was found guilty and sentenced to seven years in prison. President Carter commuted Hearst’s sentence after two years, and she was later pardoned.


Patty Hearst kidnapped

On this day in 1974, Patty Hearst, the 19 year old daughter of newspaper publisher Randolph Hearst, is kidnapped from her apartment in Berkeley, California, by two black men and a white woman, all three of whom are armed. Her fiancé, Stephen Weed, was beaten and tied up along with a neighbour who tried to help. Witnesses reported seeing a struggling Hearst being carried away blindfolded, and she was put in the trunk of a car. Neighbours who came out into the street were forced to take cover after the kidnappers fired their guns to cover their escape. Three days later, the Symbionese Liberation Army (SLA), a small U.S. leftist group, announced in a letter to a Berkeley radio station that it was holding Hearst as a "prisoner of war."

Four days later, the SLA demanded that the Hearst family give $70 in foodstuffs to every needy person from Santa Rosa to Los Angeles. This done, said the SLA, negotiation would begin for the return of Patricia Hearst. Randolph Hearst hesitantly gave away some $2 million worth of food. The SLA then called this inadequate and asked for $6 million more. The Hearst Corporation said it would donate the additional sum if the girl was released unharmed.

In April, however, the situation changed dramatically when a surveillance camera took a photo of Hearst participating in an armed robbery of a San Francisco bank, and she was also spotted during a robbery of a Los Angeles store. She later declared, in a tape sent to the authorities, that she had joined the SLA of her own free will. On 17 May, Los Angeles police raided the SLA's secret headquarters, killing six of the group's nine known members. Among the dead was the SLA's leader, Donald DeFreeze, an African American ex-convict who called himself General Field Marshal Cinque. Patty Hearst and two other SLA members wanted for the April bank robbery were not on the premises.

Finally, on 18 September, 1975, after crisscrossing the country with her captors - or conspirators - for more than a year, Hearst, or "Tania" as she called herself, was captured in a San Francisco apartment and arrested for armed robbery. Despite her claim that she had been brainwashed by the SLA, she was convicted on 20 March 1976, and sentenced to seven years in prison. She served 21 months before her sentence was commuted by President Carter. After leaving prison, she returned to a more routine existence and later married her bodyguard. She was pardoned by President Clinton in January 2001.


Assista o vídeo: Patty Hearst Is Arrested - September 18th, 1975