8 de julho de 1944

8 de julho de 1944

8 de julho de 1944

Guerra no mar

Submarino alemão U-243 naufragado em Nantes.

Frente Oriental

Tropas soviéticas capturam Baranovichi

Frente Ocidental

O 2º Exército ataca Caen, depois que bombardeiros pesados ​​da RAF lançaram 2.500 toneladas de bombas na cidade.

Pacífico

Navios de guerra aliados bombardeiam Guam



8 de julho de 1947: Incidente de Roswell lança controvérsia sobre OVNIs

Para revisar este artigo, visite Meu perfil e, em seguida, Exibir histórias salvas.

Para revisar este artigo, visite Meu perfil e, em seguida, Exibir histórias salvas.

1947: Dias depois de algo brilhante ter caído no deserto do Novo México, o Roswell Army Air Field emite um comunicado à imprensa que diz que os militares recuperaram os restos de um "disco voador". Embora rapidamente descartado como errôneo, o anúncio estabelece as bases para um dos mais duradouras histórias de OVNIs de todos os tempos.

O comunicado de imprensa inicial dos militares & # x27s foi direto ao lidar com a descoberta de destroços pelo fazendeiro W.W. & quotMac & quot Brazel.

& quotOs muitos rumores sobre o disco voador se tornaram realidade ontem, quando o escritório de inteligência do 509º Grupo de Bombardeiros da Oitava Força Aérea, Campo Aéreo do Exército de Roswell, teve a sorte de obter um disco com a cooperação de um dos fazendeiros locais e o escritório do xerife & # x27s do condado de Chaves, & citar o comunicado de imprensa lido.

& quotO objeto voador pousou em um rancho perto de Roswell na semana passada. Sem telefone, o fazendeiro guardou o disco até o momento em que conseguiu entrar em contato com o escritório do xerife & # x27s, que por sua vez notificou o major Jesse A. Marcel do 509th Bomb Group Intelligence Office. A ação foi tomada imediatamente e o disco foi pego na casa do rancheiro. Foi inspecionado no Campo Aéreo do Exército de Roswell e posteriormente emprestado pelo Major Marcel a um quartel-general superior. & Quot

o Roswell Daily Record intitulou a história & quotRAAF captura disco voador no rancho na região de Roswell & quot, fornecendo um artefato histórico que, em retrospecto, parece pronto para alimentar um episódio de O arquivo x.

Mas os relatos da imprensa no dia seguinte contaram uma história muito mais mundana: os militares determinaram que os destroços recuperados eram os destroços de um balão meteorológico e equipamentos relacionados. Nenhum disco voador - um termo que acabara de ser cunhado por jornais para descrever o primeiro avistamento de OVNIs amplamente divulgado - foi encontrado.

Manequins como esses, caídos de balões durante os testes, geraram histórias de cadáveres alienígenas, dizem os militares.
Foto: Força Aérea dos EUA

Embora a explicação prática parecesse resolver a questão, o chamado incidente de Roswell voltou à consciência pública três décadas depois. Novas entrevistas com indivíduos oferecendo informações sobre o acidente e a publicação de 1980 do livro de Charles Berlitz & # x27s O Incidente Roswell, deu uma nova vida à história, transformando Roswell em um grito de guerra para ufologistas e verdadeiros crentes.

Rumores de corpos extraterrestres recuperados e um acobertamento do governo ganharam tal apoio na cultura popular que o governo dos EUA tomou a medida incomum de produzir dois relatórios na década de 1990 que tentaram resolver o assunto.

Ao reunir os relatórios massivos, a Força Aérea reuniu e desclassificou muitos documentos relacionados ao incidente de Roswell. Pesando quase 1.000 páginas, o Relatório Roswell: Fato vs. Ficção no Deserto do Novo México, publicado em 1994, foi elaborado para reprimir o Congresso e o povo americano, tudo a Força Aérea sabia sobre as alegações de Roswell. & quot

A segunda publicação do governo, 1997 & # x27s The Roswell Report: Case Closed (.pdf), veio poucos dias antes do incidente Roswell & # x27s 50º aniversário. O relatório disse que relatos de testemunhas oculares ligadas à recuperação de 1947 realmente ocorreram anos depois, tornando-se complicados no tempo e fortalecendo ainda mais o incidente de Roswell & # x27s que prendeu a imaginação do público & # x27s.

"As atividades da Força Aérea que ocorreram durante um período de muitos anos foram consolidadas e agora são representadas como tendo ocorrido em dois ou três dias em julho de 1947", disse o relatório. & quot & # x27Aliens & # x27 observados no deserto do Novo México eram, na verdade, manequins de teste antropomórficos que foram carregados por balões de alta altitude da Força Aérea dos EUA para pesquisa científica. & quot

Apesar da afirmação dos militares de que o incidente de Roswell foi um efeito colateral do sigilo da Guerra Fria e das fantasias de ficção científica, a história mantém um lugar vital na tradição OVNI. A cidade de Roswell se tornou um destino turístico, hospedando o Museu Internacional de OVNIs e Centro de Pesquisa e um Festival Anual de OVNIs de Roswell.


A verdade sobre o enforcamento de réus condenados em julho de 1944

Postado por Panzermahn & raquo 29 de junho de 2005, 14:06

Envenenando a atmosfera já tensa, os julgamentos dos traidores no Tribunal do Povo continuaram durante todo o outono. O Dr. Dietrich se opôs veementemente a qualquer cobertura jornalística sobre eles. Goebbels o rejeitou.19 Hadamowsky observou no primeiro dia, quando Witzleben, Hoepner e Stieff foram julgados e condenados, ele elogiou o juiz Freisler como magisterial, nacional-socialista e superior.20 Goebbels encomendou um filme do julgamento e dos enforcamentos.21 Hitler no entanto, proibiu seu lançamento temendo uma reação, um "debate indesejável" sobre o julgamento.22 Ele ordenou que a filmagem da execução fosse mantida trancada a sete chaves. Apesar disso, os jornais noticiaram que a legação britânica na Suíça havia mostrado uma impressão aos oficiais suíços lá. As investigações mostraram que era uma falsificação fornecida por um tal Sr. Saunders, um agente do serviço secreto britânico foi evidentemente a origem de várias lendas do pós-guerra sobre as execuções, incluindo rumores de que os homens foram enforcados em ganchos de carne e levaram dez horas para morrer.23

Página 872, Goebbels: Mastermind of the Third Reich, David Irving, edição Fpp

21 O filme era ‘Verräter vor dem Volksgericht’. A primeira parte, cinco atos, durou 105 minutos
a segunda, também cinco atos, por 105 minutos, um rolo silencioso mostrando o enforcamento de Witzleben
et al. em quatro atos durou 20-25 minutos. Sua localização atual é desconhecida.—
Reichsfilmintendant (Hinkel) para Naumann, 31 de agosto de 1944 (arquivo BA R.55 / 664) e Lindenborn
para JG, 17 de janeiro de 1945 (ZStA Potsdam, Rep.50.01, vol.831).

22 Nota de Leiter F. (da equipe de Hinkel), 21 de outubro de 1944 (ZStA Potsdam, Rep.50.01, vol.831) .-
O filme exibido nos julgamentos de Nuremberg, ‘Processos contra os Criminosos de 20 de julho de 1944’,
foi editado de uma filmagem inédita do noticiário da Deutsche Wochenschau confiscada pela OMGUS
nos escritórios da AFIFA em Tempelhof.

23 SS Sturmbannführer Ulenberg (RMVP) para Hinkel, 5 de março (ZStA Potsdam, Rep.50.01,
vol.831). Die Nation, 14 de fevereiro de 1945 publicou uma suposta foto de Witzleben e Hoepner
pendurado.

Postado por Peter H & raquo 29 de junho de 2005, 14:42

Também discutido anteriormente aqui:

Irving dobrou dramaticamente de tamanho seu livro de Goebbels ou você quer dizer a página 493 como referência?

Postado por Panzermahn & raquo 29 de junho de 2005, 14:49

Peter H escreveu: Também discutido anteriormente aqui:

Irving dobrou dramaticamente de tamanho seu livro de Goebbels ou você quer dizer a página 493 como referência?

Obrigado pelos links, Peter H

Mas o assunto é sobre o filme de execução e enquanto eu acreditava que o filme existia, questionei sobre os rumores de que os réus foram enforcados em ganchos de carne e levaram 10 horas para morrer como mencionado na propaganda aliada.

Não, estou lendo o livro de Irving sobre Goebbels, publicado pela FPP em edição eletrônica. É a página 872

Postado por David Thompson & raquo 29 de junho de 2005, 16:12

Apesar disso, os jornais noticiaram que a legação britânica na Suíça havia mostrado uma impressão aos oficiais suíços lá. As investigações mostraram que era uma farsa fornecida por um tal Sr. Saunders, um agente do serviço secreto britânico, evidentemente a origem de várias lendas do pós-guerra sobre as execuções, incluindo rumores de que os homens foram enforcados em ganchos de carne e levaram dez horas para morrer.23

23 SS Sturmbannführer Ulenberg (RMVP) para Hinkel, 5 de março (ZStA Potsdam, Rep.50.01,
vol.831). Die Nation, 14 de fevereiro de 1945 publicou uma suposta foto de Witzleben e Hoepner
pendurado.

Esta citação fornece um bom exemplo de por que tantas pessoas não confiam na bolsa de estudos do Sr. Irving. A passagem citada tem duas proposições: (1) A conclusão secundária - uma investigação SS alegou que havia um filme falso em circulação e (2) A conclusão principal - as execuções não aconteceram conforme descrito e o falso "foi evidentemente a origem de várias lendas do pós-guerra sobre as execuções, incluindo rumores de que os homens foram enforcados em ganchos de carne e levaram dez horas para morrer. "

A nota de rodapé de Irving apóia a primeira proposição (secundária), mas não a segunda proposição (principal). Não há documentação para a alegação de Irving de que as histórias eram "lendas" ou "rumores", nem ele mostra que qualquer um dos relatos de testemunhas alemãs das execuções eram falsos ou que se baseavam no filme falso. Também não há fonte para a alegação de "dez horas para morrer".

Os relatos de testemunhas oculares alemãs, incluindo os ganchos de carne, são detalhados e discutidos nestas postagens:

Disto podemos concluir que a afirmação do Sr. Irving de "lenda" e "boato" mostra um desprezo imprudente pela verdade ou é um esforço deliberado para criar uma imagem falsa do evento.

Postado por WalterS & raquo 29 de junho de 2005, 16:17

Stauffenberg, Haeften e Friedrich Olbricht foram executados por fuzilamento. Beck, Lieut. O general Erich Hoepner e o general Friedrich Fromm foram mortos a tiros contra o almirante Canaris e o tenente. O coronel Hans Oster foi enforcado. Henning von Tresckow, Guenther von Kluge e Erwin Rommel cometeram suicídio. Outros conspiradores foram submetidos a um julgamento simulado no Tribunal Popular. O objetivo do julgamento era humilhar os conspiradores e a sentença foi decidida antes mesmo do julgamento - morte pendurada em ganchos de carne. De acordo com Hitler:

"Desta vez, os criminosos receberão pouca atenção. Nada de tribunais militares. Vamos levá-los ao Tribunal do Povo. Nada de longos discursos deles. O tribunal vai agir na velocidade da luz. E duas horas depois da sentença será executado . Por enforcamento - sem misericórdia. "4

nota 4: Shirer, William, Ascensão e Queda do Terceiro Reich. (pág. 1389)

A grande maioria dos conspiradores alemães foi pendurada nos ganchos acima por cordas de piano.

Muitos morreram dessa maneira, uma morte lenta e dolorosa, embora todos tenham ido corajosamente para a ruína.

Hitler, no entanto, encomendou filmes feitos dos enforcamentos para seu prazer pessoal.

Postado por David Thompson & raquo 29 de junho de 2005, 16:28

Postado por Brumbar & raquo 29 de junho de 2005, 16:49

Postado por maxxx & raquo 29 de junho de 2005, 20:05

o enforcamento em um gancho de carne (nota: o NOOSE estava preso ao gancho de carne, nada como o massacre de motosserra do Texas) não era diferente do enforcamento usado na Áustria até depois da 1ª Guerra Mundial (e assim a ("desonrando" a pena de morte com a qual Hitler estava familiarizado). Em circunstâncias "normais", a morte ocorreria entre 45 segundos e 15 minutos.Para o procedimento, consulte a biografia de Josef Lang, último carrasco da Áustria.

Os ganchos de carne são história, caro panzermahn, dez horas de agonia podem não ser verdade - mas eu também não desejaria a você um quarto de hora daquela morte horrível.

Postado por Larry D. & raquo 30 de junho de 2005, 00h02

Postado por David Thompson & raquo 30 de junho de 2005, 01:53

Larry D. - Os relatos de testemunhas oculares falam de ganchos de carne e uma "corda fina e curta", em vez de algum tipo de fio. http://forum.axishistory.com/viewtopic. . 215 # 286215

A primeira menção de "corda de piano" que eu conheço aparece na biografia de John Toland de Adolf Hitler, embora o enfeite provavelmente não tenha se originado dele. http://forum.axishistory.com/viewtopic. . 608 # 284608 A falta de experiência com o garote de arame pode tê-lo deixado crédulo.

Postado por Larry D. & raquo 30 de junho de 2005, 02:07

Postado por Panzermahn & raquo 30 de junho de 2005, 08:48

Obrigado a todos pela informação. Mas eu só me pergunto, por que o filme não foi exibido até agora? Seria uma boa evidência para mostrar a brutalidade das "feras fascistas" ou "criminosos hitleristas" assim como o sabão humano ou os abajures humanos?

Postado por Michael Mills & raquo 06 de julho de 2005, 07:43

Os comentários do moderador são outro exemplo de sua tendência de desviar a atenção da questão mais importante (se a Inteligência Militar britânica fabricou uma fotografia da execução dos oficiais condenados por traição e a exibiu na Suíça, presumivelmente com o propósito de propaganda de exagerar a brutalidade do procedimento, e se a foto do enforcamento de Witzleben e Hoepner publicada em "Die Nation" de 14 de fevereiro de 1945 era uma falsificação produzida na Inglaterra) a uma subsidiária (se havia lendas do pós-guerra sobre as execuções, e qual era a sua natureza) com o propósito óbvio de deslegitimar qualquer questionamento sobre a alegada brutalidade daquele ato específico do Governo alemão.

Ao fazer isso, o moderador inverte o significado das duas questões.

Irving forneceu uma fonte para a informação de que um agente britânico fabricou uma fotografia dos enforcamentos e que a fotografia falsa foi mostrada a oficiais suíços na Legação Britânica na Suíça, nomeadamente uma nota de Leiter F da equipe de Hinkel, datada de 21 de outubro de 1944 , e mantido nos arquivos da Zentralstelle der Landesjustizverwaltungen, a agência federal alemã para a investigação de crimes de violência nacional-socialistas. Temos que presumir que a nota informava a exibição da fotografia, alegava que era falsa e nomeava a pessoa que supostamente a havia fabricado.

O moderador tenta ignorar o relato da fotografia falsa, afirmando que se tratava de uma "alegação" de "uma investigação da SS".

Qual é a fonte de sua afirmação de que houve uma "investigação da SS"?

A fonte de Irving é uma nota de Leiter F da equipe de Hinkel. Se o moderador tivesse se dado ao trabalho de verificar o livro de Irving, ele teria descoberto que Hans Hinkel era um jornalista e um funcionário do Ministério de Propaganda de Goebbels, o chefe do departamento judaico daquele ministério. Não há ligação aparente com a SS, seja qual for.

Não vejo razão prima facie para rejeitar as informações fornecidas por Leiter F. Os britânicos teriam todos os motivos para fazer propaganda de capital com a execução de vários oficiais alemães seniores, e se eles não pudessem obter uma cópia do filme original, eles teriam não teve nenhum escrúpulo em fabricar uma imagem que representava a suposta brutalidade do procedimento.

Quanto à existência de "lendas" sobre o procedimento de execução, várias delas estão listadas no post da WalterS:

A grande maioria dos conspiradores alemães foi pendurada nos ganchos acima por cordas de piano.

Muitos morreram dessa maneira, uma morte lenta e dolorosa, embora todos tenham ido corajosamente para a ruína.

O próprio moderador descartou a lenda da corda de piano.

O enforcamento é um método bastante normal de infligir a morte de acordo com a lei. Por exemplo, o governo dos Estados Unidos executou enforcando várias pessoas culpadas de envolvimento no assassinato do presidente Lincoln, incluindo uma mulher. Foram tiradas fotografias do enforcamento e já apareceram em documentários (que também afirmavam que o processo de morrer demorava cinco minutos, embora eu suspeite que isso signifique simplesmente que o médico os declarou mortos após cinco minutos).


Em 1944, bombardeiros americanos atacaram as tropas nazistas - e mataram acidentalmente dezenas de americanos

Um dos piores incidentes de fogo amigo da história do Exército dos EUA.

As tropas aliadas passaram seis semanas sangrentas presas em densas cercas vivas da Normandia após os desembarques do Dia D, lutando contra a Wehrmacht alemã com pasto de vaca por vez. O general do Exército dos EUA, Omar Bradley, arquitetou um plano para romper as defesas alemãs, convocando os pesados ​​bombardeiros quadrimotores da 8ª Força Aérea.

O que se seguiu foi um dos piores incidentes de fogo amigo da história do Exército dos EUA - e uma de suas maiores vitórias militares.

Os desembarques do Dia D em 6 de junho de 1944 na Normandia são famosos por ser uma das operações militares mais caras da história americana. O que é menos apreciado é que os dois meses seguintes de combate nas fazendas da Normandia foram igualmente terríveis.

O problema era o terreno. Os agricultores na Normandia dividiram suas pastagens com sebes altas chamadas bocage que eram intransponíveis para a maioria dos veículos. Mesmo que os Aliados possuíssem uma tremenda superioridade numérica e maior mobilidade devido ao seu vasto parque motor, as sebes os forçaram a lutar em uma emboscada de curto alcance após a outra por corredores previsíveis - uma situação tremendamente vantajosa para o exército alemão de defesa.

Ninhos de metralhadoras mortais MG.42 e portáteis Panzerfaust armas anti-tanque defendiam cada campo, apoiadas por morteiros pré-registrados e bombardeios de artilharia.

Os tanques aliados que tentavam avançar pelas estradas estreitas do país tiveram que enfrentar canhões antitanques bem ocultos e blindados alemães, incluindo tanques Tiger e Panther com blindagem frontal quase impenetrável para a maioria dos canhões de tanques aliados.

As tropas americanas sofreram algumas das vítimas mais pesadas na guerra na Normandia, avançando apenas algumas centenas de metros por dia. Algumas divisões dos EUA tiveram mais de 100 por cento de baixas - mas evitaram sangrar por meio de um fluxo constante de substituições inexperientes.

Mesmo assim, os americanos conseguiram avançar lentamente ao longo de seis semanas a um custo tremendo - 39.000 mortos ou feridos apenas no final de junho.

A maior vantagem dos Aliados era a superioridade aérea - enxames de caças-bombardeiros americanos percorriam a Normandia, em grande parte sem oposição dos caças alemães, devastando unidades alemãs que tentavam se mover à luz do dia. As tropas americanas também os convocaram para destruir os tanques e pontos fortes do inimigo - mas, muitas vezes, batalhas no bocage foram combatidos em distâncias tão curtas que não era seguro chamar o apoio aéreo.

Em um esforço para romper o bocage, as forças britânicas no flanco oriental da cabeça de praia dos Aliados sob a liderança do Marechal de Campo Bernard Montgomery em 18 de julho lançaram um ataque massivo de tanques contra a cidade de Caen chamado Operação Goodwood.

Precedidos por bombardeios que arrasaram grande parte da cidade - matando cerca de 3.000 civis e praticamente desaparecendo unidades da linha de frente alemãs - os tanques britânicos avançaram sem o apoio da infantaria e correram direto para os canhões antitanque e panzers apressados ​​como reforços, incluindo o maciço King Tanques tigre.

Acompanhados por muito pouca infantaria para desentocar as emboscadas, os britânicos perderam nada menos que 300 tanques em três dias e Goodwood parou. Os ataques de apoio pelas tropas canadenses tiveram um destino semelhante.

O comandante supremo aliado, general Dwight Eisenhower, ficou furioso com Montgomery, que afirmou em sua defesa que o verdadeiro objetivo de Goodwood era afastar as divisões panzer alemãs na reserva, permitindo aos americanos lançar a fuga real.

Embora seja discutível que foi isso que Goodwood tem sido destinada para realizar, foi inegavelmente uma consequência - seis divisões panzer foram implantadas para o setor britânico, enquanto apenas duas enfrentaram o setor americano a oeste.

Plano de Bradley:

O general americano Omar Bradley identificou a principal linha defensiva alemã correndo ao longo da estrada leste-oeste que conecta as cidades de St. Lo e Perrier. Ele queria abrir um buraco nele através do qual suas divisões de tanques pudessem entrar no campo aberto ao sul da Normandia.

As armas secretas para o ataque, chamadas de Operação Cobra, foram os maciços bombardeiros estratégicos quadrimotores da 8ª Força Aérea.

O famoso B-17 Flying Fortress e o B-24 Liberator foram projetados para bombardear fábricas e cidades, não retire as tropas na linha de frente. Uma Fortaleza Voadora pode lançar até 17.000 libras de bombas, enviando explosões massivas que se propagam por grandes áreas do solo.

Bradley designou uma zona de cinco quilômetros de comprimento por dois quilômetros de profundidade a oeste da cidade de St. Lo que ele queria que a 8ª Força Aérea explodisse no esquecimento.

No entanto, suas tropas precisavam avançar próximo à linha defensiva alemã para que pudessem explorar imediatamente o choque do bombardeio. Em 18 de julho, a infantaria americana expulsou o 2º Corpo de exército de Fallschirmjäger de St. Lo a um custo de 5.000 vítimas. As linhas americanas a oeste estavam agora enfrentando diretamente a infantaria e os tanques da Divisão Panzer Lehr.

O Panzer Lehr foi reduzido a apenas 2.200 soldados e 47 tanques Panzer IV e Panther operacionais, cerca de um quarto de sua força teórica. Um regimento de pára-quedas mal treinado de 500 homens e um pequeno grupo de batalha de reserva de 450 homens o acompanharam.

No entanto, o plano de Bradley tinha um problema significativo. Armas tão imprecisas quanto um B-17 tinham tanta probabilidade de atingir as tropas amigas quanto o inimigo. Bradley assegurou à 8ª Força Aérea que retiraria suas tropas 800 metros pouco antes do bombardeio. Os generais da Força Aérea do Exército insistiram que a distância mínima de segurança era 3,000 metros. Depois de alguma barganha, eles se estabeleceram em um desnível de 1.200 metros.

Bradley também estipulou que os bombardeiros se aproximam paralelamente às tropas da linha de frente, então, se algum deles lançar suas bombas muito cedo, eles não pousarão nas linhas americanas.

O VIIº Corpo de exército, composto por seis divisões, lideraria o ataque sob o comando do general Joseph Collins. No flanco esquerdo e direito estavam as 9ª e 30ª Divisões de Infantaria, respectivamente. Ambas as divisões viram combates pesados ​​e sofreram perdas de mais de 100 por cento nas semanas anteriores, e foram reduzidas a um núcleo duro de veteranos exaustos cercados por hordas de novatos. A mais nova 4ª Divisão de Infantaria atacaria no centro.

Esperando na reserva estavam a 1ª Divisão de Infantaria Motorizada e as poderosas 2ª e 3ª Divisões Blindadas. Essas foram as duas únicas divisões blindadas pesadas do Exército dos EUA, cada uma com mais de 300 tanques Sherman e Stuart em seis batalhões, em vez do complemento usual de cerca de 200.

Os americanos tinham um novo truque para lidar com as sebes da Normandia. Quando um colega soldado sugeriu que os tanques precisavam de tesouras de poda gigante para atravessar o bocage, Sgt. Curtis Culin foi em frente e feito alguns de sucata de obstáculos na praia do Dia D.

"Tanques Rhino" equipados com os pinos de metal podem arar Através dos as sebes sem expor sua fina armadura de barriga. Até 60 por cento dos tanques da VII Corp estavam equipados com o dispositivo antes do ataque.

No entanto, Bradley não queria repetir os erros da operação Goodwood. Os tanques eram vulneráveis ​​a emboscadas no terreno próximo da Normandia. Ele pretendia que a infantaria liderasse o ataque inicial apenas com apoio limitado do tanque. Assim que as defesas alemãs fossem rompidas, as divisões blindadas poderiam mergulhar pela abertura.

Mas o tempo era fundamental - se ele esperasse também muito tempo para liberar a armadura, os alemães teriam tempo suficiente para formar uma nova linha defensiva.

Esperando nos bastidores estava o 3º Exército do General George Patton. A limitada linha de frente da Normandia e a limitada rede de estradas impediram o 3º Exército de ser implantado na batalha. Se o ataque de Bradley tivesse sucesso, então finalmente teria espaço suficiente para ir rugindo pelas linhas de retaguarda alemãs.

False Start:

Após vários atrasos por causa do mau tempo, no dia 25 de julho, o céu claro foi registrado e os bombardeiros da 8ª Força Aérea entraram em ação. No entanto, à medida que as formações de bombardeiros se aproximavam da Normandia, nuvens cinzentas reapareciam.

O ataque foi cancelado - mas não antes de mais de 100 aeronaves lançarem suas bombas. Dezesseis B-17s lançaram seu bombardeiro dois quilômetros ao norte de seu alvo, atingindo a 30ª Divisão de Infantaria. Vinte e cinco soldados americanos foram mortos e mais de 130 feridos. As tropas enfurecidas do 120º Regimento de Infantaria até abriram fogo contra os aviões americanos.

Bradley ficou furioso - a aeronave se aproximou perpendicularmente, não paralela, às linhas americanas. O comandante da 9ª Força Aérea, General Elwood Quesada, cujos caças-bombardeiros teve aproximou-se paralelamente, enviou uma mensagem de reprovação ao 8º, também.

Os generais da Força Aérea do Exército argumentaram que a aproximação paralela não evitaria danos colaterais e exporia os pesados ​​bombardeiros à artilharia por um período prolongado. Além disso, demoraria dias para traçar um novo plano de ataque.

Pior ainda, as tropas americanas tiveram que atacar para recapturar todo o terreno que haviam cedido ao recuar para o bombardeio. Isso foi realizado ao custo de 174 mortos ou feridos pelas tropas alemãs que haviam se infiltrado nas posições abandonadas. A Divisão Panzer Lehr perdeu 350 homens e 10 tanques na ação do dia, mas seu comandante, o general Fritz Bayerlein, presumiu que ela resistiu com sucesso ao ataque principal.

Os alemães ficaram perplexos e exultantes quando a infantaria americana retirou-se de suas posições novamente na manhã seguinte. “Parece que eles se acovardaram!” observou um oficial de operações divisionais.

O bombardeio

O tempo claro em 26 de julho permitiu que a 8ª Força Aérea entrasse em ação de verdade. O ataque começou com bombardeios de mergulho, metralhadoras e ataques com foguetes por 550 caças-bombardeiros. Então, toda a força da 8ª Força Aérea, mais de 1.800 bombardeiros, voou.


Por NHHC

Da Divisão de História do Corpo de Fuzileiros Navais & # 8230

A campanha de 24 de julho a 1 ° de agosto de 1944 para o assalto e captura das Ilhas Marianas desempenhou um papel vital na derrota final do Japão. Os planejadores consideraram as ilhas de Guam, Saipan e Tinian de importância crítica, porque o Corpo de Aviação do Exército precisava de bases a partir das quais seus bombardeiros de longo alcance pudessem atacar o Japão sem parar. Além disso, a Marinha queria que as ilhas fossem desenvolvidas como bases avançadas e esperava que uma operação nas Marianas atraísse a Frota Combinada Japonesa para que ela pudesse se engajar em uma batalha decisiva.

Após a captura de Saipan no início de julho de 1944, a próxima etapa dessa campanha foi Tinian, cujo terreno relativamente plano era ideal para a construção de aeródromos para os novos bombardeiros americanos B-29. O vice-almirante Richmond Kelley Turner, USN, comandou aproximadamente 800 navios e 162.000 homens da Força Expedicionária Conjunta das Marianas. Turner também liderou a Força de Ataque do Norte, designada especificamente para Saipan e Tinian. A tarefa de levar Tinian coube à 2ª e 4ª Divisões da Marinha, sob o comando geral do General-de-Brigada Harry Schmidt, USMC, Comandante do V Corpo Anfíbio.

Tinian passou por mais de 40 dias de tiros navais preliminares e bombardeios aéreos. O controle de fogo em terra foi melhorado em relação às campanhas anteriores, à medida que os grupos de controle de fogo elaboravam procedimentos a bordo dos navios de tiro designados para apoiar os desembarques. Vôos de reconhecimento de fotos e documentos capturados do inimigo em Saipan deram uma imagem clara da topografia de Tinian e, pela primeira vez, o napalm foi usado extensivamente e teve sucesso na queima da cobertura do solo.

No Dia D, 24 de julho, a 4ª Divisão de Fuzileiros Navais liderou o ataque, enquanto a 2ª Divisão de Fuzileiros Navais forneceu um desvio convincente na costa sudoeste da ilha. A artilharia em terra e o bombardeio naval forneceram amplo apoio aos fuzileiros navais de assalto, e a oposição ao desembarque não foi forte. Os contra-ataques japoneses subsequentes foram repelidos pelos fuzileiros navais bem entrincheirados. No segundo dia da invasão, a 2ª Divisão de Fuzileiros Navais desembarcou para se juntar a seus irmãos da 4ª Divisão e varrer para o sul e pressionar os defensores japoneses de volta.

Em 1º de agosto, após nove dias de combate em uma batalha frequentemente denominada “a operação anfíbia perfeita” da Segunda Guerra Mundial, o general Schmidt declarou a ilha de Tinian protegida. A combinação de surpresa, pesado bombardeio pré-ataque e apoio logístico eficaz foi responsável pela recaptura de Tinian com uma taxa de baixas muito menor do que a experimentada em pousos anfíbios anteriores. Quase um ano após sua recaptura, Tinian teve um papel final e decisivo na derrota dos japoneses quando um bombardeiro B-29, o “Enola Gay” deixou a pista de pouso de Point Ushi em Tinian, carregando a bomba atômica que seria lançada sobre Hiroshima. микрозаймы и займы онлайн без отказа


Tanques assustadores, Panzer-Brigade 107

O futuro da Panzer-Brigada 107 era mais promissor do que qualquer outra Panzer-Brigada designada para a Frente Ocidental. Foi erguido em torno dos remanescentes da Divisão Panzer-Grenadier 25. Embora a brigada tenha recebido apenas 33 tanques Panther e 12 armas de assalto StuG IV, a unidade teve de 9 a 12 semanas para treinamento e organização! A urgência das tropas na frente de batalha atrapalhou esse cronograma e, no dia 15 de setembro, as tropas foram embarcadas em trens rumo ao oeste. A Panzer-Brigade 107 estava destinada a operações em Lorraine, mas a principal operação aerotransportada dos Aliados na Holanda exigia forças de tanques neste setor.

Não detectado pelos caças-bombardeiros aliados Panzer-Brigade 107 em 18 de setembro, descarregado em Venlo en Roermond, perto da fronteira com a Alemanha. Uma greve geral nas ferrovias holandesas impediu o destreinamento no interior do território holandês, o que eventualmente custaria ao 107 da Panzer-Brigade uma grande quantidade de combustível para chegar ao campo de batalha. O oficial comandante, Major von Maltzahn, conseguiu estoques extras de combustível do LXXXVI Corpo sob o qual ele recorreu. Ele também conseguiu persuadir seus superiores a deixar a Brigada Panzer agir como uma unidade e não desperdiçar as tropas, enviando-as aos poucos para o front. A brigada levou dois dias para descarregar.

No dia 19 de setembro, o batalhão de tanques estava totalmente operacional e iniciou sua missão: a destruição da ponte em Son sobre o Canal Wilhemina, logo acima de Eindhoven. Isso cortaria todas as tropas aerotransportadas e o suprimento da Divisão Blindada de Guardas, que se movia em direção a Arnhem. Em Helmond, uma cidade a leste de Eindhoven, a Panzer-Brigade fez uma pausa, que usou para montar as tropas aerotransportadas alemãs como apoio à infantaria até seu destino. Depois de partir de Helmond, os alemães logo chegaram perto de sua objeção.

O major von Malthzahn conferenciou com seus comandantes pouco antes do ataque e decidiu que os tanques assumiriam a liderança. Eles tiveram que passar por um dique estreito, que não deixava espaço para outros veículos em caso de emboscada. Os tanques Panther avançaram bem sobre o dique e, no final da tarde, chegaram à ponte de Son. Eles abriram fogo contra tudo que se movia e logo a cidade de Son estava cheia de caminhões em chamas e tropas confusas. O comandante da Divisão da 101ª Divisão Aerotransportada dos EUA agiu rapidamente e colocou um canhão antitanque de 57 mm em posição exatamente quando os alemães se aproximavam da ponte. Em pouco tempo, dois tanques alemães foram atingidos, seu avanço foi bloqueado e eles foram forçados a retornar.

No dia seguinte, os alemães testaram sua sorte ao sul de Son. A infantaria alemã lutou, mas foi rechaçada por pára-quedistas americanos e tanques alemães foram trazidos para apoiar a infantaria. Os tanques conseguiram espalhar a destruição na rota estreita em que os Aliados traziam tropas e suprimentos para o norte, em direção às tropas sitiadas em Arnhem. Logo os tanques alemães foram engajados por tanques britânicos do 15º / 19º batalhão de Hussardos vindos do norte, que foram chamados para dar apoio. Logo quatro tanques alemães estavam queimando em face do número esmagador de tanques britânicos e isso marcou o ponto de viragem da batalha. Os tanques alemães recuaram e no final da batalha perderam pelo menos 150 homens.

Meanwhile from the south the 44th Royal Tanks Battalion of the 11th Armoured Division was coming from Eindhoven to deal with the menace of Panzer-Brigade 107. They advanced on a broad front towards the southern flank of the attacking German forces, which were in danger of being caught into encirclement from the north and south. The southern attack ended in a tanks clash, which took heavy losses both sides. Panzer-Brigade 107 managed to escape to the east but lost almost one third of its tanks in the process, some of them due to lack of fuel.

Von Malthzahn realised that the British were keen to drive his forces away from the vital bridge at Son. He also knew that the British had ssembled superior tank forces for this job, which would smash his brigade if he stayed where he was. On the 21st of September he withdrew his forces towards Helmond, where he started his advance on September 19th. The British caught up the tail of the Panzer-Brigade and a fire fight between the British vanguard and the German rearguard developed in which the Germans lost three more precious tanks.

Panzer-Brigade 107 escaped the pursuit of the British 11th Armoured Division, but it paid dearly for its first encounter with both the American paratroopers and the British tankers. Within two days it lost at least one third of its tank force and also the losses among the infantry amounted a few hundred men lost dead, wounded or as prisoners. The Panzer-Brigade managed to achieve complete surprise, but was unable to exploit it. Once located the Germans were the hunted instead of the hunters. Confronted with organised and determined resistance and a growing threat of enemy counterattacks further operations were useless. Panzer-Brigade 107 managed to scare the Allies but never dominated the battlefield.


The “Fighting Eagles” Regiment: 8th U.S. Infantry

Troops of the 8th Infantry Regiment move out over the seawall on Utah Beach after coming ashore on D-Day, June 6, 1944.

Colonel William J. Worth formed the 8th U.S. Infantry Regiment, nicknamed the “Fighting Eagles,” on July 5, 1838, in West Troy, New York. After raising the various companies, the government immediately assigned Col. Worth and the 8 th to prevent aggressions from U.S. sympathizers of a Canadian insurrectionist party known as “The Patriots.” Companies of the 8th patrolled the St. Lawrence River, were assigned to U.S. vessels navigating the waterway, and guarded the northern border of New York State with Canada until the spring of 1840.

The 8 th moved to the Wisconsin Territory for action against the Winnebago Indians in April, successfully negotiating that tribe’s removal west of the Mississippi River. After a short stay at Jefferson Barracks, Missouri, the regiment transferred to Florida in September 1840 to aid in the prosecution of the Seminole Indian War. The regiment spent the next several years in pursuit of the Seminole tribes, leading to the surrender of some Seminoles at Ft. Brooke.

In 1845, the 8 th received orders to join Zachary Taylor’s Army of Occupation in Corpus Christi, Texas, at the start of the Mexican-American War. Beginning with a defensive action at Palo Alto, the regiment participated in the Battle of Monterrey – the first major amphibious landing of the U.S. Army at Vera Cruz – and the battles at Cerro Gordo and Contreras. However, their most brilliant exploit of the war took place at Churubusco. Capt. J.V. Bomford, Lt. James Longstreet, and Lt. George Pickett led the regiment through one of the fort’s embrasures in advance of all other U.S. forces. Later, at Chapultepec, Picket took the regimental colors from a wounded Longstreet and raised them atop the fortress when it fell. The regiment remained in the advance to the San Cosme gate of Mexico City, which turned out to be its last action of the war. Departing Mexico, the 8th returned to Jefferson Barracks, later receiving orders to return to garrison duties in Texas in December 1848.

In Texas, an outbreak of Asiatic cholera plagued the 8 th , leading to Worth’s death on May 7, 1849. For the next 12 years, the 8 th served in company strengths among the forts and camps of Texas. The infantry fought skirmishes with Native American bands, participated in clashes with Cortina’s outlaws, and scouted for various expeditions.

In April 1861, Gen. Daniel E. Twiggs, commanding the Department of Texas, ordered the regiment to leave the state by way of the coast as the situation in the East deteriorated. Unfortunately, the evacuation route allowed newly organized Confederate forces to capture the entire regiment. Eleven of the regiment’s officers later joined the Confederates. However, two regimental members, Sgt. Maj. Joseph K. Wilson and Corp. John C. Hesse, saved the tattered regimental colors from the Mexican-American war, smuggling them north from San Antonio. Both later received a Medal of Honor for that act. Gen. Nathaniel Banks bestowed the regimental motto “Patriae Fidelitas” meaning “Loyalty to Country” in a discussion recognizing the two men for their actions

Regimental reorganization began in May 1861 at Ft. Wood in New York Harbor, with the formation of new companies of the 8 th U.S. Infantry. Company G participated in First Manassas and then joined Company F as provost guards in Washington. Companies A and D, once formed, joined the Army of Virginia under Gen. Banks and participated in the Battle of Cedar Mountain on August 9, 1862, where the Civil War Trust has saved nearly 500 acres of historic battleground. Those companies participated in the Union attack on the Confederate right that nearly succeeded in breaking the enemy line. In the early evening Confederate counterattack, the 8 th faced a charge down Cedar Mountain by troops led by Brig. Gen. Isaac B. Trimble. After the battle, the Federals retreated to Alexandria.

The American Battlefield Trust has preserved almost 500 acres of battlefield land from the Battle of Cedar Mountain in Culpeper County, VA. Douglas Ullman, Jr.

By the Battle of Antietam, Companies B and C joined Companies A, D, F and G. The 8th then served as provost guards for the Army of the Potomac. The regiment remained on that assignment through the Gettysburg Campaign. In mid-July, the regiment moved to New York City as part of the forces that suppressed the ongoing draft riots. They camped on the Battery and in City Hall Park from July 17 to Aug. 22, 1863. The regiment remained in New York Harbor through April 23, 1864, helping to suppress a mutiny among certain New York volunteers.

In April 1864, the 8th departed for Warrenton, VA, where it became the provost guard for the 9th Army Corps. In November, the regiment removed to Buffalo, NY, to preserve order during the presidential election, and then served the remainder of the war in Delaware and Maryland.

In 1866, the companies of the 8th received orders to posts in North Carolina, South Carolina, and Virginia to enforce Reconstruction law. They remained in the Carolinas until 1870, at which point, the regiment returned to David’s Island, New York Harbor to potentially deploy to San Domingo and protect U.S. interests on the island. Instead, the 8th deployed in battalion strength to Chicago in 1871 to protect lives and property following the Great Chicago Fire. They remained there until May 1872, when the regiment’s two battalions were divided between missions in Utah and the Department of the Platte.

The next decade saw the 8th participating in various garrison duties in Arizona and California, such as the Nez Pierce conflict, Apache uprisings, and the pursuit of Geronimo. The unit transported Native American prisoners to Florida and returned, moving on to serve again in the Department of the Platte, and then in the 1890s at Ft. McKinney.

When the Spanish-American War broke out in 1898, seven companies of the 8th U.S. Infantry joined the First Brigade, 2 nd Division of the Fifth Army Corps and participated in the assaults on Santiago. Stubborn Spanish resistance at El Caney prevented the 8th from joining in the assault at the San Juan Heights. At the conclusion of action in the Caribbean, one company served in peacekeeping duties in Puerto Rico, while the remainder returned to New York. In 1913, the 8th deployed to the island of Jolo in the Philippines to aid in the suppression of the Moros. Led by Gen. John ‘Black Jack’ Pershing, the U.S. forces completely destroyed a Moro stronghold, including killing their leader, Datu Amil, in the June 1913 Battle of Bud Bagsak.

The 8th Infantry and the Philippine Scouts suppress the Moros at the Battle of Bud Bagsak.

The 8th U.S. Infantry Regiment did not see active duty service in World War I. Assigned to the 8th Infantry Division, the regiment was en route to Europe when the opposing forces declared an armistice and ended the war. However, the 8th did serve as part of the army of occupation post-armistice.

In World War II, assigned to the 4 th Infantry Division, the 8th deployed to England in January 1944. The regiment participated in the Normandy assaults on D-Day as part of 4th Infantry Division, Seventh Corps, assaulting Utah Beach under the command of Maj. Gen. Raymond O. Barton in the overall command of Gen. Omar Bradley. The regiment went on to participate in the campaigns in Northern France, Rhineland, Ardennes-Alsace, and Central Europe. The 8th received a Presidential Unit Citation for its actions on the beaches of Normandy. The regiment returned to Camp Butner, NC, in August 1945.

Troops of the 8th Infantry Regiment move out over the seawall on Utah Beach after coming ashore on D-Day, June 6, 1944.


Lancashire

But they were soon in trouble as the weather turned, and the aircraft crashed into the village of Freckleton.

The crash destroyed the Holy Trinity Church of England's reception classroom and the Sad Sack Snack Bar.

A total of 61 adults and children died. One of the teachers killed had only arrived at the school the day before.

Miraculously the children in the rest of the school were unharmed.

At the time of the crash the small village of Freckleton was called Little America with 10,000 Americans based there. Air force crew at the base serviced and repaired aircraft.

The two American United States Army Air Force B-24 Liberator heavy bomber aircraft took off from Warton on a test flight, but they were soon in trouble as a violent storm swept in from the Irish Sea, with heavy rain causing flash flooding.

One plane managed to head north but the other flew on into the storm.

In the skies above Freckleton First Lieutenant John Bloemendal began a desperate struggle to keep the Liberator, known as Classy Chassis, up in the air as the storm struck.

It was a battle he was to lose.

Already flying very low to the ground and with wings near vertical, the aircraft's right wing tip first hit a tree-top, and then was ripped away as it impacted the corner of a building.

The rest of the wing continued, ploughing along the ground and through a hedge. The fuselage of the 25 tonne bomber continued, partly demolishing three houses and the Sad Sack Snack Bar, before crossing the Lytham Road and bursting into flames.

A part of the aircraft hit the infants' wing of the Freckleton Holy Trinity School. Fuel from the ruptured tanks ignited and produced a sea of flames.

In the school, 38 schoolchildren and six adults were killed. The clock in one classroom stopped at 10.47am.

In the Sad Sack Snack Bar, which had been opened to cater for American servicemen from the air-base, 14 were killed: seven Americans, four Royal Air Force airmen and three civilians. The three crew on the B-24 were also killed.

Ruby Currell was one of only three children to survive the inferno that engulfed the classroom.

In 2007, she recalled the experience for the BBC's Inside Out programme. She remembered the events as vividly then as she did over 60 years ago: "The morning was a bright one, assembly had finished and we were at our desks receiving instruction of the lesson we were to do that morning.

"Suddenly the sky went dark. So dark the lights in school had to be put on.

"It started to rain heavily and then the most violent storm started - that in itself was frightening enough but what was about to happen was a terrifying experience.

"During the storm an aeroplane trying to make it back to the airfield about a mile away was struck by a thunderbolt.

"It brought it down in the centre of the village, hitting the two infant classes of the school, a snack bar and two cottages across the road from the school.

"Although the rest of the school was still standing the older children had to be got out to safety quickly.

"On that fateful morning seven children and two teachers were pulled from the rubble of the infant classes, but as the hours and days passed, the teachers and four of the children lost their battle for life, their injuries too severe.

"I was looked after by American doctors after the accident. I was bandaged almost head to foot and had to sit with my arms out straight because of all the burns.

"One day not long after the disaster we were told to expect a special visitor, and then in walked Bing Crosby. I didn't know much about him being five but I know my mother loved him.

"He had heard about the disaster from the American Services - he was over here entertaining the troops, and he made a special journey to come and see the survivors.

"He said he would sing for us, but when he came to me and saw how badly injured I was, he broke down and said he couldn't sing in the same room as us.

"So he went outside into the hall outside the ward and sang for us there. I seem to remember he sang Don't Fence Me In and White Christmas, of course.

"It's a strange memory to have but a good one because he was a very nice man and he was genuinely saddened by what he heard of the disaster and seeing anyone who had survived.

"Counting one's blessings is a daily routine for me now and I consider myself to extremely lucky that I am alive to do so.

"Even now I have a dread of thunder storms that I cannot shake and scars I have learned to live with."


The Eighth Air Force Historical Society

Brigadier General Ira C. Eaker took the Eighth Air Force Bomber Command Headquarters to England the next month and located at High Wycombe, about 40 miles west of London and on the road to Oxford. In May 1942 Command of the 8th Air Force was assumed by Major General Carl A. `Tooey' Spaatz. He established the 8th Air Force Headquarters at Bushy Park (Teddington, Middlesex), 15 miles west southwest of the center of London on 25 June 1942.

Shortly after the birth of the 8th AAF at Savannah, one of our own, Joseph A. `Joe' Stenglein, 1st Lieutenant and pilot in the 8th Bomber Command, was on his way to the United Kingdom . He was in charge of 1,000 officers and men making the transition from Georgia into the United Kingdom as staff for the 8th Air Force. Joe knew the High Wycombe Abbey well as the main Headquarters building of the 8th AAF. There were times when socially he was over at Maidenhead in the home of a British governmental minister with Joe's friend, Pleasant J. McNeel. McNeel later, as did Joe, joined the staff of the 325th Recon Wing. Joe served at the Widewing headquarters in the London area and then became Commanding Officer of the organization which was to become the 25th Bomb Group at Watton, north of London.

General James H. Doolittle assumed command of the 8th AAF on 6 January 1944.

Before 1945 rolled around and the war in Europe was over (May 7, 1945) with the surrender of the Germans, approximately 350,000 officers and men had served in the 8th AAF during the three year or so period in which the Americans participated in the European Theater of Operations.

The British had suffered the war many more years, having had various degrees of involvement from 1939 on. Many of their men had gone overseas to distant lands, while the Americans had left the United States which had directly seen little war and were now seeing overseas duty in the British homeland. Some of the children took to the Yanks with their familiar comeon of `Any gum chum?' The older Britons complained that the Yanks were `Overpaid, over-fed, oversexed and over here'. As the Americans fraternized with the British women, they also retaliated by saying to the Britons, `Britons are underpaid, undersexed and under Eisenhower'.

Our brash warm beer drinking, cigar smoking and gum chewing G.I.s were basically a friendly bunch even as they communicated with the hungry Britons living with rationing, war weariness and a longing for their own troops away in the wars. The Britons eventually felt the Yanks to be less of a threat and invited them into their homes. Their daughters dated them and many married them, 50,000 to be nearly exact!

General James H. Doolittle left the U.K. Base for Okinawa with the 8th Air Force flag in July of 1945 with the intent of bringing the 8th Air Force there for the final thrust on Japan. Various combat crews returned to the States following their prescribed number of missions for their tour of duty. The ground crews remained from the time of their arrival to the United Kingdom until it became possible for them to return home. The dropping of the atom bombs (August 6 and 9) on Japan soon brought the war in the Pacific to a close and the 8th AAF personnel did not have to transfer en mass to the Pacific Theater of Operations.

Units were sent to the States for deactivation, officers and men were temporarily assigned to some units going home as an official means of moving them from the UK to the Zone of the Interior (Army talk for the United States), some stayed for purposes of closing bases or carrying out other assignments, such as housekeeping of base closures. Some units and individual officers and men were sent to the Continent for follow-up chores, such as bomb assessment surveys and photographic details, reproduction and interpretation.

Many 8th AAF officers and men were missing in action and never accounted for as to their whereabouts. The 8th AAF suffered 26,000 deaths out of the 350,000 officers and men. (The U.S. Navy suffered 37,000 deaths out of the 4.1 million in the WW II Navy.) Many bodies were exhumed and returned to the U.S. at the request of families and many families opted to allow their loved ones to remain in U.S. Military and other cemetaries in the United Kingdom and the Continent. A number of prisoners of war from the 8th AF needed medical treatments both in the European Theater and then in the United States. A considerable number needed various kinds of rehabilitation. Many of the veterans of the ETO chose to remain in the service, some chose to remain in Europe, some with the women they had married and others were employed in that Theater.

Whereas probably the bulk of the living from the original 350,000 chose civilian life, many chose the military as a career. Some upon entering civilian life, opted to return to the military service.

The 8th Air Force just did not quit. When the Army Air Force became a separate service from the Army on 18 September 1947, the 8th Air Force continued and currently remains an effective strategic force . It did not quit. It just changed hands. An estimated 650,000 have served in it since WW II!

Today men and women continue the fight for ilberty and peace serving in the 8th Air Force now headquartered at Barksdale Air Force Base, Louisiana.

The Eighth Air Force Historical Society, founded in 1975 by an original 8th Air Force pilot, Lt. Col. John Woolnough, serves as a central organization for its individual State Chapters and Wings.


"Suddenly, it started to rain." Solahütte, July 1944 [800×517]

This is a wonderful picture but haunting at the same time.

Edit: Wonderful in the sense that this is an intriguing photograph and I'm glad to have seen it. I have no sympathies for the Nazi regime. It is haunting to see a human side to people who were capable of inhuman acts of atrocities.

Strange they wee so happy so late in the war

Schnapps is a hell of a drug

You voted down a commenter below, but he was absolutely correct: these were "employees" at Auschwitz, having fun during their "down" time. You can see more pictures here.

I've heard all these excuses of "I had no idea" or "I was forced to" or "I was following orders", etc. There's another possible, more chilling explanation here: maybe, just maybe, these people just enjoyed killing Jews, and had a good time at work.


Assista o vídeo: Heróis do Dia D - Desembarque em Omaha Normandia - Discovery Channel - Documentário em HD