Avery Island- AG-76 - História

Avery Island- AG-76 - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Avery Island

Uma ilha nos pântanos de água salgada da freguesia de Iberia, Louisiana, perto da costa do golfo.

(AG-76: dp. 11.500; 1. 441'6 "; b. 56 '; dr. 24'4"; s. 12,5 k .; cpl. 878; a. 15 ", 4 40 mm., 12 20 mm. ; el. Basilan; T. EC2-S-Cl)

Avery Island (AG-76) foi estipulada sob um contrato da Comissão Marítima (casco MCE 3085) em 31 de outubro de 1944 em South Portland, Maine, pela New England Shipbuilding Corp .; lançado em 13 de dezembro de 1944; patrocinado pela Sra. Robert LeBourdais; e adquirido pela Marinha e comissionado em 21 de dezembro de 1944, o Tenente Comdr. J. H. Graves, Jr., no comando.

Avery Island seguiu para a Atlantic Mine Iron Works, Brooklyn, N.Y., onde foi colocada fora de serviço na véspera de Natal para o trabalho de conversão. Avery Island foi recomissionada em 31 de julho de 1945 no New York Navy Yard; conduziu corridas de teste em Long Island Sound e treinamento de shakedown na Baía de Chesapeake; e passou por uma disponibilidade de pátio em Norfolk, Virgínia. Com seu período de treinamento concluído, Avery Island apresentou-se em 6 de setembro à Força de Serviço, Frota do Atlântico, para o serviço.

Em 7 de setembro, Avery Island saiu de Hampton Roads com destino ao Pacífico. ele transitou pelo Canal do Panamá em 1º de setembro; fez uma breve pausa em San Diego, Califórnia; em seguida, continuou para o Havaí. O navio ancorou em Pearl Harbor no dia 14 de outubro e, após embarcar pessoal da Marinha para transporte ao Japão, seguiu para Tóquio, onde permaneceu até 18 de novembro.

O Avery Island retornou a San Francisco, Califórnia, em 7 de dezembro e foi reformado em Hunters Point, Califórnia. Carregado com suprimentos e pessoal para a Operação "Crossroads", o Avery Island partiu em 6 de maio como uma unidade da Força-Tarefa Conjunta 1. O navio chegou a Pearl Harbor em 14 de maio e reiniciou em 22 de maio, com destino ao Atol de Bikini.

O navio entrou na lagoa no dia 1º de junho e realizou testes de instrumentação durante a Operação "Encruzilhada", testes para determinar os efeitos das bombas atômicas nos navios. Após o fim desta missão, o Avery Island voltou a San Francisco em 21 de agosto e mudou-se para San Pedro, Califórnia, em 3 de outubro, sendo designado para a 19ª Frota. Ela viajou para a Bacia de Santa Cruz em 13 de novembro para se submeter à descontaminação radiológica antes de iniciar os procedimentos de desativação. A embarcação foi colocada fora de serviço, na reserva, em 26 de maio de 1947, em San Pedro.

A designação do navio foi alterada para AKS-24 em 18 de agosto de 1951. Em 4 de janeiro de 1960, Avery Island foi transferida para a Administração Marítima e posteriormente vendida para sucateamento.


Company-Histories.com

Endereço:
Rodovia 29
Ilha Avery, Louisiana 70513
EUA.

Estatisticas:

Empresa privada
Incorporado: c. 1907
Funcionários: 230
Vendas: $ 105 milhões (1996)
SICs: 2035 Frutas em conserva e vegetais em conserva, etc.

Perspectivas da empresa:

Edmund McIlhenny havia aperfeiçoado um método único de processar pimentas vermelhas em um molho. Na verdade, o método recebeu uma patente do governo federal. As gerações seguintes protegeram a herança McIlhenny. Algum membro da família sempre acompanhou pessoalmente o molho Tabasco em cada etapa do caminho, desde a colheita da pimenta, passando pelo processamento, passando pela fermentação semelhante ao vinho e envelhecimento em barris de carvalho branco, até a mistura final e engarrafamento. O controle da família é total. A herança McIlhenny é tão brilhante quanto a cor do molho vermelho Tabasco.

A McIlhenny Company é uma fabricante familiar de molho de pimenta da marca Tabasco. Tabasco, talvez o mais famoso dos 150 molhos de pimenta disponíveis, na verdade deu início à indústria de molhos de pimenta. A empresa continua sendo líder em molho de pimenta doméstico, com mais de 34% do mercado na década de 1990, além de ser um fornecedor de longa data de molho de pimenta em todo o mundo. Como Mark Robichaux explicou no Wall Street Journal, a McIlhenny Company "ainda lucra todos os dias desenvolvendo o primeiro molho picante amplamente vendido e, em essência, criando o mercado".

História da Ilha Avery

A história da McIlhenny Company deve começar com uma discussão sobre Avery Island, uma vez que a receita do molho Tabasco dependia do sal e da pimenta da ilha. Localizada 140 milhas a oeste de Nova Orleans e 150 pés acima do nível do mar, Avery Island - um trato de 2.300 acres localizado no país do bayou de Louisiana e ampmdashtually era a porção mais alta de uma montanha de sal. A maior das cinco cúpulas de sal, Avery Island tinha um solo rico, cursos de água margeados por Chipre, flora exótica e carvalhos antigos. Os primeiros artefatos encontrados na ilha - armas de pedra para caça - datam de 12.000 anos. Evidências de mastodontes e mamutes, tigres dente-de-sabre e minúsculos cavalos de três dedos também foram descobertos lá. Se as interpretações em torno dos fragmentos de cestos, instrumentos de pedra e cerâmica indiana encontrados na ilha estiverem corretas, uma indústria de salmoura começou ali em 1300 d.C.

Exploradores franceses descobriram a ilha em algum momento durante o século 18, e colonos brancos chegaram à Ilha Avery no final do século - quando os índios desapareceram da ilha. As fontes de salmoura, no entanto, permaneceram ativas, distinguindo-se pela primeira vez durante a Guerra de 1812, quando as tropas de Andrew Jackson usaram o sal da Ilha Avery na Batalha de Nova Orleans.

Em 1818, o pai de Sarah Craig Marsh comprou algumas terras na Ilha Avery, então conhecida como Ilha Petite Anse. Sarah Craig Marsh casou-se mais tarde com um certo Daniel Dudley Avery, e seus descendentes - com o tempo e com o casamento - passaram a controlar toda a ilha.

O Sr. McIlhenny visita a Louisiana do século 19 e permanece

Em meados de 1800, Nova Orleans era uma das maiores e mais movimentadas cidades dos Estados Unidos. Não foi surpresa, então, que Edmund McIlhenny, um corretor de banco da Costa Leste, visitasse a cidade. Um americano de quinta geração de ascendência escocesa e irlandesa, McIlhenny era um atirador talentoso, iatista e criador de cavalos premiado que amava boa comida. (Uma vez no restaurante de Antoine, ele comentou: "Gostei tanto disso. Sinto vontade de começar tudo de novo." E ele o fez: McIlhenny jantou um segundo prato completo.)

Em 1859, com 43 anos, McIlhenny casou-se com Mary Eliza Avery, filha de Sarah Craig Marsh e Daniel Dudley Avery. Avery, advogado e juiz em Baton Rouge, Louisiana, também administrava uma plantação de açúcar em suas terras na Ilha Petite Anse. Em 1862, um enorme depósito de sal-gema foi descoberto na ilha, então os Averys se mudaram da cidade para a ilha para supervisionar a extração, que fornecia sal para os estados confederados bloqueados. A família Avery enriqueceu cultivando o sal-gema da ilha e comercializando o sal como conservante de carne.

McIlhenny gostava de jardinagem como hobby na plantação da família na Ilha Petite Anse. Em 1848, um amigo deu-lhe algumas sementes de pimenta extra-apimentadas que o amigo encontrou no México durante a Guerra Mexicano-Americana. (Mais tarde, essas pimentas foram identificadas como Capsicum frutescens. Embora cerca de 20 espécies selvagens fossem conhecidas no Novo Mundo - principalmente na América do Sul - apenas cerca de cinco espécies haviam sido cultivadas domesticamente. As pimentas Tabasco eram a única cultivar de Capsicum frutescens nos Estados Unidos Estados.) McIlhenny plantou as sementes e começou a experimentar receitas de um molho de pimenta para temperar pratos locais do sul da Louisiana das tradições espanholas, francesas, indígenas americanas e africanas.

A Guerra Civil, no entanto, interrompeu seu trabalho. Em 1863, as tropas da União invadiram a Ilha Petite Anse e capturaram as pedreiras de sal. Os McIlhennys e Averys fugiram para o Texas. Após seu retorno, McIlhenny e seus sogros encontraram uma Louisiana modificada. Uma carreira bancária em Nova Orleans estava fora de questão após a Guerra Civil, então os Averys e McIlhenny se mudaram para a Ilha Petite Anse permanentemente e começaram a reconstruir. A ilha, a pedreira de sal, a cana-de-açúcar, tudo em ruínas - exceto os pés de pimenta. McIlhenny aprendeu que a umidade fazia com que as plantas crescessem vigorosamente na ilha, então - motivado pela monotonia da comida Reconstruction - ele retomou seus experimentos com molho de pimenta até aperfeiçoar uma receita que todos pareciam gostar.

Receita de sucesso pós-guerra civil

A receita de McIlhenny era elegantemente simples. Ele amassou os pimentões no dia em que os colheu, misturou-os com um pouco de sal Avery Island (meia xícara de café de sal para cada galão de pimentão triturado), envelheceu a mistura por 30 dias em barris de madeira, acrescentou o "melhor vinagre de vinho francês , "envelheceu a mistura por mais 30 dias - mexendo à mão para misturar os sabores - e coou o molho vermelho claro natural em velhos frascos de perfume selados com cera verde e cobertos com shakers. A família e os amigos sugeriram vender "aquele molho famoso que o Sr. McIlhenny faz" para obter uma renda adicional, então McIlhenny começou a comercializar sua criação.

McIlhenny pensou em nomear seu molho de pimenta Molho Petite Anse em homenagem a sua casa na ilha. Outros membros da família, no entanto, não compartilhavam do entusiasmo de McIlhenny em usar esse nome para um produto comercial, então ele chamou o molho de Tabasco - uma palavra indígena da América Central que significa "terra onde o solo é quente e úmido". O molho Tabasco da McIlhenny tornou-se o molho picante original - agora uma marca registrada e marca de serviço da McIlhenny Company.

Em 1868, McIlhenny enviou 350 amostras para atacadistas em Nova York - incluindo a E.C. Hazard Grocery Company, de propriedade do primo de um amigo. Em 1869, McIlhenny recebeu milhares de pedidos do molho a US $ 1,00 a garrafa. Os atacadistas até mandaram o molho Tabasco até a Inglaterra. Em 1870, McIlhenny recebeu uma Patente das Cartas dos EUA para o molho de pimenta da marca Tabasco. Ele deixou o setor bancário e começou uma carreira em tempo integral na fabricação de molho de pimenta.

Em 1872, McIlhenny abriu um escritório em Londres para atender à grande demanda do mercado europeu de molho Tabasco. Ao longo de sua história, o molho Tabasco permaneceu um dos favoritos na Inglaterra. Por exemplo, quando a disponibilidade do produto na Grã-Bretanha foi ameaçada pela campanha "Buy British" do governo isolacionista britânico em 1932, eclodiu uma crise de proporções nacionais. Infelizes sem o molho de pimenta - um alimento básico na sala de jantar da Câmara dos Comuns - os membros do Parlamento protestaram e, com o apoio da imprensa, o lema "Compre os britânicos" passou a ser "Compre Tabasco".

John Avery McIlhenny continua a tradição, década de 1890

Quando Edmund McIlhenny morreu em 1890, seu filho John Avery McIlhenny assumiu o controle de fazer o molho Tabasco. Imediatamente após assumir seu novo cargo, John McIlhenny visitou clientes comerciais estabelecidos da Tabasco nos Estados Unidos. Ele pretendia se familiarizar com as contas existentes e conseguir novos negócios. Alguns de seus esforços de marketing incluíram cartazes de contas grandes placas de madeira em campos próximos a cidades, onde bateristas fazendo propaganda de casa em casa em exibições de cidades selecionadas em circulares de exposições de alimentos e folders e amostras grátis de tamanho experimental. (Ironicamente, as estratégias de marketing da empresa mudaram pouco desde os planos de John McIlhenny. A McIlhenny Company dependia muito de anúncios impressos em periódicos comerciais e de consumo para comercializar o molho Tabasco ao longo de sua história. Passaram-se muitos anos desde seu estabelecimento até o primeiro comercial de televisão da McIlhenny Company em 1985, embora anúncios impressos e de TV tenham sido amplamente usados ​​na década de 1990.)

John McIlhenny também contratou uma companhia de ópera para apresentar a "Ópera Burlesca de Tabasco". Quando, em 1893, o Hasty Pudding Club de Harvard pediu permissão para usar o Tabasco em uma de suas revisões, John McIlhenny comprou os direitos da crítica e a encenou em Nova York. Amostras de molho Tabasco foram distribuídas durante as apresentações de matinê do show. Outros esforços iniciais de marketing incluíram promoções como um concurso de supermercado com um prêmio de US $ 3.000 e ofertas de reproduções de pinturas famosas em troca de um cupom Tabasco e uma taxa de manuseio de 10 centavos.

Em 1898, John Avery McIlhenny juntou-se ao Primeiro Calvário Voluntário do Exército dos EUA, servindo como Cavaleiro Rough com Teddy Roosevelt em San Juan Hill. McIlhenny viajou extensivamente após a Guerra Hispano-Americana. Em 1906, ele deixou a Louisiana para trabalhar para seu amigo, o presidente Roosevelt, na Comissão do Serviço Civil dos EUA, tornando-se o Ministro Plenipotenciário do Haiti em 1922. Sob a direção de John Avery McIlhenny, o negócio Tabasco da família cresceu dez vezes.

Em 1907, Edmund Avery McIlhenny ("Sr. Ned"), o segundo filho do inventor do molho Tabasco, tornou-se presidente da recém-formada McIlhenny Company, criada para fabricar e comercializar o molho Tabasco. O irmão do Sr. Ned, especialista em alimentos Rufus Avery McIlhenny, serviu como supervisor de produção da nova empresa durante esse período. Rufus McIlhenny também foi responsável pela engenharia e compras.

O Sr. Ned expandiu o negócio tanto nacional quanto internacionalmente, bem como defendeu com sucesso a empresa em vários processos de violação de marca registrados por empresas concorrentes. Muitos molhos de pimenta concorrentes eram imitações regionais do molho Tabasco, mas, ao contrário das marcas concorrentes, Tabasco não continha corantes alimentícios, estabilizantes, alho ou outros ingredientes. Tabasco também foi a única marca nacional envelhecida durante três anos em barricas de carvalho branco. Outros molhos de pimenta eram feitos de pimenta caiena, que classificava entre 1.000 e 3.000 na Escala de Scoville. (Um farmacêutico chamado Wilbur Scoville criou uma escala para julgar a intensidade das pimentas quentes e produtos relacionados. Ele reservou uma classificação zero para as pimentas mais suaves, ou seja, um pimentão comum. Pimentas habanero maias - as mais quentes das pimentas --medido cerca de 350.000 na escala do farmacêutico.) O molho tabasco, no entanto, era feito de pimentas Capsicum, então tinha uma classificação mais elevada na escala do que os produtos de pimenta-caiena concorrentes: entre 9.000 e 12.000. O molho Tabasco "não era apenas um velho substituto", revelou John Mariani em Sports Afield, "mas um molho adorável, aromático e lindamente equilibrado com um verdadeiro sabor de vinagre da Louisiana."

Molho Tabasco e Meio Ambiente

Além de desenvolver a McIlhenny Company, o Sr. Ned preservou o ambiente natural da Ilha Avery por meio de uma variedade de esforços de conservação. Antes de se tornar presidente da empresa, o Sr. Ned - um biólogo autodidata - viajou o mundo em expedições científicas. Quando o Sr. Ned voltou para Avery Island para dirigir as operações na fábrica de Tabasco, ele percebeu que a garça-branca - uma ave nativa da Louisiana - estava praticamente extinta dos caçadores de plumas que pilhavam a espécie em busca de penas para chapéus femininos. O Sr. Ned capturou oito garças nevadas e estabeleceu uma colônia para elas se multiplicarem e viverem com segurança. Milhares de garças e pássaros migratórios encontraram lares desde então no viveiro de Bird City em Avery Island. Na década de 1990, 20.000 garças-brancas e outras aves aquáticas podiam ser encontradas na ilha.

O Sr. Ned também trouxe os nutria - roedores marrons peludos de reprodução rápida com pés palmados e caudas longas e sem pêlos - da América do Sul para a Louisiana na década de 1930. A vida vegetal também era protegida pelo Sr. Ned. Quando o óleo foi encontrado na Ilha Avery em 1942, o Sr. Ned insistiu que as equipes de trabalho enterrassem os oleodutos ou os pintassem de verde para se misturar com os Jungle Gardens ao redor.

Walter Stauffer McIlhenny e os anos 1940

O filho de John Avery McIlhenny sucedeu ao Sr. Ned como líder da McIlhenny Company. Tataraneto do Presidente Zachary Taylor (por parte de mãe), Walter Stauffer McIlhenny ingressou na empresa da família na década de 1940. Ele construiu a fábrica de tijolos de molho Tabasco e trouxe novas técnicas de gerenciamento e marketing para a empresa. Sob sua orientação, a McIlhenny Company manteve-se fiel às suas tradições. Walter McIlhenny recusou ofertas para vender o negócio e recuou ao mudar a receita do molho Tabasco. Na verdade, o processo de produção de Walter McIlhenny permaneceu praticamente igual ao de seu ancestral.

Como outros antes dele, Walter McIlhenny plantou 75 acres de pimentas na Ilha Avery. Os trabalhadores escolhiam a dedo as pimentas quentes quando amadureciam. (Ele equipou cada trabalhador com le petit baton rouge (um bastão vermelho) para identificar o tom correto das pimentas maduras.) O próprio Walter McIlhenny pesou manualmente a colheita do dia. Em seguida, as pimentas colhidas foram picadas e embaladas com um pouco de sal da Ilha Avery em barris de carvalho branco de 50 galões por três anos. Quando devidamente envelhecido, o purê de pimenta foi inspecionado pessoalmente por McIlhenny. Em seguida, vinagre foi adicionado à mistura, que foi mexida por um braço mecânico por cerca de quatro semanas (uma modificação rara da mão de Edmund McIlhenny mexendo a mistura com pás de madeira). Finalmente, a mistura foi coada de sementes e cascas de pimenta e engarrafada, mas apenas a mistura foi para os recipientes. Nenhum conservante, aditivo, corante ou aromatizante entrava em uma garrafa de molho Tabasco.

Molho tabasco vai para a guerra

Apelidado de "Tabasco Mac" por seus companheiros reservistas do Corpo de Fuzileiros Navais, Walter McIlhenny serviu seu país e também sua empresa com distinção. Posicionado em Guadalcanal, ele recebeu a Cruz da Marinha e uma Estrela de Prata durante a Segunda Guerra Mundial antes de ganhar o posto de Brigadeiro-General. Ele também era um distinto atirador e membro dos Cem do Presidente. Uma vez que os soldados estavam perto de seu coração, Walter McIlhenny criou um livro de receitas de ração C para uso pelos membros das Forças Armadas dos EUA durante o conflito do Vietnã. Sabendo que as Forças Armadas dos EUA usavam o molho Tabasco liberalmente em suas rações C, Walter McIlhenny produziu o livro de receitas de ração Charley ou, Nenhuma comida é boa demais para o homem no front. Cópias foram enviadas aos soldados com garrafas de molho tabasco. Walter McIlhenny até projetou um coldre de garrafa de Tabasco preso a um cinto de cartucho. Essa tradição continuou na Guerra do Golfo, quando a cada três MRE (Refeições Prontas para Comer) continha um pequeno pacote de molho Tabasco e um livreto de receitas. Eventualmente, cada MRE incluía molho Tabasco.

Walter McIlhenny continuou a selecionar pessoalmente as sementes de pimenta para a próxima safra das plantas cultivadas em Avery Island. As sementes foram tratadas, secas e armazenadas na ilha e no cofre do banco até o plantio do ano seguinte. Até a década de 1960, todas as plantas usadas para o molho Tabasco eram cultivadas na Ilha Avery. Quando a falta de colheitadeiras causou preocupação, a empresa recorreu à terra e aos trabalhadores do México para o plantio e colheita da pimenta. (As colheitadeiras mecânicas se mostraram menos competitivas do que os trabalhadores latino-americanos para a empresa.) Embora todas as plantas de pimenta comecem na ilha, as pimentas da Ilha Avery representavam apenas uma pequena quantidade das pimentas usadas na produção desde 1960. As pimentas cultivadas na Colômbia, em Honduras, na Venezuela ou em outros países acabaram compreendendo cerca de 90% das que são usadas na manufatura. Além das considerações trabalhistas, a empresa adotou esta prática para garantir um fornecimento constante de pimentas, uma vez que a safra de Avery Island poderia ser ameaçada por doenças ou clima, por exemplo, o furacão Andrew ameaçou (mas não causou danos permanentes) à safra de pimenta de Avery Island e a fábrica de Tabasco em 1992.

O ciclo de crescimento das plantas de pimenta permaneceu inalterado ao longo dos anos: os trabalhadores plantaram sementes em estufas em janeiro. Em abril, as mudas foram transferidas para seus respectivos campos em Avery Island ou no exterior. Os trabalhadores colheram pimentas manualmente no início de agosto.

Edward McIlhenny Simmons e os anos 1990

Como seus predecessores, Edward McIlhenny Simmons, o próximo presidente da empresa e bisneto do inventor do Tabasco, permaneceu pessoalmente envolvido no cultivo de pimentas e na preparação do molho Tabasco. Ele continuou a tradição de selecionar 1.200 pés de pimenta por ano para obter 70 libras de sementes para safras futuras. Simmons armazenou 20 libras das sementes em um cofre de banco em New Iberia e 50 libras na sede da empresa como uma proteção contra a perda de safra.

Portanto, a produção do molho Tabasco continuou da mesma forma por mais de 100 anos. Como Robichaux escreveu: "O formato da garrafa mudou pouco, assim como o processo de fazer o molho." No entanto, a McIlhenny Company expandiu a linha Tabasco ao longo dos anos para incluir pimenta em pó, sal temperado e temperos para pipoca. A empresa também criou uma mistura de Bloody Mary, uma receita de Pimenta de Sete Especiarias e um molho picante para consumidores de Tabasco. "Somos uma empresa de um único produto há muito tempo", disse Edward McIlhenny Simmons na revista Americana em 1991.

O ano de 1991 também trouxe a primeira aquisição para a empresa. A McIlhenny Company comprou a Trappey's Fine Foods, fabricante de molho de pimenta Red Devil e outros itens relacionados a temperos. A McIlhenny Company comercializou esses produtos recentemente adquiridos com um novo nome: McIlhenny Farms. A aquisição permitiu à empresa oferecer uma variedade maior de mercadorias, incluindo geleia de pimenta, ketchup e melaço.

A quantidade de molho Tabasco fabricado diariamente, claro, cresceu com a demanda. Durante a década de 1990, milhões de garrafas do molho foram vendidas em todo o mundo, e a produção exigia que os rótulos fossem impressos em pelo menos 15 idiomas. Em 1996, por exemplo, mais de 50 milhões de garrafas de molho Tabasco foram vendidas em pelo menos 105 países. Só o Canadá usou 250.000 garrafas em um ano. O Japão, maior consumidor do molho Tabasco no exterior, importou o molho para receitas de sushi, espaguete e pizza.

Em 1997, a fábrica em Avery Island operava com quatro linhas de produção. No total, 450.000 garrafas de duas onças poderiam ser fabricadas diariamente com todas as linhas em operação. (Cada garrafa de 60 ml continha normalmente cerca de 720 gotas de molho Tabasco, portanto, a fábrica tinha potencial para fabricar cerca de 324 milhões de gotas de molho Tabasco por dia em 1997.)

A empresa também lançou um site interativo interessante e incomum - PepperFest - em 1996 para atingir a multidão de consumidores de Tabasco. "Com usuários dos produtos Tabasco localizados em todo o mundo", explicou o vice-presidente executivo Paul CP McIlhenny em um comunicado à imprensa, "faz sentido oferecer informações acessíveis através da World Wide Web. Queremos que as pessoas se divirtam visitando nosso PepperFest, e, ao mesmo tempo, agradecemos seus comentários e sugestões. "

O molho com apelo universal

Na verdade, Tabasco pode ser uma palavra familiar em todo o mundo. O molho de pimenta de McIlhenny "viajou para Cartum com Lord Kitchener", revelou Pat Mandell em Americana, "e foi transportado em expedições ao Himalaia, nos kits de massa dos meninos da Primeira Guerra Mundial e a bordo do Skylab. É o ingrediente quintessencial do Bloody Marys. o sabor picante anima gumbos, ovos, bifes e guisados, saladas, frango à la king, sopa de cebola francesa e jambalaya. " O molho de pimenta até foi aprovado para a culinária Kosher. Como o primeiro molho picante comercial de todos os tempos, o elixir, seu fundador e seus descendentes tornaram-se conhecidos em lendas, tradições e fatos por criar um novo produto e um novo mercado. Como Cal Garrett, gerente da rival Durkee's Red Hot, disse: "Eles construíram um grande nicho."

Callahan, Maureen, "Fifteen Foods with Hidden Healing Power", Redbook, outubro de 1991, p. 138
Deveny, Kathleen, "Rival Hot Sauces Are Breathing Fire at Market Leader Tabasco," Wall Street Journal, 7 de janeiro de 1993, p. B1.
Mandell, Pat, "Louisiana Hot", Americana, fevereiro de 1991, pp. 26-32.
Mariani, John, "In Praise of (Very Hot) Sauces," Sports Afield, maio de 1996, p. 50
"McIlhenny Company: Announcing the Tabasco Sauce 'Ultimate Summer Cookout' Online Sweepstakes", M2 Presswire, 16 de maio de 1997.
McIlhenny Company, "Ask Mr. Broussard, the Tabasco Historian," PepperFest: A Livin ', Breathin' Festival na World Wide Web & amp # 064 http://www.tabasco.com.
McIlhenny Company, "One Click Ahead", PepperFest: A Livin ', Breathin' Festival na World Wide Web & amp # 064 http://www.tabasco.com.
"McIlhenny Company: McIlhenny Company lança o site do Tabasco PepperFest", M2 Presswire, 27 de agosto de 1996.
McIlhenny Company, Recipes from the Land of Tabasco Pepper Sauce, Avery Island, LA: McIlhenny Company.
Moore, Diane M., The Treasures of Avery Island, Lafayette, LA: Acadian House Publishing, 1990.
Morcos, Ann, "Wetlands Pest", Boys 'Life, janeiro de 1996, p. 17
Naj, Amal, Peppers: A Story of Hot Pursuits, Nova York, NY: Alfred A. Knopf, 1992.
"New on the Web: The McIlhenny Company", Telecomworldwire, 20 de maio de 1997.
Reynolds, J. R., "L.A. House of Blues Is Foundation HQ," Billboard, 30 de julho de 1994, p. 19
Rice, William, "Tabasco Sauce Stands up to a Hurricane", Detroit Free Press, 18 de novembro de 1992.
Robichaux, Mark, "Tabasco Sauce Maker Remains Hot after 125 Years", Wall Street Journal, 11 de maio de 1990.

Fonte: Diretório Internacional de Histórias de Empresas, vol. 20. St. James Press, 1998.


Avery Island foi para a Atlantic Basin Iron Works, Brooklyn, Nova York, onde foi colocada fora de serviço na véspera de Natal para o trabalho de conversão. O Avery Island foi recomissionado em 31 de julho de 1945 no New York Navy Yard conduzido testes em Long Island Sound e treinamento de shakedown em Chesapeake Bay e passou por uma disponibilidade de pátio em Norfolk, Virginia. Com seu período de treinamento completo, Avery Island relatado em 6 de setembro à Força de Serviço, Frota do Atlântico, para o serviço.

Em 7 de setembro, Avery Island saiu de Hampton Roads com destino ao Oceano Pacífico. Ela cruzou o Canal do Panamá em 15 de setembro, fez uma breve pausa em San Diego, Califórnia, e continuou para o Havaí. O navio ancorou em Pearl Harbor em 14 de outubro e, após embarcar pessoal da Marinha para transporte ao Japão, seguiu para Tóquio, onde permaneceu até 18 de novembro.

Avery Island voltou a São Francisco, Califórnia, em 7 de dezembro e foi revisado em Hunters Point, Califórnia. Carregado com suprimentos e pessoal para a Operação Encruzilhada, Avery Island O navio partiu em 6 de maio como uma unidade da Força-Tarefa Conjunta 1. O navio chegou a Pearl Harbor em 14 de maio e voltou a embarcar em 22 de maio, com destino ao Atol de Bikini.

O navio entrou na lagoa no dia 1º de junho e realizou testes de instrumentação durante a Operação Crossroads, testes para determinar os efeitos das bombas atômicas nos navios.


Avery Island foi para a Atlantic Basin Iron Works, Brooklyn, Nova York, onde foi colocada fora de serviço na véspera de Natal para o trabalho de conversão. O Avery Island foi recomissionado em 31 de julho de 1945 no New York Navy Yard conduzido testes em Long Island Sound e treinamento de shakedown em Chesapeake Bay e passou por uma disponibilidade de pátio em Norfolk, Virginia. Com seu período de treinamento completo, Avery Island relatado em 6 de setembro à Força de Serviço, Frota do Atlântico, para o serviço.

Em 7 de setembro, Avery Island saiu de Hampton Roads com destino ao Oceano Pacífico. Ela cruzou o Canal do Panamá em 15 de setembro, fez uma breve pausa em San Diego, Califórnia, e continuou para o Havaí. O navio ancorou em Pearl Harbor no dia 14 de outubro e, após embarcar pessoal da Marinha para transporte ao Japão, seguiu para Tóquio, onde permaneceu até 18 de novembro.

Avery Island voltou a São Francisco, Califórnia, em 7 de dezembro e foi revisado em Hunters Point, Califórnia. Carregado com suprimentos e pessoal para a Operação Encruzilhada, Avery Island O navio partiu em 6 de maio como uma unidade da Força-Tarefa Conjunta 1. O navio chegou a Pearl Harbor em 14 de maio e voltou a embarcar em 22 de maio, com destino ao Atol de Bikini.

O navio entrou na lagoa no dia 1º de junho e realizou testes de instrumentação durante a Operação Crossroads, testes para determinar os efeitos das bombas atômicas nos navios.


Uma história de molho picante e a ilha secreta onde o TABASCO é feito

Você pode saber que o molho picante mais antigo e popular da América - a marca Tabasco - é originário da Louisiana, mas sabia que há uma ilha onde os pimentões são cultivados e o molho é feito? Sim, e você pode visitá-lo.

As pimentas da marca Tabasco foram cultivadas por cinco gerações da família McIllhenny em Avery Island, Louisiana. É uma ilha de cúpula salgada na freguesia de Iberia, onde vivem relativamente poucas pessoas. A ilha está listada no Registro Nacional de Locais Históricos. O site de Tabasco o descreve como: "um lugar misteriosamente belo onde crescem as pimentas vermelhas, a fábrica zumbe e a vida selvagem abundante pode ser vista em Jungle Gardens."

Pimentas crescendo em Avery Island, La.

Os interessados ​​em um tour pelas operações de Tabasco e um museu localizado na 329 Avery Island Road podem ligar para 337-373-6139 ou visitar o site.

História do molho picante

Pimentas são algumas das primeiras plantas cultivadas, provando que os seres humanos sempre gostaram de alimentos quentes. De acordo com PepperScale.com, "Seu uso remonta ao início da civilização. Escavações arqueológicas encontraram evidências de que a pimenta-malagueta foi comida já em 7.000 aC. Vários milênios depois, a pimenta-malagueta foi domesticada. desta vez que os primeiros molhos picantes foram inventados, isso mostra que os humanos têm uma longa história de usá-los como condimentos para realçar o sabor e o valor nutricional dos alimentos. "

Uma garrafa moderna de molho de Maunsel White, à esquerda, e Maunsel White na DeBow's Review em 1853.

Skb8721 | Wikimedia Commons

Um molho feito em 1807 em Massachusetts é considerado o primeiro produto comercial, diz PepperScale.com. Anúncios de jornal mostram que era vendido como "molho de pimenta de Caiena". Outro molho foi introduzido em meados de 1800 pela J. McCollick & amp Company de Nova York.

Maunsel White, um imigrante irlandês e veterano da Guerra de 1812, cultivou o que se pensa ser a primeira safra de pimenta do país em meados de 1800 em sua plantação de Plaquemines Parish, Louisiana, diz PepperScale.com. Ele desenvolveu molhos - Essence of Tobasco Pepper de Maunsel White e Molho de Maunsel White de 1812 - mas nunca os comercializou, embora sua família o fizesse após sua morte em 1863.

A marca TABASCO

É aí que o empresário da Louisiana Edmund McIllenny entrou em cena. "Um amante da comida e jardineiro ávido, Edmund McIlhenny recebeu sementes de pimentas Capsicum frutescens que vieram do México ou da América Central", de acordo com a história oficial da empresa. "Em Avery Island, no sul da Louisiana, ele plantou as sementes, cultivou as plantas e se deliciou com o sabor picante das pimentas que elas produziam. Muitos anos depois, os trabalhadores do campo usaram um pequeno graveto vermelho, ou le petite bâton rouge, para medir a maturação das pimentas. "

Os molhos ajudaram a tornar uma dieta enfadonha mais palatável, diz a história. "A dieta do Reconstruction South era branda e monótona, especialmente para os padrões da Louisiana. Então Edmund McIlhenny decidiu criar um molho de pimenta para dar à comida algum sabor e emoção."

A fábrica onde é feito o Molho Tabasco.

Em 1868, McIlhenny cultivou sua primeira safra comercial de pimenta e começou a engarrafar o molho para vender nas lojas. Ele o chamou de Tabasco e patenteou o molho em 1870.

A preparação do molho é praticamente a mesma de 150 anos atrás, embora seja envelhecido por mais tempo.


Avery Island- AG-76 - História

& # 9Uma ilha nos pântanos de água salgada de Iberia Parish, Louisiana, perto da costa do golfo.

(AG - 76: dp. 11.500 l. 441'6 "b. 56 'dr. 24'4" s. 12,5 k. Cpl. 878 a. 15 ", 4 40 mm., 12 20 mm. Cl. Basilan T. EC2-S-C1)

& # 9 Avery Island (AG-76) foi estabelecido sob um contrato da Comissão Marítima (MCE casco 3085) em 31 de outubro de 1944 em South Portland, Maine, pela New England Shipbuilding Corp. lançado em 13 de dezembro de 1944 patrocinado pela Sra. Robert LeBourdais e adquirido pela Marinha e comissionado em 21 de dezembro de 1944, o Tenente Comdr. J. H. Graves, Jr., no comando.

& # 9 Avery Island foi para a Atlantic Basin Iron Works, Brooklyn, N.Y., onde foi colocada fora de serviço na véspera de Natal para o trabalho de conversão. Avery Island was recommissioned on 31 July 1945 at the New York Navy Yard conducted trial runs in Long Island Sound and shakedown training in Chesapeake Bay and underwent a yard availability at Norfolk, Va. With her training period complete, Avery Island reported on 6 September to Service Force, Atlantic Fleet, for duty.

On 7 September, Avery Island steamed out of Hampton Roads, bound for the Pacific. She transited the Panama Canal on 15 September paused briefly at San Diego, Calif. then continued on to Hawaii. The shop dropped anchor in Pearl Harbor on 14 October and, after embarking Navy personnel for transport to Japan, proceeded to Tokyo, where she remained until 18 November.

Avery Island returned to San Francisco, Calif., on 7 December and was overhauled at Hunters Point, Calif. Loaded with supplies and personnel for Operation "Crossroads," Avery Island sailed on 6 May as a unit of Joint Task Force 1. The ship reached Pearl Harbor on 14 May and got underway again on 22 May, bound for Bikini Atoll.

The ship entered the lagoon there on 1 June and carried out instrumentation tests during Operation "Crossroads," tests to determine the effects of atomic bombs on ships. Following the end of this mission, Avery Island returned to San Francisco on 21 August and shifted to San Pedro, Calif., on 3 October, and was assigned to the 19th Fleet. She steamed to Santa Cruz Basin on 13 November to undergo radiological decontamination before beginning deactivation procedures. The vessel was placed out of commission, in reserve, on 26 May 1947, at San Pedro.

The ship's designation was changed to AKS-24 on 18 August 1951. On 4 January 1960, Avery Island was transferred to the Maritime Administration, and she was subsequently sold for scrapping.


Later Descendants

For more on the family towards the end of the century, see Edward Avery McIlhenny, Tabasco, rothfeder2007, and usner2013.

See “Biographical Information,” UNC Finding Aid. See also “Avery, Daniel Dudley,” and “Avery, Dudley,” s.v., in the Dictionary of Louisiana Biography usner2013.↩

See “Biographical Information,” UNC Finding Aid. See also “Avery, Daniel Dudley,” and “Avery, Dudley,” s.v., in the Dictionary of Louisiana Biography usner2013.↩

See “Biographical Information,” UNC Finding Aid. See also “Avery, Daniel Dudley,” and “Avery, Dudley,” s.v., in the Dictionary of Louisiana Biography usner2013.↩

See Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, for bills of lading, account books with suppliers, etc.↩

Detail Exemption for John M Avery, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frame 573, link.↩

See C. S. Longcope to D. D. Avery, July 19, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frame 679 Longcope to Avery, June 12, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 665-667.↩

Cara Taylor Evans to Sarah Avery, July 18, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 673-676.↩

See Cara Peirce to Sarah Avery, June 29, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frame 671.↩

Recipients of wedding announcements included H. B. J. Hadley of Houston, Tom Hill of Columbia in Brazoria County, Dr. J. Haden of Galveston, C. S. Longcope of Houston, Rhoda Milby of Houston, Mr. and Mrs. Manly of Galveston, the Raudles of Brenham, Mr. and Mrs. Sledge of Chapell Hill, DeWitt C. Stone of Galveston, William Sharp of Houston, Upshaw or Upshur of Chapell Hill. Also a few listed in Havana and Mexico, as well as most members of the Weeks Family. Avery Family Papers, *Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Series 2, Folder 54.↩

See rothfeder2007 “Avery, Daniel Dudley,” and “Avery, Dudley,” s.v., in the Dictionary of Louisiana Biography. A letter from Avery to Thomas O. Moore, written from Houston, suggests they were there until May at least. See Moore Papers, LSU, Box 1, Folder 15.↩

See Dudley Avery to Daniel D. Avery, October 31, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 705-707 and November 21, 1865, Frames 714-716 Sarah Avery to Daniel Dudley Avery, November 27, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 725-727.↩

Dudley Avery to Daniel D. Avery May 12, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frame 652-655. At the same time, however, Dudley shared his doubts that state notes (which he had tried unsuccessfully to exchange in Iberia) would be redeemed.↩

Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 668-670.↩

Charles [Nibbins? Gibbens?] to P. H. Foley, August 30, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 684-685.↩

See P. H. Morgan to D. D. Avery, October 19, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 699-700.↩

James W. Reeve to DD Avery, September 15, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 688-689.↩

M. Judson to DD Avery, September 27, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 692.↩

John Winthrop to DD Avery, September 30, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 693-695.↩

Dudley Avery to DD Avery, November 21, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 714-716.↩

Mary McIlhenny to mother, November 21, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 717-719.↩

Jack Avery to DD Avery, November 21, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 721-722.↩

Sarah Avery to DD Avery, November 27, 1865, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 725-727.↩

List of Avery Family Servants, Avery Family Papers, Records of the Antebellum Southern Plantations, Series J, Part 5, Reel 11, Frames 988-991.↩


List of people/families enslaved by the Avery family of Morganton, NC

This is where the unmarked graves of enslaved Africans/Americans are. I hope to add a marker in this area.

This is a listing of poeple enslaved* by the Avery-family. I’ve divided them into family groupings. I hope it will help their descendants in their searches for their family history. I’ve also added a brief history of the Avery family to help put these enslaved Africans and Americans in a wider historical context and timeline.

*A note on the terms I’m using. Race and racial slavery are such painful and difficult issues in our collective history that I am trying to do my small part by reexamining even the terms used to discuss it. The words we use reflect our beliefs using different words can undermine those beliefs. So, for instance, rather than calling the people on this list “slaves,” they are “the enslaved” – which describes what was done to them but does not define them by it. And it places culpability squarely where it belongs – on those people like my ancestors who engaged in the enslavement of other human beings.

I also use the term “racial slavery” for slavery as it was practiced in the U.S. Slavery, of course, has been practiced, and practiced in different ways, throughout human history. The Cherokee took those defeated in battle as slaves, but then often eventually adopted them into the family with full familial rights. Slavery as practiced by whites in the U.S. was an institutionalized system of degrading, devaluing, and using people of African descent. Our economy was built on it and an entire field of pseudo-science was created to justify it (e.g. different races were believed to be different species).

The Avery family of Swan Ponds, Burke County, NC

Waightstill Avery, who founded the Swan Ponds plantation (I don’t say he “built” it because, of course, it was built by enslaved people), was born in 1741 in Groton, Connecticut. He was educated at Princeton University. In 1778, in New Bern, NC (on the east coast) he married a young wealthy widow, Leah Probart Franks. After a few years in eastern N.C., Waightstill and Leah moved to Burke County, N.C. in the foothills of the Appalachian mountains in western N.C. Swan Ponds plantation, just outside Morganton, was established. They had four children – Polly Mira Avery, Elizabeth Avery, Isaac Thomas Avery, and Selina Louise Avery. Leah and Waightstill lived at Swan Ponds until their respective deaths. Waightstill Avery died in 1821 and Leah died in 1832.

Their son, Isaac Thomas Avery (1785-1864), inherited the plantation and some portion of the enslaved population. In 1815 he married Harriet Eloise Erwin (1795-1858). The Erwins were a wealthy local family. They owned a plantation called Belvidere and, presumably, some of those enslaved by the Erwins went with Harriet to Swan Ponds. They had ten children (that survived into adulthood): William Waightstill Avery, Isaac Erwin Avery, Mary Martha Avery, Justina Harriet Avery, Alphonso Calhoun Avery, Laura Myra Avery, Willoughby Francis Avery. Three of their sons – William Waightstill Avery, Clark Moulton Avery, Isaac Erwin Avery – died in the Civil War, fighting on the wrong side of history. Their father died in 1864 after hearing of the deaths of William and Clark.

After emancipation, many of those who had been enslaved (having few options) stayed in the area. There are still many Avery descendants, both black and white, in the area around Morganton.

The people the Avery family enslaved (and who died before emancipation) are buried in unmarked graves near the small Avery family cemetery. I hope to raise enough money to put a permanent marker of some kind near or on the place where these enslave people lie, and on it all their names.

Slave cabins were on this ridge along the tree line. Swan Ponds in 1900, more or less as it would have been during the time of slavery.

Enslaved family groups on the Avery plantation

Tina [from Franck family, with Leah]

child Benna , b. 14 May 1772

Diana born 13 th Dec. 1780

Children Lilph & Rose b. 15 April 1770

Manual (Emanual?)

Mary (purchased Sept 6, 1814)

Daughter Chassey , b. August 1816

Romeo & Big Luie have 9 children at home Dec. 1815

  1. Mara 7. Eliza or Liz
  2. Pat 8. Dashee
  3. Jacob 9. Mimee
  4. Nan
  5. Vinee
  6. Jos . (or Joseph, and possibly given to Harriet Avery Chambers in Isaac Thomas Avery’s will)

Eliza [possibly daughter of Romeo & Big Louie becayse she named a son Romeo?]

Twins, Jacob & Mary , b. 12 Sept. 1829, d. Sept. 1840 from fever

Daughter Luann , b. 18 Aug. 1841

Julho hath 8 children 1815

  1. Hampton
  2. Dick
  3. Henry
  4. Peter
  5. Chenee
  6. George
  7. Sally
  8. Ginny

Segunda-feira hath 7 children living at home 1815

  1. Stephen
  2. Luie M.
  3. Vai
  4. Anthony
  5. Imperador
  6. Processar
  7. Jack

Diana hath 6 children living at home 1815

  1. Ab (Abraham, Abner, or Absalom?)
  2. Li
  3. Isam
  4. Balam
  5. Celia
  6. Cinthia

[Same Diana? Son Cyrus , b. 10 Jan. 1838 “bought by Forney and paid.”]?

Bet hath two children (could be Betty or Elizabeth)

Felix hath 3 children

Twins, Two smart healthy daughters , b. Sept. 1818

Son Billy “being a Mulatto ” b. 2 Jan. 1805

15 August 1837

Boy child b. 28 March 1838

Child (no name) b. 8 April 1838, d. 4 weeks old

Boy child died soon after birth

Boy Child b. 24 August 1838, d. same day

16 April 1829

Child Robert Ad___ b. 14 May 1829

Son b. August 1829, d. 4 days after birth

Daughter Polly , b. 19 Nov. 1841

Linda e Abnus

Daughter Hulda , b. 20 Sept. 1854

Caty & amp Alfred

Daughter Milly , b. Swan Ponds in January

Son Anthony , b. 22 Oct. 1854

Son Balaam , b. 22 Oct. 1852, d. 1852

Jenny (& Cathe?)

Son Willoughby Francis , b. 18 March 1855 (the fact that her son is named Willoughby Francis could indicate that the child was fathered by Willoughby Francis Avery)

(mentioned in Willoughby Francis Avery’s will in 1876)

Daughter Lovina , b. Nov. 17 1856

Son Ephraim , b. January 26, 1861, d. Dec. 4, 1862

March 25th 1855

two boys , b. Dec. 15th 1860 died soon after the birth

Mary Esther

Son John Carson , b. June 24, 1855? (The Carsons were also a well-to-do local family who had many enslaved Africans/Americans. This boy could have been fathered by one of them.)

Daughter Mary , b. March 10th 1862

Margaret (owner Isaac Erwin Avery)

Son Clingman August 2, 1855?

daughter Lititia , b. Dec. 6, 1862

[same Margaret as Isaac T. Avery’s Margaret?)

Cinthy ( Abbi ’s daughter) [same Abb as Abb Boy Child b. 24 August 1838, d. same day?]

Son Elisha , b. August 26 , 1855?

Daughter Matilda , b. December 20 1850

Son Samuel , b. 10th March 1857 at Swan Ponds

Son Capt. James Wilson , b. August 4th 1861, d. 26 April 1862

Cecelia (in Yancey, NC)

Daughter Ann , b. December 1856

Twin sons b. 16th May 1857, William & The other died in October 1857

Daughter Missy , b. August 14

Margaret (owner Isaac Thomas Avery)

child named ___ , b. Nov. 23 (1855?) died at 5 months old

Daughter Elvira , b. October 12, 1860

Cindy was delivered of two boys, b. Dec. 15th 1860 died soon after the birth

Julia & amp Homer 'S

Son Romeo , b. January 6, 1861

Thine had at the Crab Orchard (in Plumtree, NC) in Mitchel

Daughter Louisa , b. About the 20th of August

Mary ( Thines’ daughter)

Son Logan , b. 30 September 1861

bore three children on Jan 19, 1862 – two sons and one girl Rache l. Of the boys, one died in May & one in August

Daughter Sally , b. February 20, 1862

Surak (Sarah?)

Son Will Phifer , b. Sept. 11th 1862

(The Phifers were also a local white family. The use of the Phifer name could indicate that one of the Phifer men had fathered the child.)

Daughter called —— , b. & died October 24, 1862

Roxanna & amp Lige (Elijah)

(There are many stories about an enslaved man named Elijah or Lige, which I’ll post soon. He was – through the Avery family’s telling of the stories – the prototypical “faithful slave” of Southern myth. Obviously his own version of events would be different and fascinating! If anyone descended from Lige reads this, I’d love to hear from you.)

Cecilia & amp Alfred 'S

Daughter Delphy , b. in Mitchell [Crab Orchard in Plumtree?] in 1862


Jungle Gardens Avery Island History

You can see anything from thousands of white birds, to alligators right at your feet, to 300 year old live oaks with beautiful moss hanging from them to a giant buddha overlooking an algae covered swamp. Today jungle gardens and bird city are open to the public.

The jungle gardens of avery island.

Jungle gardens avery island history. The majestic oak trees, dripping with spanish moss, form a canopy over the road. See how it’s made during a factory tour, pick up a few souvenirs at the tabasco country store, and tour the island’s jungle gardens. I was always going somewhere else, but thinking at the same time that we should plan a trip to avery island to see jungle gardens, the tabasco factory and bird city.

The island was a sugar plantation formerly known as petite anse island. Touring avery island and jungle garden. The mcilhenny family has made tabasco® sauce on avery island, louisiana for over 5 generations.

Avery island is the home of louisiana’s iconic hot sauce: Jungle gardens 7k trail, 5k run weather history based on a 5 year average and a race date of november 4th , avery island, la can expect temperatures between 70℉ and 76℉ with humidity around 83% and precipitation of 0. This is one of the most beautiful places.

Jungle gardens at avery island subject: Hwy 329, avery island, la 70513. Oaks and learn the history of the island.

One of jungle gardens' primary attractions is a bird sanctuary called bird city.it provides roosts for snowy egrets and other wildfowl species. In 1895 mcilhenny raised eight egrets in captivity on the island, and released them in the fall for migration. The gardens arose from the visionary efforts of edward avery mcilhenny to establish a nature preserve more than a century ago.

Following the war, the shortage of available labor continued and operations at jungle gardens would never again approach their previous scale. Turning onto the gravel path into jungle gardens, the scenery looks like something out of a film. 646 reviews #2 of 6 things to do in avery.

Hwy 329, avery island, la 70513. Avery island jungle gardens [closed] is a 3 mile moderately trafficked loop trail located near avery island, louisiana that features a lake and is good for all skill levels. Mcilhenny, the third president of mcilhenny company, and a well known naturalist.

23 reviews of avery island a.k.a. Jungle gardens was created by edward avery “ned” mcilhenny. It sits about 130 miles (210 km) west of new orleans.

It is the home of the interrelated avery and mcilhenny families See more ideas about tabasco, island, jungle gardens. Things to do in avery island

It is a driving tour during which you see birds, gators, flowers, oaks and learn the history of the island. 646 reviews #2 of 6 things to do in avery. Things to do in avery island

Hotels near (lft) lafayette regional airport You see, the tabasco factory was built on an island that is home to north america’s first ever salt rock mine in 1862. Courtesy of ogden museum of southern art.

Born on avery island in 1872, ned was an arctic explorer, naturalist and conservationist. Jungle gardens avery island, louisiana. After edward mcilhenny's death in august 1949, his.

General public hours and admission rates: Exploring the jungle gardens of avery island is an experience of pure louisiana nature with a dash of tabasco hot sauce. Jungle gardens the salt dome island is home to tabasco sauce, avery island lies about 140 miles west of new orleans.'mr.

Mcilhenny enterprises, inc., avery island, la history continued. What you need to know! The gardens were created by edward avery mcilhenny, second son of edmund mcilhenny, the inventor of tabasco sauce.

Naturalists, bird watchers and visitors from around the world will enjoy the gently rolling landscape, botanical treasures and abundant wildlife. Things to do in avery island Ninas, paul (artist) l ocated in iberia parish, avery island is the largest of five salt domes along the louisiana coast.

As a young man, he studied the plants and animals in the avery island area. Built on a salt dome, it's a mysteriously beautiful place where the red peppers grow, the factory hums, and abundant wildlife can be seen in jungle gardens. Visit avery island, the jungle gardens, the tabasco factory for many years, i drove past the avery island exit, never stopping.

Ned's' mcilhenny, son of the founder, made the jungle garden for exotic plant and animal species. And the mcilhenny company, maker of tabasco brand products for. Jungle gardens, avery island | a louisiana wildlife and nature preserve.

Jungle gardens is known for its majestic southern live oaks, often draped with spanish moss or resurrection fern, and for its azaleas, camellias, alligators, migratory birds, and many other unique species. While checking out the factory and store was cool, my favorite part of touring tabasco had to be avery island and jungle gardens.

4 Captivating Reasons to Visit Jungle Gardens Jungle

Buddha at Avery Island, Louisiana, US. THis is a cool spot

Jungle Gardens at Avery Island, Louisiana Where I Live

Avery Island's Jungle Gardens Cool places to visit

Avery Island is absolutely breathtaking. Jungle gardens

Avery Island Tabasco Factory and Jungle Gardens in

Image result for avery island Louisiana vacation

Aerial faraway shot of the Tabasco Factory. — at Jungle

The TABASCO® Museum on Avery Island brings the long

Idea by Jamie Hernandez on Avery Island Jungle gardens

Jungle Gardens on Avery Island, Louisiana Jungle gardens

Avery Island Louisiana Oak with Spanish Moss Jungle

Jungle Gardens Buddha Temple on Avery Island, New Iberia

Jungle Gardens Travel Vacation Ideas Road Trip

Avery Island Louisiana. Louisiana homes, Beautiful


Your safety and the safety of our staff is important to us. COVID-19 é uma doença extremamente contagiosa que se acredita propagar principalmente através do contato pessoa a pessoa. Jungle Gardens is doing its part to mitigate transmission intensity, and we ask you, our visitors, to do the same and help us reduce the spread of COVID-19. All posted instructions must be followed while visiting Jungle Gardens, including instructions about wearing face coverings and social distancing. By visiting Jungle Gardens, you voluntarily assume all risks related to exposure to COVID-19.

Jungle Gardens reserves the right to modify its hours of operations, capacity, or visitor guidelines as circumstances require and to deny entry or access to any person who fails to follow these guidelines or whose conduct puts our staff, visitors, or property at risk.

Know Before You Go

As Jungle Gardens starts to reopen, we’ve put new safety measures in place based on guidance from the CDC and Louisiana State Government:

Your safety and the safety of our staff is important to us.

The number of people in our museum, designated tour stops, restrooms, elevators, and giftshops are limited to allow for safe social distancing.

Visitors are required to wear face coverings at all times upon arrival to Avery Island. Visitors ages six and older are required to wear a face covering during their visit. Face coverings are also strongly recommended for visitors between the ages of two and six. As proteções faciais não são permitidas como substitutos de uma cobertura facial, mas podem ser usadas sobre uma cobertura facial ou máscara. Coberturas faciais ou máscaras com válvula de exalação não são permitidas. Face coverings should be worn over the nose and mouth. Face coverings may only be removed while eating or drinking in designated spaces.

Hand-sanitizing stations are provided for visitors throughout our facilities, and frequently scheduled and enhanced cleaning is conducted.

Safe social distancing guidelines have been implemented, including one-way paths and directional guidance. Videos implemented throughout the TABASCO™ tour experience are limited in the number of people per viewing.

Limiting the number of personal belongings brought into our facilities is encouraged. We will not be allowing storage requests of any kind during this time.

We reserve the right to deny access to any non-compliant guest.

Experience the natural beauty and tranquility of Jungle Gardens - a 170-acre semitropical garden that stretches along Bayou Petite Anse on Avery Island. Naturalists, bird watchers and visitors from around the world will enjoy the gently rolling landscape, botanical treasures and abundant wildlife.

Attractions range from beautiful flowers to birds to Buddha (a magnificent centuries-old statue on the grounds). In season, visitors can see azaleas, camellias and colorful bamboo - as well as alligators, deer and the thousands of snowy egrets that nest in Bird City. It’s a nature lover’s dream that’s open to tourists every day of the year.


Assista o vídeo: Аркадий Северный с ансамблем Черноморская чайка - 08 - Жил я в шумном городе Одесса - 1979


Comentários:

  1. Voodoodal

    Eu acredito que você estava errado. Tenho certeza. Escreva para mim em PM, fale.

  2. Knight

    Você é uma pessoa abstrata

  3. Sasho

    Sim, o problema descrito no post existe há muito tempo. Mas quem vai decidir isso?



Escreve uma mensagem