George Kay

George Kay


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

George Kay nasceu em Manchester em 21 de setembro de 1891. Um zagueiro central ele jogou pelo Eccles antes de assinar pelo Bolton Wanderers em 1910. Kenny Davenport, que descobriu Kay, afirmou que "Kay era tão forte quanto eu vi um garoto dele anos. Nada passou por ele. Ele é um cara grande, mas rápido e inteligente. "

Kay jogou apenas três jogos do time principal até se juntar à Royal Garrison Artillery no início da Primeira Guerra Mundial. Durante o conflito, Kay jogou jogos amistosos para vários clubes da liga, incluindo o West Ham United.

Kay acabou sendo enviada para a Frente Ocidental e foi ferida e gaseada. Em 1917, Kay, que havia sido promovido ao posto de sargento, foi mandado de volta para a Inglaterra sofrendo de choque.

Kay ingressou no West Ham United em 1919 por £ 100. Ele fez sua estreia pelo time da Segunda Divisão contra o Barnsley em 8 de setembro de 1919. Kay se juntou a um time que incluía Syd Puddefoot, Jimmy Ruffell, Edward Hufton, George Kay, Billy Moore, Jack Tresadern, Vic Watson, Syd Bishop, Billy Brown, Dick Richards, Jack Young e Billy Henderson.

Kay manteve o seu lugar na equipa e em 1922 Syd King decidiu nomeá-lo capitão da equipa. O West Ham United teve uma boa sequência na FA Cup na temporada 1922-23 derrotando Hull City (3-2), Brighton & Hove Albion (1-0), Plymouth Argyle (2-0), Southampton (1-0) e Derby County (5-2) para chegar à final contra o Bolton Wanderers. A final aconteceu no Estádio de Wembley, apenas quatro dias após a conclusão do estádio.

O estádio tinha capacidade para 125.000 espectadores e, portanto, a Federação de Futebol não considerou fazer um jogo com todos os ingressos. Afinal, ambas as equipes tiveram uma assistência média de apenas cerca de 20.000 para os jogos da liga. No entanto, era raro para um clube de Londres chegar à final da FA Cup e os torcedores de outros clubes da cidade a viam como um jogo Norte x Sul. Estima-se que 300.000 pessoas tentaram entrar no solo. Mais de mil pessoas ficaram feridas ao entrar e sair do estádio.

Jimmy Ruffell foi mais tarde entrevistado sobre a final: "A maioria das pessoas em Wembley parecia ser londrina. Bem, os que eu vi pareciam ser. Enquanto tentávamos entrar em campo, todos nos batiam nas costas e agarrando nossas mãos para sacudi-los. Quando cheguei ao centro do campo, meu pobre ombro estava doendo ... Foi um jogo difícil para o West Ham, pois o campo estava tão agitado pelos cavalos e pela multidão que tinha estado em campo bem antes do jogo. O West Ham fez muitas alas e você simplesmente não conseguia controlá-las para a multidão que estava bem perto da linha. Bolton teve que jogar no mesmo campo, é claro, mas eles não jogaram tão longe quanto o West Ham. " Quando o jogo finalmente começou, Joe Smith e David Jack marcaram na vitória do Bolton por 2 a 0 sobre o West Ham United.

No jogo seguinte, o West Ham United venceu o Sheffield Wednesday por 2 a 0 para garantir a promoção à Primeira Divisão. Os artilheiros foram Vic Watson (22) e Billy Moore (15). No entanto, a defesa se saiu muito bem, deixando apenas 38 gols naquela temporada.

O West Ham United terminou em 13º lugar em sua primeira temporada na Primeira Divisão. Kay jogou em 40 dos 42 jogos daquela temporada. Na temporada seguinte, ele perdeu apenas um jogo da liga. Naquele ano, ele se tornou a primeira pessoa a jogar mais de 200 jogos pelo West Ham. Quando ele deixou o clube no final da temporada 1925-26, ele havia disputado 237 jogos na liga pelo clube. Kay ingressou no Stockport County, mas agora com 36 anos, ele só conseguiu dois jogos pelo clube.

No ano seguinte, tornou-se técnico do Luton Town na Terceira Divisão. Em 1929 ele se tornou gerente do clube. No entanto, após duas temporadas sem sucesso, ele se tornou técnico do Southampton em maio de 1931. Como o clube da Segunda Divisão estava em dificuldades financeiras, ele passou muito tempo desenvolvendo seus jovens jogadores. Isso incluiu Ted Drake, que marcou 48 gols em 74 partidas. Em março de 1934, Kay vendeu Drake para o Arsenal por uma taxa de £ 6.500.

Considerando os problemas financeiros do Southampton, Kay fez bem em manter o clube na Segunda Divisão. Em 1936, Kay tornou-se gerente do Liverpool, clube da Primeira Divisão. Kay não teve uma largada muito boa e na temporada 1936-37 o clube terminou na 18ª colocação. Kay nomeou Matt Busby como capitão do clube. Mais tarde, Busby afirmou que Kay lhe mostrou como se tornar um bom gerente. O Liverpool terminou na tabela intermediária nas temporadas de 1937-38 e 1938-39.

De acordo com Tony Matthews, autor de Quem é quem de Liverpool (2006), Kay foi: “Um homem de bom temperamento e grande falador, nunca vestiu um fato de treino, preferindo sempre usar gola e gravata e fato (ou blazer e calça) independentemente das circunstâncias. A sua casca foi muito pior do que sua mordida e ele certamente deixou os jogadores feridos antes de um jogo. "

A Liga de Futebol foi abandonada durante a Segunda Guerra Mundial. Kay havia formado um excelente time na época em que o futebol foi retomado após a guerra. Matt Busby foi forçado a se aposentar, mas Kay adquiriu jogadores da qualidade de Bob Paisley, Billy Liddell, Jack Balmer e Albert Stubbins.

O Liverpool venceu o campeonato da Primeira Divisão na temporada 1946-47. Bob Paisley afirmou que Kay "levou o Liverpool através da guerra para se sair um pouco como o West Ham depois da Primeira Guerra ... Ele foi uma das pessoas que preparou o terreno para a forma como os times do Liverpool jogariam no futuro ... manter a bola no chão e passá-la bem ... mas também ser forte com a bola. " O clube deve muito a Jack Balmer e Albert Stubbins, que terminaram juntos como artilheiros com 24 gols cada. O Liverpool também chegou à semifinal da Copa da Inglaterra, mas infelizmente foi derrotado pelo Burnley por 1-0.

O clube só conseguiu terminar no meio da tabela nas três temporadas seguintes, mas chegou à final da Copa da Inglaterra de 1950 contra o Arsenal. Como observou Brian Belton: "A saúde de Kay começou a se deteriorar devido ao estresse da corrida para a final da FA Cup de 1950, durante a qual ele perdeu peso e começou a fumar um cigarro atrás do outro. Ele desmaiou e precisou de cuidados médicos de emergência. Embora confinado a sua cama doente dois dias antes do Liverpool enfrentar o Arsenal na primeira final do Reds em Wembley em 1950, Kay não teria a honra de levar seus jogadores ao gramado de Wembley para a apresentação ao rei. " O Liverpool perdeu o jogo por 2-0.

A saúde de Kay continuou a piorar e ele se aposentou como técnico em janeiro de 1951. Billy Liddell comentou: "Ele não pensava em outra coisa senão no bem de Liverpool durante suas horas de vigília e também durante muitas de suas noites. Ele me falou muitas vezes sobre os tempos ele tinha ficado na cama, sem conseguir dormir, ponderando sobre os múltiplos problemas que afligem todo gerente, mas que podem ser uma maldição para os hipersensíveis ou excessivamente conscienciosos ... se algum homem deu sua vida por um clube; George Kay o fez para Liverpool. "

George Kay morreu em Liverpool em 18 de abril de 1954.

Este excelente zagueiro foi um dos primeiros ex-jogadores do West Ham a deixar uma marca na gestão do futebol e poderia justificadamente reivindicar ser o pioneiro por trás da famosa "academia" de gestão do West Ham.

Homem de bom temperamento e muito falador, nunca vestiu fato de treino, preferindo sempre usar colarinho e gravata e fato (ou blazer e calça) independentemente das circunstâncias. Seu latido era muito pior do que sua mordida e ele certamente deixava os jogadores feridos antes de um jogo.

O novo técnico em Anfield, George Kay, era um homem que Matt passou a admirar - um dos melhores homens que ele conheceu no jogo. Eles eram almas gêmeas, compartilhando pontos de vista e objetivos comuns.

George foi um dos primeiros Hammers a deixar uma marca na gestão inglesa ao manter o Southampton estabelecido na Segunda Divisão por cinco temporadas entre 1931 e 1936. Sua passagem pela costa sul não foi inteiramente bem-sucedida, com apenas 76 vitórias em 219 jogos encarregado dos santos. Mas ele contratou Vic Watson do West Ham, o que foi uma grande surpresa na época. Kay se deu bem com os santos a ponto de receber uma oferta de emprego de gerente em Anfield em 1936.

O lado do Liverpool que Kay herdou foi pensado como uma certeza para o rebaixamento e foi considerado um milagre quando ele conduziu o time (com o futuro técnico do Manchester United Matt Busby) para a relativa segurança do 19º lugar. Busby era o único jogador de qualidade real no clube. No ano que antecedeu a Segunda Guerra Mundial, Kay assinou com o pouco conhecido ala escocês Billy Liddell do Lochgelly Violet, contratando o jovem de 17 anos por um contrato de £ 3 por semana. Ele também apresentou o zagueiro reserva Jim Harley e contratou Willie Fagan do Preston. O Liverpool alcançou o 11º lugar, porém a guerra foi declarada logo após o início da nova temporada 1939-40; levaria sete longos anos até que Kay e Liverpool retornassem ao futebol da liga.

George administrou os Reds do tempo de guerra nas competições regionais que sustentaram o futebol durante os anos de conflito, recrutando jogadores como Horace Cumner, Stan Cullis e o zagueiro Bill Shankly do Preston para substituir jogadores como Berry Niewenhuys e o novato Bob Paisley. Um dos poucos pontos positivos dessa época foi Liddell; ele era muito jovem para ser levado para as forças quando a guerra começou e ele marcou sua estréia durante a guerra com um gol no massacre de ano novo de 1940 sobre Crewe; suas habilidades iluminaram um período deprimente para os habitantes de Liverpool.

Kay conduziu o Liverpool Reds à vitória no primeiro campeonato da Primeira Divisão do pós-guerra em 1946-47, terminando apenas um ponto à frente de seu rival mais mortal, o Manchester United. Ele havia planejado o ataque ao campeonato com brilhantismo; como todos os grandes administradores, ele alcançou o sucesso extraindo aspectos positivos de uma situação negativa. Antes do início da temporada, ele levou seu time para uma viagem aos EUA e Canadá, onde contra adversários medíocres, mas com um grande apoio, ele deu ao time do Liverpool tempo para se gel e, muito significativamente, viver, se reencontrar, brincar e recuperar a forma física em um ambiente sem a maldição do racionamento de alimentos; os rapazes de Anfield nunca tinham comido melhor. A sua equipa, preparada, saudável e impulsionada por dez vitórias em dez jogos, conseguiu aguentar a tensão de uma época que se estendeu até julho, com o inverno rigoroso atrasando os jogos por semanas a fio. Os homens de Kay alcançaram um "quádruplo" único nessa temporada, vencendo a Liverpool Senior Cup (derrotando o Everton na final) e duas outras taças locais, a Lancashire County Combination Cup e a Lancashire Senior Cup; todos eram troféus significativos naquela época.

O campeonato foi um feito maravilhoso e na temporada seguinte o Liverpool chegou tão perto de mais glória; depois de uma luta sem gols com Burnley, os rapazes de Kay foram derrotados por um único gol no replay das semifinais da FA Cup em Maine Road. No entanto, George chegaria à sua segunda final da FA Cup poucos anos depois, após vencer o Everton nas últimas quatro da competição. A saúde de Kay começou a piorar devido ao estresse da corrida para a final da FA Cup de 1950, período em que ele perdeu peso e começou a fumar um cigarro atrás do outro. Embora confinado em sua cama de doente dois dias antes do Liverpool enfrentar o Arsenal na primeira final do Reds em Wembley em 1950, Kay não teria a honra de levar seus jogadores ao gramado de Wembley para a apresentação ao rei. A final, em que a diretoria de Anfield derrubou Paisley, foi um jogo acirrado, mas infelizmente foi mais uma derrota por 2 a 0 para George Kay, trazendo lembranças de

sua primeira final de Wembley em 1923 ...

George se aposentou do futebol em fevereiro de 1951 por conselho médico e Liverpool nomeou Don Welsh como seu sucessor. Kay morreu em abril de 1954. Ele foi reconhecido como um homem profundo e atencioso, muito sério em relação ao seu futebol. Ele analisou todas as decisões, por menores que fossem, e não teve medo de revisitar esses mesmos julgamentos após reflexão. George sempre foi impecável em suas roupas e dedicou seu trabalho. Ele comia, bebia, dormia e vivia para o futebol, mas nunca permitiu que seu coração governasse sua cabeça. Ele tinha um conhecimento tático astuto e boas habilidades motivacionais. Para citar o ex-atacante do Reds Cyril Done, que trabalhou em estreita colaboração com Kay, George era "o Shankly de sua época". Ele foi chamado de um dos maiores gerentes de todos os tempos por Bob Paisley. Sir Matt Busby disse uma vez que Kay era seu mentor e que, sem ele, é duvidoso que ele pudesse ter planejado a primeira vitória do Manchester United na Copa dos Campeões. George Kay transformou um lutador clube do Liverpool em uma das melhores equipes do país.


George Kay Wiki, biografia, patrimônio líquido, idade, família, fatos e muito mais

Você encontrará todas as informações básicas sobre George Kay. Role para baixo para obter os detalhes completos. Nós explicamos tudo sobre George. Checkout George Wiki Idade, biografia, carreira, altura, peso, família. Fique atualizado conosco sobre suas celebridades favoritas. Atualizamos nossos dados de tempos em tempos.

BIOGRAFIA

Ex-jogador de rúgbi conhecido por ser casado com a estrela pop Kerry Katona. Ela pediu o divórcio em 2016, depois que ele foi preso por agressão e posse de um taser no final de 2015. George Kay é um conhecido jogador de rúgbi. George nasceu em 20 de novembro de 1980 na Inglaterra ..George é uma das celebridades famosas e populares, que é popular por ser um jogador de rúgbi. Em 2018, George Kay tinha 37 anos. George Kay é um membro famoso Jogador de rugby Lista.

O Wikifamouspeople classificou George Kay na lista de celebridades populares. George Kay também está listado junto com as pessoas nascidas em 20 de novembro de 80. Uma das celebridades preciosas listadas na lista de jogadores de rúgbi.

Não se sabe muito sobre George Education Background & amp Childhood. Iremos atualizá-lo em breve.

Detalhes
Nome George Kay
Idade (a partir de 2018) 37 anos
Profissão Jogador de rugby
Data de nascimento 20 de novembro de 80
Local de nascimento Inglaterra
Nacionalidade Inglaterra

George Kay Net Worth

A principal fonte de renda de George é o Rugby Player. Atualmente não temos informações suficientes sobre sua família, relacionamentos, infância, etc. Atualizaremos em breve.

Patrimônio líquido estimado em 2019: US $ 100 mil - US $ 1 milhão (aprox.)

George Age, Height & amp Weight

As medidas do corpo de George, altura e peso ainda não são conhecidos, mas vamos atualizar em breve.

Família e relações

Não se sabe muito sobre a família e os relacionamentos de George. Todas as informações sobre sua vida privada são ocultadas. Iremos atualizá-lo em breve.

Fatos

  • A idade de George Kay é 37 anos. a partir de 2018
  • O aniversário de George é em 20 de novembro de 80.
  • Signo do Zodíaco: Escorpião.

-------- Obrigado --------

Oportunidade de influenciador

Se você é um modelo, um Tiktoker, um influenciador do Instagram, um blogueiro de moda ou qualquer outro influenciador de mídia social, que deseja obter colaborações incríveis. Então você pode Junte-se ao nosso Grupo do Facebook chamado "Influenciadores encontram marcas". É uma plataforma onde os influenciadores podem se encontrar, colaborar, obter oportunidades de colaboração de marcas e discutir interesses comuns.

Conectamos marcas com talentos de mídia social para criar conteúdo patrocinado de qualidade


Como usar o FameChain

Com as eleições de 2020 se aproximando, veja a árvore genealógica de Trump.

Prestes a enviar quatro astronautas para a ISS. Veja a árvore genealógica de Elon Musk aqui no FameChain

Vice-presidente dos Estados Unidos.

Meghan e Harry agora estão baseados nos EUA. FameChain tem suas árvores incríveis.

O candidato do Partido Democrata à presidência. Veja a árvore genealógica de Joe Biden

Candidato democrata à vice-presidência dos Estados Unidos.

Definido para ser o próximo juiz do Supremo Tribunal. Descubra a árvore genealógica Coney Barret

Siga-nos no

VÍDEOS

Todas as informações de relacionamento e história da família mostradas no FameChain foram compiladas a partir de dados de domínio público. A partir de fontes online ou impressas e de bancos de dados acessíveis ao público. Acredita-se que esteja correto no momento da introdução e é apresentado aqui de boa fé. Se você tiver informações que conflitem com qualquer coisa mostrada, por favor, avise-nos por e-mail.

Mas observe que não é possível ter certeza da genealogia de uma pessoa sem a cooperação da família (e / ou teste de DNA).


Kerry Katona e o ex-marido George Kay de Kerry Katona morrem após suspeita de overdose

O ex-astro do rugby de 39 anos teria morrido na sexta-feira após uma suspeita de overdose de drogas que ele foi encontrado, desmaiou em casa e foi levado ao hospital, onde os médicos não puderam ressuscitá-lo.

Fontes próximas a Kerry, 38, disseram que a mãe de cinco está com o "coração partido".

‘Kerry foi informado esta tarde que George sofreu uma overdose e foi levado ao hospital, mas foi declarado morto na chegada’, disse um amigo da família.

"Ninguém ainda sabe do que ele tomou uma overdose ou se foi intencional ou um acidente. Kerry está com o coração partido, ele é o pai do DJ e ela o amou uma vez.

George tinha uma longa história de abuso de drogas e lutou contra problemas de saúde mental por muitos anos.

Em declarações ao The Mirror, a amiga acrescentou: "Ela não consegue suportar a ideia de explicar à filha o que aconteceu."

Kerry e George se conheceram em 2012 e se casaram em setembro de 2014, cinco meses depois que ela deu à luz sua filha, Dylan-Jorge.

Em outubro de 2015, ela confirmou que eles se separaram, alegando que ele a havia agredido.

Ele foi preso pela polícia, mas as acusações foram posteriormente retiradas devido à falta de provas. Kerry tinha uma ordem de restrição contra ele e pensava que ele não via sua filha há mais de um ano.

Em 2017, eles se separaram para sempre, com uma fonte afirmando que as tensões "chegaram ao limite" e "tudo veio à tona quando George disse a Kerry que estava cansado de agir como babá de seus filhos".

Kerry tem duas filhas de seu casamento anterior com Brian McFadden do Westlife, Molly, 16, Lilly-Sue, Heidi de 14 e 10 anos. Ela também tem um Maxwell de nove anos com o segundo marido Mark Croft.


George Kay (1838 - 1926)

Censo da Inglaterra e País de Gales, 1841- George (2) morando em Leigh, Lancashire, Inglaterra:

Samuel Kay M 27-31 Lancashire Mary Kay F 24-28 Lancashire John Kay M 3 Lancashire George Kay M 2 Lancashire [3]

Censo da Inglaterra e País de Gales, 1851Geoge (12) morando em Tyldesley, Lancashire, Inglaterra com sua família, trabalhando como minerador de carvão:

Samuel Kay Head M 37 Tyldesley, Lancashire Mary Kay Esposa F 35 Tyldesley, Lancashire John Kay Filho M 13 Tyldesley, Lancashire George Kay Filho M 12 Tyldesley, Lancashire Ellen Kay Filha F 6 Tyldesley, Lancashire William Kay Filho M 2 Tyldesley, Lancashire Mary Hannah Kay Filha F 0 Tyldesley, Lancashire George Cook Sogro M 59 Tyldesley, Lancashire [4]

Olive e George Kay se casaram em 1861 em Ashton Under Lynn, Lancaster, Inglaterra [5] [6]

George e Olive Kay deixaram Lancashire no Barque "Victory" navegando em 28 de junho de 1863, chegando a Londres em Timaru, Nova Zelândia em 13 de outubro de 1863 [7]

George e Olive tiveram 5 filhos

Olive Kay morreu em 4 de fevereiro de 1885 em Timaru, Canterbury, Nova Zelândia


George casou-se novamente com Catherine Fraser em 1886 [8]

George e Catherine tiveram 9 filhos

George morreu em setembro de 1926 [9]. Ele está enterrado no cemitério Homeview, Cheviot [10] [2]

Nova Zelândia, Arquivos da Nova Zelândia, Registros de Sucessões [11]

A Pastoral Kingdom Divided: Cheviot, 1889-1894 Por W. J. Gardner

Em 1893, John McKenzie, como ministro das terras, comprou a propriedade Cheviot Hills para o governo como parte de sua política de dividir as grandes propriedades. A terra foi votada sob uma variedade de formas de posse. Alguns foram vendidos como fazendas de pastagem para fins pastorais, assim como os 2.089 acres (845 hectares) adquiridos por D. O. Brick (topo). Alguns foram alugados para sempre, como foi a fazenda de 400 acres (162 hectares) adquirida por J. S. Zuppicich em 1894 (meio). Havia também seções de assentamento de aldeia de 10 acres (4 hectares), como a terra adquirida pelo trabalhador do governo George Kay (abaixo). [4]


George Kay, ex de Kerry Katona, estava "falido e morava com os pais" antes de morrer

O ex-marido de Kerry Katona, George Kay, estava supostamente sem um tostão e forçado a voltar a morar com seus pais poucos meses antes de sua morte.

O ex-astro da liga de rúgbi de 39 anos foi infelizmente encontrado morto em sua casa em Warrington no fim de semana após uma suspeita de overdose de cocaína.

Embora Kerry tenha negado veementemente que impediu George de ver sua filha Dylan-Jorge, 5, o fundador do Fathers4Justice, Matt O & aposConnor, alegou controversamente o contrário.

"Ele havia se separado da filha e não estava em um bom lugar", disse ele ao The Sun.

Consulte Mais informação
Artigos relacionados

“George estava passando pelo que é conhecido como 'luto vivo', uma sensação de perda e de ter levado embora a coisa mais importante de sua vida.

“Ele estava morando com os pais e ficou sem dinheiro para lutar contra isso.

“Ele não era nenhum santo e estava claramente indisposto, mas a situação tornava tudo muito pior. Ele sentiu como se sua vida tivesse acabado. & Quot

O Mirror online entrou em contato com o representante da Kerry & aposs para comentar.

Consulte Mais informação
Artigos relacionados

Isso acontece depois que a filha mais velha de Kerry revidou a organização por seus comentários "imprecisos e extremamente insensíveis" sobre o acesso de George a DJ, e depois que o doente afirma que a ex-estrela do Atomic Kitten "tem sangue nas mãos".

Em um post no Twitter, ela escreveu: & quotEu sugiro retirar este tweet.

“Como você ousa fazer declarações tão nojentas em um momento tão vulnerável, suas acusações são inexatas e extremamente insensíveis.

“Eu realmente espero que você nunca se encontre neste tipo de situação. Palavras vis de uma pessoa vil, você deveria se envergonhar. ”

A mãe de Kerry, Sue, acrescentou: & quotBem disse Molly e é verdade. ”

Kerry ainda não quebrou o silêncio sobre a morte de George, de quem ela se divorciou em 2017.

Um amigo próximo da família de Kerry disse: “Kerry foi informado esta tarde que George sofreu uma overdose e foi levado ao hospital, mas foi declarado morto na chegada.

“Ninguém ainda sabe do que ele tomou uma overdose ou se foi intencional ou um acidente.


Omar Sy e George Kay criam um novo ladrão cavalheiro em & # 8216Lupin & # 8217

Quando a Netflix & # 8217s & # 8220Lupin & # 8221 filmou sua sequência de roubo do episódio de estréia durante a noite no Louvre, o elenco e a equipe tiveram bastante tempo para percorrer e apreciar a arte entre as configurações e as tomadas. O ator Omar Sy até ficou sozinho com a Mona Lisa por quase 20 minutos. Foi uma experiência que lhe deu uma nova apreciação por um lugar que ele já havia visitado quando criança em uma viagem escolar, e que ele diz que nunca esquecerá. & # 8221

Esse sentimento não para por aí, no entanto. Trabalhar em & # 8220Lupin & # 8221 também permitiu que Sy revivesse e refletisse sobre os romances de Maurice Leblanc & # 8217s Ars & egravene Lupin que ele lia quando criança. & # 8220Lupin é tão francês que você não pode crescer na França e não saber quem é Ars & egravene Lupin, & # 8221 Sy diz Variedade. Entre os livros, os programas e o mangá baseado no personagem, Sy cresceu com uma grande consciência de quem era Ars e egravene Lupin, mas diz, & # 8220 para ser honesto, eu não era um fã. & # 8221

Só quando estava fazendo pesquisas para sua nova série, lendo tudo sobre o personagem original e Leblanc, Sy diz que ganhou uma nova compreensão tanto do personagem quanto do escritor.

Sy já estava trabalhando com Gaumont T & eacutel & eacutevision, que produz & # 8220Lupin, & # 8221 e foi perguntado, & # 8220O que você quer tocar? & # 8221 que ele admite ser a & # 8220 melhor & # 8221 posição para ser como um ator. & # 8220Minha resposta foi Lupin & # 8221, ele diz. & # 8220Se eu fosse inglês, diria James Bond, mas Lupin é o melhor personagem para isso: ele é divertido, engraçado, muito elegante, há ação. Lupin é o personagem perfeito para riscar tudo na lista de desejos. Você pode fazer tudo com esse personagem. É o papel perfeito. & # 8221

No final, entretanto, Sy acabou não interpretando o próprio Lupin, mas uma espécie de discípulo do herói literário: Assane Diop, um ladrão cavalheiro por seus próprios méritos, cujo pai o presenteou com um romance de Ars & egravene Lupin quando ele estava em uma formação era. & # 8220Lupin, & # 8221 que foi criado por George Kay, não é uma adaptação tradicional dos romances do século 20 de Leblanc & # 8217, mas em vez disso usa as obras originais como fonte de inspiração para seu próprio protagonista, bem como os eventos e localizações dos primeiros 10 episódios. (Os cinco primeiros episódios foram lançados em 8 de janeiro, com os próximos cinco definidos para estrear em uma data posterior, mas juntos esses 10 episódios foram construídos como & # 8220a origem de como Assane veio a estar aqui & # 8221 Kay diz, & # 8220, portanto, é o primeiro capítulo de um show maior. & # 8221)

A história e personagem de Ars & egravene Lupin & # 8217s, dentro do mundo de & # 8220Lupin & # 8221, era uma corda de Assane para seu pai, Babakar, que foi acusado de roubar o colar de Maria Antonieta & # 8217s da rica família Pellegrini, de quem ele trabalhava sob como motorista. Babakar foi preso e mais tarde encontrado morto em sua cela, deixando Assane sozinho quando ele era apenas um adolescente. Ars & egravene Lupin também forneceu a Assane um código moral, não muito diferente de Robin Hood, em apenas roubar aqueles que já fizeram coisas erradas, bem como um mapa para & # 8220 uma vingança justificável. & # 8221

& # 8220Há & # 8217s esta história do estabelecimento francês [dentro] dele, então você vê no primeiro episódio que Babakar tira o livro Ars & egravene Lupin de uma estante bastante tradicional em uma casa bastante tradicional. Ele poderia ter escolhido & # 8216O conde de Monte Cristo & # 8217 ele poderia ter escolhido muitos outros livros franceses, [mas] esse & # 8217 é o que ele escolheu para seu filho naquele momento e se torna um guia para uma atitude para a vida toda, & # 8221 Kay explica.

Ao trazer à vida o estilo e o tom dos romances de Ars & egravene Lupin para as telas por meio de um novo personagem que por acaso era um fã do material original, Kay sabia que queria manter o senso de & # 8220 trapaceiros aventureiros e criminosos que cruzam o estabelecimento, "

& # 8220Técnicamente, ele é um criminoso, mas é carismático, é divertido e tem maneiras de cometer seus crimes & # 8221 Kay diz sobre Assane. & # 8220Você quer que ele roube coisas e, claro, muito importante para isso é a simpatia de Omar. Seu sorriso é rei. Omar é um herói moderno, alguém que homens, mulheres e crianças amam na França, e ele é um ator francês diversificado em um país onde não existem muitas dessas figuras de proa. Ele é charmoso e tem todo o apelo moderno que um tremoço moderno deveria ter. & # 8221

O coração da história aqui é Assane não apenas como um ladrão que decide roubar de volta o colar de Maria Antonieta & # 8217 quando ele reaparece pela primeira vez em mais de uma década. É também ele como pai. Ele tem um filho que está prestes a completar 14 anos e, embora tenha dominado muitos elementos criminosos, como disfarces, ainda luta para ser pai, em grande parte por causa do quão emocional esse trabalho é.

& # 8220 Quanto mais ele estiver em perigo, mais ele & # 8217s ficará calmo, & # 8221 diz Sy. Mas, quando se trata de sua família, & # 8220 ele não consegue esconder esses sentimentos, ele não pode ser outra pessoa que ele não pode interpretar. & # 8221

Assane não está mantendo inteiramente suas vidas duplas separadas: ele dá a seu filho o romance Ars & egravene Lupin antes de seu aniversário como uma forma de tentar formar um vínculo com ele e, de acordo com Sy, ajudar seu filho a adivinhar quem é seu pai realmente é.

& # 8220O livro em si, como um objeto, vem de seu pai, então dar a seu filho é ele se tornar um pai, & # 8221 Sy diz. & # 8220É & # 8217s abrir um mundo para seu filho e compartilhar alguns conhecimentos, com certeza, porque o que é ser pai é ensinar a seus filhos o que você sabe. A coisa que ele mais sabe é Lupin, então ele quer ensinar isso a seu filho. & # 8221

Mas, aproximar as duas partes de sua vida torna Assane vulnerável.

Na maioria dos primeiros cinco episódios, ele estava & # 8220sempre três passos à frente - ele era intocável dessa forma & # 8221 Kay aponta sobre a vida de Assane como vigarista e ladrão. Ser capaz de compartimentar as peças de sua vida significa que ele poderia enganar criminosos comuns da cidade fazendo-os pensar que ele está sem dinheiro e convencê-los a ajudá-lo a roubar o colar de Maria Antonieta & # 8217, apenas para enganá-los no final. Ele também foi capaz de se infiltrar em uma prisão para sequestrar o patriarca Pellegrini, que armou para seu pai o roubo do colar original ir à televisão nacional para denunciar a corrupção envolvida no caso e lutar contra todos sem usar força letal. (Assane tirou uma página dos livros de Ars & egravene Lupin mais uma vez aqui, porque Lupin nunca mata. & # 8220Ele tem conhecimento de artes marciais e a arte marcial é hapkido, [na qual] você usa a força de seu adversário, então você nunca dar, basta enviar de volta. É muito, muito, muito preciso, & # 8221 Sy diz.)

No quinto episódio, quando Assane percebe que está sendo seguido no trem que sua família está levando para a surpresa do aniversário de seu filho, ele consegue subjugar e armar para o homem que quer lhe fazer mal. Mas enquanto ele está focado nisso, seu filho acaba desaparecendo, e o único policial que estava fazendo conexões com Ars & egravene Lupin porque ele também é um fã do ladrão fictício acaba bem na frente de Assane.

"Ele está fugindo, mas ao mesmo tempo está preocupado principalmente em honrar o fato de que é o aniversário de seu filho" e # 8217 ele teve um ponto cego ", diz Kay.

Mais do que como Assane vai lidar com ficar cara a cara com o policial que o está perseguindo, Kay diz que o suspense dos primeiros cinco episódios é realmente sobre onde Raoul, seu filho, está. & # 8220Esse episódio é realmente sobre as promessas que você faz quando percebe que vai se tornar pai e, em seguida, fará outra leitura quando ele tiver 14 anos e quão bons eles estão nessas promessas agora? Enquanto ele estava sendo trazido ao mundo nos bastidores, ele estava sendo retirado dele no presente. & # 8221

Sy acrescenta que, para descobrir onde seu filho está, Assane terá que aprender a abordar os problemas de uma nova maneira. & # 8220Sua ferramenta principal é a cabeça, ele tem dificuldade em trabalhar com os sentimentos & # 8212, o coração e a barriga. Portanto, agora seu filho está em perigo [e] ele terá que trabalhar com seu instinto, o que nunca fez, & # 8221 ele explica. & # 8220É & # 8217 a mesma ferramenta para se tornar pai: você não pode ser pai apenas com a cabeça. Então, para mim, foi uma forma dele se tornar pai. Ele não está realmente nos primeiros episódios, mas ele se tornará isso, e é assim que as coisas são. & # 8221

Essa mudança de perspectiva também criará um Assane mais reflexivo no próximo lote de episódios.

Por meio do personagem Benjamin, que foi primeiro amigo de escola de Assane & # 8217s, mas também foi seu & # 8220sounding board & # 8221 em seus anos mais recentes, Assane discutirá & # 8220o que & # 8217s importantes [e] para onde ir a seguir, & # 8221 Kay diz. & # 8220Estes são crimes sem vítimas no sentido de que ele & # 8217s frequentemente roubam de distritos muito ricos que ele & # 8217s tentando se infiltrar & # 8212 é & # 8217s tudo para furar a bolha do estabelecimento na França & # 8212, mas sua vida criminosa pega até minar sua família. & # 8221

De seus subgêneros específicos de episódios a seu tema anti-estabelecimento mais amplo e visão da paternidade moderna, & # 8220Lupin & # 8221 oferece ao público muito em que pensar. Sy também espera que o programa inspire os espectadores a se envolverem com o material de origem original, no entanto, da mesma forma que fez com ele.

& # 8220 Espero que talvez convide as pessoas a ler mais & # 8221, diz ele. & # 8220Às vezes, a leitura pode mudar sua vida. & # 8221


Como o ex-marido de Kerry Katona, George, morreu?

Kerry Katona’s ex-husband George Kay died in July 2019.

Kerry and George first met when they were teenagers but only started dating after a chance encounter in Warrington in 2012.

Two years later they got married after welcoming their daughter Dylan-Jorge in May 2014.

The couple initially split in October 2015 but decided to separate formally and divorce in November 2017.

Speaking after learning about her ex-husband’s death Kerry wrote on Instagram: ‘My heart is broken and I am struggling to come to terms with all of this.’

‘These last few weeks have been the most painful and difficult time for me and my children!!’

The 39-year-old star went on to explain that George’s misuse of drugs had been problematic in their relationship and the star had sought to try and help her husband while they were together:

‘In the last 6 weeks of his life George was arrested and hospitalised several times it was inevitable that one day the drugs would get the better of him which I am completely broken about! More so for our beautiful baby girl who we created together and Who i will be completely and forever grateful to him for!

‘While we were together I did EVERYTHING in my power to help but you cannot help someone who doesn’t want it!!

‘I’d give anything for the outcome of George’s life to of been different, I wish he found the strength to sort his life out and be here today! But I am not responsible for his actions!!’

Kerry concluded the statement on social media by saying, ‘No about of words can express the pain we are all in! I know he will be at peace now more so then he ever was on this earth.’

The mum has spoken a number of times since George’s death about how she has struggled with social media trolls who have cruelly blamed her for her ex-husband’s death and taunted her with lies.

Writing in her column in new! Magazine last month Kerry confessed that taking her own life because of the intense trolling she received did ‘cross her mind’ but: ‘It was only the thought of leaving my kids without a mother that stopped me.’


George Kay - History

Kay was 44-years-old when he left Southampton for Liverpool in August 1936. He was born in Manchester and played for local club Eccles before joining Bolton Wanderers in 1911, with whom he had a very brief spell before moving across the Irish Sea to play in Belfast. When competitive soccer resumed after World War I, Kay joined West Ham United and was their skipper in the first FA Cup final to be staged at Wembley in 1923. The Hammers lost that day to Kay&rsquos former club Bolton, but had the ample consolation of a place in the top league as runners-up in the Second Division. Towards the end of the 1920&rsquos Kay moved to Stockport County as a player and then on to Luton Town, initially as their player-coach in 1928 before taking on the role of manager a year later at the age of 38. He held that post until the end of the 1930/31 season before being attracted by the opportunity of managing a club in a higher division, Southampton. The Saints had been promoted as Division Three South champions in 1922 and were anxious to taste life at the very top. But during the five full seasons that Kay was in charge at The Dell, the club never made the top-half of the table. All the same, Kay was respected within the game and was clearly knowledgeable and not afraid to try out new ideas. He was also experienced and probably a combination of all those qualities brought him to Liverpool&rsquos attention when it was clear that George Patterson would be unable to continue the managerial side of his role as secretary-manager. Although appointed on 6 August 1936 Kay stayed at Southampton to fulfill his duties and started working for Liverpool on 21 August 1936.

Kay had only been at Anfield a couple of years when another World War broke out, a conflict that would interrupt and in some cases end the careers of many a fine footballer. The League was on hiatus but regional competitions took their place. Many of the club's players served their country and Kay was hard at work to find men to represent Liverpool's eleven. Billy Liddell noted that "with players in the forces stationed all over the country, Mr. Kay wrote thousands of letters and must have spent many hours on the phone to Commanding officers. Such was his personality that his own players and guest players would willingly make long journeys to play for the Reds." One of those men was a certain Bill Shankly who was impressed by Kay: "I played for Liverpool against Everton during the war in the Liverpool Senior Cup, as a guest from Preston. All the players were in the passageway including Billy Liddell and myself. But George Kay, the Liverpool manager, didn't speak. He just went round touching people on the shoulder. If he touched you then you were playing." With the war over, the club took the unusual step of deciding to tour North America and Canada. It is quite likely that George Kay was the instigator of this trip certainly he was fully in favour of it because he felt that the climate and diet in a part of the world that hadn&rsquot been affected by food rationing the way European countries had would be extremely beneficial. The schedule was punishing ten matches at various venues between 12 May and 11 June, but it benefited the Reds who started the first post-war season in far better physical shape than many of their competitors as Kay claimed himself in a note to the Echo while in America: "The players are 25 percent above par in football, due in my opinion to the quality, quantity and variety of food."

Liverpool went on to win the championship in 1947 but it was a mighty close thing. A hard winter meant that a season which had begun at the end of August didn&rsquot finish until the start of June. Liverpool, Manchester United, Wolverhampton Wanderers and Stoke City were all in with a chance of taking the title as the season reached its climax. Liverpool&rsquos final fixture was against Wolves at Molineux. The hosts had 56 points, the visitors 55. Liverpool had to win and then wait and hope. They did their part of the job by winning 2-1, other results went their way and the Reds were champions of the Football League for a fifth time. It was George Kay&rsquos finest moment as a football manager. One of his key players was Albert Stubbins: "George Kay was a first-class manager and a very big influence on me. He was a lovely man, quiet and a deep thinker. He&rsquod read books about psychology and he knew how to get the best out of his players," the ginger-haired Geordie said. "George&rsquos first thought was always for his players. He&rsquod never tear a strip off us or criticise a Liverpool player in the press. That&rsquos were the psychology came into play. If we were trailing at half-time he&rsquod come into the dressing room and although he&rsquod point out our errors he&rsquod always say, &lsquoWell played, lads&rsquo. He knew and we knew, that we weren&rsquot playing well, but because he was so understanding we felt we had to play extra well to repay his faith in us."

The club didn&rsquot come close to another championship and the nearest it came to additional success was in 1950 when the Reds reached the FA Cup final for only the second time and the first for 36 years. Kay was intent on using his cup experience. "When I played in the first Cup final ever staged at Wembley, as captain of West Ham United, we did not win the trophy, but I am hoping that my second visit there, as manager of Liverpool will see us successful," Kay said enthusiastically. "We have a splendid lot of players, grand sportsmen every one of them. No manager ever had charge of a happier team." Sadly, the big day out at Wembley ended in disappointment with defeat to Arsenal. Kay travelled to London and led the team out but he was far from being a well man. Still his Liverpool contract was renewed for a further five years in June 1950. He retired in January 1951 a few months short of his sixtieth birthday, fought his continuing illness with strength and courage but died in Liverpool three years later on 18 April 1954. Liddell knew how much Kay's job had taken out of him: "He told me often of the times he had lain in bed, unable to sleep, pondering over the manifold problems that beset every manager. if any man gave his life for a club George Kay did so for Liverpool."

Bob Paisley was full of praise for George Kay and his importance in the club's history. "He took Liverpool through the War to come out a bit like West Ham did after the First War. He was one of the people who laid the ground for the way Liverpool teams would play in the future. keeping the ball on the ground and passing it well, but being strong on the ball as well."

Estatisticas
Concorrência Total Won Empate Perdido Goals for Goals against
Grand totals 354 140 93 121 545 508
Liga 321 121 88 112 489 469
FA Cup 33 19 5 9 56 39
League Cup 0 0 0 0 0 0
Europa 0 0 0 0 0 0
De outros 0 0 0 0 0 0
Matches that are won or lost in a penalty shoot-out are counted as a win/loss not as a draw.
Artigos relacionados
‘Be my guest’ – George Kay keeping LFC afloat during World War II

“Well, that’s it, then!” said my mother. It is my earliest memory, and all I had to worry about was the horrified look on her face."

Related Quotes

"The manager, George Kay wasn't a bad fella either. You'd never hear him cursing and swearing. He was the type of manager you could talk to and I got along fine with him."

Stan Palk, former Liverpool player

He had no other thought but for the good of Liverpool during his waking hours, and also during many of his nights. He told me often of the times he had lain in bed, unable to sleep, pondering over the manifold problems that beset every manager, but which can be a curse to the oversensitive or excessively conscientious ones . if any man gave his life for a club George Kay did so for Liverpool.

Billy Liddell on manager George Kay

"George Kay was a first-class manager and a very big influence on me. He was a lovely man, quiet and a deep thinker. He’d read books about psychology and he knew how to get the best out of his players.

George’s first thought was always for his players. He’d never tear a strip off us or criticise a Liverpool player in the press. That’s were the psychology came into play. If we were trailing at half-time he’d come into the dressing room and although he’d point out our errors he’d always say, ‘Well played, lads’. He knew and we knew, that we weren’t playing well, but because he was so understanding we felt we had to play extra well to repay his faith in us.

I’ll always remember my first game at Anfield when I missed a penalty. Jack Balmer was the regular penalty-taker at Liverpool, but I was so used to taking the penalties at Newcastle that when I was first tripped in the area I automatically jumped up and placed the ball on the spot. I’d never missed one for Newcastle and the supporters were all expecting me to score my first home goal, but the keeper pulled off a tremendous save. He actually broke his arm in the process. Fortunately we won, but George Kay was so upset with afterwards that he took me out for tea after the game."

George Kay by Albert Stubbins

"When I played in the first Cup final ever staged at Wembley, as captain of West Ham United, we did not win the trophy, but I am hoping that my second visit there, as manager of Liverpool will see us successful. We have a splendid lot of players, grand sportsmen every one of them. No manager ever had charge of a happier team."

George Kay in 1950

"George was meticulous about drinking before a game. On the Friday night before a home game we’d stay at a hotel in Southport. I remember one occasion, we’d just signed a inside-left from Oldham called Ken Brierley. We sat down for lunch and Ken was there with a glass of beer. That was unheard off and we couldn’t believe it. Anyway, as we took our seat, Ken asked Jack Balmer, who was our captain, if it was okay. Jack replied, ‘Oh yes, we always have a pint before a game.’ When George Kay came in, he walked straight over to Ken and pulled the glass away. Ken was astonished and George told him straight, ‘When you are a Liverpool player, you do not drink before a game!’"

Albert Stubbins on a trick played on Ken Brierley

I played for Liverpool against Everton during the war in the Liverpool Senior Cup, as a guest from Preston. All the players were in the passageway including Billy Liddell and myself. But George Kay, the Liverpool manager, didn't speak. He just went round touching people on the shoulder. If he touched you then you were playing.

Bill Shankly on Liverpool manager George Kay

He took Liverpool through the War to come out a bit like West Ham did after the First War. He was one of the people who laid the ground for the way Liverpool teams would play in the future. keeping the ball on the ground and passing it well, but being strong on the ball as well.


The Tribune

A Texas oil billionaire has completed his multi-million dollar purchase of the Chub Cay resort development in the Berry Islands, its former administrator yesterday describing the property’s future as “bright”.

George H. Bishop, the 77 year-old founder and chief executive of GeoSouthern Energy Corporation, completed the deal with Scotiabank (Bahamas) within the last two weeks, potentially rescuing a development that has been in ‘limbo’ for the past five-six years.

Craig A. ‘Tony’ Gomez, the Baker Tilly Gomez accountant and partner appointed by the bank as Chub Cay’s administrator, confirmed to Tribune Business that the acquisition had closed and Mr Bishop’s team were now in effective charge of the property.

“The deal is pretty much done and has been consummated,” Mr Gomez said, when contacted by this newspaper.

“A few housekeeping matters are yet to be attended to, but the future at Chub is bright. It’s been a while in coming, but it’s good for the Bahamas and those employed on the cay. It’s a good opportunity, and the timing is good as the economy is headed north.”

Mr Gomez declined to comment further, but Tribune Business understands that almost all Chub Cay’s existing staff have been re-hired by the new owners.

Around 42-43 persons had been employed by Mr Gomez, acting on Scotiabank (Bahamas) behalf, and this newspaper understands that 40 of those have subsequently been employed by Mr Bishop and the company he has formed to own Chub Cay.

Brian Moree, the attorney acting for Scotiabank (Bahamas) in the deal, also confirmed that the sale had closed when contacted by Tribune Business.

The senior McKinney, Bancroft & Hughes partner said: “The transaction has been completed subject to a few outstanding issues, which are still being worked on.

“But the active transaction involving the sale of the property to the purchaser has been completed.” The purchase price was not disclosed.

Tribune Business understands from other sources that the “housekeeping matters” and “outstanding issues” referred to by Messrs Moree and Gomez relate to accounting factors, plus the payment of some outstanding taxes such as Stamp Duties, real property taxes and Port Authority fees.

However, all the necessary government approvals have been received. and Mr Bishop’s purchase represents positive news for the Government - and the Bahamas as a whole - on the foreign direct investment (FDI) front.

With this nation needing all the capital investment it can get, Mr Bishop seemingly represents exactly the type of investor the Bahamas needs.

It is also a key step in reviving once-promising Family Island resort developments that faltered during the 2008-2009 recession, their developers either ‘mothballing’ them, defaulting or seeking buyers.

Re-starting them has been a major priority for the Government, and several legal and business sources have suggested that Chub Cay’s sale could spark similar deals for properties such as the former Ginn development in Grand Bahama’s West End and Walker’s Cay in the north Abacos.

Chub Cay, under the first Christie administration, was billed as the ‘anchor project’ for the Berry Islands and north Andros under its original developers, the Florida-based trio of Walter McCrory, Bob Moss and Kaye Pearson.

But Scotiabank (Bahamas) took possession of the Chub Cay project in 2009, after they defaulted on the $45 million loan they received to finance the construction build-out.

The bank then appointed Mr Gomez to act for it as Chub Cay’s administrator. He has been working with Chub Cay’s existing homeowners to maintain the property, and keep it operational, during the search for a buyer.

The project’s collapse into effective receivership had a profound impact on the Berry Islands/north Andros, especially on employment and in the construction industry, and Mr Bishop would appear to have the means to see Chub Cay reach its full potential.

It is unclear what Mr Bishop’s precise plans for the project are, as Tribune Business was unable to reach him for comment.

Prime Minister Perry Christie, though, hinted at his designs during the 2014-20156 Budget speech, when he said the Government had approved recreational fishing in the South Berry Islands Marine Reserve subject to conditions.

Referring to Mr Bishop’s acquisition vehicle, Chub Cay Realty LLC, Mr Christie said the plan was “to redevelop it [Chub Cay] as a mixed use village consisting of hotel facilities, town houses, restaurants, shops, marina and recreational fishing amenities”.

He added: “Conditions have been imposed for recreational fishing to be allowed within the South Berry Islands Marine Reserve with catch limits as set out in the Fisheries regulations.

“The developer will contribute to the cost of managing the reserve, inclusive of providing vessels and manpower to ensure proper management and oversight of the Marine Reserve.

“This project will provide scores of jobs and entrepreneurial opportunities for Berry Islands and Androsians, and become the anchor property which will attract other developers to the Berry Islands.”

Tribune Business revealed Mr Bishop as Chub Cay’s purchaser in November 2013, around the same time that he hit the headlines with a $6 billion energy deal.

An article published in Forbes magazine last November estimated Mr Bishop’s net worth as being in excess of $4 billion, after he announced the sale of certain Texas-based oil and gas interests to Devon Energy for $6 billion in cash.

While some $1.5 billion of that sum is to go to private equity giant Blackstone, Forbes reported that the remaining $4.5 billion would be retained by Mr Bishop’s GeoSouthern Energy Corporation.

Mr Bishop founded the Woodlands, Texas-based firm in 1981, having started his career in the oil and gas business in the 1970s.

Tribune Business was told that he happened on Chub Cay, and its potential purchase, by chance. Sources said Mr Bishop was passing through the Bahamas on his private yacht/boat, when he stopped at the island to refuel.

A conversation with the refuelling/marina manager informed him that Chub Cay was for sale, and Mr Bishop asked to be taken on a tour of the 800-acre property and wider island.

His interest aroused, Mr Bishop reportedly asked who the vendor was, and he was told to speak to Scotiabank (Bahamas).

Tribune Business back in 2009 detailed how Scotiabank (Bahamas) initiated legal action in the south Florida courts to enforce its rights against Messrs McCrory, Pearson and Moss, specifically in regard to the $4 million personal guarantee they gave for the $45 million loan.

The action, which ultimately resulted in Scotiabank (Bahamas) taking possession of Chub Cay, noted that the project consisted of a 20,000 square foot clubhouse, 110-slip marina and vacation villas and other residences.

The bank alleged that the original developers ceased making payments on the loan facility in July 2007, with construction also ceasing that month.

And Scotiabank (Bahamas) further alleged that, at December 2008, the Florida-based trio owed it some $44.011 million in unpaid principal, plus interest, costs and expenses.

It estimated then that a further $38.6 million investment was needed to complete Chub Cay, which to this day remains an “unfinished” project.

Messrs McCrory, Moss and Pearson had aimed to refinance their $250 million project, bur ran headlong into the global ‘credit crunch’, which dashed their prospects of success.

Mr McCrory told this newspaper at the time that after pumping $16 million into Chub Cay, they had been relying on real estate pre-sales - a market that completely dried up - to finance the remaining build-out.

Mr Bishop, though, is likely to be seen as a man who can do just that, given the considerable means and ‘deep pockets’ he has access to.



Comentários:

  1. Southwell

    Eu pensei e excluí a mensagem

  2. Guido

    maravilhosamente, resposta muito divertida

  3. Kazirisar

    Estou pronto para ajudá -lo, definir perguntas. Juntos, podemos chegar a uma resposta certa.

  4. Norberto

    Há algo nisso. Agora tudo está claro, obrigado pela informação.

  5. Plutus

    Eu acho que cometo erros. Eu proponho discutir isso. Escreva para mim em PM.



Escreve uma mensagem