10 fatos sobre a batalha de Crécy

10 fatos sobre a batalha de Crécy


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em 26 de agosto de 1346, uma das batalhas mais famosas da Guerra dos Cem Anos foi travada. Perto da vila de Crécy, no norte da França, o exército inglês do rei Eduardo III foi confrontado por uma força francesa maior e formidável - que incluía milhares de cavaleiros fortemente armados e besteiros genoveses experientes.

A decisiva vitória inglesa que se seguiu veio para resumir o poder e a letalidade daquela que é indiscutivelmente a arma mais famosa da Inglaterra: o arco longo.

A historiadora Nicola Tallis vem ao programa para falar sobre a extraordinária Margaret Beaufort: 'Mãe dos Tudors' e a ancestral de todos os membros da realeza subsequentes.

Assista agora

Aqui estão 10 fatos sobre a Batalha de Crécy.

1. Foi precedido pela Batalha de Sluys em 1340

Vários anos antes da Batalha de Crécy, a força de invasão do rei Eduardo encontrou uma frota francesa na costa de Sluys - então um dos melhores portos da Europa.

Seguiu-se a primeira batalha da Guerra dos Cem Anos, durante a qual a precisão e o ritmo de tiro mais rápido dos arqueiros ingleses sobrepujaram seus homólogos franceses e genoveses armados de besta. A batalha foi uma vitória esmagadora para os ingleses e a marinha francesa foi quase destruída. Após a vitória, Eduardo desembarcou devidamente seu exército perto de Flandres, mas logo voltou para a Inglaterra.

A vitória inglesa em Sluys ajudou a pavimentar o caminho para a segunda invasão da França por Eduardo, seis anos depois, e a Batalha de Crécy.

A Batalha de Sluys.

2. Os cavaleiros de Eduardo não lutaram a cavalo em Crécy

Após o sucesso inicial no norte da França, Eduardo e seu exército em campanha logo descobriram que o rei francês, Filipe VI, estava liderando uma grande força para enfrentá-lo.

Percebendo que a batalha iminente seria defensiva, Eduardo III desmontou seus cavaleiros antes da batalha. A pé, esses soldados de infantaria pesados ​​foram colocados ao lado de seus arqueiros de arco longo, fornecendo aos arqueiros de armadura leve de Eduardo ampla proteção se os cavaleiros franceses conseguissem alcançá-los.

Logo se revelou uma decisão sábia.

3. Eduardo garantiu que seus arqueiros foram efetivamente implantados

Edward provavelmente implantou seus arqueiros em uma formação em forma de V chamada grade. Esta foi uma formação muito mais eficaz do que colocá-los em um corpo sólido, pois permitiu que mais homens vissem o inimigo avançando e disparassem com precisão e sem medo de acertar seus próprios homens.

4. Os besteiros genoveses eram famosos por suas proezas com a besta


Entre as fileiras de Philip estava um grande contingente de besteiros genoveses mercenários. Vindos de Gênova, esses besteiros eram conhecidos como os melhores da Europa.

Generais de todos os lugares haviam contratado companhias desses atiradores especialistas para elogiar suas próprias forças em conflitos que iam desde sangrentas guerras internas na Itália até cruzadas na Terra Santa. O exército francês de Filipe VI não foi diferente.

Para ele, seus mercenários genoveses eram essenciais para o plano de batalha francês em Crécy, pois cobririam o avanço de seus cavaleiros franceses.

5. O genovês cometeu um grave erro antes da batalha

Embora fosse sua arma mais temida, os mercenários genoveses não estavam armados apenas com uma besta. Junto com uma arma corpo-a-corpo secundária (geralmente uma espada), eles carregavam um grande escudo retangular chamado “pavise”. Dada a velocidade de recarga da besta, o pavimento foi um grande trunfo.

Este modelo demonstra como um besteiro medieval sacaria sua arma atrás de um escudo pavise. Crédito: Julo / Commons

Ainda assim, na Batalha de Crécy, os genoveses não tiveram esse luxo, pois deixaram seus pavises no trem de bagagem francês.

Isso os tornou muito vulneráveis ​​e logo sofreram pesadamente com o fogo de arco longo inglês. Tão rápida era a cadência de tiro dos arcos longos ingleses que, de acordo com uma fonte, parecia ao exército francês como se estivesse nevando. Incapazes de conter a barragem dos arqueiros, os mercenários genoveses recuaram.

6. Os cavaleiros franceses massacraram seus próprios homens ...

Ao ver os besteiros genoveses se retirando, os cavaleiros franceses ficaram indignados. Aos olhos deles, esses besteiros eram covardes. De acordo com uma fonte, ao ver os genoveses recuando, o rei Filipe VI ordenou a seus cavaleiros:

“Matem-me esses canalhas, pois eles param nossa estrada sem nenhum motivo.”

Uma carnificina impiedosa logo se seguiu.

Laurence Brockliss fala-nos sobre a Conquista Normanda e como os eventos de 1066 tiveram impacto no referendo da UE na Grã-Bretanha. Discutindo Hereward the Wake e sua resistência aos normandos, o que podemos aprender sobre o fluxo da política moderna com as ações desse malandro?

Assista agora

7. ... mas eles logo se tornaram vítimas de um massacre

À medida que os cavaleiros franceses se aproximavam das linhas inglesas, a realidade de por que os genoveses haviam recuado deve ter ficado clara.

Vindo sob uma saraivada de fogo de arqueiro dos arcos longos ingleses, os cavaleiros com armadura de placa logo sofreram pesadas baixas - tão altas que Crécy se tornou famosa como a batalha onde as flores da nobreza francesa foram cortadas pelos arcos longos ingleses.

Aqueles que conseguiram chegar às linhas inglesas se viram confrontados não apenas com os cavaleiros desmontados de Henrique, mas também com a infantaria empunhando armas violentas - a arma ideal para derrubar um cavaleiro de seu cavalo.

Quanto aos cavaleiros franceses que foram feridos no ataque, foram mais tarde abatidos por lacaios da Cornualha e da Gales equipados com grandes facas. Isso perturbou muito as regras da cavalaria medieval, que afirmavam que um cavaleiro deveria ser capturado e resgatado, não morto. O rei Eduardo III pensou da mesma forma, pois depois da batalha ele condenou a morte de cavaleiros.

8. O Príncipe Eduardo ganhou suas esporas

Embora muitos cavaleiros franceses nunca tenham alcançado seus oponentes, aqueles que enfrentaram os ingleses no lado esquerdo de suas linhas de batalha encontraram as forças comandadas pelo filho de Eduardo III. Também chamado de Eduardo, o filho do rei inglês ganhou o apelido de "Príncipe Negro" pela armadura negra que possivelmente usou em Crécy.

O príncipe Eduardo e seu contingente de cavaleiros se viram duramente pressionados pelos franceses adversários, tanto que um cavaleiro foi enviado a seu pai para pedir ajuda. No entanto, ao ouvir que seu filho ainda estava vivo e querendo que ele ganhasse a glória da vitória, o rei respondeu a famosa resposta:

"Deixe o menino ganhar suas esporas."

Conseqüentemente, o príncipe venceu sua luta.

Toby Green revela o que sabemos sobre a história da África Ocidental antes da chegada dos europeus e como a região estava integrada à economia global.

Assista agora

9. Um rei cego foi para a batalha

O rei Filipe não foi o único rei lutando com os franceses; havia também outro monarca. Seu nome era John, o Rei da Boêmia. O rei João era cego, mas mesmo assim ordenou a sua comitiva que o levasse para a batalha, desejando acertar um golpe com sua espada.

Seu séquito o obedeceu devidamente e o guiou para a batalha. Nenhum sobreviveu.

10. O legado do Rei João cego continua vivo

O Príncipe Negro presta seus respeitos ao falecido Rei João da Boêmia após a Batalha de Crécy.

A tradição diz que, após a batalha, o Príncipe Eduardo viu o emblema do falecido Rei João e o adotou como seu. O emblema consistia em três penas brancas em uma coroa, acompanhadas pelo lema “Ich Dien” - “Eu sirvo”. Desde então, continua a ser o emblema do Príncipe de Gales.


Batalha de Crécy

o Batalha de Crécy ocorreu em 26 de agosto de 1346 no norte da França entre um exército francês comandado pelo rei Filipe VI e um exército inglês liderado pelo rei Eduardo III. Os franceses atacaram os ingleses enquanto eles cruzavam o norte da França durante a Guerra dos Cem Anos, resultando em uma vitória inglesa e muitas perdas de vidas entre os franceses.

O exército inglês desembarcou na Península de Cotentin em 12 de julho. Ele havia queimado um caminho de destruição através de algumas das terras mais ricas da França a cerca de 2 milhas (3 km) de Paris, saqueando muitas cidades no caminho. Os ingleses então marcharam para o norte, na esperança de se unir a um exército flamengo aliado que havia invadido Flandres. Ouvindo que os flamengos haviam recuado e temporariamente ultrapassado os franceses que os perseguiam, Eduardo mandou seu exército preparar uma posição defensiva em uma colina perto de Crécy-en-Ponthieu. No final de 26 de agosto, o exército francês, que superava em muito o inglês, atacou.

Durante um breve duelo de arco e flecha, uma grande força de besteiros mercenários franceses foi derrotada por arqueiros galeses e ingleses. Os franceses então lançaram uma série de cargas de cavalaria por seus cavaleiros montados. Estes foram desordenados por sua natureza improvisada, por ter que abrir caminho através dos besteiros em fuga, pelo solo lamacento, por ter que atacar morro acima e pelos poços cavados pelos ingleses. Os ataques foram ainda interrompidos pelo fogo efetivo dos arqueiros ingleses, que causou pesadas baixas. Quando as cargas francesas alcançaram os soldados ingleses, que haviam desmontado para a batalha, eles haviam perdido muito do ímpeto. O combate corpo a corpo que se seguiu foi descrito como "assassino, sem piedade, cruel e muito horrível". Os ataques franceses continuaram até tarde da noite, todos com o mesmo resultado: combates ferozes seguidos por uma repulsa francesa.

Os ingleses então sitiaram o porto de Calais. A batalha prejudicou a capacidade do exército francês de aliviar o cerco que a cidade caiu nas mãos dos ingleses no ano seguinte e permaneceu sob o domínio inglês por mais de dois séculos, até 1558. Crécy estabeleceu a eficácia do arco longo como arma dominante no campo de batalha da Europa Ocidental .


A Batalha de Crécy & # 8211 o massacre da cavalaria francesa

Início dos Cem Anos e # 8217 Guerra entre a Inglaterra e a França. A batalha quando 8.000 soldados do exército inglês derrotaram uma força francesa de 35.000. Os cavaleiros franceses atacaram o inimigo dezesseis vezes e foram derrotados, principalmente por arqueiros de elite ingleses.

Quem não ouviu falar da Guerra dos Cem Anos travada na França nos séculos XIV e XV? Este conflito sangrento entre a Inglaterra e a França começou com as reivindicações britânicas aos direitos da coroa francesa. Um dos primeiros e mais importantes eventos desta guerra foi a Batalha de Crécy. Nesta batalha, um exército disciplinado venceu o exército duas vezes maior, mas mal liderado por líderes ignorantes.

Eduardo, o Príncipe Negro (filho de Eduardo III) no campo de batalha

Antes da batalha

Em 26 de agosto de 1346, o exército inglês liderado por Eduardo III encontrou as forças francesas de Filipe VI perto de Crécy, no norte da França. Antes disso, o exército de Edward estava recuando para o norte e o plano de Philip era persegui-los e lutar nos vaus do Somme, o que daria uma vantagem para os franceses. Os ingleses, porém, vencendo a fraca resistência das defesas do vau & # 8217s, conseguiram cruzar o rio no último minuto e escolheram o local conveniente para si para a batalha.

Antes da batalha, Eduardo e seu exército assumiram posições em uma colina, o que lhes deu uma vantagem estratégica sobre os franceses. Eles passaram o dia inteiro fortalecendo suas linhas defensivas com arame farpado, valas e paliçada. As tropas inglesas foram colocadas em três linhas, com 2 km (1,2 milhas) de largura. Antes da primeira linha, eles prepararam muitos poços e toras afiadas para desacelerar os ataques franceses. O campo de batalha também foi coberto por um grande número de estrelas de metal mutilando cavalos e cascos # 8217. O comando real de Edward & # 8217 ordenou aos cavaleiros ingleses que lutassem ao lado de soldados comuns e não houve oposição a isso, no entanto, esta situação era muito incomum naquela época.

Linha inglesa durante a batalha & # 8211 fonte http://ringingforengland.co.uk/st-george/

Dois exércitos

As forças inglesas consistiam de 8 a 14 mil soldados, incluindo 2 a 3 mil cavaleiros pesados, 5 a 10 mil arqueiros de elite e 1 mil lanceiros. Eles também tinham 3 canhões (e este é o primeiro uso confirmado de uma artilharia em um campo de batalha na história), mas sua eficácia era bastante psicológica.

Os arqueiros ingleses foram uma das forças mais mortais da guerra medieval. Equipados com longos arcos de madeira de teixo, eles podiam atirar a uma distância de 300 metros (1000 pés) e penetrar em armaduras pesadas de cavaleiros de curta distância. No entanto, sua maior vantagem era o fato de que um arqueiro experiente podia atirar a cada 5 a 6 segundos, enquanto um besteiro podia atirar apenas duas vezes por minuto. Esses arqueiros eram assassinos de tiro rápido e, se usados ​​corretamente em combate, eram extremamente difíceis de parar.

O exército inglês estava preparado e pronto para lutar. O rei francês Filipe veio atrás deles, com 20 a 40 mil soldados, incluindo 12 mil cavaleiros pesados ​​e 6 mil besteiros genoveses famosos.

Cavaleiros franceses, século XIV
Fonte: http://ru.warriors.wikia.com/

A chuva de flechas

A batalha começou com um duelo entre besteiros genoveses e arqueiros ingleses. Esses besteiros mercenários eram conhecidos por seu treinamento e disciplina de combate superior. Porém, naquele dia eles estavam exaustos após uma longa marcha e as cordas em suas bestas estavam molhadas por causa da chuva forte (os ingleses conseguiram esconder suas cordas em seus capacetes antes da batalha). Além disso, o Os genoveses deixaram seus pavises no acampamento & # 8211 significa nenhuma proteção contra o fogo inimigo.

Apesar de todos esses contratempos, os besteiros foram enviados para atacar as linhas inglesas e corajosamente começaram a marchar. Eles tiveram que escalar uma encosta escorregadia com baixa visibilidade por causa dos raios do sol & # 8217s brilhando diretamente sobre eles. De alguma forma, eles conseguiram atirar, mas seus parafusos, lançados por cordas molhadas, não alcançaram as linhas inglesas. Ao mesmo tempo, os besteiros estavam sob uma chuva de flechas inglesas, que tiravam suas vidas muito rapidamente.

O comandante genovês, observando centenas de seus homens mortos ou feridos, ordenou que suas tropas se retirassem. O rei francês Filipe tinha certeza de que sua retirada era covarde e enviou cavaleiros franceses para atacar. Eles não esperaram pelo retorno dos besteiros e # 8217s e os massacraram enquanto os genoveses se retiravam.

O ataque francês, não coordenado e desorganizado após matar seus aliados, não foi capaz de romper as linhas inglesas. Eles atacaram dezesseis vezes, morrendo sob a chuva de flechas inglesas, parado pelos poços de lama e lobo. Apenas alguns grupos de cavaleiros franceses alcançaram o inimigo, mas todos foram mortos por lanceiros galeses e irlandeses.

Arqueiro inglês
Fonte: http://www.nationalturk.com/

Depois da batalha

Muitos nobres franceses e seus aliados morreram naquele dia. Um deles foi o rei tcheco João da Boêmia. O guerreiro cego de 50 anos ordenou que seus escudeiros o amarrassem a seus dois cavaleiros e eles atacaram o exército inglês, escolhendo a morte antes da desonra.

A Batalha de Crécy é um raro exemplo em que um exército menor derrotou um exército distintamente maior. Os franceses perderam mais de 1.500 cavaleiros e alguns milhares de soldados de infantaria. O exército inglês perdeu entre 100 a 300 soldados. A disciplina venceu a impaciência e a vaidade. Alguns historiadores afirmam que Crécy foi o início do fim do chivarly.

Após a batalha, Eduardo sitiou e capturou Calais. A Guerra dos Cem Anos começou & # 8230

Fato engraçado

Fato lembrado a mim por um amigo & # 8211 todo mundo conhece o gesto de mostrar o dedo médio a alguém. Você sabia que esse gesto veio da Guerra dos Cem Anos? Como você sabe pelo artigo, os franceses odiavam os arqueiros ingleses que usavam seus arcos longos com um efeito tão devastador. Se conseguissem capturar um, geralmente cortavam seus dedos indicador e médio. Antes de qualquer luta, os arqueiros ingleses zombavam dos franceses mostrando-lhes esses dois dedos, o que significava & # 8220Eu ainda tenho meus dedos e estou pronto para atirar em você! & # 8221.


Batalha de Creçy

Data da Batalha de Creçy: 26 de agosto de 1346.

Lugar da Batalha de Creçy: Norte da França.

Combatentes na Batalha de Creçy: Um exército inglês e galês contra um exército de franceses, boêmios, flamengos, alemães, saboianos e luxemburgueses.

Comandantes na Batalha de Creçy: Rei Eduardo III com seu filho, o Príncipe Negro, contra Filipe VI, Rei da França.

Tamanho dos exércitos na Batalha de Creçy: O exército inglês contava com cerca de 4.000 cavaleiros e soldados, 7.000 arqueiros galeses e ingleses e cerca de 5.000 lanceiros galeses e irlandeses. O exército inglês empenhou 5 canhões primitivos.

Os números do exército francês são incertos, mas podem ter chegado a 80.000, incluindo uma força de cerca de 6.000 besteiros genoveses.

Uniformes, armas e equipamentos na Batalha de Creçy: O poder do exército feudal medieval estava no comando de sua massa de cavaleiros montados. Após o impacto desferido com a lança, a batalha começou em combate corpo a corpo executado com espada e escudo, maça, lança curta, punhal e martelo de guerra.

Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos: foto de Henri Dupray

Dependendo da riqueza e da posição, um cavaleiro montado usava uma armadura de aço articulada incorporando costas e peitorais, um capacete bascinet com viseira e manoplas de aço com pontas nas costas, as pernas e os pés protegidos por grevas e botas de aço, chamadas ombreiras. As armas carregadas eram uma lança, escudo, espada e adaga. Sobre a armadura, um cavaleiro usava uma túnica ou túnica adornada com os braços e um cinto ornamentado.

O rei francês comandou uma força de besteiros genoveses, com suas armas disparando uma variedade de mísseis, setas de ferro ou balas de pedra e chumbo, a um alcance de cerca de 200 metros. A besta disparou com uma trajetória plana, seu míssil capaz de penetrar na armadura.

Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos

A arma dos arqueiros do rei Eduardo era um arco de teixo de quase dois metros, disparando uma flecha com penas de um metro de comprimento. Flechas foram disparadas com alta trajetória, descendo em ângulo sobre o inimigo que se aproximava. A cadência de tiro era de até uma flecha a cada 5 segundos contra a cadência de um tiro da besta a cada dois minutos, a besta que precisava ser recarregada por meio de um guincho. Para combates corpo a corpo, os arqueiros usavam martelos ou adagas para golpear a armadura de um adversário ou penetrar entre as placas.

Embora um cavaleiro estivesse amplamente protegido de uma flecha, a menos que ela atingisse uma junta de sua armadura, seu cavalo era altamente vulnerável, principalmente na cabeça, pescoço ou costas.

Os soldados de infantaria galeses e irlandeses, carregando lanças e facas, formavam uma turba desordenada de pouca utilidade durante a batalha, preocupando-se principalmente em saquear o campo e assassinar os habitantes ou pilhar um campo de batalha uma vez que o combate terminasse. Um cavaleiro ou soldado, derrubado de seu cavalo e preso sob seu corpo, seria facilmente vencido pelos enxames desses saqueadores.

O exército inglês possuía melhorias simples na artilharia na composição da pólvora negra, reduzindo o tamanho das armas e projéteis e tornando-os suficientemente móveis para serem usados ​​no campo. Parece que na época de Creçy os franceses ainda não haviam adquirido a artilharia.

Vencedor da Batalha de Creçy: O exército inglês de Edward III venceu a batalha decisivamente.

Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos: mapa de John Fawkes

Relato da Batalha de Creçy:
Eduardo III, Rei da Inglaterra, começou a Guerra dos Cem Anos, reivindicando o trono da França com a morte do rei Filipe IV em 1337. A guerra finalmente terminou em meados do século 15 com a expulsão dos ingleses da França, exceto Calais, e o abandono formal pelos monarcas ingleses de suas reivindicações ao território francês.

O campo de batalha de Creçy mostrando o moinho de vento no qual o rei Eduardo III se posicionou e a reserva inglesa na Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos

Em 11 de julho de 1346, Eduardo III, rei da Inglaterra, com um exército de cerca de 16.000 cavaleiros, homens de armas, arqueiros e soldados de infantaria desembarcou em St Vaast, na península do Contentin, na costa norte da França, com a intenção de atacar a Normandia , enquanto um segundo exército inglês desembarcava no sudoeste da França em Bordeaux para invadir a província de Aquitânia. Uma das primeiras ações do rei ao desembarcar na França foi tornar cavaleiro seu filho de 16 anos, Edward, o príncipe de Gales (conhecido pela posteridade como o Príncipe Negro).

Eduardo então marchou para o sul até Caen, capital da Normandia, capturando a cidade e fazendo prisioneiro o condestável da França, Raoul, conde de Eu.

Marchando para o Sena, o exército inglês encontrou as pontes sobre o rio destruídas, enquanto chegava a notícia de um enorme exército se reunindo em Paris sob o rei francês, Filipe VI, empenhado em destruir os invasores.

O exército de Eduardo foi forçado a marchar pela margem esquerda do Sena até Poissy, aproximando-se perigosamente perto de Paris, antes que uma ponte pudesse ser encontrada, danificada, mas suficientemente reparável para permitir que o exército cruzasse o rio.

Assim que cruzou o Sena, Eduardo marchou para o norte em direção à costa do Canal, seguido de perto pelo rei Filipe.

Rei Eduardo III cruzando o rio Somme antes da Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos: foto de Richard Caton Woodville

Tal como aconteceu com o Sena, os ingleses encontraram no rio Somme uma barreira intransponível, as pontes fortemente defendidas ou destruídas, obrigando-os a marchar pela margem esquerda até ao mar. Eles finalmente cruzaram na foz do rio na maré baixa, apenas escapando das garras dos perseguidores franceses. As tropas de Eduardo, exaustos e encharcados, acamparam em Forêt de Creçy, na margem norte do Somme.

Eduardo III cruzando o Somme antes da Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 por Benjamin West

Em 26 de agosto de 1346, em antecipação ao ataque francês, o exército inglês posicionou-se em uma crista entre as aldeias de Creçy e Wadicourt, o rei, tomando como posto um moinho de vento no ponto mais alto da crista.

Eduardo, Príncipe de Gales, comandou a divisão certa do exército inglês, assistido pelos Condes de Oxford e Warwick e Sir John Chandos. A divisão do príncipe estava à frente do resto do exército e sofreria o impacto do ataque francês. A divisão da esquerda tinha como comandante o conde de Northampton.

Cada divisão era composta por lanceiros na retaguarda, cavaleiros desmontados e homens de armas no centro. Em uma linha irregular na frente do exército estavam os arqueiros do exército. Centrada no moinho de vento ficava a reserva, comandada diretamente pelo rei.

Eduardo, o Príncipe Negro, na Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos: foto de Walter Stanley Paget

Na parte de trás da posição, a bagagem do exército formava um parque onde os cavalos eram mantidos, cercado por uma parede de carroças com uma única entrada.

O exército de Filipe veio para o norte de Abbeyville, a guarda avançada chegou antes do cume Creçy-Wadicourt por volta do meio-dia de 26 de agosto de 1346. Um grupo de cavaleiros franceses reconheceu a posição inglesa e aconselhou o rei que seu exército deveria acampar e batalhar no dia seguinte, quando concentrado e fresco. Philip concordou, mas uma coisa era tomar tal decisão e outra completamente diferente era impô-la ao nível superior do exército de nobres arrogantes e de mente independente, todos com inveja uns dos outros e determinados a se mostrarem campeões da França. A maioria dos líderes do exército queria se livrar do exército inglês sem demora, forçando Philip a admitir que o ataque fosse feito naquela tarde.

Era função do condestável da França comandar o exército feudal do reino na batalha, mas os ingleses haviam tomado o condestável Raoul, conde de Eu, em Caen. Sua autoridade e experiência fizeram muita falta em Creçy, quando os oficiais do rei tentaram controlar a massa do exército e direcioná-lo para o ataque.

Carga dos cavaleiros franceses na Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos: foto de Harry Payne

Os genoveses formaram a van, comandada por Antonio Doria e Carlo Grimaldi. O duque D'Alençon liderou a seguinte divisão de cavaleiros e soldados entre eles o cego Rei João da Boêmia, acompanhado de perto por dois de seus cavaleiros, seus cavalos amarrados em cada lado da montaria do velho monarca. Na divisão de D’Alençon cavalgaram mais dois monarcas, o Rei dos Romanos e o Rei deslocado de Maiorca. O duque de Lorraine e a corte de Blois comandavam a próxima divisão, enquanto o rei Filipe liderava a retaguarda.

Os cavaleiros franceses atacam na Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos: foto de Richard Caton Woodville

Por volta das 16h, os franceses avançaram para o assalto, marchando pela pista que levava à posição inglesa. À medida que avançavam, uma tempestade repentina girou em torno dos dois exércitos. Os arqueiros ingleses removeram as cordas do arco para cobrir as jaquetas e chapéus que os besteiros não podiam tomar tais precauções com suas armas pesadas.

À medida que o exército francês avançava, o cronista Froissart descreve os genoveses como gritando e gritando. Assim que a formação inglesa estava ao alcance da besta, os genoveses dispararam seus flechas, mas a chuva havia afrouxado os cordões de suas armas e os tiros falharam.
Froissart retratou a resposta: “Cada um dos arqueiros ingleses deu um passo à frente, puxou a corda do arco até a orelha e deixou suas flechas voarem tão inteiras e tão grossas que pareciam neve”.

Rei cego João da Boêmia na Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos: impressão de DE Walton

A barragem infligiu baixas significativas aos genoveses e os forçou a recuar, estimulando o desprezo dos cavaleiros franceses que vinham por trás, que os derrubaram.

O confronto dos genoveses em retirada contra a cavalaria que avançava confundiu o exército francês. As seguintes divisões de cavaleiros e soldados pressionaram o corpo a corpo na parte inferior da encosta, mas se viram incapazes de avançar e foram submetidos a uma tempestade implacável de flechas, causando muitas baixas aos cavalos.

O Príncipe Negro encontra a bandeira do Rei João da Boêmia após a Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos e adota sua insígnia das três penas brancas, ainda o emblema do Príncipe de Gales

Neste momento, um mensageiro chegou ao posto do Rei Edward perto do moinho de vento em busca de apoio para a divisão do Príncipe Negro. Vendo que os franceses poderiam fazer pouco progresso na colina, Eduardo teria perguntado se seu filho estava morto ou ferido e, ao ser tranquilizado, disse: "Estou confiante de que ele repelirá o inimigo sem minha ajuda". Voltando-se para um de seus cortesãos, o rei comentou: "Deixe o menino ganhar suas esporas."

A cavalaria francesa fez repetidas tentativas de subir a encosta, apenas para sofrer entre os cavalos e homens derrubados pela barragem de flechas. Os cinco canhões do rei Eduardo avançaram e somaram fogo do flanco da posição inglesa.

No decorrer da batalha, John, o rei cego da Boêmia, cavalgando na posição do Príncipe Negro, foi abatido com seus cavaleiros que o acompanhavam.

A luta continuou noite adentro. Por volta da meia-noite, o rei Filipe abandonou a carnificina, saindo do campo de batalha para o castelo de La Boyes. Questionado quanto à sua identidade pela sentinela na parede acima do portão fechado, o rei chamou, amargamente, “Voici la fortune de la France” e foi admitido.

A batalha terminou logo após a partida do rei, os cavaleiros e soldados franceses sobreviventes fugindo do campo de batalha. O exército inglês permaneceu em sua posição pelo resto da noite.

De manhã, os lanceiros galeses e irlandeses avançaram pelo campo de batalha, matando e pilhando os feridos, poupando apenas aqueles que pareciam valer a pena um resgate.

Rei Eduardo III cumprimentando o Príncipe Negro após a Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos: foto de Benjamin West

Vítimas na Batalha de Creçy: As baixas inglesas foram insignificantes, sugerindo que poucos dos cavaleiros franceses alcançaram a linha inglesa. As baixas francesas teriam sido de 30.000, incluindo os reis da Boêmia e Maiorca, o duque de Lorena, o conde de Flandres, o conde de Blois, oito outros condes e três arcebispos.

Acompanhamento da Batalha de Creçy: Após a batalha, o rei Eduardo III marchou com seu exército para o norte, para Calais, e sitiou a cidade. Os ingleses demoraram um ano a tomar Calais devido à sua defesa resoluta.

O desastre em Creçy deixou o rei francês incapaz de socorrer este importante porto francês.

Rei Eduardo III cavalgando o Príncipe Negro após a Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos

Anedotas e tradições da Batalha de Creçy:

  • A Batalha de Creçy estabeleceu o arco de teixo inglês de quase dois metros como a arma dominante no campo de batalha da época.
  • O exército francês seguiu o Oriflamme, uma bandeira sagrada alojada em tempos de paz na igreja de St Denis a oeste de Paris, mas trazida em tempos de guerra para liderar os franceses na batalha.

Emblema e lema do Rei João da Boémia cego e idoso na altura da Batalha de Creçy a 26 de Agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos. O rei João cavalgou para a batalha flanqueado por dois de seus cavaleiros, seu cavalo amarrado ao deles. Todos os membros do partido do rei morreram na batalha

Rei Eduardo III cumprimenta o Príncipe Negro após a Batalha de Creçy em 26 de agosto de 1346 na Guerra dos Cem Anos

Referências para a Batalha de Creçy:

A Guerra dos Cem Anos, de Robin Neillands.

A batalha anterior da Guerra dos Cem Anos é a Batalha de Sluys

A próxima batalha da Guerra dos Cem Anos é a Batalha de Poitiers


10 fatos sobre a batalha de Crécy - História

A Batalha de Crécy foi uma importante vitória inglesa durante a Guerra dos Cem Anos.

A batalha foi travada em 26 de agosto de 1346 perto de Crécy, no norte da França. Um exército de ingleses, galeses e tropas aliadas do Sacro Império Romano liderado por Eduardo III derrotou um exército muito maior de tropas francesas, genovesas e maiorquinas lideradas por Filipe VI da França. Encorajado pelas lições de flexibilidade tática e utilização do terreno aprendidas com os primeiros saxões, vikings e as recentes batalhas com os escoceses, o exército inglês, apesar de estar em grande desvantagem em número pelos franceses, obteve uma vitória decisiva.

A batalha viu o aumento do poder do arco longo como a arma dominante no campo de batalha, cujos efeitos foram devastadores quando usados ​​em massa. Crécy também viu o uso de alguns dos primeiros canhões pelo exército. A abordagem de armas combinadas dos ingleses, as novas armas e táticas usadas, que eram muito mais focadas na infantaria do que as batalhas anteriores na idade média e a matança de cavaleiros incapacitados pelo campesinato após a batalha levou à descrição do combate como "o começo do fim da cavalaria".

A batalha prejudicou a capacidade do exército francês de socorrer Calais, que caiu para os ingleses no ano seguinte. Calais permaneceria sob o domínio inglês por mais de dois séculos, caindo em 1558. Após a morte do monarca francês Carlos IV em 1328, o trono deveria passar legalmente para Eduardo III da Inglaterra, o parente masculino mais próximo. Uma corte francesa, entretanto, decretou que o parente mais próximo de Carlos era seu primo, Filipe, conde de Valois. Philip foi coroado como Philip VI da França.

Eduardo II venceu várias batalhas navais antes de retornar à Inglaterra para arrecadar mais fundos para uma campanha futura e construir um exército. Em 11 de julho de 1346, Eduardo zarpou de Portsmouth com uma frota de 750 navios e um exército de 15.000 homens. With the army was Edward's sixteen-year-old son, Edward of Woodstock, a large contingent of Welsh soldiers and longbowmen, including those from Llantrisant and allied knights and mercenaries from the Holy Roman Empire. The army landed at St. Vaast la Hogue, 20 miles from Cherbourg. The intention was to undertake a massive chevauchée across Normandy, plundering its wealth and severely weakening the prestige of the French crown. Carentan, Saint-Lô and Torteval were all razed, after which Edward turned his army against Caen, the ancestral capital of Normandy. The English army sacked Caen on 26 July, plundering the city's huge wealth. Moving off on 1 August, the army marched south to the River Seine, possibly intending to attack Paris. The English army crossed the Seine at Poissy, however it was now between both the Seine and the Somme rivers. Philip moved off with his army, attempting to trap and destroy the English force.

Attempting to ford the Somme proved difficult all bridges were either heavily guarded or burned. Edward vainly attempted to probe the crossings at Hangest-sur-Somme and Pont-Remy before moving north. Despite some close encounters, the pursuing French army was unable to bring to bear against the English. Edward was informed of a tiny ford on the Somme, likely well-defended, near the village of Saigneville called Blanchetaque.

On 24 August, Edward and his army successfully forced a crossing at Blanchetaque with few casualties. It was said that the Welsh longbowmen had played a pivotal role to achieve this. Such was the French confidence that Edward would not ford the Somme, the area beyond had not been denuded, allowing Edward's army to resupply and plunder Noyelles-sur-Mer and Le Crotoy were burned. Edward used the respite to prepare a defensive position at Crécy-en-Ponthieu while waiting for Philip to bring up his army. The position offered protection on the flanks by the River Maye to the west, and the town of Wadicourt to the east, as well as a natural slope, putting cavalry at a disadvantage.

Edward deployed his army facing south on a sloping hillside at Crécy-en-Ponthieu the slope putting the French mounted knights at an immediate disadvantage. The left flank was anchored against Wadicourt, while the right was protected by Crécy itself and the River Maye beyond. This made it impossible for the French army to outflank them. The army was also well-fed and rested, putting them at an advantage over the French, who did not rest before the battle.

The English army was led by Edward III, primarily comprising English and Welsh troops along with allied Breton and German mercenaries. The exact size and composition of the English force is not accurately known. Andrew Ayton suggests a figure of around 2,500 men-at-arms nobles and knights, heavily armoured and armed men, accompanied by their retinues. The army contained around 5,000 longbowmen, 3,000 hobelars (light cavalry & mounted archers) and approximately 3,500 spearmen.[8] Clifford Rodgers suggests 2,500 men-at-arms, 7,000 longbowmen, 3,250 hobelars and 2,300 spearmen.[9] Jonathon Sumption believes the force was somewhat smaller, based on calculations of the carrying capacity of the transport fleet that was assembled to ferry the army to the continent. Based on this, he has put his estimate at around 7,000–10,000.

Welsh freemen were mercenaries, soldiers of fortune and no one's vassals, in sharp contrast to the feudal English (and French) cavalry, where knights did most of the fighting, each "lance" supported by a team of grooms, armourers and men at arms under its lance-corporal, vassals serving at the command of their lord, giving unpaid the military service that their land holding demanded. Welsh freemen, like their Genoese counterparts - and like the Gurkhas today - were there for pay (six pence per day) and booty. The change Crécy made to warfare, the European balance of power and the social order cannot be exaggerated and was permanent. It took fifty years before cavalry - with new, expensive horse-armour - regained anything like its former pre-eminence. The value of the longbow as a long-range killing weapon re-established the importance of skilled, professional foot-soldiers, leading to mercenary armies and a balance between infantry and cavalry. English and later British power became of Continental importance.

The power of Edward's army at Crécy lay in the massed use of the longbow a powerful tall bow made primarily of yew. Knights on horseback - heavy cavalry - had dominated the battlefield since the later years of the Roman Empire , lost their dominance. Infantry had been unable to withstand the terrifying and irresistible charge of a massed formation of armoured knights on heavy horses with long lances that could reach over shields and outreach pikes. The new weapon, introduced by Henry III of England 100 years before, used by Welsh archers serving Edward I at the battle of Falkirk in 1298 and Edward III against Scottish knights at Halidon Hill in Berwickshire in 1333, had never before been used to its full potential. It had taken decades to work out how to maximise its range and power, perfect its accuracy and develop tactics and training to exploit it to the full. Edward III later declared in 1363 that archery had to be practised by law, banning other sports to accommodate archery instead.

The French army was led by Philip VI and the blind John of Bohemia. The exact size of the French army is less certain as the financial records from the Crécy campaign are lost, however there is a prevailing consensus that it was substantially larger than the English. The French army likely numbered around 30,000 men.

The English army was deployed in three divisions, or "battles". Edward's son, Edward, the Prince of Wales commanded the vanguard with John de Vere, the Earl of Oxford, Thomas de Beauchamp, the Earl of Warwick and Sir John Chandos. This division lay forward from the rest of the army and would bear the brunt of the French assault. Edward himself commanded the division behind, while the rear division was led by William de Bohun, Earl of Northampton. Each division composed of spearmen in the rear, men-at-arms in the centre and the longbowmen arrayed in front of the army in a jagged line. Edward ordered his men-at-arms to fight on foot rather than stay mounted. The English also dug a series of ditches, pits and caltrops to maim the French cavalry.

The French army came north from Abbeyville, the advance guard of his army arriving at the Crécy ridgeline at around midday on 26 August. After reconnoitring the English position, it was advised to Philip that the army should encamp and give battle the following day. Philip met stiff resistance from his senior nobles and was forced to concede that the attack would be made that day. This put them at a significant disadvantage the English army was well-fed after plundering the countryside and well-rested, having slept in their positions the night before the battle. The French were further hampered by the absence of their Constable. It was the duty of the Constable of France to lead its armies in battle, however, the Constable Raoul II of Brienne, Count of Eu had been taken prisoner when the English army sacked Caen, depriving them of his leadership. Philip formed up his army for battle the Genoese under Antonio Doria and Carlo Grimaldi formed the vanguard, followed by a division of knights and men-at-arms led by Charles II, Count of Alençon accompanied by the blind King John of Bohemia. The next division was led by Rudolph, Duke of Lorraine and Louis II, Count of Blois, while Philip himself commanded the rearguard.


8. It was also a success for the Germans.

Allied troops rest during the Battle. By Ryry33 – CC BY-SA 4.0 They had managed to gain a lot of ground and despite being beaten by the English initially, so the Battle of Mons was a strategic success for the German Army. While they had failed to eliminate the British threat they had crossed the Mons-Condé Canal and begun their push into France. The Germans managed to push the BEF and French armies back 250 miles, almost to Paris, before they were stopped at the Battle of the Marne, fought from September 5 th – 12 th 1914.


9. Moore had the same command as Colonel Custer.

The Air Cavalry was a new advent, with the development of air mobility tactics. Moore was appointed to command the newly named 7 th Air Cavalry (well, the 1 st Battalion thereof, at least).

Custer had led the 7 th Cavalry during the American Indian wars and died, along with all his men at his famed last stand. This parallel didn’t escape Moore, who must have been all to aware of the history of Little Big Horn when his battalion and the 2 nd were surrounded on all sides by a much larger and native force.


Conteúdo

Following the death of Charles IV of France in 1328, Philip, Count of Valois, had been chosen as his successor and crowned King Philip VI of France, superseding his closest male relative Edward III of England through the ancient tradition of Salic Law, whereby Kingship could not be inherited through any maternal line, and thus adhering to agnatic succession. Edward had been reluctant to pay homage to Philip in his role as Duke of Aquitaine, resulting in Philip's confiscation of those lands in 1337, an act which provoked war between the two nations. Three years later, Edward declared himself King of France. The war had begun well for the English. They had achieved naval domination early in the conflict at the Battle of Sluys in 1340, [5] devastated the south west of France during the Gascon campaign of 1345 and Lancaster's chevauchée the following year, inflicted a severe defeat on the French army at Crécy in 1346, and captured Calais in 1347.

In the late 1340s and early 1350s, the Black Death had devastated the population of Western Europe, even claiming Philip's wife, Queen Joan, as well as one of Edward's daughters, also named Joan due to the disruption caused by the plague, all significant military campaigning was brought to a halt. Philip himself died in 1350, and was succeeded by his son, who was crowned King John II. In 1355, Edward III laid out plans for a second major campaign. His eldest son, Edward, the Black Prince, now an experienced soldier following the Crécy campaign, landed at Bordeaux in Aquitaine, leading his army on a march through southern France to Carcassonne. Unable to take the heavily fortified settlement, Edward withdrew back to Bordeaux. In early 1356, the Duke of Lancaster led an army through Normandy, while Edward led his army on a great chevauchée from Bordeaux on 8 August 1356. [6]

Edward's forces met little resistance, sacking numerous settlements, until they reached the Loire river at Tours. They were unable to take the castle or burn the town due to a heavy rainstorm. This delay allowed King John to attempt to pin down and destroy Edward's army. John, who had been besieging Breteuil in Normandy, organised the bulk of his army at Chartres to the north of Tours. In order to increase the speed of his army's march, he dismissed between 15,000 and 20,000 of his lower quality infantry, just as Edward turned back to Bordeaux. [7] The French rode hard and cut in front of the English army, crossing the bridge over the Vienne at Chauvigny. Learning of this, the Black Prince quickly moved his army south. Historians disagree over whether the outnumbered English commander was seeking battle or trying to avoid it. [8] In any case, after preliminary manoeuvres and failed negotiations for a truce, the two armies faced off, both ready for battle, near Poitiers on Monday, 19 September 1356.

Preparations Edit

Edward arrayed his army in a defensive posture among the hedges and orchards of the area, in front of the forest of Nouaillé. He deployed his front line of longbowmen behind a particularly prominent thick hedge, through which the road ran at right angles. The Earl of Douglas, commanding the Scottish division in the French army, advised King John that the attack should be delivered on foot, with horses being particularly vulnerable to English arrows. John heeded this advice, his army leaving its baggage behind and forming up on foot in front of the English. The English gained vantage points on the natural high ground in order for their longbowmen to have an advantage over the heavily armoured French troops.

English army Edit

The English army was led by Edward, the Black Prince, and composed primarily of English and Welsh troops, though there was a large contingent of Gascon and Breton soldiers with the army. Edward's army consisted of approximately 2,000 longbowmen, 3,000 men-at-arms, and a force of 1,000 Gascon infantry.

Like the earlier engagement at Crécy, the power of the English army lay in the longbow, a tall, thick self-bow made of yew. Longbows had demonstrated their effectiveness against massed infantry and cavalry in several battles, such as Falkirk in 1298, Halidon Hill in 1333, and Crécy in 1346. Poitiers was the second of three major English victories of the Hundred Years' War attributed to the longbow, though its effectiveness against armoured French knights and men-at-arms has been disputed. [9] [10] [11]

Geoffrey the Baker wrote that the English archers under the Earl of Salisbury "made their arrows prevail over the [French] knights' armour", [12] but the bowmen on the other flank, under Warwick, were initially ineffective against the mounted French men-at-arms who enjoyed the double protection of steel plate armour and large leather shields. [13] Once Warwick's archers redeployed to a position where they could hit the unarmored sides and backs of the horses, however, they quickly routed the cavalry force opposing them. The archers were also unquestionably effective against common infantry, who could not afford plate armour. [14] [15]

The English army was an experienced force many archers were veterans of the earlier Battle of Crécy, and two of the key commanders, Sir John Chandos, and Captal de Buch were both experienced soldiers. The English army's divisions were led by Edward, the Black Prince, the Earl of Warwick, the Earl of Salisbury, Sir John Chandos and Jean III de Grailly, the Captal de Buch.

French army Edit

The French army was led by King John, and was composed largely of native French soldiers, though there was a contingent of German knights, and a large force of Scottish soldiers. The latter force was led by the Earl of Douglas and fought in the King's own division. [16] The French army at the battle comprised approximately 8,000 men-at-arms and 3,000 common infantry, though John had made the decision to leave behind the vast majority of his infantry, numbering up to 20,000, in order to outrun and overtake the English and force them into battle.

The French army was arrayed in three "battles" or divisions. The vanguard was led by the Dauphin Charles, the second by the Duke of Orléans, while the third, the largest, was led by the King himself.

Negotiations Edit

Prior to the battle, the local prelate, Cardinal Hélie de Talleyrand-Périgord attempted to broker a truce between the two sides, as recorded in the writings of the English commander, Sir John Chandos. [17] Attending the conference on the French side were King John, the Count of Tankerville, the Archbishop of Sens, and Jean de Talaru. Representing the English were the Earl of Warwick, the Earl of Suffolk, Bartholomew de Burghersh, James Audley, and Sir John Chandos. The English offered to hand over all of the war booty they had taken on their raids throughout France, as well as a seven-year truce. John, who believed his force could easily overwhelm the English, declined their proposal. John's counter suggestion that the Black Prince and his army should surrender was flatly rejected. An account of the meeting was recorded in the writings of the life of Sir John Chandos and were made in the final moments of a meeting of both sides in an effort to avoid the bloody conflict at Poitiers during The Hundred Years' War. The extraordinary narrative occurred just before that battle and reads as follows:

. The conference attended by the King of France, Sir John Chandos, and many other prominent people of the period, The King, to prolong the matter and to put off the battle, assembled and brought together all the barons of both sides. Of speech there he (the King) made no stint. There came the Count of Tancarville, and, as the list says, the Archbishop of Sens (Guillaume de Melun) was there, he of Taurus, of great discretion, Charny, Bouciquaut, and Clermont all these went there for the council of the King of France. On the other side there came gladly the Earl of Warwick, the hoary-headed (white or grey headed) Earl of Suffolk was there, and Bartholomew de Burghersh, most privy to the Prince, and Audeley and Chandos, who at that time were of great repute. There they held their parliament, and each one spoke his mind. But their counsel I cannot relate, yet I know well, in very truth, as I hear in my record, that they could not be agreed, wherefore each one of them began to depart. Then said Geoffroi de Charny: 'Lords,' quoth he, 'since so it is that this treaty pleases you no more, I make offer that we fight you, a hundred against a hundred, choosing each one from his own side and know well, whichever hundred be discomfited, all the others, know for sure, shall quit this field and let the quarrel be. I think that it will be best so, and that God will be gracious to us if the battle be avoided in which so many valiant men will be slain. [18]

Fighting begins Edit

At the start of the battle, the English removed their baggage train from the field, prompting a hasty assault by the French, who believed the English to be retreating. [19] The fighting began with a charge by a forlorn hope of 300 German knights, led by Jean de Clermont. The attack was a disaster, with many of the knights shot down or killed by English soldiery. According to Froissart, the English archers then shot their bows at the massed French infantry. [20] The Dauphin's division reached the English line. Exhausted by a long march in heavy equipment and harassed by the hail of arrows, the division was repulsed after approximately two hours of combat. [21]

The retreating vanguard collided with the advancing division of the Duke of Orléans, throwing the French army into chaos. Seeing the Dauphin's troops falling back, Orléans' division fell back in confusion. The third, and strongest, division led by the King advanced, and the two withdrawing divisions coalesced and resumed their advance against the English. Believing that the retreat of the first two French divisions marked the withdrawal of the French, Edward had ordered a force under the Captal de Buch to pursue. Sir John Chandos urged the Prince to launch this force upon the main body of the French army under the King. Seizing upon this idea, Edward ordered all his men-at-arms and knights to mount for the charge, while de Buch's men, already mounted, were instructed to advance around the French left flank and rear. [22]

Capture of King John II Edit

As the French advanced, the English launched their charge. With the French stunned by the attack, the impetus carried the English and Gascon forces right into their line. Simultaneously, de Buch's mobile reserve of mounted troops fell upon the French left flank and rear. With the French army fearful of encirclement, their cohesion disintegrated as many soldiers attempted to flee the field. Low on arrows, the English and Welsh archers abandoned their bows and ran forward to join the melée. Around this time, King John and his son, Philip the Bold, found themselves surrounded. As written by Froissart, an exiled French knight fighting with the English, Sir Denis Morbeke of Artois approached the king, requesting the King's surrender. The King is said to have replied, "To whom shall I yield me? Where is my cousin the Prince of Wales? If I might see him, I would speak with him". Denis replied "Sir, he is not here but yield you to me and I shall bring you to him". The King handed him his right gauntlet, saying "I yield me to you". [23]

With the French King captured, and much of the French knights and soldiers having fallen trying to penetrate the barricaded English lines under constant fire with volley after volley from the thousands of long bows, and the remaining forces having pulled away and scattered in the subsequent chaotic aftermath, the battle was over that afternoon, ending in a disaster for the French and a stunning victory for the English.

Following the battle, Edward resumed his march back to the English stronghold at Bordeaux. Jean de Venette, a Carmelite friar, vividly describes the chaos that ensued following the battle. The demise of the French nobility at the battle, only ten years from the catastrophe at Crécy, threw the kingdom into chaos. The realm was left in the hands of the Dauphin Charles, who faced popular rebellion across the kingdom in the wake of the defeat. Jean writes that the French nobles brutally repressed the rebellions, robbing, despoiling, and pillaging the peasants' goods. Mercenary companies hired by both sides added to the destruction, plundering the peasants and the churches. [24]

Charles, to the misery of the French peasantry, began to raise additional funds to pay for the ransom of his father, and to continue the war effort. Capitalising on the discontent in France, King Edward assembled his army at Calais in 1359 and led his army on a campaign against Rheims. Unable to take Rheims or the French capital, Paris, Edward moved his army to Chartres. Later, the Dauphin Charles offered to open negotiations, and Edward agreed. [ citação necessária ]

The Treaty of Brétigny was ratified on 24 October 1360, ending the Edwardian phase of the Hundred Years' War. In it, Edward agreed to renounce his claims to the French throne, in exchange for full sovereign rights over an expanded Aquitaine and Calais, essentially restoring the former Angevin Empire. [25]

English Edit

Froissart states that these men fought with the Black Prince:

Another account states that John of Ghistelles perished at the Battle of Crécy so there is some ambiguity as to this individual.

French Edit

Froissart states that these men fought with King John II:

Arthur Conan Doyle's novel Sir Nigel features the Battle of Poitiers. The impoverished young squire Nigel Loring captures King John II of France in the melee. He fails to realise that he has accepted the surrender of the King of France, and so does not gain the King's ransom. However King John admits that Nigel was his vanquisher, so as reward Nigel is knighted by Edward, the Black Prince.

The battle appears in passing in A Knight's Tale when Count Adhemar is called back to the war.

Bernard Cornwell's novel 1356, the final novel in The Grail Quest series telling the story of Thomas of Hookton, dramatises the battle of Poitiers.

Michael Jecks's novel Blood of the Innocents, the final novel in The Hundred Years War trilogy, dramatises the campaign that culminates with the battle of Poitiers.

Coldplay’s 2008 EP Prospekt's March usa o Battle of Poitiers painting by Eugène Delacroix as its album cover.


Assista o vídeo: Misja Pioneer 10 - fakty i kontrowersje