Guarda III YP-2384 - História

Guarda III YP-2384 - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Guarda III

(YP-2384: t. 17; 1,48 "; b. 10'0"; dr. 5'0 "; s. 14 k .;
cpl. 7; uma. Nenhum)

Floyd Hurst (YP-2384), uma lancha a motor de madeira construída pelo Norfolk Navy Yard em 1902, foi comprado pela Marinha em 27 de fevereiro de 1918 em Norfolk de TC Hurst daquela cidade e imediatamente colocado em serviço como patrulha e barco de despacho entre os Washington Navy Yard e a base naval em Indian Head, Maryland. Ela continuou com esta função durante seu serviço naval e foi renomeada como Guarda em 7 de janeiro de 1921. Guard foi vendida ao PM Anderson de Washington, DC, em 5 de agosto de 1921.


Guarda III YP-2384 - História

Sobre nossa restauração Tintype

O que são Atique Tintypes?
Nosso especialista foi o primeiro a restaurar os tipos de lata de 1834, enquanto os restauradores viram 1920 como sua antiguidade.
Se um tipo de lata ficar preto desbotado, podemos recuperá-lo. Nosso especialista fará uma data-história com a sua.
Nosso especialista em tipo de lata dará uma prévia gratuitamente -preço, reembolso por correio em cheque.
Nunca perdemos um tipo de lata com o US Mail, recibo de devolução com assinatura certificada (cartão verde).

Os Ambrótipos cobertos de vidro de hoje ainda são moles. Não abra tipos de lata com vidro.
A foto do Daguerreótipo é de 1834, a foto do Ambrotype é de 1841, o Ferrotype é de 1863.

Nosso padrão de restauração de fotos
Em 1999, outros restauradores locais fizeram muito pouca restauração. Quando começamos, oferecemos muito mais.
Em seguida, outros seguiram nossa liderança na indústria fotográfica. Hoje, lideramos com exemplos de excelência.
Cada restauração de fotos, especialmente nossos tintypes, são inspecionados pela equipe para controle de qualidade.

Nossos preços
Em 1999, a restauração de fotos tinha um preço extremamente alto. Nossa preocupação era estabelecer padrões.
Começamos com os preços de 1990. Os concorrentes não estavam de acordo com nossos preços mais baixos de forma alguma.
Ao longo dos anos, perseveramos e após 15 anos, influenciamos os preços locais. (Nacional também).
No início, apenas alguns replicaram nosso preço baixo, ainda hoje, outros cobram seu serviço muito mais caro.
Alguns em nosso setor se inspiraram a baixar seus preços e, em seguida, aumentaram-nos novamente.
Hoje, visualizamos uma fotografia e, em seguida, definimos um preço por escrito, com a cópia assinada pelo proprietário e fornecida a você.
Mesmo se você estiver em outro estado, enviamos nossos preços por escrito por e-mail em PDF anexado a você.
A partir daí, é sua chamada para fazer perguntas, dar feedback ou dar sua aprovação para restaurar.
Então, faremos nossa melhor restauração - que em nossa opinião é a melhor restauração de fotos de todos os tempos.

Tintypes, a primeira fotografia - uma história completa

Em 1813 em Chalon sur Saone, França, francês, Joseph Nic & # 233phore Ni & # 233pce , um cientista,
começou a fazer experiências com herógrafos. Ni & # 233pce colocou gravuras transparentes em placas de vidro
revestido com mistura de verniz sensível à luz. Exposto à luz, copiou uma imagem para o vidro.
Ni & # 233pce teve algum sucesso em copiar gravuras, mas não teve sucesso até dois anos depois
antes de encontrar placas de estanho para apoiar sua mídia. Ele usou repetidamente betume sabendo disso
levaria a uma imagem nítida.

Em 1826 , em uma sala de trabalho de janela de um andar superior em Le Gras, Niepce criou sua mais nova invenção,
sua câmera obscura, colocando uma placa de estanho polida revestida com betume da Judéia, um
derivado de asfalto de petróleo, como seu produto químico de escolha para 'queimar' uma imagem em metais diferentes.
Cada experiência demorava muitas horas e, às vezes, muitos dias para desenvolver algum tipo de imagem.
Após pelo menos um dia de longa exposição e lavagem de seu prato com uma mistura de Óleo de Lavanda
e petróleo branco, sua mistura dissolveu parte do betume que não havia sido endurecido
pela luz. A imagem gravada era da janela do andar de cima, sua lente apontava para o pátio
abaixo, a imagem era fraca, pois endureceu em uma placa de vidro. Ele chamou sua primeira invenção de
herógrafo desde que ele estava experimentando desenvolver um negativo, como seu diário descreveu.

Após várias tentativas de patentear sua invenção, Ni & # 233pce desistiu de seus experimentos, mas manteve seu
periódicos intactos. Ele registrou sua invenção como um 'herógrafo' na Royal Society of England.
Logo depois, ele faleceu relativamente jovem, sem qualquer comemoração ou notoriedade.

No lugar de Ni & # 233pce, seu sócio, Louis Jacques Daguerre, um artista plástico, assumiu os experimentos.
Ele mudou o nome da imagem para & quotPhotographie & quot observando um positivo, em vez de um negativo.
A palavra 'fotografar' também estava no idioma grego e significava 'desenhar com luz'.

eu n 1839 Daguerre usou a imagem de Niepce chamando-o de & quotcourt of La Gras & quot como a primeira imagem, então
registrou a imagem como sua própria invenção & quotPhotographie & quot com a Royal Society of England.

Mais tarde, em 1839, em uma palestra perante a Royal Society of England em 14 de março, Sir John Herschel
acreditou Daguerre por sua oferta registrada de uma 'fotografia' patenteada, mencionando que
a invenção será conhecida como "tipo Daguerre" em todo o mundo. Mas ao mesmo tempo,
oferta credenciada de Niepce para a patente de um 'herógrafo' anotando seu imagem era primeiros t gravado.
No entanto, no final, Herschel nunca separou os dois inventores, observando que ambos foram instrumentais
com o registro de suas invenções, embora os dois registros fossem a mesma imagem.

Finalmente, em 1852, historiador Helmut Gernsheim, verificou a primeira imagem fotográfica autêntica e
voltou a fama para Joseph Nic & # 233phore Ni & # 233pce, conforme registrado pela primeira vez na Royal Society of England.
Foi considerado que Joseph Nice'phore Ni & # 233pce foi o primeiro inventor da mesma imagem, patenteada
como um & quoterógrafo & quot e também patenteado como & quotphotographie & quot em 1839.

Claro, nós o conhecemos como 'fotografia', mas a primeira 'fotografia' não foi patenteada no USPTO,
(o Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos) até que John Ambrose patenteou sua invenção.

3 tipos de estanho, a caixa do tipo estanho e como os cartões de gabinete evoluíram

Da g uerro-t yp e (também Daguerre) foi patenteado por Louis J. Daguerre como mencionado acima.

Ambrost yp e - 1841 nasceu por John Ambrose, que patenteou a 'fotografia' americana que
foi a nossa primeira imagem positiva em preto e branco. Esse tipo de foto nunca secou como a de Dagerre, foi
para ser coberto, selado com vidro, para nunca ser aberto. Um selo quebrado vazaria luz através
a borda formando um prisma, danificando a fotografia. Se o seu selo for quebrado, sua imagem será
um negativo se inclinado, então um positivo quando inclinado para trás. Caso contrário, este tipo de lata não precisará ser restaurado.
O Ambrostype durou até 1863, substituído por outra receita de fotografia popular.

Ferrot yp e - 1856 Patenteado em 19 de fevereiro de 1856 por Hamilton Smith nos EUA, (sem imagem)
Hamilton leu sobre sua emulsão já que sua receita foi escrita por Adoph Alexandre 'Martin em 1853
na França. Ambos os homens encontraram uma emulsão de secagem rápida, não precisava de vidro, era de metal durável, era
barato e foi realmente a nossa primeira fotografia instantânea. Havia muitas tendas do tipo lata, cujo
fotógrafos montavam parques e seus clientes faziam fila para suas fotos.
Para cores, as fotografias foram salpicadas com uma variedade de 8 misturas químicas diferentes
que fez sua cor uma vez misturada com albumina. O Exército era obrigatório quanto à cor de
seus uniformes, azuis ou cinza. Os fotógrafos eram artistas soberbos que misturavam as cores.

O Ferrotype foi colocado em estojos de couro . A caixa de ferrotipo era uma moldura de caixa, abrindo como
um livro com couro ou vinil vinculado ao jugo. Na frente havia uma escultura ornamentada em couro.
Se fosse vinil, não havia entalhes. Dentro do & quotbook & quot, a foto era emoldurada por latão, mas dourada
e em forma oval e presa na moldura da caixa. Alguns tipos de estanho ficaram soltos
e foram separados da caixa. Alguns se perderam na área das planícies durante a viagem em
vagões, alguns encontrados estavam sem moldura, pois seus cantos pareciam cortados onde eles
preso ao corpo da estrutura dentro da moldura de latão. Sua receita repetida na Polaroid.

Collot y pes - também & quotCalotipos & quot

A patente da receita era 1840 antes ferrotype era quase a mesma receita para impressões em papel.
Inventados por William Henry Fox Talbot do Reino Unido, eles foram usados depois de a foto do Ferrotype.
Enquanto a década de 1840 teve outros & # 8220tipos & # 8221 com imagens desenvolvidas em metal polido (latas),
Talbot encontrou uma receita de albumina produzida um desmaiar t imagem no papel - grande, nos tamanhos 13X19.
As fotos em papel tinham muito menos imagens do que os tipos de lata. Fotos que remetem à década de 1850 eram uma técnica
mudança na medida em que os grandes artistas que produziram essas fotos foram considerados de primeira linha.
Muitos deles eram pintores altamente qualificados que produziram obras de arte ambiciosas, todas as quais
pareciam verdadeiras fotografias do tipo estanho, embora não tivessem o brilho dos "tipos" anteriores.
Feito principalmente para as altas classes sociais, os Colótipos eram na verdade uma arte artesanal.

Embora Talbot tentasse controlar seus direitos de patente, no final da década de 1840, os fotógrafos franceses
incluindo Louis-Adolphe Humbert de Molard na Normandia, Louis-D & # 233sir & # 233 Blanquart-Evrard na
Lille e Gustave Le Gray em Paris estavam contornando o potencial das fotos do calótipo. No
1851, Calotype foi renomeado como Collotype. Depois disso, mais cientistas fotográficos descobriram
novas receitas para as fotos do Collotype e este tipo de foto se tornou mais popular no final de 1918
à medida que o Ferrotype perdia a popularidade em 1917 e o filme plástico era inventado e usado.
A transição final entre a era do Ferrotype e o filme plástico foi em 1934 quando ele governou o mundo.

The Carte de Visite - 1854 um cartão de visita com foto em papel, patenteado por Andre 'Engene Disderi.
O carte de visite acrescentou popularidade aos populares Collotypes e, posteriormente, aos populares Cabinet Cards.
Patenteado em Paris, França - foi feito de impressão de albumina em papel montado em um papel mais grosso.
Seu tamanho era de 2,1 polegadas X 3,5 polegadas, muito parecido com um cartão de visita nos Estados Unidos.
Em 1854, Disd & # 233ri também patenteou um método de tirar oito negativos separados em um único
chapa, o que reduziu os custos de produção. O Carte de Visite demorou a ganhar uso generalizado
até 1859, mas quando Disd & # 233ri publicou fotos neste formato para o imperador Napoleão III, este
tornou o formato tão popular que ficou conhecido como & quotcardomania & quot e eventualmente se espalhou pelo mundo todo.
Os Cartões de gabinete substituíram o Carte de Visite para uma versão maior de 4.5 pol. X 6,5 polegadas (4X6 mais tarde).

O Cartão do Gabinete
Grandes artistas, pintores altamente qualificados, reproduziram obras de arte a partir de imagens do tipo estanho, colocadas
imagens em placas para serem impressas no mimeógrafo, patenteado em 1876 por Thomas Edison que
esperava produzir fotografias & quot todas as novas & quot, (mas a máquina não foi utilizada até 1887, abaixo)
As primeiras impressões de Edison estavam desbotadas, na melhor das hipóteses, as pessoas rejeitaram as imagens que as colocaram
armários para esquecer, eles ficaram conhecidos como & quot aqueles Cartões de Gabinete & quot .

Albert Blake Dick (A.B Dick Company) licenciou pela primeira vez o mimeógrafo de Thomas Edison em 1887 como
um sistema de estêncil, reproduzindo imagens do tipo estanho. Na esperança de ressuscitar Cabinet Cards, sua empresa
avançou muito rápido. À medida que desenvolveram métodos de impressão melhores, eles pularam o Gabinete
Cartões. Uma receita para impressão era de uma impressão de cera que mais tarde se tornou a impressão normal
método para impressão de jornal com sua impressão de metal em rolos de chapa de metal, que girou rápido
dentro de máquinas de impressão de jornais.

Filme plástico laminado de 1870 e 1881 Primeiro, Hannibal Goodwin tinha a receita para deixar claro
plástico celulóide plástico que seria usado em filmes. Em 1881, Peter Houston de Wisconsin
(nenhuma foto disponível) feito de plástico enrolado e era brilhante para produtos químicos grudarem como estanho.
Então, Peter faleceu. Seu irmão David assumiu sua invenção, imediatamente vendeu seu
licença para George Eastman por $ 5000, perdendo assim o produto para sempre, para nunca ganhar um centavo.

Companheiro da Eastman-Kodak de 1988 y - George Eastman desenvolveu uma câmera que receberia
filme laminado, afastando a Kodak de um loft em Nova York, expandindo o espaço comercial para mais 4 andares.

1891 Movin g Fotos Edison-Eastman fez parceria com uma ideia para desenvolver ainda mais o cinetoscópio
revelando seu filme plástico em uma câmera mais nova e mais rápida, com lâmpadas elétricas maiores e mais brilhantes.
O tubo de vácuo de raios-X foi logo depois.


A tarefa de vencer a guerra

Em 7 de dezembro de 1941, os EUA foram lançados na Segunda Guerra Mundial quando o Japão lançou um ataque surpresa à frota naval americana em Pearl Harbor. No dia seguinte, a América e a Grã-Bretanha declararam guerra ao Japão. Em 10 de dezembro, Alemanha e Itália declararam guerra aos EUA

Você sabia? Durante a Segunda Guerra Mundial, como alternativa ao racionamento, os americanos plantaram & # x201Chortas vitoriosas & # x201D nas quais cultivavam seus próprios alimentos. Em 1945, cerca de 20 milhões dessas hortas estavam em uso e representavam cerca de 40 por cento de todos os vegetais consumidos nos EUA.

Nos primeiros dias da participação dos Estados Unidos na guerra, o pânico se apoderou do país. Se os militares japoneses puderam atacar com sucesso o Havaí e infligir danos à frota naval e vítimas entre civis inocentes, muitas pessoas se perguntaram o que evitaria um ataque semelhante no continente dos EUA, particularmente ao longo da costa do Pacífico.

Esse medo de ataque traduziu-se na pronta aceitação pela maioria dos americanos da necessidade de sacrifício para alcançar a vitória. Durante a primavera de 1942, foi estabelecido um programa de racionamento que estabelecia limites para a quantidade de gás, alimentos e roupas que os consumidores podiam comprar. As famílias recebiam selos de racionamento que eram usados ​​para comprar sua cota de tudo, desde carne, açúcar, gordura, manteiga, vegetais e frutas até gasolina, pneus, roupas e óleo combustível. O Escritório de Informações da Guerra dos Estados Unidos divulgou pôsteres nos quais os americanos eram instados a & # x201CDo com menos & # x2013 para que & # x2019 tivessem & # x201D suficientes (& # x201Cthey & # x201D se referia às tropas dos EUA). Enquanto isso, indivíduos e comunidades realizavam ações de coleta de sucata, latas de alumínio e borracha, todos reciclados e usados ​​na produção de armamentos. Indivíduos compraram títulos de guerra dos EUA para ajudar a pagar o alto custo do conflito armado.


Guarda III YP-2384 - História

A terceira bobina foi processada durante o comissionamento da terceira linha contínua de pré-pintura.

YPC revisto pela autenticação da "High Tech Enterprise".

A quarta linha contínua de galvanização por imersão a quente comissionada.

A YPC adquiriu a certificação da nova versão do sistema de gestão de qualidade IATF 16949, que se aplica a produtos e serviços relacionados ao setor automotivo.
Assinou um acordo-quadro de cooperação de base "cinco em um" com o Instituto de Tecnologia de Changshu para aprofundar de forma abrangente a cooperação universidade-indústria-pesquisa.

Foi aprovado na certificação de atualização de nova versão dos requisitos do sistema de gerenciamento de processos de substâncias perigosas IECQ QC080000.

Foi aprovado na nova certificação de transferência de versão dos requisitos do Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional ISO45001 (A Certificação de Sistema OHSAS18001 original foi transferida para a nova Certificação de Sistema ISO45001)


ENDEREÇO: YIEHPHUI ROAD, RIVERSIDE INDUSTRIAL PARK CHANGSHU ECONOMIC DEVELOPMENT ZONE JIANGSU, PEOPLE'S REPUBLIC OF CHINA


Projetando um modelo prognóstico ideal para insuficiência hepática aguda pediátrica

Um modelo prognóstico em medicina é projetado para produzir índices para permitir a estimativa do risco de eventos futuros em pacientes / grupos individuais e para estratificar o risco desses pacientes. 9 A Figura 2 destaca os princípios por trás da derivação, avaliação e validação ideal de um modelo prognóstico. Antes de derivar um modelo preditivo, sua relevância clínica deve ser clara e deve ter como objetivo auxiliar os médicos na tomada de decisão. O prognóstico em PALF é essencial para a prática clínica para diferenciar com precisão os pacientes que têm probabilidade de sobreviver ou morrer, para que o LT de emergência possa ser alocado de forma adequada. A população ideal de derivação do modelo deve ser grande, representativa da coorte doente e envolver uma proporção razoável das medidas de desfecho. As medidas de resultados devem ser claramente definidas. Idealmente, o prognóstico do PALF deve incluir 2 desfechos: sobrevivência e morte. No entanto, intervir artificialmente com LT distorce os dados porque o verdadeiro resultado para pacientes submetidos a LT é desconhecido. As variáveis ​​em um modelo devem ser fáceis de medir e usar, idealmente objetivas e não muito extensas. Variáveis ​​para modelos ALF e PALF adultos são geralmente derivadas de análises univariadas e / ou multivariadas em coortes históricas de pacientes. Para testar se as variáveis ​​/ modelos exibem confiabilidade preditiva aceitável, os resultados reais observados e previstos precisam ser plotados e comparados, em um processo denominado "calibração". Posteriormente, em um processo denominado “discriminação”, o modelo pode ser quantificado para distinguir entre pacientes que vivenciam ou não o evento. Para determinar o poder discriminatório, a sensibilidade e a especificidade do modelo em diferentes configurações de limite devem ser calculadas e, em seguida, plotadas em uma curva de característica do operador do receptor (ROC). 10 A área sob a curva (AUC) ou “estatística c” resume o quão bom o modelo é na discriminação entre os resultados. Uma AUC ou estatística c de “1,0” seria ideal, representando 100% de discriminação; no entanto, na prática, AUC / estatística c & gt 0,8 é considerada aceitável. No PALF, um equilíbrio adequado entre sensibilidade e especificidade é essencial, pois a sensibilidade reduzida (baixo valor preditivo positivo) pode levar à falha em listar um paciente para LT que teria morrido subsequentemente, mas a especificidade reduzida (baixo valor preditivo negativo) carrega um risco de TH desnecessário em um paciente que provavelmente se recuperaria espontaneamente. Uma vez que um modelo demonstra boa calibração e discriminação, ele deve ser testado fora do conjunto de dados de derivação em um processo chamado "validação". 11 A validação pode ocorrer internamente, em um conjunto de dados diferente, tanto retrospectivamente quanto prospectivamente (validação temporal), mas a validação externa (ou seja, centro diferente) é preferida, a fim de testar a transportabilidade do modelo.

Diagrama para ilustrar os princípios do desenvolvimento e validação do modelo prognóstico ideal. A precisão do modelo desenvolvido é resumida por (a) calibração e (b) discriminação. Um modelo bem calibrado mostra uma boa correlação entre a mortalidade observada e prevista com uma razoável "adequação". A sensibilidade e a especificidade em diferentes configurações de limite são plotadas em uma curva ROC e a discriminação é resumida pela AUC. AUC tão próximo de 1,0 mostra sensibilidade e especificidade ideais (0,8 é aceitável na modelagem preditiva).


Guarda III YP-2384 - História

Bem-vindo à nova casa da baioneta M9. Neste site você encontrará a mais completa história e descrição do M9 Bayonet que você encontrará em qualquer lugar. A história começa com o desenvolvimento do M9 Bayonet pela Qual-A-Tec que posteriormente formou a empresa Phrobis III. Phrobis III foi formado para interagir com Buck para fazer as primeiras baionetas M9. Durante vários anos, Buck fabricou baionetas M9 com as marcações Phrobis M9 Bayonet e Buck M9 Bayonet. Com o tempo, Buck conseguiu obter o controle sobre o fornecimento do M9 Bayonet nos Estados Unidos até que Lan-Cay subestimou o lance de Buck em um contrato militar importante. Por último, na década de 1990, as Forças Armadas dos Estados Unidos ofereceram para licitar um novo contrato que foi dividido entre a Lan-Cay e a Ontario Knife Works.

Esses fatos e muitos mais estão incluídos neste site. As informações aqui foram compiladas de vários "especialistas" e colecionadores notáveis ​​que ajudaram no desenvolvimento do conteúdo deste site. Isso está sendo compartilhado aqui, já que a baioneta M9 é uma das peças e acessórios pós-populares AR15 vendidos e disponíveis como um item de excedente militar, mas ainda assim a identificação da baioneta e a história da baioneta M9 são frequentemente confundidas. Esperamos que este site já seja o recurso definitivo do M9 Bayonet na web e que as ferramentas estejam aqui para permitir que todos compartilhem suas fotos, perguntas e conhecimento.

Navegue pelas páginas do site e visite os Fóruns. Convidamos todos os visitantes a se juntarem e compartilharem seus conhecimentos sobre o M9 Bayonet para que este site continue a crescer.


Grossdeutschland: da Guarda Cerimonial ao Corpo de Panzer

Apesar dos equívocos, Grossdeutschland (Grande Alemanha) não era nem uma unidade Waffen SS nem (pelo menos oficialmente) uma unidade panzer, embora mais tarde como uma suposta divisão panzergrenadier, foi amplamente organizada como uma. Muito possivelmente a principal formação do Exército Alemão na Segunda Guerra Mundial, Grossdeutschland cresceu de um destacamento de guarda cerimonial em Berlim para se tornar um corpo panzer. Em muitos aspectos, ele espelha a de outra formação de solo de elite, Hermann G & oumlring Fallschirmpanzerkorps da Luftwaffe, que também começou como uma pequena unidade de Berlim (neste caso, um destacamento da Polícia) e terminou como uma unidade do tamanho de um corpo de exército.

Novembro de 1920 e ndash Wach-Regiment Berlim criada
Junho de 1921 e ndash Wach-Regiment Berlim dissolvida, uma unidade menor é então formada, conhecida como Kommando der Wachtruppe
Agosto de 1934 e ndash o Kommando der Wachtruppe é renomeado Wachtruppe Berlin
Junho de 1937 - Wachtruppe Berlin expande e é renomeado Wach-Regiment Berlim
Outubro de 1938 e elementos ndash de Wach-Regiment Berlim são transferidos para o formulário Wach-Batallion Wein
Junho de 1939 - Wach-Regiment Berlin é redesignado Regimento da infantaria (Mot) Grossdeutschland
Abril de 1942 e ndash Regimento da infantaria (Mot) Grossdeutschland expande para se tornar Divisão da Infanterie (Mot) Grossdeutschland
Junho de 1943 - Divisão da Infanterie (Mot) Grossdeutschland é redesignado Panzergrenadier-Division Grossdeutschland
Novembro de 1944 e ndash Panzer-Korps Grossdeutschland criada

A unidade pode traçar suas origens até a criação do Wach-Regiment Berlin, parte da recém-formada Reichswehr no final de 1920 (após a derrota da Alemanha no final da Primeira Guerra Mundial, o Tratado de Versalhes limitou as Forças Armadas alemãs a uma força profissional de 100.000 funcionários). A Alemanha, agora sob um novo sistema democrático de governo conhecido como República de Weimar, ainda estava relativamente instável após a turbulência no final da guerra. O governo estava preocupado com possíveis tentativas de golpe e queria criar uma unidade de guarda para fins de segurança. Cada uma das sete divisões do novo Reichswehr enviaria uma companhia para fazer parte da guarda. No entanto, a tensão política dentro do governo rapidamente levou à dissolução do Wach-Regiment Berlin, que foi substituído pelo mais politicamente aceitável Kommando der Wachtruppe em meados de 1921, que consistia em sete companhias de infantaria e uma bateria de artilharia.

Depois que Adolf Hitler e o Partido Nazista chegaram ao poder na Alemanha, o Kommando der Wachtruppe foi rebatizado de Wachtruppe Berlin em meados de 1934 e expandido adicionando uma oitava companhia de infantaria e um quartel-general em 1936. Generaloberst Werner von Fritsch, então Comandante-em Chefe do Exército (Der Heer), então decretou que cada unidade do exército deveria enviar seus melhores soldados treinados para o serviço (em uma base rotativa) com a unidade. Esta expansão continuou em meados de 1937 quando a unidade foi redesignada Wach-Regiment Berlin, enquanto no final de 1938, um pequeno número de oficiais e homens foram transferidos para Viena para ajudar a formar uma nova unidade de guarda, Wach-Batallion Wein. Em abril de 1939, em reconhecimento de que suas tropas não foram retiradas de uma área específica como a maioria das unidades do exército, mas de toda a Alemanha, o Wach-Regiment Berlin foi expandido para um regimento completo de quatro batalhões motorizados e logo depois, renomeado Infanterie-Regiment ( Mot) Grossdeutschland. Novamente, um pequeno número de oficiais e homens foi usado para formar outra unidade de guarda, Wach-Kompanie Berlin, em setembro de 1939.

Após a formação de Wach-Kompanie Berlim em setembro de 1939 sob Hauptmann von B & oumllkow, a unidade se expandiu em abril de 1940 para se tornar Wach-Batallion Berlim. Foi renomeado Wach-Batallion Grossdeutschland em outubro de 1942. No final de 1943, um destacamento sob o comando de Leutnant G & oumlrlitz foi enviado para atuar como guarda do Rei Leopoldo III da Bélgica no Castelo Real de Laeken. Em julho de 1944, a unidade desempenhou um papel importante na prevenção do grupo por trás da Operação Valquíria (a tentativa de golpe contra Hitler) de assumir o controle de vários edifícios importantes. Em reconhecimento, o comandante da unidade (Otto Ernst Remer) foi promovido a Oberst e em novembro de 1944, a unidade se expandiu para se tornar Wach-Regiment Grossdeutschland. Junto com dois regimentos da 166ª Divisão de Reserva, Wach-Regiment Grossdeutschland ajudou a formar a 309ª Divisão de Infantaria em 1 de fevereiro de 1945, que foi redesignada Divisão da Infantaria de Berlim em 7 de fevereiro de 1945. Foi destruído na batalha em torno de Küumlstrin em abril de 1945.

História Operacional de Grossdeutschland

Enviado para a Área de Exercícios Grafenw & oumlhr e treinado como uma formação de infantaria motorizada, Grossdeutschland perdeu a campanha polonesa, embora um pequeno destacamento foi formado em um guarda-costas pessoal para o Fuhrer sob o título de unidade de F & uumlhrer-Begleit-Batalhão e viu algum serviço (não combate) na Polónia. O regimento participou da invasão da França e dos Países Baixos como parte do XIX Corpo de exército de Guderian, tendo como anexo o 43º Batalhão de Engenheiros e o 640º Batalhão de Armas de Assalto. Ele entrou em ação contra as forças francesas e britânicas e ocupou Lyon em 19 de junho de 1940. Reforçado pelo 17º Batalhão de Motocicletas em julho, foi estacionado na Alsácia enquanto treinava para a invasão planejada do Reino Unido, Operação Sealion. Depois que isso não aconteceu, a unidade foi reforçada por várias unidades de artilharia e flak, formada em um grupo de combate regimental e enviada para participar da invasão da Iugoslávia (abril de 1941), onde capturou a estação de rádio de Belgrado. Logo depois, foi transferido para o norte para participar da Operação Barbarossa (a invasão da URSS) em 22 de junho de 1941 apoiando a 7ª Divisão Panzer. Ele lutou nas batalhas por Bialystok e Minsk (24 de junho e 6 de julho), a descoberta do rio Dniepr (7 a 10 de julho), a captura de Smolensk (14 a 20 de julho) e a tomada de posições soviéticas em torno de Desna (18 a 30 de julho) Agosto). Esteve então envolvido em operações de defesa em torno de Jelnja (24 de julho e 22 de agosto) e Desna (18-30 de agosto), envolvido na Batalha de Kiev (grande parte de setembro de 1941), combates pesados ​​a leste de Romny (26 de setembro e 3 de outubro) , a dupla batalha de cerco de Vyasma-Bryansk (10-20 de outubro) e a luta em torno de Tula (21 de outubro e 5 de dezembro). Com a contra-ofensiva soviética, Grossdeutschland sofreu pesadas baixas primeiro em torno de Tula (onde o batalhão de motocicletas foi virtualmente aniquilado) e depois perto de Orel (onde seu II Batalhão teve que ser dissolvido). Em 6 de janeiro de 1942, as baixas de Grossdeutschland na Frente Oriental totalizaram 900 mortos, 3.056 feridos e 114 desaparecidos.

Enquanto isso, vários novos batalhões GD foram formados, e foi tomada a decisão de atualizar a unidade para uma divisão de infantaria totalmente motorizada, que começou a se formar em 3 de março de 1942 na Área de Treinamento de Wandern, perto de Berlim. O regimento original foi retirado da linha, juntando-se ao resto da divisão em Rjetschiza no Dnieper e em 17 de abril de 1942 foi redesignado Divisão de Infantaria (Mot) Grossdeutschland. Inicialmente enviado para o sul para apoiar o 4º Exército Panzer, atacou para o leste em direção a Kursk atingindo Voronezh em 6 de julho e depois para o sul, alcançando a junção dos rios Don e Donetz no final do mês. Foi então movido para a reserva perto de Smolensk, mas apenas uma semana depois foi enviado para o norte novamente para se juntar ao Centro do Grupo de Exércitos e lutou uma série de ações defensivas em torno de Rzhev (10 de setembro de 1942 e 10 de janeiro de 1943), incluindo ser cercado por várias unidades blindadas soviéticas em o Vale de Lutschessa durante novembro e sofrendo pesadas baixas. Estava então em ação nos arredores de Kharkov (19 de janeiro a 31 de março de 1943) e ajudou a retomar a cidade. Em seguida, foi retirado da linha e colocado na reserva perto de Poltava. A divisão foi reconstruída às pressas, recebendo o Staff, GD Panzer Regiment (anteriormente Staff, 203º Regimento Panzer) e II / GD Panzer Regiment (anteriormente II / 203º Regimento Panzer, 23ª Divisão Panzer). O batalhão de motocicletas foi reorganizado como uma unidade de reconhecimento panzer, um quarto batalhão de artilharia foi adicionado e o Batalhão GD Panzer tornou-se I / GD Panzer Regiment. Em 1 de julho de 1943, um batalhão de tigres juntou-se à divisão como III / GD Panzer Regiment, uma indicação clara de seu status de elite, já que esses tanques eram geralmente formados em unidades independentes mantidas como corpos ou ativos do exército. A Divisão Grossdeutschland agora se tornara uma divisão Panzer em tudo, exceto no nome e com cerca de 300 tanques, era mais forte do que muitas das divisões Panzer então estacionadas na Frente Oriental. Apesar disso, foi redesignado como Panzergrenadier-Division Grossdeutschland em 23 de junho de 1943.

A divisão então participou da Operação Citadel e da subsequente Batalha de Kursk (5-12 de julho) como parte do 4º Exército Panzer. Depois disso, lutou em defesa de Kharkov, Orel e Bryansk (18 de julho e 5 de agosto) e, em seguida, participou da luta defensiva a oeste de Kharkov (6 de agosto e 14 de setembro) e na retirada para trás do Dnieper (15-28 de setembro) . No final de setembro, a divisão tinha apenas um tanque operacional restante. Ele passou o resto de 1943 manejando uma seção da linha de frente perto de Kremenchug. O novo ano trouxe mais compromissos. Ele lutou em Kirovograd (5-18 de janeiro de 1944), no Dnieper (29 de janeiro e 6 de março), em Nikolayev e durante a retirada para o River Bug (7-27 de março). Enquanto isso, a divisão foi reforçada com um novo regimento Panzer (o 26º) equipado com novos tanques PzKw V Panther. No entanto, a unidade foi gravemente atacada nos combates ao redor de Cherkassy em fevereiro e enviada à Normandia para reconstruir, onde foi pega na invasão da Normandia (Dia D) e não voltou a se juntar à divisão até outubro. Felizmente, a divisão também recebeu equipamento de reposição suficiente para reajustar o regimento de tanques orgânicos da divisão, que então consistia no I Batalhão (cinco companhias de Panteras), II Batalhão (cinco companhias de PzKw IVs) e III Batalhão (quatro companhias de Tigres ) Recebeu também o 1029º Regimento de Granadeiros GD (Reforçado) formado a partir das reservas da divisão, que incluía dois batalhões de infantaria motorizada, um batalhão de artilharia e duas companhias antitanque.

A primavera de 1944 viu Grossdeutschland ter recuado da URSS para a Romênia. Ele entrou em ação no norte da Bessarábia e no sopé das montanhas dos Cárpatos (27 de março e 25 de abril), na parte superior do rio Moldau (26 de abril e 31 de maio) e perto de Jassy (2 a 6 de junho). Foi durante uma pausa na luta em maio, que o Regimento Fusilier GD foi devolvido à Alemanha e totalmente reequipado com meias-lagartas. No entanto, tanto ele quanto o Regimento GD Panzer Grenadier sofreram tantas baixas, que o IV Batalhão em ambos os regimentos teve que ser dissolvido. O Regimento Fusilier GD conseguiu retornar à divisão bem a tempo de participar da luta perto de Jassy, ​​mas sofreu tantas baixas que seu I Batalhão teve que ser dissolvido temporariamente, embora o 1029º Regimento Panzer Grenadier GD tenha sido dissolvido logo depois, e seus sobreviventes costumavam reconstituir o Regimento Fusilier I / GD. Em uma nota mais positiva, o GD Panzer Engineer Battalion foi expandido para quase força regimental.

O final do verão viu a divisão enviada para a Prússia Oriental. O Grupo de Exércitos Norte ficou preso nos Estados Bálticos e Grossdeutschland estava entre as forças encarregadas de abrir um corredor, o que foi concluído em 25 de agosto. There was then a lull in the fighting in that sector for over a month but Hitler did not take advantage of the opportunity to extricate the 16th and 18th Armies from Courland. On 5 October, the Red Army again attacked and sealed off Army Group North. The division was pushed back into the Memel pocket and evacuated by the Kriegsmarine back to East Prussia in late 1944. In November, Panzer-Korps Grossdeutschland was created, consisting of Panzergrenadier-Division Grossdeutschland and Panzer-Grenadier Division Brandenburg. In line with this, December saw Grossdeutschland undergo its final major reorganisation. Its panzer and panzer grenadier regiments were reduced to two battalions each, the artillery regiment was reduced to three battalions and the assault gun battalion was transferred to the Brandenburg Division as II / Brandenburg Panzer Regiment. The III / GD Panzer Regiment became the GD Heavy Panzer Battalion and became part of the corps troops, which is what happened to the other battalions the division lost (except for the assault gun battalion).

In January 1945, the GD division was in the Willenberg area of East Prussia. Back in action on the 15 January against two Soviet Fronts who were approaching Königsberg (now Kaliningrad, which belongs to Russia), it fought a long defensive battle before conducting a counterattack in early March that re-established a communication route between the city and Ermland. However, Red Army pressure was just too strong and the GD division was forced to retreat through Ermland, over the Frisches Haff into Samland. From there it retreated through Samland, fought in the Battle of Pillau and the defence of the Frisches Nehrung (12-30 April) &ndash it was still fighting when Hitler committed suicide. The exhausted remnants, some 4,000 personnel, were evacuated by the Kriegsmarine to Schleswig-Holstein where they surrendered to British forces.

1934 &ndash October 1935 Eric von Keiser
Oct 1935 &ndash Oct 1936 Werner Freiherr von and zu Gildsa
Oct 1936 &ndash June 1939 Oberst Hans von Alten
June 1939 &ndash Aug 1941 Oberstleutnant (then Oberst) Wilhelm-Humold von Stockhausen
Aug 1941 &ndash April 1943 Oberst (then Generalmajor, then Generalleutnant) Walter Hörnlein
April &ndash June 1943 General der Panzertruppen Hermann Balck
June 1943 &ndash Jan 1944 Generalleutnant Walter Hörnlein
Feb 1944 &ndash Sept 1944 Generalleutnant Hasso von Manteuffel
Sept 1944 &ndash Feb 1945 Generalmajor Karl Lorenz
February &ndash May 1945 Generalmajor Hellmuth Mäder

1st Grossdeutschland Infantry Regiment (three battalions from the original GD Regiment)
2nd Grossdeutschland Infantry (later Fusilier) Regiment (three battalions)
Grossdeutschland Panzer Battalion (formerly I / 100th Panzer Regiment)
Grossdeutschland Motorcycle Battalion
Grossdeutschland Tank Destroyer Battalion (formerly 643rd Tank Destroyer Battalion)
Grossdeutschland Panzer Artillery Regiment (three battalions)
Grossdeutschland Army Flak Artillery Battalion (formerly 285th Army Flak Artillery Battalion)
Grossdeutschland Assault Gun Battalion (formerly 192nd Assault Gun Battalion)
Grossdeutschland Panzer Engineer Battalion (formerly 43rd Engineer Battalion)
Grossdeutschland Panzer Signal Battalion (formerly 309th Signal Battalion)

Special Insignia and Uniforms

Grossdeutschland utilised all the standard uniforms and equipment found in the rest of the German Army. One item of insignia unique to Grossdeutschland was the use of a cuffband, first authorised in June 1939 and positioned on the lower right sleeve, fifteen centimetres from the edge of the cuff. It was 32mm wide and had the legend Grossdeutschland machine-woven in metallic aluminium thread and Gothic-script characters, on a dark green rayon backing with woven aluminium edge stripes. In the summer of 1940, a new version was produced which had Inf. Regt. Grossdeutschland as an inscription but by far the most widely seen is a third variant, introduced in late 1939, again with the single word Grossdeutschland as an inscription. This inscription was hand-woven in aluminium bullion thread in the old German Sütterlin script on a black (rather than dark green) band with edging in aluminium 'Russia' braid. In mid-1944, attempts were made to standardise the manufacture of cuffbands in the interests of economy and so the cuffbands after this time are machine-embroidered in silver-grey yarn on a black wool cloth band with edging in silver-grey 'Russia' braid. In November, the length of the cuffband was limited to twenty-five centimetres, so it did not reach all the way round the sleeve. In addition, a special shoulder strap cipher were used, initially being a 'W' when the unit was known as the Wach-Regiment Berlin, but later being changed to 'GD' when it became Grossdeutschland. The unit motif placed on vehicles was a white, left-facing Stahlhelm (helmet).

In terms of miniature figure wargaming, there are a number of scales available, depending on what the player&rsquos requirements are. These range from 1/285 or 1/300 scale micro armour (where each tank is only 10-15mm long) to individual figures up to around 32mm or higher, with three of the more popular scales being 15mm, 20mm and 28mm. Many wargames rules will cater for different scales. With regard to the 28mm scale (the author&rsquos preferred choice), several wargames figure manufacturers, including Black Tree Design, Artizan Design, Crusader Miniatures and Warlord Games, produce extensive ranges of 28mm figures in both metal and plastic covering the German Army during the Second World War, while some (Warlord Games and Rubicon Models for example) do equipment and vehicles. These are available as individual figures, vehicles or pieces of equipment (such as an anti-tank gun or artillery piece) but also in larger units. This includes sets that can form the basis of a particular unit for example, Warlord Games produces the 'German Pioneers' or the 'Blitzkrieg German Infantry' sets which contain around thirty figures as part of their Bolt Action range. They also have many of the major items of equipment that Grossdeutschland utilised, as do Rubicon:

  • PzKw III, IV, V and VI tanks
  • StuG III, Marder II and III, Hummel and Wespe self-propelled guns
  • Hetzer tank destroyer
  • SdKfz 7, 250 and 251 halftracks
  • PaK 36, 38 and 40 anti-tank guns.

Bellis, M. (1988) German Tanks and Formations 1939-45, Crewe: Self-Published.

Lucas, J. (1979) Germany's Elite Panzer Force: Grossdeutschland, Tonbridge: BCA (by arrangement with Macdonald and Jane's Publishers).

Marcus. (2018) Axis History website, located at https://www.axishistory.com, as of 6 September 2018.

Metapedia. (2015) Wach-Regiment Berlim (Reichswehr) webpage, last modified 14 August 2015, located at https://de.metapedia.org/wiki/Wach-Regiment_Berlin_(Reichswehr), as of 11 September 2018.

Mitcham, S. (2001) The Panzer Legions: A Guide to the German Army Tank Divisions of World War II and Their Commanders, London: Greenwood Press.

Nafziger, G. (2011) Organizational History of the German Armoured Formations 1939-1945, Combined Arms Research Library (Digital Library), archived from the original 8 December 2011, located at https://web.archive.org/web/20111208094147/http://www.cgsc.edu/CARL/nafziger/939GXPZ.PDF, as of 17 July 2018.

Quarrie, B. (1977) Panzer-Grenadier Division 'Grossdeutschland', London: Osprey Publishing, Vanguard Series No. 2.

Spaeter, H. (1990) Panzerkorps Grossdeutschland &ndash A Pictoral History, West Chester, PA: Schiffer Publishing.

Williamson, G. (2002) German Army Elite Units 1939-45, Oxford: Osprey Publishing, Men-at-Arms Series No. 380.

Satellite units of Grossdeutschland included:

Wach-Kompanie Berlim (was eventually expanded to regiment status and helped form the 309th Infantry Division in early 1945)

Fuhrer-Grenadier Brigade (formed in July 1944, it was expanded to divisional status in early 1945)

Fuhrer-Begleit Brigade (formed in November 1944, was expanded to divisional status in early 1945)


Guard III YP-2384 - History

A truly dramatic moment in history occurred on April 20, 1814, as Napoleon Bonaparte, Emperor of France and would-be ruler of Europe said goodbye to the Old Guard after his failed invasion of Russia and defeat by the Allies.

By that time, Napoleon had ruled France and surrounding countries for twenty years. Originally an officer in the French Army, he had risen to become Emperor amid the political chaos following the French Revolution in which the old ruling order of French kings and nobility had been destroyed.

Napoleon built a 500,000 strong Grand Army which used modern tactics and improvisation in battle to sweep across Europe and acquire an Empire for France.

But in 1812, the seemingly invincible Napoleon made the fateful decision to invade Russia. He advanced deep into that vast country, eventually reaching Moscow in September. He found Moscow had been burned by the Russians and could not support the hungry French Army over the long winter. Thus Napoleon was forced to begin a long retreat, and saw his army decimated to a mere 20,000 men by the severe Russian winter and chaos in the ranks.

Britain, Austria, and Prussia then formed an alliance with Russia against Napoleon. Although Napoleon rebuilt his armies and won several minor victories over the Allies, he was soundly defeated in a three-day battle at Leipzig. On March 30, 1814, Paris was captured by the Allies. Napoleon then lost the support of most of his generals and was forced to abdicate on April 6, 1814.

In the courtyard at Fontainebleau, Napoleon then bid farewell to the remaining faithful officers of the Old Guard.

Soldiers of my Old Guard: I bid you farewell. For twenty years I have constantly accompanied you on the road to honor and glory. In these latter times, as in the days of our prosperity, you have invariably been models of courage and fidelity. With men such as you our cause could not be lost but the war would have been interminable it would have been civil war, and that would have entailed deeper misfortunes on France.
I have sacrificed all of my interests to those of the country.
I go, but you, my friends, will continue to serve France. Her happiness was my only thought. It will still be the object of my wishes. Do not regret my fate if I have consented to survive, it is to serve your glory. I intend to write the history of the great achievements we have performed together. Adieu, my friends. Would I could press you all to my heart.

Napoleon Bonaparte - April 20, 1814

Post-note: Following this, Napoleon was sent into exile on the little island of Elba off the coast of Italy. But ten months later, in March of 1815, he escaped back into France. Accompanied by a thousand men from his Old Guard he marched toward Paris and gathered an army of supporters along the way.

Once again, Napoleon assumed the position of Emperor, but it lasted only a 100 days until the battle of Waterloo, June 18, 1815, where he was finally defeated by the combined English and Prussian armies.

A month later he was sent into exile on the island of St. Helena off the coast of Africa. On May 5, 1821, the former vain-glorious Emperor died alone on the tiny island abandoned by everyone. In 1840 his body was taken back to France and buried in Paris.

Termos de uso: Casa / escola particular não comercial, não reutilização da Internet somente é permitida de qualquer texto, gráfico, fotos, clipes de áudio, outros arquivos eletrônicos ou materiais do The History Place.


Steam Guard

Steam Guard is an additional level of security that can be applied to your Steam account. The first level of security on your account is your login credentials: your Steam account name and password. With Steam Guard, a second level of security is applied to your account, making it harder for your Steam account to fall into the wrong hands.

When Steam Guard is enabled on your account, when you login to your Steam account from an unrecognized device you'll need to provide a special access code to verify it's your account. Depending on your Steam Guard settings, you'll either receive an email with the special code or you'll get it from the Steam Mobile app on your smartphone.

How do I enable Steam Guard via email?

Steam Guard is enabled by default on your Steam account if your email is verified and you have restarted Steam twice since verifying your email. If you have disabled Steam Guard, and wish to reactivate it, please follow the instructions below:

  1. Be sure your contact email address is verified with Steam.
    You must verify your contact email address with Steam. You can check whether your email address is already verified by visiting Steam Account Settings. A verified address will be marked as "Verified." Learn how to verify your email address.
  2. Enable Steam Guard in Steam Settings.
    While logged into the Steam client, you can enable Steam Guard by clicking on "Steam" in the top left hand corner of the client. Then go to "Settings" and click "Manage Steam Guard Account Security" under the Account tab.

É isso! With Steam Guard enabled, you will be asked to enter the special access code sent to your email address each time you login to Steam from an unrecognized device.

How do I enable Steam Guard via my smartphone?

Getting Steam Guard codes via your smartphone provides the best level of Steam account security because you're authorizing your logins with a physical device that you possess. You'll need to download and install the free Steam Mobile app to your phone.

Is there a limit to the number of machines that can be authorized?

No, there's no limit. Steam Guard is aimed to protect the value that is yours, not limit your access to your stuff. As always, you can access your Steam account and library from as many machines as you'd like.

How do I deauthorize a device?

Deauthorizing a machine means it will look like a new device next time you use it to log in and a Steam Guard code will be required.

If you've mistakenly checked the "remember me" box when logging in to a public computer or if your account has been compromised, you should deauthorize any computers that you've previously Steam Guarded. You can do this from your Account Details page > Manage Steam Guard and select "Deauthorize all other devices" at the bottom of the page. This will deauthorize all computers or devices other than the one you're performing this action from.

How do I get a new Steam Guard code?

Via email - Exit Steam and log back into your account. This will generate a new verification email.

Via phone - The Mobile Authenticator will automatically generate a new code every 30 seconds.

Always ensure that you enter the most recent code sent or generated - older codes will not work!

I'm not receiving a Steam Guard email&hellip

Make sure that you are watching the inbox for the email address associated with your Steam account. Perhaps you used a different email address?

If you are not receiving the e-mail at all, check your spam filters and spam inbox.

Please try adding [email protected]" and [email protected]" to your contacts or trusted senders list within your email client and request a new access code.

Even though Steam instantly sends an email, you may encounter a delay with some email providers depending on their server load and processing times. Please contact us if you have not received the verification email after 3 hours.

Why am I being asked to authenticate a "new device" every time I log in on the same device?

This may be caused your browser's security settings. If your web browser's &lsquoPrivacy&rsquo settings are set too high, then your browser will be unable to store (web) cookie information. Check your browser settings to ensure that cookies are allowed.

Running programs that clear internet history, delete other unused files, block cookie creation or that clean up orphaned registry entries may also be responsible for this issue. Disabling such programs will prevent this issue from occurring when logging into Steam via your web browser.

What if I can't log in once Steam Guard is enabled?

For help logging into Steam visit https://help.steampowered.com

Will Steam Guard prohibit me from logging into 3rd party sites that sign in through Steam?

No, Steam Guard will not limit your ability to access your Steam account through third-party websites that enable a sign in via your Steam account credentials.

How do Steam Guarded accounts get stolen?

Steam Guard protects your Steam account by requiring access to your verified email account. This second layer of security depends on your email account also being secure. Below are the common methods used to steal accounts with Steam Guard enabled:

  1. Through Email: If your verified email account is stolen or compromised, a user can enter your account freely provided they know your account name. Knowing your Steam account password would not be required as this can be reset with access to your email account. Never use the same password for both your email and Steam account.
  2. Acquiring a Steam Guard File: Steam will never ask you to provide any Steam Guard files. If you upload or give a user your Steam Guard .SSFN file, they can gain access to your account without accessing your email account. However, they must know your Steam account password and username to use this file.
  3. Malware: Hijackers can use malware to gain access to your computer and login to your account using your already authorized device. Since your Steam account could be open or you have your account credentials saved, the hijacker does not need to know anything about your account to gain access. Using a proper anti-virus software with real time protection and avoiding unsafe websites/files will prevent malware from entering your system.

Why does Steam report 'Steam Guard not enabled' while the Steam Guard button is missing?

This can happen after Steam Support has restored your account. If the button to enable or change Steam Guard's settings is missing you must restart Steam.


Non-operative treatment, rehabilitation, and return-to-sports (RTS)

Within the past 10 years (2010s), studies have consistently supported non-operative treatment for isolated grade I, grade II, and nondisplaced tibial avulsion PCL injuries [52, 63, 65, 71, 72]. There continues to be a debate regarding the management of isolated grade III injuries as there is limited data on the outcomes following non-operative treatment. A prospective cohort study in high-level athletes with grade II (n = 25) and grade III (n = 21) isolated acute PCL injuries showed that approximately 83% of athletes were able to participate at a competitive sports level (mean Tegner Activity Scale, 9) after non-operative treatment at an average follow-up period of 5 years [2]. In addition, an epidemiological study demonstrated a median lay-off time of 31 days after PCL injury for professional male soccer players. However, these prospectively collected data in men’s professional soccer included all grades of PCL injuries as well as operatively and non-operatively treated athletes [48]. Accordingly, initial non-operative management based on functional bracing and rehabilitation with optional delayed PCL-R seems to be reasonable for isolated acute PCL injuries, even for high-level athletes with grade III PCL injuries [2]. Although the PCL has a strong intrinsic healing capability, residual posterior laxity is a serious and frequently observed disadvantage of non-operative management [52, 71, 72]. However, the subjective and objective outcomes after non-operative treatment are promising [3, 26, 30, 63, 71, 72]. One prospective study demonstrated increased knee laxity based on manual testing in 9% of patients following non-operative treatment after a mean follow-up of 14 years. Additionally, instrumented laxity testing (KT-1000) revealed a mean side-to-side difference of 3 mm [71]. Nevertheless, the majority of patients were able to regain functional range-of-motion (ROM) and sufficient quadriceps strength to return to activities of daily living, with 45% participating in jumping and pivoting activities [71]. Furthermore, no correlation between functional outcomes and grade of laxity could be observed [71]. While non-operative management remains an integral part of the management of isolated PCL injures, it is important to acknowledge that unsatisfactory outcomes may occur. One study showed that patients undergoing non-operative treatment of isolated PCL injuries occasionally experienced pain and swelling in 81% and 56% of patients, respectively [13]. Additionally, a considerable number of PCL deficient patients developed subsequent meniscal injuries requiring subsequent surgery as well as a deterioration of the articular cartilage on average 13 years after the injury, indicating residual knee laxity [13]. This is also supported by the development of moderate to severe OA in approximately 11% of patients at long-term follow-up [71]. There is a paucity of studies comparing operative and non-operative treatment in PCL deficient patients. However, it has been shown that non-operative treatment leads to significantly more subsequent meniscal injuries as well as a higher rate of OA and a higher conversion rate to total knee arthroplasty compared to operative treatment [83].

Rehabilitation protocols whether for non-operative treatment or postoperative care, are inconsistently reported in the literature [65]. Agreement exists in the combination of temporary immobilization/bracing and exercise therapy. Accordingly, appropriate stabilization by initial static and later functional bracing accompanied by progressive exercise therapy is important, whether post-injury or postoperatively, to support the healing process of the PCL [3, 26, 30]. A dynamic anterior drawer brace facilitates end-to-end contact between the torn PCL fibers by applying an anteriorly directed force along the proximal tibia [37]. Studies demonstrated a reduction of PTT based on instrumented laxity measurement following non-operative treatment using static and dynamic braces with posterior tibial support [26, 30]. Initially, partial weight-bearing is recommended and ROM exercises are performed in the prone position to minimize hamstring activity and to counteract the gravity-induced posterior tibial sag [2, 35, 65]. The following weeks are accompanied by advancement to full weight-bearing with strong emphasis on quadriceps strengthening. Jogging and sport-specific exercises are often initiated in the sixth postoperative month. Full ROM, quadriceps strength, and a firm endpoint in the posterior drawer test are required before return to cutting and pivoting sports [35, 65]. This can take up to 12 months, however, quicker recovery with return to sports at 16 weeks has been reported in high-level athletes [2].

Following PCL-R, weight-bearing as tolerated with a knee brace providing posterior tibial support and locked in full extension is recommended for the first 3–6 weeks, followed by functional bracing for up to 6 months, to promote healing and prevent a fixed posterior tibial subluxation [19, 35, 65]. The authors’ recommendation for non-operative treatment and postoperative rehabilitation is illustrated in Fig. 3.

Non-operative and postoperative treatment protocol for posterior cruciate ligament injuries. PCL posterior cruciate ligament, PT physical therapy, PTS posterior tibial support, ROM (ex/flex) range of motion (extension to flexion), C semana


Assista o vídeo: Why Dont These Cells Match In Excel - 2384


Comentários:

  1. Cristofor

    Muito bem, frase brilhante e é oportuna

  2. Boyd

    Concordo, peça muito útil

  3. Carthage

    Infelizmente, não posso te ajudar. Eu acho que você encontrará a solução certa.

  4. Dovev

    Pergunta muito boa

  5. Ace

    Eu sou final, sinto muito, mas isso não se aproxima de mim. Vou pesquisar mais.



Escreve uma mensagem