Revisão: Volume 43 - História Militar

Revisão: Volume 43 - História Militar

Para almirantes de poltrona, fãs de história e entusiastas navais em todos os lugares, "A Naval Miscellany" é uma coleção indispensável e divertida de fatos fascinantes e pouco conhecidos, anedotas, listas, curiosidades e histórias de nosso passado naval. Heróis esquecidos, erros incríveis, curiosidades surpreendentes e histórias estranhas, mas verdadeiras, estão incluídos. Quem eram os heróis navais do mundo antigo e os piores almirantes do mundo? Quanto um aspirante recebia no século XVIII? Quais são as origens das favelas do mar? Onde estão as maiores bases navais do mundo hoje? E como um navio flutua? Está tudo aqui neste livrinho que vai surpreender e iluminar até o mais ávido estudante de história naval!

Alex de Quesada revela toda a história da Guarda Costeira dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial neste título de Elite. Em particular, o livro chama a atenção para a história pouco conhecida de como a Guarda Costeira dos EUA dirigiu uma série de embarcações de desembarque durante o Dia D em 1944, além de fornecer patrulhas anti-U-boat cruciais ao longo dos anos de guerra. Vários soldados da Guarda Costeira foram perdidos nessas duas campanhas, e sua contribuição inegável para o esforço de guerra dos Estados Unidos merece maior reconhecimento. A Guarda Costeira também forneceu aviadores e artilheiros à Marinha Mercante e aos Serviços de Segurança Portuária tripulados. Essas funções são totalmente explicadas e ilustradas com fotografias raras e obras de arte especialmente encomendadas.

Durante o século 19, a Grã-Bretanha entrou em três guerras brutais com o Afeganistão. Cada uma delas viu os britânicos tentando e não conseguindo obter o controle de um território belicoso e impenetrável. As duas primeiras guerras (1839-42 e 1878-81) foram guerras do Grande Jogo; as tentativas do Império Britânico de combater a crescente influência russa perto das fronteiras da Índia. A terceira, travada em 1919, foi uma guerra santa declarada pelo Afeganistão contra a Índia britânica - na qual mais de 100.000 afegãos responderam ao chamado e levantaram uma força que seria grande demais para o exército imperial britânico. Cada uma das três guerras foi atormentada por desastres militares, longos cercos e dispendiosos combates para os britânicos, e a história provou que os afegãos são um inimigo formidável e seu país invencível. Este livro revela a história dessas três guerras anglo-afegãs, as lutas pelo poder imperial que levaram ao conflito e as experiências torturantes dos homens no terreno. O livro conclui com uma breve visão geral dos antecedentes do conflito atual no Afeganistão e esboça os paralelos históricos.

De seu assento em Xanadu, o grande imperador mongol da China, Kubla Khan, há muito planejava uma invasão do Japão. No entanto, foi somente com a aquisição da Coréia, que o Khan ganhou os recursos marítimos necessários para uma operação anfíbia tão importante. Escrito pelo especialista em guerra oriental Stephen Turnbull, este livro conta a história dramática das duas invasões mongóis do Japão que colocaram os mestres das estepes contra o nobre Samurai. Usando mapas detalhados, ilustrações e obras de arte recém-encomendadas, Turnbull traça a história dessas grandes campanhas, que incluíram numerosos ataques sangrentos nas ilhas japonesas, e terminou com o famoso kami kaze, o vento divino, que destruiu a frota mongol e viveria na consciência japonesa e moldar seu pensamento militar nos séculos vindouros.


Rangers na América do Norte serviram nas guerras dos séculos 17 e 18 entre colonos e tribos nativas americanas. Os soldados regulares não estavam acostumados com a guerra de fronteira e assim foram desenvolvidas companhias de Ranger. Rangers eram soldados em tempo integral empregados por governos coloniais para patrulhar entre fortificações de fronteira fixa em reconhecimento, fornecendo um alerta antecipado de ataques. Em operações ofensivas, eles eram batedores e guias, localizando aldeias e outros alvos para forças-tarefa retiradas da milícia ou outras tropas coloniais. [ citação necessária ]

O pai da raça americana é o Coronel Benjamin Church (c. 1639–1718). [2] Ele foi o capitão da primeira força Ranger na América (1676). [3] Church foi comissionado pelo governador da colônia de Plymouth, Josiah Winslow, para formar a primeira companhia de guardas florestais para a guerra do rei Philip. Mais tarde, ele contratou a empresa para atacar Acádia durante a Guerra do Rei William e a Guerra da Rainha Anne.

Benjamin Church projetou sua força principalmente para emular os padrões de guerra dos índios americanos. Para este fim, ele se esforçou para aprender a partir de Nativos americanos como lutar gostar Nativos americanos. [2] Os americanos tornaram-se rangers exclusivamente sob a tutela dos aliados indianos. (Até o final do período colonial, os guardas-florestais dependiam dos índios como aliados e professores.) [4] A Igreja desenvolveu uma unidade especial de tempo integral misturando colonos brancos, selecionados para habilidades de fronteira, com nativos americanos aliados para realizar ataques ofensivos contra Nativos americanos hostis em terreno onde as unidades normais da milícia eram ineficazes.

Under Church serviu ao pai e ao avô de dois guarda-parques famosos do século XVIII: John Lovewell e John Gorham, respectivamente. [5] Rogers 'Rangers foi estabelecido em 1751 [6] pelo Major Robert Rogers, que organizou nove companhias Ranger nas colônias americanas. Essas primeiras unidades de infantaria leve americana organizadas durante as guerras francesa e indiana eram chamadas de "Rangers" e costumam ser consideradas o berço espiritual dos modernos Rangers do Exército.

As tropas provinciais foram levantadas pelos governadores e legislaturas coloniais para operações prolongadas durante as guerras francesa e indiana. As tropas provinciais diferiam da milícia por serem uma organização militar de tempo integral conduzindo operações extensas. Eles diferiam do Exército Britânico regular, pois foram recrutados apenas para uma temporada de campanha na época. Essas forças eram frequentemente recrutadas por meio de um sistema de cotas aplicado à milícia. Os oficiais foram nomeados pelos governos provinciais. Durante o século XVIII, o serviço militar foi cada vez mais visto como uma prerrogativa do bem estabelecido social e econômico, enquanto as tropas provinciais passaram a ser recrutadas entre membros diferentes e menos enraizados da comunidade. [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16]

As primeiras forças provinciais na América do Norte britânica foram organizadas na década de 1670, quando vários governos coloniais contrataram empresas de guarda-parques por um ano de serviço pago para proteger suas fronteiras (veja acima). [17] As principais operações durante a Guerra do Rei William foram conduzidas por tropas provinciais da Baía de Massachusetts. Durante a Guerra da Rainha Anne, as tropas provinciais de Massachusetts Bay, Connecticut e New Hampshire constituíam a maior parte das forças inglesas. [18] Durante a Guerra do Rei George, as forças terrestres que tomaram Louisbourg foram inteiramente fornecidas por Massachusetts, Connecticut, New Hampshire e Rhode Island. [19] Durante a Guerra da França e da Índia, o governo britânico em Londres assumiu um papel cada vez mais importante, relegando as tropas provinciais a um papel não-combatente, principalmente como pioneiros e tropas de transporte, enquanto a maior parte dos combates eram feitos pelos soldados regulares Exército britânico. No entanto, as contribuições de Connecticut, Massachusetts Bay, New Hampshire e Rhode Island foram essenciais. [20]

O início das forças armadas dos Estados Unidos está nos governos locais que criaram milícias que alistaram quase todos os homens brancos livres. A milícia não foi empregada como força de combate em operações importantes fora da jurisdição local. Em vez disso, a colônia pediu (e pagou) voluntários servindo em guardas florestais e outras tropas provinciais (veja acima), muitos dos quais também eram membros da milícia. A ameaça local aos índios terminou por volta de 1725 na maioria dos lugares, após o que o sistema de milícia foi pouco usado, exceto para papéis cerimoniais locais. [21]

O sistema de milícia foi revivido no final da era colonial, com a aproximação da Revolução Americana, as armas foram acumuladas e o treinamento intensivo começou. A milícia desempenhou um papel importante de combate na Revolução, especialmente ao expulsar os britânicos de Boston em 1776 e capturar a força de invasão britânica em Saratoga em 1777. No entanto, a maior parte da luta foi conduzida pelo Exército Continental, composto por soldados regulares. [21]

As ações militares nas colônias foram o resultado de conflitos com os nativos americanos no período da colonização pelos colonos, como a Guerra Pequot de 1637, a Guerra do Rei Philip em 1675, a guerra Susquehannock em 1675-77, [22] e a Guerra de Yamasee em 1715. A Guerra do Padre Rale (1722–1725) aconteceu no Maine e na Nova Escócia. Também ocorreram levantes de escravos, como a Rebelião de Stono em 1739. Finalmente, houve a Guerra do Padre Le Loutre, que também envolveu Acadians, na preparação para a Guerra Francesa e Indiana. [ citação necessária ]

A Guerra de Kieft foi um conflito entre colonos holandeses e índios na colônia de New Netherland de 1643 a 1645. A luta envolveu ataques e contra-ataques. Foi sangrento em proporção à população, mais de 1.600 nativos foram mortos em uma época em que a população europeia de Nova Amsterdã era de apenas 250.

Os britânicos lutaram contra os espanhóis na Guerra da Orelha de Jenkins, 1739-1748. Depois de 1742, a guerra se fundiu na Guerra da Sucessão Austríaca, envolvendo a maioria das potências da Europa. A Geórgia resistiu à invasão espanhola da Geórgia em 1742 e alguns combates esporádicos na fronteira continuaram. A guerra se transformou na Guerra do Rei George, que terminou com o Tratado de Aix-la-Chapelle em 1748.

A partir de 1689, as colônias também frequentemente se envolveram em uma série de quatro grandes guerras entre a Inglaterra (mais tarde Grã-Bretanha) e a França pelo controle da América do Norte, a mais importante das quais foi a Guerra da Rainha Anne, na qual os britânicos venceram a Acádia Francesa (Nova Scotia), e a guerra final francesa e indiana (1754-1763), quando a França perdeu todo o Canadá. Esta guerra final deu a milhares de colonos experiência militar, incluindo George Washington, que eles colocaram em uso durante a Revolução Americana.

A Grã-Bretanha e a França travaram uma série de quatro guerras francesas e indianas, seguidas de outra guerra em 1778, quando a França se juntou aos americanos na Revolução Americana. Os colonos franceses na Nova França foram superados em número 15-1 pelas 13 colônias americanas, [23] então os franceses dependiam muito de aliados indígenas.

As guerras foram longas e sangrentas, causando imenso sofrimento a todos os envolvidos. No longo prazo, os indianos foram os maiores perdedores, muitos estavam do lado perdedor, já que a Espanha e a França foram derrotadas e, portanto, não poderiam fornecer mais apoio a eles. Os colonos da fronteira foram expostos a ataques repentinos de índios, muitos foram mortos ou capturados e ainda mais foram forçados a recuar da fronteira. Uma forma lucrativa de atividade de guerra na qual os colonos se engajaram foi o corsário - pirataria legalizada contra navios mercantes inimigos. Outro era caçar índios inimigos com o objetivo de escalpelá-los e reclamar a recompensa em dinheiro oferecida pelos governos coloniais. [24]

Guerra do Rei William: 1689-1697 Editar

A Guerra do Rei William (1689-97) (também conhecida como a "Guerra dos Nove Anos") [25] foi uma fase do conflito anglo-francês maior que ocorreu na Índia e também na América do Norte. A Nova França e a Confederação de Wabanaki uniram forças para lançar vários ataques contra os assentamentos da Nova Inglaterra ao sul do atual Maine, cuja fronteira com a Nova França definiu como o rio Kennebec no sul do Maine. [26]

Sir William Phips mudou-se com sua milícia da Nova Inglaterra em 1690 para tomar as fortalezas francesas em Port Royal e em Quebec, este último comandado pelo Conde de Frontenac, o governador da Nova França. Phips conquistou a capital de Acádia e várias outras comunidades na colônia (por exemplo, Batalha de Chedabucto). (Os atuais Maine e New Brunswick permaneceram territórios disputados entre a Nova Inglaterra e a Nova França.) O ultimato escrito de Phips exigindo a rendição de Fontenac em Quebec levou Frontenac a dizer que sua resposta viria apenas "da boca de meus canhões e mosquetes".

A milícia da Nova Inglaterra teve que contar com as formidáveis ​​defesas naturais de Quebec, seu número superior de soldados e a chegada do inverno, e Phips finalmente navegou de volta a Boston com sua força faminta, infestada de varíola e desmoralizada. Seu fracasso mostra um reconhecimento crescente da necessidade de replicar as técnicas de combate europeias e de se aproximar da política de guerra em Londres para alcançar o sucesso militar. [27]

Os iroqueses sofreram muito na Guerra do Rei William e foram trazidos para a rede comercial francesa, junto com outros índios ocidentais. O tratamento dado pelos colonos às tribos indígenas após a Guerra do Rei Philip levou diretamente ao envolvimento da tribo Wabanaki na guerra. Ele reteve um poder significativo em relação aos colonos, ao contrário das tribos no sul da Nova Inglaterra, e rejeitou as tentativas de exercer autoridade sobre eles. Os tratados feitos durante 1678-84 incluíam concessões à soberania indiana, mas tais concessões foram amplamente ignoradas na prática. [ citação necessária ] A expansão dos assentamentos alimentou tensões e levou a ameaças indianas de uma repetição da violência da Guerra do Rei Filipe e ofereceu uma oportunidade aos franceses, que formaram várias novas alianças. A falta de estabilidade e autoridade evidenciada pela prisão do governador Andros em 1689 combinada com as queixas existentes e o incentivo francês levou a ataques Wabanaki a assentamentos na costa do Nordeste, um padrão que se repetiu até a retirada dos franceses em 1763. [28]

Guerra da Rainha Anne Editar

A Guerra da Rainha Anne (1702-1713) foi o lado colonial da Guerra da Sucessão Espanhola, travada principalmente na Europa em questões europeias. O conflito também envolveu várias tribos indígenas americanas e a Espanha, que era aliada da França. [29]

O governador da Carolina, James Moore, liderou um ataque malsucedido em 1702 a St. Augustine, a capital da Flórida espanhola, e liderou uma das várias expedições de invasão em 1704-6 que exterminou grande parte da população indígena da Flórida. Thomas Nairne, o agente indígena da Província de Carolina, planejou uma expedição da milícia Carolinan e seus aliados indígenas para destruir o assentamento francês em Mobile e o assentamento espanhol em Pensacola. A expedição nunca se concretizou, mas os carolinanos forneceram aos seus aliados armas de fogo, que os Tallapoosas usaram no cerco a Pensacola. Esses guerreiros provaram sua eficácia na combinação de táticas nativas e armas europeias, mas os colonos não conseguiram compensá-los de forma adequada e subestimaram seriamente sua importância como a chave para o equilíbrio de poder no interior do sudeste. Consequentemente, os Tallapoosas e outras tribos mudaram sua aliança para o outro lado em 1716 e se prepararam para usar o que aprenderam contra os assentamentos da Carolina do Sul. [30]

A Confederação Francesa e Wabanaki procurou impedir a expansão da Nova Inglaterra em Acádia, cuja fronteira com a Nova França definiu como o Rio Kennebec no sul do Maine. [26] Para este fim, eles executaram ataques contra alvos em Massachusetts (incluindo o atual Maine), começando com a Northeast Coast Campaign.

Em 1704, as forças francesas e indianas atacaram várias aldeias e Deerfield, Massachusetts, estava preparado para um ataque. O ataque ocorreu durante a noite de 28 de fevereiro de 1704, grande parte da vila foi queimada, muitos foram mortos e outros foram levados cativos. Dezessete dos cativos foram mortos no caminho para o Canadá, pois foram feridos e não conseguiram acompanhar o ritmo, e a fome ceifou mais vidas.

A Igreja Major Benjamin retaliou atacando Acádia (veja Raid on Grand Pre) e capturou prisioneiros para resgate, sendo que Noel Doiron o cativo Acadian mais famoso. Eventualmente, 53 cativos da Nova Inglaterra voltaram para casa, incluindo um dos alvos dos invasores, o reverendo John Williams. Seus relatos da experiência o tornaram famoso em todas as colônias. [31] A Carolina do Sul era especialmente vulnerável e Charleston repeliu uma tentativa de ataque das frotas francesas e espanholas no verão de 1706.

Os corsários franceses infligiram sérios prejuízos às indústrias pesqueiras e marítimas da Nova Inglaterra. O corsário foi finalmente contido em 1710, quando a Grã-Bretanha forneceu apoio militar aos seus colonos americanos, resultando na conquista britânica de Acádia (que se tornou a Nova Escócia peninsular), a principal base usada pelos corsários. [32] A guerra terminou com uma vitória britânica em 1713. Pelo Tratado de Utrecht, a Grã-Bretanha ganhou Acádia, a ilha de Newfoundland, a região da Baía de Hudson e a ilha caribenha de St. Kitts. A França foi obrigada a reconhecer a influência britânica na região dos Grandes Lagos.

Após a Guerra da Rainha Anne, as relações entre Carolina e as populações indígenas próximas se deterioraram, resultando na Guerra Yamasee em 1715. A Guerra do Padre Rale, alguns anos depois, mudou o poder no nordeste.

Guerra do Padre Rale Editar

A guerra continuou em Acádia, no entanto. A Guerra do Padre Rale (1722–1725), também conhecida como Guerra de Dummer, foi uma série de batalhas entre a Nova Inglaterra e a Confederação de Wabanaki, aliada da Nova França. Após a conquista de Acádia pela Nova Inglaterra em 1710, o continente da Nova Escócia estava sob o controle da Nova Inglaterra, mas tanto a atual New Brunswick quanto praticamente todo o Maine atual permaneceram como território disputado entre a Nova Inglaterra e a Nova França. A Nova França estabeleceu missões católicas entre as três maiores aldeias nativas para garantir sua reivindicação à região: uma no rio Kennebec (Norridgewock), uma mais ao norte no rio Penobscot (Penobscot) e uma no rio St. John ( Medoctec). [33] [34]

A guerra começou em duas frentes quando a Nova Inglaterra se expandiu pelo Maine e quando a Nova Inglaterra estabeleceu um assentamento em Canso, Nova Escócia. Maine caiu para os New Englanders com a derrota do Padre Sébastien Rale em Norridgewock e a subsequente retirada dos índios dos rios Kennebec e Penobscot para St. Francis e Becancour, Quebec. [35]

Guerra do Rei George Editar

A Guerra do Rei George (1744-48) foi a fase norte-americana da Guerra da Sucessão Austríaca. Em 1745, forças navais e terrestres de Massachusetts capturaram a base francesa estratégica na Ilha de Cape Breton no Cerco de Louisbourg. Durante a guerra, os franceses fizeram quatro tentativas para recuperar Acádia, capturando a capital Annapolis Royal, sendo a tentativa mais famosa a expedição fracassada de Duc d'Anville. Eles recuperaram a fortaleza Louisbourg no tratado de paz.

Os franceses lideraram aliados indianos em vários ataques, como o de 28 de novembro de 1745 que destruiu a vila de Saratoga, em Nova York, matando e capturando mais de cem de seus habitantes. A guerra se transformou na Guerra da Orelha de Jenkins contra a Espanha e terminou com o Tratado de Aix-la-Chapelle em 1748.

Guerra do Padre Le Loutre Editar

Na Acádia e na Nova Escócia, a Guerra do Padre Le Loutre (1749–1755) começou quando os britânicos fundaram Halifax. Durante a guerra do padre Le Loutre, a Nova França estabeleceu três fortes ao longo da fronteira da atual Nova Brunswick para protegê-la de um ataque da Nova Inglaterra na Nova Inglaterra. A guerra continuou até a vitória britânica em Fort Beausejour, que desalojou o padre Le Loutre da região, encerrando assim sua aliança com os Maliseet, Acadians e Mi'kmaq. [36]

Guerra Francesa e Indiana: 1754-1763 Editar

As tropas provinciais, distintas das milícias, foram levantadas pelos treze governos coloniais em resposta às cotas anuais estabelecidas pelos comandantes-em-chefe britânicos. Essas tropas serviram na maioria das campanhas e empregos em toda a América do Norte durante a Guerra dos Sete Anos.

Pennsylvania Edit

A guerra começou em 1754, quando a milícia da Virgínia liderada pelo coronel George Washington avançou para o território controlado pela França perto da atual Pittsburgh. Washington foi capturado em Fort Necessity após emboscar uma empresa francesa e libertado. Ele retornou com 2.100 regulares britânicos e colonos americanos sob o general britânico Edward Braddock, que foi destruído decisivamente na Batalha de Monongahela em julho de 1755. [37] [38]

Acádia / Nova Scotia Editar

Apesar da conquista britânica de Acádia em 1710, Acádia / Nova Escócia permaneceu dominada por Acadians católicos e Mi'kmaq. Os britânicos não fizeram um esforço militar combinado para controlar a região até 1749, quando fundaram Halifax, o que desencadeou a Guerra do Padre Le Loutre. A guerra francesa e indiana espalhou-se pela região com a vitória britânica na Batalha de Fort Beauséjour (1755). Imediatamente após essa batalha, as forças da Nova Inglaterra e britânicas se engajaram em inúmeras campanhas militares com o objetivo de assegurar o controle da região. [ citação necessária ]

New York Edit

Província de Upper New York: 8 de setembro de 1755 e o Comandante William Johnson liderando a Batalha do Lago George na 'Batalha do Lago George' (anteriormente conhecido como Lac du Saint Sacrement).

Os defensores britânicos em Fort William Henry (no extremo sul do Lago George) foram cercados por uma força francesa avassaladora e seus aliados indígenas de muitas tribos em agosto de 1757. Os britânicos se renderam aos franceses após receberem termos que incluíam proteção contra os índios. No entanto, os costumes dos guerreiros indígenas permitiam a escravidão de alguns soldados inimigos capturados e escalpelamento de outros, e eles ignoraram os esforços franceses para evitar o massacre. Eles mataram ou capturaram centenas das forças rendidas, incluindo mulheres e crianças. Alguns dos escalpelados tinham varíola, e os escalpos foram levados a numerosas aldeias indígenas como troféus, onde causaram uma epidemia que matou milhares de índios. [ citação necessária ]

No início de julho de 1758, o general britânico James Abercromby com uma força de mais de 15.000 atacou o general Louis-Joseph de Montcalm e sua guarnição de 3.500 tropas francesas e canadenses em Fort Carillon, com vista para o lago Champlain. Os britânicos tinham 44 canhões, o mais pesado pesando mais de 5.000 libras. O forte foi mais tarde chamado de Ticonderoga pelos britânicos e controlava o acesso ao Canadá francês. A força de Abercromby incluía 5.825 regulares britânicos de casacos vermelhos, incluindo os Royal Highlanders. Ele tinha 9.000 soldados coloniais de Massachusetts, Connecticut, Nova York, Rhode Island, New Hampshire e Nova Jersey. Cerca de 400 guerreiros Mohawk se juntaram a ele. O ataque de Abercromby tornou-se desorganizado e ele sofreu a pior derrota britânica da guerra, com mais de 2.000 mortos. Ele recuou e a campanha terminou em fracasso. [ citação necessária ]

Louisbourg Edit

Enquanto isso, Lord Jeffery Amherst capturou a grande fortaleza francesa de Louisbourg na Ilha de Cape Breton (agora parte da Nova Escócia). A grande força naval britânica de Amherst de mais de 170 navios e 13.000 homens foi atacada furiosamente pelos defensores franceses até que o general britânico James Wolfe encontrou um local seguro de pouso fora da vista dos franceses. O cerco finalmente bem-sucedido durou sete semanas. Com a queda de Louisbourg, os Acadians logo foram expulsos de Acádia para lugares como França e Louisiana. [ citação necessária ]

Canadá Editar

Em Londres, o primeiro-ministro William Pitt nomeou Amherst como seu novo comandante-em-chefe da América do Norte em 1759. A vitória de Louisbourg abriu o rio St. Lawrence para os britânicos, e Amherst planejou um ataque em três frentes contra o Canadá francês: um empurrão subiu o St. Lawrence para atacar Quebec, outra invasão ao norte de Albany por meio dos lagos George e Champlain, e pressão contra os franceses no oeste em Fort Niagara. A batalha de 1759 pela cidade de Quebec foi travada nas planícies de Abraham e decidiu o futuro do Canadá, quando as forças britânicas comandadas pelo general James Wolfe derrotaram o exército francês do general Louis-Joseph Montcalm. Ambos os generais foram mortos.

Edição legada

Anderson (2006) sugere que a guerra desempenhou um papel crucial na precipitação da Revolução Americana. Ele acredita que os Estados Unidos conseguiram se tornar uma nação por meio da influência dessa guerra e sugere que talvez devesse ser conhecida como "a guerra que fez a América".

O massacre de Fort William Henry moldou as atitudes culturais americanas em relação aos índios. Foi apenas um dos muitos episódios de derramamento de sangue indiscriminado e relações confusas e confusas entre índios e colonos americanos. Mesmo na Pensilvânia, uma colônia que nunca havia conhecido uma guerra indígena antes de 1755, o ressentimento contra os índios se tornou algo como um sentimento da maioria em 1764. A maioria dos grupos indígenas se aliou aos britânicos na Guerra Revolucionária, e a animosidade só aumentou. [39]

O romancista americano James Fenimore Cooper escreveu O último dos Moicanos em 1826, um romance amplamente lido que foi adaptado para vários filmes de Hollywood. Cooper se refere aos perigosos "selvagens" e mostra sua vontade de matar. O livro cria uma impressão duradoura da falta de confiança e da periculosidade dos índios em geral, de acordo com Michael Hilger. Um tema de longa data na cultura popular americana retratou os índios como selvagens em busca de vingança que buscam escalpelar seus inimigos. [40]

A vitória de Wolfe sobre Montcalm foi um momento decisivo para moldar a autoimagem dos anglo-canadenses, enquanto o Canadá francófono se recusou a permitir comemorações. [41]

Em 1760, o comandante britânico Lord Amherst encerrou abruptamente a distribuição de presentes de ferragens, armas e munições aos índios, uma prática francesa da qual os índios haviam se tornado dependentes. O chefe Pontiac (1720-1769) foi um chefe da tribo de Ottawa que assumiu a liderança na área de Detroit, outros chefes da confederação de tribos dirigiram ataques a todos os fortes britânicos na área dos Grandes Lagos na primavera de 1763. Oito postos avançados foram invadidos , e linhas de abastecimento britânicas foram cortadas através do Lago Erie. Os cercos aos índios falharam em Fort Detroit e Fort Pitt. Nesse ponto, chegaram as notícias da capitulação completa da França e da retirada da América do Norte, e a iniciativa indiana rapidamente entrou em colapso. Poucas unidades militares americanas estiveram envolvidas, enquanto regulares britânicos cuidavam da ação. A Coroa Britânica emitiu uma proclamação em outubro de 1763 proibindo os colonos americanos de entrar em território indiano a oeste dos Montes Apalaches, na esperança de minimizar conflitos futuros e estabelecer planos para um estado-satélite indiano na região dos Grandes Lagos. [42]

Ao expulsar os franceses da América do Norte, a vitória britânica tornou impossível para os iroqueses e outros grupos nativos enfrentarem potências europeias rivais. Os índios aliados da França perceberam sua posição fraca quando Amherst cancelou a oferta de presentes. Eles reagiram rapidamente às mudanças abruptas da Grã-Bretanha nos termos de comércio e suspensão da oferta diplomática de presentes, lançando uma ofensiva com o objetivo de expulsar as tropas britânicas de seus fortes e enviar grupos de invasão que causaram pânico enquanto os refugiados americanos fugiam para o leste. A coalizão indiana forçou as autoridades britânicas a rescindir as políticas ofensivas e renovar a oferta de presentes. Em 1764, as várias tribos chegaram a um acordo com a Grã-Bretanha, e os líderes indígenas perceberam que sua capacidade de organizar e travar guerras não era tão poderosa quanto antes. Sem uma potência competitiva européia para armar e abastecê-los, eles simplesmente não poderiam continuar lutando quando ficassem sem pólvora e suprimentos. [43]

A Proclamação de 1763 irritou os colonos americanos ansiosos para se mudar para o oeste, eles a ignoraram e viram o governo britânico como um aliado dos índios e um obstáculo para seus objetivos. Como argumenta Dixon (2007), "Frustrados com a incapacidade de seu governo de enfrentar os índios, os colonos do interior concluíram que a melhor maneira de garantir a segurança era confiar em seus próprios dispositivos". Essas ações eventualmente os levaram a um conflito direto com o governo britânico e, no final das contas, provaram ser uma das principais forças que levaram ao apoio do interior para a Revolução Americana. [44]


140º Regimento de Infantaria

Reunido em: 13 de setembro de 1862
Reunido: 3 de junho de 1865

O seguinte é retirado de Nova York na Guerra da Rebelião, 3ª ed. Frederick Phisterer. Albany: J. B. Lyon Company, 1912.
Em 8 de agosto de 1862, o capitão Hiram Smith recebeu autoridade para recrutar este regimento que foi organizado em Rochester com Patrick H. O & # 39Rorke como coronel, e lá reunido ao serviço dos Estados Unidos por três anos em 13 de setembro de 1862. 26 de junho , 1863, os três anos & # 39 homens da 13ª Infantaria, e 6 de outubro de 1864, os membros da 44ª Infantaria, não reunidos com seus regimentos, foram transferidos para ela. Em 3 de junho de 1865, os homens que não deveriam ser convocados foram transferidos para a 5ª Infantaria Veterana.
As empresas foram recrutadas principalmente: A em Brockport B, C, E, F e K em Rochester D em Rochester, Brighton, Gates, Penfield e West Webster G em Rochester e Churchville H em Rochester, Brockport e Fairport e I em Chili, Grécia , Penfield, Rochester, Ogden, Henrietta e Parma.
O regimento deixou o Estado em 19 de setembro de 1862 serviu na Brigada Provisória, Divisão Casey & # 39s, defesas de Washington, de setembro de 1862 na 2ª Brigada, 2ª Divisão, 12º Corpo, de outubro de 1862 na 3ª Brigada, 2d Divisão, 5º Corpo, de novembro de 1862 na 1ª Brigada, 1ª Divisão, 5º Corpo, de março de 1864 na 1ª Brigada, 2ª Divisão, 5º Corpo, de 6 de junho de 1864 e, sob o Coronel WS Grantsyne, foi dispensado com honra e retirado em 3 de junho de 1865, perto de Alexandria, Va.
Durante o seu serviço o regimento perdeu por morte, morto em ação, 4 oficiais, 86 recrutas feridos recebidos em ação, 4 oficiais, 46 alistados por doenças e outras causas, 2 oficiais, 169 alistados totalizando 10 oficiais, 301 homens alistados agregado, 311 dos quais 1 oficial, 78 homens alistados, morreram nas mãos do inimigo.

O seguinte é retirado de O exército da União: uma história de assuntos militares nos estados leais, 1861-65 - registros dos regimentos no exército da União - ciclopédia de batalhas - memórias de comandantes e soldados. Madison, WI: Federal Pub. Co., 1908. volume II.
Cento e quadragésimo infantaria. & MdashCols., Patrick H. O & # 39Rorke, George Ryan, Elwell S. Otis, William S. Grantsyne Lieut.-Cols., Louis Ernest, Isaiah F. Force, Elwell S. Otis, William S. Grant-syne, W. James Clark Majs., Milo L. Starks, Benjamin F. Harman, William J. Clark, Willard Abbott, Isaiah F. Force. O 140º, o & quotRochester Racehorses & quot, foi recrutado no condado de Monroe, organizado em Rochester, e lá convocado para o serviço militar nos EUA em 13 de setembro de 1862, por três anos. Em junho de 1863, recebeu por transferência os homens de três anos do 13º N. Y., e em outubro de 1864, os veteranos e recrutas do 44º. O regimento deixou o estado em 19 de setembro de 1862, seguiu para Washington e se juntou ao Exército do Potomac em novembro, sendo designado para a 3ª brigada (Warren & # 39s), 2ª divisão (Sykes & # 39), 5º corpo. Com este comando ficou sob fogo pela primeira vez na batalha de Fredericksburg, onde perdeu alguns feridos e desaparecidos. O 5º corpo foi apenas parcialmente engajado em Chancellorsville, embora o I40º tenha perdido 21 mortos, feridos e desaparecidos naquela batalha desastrosa. Descrevendo esse regimento valente e lutador, o coronel Fox diz: & quotCol., O & # 39Rorke foi morto em Gettysburg enquanto liderava seus homens em ação em Little Round Top, onde sua ação imediata ajudou em grande parte a tomar aquela posição importante, o regimento perdendo ali 26 mortos, 89 feridos e 18 desaparecidos. O 140º estava então na divisão de Ayres & mdash a divisão de regulares. Em 1864, os regulares foram colocados em um comando sob o comando de Ayres, e o 140º foi colocado na mesma brigada da divisão comandada pelo general Charles Griffin. But in June, 1864, the regiment was transferred to the 1st Brigade of Ayres' (2nd) division. This brigade was commanded in turn by Col. Gregory, Gen. Joseph Hayes, Col. Otis, and Gen. Winthrop. The latter officer fell mortally wounded at Five Forks. The regiment was in the hottest of the fighting at the Wilderness and suffered severely there, losing 23 killed, 118 wounded and 114 captured or missing total, 255. Three days later it was engaged in the first of the series of battles at Spbttsylvania, in which action Col. Ryan and Maj. Starks were killed. At Spottsylvania the casualties in the regiment were 12 killed and 48 wounded and at the Weldon railroad, 4 killed, 19 wounded and 51 captured or missing. The regiment was composed of exceptionally good material the men were a neat, clean lot, and in their handsome Zouave costume attracted favorable attention wherever they appeared." The 140th took part in nearly all the great engagements of the Army of the Potomac from Fredericks-burg to the close of the war. It was actively engaged at Chancellorsville, Gettysburg, Wilderness, Spottsylvania, Bethesda Church, siege of Petersburg, Weldon railroad, Poplar Spring Church, Hatcher's run, White Oak road and Five Forks, It was present at Fredericksburg, Bristoe Station, Rappahannock Station, in the Mine Run campaign, North Anna, Totopotomy, White Oak swamp and Appomattox. Other important losses incurred besides those above detailed were, 60 wounded and missing at Bethesda Church 22 killed, wounded and missing in the first assault on Petersburg 23 killed and wounded at Hatcher's run and 57 killed, wounded and missing during the final Appomattox campaign. Col. O'Rorke, when he was killed at Gettysburg, was mounted on a rock at Little Round Top, cheering on his men. He graduated at the head of his class at West Point in 1861 and was only 25 years of age when killed. The regiment was mustered out June 3, 1865, near Alexandria, Va., under Col. Grantsyne. Its total enrollment during service was 1,707, of whom 533 were killed and wounded 8 officers and 141 men were killed and died of wounds 2 officers and 168 men died of disease and other causes total deaths, 319, of whom 77 died in Confederate prisons.

140th Regiment NY Volunteer Infantry | Regimental Color | Guerra civil

In September 1862 the 140th Regiment NY Volunteer Infantry received this painted silk regimental color from a group of young ladies from Rochester.…


Colonial and Revolutionary War (Virginia)

Check the online catalog under the subject headings Virginia–History–Colonial period, ca. 1600-1775 e Virginia–History–Revolution, 1775-1783 for more publications on these eras.

Reprint of 1929 edition. Compiled from the land bounties filed in the Virginia Land Office for land grants issued in Kentucky and Ohio as reward for military service in the Revolutionary War. The claims of heirs as well as soldiers are listed therefore some family relationships can be traced. Index for vols. 1-2 in vol. 2, for vol. 3 in vol. 3

Also available as v. 2 of Virginia colonial records. Regiment rosters, land bounty certificate lists, militia officers, and miscellaneous lists of militia men serving in the wars from 1651 to 1776. Comprehensive index.

Abstracts of Revolutionary War pension applications. Information includes name of soldier, summary of service, list of supportive documents registered with the applications, and number and date of certificate issued. Index in each volume.

Briefly identifies each soldier and gives the source of the service record. Key to sources: p. xiii.

Describes the services of each company in the war. List of officers, by county lists of pensioners. Índice.

Reprint of the 3d ed. of 1894. Index of Virginia revolutionary soldiers given by W.T.R. Saffell in the third edition of his work published in Baltimore in 1894 index to officers in the 1st, 2nd, 3rd, 4th, 5th, 6th, and 11th Virginia regiments as given in volume I. of Palmer’s Calendar of Virginia state papers …”: p. 39-43.

Abstracts of pension applications, including supportive depositions. Information about the family usually included. Index in each volume.

Includes “Roster of the Virginia Navy of the Revolution”: pp. 187-271.

A reprint with additions of the genealogical sections initiated in the second issue of the magazine, Sons of the revolution in the state of Virginia. Includes genealogies of colonial and revolutionary Virginians.

Extracted from documents accompanying Virginia General Assembly, House of Delegates, Journal, 1833-1834. Lists name of soldier, rank, line and time of service, number of acres granted, and date of warrant.

Part 1: list of members of the Virginia chapter of the DAR, with reference to each member’s patriot ancestor(s). Part 2: A list of ancestors officially recognized by the DAR as patriots. Each entry includes the patriot’s birth and death dates place, date, and rank of Revolutionary service and reference to DAR members.


UNCENSORED HISTORY: Dark Chapters Of History: Images Of War, History , WW2

The bombing of Dresden was a great tragedy none can deny. It is not so much this or the other means of making war that is immoral or inhumane. What is immoral is war itself. Once full-scale war has broken out it can never be humanized or civilized, and if one side attempted to do so it would be most likely to be defeated. That to me is the lesson of Dresden.


In Europe, the American Eighth Air Force conducted its raids in daylight. USAAF leaders firmly held to the claim of "precision" bombing of military targets for much of the war, and dismissed claims they were simply bombing cities. However the Eighth received the first H2X radar sets in December 1943. Within two weeks of the arrival of these first six sets, the Eighth command gave permission for them to area bomb a city using H2X and would continue to authorize, on average, about one such attack a week until the end of the war in Europe.

In reality, the day bombing was "precision bombing" only in the sense that most bombs fell somewhere near a specific designated target such as a railway yard. Conventionally, the air forces designated as "the target area" a circle having a radius of 1000 feet around the aiming point of attack. Survey studies show, In the fall of 1944, only seven per cent of all bombs dropped by the Eighth Air Force hit within 1,000 feet of their aim point.

-----------------------
WAS THE ALLIED BOMBING OF GERMANY SUCCESSFUL?

Peter Hinchliffe OBE
Comando de bombardeiro
-----------------------------


Fonte
-Richard G Davis American Bombardment Policy against Germany, 1942-1945, Air Power Review, Volume 6 Number 3, pp. 49󈞪. (see p. 54 (PDF 63). http://www.raf.mod.uk/rafcms/mediafi. 62250E094B.pdf
-United States Strategic Bombing Survey

During the Second World War, the Allied aerial forces performed air raids civilian populations in Europe and over Japan. These actions were not only defined crimes in retrospect, but were also viewed as such by the leaders of the Axis Powers during the war itself, despite the fact they themselves did likewise. On June 6, 1944, at a conference of top Nazi leaders in Klessheim, the German Minister of Foreign Affairs Joachim von Ribbentrop tried to introduce a resolution to define air raids on civilians as acts of terror, but his motion was rejected.

Source Trial of German Major War Criminals, vol. 10, pp. 382-383.

Nearing the end of the War, shelter accommodation was available for only about eight million German people. The remainder sheltered in basements, and casualties in these places of refuge were heavy.


The Bombing of Dresden was a military bombing by the United States Army Air Force (USAAF) & the British Royal Air Force (RAF) as part of the allied forces, between 13 February and 15 February 1945 in the Second World War. In four raids, 1,300 heavy bombers dropped more than 3,900 tons of high-explosive bombs and incendiary devices on the city, the Baroque capital of the German state of Saxony. The resulting firestorm destroyed 15 square miles (39 square kilometres) of the city centre.


Dresden after the American and British bombers had done their job

As the flames subsided, the residents of Dresden discovered that 24,866 out of the 28,410 houses in the inner city were destroyed - an area of total destruction extending over eleven square miles. As for the death toll, German authorities gave up trying to work out the precise total after some 35,000 bodies had been recognized, labeled, and buried while hundreds of cellars and air raid shelters remained unopened.

There was far too great a risk for the spread of disease to allow the proper identification of the dead. So, a massive funeral pyre was constructed in the Altmarkt where thousands more were burned.


Mass cremation of German civilians killed

'Bomber Command was the only weapon we possessed. Bomber Command was available and had to be used every day and every night, weather permitting. Had that force been available and Churchill had got up and said, in the House of Commons, "Well, we have this large bomber force available, but I'm afraid we mustn't use it because as it operates at night we can't be sure of hitting specific targets, and women and children may get killed", the British people would have been outraged and they would have said, "Not attack them because civilians might get killed? Have you gone mad? Hitler's been killing civilians all over Europe, including England." If Churchill had said that he wouldn't have survived as Prime Minister. Morality is a thing you can indulge in an environment of peace and security, but you can't make moral judgements in war, when it's a question of national survival.'


Sobre nós

Marine Military Academy is a college-preparatory boarding school for young men in grades 7-12 with an optional postgraduate year. Since 1965, MMA is the only private school in the world based on the traditions and values of the U.S. Marine Corps. Located in Harlingen, Texas, MMA has been home to thousands of young men from across the world and is home to the historic Iwo Jima Monument.


Review: Volume 43 - Military History - History

  • Susan B. Anthony - On Women's Right to Vote (1873)
  • Tony Blair - To the Irish Parliament (1998)
  • Napoleon Bonaparte - Farewell to the Old Guard (1814)
  • George Bush - Announcing War Against Iraq (1991)
  • George W. Bush - After September 11th (2001)
  • Jimmy Carter - Tribute to Hubert Humphrey (1977)
  • Jimmy Carter - "A Crisis of Confidence" (1979)
  • Neville Chamberlain - On the Nazi Invasion of Poland (1939)
  • Winston Churchill - Blood, Toil, Tears and Sweat (1940)
  • Winston Churchill - Their Finest Hour (1940)
  • Winston Churchill - "Iron Curtain" (1946)
  • Bill Clinton - "I Have Sinned" (1998)
  • Bill Clinton - "I Am Profoundly Sorry" (1998)
  • Edouard Daladier - Nazis' Aim is Slavery (1940)
  • Frederick Douglass - The Hypocrisy of American Slavery (1852)
  • Edward VIII - Abdicates the throne of England (1936)
  • Dwight D. Eisenhower - On the Military-Industrial Complex (1961)
  • Elizabeth I of England - Against the Spanish Armada (1588)
  • William Faulkner - On Accepting the Nobel Prize (1950)
  • Gerald R. Ford - On Taking Office (1974)
  • Gerald R. Ford - Pardoning Richard Nixon (1974)
  • Gerald R. Ford - "A War That is Finished" (1975)
  • St. Francis of Assisi - Sermon to the Birds (1220)
  • Cardinal Clemens von Galen - Against Nazi Euthanasia (1941)
  • Giuseppe Garibaldi - Encourages His Soldiers (1860)
  • William Lloyd Garrison - On the Death of John Brown (1859)
  • Lou Gehrig - Farewell to Yankee Fans (1939)
  • Richard Gephardt - "Life Imitates Farce" (1998)
  • Al Gore - Concedes the 2000 Election (2000)
  • Patrick Henry - Liberty or Death (1775)
  • Harold Ickes - What is an American? (1941)
  • Lyndon B. Johnson - We Shall Overcome (1965)
  • Lyndon B. Johnson - Decides Not to Seek Re-election (1968)
  • Chief Joseph of the Nez Perce - On Surrender to US Army (1877)
  • John F. Kennedy - Inaugural Address (1961)
  • John F. Kennedy - "We choose to go to the Moon" (1962)
  • John F. Kennedy - Cuban Missile Crisis (1962)
  • John F. Kennedy - "Ich bin ein Berliner" (1963)
  • Robert F. Kennedy - On the Death of Martin Luther King (1968)
  • Edward M. Kennedy - "The Cause Endures" (1980)
  • Edward M. Kennedy - Tribute to John F. Kennedy Jr. (1999)
  • Abraham Lincoln - The Gettysburg Address (1863)
  • Abraham Lincoln - Second Inaugural Address (1865)
  • Nelson Mandela - "I am Prepared to Die" (1964)
  • George C. Marshall - The Marshall Plan (1947)
  • Vyacheslav Molotov - On the Nazi Invasion of the Soviet Union (1941)
  • Richard M. Nixon - "Checkers" (1952)
  • Richard M. Nixon - Resigning the Presidency (1974)
  • Richard M. Nixon - White House Farewell (1974)
  • Daniel O'Connell - Justice for Ireland (1836)
  • William Lyon Phelps - The Pleasure of Books (1933)
  • Pope John Paul II - At Israel's Holocaust Memorial (2000)
  • Pope Benedict XVI - "In This Place of Horror" (2006)
  • Ronald Reagan - Address to British Parliament (1982)
  • Ronald Reagan - On the 40th Anniversary of D-Day (1984)
  • Ronald Reagan - On the Challenger Disaster (1986)
  • Ronald Reagan - "Tear Down this Wall" (1987)
  • Maximilien Robespierre - Festival of the Supreme Being (1794)
  • Franklin D. Roosevelt - First Inaugural Address (1933)
  • Franklin D. Roosevelt - Third Inaugural Address (1941)
  • Franklin D. Roosevelt - For a Declaration of War (1941)
  • Franklin D. Roosevelt - D-Day Prayer (1944)
  • Gerhard Schröder - "I Express My Shame" (2005)
  • Elizabeth Cady Stanton - The Destructive Male (1868)
  • George Graham Vest - Tribute to Dogs (c1855)
  • George Washington - Prevents the Revolt of his Officers (1783)
  • Elie Wiesel - The Perils of Indifference (1999)
  • Woodrow Wilson - The Fourteen Points (1918)

Copyright © 1996-2021 The History Place™ All Rights Reserved

Termos de uso: Casa / escola particular não comercial, não reutilização da Internet somente é permitida de qualquer texto, gráfico, fotos, clipes de áudio, outros arquivos eletrônicos ou materiais do The History Place.


Review: Volume 43 - Military History - History

Faculty of Humanities and Social Sciences

University of Ruhuna

Department of History and Archaeology

The Department of History was one of six departments established in the Faculty of Humanities and Social Sciences when the University came into being in 1978. Archaeology was introduced in 1998, consequently renaming it as the Department of History and Archaeology. The department offers Special and General Degree Programs in both disciplines.

Quick Info

Field Training Programs in Archaeology

Third year Special Degree Program students just returned after concluding an intense Field Training Program in Archaeological Excavation at Ilukkumbura cave site in Balangoda.

Department of History and Archaeology
University of Ruhuna
Matara
Sri Lanka

Tel : +94 412222681/82 Ext: 3401
Fax : +94 412227010
Email : [email protected]

Vision

Missão

Head's Message

Gamage, G.C.L. (Dr.)

Welcome to the Department of History and Archaeology!

We offer Degree Programs in two sister disciplines, History and Archaeology, which feed each other giving students and staff a unique opportunity to interact and debate on related but distinct issues. These Degree Programs are offered both Sinhala and English mediums and designed to produce graduates with a broader and critical understating of the past.

Department provides maximum contributions to enhance external degree programs and post – graduate educations.

In-course internship training programs are integrated to Special Degree Programs in both disciples in order to enhance the employability of our graduates. Being a field-oriented discipline, Archaeology Special Degree Program has compulsory field training courses in addition to museum and laboratory training in the department. The Department houses an Archaeological Museum, Archaeological Filed Unit cum Conservation Lab and a Reference Library. Avalokana is the bi-annual journal of the Department where both staff and students can publish their research work.

We have an excellent academic environment within the department where our students grow as competent graduates who can take up challenges with confidence.


Imperial Period

In the imperial legion, beginning with Augustus, the organization is thought to have been:

  • 10 squads (contubernia - a tent group of generally 8 men) = a century, each commanded by a centurion = 80 men [note that the size of a century had diverged from its original, literal meaning of 100]
  • 6 centuries = a cohort = 480 men
  • 10 cohorts = a legion = 4800 men.

Roth says the Historia Augusta, an unreliable historical source from the late 4th century A.D., may be right in its figure of 5000 for imperial legion size, which works if you add the 200 cavalry figure to the product above of 4800 men.

There is some evidence that in the first century the size of the first cohort was doubled:

* M. Alexander Speidel ("Roman Army Pay Scales," by M. Alexander Speidel The Journal of Roman Studies Vol. 82, (1992), pp. 87-106.) says the term turma was only used for the auxiliaries:


Albert, J. W. , and P. A. Guadal . 1941. The journal of Lieutenant J. W. Albert, from Bent’s Fort to St. Louis in 1845. Panhandle-Plains Historical Society, Canyon, Texas. Mapa.

Arnold, L. W. 1942. Notes on the life history of the sand pocket mouse. Jour. Mam.23: 339–341.

Bartlett, J. R. 1854a. Personal narrative of explorations and incidents in Texas, New Mexico, California, Sonora and Chihuahua. Vol. EU.

-----. 1854b. Personal narrative of explorations and incidents in Texas, New Mexico, California, Sonora and Chihuahua. Vol. II.

Bauer, H. L. 1936. Moisture relations in the chaparral of the Santa Monica Mountains, California. Ecol. Monog.6: 404–454.

Bayer, A. W. 1938. An account of the plant ecology of the coast-belt and midlands of Zululand. Ann. Natal Mus.8: 371–455.

Bell, H. M. , and E. J. Dyksterhuis . 1943. Fighting the mesquite and cedar invasion on Texas ranges. Soil Cons.9: 111–114.

Benson, Lyman . 1941. The mesquites and screwbeans of the United States. Am. Jour. Robô.28: 748–754.

Bentley, H. L. 1898. Grasses and forage plants of Central Texas. U. S. Dept. Agr., Div. Agros. Touro. 10

Bews, J. W. 1912. The vegetation of Natal. Ann. Natal Mus.2: 253–331.

Bogusch, E. R. 1950. A bibliography on mesquite. Texas Jour. Sci.2: 528–538.

————— 1951. Climatic limits affecting distribution of mesquite (Prosopis juliflora) in Texas. Texas Jour. Sci.3: 554–558.

————— 1952. Brush invasion in the Rio Grande plain of Texas. Texas Jour. Sci.4: 85–91.

Bourne, A. 1820. On the prairies and barrens of the West. Am. Jour. Sci.2: 30–34.

Bowman, I. 1914. Forest Physiography—Physiography of the United States and principles of soils in relation to forestry.

Bracht, Viktor . 1848. Texas im Jahre 1848. [Trans. from the German by C. F. Schmidt]. 1931.

Branscomb, B. L. 1956. Shrub invasion of a southern New Mexico desert grassland range. M. S. Thesis, Univ. Ariz. 43 pp.

Bray, W. L. 1901. The ecological relations of the vegetation of western Texas. Robô. Gaz.32: 99–123, 195–217, 262–291.

-----. 1904a. Forest resources of Texas. U. S. Dept. Agr., For. Touro. 47. 71 pp.

-----. 1904b. The timber of the Edwards Plateau of Texas its relation to climate, water supply, and soil. U. S. Bur. For., Bull. 49.

-----. 1906. Distribution and adaptation of the vegetation of Texas. Touro. Univ. Tex. 82, Sci. Ser. 10

Brown, A. L. 1950. Shrub invasion of southern Arizona desert grassland. Jour. Range Mgt.3: 172–177.

Browne, J. Ross 1950. A tour through Arizona, 1864 or, adventures in the Apache country. Arizona Silhouettes, Tucson, Arizona.

Bryan, Kirk . 1925. Date of channel trenching (arroyo cutting) in the arid Southwest. Science (n.s.)62: 338–344.

Buechner, H. K. 1944. The range vegetation of Kerr County, Texas, in relation to livestock and white-tailed deer. Am. Mid. Nat.31: 698–743.

Busse, W. 1908. Die Periodischen Grasbrände im tropischen Afrika, ihr Einfluss auf die Vegetation und ihre Bedeuting für Landeskultur. Mitt deutsch. Schutzgebieten2: 113–139. 21, H. 2.

Campbell, R. S. 1929. Vegetative succession in the Prosopis sand dunes of southern New Mexico. Ecology10: 392–398.

————— and E. H. Bomberger . 1934. The occurrence ofGutierrezia sarothrae sobreBouteloua eriopoda ranges in southern New Mexico. Ecology15: 49–61.

Castaneda, Pedrode . 1907. Account of the expedition to Cibola.No: Hodge, F. W., [ed]. Spanish explorers in the southern United States, 1528–1543.

Catlin, George . 1926. North American Indians their manners, customs and conditions . 1832–1839. [Assembled by John Grant]. Vol. 2

Christy, M. 1892. Why are the prairies treeless? Proc. Royal Geog. Soc. & Mont. Gravando. Geog.14: 78–100.

Clarke, A. B. 1852. Travels in Mexico and California.

Clements, F. E. 1920. Plant indicators. The relation of plant communities to process and practice. Carnegie Inst. Wash.

————— 1934. The relict method in dynamic ecology. Jour Ecol.22: 39–68.

----- and V. E. Shelford . 1939. Bio-ecology.

Cook, O. F. 1908. Change of vegetation on the south Texas prairies. U. S. Dept. Agr., Bur. Plant Ind., Cir. 14

Cooke, P. St. George . 1938. Journal of the march of the Mormon Battalion, 1846–47.No: Bieber, R. P. and A. B. Bender. [editors]. Exploring Southwestern Trails 1846–54. Southwest Historical Ser., Vol. 7

Cooper, W. S. 1922. The broad-sclerophyll vegetation of California. Carnegie Inst. Wash., Pub. 319

Cox, Wm. T. 1936. Do droughts explain the prairies? Am. For.42: 556–557.

Cully, Matt . 1952. The Santa Rita Experimental Range. Sudoeste. For. & Range Exp. Sta. 8 pp. [mimeo.]

Dameron, W. H. 1939. Prickly pear eradication and control. Texas Agr. Ex. Sta., Bull. 575.

Dana, J. D. 1865. On the origin of prairies. Am. Jour. Sci. & Arts. II.40: 293–304.

Darrow, R. A. 1944. Arizona range resources and their utilization. I. Cochise County. Univ. Ariz. Agr. Exp. Sta., Tech. Touro.103: 311–366. Mapa.

Dorroh, J. H. Jr. 1946. Certain hydrologic and climatic characteristics of the Southwest. Univ. New Mex., Pub. Eng. 1

Emory, W. H. 1848. Notes of a military reconnaissance from Ft. Leavenworth in Missouri, to San Diego, in California. Senate Ex. Doc. No. 41, 30th Cong., 1st Session.

Fisher, C. E. 1947. Present information on the mesquite problem. Texas Agr. Expt. Stat., Prog. Rep. 1056. [Processed].

Foreman, Grant . 1939. Marcy and the goldseekers.

Foster, J. H. 1917. The spread of timbered areas in central Texas. Jour. For.15: 442–445.

-----, H. B. Krausz , and A. H. Leidigh . 1917. General survey of Texas woodlands, including a study of the commercial possibilities of mesquite. A. and M. Coll. Texas, Bull. 3

Froebel, Julius . 1859. Seven years travel in Central America, northern Mexico and the far west of the United States.

Galpin, E. E. 1926. Botanical survey of the Springbok Flats. Robô. Survey Mem. No. 12. Union So. Afr. Govt.

Gardner, J. L. 1951. Vegetation of the creosotebush area of the Rio Grande Valley in New Mexico. Ecol. Mon.21: 379–403.

Gleason, H. A. 1922. The vegetational history of the middle west. Ann. Assoc. Am. Geog.12: 39–85.

Glendening, G. E. , and H. A. Paulsen , Jr. 1950. Recovery and viability of mesquite seeds fed to sheep receiving 2, 4-D in drinking water. Robô. Gaz.111: 486–491.

————— 1952. Some quantitative data on the increase of mesquite and cactus on a desert grassland range in southern Arizona. Ecology33: 319–328.

----- and H. A. Paulsen, Jr. 1955. Reproduction and establishment of velvet mesquite as related to invasion of semidesert grasslands. U. S. Dept. Agr., Tech. Touro. 1127.

Gray, A. B. 1856. Survey of a route for the Southern Pacific Railroad on the 32nd parallel for the Texas Western R. R. Co.

Gregg, Josiah . 1844. Commerce of the prairies: or, The journal of a Santa Fe trader.

Griffith, David . 1910. A protected stock range in Arizona. U. S. Dept. Agri., Plant Ind., Bull. 177. 28 pp.

Hanson, H. C. 1939. Fire in land use and management. Amer. Midl. Nat.21: 415–434.

Haskett, Bert . 1935. Early history of the cattle industry in Arizona. Ariz. Hist. Rev.6: 3–42.

Henkel, J. S. 1928. The relation of vegetation to water supply in South Rhodesia. Então. Afr. Jour. Sci.25: 38–51.

Hill, R. R. 1928. The war against the desert. Jour. For.26: 91–93.

Hinton, Richard J. 1878. The handbook to Arizona.

Horne, Cecil . 1941. Mesquite eradication research at Texas Tech. Sheep and Goat Raiser22: 24.

Humphrey, R. R. 1949. Fire as a means of controlling velvet mesquite, burroweed and cholla on southern Arizona ranges. Jour. Range Mgt.2: 173–182.

————— 1953. The desert grassland, past and present. Jour. Range Mgt.6: 159–164.

International Boundary Commission (U. S. & Mexico) . 1899. Report of the Boundary Commission upon the survey and re-marking of the boundary between the United States and Mexico west of the Rio Grande 1891–1896.

Jaeger, F. 1911. Das Hoekland der Reisenkrater. Mitt. II. d. deutsch. Schultzgeb. Erganz 5.

Jardine, J. T. , and C. L. Forsling . 1922. Range and cattle management during drought. U. S. Dept. Agr., Bull. 1031.

Jepson, W. L. 1910. The silva of California.

Johnson, R. H. 1931. The natural regions of Texas. Univ. Texas, Bull. 3113.

Kearney, T. H. and R. H. Peebles . 1951. Arizona flora.

Kendall, Geo. W. 1856. A narrative of the Texan Santa Fe expedition. Vol I. 7th Ed.

Kolbe, Peter . 1727. Beschrijving Van de Kaap de Goede Hoop.

Lutz, H. J. 1934. Ecological relations in the pitch pine barrens of southern New Jersey. Yale Univ., School For., Bull. 38. 80 pp. Illus.

Malin, J. C. 1953. Soil, animal and plant relations of the grassland, historically reconsidered. Sci. Mo.76: 207–220.

Marcy, R. B. 1866. Thirty years of life on the border.

Mehrhoff, L. A., Jr. 1955. Vegetation changes on a southern Arizona grassland range—An analysis of causes. M. S. thesis, Univ. Ariz. 48 pp. [Processed].

Michaux, F. A. 1805. Travels to the West of the Alleghany Mountains, etc.No: Thwaites, R. G. (Ed.) 1909. Early western travels 1748–1846. Vol. III.

Norris, J. J. 1950 The effect of rodents, rabbits and cattle on two vegetation types in semidesert range land. New Mex. Agr. Exp. Sta., Bull. 353.

Nunez, Cabeza de Vaca . 1905. The journey of Alvar Nuñez Cabeza de Vaca and his companions from Florida to the Pacific. 1528–1536. [Edited with an introduction by A. F. Bandelier].

Obst, C. K. 1923. Das abflusslose Rumpfschollenland im Nordostlichen Deutsch-Ost-Afrika. Teil II, Mitt. Geogr. Ges., 35.

Parke, J. G. 1857. Report of explorations for railroad routes. Pacific Railroad Report Vol. 7 Part 1 of general report. Sen. Ex. Doc. No. 78. 33rd Cong. 2nd Sess.

Parker, K. W. 1938. Effect of jackrabbits on the rate of recovery of deteriorated rangeland. New Mex. Agr. Exp. Stat., Press Bull. 839. 3 pp. [mimeo].

-----. and S. C. Martin . 1952. The mesquite problem on southern Arizona ranges. U. S. Dept., Cir. 908.

Parry, C. C. 1859.No: Emory, W. H., Report of the United States and Mexican Boundary survey. House Exec. Doc. No. 135. Vol. 2, Pt. 1

Phillips, J. F. V. 1926.Virgilia capensis, Lamk. A contribtion to its ecology. Então. Afr. Jour. Sci.23: 435–454.

————— 1930. Fire: its influence on biotic communities and physical factors in south and east Africa. Então. Afr. Jour. Sci.27: 352–367.

————— 1931. A sketch of the floral regions of Tanganyika Territory. Trans. Roy. Soc. Então. Afr.19: 363–372.

————— 1935a. Some problems presented by South African grasses and grass communities. Jour. Então. Afr. Robô.1: 47–63.

————— 1935b. Succession, development, the climax and the complex organism: an analysis of concepts. Jour. Ecol.23: 210–246.

Price, W. A. , and G. Gunter . 1942. Certain recent geological and biological changes in south Texas, with consideration of probable causes. Proc. & Trans. Tex. Acad. Sci.26: 138–156.

Reynolds, H. G. , and G. E. Glendening . 1949. Merriam kangaroo rat a factor in mesquite propagation on southern Arizona range lands. Jour. Range Mgt.2: 193–197.

————— 1950. Relation of kangaroo rats to range vegetation in southern Arizona. Ecology31: 456–463.

————— and J. W. Bohning . 1956. Effects of burning on a desert grass-shrub range in southern Arizona. Ecology37: 769–777.

Sampson, H. C. 1921. An ecological survey of the prairie vegetation of Illinois. Ill. Dept. Reg. & Educ., Div. Nat. Hist., Bull.13 (16): 523–577.

Sauer, C. O. 1950. Grassland climax, fire, and man. Jour. Range Mgt.3: 16–21.

Schaffner, J. H. 1926. Observations on the grasslands of the Central United States. Ohio State Univ. Studies No. 178.

Schmieder, O. 1927. The Pampa—A natural or culturally induced grassland? Univ. Calif., Pub. in Geog.2: 255–270.

Schulman, Edmund . 1945. Tree-ring hydrology of the Colorado River Basin. Univ. Ariz., Lab. Tree-ring Res., Bull. 2

-----. 1955. Unpublished data on tree-ring indices in the southwest.

-----. 1956. Dendroclimatic changes in semi-arid America.

Shantz, H. L. 1911. Natural vegetation as an indicator of the capabilities of land for crop production in the Great Plains area. U. S. Dept. Agr., Bur. Plant Ind., Bull. 201.

----- and Raphaei Zon . 1924. Atlas of American Agriculture. Natural vegetation.

Shimek, B. 1911. The prairies. Iowa State Univ., Bull. [New Series]35: 169–240.

Show, S. B. , and E. I. Kotok . 1929. Cover type and fire control in the national forests of northern California. United States Department of Agriculture. Touro. 1945.

Shreve, Forest . 1917. A map of the vegetation of the United States. Geog. Rev.3: 119–125. Mapa.

-----. 1951. Vegetation of the Sonoran Desert. Carnegie Inst. Wash., Pub. 591.

Smith, H. V. 1956. The climate of Arizona. Ariz. Agr. Exp. Sta., Bull. 279.

Smith, J. G. 1899. Grazing problems in the southwest and how to meet them. United States Department of Agriculture Div. Agros., Bull. 16

Staples, R. R. 1930. Studies in veld management. Union So. Afr., Dept. Agr., Sci. Touro. 91.

Stewart, O. C. 1951. Burning and natural vegetation in the United States. Geog. Rev.41: 317–320.

————— 1953. Why the great plains are treeless. Colo. Quart.2: 40–50.

-----. 1954. The forgotten side of ethno-geography. Reprint from method and perspective in Anthropology. pp. 221–310. Univ. Minn. Press.

————— 1955a. Forest and grass burning in the mountain west. Southwestern Lore21: 5–8.

————— 1955b. Why were the prairies treeless? Southwestern Lore20: 59–64.

Taylor, W. P. 1934. Significance of extreme or intermittent conditions in distribution of species and management of natural resources, with a restatement of Liebig’s law of minimum. Ecology15: 374–379.

Tharp, B. C. 1952. Texas range grasses.

Thompson, J. W. 1942. A history of livestock raising in the United States, 1607–1860. United States Department of Agriculture, Agr. Hist. Ser. 5

Thornber, J. J. 1907. Ariz. Agr. Exp. Sta., 18th Ann. Rep.

-----. 1910. The grazing ranges of Arizona. Ariz. Agr. Exp. Sta., Bull. 65

Timmons, F. L. 1942. The dissemination of prickly pear seed by jackrabbits. Jour. Am. Soc. Agron.34: 513–520.

U. S. Congress . 1850. Senate Ex. Doc. No. 64, 31st Cong., 1st Session. [Includes R. B. Marcy’s route from Fort Smith to Santa Fe, the report of Lieut. J. H. Simpson of an expedition into the Navajo Country, and the report of W. H. C. Whiting’s reconnaissances of the Western Frontier of Texas].

U. S. Dept. Agriculture . 1941. Climate and man. Yearbook of agriculture.

U. S. Forest Service . 1952. Annual report of the Southwestern Forest and Range Experiment Station Calendar year 1952. [Mimeo].

Upson, Arthur, W. J. Cribbs , and E. B. Stanley . 1937. Occurrence of shrubs on range areas in southeastern Arizona. A condensed report of the results of a cooperative survey by the Ariz. Agr. Expt. Sta., SW Forest and Range Expt. Sta., Agr. Adjustment Administ. and Bureau of Agr. Econ. Issued by Ariz. Agr. Expt. Sta. March 1953.

Vorhies, C. T. , and W. P. Taylor . 1933. Life history and ecology of jackrabbits,Lepus alleni and Lepus californicus , ssp. in relation to grazing in Arizona. Ariz. Agr. Exp. Sta., Tech. Touro. 49.

Wagoner, J. J. 1952. History of the cattle industry in southern Arizona. Univ. Ariz., Soc. Sci. Touro. 20

Weaver, J. E. , and F. E. Clements. 1929. Plant ecology.

Webster’s Unabridged Dictionary . Second Ed. 1954.

Wells, R. W. 1819. On the origin of prairies. Am. Jour. Sci.1: 331–336.

West, O. 1951. The vegetation of Weenen County. Union So. Afr., Dept. Agr. Robô. Surv., Mem. 23

Whitfield, C. J. , and H. L. Anderson . 1938. Secondary succession in the desert plains grassland. Ecology19: 171–180.

—————, and E. L. Beutner . 1938. Natural vegetation in the desert plains grassland. Ecology19: 26–37.

Wislizenus, A. 1848. Memoir of a tour to northern Mexico, connected with Col. Doniphan’s expedition, in 1846 and 1847. Sen. Misc. Doc. No. 26, 30th Cong., 1st Sess.

Wooton, E. O. 1915. Factors affecting range management in New Mexico. United States Department of Agriculture Bull. 211.

-----. 1916. Carrying capacity of grazing ranges in southern Arizona. United States Department of Agriculture Bull. 367.

Young, V. A., F. R. Anderwald and W. G. McCully . 1948. Brush problems on Texas ranges. Tex. Agr. Exp., Stat., Misc. Pub. 21


Assista o vídeo: História do Brasil para UFPR Soldado PM e Vestibular - Prof. Capivara