Relatório de Direitos Humanos de Camarões 2017, abril de 2018 - História

Relatório de Direitos Humanos de Camarões 2017, abril de 2018 - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A lei prevê o direito dos trabalhadores de formar e aderir a sindicatos independentes, negociar coletivamente e realizar greves legais. A lei também proíbe a discriminação anti-sindical e exige a reintegração de trabalhadores despedidos por atividade sindical. Limitações estatutárias e outras práticas restringiram substancialmente esses direitos. A lei não permite a criação de um sindicato que inclua trabalhadores públicos e privados ou de um sindicato que inclua diferentes setores, mesmo que intimamente relacionados. A lei exige que os sindicatos se registrem no governo, permitindo que grupos de não menos de 20 trabalhadores organizem um sindicato mediante a apresentação de uma constituição e estatutos; os membros fundadores também devem ter registros policiais limpos. A lei prevê pesadas multas para os trabalhadores que formem sindicato e exerçam atividades sindicais sem registro. Os sindicatos ou associações de funcionários públicos não podem aderir a uma organização ocupacional ou trabalhista estrangeira sem autorização prévia do ministro responsável pela “supervisão das liberdades públicas”.

A constituição e a lei prevêem a negociação coletiva entre os trabalhadores e a administração, bem como entre as federações de trabalho e as associações empresariais em cada setor da economia. A lei não se aplica aos setores agrícola ou informal, que incluíam a maioria da força de trabalho.

Greves judiciais ou bloqueios podem ser solicitados somente após o término dos procedimentos de conciliação e arbitragem. Os trabalhadores que ignoram os procedimentos para conduzir uma greve legal podem ser demitidos ou multados. Antes da greve, os trabalhadores devem buscar a mediação do Ministério do Trabalho e Previdência Social nos níveis local, regional e ministerial. Somente se a mediação falhar em todos os três níveis, os trabalhadores podem emitir formalmente um aviso de greve e, posteriormente, fazer greve. A disposição da lei que permite a greve não se aplica a funcionários públicos, funcionários do sistema penitenciário ou trabalhadores responsáveis ​​pela segurança nacional, incluindo polícia, gendarmaria e pessoal do exército. Em vez de greves, os funcionários públicos são obrigados a negociar as queixas diretamente com o ministro do departamento apropriado, além do ministro do trabalho e previdência social. As decisões de arbitragem são juridicamente vinculativas, mas muitas vezes não eram executáveis ​​se uma das partes se recusasse a cooperar.

Os empregadores culpados de discriminação anti-sindical estão sujeitos a multas de até aproximadamente um milhão de francos CFA ($ 1.866).

As Zonas Francas Industriais estão sujeitas à legislação trabalhista, exceto pelas seguintes disposições: o direito dos empregadores de determinar os salários de acordo com a produtividade, a livre negociação de contratos de trabalho e a emissão automática de autorizações de trabalho para trabalhadores estrangeiros.

Na prática, o governo e os empregadores não cumpriram efetivamente a legislação aplicável sobre a liberdade de associação e o direito à negociação coletiva. As penalidades por violações raramente eram aplicadas e eram inúteis como meio de dissuasão. Os procedimentos judiciais administrativos eram pouco frequentes e sujeitos a longos atrasos e recursos. O governo e os empregadores frequentemente interferiam no funcionamento das organizações de trabalhadores. O governo ocasionalmente trabalhou com líderes sindicais não representativos em detrimento dos líderes eleitos, enquanto os empregadores freqüentemente usavam práticas de contratação, como subcontratação, para evitar a contratação de trabalhadores com direito de negociação. A lista negra de membros do sindicato, demissão injusta, promoção de sindicatos controlados pelo empregador e ameaças aos trabalhadores que tentavam se sindicalizar eram práticas comuns.

Os novos sindicatos não tiveram fácil acesso ao registro. Em uma carta datada de 30 de julho, funcionários do recém-formado Sindicato dos Trabalhadores da Segurança Privada na Divisão de Wouri, região do Litoral, informaram ao Registro de Sindicatos sobre a criação de sua organização em abril de 2016 e, ao mesmo tempo, solicitaram sua filiação à Confederação de Sindicatos de Trabalhadores dos Camarões (CSTC). O registrador solicitou mais tempo para autenticar os documentos fornecidos.

Mais de 100 sindicatos e 12 confederações sindicais operaram, incluindo uma confederação do setor público.

O governo minou a liderança do CSTC eleito em 2015 ao continuar a cooperar com ex-líderes do CSTC. Jean Marie Zambo Amougou, o ex-líder, continuou a usar o título de “Presidente do CSTC”, apesar de uma decisão do tribunal de 17 de janeiro ordenando-lhe que parasse de fazê-lo imediatamente. O Ministro do Trabalho e Segurança Social continuou a considerar Zambo Amougou como o representante oficial do CSTC, convidando-o para reuniões e enviando toda a correspondência do CSTC para ele, em detrimento do legítimo líder do CSTC, Andre Moussi Nolla, e de outros novos líderes, apesar múltiplas reclamações pelo CSTC. O ministro também nomeou Zambo Amougou, Tsoungui Fideline Christelle, Beyala Jule Dalamard, Nintcheu Walla Charles, Malloum Lamine e Hamadou Nassourou, todos membros da antiga equipe de gestão do CSTC, para serem representantes dos trabalhadores na delegação do país na 106ª Conferência Internacional do Trabalho em Genebra, de 5 a 16 de junho. Em uma carta de 31 de maio ao Comitê de Credenciais da Organização Internacional do Trabalho, os novos líderes do CSTC tentaram sem sucesso se opor à inclusão desses delegados.

Como em 2016, os sindicalistas relataram sobre funcionários proibindo o estabelecimento de sindicatos em seus negócios privados, incluindo Fokou, Afrique Construction, Eco-Marche e Quifferou, ou impedindo de outra forma as operações sindicais. Algumas empresas sediadas em Douala II, IV e V e em Tiko (região sudoeste), por exemplo, retiveram 1 por cento dos salários dos trabalhadores sindicalizados, mas se recusaram a transferir o dinheiro para os sindicatos. Algumas empresas que inicialmente eram contra a sindicalização de seus trabalhadores mudaram de ideia e permitiram que seus funcionários se filiassem a sindicatos, como a DANGOTE Ciment Camarões, que permitiu a eleição de representantes dos trabalhadores.

Muitos empregadores freqüentemente usavam práticas de contratação, como subcontratação, para evitar a contratação de trabalhadores com direitos de negociação. Os representantes dos trabalhadores afirmaram que a maioria das grandes empresas, incluindo empresas paraestatais, se engajou na prática, citando ENEO, CDE, Cimencam, Guinness, Alucam e muitos outros. A subcontratação envolveu todas as categorias de pessoal, do nível mais baixo ao sênior. Como resultado, trabalhadores com igual conhecimento e experiência nem sempre desfrutaram de vantagens semelhantes ao trabalhar para a mesma empresa; o pessoal subcontratado geralmente carecia de base legal para registrar queixas.

Uma série de greves foi anunciada, algumas das quais canceladas após negociações bem-sucedidas. Outros, porém, foram realizados sem problemas ou com algum grau de repressão. As queixas dos trabalhadores geralmente envolviam más condições de trabalho, incluindo falta de equipamento de proteção individual, implementação inadequada de acordos coletivos, não pagamento de atrasos salariais ou benefícios de aposentadoria, rescisão ilegal de contratos, falta de aumentos salariais e falha dos empregadores em registrar adequadamente os funcionários e pagar a contribuição patronal para o Fundo Nacional de Seguro Social, que oferece benefícios de saúde e previdência social.

O governo suspendeu os salários de 11 representantes dos trabalhadores filiados ao sindicato divisionário dos trabalhadores municipais de Wouri após uma greve em 10 de abril. Funcionários do conselho municipal de Douala exigiram seguro saúde para eles e seus parentes imediatos. O delegado do governo despediu os queixosos, mas foi rejeitado pelo Ministro do Trabalho e Segurança Social. O delegado do governo, no entanto, não havia readmitido os funcionários até dezembro.

Os médicos fizeram uma série de greves por melhores condições de trabalho e salários mais altos em abril e maio, depois que as negociações malsucedidas com o ministro da Saúde, Andre Mama Fouda, em janeiro, não produziram resultados positivos. O ministro Fouda advertiu os médicos contra a greve, que qualificou de ilegal, alegando que o sindicato dos médicos não era cadastrado. Na tentativa de neutralizar o movimento após a greve de abril, ele transferiu dirigentes sindicais para unidades de saúde em áreas rurais remotas no norte do país. Em nenhuma das transferências o nível técnico da unidade de saúde correspondeu ao perfil dos médicos.

Professores e advogados nas regiões anglófonas também fizeram uma greve que durou muitos meses para protestar contra o que eles chamam de marginalização pela maioria francófona. Depois de inicialmente restringir significativamente os advogados, o governo posteriormente implementou uma série de medidas com o objetivo de diminuir a tensão. Advogados e professores retomaram o trabalho nas duas regiões em novembro.


HRW & ndash Human Rights Watch

Camarões, um país anteriormente conhecido por sua estabilidade, enfrentou violência e graves abusos dos direitos humanos em 2018. O país enfrentou operações militares abusivas contra uma insurgência separatista em três regiões anglófonas, ataques do grupo militante islâmico Boko Haram, no Extremo Norte, e o agravamento da crise humanitária. O presidente Paul Biya, 85, ganhou um sétimo mandato de sete anos em 7 de outubro.

No Sudoeste e no Noroeste, as forças de segurança do governo cometeram execuções extrajudiciais, queimaram propriedades, realizaram prisões arbitrárias e torturaram detidos. Um relatório da Human Rights Watch documentou uma série de abusos cometidos por ambos os lados nas regiões anglófonas, incluindo ataques incendiários em casas e escolas. De acordo com o International Crisis Group, as forças do governo e separatistas armados mataram mais de 420 civis nas regiões desde que a crise aumentou em 2017.

As consequências humanitárias dos ataques do Boko Haram e da insurgência separatista são uma preocupação crescente. Em novembro, as Nações Unidas estimaram que mais de 244.000 civis foram deslocados no Extremo Norte e 437.500 nas regiões anglófonas do Noroeste e Sudoeste. Cerca de 32.600 camaroneses encontraram refúgio na Nigéria. Além disso, Camarões continuou a devolver à força os requerentes de asilo nigerianos, fugindo dos ataques do Boko Haram no nordeste da Nigéria.

Embora o governo afirme que não tolera crimes graves cometidos pelas forças de segurança, não consegue demonstrar progresso na investigação e punição deles.

Em 22 de outubro, o Conselho Constitucional de Camarões validou a reeleição de Paul Biya, com 71,28 por cento dos votos. A decisão do conselho foi imediatamente contestada por um dos rivais de Biya, Maurice Kamto, que alegou que os resultados foram alterados. No início de novembro, dezenas de manifestantes pró-Kamto foram presos em Bafoussam, região oeste. Biya foi empossado para um sétimo mandato como presidente em 6 de novembro.


Referências

Centro Africano para a Resolução Construtiva de Disputas (ACCORD). 21 de julho de 2017. Ateki Seta Caxton. "O dilema anglófono nos Camarões - a necessidade de um diálogo abrangente e de uma reforma." [Acessado em 7 de agosto de 2018]

Centro Africano para a Resolução Construtiva de Disputas (ACCORD). WL. "Sobre ACCORD." [Acessado em 13 de agosto de 2018]

Al Jazeera. 1 de outubro de 2017. Azad Essa. "Os falantes de inglês dos Camarões pedem independência." [Acessado em 9 de agosto de 2018]

British Broadcasting Corporation (BBC). 27 de dezembro de 2017. "Camarões vai deportar o autor Patrice Nganang, residente nos Estados Unidos." [Acessado em 9 de agosto de 2018]

British Broadcasting Corporation (BBC). 9 de novembro de 2017. "Camarões emite mandados de prisão para líderes separatistas." [Acessado em 9 de agosto de 2018]

Rede de notícias a cabo (CNN). 2 de janeiro de 2018. Kieron Monks. "Camarões fica offline após a revolta anglófona." [Acessado em 13 de agosto de 2018]

Caritas Internationalis (Caritas). 15 de maio de 2018. Harriet Paterson. Eles estão nos caçando . [Acessado em 3 de agosto de 2018]

Deutsche Welle (DW). 25 de janeiro de 2017. Moki Kindzeka. "Internet apagada para minoria de língua inglesa nos Camarões." [Acessado em 7 de agosto de 2018]

International Crisis Group. 3 de agosto de 2018. Correspondência de um representante para a Diretoria de Pesquisa.

International Crisis Group. 27 de julho de 2018. Tanda Theophilus. O diálogo é essencial para unir as vozes díspares dos Camarões . [Acessado em 1 de agosto de 2018]

International Crisis Group. 19 de outubro de 2017. O agravamento da crise anglófona em Camarões exige medidas fortes . Crisis Group Africa Briefing No. 130. [Acesso em 1 de agosto de 2018]

Journal du Cameroun. 23 de junho de 2018. Francis Ajumane. "Governo de Camarões visa 'mais líderes separatistas' para prisão." [Acessado em 9 de agosto de 2018]

Journal du Cameroun. 29 de maio de 2018. "Plano de Resposta de Emergência da ONU para Camarões em crise." [Acessado em 3 de agosto de 2018]

Minority Rights Group International (MRG). [2017]. "Camarões - anglófonos." [Acessado em 8 de agosto de 2018]

Nouveaux droits de l'homme Cameroun (NDH-Cameroun). Agosto de 2018. La situação des anglophones au Cameroun . Enviado à Diretoria de Pesquisa por um representante, 9 de agosto de 2018.

Pesquisador em migração transnacional africana. 9 de agosto de 2018. Correspondência com a Diretoria de Pesquisa.

Pesquisador em migração transnacional africana. 7 de agosto de 2018. Correspondência com a Diretoria de Pesquisa.

Reuters. 29 de janeiro de 2018. Paul Carsten e Edward McAllister. "Atualização 2 - Líder separatista camaronês é deportado da Nigéria para os Camarões." [Acessado em 2 de agosto de 2018]

Comitê de Relações Públicas dos Camarões do Sul (SCAPAC) e Diáspora dos Camarões do Sul nos Estados Unidos (Diáspora). Abril-maio ​​de 2018. Conselho de Direitos Humanos. Apresentação conjunta de membros da Diáspora dos Camarões do Sul nos Estados Unidos e do Comitê de Relações Públicas dos Camarões do Sul . [Acessado em 7 de agosto de 2018]

Reino Unido (UK). 12 de julho de 2018. GOV.UK. "Assessoria para viagens ao exterior: Camarões." [Acessado em 7 de agosto de 2018]

Organização das Nações Unidas (ONU). 29 de maio de 2018. Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA). "Camarões: Plano de resposta a emergências busca US $ 15 milhões para alcançar 160.000 pessoas deslocadas internamente nos próximos três meses." [Acessado em 7 de agosto de 2018]

Organização das Nações Unidas (ONU). Maio de 2018. Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA). 2018 Local de Resposta a Emergências: Resumo. Camarões: Noroeste e Sudoeste . [Acessado em 7 de agosto de 2018]

Organização das Nações Unidas (ONU). 20 de março de 2018. Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). "Camarões anglófonos na Nigéria passam de 20.000 marcos." [Acessado em 3 de agosto de 2018]

Organização das Nações Unidas (ONU). 17 de novembro de 2017. Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos (OHCHR). "Camarões: os direitos humanos devem ser respeitados para acabar com o ciclo da violência - especialistas da ONU." [Acessado em 3 de agosto de 2018]

Estados Unidos (EUA). 20 de abril de 2018. Departamento de Estado. "Camarões." Relatórios de país sobre práticas de direitos humanos para 2017 . [Acessado em 7 de agosto de 2018]


Lei aplicável

Todas as partes no conflito são obrigadas pelo Artigo 3 comum às Convenções de Genebra de 1949, que estabelece os padrões mínimos a serem respeitados e requer tratamento humano, sem distinção adversa de todas as pessoas que não participam ou não participam mais das hostilidades. Proíbe assassinato, mutilação, tortura, tratamento cruel, desumano e degradante, tomada de reféns e julgamentos injustos.

Todas as partes também estão sujeitas ao direito internacional humanitário consuetudinário aplicável a conflitos armados não internacionais. O direito internacional consuetudinário consiste em regras não escritas que vêm de uma prática geral aceita como lei. Com base em um amplo estudo, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha mantém um banco de dados do direito internacional humanitário consuetudinário.

Além do Direito Internacional Humanitário, o Direito Internacional dos Direitos Humanos continua a ser aplicado em tempos de conflito armado. De acordo com a legislação de direitos humanos, o Estado territorial tem a obrigação de prevenir e investigar supostas violações, inclusive por parte de atores não estatais. Os grupos armados não estatais são cada vez mais considerados sujeitos ao direito internacional dos direitos humanos se exercerem controle de fato sobre algumas áreas.


Relatório de Direitos Humanos de Camarões 2017, abril de 2018 - História

Durante a sua 66ª Sessão Ordinária, a Comissão Africana dos Direitos do Homem e dos Povos (CADHP) irá considerar o 6º Relatório Periódico dos Camarões relativo à implementação da Carta Africana dos Direitos do Homem e dos Povos, o Protocolo de Maputo e a Convenção de Kampala. A Human Rights Watch dá as boas-vindas à apresentação deste relatório estadual e, em conformidade com as Regras 74 e 75 das Regras de Procedimento da CADHP, a Human Rights Watch (Status de Observador número 17) envia este relatório sombra.

Este relatório inclui conclusões da pesquisa da Human Rights Watch sobre a situação dos direitos humanos nos Camarões. O relatório cobre as violações do direito à vida (artigo 4), o direito a igual proteção perante a lei (artigo 3), prisão arbitrária, detenção, tortura e outros maus-tratos (artigos 5 e 6) e violações da liberdade de expressão e reunião ( artigos 9, 10 e 11).

Antecedentes: Crise nas Regiões Anglófonas

As regiões anglófonas Noroeste e Sudoeste dos Camarões estão envolvidas em uma crise cada vez mais profunda de direitos humanos e humanitária desde o final de outubro de 2016, quando professores, advogados, estudantes e ativistas, que há muito reclamam do que consideram ser a marginalização de as duas regiões, pelo governo central, foram às ruas para exigir mais reconhecimento de seus direitos políticos, sociais e culturais. As forças governamentais responderam reprimindo violentamente os protestos pacíficos, prendendo arbitrariamente ativistas locais e manifestantes pacíficos, restringindo as atividades da sociedade civil e bloqueando o acesso à Internet. Separatistas armados também mataram, torturaram e sequestraram dezenas de civis, incluindo professores, alunos e funcionários do governo. A crise levou ao deslocamento de mais de 679.000 pessoas, privou mais de 600.000 crianças da escola nas duas regiões anglófonas e reivindicou mais de 3.000 vidas.

Em 10 de setembro, em meio ao aumento da violência e após uma pressão internacional constante, o presidente Biya pediu um "diálogo nacional", uma série de discussões nacionais com o objetivo de abordar a crise. O diálogo terminou com a adoção de um estatuto especial para as duas regiões anglófonas e a libertação de centenas de presos políticos, incluindo Maurice Kamto, líder do partido de oposição Movimento Renascentista dos Camarões (CRM), e outras pessoas detidas em conexão com os distúrbios em as regiões Noroeste e Sudoeste.

Abusos por separatistas armados

Separatistas armados que exigem a secessão das regiões Noroeste e Sudoeste do estado camaronês mataram, torturaram e sequestraram centenas de civis, incluindo professores, estudantes, clérigos, membros e apoiadores de partidos políticos e funcionários do governo. A Human Rights Watch documentou centenas de casos de sequestro de civis por separatistas armados. A maioria dos abduzidos foi libertada após o pagamento do resgate.

Desde o início de 2017, os separatistas têm consistentemente alvejado edifícios escolares e ameaçado funcionários da educação e estudantes com violência se eles não cumprirem as exigências separatistas de boicotar escolas. Eles também usaram escolas como bases, posicionando caças e armas dentro e perto deles, incluindo na aldeia Koppin (divisão Mezam), aldeia Tenkha (divisão Ngoketunjia) e Mbuluf (divisão Bui), Bali (divisão Mezam).

Em um caso, em 16 de fevereiro, um grupo de separatistas armados sequestrou 170 alunos, a maioria meninas menores de 18 anos, um professor e dois guardas de um internato em Kumbo, região noroeste. Todos foram libertados no dia seguinte em meio a rumores de resgates sendo pagos.

Em 18 de junho, os separatistas sequestraram pelo menos 40 pessoas, incluindo mulheres e crianças, espancaram e roubaram-nas em Bafut, na região Noroeste. Eles foram liberados no dia seguinte.

Em 28 de junho, separatistas armados espancaram e sequestraram John Fru Ndi, um conhecido político camaronês, de sua casa em Bamenda, região noroeste. Três dias antes, separatistas armados sequestraram e libertaram outra figura de destaque, Cornelius Fontem Esua, o arcebispo de Bamenda.

Em novembro, membros do grupo armado separatista das Forças de Restauração sequestraram 20 candidatos para as eleições municipais de 9 de fevereiro de 2020 na cidade de Jakiri, região noroeste. Os oficiais foram mantidos em uma pequena casa perto de um campo separatista na aldeia Vekovi. Eles foram libertados em 8 de dezembro, depois que pagamentos de resgate que se acredita variarem entre 250.000 e 500.000 CFA ($ 419- $ 838) foram pagos para cada abduzido.

Em 5 de janeiro de 2020, separatistas armados do grupo das Forças de Restauração liderados por um comandante conhecido como "General Man Pass Man" sequestraram o prefeito de Babessi, região noroeste, junto com quatro membros do conselho em Babessi. As Forças de Restauração os libertaram em 22 de janeiro, após um pagamento de resgate de 1.000.000 CFA (US $ 1.678). Os separatistas também sequestraram e torturaram o prefeito de Babessi em junho de 2019.

Violações da liberdade de reunião e prisão e detenção arbitrária de membros da oposição e apoiadores (artigos 9, 10 e 11)

Ao longo de 2019, as autoridades e forças de segurança dos Camarões prenderam centenas de membros e apoiantes do partido de oposição Movimento do Renascimento dos Camarões (CRM) e dispersaram violentamente os protestos pacíficos.

No final de janeiro de 2019, o líder do CRM, Maurice Kamto, foi preso arbitrariamente junto com mais de 200 membros e apoiadores de seu partido, incluindo seus conselheiros mais próximos. As forças de segurança dispararam gás lacrimogêneo contra a multidão e balas de borracha de perto para dispersar os manifestantes.

Kamto e outros líderes do CRM não puderam encontrar seus advogados por vários dias e mais tarde foram acusados ​​perante um tribunal militar de uma série de crimes, incluindo hostilidade contra a pátria, ameaças à ordem pública e rebelião. Essas acusações pareciam ter motivação política.

Em junho de 2019, pelo menos 350 membros e apoiadores do CRM foram presos arbitrariamente após tentarem realizar manifestações em todo o país.

Quase todos os membros e apoiadores do CRM, incluindo Kamto, foram libertados em 5 de outubro, após um decreto presidencial. Dezesseis deles, no entanto, incluindo Mamadou Yacouba, vice-presidente do CRM, permanecem detidos até fevereiro de 2020.

Questões não tratadas no 6º Relatório Periódico:

O 6º Relatório Periódico dos Camarões (o Relatório) não menciona a prisão e detenção arbitrária de membros da oposição ou a dispersão violenta de manifestantes por membros das forças de segurança. Também não descreve quaisquer medidas tomadas pelo Governo dos Camarões para mitigar as violações da liberdade de reunião e manifestação pública. O Relatório afirma, em vez disso, que “a liberdade de reunião e manifestação pública é garantida pela Lei nº 90/55”. No entanto, o governo dos Camarões falhou em defender essas liberdades para os membros da oposição detidos durante e após as manifestações pacíficas, conforme documentado pela Human Rights Watch.

A prisão e detenção arbitrária de centenas de membros e apoiantes da oposição e o subsequente impedimento do seu acesso à assistência jurídica é contrário às próprias leis dos Camarões relativas à liberdade de reunião e às suas obrigações como Estado Parte da Carta Africana dos Direitos do Homem e dos Povos . Também reflete um clima de rápido encolhimento do espaço político e cívico.

Perguntas sugeridas para a CADHP fazer à delegação do governo dos Camarões:

Você poderia fornecer uma resposta às alegações de tortura documentadas em um relatório de agosto de 2019 da Human Rights Watch, incluindo a detenção incomunicável e tortura na detenção de mais de 100 detidos na Secretaria de Defesa do Estado (SED) entre 23 de julho a 4 de agosto de 2019 em Yaound e eacute?

O governo iniciou alguma investigação sobre alegações de abuso e tortura na detenção pelas forças de segurança, incluindo o seguinte:

O desaparecimento forçado e a detenção incomunicável de 26 indivíduos entre janeiro de 2018 e janeiro de 2019 no local de detenção do SED

A tortura de 14 pessoas entre janeiro de 2018 e janeiro de 2019 no local de detenção do SED.

O suposto uso sistemático de tortura para extrair confissões de detidos no local de detenção do SED.

O governo iniciou alguma investigação sobre alegações de abusos cometidos por forças de segurança no contexto de operações de contra-insurgência nas regiões Noroeste e Sudoeste, incluindo:

A destruição de propriedades nas regiões Noroeste e Sudoeste entre novembro de 2018 e janeiro de 2020, incluindo a queima de mais de 60 casas no vilarejo de Abuh em novembro de 2018.

Supostos assassinatos ilegais de civis pelas forças de segurança nas regiões Noroeste e Sudoeste desde novembro de 2018.

Houve algum processo, condenação ou ação disciplinar tomada contra funcionários ou membros das forças de segurança envolvidos nas violações de direitos humanos descritas no relatório da Human Rights Watch de agosto de 2019? Em caso afirmativo, você poderia fornecer informações detalhadas sobre o número de casos, a natureza dos crimes, as ações tomadas e a situação dos casos?

O governo tomou alguma medida concreta para mitigar novos abusos por parte das forças de segurança? Em caso afirmativo, você poderia fornecer quaisquer detalhes e documentação dessas medidas?

Recomendações:

A Human Rights Watch exorta o governo dos Camarões a:

Acabar imediatamente com a prática de prisões e detenções arbitrárias de civis, incluindo membros da oposição e simpatizantes, por exercerem sua liberdade de expressão e reunião.

Acabar imediatamente com o uso de tribunais militares para julgar civis.

Garantir que as forças de segurança desdobradas para protestos com o objetivo de proteger a ordem pública sejam treinadas para respeitar os direitos humanos durante suas operações e evitar o uso de força excessiva.

Monitore falhas na implementação de leis e políticas nacionais relacionadas à liberdade de expressão e reunião.

Investigar exaustivamente todas as alegações de uso excessivo da força por membros das forças de segurança durante os protestos, independentemente da filiação política das vítimas, e garantir que os implicados nos abusos sejam devidamente disciplinados.

Violações de direitos humanos por forças governamentais

A pesquisa da Human Rights Watch mostra como as violações dos direitos humanos por parte das forças governamentais têm ocorrido desde que a crise nas regiões anglófonas começou no final de 2016. As forças de segurança mataram civis, queimaram dezenas de aldeias e prenderam e torturaram arbitrariamente centenas de alegados separatistas armados.

Destruição de propriedade (artigo 14)

Em um caso, as forças de segurança incendiaram mais de 60 casas no vilarejo de Abuh, região noroeste, em uma operação de segurança de três dias realizada em novembro de 2018. A Human Rights Watch confirmou a queima por meio de imagens de satélite.

Em 22 de novembro de 2018, os gendarmes queimaram pelo menos 13 casas na vila de Bali, região noroeste.

Entre 3 e 6 de dezembro de 2018, após confrontos entre militares e separatistas armados, as forças de segurança queimaram mais de 55 casas em áreas de Kumbo conhecidas como SAC Junction e Romajay, bem como em Meluf, Kikaikom e Nyaro, região noroeste. A Human Rights Watch confirmou o incêndio de casas por meio de imagens de satélite consistentes com depoimentos de testemunhas.

Em 15 de maio de 2019, após a morte de dois soldados da Força Aérea por supostos separatistas armados, as forças de segurança queimaram mais de 70 casas em Mankon, Bamenda, região Noroeste. A Human Rights Watch confirmou a queima por meio de imagens de satélite consistentes com relatos de testemunhas.

Entre 17 e 20 de janeiro de 2020, as forças de segurança em busca de separatistas armados incendiaram mais de 50 casas em Bali, região noroeste. A Human Rights Watch confirmou a queima por meio de imagens de satélite consistentes com relatos de testemunhas.

Homicídios ilegais (artigos 4 e 5)

Em 21 de outubro de 2018, soldados e gendarmes atacaram as aldeias Rom e Nsah e mataram ilegalmente pelo menos quatro civis, incluindo um jovem com deficiência física.

Em 5 de dezembro de 2018, o exército matou ilegalmente sete pessoas na vila de Meluf, região noroeste, incluindo um homem de 70 anos com deficiência auditiva que foi queimado dentro da casa de seu vizinho.

Em 18 de janeiro de 2019, soldados mataram ilegalmente uma enfermeira de 28 anos que estava grávida de sete meses, enquanto ela estava a caminho do trabalho em Kumbo, região noroeste.

Em 6 de fevereiro de 2019, soldados do Batalhão de Intervenção Rápida (BIR) invadiram o mercado da vila de Bole Bakundu, região sudoeste, e mataram ilegalmente até 10 homens. Membros da comunidade disseram acreditar que as forças de segurança estavam retaliando contra civis acusados ​​de colaborar com os separatistas.

Em 4 de abril de 2019, soldados camaroneses, gendarmes e membros do Batalhão de Intervenção Rápida (BIR) realizaram um ataque mortal no vilarejo de Meluf, na região noroeste. Eles mataram ilegalmente cinco civis, incluindo um com deficiência mental. Mais tarde, três dos corpos foram encontrados mutilados, incluindo um que havia sido decapitado.

Em 15 de maio de 2019, após a morte de dois soldados da Força Aérea por supostos separatistas armados, as forças de segurança mataram ilegalmente um homem de 41 anos em Alachu, Bamenda, região Noroeste.

Em 10 de julho de 2019, soldados da Força Aérea dos Camarões mataram ilegalmente um homem de 20 anos com deficiência mental e outro civil, durante operações de segurança em busca de separatistas armados no bairro de Alachu, na cidade de Bamenda, noroeste região.

Soldados, incluindo membros do Batalhão de Intervenção Rápida (BIR) e gendarmes mataram ilegalmente pelo menos 4 civis, incluindo dois homens com deficiência intelectual, em uma operação de segurança na vila de Bali entre 17 e 20 de janeiro de 2020.

Tortura e detenção incomunicável (artigos 3, 5 e 6)

O Governo dos Camarões declarou publicamente em 2017 que a tortura não ocorre nos Camarões, no entanto, a Human Rights Watch continua a receber relatos de tortura e tratamento desumano e degradante na prisão. O Relatório Periódico de Camarões não demonstra nenhum progresso na investigação do uso de tortura na detenção e não fornece nenhuma evidência de casos apresentados a tribunais para responsabilizar membros das forças de segurança implicados em tortura ou maus-tratos na prisão desde 2017.

A Human Rights Watch documentou 26 casos de detenção incomunicável e desaparecimento forçado e 14 casos de tortura na Secretaria de Estado da Defesa (Secretaria de Estado a la defesa, SED) em Yaound & eacute entre janeiro de 2018 e janeiro de 2019. Entre 23 de julho e 4 de agosto de 2019 As autoridades camaronesas mantiveram mais de 100 pessoas em detenção incomunicável e torturaram muitas delas na prisão SED em Yaound & eacute. Os ex-detentos descreveram policiais de baixa a média posição usando métodos de tortura, incluindo espancamentos severos e quase afogamentos, para humilhar, punir e extrair confissões de detidos, a maioria dos quais civis detidos por supostos vínculos com grupos armados separatistas.

A Human Rights Watch também documentou que as autoridades camaronesas mantiveram mais de 100 detidos em detenção incomunicável e torturaram muitos deles em SED, Yaound e eacute, de 23 de julho a 4 de agosto de 2019. Os detidos foram transferidos para o estabelecimento na manhã após os presos em Yaound e na Prisão Central de eacute protestarem em 22 de julho, em protesto contra a superlotação, as péssimas condições de vida e o atraso no julgamento de seus casos. O paradeiro da maioria dos detidos foi desconhecido durante quase duas semanas. On August 3, 2019 the day after official acknowledgement of the whereabouts of the detainees, some lawyers were finally able to meet with some of their clients at the SED. Human Rights Watch interviewed 14 detainees held at the SED, all of whom said they were tortured and held incommunicado during their time there, and heard credible accounts that scores more were also tortured.

Sexual violence (articles 3 & 4, Maputo Protocol)

Cameroon's 6th Periodic Report states that "from 2013 to 2017, 313 elements of Defence (sic) Forces were prosecuted before the courts for different offences," including rape and attempted rape, and notes that 30 of the 313 were convicted and sentenced. The Report however fails to provide evidence of any efforts on the part of the Government of Cameroon to prosecute those implicated in human rights violations, including sexual violence, committed in the Anglophone regions since late 2017, or any details of cases brought against security forces which were tried before courts.


Economy: A Prosperous Nation

Since becoming independent in 1960, Cameroon has become one of the most prosperous Africa states, standing as the largest economy in the Central African Economic and Monetary Community (CEMAC). To protect its economy from recession and maintain confidence in its currency, the Central African CFA franc, Cameroon employs strict fiscal adjustment measures.

Cameroon enjoys a positive trade stance thanks to its exports of natural resources, including petroleum, minerals, timber, and agricultural products, such as coffee, cotton, cocoa, maize, and cassava. Based mainly on its production of natural gas, Cameroon’s economy was predicted by the World Bank to grow by 4.3% in 2020.


Rights Groups Doubt Cameroon Military’s Massacre Investigation

YAOUNDE – Rights groups in Cameroon doubt the military’s claim it will properly investigate the latest alleged massacre of civilians by its troops. Activists and witnesses say the military killed 10 villagers Sunday, including women and children, while attempting to fight separatists. Cameroon’s military denies it was responsible, a line that has been questioned in past cases. Thirty-seven-year-old teacher Jacob Mende says he fled Cameroon’s southwestern village of Mautu after witnessing the military on Sunday shooting civilians. “Cameroon military invaded the village of Mautu,” he said, speaking via a messaging&hellip


Refugees and asylum-seekers

At least 250,000 refugees from the Central African Republic lived in harsh conditions in crowded camps or with host families along border areas of southeastern Cameroon. Some 60,000 refugees from Nigeria lived in the UN-run Minawao camp in the Far North region around 30,000 others struggled to cope outside the camp, facing food insecurity, lack of access to basic services, harassment by the security forces and the risk of refoulement as they were perceived to be supporters of Boko Haram.

On 2 March, Cameroon, Nigeria and UNHCR, the UN refugee agency, signed a “Tripartite Agreement for the Voluntary Repatriation of Nigerian Refugees Living in Cameroon”. However, between January and September, Cameroon forcibly returned at least 4,400 Nigerians. These forced returns were part of a larger deportation operation carried out by Cameroon. Human Rights Watch estimated that, since 2015, Cameroonian authorities and security forces had summarily deported more than 100,000 Nigerians living in areas located along the Cameroon-Nigeria border, often with unnecessary and excessive use of force. Some of those forcibly returned, including children, weakened by living for months or years with limited or no access to food and health care, died during the deportations.

In December, UNHCR reported having registered more than 5,000 Cameroonians, mainly women and children, who had fled the Anglophone areas of Cameroon to Nigeria.


A 2002 report by the UK charity Freedom from Torture said that "The prevalence of torture in Cameroon was such as to warrant a country visit from the United Nations Special Rapporteur on Torture in 1999. He described the use of torture in Cameroon as 'widespread and systematic.'" [2]

In its 2012 Annual Review, Freedom from Torture stated that they had received 33 referrals for torture survivors from Cameroon for clinical treatment or other services.

Amnesty International reported concerns about violence by security forces. In 2009, around 100 civilians were killed during demonstrations [3]

In April 2010, Germain Cyrille Ngota Ngota, the editor of the Cameroun Express, died in custody at Kondengui Central Prison. [4] He had been jailed pending trial in February 2010 along with the editors of two other newspapers, for the alleged "joint forgery" of the signature of a presidential official. One of the editors said that the document in question had merely been attached to an interview request, whilst the journalist who had originated the document was on the run. [5] "The Federation of African Journalists after visiting the country described Cameroon in May 2010 as 'one of the worst jailers of journalists in Africa'." [4] [6]

The following table gives Cameroon's ratings since 1972 in the Freedom in the World reports, published annually by Freedom House. A score of 1 is "most free" and 7 is "least free". [7] 1

Cameroon's stances on international human rights treaties are as follows:


Amnesty International Report 2017/18 - Cameroon

The armed group Boko Haram continued to commit serious human rights abuses and violations of international humanitarian law in the Far North region, including looting and destroying properties and killing and abducting civilians. In response, the authorities and security forces committed human rights violations and crimes under international law, including arbitrary arrests, incommunicado detentions, torture and deaths in custody. As a result of the conflict, around 240,000 people in the Far North region had fled their homes between 2014 and the end of 2017. Freedoms of expression, association and peaceful assembly continued to be restricted throughout the country. Security forces violently repressed demonstrations in Anglophone regions in January and September. Civil society activists, journalists, trade unionists and teachers were arrested and some faced trial before military courts.

ABUSES BY ARMED GROUPS

The armed group Boko Haram committed crimes under international law and human rights abuses, including suicide bombings in civilian areas, summary executions, abductions, recruitment of child soldiers, and looting and destruction of public and private property. During the year, the group carried out at least 150 attacks, including 48 suicide bombings, killing at least 250 civilians. The crimes were part of a widespread and systematic attack on the civilian population across the Lake Chad basin. Boko Haram deliberately targeted civilians in attacks on markets, mosques, commercial areas and other public places. On 12 July a female suicide bomber detonated explosives in a crowded video-game shop in the town of Waza, killing at least 16 civilians and injuring more than 30. On 5 August, a suicide bomber in the village of Ouro Kessoum, near Amchide, killed eight children and injured four more.

TORTURE AND OTHER ILL-TREATMENT

Security forces continued to arbitrarily arrest individuals accused of supporting Boko Haram, often with little or no evidence and sometimes using unnecessary or excessive force. Those arrested were frequently detained in inhumane, life-threatening conditions. At least 101 people were detained incommunicado between March 2013 and March 2017 in a series of military bases run by the Rapid Intervention Battalion (BIR) and facilities run by the intelligence agency. They were subjected to torture and other ill-treatment.[1] These routine and systematic practices continued throughout 2017, although at least 20 people were reported to have been transferred from the BIR military base in Salak to the central prison in Maroua in late August.

It was highly likely that senior military officers based in Salak were aware of the torture, but they did nothing to prevent it. US military personnel also had a regular presence at the BIR's base at Salak and an investigation was launched into their possible knowledge of human rights violations at the base its outcomes were not published during the year.

No investigations were known to have been conducted by the Cameroonian authorities into the allegations of incommunicado detention, torture and other ill-treatment, nor efforts made to prevent such occurrences or to prosecute and punish the perpetrators.

In December the UN Committee against Torture expressed deep concern about the use of torture and incommunicado detention, and criticized the failure by Cameroonian authorities to clarify whether investigations were being carried out.

FREEDOMS OF EXPRESSION, ASSOCIATION AND ASSEMBLY

Human rights defenders, including civil society activists, journalists, trade unionists, lawyers and teachers continued to be intimidated, harassed and threatened.

On 17 January, following protests in the English-speaking regions of the country, the Minister of Territorial Administration banned the activities of the political party Southern Cameroons National Council (SCNC) and the Cameroon Anglophone Civil Society Consortium (CACSC).[2] The same day, the president of the CACSC, barrister Nkongho Felix Agbor-Balla, and its Secretary General, Dr Fontem Aforteka'a Neba, were arrested after signing a statement calling for non-violent protests. Held incommunicado at the State Defence Secretariat, they were charged under the 2014 anti-terrorism law, without any basis. They were transferred to the Prison Principale in the capital, Yaoundé, before eventually being released following a presidential decision on 30 August, along with 53 other Anglophone protesters who had been arrested between late October 2016 and February 2017.

Between January and April, and in early October, telephone and internet services were cut in the English-speaking regions, with no official explanation.

On 24 May, authorities shut down an Amnesty International press conference scheduled to take place in Yaoundé. Amnesty International staff had planned to present more than 310,000 letters and petitions asking President Biya to release three students imprisoned for 10 years for sharing a joke by text message about Boko Haram. No written administrative justification was provided for the prohibition of the press conference.

More than 20 protesters were shot by security forces in the Anglophone regions between 1 and 2 October, and more than 500 arrested. Others wounded in the protests were forced to flee hospitals where they sought life-saving treatment out of fear of arrest. In addition, dozens of members of the security forces, including soldiers and gendarmes, were killed in attacks perpetrated by Anglophone insurgents in the South and North West regions during the year.

UNFAIR TRIALS

Unfair trials continued before military courts, which were often marred by irregularities.

On 10 April, Radio France Internationale correspondent Ahmed Abba was sentenced to 10 years' imprisonment, convicted by the Yaoundé Military Court of "complicity with and non-denunciation of terrorist acts". The trial was marred by irregularities, including documents not being disclosed to defence lawyers. Ahmed Abba had been arrested in Maroua in July 2015 and was tortured while held incommunicado for three months at a facility run by the General Directorate of External Research. On 21 December the Appeal Court of the Yaoundé Military Court ordered his initial sentence to be reduced to 24 months, which he had already served. The Court upheld the charge of "non-denunciation of terrorism".

The appeal of Fomusoh Ivo Feh, who was arrested in December 2014 for forwarding a sarcastic text message about Boko Haram and sentenced to 10 years in prison, had not begun at the end of the year. Scheduled to begin in December 2016, his hearings had been adjourned at least seven times.

On 30 October, journalists Rodrigue Tongué, Felix Ebole Bola and Baba Wamé were acquitted by the Yaoundé Military Court, having been initially charged in October 2014 with "non-denunciation of information and sources". Facing trial alongside the journalists were opposition party leader Aboubakary Siddiki, and Abdoulaye Harissou, a well-known notary detained since August 2014. The Yaoundé Military Court sentenced Aboubakary Siddiki to 25 years' imprisonment on charges including hostility against the homeland, revolution, and contempt of the President. Abdoulaye Harissou was sentenced to three years' imprisonment, and subsequently released having already served this sentence. Their trial was marred by irregularities. During their initial period of detention, the two men had been held incommunicado for more than 40 days in an illegal facility run by the General Directorate of External Relations and subjected to torture.

Prison conditions remained poor, marked by chronic overcrowding, inadequate food, limited medical care, and deplorable hygiene and sanitation. Maroua prison housed around 1,500 detainees, more than four times its intended capacity. The population of the central prison in Yaoundé was approximately 4,400, despite a maximum capacity of 1,500. The main factors contributing to overcrowding included the mass arrests since 2014 of people accused of supporting Boko Haram, the large number of detainees held without charge, and the ineffective judicial system. The government finalized the construction of at least 10 new cells for the prison in Maroua.

REFUGEES AND ASYLUM-SEEKERS

At least 250,000 refugees from the Central African Republic lived in harsh conditions in crowded camps or with host families along border areas of southeastern Cameroon. Some 60,000 refugees from Nigeria lived in the UN-run Minawao camp in the Far North region around 30,000 others struggled to cope outside the camp, facing food insecurity, lack of access to basic services, harassment by the security forces and the risk of refoulement as they were perceived to be supporters of Boko Haram.

On 2 March, Cameroon, Nigeria and UNHCR, the UN refugee agency, signed a "Tripartite Agreement for the Voluntary Repatriation of Nigerian Refugees Living in Cameroon". However, between January and September, Cameroon forcibly returned at least 4,400 Nigerians. These forced returns were part of a larger deportation operation carried out by Cameroon. Human Rights Watch estimated that, since 2015, Cameroonian authorities and security forces had summarily deported more than 100,000 Nigerians living in areas located along the Cameroon-Nigeria border, often with unnecessary and excessive use of force. Some of those forcibly returned, including children, weakened by living for months or years with limited or no access to food and health care, died during the deportations.

In December, UNHCR reported having registered more than 5,000 Cameroonians, mainly women and children, who had fled the Anglophone areas of Cameroon to Nigeria.

RIGHT TO AN ADEQUATE STANDARD OF LIVING

The conflict with Boko Haram led to the internal displacement of around 240,000 people in the Far North region and exacerbated the hardships experienced by communities, limiting their access to basic social services, and disrupting trade, farming and pastoralism. In December, almost 3.3 million people, of whom 61% were in the Far North region, were in need of humanitarian assistance, including food and medical care. Humanitarian access continued to be restricted by the ongoing conflict.

RIGHT TO EDUCATION

Dozens of schools were closed in the English-speaking regions between November 2016 and September 2017, following strikes and boycotts called for by trade unions and members of civil society. Extreme elements within Anglophone pro-secession groups carried out attacks on education facilities that "breached the boycott".

Between January and September 2017, more than 30 schools were burned and severely damaged. In the Far North region, 139 primary schools in the departments of Logone and Chari, Mayo Sava and Mayo Tsanaga remained closed because of insecurity and at least eight were occupied by security forces, affecting almost 40,000 children.

DEATH PENALTY

People accused of supporting Boko Haram continued to be sentenced to death following unfair trials in military courts none were executed during the year. The cases were all prosecuted under the deeply flawed 2014 anti-terrorism law.

[1] Cameroon's secret torture chambers: Human rights violations and war crimes in the fight against Boko Haram (AFR 17/6536/2017)

[2] Cameroon: Arrests and civil society bans risk inflaming tensions in English-speaking regions (Press release, 20 January)


Assista o vídeo: Comissão da OEA divulga relatório sobre Direitos Humanos no Brasil


Comentários:

  1. Davison

    Quero dizer, você permite o erro. Posso defender minha posição. Escreva para mim em PM, vamos conversar.

  2. Bothe

    Completamente compartilho sua opinião. Nele, algo também é que é uma excelente ideia.

  3. Booth

    Desculpe, liquidado

  4. Beryx

    Muito bem, foste visitado pela ideia simplesmente magnífica

  5. Daik

    Que palavras adequadas... a frase fenomenal, excelente

  6. Benat

    Informações fundamentalmente erradas



Escreve uma mensagem