Liberdade de expressão sob Marco Aurélio

Liberdade de expressão sob Marco Aurélio


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Marcus Aurelius, um rei filósofo, deu passos em direção à liberdade de expressão (wiki):

Os imperadores permitiram a liberdade de expressão, evidenciada pelo fato de o escritor de comédias Marullus ter sido capaz de criticá-los sem sofrer retribuição. Em qualquer outro momento, sob qualquer outro imperador, ele teria sido executado.

Ao mesmo tempo, ele é considerado parcialmente responsável por um aumento na perseguição aos cristãos, indicando que ele tinha suas reservas quanto ao que poderia ser dito no final das contas.

O que se sabe sobre o que foi realmente proposto ou executado como políticas em relação à liberdade de expressão durante seu reinado? Observe que não estou principalmente interessado em suas próprias crenças, mas mais interessado em quais eram as condições reais em Roma naquela época e como elas diferiam das limitações à liberdade de expressão de outros imperadores.


A noção de "liberdade de expressão", como a entendemos hoje, não existia no Império Romano.

Os autores que você cita provavelmente significam "crimen laesae majestatis", que a Wikipedia em inglês traduz como "lese majeste". Esta foi uma lei que provavelmente foi introduzida sob Augusto, e então revogada e reintroduzida sob vários princípios. A primeira pessoa que revogou foi Vespasiano, se bem me lembro. Não foi executado sob Marcus, e provavelmente sob seus predecessores (Trajano, Adriano, Antonino ...).

Portanto, você poderia dizer qualquer coisa sobre o princeps (ou mesmo sobre sua família) durante o governo desses princípios liberais. Mesmo em apresentações públicas.

A perseguição aos cristãos é um assunto muito diferente. Havia uma religião oficial estabelecida e rituais estabelecidos. A recusa em realizá-los ou em participar deles era considerada um ato político, uma espécie de rejeição ao próprio Império. Não são as crenças ou palavras pessoais que foram perseguidas neste caso. Mas uma espécie de negação da autoridade suprema do império. As leis contra os cristãos nem sempre foram estritamente cumpridas (ou mesmo cumpridas).

Muito típica é a atitude de Plínio, o jovem, que foi governador de uma província de Trajano. Ele não procurou por cristãos. Mas os denunciados ele tinha que interrogar. Se eles persistissem e se recusassem a realizar certos rituais simbólicos para deuses estabelecidos, eles eram executados. (Após uma terceira advertência e uma terceira recusa). O próprio Plínio diz (em uma carta a Trajano) que essa estranha superstição é inofensiva por si mesma. Mas uma negação obstinada da autoridade e dos ritos estabelecidos merece uma sentença de morte.


A liberdade de expressão é um conceito moderno. Não havia leis em Roma que concedessem o direito de falar sem ser punido. Por outro lado, também não havia muitas leis contra a fala. Parece ter havido alguns recursos civis contra a difamação, mas as evidências para isso são mínimas e, ao que tudo indica, foi difícil processar alguém por calúnia ou difamação (ver "O Direito Romano e o Mundo Jurídico dos Romanos", de Andrew M. Riggsby Para maiores informações).

Temos apenas vestígios fragmentários da lei romana para prosseguir e o que pode ser obtido da literatura, portanto, em muitos casos, não sabemos exatamente o que era a lei romana ou exatamente como foi aplicada (ver Riggsby novamente). Além do dicado augustano contra lese majeste, não conheço nenhuma lei específica que permita ou proíba a fala. Mesmo a própria lese majeste, não era especificamente sobre a fala, mas mais sobre qualquer agir isso seria um insulto ao governo.

A Roma imperial era uma ditadura e o imperador tinha o poder de prender ou matar pessoas sem julgamento, então as leis eram significativas apenas em um contexto civil. Quando se tratava de questões criminais, o aparato do governo romano apenas fazia o que queria ou o que o imperador ordenava, e isso poderia mudar drasticamente de um reinado para outro. Assim, por exemplo, Marco Aurélio tinha políticas muito mais moderadas do que alguns outros imperadores, mas essas não eram leis; eles eram a política imperial.

As autoridades criminais de Roma, chamadas magistrados, podiam mais ou menos fazer o que quisessem. Assim, por exemplo, se alguém saísse fazendo discursos contra o imperador, um magistrado poderia mandar prendê-lo e espancá-lo ou matá-lo sem qualquer tipo de julgamento. Os magistrados sentiram a vontade do imperador, então quando, por exemplo, Marco Aurélio fazia discursos sobre tolerância, os magistrados se iluminavam e não agiam contra os subversivos como resultado.


Marco Aurélio: Imperador Filósofo ou Rei Filósofo?

É muito comum ouvir em ambos os círculos acadêmicos, bem como nos círculos estóicos mais unidos, que Marco Aurélio (121 - 180 DC) é referido como o rei filósofo. Esta não é uma ideia que esteja sob grande controvérsia. Marcus Aurelius era definitivamente um indivíduo incrível. Ele foi adotado primeiro pelo imperador Adriano (76 - 138 DC) e depois por Antonino Pio (86 - 161 DC). Marcus foi educado pelos melhores professores de retórica, poesia, grego, latim e, claro, filosofia. Este último é o assunto que ele mais prezou e é o que mais influenciou o jovem. O historiador romano do segundo século Cássio Dio (155 - 235 dC) disse de Marco que:

Além de possuir todas as outras virtudes, ele governou melhor do que qualquer outro que já esteve em qualquer posição de poder. Para ter certeza, ele não podia exibir muitos feitos de destreza física, mas desenvolveu seu corpo de um muito fraco para um capaz da maior resistência ... Ele mesmo, então, se absteve de todas as ofensas e não fez nada de errado, voluntária ou involuntariamente, mas as ofensas dos outros, especialmente as de sua esposa, ele tolerava, e não as indagava nem punia. Contanto que uma pessoa fizesse algo de bom, ela iria elogiá-la e usá-la para o serviço em que se destacou, mas para sua outra conduta ele não prestou atenção, pois declarou que é impossível alguém criar homens como deseja. têm, pelo que convém empregar os que já existem para qualquer serviço que cada um deles possa prestar ao Estado. E que toda a sua conduta não foi devida a pretensão, mas a verdadeira excelência, é claro, embora ele tenha vivido cinquenta e oito anos, dez meses e vinte e dois dias, dos quais passou uma parte considerável como assistente do primeiro Antonino [ Pio], e ele próprio foi imperador dezenove anos e onze dias, mas do princípio ao fim permaneceu o mesmo e não mudou nada. Ele realmente era um bom homem e desprovido de qualquer pretensão. (Cas. Dio. Hist. Rom. 72. 34-35)

Marcus é mais notavelmente lembrado por seu texto sobrevivente agora chamado As meditações. Era o diário pessoal do imperador, que narra todos os seus pensamentos mais íntimos. Nós vemos em As meditações que Marcus usou seu conhecimento da filosofia estóica para modificar seu comportamento, ele estava literalmente engajado no que agora conhecemos como terapia cognitivo-comportamental. A força e a graça de seu caráter conquistaram o respeito das classes superiores e também dos plebeus.

Propaganda

O objetivo de Marcus era se tornar a melhor - a mais virtuosa - pessoa que ele era capaz de se tornar. Ele viu a si mesmo e ao mundo em que vivia - tumultuado como era - de uma perspectiva cósmica. Por ter um dever fundamental para com outros seres humanos, como Sócrates, não se via simplesmente como o imperador de Roma, nem como cidadão romano, nem como cidadão latino, mas sim como cidadão do mundo, cosmopolita na sentido mais verdadeiro.

O estoicismo de Marcus era único. Ao contrário de seus predecessores estóicos, vemos como o imperador foi capaz de lidar com as incríveis dificuldades com que se deparou. Ele era um homem doente, que teve que enfrentar intrigas políticas constantes, guerras nas fronteiras e assuntos familiares difíceis. Apesar de tudo isso, ele ainda era capaz de manter seu controle emocional, governar de maneira ordenada e justa e, claro, cultivar sua própria virtude. Por causa disso, Dio escreve:

Propaganda

No entanto, ele não teve a boa sorte que merecia, pois ele não era forte fisicamente e esteve envolvido em uma infinidade de problemas durante praticamente todo o seu reinado. Mas, de minha parte, admiro-o ainda mais por isso mesmo, que em meio a dificuldades incomuns e extraordinárias ele sobreviveu a si mesmo e preservou o império. (Cas. Dio. Hist. Rom. 72. 36)

Marco Aurélio foi o imperador de toda Roma, um rei para centenas de milhares de pessoas, bem como um filósofo. Ele foi o rei filósofo de Roma por dezenove anos. Mas a questão é: Marco Aurélio era um rei filósofo apenas no sentido mais literal, ou ele era um rei-filósofo, conforme descrito por Platão em sua magnum opus, A República? Quando as pessoas chamam Marco de rei filósofo, é difícil discernir a qual desses dois tipos de monarcas filosóficos eles se referem. Esperançosamente, este artigo irá lançar alguma luz sobre a diferença, bem como descrever com precisão o reinado filosófico de Marcus.

O paradoxo do rei-filósofo

As atitudes céticas em relação às virtudes da filosofia realmente não mudaram muito em mais de dois mil anos. Aristófanes ridicularizou Sócrates por ter a cabeça nas nuvens, e Platão relata a história de Tales caindo em um poço enquanto estava preocupado em observar as estrelas. Mesmo assim, os filósofos eram considerados nada mais do que um bando prolixo de obscurantistas que não sabiam como amarrar os próprios cadarços. Ou, para ser menos anacrônico, eram obscurantistas que não usavam sapatos, como que para alardear sua pobreza e falta de preocupação materialista.

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo semanal gratuito por e-mail!

Quando Platão insistiu que a única maneira pela qual a justiça pode existir é se um filósofo se tornar um rei, ou vice-versa, ele estava bem ciente da percepção negativa do público sobre a filosofia. A filosofia vai ensinar às crianças que não há problema em bater nos pais. A filosofia ensinará às pessoas que não há problema em matar porque a verdade é relativa. A filosofia vai voltar seus praticantes contra a religião tradicional. Os filósofos farão você pagar uma taxa alta apenas para ensiná-lo a fazer com que o argumento mais fraco derrote o mais forte. A filosofia fará de você um cidadão inútil.

A ideia de um rei filósofo era tão repulsiva então como é agora. Reis filósofos? Que melhor terreno fértil retórico para ditadores tirânicos como Hitler e Stalin? Poucos levam a ideia a sério. Mesmo entre muitos filósofos, a ideia é repugnante.

Propaganda

No entanto, Platão não estava sendo jocoso. Paradoxal, ousado, talvez até na sua cara, mas não jocoso. Para ele, a prática da filosofia era algo bem diferente do que se chamava filosofia em sua época. O verdadeiro filósofo, devemos lembrar, é um ideal. Essa pessoa deve ter conhecimento do Bem. Nesse caso, não há falibilidade, nenhuma fraqueza humana a ser explicada. Se tal pessoa existisse, Platão previu que ninguém reconheceria a perícia do filósofo. Criar uma sociedade verdadeiramente justa é quase impossível.

O verdadeiro filósofo é comparado a um capitão de navio que é visto por sua tripulação como um observador de estrelas inútil. Uma metáfora apropriada que parte da história de Tales. Platão lida com a metáfora com um equívoco intencional: a navegação, é claro, depende da observação das estrelas, embora no caso do capitão presumivelmente não haja investigações metafísicas envolvidas. Aqui, vemos as estrelas como techne, artesanato, uma arte prática. O conhecimento do capitão sobre as estrelas é como o conhecimento do médico sobre saúde ou o conhecimento do geek sobre como remover o vírus do computador. Nesses casos, pedimos ajuda a especialistas porque sabemos que não sabemos. Na metáfora do navio, nós, leitores, vemos a loucura de a tripulação dispensar o conhecimento do capitão.

A questão é que o rei filósofo ideal de Platão é um especialista em estadismo que realmente sabe como fazer justiça. Se pudéssemos saber que tal pessoa existe, automaticamente recorreríamos a esse filósofo em busca de ajuda. Eis o problema. Nós não sabemos. E como podemos? Em cada caso, a prova está no pudim.

Propaganda

Aqui está o paradoxo do rei filósofo: se todos fossem especialistas em justiça, poderíamos reconhecer um rei filósofo, mas não precisaríamos de um. Já que não somos especialistas, como saber quem entre nós é um rei filósofo? Sem conhecimento do que é bom (em Platão, o Bom) não podemos dizer. Os filósofos são bons governantes? O máximo que podemos fazer é olhar para o passado em busca de uma aproximação, obliquamente.

A prova está em seu poder

Traição, praga e guerra, apesar de tudo isso, Marcus foi capaz de reunir a vontade de manter o delicado equilíbrio de poder sob controle e preservar o império. Ele manteve o que é conhecido como a Idade da Prata de Roma e fez o que pôde para tornar a vida de seus cidadãos o mais próspera e estável possível. Foi dito sobre o caráter de Marcus que “ele era austero, mas não endurecido, modesto mas não tímido e sério, mas não severo”. (Historia Augusta. 4. 5) Suas interações com pessoas de todos os estratos foram descritas desta forma:

Na verdade, para com o povo, ele não se comportava de maneira diferente do que se comporta em um estado livre. Ele foi em todos os sentidos notavelmente moderado, em dissuadir as pessoas do mal e encorajá-las ao bem, generoso em recompensar, indulgente em perdoar e, como tal, ele tornou o mau bom e o bom muito bom - mesmo sofrendo com moderação as críticas de não poucos. (Historia Augusta. 12. 1)

Como um estóico, Marco tinha um senso de dever inabalável para com aqueles abaixo dele na hierarquia - ele era um homem de serviço e faria tudo o que fosse necessário para ver seu propósito cumprido. Quando as tribos germânicas começaram a invadir as fronteiras da fronteira norte, Marcus, em vez de aumentar os impostos do público para financiar a campanha, vendeu todas as suas posses imperiais para pagar pelo empreendimento. Ele viu tal ato não apenas como uma ação necessária, mas uma ação exigida por seu dever em estar em tal posição de riqueza e poder.

Propaganda

Quando se tratava de distribuir punições no sistema judiciário, a disciplina filosófica de Marcus também ditava suas decisões. o Historia Augustus diz de Marcus que:

Era normal que [Marcus] penalizasse todos os crimes com penas mais leves do que as geralmente impostas pelas leis, mas às vezes, para aqueles que eram obviamente culpados de ofensas graves, ele permaneceu inflexível ... Ele meticulosamente observou a justiça, além disso, mesmo neste contato com inimigos capturados. Ele estabeleceu inúmeros estrangeiros em terras romanas. (Hist. 24 de agosto. 1)

O imperador viveu toda a sua vida como um verdadeiro filósofo, falava como filósofo e governava como filósofo.

Pois a própria serenidade de Marco era tão grande, que ele nunca mudou sua expressão (seja na tristeza ou na alegria), sendo devotado à filosofia estóica, que ele havia aprendido com os melhores professores e adquirido de todas as fontes. (Hist. 16 de agosto. 3)

Ele era generoso, leniente e incorporava muitas noções modernas de republicanismo, ao mesmo tempo que ocupava o lugar mais alto do poder imperial.

Uma Democracia Filosófica

Valorizamos a democracia porque temos o poder de empurrar um tirano do trono. A democracia é realista na avaliação humana: haverá tantos, senão mais reis filósofos fraudulentos, quanto há mecânicas de automóveis. A democracia nos permite chamá-los, alertar os outros, colocar esses impostores em seus lugares. A liberdade de expressão é uma salvaguarda crucial.

No entanto, um sistema democrático baseia-se no pressuposto de que todos sabemos o que é bom para nós, que o bem pode ser realizado por meio de nosso conhecimento coletivo. Coisas ruins acontecerão, mas a mudança está sempre no horizonte. “Mudança” é algo pelo qual nos apaixonamos, mas esse slogan político se baseia no suposto descontentamento geral e na suposição de que a mudança será para melhor.

Mas somos especialistas coletivamente em virtude e justiça? Se todos nós estamos dirigindo o navio, para onde ele está indo? Os ventos empurram em uma direção, depois em outra. A educação é de extrema importância em uma democracia, mas a própria educação é outro elemento castigado pela tempestade de opiniões. Não haverá fim para os problemas dos Estados, ou da própria humanidade, até que os filósofos se tornem reis neste mundo, ou até que aqueles que agora chamamos de reis e governantes real e verdadeiramente se tornem filósofos, e o poder político e a filosofia caiam nas mesmas mãos .

Democracia é uma palavra que agora tem conotações positivas, e por boas razões. Mas a educação não foi feita para ser democratizada. Uma educação filosófica nos ensinaria, no mínimo, como distinguir retórica vazia de argumentos sólidos, como identificar falácias informais. Isso é necessário ao escolher nossos “capitães” e deve ser incluído na educação pública.

O menino que se tornaria um filósofo

Marco Aurélio era um verdadeiro guerreiro, ele não dançava com sua vida ao invés disso era uma luta constante de boxe. Ele fez o possível para manter o queixo erguido e inspirar as pessoas ao seu redor a se tornarem melhores do que eram.

Ele estudou filosofia intensamente, mesmo quando ainda era um menino. Aos doze anos abraçou a vestimenta de filósofo e, mais tarde, a resistência - estudar com uma capa grega e dormir no chão. Porém, (com alguma dificuldade) sua mãe o convenceu a dormir em um sofá coberto de peles. (Historia Augusta. 2. 6. )

Em seus últimos dias, podemos ver como até mesmo o exército, a quem ele liderou para a batalha no norte, respondeu quando soube de sua doença que acabaria por tirar sua vida: “O exército, quando soube de sua doença, gritou ruidosamente, por eles o amavam sozinho. ” (Historia Augusta. 28. 1) Mesmo em seu leito de morte, Marcus era implacável em sua prática da virtude estóica. Agindo com indiferença à morte inevitável, ele disse aos entes queridos que o observavam: “não chore por mim, mas pense na doença e na morte de tantos outros.” (Historia Augusta. 28. 1)

O império viveu em sincronicidade com Marco, o império durou tanto tempo e tão bem quanto ele. Sua morte marcou o fim de uma era e o início da queda do império. Cassius Dio escreve sobre a morte de Marco que, “... nossa história agora desce de um reino de ouro para um de ferro e ferrugem.” (Cassius Dio, Hist. ROM. 72. 36)

E agora chegamos finalmente à questão abordada no início deste artigo: era o rei-filósofo de Marco Aurélio Platão?

O conceito de Kallipolis de Platão e seu rei-filósofo governante é profundamente matizado e incorpora muitas noções estritas, como a harmonização das virtudes cardeais de "sabedoria, coragem, autodisciplina e moralidade" (Platão, República 427e) bem como o conhecimento do Bem.Marcus pode ou não se enquadrar na descrição. A vida e o reinado de Marco definitivamente teriam sido um consolo para Platão, pois um filósofo pode ser um rei e que tal governante poderia viver um estilo de vida filosófico e transmitir essa sabedoria à sua administração pública. Marcus, embora talvez não o rei-filósofo da Kallipolis de Platão, ainda era um rei filósofo no sentido mais literal.

É claro que a noção estóica do Sábio e a noção platônica da alma harmonizada diferem, no entanto, ambas concordam que a chave para uma sociedade justa é um governante que incorpora suas respectivas idéias de virtude harmonizada. Edward Gibbon em sua magnum opus, O declínio e queda do Império Romano, viu a magnificência da regra de Antonino e declarou:

Se um homem fosse chamado para fixar aquele período da história do mundo durante o qual a condição da raça humana era mais feliz e próspera, ele sem hesitar nomearia aquele que decorreu desde a ascensão de Nerva até a morte de Marco Aurélio. Os reinados unidos dos cinco imperadores da época são possivelmente o único período da história em que a felicidade de um grande povo foi o único objeto de governo. As formas da administração civil foram cuidadosamente preservadas por Nerva, Trajano, Adriano e os Antoninos, que se deliciavam com a imagem da liberdade e ficavam satisfeitos por se considerarem ministros responsáveis ​​pelas leis. Esses príncipes mereciam a honra de restaurar a república, se os romanos de seus dias fossem capazes de desfrutar de uma liberdade racional. ” (Gibbon, 1909, p. 78)

Marco pode não ser o rei-filósofo de Platão, mas foi sem dúvida o imperador-filósofo.

Termo aditivo

Muitas das citações usadas para justificar os pontos feitos neste artigo sobre a vida, regra e caráter de Marco Aurélio foram retiradas do antigo texto conhecido como Historia Augusta, que é notoriamente debatido como sendo pouco confiável em muitas partes. No entanto, independentemente de sua validade, muitos dos textos que mencionam sua vida, incluindo Cássio Dio, correspondem de forma coerente ao personagem que o HA retrata de Marco Aurélio.


Conteúdo

As principais fontes que descrevem a vida e o governo de Marco são irregulares e freqüentemente não confiáveis. O grupo mais importante de fontes, as biografias contidas no Historia Augusta, alegou ter sido escrito por um grupo de autores na virada do século 4 DC, mas acredita-se que eles foram de fato escritos por um único autor (referido aqui como 'o biógrafo') de cerca de 395 DC. [3] As biografias posteriores e as biografias de imperadores e usurpadores subordinados não são confiáveis, mas as biografias anteriores, derivadas principalmente de fontes anteriores agora perdidas (Marius Maximus ou Ignotus), são muito mais precisas. [4] Para a vida e governo de Marco, as biografias de Adriano, Antonino, Marco e Lúcio são amplamente confiáveis, mas as de Aélio Vero e Avidio Cássio não. [5]

Um corpo de correspondência entre o tutor de Marcus, Fronto, e vários funcionários de Antonino, sobrevive em uma série de manuscritos irregulares, cobrindo o período de c. 138 a 166. [6] [7] Próprio de Marcus Meditações oferecem uma janela para sua vida interior, mas são em grande parte indecifráveis ​​e fazem poucas referências específicas aos assuntos mundanos. [8] A principal fonte narrativa do período é Cássio Dio, um senador grego da Bitínia Nicéia que escreveu uma história de Roma desde sua fundação até 229 em oitenta livros. Dio é vital para a história militar do período, mas seus preconceitos senatoriais e forte oposição à expansão imperial obscurecem sua perspectiva. [9] Algumas outras fontes literárias fornecem detalhes específicos: os escritos do médico Galeno sobre os hábitos da elite Antonina, as orações de Aelius Aristides sobre o temperamento da época e as constituições preservadas na Digerir e Codex Justinianeus no trabalho jurídico de Marcus. [10] Inscrições e achados de moedas complementam as fontes literárias. [11]

Editar Nome

Marco nasceu em Roma em 26 de abril de 121. Seu nome de nascimento era supostamente Marcus Annius Verus, [13] mas algumas fontes atribuem esse nome a ele após a morte de seu pai e adoção não oficial por seu avô, ao atingir a maioridade, [14] ] [15] [16] ou na época de seu casamento. [17] Ele pode ter sido conhecido como Marcus Annius Catilius Severus, [18] no nascimento ou em algum momento de sua juventude, [14] [16] ou Marcus Catilius Severus Annius Verus. Após sua adoção por Antonino como herdeiro do trono, ele era conhecido como Marco Aelius Aurelius Verus Caesar e, em sua ascensão, ele foi Marco Aurelius Antoninus Augustus até sua morte [19] Epifânio de Salamina, em sua cronologia dos imperadores romanos Pesos e medidas, chama ele Marcus Aurelius Verus. [20]

Editar origens familiares

A família paterna de Marcus era de origem romana ítalo-hispânica. Seu pai era Marcus Annius Verus (III). [21] A gens Annia era de origem italiana (com lendárias reivindicações de descendência de Numa Pompilius) e um ramo dela mudou-se para Ucubi, uma pequena cidade ao sudeste de Córdoba, na Baetica Ibérica. [22] [23] Este ramo dos Aurelii com base na Espanha romana, o Annii Veri, ganhou destaque em Roma no final do século 1 DC. O bisavô de Marcus, Marcus Annius Verus (I) era um senador e (de acordo com o Historia Augusta) ex-pretor seu avô Marcus Annius Verus (II) foi feito patrício em 73-74. [24] Por meio de sua avó Rupilia, Marcus era um membro da dinastia Nerva-Antonino, a sobrinha sororal do imperador Trajano Salonia Matidia era a mãe de Rupilia e sua meia-irmã, a esposa de Adriano, Sabina. [25] [26] [nota 1]

A mãe de Marco, Domitia Lucilla Minor (também conhecida como Domitia Calvilla), era filha do patrício romano P. Calvisius Tullus e herdou uma grande fortuna (descrita detalhadamente em uma das cartas de Plínio) de seus pais e avós. Sua herança incluía grandes olarias nos arredores de Roma - um empreendimento lucrativo em uma época em que a cidade estava passando por um boom de construção - e o Horti Domitia Calvillae (ou Lucilas), uma villa na colina Célio de Roma. [29] [30] O próprio Marcus nasceu e foi criado no Horti e referido ao monte Célio como 'Meu Célio'. [31] [32] [33]

A família adotiva de Marco era de origens italo-gálicas romanas: a gens Aurelia, pela qual Marco foi adotado aos 17 anos, era uma sabine gens Antoninus Pius, seu pai adotivo, procedente dos Aurelii Fulvi, um ramo dos Aurelii baseado na Gália Romana.

Edição infantil

A irmã de Marcus, Annia Cornificia Faustina, provavelmente nasceu em 122 ou 123. [34] Seu pai provavelmente morreu em 124, quando Marcus tinha três anos durante sua presidência. [35] [nota 2] Embora ele dificilmente possa ter conhecido seu pai, Marcus escreveu em seu Meditações que aprendera 'modéstia e virilidade' com as lembranças do pai e a reputação póstuma do homem. [37] Sua mãe Lucila não se casou novamente [35] e, seguindo os costumes aristocráticos prevalecentes, provavelmente não passou muito tempo com seu filho. Em vez disso, Marcus estava sob os cuidados de 'enfermeiras', [38] e foi criado após a morte de seu pai por seu avô Marcus Annius Verus (II), que sempre manteve a autoridade legal de pátria potestas sobre seu filho e neto. Tecnicamente, isso não foi uma adoção, a criação de um novo e diferente pátria potestas. Lúcio Catílio Severo, descrito como bisavô materno de Marco, também participou de sua educação, ele provavelmente era o padrasto mais velho de Domícia Lucila. [16] Marcus foi criado na casa de seus pais no Monte Célio, uma área nobre com poucos prédios públicos, mas muitas vilas aristocráticas. O avô de Marcus possuía um palácio ao lado do Latrão, onde passaria grande parte de sua infância. [39] Marcus agradece a seu avô por ensiná-lo 'bom caráter e evitar o mau humor'. Ele gostava menos da amante que seu avô teve e viveu com depois da morte de sua esposa Rupilia. [41] Marcus estava grato por não ter que viver com ela por mais tempo do que ele. [42]

Desde jovem, Marcus demonstrou entusiasmo pela luta livre e pelo boxe. Marcus treinou luta livre quando jovem e até a adolescência, aprendeu a lutar com armadura e liderou uma trupe de dança chamada College of the Salii. Eles realizaram danças rituais dedicadas a Marte, o deus da guerra, enquanto vestiam uma armadura arcana, carregando escudos e armas. [43] Marcus foi educado em casa, de acordo com as tendências aristocráticas contemporâneas [44], ele agradece Catilius Severus por encorajá-lo a evitar escolas públicas. [45] Um de seus professores, Diognetus, um mestre de pintura, provou ser particularmente influente, ele parece ter apresentado a Marco Aurélio o modo de vida filosófico. [46] Em abril de 132, a pedido de Diogneto, Marco assumiu as roupas e hábitos do filósofo: ele estudava vestindo uma capa grega grosseira e dormia no chão até que sua mãe o convencesse a dormir em uma cama. [47] Um novo conjunto de tutores - o erudito homérico Alexandre de Cotiaeum junto com Trosius Aper e Tuticius Proculus, professores de latim [48] [nota 3] - assumiu a educação de Marco em cerca de 132 ou 133. [50] por sua formação em estilismo literário. [51] A influência de Alexandre - uma ênfase na matéria sobre o estilo e redação cuidadosa, com a citação homérica ocasional - foi detectada na obra de Marcus Meditações. [52]

Sucessão para Edição de Adriano

No final de 136, Adriano quase morreu de hemorragia. Convalescente em sua villa em Tivoli, ele escolheu Lúcio Ceionius Commodus, pretendido sogro de Marco, como seu sucessor e filho adotivo, [53] de acordo com o biógrafo "contra a vontade de todos". [54] Embora seus motivos não sejam certos, parece que seu objetivo era eventualmente colocar o então jovem Marcus no trono. [55] Como parte de sua adoção, Cômodo adotou o nome de Lúcio Aelio César. Sua saúde estava tão fraca que, durante uma cerimônia para marcar sua chegada ao herdeiro do trono, ele estava fraco demais para erguer sozinho um grande escudo. [56] Após um breve posicionamento na fronteira do Danúbio, Aelius voltou a Roma para fazer um discurso ao Senado no primeiro dia de 138. No entanto, na noite anterior ao discurso, ele adoeceu e morreu de hemorragia no final do dia . [57] [nota 4]

Em 24 de janeiro de 138, Adriano escolheu Aurélio Antonino, marido da tia de Marco, Faustina, o Velho, como seu novo sucessor. [59] Como parte dos termos de Adriano, Antonino, por sua vez, adotou Marco e Lúcio Cômodo, filho de Lúcio Aélio. [60] Marco se tornou M. Aelius Aurelius Verus, e Lucius se tornou L. Aelius Aurelius Commodus. A pedido de Adriano, a filha de Antonino, Faustina, foi prometida a Lúcio. [61] Marcus teria recebido a notícia de que Adriano havia se tornado seu avô adotivo com tristeza, em vez de alegria. Apenas com relutância ele se mudou da casa de sua mãe no Célio para a casa particular de Adriano. [62]

Em algum momento de 138, Adriano solicitou no senado que Marcus fosse isento da lei que o impedia de se tornar questor antes de seu vigésimo quarto aniversário. O senado concordou, e Marcus serviu sob Antoninus, o cônsul de 139. [63] A adoção de Marcus o desviou da carreira típica de sua classe. Se não fosse por sua adoção, ele provavelmente teria se tornado triunvir monetalis, um cargo altamente considerado envolvendo a administração simbólica da casa da moeda do estado depois disso, ele poderia ter servido como tribuno com uma legião, tornando-se o segundo em comando nominal da legião. Marcus provavelmente teria optado por viajar e estudar mais. Do jeito que estava, Marcus foi separado de seus concidadãos. No entanto, seu biógrafo atesta que seu personagem permaneceu inalterado: 'Ele ainda mostrava o mesmo respeito por suas relações como tinha quando era um cidadão comum, e era tão econômico e cuidadoso com seus bens quanto era quando vivia em um família privada '. [64]

Após uma série de tentativas de suicídio, todas frustradas por Antonino, Adriano partiu para Baiae, um balneário na costa da Campânia. Sua condição não melhorou e ele abandonou a dieta prescrita por seus médicos, entregando-se à comida e à bebida. Ele mandou chamar Antonino, que estava ao seu lado quando morreu em 10 de julho de 138. [65] Seus restos mortais foram enterrados discretamente em Puteoli. [66] A sucessão de Antonino foi pacífica e estável: Antonino manteve os indicados de Adriano no cargo e apaziguou o senado, respeitando seus privilégios e comutando as sentenças de morte de homens acusados ​​nos últimos dias de Adriano. [67] Por seu comportamento obediente, Antonino foi convidado a aceitar o nome de 'Pio'. [68]

Herdeiro de Antonino Pio (138-145) Editar

Imediatamente após a morte de Adriano, Antonino se aproximou de Marco e solicitou que seus arranjos de casamento fossem alterados: o noivado de Marco com Ceionia Fábia seria anulado, e ele seria noivo de Faustina, filha de Antonino, em seu lugar. O noivado de Faustina com o irmão de Ceionia, Lucius Commodus, também teria de ser anulado. Marcus consentiu com a proposta de Antoninus. [71] Ele foi nomeado cônsul de 140 com Antonino como seu colega, e foi nomeado Seviri, um dos seis comandantes dos cavaleiros, no desfile anual da ordem em 15 de julho de 139. Como o herdeiro aparente, Marcus tornou-se princeps iuventutis, chefe da ordem equestre. Ele agora assumiu o nome de Marco Aelius Aurelius Verus Caesar. [72] Marcus mais tarde se acautelaria contra levar o nome muito a sério: 'Veja que você não se transforme em um César, não se deixe levar pela tintura roxa - pois isso pode acontecer'. [73] A pedido do senado, Marcus se juntou a todos os colégios sacerdotais (pontífices, augúrios, quindecimviri sacris faciundis, septemviri epulonum, etc.) [74] evidência direta de associação, no entanto, está disponível apenas para os Irmãos Arval. [75]

Antonino exigiu que Marco residisse na Casa de Tibério, o palácio imperial no Palatino, e assumisse os hábitos de sua nova posição, a aulicum fastigium ou 'pompa do tribunal', contra as objeções de Marcus. [74] Marco lutaria para reconciliar a vida da corte com seus anseios filosóficos. Ele disse a si mesmo que era uma meta atingível - 'Onde a vida é possível, então é possível viver a vida certa, a vida é possível em um palácio, então é possível viver a vida certa em um palácio' [76] - mas ele achei difícil, no entanto. Ele se criticava no Meditações por 'abusar da vida no tribunal' na frente de uma empresa. [77]

Como questor, Marcus teria pouco trabalho administrativo real para fazer. Ele leria cartas imperiais ao senado quando Antonino estava ausente e faria trabalho de secretariado para os senadores. [78] Mas ele se sentiu afogado na papelada e reclamou com seu tutor, Marcus Cornelius Fronto: 'Estou tão sem fôlego de ditar quase trinta cartas'. Ele estava sendo 'preparado para governar o estado', nas palavras de seu biógrafo. [80] Ele foi obrigado a fazer um discurso para os senadores reunidos também, tornando o treinamento oratório essencial para o trabalho. [81]

Em 1º de janeiro de 145, Marcus foi nomeado cônsul pela segunda vez. Fronto exortou-o numa carta a que durma bastante "para que venha ao Senado com uma cor boa e leia o seu discurso com voz forte". [82] Marcus havia se queixado de uma doença em uma carta anterior: 'No que diz respeito à minha força, estou começando a recuperá-la e não há nenhum vestígio de dor em meu peito. Mas essa úlcera [. ] [nota 5] Estou fazendo tratamento e tomando cuidado para não fazer nada que atrapalhe '. [83] Nunca particularmente saudável ou forte, Marco foi elogiado por Cássio Dio, escrevendo sobre seus últimos anos, por se comportar obedientemente, apesar de suas várias doenças. [84] Em abril de 145, Marcus se casou com Faustina, legalmente sua irmã, como havia sido planejado desde 138. [85] Pouco se sabe especificamente sobre a cerimônia, mas o biógrafo a chama de "notável". [86] As moedas foram emitidas com as cabeças do casal e Antonino, como Pontifex Maximus, teria oficializado. Marcus não faz nenhuma referência aparente ao casamento em suas cartas sobreviventes, apenas algumas referências a Faustina. [87]

Fronto e educação superior Editar

Depois de tomar o toga virilis em 136, Marcus provavelmente começou seu treinamento em oratória. [88] Ele teve três tutores em grego - Aninus Macer, Caninius Celer e Herodes Atticus - e um em latim - Fronto. Os dois últimos foram os oradores mais estimados de seu tempo, [89] mas provavelmente não se tornaram seus tutores até sua adoção por Antonino em 138. A preponderância de tutores gregos indica a importância da língua grega para a aristocracia de Roma. [90] Esta foi a era da Segunda Sofística, um renascimento das letras gregas. Embora educado em Roma, em seu Meditações, Marcus escreveria seus pensamentos mais íntimos em grego. [91]

Atticus causou polêmica: um ateniense enormemente rico (provavelmente o homem mais rico da metade oriental do império), ele rapidamente se enfureceu e se ressentiu de seus colegas atenienses por sua atitude paternalista. [92] Atticus era um oponente inveterado do estoicismo e das pretensões filosóficas. [93] Ele pensava que o desejo dos estóicos por apatheia era uma tolice: eles viveriam uma 'vida lenta e enfraquecida', disse ele. [94] Apesar da influência de Ático, Marco se tornaria mais tarde um estóico. Ele não mencionaria Herodes em tudo em seu Meditações, apesar de muitas vezes entrarem em contato nas décadas seguintes. [95]

Fronto era muito estimado: no mundo conscientemente antiquário das letras latinas, [96] ele era considerado atrás apenas de Cícero, talvez até mesmo uma alternativa a ele. [97] [nota 6] Ele não se importava muito com Atticus, embora Marcus acabasse por colocar os dois em termos de conversação. Fronto exerceu um domínio completo do latim, capaz de rastrear expressões através da literatura, produzindo sinônimos obscuros e desafiando pequenas impropriedades na escolha de palavras. [97]

Uma parte significativa da correspondência entre Fronto e Marcus sobreviveu. [101] A dupla era muito próxima, usando uma linguagem íntima como 'Adeus meu Fronto, onde quer que você esteja, meu mais doce amor e deleite. Como é entre você e eu? Eu te amo e você não está aqui 'em sua correspondência. [102] Marcus passou um tempo com a esposa e filha de Fronto, ambas chamadas Cratia, e eles gostaram de uma conversa leve. [103]

Ele escreveu uma carta a Fronto em seu aniversário, afirmando que o amava como ele a si mesmo, e clamando aos deuses para garantir que cada palavra que aprendesse da literatura, ele aprenderia "dos lábios de Fronto".[104] Suas orações pela saúde de Fronto eram mais do que convencionais, porque Fronto ficava frequentemente doente às vezes, ele parece ser um inválido quase constante, sempre sofrendo [105] - cerca de um quarto das cartas que sobreviveram tratam das doenças do homem. [106] Marcus pede que a dor de Fronto seja infligida a ele mesmo, 'por minha própria conta, com todo tipo de desconforto'. [107]

Fronto nunca se tornou professor em tempo integral de Marcus e continuou sua carreira como advogado. Um caso notório o colocou em conflito com Atticus. [108] Marcus implorou a Fronto, primeiro com um 'conselho', depois como um 'favor', para não atacar Atticus, ele já havia pedido a Atticus que se abstivesse de dar os primeiros golpes. [109] Fronto respondeu que ficou surpreso ao descobrir que Marcus contava com Atticus um amigo (talvez Atticus ainda não fosse tutor de Marcus), e permitiu que Marcus pudesse estar correto, [110] mas mesmo assim afirmou sua intenção de ganhar o caso por qualquer meio necessário: '[As] acusações são assustadoras e devem ser chamadas de assustadoras. Aqueles em particular que se referem ao espancamento e roubo, descreverei para que tenham gosto de fel e bile. Se acontecer de eu chamá-lo de um pequeno grego sem educação, isso não significará uma guerra de morte '. [111] O resultado do julgamento é desconhecido. [112]

Aos 25 anos (entre abril de 146 e abril de 147), Marcus estava insatisfeito com seus estudos de jurisprudência e apresentava alguns sinais de mal-estar geral. Seu mestre, ele escreve a Fronto, era um fanfarrão desagradável e tinha feito 'um golpe' nele: 'É fácil sentar bocejando ao lado de um juiz, diz ele, mas para ser um juiz é um trabalho nobre '. [113] Marcus estava cansado de seus exercícios, de tomar posições em debates imaginários. Ao criticar a falta de sinceridade da linguagem convencional, Fronto aproveitou para defendê-la. [114] Em qualquer caso, a educação formal de Marcus acabou. Ele manteve seus professores em boas condições, seguindo-os com devoção. "Afetou negativamente sua saúde", escreve seu biógrafo, ter dedicado tanto esforço aos estudos. Foi a única coisa em que o biógrafo conseguiu encontrar falhas em toda a infância de Marcus. [115]

Fronto advertiu Marcus contra o estudo da filosofia desde o início: 'É melhor nunca ter tocado no ensino de filosofia. do que prová-lo superficialmente, com o canto dos lábios, como diz o ditado '. [116] Ele desdenhou a filosofia e os filósofos e desprezou as sessões de Marco com Apolônio de Calcedônia e outros neste círculo. [101] Fronto colocou uma interpretação pouco caridosa da 'conversão à filosofia' de Marcus: 'À moda dos jovens, cansados ​​do trabalho enfadonho', Marcus se voltou para a filosofia para escapar dos constantes exercícios de treinamento oratório. [117] Marcus manteve contato próximo com Fronto, mas iria ignorar os escrúpulos de Fronto. [118]

Apolônio pode ter apresentado a Marcus a filosofia estóica, mas Quintus Junius Rusticus teria a maior influência sobre o menino. [119] [nota 7] Ele era o homem que Fronto reconheceu como tendo 'cortejado Marcus' da oratória. [121] Ele era mais velho do que Fronto e vinte anos mais velho do que Marcus. Como neto de Arulenus Rusticus, um dos mártires da tirania de Domiciano (r. 81-96), ele foi o herdeiro da tradição da 'Oposição Estóica' aos 'maus imperadores' do século I [122], o verdadeiro sucessor de Sêneca (em oposição a Fronto, o falso). [123] Marcus agradece a Rusticus por ensiná-lo a 'não se deixar levar pelo entusiasmo pela retórica, por escrever sobre temas especulativos, por discorrer sobre textos moralizantes. Para evitar oratória, poesia e 'boa escrita' '. [124]

Filóstrato descreve como, mesmo quando Marco era um homem velho, na última parte de seu reinado, ele estudou com Sexto de Queronéia:

O imperador Marco era um discípulo ávido de Sexto, o filósofo beócia, estando frequentemente em sua companhia e frequentando sua casa. Lúcio, que acabara de chegar a Roma, perguntou ao imperador, a quem ele encontrou no caminho, para onde ele estava indo e em que missão, e Marco respondeu: 'é bom até para um velho saber que estou agora na minha caminho para Sexto, o filósofo, aprender o que eu ainda não sei. ' E Lúcio, erguendo a mão para o céu, disse: 'Ó Zeus, o rei dos romanos em sua velhice pega suas tábuas e vai para a escola.' [125]

Nascimentos e mortes Editar

Em 30 de novembro de 147, Faustina deu à luz uma menina chamada Domícia Faustina. Ela foi a primeira de pelo menos treze filhos (incluindo dois pares de gêmeos) que Faustina teria nos vinte e três anos seguintes. No dia seguinte, 1º de dezembro, Antonino deu a Marco o poder do tribúnico e o Império - autoridade sobre os exércitos e províncias do imperador. Como tribuno, ele tinha o direito de apresentar uma medida ao senado depois que os quatro que Antonino pudessem apresentar. Seus poderes de tribúnico seriam renovados com os de Antonino em 10 de dezembro de 147. [126] A primeira menção de Domícia nas cartas de Marco a revela como uma criança doente. 'César para Fronto. Se os deuses quiserem, parece que temos esperança de recuperação. A diarreia parou, os pequenos ataques de febre desapareceram. Mas a emaciação ainda é extrema e ainda há bastante tosse '. Ele e Faustina, escreveu Marcus, estiveram "muito ocupados" com os cuidados da menina. [127] Domícia morreria em 151. [128]

Em 149, Faustina deu à luz novamente, filhos gêmeos. A cunhagem contemporânea comemora o evento, com cornucópias cruzadas sob os bustos dos retratos dos dois meninos pequenos e a lenda temporum felicitas, 'a felicidade dos tempos'. Eles não sobreviveram por muito tempo. Antes do final do ano, outra moeda da família foi lançada: mostra apenas uma menininha, Domícia Faustina, e um menino. Depois outra: a menina sozinha. As crianças foram enterradas no Mausoléu de Adriano, onde seus epitáfios sobrevivem. Eles foram chamados de Titus Aurelius Antoninus e Tiberius Aelius Aurelius. [129] Marcus se firmou: 'Um homem ora:' Como posso não perder meu filho ', mas você deve orar:' Como posso não ter medo de perdê-lo '. [130] Ele citou do Ilíada o que ele chamou de 'ditado mais breve e familiar. o suficiente para dissipar a tristeza e o medo ': [131]

sai,
o vento espalha um pouco na face do solo
semelhantes a eles são os filhos dos homens.

Outra filha nasceu em 7 de março de 150, Annia Aurelia Galeria Lucilla. Em algum momento entre 155 e 161, provavelmente logo depois de 155, a mãe de Marcus, Domícia Lucila, morreu. [132] Faustina provavelmente teve outra filha em 151, mas a criança, Annia Galeria Aurelia Faustina, pode não ter nascido até 153. [133] Outro filho, Tibério Aelius Antoninus, nasceu em 152. Uma edição de moeda comemora fecunditati Augustae, 'para a fertilidade de Augusta', representando duas meninas e um bebê. O menino não sobreviveu por muito tempo, conforme evidenciado pelas moedas de 156, retratando apenas as duas meninas. Ele pode ter morrido em 152, o mesmo ano que a irmã de Marcus, Cornificia. [134] Em 28 de março de 158, quando Marcus respondeu, outro de seus filhos estava morto. Marcus agradeceu ao sínodo do templo, 'embora isso tenha acontecido de outra forma'. O nome da criança é desconhecido. [135] Em 159 e 160, Faustina deu à luz as filhas: Fadilla e Cornificia, batizadas respectivamente em homenagem às irmãs mortas de Faustina e Marcus. [136]

Últimos anos de Antoninus Pius Editar

Lúcio começou sua carreira política como questor em 153. Foi cônsul em 154, [137] e foi novamente cônsul com Marco em 161. [138] Lúcio não tinha outros títulos, exceto o de 'filho de Augusto'. Lúcio tinha uma personalidade marcadamente diferente de Marcus: ele gostava de esportes de todos os tipos, mas especialmente a caça e a luta livre, ele sentia um prazer óbvio nos jogos de circo e nas lutas de gladiadores. [139] [nota 8] Ele não se casou até 164. [143]

Em 156, Antoninus completou 70 anos. Ele achava difícil se manter em pé sem espartilhos. Ele começou a mordiscar pão seco para lhe dar forças para ficar acordado durante as recepções matinais. À medida que Antonino envelhecia, Marco assumia funções mais administrativas, ainda mais quando se tornou o prefeito pretoriano (um cargo que era tanto secretarial quanto militar) quando Marco Gavius ​​Maximus morreu em 156 ou 157. [144] Em 160, Marco e Lúcio foram designados cônsules conjuntos para o ano seguinte. Antoninus pode já ter estado doente. [136]

Dois dias antes de sua morte, relata o biógrafo, Antonino estava em sua propriedade ancestral em Lorium, na Etrúria, [145] a cerca de 19 quilômetros (12 milhas) de Roma. [146] Ele comeu queijo alpino no jantar com bastante avidez. À noite ele vomitou e teve febre no dia seguinte. No dia seguinte, 7 de março de 161, [147] ele convocou o conselho imperial e passou o estado e sua filha para Marco. O imperador deu a tônica de sua vida na última palavra que pronunciou quando a tribuna da vigília veio pedir a senha - 'aequanimitas' (equanimidade). [148] Ele então se virou, como se fosse dormir, e morreu. [149] Sua morte encerrou o reinado mais longo desde Augusto, ultrapassando Tibério em alguns meses. [150]

Ascensão de Marco Aurélio e Lúcio Vero (161) Editar

Depois que Antonino morreu em 161, Marco foi efetivamente o único governante do Império. As formalidades do cargo viriam a seguir. O senado logo lhe daria o nome de Augusto e o título imperador, e ele logo seria formalmente eleito como Pontifex Maximus, sacerdote chefe dos cultos oficiais. Marcus deu alguma demonstração de resistência: o biógrafo escreve que foi "compelido" a assumir o poder imperial. [151] Este pode ter sido um verdadeiro horror imperii, 'medo do poder imperial'. Marcus, com sua preferência pela vida filosófica, achou o cargo imperial desagradável. Seu treinamento como estóico, entretanto, deixou claro para ele que era seu dever. [152]

Embora Marcus não tenha mostrado afeto pessoal por Adriano (significativamente, ele não o agradece no primeiro livro de seu Meditações), ele presumivelmente acreditava que era seu dever decretar os planos de sucessão do homem. [153] Assim, embora o senado planejasse confirmar Marco sozinho, ele se recusou a assumir o cargo, a menos que Lúcio recebesse poderes iguais. [154] O Senado aceitou, concedendo a Lúcio o Império, o poder tribúnico e o nome Augusto. [155] Marco tornou-se, em titulação oficial, Imperador César Marco Aurélio Antonino Augusto Lúcio, renunciando a seu nome Cômodo e tomando o nome de família de Marco, Vero, tornou-se Imperador César Lúcio Aurélio Vero Augusto. [156] [nota 9] Foi a primeira vez que Roma foi governada por dois imperadores. [159] [nota 10]

Apesar de sua igualdade nominal, Marcus manteve mais auctoritas, ou 'autoridade', do que Lucius. Ele havia sido cônsul mais uma vez do que Lúcio, ele compartilhava do governo de Antonino, e só ele era Pontifex Maximus. Teria ficado claro para o público qual imperador era o mais antigo. [159] Como escreveu o biógrafo, 'Verus obedeceu a Marcus. como um tenente obedece a um procônsul ou um governador obedece ao imperador ”. [160]

Imediatamente após a confirmação do Senado, os imperadores seguiram para Castra Praetoria, o acampamento da Guarda Pretoriana. Lúcio se dirigiu às tropas reunidas, que então aclamaram a dupla como imperatores. Então, como todo novo imperador desde Cláudio, Lúcio prometeu às tropas um doador especial. [161] Este doador, no entanto, tinha o dobro do tamanho dos anteriores: 20.000 sestércios (5.000 denários) per capita, com mais para oficiais. Em troca dessa recompensa, equivalente a vários anos de pagamento, as tropas juraram proteger os imperadores. [162] A cerimônia talvez não fosse totalmente necessária, visto que a ascensão de Marco foi pacífica e sem oposição, mas foi um bom seguro contra problemas militares posteriores. [163] Após sua ascensão, ele também desvalorizou a moeda romana. Ele diminuiu a pureza da prata do denário de 83,5% para 79% - o peso da prata caindo de 2,68 g (0,095 onças) para 2,57 g (0,091 onças). [164]

As cerimônias fúnebres de Antonino foram, nas palavras do biógrafo, "elaboradas". [165] Se seu funeral seguisse o de seus predecessores, seu corpo teria sido incinerado em uma pira no Campus Martius, e seu espírito teria sido visto como ascendendo ao lar dos deuses nos céus. Marcus e Lucius indicaram seu pai para deificação. Em contraste com seu comportamento durante a campanha de Antonino para deificar Adriano, o senado não se opôs aos desejos dos imperadores. UMA flamen, ou sacerdote do culto, foi nomeado para ministrar o culto do Divus Antoninus deificado. Os restos mortais de Antonino foram colocados no mausoléu de Adriano, ao lado dos restos mortais dos filhos de Marco e do próprio Adriano. [166] O templo que ele dedicou à sua esposa, Diva Faustina, tornou-se o Templo de Antonino e Faustina. Ela sobrevive como a igreja de San Lorenzo em Miranda. [163]

De acordo com seu testamento, a fortuna de Antonino passou para Faustina. [167] (Marco tinha pouca necessidade da fortuna de sua esposa. Na verdade, em sua ascensão, Marco transferiu parte dos bens de sua mãe para seu sobrinho, Ummius Quadratus. [168]) Faustina estava grávida de três meses com a ascensão de seu marido. Durante a gravidez, ela sonhava em dar à luz duas serpentes, uma mais feroz que a outra. [169] Em 31 de agosto, ela deu à luz em Lanuvium a gêmeos: T. Aurelius Fulvus Antoninus e Lucius Aurelius Commodus. [170] [nota 11] Além do fato de que os gêmeos compartilhavam o aniversário de Calígula, os presságios eram favoráveis ​​e os astrólogos traçavam horóscopos positivos para as crianças. [172] Os nascimentos foram celebrados na moeda imperial. [173]

Edição de regra inicial

Logo após a ascensão dos imperadores, a filha de 11 anos de Marcus, Annia Lucilla, foi prometida a Lucius (apesar de ele ser, formalmente, seu tio). [174] Nas cerimônias de comemoração do evento, novas disposições foram tomadas para o sustento das crianças pobres, nos moldes das primeiras fundações imperiais. [175] Marco e Lúcio se mostraram populares com o povo de Roma, que aprovou fortemente sua civilizador ('sem pompa') comportamento. Os imperadores permitiram a liberdade de expressão, evidenciada pelo fato de o escritor de comédias Marullus ter sido capaz de criticá-los sem sofrer retribuição. Como escreveu o biógrafo: "Ninguém deixou de ver os modos tolerantes de Pio". [176]

Marcus substituiu vários dos principais funcionários do império. o ab epistulis Sextus Caecilius Crescens Volusianus, encarregado da correspondência imperial, foi substituído por Titus Varius Clemens. Clemens era da província fronteiriça da Panônia e havia servido na guerra na Mauritânia. Recentemente, ele serviu como procurador de cinco províncias. Ele era um homem adequado para uma época de crise militar. [177] Lúcio Volusius Maecianus, ex-tutor de Marco, havia sido governador da província do Egito na ascensão de Marco. Maecianus foi chamado de volta, feito senador e nomeado prefeito do tesouro (aerarium Saturni) Ele foi nomeado cônsul logo depois. [178] O genro de Fronto, Gaius Aufidius Victorinus, foi nomeado governador da Germânia superior. [179]

Fronto voltou para sua casa romana na madrugada de 28 de março, tendo deixado sua casa em Cirta assim que recebeu a notícia da ascensão de seus alunos. Ele enviou uma nota ao liberto imperial Charilas, perguntando se ele poderia visitar os imperadores. Mais tarde, Fronto explicaria que não ousou escrever diretamente aos imperadores. [180] O tutor estava imensamente orgulhoso de seus alunos. Refletindo sobre o discurso que havia escrito ao assumir o cargo de cônsul em 143, quando elogiou o jovem Marcus, Fronto ficou entusiasmado: 'Havia então em você uma habilidade natural notável; agora há excelência aperfeiçoada. Havia então uma safra de milho, agora há uma colheita madura e colhida. O que eu esperava então, agora tenho. A esperança se tornou realidade. ' [181] Fronto visitou Marco sozinho e nem pensou em convidar Lúcio. [182]

Lúcio era menos estimado por Fronto do que seu irmão, pois seus interesses estavam em um nível inferior. Lúcio pediu a Fronto para julgar uma disputa que ele e seu amigo Calpúrnio estavam tendo sobre os méritos relativos de dois atores. [183] ​​Marco contou a Fronto sobre sua leitura - Célio e um pequeno Cícero - e sua família. Suas filhas estavam em Roma com sua tia-avó Matidia Marcus pensaram que o ar noturno do país estava frio demais para elas. Ele pediu a Fronto 'algum material de leitura particularmente eloqüente, algo seu, ou Cato, ou Cícero, ou Sallust ou Gracchus - ou algum poeta, pois preciso de distração, especialmente deste tipo de maneira, lendo algo que irá enaltecer e dissipar minhas ansiedades urgentes. ' [184] O reinado inicial de Marcus transcorreu sem problemas, ele foi capaz de se dedicar totalmente à filosofia e à busca da afeição popular. [185] Em breve, porém, ele descobriria que tinha muitas ansiedades. Isso significaria o fim do felicitas temporum ('tempos felizes') que a cunhagem de 161 havia proclamado. [186]

No outono de 161 ou na primavera de 162, [nota 12] o Tibre transbordou de suas margens, inundando grande parte de Roma. Ele afogou muitos animais, deixando a cidade em fome. Marcus e Lucius deram à crise sua atenção pessoal. [188] [nota 13] Em outras épocas de fome, diz-se que os imperadores abasteciam as comunidades italianas a partir dos celeiros romanos. [190]

As cartas de Fronto continuaram durante o reinado inicial de Marcus. Fronto achava que, por causa da proeminência e dos deveres públicos de Marcus, as aulas eram mais importantes agora do que antes. Ele acreditava que Marcus estava "começando a sentir vontade de ser eloqüente mais uma vez, apesar de ter perdido por um tempo o interesse pela eloqüência". [191] Fronto lembraria novamente a seu pupilo a tensão entre seu papel e suas pretensões filosóficas: 'Suponha, César, que você pode alcançar a sabedoria de Cleantes e Zenão, mas, contra sua vontade, não a capa de lã do filósofo'. [192]

Os primeiros dias do reinado de Marco foram os mais felizes da vida de Fronto: Marco era amado pelo povo de Roma, um excelente imperador, um aluno afetuoso e, talvez o mais importante, tão eloquente quanto se poderia desejar. [193] Marcus exibiu habilidade retórica em seu discurso ao Senado após um terremoto em Cyzicus. Ele transmitiu o drama do desastre, e o senado ficou pasmo: 'Não mais repentina ou violentamente a cidade foi agitada pelo terremoto do que as mentes de seus ouvintes por sua fala'. Fronto ficou extremamente satisfeito. [194]

Guerra com a Pártia (161-166) Editar

Em seu leito de morte, Antonino não falava de nada além do estado e dos reis estrangeiros que o injustiçaram. [195] Um desses reis, Vologases IV da Pártia, mudou-se no final do verão ou início do outono 161. [196] Vologases entrou no Reino da Armênia (então um estado cliente romano), expulsou seu rei e instalou o seu próprio - Pacorus , um Arsacid como ele.[197] O governador da Capadócia, a linha de frente em todos os conflitos armênios, era Marcus Sedatius Severianus, um gaulês com muita experiência em assuntos militares. [198]

Convencido pelo profeta Alexandre de Abonutichus de que ele poderia derrotar os partas facilmente e ganhar a glória para si mesmo, [199] Severianus liderou uma legião (talvez a IX Hispana [200]) para a Armênia, mas foi preso pelo grande general parta Chosrhoes em Elegeia , uma cidade logo além das fronteiras da Capadócia, bem acima das cabeceiras do Eufrates. Depois que Severianus fez alguns esforços infrutíferos para enfrentar Chosrhoes, ele cometeu suicídio, e sua legião foi massacrada. A campanha durou apenas três dias. [201]

Houve ameaça de guerra também em outras fronteiras - na Grã-Bretanha, em Raetia e na Alta Alemanha, onde o Chatti das montanhas Taunus cruzou recentemente o limas. [202] Marcus não estava preparado. Antonino parece não ter dado a ele nenhuma experiência militar, o biógrafo escreve que Marco passou todo o reinado de Antonino de 23 anos ao lado de seu imperador e não nas províncias, onde a maioria dos imperadores anteriores haviam passado suas primeiras carreiras. [203] [nota 14]

Mais más notícias chegaram: o exército do governador sírio fora derrotado pelos partas e recuou em desordem. [205] Reforços foram enviados para a fronteira parta. P. Julius Geminius Marcianus, um senador africano comandando X Gemina em Vindobona (Viena), partiu para a Capadócia com destacamentos das legiões do Danúbio. [206] Três legiões inteiras também foram enviadas para o leste: I Minervia de Bonn na Alta Alemanha, [207] II Adiutrix de Aquincum, [208] e V Macedonica de Troesmis. [209]

As fronteiras do norte eram estrategicamente enfraquecidas. Governadores de fronteira foram instruídos a evitar conflitos sempre que possível. [210] M. Annius Libo, primo-irmão de Marco, foi enviado para substituir o governador sírio. Seu primeiro consulado foi em 161, então ele provavelmente estava em seus trinta e poucos anos, [211] e como um patrício, ele não tinha experiência militar. Marcus escolheu um homem confiável em vez de talentoso. [212]

Marcus tirou férias públicas de quatro dias em Alsium, uma cidade turística na costa da Etrúria. Ele estava ansioso demais para relaxar. Escrevendo a Fronto, declarou que não falaria sobre suas férias. [214] Fronto respondeu: 'O quê? Não sei que você foi ao Alsium com a intenção de se dedicar aos jogos, às brincadeiras e ao lazer completo durante quatro dias inteiros? ' [215] Ele encorajou Marco a descansar, recorrendo ao exemplo de seus predecessores (Antonino tinha gostado de se exercitar no palestra, pesca e comédia), [216] chegando ao ponto de escrever uma fábula sobre a divisão dos deuses do dia entre a manhã e a noite - Marcus aparentemente passava a maior parte de suas noites em questões judiciais, em vez de lazer. [217] Marcus não aceitou o conselho de Fronto. “Tenho deveres pairando sobre mim que dificilmente podem ser cancelados”, ele escreveu de volta. [218] Marco Aurélio colocou a voz de Fronto para castigar a si mesmo: '' Meu conselho lhe fez muito bem ', você dirá!' Ele havia descansado, e iria descansar muitas vezes, mas 'esta devoção ao dever! Quem sabe melhor do que você como isso é exigente! ' [219]

Fronto enviou a Marcus uma seleção de material de leitura, [221] e, para resolver seu desconforto ao longo da guerra parta, uma carta longa e ponderada, cheia de referências históricas. Nas edições modernas das obras de Fronto, é rotulado De Bello Parthico (Na Guerra Parta) Houve reveses no passado de Roma, escreve Fronto, [222] mas no final, os romanos sempre prevaleceram sobre seus inimigos: 'Sempre e em toda parte [Marte] transformou nossos problemas em sucessos e nossos terrores em triunfos'. [223]

Durante o inverno de 161-162, a notícia de que uma rebelião estava se formando na Síria chegou e foi decidido que Lúcio deveria dirigir a guerra parta em pessoa. Ele era mais forte e mais saudável do que Marcus, dizia o argumento, e, portanto, mais adequado para a atividade militar. [224] O biógrafo de Lúcio sugere motivos ocultos: conter as devassidões de Lúcio, torná-lo econômico, reformar sua moral pelo terror da guerra e perceber que ele era um imperador. [225] [nota 15] Seja qual for o caso, o senado deu seu parecer favorável e, no verão de 162, Lúcio saiu. Marco permaneceria em Roma, pois a cidade "exigia a presença de um imperador". [227]

Lúcio passou a maior parte da campanha em Antioquia, embora tenha passado o inverno em Laodicéia e o verão em Dafne, um resort nos arredores de Antioquia. [228] Os críticos declamaram o estilo de vida luxuoso de Lúcio, [229] dizendo que ele havia começado a jogar, 'jogava dados a noite inteira' [230] e gostava da companhia de atores. [231] [nota 16] Libo morreu no início da guerra, talvez Lúcio o tivesse assassinado. [233]

No meio da guerra, talvez no outono de 163 ou início de 164, Lúcio fez uma viagem a Éfeso para se casar com Lucila, filha de Marco. [234] Marco adiantou a data talvez já tivesse ouvido falar da amante de Lúcio, Pantéia. [235] O décimo terceiro aniversário de Lucila foi em março de 163, qualquer que fosse a data de seu casamento, ela ainda não tinha quinze anos. [236] Lucila estava acompanhada por sua mãe Faustina e tio de Lúcio (meio-irmão de seu pai) M. Vettulenus Civica Barbarus, [237] que foi feito vem Augusti, 'companheiro dos imperadores'. Marcus pode ter querido que Civica cuidasse de Lucius, o trabalho em que Libo falhou. [238] Marcus pode ter planejado acompanhá-los até Esmirna (o biógrafo diz que disse ao senado que faria), mas isso não aconteceu. [239] Ele apenas acompanhou o grupo até Brundisium, onde embarcaram em um navio para o leste. Ele retornou a Roma imediatamente depois disso e enviou instruções especiais a seus procônsules para que não dessem ao grupo qualquer recepção oficial. [241]

A capital armênia, Artaxata, foi capturada em 163. [242] No final do ano, Lúcio conquistou o título Armênia, apesar de nunca ter visto um combate, Marcus recusou-se a aceitar o título até o ano seguinte. [243] Quando Lúcio foi saudado como imperador novamente, no entanto, Marcus não hesitou em tomar o Imperator II com ele. [244]

A Armênia ocupada foi reconstruída em termos romanos. Em 164, uma nova capital, Kaine Polis ('Cidade Nova'), substituiu Artaxata. [245] Um novo rei foi empossado: um senador romano de categoria consular e descendência arsácida, Caio Júlio Soemus. Ele pode nem ter sido coroado na Armênia; a cerimônia pode ter ocorrido em Antioquia, ou mesmo em Éfeso. [246] Sohaemus foi saudado na moeda imperial de 164 sob a legenda Rex armeniis Datus: Lúcio sentou-se em um trono com seu cajado enquanto Sohaemus estava diante dele, saudando o imperador. [247]

Em 163, os partos intervieram em Osroene, um cliente romano na alta Mesopotâmia centrado em Edessa, e instalou seu próprio rei em seu trono. [248] Em resposta, as forças romanas foram movidas rio abaixo, para cruzar o Eufrates em um ponto mais ao sul. [249] Antes do final de 163, no entanto, as forças romanas moveram-se para o norte para ocupar Dausara e Nicéforo na margem norte parta. [250] Logo após a conquista da margem norte do Eufrates, outras forças romanas partiram da Armênia para Osroene, tomando Antemusia, uma cidade a sudoeste de Edessa. [251]

Em 165, as forças romanas avançaram sobre a Mesopotâmia. Edessa foi reocupada e Mannus, o rei deposto pelos partos, foi reinstalado. [252] Os partos retiraram-se para Nisibis, mas este também foi sitiado e capturado. O exército parta se dispersou no Tigre. [253] Uma segunda força, comandada por Avidius Cassius e a III Gallica, desceu o Eufrates e travou uma grande batalha em Dura. [254]

No final do ano, o exército de Cássio havia alcançado as metrópoles gêmeas da Mesopotâmia: Selêucia na margem direita do Tigre e Ctesifonte na esquerda. Ctesiphon foi tomada e seu palácio real incendiado. Os cidadãos de Selêucia, ainda em grande parte gregos (a cidade havia sido comissionada e colonizada como capital do Império Selêucida, um dos reinos sucessores de Alexandre, o Grande), abriram seus portões para os invasores. Mesmo assim, a cidade foi saqueada, deixando uma marca negra na reputação de Lucius. Desculpas foram buscadas, ou inventadas: a versão oficial dizia que os selêucidas foram os primeiros a quebrar a fé. [255]

O exército de Cássio, embora sofrendo com a falta de suprimentos e os efeitos de uma praga contraída em Selêucia, conseguiu voltar ao território romano com segurança. [256] Lúcio assumiu o título de Parthicus Maximus, e ele e Marco foram saudados como imperatores novamente, ganhando o título de 'imp. III '. [257] O exército de Cássio voltou ao campo em 166, cruzando o Tigre para a Média. Lúcio recebeu o título de 'Medicus', [258] e os imperadores foram novamente saudados como imperatores, tornando-se 'imp. IV 'em titulação imperial. Marco pegou o Parthicus Maximus agora, depois de mais uma demora delicada. [259] Em 12 de outubro daquele ano, Marco proclamou dois de seus filhos, Anio e Cômodo, como seus herdeiros. [260]

Guerra com tribos germânicas (166-180) Editar

Durante o início dos anos 160, o genro de Fronto, Victorinus, foi colocado como legado na Alemanha. Ele estava lá com sua esposa e filhos (outra criança tinha ficado com Fronto e sua esposa em Roma). [265] A condição na fronteira norte parecia grave. Um posto de fronteira havia sido destruído e parecia que todos os povos da Europa central e do norte estavam em crise. Havia corrupção entre os oficiais: Victorinus teve que pedir a renúncia de um legionário que aceitava suborno. [266]

Governadores experientes foram substituídos por amigos e parentes da família imperial. Lúcio Dasumius Tullius Tuscus, um parente distante de Adriano, estava na Panônia Superior, sucedendo o experiente Marcus Nonius Macrinus. A Baixa Panônia estava sob o obscuro Tibério Haterius Saturnius. Marcus Servilius Fabianus Maximus foi transportado da Baixa Moésia para a Alta Moésia quando Marcus Iallius Bassus se juntou a Lúcio em Antioquia. A Baixa Moésia foi ocupada pelo filho de Pôncio Laeliano. As Dacias ainda estavam divididas em três, governadas por um senador pretoriano e dois procuradores. A paz não duraria muito. A Baixa Panônia não tinha nem mesmo uma legião. [267]

A partir da década de 160, tribos germânicas e outros povos nômades lançaram ataques ao longo da fronteira norte, particularmente na Gália e através do Danúbio. Este novo ímpeto para o oeste foi provavelmente devido a ataques de tribos mais a leste. Uma primeira invasão dos Chatti na província da Germânia Superior foi repelida em 162. [268]

Muito mais perigosa foi a invasão de 166, quando os Marcomanni da Boêmia, clientes do Império Romano desde 19 DC, cruzaram o Danúbio junto com os lombardos e outras tribos germânicas. [269] Pouco depois, os Iazyges sármatas iranianos atacaram entre os rios Danúbio e Theiss. [270]

Os Costoboci, vindos da área dos Cárpatos, invadiram a Moésia, a Macedônia e a Grécia. Após uma longa luta, Marcus conseguiu repelir os invasores. Numerosos membros de tribos germânicas estabeleceram-se em regiões fronteiriças como Dácia, Panônia, Alemanha e a própria Itália. Isso não era uma coisa nova, mas desta vez o número de colonos exigiu a criação de duas novas províncias fronteiriças na margem esquerda do Danúbio, Sarmatia e Marcomannia, incluindo a atual República Tcheca, Eslováquia e Hungria. Algumas tribos germânicas que se estabeleceram em Ravenna se revoltaram e conseguiram tomar posse da cidade. Por esta razão, Marcus decidiu não apenas não trazer mais bárbaros para a Itália, mas até baniu aqueles que já haviam sido trazidos para lá. [271]

Trabalho jurídico e administrativo Editar

Como muitos imperadores, Marco passava a maior parte de seu tempo tratando de questões jurídicas, como petições e audiências de disputas, [272] mas, ao contrário de muitos de seus predecessores, ele já era proficiente na administração imperial quando assumiu o poder. [273] Ele teve muito cuidado na teoria e na prática da legislação. Juristas profissionais o chamaram de 'um imperador mais hábil no direito' [274] e 'um imperador mais prudente e conscienciosamente justo'. [275] Ele demonstrou grande interesse em três áreas da lei: a alforria de escravos, a tutela de órfãos e menores e a escolha dos vereadores (decuriones). [276]

Marcus mostrou muito respeito ao Senado Romano e rotineiramente lhes pedia permissão para gastar dinheiro, embora ele não precisasse fazer isso como governante absoluto do Império. [277] Em um discurso, o próprio Marco lembrou ao Senado que o palácio imperial onde ele vivia não era verdadeiramente sua posse, mas deles. [278] Em 168, ele reavaliou o denário, aumentando a pureza da prata de 79% para 82% - o peso real da prata aumentando de 2,57–2,67 g (0,091–0,094 onças). No entanto, dois anos depois, ele voltou aos valores anteriores por causa das crises militares que o império enfrentou. [164]

Comércio com a China Han e surto de praga Editar

Um possível contato com a China Han ocorreu em 166, quando um viajante romano visitou a corte Han, alegando ser um embaixador que representava um certo Andun (chinês: 安 敦), governante de Daqin, que pode ser identificado com Marcus ou com seu predecessor Antoninus. [279] [280] [281] Além das vidrarias romanas da era republicana encontradas em Guangzhou ao longo do Mar da China Meridional, [282] medalhões de ouro romanos feitos durante o reinado de Antonino e talvez até mesmo de Marcus foram encontrados em Óc Eo, Vietnã , então parte do Reino de Funan perto da província chinesa de Jiaozhi (no norte do Vietnã). Esta pode ter sido a cidade portuária de Kattigara, descrita por Ptolomeu (c. 150) como sendo visitada por um marinheiro grego chamado Alexandre e situada além do Golden Chersonese (isto é, Península Malaia). [283] [nota 17] Moedas romanas dos reinados de Tibério a Aureliano foram encontradas em Xi'an, China (local da capital Han, Chang'an), embora a quantidade muito maior de moedas romanas na Índia sugira o romano marítimo o comércio para a compra de seda chinesa concentrava-se ali, não na China ou mesmo na Rota da Seda terrestre que atravessa a Pérsia. [284]

A Peste Antonina começou na Mesopotâmia em 165 ou 166, no final da campanha de Lúcio contra os partas. Pode ter continuado no reinado de Commodus. Galeno, que estava em Roma quando a peste se espalhou para a cidade em 166, [285] mencionou que 'febre, diarreia e inflamação da faringe, juntamente com erupções cutâneas secas ou pustulares após nove dias' estavam entre os sintomas. [286] Acredita-se que a praga tenha sido a varíola. [287] Na opinião do historiador Rafe de Crespigny, as pragas que afligem o império Han oriental da China durante os reinados do imperador Huan de Han (r. 146-168) e do imperador Ling de Han (r. 168-189), que atingidos em 151, 161, 171, 173, 179, 182 e 185, talvez estivessem ligados à praga em Roma. [288] Raoul McLaughlin escreve que a viagem de súditos romanos à corte chinesa Han em 166 pode ter iniciado uma nova era do comércio romano-Extremo Oriente. No entanto, era também um 'prenúncio de algo muito mais sinistro'. De acordo com McLaughlin, a doença causou danos "irreparáveis" ao comércio marítimo romano no Oceano Índico, conforme comprovado pelo registro arqueológico que vai do Egito à Índia, bem como diminuiu significativamente a atividade comercial romana no sudeste da Ásia. [289]

Morte e sucessão (180) Editar

Marcus morreu aos 58 anos em 17 de março de 180 de causas desconhecidas em seus aposentos militares perto da cidade de Sirmium na Panônia (atual Sremska Mitrovica). Ele foi imediatamente deificado e suas cinzas foram devolvidas a Roma, onde descansaram no mausoléu de Adriano (moderno Castel Sant'Angelo) até o saque visigodo da cidade em 410. Suas campanhas contra alemães e sármatas também foram comemoradas por uma coluna e um templo construído em Roma. [290] Alguns estudiosos consideram sua morte o fim da Pax Romana. [291]

Marco foi sucedido por seu filho Cômodo, a quem ele havia nomeado César em 166 e com quem governava conjuntamente desde 177. [292] Os filhos biológicos do imperador, se houvesse algum, eram considerados herdeiros [293] no entanto, eram apenas a segunda vez que um filho "não adotivo" sucedeu a seu pai, a única outra vez foi um século antes, quando Vespasiano foi sucedido por seu filho Tito. Os historiadores criticaram a sucessão de Commodus, citando o comportamento errático de Commodus e a falta de perspicácia política e militar. [292] No final de sua história do reinado de Marco, Cássio Dio escreveu um encômio ao imperador e descreveu a transição para Cômodo em sua própria vida com tristeza: [294]

[Marcus] não teve a boa sorte que merecia, pois não era forte fisicamente e esteve envolvido em uma infinidade de problemas durante praticamente todo o seu reinado. Mas, de minha parte, admiro-o ainda mais por isso mesmo, que em meio a dificuldades incomuns e extraordinárias ele sobreviveu a si mesmo e preservou o império. Apenas uma coisa o impedia de ser completamente feliz, a saber, que depois de criar e educar seu filho da melhor maneira possível, ele ficou profundamente decepcionado com ele. Este assunto deve ser o nosso próximo tópico para a nossa história que agora desce de um reino de ouro para um de ferro e ferrugem, como acontecia com os romanos daquela época.

–Dio lxxi. 36,3-4 [294]

Dio acrescenta que desde os primeiros dias de Marco como conselheiro de Antonino até seus últimos dias como imperador de Roma, "ele permaneceu a mesma [pessoa] e não mudou nada". [295]

Michael Grant, em O Clímax de Roma, escreve sobre Commodus: [296]

A juventude revelou-se muito errática, ou pelo menos tão antitradicional que o desastre era inevitável. Mas quer Marcus devesse ou não saber disso, a rejeição das reivindicações de seu filho em favor de outra pessoa quase certamente envolveria uma das guerras civis que proliferariam tão desastrosamente em torno de sucessões futuras. [296]

Marco adquiriu a reputação de rei filósofo em vida, e o título permaneceria após sua morte, tanto Dio quanto o biógrafo o chamam de "o filósofo". [297] [298]

Cristãos como Justino Mártir, Atenágoras e Eusébio também lhe deram o título. [299] O último nomeado chegou a chamá-lo de "mais filantrópico e filosófico" do que Antonino e Adriano, e o colocou contra os imperadores perseguidores Domiciano e Nero para tornar o contraste mais ousado. [300]

O historiador Herodian escreveu:

"Só entre os imperadores, ele deu prova de seu aprendizado não por meras palavras ou conhecimento de doutrinas filosóficas, mas por seu caráter irrepreensível e modo de vida temperante." [301]

Iain King explica que o legado de Marcus foi trágico:

"A filosofia estóica [do imperador] - que trata do autodomínio, do dever e do respeito pelos outros - foi abjetamente abandonada pela linha imperial que ele ungiu ao morrer." [302]

Nos primeiros dois séculos da era cristã, foram os oficiais romanos locais os principais responsáveis ​​pela perseguição aos cristãos. No segundo século, os imperadores trataram o Cristianismo como um problema local a ser tratado por seus subordinados. [303] O número e a gravidade das perseguições aos cristãos em vários locais do império aparentemente aumentaram durante o reinado de Marco. Até que ponto o próprio Marcus dirigiu, encorajou ou estava ciente dessas perseguições não é claro e muito debatido pelos historiadores. [304] O primeiro apologista cristão, Justin Martyr, inclui em sua Primeira Apologia (escrita entre 140 e 150 DC) uma carta de Marco Aurélio ao senado romano (antes de seu reinado) descrevendo um incidente no campo de batalha em que Marco acreditava que a oração cristã tinha salvou seu exército da sede quando "água jorrou do céu", após o que, "imediatamente reconhecemos a presença de Deus". Marcus segue pedindo ao senado que desista de cursos anteriores de perseguição cristã por parte de Roma. [305]

Marcus e sua prima e esposa Faustina tiveram pelo menos 13 filhos durante seu casamento de 30 anos, [126] [306] incluindo dois pares de gêmeos. [126] [307] Um filho e quatro filhas sobreviveram ao pai. [308] Seus filhos incluíam:

  • Domitia Faustina (147-151) [126] [138] [309]
  • Titus Aelius Antoninus (149) [129] [307] [310]
  • Titus Aelius Aurelius (149) [129] [307] [310] (150 [132] [309] –182 [311]), casou-se com o co-governante de seu pai, Lúcio Vero, [138] então Tibério Cláudio Pompeiano, teve descendência de ambos os casamentos (nascido em 151), [134] casado com Gnaeus Claudius Severus, teve um filho
  • Tibério Aelius Antoninus (nascido em 152, morreu antes de 156) [134]
  • Criança desconhecida (morreu antes de 158) [136] (nasceu 159 [309] [136]), [138] casou-se com Marcus Peducaeus Plautius Quintillus, teve filhos (nasceu 160 [309] [136]), [138] casou-se com Marcus Petronius Sura Mamertinus, teve um filho
  • Titus Aurelius Fulvus Antoninus (161-165), irmão gêmeo mais velho de Commodus [310] (Commodus) (161-192), [312] irmão gêmeo de Titus Aurelius Fulvus Antoninus, mais tarde imperador, [310] [313] casou-se com Bruttia Crispina , nenhum problema (162 [260] –169 [306] [314]) [138]
  • Adriano [138] (170 [310] - morreu antes de 217 [315]), [138] casou-se com Lucius Antistius Burrus, sem problema

Exceto onde indicado de outra forma, as notas abaixo indicam que a ascendência de uma pessoa é a mostrada na árvore genealógica acima.

  1. ^ Pai da irmã de Trajano: Giacosa (1977), p. 7
  2. ^ Giacosa (1977), p. 8
  3. ^ umab Levick (2014), p. 161
  4. ^ Marido de Ulpia Marciana: Levick (2014), p. 161
  5. ^ umab Giacosa (1977), p. 7
  6. ^ umabcDIR colaborador (Herbert W. Benario, 2000), "Hadrian".
  7. ^ umab Giacosa (1977), p. 9
  8. ^ Marido de Salonia Matidia: Levick (2014), p. 161
  9. ^ Smith (1870), "Julius Servianus". [link morto]
  10. ^ Suetônio, um possível amante de Sabina: uma interpretação de HA Hadrianus11:3
  11. ^ Smith (1870), "Hadrian", pp. 319-322. [link morto]
  12. ^ Lover of Hadrian: Lambert (1984), p. 99 e passim deificação: Lamber (1984), pp. 2-5, etc.
  13. ^ Julia Balbilla, uma possível amante de Sabina: A. R. Birley (1997), Adriano, o imperador inquieto, p. 251, citado em Levick (2014), p. 30, que é cético em relação a esta sugestão.
  14. ^ Marido de Rupilia Faustina: Levick (2014), p. 163
  15. ^ umabcd Levick (2014), p. 163
  16. ^ umabcd Levick (2014), p. 162
  17. ^ umabcdefg Levick (2014), p. 164
  18. ^ Esposa de M. Annius Verus: Giacosa (1977), p. 10
  19. ^ Esposa de M. Annius Libo: Levick (2014), p. 163
  20. ^ umabcde Giacosa (1977), p. 10
  21. ^ O epitomador de Cássio Dio (72,22) conta a história de que Faustina, a Velha, prometeu casar-se com Avídio Cássio. Isso também é ecoado em HA"Marcus Aurelius" 24.
  22. ^ Marido de Ceionia Fabia: Levick (2014), p. 164
  23. ^ umabc Levick (2014), p. 117
  • DIR contribuintes (2000). "De Imperatoribus Romanis: Uma enciclopédia online dos governantes romanos e suas famílias". Retirado em 14 de abril de 2015.
  • Giacosa, Giorgio (1977). Mulheres dos césares: suas vidas e retratos em moedas. Traduzido por R. Ross Holloway. Milão: Edizioni Arte e Moneta. ISBN0-8390-0193-2.
  • Lambert, Royston (1984). Amado e Deus: a história de Adriano e Antínous. Nova York: Viking. ISBN0-670-15708-2.
  • Levick, Barbara (2014). Faustina I e II: Mulheres Imperiais da Idade de Ouro. Imprensa da Universidade de Oxford. ISBN978-0-19-537941-9.
  • William Smith, ed. (1870). Dicionário de biografia e mitologia grega e romana.

Durante a campanha entre 170 e 180, Marcus escreveu seu Meditações em grego como uma fonte para sua própria orientação e auto-aperfeiçoamento. O título original desta obra, se houver, é desconhecido. 'Meditações' - bem como outros títulos, incluindo 'Para si mesmo' - foram adotados posteriormente. Ele tinha uma mente lógica e suas notas eram representativas da filosofia e espiritualidade estóica. Meditações ainda é reverenciado como um monumento literário a um governo de serviço e dever. De acordo com Hays, o livro foi um dos favoritos de Cristina da Suécia, Frederico o Grande, John Stuart Mill, Matthew Arnold e Goethe, e é admirado por figuras modernas como Wen Jiabao e Bill Clinton. [316] Foi considerada por muitos comentadores uma das maiores obras da filosofia. [317]

Não se sabe quão amplamente os escritos de Marcus circularam após sua morte. Existem referências erradas na literatura antiga à popularidade de seus preceitos, e Juliano, o Apóstata, estava bem ciente de sua reputação como filósofo, embora não mencione especificamente Meditações. [318] Ele sobreviveu nas tradições acadêmicas da Igreja Oriental e nas primeiras citações remanescentes do livro, bem como a primeira referência conhecida pelo nome ('Os escritos de Marco para si mesmo') são de Arethas de Cesaréia no século 10 e no Suda Bizantino (talvez inserido pelo próprio Arethas). Foi publicado pela primeira vez em 1558 em Zurique por Wilhelm Xylander (ne Holzmann), a partir de um manuscrito supostamente perdido logo depois. [319] A cópia manuscrita completa mais antiga que sobreviveu está na biblioteca do Vaticano e data do século XIV. [320]

A estátua equestre de Marco Aurélio em Roma é a única estátua equestre romana que sobreviveu até o período moderno. [322] Isso pode ser devido a ele ter sido erroneamente identificado durante a Idade Média como uma representação do imperador cristão Constantino, o Grande, e poupou a destruição que as estátuas de figuras pagãs sofreram. Fabricado em bronze por volta de 175, tem 3,5 m (11,6 pés) e agora está localizado nos Museus Capitolinos de Roma. A mão do imperador é estendida em um ato de clemência oferecido a um inimigo derrotado, enquanto sua expressão facial cansada devido ao estresse de liderar Roma em batalhas quase constantes talvez represente uma ruptura com a tradição clássica da escultura. [323]

Uma visão de perto da estátua equestre de Marco Aurélio nos Museus Capitolinos

Uma visão completa da estátua equestre

A coluna da vitória de Marco, estabelecida em Roma em seus últimos anos de vida ou após seu reinado e concluída em 193, foi construída para comemorar sua vitória sobre os sármatas e tribos germânicas em 176. Uma espiral de relevos esculpidos envolve a coluna, mostrando cenas de suas campanhas militares. Uma estátua de Marcus estava no topo da coluna, mas desapareceu durante a Idade Média. Foi substituída por uma estátua de São Paulo em 1589 pelo Papa Sisto V. [324] A coluna de Marco e a coluna de Trajano são frequentemente comparadas pelos estudiosos, dado que ambas têm um estilo dórico, tinham um pedestal na base, tinham frisos esculpidos representando suas respectivas vitórias militares e uma estátua no topo. [325]

A coluna de Marco Aurélio na Piazza Colonna. As cinco fendas horizontais permitem que a luz entre na escada em espiral interna.

A coluna, à direita, no fundo da pintura de Panini do Palazzo Montecitorio, com a base da Coluna de Antonino Pio em primeiro plano à direita (1747)


Liberdade de expressão sob Marco Aurélio - História

Considerado um soberano, Marco Aurélio era a personificação do político liberal. O respeito pela humanidade formou a base de sua conduta. Ele reconheceu que, no interesse do próprio bem, não devemos impor esse bem aos outros de maneira arbitrária, sendo o livre exercício da liberdade a primeira condição da vida humana. Ele desejava a melhora da mente e não meramente a obediência física à lei que buscava para a felicidade pública, mas essa felicidade não deveria ser obtida por meio da servidão, que é o maior dos erros. Seu ideal de governo era totalmente republicano. O príncipe foi o primeiro sujeito da lei. Ele era apenas o locatário e inquilino da riqueza do Estado. Ele não deve se dar ao luxo de nenhum luxo inútil, ser estritamente econômico sua caridade real e inesgotável facilmente acessível e afável de falar buscando em tudo o bem público, e não o aplauso público.

Alguns historiadores, mais ou menos imbuídos dessa política, considerada superior porque seguramente não tinha nenhuma ligação com nenhuma filosofia, procuraram provar que um homem tão talentoso como Marco Aurélio só poderia ser um mau administrador e um soberano medíocre. Pode ser, de fato, que Marco Aurélio tenha pecado mais de uma vez por ser muito indulgente. Porém, à parte os males que era absolutamente impossível prever ou prevenir, seu reinado se destaca para nós como sendo grande e próspero. A melhora nas maneiras foi considerável. Muitos dos objetivos secretos que instintivamente buscavam o Cristianismo foram legalmente alcançados. O sistema político geral tinha alguns defeitos graves, mas a sabedoria do bom imperador cobriu tudo com um paliativo temporário. Era curioso que este príncipe virtuoso, que nunca fez a menor concessão à falsa popularidade, fosse adorado pelo povo. Ele era democrático no melhor sentido da palavra. A velha aristocracia romana inspirou-o com antipatia. Ele não tinha consideração pelo nascimento, nem mesmo pela educação e maneiras que ele apenas olhava para o mérito. Como ele não conseguiu encontrar entre os patrícios súditos adequados para apoiar suas idéias de sábio governo, ele confiou essas funções a homens cuja única nobreza era sua honestidade.

A assistência pública, estabelecida por Nerva e Trajano, desenvolvida por Antonino, alcançou, com Marco Aurélio, o ponto mais alto que já havia alcançado. O princípio de que o Estado tem de alguma forma deveres paternos a cumprir para com seus membros (um princípio que deve ser lembrado com gratidão, mesmo quando o ultrapassamos) - esse princípio, eu digo, foi proclamado no mundo pela primeira vez vez no segundo século. A educação das crianças de maneira liberal tornara-se, por causa da insuficiência da moral e, em conseqüência dos defeituosos princípios econômicos sobre os quais a sociedade se assentava, uma das grandes preocupações dos estadistas. Desde o tempo de Trajano, era dotado de hipotecas somas de dinheiro, cujas receitas eram administradas pelos procuradores. Marco Aurélio nomeou os procuradores como funcionários de primeira categoria, ele os selecionou com o maior cuidado entre os cônsules e prætores e aumentou seus poderes. Sua grande fortuna particular tornou mais fácil para ele colocar essas dádivas em uma base segura. Ele mesmo criou um grande número de dotações para socorrer os jovens de ambos os sexos. O instituto do Faustinas jovem datado de Antoninus. Após a morte da segunda Faustina, Marco Aurélio fundou Novas Faustinas femininas. Um elegante baixo-relevo representa essas jovens pressionando em torno da imperatriz, que joga trigo em uma dobra de suas vestes.

O estoicismo, desde o reinado de Adriano, havia permeado o direito romano com suas amplas máximas e feito dele uma lei natural, uma lei filosófica, para que a razão pudesse concebê-la como aplicável a todos os homens. O edito perpétuo de Salvius Julianus foi a primeira expressão completa daquela nova lei destinada a se tornar a lei universal. Foi o triunfo da mente grega sobre a mente latina. A lei estrita rendeu-se à equidade, a brandura virou a escala da severidade, a justiça parecia inseparável da beneficência. Os grandes jurisconsultos de Antoninus, Salvius Valens, Ulpius Marcellus, Javolenus, Volusius Mœcianus continuaram o mesmo trabalho. O último foi o mestre de Marco Aurélio em matéria de jurisprudência e, para falar a verdade, a obra dos dois santos imperadores não deveria ter sido separada. Deles datam a maioria das leis sensatas e humanas que modificam o rigor da lei antiga e formam, a partir de 15 legislações principalmente estreitas e implacáveis, um código suscetível de ser adotado por todos os povos civilizados.

O indivíduo fraco, nas sociedades antigas, era um tanto dependente. Marco Aurélio se constituiu de certo modo o tutor de todos aqueles que não o tinham. As necessidades da criança pobre e da criança doente foram asseguradas. O Prætor tutelar foi criado para dar garantias aos órfãos. A lei civil e o registro de nascimento foram iniciados. Uma multidão de ordenanças, completamente justas, introduziu em toda a administração um notável espírito de brandura e de humanidade. As despesas das curas foram diminuídas. Graças a um sistema melhor de provisionamento, a fome na Itália tornou-se impossível. Na ordem da judicatura, muitas reformas de excelente caráter dataram da mesma maneira do reinado de Marco. A regulamentação dos costumes, notadamente aquela que se referia a banhos indiscriminados, foi tornada mais estrita. Foi especialmente para os escravos que Antonino e Marco Aurélio se mostraram benéficos. Algumas das maiores monstruosidades da escravidão foram corrigidas. Doravante, foi admitido que o mestre poderia cometer uma injustiça com um escravo. A partir da nova legislação, os castigos corporais foram regulamentados. Matar um escravo tornava-se crime tratá-lo com excessiva crueldade era uma contravenção, e fazia com que o senhor tivesse que vender o infeliz que ele havia torturado. O escravo, com o tempo, recorreu aos tribunais, tornou-se alguém e membro da cidade. Ele era proprietário de seus próprios bens, tinha família e não era permitido vender separadamente marido, mulher e filhos. A aplicação da questão a pessoas servis era limitada. O mestre não pode, exceto em certos casos, vender seus escravos para fazê-los lutar com feras 16 nos anfiteatros. O servo, vendido sob a condição ne prostituatur , foi preservado das bordelas. Havia o que foi chamado favorecer libertatis em caso de dúvida, admitia-se a interpretação mais favorável à liberdade. As pessoas colocaram a humanidade contra o rigor da lei, muitas vezes até contra a letra da lei. De fato, desde o tempo de Antonino, os jurisconsultos, imbuídos de estoicismo, consideravam a escravidão uma violação dos direitos da natureza e tendiam a restringi-la. A franquia foi favorecida em todos os sentidos. Marco Aurélio foi além e reconheceu dentro de certos limites o direito dos escravos aos bens do senhor. Se uma pessoa não se apresentasse para reclamar a herança de testador, os escravos eram autorizados a repartir os bens entre si, quando apenas um ou vários fossem admitidos ao julgamento, o resultado fosse o mesmo. A pessoa emancipada era da mesma maneira protegida pelas mais rigorosas promulgações contra a escravidão, que tinham mil dispositivos diferentes para prendê-lo novamente.

O filho, a esposa, o menor eram objetos de legislação ao mesmo tempo inteligentes e humanos. O filho foi obrigado a manter o pai, mas deixou de estar sob seu controle. Os mais odiosos excessos, que a antiga lei romana considerava perfeitamente natural permitir à autoridade paterna, foram abolidos ou restringidos. O pai tinha deveres para com os filhos e nada poderia receber em troca por tê-los cumprido o filho, por seu lado, devido ao socorro alimentar de seus parentes, na proporção de sua fortuna.

As leis, até então, de tutela e tutela eram as mais incompletas. Marco Aurélio as tornava modelos de previsão administrativa. Pela antiga lei, a mãe dificilmente fazia parte da família de seu marido e de seus filhos. O Senatus consultum de Tertuliano (no ano 158), e 17 o Senatus consultum de Orphitian (178) estabeleceram para a mãe o direito de sucessão, da mãe para o filho e do filho para a mãe. Sentimento e lei natural tiveram precedência. As excelentes leis a respeito dos bancos, da venda de escravos, de informantes e caluniadores, acabaram com uma infinidade de abusos. As leis fiscais sempre foram severas e exigentes. Doravante, foi estabelecido em princípio que, em casos duvidosos, deveria ser o tesouro que estava errado. Impostos de caráter vexatório foram abolidos. A duração dos processos foi diminuída. O direito penal tornou-se menos cruel, e ao incriminado ainda foram dadas valiosas garantias, era característica pessoal de Marco Aurélio diminuir, na aplicação, as penas estabelecidas. Em casos de loucura, a punição foi dispensada. O grande princípio estóico, de que a culpabilidade residia no motivo, não na ação, tornou-se a alma das leis.

Assim ficou definitivamente estabelecido que grande maravilha o direito romano, uma espécie de revelação em seu caminho que a ignorância colocou em honra dos compiladores de Justiniano, mas que na realidade foi obra dos grandes imperadores do segundo século, e admiravelmente interpretada e continuado pelos eminentes jurisconsultos do terceiro século. A lei romana teve um triunfo menos clamoroso do que o cristianismo, mas em certo sentido mais durável. Exterminado primeiro pela barbárie, foi ressuscitado no final da Idade Média, foi a lei do mundo da Renascença e tornou-se mais uma vez de forma modificada a lei dos povos modernos. Foi por isso que a grande escola estóica no segundo século tentou reformar o mundo, depois de ter aparentemente falhado miseravelmente, e alcançado na realidade uma vitória completa. Compilados pelos jurisconsultos clássicos da época de Severo, mutilados e alterados por 18 Triboniano, os textos sobreviveram, e esses textos se tornaram mais tarde o código de todo o mundo. Ora, esses textos foram obra de eminentes legalistas que, agrupados em torno de Adriano, Antonino e Marco Aurélio, fizeram com que a lei entrasse definitivamente em sua era filosófica. O trabalho continuou sob os imperadores sírios. A terrível decadência política do século III não impediu que aquele vasto edifício continuasse seu crescimento lento e esplêndido.

Não que Marco Aurélio desfilasse o espírito inovador. Ao contrário, conduziu-se de maneira a dar às reformas um aspecto conservador.Ele sempre tratou o homem como um ser moral que ele nunca afetou, como freqüentemente faziam os pretensos políticos transcendentais, tratando-o como uma máquina ou um meio para um fim. Se não conseguiu mudar o atroz código penal da época, ele o mitigou em sua aplicação. Foi estabelecido um fundo para as exéquias dos pobres. Os colégios funerários foram autorizados a receber legados e a se tornarem sociedades civis, tendo o direito de possuir bens, escravos, franquias. Sêneca havia dito: “Todos os homens, se voltarmos à origem das coisas, têm deuses como pais”. No dia seguinte, Ulpiano dirá: "Pela lei da natureza, todos os homens nascem livres e iguais."

Marco Aurélio desejava suprimir as cenas hediondas que tornavam os anfiteatros verdadeiros locais de horror para quem possuísse senso moral. Mas ele não conseguiu que essas representações abomináveis ​​fizessem parte da vida do povo. Quando Marco Aurélio armou os gladiadores para a grande guerra germânica, quase houve uma revolução. “Ele deseja tirar de nós nossas diversões”, gritou a multidão, “e nos restringir à filosofia”. Os habitués dos anfiteatros eram as únicas pessoas que não o amavam. Compelido 19 a ceder a uma opinião mais forte do que ele, Marco Aurélio protestou, no entanto, de todas as maneiras possíveis. Ele trouxe algum alívio para males que não foi capaz de suprimir, ouvimos falar de dançarinos de corda com colchões colocados sob eles, e de pessoas que não podiam lutar a menos que seus braços estivessem cobertos. O imperador visitava os espetáculos tão raramente quanto podia ajudar, e apenas por complacência. Ele fingiu durante a representação ler, dar audiências, assinar despachos, sem se tornar objeto de zombaria do público. Um dia, um leão que um escravo picou com o propósito de devorar alguns homens fez tanto de seu senhor que de todos os lados o público clamou por sua alforria. O imperador, que nessa época havia virado a cabeça, respondeu com irritação: “Este homem não fez nada digno de liberdade”. Ele emitiu vários decretos para evitar alforrias precipitadas, convocadas sob o entusiasmo dos aplausos populares, que lhe pareciam uma primeira recompensa pela crueldade.


De Rusticus.

I.7. De Rusticus recebi a impressão de que meu personagem exigia aperfeiçoamento e disciplina e com ele aprendi a não ser desencaminhado à emulação sofisticada, nem a escrever sobre assuntos especulativos, nem a entregar pequenas orações exortativas, nem para me exibir como um homem que pratica muita disciplina, ou faz atos benevolentes a fim de fazer uma exibição e abster-se de retórica, poesia e boa escrita e não andar em casa no meu vestido de ar livre, nem para fazer outras coisas do tipo e escrever minhas cartas com simplicidade, como a carta que Rusticus escrevi de Sinuessa para minha mãe e a respeito de quem ofendeu me por palavras, ou me fez mal, ser facilmente disposto a ser pacificado e reconciliados, logo que tenham mostrado disponibilidade para se reconciliar e ler atentamente e não se contentar com uma compreensão superficial de um livro, nem apressadamente dar meu consentimento àqueles que falam demais e Estou em dívida com ele por estar familiarizado com os discursos de Epicteto, que ele me comunicou de sua própria coleção.

Rusticus foi uma das, senão a, maior influência do estoicismo sobre Marcus. Rusticus era provavelmente neto de um oponente estóico de Domiciano que havia sido morto por aquele imperador cruel. Esta & # 8220Stoic Oposition & # 8221, como denominada por Anthony Birley, influenciou grandemente os imperadores Antoine. Rusticus era muito mais velho que Marcus e era ativo na política. Ele não era um professor formal, mas agia como um amigo mais velho e uma espécie de mentor. A História de Augusto afirma explicitamente que Marcus se tornou Rusticus & # 8217 & # 8220disciple. & # 8221

& # 8230Tive a impressão de que meu caráter exigia aprimoramento e disciplina e com ele aprendi a não ser desviado para a emulação sofística, nem a escrever sobre assuntos especulativos, nem a fazer pequenas orações exortativas & # 8230 e a me abster de retórica e poesia , e boa escrita & # 8230

Esta é uma declaração direta não apenas sobre Rusticus, mas também sobre outra pessoa influente na vida de Marcus & # 8217: Fronto. Por um tempo, Fronto e Rusticus pareceram ter uma influência igual e oposta sobre Marcus. Rusticus era o campeão da filosofia, Fronto da retórica.

O que é empolgante é que podemos ver exatamente quando Marcus finalmente e decisivamente escolheu o caminho da filosofia adotada por Rusticus. Como professor de retórica, Fronto havia incumbido Marcus de uma tarefa: debater os dois lados de uma questão específica. Em uma carta a Fronto, Marcus escreve: & # 8220 [C] om bastante tempo disponível, não dei um átomo dele para a tarefa que você me deu para escrever. [O filósofo estóico] Os livros de Ariston e # 8217 agora me tratam bem & # 8230 & # 8221 Marcus concorda em terminar a tarefa que Fronto lhe deu como tutor, mas se recusa a seguir o caminho do retórico e # 8217 e argumentar os dois lados do debate . O filósofo defende o que é certo, ele não argumenta por argumentar.

Marcus fez sua escolha pela filosofia e recusou a retórica. Mais tarde, Fronto argumentou muito persuasivamente em favor da retórica, mas sem sucesso. Rusticus havia lhe mostrado um caminho melhor, um caminho tão acima das palavras floridas e floreios que Fronto não teve chance. Marcus tinha 25 anos quando fez sua escolha final, em 146-147.

& # 8230nem me exibir como um homem que pratica muita disciplina, ou faz atos benevolentes a fim de fazer uma exibição & # 8230 e não andar em casa com minha roupa de ar livre, nem fazer outras coisas do gênero & # 8230

Novamente voltamos à modéstia, bem como a razão por trás das ações. Realizamos ações benevolentes porque é a coisa certa a fazer, não para a aprovação de nossos colegas.

& # 8230e escrever minhas cartas com simplicidade, como a carta que Rusticus escreveu de Sinuessa para minha mãe

É uma pena que esta carta não tenha sobrevivido, porque seria maravilhoso comparar esta carta de Rusticus com as escritas por Fronto a Domita Lucila. As cartas de Fronto & # 8217s para ela não são nada simples.

& # 8230 e com respeito àqueles que me ofenderam com palavras, ou me maltrataram, a se disporem facilmente a serem pacificados e reconciliados, tão logo se mostrem dispostos a se reconciliar

O perdão é enfatizado em muitas religiões e filosofias, mas esta não é uma abordagem pacifista & # 8220 virar a outra face & # 8221. Marcus estava bem ciente de que tinha uma responsabilidade como imperador dos romanos. Ele tinha decisões difíceis a tomar, decisões não aceitas por todos aqueles que estavam sob seu poder. Quando eles estavam prontos para se reconciliar, Marcus também estava pronto. Mas ele se recusou a perdoar incondicionalmente ou a sacrificar seu julgamento apenas para evitar a ofensa.

Um dos exemplos mais conhecidos de clemência Aureliana foi o caso de seu antigo mestre Herodes. Herodes foi acusado de tentar defraudar o povo de Atenas de um legado em testamento, então os atenienses o levaram a julgamento. Herodes ficou indignado e criticou publicamente Marcus, acusando-o de tentar gratificar sua esposa com o julgamento. Ignorando o prefeito pretoriano que o ameaçou de morte, Herodes saiu do julgamento. Marcus ficou completamente calmo durante toda a provação e continuou o julgamento sem tentar se defender ou punir Herodes por sua insolência. Marcus considerou os libertos de Herodes & # 8217 culpados dos crimes acusados, mas ignorou completamente as palavras e ações de Herodes em relação a si mesmo.

& # 8230e ler com atenção, e não ficar satisfeito com uma compreensão superficial de um livro

A compreensão cuidadosa de um tema, ideia ou pessoa foi enfatizada no estoicismo. Voltaremos a isso com o tempo.

& # 8230 nem apressadamente dar meu consentimento àqueles que falam demais

Marcus sabia que seu papel era administrar a comunidade romana. Ele não apenas não daria sua energia para criar floreios retóricos, como também não seria convencido por eles. Ele não seria influenciado sem pesar cuidadosamente sua decisão.

& # 8230e devo a ele por conhecer os discursos de Epicteto, que me comunicou a partir de sua própria coleção.

Marcus certamente conhecia Sêneca. Fronto o menciona em cartas a Marcus. Mas o verdadeiro guia espiritual de Marcus e # 8217 foi Epicteto. Ele é citado repetidas vezes nas Meditações, seja diretamente ou parafraseado. Marcus leva tempo para reconhecer que Rusticus foi quem o apresentou a Epicteto.


Liberdade de expressão sob Marco Aurélio - História

Seria maravilhoso se a história fosse um quadro agradável de se ver.

Veja Marco Aurélio. Quando foi feito imperador em 161 EC, ele não poderia deixar de olhar para seus antecessores, a maioria dos quais não cumpria bem os deveres do cargo. Teria sido bom simplesmente desfrutar da pompa, do glamour e das tradições do escritório, mas fazer isso seria ignorar seus lados mais sombrios também. Por exemplo, em uma idade precoce, Marco Aurélio foi apresentado aos exemplos inspiradores de Catão, Thrasea e Helvídio, os estóicos cujas vidas instruíam na importância da igualdade perante a lei, liberdade de expressão e respeito aos direitos individuais. No entanto, não poderia ter escapado a ele que foram os imperadores do passado que perseguiram brutalmente e tiraram a vida desses bravos heróis.

Teria sido mais fácil não pensar nisso, mas ele precisava. Para que ele não queira repetir os erros do passado. Para que ele não queira cometer injustiças ele mesmo. Então Marcus lutou com isso. Ele parecia desconfortável com a verdade e tentou ser melhorado por isso. Ele era perfeito para isso? Não, claro que não. Infelizmente, a perseguição de Justino Mártir e outros cristãos sob Marco Aurélio foi muito semelhante à perseguição dos estóicos sob Nero e Domiciano. Mas ele tentou. Ele moveu a bola para frente, mesmo que um pouco.

Hoje, devemos fazer o mesmo. Qualquer que seja o país em que vivemos, qualquer partido a que pertencemos, qualquer geração a que pertencemos. Você, como americano, é capaz de realmente sentar e pensar sobre como tem sido para os negros neste país - não apenas durante a escravidão, mas muito mais recentemente? Você está familiarizado com a história de redlining, linchamento, poll tax, anulação do júri, Jim Crow, assédio policial e brutalidade? Você, como alemão, realmente estudou o Holocausto? Ou como britânico, francês ou holandês, você entende a perversidade do colonialismo? Como um turco, você honestamente olhou para o Genocídio Armênio? Como cidadão chinês ou russo, você consegue entender a extensão do enorme sofrimento e perdas humanas durante suas revoluções no século 20? Coisas horríveis foram feitas por pessoas boas. Coisas horríveis foram feitas por pessoas más, enquanto pessoas boas olhavam e diziam a si mesmas que não cabia a elas parar (ou que não era realmente tão ruim). Coisas horríveis ainda estão acontecendo, o legado dessas coisas ainda está muito vivo.

Não se trata apenas de raça ou nacionalidade: os médicos precisam lutar contra a crise dos opióides. A igreja com homofobia e escândalos de abuso. Os ex-agressores precisam lutar contra seu comportamento no pátio da escola. Futebol com contusões e segurança do jogador. Acadêmicos com seu apoio aos ditadores de esquerda. Hollywood com as listas negras. Pais com os erros que cometeram com os próprios filhos. E assim por diante.

É claro que não fazemos isso para nos açoitarmos, os estóicos sabem que você não pode mudar o passado. Mas você pode aprender com isso. Você pode acabar com o que aconteceu por muito tempo. Você pode fazer as pazes. Você pode nos ajudar a nos aproximar um pouco mais de uma sociedade mais justa. Nunca podemos ser perfeitos, disse Epicteto, mas podemos nos esforçar para ser melhores.

Devemos lutar com o passado & # 8230 para que possamos construir um futuro melhor. Começando hoje.


Liberdade de expressão sob Marco Aurélio - História

A filosofia, que havia conquistado tão completamente a mente de Marco Aurélio, era hostil ao Cristianismo. Fronton, seu tutor, parece ter sido preconceituoso contra os cristãos e sabemos que Marco Aurélio guardava como uma religião as lembranças de sua juventude e a impressão que seus mestres causavam. Em geral, os pedagogos gregos como classe se opunham à nova cultura. Orgulhoso de se considerar o pai de sua família, o preceptor se considerava ferido pelos catequistas analfabetos que agiam clandestinamente como espiões em suas funções e colocavam seus alunos em guarda contra ele. Esses pedantes, no mundo dos Antoninos, gozavam de um favor talvez exagerado. Muitas vezes as denúncias contra os cristãos partiam de professores conscienciosos, que se consideravam obrigados a salvar os jovens confiados aos seus cuidados por meio de uma propaganda indiscreta, contrariando as opiniões de suas famílias. Littérateurs do estilo de Ælius Aristides não se mostraram menos severos. Judeus e cristãos são para eles pessoas ímpias, que negam os deuses, inimigos da sociedade, perturbadores da paz das famílias, intrigantes que procuram se intrometer em toda parte, atrair tudo para si, lutadores atormentadores, presunçosos e malévolos. Alguns homens como Galieno, de espírito prático e também filósofos ou retóricos, mostravam menos parcialidade e, sem reservas, elogiavam a pureza, a austeridade, as maneiras agradáveis ​​dos sectários inofensivos que a calúnia conseguira transformar em odiosos malfeitores.

O princípio do imperador era manter as antigas máximas romanas em sua integridade. Portanto, não poderia ser senão que o novo reinado fosse pouco favorável à Igreja. A tradição romana é um dogma para Marco Aurélio, que o incita à virtude "como um homem, como um romano". Os preconceitos do estóico se duplicaram com os do patriota, e foi registrado que o melhor dos homens cometerá as faltas mais incômodas por excesso de seriedade, diligência e mente conservadora. Ah! se ele possuía algo da negligência de Hadrian ou a risada de Lucian.

Marco Aurélio certamente conhecia muitos cristãos. Ele os tinha entre seus servos, mas pouco estimava por eles. O tipo de sobrenatural que formava a base do Cristianismo era repugnante para ele, e ele tinha os sentimentos de todos os romanos contra os judeus. Não parece que qualquer edição do texto do Evangelho tenha chegado a seus olhos - o nome de Jesus era, talvez, desconhecido para ele, o que o que o impressionou como estóico foi a coragem do mártir. Mas uma característica o chocou, foi seu ar de triunfo, sua maneira de agir diante da morte. Essa bravata contra a lei parecia odiosa, pois ele via nisso um perigo. Além disso, o estoicismo não ensinava a buscar a morte, mas a suportá-la. Não havia Epicteto representado o heroísmo dos “galileus” como o efeito de um fanatismo obstinado? Ælius Aristides se expressou quase da mesma maneira. Essas mortes voluntárias pareciam ao augusto moralista tão pouco racionais quanto o suicídio teatral de Peregrino. Encontramos esta nota entre seus memorandos de pensamento: “Uma disposição da alma sempre pronta para ser separada do corpo, seja para ser aniquilada, para ser dispersada ou para continuar. Quando digo pronto, quero dizer que este deve ser o efeito 33 de um juízo adequado, não por pura oposição, pois entre os cristãos deve ser um ato reflexivo, grave, capaz de persuadir os outros, sem qualquer mistura de exibição trágica. ” Ele tinha razão, mas o verdadeiro liberal deve recusar tudo aos fanáticos, até o prazer de ser mártires.

Marco Aurélio não mudou nada das regras estabelecidas contra os cristãos. As perseguições foram o resultado dos princípios fundamentais do império combinados. Marco Aurélio, longe de exagerar a legislação anterior, mitigou-a com toda a sua energia, e uma das glórias de seu reinado é a extensão que deu aos direitos das faculdades. Seu decreto, pronunciando o banimento de agitações supersticiosas, aplicava-se ainda mais a profecias políticas ou a patifes que negociavam com a credulidade pública do que a religiões estabelecidas. No entanto, ele não foi totalmente à raiz, ele não aboliu completamente as leis contra o Collegia Illicita , e daí resultou alguma aplicação dessas nas províncias infinitamente lamentável. A censura que lhe pode ser feita é a mesma que se dirige aos soberanos dos nossos dias, que não suprimem, por um golpe de caneta, todas as leis restritivas relativas à liberdade de reunião, associação, imprensa. À distância estamos afastados dele, podemos ver que Marco Aurélio, ao ser mais liberal, foi mais sábio. Talvez o cristianismo, deixado livre, tivesse desenvolvido de forma menos desastrosa o princípio teocrático e absoluto que estava nele. Mas não podemos censurar um estadista por ter promovido uma revolução radical por uma previsão dos eventos que deveriam ocorrer muitos anos depois. Trajano, Adriano e Marco Aurélio não conseguiam entender os princípios da história geral e da economia política que foram realizados apenas no século 19 e 34, e que nossas últimas revoluções nos revelaram.

Em qualquer caso, quanto à aplicação das leis, a brandura do imperador estava a salvo de qualquer censura. Não temos, neste ponto, o direito de ser mais duros do que Tertuliano, que foi, na infância e na juventude, uma testemunha ocular desta luta fatal. “Consultem seus anais”, disse ele aos magistrados romanos, “e vocês descobrirão que os príncipes que foram cruéis conosco são aqueles a quem foi considerado uma honra ter como perseguidores. Ao contrário, de todos os príncipes que conheceram a lei divina e humana, cite um deles que perseguiu os cristãos. Podemos até citar um deles que se declarou seu protetor, o sábio Marco Aurélio. Se ele não revogou abertamente os decretos contra nossos irmãos, ele destruiu o efeito deles pelas severas penalidades que instituiu contra seus acusadores. ” A torrente de admiração universal arrebatou os próprios cristãos. “Grande” e “bom” - essas foram as duas palavras com que um cristão do século III resumiu o caráter desse perseguidor brando.

É preciso lembrar que o Império Romano era dez ou doze vezes maior que a França e que a responsabilidade do imperador pelas sentenças pronunciadas nas províncias era muito pequena. Deve ser especialmente lembrado que o Cristianismo nada exigia senão liberdade de culto; todas as outras religiões que eram toleradas eram bastante livres no império, o que dava ao Cristianismo, e anteriormente ao Judaísmo, uma posição distinta era sua intolerância, seu espírito de exclusividade.A liberdade de pensamento era absoluta. De Nero a Constantino, nenhum pensador, nenhum erudito foi perturbado em suas pesquisas.

A lei era a perseguidora, mas o povo era ainda mais. Os maus relatos espalhados pelos judeus 35 e mantidos por malignos missionários, espécie de mercadores da calúnia, afastavam as mentes mais moderadas e sinceras. O povo se apegou a suas superstições e se irritou com aqueles que os atacaram com sarcasmo. Até mesmo algumas pessoas iluminadas, como Celsus e Apuleius, acreditavam que a fragilidade política da época surgiu do progresso da descrença na religião nacional. A posição dos cristãos era a de um missionário protestante estabelecido em uma cidade muito católica na Espanha e pregando contra os santos, a Virgem e as procissões. Os episódios mais tristes de perseguição sob Marco Aurélio surgiram do ódio do povo. A cada fome, inundação e epidemia, o grito "Os cristãos ao leão!" ressoou como uma ameaça sombria. Nunca um reinado testemunhou tantas calamidades que o povo acreditou que os deuses estavam zangados, e redobrou sua devoção eles convocaram os atos expiatórios. A atitude dos cristãos, em meio a tudo isso, permaneceu obstinadamente desdenhosa, ou mesmo provocadora. Freqüentemente, eles recebiam sua condenação com um insulto ao juiz. Diante de um templo ou de um ídolo respiravam com dificuldade, como se para repelir uma coisa impura, ou fizessem o sinal da cruz. Não era raro ver um cristão parar diante de uma estátua de Júpiter ou Apolo e dizer a ela enquanto a golpeava com seu cajado: “Bem, veja, seu deus não o vinga!” A tentação era forte em tal caso de prender o sacrílego e crucificá-lo, dizendo: "E o teu deus te vinga!" Os filósofos epicureus não eram menos hostis a essas superstições vulgares e, no entanto, não as perseguiam. Nunca se viu um filósofo forçado a oferecer sacrifícios, a jurar pelo imperador ou a carregar flambeaux. O filósofo poderia ter consentido com aquelas formalidades vãs, e isso bastava sem que mais fosse pedido.

Todos os pastores, todos os homens graves dissuadiram os fiéis de se oferecerem como mártires, mas não puderam vencer um fanatismo que via na condenação o maior triunfo e na punição uma espécie de prazer. Na Ásia, essa sede de morte era contagiosa e produzia certos fenômenos análogos aos que, mais tarde, se desenvolveram em larga escala entre as “circonceliões” da África. Um dia, o procônsul da Ásia, Arrius Antoninus, tendo ordenado certos procedimentos rigorosos contra alguns cristãos, viu todos os crentes da cidade se apresentarem em um corpo na barra de seu tribunal reivindicando o direito de seus correligionários escolhidos para o martírio Arrius Antoninus , furioso, fez com que levassem um pequeno número à punição, mandando embora os outros com as palavras: “Saiam então, seus desgraçados! Se você deseja tanto morrer, você tem precipícios e cordas! ”

Quando, no coração de um grande estado, uma facção tem certos interesses opostos aos de todas as outras, o ódio é inevitável. Agora os cristãos desejavam, no fundo, que tudo corresse da pior maneira. Longe de fazer causa comum com os bons cidadãos e procurar exorcizar os perigos de sua terra natal, os cristãos se alegraram com isso. Os montanistas e toda a Frígia foram ao extremo da loucura em suas profecias malignas contra o império. Eles podiam se imaginar voltando aos tempos do grande Apocalipse de 69. Esses tipos de profecias constituíam um crime proibido por lei. A sociedade romana sentia instintivamente que estava ficando mais fraca, mas via vagamente as causas dessa fraqueza que os colocava, não sem alguma razão, no Cristianismo. Ele imaginou que um retorno aos deuses antigos lembraria a fortuna. Esses deuses haviam feito a grandeza de Roma e deveriam estar irritados agora com as blasfêmias dos cristãos. A maneira de apaziguá-los era não matar os cristãos? Sem dúvida, estes últimos não suspenderam suas zombarias quanto à inanidade dos sacrifícios e dos meios que empregaram para repelir a praga. O que eles pensariam na Inglaterra de um cético explodindo em gargalhadas em público em um dia de festa e oração comandado pela Rainha?

Algumas calúnias atrozes, alguns escárnios sangrentos foram a vingança que os pagãos fizeram. A mais abominável das calúnias era a acusação de adorar os padres com abraços vergonhosos. A atitude do penitente na confissão deu origem a este relato vergonhoso. Algumas caricaturas odiosas circularam entre o público e foram colocadas nas paredes. A fábula absurda, segundo a qual os judeus adoravam um burro, fazia imaginar que acontecesse a mesma coisa com os cristãos. Aqui estava, a imagem de uma pessoa crucificada com uma cabeça de asno recebendo a adoração de um rapaz estúpido. Em outros detalhes era um com uma capa comprida e orelhas compridas, os pés em tamancos, e ele segurava um livro com um ar devoto, enquanto este epigrama estava abaixo da representação, DEVS CHRISTIANORVM ONOKOITHC (o Deus unigênito dos Cristãos) . Um judeu apóstata, que se tornara assistente do anfiteatro, pintou uma grande caricatura em Cartago nos últimos anos do segundo século. Um galo misterioso, tendo um ápalo por bico e com a inscrição C Ω THP KOCMO Υ (Salvador do mundo), também tinha uma relação com as crenças cristãs.

O gosto dos catequistas pelas mulheres e crianças deu margem a mil gracejos. Em oposição à aridez do paganismo, a igreja produziu o efeito de um conventículo de pessoas efeminadas. O terno sentimento de cada um em relação ao outro, mostrado na aspasmos e glorificado pelo martírio, criou uma espécie de atmosfera de suavidade, 38 cheia de atração para as almas gentis e de perigo para outras pessoas. Esse movimento de boas mulheres preocupadas com a igreja, o hábito de chamar um ao outro de irmão e irmã, esse respeito pelo bispo, demonstrado por frequentemente se ajoelhar diante dele, tinha algo de repulsivo e que provocava interpretações desagradáveis. O grave preceptor, que se viu privado de seus alunos por essa atração feminina, concebeu por ela um ódio profundo e acreditou que estava servindo ao Estado procurando vingar-se dele. As crianças, de fato, se deixavam atrair facilmente pelas palavras de ternura mística que as alcançavam secretamente, e às vezes isso lhes rendia severos castigos dos pais.

Assim, a perseguição atingiu um grau de energia que não havia alcançado até agora. A distinção entre o simples fato de ser cristão e certos crimes ligados ao nome foi esquecida. Dizer: “Eu sou cristão” - era assinar uma declaração cuja consequência poderia ser uma sentença de morte. O terror tornou-se a condição habitual da vida cristã. As denúncias vieram de todos os lados, especialmente de escravos, judeus e pagãos. A polícia, sabendo os dias e o local quando e onde aconteciam suas reuniões, fez incursões repentinas no corredor. O questionamento das pessoas inculpadas fornecia aos fanáticos ocasiões de gracejos. o Atos destes processos foram recolhidos pelos fiéis como documentos triunfais eles os circularam, eles os leram com avidez, eles fizeram deles uma espécie de literatura. O comparecimento aos juízes tornou-se uma preocupação para a qual eles se prepararam com coquetismo. A leitura desses jornais, quando a melhor parte sempre cabia ao acusado, exaltou a imaginação, provocou imitadores e inspirou ódio à sociedade civil, e um estado de coisas onde pessoas boas poderiam ser tratadas assim. As terríveis punições da lei romana foram aplicadas com toda a sua severidade. O cristão como humilior , e mesmo como um miserável, foi punido pela cruz, bestas, fogo, a vara. Às vezes, a morte era substituída por condenações às minas e transporte para a Sardenha. Mitigação cruel! Os juízes, ao “colocar a questão”, foram guiados por uma disposição completamente arbitrária e, às vezes, por uma perfeita perversão de idéias.

Houve aqui um espetáculo miserável. Ninguém sofreu mais com isso do que o verdadeiro amigo da filosofia. Mas o que pode ser feito? Duas coisas contraditórias não poderiam existir ao mesmo tempo. Marco Aurélio era romano, quando perseguiu agiu como romano. Por sessenta anos, um imperador, de bom coração, mas menos esclarecido em mente do que Marco Aurélio, Alexandre Severo, executará sem levar em conta quaisquer máximas romanas os verdadeiros princípios do liberalismo, ele concederá total liberdade de consciência e retirará o leis restritivas da liberdade de reunião. Nós aprovamos isso completamente. Mas Alexandre Severo fez isso porque era um sírio e um estranho à tradição imperial. Ele falhou, além disso, completamente em seu empreendimento. Todos os grandes restauradores dos negócios romanos, que aparecerão depois dele, Décio, Aureliano, Diocleciano, retornarão aos princípios estabelecidos e seguidos por Trajano, Antonino e Marco Aurélio. A perfeita paz de consciência experimentada por esses homens não deveria, portanto, nos surpreender; foi evidentemente com absoluta serenidade de coração que Marco, em particular, dedica no Capitólio um templo para sua deusa favorita “Bondade”.


Tornando-se Imperador

Depois que seu pai adotivo morreu em 161, Aurelius subiu ao poder e era oficialmente conhecido como Marco Aurelius Antoninus Augustus. Enquanto algumas fontes indicam que Antoninus o escolheu como seu único sucessor, Aurelius insistiu que seu irmão adotivo serviu como seu co-governante. Seu irmão era Lucius Aurelius Verus Augustus (geralmente referido como Verus).

Ao contrário do governo pacífico e próspero de Antonino, o reinado conjunto dos dois irmãos foi marcado por guerra e doenças. Na década de 160, eles lutaram com o império parta pelo controle das terras no leste. Verus supervisionou o esforço de guerra enquanto Aurelius permaneceu em Roma. Muito de seu sucesso neste conflito foi atribuído aos generais trabalhando sob o comando de Vero, especialmente Avidius Cassius. Mais tarde, ele foi nomeado governador da Síria. Os soldados que voltaram trouxeram algum tipo de doença com eles para Roma, que durou anos e exterminou uma parte da população.

Quando a Guerra Parta terminou, os dois governantes tiveram que enfrentar outro conflito militar com tribos alemãs no final dos anos 160. Tribos alemãs cruzaram o rio Danúbio e atacaram uma cidade romana. Depois de levantar os fundos e as tropas necessárias, Aurelius e Verus foram lutar contra os invasores. Verus morreu em 169, então Aurelius continuou sozinho, tentando afastar os alemães.


Fontes primárias

(1) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro I: Parágrafos 1-16

Com meu avô, Verus, aprendi boa moral e como governar meu temperamento. (1)

Da reputação e lembrança de meu pai, modéstia e um caráter viril. (2)

De minha mãe, piedade e beneficência, e abstinência, não só de más ações, mas até de maus pensamentos e mais, simplicidade em minha maneira de viver, longe dos hábitos dos ricos. (3)

Do meu bisavô, por não ter frequentado escolas públicas e por ter bons professores em casa, e por saber que com essas coisas um homem deve gastar liberalmente. (4)

De Rusticus recebi a impressão de que meu caráter exigia aperfeiçoamento e disciplina e dele aprendi a não me deixar enganar pela emulação sofística, nem a escrever sobre assuntos especulativos, nem a fazer pequenos discursos exortativos, nem a me exibir como um homem que pratica muita disciplina, ou faz atos benevolentes a fim de exibir e abster-se de retórica, poesia e boa escrita e não andar em casa com minha roupa de ar livre, nem fazer outras coisas do gênero e escrever minhas cartas com simplicidade e diabos. Devo a ele por estar familiarizado com os discursos de Epicteto, que ele me comunicou fora de sua própria coleção. (7)

De Alexandre, o gramático, para abster-se de encontrar defeitos, e não de forma reprovadora para repreender aqueles que proferiram qualquer expressão bárbara ou solecística ou de som estranho, mas com destreza para introduzir a própria expressão que deveria ter sido usada, e no caminho de responder ou dar confirmação, ou juntar-se a uma indagação sobre a coisa em si, não sobre a palavra, ou por alguma outra sugestão apropriada. (10)

Com Fronto, aprendi a observar o que há de inveja, duplicidade e hipocrisia em um tirano, e que geralmente aqueles entre nós que são chamados de Patrícios são bastante deficientes no afeto paterno. (11)

De meu irmão Severus, para amar minha família, e para amar a verdade, e para amar a justiça e o inferno, eu aprendi com ele também consistência e firmeza inabalável em minha consideração pela filosofia e uma disposição para fazer o bem, e dar aos outros prontamente e estimar boas esperanças, e acreditar que sou amado por meus amigos e nele não observei esconder suas opiniões a respeito daqueles que ele condenou, e que seus amigos não tinham necessidade de conjeturar o que ele desejava ou não desejava, mas estava bastante claro. (14)

Com Máximo aprendi o autogoverno e a não ser desviado por nada e alegria em todas as circunstâncias, bem como na doença e uma justa mistura no caráter moral de doçura e dignidade, e a fazer o que me foi proposto sem reclamar . (15)

Em meu pai (Imperador Antonino Pio) observei brandura de temperamento e resolução imutável nas coisas que ele havia determinado após a devida deliberação e nenhuma vanglória naquelas coisas que os homens chamam de honras e um amor ao trabalho e perseverança e uma prontidão para ouvir aqueles que nada tinham a propor para o bem-estar comum e firme firmeza em dar a cada homem de acordo com seus méritos e um conhecimento derivado da experiência das ocasiões de ação vigorosa e de remissão. E observei que ele havia superado toda paixão por meninos e se considerava não mais do que qualquer outro cidadão & hellip. Além disso, ele homenageava aqueles que eram verdadeiros filósofos, e não censurava aqueles que se fingiam de filósofos, nem tampouco era facilmente enganado por eles. Ele também conversava com facilidade e se tornava agradável, sem nenhuma afetação ofensiva. Ele cuidou razoavelmente da saúde do seu corpo, não como alguém muito apegado à vida, nem por consideração à aparência pessoal, nem ainda de forma descuidada, mas para que, através de sua própria atenção, muito raramente tivesse necessidade da arte do médico ou da medicina ou aplicações externas. Ele estava mais disposto a ceder sem inveja àqueles que possuíam alguma faculdade particular, como a de eloqüência ou conhecimento da lei ou da moral, ou de qualquer outra coisa e deu-lhes sua ajuda, para que cada um pudesse gozar de reputação de acordo com seu desertos e ele sempre agiu em conformidade com as instituições de seu país, sem mostrar qualquer afetação de fazê-lo & hellip. Seus segredos não eram senão poucos e muito raros, e estes apenas sobre assuntos públicos e ele mostrou prudência e economia na exibição dos espetáculos públicos e na construção de edifícios públicos, suas doações ao povo, e em tais coisas, para ele era um homem que olhava para o que deveria ser feito, não para a reputação que se obtém pelos atos de um homem. (16)

(2) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro II: Parágrafos 1-5

Pois somos feitos para a cooperação, como pés, como mãos, como pálpebras, como as fileiras dos dentes superiores e inferiores. Agir uns contra os outros então é contrário à natureza e é agir um contra o outro ser contrariado e se afastar. (1)

Ao acordar de manhã, diga a si mesmo: as pessoas com quem lido hoje serão intrometidas, ingratas, arrogantes, desonestas, ciumentas e rudes. Eles são assim porque não conseguem distinguir o bem do mal. (1)

Há um limite de tempo atribuído a você e, se você não o usar para se libertar, ele irá embora e nunca mais voltará. (4)

Sim, você pode - se você fizer tudo como se fosse a última coisa que você está fazendo na sua vida, e parar de ficar sem rumo, parar de deixar que suas emoções anulem o que sua mente lhe diz, pare de ser hipócrita, egocêntrico, irritável. (5)

(3) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro III: Parágrafos 5-13

Um homem deve ser reto, não mantido ereto. (5)

Nunca considere algo como uma vantagem para você que o faça quebrar sua palavra ou perder o respeito próprio. (7)

Lembre-se de que o homem vive apenas no presente, neste instante fugaz todo o resto de sua vida já passou e se foi, ou ainda não foi revelado. Curta, portanto, é a vida do homem, e estreito é o canto da terra em que ele habita. (10)

Nada tem tanto poder de ampliar a mente quanto a habilidade de investigar sistemática e verdadeiramente tudo o que vem sob tua observação na vida. (11)

Assim como os cirurgiões mantêm seus instrumentos e facas sempre à mão para os casos que requerem tratamento imediato, assim deves ter teus pensamentos prontos para entender as coisas divinas e humanas, lembrando em cada ato, mesmo o menor, quão próximo é o vínculo que os une. (13)

(4) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro IV: Parágrafos 3-20

Os homens procuram refúgios para si próprios, casas no campo, praias e montanhas e você também costuma desejar muito essas coisas. Mas isso é totalmente uma marca do tipo mais comum de homens, pois está em seu poder sempre que você escolher se retirar para dentro de si mesmo. Pois em nenhum lugar com mais tranquilidade ou mais liberdade de problemas um homem se retira do que em sua própria alma. (3)

Se a nossa parte intelectual é comum, também a razão pela qual somos seres racionais é comum: se assim for, comum também é a razão que nos ordena o que fazer e o que não fazer, se assim for, há uma lei comum também se for assim, somos concidadãos se for assim, somos membros de alguma comunidade política se for assim, o mundo é de certa forma um estado. (5)

Aquele que tem um desejo veemente de fama póstuma não considera que cada um daqueles que se lembram dele também morrerá muito em breve, então novamente também aqueles que os sucederam, até que toda a lembrança se extinga ao ser transmitida por homens que admiro tolamente e perece. (20)

(5) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro V: Parágrafos 1-30

Ao amanhecer, quando você tiver problemas para sair da cama, diga a si mesmo: & lsquoEu tenho que ir trabalhar & # 8211 como ser humano.Do que eu tenho que reclamar, se vou fazer o que nasci para fazer & # 8211 as coisas que fui trazido ao mundo para fazer? Ou é para isso que fui criado? Para se aconchegar sob os cobertores e se manter aquecido? (1)

As pessoas que amam o que fazem se desgastam fazendo isso, até se esquecem de se lavar ou comer. Você tem menos respeito por sua própria natureza do que o gravador pela gravura, o dançarino pela dança, o avarento por dinheiro ou o alpinista social por status? Quando estão realmente possuídos pelo que fazem, preferem parar de comer e dormir a desistir de praticar suas artes. Ajudar os outros é menos valioso para você? Não vale o seu esforço? (1)

Algumas pessoas, quando fazem um favor a alguém, estão sempre procurando uma chance de cobrar. E outras não, mas ainda estão cientes disso - ainda consideram isso uma dívida. Mas outros nem mesmo fazem isso. São como uma videira que produz uvas sem procurar nada em troca. (6)

As coisas em que você pensa determinam a qualidade de sua mente. Sua alma assume a cor de seus pensamentos. (16)

A mente é a governante da alma. Não deve ser perturbado por agitações da carne - tanto as gentis quanto as violentas. (26)

A inteligência do universo é social. (30)

(6) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro VI: Parágrafos 6-54

A melhor vingança é não ser como seu inimigo. (6)

Se algum homem pode me convencer e trazer para casa para mim que eu não penso ou ajo corretamente, eu mudarei de bom grado porque eu procuro a verdade, pela qual o homem nunca foi prejudicado. Mas é prejudicado aquele que persiste ainda em seu engano e ignorância. (21)

Tome cuidado para não se transformar em um César, para não ser mergulhado na tinta roxa, pois isso acontece. Mantenha-se, portanto, simples, bom, puro, sério, não afetado, amigo da justiça, religioso, gentil, afetuoso, forte para o seu próprio trabalho. Lute para ser o homem que a filosofia desejou fazer de você. Reverencie os deuses, salve os homens. A vida é breve, há apenas uma colheita da existência terrena, uma disposição sagrada e atos de boa vizinhança. (30)

O que não é bom para o enxame não é bom para a abelha. (54)

(6) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro VII: Parágrafos 8-69

Nunca deixe o futuro perturbá-lo. Você o enfrentará, se for preciso, com as mesmas armas da razão que hoje o armam contra o presente. (8)

Para um ser racional, é a mesma coisa agir de acordo com a natureza e de acordo com a razão. (11)

Alguém tem medo da mudança? Por que o que pode acontecer sem mudança? (18)

É dever peculiar do homem amar até mesmo aqueles que o prejudicam. (22)

Adorna-te com simplicidade e indiferença para com as coisas que estão entre a virtude e o vício. Ame a humanidade. Siga a Deus. O poeta diz que a lei tudo rege. E basta lembrar que a lei tudo rege. (31)

Esta é uma bela frase de Platão: Aquele que está discursando sobre os homens deve olhar também para as coisas terrenas como se as visse de algum lugar superior, deve olhar para elas. uma mistura de todas as coisas e uma combinação ordenada de contrários. (48)

Olhar para dentro. Dentro está a fonte do bem, e ela sempre borbulhará, se você cavar. (59)

A arte da vida é mais parecida com a arte do lutador do que com a do dançarino, a esse respeito, que deve estar pronta e firme para enfrentar ataques repentinos e inesperados. (61)

Muito pouco é necessário para ter uma vida feliz. (67)

Viver cada dia como se fosse o último, nunca perturbado, nunca apático, nunca atitudinando & # 8211 aqui é a perfeição de caráter. (69)

(7) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro VIII: Parágrafos 16-59

Mudar de ideia e seguir Aquele que o corrige é, no entanto, ser o agente livre que você era antes. (16)

Na constituição desse animal racional, não vejo virtude que se oponha à justiça, mas vejo uma virtude que se opõe ao amor ao prazer, que é a temperança. (39)

Não é adequado que eu deva causar dor a mim mesmo, pois nunca dei dor intencionalmente nem mesmo a outra pessoa. (42)

Aquele que teme a morte, ou teme perder todas as sensações ou teme novas sensações. Na realidade, ou você não sentirá absolutamente nada e, portanto, nada de mal, ou então, se puder sentir alguma sensação, será uma nova criatura e, portanto, não terá deixado de ter vida. (58)

Os homens existem para o benefício uns dos outros. Ensine-os então ou tenha paciência com eles. (59)

(8) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro IX: Parágrafos 5-23

Freqüentemente, um transgressor é um homem que deixou algo por fazer, nem sempre alguém que fez algo. (5)

A felicidade e a infelicidade do animal racional e social não dependem do que ele sente, mas do que faz, assim como sua virtude e vício consistem não em sentir, mas em fazer. (16)

Como tu mesmo és uma parte componente de um sistema social, então que cada ato teu seja uma parte componente da vida social. Qualquer ato teu que não tenha referência, seja imediata ou remotamente, a um fim social, isso dilacera tua vida, e não permite que seja um, e é da natureza de um motim, assim como quando em um popular montagem um homem agindo por si mesmo está à parte do acordo geral. (23)

(9) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro X: Parágrafos 4-33

Se um homem estiver errado, instrua-o gentilmente e mostre-lhe seu erro. Mas se você não é capaz, culpe a si mesmo. (4)

Lembrando então que sou parte de tal todo, ficarei contente com tudo o que acontece. E na medida em que estou intimamente relacionado com as partes que são da mesma espécie comigo, não farei nada anti-social, mas antes devo dirigir-me às coisas que são da mesma espécie comigo, e voltarei todos os meus esforços para o interesse comum, e desviá-los do contrário. (6)

Não perca mais tempo discutindo o que um bom homem deve ser. Seja um. (16)

Apenas ao animal racional é dado seguir voluntariamente o que acontece, mas simplesmente seguir é uma necessidade imposta a todos. (28)

E, por fim, lembre-se de que nada prejudica aquele que é realmente um cidadão, que não prejudica o Estado, nem tampouco prejudica o Estado que não prejudique a lei e a ordem e dessas coisas que se chamam desgraças nenhuma fere a lei. O que então não prejudica a lei não prejudica nem o estado nem o cidadão. (33)

(10) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro XI: Parágrafos 4 e 23

Fiz algo pelo interesse geral? Bem, então eu tive minha recompensa. Deixe que isso esteja sempre presente em sua mente e nunca pare de fazer esse bem. (4)

Sócrates costumava chamar as opiniões de muitos pelo nome de Lamiae, bugbears para assustar as crianças. (23)

(11) Marcus Aurelius, As meditações (c 165-180) Livro XII: parágrafos 22 e 29

Considere que tudo é opinião, e a opinião está em seu poder. (22)

Conheça a alegria da vida acumulando boas ações sobre boas ações até que nenhuma fenda ou fenda apareça entre eles. (29)


Marco Aurélio foi o primeiro governante a tentar construir um estado centrado em "liberdade de expressão", "citar qualidade perante a lei" e governo "que respeita acima de tudo a liberdade dos governados" ou apenas alguém carregando uma tocha de reformadores anteriores?

Eu estava lendo Meditações hoje e me deparei com esta passagem:

& quotDe meu “irmão” [Claudius] Severus. e dele recebi a ideia de um regime no qual existe a mesma lei para todos, um regime administrado com relação a direitos iguais e igual liberdade de expressão, e a ideia de um governo real que respeita acima de tudo a liberdade do governado & quot

Embora Roma tenha tido tribunais de justiça por muito tempo, eles eram notoriamente partidários e classistas às vezes. A liberdade de expressão foi certamente restringida e punida pelos ditadores e imperadores de Roma. E raramente ouvi o sentimento de que um governo deveria respeitar acima de tudo a liberdade de seus cidadãos usada tão cedo na história das civilizações.

Embora os filósofos anteriores tenham tocado em alguns desses tópicos, esta foi a primeira vez que ouvi falar de um governante ou governo tentando realizá-los de uma maneira combinada. Tendo a pensar na adoção dessas idéias como sendo produto do iluminismo, não da era clássica.

A intenção declarada de Marcus & # x27s foi original entre os governantes ou os governantes anteriores apoiavam os mesmos objetivos? Como é o progresso histórico da implementação dessas metas?

Marco Aurélio quase certamente não acreditava nessas coisas em nenhum sentido significativo, se ele acreditava, ele não foi o primeiro e, independentemente de acreditar ou não nelas, ele não tentou torná-las realidade.

A passagem ocorre na abertura de seu Meditações (1.14.1), onde lista várias outras pessoas que influenciaram seu pensamento. Será útil ver esta passagem no grego original, pelos motivos que explicarei abaixo:

(.) Παρὰ τοῦ ἀδελφοῦ μου Σεουήρου φαντασίαν λαβεῖν πολιτείας ἰσονόμου, κατ̓ ἰσότητα καὶ ἰσηγορίαν διοικουμένης, καὶ βασιλείας τιμώσης πάντων μάλιστα τὴν ἐλευθερίαν τῶν ἀρχομένων:

Recebi do meu irmão Severus (.) A ideia de um regime no qual existe a mesma lei para todos, um regime administrado com respeito à igualdade de direitos e igual liberdade de expressão, e a ideia de um governo real que respeita acima de tudo a liberdade dos governados.

A primeira coisa a notar é que esta única frase é a totalidade de seus pensamentos sobre o assunto. Ele não tem mais a dizer sobre isso aqui ou em outro lugar. Ele está simplesmente listando idéias e características que aprendeu com outras pessoas Severus é creditado com uma longa lista de outras coisas além disso, como amor à família e compromisso com a filosofia, e nenhum destes tem mais peso do que os outros.

A segunda coisa a notar é que & # x27idea & # x27 é uma tradução bastante generosa da palavra grega Marcus Aurelius usada para descrever uma constituição baseada na igualdade e liberdade de expressão, que soará familiar o suficiente para falantes de inglês: fantasia. A palavra tendia a se referir (então como agora) a imagens, visões e aparições - não coisas reais e tangíveis. Na melhor das hipóteses, nosso Marcus está dizendo que aprendeu com Severus a entreter essa noção de forma abstrata, como um experimento mental. Ele nem mesmo diz se acha ou não que tem potencial.

O que esse experimento mental significava para ele? Aqui & # x27s onde o grego realmente importa. Marco Aurélio se autodenominou um estóico - um filósofo que aderiu a uma escola de pensamento que se desenvolveu nas colunatas (stoas) da praça do mercado ateniense (ágora) Essa era uma tradição filosófica inteiramente grega, e podemos presumir que Marco Aurélio teria lido e contemplado uma grande quantidade de escritos gregos sobre filosofia e história. Geralmente, a elite educada romana via os gregos como mestres da oratória e da filosofia, e uma quantidade considerável de qualquer educação romana rica consistia em ler clássicos da literatura grega e pensar sobre as diferenças entre a cultura e a sociedade grega e romana. É por isso que o próprio imperador romano Marco Aurélio escreveu seu Meditações na linguagem de toda filosofia digna desse nome: grego, não latim.

Uma parte conveniente de usar o grego para descrever uma ideia como a acima é que ela já tinha o vocabulário para descrevê-la. As palavras usadas na passagem acima foram bem estabelecidas em obras históricas e filosóficas gregas: isonomia (igualdade perante a lei), isotês (igualdade), isegoria (literalmente & quotequalidade do mercado & quot, mas significando liberdade de expressão), e Eleutheria (liberdade). Por que o grego tem todas essas palavras? Porque já existiu uma sociedade que se definia inteiramente por esses valores: a democracia de Atenas.

Como forma de governo, a democracia ocorre pela primeira vez em nossas fontes sob o nome isonomia - igualdade perante a lei. O princípio básico da democracia que foi instalada em Atenas em 507 aC e totalmente estabelecida por volta de 461 aC era que todo cidadão adulto do sexo masculino tinha os mesmos direitos que todos os outros. Não havia exigência de propriedade para votar ou participar de conselhos ou atuar como magistrado (com algumas exceções), nenhum grupo era privilegiado nos tribunais e o sistema político foi projetado de tal forma que nenhum clã ou facção pudesse dominar o governo de o Estado. Foi isso isonomia que separou Atenas de outros estados gregos, muitos dos quais excluíram os pobres do poder. Foi somente no final do século V aC que essa forma de governo passou a ser conhecida por seu famoso nome, demokratia - poder do povo.

Os autores gregos do período clássico refletiram muito sobre a idéia ateniense à medida que ela se espalhava pelo mundo grego, e grandes nomes como Platão e Aristóteles tinham muito a dizer sobre a democracia e seus princípios orientadores. Não é surpreendente, então, que Marcus Aurelius & # x27 refletindo sobre uma constituição baseada na igualdade legal se parece com uma lista de verificação da ideologia democrática ateniense. A Atenas democrática foi uma sociedade construída sobre o conceito de direitos iguais para todos, e que só poderia funcionar se todos os cidadãos tivessem o direito de falar protegido (no ágora e a Assembleia) em vez de aceitar silenciosamente o julgamento de seus superiores sociais, como era esperado dos nascidos de classe baixa em outros estados gregos. Era uma forma de governo que assumia e defendia a liberdade de todos os seus cidadãos ao invés de oprimir alguns para o benefício de outros (ou então eles disseram que nunca questionaram sua opressão sistêmica às mulheres e aos escravos). A ligação específica entre direitos iguais e liberdade de expressão é fundamental para a democracia ateniense, uma não poderia existir sem a outra. Há até algumas evidências de que os atenienses desaprovam e suspeitam de pessoas que nunca usaram sua liberdade de falar em público, uma vez que a democracia não sobreviveria se as pessoas não contribuíssem.

Em suma, tudo o que nosso Marcus está realmente dizendo é que, por sugestão de Severus & # x27, ele passou algum tempo lendo sobre a democracia ateniense. Para ele, era apenas um dos experimentos de governo mais pitorescos e radicais que haviam sido tentados no passado distante - adequado para um experimento mental, mas não para aplicação na vida real. Existem dois conceitos-chave ausentes neste parágrafo: primeiro, o nome adequado para esta & quotpolidade de direitos iguais & quot, ou seja, demokratia (democracia) e em segundo lugar, o infame corolário da liberdade de expressão, parrêsia. Esta palavra também significa "liberdade de expressão", mas mais no sentido de franqueza, a liberdade assumida de falar sem consideração pela propriedade ou respeito, que não é o que queremos dizer com "liberdade de expressão" no sentido jurídico, mas tende a ser o que queremos dizer por ele no uso diário. Aos olhos dos autores gregos, este parrêsia era o que tornava a democracia ateniense particularmente difícil de engolir: quem esses atenienses sem um tostão pensavam que eram, gritando insultos aos superiores, quando em outros estados seriam pouco melhores do que escravos? É compreensível que esses sejam os dois conceitos específicos ausentes do texto de Marco Aurélio & # x27. Eles são os elementos mais subversivos da ideologia democrática ateniense e as partes menos compatíveis com o governo de um imperador. Nosso Marcus fica feliz em considerar a igualdade, mas ressalta que ela deve estar sob o olhar severo de um rei.

Curiosamente, a palavra parrêsia ocorre no Meditações, apenas alguns parágrafos acima do que estamos discutindo aqui. Entre outras coisas maravilhosas, como não acreditar em místicos e não perder tempo criando codornizes, Diognetos ensinou a Marco Aurélio "como suportar a liberdade de expressão". Aqui a palavra não é isegoria mas parrêsia. O imperador, longe de encorajá-lo e estabelecê-lo, teve que aprender a suportá-lo - a ser paciente quando as pessoas ao seu redor apenas dissessem o que pensavam, em vez de se lembrar de cuja augusta presença eles estavam. Isso mostra a atitude mais natural de um Imperador romano para a ideia de liberdade de expressão ateniense. Naturalmente, ele não podia fazer mais do que suportar parrêsia, e nunca consideraria a anarquia absoluta de um estado em que era protegido pela lei.

É a partir dos elementos que faltam em sua linha sobre uma constituição de direitos iguais que podemos ver sua atitude (e a do romano em geral) em relação à democracia grega. De todos os autores romanos dos períodos republicano e imperial, temos a sensação de que as elites romanas podem ter admirado Atenas por suas realizações culturais e científicas, mas desprezaram e desconfiaram de sua forma de governo. Em sua opinião, o povo tinha muito poder e liberdade nessas democracias, e o resultado foi um estado de semi-anarquia que os tornou ineficazes como Estados e não confiáveis ​​como aliados. Em suas relações com os estados gregos, os romanos preferiam trabalhar com oligarquias e indivíduos ricos, em vez de assembléias indisciplinadas e imprevisíveis. A liberdade e a igualdade eram muito boas, mas eles tinham que ter seus limites e o estado tinha que ser governado por aqueles mais adequados para a tarefa. Os gregos tinham democracia, mas os romanos tinham a República, na qual os pobres tinham voz, mas os ricos mandavam.

Durante séculos, durante o período clássico e helenístico, apesar de suas guerras intermináveis ​​e tiranos e reis vorazes, os gregos conheceram a democracia de uma forma ou de outra. Mas, na época em que os romanos dominaram o Mediterrâneo, todos os sistemas democráticos de governo haviam desaparecido. No primeiro século aC, todos os estados gregos eram efetivamente administrados por estreitas oligarquias daqueles homens ricos que podiam se orgulhar dos laços mais estreitos e da maior boa vontade com Roma. Em outras palavras, foram os romanos que finalmente extinguiram a centelha da democracia - foi sua nova supremacia que destruiu quaisquer alternativas ao tipo de governo que preferiam. A ironia de Marcus Aurelius & # x27 reflexões ociosas sobre alguns princípios cuidadosamente selecionados da democracia ateniense é que ele foi o imperador do povo que finalmente a matou, e cujo legado garantiu que ninguém em qualquer lugar do mundo considerasse seriamente a democracia como uma forma de governo por dois mil anos.


Assista o vídeo: Jurisprudência Brasileira - Ellwanger HC Liberdade de Expressão e Discurso do Ódio FINAL


Comentários:

  1. Vokinos

    Posso recomendar visitar um site com uma quantidade enorme de informações sobre um assunto de seu interesse.

  2. Baptiste

    Peço desculpas por interromper você

  3. Shipley

    Posso recomendar que você visite o site, o que fornece muitas informações sobre o assunto de interesse.

  4. Crespin

    Parece -me, você está certo

  5. Amun

    Wonderful, this is a valuable information

  6. Pili

    Bobagem excepcional, na minha opinião



Escreve uma mensagem