Existe uma edição de * Decline and Fall * de Gibbon que foi comentada por um historiador moderno?

Existe uma edição de * Decline and Fall * de Gibbon que foi comentada por um historiador moderno?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Gosto de ler textos de história antigos. Também gosto de saber uma história precisa (na medida em que a conhecemos). Existe uma edição (abreviada ou não) de A história do declínio e queda do Império Romano isso inclui notas sobre o que Gibbon errou ou informações às quais ele não teve acesso?

Como alternativa, existe um texto separado que teria o mesmo fim?



Fonte: Amazon

Sugestão (não necessariamente uma resposta válida, pois não possuo uma cópia desta edição e não posso verificar até que ponto ela está anotada com informações modernas) você investigou esta edição de Hugh Trevor-Roper (pub 1993, esta edição é uma reimpressão de 2010) ? Algumas das avaliações de clientes indicam que há correções factuais, como esta:

O mérito da obra-prima de Gibbon não precisa de defesa. Os leitores estão, presumo, procurando comentários sobre se este conjunto Everyman é uma edição de qualidade. Bem, é isso. Olhei para a edição da Folio Society: adorável, sim; mas frágil e extremamente caro. O Everyman é fortemente encadernado com placas sólidas e papel. O tipo de letra está limpo. Um marcador útil está vinculado a cada volume. É bom segurar na mão.

O texto é o padrão de 1910, com notas para capturar os principais erros de fato; existem introduções boas e mais recentes (para os volumes 1 e 4) pelo eminente Hugh Trevor-Roper (aquele homem sabe tudo, ou o quê?). TODAS as notas de rodapé originais estão aqui, e os leitores de Gibbon devem considerá-las essenciais. Alguém certa vez brincou que Gibbon vivia sua vida sexual em notas de rodapé; há alguma verdade nessa observação. [enfase adicionada]

Edit by OP: Esta é realmente uma excelente edição para este propósito. Aqui está um exemplo da página 4:

Observe, entretanto, que as correções são de, no máximo, 1936; para obter informações mais atualizadas, o livro remete os leitores às enormes e exorbitantes Cambridge Ancient and Medieval Histories ("que contêm bibliografias detalhadas").


Existe uma edição de * Decline and Fall * de Gibbon que foi comentada por um historiador moderno? - História

Esta exposição considera em detalhes três edições impressas da obra de Edward Gibbon A história do declínio e queda do Império Romano, cada um publicado com cerca de um século de diferença. A edição do século 20 é uma versão resumida publicada em 1987 que por acaso eu tinha em minha coleção pessoal. Os outros, uma primeira edição definida em seis volumes publicados de 1776-1788 e um conjunto de seis volumes anotados originalmente publicado em 1846 e reimpresso em 1878, são propriedade da Biblioteca Pública de Cleveland e da Biblioteca da Universidade Estadual de Ohio, respectivamente. A primeira e mais óbvia diferença nas três manifestações desta obra é seu tamanho físico. O conjunto da primeira edição é publicado em seis volumes in-quarto, dos quais cada folha tem aproximadamente o mesmo tamanho que uma folha de papel de 8 ½ x 11 cerca de 100 anos depois, a edição anotada reimpressa ainda é publicada em seis volumes, mas desta vez em duodecimos, menos da metade do tamanho dos volumes da primeira edição. Finalmente, em 1987, a versão resumida é publicada em um único volume, embora grosso (duas polegadas inteiras de espessura para ser mais específico), que mede 20 x 12 cm ao longo de suas bordas fechadas.

O grande conjunto da primeira edição contém uma fonte maior e significativamente mais espaço em branco em cada página do que qualquer uma das edições posteriores. Mas o layout das páginas também é mais complexo nesses volumes originais, incluindo um texto principal de uma única coluna, notas de rodapé de duas colunas (em cinco dos seis volumes, o volume I contém uma seção separada de notas finais), um cabeçalho contínuo, números de página, marcas de comparação e marginália. Os volumes anotados de 1878 foram reduzidos a um texto de coluna única, sem marginália e menos marcas de comparação (apenas a primeira folha de cada reunião duodecimo é marcada em oposição aos dois primeiros dos volumes in-quarto), embora os números das páginas e cabeça estão incluídos. Em 1987, a obra é impressa em uma única coluna de texto, sem notas, marcas de comparação ou marginália incluindo um número de página e o título aparece no topo de cada página (o título diz 'Declínio e Queda do Império Romano' no verso páginas e tem o título do capítulo nas páginas reto). As várias seções incluídas além do texto principal também mudam notavelmente com o tempo, mas não em uma progressão linear em direção à simplicidade como o layout da página.

Os volumes da primeira edição certamente contêm seu quinhão de seções recolhidas e paginadas separadamente e, embora difiram um pouco entre si, cada volume contém até cinco seções além do texto principal, em alguma combinação de prefácios, índices, notas , errata, índices, mapas e / ou um anúncio. Apesar da variação, todas essas seções, com exceção dos mapas, são compostas por Gibbon e funcionam para auxiliar o leitor a compreender seu propósito e material. O conteúdo da edição de 1878 é um pouco diferente, mas não menos complexo. O primeiro volume inclui quatro prefácios separados, três de Gibbon e um de Milman. Portanto, aqui o leitor ainda tem as próprias observações de Gibbon sobre sua grande obra, mas com a adição da explicação de Milman de seus próprios objetivos ao publicar uma nova edição anotada, a saber, "corrigir e complementar" a obra original (vol. I, p. Xix-xx ) Ao fazer isso, Milman inclui não apenas suas próprias notas sobre o texto, mas também uma seleção das de M. Guizot (um historiador francês e estudioso de Gibbon) e Wenck (um estudioso alemão e tradutor de Gibbon). Isso leva a um aumento da complexidade das notas de rodapé desta edição do texto. Finalmente, na edição abreviada de 1987, o conteúdo mudou novamente. Desta vez, vemos um prefácio crítico do editor, uma introdução de outro estudioso, uma tabela dos imperadores romanos (listando nomes e datas de reinado) e a inclusão de várias ilustrações.

Juntas, essas mudanças ao longo do tempo servem para reforçar a importância duradoura e a popularidade duradoura do trabalho de Gibbon. No primeiro século após sua publicação, ele foi estudado em detalhes por vários estudiosos, bem como traduzido para pelo menos duas línguas além do inglês original. Houve então interesse contínuo suficiente para apoiar a publicação de um volume anotado reunindo e tornando acessível em inglês os pensamentos de estudiosos franceses e alemães. E claramente não perdeu seu brilho no século XX, quando outra edição com as opiniões de mais dois estudiosos dedicados foi publicada. Seu tamanho cada vez menor é outra prova de seu impacto duradouro, embora possa parecer, à primeira vista, diminuir o trabalho, na verdade o torna mais acessível a um público mais amplo. Com tamanho menor e menos volumes, maior portabilidade e custo menor. A abreviação do texto também serve para ampliar seu público potencial para incluir aqueles que não são historiadores profissionais ou mesmo amadores com tempo e ambição de se debruçar sobre seis volumes completos, mas sim o leigo interessado ou o estudante em geral. Uma pesquisa do WorldCat da OCLC revela que A História do Declínio e Queda do Império Romano de Gibbon foi, em suma, impresso em mais de vinte idiomas em pelo menos cinquenta anos de publicação diferentes e, até 2015, já está disponível na versão impressa, Formatos em Braille, eletrônico e de áudio gravado, demonstrando claramente seu interesse contínuo para um público surpreendentemente amplo.

DISCUSSÃO DAS EDIÇÕES DIGITAIS

No geral, o formato digital difere significativamente da impressão e cada um tem suas próprias vantagens e desvantagens. Em primeiro lugar, está a questão da acessibilidade. Para ver uma primeira edição impressa, tive que viajar aproximadamente 320 quilômetros até a Biblioteca Pública de Cleveland e, embora esteja muito feliz por ter decidido fazer a viagem, pude estudar um fac-símile digital da primeira edição sem mesmo saindo de casa. Até mesmo os volumes de impressão de Roma de Gibbon de Milman, que estavam disponíveis localmente na Biblioteca da Universidade Estadual de Ohio, precisavam ser solicitados com antecedência no depósito de livros onde estão armazenados, enquanto, novamente, pude ver a transcrição do Projeto Gutenberg em casa. Essa maior disponibilidade torna o texto disponível para um público mais amplo e pode ajudar a preservar as cópias impressas originais, pois menos usuários as manipularão. Embora o conteúdo do texto principal de ambas as edições em digital e impresso pareça ser idêntico, o formato e a composição originais se perdem nas edições digitais. Isso não apenas diminui a experiência geral da interação com o texto, mas também diminui a capacidade de fazer inferências sobre o público-alvo da edição específica. Em minha discussão sobre a evolução das edições impressas ao longo do tempo, observei que o tamanho cada vez menor e a inclusão de notas editoriais adicionais sugeriam que o livro se destinava e era usado por um público cada vez mais amplo, incluindo não historiadores e estudantes em geral.

Embora as inferências sobre a recepção e o público-alvo sejam diminuídas pelo uso das edições digitais isoladamente, esse formato oferece certas vantagens para o estudioso textual. Em primeiro lugar, está a capacidade de pesquisar no texto de forma fácil e confiável. A plataforma do Google Livros inclui um recurso 'Pesquisar neste livro' que produz uma lista vinculada de todas as ocorrências de uma palavra ou frase em particular. O texto do Project Gutenberg pode ser pesquisado usando o comando de teclado apropriado para pesquisa (comando + f em um Mac Ctrl + f em um PC). Essa funcionalidade é indispensável para um estudioso que está olhando para o uso de uma determinada palavra ou frase dentro do texto. Em segundo lugar, as edições digitais podem ser úteis para a identificação de texto desconhecido ou parcial em mãos, embora minha descoberta de alguma inconsistência no conteúdo da versão do Google Livros demonstre que é aconselhável cautela. Eles também podem ser usados ​​como uma espécie de visualização para ajudar os pesquisadores a determinar qual edição eles podem querer viajar para ver em sua forma impressa. Claramente, as edições digitais são uma partida significativa dos volumes impressos anteriores da obra de Gibbon, mas dependendo dos interesses e necessidades do leitor ou pesquisador, ambas podem ser bastante úteis. Além disso, a reimpressão contínua de Declínio e queda, mesmo no ambiente digital serve para reforçar a incrível importância e o contínuo interesse pelo trabalho.


Existe uma edição de * Decline and Fall * de Gibbon que foi comentada por um historiador moderno? - História

A grande obra de Gibbon é indispensável ao estudante de história. A literatura da Europa não oferece substituto para "O declínio e a queda do Império Romano". Obteve posse indiscutível, como ocupante legítimo, do vasto período que abrange. No entanto, alguns assuntos, que abrange, podem ter sofrido uma investigação mais completa, na visão geral de todo o período, esta história é a única autoridade indiscutível à qual todos diferem, e da qual poucos apelam aos escritores originais, ou aos mais modernos compiladores. O interesse inerente ao assunto, o trabalho inesgotável nele empregado a imensa condensação da matéria o arranjo luminoso a precisão geral do estilo, que, embora monótono por sua imponência uniforme e às vezes cansativo por sua elaborada arte, é vigoroso, animado , muitas vezes pitoresco sempre comanda a atenção, sempre transmite seu significado com energia enfática, descreve com amplitude e fidelidade singulares e generaliza com felicidade incomparável de expressão todas essas altas qualificações garantiram, e parecem susceptíveis de assegurar, seu lugar permanente na literatura histórica.

Este vasto desígnio de Gibbon, o magnífico todo no qual ele lançou a decadência e ruína da antiga civilização, a formação e o nascimento da nova ordem das coisas, por si só, independente da laboriosa execução de seu imenso plano, renderá " O declínio e a queda do Império Romano "um assunto inacessível para o futuro historiador: * _0001 na linguagem eloquente de seu recente editor francês, M. Guizot: -

"O declínio gradual do domínio mais extraordinário que já invadiu e oprimiu o mundo a queda daquele imenso império, erguido sobre as ruínas de tantos reinos, repúblicas e estados bárbaros e civilizados e se formando por sua vez, por seu desmembramento , uma multidão de estados, repúblicas e reinos, a aniquilação da religião da Grécia e de Roma, o nascimento e o progresso das duas novas religiões que compartilharam as mais belas regiões da terra, a decrepitude do mundo antigo, o espetáculo de sua expirando glória e modos degenerados a infância do mundo moderno, a imagem de seu primeiro progresso, da nova direção dada à mente e caráter do homem - tal assunto deve necessariamente fixar a atenção e despertar o interesse dos homens, que não podem ver com indiferença aquelas épocas memoráveis, durante as quais, na bela linguagem de Corneille -

'Un grand destin start, un grand destin s'acheve.' "Esta extensão e harmonia de design é, sem dúvida, o que distingue a obra de Gibbon de todas as outras grandes composições históricas. Ele primeiro transpôs o abismo entre os tempos antigos e modernos, e conectaram os dois grandes mundos da história. A grande vantagem que os historiadores clássicos possuem sobre os dos tempos modernos está na unidade de plano, obviamente muito facilitada pela esfera mais estreita a que suas pesquisas foram confinadas. Exceto Heródoto, os grandes historiadores de Grécia - excluímos os compiladores mais modernos, como Diodorus Siculus - limitou-se a um único período, ou a 'leste à esfera contratada dos assuntos gregos. Na medida em que os bárbaros ultrapassaram a fronteira grega, ou foram necessariamente misturados com os gregos política, eles foram admitidos no domínio da história grega, mas para Tucídides e Xenofonte, exceto na invasão persa deste último, a Grécia foi o mundo d. A unidade natural confinou sua narrativa quase à ordem cronológica, os episódios foram de ocorrência rara e extremamente breve. Para os historiadores romanos, o curso era igualmente claro e definido. Roma era seu centro de unidade e a uniformidade com que o círculo do domínio romano se espalhava, a regularidade com que sua política civil se expandia, forçava, por assim dizer, ao historiador romano aquele plano que Políbio anuncia como o tema de sua história , o meio e a maneira pela qual o mundo inteiro ficou sujeito ao domínio romano. Quão diferente é a complicada política dos reinos europeus! Toda história nacional, para ser completa, deve, em certo sentido, ser a história da Europa não há como saber a quão remoto um quarto pode ser necessário rastrear nossos eventos mais domésticos de um país, quão aparentemente desconectados, podem originar o impulso que dá direção a todo o curso dos negócios.

Imitando seus modelos clássicos, Gibbon coloca Roma como o ponto cardeal a partir do qual suas investigações divergem, e ao qual mantêm referência constante, mas quão incomensurável é o espaço sobre o qual essas investigações variam, quão complicado, quão confuso, quão aparentemente inextricáveis ​​as causas que tendem ao declínio do Império Romano! Quão incontáveis ​​são as nações que se aglomeram, em hordas confusas e indistintas, mudando constantemente os limites geográficos - confundindo incessantemente os limites naturais! À primeira vista, todo o período, todo o estado do mundo, parece não oferecer uma base mais segura para um aventureiro histórico do que o caos de Milton - estar em um estado de desordem irrecuperável, melhor descrito na linguagem do poeta: -

- "Um oceano escuro Ilimitável, sem limites, Sem dimensão, onde comprimento, largura e altura, E tempo e lugar, estão perdidos: onde a mais velha Noite e Caos, ancestrais da Natureza, mantêm a anarquia Eterna, em meio ao barulho de guerras sem fim , e por confusão ficar. "

Sentimos que a unidade e a harmonia da narrativa, que deve abranger este período de desorganização social, devem ser atribuídas inteiramente à habilidade e disposição luminosa do historiador. É nesta sublime arquitetura gótica de sua obra, em que a extensão sem limites, a variedade infinita, a, à primeira vista, a beleza incongruente das partes separadas, no entanto, estão todos subordinados a uma ideia principal e predominante, que Gibbon é incomparável. Não podemos deixar de admirar a maneira como ele agrupa seus materiais e organiza seus fatos em grupos sucessivos, não de acordo com a ordem cronológica, mas de acordo com sua conexão moral ou política, a distinção com que ele marca seus períodos de decadência gradualmente crescente e a habilidade com que, embora avançando em paralelos separados da história, ele mostra a tendência comum das inovações religiosas ou civis mais lentas ou mais rápidas. Embora esses princípios de composição possam exigir mais do que a atenção comum por parte do leitor, só eles podem imprimir na memória o curso real e a importância relativa dos eventos. Quem quer que aprecie com justiça a superioridade do lúcido arranjo de Gibbon, deve tentar abrir caminho pelos anais regulares, mas cansativos de Tillemont, ou mesmo pelos volumes menos pesados ​​de Le Beau. Ambos os escritores aderem, quase inteiramente, à ordem cronológica, a consequência é que somos vinte vezes chamados a interromper e retomar o fio de seis ou oito guerras em diferentes partes do império para suspender as operações de uma expedição militar por uma intriga da corte para fugir de um cerco para um conselho e a mesma página nos coloca no meio de uma campanha contra os bárbaros e nas profundezas da controvérsia monofisita. Em Gibbon, nem sempre é fácil ter em mente as datas exatas, mas o curso dos acontecimentos é sempre claro e distinto como um general habilidoso, embora suas tropas avancem dos bairros mais remotos e opostos, eles estão constantemente avançando e se concentrando em um ponto - o que ainda está ocupado pelo nome e pelo poder decadente de Roma. Quer ele rastreie o progresso de religiões hostis, ou conduza desde as costas do Báltico, ou à beira do império chinês, as sucessivas hostes de bárbaros - embora uma onda mal tenha estourado e descarregado, antes que outra inche e se aproxime - todos é feito para fluir na mesma direção, e a impressão que cada um causa no tecido cambaleante da grandeza romana conecta seus movimentos distantes e mede a importância relativa atribuída a eles na história panorâmica. Os episódios mais pacíficos e didáticos sobre o desenvolvimento do direito romano, ou mesmo sobre os detalhes da história eclesiástica, se interpõem como lugares de descanso ou divisões entre os períodos de invasão bárbara. Em suma, embora distraída primeiro pelas duas capitais e depois pela divisão formal do império, a extraordinária felicidade do arranjo mantém uma ordem e uma progressão regular. À medida que nosso horizonte se expande para nos revelar as tempestades crescentes que estão se formando muito além das fronteiras do mundo civilizado - conforme seguimos sua abordagem sucessiva para a fronteira trêmula - a linha comprimida e recuando ainda é distintamente visível embora gradualmente desmembrada e os fragmentos quebrados assumindo a forma de estados e reinos regulares, a relação real desses reinos com o império é mantida e definida e mesmo quando o domínio romano encolheu para pouco mais que a província da Trácia - quando o nome de Roma, confinado, na Itália, às paredes da cidade - mas ainda é a memória, a sombra da grandeza romana, que se estende pela ampla esfera em que o historiador expande sua narrativa posterior, o todo se funde na unidade e é manifestamente essencial para a dupla catástrofe de seu drama trágico.

Mas a amplitude, a magnificência ou a harmonia do design são, embora imponentes, mas indignas de nossa admiração, a menos que os detalhes sejam preenchidos com exatidão e precisão. Nenhum escritor foi mais severamente julgado neste ponto do que Gibbon. Ele sofreu o escrutínio triplo do zelo teológico acelerado pelo ressentimento justo, da emulação literária e daquela vaidade mesquinha e invejosa que se deleita em detectar erros em escritores de fama estabelecida. Com base no resultado do julgamento, podemos ter permissão para convocar testemunhas competentes antes de proferirmos nosso próprio julgamento.

M. Guizot, em seu prefácio, após afirmar que na França e na Alemanha, assim como na Inglaterra, nos países mais iluminados da Europa, Gibbon é constantemente citado como autoridade, assim procede: -

"Tive ocasião, durante meus trabalhos, de consultar os escritos de filósofos, que trataram das finanças do Império Romano dos estudiosos, que investigaram a cronologia dos teólogos, que pesquisaram as profundezas da história eclesiástica dos escritores do direito , que estudaram com cuidado a jurisprudência romana dos orientalistas, que se ocuparam dos árabes e do Alcorão dos historiadores modernos, que iniciaram extensas pesquisas sobre as cruzadas e sua influência que cada um desses escritores observou e apontou, no 'História do Declínio e Queda do Império Romano', algumas negligências, alguns pontos de vista falsos ou imperfeitos, algumas omissões, que é impossível não supor voluntariamente retificaram alguns fatos combatidos com vantagem algumas afirmações mas em geral levaram as pesquisas e as ideias de Gibbon, como pontos de partida, ou como provas das pesquisas ou das novas opiniões que avançaram. ”

M. Guizot passa a expor suas próprias impressões ao ler a história de Gibbon, e nenhuma autoridade terá maior peso com aqueles a quem a extensão e precisão de suas pesquisas históricas são conhecidas: -

"Depois de uma primeira leitura rápida, que me permitiu sentir apenas o interesse de uma narrativa, sempre animada, e, apesar de sua extensão e da variedade de objetos que faz passar diante da vista, sempre nítida, entrei em um minuto exame dos pormenores que o compunham e da opinião que então formei foi, confesso, singularmente severa. Descobri, em certos capítulos, erros que me pareceram suficientemente importantes e numerosos para me fazer crer que foram escritos com negligência extrema em outros, fui atingido por um certo toque de parcialidade e preconceito, que comunicou à exposição dos fatos que carecem de verdade e justiça, que os ingleses expressam por seu feliz termo deturpação. Alguns imperfeitos (troncos) citam algumas passagens , omitido sem intenção ou propositalmente lançar uma suspeita sobre a honestidade (bonne foi) do autor e sua violação da primeira lei da história - aumentada a meu ver pelo prolongado A atenção com a qual me ocupei com cada frase, cada nota, cada reflexão - levou-me a formar sobre toda a obra um julgamento rigoroso demais. Depois de terminar meu trabalho, deixei passar algum tempo antes de revisar o todo. Uma segunda leitura atenta e regular de toda a obra, das notas do autor e daquelas que achei oportuno anexar, me mostrou o quanto havia exagerado a importância das censuras que Gibbon realmente merecia. os mesmos erros, a mesma parcialidade em certos assuntos, mas estive longe de fazer justiça adequada à imensidão de suas pesquisas, à variedade de seus conhecimentos e, acima de tudo, àquela discriminação verdadeiramente filosófica (justesse d'esprit) que julga o passado como julgaria o presente que não se deixa cegar pelas nuvens que o tempo se acumula em torno dos mortos e que nos impedem de ver que, sob a toga, como sob a vestimenta moderna, tanto no senado como em nossos conselhos , os homens eram o que ainda são, e esses eventos aconteceram há dezoito séculos, como acontecem em nossos dias. Senti então que seu livro, apesar de seus defeitos, será sempre uma obra nobre - e que podemos corrigir seus erros e combater seus preconceitos, sem deixar de admitir que poucos homens se uniram, se não o quisermos. um alto grau, pelo menos de uma maneira tão completa e tão bem regulamentada, as qualificações necessárias para um escritor de história. "

O presente editor seguiu a trilha de Gibbon através de muitas partes de sua obra, ele leu suas autoridades com referência constante às suas páginas, e deve pronunciar seu julgamento deliberado, em termos da mais alta admiração quanto à sua exatidão geral. Muitos de seus aparentes erros são quase inevitáveis ​​pela condensação de seu assunto. Da imensa extensão de sua história, às vezes era necessário compactar em uma única frase toda uma página vaga e difusa de um cronista bizantino. Talvez algo de importante possa ter escapado, e suas expressões podem não conter totalmente a substância completa da passagem da qual foram tiradas. Seus limites, por vezes, o obrigam a esboçar onde é esse o caso, não é justo esperar todos os detalhes do quadro acabado. Às vezes, ele só consegue lidar com resultados importantes e, em seu relato de uma guerra, às vezes requer grande atenção descobrir que os eventos que parecem ser compreendidos em uma única campanha, ocupam vários anos. Mas esta habilidade admirável em selecionar e dar destaque aos pontos que são de real peso e importância - esta distribuição de luz e sombra - embora talvez possa ocasionalmente denunciá-lo em declarações vagas e imperfeitas, é uma das mais altas excelências da maneira histórica de Gibbon . É ainda mais impressionante quando passamos das obras de suas autoridades principais, onde, depois de trabalhar através de longas, minuciosas e cansativas descrições das circunstâncias acessórias e subordinadas, uma única frase não marcada e indistinta, que podemos ignorar por falta de atenção de fadiga, contém o grande resultado moral e político.

O método de arranjo de Gibbon, embora no geral seja mais favorável à compreensão clara dos eventos, também leva a uma aparente inexatidão. O que esperamos encontrar em uma parte é reservado para outra. A estimativa que devemos formar depende do equilíbrio exato de afirmações em partes remotas da obra e às vezes temos que corrigir e modificar opiniões, formadas de um capítulo pelas de outro. No entanto, por outro lado, é surpreendente como raramente detectamos contradição - a mente do autor já harmonizou todo o resultado com a verdade e a probabilidade - a impressão geral é quase invariavelmente a mesma. As citações de Gibbon também foram postas em questão - em geral, estive mais inclinado a admirar sua exatidão do que a reclamar de sua indistinção ou incompletude. Onde eles são imperfeitos, é comumente devido ao estudo da brevidade, e antes pelo desejo de compactar a substância de suas notas em frases pontuais e enfáticas, do que por desonestidade ou supressão incandida da verdade.

Essas observações se aplicam mais particularmente à exatidão e fidelidade do historiador quanto aos seus fatos, suas inferências, é claro, estão mais sujeitas a exceções. É quase impossível traçar a linha entre a injustiça e a infidelidade entre a deturpação intencional e a falsa coloração indesejada. A magnitude e importância relativa dos eventos devem, em algum aspecto, depender da mente diante da qual eles são apresentados a avaliação do caráter, dos hábitos e sentimentos do leitor. Os cristãos, como M. Guizot e nós, verão algumas coisas, e algumas pessoas, sob uma luz diferente da do historiador do Declínio e da Queda. Podemos deplorar o preconceito de sua mente, podemos estar em guarda contra o perigo de sermos enganados e estar ansiosos para alertar leitores menos cautelosos contra os mesmos perigos, mas não devemos confundir esse desvio secreto e inconsciente da verdade com o deliberado violação daquela veracidade que é o único título de um historiador em nossa confiança. Gibbon, pode-se afirmar sem medo, raramente é acusado, mesmo com a supressão de qualquer fato material, que incide sobre o caráter individual, ele pode, com hostilidade aparentemente invejosa, realçar os erros e crimes e depreciar as virtudes de certas pessoas ainda, em geral , ele nos deixa os materiais para formar um julgamento mais justo e se ele não está isento de seus próprios preconceitos, talvez possamos escrever paixões, mas deve ser francamente reconhecido, que seu fanatismo filosófico não é mais injusto do que as parcialidades teológicas daqueles eclesiásticos escritores que antes possuíam indiscutivelmente esta província da história.

Somos, portanto, naturalmente levados àquela grande deturpação que permeia sua história - sua falsa estimativa da natureza e influência do Cristianismo.

Mas, sobre este assunto, alguns cuidados preliminares são necessários, a fim de que não se espere de uma nova edição, que é impossível que ela cumpra completamente. Devemos primeiro estar preparados com o único preservativo sólido contra a falsa impressão que provavelmente será produzida pela leitura de Gibão e devemos ver claramente a verdadeira causa dessa falsa impressão. A primeira dessas advertências será brevemente sugerida em seu devido lugar, mas pode ser bom declará-la, aqui, um pouco mais detalhadamente. A arte de Gibbon, ou pelo menos a impressão injusta produzida por seus dois memoráveis ​​capítulos, consiste em confundir juntos, em uma massa indistinguível, a origem e a propagação apostólica da nova religião, com seu posterior progresso. Nenhum argumento para a autoridade divina do Cristianismo foi instigado com maior força, ou traçado com maior eloqüência, do que aquele deduzido de seu desenvolvimento primário, explicável em nenhuma outra hipótese além de uma origem celestial, e de sua rápida extensão por grande parte do Império Romano Império. Mas este argumento - um, quando confinado dentro de limites razoáveis, de força irrespondível - torna-se mais fraco e discutível na medida em que se afasta do local de nascimento, por assim dizer, da religião. Quanto mais avançava o cristianismo, mais causas puramente humanas eram alistadas em seu favor, nem se pode duvidar de que aquelas desenvolvidas com tal exclusividade engenhosa por Gibbon contribuíram essencialmente para seu estabelecimento. É na dispensação cristã, como no mundo material. Em ambos, é como a grande Causa Primeira, que a Divindade é mais inegavelmente manifesta. Uma vez lançados em movimento regular no seio do espaço, e dotados de todas as suas propriedades e relações de peso e atração mútua, os corpos celestes parecem seguir seus cursos de acordo com as leis secundárias, que explicam toda a sua regularidade sublime. So Christianity proclaims its Divine Author chiefly in its first origin and development. When it had once received its impulse from above - when it had once been infused into the minds of its first teachers - when it had gained full possession of the reason and affections of the favored few - it might be - and to the Protestant, the rationa Christian, it is impossible to define when it really was - left to make its way by its native force, under the ordinary secret agencies of all-ruling Providence. The main question, the divine origin of the religion, was dexterously eluded, or speciously conceded by Gibbon his plan enabled him to commence his account, in most parts, below the apostolic times and it was only by the strength of the dark coloring with which he brought out the failings and the follies of the succeeding ages, that a shadow of doubt and suspicion was thrown back upon the primitive period of Christianity.

"The theologian," says Gibbon, "may indulge the pleasing task of describing religion as she descended from heaven, arrayed in her native purity a more melancholy duty is imposed upon the historian: - he must discover the inevitable mixture of error and corruption which she contracted in a long residence upon earth among a weak and degenerate race of beings." Divest this passage of the latent sarcasm betrayed by the subsequent tone of the whole disquisition, and it might commence a Christian history written in the most Christian spirit of candor. But as the historian, by seeming to respect, yet by dexterously confounding the limits of the sacred land, contrived to insinuate that it was an Utopia which had no existence but in the imagination of the theologian - as he suggested rather than affirmed that the days of Christian purity were a kind of poetic golden age - so the theologian, by venturing too far into the domain of the historian, has been perpetually obliged to contest points on which he had little chance of victory - to deny facts established on unshaken evidence - and thence, to retire, if not with the shame of defeat, yet with but doubtful and imperfect success. Paley, with his intuitive sagacity, saw through the difficulty of answering Gibbon by the ordinary arts of controversy his emphatic sentence, "Who can refute a sneer?" contains as much truth as point. But full and pregnant as this phrase is, it is not quite the whole truth it is the tone in which the progress of Christianity is traced, in comparison with the rest of the splendid and prodigally ornamented work, which is the radical defect in the "Decline and Fall." Christianity alone receives no embellishment from the magic of Gibbon's language his imagination is dead to its moral dignity it is kept down by a general zone of jealous disparagement, or neutralized by a painfully elaborate exposition of its darker and degenerate periods. There are occasions, indeed, when its pure and exalted humanity, when its manifestly beneficial influence, can compel even him, as it were, to fairness, and kindle his unguarded eloquence to its usual fervor but, in general, he soon relapses into a frigid apathy affects an ostentatiously severe impartiality notes all the faults of Christians in every age with bitter and almost malignant sarcasm reluctantly, and with exception and reservation, admits their claim to admiration. This inextricable bias appears even to influence his manner of composition. While all the other assailants of the Roman empire, whether warlike or religious, the Goth, the Hun, the Arab, the Tartar, Alaric and Attila, Mahomet, and Zengis, and Tamerlane, are each introduced upon the scene almost with dramatic animation - their progress related in a full, complete, and unbroken narrative - the triumph of Christianity alone takes the form of a cold and critical disquisition. The successes of barbarous energy and brute force call forth all the consummate skill of composition while the moral triumphs of Christian benevolence - the tranquil heroism of endurance, the blameless purity, the contempt of guilty fame and of honors destructive to the human race, which, had they assumed the proud name of philosophy, would have been blazoned in his brightest words, because they own religion as their principle - sink into narrow asceticism. The glories of Christianity, in short, touch on no chord in the heart of the writer his imagination remains unkindled his words, though they maintain their stately and measured march, have become cool, argumentative, and inanimate. Who would obscure one hue of that gorgeous coloring in which Gibbon has invested the dying forms of Paganism, or darken one paragraph in his splendid view of the rise and progress of Mahometanism? But who would not have wished that the same equal justice had been done to Christianity that its real character and deeply penetrating influence had been traced with the same philosophical sagacity, and represented with more sober, as would become its quiet course, and perhaps less picturesque, but still with lively and attractive, descriptiveness? He might have thrown aside, with the same scorn, the mass of ecclesiastical fiction which envelops the early history of the church, stripped off the legendary romance, and brought out the facts in their primitive nakedness and simplicity - if he had but allowed those facts the benefit of the glowing eloquence which he denied to them alone. He might have annihilated the whole fabric of post-apostolic miracles, if he had left uninjured by sarcastic insinuation those of the New Testament he might have cashiered, with Dodwell, the whole host of martyrs, which owe their existence to the prodigal invention of later days, had he but bestowed fair room, and dwelt with his ordinary energy on the sufferings of the genuine witnesses to the truth of Christianity, the Polycarps, or the martyrs of Vienne. And indeed, if, after all, the view of the early progress of Christianity be melancholy and humiliating we must beware lest we charge the whole of this on the infidelity of the historian. It is idle, it is disingenuous, to deny or to dissemble the early depravations of Christianity, its gradual but rapid departure from its primitive simplicity and purity, still more, from its spirit of universal love. It may be no unsalutary lesson to the Christian world, that this silent, this unavoidable, perhaps, yet fatal change shall have been drawn by an impartial, or even an hostile hand. The Christianity of every age may take warning, lest by its own narrow views, its want of wisdom, and its want of charity, it give the same advantage to the future unfriendly historian, and disparage the cause of true religion.

The design of the present edition is partly corrective, partly supplementary: corrective, by notes, which point out (it is hoped, in a perfectly candid and dispassionate spirit with no desire but to establish the truth) such inaccuracies or misstatements as may have been detected, particularly with regard to Christianity and which thus, with the previous caution, may counteract to a considerable extent the unfair and unfavorable impression created against rational religion: supplementary, by adding such additional information as the editor's reading may have been able to furnish, from original documents or books, not accessible at the time when Gibbon wrote.

The work originated in the editor's habit of noting on the margin of his copy of Gibbon references to such authors as had discovered errors, or thrown new light on the subjects treated by Gibbon. These had grown to some extent, and seemed to him likely to be of use to others. The annotations of M. Guizot also appeared to him worthy of being better known to the English public than they were likely to be, as appended to the French translation.

The chief works from which the editor has derived his materials are, I. The French translation, with notes by M. Guizot 2d edition, Paris, 1828. The editor has translated almost all the notes of M. Guizot. Where he has not altogether agreed with him, his respect for the learning and judgment of that writer has, in general, induced him to retain the statement from which he has ventured to differ, with the grounds on which he formed his own opinion. In the notes on Christianity, he has retained all those of M. Guizot, with his own, from the conviction, that on such a subject, to many, the authority of a French statesman, a Protestant, and a rational and sincere Christian, would appear more independent and unbiassed, and therefore be more commanding, than that of an English clergyman.

The editor has not scrupled to transfer the notes of M. Guizot to the present work. The well-known zeal for knowledge, displayed in all the writings of that distinguished historian, has led to the natural inference, that he would not be displeased at the attempt to make them of use to the English readers of Gibbon. The notes of M. Guizot are signed with the letter G.

II. The German translation, with the notes of Wenck. Unfortunately this learned translator died, after having completed only the first volume the rest of the work was executed by a very inferior hand.

The notes of Wenck are extremely valuable many of them have been adopted by M. Guizot they are distinguished by the letter W. *_0002

III. The new edition of Le Beau's "Histoire du Bas Empire, with notes by M. St. Martin, and M. Brosset." That distinguished Armenian scholar, M. St. Martin (now, unhappily, deceased) had added much information from Oriental writers, particularly from those of Armenia, as well as from more general sources. Many of his observations have been found as applicable to the work of Gibbon as to that of Le Beau.

4. The editor has consulted the various answers made to Gibbon on the first appearance of his work he must confess, with little profit. They were, in general, hastily compiled by inferior and now forgotten writers, with the exception of Bishop Watson, whose able apology is rather a general argument, than an examination of misstatements. The name of Milner stands higher with a certain class of readers, but will not carry much weight with the severe investigator of history.

V. Some few classical works and fragments have come to light, since the appearance of Gibbon's History, and have been noticed in their respective places and much use has been made, in the latter volumes particularly, of the increase to our stores of Oriental literature. The editor cannot, indeed, pretend to have followed his author, in these gleanings, over the whole vast field of his inquiries he may have overlooked or may not have been able to command some works, which might have thrown still further light on these subjects but he trusts that what he has adduced will be of use to the student of historic truth.

The editor would further observe, that with regard to some other objectionable passages, which do not involve misstatement or inaccuracy, he has intentionally abstained from directing particular attention towards them by any special protest.

The editor's notes are marked M.

A considerable part of the quotations (some of which in the later editions had fallen into great confusion) have been verified, and have been corrected by the latest and best editions of the authors.

In this new edition, the text and the notes have been carefully revised, the latter by the editor.

Some additional notes have been subjoined, distinguished by the signature M. 1845.

Footnotes

*_0001 A considerable portion of this preface has already appeared before us public in the Quarterly Review.

*_0002 The editor regrets that he has not been able to find the Italian translation, mentioned by Gibbon himself with some respect. It is not in our great libraries, the Museum or the Bodleian and he has never found any bookseller in London who has seen it.


Download Now!

We have made it easy for you to find a PDF Ebooks without any digging. And by having access to our ebooks online or by storing it on your computer, you have convenient answers with History Of The Decline And Fall Roman Empire Complete Volumes 1 6 Deluxe Annotated Amp Illustrated Edition Kindle Edward Gibbon. To get started finding History Of The Decline And Fall Roman Empire Complete Volumes 1 6 Deluxe Annotated Amp Illustrated Edition Kindle Edward Gibbon, you are right to find our website which has a comprehensive collection of manuals listed.
Our library is the biggest of these that have literally hundreds of thousands of different products represented.

Finally I get this ebook, thanks for all these History Of The Decline And Fall Roman Empire Complete Volumes 1 6 Deluxe Annotated Amp Illustrated Edition Kindle Edward Gibbon I can get now!

I did not think that this would work, my best friend showed me this website, and it does! I get my most wanted eBook

wtf this great ebook for free?!

My friends are so mad that they do not know how I have all the high quality ebook which they do not!

It's very easy to get quality ebooks )

so many fake sites. this is the first one which worked! Many thanks

wtffff i do not understand this!

Just select your click then download button, and complete an offer to start downloading the ebook. If there is a survey it only takes 5 minutes, try any survey which works for you.


The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (Volume I of VI) Kindle Edition

[Gibbon] stood on the summit of the Renaissance achievement and looked back over the waste of history to ancient Rome, as from one mountaintop to another.

I set out upon. Gibbon's Decline and Fall of the Roman Empire [and] was immediately dominated both by the story and the style. I devoured Gibbon. I rode triumphantly through it from end to end and enjoyed it all.

-- "Winston Churchill" --This text refers to an alternate kindle_edition edition.

Book Description

--This text refers to an alternate kindle_edition edition.

Sobre o autor

Edward Gibbon (1737-1794), an English historian and member of Parliament, had little formal education. He went to Oxford, but was forced to leave when he converted to Roman Catholicism. His family then sent him to Lausanne, where he was reconverted to Protestantism. His most important work, The Decline and Fall of the Roman Empire, was published in six volumes between 1776 and 1788.

Bernard Mayes is a teacher, administrator, corporate executive, broadcaster, actor, dramatist, and former international commentator on US culture. He is best known for his readings of historical classics.

--This text refers to an alternate kindle_edition edition.

Análise

[Gibbon] stood on the summit of the Renaissance achievement and looked back over the waste of history to ancient Rome, as from one mountaintop to another.

I set out upon. Gibbon's Decline and Fall of the Roman Empire [and] was immediately dominated both by the story and the style. I devoured Gibbon. I rode triumphantly through it from end to end and enjoyed it all.

-- "Winston Churchill" --This text refers to an alternate kindle_edition edition.


In Shakespeare's most controversial play, the opposing values of justice and mercy must be resolved. Antonio promises money to help his friend Bassanio woo Portia. He borrows the sum needed from the cruel Shylock, but there will be a dreadful penalty if the loan is not repaid. The golden world of Portia's Belmont calls forth some of Shakespeare's most lyrical love poetry. But the dark shadow of Shylock is never far from the heart of this brilliant comedy as it moves toward its courtroom climax.


ISBN 13: 9780140433937

Gibbon, Edward

This specific ISBN edition is currently not available.

Edward Gibbon's six-volume History of the Decline and Fall of the Roman Empire (1776-88) is among the most magnificent and ambitious narratives in European literature. Its subject is the fate of one of the world's greatest civilizations over thirteen centuries - its rulers, wars and society, and the events that led to its disastrous collapse. Here, in volumes one and two, Gibbon charts the vast extent and constitution of the Empire from the reign of Augustus to 395 ad. And in a controversial critique, he examines the early Church, with fascinating accounts of the first Christian and last pagan emperors, Constantine and Julian.

For more than seventy years, Penguin has been the leading publisher of classic literature in the English-speaking world. With more than 1,700 titles, Penguin Classics represents a global bookshelf of the best works throughout history and across genres and disciplines. Readers trust the series to provide authoritative texts enhanced by introductions and notes by distinguished scholars and contemporary authors, as well as up-to-date translations by award-winning translators.

"sinopse" pode pertencer a outra edição deste título.

Edward Gibbon (1737-1794), English historian. It was on a visit to Rome that he conceived the idea of his magnificent and panoramic history The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (6 vol., 1776-88) which won immediate acclaim, despite some harsh criticism. Gibbon himself was assured of the greatness of his work, which is, indeed, one of the most-read historical works of modern times.

''I set out upon. Gibbon's Decline and Fall of the Roman Empire [and] was immediately dominated both by the story and the style . . . I devoured Gibbon. I rode triumphantly through it from end to end and enjoyed it all.'' --Winston Churchill

''[Gibbon] stood on the summit of the Renaissance achievement and looked back over the waste of history to ancient Rome, as from one mountain top to another.'' --Christopher Dawson, independent scholar, historian, and author

''Edward Gibbon, in The Decline and Fall of the Roman Empire, has always been my cynosure . . . Gibbon's mind was surely the most powerful and most lucid one that has appeared so far in the whole distinguished company of Western historians . . . Gibbon [produced] a masterpiece of historical research, construction, and writing which had no superior in its own genre in any literature.'' --Arnold Toynbee, historian and New York Times bestselling author


The History of the Decline and Fall of the Roman Empire. [First state]

Gibbon, Edward

Published by Strahan and T. Cadell, London, 1776

Used - Hardcover
Condition: Good

couro. Condition: Good. First Edition. Six volumes quarto, with textblock 11.1 x 9 inches. First edition of each volume volume 1 in first state with cancels and uncorrected errata. Currently an unattractive set in contemporary calf with loss and flaking to spines, split joints, recent endpapers, and marginal tidelines to some leaves. Nevertheless, save for some blanks and half titles the work is complete, with wide margins [Norton notes leaves uncut to be 11 9/16 x 9 3/8 inches], and as such may be an appealing project for restoration. Vol. I: lacks half title retains one original blank at front frontispiece and Contents bound in (from II). Preface dated Feb. 1, 1776 cancels at X4 and a4 so signed errata leaf present with closed tear. Frontispiece stained, offsetting to title page. Tideline to top right corner of fore-edge, with mild intrusion to margin of forty or so leaves and more pronounced effect to six. Pages 242 and 243 a touch grubby. Short closed tear to margin of 329. Front hinge starting. Vol. II: half title present. Tideline to left of fore-edge running the length of textblock, intruding well into the margin up to p. 70 and to top corner up to p. 225. Cancels G1 and Ll1 signed *G and *Ll respectively. Large folding map the Constantinople map has been trimmed to page-size. Four sections with foxing: Hh-Kk2 [10 leaves] 3D4-3F [6 leaves] 3G4-3I3 [8 leaves] 3L4-3N1 [6 leaves]. A few spots of light foxing to pp. 593-602. Closed tear to lower margin p. 582. Errata uncorrected errata leaf grubby. Original rear blank retained. Upper board nearly detached. Vol. III: lacks half title. Folding map 177 not misnumbered 179 Honourious not corrected. Foxing up to p. 25 pp. 78-9 a touch grubby light foxing to a few leaves inked note to verso of errata leaf retains original blank at rear. Both boards detached. Vol. IV: lacks half title. Cancels H3 and L2 signed H3 and *L2. Light foxing to a few leaves. Front hinge starting retains original blank at rear. Vol. V: lacks half title. Occasional light foxing small corner tear to 173 and 263 tideline to fore-edge margin from 577 to end. Vol. VI: lacks half title. 2.4 inch closed tear to 273 intruding to text slight loss to lower corner 557 tear to second last leaf. Errata for volumes IV, V, VI at rear. Retains original blank front and rear. Both boards detached. Generally a clean set despite the aforementioned and one of the first 500. Size: 4to.


Legacy

Variations on the series title (including using "Rise and Fall" in place of "Decline and Fall") have been used by other writers:

  • William Playfair
  • The Rise and Fall of the Confederate Government (1868), Jefferson Davis
  • Decline and Fall (1928), Evelyn Waugh
  • The Decline and Fall of Practically Everybody (1950), by the satirist Will Cuppy
  • The Rise and Fall of the Third Reich (1959), William Shirer
  • The Rise and Fall of Adolf Hitler (1961), William Shirer
  • The Fall and Rise of Reginald Perrin (1975), David Nobbs
  • The Decline and Fall of the Roman Church (1983), Malachi Martin
  • Decline and Fall of the Freudian Empire (1986), Hans Eysenck
  • The Decline and Fall of the British Aristocracy (1990), David Cannadine
  • The Decline and Fall of Roman Britain (2000), Neil Faulkner
  • The Decline and Fall of the Catholic Church in America (2003), David Carlin
  • The Decline and Fall of the British Empire (2007), Piers Brandon
  • Decline and Fall of the American Republic (2010), Bruce Ackerman

The title and author are also cited in Noël Coward's comedic poem "I Went to a Marvellous Party". [ 23 ] And in the poem "The Foundation of Science Fiction Success", Isaac Asimov acknowledged that his Foundation series—an epic tale of the fall and rebuilding of a galactic empire—was written "with a tiny bit of cribbin' / from the works of Edward Gibbon".


Похожие электронные книги

"Gibbon is a kind of bridge that connects the ancient with the modern ages," noted Thomas Carlyle. "And how gorgeously does it swing across the gloomy and tumultuous chasm of these barbarous centuries." Indeed, Gibbon, the supreme historian of the Enlightenment--the illustrious scholar who envisioned history as a branch of literature--seemed almost predestined to write his monumental account of the Roman Empire's terrible self-destruction. "I have described the triumph of barbarism and religion," wrote the author in the famous epigram that summed up his towering achievement in The Decline and Fall of the Roman Empire.

"Gibbon is not merely a master of the pageant and the story he is also the critic and the historian of the mind," said Virginia Woolf. "Without his satire, his irreverence, his mixture of sedateness and slyness, of majesty and mobility, and above all that belief in reason which pervades the whole book and gives it unity, an implicit if unspoken message, the Decline and Fall would be the work of another man. We seem as we read him raised above the tumult and the chaos into a clear and rational air."

A Summer Reading Pick for President Barack Obama, Bill Gates, and Mark Zuckerberg

From a renowned historian comes a groundbreaking narrative of humanity’s creation and evolution—a #1 international bestseller—that explores the ways in which biology and history have defined us and enhanced our understanding of what it means to be “human.”

One hundred thousand years ago, at least six different species of humans inhabited Earth. Yet today there is only one—homo sapiens. What happened to the others? And what may happen to us?

Most books about the history of humanity pursue either a historical or a biological approach, but Dr. Yuval Noah Harari breaks the mold with this highly original book that begins about 70,000 years ago with the appearance of modern cognition. From examining the role evolving humans have played in the global ecosystem to charting the rise of empires, Sapiens integrates history and science to reconsider accepted narratives, connect past developments with contemporary concerns, and examine specific events within the context of larger ideas.

Dr. Harari also compels us to look ahead, because over the last few decades humans have begun to bend laws of natural selection that have governed life for the past four billion years. We are acquiring the ability to design not only the world around us, but also ourselves. Where is this leading us, and what do we want to become?

Featuring 27 photographs, 6 maps, and 25 illustrations/diagrams, this provocative and insightful work is sure to spark debate and is essential reading for aficionados of Jared Diamond, James Gleick, Matt Ridley, Robert Wright, and Sharon Moalem.


Assista o vídeo: Rise of Christianity- Gibbons Decline and Fall of