O último episódio de “The Sopranos” vai ao ar

O último episódio de “The Sopranos” vai ao ar

Quase 12 milhões de pessoas sintonizam para o final da série do drama da família Mob aclamado pela crítica e premiado com vários prêmios Os Sopranos em 10 de junho de 2007.

O mentor por trás Os Sopranos foi David Chase, escritor, produtor e diretor de longa data de séries de TV como The Rockford Files, Vou voar para longe e Exposição do Norte. Chase se inspirou para sua última série em sua infância ítalo-americana crescendo em Nova Jersey, quando ficou fascinado pelo grande filme de gângster de William Wellman de 1931 O inimigo público, estrelado por Jimmy Cagney. Os Sopranos foi um sucesso imediato com os críticos quando estreou em janeiro de 1999. No centro estava o chefe da Máfia de Nova Jersey, Tony Soprano (James Gandolfini), cujos ataques de ansiedade no início da série o mandaram para o consultório de uma terapeuta, Dra. Jennifer Melfi (Lorraine Bracco). Logo fica claro que Tony tem uma vida estressante gerenciando sua família - incluindo sua mãe vingativa (Nancy Marchand) e tio (Dominic Chianese), sua esposa materialista, mas de bom coração, Carmela (Edie Falco) e seus dois filhos adolescentes, Meadow (Jamie -Lynn Sigler) e Anthony Jr. ou AJ (Robert Iler) - bem como sua tripulação de tenentes, notadamente Paulie Nozes (Tony Sirico), Silvio Dante (Steve Van Zandt) e Christopher Moltisanti (Michael Imperioli).

Os Sopranos trouxe para a televisão uma visão complexa e compassiva da vida da Máfia, semelhante às anteriormente retratadas na tela grande por diretores como Francis Ford Coppola (os três Padrinho filmes) e Martin Scorsese (Ruas principais, Bons companheiros) Ambos O padrinho e Bons companheiros foram pedras de toque para Chase (e seus personagens) ao longo da série, assim como O inimigo público, que Tony assiste de forma memorável após a morte de sua mãe na terceira temporada do programa.

De acordo com Alessandra Stanley, escrevendo no New York Times durante a temporada final de Os Sopranos: “A série baixou o nível da violência permissível, sexo e palavrões, ao mesmo tempo que elevou o gosto dos espectadores, cultivando o apetite por complexidade, sagacidade e elegância cinematográfica em um drama em série em que temas psicológicos piscaram e aumentaram e desapareceram e reapareceram . Os melhores episódios tinham quantidades iguais de alto e baixo apelo, uma alquimia de arte e sangue e sangue coagulado no nível da sarjeta, tudo isso fermentado com humor. ” Como Stanley relata, os críticos e observadores da cultura pop costumavam ser hiperbólicos em seus elogios ao programa, chamando-o de Dickensiano ou Shakespeariano; o autor Norman Mailer, por exemplo, chamou Os Sopranos a coisa mais próxima do Grande Romance Americano na cultura de hoje. Os fãs também adoraram: o público do programa atingiu um pico de cerca de 18 milhões de telespectadores durante sua quarta temporada. O grande sucesso do programa, junto com o da série de comédia Sexo e a cidade (que estreou seis meses antes Os Sopranos), estabeleceu a reputação da HBO como o lar de algumas das programações originais mais populares da TV.

Na última temporada de Os Sopranos, Tony sobrevive a um tiroteio quase fatal e começa a contemplar seu próprio envelhecimento e mortalidade. Enquanto isso, parece que uma guerra em grande escala está se formando entre as famílias do crime de Nova York e Nova Jersey, quando o odiado Phil Leotardo (Frank Vincent) assume o controle de Nova York depois que o ex-chefe Johnny Sack (Vincent Curatola) morre na prisão. Quando Phil vai atrás de Tony e sua equipe, eles reagem por sua vez, e os corpos se empilham. Na cena final do final aberto, Tony conhece Carmela, Meadow e A.J. em uma lanchonete para o jantar. Assim que a tela escureceu, os fãs imediatamente começaram a debater o que realmente aconteceu e lamentar o fim de um programa que muitos consideraram o melhor da história da televisão.


Compartilhado Todas as opções de compartilhamento para: Dez anos depois, o final de ‘Sopranos’ ainda é revolucionário

É fácil esquecer, mas muita coisa acontece no episódio final de Os Sopranos: Alguém leva um tiro na cabeça em plena luz do dia. Um A.J. deprimido e sem rumo decide se juntar ao Exército - no meio da guerra no Afeganistão, nada menos - apenas para Tony e Carmela suborná-lo com um papel de “executivo de desenvolvimento” em um filme financiado por Tony. E em uma cena que entrega a emoção que esperaríamos de uma série amada e longa dizendo seu adeus, Tony chega a um acordo com a extensão da demência do tio Júnior.

No entanto, quase nenhum desses momentos causou uma impressão duradoura, porque nenhum deles levou o público do show a um frenesi coletivo tanto quanto o que veio a seguir: nada. Mais especificamente, 10 segundos de silêncio negro como breu que nos pegou de surpresa a ponto de nos perguntarmos se nossas TVs não estavam funcionando direito. Em poucas horas, as teorias proliferaram (o que havia com o cara do banheiro?), As postagens no blog aumentaram (que desculpa!) E, durante todo o tempo, a equipe de criação manteve suas bocas firmemente fechadas - um omertá o criador David Chase ainda não quebrou. Dez anos depois, neste sábado, ainda estamos sentindo os tremores secundários. Assim como Os Sopranos revolucionou nossa ideia do que uma grande série de TV pode ser, “Made in America” revolucionou nossa ideia de como uma grande série de TV pode terminar.

O final da televisão sempre foi uma jogada complicada que o final de uma série é uma chance de entregar aquilo que a TV foi expressamente projetada não para fornecer: conclusividade. O objetivo da televisão é continuar, e seus escritores renegarão qualquer número de desenvolvimentos do enredo para atingir esse objetivo. Os personagens podem voltar dos mortos, ou reaparecer em flashbacks, ou retornar para um check-in depois de serem cancelados, a recompensa romântica há muito provocada por uma temporada pode ser o relacionamento sitiado da próxima. As finais das séries, por sua vez, lutam contra todos os impulsos da TV - são o fim da estrada, por assim dizer.

Antes de Os Sopranos, finais podiam chocar e surpreender, mas sempre o faziam de maneiras bastante específicas e limitadas. Houve o infame "foi tudo um sonho!" manobra, o clichê instantâneo codificado pelo golpe duplo da nona temporada de Dallas em 1986 e St. Elsewhere dois anos depois, essa opção foi de cair o queixo no momento, mas à custa de baratear tudo em que o público havia passado meses ou anos investindo. The Cosby Show quebrando a quarta parede atingindo o público do estúdio, e Newhart retroativamente enquadrando-se não apenas como um sonho, mas o sonho do último papel principal de sua estrela em uma sitcom. E havia SeinfeldDedo médio misantrópico: enviando o quarteto central para a prisão. Às vezes, um programa simplesmente fica sem material de origem, como em M * A * S * HAutoexplicativo "Adeus, adeus e amém" - a guerra termina, então os personagens dizem ... adeus, adeus e amém. Com mais de 100 milhões de espectadores, M * A * S * H continua a ser o final da série mais visto na história e um dos mais exemplos de livros de como revisitar os destaques de uma série ao fechar a loja.

Todos esses finais condicionaram os espectadores a certos requisitos (autocongratulação, gravata borboleta para cada personagem principal e enredo) para uma despedida satisfatória. “Made in America” passou a desconsiderar todos eles - ou mais precisamente, a chegar perto o suficiente para provocar a possibilidade de um fechamento mais tradicional antes de arrancá-lo com um único corte para preto. Após assistir novamente, o aumento para o silêncio abrupto é tão insuportavelmente tenso quanto era em 2007. Se Tony não estava indo em direção a algo explosivo, por que os cortes para todos os outros clientes do restaurante, como se para implicá-los? Por que a câmera se detém no trabalho amador de estacionamento paralelo de Meadow? Por que deixar cair uma deixa de música tão irônica como "Don Don't Stop Believin 'do Journey," épico e inspirador em contraste com uma cena que supostamente era para ser o oposto? Claro, o episódio termina com um anticlímax - mas esse anticlímax consegue pousar com uma força de parar o coração.

Mas a tensão por si só não explica por que "Tony está morto ou não está?" tão dominado, e continua a dominar, a discussão em torno Os Sopranos' final. Um canalha que matou ou alienou todos de real importância para ele fora de sua família nuclear, Tony Soprano passou seis temporadas evitando o destino que a maioria da ficção de mercado de massa oferece aos perversos. Em um último encolher de ombros casual das regras antes fundamentais da TV, "Made in America" ​​confirmou que nunca veríamos Tony realmente sofrer por seus pecados - pelo menos na tela. Fazia sentido no contexto: por que a série que nos confrontou com um protagonista assassinando um homem com as próprias mãos em seu quinto episódio não continuaria a empurrar os limites do que consideramos aceitável, até mesmo atraente, em seus momentos finais? Mas lançar a ideia do carma finalmente chegando para o chefe do crime de Northern Jersey e depois dar a ele um passe livre parecia impensável, e por isso uma grande pluralidade de telespectadores se recusou a reconhecer isso. Tony tinha que estar morto, e a única questão era como daí os mais de 16 milhões de resultados do Google para "homem com jaqueta somente para membros" e a teorização sobre a motivação do homem de jaqueta (como se o assassino de Tony Soprano precisasse de alguma), ou a interminável acusações de que o corte para preto era, de alguma forma, uma evasão. Tudo o que Chase deu às massas para continuar foi que tudo o que precisávamos saber estava “tudo lá” no próprio episódio.

O compromisso de Chase em manter seu final aberto em aberto - prenunciado, em retrospecto, pelo russo ainda ausente de "Pine Barrens" - levou a um tipo totalmente novo de final: um sem final algum. Em vez de encerrar a série de uma forma limpa e ordenada, Os Sopranos Os espectadores ficaram pasmos ao se recusar a sequer tentar. Esta foi a mais recente - e talvez a maior - inovação da série. Tony era um mafioso diferente de todos que tínhamos visto antes, forçando os fãs a confrontar o que significava romantizar um criminoso, mas ele ainda era um mafioso, e explicitamente posicionado na linhagem dos mafiosos da cultura pop do passado. (Sil's Padrinho impressão!) “Made in America” não tinha precedentes para ajustar. Desistir de uma chance de agora ou nunca de uma resolução para a ambigüidade sustentada permanece Os Sopranos'Movimento mais radical entre muitos.

Conseqüentemente, o final inspirado em “Made in America” tornou-se um significante de uma série de prestígio tanto quanto o anti-herói, a sequência do sonho e outros Sopranos básicos - tanto em termos da maneira real como a série termina, quanto na forma como o público antecipa e disseca esses finais. Homens loucos, Os Sopranos'Sucessor literal (o programa estreou apenas um mês depois Os Sopranos embrulhado), bem como o espiritual (Os Sopranos foi a ponte do escritor e produtor Matthew Weiner das comédias da CBS aos dramas da TV a cabo) continuou o que "Made in America" ​​começou. Essa série termina com uma cena que é menos chocante, mas igualmente ambígua - um corte do sorriso enigmático de Don Draper em um retiro de meditação à beira-mar longe da Madison Avenue para o clássico anúncio da Coca-Cola que ele pode ou não ter criado posteriormente. O final feliz instantaneamente se transformou em um ambivalente, um pivô rápido que o público se sentiu mais preparado para aceitar e compreender graças ao seu antecessor. Em um mundo pré- “Made in America”, duvido que teríamos sido tão rápidos em pegar o anúncio da Coca-Cola como prova de que Don transformou sua iluminação em mais um produto de consumo. Mas em um mundo onde Os Sopranos'Vácuo foi intencional, Homens loucosO comercial de pode fazer parte de um show. E só neste mês, As sobras inspirou uma nova rodada de discussões sobre a questão deliberadamente sem resposta de se a heroína Nora Durst havia realmente resolvido o mistério da Partida Súbita ou apenas inventado uma ficção conveniente.

Além de sua influência nas finais subsequentes, no entanto, "Made in America" ​​mudou a forma como pensar sobre os finais. Nunca mais iremos trazer as mesmas expectativas para um capítulo final que Sopranos os espectadores fizeram quando ligaram seus aparelhos há 10 anos. Escolher a surpresa ao invés do fechamento agora é considerado um recurso, não um bug, agora é amplamente aceito que a falta de resolução não é mutuamente exclusiva com a falta de satisfação. E as finais agora são muito difíceis Os SopranosCapacidade de nos manter alerta enquanto M * A * S * HCapacidade de amarrar pontas soltas.

Embora “Made in America” tenha seus imitadores, nenhum igualou sua força ou impacto reorganizando totalmente nossa compreensão do que a TV é obrigada a nos dar. Os Sopranos sempre terá a vantagem competitiva de trabalhar sem precedentes onde seus sucessores agora operam em um cenário de TV em que violência, sexo e, sim, mistério agora são normalizados. Mais que isso, Os Sopranos veio com um final tão obscuro e desorientador quanto as 85 horas que o levaram. Em vez de trair seu ethos curvando-se às convenções, Os Sopranos saiu em seus próprios termos.


Sem mais terapia para Tony Soprano

Um dos relacionamentos mais importantes em Os Sopranos, se não a O relacionamento mais importante é entre o chefão da máfia Tony Soprano (James Gandolfini) e sua terapeuta, Dra. Jennifer Melfi (interpretada por Lorraine Bracco). Por sete anos, os dois dançaram em torno um do outro no consultório oval de Melfi, enquanto a terapeuta costumava ficar em transe e às vezes com repulsa por seu cliente gangster. Para complicar ainda mais as coisas, Tony às vezes estava apaixonado e às vezes farto de seu terapeuta. Por tudo isso, a conexão pessoal e profissional quase acabou em mais de uma ocasião, mas os dois sempre pareciam encontrar o caminho de volta um para o outro.

Então, no penúltimo episódio da série, Melfi chega a uma conclusão depois que um colega a incentiva a ler sobre como Tony, como um sociopata, pode simplesmente estar se aproveitando dela. Convencido de que a está usando, Melfi interrompe Tony durante uma sessão final tensa. Durante a guerra com Phil Leotardo (Frank Vincent) e a família criminosa Lupertazzi, Tony não tentou ligar ou contatá-la e, pelo que sabemos, ele considera o relacionamento deles encerrado, assim como ela. Se Tony saísse vivo da série, é possível que ele tivesse procurado cuidados semelhantes em algum momento no futuro, mas Melfi parecia decidida a excluí-lo de sua vida.


University at Buffalo - The State University of New York

O destino final do chefão da máfia favorito da América ainda está para ser visto, mas uma coisa é certa: quando o último episódio de "The Sopranos" for ao ar em 10 de junho, o programa entrará para a história da televisão americana como um dos maiores de todos os tempos, de acordo com a especialista em cultura pop do UB, Elayne Rapping.

Antes da estreia de "O Soprano", os retratos simpáticos de bandidos eram estritamente o precedente dos filmes, de acordo com Elayne Rapping.

"Não há dúvida sobre isso", diz Rapping, professor emérito de estudos americanos e autor de "Law and Justice as Seen on TV". "'The Sopranos' está classificado com 'All in the Family' como um dos programas de TV mais inovadores e influentes da cultura americana."

De acordo com o Rapping, "The Sopranos" deu "permissão" à TV para mostrar os gangsters como personagens simpáticos com os quais o público pode se identificar. Antes da estreia da série na HBO, retratos simpáticos de bandidos & # 151mobsters, rebeldes e outros bandidos & # 151strictly eram o precedente dos filmes, Rapping aponta.

“O que você conseguiu com 'The Sopranos' foi permissão para simpatizar com os bandidos que muitos de nós invejamos pelo que conseguem fazer”, diz Rapping. "Acho que esse foi o segredo do sucesso do programa que as pessoas fantasiam sobre fazer a grande matança e escapar impunes."

Embora ousado para a TV, "Os Sopranos" ainda era muito mais seguro do que retratos de mafiosos em filmes porque, no fundo, os Sopranos são uma família com a qual o público pode se identificar, explica Rapping.

"Os Sopranos" foi o que mais se aproximou de retratos cinematográficos de bandidos simpáticos conforme os gêneros de TV permitem, mas o foco do programa na família & # 151 e nos problemas típicos de uma família suburbana & # 151 o tornou mais palatável para o público da TV e foi um dos principais motivos para o sucesso do show, Rapping diz.

"'The Sopranos'" inspirou-se na abordagem muito original de Francis Ford Coppola sobre o gênero em 'Godfather I and II'. Coppola uniu família e 'negócios' & # 151 e as contradições entre os dois & # 151 de uma forma nunca feita ", acrescenta ela.

"Não se pode falar sobre 'Os Sopranos' sem fazer referência aos filmes de 'O Poderoso Chefão'. Os filmes de gângster sempre foram os principais do cinema e, ao contrário dos filmes policiais e dos programas de TV, muitas vezes retratam retratos simpáticos de bandidos."

Na análise final, "Os Sopranos" não tornaram os mafiosos e assassinatos "nada de especial" na TV, diz Rapping. "O show viverá em seus imitadores na TV mainstream."


Uma Odisseia no Espaço

A edição da cena final na lanchonete recebe um escrutínio tremendo, mesmo depois de quase uma década e meia desde sua estreia. À medida que cria um ritmo de corte do som da campainha acima da porta da lanchonete para mostrar o ponto de vista de Tony quando ele vê o próximo patrono da lanchonete, a edição cria uma tensão que o corte para preto interrompe. Mas ainda mais notável é a referência visual ao famoso final do filme de 1968 2001: Uma Odisséia no Espaço.

Assim que Tony entra na lanchonete no início da cena, ele olha para a mesa em que logo se sentará. A câmera volta para seu rosto e, mais uma vez, para a mesa do outro lado do restaurante, como se Tony estivesse se vendo momentos depois. De forma similar, 2001David Bowman experimenta quase o mesmo efeito quando olha para o outro lado de uma sala e se vê no fim de sua vida. Mas, enquanto Bowman está idoso e enfermo em seu leito de morte, o fim da vida de Tony ocorre poucos momentos depois. É um trabalho de câmera extremamente sutil, mas considerando a reputação titânica do filme, a referência é clara demais para ser uma coincidência.


Lista de Os Sopranos episódios

Os Sopranos, uma série dramática de televisão criada por David Chase, estreada no canal de televisão premium HBO nos Estados Unidos em 10 de janeiro de 1999 e encerrada em 10 de junho de 2007. [1] A série consiste em um total de 86 episódios em seis temporadas . Cada episódio tem aproximadamente 50 minutos de duração. Cada uma das cinco primeiras temporadas consiste em treze episódios e a sexta temporada em vinte e um.

Os Sopranos estrela James Gandolfini no papel do mafioso contemporâneo Tony Soprano, que vive em Nova Jersey. [2] Edie Falco interpreta sua esposa Carmela Soprano, [3] e Lorraine Bracco como sua psiquiatra Dra. Jennifer Melfi. [4] O arco de história contínuo de Os Sopranos é como Tony Soprano lida com os requisitos freqüentemente conflitantes de sua vida doméstica e da organização criminosa que ele lidera. [5]

A HBO transmitiu a sexta temporada em duas partes. Os primeiros doze episódios foram de março a junho de 2006, e os nove episódios restantes foram de abril a junho de 2007. A HBO também lançou as duas partes da sexta temporada como caixas de DVD separadas. [6] Isso efetivamente transforma a segunda parte em uma curta sétima temporada, embora os produtores do programa e a HBO não a descrevam como tal. [7] Todas as seis temporadas estão disponíveis em DVD nas regiões 1, 2, 3 e 4. [6]

Ao contrário da maioria das redes de transmissão e cabo que colocam seus programas de televisão em um hiato de quatro meses entre as temporadas, Os Sopranos teve hiatos mais longos entre as temporadas. A quarta temporada, por exemplo, estreou 16 meses após o final da terceira temporada, [8] e a sexta temporada voltou quase dois anos após o final da quinta temporada. [9]


Elenco do episódio [editar | editar fonte]

  • James Gandolfini & # 160as & # 160Tony Soprano
  • Lorraine Bracco & # 160as & # 160Dr. Jennifer Melfi & # 160 *
  • Edie Falco & # 160as & # 160Carmela Soprano
  • Michael Imperioli & # 160as & # 160Christopher Moltisanti & # 160 **
  • Dominic Chianese & # 160as & # 160Corrado "Junior" Soprano
  • Steven Van Zandt & # 160as & # 160Silvio Dante
  • Tony Sirico & # 160as & # 160Paulie Gualtieri
  • Robert Iler & # 160as & # 160Anthony Soprano, Jr.
  • Jamie-Lynn Sigler & # 160as & # 160Meadow Soprano
  • Aida Turturro & # 160as & # 160Janice Soprano Baccalieri
  • Frank Vincent & # 160as & # 160Phil Leotardo
  • Ray Abruzzo & # 160as & # 160Little Carmine Lupertazzi
  • Dan Grimaldi & # 160as & # 160Patsy Parisi
  • Sharon Angela & # 160as & # 160Rosalie Aprile
  • Maureen Van Zandt & # 160as & # 160Gabriella Dante

* = crédito apenas ** = foto apenas

Convidado estrelando [editar | editar fonte]

  • Gregory Antonacci & # 160as & # 160Butch DeConcini
  • Max Casella & # 160as & # 160Benny Fazio
  • Carl Capotorto & # 160as & # 160 "Little Paulie" Germani
  • Arthur J. Nascarella & # 160as & # 160Carlo Gervasi
  • Matt Servitto & # 160as & # 160Agent Harris
  • Frank Albanese & # 160as & # 160Patrizio "Uncle Pat" Blundetto
  • John Cenatiempo como & # 160Anthony Maffei
  • John "Cha Cha" Ciarcia como & # 160Albie Cianflone
  • Michele DeCesare como & # 160Hunter Scangarelo
  • Michael Drayer & # 160as & # 160Jason Parisi
  • Frank John Hughes & # 160as & # 160Walden Belfiore
  • Michael Kelly & # 160as & # 160Agent Goddard
  • Geraldine LiBrandi as & # 160Patty Leotardo
  • David Margulies & # 160as & # 160Neil Mink
  • Angelo Massagli as & # 160Bobby Baccalieri, Jr.
  • Peter Mele as & # 160George Paglieri
  • Donna Pescow & # 160as e # 160Donna Parisi
  • Joseph Perrino & # 160as & # 160Jason Gervasi
  • Anthony Ribustello & # 160as & # 160Dante Greco
  • Daniel Sauli como & # 160Patrick Parisi
  • Jenna Stern & # 160as & # 160Dr. Doherty
  • Emily Wickersham & # 160as & # 160Rhiannon Flammer
  • Danielle Di Vecchio como & # 160Barbara Soprano Giglione
  • Ed Vassallo as & # 160Tom Giglione
  • Ricky Aiello como & # 160Raymond "Ray-Ray" D'Abaldo
  • Melanie Minichino como Tara Zincone
  • Amy Russ como agente do FBI
  • Paolo Colandrea como homem em jaqueta exclusiva para membros
  • Rajesh Bose como gerente de posto de gasolina
  • Avery Elaine e Emily Ruth Pulcher como & # 160Domenica Baccalieri & # 160 (apenas foto)

6. The Wire // "-30-"

The Wire nunca iria terminar nada de uma forma limpa e direta, mas o final da série conseguiu manejar os vários talentos em jogo na série para terminar tudo em uma nota ambiciosa e bastante abrangente. O final contou com muitas das mesmas perguntas que toda a série fez - desde a natureza da justiça até a fragilidade dos sistemas de energia e até onde as pessoas irão para mantê-los no lugar - enquanto funcionava para resolver a farsa do assassino em série sem-teto, escuta telefônica ilegal , e o futuro importantíssimo de Tommy Carcetti. Uma última montagem nos lembra que a vida continua em Baltimore, independentemente de os personagens do programa a terem remodelado para melhor ou não.


Os Sopranos acabaram há 14 anos, mas ainda queremos saber: Tony morreu?

Já se passaram 14 anos desde que o episódio final de Os Sopranos foi ao ar, mas uma grande questão sobre o programa nunca foi respondida.

A cena final do show de sucesso The Sopranos.

A cena final do show de sucesso The Sopranos.

James Gandolfini como Tony Soprano em Os Sopranos. Fonte: Fornecido

Exatamente 14 anos atrás, milhões gritaram freneticamente, pensando que perderam sua conexão a cabo quando The Sopranos, da HBO, encerrou sua temporada final - graças ao criador David Chase inventando uma das últimas cenas mais brilhantes e cheias de suspense da história da televisão.

Esse final, Feito na América, chega a um final épico e ambíguo a história do chefe do crime do norte de Nova Jersey, Tony Soprano, interpretado pelo falecido e notável James Gandolfini.

Você conhece a cena: Journey & # x2019s Não & # x2019t, pare de acreditar & # x2019 joga como Tony, Carmela (Edie Falco) e seu filho, A.J. (Robert Iler), coma os melhores anéis de cebola em Jersey na Holsten & # x2019s. A música é cortada em & # x201CDon & # x2019t stop & # x201D e vemos 10 segundos de tela preta antes do lançamento final e silencioso dos créditos.

Agora, com anos de retrospectiva e uma prequela, Os Muitos Santos de Newark, no horizonte, o mistério por trás do destino de Tony & # x2019 foi destruído em & # x2013 e é muito mais sutil do que Serra encontro O padrinho.

James Gandolfini na cena final de Os Sopranos. Fonte: Fornecido

Falco revelou no podcast do Chuck D & # x2019s New York Knicks que um final alternativo para o show foi filmado com ela e Gandolfini em 2010 em um esforço para atrair LeBron James para tocar no Madison Square Garden & # x2013, embora ela não soubesse quem ele era.

Semelhante ao final de Bons companheiros, retratava a vida de Tony na proteção de testemunhas, provavelmente graças à relação simbiótica que ele havia estabelecido com o agente federal Dwight Harris (Matt Servitto). Apesar do aumento da fanfarra e especulação, a cena nunca foi incluída no cânone da série & # x2019s e simplesmente continua sendo uma tomada de final alternativo não utilizada.

Então, o que realmente aconteceu com Tony?

Soprano e # x2019s próprios prenúncios

No programa, Tony reconheceu anteriormente à Dra. Jennifer Melfi (Lorraine Bracco) que & # x201Cthere & # x2019s dois finais para um cara como eu, um cara de alto perfil: morto ou enlatado & # x201D.

Graças ao testemunho antecipado de Carlo Gervasi (Arthur J. Nascarella) depois que seu filho problemático Jason foi preso, Tony ficou se preparando para uma acusação que provavelmente o colocaria atrás das grades pelo resto de sua vida & # x2013, mesmo que Soprano viva depois do jantar, seus velhos hábitos acabaram, simbolizando uma morte proverbial.

Embora não pareça que Tony vive para ver um julgamento.

Elenco de Os Sopranos: Tony Sirico com Steven Zandt, James Gandolfini, Michael Imperioli e Vincent Pastore. Fonte: News Limited

Enquanto o rock & # x201980s toca em todo o restaurante, há uma cena recorrente de um homem sentado no balcão do restaurante & # x2019s olhando constantemente para Tony. Ele foi creditado como Man in Members Only Jacket, uma referência ao primeiro episódio da 6ª temporada, Apenas membros, que viu o informante do FBI Eugene Pontecorvo (Robert Funaro), da equipe da Soprano & # x2019s, cometer um suicídio muito explícito depois que nenhuma das partes permitiu que ele se aposentasse com a família para a Flórida.

Os momentos finais do show mostram aquele homem entrando no banheiro da Holsten & # x2019s, cerca de 30 segundos antes do corte para o preto. O movimento reflete a cena favorita de Tony em O padrinho, quando Michael Corleone pega uma arma plantada atrás de um banheiro de restaurante para vingar a tentativa de assassinato de seu pai.

Enquanto Members Only está no banheiro, Meadow (Jamie-Lynn Sigler) estaciona em paralelo com sucesso depois de muitos começos falsos. Ela corre em direção à entrada de Holsten & # x2019s enquanto Tony olha para cima antes de & # x2026 o final.

Se Tony fosse cortado naquele momento, isso se alinharia com a continuidade de filmagem que Chase, que dirigiu apenas o primeiro e o último episódio da série, havia selecionado.

Tony é o primeiro de sua família a chegar a Holsten & # x2019s, e várias pessoas entram depois, incluindo somente membros. Cada vez que alguém entra pela porta da frente, uma campainha toca e um close-up do rosto de Tony e # x2019 é mostrado para visualizar seu ponto de vista para o público.

Nos segundos finais do episódio & # x2019s, o sino é ouvido, já que Meadow está entrando no restaurante. A câmera corta para Tony, provavelmente enquanto Members Only emerge do fundo, arma na mão, antes do blecaute. Essa escuridão silenciosa se torna o ponto de vista de Tony, algo que a temporada final do programa simbolizou em várias ocasiões.

& # x201C Provavelmente você não & # x2019 nem mesmo ouve quando isso acontece & # x201D Bobby Baccalieri (Steven Schirripa) disse a Tony alguns episódios antes, em Soprano Home Movies, enquanto a dupla compartilha uma conversa mórbida sobre como eles podem morrer.

No O cometa azul, o penúltimo episódio da série, Bobby é morto a tiros por ordem de um chefe da máfia adversário. Mais tarde, Tony segura a arma que agora falecido Bobby lhe deu de aniversário e volta para a linha & # x201CDon & # x2019t nem mesmo a ouve & # x201D.

Outro exemplo de silêncio em torno de um ataque da multidão está em Estágio Cinco, quando o consigliore Silvio Dante (Steven Van Zandt) janta com Gerry Torciano (John Bianco) e um silêncio de choque surge enquanto um atirador abre fogo contra Torciano.

Tony Sirico, à esquerda, e James Gandolfini, à direita, cena do filme Os Sopranos. Foto: Mike Derer / AP Fonte: AP

No ano passado, Chase pode ter escorregado nas entrevistas. Depois de mais de uma década se recusando a explicar a cena final, ele se referiu a ela como a morte de Tony & # x2019.

Durante uma entrevista que vazou para seu livro The Sopranos Sessions, Chase inadvertidamente revelou o resultado quando o coautor Alan Sepinwall perguntou: & # x201CQuando você disse que havia um ponto final, você não & # x2019t significa Tony at Holsten & # x2019s, você apenas quis dizer, & # x2018Acho que tenho mais dois anos & # x2019 muitas histórias que sobraram em mim. & # x2019 & # x201D

Chase respondeu & # x201Sim, acho que tive aquela cena da morte cerca de dois anos antes do fim & # x2026 Mas não & # x2019 não fizemos isso. & # X201D

& # x201CVocê percebe, é claro, que acabou de se referir a isso como uma cena de morte, & # x201D o co-autor Matt Zoller Seitz disse então.

Não demorou a admissão acidental para colocar as peças juntas, no entanto.

As falhas do Tony & # x2019 se concretizam

Toda a sexta temporada gira em torno dos fracassos de Tony & # x2019, levando até a última cena.

Tony vê que não poderia acabar com o uso desenfreado de drogas de Christopher & # x2019s (Michael Imperioli) em Kennedy e Heidi, pouco antes de matar seu primo, cuja ex-noiva se tornou informante do FBI.

Isso & # x2019s seguido pela tentativa de suicídio de A.J. & # X2019s no pool de Tony & # x2019s em A segunda vinda.

Tony então drena a água da piscina, que no início do show ele entrou para alimentar os patos que simbolizavam sua família. Os Sopranos agora ficam com uma piscina coberta e vazia durante o tempo mais frio.

No último episódio, Tony faz uma visita silenciosa a Silvio no hospital, de quem não se espera que recupere a consciência.

Novamente em silêncio, o chefe provavelmente reflete sobre a situação, que ele poderia ter feito mais para prevenir.

Mais tarde, ele vê um Junior demente (Dominic Chianese), que durante todo o show provocou Tony por nunca ter & # x201Cas características de um atleta universitário & # x201D.

Com certeza, um mural de um destaque do futebol americano de uma escola local é pintado na parede em Holsten & # x2019s na cena seguinte.

O criador dos Sopranos, David Chase. Fonte: Fornecido

Uma pergunta permanece mesmo se ele estiver morto: Quem matou Tony Soprano?

Era um parente de Eugene & # x2019s? A tripulação de Nova York não honrou o cessar-fogo? Ou um decorador de interiores que matou 16 tchecoslovacos se vingou? Onde esteve Furio (Federico Castelluccio) todo esse tempo?

Não saber com certeza é um símbolo em si. Assim como a família e os entes queridos de outros personagens mortos nunca tiveram seu encerramento ao longo da série, nem mesmo o público de Chase & # x2019s, com o futuro da família nuclear e criminosa Sopranos no ar.

Esperançosamente, o filme prequela de setembro e # x2019, estrelado por Gandolfini e o filho de 22 anos de # x2019, Michael Gandolfini, como o jovem Tony Soprano, dará ainda mais encerramento a um dos quebra-cabeças mais enigmáticos da televisão.

Este artigo apareceu originalmente no New York Post e foi reproduzido com permissão


Explicado o fim de 'The Sopranos'

Fim Explicado é uma série recorrente em que exploramos os finais, segredos e temas de filmes e programas interessantes, novos e antigos. Nesta entrada, investigamos o final dos Sopranos e tentamos entender aquele corte chocante para o preto.

Em 1999, David Chase mudou a televisão para sempre quando nos apresentou a Tony Soprano (interpretado pelo falecido, ótimo James Gandolfini) e seu charmoso tipo de sociopatia. Pavimentando o caminho para anti-heróis de tela pequena nos próximos anos, os fãs ficaram entusiasmadamente em conflito sobre apoiar um protagonista que mata com um sorriso no rosto.

Ainda gerando conversas de fãs que assistiram ao piloto há mais de 20 anos, bem como de novos fãs Os Sopranos ainda atrai, a conclusão da série, com o episódio “Made in America” de junho de 2007, rapidamente se tornou um dos finais mais icônicos da história da televisão.

Então. O que aconteceu naquela noite no Holsten's? O que cortar para preto significa? Tony está morto? Ele está vivo? O Homem com Jaqueta Exclusiva para Membros foi enviado por um dos muitos, muitos pessoas que Tony irritou ao longo dos anos para finalmente acabar com ele de uma vez por todas? A letra de Journey & # 8217s & # 8220Don & # 8217t Stop Believin '& # 8221 oferece alguma dica?

Em primeiro lugar, vamos recapitular: "Made in America" ​​abre com uma visão do olho de Deus de Tony, evocando uma imagem ameaçadora dele deitado em um caixão. Bobby Bacala está morto. Silvio is in a coma, presumed to never regain consciousness. And Phil is nowhere to be found.

But still, Tony jolts awake, living to see yet another day.

Since the tension with New York boiled over to a full-blown war, both Tony’s family and Family have been on the lam. But in classic Sopranos form, the war with New York ends not with a bang but with a perfectly anti-climactic whimper. After all the fear and hiding, Tony gets the go-ahead from Butch to deal with Phil however he sees fit.

After his comically gruesome demise, Phil is no longer a threat and Tony gets a temporary moment of reprieve. That is until his lawyer informs him Carlo’s talking to the feds and there’s an eighty-to-ninety-percent chance Tony will get indicted within the next few days.

As we approach the final fifteen minutes of the finale, there is a heavy sense of closure for Tony his consigliere is in a coma, his brother-in-law is dead, and he’s staring down the barrel of the trial of a lifetime. So what does Tony do? Well, he meets his family at an ice cream parlor for dinner and orders a basket of onion rings.

The final sequence of Os Sopranos at Holsten’s begins innocently enough. Tony walks in and looks around for his family. He’s the first to arrive. After Tony is seated, the tension starts to build as we see a quick succession of shots of the rest of the restaurant. Tony flips through the jukebox on his table, looking up each time the door dings and someone walks in.

Just as Steve Perry begins crooning, Carmela walks through the door. “Just a small-town girl.” A cut back to Tony, “Just a city boy.” The editing continues at an unnaturally fast pace, flipping between close-ups of Carm and Tony as they catch up and wait for AJ to arrive. The door dings again. AJ walks in, a few steps behind a man who sits at the bar.

The man at the bar quickly glances back toward the Sopranos’ table. An abrupt cut to AJ and then we’re outside the restaurant. Meadow is struggling to parallel park. There’s a flurry of shots from different angles as she hits the curb and keeps trying. The music and tension continue to rise.

Inside, the man at the bar looks back again. Carmela, AJ, and Tony continue chatting. AJ complains about the banality of his new job. Carmela reassures him it’s worthwhile work. Tony tells him to buck up. Suddenly we’re outside again and Meadow is still trying to park. Back inside. The man at the bar stands. Tony looks up. Cut to AJ. The man walks by the Sopranos and into the bathroom.

There’s a brief shot of other patrons and then back to Meadow. The shots are cut together at a dizzying speed and the tension is almost too much now. Jump inside to a wide shot of the family. One by one, shots of Carmela, then AJ, and finally Tony each placing whole onion rings in their mouths as if they’re taking communion. Meadow runs across the street, narrowly avoiding being hit by a car.

One more cut to the table as the door dings one last time. Tony looks up and

That now-infamous cut to black inadvertently catalyzed over a decade of heated debate. Many fans thought for certain it meant Tony was dead. Others argued that he had to be alive: after all, we’ve been with Tony for eight and a half years at this point, and if he’s going to die, we had better get to see it. A lot of us sat in front of silent screens, wondering why their cable cut out at the worst possible moment.

“You probably don’t even hear it when it happens, right?” Bobby says to Tony in the Season 6 episode “Sopranos Home Movies,” which aired two months prior to the finale. This quote is echoed at the end of “The Blue Comet,” the series’ penultimate episode that sees Bobby’s own extremely violent death. Is the cut to black Tony not hearing it when it happens?

For those who believe that the cut to black signifies Tony’s death, the most common theory is that the man at the bar (credited only as Man in the Members Only Jacket) went to the bathroom, grabbed a gun behind the toilet — a la Michael Corleone in The Godfather — and whacked Tony from behind.

Perhaps a more optimistic bunch, fans who see no reason to believe Tony is dead point towards the empirical evidence of the Holsten’s sequence. This is an ice cream parlor. There aren’t any secret assassins or crazed gunmen, just a young couple on a date and a Boy Scout troop. In their eyes, the cut to black is simply the end.

Maybe Tony Soprano lived out the rest of his days until he died old and riddled with dementia, like Uncle Junior. Maybe Carlo the rat revealed too much to the FBI and Tony was indicted, this time finally the big one. Maybe the Man in the Members Only Jacket was sent by Eugene Pontecorvo’s widow. Her husband killed himself when Tony refused to let him leave the Family in the aptly named Season 6 opener, “Members Only.”

No matter what realmente happened, this is the end of the line for us.

Bobby’s musings on what happens when you get killed, while often offered up as definitive evidence of Tony’s unfortunate fate, can just as easily be applied to us. Whatever happens, as the door opens, we didn’t hear it happen. We’re plucked from Tony Soprano’s world just as quickly as we would’ve been if we’d shared the same fate as the long line of those whacked before us.

“There’s two endings for a guy like me… Dead or in the can,” Tony once told Dr. Melfi. Considering those two possibilities, David Chase’s subversive ending is something of a Rorschach test: did you see Tony die or live long enough to make it to the can?

What we believe happens here says much more about each viewer than it does about Tony. Even after seeing all the pain and suffering that men like Tony put out into the world, are we heartbroken that this life we’ve shadowed for so many years is gone? Like Tony after Livia’s passing, are we guilty about not being sad enough?

Did we want to see Tony live?

Or are we just disappointed we didn’t get to witness his blood spill for ourselves?


The Sopranos: The Definitive 86-Episode Ranking The quotes, notes and hits from every single episode

Twenty years ago, The Sopranos changed the landscape of network television by airing on a premium movie channel that dabbled in children’s shows and anthology series’ like Tales of the Crypt in the 80s, then moved onto sitcoms like Arli$ and Dream On in the 90s (including the rights to Mr. Bean from 1992-1997). The Home Box Office took two big swings: The first being the buzz-worthy word-of-mouth Sara Jessica Parker vehicle Sex and The City, a 30-minute single-camera soap that specialized in excessive fashion and agonizing over romances the other was as anti-buzz or the farthest thing from stylized a show could get, starring a little-known character actor, to play a man in the Waste Management business.

The Sopranos premiered on the now premium cable giant on January 10th, 1999, to little press-worthy heat, and a negative cognition of being a mob-related television show when critics felt the genre was old, tired, and stale. They took a gamble on a veteran television writer/producer who made his bones with The Rockford Files, and whose success began to taper off after hitting career peaks with the Peabody award-winning I’ll Fly Away and executive producing the critical darling Northern Exposure. That man was David Chase, who is one of the most talented writes to ever helm a television show, but that doesn’t mean he didn’t stumble into his share of aliening-of-the-stars, old-fashioned, dumb-luck.

Chase, originally, wanted to cast guitar and mandolin Miami Steve of the E-Street Band (Steven Van Zandt) as Tony Soprano, and Carmela was going to be played by Goodfella’s veteran actress Lorraine Bracco. He eventually came to his senses and selected the very best people for the job, including James Gandolfini, who specialized at explosive bad-guy types with a lovable side (see Night Falls on Manhattan). Gandolfini, at the time, wasn’t a classic film or television star who could carry a network show, which in that era had incredibly high rating’s standards. Chase, also, needed an actress who could match and then stand up to Gandolfini’s ability to bring out a switchblade temperament, and he found that in Edie Falco, who before her career-defining role at that point, was known for a recurring role as the wife of a blind cop on Homicide: Life on the Street. With those stars aligning, and an embarrassment of riches being gathered in the rough writers and directors, the impeccable casting without giving into big-name guest stars overtaking a series, with some of the sharpest writing television has ever known, The Sopranos became an American cultural touchstone.

HBO thought they were creating two soap operas at the time (a fact David Chase confirmed in the season one DVD set his career-defining show is, in fact, a soap) and had no idea The Sopranos would kick off the Golden Age of television that hasn’t ended and may have been directly responsible for the increase in cable stations across the world starting their own television brand. The darkly comic and thrilling look (no, this isn’t Analyze This) at a Northern Jersey crime family practically gave birth to the anti-hero, and shows like Breaking Bad, The Wire, Mad Men, and countless others would have never been given air time without it.

Please read our definitive 86-episode ranking of arguably the finest show in the history of the television, one that, in my opinion, has never produced a bad hour of television, complete with some of the show’s best lines, notable appearances, factoids, and the boundless amount of hits.

Note: Use the numbered links at the bottom of the page to navigate this mammoth article. Want more Sopranos? Click these words for a ranking of shows greatest “hits!”


Assista o vídeo: Tato bądź, prowadź, chroń! Ulicami Warszawy przeszedł Narodowy Marsz Życia i Rodziny