General Pike - História

General Pike - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

General Pike

Zebulon Montgomery Pike, nascido em 1779 em Lamberton (agora uma parte de Trenton), N.J., era filho de Zebulon Pike, um capitão do Exército Continental. Em 1794, o jovem Pike entrou na companhia de seu pai como cadete para ser comissionado segundo-tenente em 3 de março de 1799. Em 1805, o presidente Jefferson escolheu Pike para comandar uma expedição para telhar a região do alto Mississippi no Território da Louisiana. Quando voltou a St. Louis em abril de 1806, foi enviado para explorar as nascentes dos rios Arkansas e Red. Durante esta expedição, ele descobriu o pico da montanha no Colorado, que agora leva seu nome. Pike foi capturado pelos espanhóis em 26 de fevereiro de 1807, mas foi libertado alguns meses depois. Nos anos seguintes, ele subiu na hierarquia rapidamente, chegando ao Brigadeiro-General em 12 de março de 1813. Ele serviu como Ajudante e Inspetor Geral na campanha contra York (agora Toronto), Canadá. Ele comandou tropas americanas enviadas à terra durante um assalto bem-sucedido em 27 de abril de 1813, mas foi morto pela explosão de uma revista britânica, que foi deflagrada por tropas em retirada quando as forças americanas invadiram a guarnição.

(Envio: t. 875; Ibp. 145 '; b. 37'; dph. 15 '; cpl. 300; a. 26
24-pdrs. )
O general Pike foi deposto por Henry Eckford, um construtor naval da cidade de Nova York que supervisionou a construção de navios de guerra no Lago Ontário, no Porto de Sackett em abril de 1813. Incendiado em 29 de maio durante um ataque britânico ao Porto de Sackett, o navio inacabado foi salvo e lançado em 12 de junho de 1813, com o Comandante Mestre Arthur Sinclair no comando. Ela foi preparada para navegar em julho e em 21 de julho juntou-se ao esquadrão do Comodoro Isaac Chauncey. Ela navegou até a cabeceira do Lago Ontário, chegando ao largo de Niágara em 27 de julho. Enquanto cruzava o lago, ela enfrentou navios britânicos sob o comando do Comodoro Yeo em uma batalha indecisa em 10 e 11 de agosto.

O general Pike voltou ao porto de Sackett em 13 de agosto e fez os aprovisionamentos antes de retornar à cabeceira do lago para procurar navios britânicos. Depois de quase um mês manobrando e perseguindo para ganhar vantagem sobre os britânicos, ela se juntou aos navios de Chauncey em um breve encontro contra os britânicos na foz do rio Genesee em 1 de setembro. Em 28 de setembro, as duas forças se encontraram novamente na Baía de York, Ontário, e travaram uma batalha feroz, mas ainda indecisa. Durante acaloradas trocas de tiros entre os navios americanos e britânicos, o General Pike lutou em uma ação pesada contra o navio britânico Royal George e prestou valente serviço durante todo o encontro.

Depois de retornar ao Porto de Sackett no início de outubro, o General Pike apoiou os movimentos de tropas contra os britânicos na extremidade inferior do Lago Ontário até meados de novembro, quando ela retornou à Península do Niágara para cobrir a transferência das tropas americanas do Forte Niagara para o Porto de Sackett. Ela permaneceu em Sackett's Harbor durante os meses de inverno.

Ao longo do restante da Guerra de 1812, o General Pike continuou a operar com o esquadrão de Chauncey. Depois que os britânicos retiraram os navios de bloqueio do porto de Sackett no início de junho de 1814, ela se juntou a outros navios americanos em um bloqueio de navios britânicos em Kingston, Ontário. As forças americanas mantiveram os navios de Yeo dentro do porto de Kingston, e o general Pike cruzou o lago Ontário livremente desde a cabeceira do St. Lawrence até o porto de Sackett. Após o fim da guerra, ela foi colocada em Sacket's Harbor e vendida em 1825.


Explorador Zebulon Pike morto em batalha

Depois de sobreviver a duas expedições exploratórias perigosas em áreas desconhecidas do Oeste, Zebulon Pike morre durante uma batalha na Guerra de 1812.

Quando se tornou general em 1812, Pike já havia enfrentado muitas situações perigosas. Ele entrou para o exército quando tinha 15 anos e eventualmente assumiu vários postos militares na fronteira americana. Em 1805, o general James Wilkinson ordenou a Pike que liderasse 20 soldados em um reconhecimento do alto rio Mississippi. Esperando retornar antes que os rios congelassem, Pike e seu pequeno bando partiram para o Mississippi em uma quilha de 70 pés no início de agosto. O progresso lento, no entanto, significou que Pike e seus homens passaram um inverno rigoroso perto da atual Little Falls, Minnesota, antes de retornar na primavera seguinte.

Menos de três meses depois, Wilkinson ordenou que Pike seguisse para o oeste novamente. Desta vez, Pike e seus homens exploraram as cabeceiras do rio Arkansas, uma rota que os levou ao Colorado. Lá, Pike viu o pico imponente que agora leva seu nome e fez uma tentativa imprudente de escalá-lo. Subestimando grosseiramente a altura da montanha e vestidos apenas com uniformes de algodão finos, Pike e seus homens lutaram com a neve profunda e temperaturas abaixo de zero antes de finalmente abandonar a subida.


General Pike - História

Nascido em Boston, Massachusetts, em 29 de dezembro de 1809, Albert Pike serviu como comissário indiano confederado e comandante militar do Território Indígena durante a Guerra Civil. Sua família mudou-se para Newburyport, Massachusetts, em 1814, e ele frequentou a escola lá. Sem fundos para estudar em Harvard, Pike ensinou a economizar dinheiro para viajar para o Ocidente. Em 1831, ele acompanhou um grupo de comerciantes do Missouri a Santa Fe.

Pike chegou a Fort Smith, Território de Arkansas, em 10 de dezembro de 1832. Ele ensinou na escola e escreveu poesia e prosa para o Little Rock Advocate e se tornou o editor do jornal em outubro de 1833. Depois de se casar com Mary Ann Hamilton em 1834, Pike comprou o Advogado e tornou-se advogado.

Antes de servir na Guerra do México, Pike atuou como advogado na Suprema Corte dos Estados Unidos. Em 1852, ele representou a Nação Creek do Território Indígena em uma reivindicação por terras tribais cedidas. Seus esforços atraíram a atenção do Choctaw e do Chickasaw, que o contratou para perseguir um caso semelhante em 1854. Embora Pike tenha vencido os casos, reparações insuficientes foram concedidas às tribos em 1856 e 1857.

Pike voltou para Little Rock em 1861. Com a aproximação da Guerra Civil, ele decidiu servir à Confederação. Nomeado comissário confederado para assuntos indígenas em março de 1861, Pike negociou tratados de aliança entre o governo confederado e Creek, Choctaw e Chickasaw, Seminole, Osage e Sêneca e Shawnee. Depois de muitas negociações, o chefe Cherokee John Ross assinou um tratado em 7 de outubro de 1861. Sete dias depois, Pike foi nomeado general de brigada do Exército Provisório do Departamento do Território Indígena, com seu quartel-general em Fort Davis, na Nação Cherokee. Depois de participar da Batalha de Pea Ridge, Arkansas, em março de 1862, Pike retirou suas tropas para Fort McCulloch na Nação Choctaw.

Em janeiro de 1862, o Território Indígena foi colocado dentro do Distrito Trans-Mississippi. Quando o comandante distrital, general Thomas C. Hindman, ordenou que Pike enviasse tropas para o Arkansas em maio de 1862, Pike renunciou em protesto. Ele argumentou que seu comando deveria ser separado do de Hindman e que suas tropas não deveriam servir fora do território indiano. Pike exacerbou a situação ao publicar suas opiniões sobre as deficiências militares de Hindman e ao proclamar suas queixas contra o predecessor de Hindman, o general Earl Van Dorn, por pegar provisões, equipamentos e dinheiro do comando de Pike para uso em outro lugar.

A conduta de Pike levou à sua prisão em novembro de 1862, mas as acusações contra ele foram retiradas. Após a guerra, ele se tornou recluso e dedicou sua vida a trabalhar para o Rito Escocês da Maçonaria em Washington, D.C., onde morreu em 2 de abril de 1891.

Bibliografia

Walter L. Brown, Uma Vida de Albert Pike (Fayetteville: University of Arkansas Press, 1997).

Robert L. Duncan, General relutante: a vida e os tempos de Albert Pike (Nova York: E. P. Dutton, 1961).

Kenny A. Franks, "A Implementação dos Tratados Confederados com as Cinco Tribos Civilizadas", As Crônicas de Oklahoma 51 (primavera de 1973).

Thomas W. Kremm e Diane Neal, "Crisis of Command: The Hindman / Pike Controversy Over the Defense of the Trans-Mississippi District," As Crônicas de Oklahoma 70 (primavera de 1992).

Nenhuma parte deste site pode ser interpretada como de domínio público.

Direitos autorais de todos os artigos e outros conteúdos nas versões online e impressa do The Encyclopedia of Oklahoma History é realizada pela Oklahoma Historical Society (OHS). Isso inclui artigos individuais (direitos autorais para OHS por atribuição do autor) e corporativamente (como um corpo completo do trabalho), incluindo web design, gráficos, funções de pesquisa e métodos de listagem / navegação. Os direitos autorais de todos esses materiais são protegidos pelas leis dos Estados Unidos e internacionais.

Os usuários concordam em não baixar, copiar, modificar, vender, arrendar, alugar, reimprimir ou de outra forma distribuir esses materiais, ou vincular a esses materiais em outro site, sem autorização da Oklahoma Historical Society. Os usuários individuais devem determinar se o uso dos Materiais se enquadra nas diretrizes de & quotFair Use & quot da lei de direitos autorais dos Estados Unidos e não infringe os direitos de propriedade da Oklahoma Historical Society como o detentor legal dos direitos autorais de The Encyclopedia of Oklahoma History e parte ou no todo.

Créditos das fotos: todas as fotografias apresentadas nas versões publicadas e online de The Encyclopedia of Oklahoma History and Culture são propriedade da Oklahoma Historical Society (salvo indicação em contrário).

Citação

O seguinte (de acordo com The Chicago Manual of Style, 17ª edição) é a citação preferida para artigos:
Ingrid P. Westmoreland, & ldquoPike, Albert, & rdquo The Encyclopedia of Oklahoma History and Culture, https://www.okhistory.org/publications/enc/entry.php?entry=PI006.

& # 169 Oklahoma Historical Society.

Sociedade Histórica de Oklahoma | 800 Nazih Zuhdi Drive, Oklahoma City, OK 73105 | 405-521-2491
Índice do site | Contate-nos | Privacidade | Sala de Imprensa | Consultas do site


Tomada de York e morte do General Pike

Zebulon Montgomery Pike (1779-1813) foi um soldado mais conhecido por sua exploração do Território da Louisiana e liderança na Batalha de York.

Esta peça foi criada por um artista desconhecido em 1844 e retrata a morte do Brigadeiro-General Zebulon Pike na Batalha de York perto de York, atual Toronto.

Foi a primeira vitória americana na Guerra de 1812, uma guerra crucial contra a Grã-Bretanha. Os britânicos já estavam no meio de uma guerra global contra a França, que foi uma das causas da Guerra de 1812. Desde que a guerra franco-britânica estourou em 1793, os dois países fizeram esforços para restringir o comércio internacional. Isso colocou os Estados Unidos em uma posição difícil porque eles eram incapazes de negociar com qualquer uma das potências mundiais sem enfrentar a ira da outra. [1] Eland, Ivan. & # 8220A maioria das guerras da história americana foram desnecessárias e minaram o

Republic. & # 8221 Mediterranean Quarterly, vol. 23 não. 3, 2012, p. 4-33. Depois de tentar decretar muitos embargos e atos infrutíferos contra as potências europeias, os Estados Unidos caíram em uma depressão econômica. Além disso, os britânicos continuaram a recrutar à força marinheiros americanos para a Marinha Real por meio de "impressão" e rejeitaram a reivindicação da América de neutralidade na guerra global, efetivamente descartando a legitimidade nacional da ex-colônia. [2] Uma Breve Visão Geral da Guerra de 1812. American Battlefield Trust. (2021, 25 de março).

https://www.battlefields.org/learn/articles/brief-overview-war-1812. Todos esses fatores combinados é o que levou o presidente James Madison a instruir o Congresso a se preparar para a guerra com a Grã-Bretanha.

A Batalha de York ocorreu em abril de 1813 e foi uma vitória fácil para os americanos que deram errado. Esta batalha era para ser parte de um plano americano muito maior para capturar a cidade de Kingston, destruir seus estaleiros navais, capturar ou destruir o Esquadrão Naval da Marinha Provincial e cortar a linha de abastecimento do Exército Britânico nos fortes ocidentais em Upper Canada. Depois de empurrar as tropas britânicas para fora de York, o general Pike e suas tropas entraram nos fortes e começaram a questionar os prisioneiros britânicos para informações militares. No entanto, enquanto isso acontecia, a Grand Magazine de York explodiu, ferindo 222 e matando 38, incluindo o General Pike. [3] Hurley, Michael. "The Battle & amp Burning of York: America & # 8217s First Victory in the War of 1812."

UELAC, vol. 8, não. 11, dez. 2011 Como os soldados estavam sem seu general de confiança, durante os cinco dias em que os detalhes da rendição estavam sendo acertados, a Tomada de York tornou-se a Queima de York. Os soldados receberam ordens estritas de não tocar em propriedades privadas, mas muitos edifícios públicos e residências privadas foram saqueados e queimados.

Essa batalha que se transformou em tragédia aconteceu em terras canadenses, mas se tornou fundamental para a história americana porque levou diretamente ao incêndio de Washington um ano depois. A queima de Washington foi incrivelmente importante para o povo americano porque demonstrou quão mal preparado estava o novo país em comparação com as potências mundiais mais estabelecidas. A capital foi devastada, o que foi um grande revés para o país e fez com que muitas pessoas perdessem a confiança na nova república. [4] Garrard, Graeme. “Washington está queimando.” History Today, vol. 64, nº 8, agosto de 2014, pp. 37-43. Embora o Burning of Washington não tenha sido o momento de maior orgulho dos Estados Unidos, o Burning of York é a história de um forte herói levando os americanos à vitória. A mensagem transmitida aqui é de grande sucesso americano. Os americanos queriam lembrar a batalha bem-sucedida e o herói que foi o General Zebulon Pike, porque ele é um exemplo de um verdadeiro herói americano. A escolha de retratar a história em que os Estados Unidos foram os perdedores de sucesso reflete o nacionalismo que existia. Diante disso, faz sentido que mesmo décadas depois, em 1844, essa batalha e a morte desse general ainda eram tão prevalentes na sociedade americana que continuavam a ser um assunto de discussão e arte.

O Padrão Real Britânico de 1801-1816.

A bandeira oficial dos Estados Unidos de 1795-1818.

O desenho é uma ótima representação desse evento porque as escolhas feitas pelos artistas ajudam o espectador a entender toda a situação. Um detalhe que expressa o sucesso dos Estados Unidos é a retirada da bandeira britânica canadense e da americana à distância. No primeiro plano da imagem, um soldado americano desmonta a bandeira que outrora estava nos fortes de York e, ao fundo, a bandeira dos Estados Unidos é erguida com orgulho. Embora esta tenha sido uma ocorrência literal durante a batalha, a ênfase colocada na remoção da bandeira britânica canadense e na inclusão da bandeira dos Estados Unidos no fundo da imagem, simboliza o resultado da batalha e a transferência de poder que mais tarde provou Para ser breve. Outro detalhe do primeiro plano são os destroços ao lado do ferido. O prédio destruído e o homem no chão, conhecido como General Pike, dão ao espectador uma visão dos eventos que se seguiram à tomada de York pelos Estados Unidos. Ao fundo, um forte militar pode ser visto intacto ao lado do que parece ser um edifício civil. A apresentação desses edifícios ainda intactos e a especificação de que o General Pike está apenas ferido, em vez de morto, permite ao observador determinar que dia o artista estava tentando representar. O artista desenhou o tempo diretamente após o que é conhecido como a Tomada de York, mas antes da violência e da destruição que ficou conhecida como a Queima de York. Os detalhes incluídos nesta obra de arte fornecem ao espectador uma grande visão do que se sabe sobre esses eventos.


História PIKE

Tudo começou na Sala 47 West Range, quando Frederick Southgate Taylor pediu a Littleton Waller Tazewell, seu primo e colega de quarto, ajuda para começar uma nova fraternidade. Também presentes estavam James Benjamin Sclater, Jr., um colega de escola de Tazewell, e o colega de quarto de Sclater & # 8217s, Robertson Howard. Esses quatro homens votaram para adicionar um quinto ao seu grupo e escolheram Julian Edward Wood. Logo depois disso, William Alexander, considerado amigo de Sclater, foi proposto como membro e admitido como fundador. Os fundadores rapidamente proibiram & # 8216horseplay & # 8217 ou trote de novos membros - uma característica frequentemente encontrada em fraternidades existentes na época - pois eles acreditavam que tais práticas iam contra sua missão de promoção amor fraternal e sentimento gentil.”

A essência da visão dos Fundadores & # 8217 para Pi Kappa Alpha pode ser encontrada em seu Preâmbulo. Um comitê foi sugerido pela primeira vez pelo irmão William Alexander & # 8220 para redigir uma declaração sobre a origem e a organização da Fraternidade. & # 8221 O comitê era composto pelos irmãos Robertson Howard e Littleton Waller Tazewell.

A declaração resultante agora é chamada de Preâmbulo.

EXPANSÃO

Antes do final da primavera de 1868, os irmãos decidiram que queriam mais do que uma sociedade da Virgínia, eles queriam se tornar uma fraternidade nacional. Os 21 anos seguintes foram alguns dos momentos mais difíceis, quase destruindo os sonhos desses jovens. Com as universidades tornando quase impossível a existência de fraternidades, proibindo a presença de sociedades secretas, a Fraternidade ainda era capaz de se expandir.

Pi Kappa Alpha primeiro se expandiu para Davidson College, onde a Beta Chapter foi formada. Quase dois anos depois, o terceiro capítulo, Gamma Chapter at William & amp Mary, foi estabelecido. Durante os anos que se seguiram, até 1889, haveria um total de dez cartas concedidas, no entanto, apenas cinco permaneceram ativas. Este foi o ano de uma convenção muito importante.

UM PONTO DE GIRO CRUCIAL

A Convenção de Hampden-Sydney de 1889 trouxe pessoas como Theron Hall Rice, uma transferência da Southwestern para a Virgínia, que representou Alpha Howard Bell Arbuckle, um graduado recente e então professor em Hampden-Sydney, que representou Iota e John Shaw Foster, um delegado do Capítulo Theta em Southwestern (agora Rhodes College). Lambda na Cidadela deveria ser representada por Robert Adger Smythe, mas um telegrama de Charleston explicou, & # 8220 nenhum feriado nos foi dado. Impossível vir. Atuem por nós em tudo. & # 8221 Esta convenção é de suma importância, pois é considerada o renascimento da Fraternidade. Juntos, Theron Hall Rice, Howard Bell Arbuckle, Robert Adger Smythe e John Shaw Foster reorganizaram e energizaram a Fraternidade e, portanto, passaram a ser conhecidos como os Fundadores Júnior.

Outro evento crucial na história da Fraternity & # 8217s é a Convenção de Troutdale de 1933. Nessa reunião, a organização nacional foi reestruturada. Os antigos títulos de oficiais nacionais foram substituídos por simples, o número de oficiais nacionais foi aumentado e a Fraternidade estabeleceu o secretário executivo (posteriormente diretor executivo, agora vice-presidente executivo) como administrador profissional remunerado. O ano marcou o fim do serviço regular direto de dois fundadores juniores, Arbuckle e Smythe. O período dos fundadores juniores havia passado e Pi Kappa Alpha esperava uma nova geração de líderes.


Monumentos confederados: General Albert Pike juntou-se a um esforço para expulsar os negros livres de Arkansas

FECHAR

Enquanto para alguns, os monumentos confederados são memoriais aos mortos, para muitos outros são glorificações da escravidão, racismo e opressão. Nashville Tennessean

Albert Pike é um nome bem conhecido na história do Arkansas como general das tropas nativas americanas da Guerra Civil e editor de jornal. Mas seus sentimentos sobre a secessão e a escravidão do Arkansas como um "mal necessário" tornam-se mais claros com um olhar mais atento sobre sua vida pessoal. cartas e escritos, que incluem sua participação em um grupo que pediu a expulsão dos negros do estado após a Guerra Civil.

Embora Pike fosse conhecido nacionalmente após a Guerra Civil por seu envolvimento com os maçons, ele ganhou atenção nacional novamente em 19 de junho de 2020, quando uma estátua dedicada a ele em Washington, D.C., foi derrubada por um grupo de manifestantes Black Lives Matter. O monumento a Pike foi o único de um general da Guerra Civil Confederada no Distrito de Columbia.

Pike foi um transplante de Boston para o Arkansas que inicialmente resistiu à secessão, mas seguiu o exemplo de seus companheiros do Arkansas em apoiar totalmente a Confederação e até serviu como general de brigadeiro nomeado em pelo menos uma batalha no Arkansas.

A Albert Pike School House na praça Crawford County Courthouse em Van Buren, Arkansas. (Foto: Jamie Mitchell / Times Record)

No final de sua vida, Pike havia subido entre os mais altos escalões da maçonaria.

Antes da Guerra Civil, ele havia se mudado da área de Fort Smith para Little Rock para seguir carreira como jornalista. Ele acabou se tornando editor e proprietário do The Advocate, onde atuou na Suprema Corte de Arkansas.

Quando a Guerra Civil eclodiu em 1861, Pike foi convocado para ser um general de brigada sobre uma tropa composta por várias tribos nativas americanas. Ele foi citado como um defensor dos nativos americanos e dos erros que sofreram nas mãos do homem branco.

Quando se tratava de afro-americanos, no entanto, a visão de Pike sobre a escravidão afirmava que era um "mal necessário". Ele alegou que os escravos não poderiam ter nenhum outro emprego e que eram bem tratados por seus senhores. Ele até admitiu ter seu próprio escravo para trabalhos “necessários”.

A estátua de Albert Pike em Washington, D.C., foi demolida e vandalizada em 19 de junho. (Foto: Cortesia de Long Nguyen)

Pike inicialmente hesitou em se separar, mas mudou de ideia quando os líderes do Arkansas votaram pela separação. Nesse ponto, Pike se tornou um apoiador confederado de pleno direito. Um autor, Fred W. Allsopp, afirmou: “Ele [Pike] nunca fez nada pela metade”. O próprio Pike disse sobre o Arkansas: “Você deve sair voluntariamente, ou será expulso ou arrastado para fora”.

A única batalha da qual Pike era conhecido por ter participado durante a Guerra Civil foi em Pea Ridge, também chamada de Elkhorn por causa de uma taverna próxima, e terminou em caos. As tropas nativas americanas de Pike se espalharam e eram incontroláveis. A batalha viu dois generais mortos e outro capturado, enquanto Pike não foi informado de que a batalha estava perdida até três horas após seu término.

Em Pea Ridge, Pike liderou seu batalhão para a luta, mas alguns dos nativos americanos escalpelaram soldados da União enquanto eles ainda estavam vivos. Como resultado, Pike foi dispensado de seu posto.

Em uma carta às tribos nativas americanas, da qual uma cópia foi enviada ao presidente confederado Jefferson Davis, Pike citou os tratados que havia feito com os nativos americanos que a Confederação supostamente violou. Pike se aposentou do exército, mas não antes que outros generais pedissem sua prisão por não controlarem suas tropas.

Mais tarde, Pike vendeu seu jornal e seguiu carreira como advogado. Ele trabalhou para cobrir a Suprema Corte dos EUA. Ele também lutou pelos direitos de várias tribos nativas americanas.

O interesse de Pike por várias línguas antigas acabou levando-o a descobrir a ordem dos maçons, aos quais ele se juntou em 1840 e acabou ganhando o status de Grande Comandante Soberano da Jurisdição Sul do Rito Escocês como um maçom de 33º nível.


Memorial Albert Pike (1901-2020)

O Memorial Albert Pike era a única estátua de um general confederado em DC até ser demolido pelos manifestantes em junho de 2020.

Embora ele seja retratado nesta estátua de bronze para pedestres como um líder maçônico em trajes civis, em vez de um militar, Albert Pike era um oficial sênior do Exército Confederado. O Memorial Albert Pike, erguido pelo Conselho Supremo, Jurisdição Sul do Rito Escocês da Maçonaria, foi a única escultura pública em DC a comemorar um general confederado.

Enquanto os maçons pressionavam o Congresso por terras para erigir seu monumento planejado a Pike na década de 1890, os veteranos do Exército da União na organização do Grande Exército da República pediram a seus congressistas que recusassem o pedido devido à fidelidade de Pike à Confederação. No entanto, o Congresso ficou satisfeito com a garantia dos maçons de que Pike seria descrito como um civil, em vez de um soldado. O terreno para o memorial foi aprovado em 9 de abril de 1898. Projetada por Gaetano Trentanove, a estátua foi dedicada em 23 de outubro de 1901. A figura de Pike tinha onze metros de altura sobre um pedestal de granito, apresentando a alegórica Deusa da Maçonaria, que detém a bandeira do Rito Escocês.

O Memorial Albert Pike tem uma longa história como local de protesto. Remontando aos esforços dos veteranos da União para impedir que a estátua fosse erguida, muitos argumentaram ao longo dos anos pela remoção da estátua devido ao racismo de Pike e seu papel na Confederação. Em 1992, membros do movimento LaRouche começaram uma série de protestos exigindo que o memorial fosse removido, citando as supostas ligações de Pike com o KKK. Durante um desses eventos, os apoiadores de LaRouche cobriram a estátua de Pike com um chapéu e um vestido pontiagudo KKK. Em 2017, após o comício Unite the Right em Charlottesville, o interesse se espalhou por muitas cidades e estados para remover estátuas e memoriais confederados de terras públicas. No dia seguinte ao comício, os manifestantes se reuniram no memorial de Pike e gritaram "derrubem-no". Funcionários do governo local, incluindo alguns membros do Conselho Municipal de DC, o procurador-geral do distrito de Columbia Karl Racine e a delegada Eleanor Holmes Norton, pediram ao Serviço Nacional de Parques para remover o memorial. Em julho de 2019, Norton apresentou um projeto de lei determinando que a estátua fosse removida.

O Memorial Albert Pike foi derrubado e queimado no dia 13 de junho de 2020, enquanto os protestos continuavam em todo o país em resposta ao assassinato de George Floyd. Os manifestantes usaram cordas e correntes para derrubar a estátua de Pike, mergulharam-na com um líquido inflamável e incendiaram-na. No dia seguinte, o Serviço Nacional de Parques removeu a estátua. Coberto de grafite, o pedestal permanece no lugar.

Inventário DC: 3 de março de 1979
Registro Nacional: 20 de setembro de 1978


Brigadeiro confederado Albert Pike: 5 coisas que você precisa saber sobre o ex-defensor dos direitos dos índios nativos

Estátua de Albert Pike (Wikimedia Commons)

Albert Pike tem a rara distinção de ser o único membro da Confederação a ter um monumento em Washington DC. Sua estátua foi demolida em 19 de junho, por manifestantes por seus fortes laços com os confederados e sua suposta simpatia pela escravidão. Logo a internet estava dividida sobre sua posição sobre a escravidão e seu passado. Parece haver muita confusão sobre quem é Albert Pyke e o papel que ele desempenhou em nossa história. Então, aqui estão cinco trechos interessantes sobre o misterioso erudito maçônico.

Anos de crescimento

Embora Albert Pike seja descendente de John Pike, o fundador de Woodbridge, New Jersey, sua infância não foi nada fácil. Pike nasceu em 1809, em Boston, Massachusetts, filho de Benjamin e Sarah Pike. Seu pai era alcoólatra, enquanto sua mãe se esforçava para empurrá-lo para o ministério. Ele passou sua infância em Newburyport e Framingham. Em 1825, Pike foi enviado para ficar com seu tio. Seu tio descobriu a memória fotográfica de Pike e o ajudou a aprender vários idiomas.

Recebeu o título de mestre honorário em artes de Harvard

Albert Pike passou no exame de admissão para a Universidade de Harvard em 1825. Quando a faculdade lhe pediu para pagar as propinas dos primeiros dois anos, o jovem estudioso decidiu desistir de estudar na prestigiada universidade devido às suas dificuldades financeiras e, em vez disso, optou por autoeducação. Ele continuou estudando Direito sozinho e escreveu várias matérias jurídicas. Além de suas obras jurídicas, Pike também escrevia poesia como hobby. Muitos de seus poemas foram publicados postumamente por sua filha. Em 1859, ele recebeu um diploma honorário da Universidade de Harvard.

Apesar da postura indígena pró-indígena, ele favoreceu a escravidão

Em 1850, Pike estava ativamente engajado na política. Ele se juntou ao Partido Know-Nothing (Ordem dos Americanos Unidos). A ideologia política do partido era antiestrangeiros. O partido acreditava que a escravidão era melhor para a economia, ao invés de fazendeiros importando trabalhadores do exterior para trabalhar em suas fazendas. Apesar de sua posição sobre a escravidão, Pike era anteriormente pró-índio. Ele representou várias tribos nativas americanas contra o governo federal e conquistou assentamentos para eles.

Durante a Guerra Civil, Pike foi nomeado comissário de Assuntos Indígenas da Confederação. Ele acabou sendo promovido a general de brigada. Ele organizou vários regimentos de tribos do Arkansas. Alguns de seus soldados mutilaram os soldados da União durante a batalha, o que o colocou em apuros. Ele lutou com seus superiores e acusou a Confederação de negligenciar as obrigações do tratado para com as tribos. Ele foi preso por traição, mas solto logo em seguida.

Links para Arkansas Ku Klux Klan

O nome de Pike costuma ser mencionado como um dos primeiros líderes da Ku Klux Klan. De acordo com o historiador Walter Fleming, Pike era o "chefe judicial" da Klan em 1905. Este tem sido um assunto controverso, pois nenhuma evidência substancial foi encontrada para substanciar ou refutar o envolvimento de Pike com a Klan.

Se você tiver uma notícia ou uma história interessante para nós, entre em contato pelo telefone (323) 421-7514


Ближайшие родственники

Sobre Brig. Gen. Zebulon Montgomery Pike, Jr.

Zebulon Montgomery Pike Jr. foi um soldado e explorador americano que deu nome ao Pikes Peak, no Colorado. Sua expedição a Pike mapeou grande parte da porção sul da Compra da Louisiana.

Pike nasceu em Lamington, New Jersey, agora parte de Trenton. Seu pai, também chamado Zebulon Pike, foi oficial do Exército Continental sob o comando do General George Washington e serviu no Exército dos Estados Unidos após o fim da Guerra Revolucionária. O Pike mais jovem cresceu até a idade adulta em uma série de postos avançados do Meio-Oeste & # x2014 - a fronteira dos Estados Unidos na época & # x2014 em Ohio e Illinois. Ele se juntou ao regimento de seu pai como cadete em 1794, ganhou uma comissão como alferes em 1799 e um primeiro tenente mais tarde naquele ano. Pike se casou com Clarissa Harlow Brown em 1801 e continuou sua carreira militar em logística e folha de pagamento em uma série de postos de fronteira. Sua carreira foi assumida pelo general James Wilkinson, que havia sido nomeado governador do Território da Alta Louisiana. Em 1805, Wilkinson ordenou que Zebulon Pike encontrasse a nascente do rio Mississippi.

Quase imediatamente após seu retorno, Pike foi ordenado a sair mais uma vez para liderar uma expedição exploratória para encontrar as cabeceiras do rio Arkansas e do rio Vermelho. Perto de St. Louis, em 15 de julho de 1806, Pike liderou o que agora é conhecido como & quotthe Pike expedição & quot de Fort Bellefontaine para explorar o sudoeste.

Pike nunca alcançou com sucesso o cume do famoso pico que leva seu nome (Pikes Peak). Ele tentou fazer isso em novembro de 1806, chegou até o Monte Rosa a sudeste de Pikes Peak e desistiu da subida até a cintura neve depois de quase dois dias sem comer.

Esta viagem, pela qual ele é mais lembrado, terminou com sua captura em 26 de fevereiro de 1807 pelas autoridades espanholas no norte do Novo México, agora parte do Colorado. Pike e seus homens foram levados para Santa Fé, depois para Chihuahua, onde se apresentou ao Comandante General Salcedo. Salcedo hospedou Pike com Juan Pedro Walker, um cartógrafo, que também atuou como intérprete e transcritor / tradutor dos documentos confiscados de Pike. Foi enquanto estava com Walker que Pike teve acesso a vários mapas do sudoeste e soube do descontentamento mexicano com o domínio espanhol. Pike e seus homens foram libertados, sob protesto, para os Estados Unidos na fronteira com a Louisiana em 1º de julho de 1807.

Pike was promoted to captain without his knowledge while on the southwestern expedition. In 1811, he was listed as Lt. Col. Zebulon M. Pike with the 4th Infantry Regiment at the Battle of Tippecanoe. He was promoted to colonel in 1812. He continued his role as a military functionary, serving as deputy quartermaster-general in New Orleans and inspector-general during the War of 1812.

Pike was promoted to brigadier general in 1813. Along with General Jacob Brown, Pike departed from a rural military outpost, Sackets Harbor, on the New York shore of Lake Ontario, for his last military campaign. On this expedition, Pike commanded combat troops in the successful attack on York, (now Toronto) on April 27, 1813. Pike was killed by flying rocks and other debris when the retreating British garrison blew up its ammunition without warning as the town's surrender negotiations were going on. His body was brought by ship back to Sacketts Harbor, where his remains were buried.

Although his actual journals were confiscated by the Spanish authorities, and not recovered from Mexico until the 1900s, Pike's account of his southwest expedition was published in 1810 as The expeditions of Zebulon Montgomery Pike to headwaters of the Mississippi River, through Louisiana Territory, and in New Spain, during the years 1805-6-7 and later published in French, German, and Dutch. His account became required reading for all American explorers that followed him in the 19th century. Pike's account had a dramatic effect on the exploration of the southwest. He described the politics in Chihuahua that led to the Mexican independence movement, as well as the trade conditions in New Mexico and Chihuahua, which descriptions helped promote the development of the Santa Fe Trail.

Named for Zebulon Pike Pikesville, Maryland Pike County, Alabama Pike County, Arkansas Pike County, Illinois Pike County, Kentucky Pike County, Mississippi Pike County, Missouri Pike County, Indiana Pike County, Ohio Pike County, Pennsylvania Pike County, Georgia and its county seat Zebulon USS General Pike Fort Pike Pikes Peak Pike National Forest Pikes Peak (Iowa) Piketon, Ohio Pikeville, Kentucky Pike Island in Fort Snelling State Park, Minnesota Pike Creek Township in Morrison County, Minnesota Pike Township, Marion County, Indiana Pike Township, Stark County, Ohio Pike Trail League, Kansas high school activities league Pike Valley School District, Kansas School District, U.S.D. 426 Liberty ship SS Zebulon Pike (appears in Episode 1 of Victory At Sea) General Zebulon Pike Lock and Dam No. 11 in Dubuque, Iowa

Pike is descended from John Pike, an early immigrant settler and founder of Woodbridge, New Jersey.

Zebulon married Clarissa Harlow Brown in 1801. Their daughter Clarissa Brown Pike married John Cleves Symmes Harrison, a son of President William Henry Harrison. Zebulon died without a son to carry on his family name, so there are no Pikes who are direct descendants. However there is an active DNA effort to document relatives and almost 20% of Pike surnames are related to Zebulon. He is also a relative of Albert Pike, a Confederate brigadier general and a prominent Freemason and of Lt. Colonel Emory Jenison Pike, a World War One Medal of Honor recipient. He is the sixth great grandfather of musician and producer Mike Skinner and the political theorist Daniel Skinner.

Zebulon Montgomery Pike Jr. (January 5, 1779 – April 27, 1813) was an American soldier and explorer for whom Pikes Peak in Colorado is named. His Pike expedition mapped much of the southern portion of the Louisiana Purchase.

Pike was born in Lamberton, New Jersey, now a part of Trenton. His father, also named Zebulon Pike, was an officer in the Continental Army under General George Washington and served in the United States Army after the end of the Revolutionary War. The younger Pike grew to adulthood in a series of Midwestern outposts—the frontier of the United States at the time—in Ohio and Illinois. He joined his father's regiment as a cadet in 1794, earned a commission as ensign in 1799 and a first lieutenancy later that year. Pike married Clarissa Harlow Brown in 1801 and continued his military career in logistics and payroll at a series of frontier posts. His career was taken up by General James Wilkinson, who had been appointed Governor of the Upper Louisiana Territory. In 1805, Wilkinson ordered Zebulon Pike to find the source of the Mississippi River.

Nearly immediately upon his return Pike was ordered out once again to lead an exploratory expedition to find the headwaters of the Arkansas River and Red River. Near St. Louis on July 15, 1806, Pike led what is now known as "the Pike expedition" from Fort Bellefontaine to explore the southwest.

Pike never successfully reached the summit of the famous peak that bears his name (Pikes Peak.) He attempted it in November 1806, made it as far as Mt. Rosa to the southeast of Pikes Peak, and gave up the ascent in waist-deep snow after having gone almost two days without food.

This journey, for which he is most remembered, ended with his capture on February 26, 1807 by Spanish authorities in northern New Mexico, now part of Colorado. Pike and his men were taken to Santa Fe, then to Chihuahua where he appeared before the Commandant General Salcedo. Salcedo housed Pike with Juan Pedro Walker, a cartographer, who also acted as an interpreter and as a transcriber/translator for Pike's confiscated documents. It was while with Walker that Pike had access to various maps of the southwest and learned of Mexican discontent with Spanish rule. Pike and his men were released, under protest, to the United States at the Louisiana border on July 1, 1807.

Pike was promoted to captain without his knowledge while on the southwestern expedition. In 1811, he was listed as Lt. Col. Zebulon M. Pike with the 4th Infantry Regiment at the Battle of Tippecanoe. He was promoted to colonel in 1812. He continued his role as a military functionary, serving as deputy quartermaster-general in New Orleans and inspector-general during the War of 1812.

Pike was promoted to brigadier general in 1813. Along with General Jacob Brown, Pike departed from a rural military outpost, Sackets Harbor, on the New York shore of Lake Ontario, for his last military campaign. On this expedition, Pike commanded combat troops in the successful attack on York, (now Toronto) on April 27, 1813. Pike was killed by flying rocks and other debris when the retreating British garrison blew up its ammunition without warning as the town's surrender negotiations were going on. His body was brought by ship back to Sackets Harbor, where his remains were buried.

Although his actual journals were confiscated by the Spanish authorities, and not recovered from Mexico until the 1900s, Pike's account of his southwest expedition was published in 1810 as The expeditions of Zebulon Montgomery Pike to headwaters of the Mississippi River, through Louisiana Territory, and in New Spain, during the years 1805-6-7 and later published in French, German, and Dutch. His account became required reading for all American explorers that followed him in the 19th century. Pike's account had a dramatic effect on the exploration of the southwest. He described the politics in Chihuahua that led to the Mexican independence movement, as well as the trade conditions in New Mexico and Chihuahua, which descriptions helped promote the development of the Santa Fe Trail.[citation needed]

Pikesville, Maryland Pike County, Alabama Pike County, Arkansas Pike County, Illinois Pike County, Kentucky Pike County, Mississippi Pike County, Missouri Pike County, Indiana Pike County, Ohio Pike County, Pennsylvania Pike County, Georgia and its county seat Zebulon USS General Pike Fort Pike Pikes Peak Pike National Forest Pikes Peak (Iowa) Piketon, Ohio Pikeville, Kentucky Pike Island in Fort Snelling State Park, Minnesota Pike Creek Township in Morrison County, Minnesota Pike Township, Marion County, Indiana Pike Township, Stark County, Ohio Pike Trail League, Kansas high school activities league Pike Valley School District, Kansas School District, U.S.D. 426 Liberty ship SS Zebulon Pike (appears in Episode 1 of Victory At Sea) General Zebulon Pike Lock and Dam No. 11 in Dubuque, Iowa

Pike is descended from John Pike, an early immigrant settler and founder of Woodbridge, New Jersey.

Zebulon married Clarissa Harlow Brown in 1801. Their daughter Clarissa Brown Pike married John Cleves Symmes Harrison, a son of President William Henry Harrison. Zebulon died without a son to carry on his family name, so there are no Pikes who are direct descendants. However there is an active DNA effort to document relatives and almost 20% of Pike surnames are related to Zebulon. He is also a relative of Albert Pike, a Confederate brigadier general and a prominent Freemason and of Lt. Colonel Emory Jenison Pike, a World War One Medal of Honor recipient. He is the sixth great grandfather of musician and producer Mike Skinner and the political theorist Daniel Skinner.

Zebulon Montgomery Pike Jr. (b:January 5, 1778 d:April 27, 1813) was an American soldier and explorer for whom Pikes Peak in Colorado is named. His Pike expedition, often compared to the Lewis and Clark Expedition, mapped much of the southern portion of the Louisiana Purchase.

Pike was born in Lamberton, New Jersey, now a part of Trenton. His father, also named Zebulon Pike, was an officer in the Continental Army under General George Washington and served in the United States Army after the end of the Revolutionary War. The younger Pike grew to adulthood in a series of Midwestern outposts. The frontier of the United States at the time was in Ohio and Illinois. He joined his father's regiment as a cadet in 1794, earned a commission as ensign in 1799 and a first lieutenancy later that year.

Pike married Clarissa Harlow Brown in 1801 and continued an unremarkable military career in logistics and payroll at a series of frontier posts. His career was taken up by General James Wilkinson, who had been appointed Governor of the Upper Louisiana Territory. In 1805, Wilkinson ordered Pike to find the source of the Mississippi River.

Nearly immediately upon his return Pike was ordered out once again to lead an exploratory expedition to find the headwaters of the Arkansas River and Red River. Near St. Louis on July 15, 1806, Pike led what is now known as "the Pike expedition" from Fort Bellefontaine to explore the southwest.

Pike never successfully reached the summit of the famous peak that bears his name. He attempted it in November 1806, made it as far as Mt. Rosa to the southeast of Pikes Peak, and gave up the ascent in waist-deep snow after having gone almost two days without food.

This journey, which he is most remembered for, ended with his capture on February 26, 1807 by Spanish authorities in northern New Mexico, now part of Colorado. Pike and his men were taken to Santa Fe, then to Chihuahua where he appeared before the Commandant General Salcedo. Salcedo housed Pike with Juan Pedro Walker, a cartographer, who also acted as an interpreter and as a transcriber/translator for Pike's confiscated documents. It was while with Walker that Pike had access to various maps of the southwest and learned of Mexican discontent with Spanish rule. Pike and his men were released, under protest, to the United States at the Louisiana border on July 1, 1807.

Pike was promoted to captain without his knowledge while on the southwestern expedition. In 1811, he was listed as Lt. Col. Zebulon M. Pike with the 4th Infantry Regiment at the Battle of Tippecanoe. He was promoted to colonel in 1812. He continued his role as a military functionary, serving as deputy quartermaster-general in New Orleans and inspector-general during the War of 1812.

Pike was promoted to brigadier general in 1813.Along with General Jacob Brown, Pike departed from a rural military outpost, Sackets Harbor, on the New York shore of Lake Ontario, for his last military campaign. On this expedition, Pike commanded combat troops in the successful attack on York, Ontario (now Toronto) on April 27, 1813. Pike was killed by flying rocks and other debris when the retreating British garrison blew up its ammunition without warning as the town's surrender negotiations were going on. His body was brought by ship back to Sackets Harbor, where his remains were buried.

Although his actual journals were confiscated by the Spanish authorities, and not recovered from Mexico until the 1900s, Pike's account of his southwest expedition was published in 1810 as The expeditions of Zebulon Montgomery Pike to headwaters of the Mississippi River, through Louisiana Territory, and in New Spain, during the years 1805-6-7 and later published in French, German, and Dutch. His account became required reading for all American explorers that followed him in the 19th century. Pike's account had a dramatic effect on the exploration of the southwest. He described the politics in Chihuahua that led to the Mexican independence movement, as well as the trade conditions in New Mexico and Chihuahua, which descriptions helped promote the development of the Santa Fe Trail.


Forged metal on wooden shaft.

As a boy of five, John Brown witnessed a slave his own age being beaten with a fire shovel. He vowed to become a foe of slavery. By the mid-1800s, Brown was fulfilling his vow. The Kansas-Nebraska Act of 1854 allowed the two territories to decide the issue of slavery by a popular ballot. The fight in Kansas was so intense that the state earned the nickname of Bleeding Kansas. As Missouri pro-slavery, Ruffians flocked to Kansas, New England abolitionists bankrolled Free-Soilers to move to the settlement of Lawrence, Kansas. Henry Ward Beecher raised money to purchase Sharp's rifles for use by antislavery forces in Kansas. Rifles, said Beecher, are a greater moral agency than the Bible in the fight against slavery. The guns were packed in crates labeled "Bibles" so they would not arouse suspicion. Soon the Sharps rifles sent to Kansas were referred to as Beecher s Bibles. In 1856, after abolitionists were attacked in Lawrence, John Brown led a raid on scattered cabins along the Pottawatomie Creek, killing five people. Kansas would not become a state until 1861, after the Confederate states seceded. John Brown had another plan to bring about an end to slavery, a slave uprising. Brown contracted with Charles Blair, a forge master in Collinsville, Connecticut, to make 950 pikes for a dollar a piece. Brown would issue the pike to the slaves as they revolted. On 16 October 1859, Brown led his group to Harpers Ferry where he took over the arsenal and waited for the slaves to revolt. The revolt never came. Two days later Robert E. Lee and his troops overran the raiders and captured John Brown. Brown was found guilty of murder, treason, and of inciting slave insurrection and On 2 December 1859, he was hanged.


Assista o vídeo: NEW PB!!! Big Pike Fishing in Germany - vs das Battle of das Hecht