Quanto se sabe sobre o sanduíche do conde de Sandwich?

Quanto se sabe sobre o sanduíche do conde de Sandwich?



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

De acordo com o artigo da Wikipedia sobre sanduíches, a comida foi nomeada em homenagem ao Conde de Sandwich. Quantos detalhes existem sobre seu primeiro sanduíche? Existem detalhes suficientes para recriá-lo com precisão?


Diz-se que o 4º Conde de Sandwich, John Montagu, foi o inventor do Sandwich. Ele também apoiou o Capitão James Cook como Primeiro Lorde da Admiralidade, aprovando fundos para a segunda e a terceira expedições de Cook no Pacífico. Em troca, o capitão Cook deu o nome dele às Ilhas Sandwich (Havaí).

A história diz que o conde estava jogando pôquer e queria comer carne sem sair da mesa de pôquer. Então, ele pediu a seus servos que colocassem a carne entre duas fatias de pão. A ideia da mesa de pôquer pode não ser totalmente precisa. Pode ou não ter sido inventado por pessoas que não eram suas amigas. Outra história diz que ele pode ter trabalhado e não queria sair de sua mesa.

Muitos dos artigos que li simplesmente dizem que ele colocou "carne" entre os pães. No entanto, este artigo diz que foi Salted beef- (Corned beef) que se encaixa com a época. O sal era usado como conservante.

Eu espero que isso ajude.

http://www.npr.org/blogs/waitwait/2010/11/29/131670129/sandwich-monday-the-sandwich-that-may-or-may-not-have-started-it-all


John Montagu, 4º conde de Sandwich

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

John Montagu, 4º conde de Sandwich, na íntegra John Montagu, 4º conde de Sandwich, Visconde Hinchingbrooke, Barão Montagu de Saint Neots, (nascido em 13 de novembro de 1718 - falecido em 30 de abril de 1792, Londres, Inglaterra), primeiro lorde britânico do Almirantado durante a Revolução Americana (1776-81) e o homem que deu nome ao sanduíche.

Tendo sucedido seu avô, Edward Montagu, o terceiro conde, em 1729, ele estudou no Eton and Trinity College, Cambridge, e viajou para o exterior e, em seguida, tomou assento na Câmara dos Lordes em 1739. Ele serviu como postmaster geral (1768-70 ) e secretário de estado do departamento do norte (1763-65, 1770-71). Neste último cargo, ele teve um papel de liderança na acusação (1763) de John Wilkes, o político e agitador britânico, de quem havia sido amigo, ganhando assim o apelido de "Jemmy Twitcher", em homenagem a um personagem traiçoeiro em John Gay’s Ópera do mendigo. Ele também foi o primeiro lorde do Almirantado (1748-51, 1771-82). Durante o último período, seus críticos o acusaram de usar o cargo para obter subornos e distribuir empregos políticos. Embora tenha sido freqüentemente atacado por corrupção, sua capacidade administrativa foi reconhecida. No entanto, durante a Revolução Americana, ele insistiu em manter grande parte da frota britânica em águas europeias por causa da possibilidade de um ataque francês, e foi sujeito a críticas consideráveis ​​por insuficiente preparação naval.

Seu interesse em assuntos navais e sua promoção da exploração levaram o explorador inglês Capitão James Cook a nomear as Ilhas Sandwich (Havaí) em 1778. Sua Viagem ao redor do Mediterrâneo foi publicado em 1799. Em sua vida privada, Sandwich era um jogador devasso e libertino. O sanduíche foi nomeado após ele, no entanto, a história que liga a origem do nome a um incidente específico em 1762 em que Sandwich (de acordo com um relato em um livro de viagens francês) passou 24 horas em uma mesa de jogo sem outra comida é amplamente considerada para ser apócrifo.

The Editors of Encyclopaedia Britannica Este artigo foi revisado e atualizado mais recentemente por Jeff Wallenfeldt, Gerente de Geografia e História.


A fascinante história do banh mi

À primeira vista, o beco da rua Cao Thang na cidade de Ho Chi Minh (Saigon) poderia ser confundido com inúmeros outros nesta cidade de cerca de oito milhões de habitantes. As motocicletas passam por lojas que vendem celulares usados, mochilas esportivas e pacotes de xampu. Um vendedor ambulante atende Bun thit Nuong (macarrão de arroz com carne de porco grelhada), enquanto outro & # x2013 andando em uma motocicleta de três rodas & # x2013 apregoa as alegrias refrescantes de kem dua (sorvete de coco) em um dia quente.

A diferença é que este beco pequeno e movimentado de Saigon é um terreno sagrado para os fãs de sanduíches. Isso era porque o prédio atarracado e cor de pêssego claro com um dossel de lata enferrujado e uma placa desbotada é o local de nascimento do sanduíche que conquistou o mundo: banh mi. E comer um aqui, no marco zero, vem com uma surpresa.

Mas, primeiro, o que é um banh mi?

Nenhum sanduíche realmente pode se comparar. É comida de fusão pura, onde cada mordida de seus ingredientes complexos de baguete em flocos, vegetais em conserva, especiarias, ervas e carnes grelhadas funciona como uma lição na história e filosofia deste país & # x2019.

Durante o período colonial francês de 1887 a 1954, o Vietnã aprendeu muitas coisas novas: café, cristianismo, o alfabeto romano, vilas lindas, enormes prisões em estilo europeu e baguetes crocantes. Inicialmente, esses pães eram recheados com as carnes mais caras, tornando-se exclusivamente um sanduíche de gente rica, conhecido como banh tay, ou "pão ocidental."

Sanduíche banh mi vietnamita e mdash Foto cortesia de Getty Images / rudisill

Então, em 1954, após a derrota francesa em Dien Bien Phu, os fabricantes de sanduíches vietnamitas se voltaram para o yin-yang. É isso que os chefs vietnamitas sempre buscam: equilibrar ingredientes "quentes" e "frios" para garantir que os clientes terminem se sentindo felizes e saudáveis. (Os moradores locais dirão a você, se você sair em uma farra exclusiva de comer, digamos, mangas & # x2013 uma fruta "quente" rara & # x2013 prepare-se para uma tosse desagradável.)

Comer um banh mi local mostra como isso funciona.

Ele começa com a bainha do pão de trigo em flocos (mi significa trigo). Em seguida, mergulha mais fundo no tempero do chili, na riqueza da carne de porco frita ou grelhada, no saboroso sabor do molho Maggi (uma proteína de trigo fermentada que os franceses trouxeram), uma maionese e coentro suavizantes e aquele crocante característico de pepino em conserva, rabanete ou cenoura . O escritor Andrew Lam resumiu afetuosamente cada gosto como "um momento de êxtase". Um homem.

Ele & # x2019s acreditava que o banh mi vinha de Hoa Ma, a lanchonete do Distrito 3 aberta desde 1958 e neste local desde 1960. Seus criadores foram um casal do norte que imigrou para Saigon depois de 1954 e batizou sua loja com o nome de sua vila nos arredores de Hanói. O objetivo era criar comida para viagem com ingredientes frescos e & # x2013 ao contrário da prequela francesa & # x2013 vendida a um preço mais acessível.

Esse bahn mi spot ainda está aberto e é administrado pela mesma família, aliás, a neta, Thanh Truc, monta todos os pratos na frente.

Todas as manhãs, a equipe leva os clientes para uma das 15 mesas externas de alumínio. Um cardápio bilíngue descreve os dois itens: um sanduíche de porcos e carnes variadas com ou sem dois ovos fritos. O que vem a seguir é um pouco surpreendente.

Primeiro vem o pão, entregue sozinho em um prato verde, junto com um servidor de p & # xE2t & # xE9 revestido em maionese e outro com vegetais em conserva. Logo vem um prato quente de proteínas & # x2013 dois ovos com gemas douradas, tofu grelhado cortado em triângulos, porco frito, linguiça fatiada e cebola grelhada.

Muitos comensais locais, com as motos estacionadas ao lado da mesa, cobrem o prato com Maggi ou molho de pimenta e comem com um garfo, alternando com pedaços de pão puxado à mão. Outros enfiam os ingredientes em mini sanduíches que vão construindo à medida que avançam.

Esta não é uma experiência cotidiana no Vietnã, ou em qualquer lugar na verdade. A maioria dos sanduíches aqui é servida para viagem por vendedores ambulantes que montam tudo em uma mistura um tanto secreta. Aqui, ele vem mais como um kit banh mi. Tudo está aberto. E ajuda você a ver a complexidade do banh mi em toda a sua saborosa glória.

É possível que alguns entusiastas de sanduíches que debatem acaloradamente o que é e não é um "sanduíche" nas redes sociais fiquem desconfortáveis ​​com essa metodologia DIY. Honestamente, Hoa Ma está muito ocupado para se preocupar muito com o que se qualifica como um "sanduíche", mas eles com certeza sabem o que é um banh mi.

E o mundo percebeu.

Hoa Ma (53 Cao Thang St, Distrito 3) está aberto das 6h às 11h diariamente. Sanduíches com ovos custam cerca de US $ 2 e sem eles custam cerca de US $ 1,50. Eles também servem água e café.


Sanduíche

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Sanduíche, em sua forma básica, fatias de carne, queijo ou outro alimento colocado entre duas fatias de pão. Embora esse modo de consumo deva ser tão antigo quanto carne e pão, o nome foi adotado apenas no século 18 para John Montagu, 4º conde de Sandwich. De acordo com um relato frequentemente citado de um livro de viagens francês contemporâneo, Sandwich tinha fatiado carne e pão trazido para ele na mesa de jogo em uma ocasião para que ele pudesse continuar a jogar enquanto comia, no entanto, parece mais provável que ele comesse esses sanduíches enquanto ele trabalhava em sua mesa ou que o mundo tomou conhecimento deles quando ele os solicitou na sociedade londrina. Seu título emprestou o prestígio da preparação, e logo estava na moda servir sanduíches no continente europeu, e a palavra foi incorporada ao idioma francês. Desde aquela época, o sanduíche foi incorporado em praticamente todas as cozinhas do Ocidente em virtude de sua simplicidade de preparação, portabilidade e variedade infinita.

Qualquer tipo de pão ou pão e qualquer tipo de alimento que possa ser convenientemente ingerido pode ir para um sanduíche, quente ou frio. Os sanduíches de chá britânico são feitos com pão de corte fino recheado com pasta de peixe, pepino, agrião ou tomate. escandinavo smørrebrød são servidos abertos, com coberturas artisticamente compostas de peixe, carnes fatiadas e saladas. Na França, os rolos vazados são uma base popular. Os Estados Unidos contribuíram com fórmulas elaboradas de sanduíches, duas das mais bem-sucedidas sendo o club sandwich de frango ou peru fatiado, bacon, alface e tomate, e o sanduíche Reuben de corned beef, queijo suíço, chucrute e molho russo servido grelhado no preto pão. Sanduíches quentes, notadamente o onipresente hambúrguer no pão, são um alimento básico da dieta americana, e o sanduíche de manteiga de amendoim e geléia é o esteio do aluno americano.


O conde de Sandwich é um cara de verdade. Aqui & # x27s tudo o que você precisa saber.

O conde de Sandwich parece uma figura mítica do folclore britânico, mas é, na verdade, uma pessoa muito real. John Montagu, que atualmente detém o título, é o 11º conde de Sandwich e atua na Câmara dos Lordes.

Para dar início ao mês épico do sanduíche do HuffPost, entrevistamos Montagu, que responde ao discurso formal de - sem brincadeira - Lord Sandwich.

Montagu contou ao HuffPost sobre suas esperanças e sonhos para sanduíches de peixe, seus verdadeiros sentimentos sobre a maionese e sua crença de que as metades dos sanduíches devem sempre ser cortadas em triângulos. Mas, primeiro, vamos mergulhar fundo na história de seu título invejável.

Montagu é um descendente direto de John Montagu, o 4º conde de Sandwich, que costuma ser considerado o inventor do sanduíche. Embora ele possa não ter inventado, o sanduíche foi batizado em sua homenagem após um momento particularmente preguiçoso de engenhosidade:

De acordo com a lenda, o quarto conde gostava de jogar e, no meio de um período particularmente envolvente na mesa de jogo em 1762, ele não comia nada além de um pedaço de rosbife entre duas fatias de pão torrado porque podia segurá-lo com uma das mãos, permitindo que ele continue jogando sem ter que fazer uma pausa para uma refeição.

Diferentes interpretações desta história mostram o conde especificamente pedindo carne entre duas fatias de pão ou apenas pedindo algo que pudesse comer sem ter que sair da mesa de jogo, o que forçou o cozinheiro da casa a ser criativo. Alguns afirmam que ele era viciado em jogos de azar, enquanto pelo menos um biógrafo afirmou que ele não estava jogando, mas sim trabalhando duro em sua mesa e não queria fazer uma pausa para as refeições.

Seja como for, os historiadores sabem que seu título, Conde de Sandwich, estava associado ao termo alimentar “sanduíche”, que se tornou moda na Inglaterra na época.

Em 1762, o autor e historiador Edward Gibbon escreveu em um diário que observou “Vinte ou trinta, talvez, dos primeiros homens do reino, no ponto de vista da moda e da fortuna, jantando em mesinhas cobertas por um guardanapo, no meio de uma sala de café, com um pedaço de carne fria, ou um sanduíche, e bebendo um copo de ponche ”.

O atual conde de Sandwich admite que as pessoas na Inglaterra e fora dela certamente comiam sanduíches muito antes de serem chamados de sanduíches. Ele também não pensa necessariamente que seu ancestral era viciado em jogos de azar, como sugerem algumas versões da história.

Falando ao HuffPost da propriedade de sua família em Mapperton, Montagu descreveu um retrato do 4º conde de Sandwich, que está pendurado na casa.

“Acho que olhando para o traje dele, era mais difícil para os cavalheiros daquela época agirem como nós, porque era difícil ser informal”, disse ele. “A vida era muito organizada e, mesmo que você apenas se sentasse em uma mesinha em seu clube de Londres, ainda estaria usando roupas diferentes e estaria manuseando um rolo de papel como se ele estivesse neste retrato.”

Nesse sentido, comer um pedaço de carne entre duas fatias de pão era uma questão de facilidade e comodidade em meio à formalidade do dia a dia para o conde.

“Tenho certeza de que sua vida profissional foi muito ativa. Mas, é claro, todo nobre daquele período sabia jogar cartas e provavelmente jogava, e ele não era exceção. E ele gostava da companhia de outras pessoas ”, continuou Montagu. “Então ele possivelmente comeria alguns desses [sanduíches] mais tarde à noite. Mas acho que foi a minoria da época ”.

Ao longo das últimas décadas, o elo culinário histórico de Montagu tornou-se uma fonte de renda familiar. Em 2004, ele fez parceria com seu filho mais novo, Orlando, e o fundador do Planet Hollywood, Robert Earl, para lançar o Earl of Sandwich, uma rede de lanchonetes fast-casual.

A rede tem mais de 30 locais nos EUA e um na Disneyland Paris. Eles servem sanduíches como "The Original 1762", "The Earl's Club" e "The Full Montagu".

Embora Montagu seja rápido em enfatizar que não é um chef, ele tem algumas opiniões sobre a comida homônima de sua família. Continue lendo para saber mais sobre seus pensamentos sobre sanduíches.

Qual é o seu sanduíche favorito?

“Prefiro um sanduíche tradicional, rosbife e uma salada de agrião, mas não um desses sanduíches americanos muito grandes. Não gosto desses ”, disse ele ao HuffPost, acrescentando que também gosta de um clássico croque monsieur francês e geralmente prefere seus sanduíches com“ pão integral ”.

Os sanduíches são sua comida favorita?

“Eles estão na hora do almoço porque muito raramente como formalmente na hora do almoço. Eu sou como muitas outras pessoas que só precisam continuar até a hora do almoço. Neste momento, estou sentado pensando que realmente devo ir fazer um almoço. Mas não estou muito entusiasmado em fazer um sanduíche. Eu sou um pouco preguiçoso. Meu favorito seria na hora do almoço com um mínimo de dificuldade. ”


Nosso Compromisso com a Qualidade

Cerca de 250 anos após a invenção do sanduíche, os restaurantes Earl of Sandwich® abraçaram a ideia e a transformaram em um sanduíche feito sob encomenda e recém-assado como nenhum outro. Nosso cardápio homenageia a arte do sanduíche. De nossos homônimos exclusivos, como The Original 1762® e The Full Montagu, às nossas saladas frescas, acreditamos no uso de ingredientes da mais alta qualidade em tudo o que servimos. Acreditamos que os sanduíches são mais do que um alimento de conveniência, eles devem ser cuidadosamente elaborados e saboreados.


Conteúdo

A ordem geral de precedência entre os condes é:

Número Título Data de criação Braços Titular atual Notas
1. O conde de Shrewsbury (1442) Charles Chetwynd-Talbot, 22º conde de Shrewsbury Também Earl Talbot (GB 1784) e Earl of Waterford (Ire 1446)
2. O conde de Derby (1485) Edward Stanley, 19º conde de Derby
3. O conde de Huntingdon (1529) William Hastings-Bass, 17º conde de Huntingdon
4. O conde de Pembroke (1551) William Herbert, 18º conde de Pembroke Também conde de Montgomery (E 1605) - veja abaixo
5. O conde de devon (1553) Charles Courtenay, 19º conde de Devon
6. O Conde de Lincoln (1572) Robert Fiennes-Clinton, 19º conde de Lincoln
7. O conde de Suffolk (1603) Michael Howard, 21º conde de Suffolk Também conde de Berkshire (E 1626) - veja abaixo
O Conde de Montgomery (1605) William Herbert, 15º Conde de Montgomery Também conde de Pembroke (E 1551) - Veja acima
8. O conde de Denbigh (1622) Alexander Feilding, 12º conde de Denbigh Também conde de Desmond (Ire 1628)
9. O conde de Westmorland (1624) Anthony Fane, 16º Conde de Westmorland
O conde de Berkshire (1626) Michael Howard, 14º Conde de Berkshire Também conde de Suffolk (E 1603) - Veja acima
10. O conde de lindsey (1626) Richard Bertie, 14º conde de Lindsey Também conde de Abingdon (E 1682) - veja abaixo
11. O conde de Winchilsea (1628) Daniel Finch-Hatton, 17º conde de Winchilsea Também conde de Nottingham (E 1681) - veja abaixo
12. O conde de sanduíche (1660) John Montagu, 11º conde de Sandwich
13. O conde de Essex (1661) Paul Capell, 11º conde de Essex
14. O conde de Carlisle (1661) George Howard, 13º conde de Carlisle
15. O conde de Shaftesbury (1672) Nicholas Ashley-Cooper, 12º conde de Shaftesbury
O conde de nottingham (1681) Daniel James Hatfield Finch-Hatton, 12º conde de Nottingham Também conde de Winchilsea (1628) - veja acima
O conde de Abingdon (1682) Richard Henry Rupert Bertie, 9º Conde de Abingdon Também conde de Lindsey (1626) - veja acima
16. O conde de Portland (1689) Timothy Bentinck, 12º conde de Portland
17. O conde de Scarbrough (1690) Richard Lumley, 13º conde de Scarbrough
18. O conde de Albemarle (1697) Rufus Keppel, 10º Conde de Albemarle
19. O conde de Coventry (1697) George Coventry, 13º conde de Coventry
20. O conde de Jersey (1697) William Child-Villiers, 10º conde de Jersey

Como pode ser visto na lista acima, os homens que são (1) Conde de Pembroke e Montgomery, (2) Conde de Suffolk e Berkshire, (3) Conde de Lindsey e Abingdon e (4) Conde de Winchilsea e Nottingham possuem cada um dois condados no nobreza da Inglaterra. Existem, portanto, 24 condados cujo titular não possui um título de nobreza superior.

Nota: A precedência dos condados escoceses mais antigos é determinada pelo Decreto de Classificação de 1606, e não pela antiguidade.

Número Título Data de criação Braços Titular atual Peerage Notas
1. O conde de Crawford (1398) Robert Lindsay, 29º Conde de Crawford [Notas 1] [1] Escócia Também conde de Balcarres (1651)
2. O conde de erroll (1453) Merlin Hay, 24º conde de Erroll Escócia
3. O conde de Sutherland (1230 ou 1275 ou 1347) Alastair Sutherland, 25º conde de Sutherland Escócia
4. A condessa de março (1114 ou 1457) Margarida de Mar, 31ª Condessa de Mar Escócia
5. O conde de Rothes (1458) James Leslie, 22º conde de Rothes Escócia
6. O conde de Morton (1458) Stewart Douglas, 22º Conde de Morton Escócia
7. O conde de buchan (1469) Malcolm Erskine, 17º conde de Buchan Escócia Discurso na Câmara dos Lordes em HL Deb, 17 de junho de 1998, vol 590 cc1599-678
8. O conde de Eglinton (1508) Hugh Montgomerie, 19º conde de Eglinton Escócia Também conde de Winton (Reino Unido 1859)
9. O conde de Caithness (1455) Malcolm Sinclair, 20º conde de Caithness Escócia
10. O conde de Mar e Kellie (1404 ou 1565) James Erskine, 14º conde de março Escócia
11. O conde de Moray (1562) John Stuart, 21º conde de Moray Escócia
12. O conde de casa (1605) David Douglas-Home, 15º Conde de Casa Escócia
13. O conde de Perth (1605) John Eric Drummond, 9º conde de Perth Escócia
14. O conde de Strathmore e Kinghorne (1606) Simon Bowes-Lyon, 19º conde de Strathmore e Kinghorne Escócia Também conde de Strathmore e Kinghorne (Reino Unido, 1937)
15. O conde de Haddington (1619) George Baillie-Hamilton, 14º conde de Haddington Escócia
16. O conde de Galloway (1623) Andrew Stewart, 14º Conde de Galloway Escócia
17. O conde de Lauderdale (1624) Ian Maitland, 18º conde de Lauderdale Escócia
18. O conde de Lindsay (1633) James Lindesay-Bethune, 16º Conde de Lindsay Escócia
19. O conde de Loudoun (1633) Simon Abney-Hastings, 15º conde de Loudoun Escócia
20. O conde de Kinnoull (1633) Charles Hay, 16º conde de Kinnoull Escócia
21. O conde de elgin (1633) Andrew Bruce, 11º conde de Elgin Escócia Também conde de Kincardine (1647)
22. O conde de Wemyss (1633) James Charteris, 13º conde de Wemyss Escócia Também conde de março (1697)
23. O conde de Dalhousie (1633) [2] James Ramsay, 17º conde de Dalhousie Escócia
24. O conde de Airlie (1639) David Ogilvy, 13º conde de Airlie Escócia
25. O conde de Leven (1641) Alexander Ian Leslie-Melville, 15º conde de Leven Escócia Também conde de Melville (1690)
26. O conde de Dysart (1643) John Grant, 13º conde de Dysart Escócia
27. O conde de Selkirk (1646) Atualmente negado por James Douglas-Hamilton, Barão Selkirk de Douglas Escócia
28. O conde de Northesk (1647) Patrick Carnegy, 15º conde de Northesk Escócia
O conde de Kincardine (1647) Andrew Bruce, 15º Conde de Kincardine Escócia Também conde de Elgin (1633)
O conde de Balcarres (1651) Robert Lindsay, 12º Conde de Balcarres Escócia Também conde de Crawford (1398)
29. O conde de Dundee (1660) Alexander Scrymgeour, 12º conde de Dundee Escócia
30. O conde de newburgh (1660)
[3]
Filippo, 11º Príncipe Rospigliosi, 12º Conde de Newburgh Escócia
31. O conde de Annandale e Hartfell (1662) Patrick Hope-Johnstone, 11º conde de Annandale e Hartfell Escócia
32. O conde de Dundonald (1669) Iain Cochrane, 15º Conde de Dundonald Escócia
33. O conde de Kintore (1677) James Keith, 14º Conde de Kintore Escócia
34. O conde de Dunmore (1686) Malcolm Murray, 12º conde de Dunmore Escócia
O conde de melville (1690) Alexander Ian Leslie-Melville, 14º conde de Melville Escócia Também conde de Leven (1641)
35. O conde de Orkney (1696) Peter St John, 9º Conde de Orkney Escócia
O conde de março (1697) James Charteris, 9º conde de março Escócia Também conde de Wemyss (1633)
36. O conde de Seafield (1701) Ian Ogilvie-Grant, 13º conde de Seafield Escócia Hansard 1803–2005: contribuições no Parlamento pelo Conde de Seafield
37. O conde da escada (1703) John Dalrymple, 14º Conde de Escada Escócia
38. O conde de Rosebery (1703) Neil Primrose, 7º Conde de Rosebery Escócia Também conde de Midlothian (Reino Unido, 1911)
39. O conde de Glasgow (1703) Patrick Boyle, 10º conde de Glasgow Escócia

Como pode ser visto na lista acima, os homens que são (1) Conde de Crawford e Balcarres, (2) Conde de Elgin e Kincardine, (3) Conde de Wemyss e Conde de Março e (4) Conde de Leven e Melville cada um possui dois condados no nobreza da Escócia. Existem, portanto, 43 condados cujo titular não possui um título de nobreza superior.

  1. The Earl Ferrers (1711)
  2. O conde de Dartmouth (1711)
  3. O conde de Tankerville (1714)
    • Peter Bennet, 10º Conde de Tankerville
  4. O conde de Aylesford (1714)
    • Charles Finch-Knightley, 12º conde de Aylesford
  5. O conde de Macclesfield (1721)
    • Richard Parker, 9º conde de Macclesfield
  6. O conde Waldegrave (1729)
  7. O conde de Harrington (1742)
  8. O conde de Portsmouth (1743)
  9. O conde de Warwick (1759) e Brooke (1746)
  10. O conde de Buckinghamshire (1746)
    • George Hobart-Hampden, 10º Conde de Buckinghamshire
  11. O conde de Guilford (1752)
  12. O conde de Hardwicke (1754)
  13. O conde de Ilchester (1756)
    • Robin Fox-Strangways, 10º Conde de Ilchester
  14. O conde De La Warr (1761)
  15. O conde de Radnor (1765)
  16. O conde Spencer (1765)
  17. The Earl Bathurst (1772)
  18. O conde de Clarendon (1776)
  19. O conde de Mansfield (1776) e Mansfield (1792)
    • Alexander Murray, 9º conde de Mansfield e Mansfield
  20. O Conde Talbot (1784) (Conde de Shrewsbury no Pariato da Inglaterra e Conde de Waterford no Pariato da Irlanda)
    • Charles Chetwynd-Talbot, 7º conde Talbot
  21. O conde do Monte Edgcumbe (1789)
  22. O conde Fortescue (1789)
    • Charles Fortescue, 8º Earl Fortescue
  23. O conde de Carnarvon (1793)
  24. The Earl Cadogan (1800)
  25. O conde de Malmesbury (1800)
    • James Harris, 7º conde de Malmesbury
Número Título Data de criação Braços Titular atual Peerage Notas
O conde de Waterford 1446 Charles Chetwynd-Talbot, 22º conde de Waterford Irlanda Também conde de Shrewsbury no Pariato da Inglaterra e Conde Talbot no Pariato da Grã-Bretanha
1. O conde de Cork 1620 John Boyle, 15º Conde de Cork Irlanda Também conde de Orrery (1660)
2. O conde de Westmeath 1621 William Anthony Nugent, 13º conde de Westmeath Irlanda
3. O conde de Meath 1627 John Brabazon, 15º Conde de Meath Irlanda
O conde de desmond 1628 Alexander Feilding, 11º conde de Desmond Irlanda Também conde de Denbigh no Pariato da Inglaterra
4. O conde de Cavan 1647 Roger Lambart, 13º Conde de Cavan Irlanda
O conde de Orrery 1660 John Boyle, 15º Conde de Orrery Irlanda Também conde de Cork
5. O conde de Drogheda 1661 Derry Moore, 12º conde de Drogheda Irlanda
6. O Conde de Granard 1684 Peter Forbes, 10º Conde de Granard Irlanda
7. O conde de Darnley 1725 Ivo Bligh, 12º conde de Darnley Irlanda
8. O conde de Bessborough 1739 Myles Ponsonby, 12º conde de Bessborough Irlanda Também conde de Bessborough (Reino Unido, 1937)
9. O conde de Carrick 1748 (Arion) Thomas Piers Hamilton Butler, 11º conde de Carrick Irlanda
10. O conde de Shannon 1756 Richard Boyle, 10º Conde de Shannon Irlanda
11. O conde de Arran 1762 Arthur Gore, 9º Conde de Arran Irlanda
12. O conde de Courtown 1762 Patrick Stopford, 9º conde de Courtown Irlanda
13. O conde de Mexborough 1766 John Savile, 8º conde de Mexborough Irlanda
14. The Earl Winterton 1766 David Turnour, 8º Earl Winterton Irlanda
15. O conde de Kingston 1768 Robert King-Tenison, 12º conde de Kingston Irlanda
16. O conde de roden 1771 Robert Jocelyn, 10º Conde de Roden Irlanda
17. O conde de Lisburne 1776 David Vaughan, 9º Conde de Lisburne Irlanda
18. O conde de Clanwilliam 1776 Patrick Meade, 8º conde de Clanwilliam Irlanda
19. O conde de antrim 1785 Alexander McDonnell, 9º conde de Antrim Irlanda
20. O conde de Longford 1785 Thomas Pakenham, 8º conde de Longford Irlanda
21. O conde de Portarlington 1785 George Dawson-Damer, 7º Conde de Portarlington Irlanda
22. O conde de mayo 1785 Charles Bourke, 11º Conde de Mayo Irlanda
23. The Earl Annesley 1789 Michael Annesley, 12º Earl Annesley Irlanda
24. O conde de Enniskillen 1789 Andrew Cole, 7º conde de Enniskillen Irlanda
25. O conde erne 1789 John Crichton, 7º Earl Erne Irlanda
26. O conde de lucan 1795 George Bingham, 8º conde de Lucan Irlanda
27. O conde belmore 1797 John Lowry-Corry, 8º conde Belmore Irlanda
28. The Earl Castle Stewart 1800 Arthur Stuart, 8º Earl Castle Stewart Irlanda
29. O conde de Donoughmore 1800 Richard Hely-Hutchinson, 8º conde de Donoughmore Irlanda
30. O conde de Caledon 1800 Nicholas Alexander, 7º Conde de Caledon Irlanda
31. O conde de Limerick 1803 Edmund Pery, 7º conde de Limerick Irlanda
32. O conde de clancarty 1803 Nicholas Le Poer Trench, 9º Conde de Clancarty Irlanda
33. O conde de Gosford 1806 Charles Acheson, 7º conde de Gosford Irlanda
34. O conde de Rosse 1806 Brendan Parsons, 7º conde de Rosse Irlanda
35. O conde de Normanton 1806 James Agar, 7º conde de Normanton Irlanda
36. O conde de Kilmorey 1822 Sir Richard Needham (6º conde de Kilmorey) Irlanda
37. O conde de Listowel 1822 Francis Hare, 6º Conde de Listowel Irlanda
38. O conde de Norbury 1827 Richard Graham-Toler, 7º Conde de Norbury Irlanda
39. O conde de Ranfurly 1831 Edward Knox, 8º conde de Ranfurly Irlanda

Como pode ser visto na lista acima, o homem que é Conde de Waterford também possui um condado no Pariato da Inglaterra e um condado no Pariato da Grã-Bretanha, o homem que é Conde de Desmond também possui um condado no Pariato de Inglaterra, e o homem que é conde de Cork também é conde de Orrery. Há, portanto, 39 condados no Pariato da Irlanda, cujos detentores derivam sua precedência.

  1. O conde de Rosslyn (1801)
  2. O conde de Craven (1801)
    • Benjamin Craven, 9º Conde de Craven
  3. O conde de Onslow (1801)
  4. O conde de Romney (1801)
  5. O conde de Chichester (1801)
  6. O conde de Wilton (1801)
  7. O conde de Limerick (Irlanda)O conde de Clancarty (Irlanda)
  8. O conde de Powis (1804)
  9. The Earl Nelson (1805)
  10. O conde de Gosford (Irlanda)O conde de Rosse (Irlanda)O conde de Normanton (Irlanda)
  11. The Earl Grey (1806)
  12. O conde de Lonsdale (1807)
  13. O conde de Harrowby (1809)
  14. O conde de Harewood (1812)
  15. O conde de Minto (1813)
  16. O conde Cathcart (1814)
  17. O conde de Verulam (1815)
  18. O Conde de São Alemães (1815)
    • Albert Eliot, 11º conde de St. Germans
  19. O conde de Morley (1815)
    • Mark Parker, 7º conde de Morley
  20. O conde de Bradford (1815)
  21. O conde de Eldon (1821)
    • John Scott, 6º Conde de Eldon
  22. O conde Howe (1821)
  23. O conde de Stradbroke (1821)
  24. O Templo do Conde de Stowe (1822)
    • Grenville Temple-Gore-Langton, 8º Templo do Conde de Stowe
    O conde de Kilmorey (Irlanda)O conde de Listowel (Irlanda)O conde de Norbury (Irlanda)
  25. O conde Cawdor (1827)
  26. O conde de Ranfurly (Irlanda)
  27. O conde de Lichfield (1831)
  28. O conde de Durham (1833)
  29. The Earl Granville (1833)
    • Fergus Leveson-Gower, 6º Earl Granville
  30. O conde de Effingham (1837)
    • David Howard, 7º conde de Effingham
  31. O conde de Ducie (1837)
  32. O conde de Yarborough (1837)
  33. O conde de Leicester (1837)
  34. O conde de Gainsborough (1841)
    • Anthony Noel, 6º Conde de Gainsborough
  35. O conde de Strafford (1847)
    • William Byng, 9º conde de Strafford
  36. O conde de Cottenham (1850)
    • Mark Pepys, 9º conde de Cottenham
  37. The Earl Cowley (1857)
  38. O conde de Dudley (1860)
  39. O conde Russell (1861)
  40. O conde de Cromartie (1861)
  41. O conde de Kimberley (1866)
  42. O conde de Wharncliffe (1876)
    • Richard Montagu-Stuart-Wortley, 5º Conde de Wharncliffe
  43. The Earl Cairns (1878)
  44. O conde de Lytton (1880)
  45. O conde de Selborne (1882)
    • William Palmer, 5º conde de Selborne
  46. O conde de Iddesleigh (1885)
    • John Northcote, 5º Conde de Iddesleigh
  47. O conde de Cranbrook (1892)
  48. O conde de Cromer (1901)
    • Evelyn Baring, 4º conde de Cromer
  49. O conde de Plymouth (1905)
    • Ivor Edward Other Windsor-Clive, 4º conde de Plymouth
  50. O conde de Liverpool (1905)
  51. The Earl Saint Aldwyn (1915)
    • Praia de Michael Hicks, 3º conde de Saint Aldwyn
  52. The Earl Beatty (1919)
  53. O conde Haig (1919)
    • Alexander Haig, 3º conde Haig
  54. O conde de Iveagh (1919)
  55. O conde de Balfour (1922)
    • Roderick Balfour, 5º Conde de Balfour
  56. O conde de Oxford e Asquith (1925)
  57. O conde Jellicoe (1925)
    • Patrick Jellicoe, 3º conde Jellicoe
  58. O conde de Inchcape (1929)
  59. The Earl Peel (1929) [4]
  60. O conde Baldwin de Bewdley (1937)
  61. O conde de Halifax (1944)
  62. O conde de Gowrie (1945)
  63. O conde Lloyd George de Dwyfor (1945)
    • David Lloyd George, 4º Conde Lloyd George de Dwyfor
  64. O conde Mountbatten da Birmânia (1947)
  65. O conde Alexandre de Túnis (1952)
  66. O conde de Swinton (1955)
    • Mark Cunliffe-Lister, 4º Conde de Swinton
  67. The Earl Attlee (1955)
  68. O conde de Woolton (1956)
  69. O conde de Snowdon (1961) [5]
  70. The Earl of Stockton (1984)
  71. The Earl of Wessex (1999) e Forfar (2019) [6]

Herdeiros aparentes Editar

Peerage of England Editar

1. James Chetwynd-Talbot, Visconde Ingestre, filho mais velho do Conde de Shrewsbury e Waterford

2. Edward Stanley, Lord Stanley, filho mais velho do Conde de Derby

3. Reginald Herbert, Lord Herbert, filho mais velho do Conde de Pembroke e Montgomery

4. Jack Courtenay, Lord Courtenay, filho mais velho do Conde de Devon

5. Alexander Howard, Visconde Andover, filho mais velho do Conde de Suffolk e Berkshire

6. Peregrine Feilding, Visconde Feilding, filho mais velho do conde de Denbigh e Desmond

7. Henry Bertie, Lord Norreys, filho mais velho do Conde de Lindsey e Abingdon

8. Tobias Finch-Hatton, Visconde Maidstone, filho mais velho do Conde de Winchilsea e Nottingham

9. Luke Montagu, Visconde Hinchingbrooke, filho mais velho do Conde de Sandwich

10. Anthony Ashley-Cooper, Lord Ashley, filho mais velho do Conde de Shaftesbury

11. William Bentinck, Visconde Woodstock, filho mais velho do Conde de Portland

12. Augustus Keppel, Visconde Bury, filho mais velho do Conde de Albemarle

13. George Child-Villiers, Visconde Villiers, filho mais velho do Conde de Jersey

Peerage of Scotland Editar

14. Anthony Lindsay, Lord Balniel, filho mais velho do Conde de Crawford e Balcarres

15. Harry Hay, Lord Hay, filho mais velho do Conde de Erroll

16. Alexander Charles Robert Sutherland, Lord Strathnaver, filho mais velho do Conde de Sutherland

17. John Douglas, Lord Aberdour, filho mais velho do Conde de Morton

18. Harry Erskine, Lord Cardross, filho mais velho do Conde de Buchan

19. Rhuridh Montgomerie, Lord Montgomerie, filho mais velho do Conde de Eglinton e Winton

20. Alexander Sinclair, Lord Berriedale, filho mais velho do Conde de Caithness

21. Jack Stuart, Lord Doune, filho mais velho do Conde de Moray

22. Michael Douglas-Home, Lord Dunglass, filho mais velho do Conde de Home

23. James Drummond, Visconde de Strathallan, filho mais velho do Conde de Perth

24. Alexander Patrick Stewart, Lord Darlies, filho mais velho do Conde de Galloway

25. John Maitland, Visconde Maitland, filho mais velho do Conde de Lauderdale

26. William Lindesay-Bethume, Visconde Garnock, filho mais velho do Conde de Lindsay

27. William Hay, Visconde Dupplin, filho mais velho do Conde de Kinnoull

28. Charles Bruce, Lord Bruce, filho mais velho do Conde de Elgin e Kincardine

29. Richard Charteris, Lord Elcho, filho mais velho do Conde de Wemyss e March

30. Simon Ramsay, Lord Ramsay, filho mais velho do Conde de Dalhousie

31. Davis Ogilvy, Lord Ogilvy, filho mais velho do Conde de Airlie

32. James Grant de Rothiemurchus, Lord Huntingtower, filho mais velho do Conde de Dysart

33. John Douglas-Hamilton, Lord Daer, filho mais velho do Conde de Selkirk

34. Henry Scrymgeour-Wedderburn, Lord Scrymgeour, filho mais velho do Conde de Dundee

35. David Hope-Johnstone, Lord Johnstone, eldest son of the Earl of Annandale and Hartfell

36. Archibald Cochrane, Lord Cochrane, eldest son of the Earl of Dundonald

37. Tristan Keith, Lord Inverurie, eldest son of the Earl of Kintore

38. Oliver St John, Viscount Kirkwall, eldest son of the Earl of Orkney

39. James Studley, Viscount Reidhaven, eldest son of the Earl of Seafield

40. John Dalrymple, Viscount Dalrymple, eldest son of the Earl of Stair

41. Harry Primrose, Lord Dalmeny, eldest son of the Earl of Rosebery and Midlothian

42. David Boyle, Viscount of Kelburn, eldest son of the Earl of Glasgow

Peerage of Great Britain Edit

44. William Shirley, Viscount Tamworth, eldest son of the Earl Ferrers

45. James Finch-Knightley, Lord Guernsey, eldest son of the Earl of Aylesford

46. Edward Waldegrave, Viscount Chewton, eldest son of the Earl Waldegrave

47. William Stanhope, Viscount Petersham, eldest son of the Earl of Harrington

48. Oliver Wallop, Viscount Lymington, eldest son of the Earl of Portsmouth

49. Charles Greville, Lord Brooke, eldest son of the Earl of Warwick

50. Frederick North, Lord North, eldest son of the Earl of Guilford

51. Philip Yorke, Viscount Royston, eldest son of the Earl of Hardwick

52. Simon Fox-Strangways, Lord Stavordale, eldest son of the Earl of Ilchester

54. Jacob Pleydell-Bouverie, Viscount Folkstone, eldest son of the Earl of Radnor

56. Benjamin Bathurst, Lord Apsley, eldest son of the Earl Bathurst

57. Edward Villiers, Lord Hyde, eldest son of the Earl of Clarendon

58. William Murray, Viscount Stormont, eldest son of the Earl of Mansfield and Mansfield

59. William Herbert, Lord Porchester, eldest son of the Earl of Carnarvon

60. George Cadogan, Viscount Chelsea, eldest son of the Earl Cadogan

61. James Harris, Viscount FitzHarris, eldest son of the Earl of Malmesbury

Peerage of Ireland Edit

62. Jonathan Boyle, Viscount Dungarvan, eldest son of the Earl of Cork and Orrery

63. Sean Nugent, Lord Delvin, eldest son of the Earl of Westmeath

64. Anthony Brabazon, Lord Ardee, eldest son of the Earl of Meath

65. Benjamin Moore, Viscount Moore, eldest son of the Earl of Drogheda

66. Jonathan Forbes, Viscount Forbes, eldest son of the Earl of Granard

67. Ivo Bligh, Lord Clifton, eldest son of the Earl of Darnley

68. Frederick Ponsonby, Viscount Duncannon, eldest son of the Earl of Bessborough

69. James Stopford, Viscount Stopford, eldest son of the Earl of Courtown

70. John Savile, Viscount Pollington, eldest son of the Earl of Mexborough

71. Charles King-Tenison, Viscount Kingsborough, eldest son of the Earl of Kingston

72. Shane Jocelyn, Viscount Jocelyn, eldest son of the Earl of Roden

73. John Meade, Lord Gillford, eldest son of the Earl of Clanwilliam

74. Randal McDonnell, Viscount Dunluce, eldest son of the Earl of Antrim

75. Edward Pakenham, Lord Silchester, eldest son of the Earl of Longford

76. Charles Dawson-Damer, Viscount Carlow, eldest son of the Earl of Portarlington

77. Richard Bourke, Lord Naas, eldest son of the Earl of Mayo

78. Michael Annesley, Viscount Glerawly, eldest son of the Earl Annesley

79. John Lowry-Corry, Viscount Corry, eldest son of the Earl Belmore

80. Andrew Stuart, Viscount Stuart, eldest son of the Earl Castle Stewart

81. John Hely-Hutchinson, Viscount Suirdale, eldest son of the Earl of Donoughmore

82. Frederick Alexander, Viscount Alexander, eldest son of the Earl of Caledon

Peerage of the United Kingdom (also includes heirs apparent for Irish peerages created after 1800) Edit

83. Jamie St Clair-Erskine, Lord Loughborough, eldest son of the Earl of Rosslyn

84. David Marsham, Viscount Marsham, eldest son of the Earl of Romney

85. Julian Grosvenor, Viscount Grey de Wilton, eldest son of the Earl of Wilton

86. Felix Pery, Viscount Glentworth, eldest son of the Earl of Limerick

87. Jonathan Herbert, Viscount Clive, eldest son of the Earl of Powis

88. Thomas Nelson, Viscount Merton, eldest son of the Earl Nelson

89. Lawrence Parsons, Lord Oxmantown, eldest son of the Earl of Rosse (Peerage of Ireland)

90. Arthur Agar, Viscount Somerton, eldest son of the Earl of Normanton (Peerage of Ireland)

91. Alexander Grey, Viscount Howick, eldest son of the Earl Grey

92. Dudley Ryder, Viscount Sandon, eldest son of the Earl of Harrowby

93. Alexander Lascelles, Viscount Lascelles, eldest son of the Earl of Harewood

94. Gilbert Elliot-Murray-Kynynmound, Viscount Melgund, eldest son of the Earl of Minto

95. Alan Cathcart, Lord Greenock, eldest son of the Earl of Cathcart

96. James Grimston, Viscount Grimston, eldest son of the Earl of Verulam

97. Alexander Bridgeman, Viscount Newport, eldest son of the Earl of Bradford

98. John Scott, Viscount Encombe, eldest son of the Earl of Eldon

99. Thomas Curzon, Viscount Curzon, eldest son of the Earl Howe

100. Robert Rous, Viscount Dunwich, eldest son of the Earl of Stradbroke

101. Robert Needham, Viscount Newry and Mourne, eldest son of the Earl of Kilmorey (Peerage of Ireland)

102. James Campbell, Viscount Emlyn, eldest son of the Earl Cawdor

103. Adam Knox, Viscount Northland, eldest son of the Earl of Ranfurly (Peerage of Ireland)

104. Thomas Anson, Viscount Anson, eldest son of the Earl of Lichfield

105. Frederick Lambton, Viscount Lambton, eldest son of the Earl of Durham

106. Granville Leveson-Gower, Lord Leveson, eldest son of the Earl Granville

107. Edward Howard, Lord Howard of Effingham, eldest son of the Earl of Effingham

108. James Moreton, Lord Moreton, eldest son of the Earl of Ducie

109. George Pelham, Lord Worsley, eldest son of the Earl of Yarborough

110. Edward Coke, Viscount Coke, eldest son of the Earl of Leicester

111. Henry Noel, Viscount Campden, eldest son of the Earl of Gainsborough

112. Samuel Byng, Viscount Enfield, eldest son of the Earl of Strafford

113. Henry Wellesley, Viscount Dangan, eldest son of the Earl Cowley

114. Colin Mackenzie, Viscount Tarbat, eldest son of the Earl of Cromartie

115. David Wodehouse, Lord Wodehouse, eldest son of the Earl of Kimberley

116. Reed Montagu-Stuart-Wortley, Viscount Carlton, eldest son of the Earl of Wharncliffe

117. Hugh Cairns, Viscount Garmoyle, eldest son of the Earl Cairns

118. Philip Lytton, Viscount Knebworth, eldest son of the Earl of Lytton

119. Alexander Palmer, Viscount Wolmer, eldest son of the Earl of Selborne

120. Thomas Northcote, Viscount St Cyres, eldest son of the Earl of Iddesleigh

121. John Gathorne-Hardy, Lord Medway, eldest son of the Earl of Cranbrook

122. Alexander Baring, Viscount Errington, eldest son of the Earl of Cromer

123. Robert Other Ivor Windsor-Clive, Viscount Windsor, eldest son of the Earl of Plymouth

124. Luke Foljambe, Viscount Hawkesbury, eldest son of the Earl of Liverpool

125. Sean Beatty, Viscount Borodale, eldest son of the Earl Beatty

126. Arthur Guinness, Viscount Elveden, eldest son of the Earl of Iveagh

127. Mark Asquith, Viscount Asquith, eldest son of the Earl of Oxford and Asquith

128. Fergus Mackay, Viscount Glenapp, eldest son of the Earl of Inchcape

129. Ashton Peel, Viscount Clanfield, eldest son of the Earl Peel

130. Benedict Bewdley, Viscount Corvedale, eldest son of the Earl Baldwin of Bewdley

131. James Wood, Lord Irwin, eldest son of the Earl of Halifax

132. Brer Ruthven, Viscount Ruthven of Canberra, eldest son of the Earl of Gowrie

133. William Lloyd George, Viscount Gwynedd, eldest son of the Earl Lloyd-George of Dwyfor

134. Nicholas Knatchbull, Lord Brabourne, eldest son of the Earl Mountbatten of Burma

135. William Cunliffe-Lister, Lord Masham, eldest son of the Earl of Swinton

136. Charles Armstrong-Jones, Viscount Linley, eldest son of the Earl of Snowdon

137. Daniel Macmillan, Viscount Macmillan of Ovenden, eldest son of the Earl of Stockton

138. James Mountbatten-Windsor, Viscount Severn, eldest son of the Earl of Wessex


6 Fun Facts about the Sandwich

November 3 rd is National Sandwich Day and we can’t think of anything else we would rather celebrate. When it comes to lunch, you simply can’t beat a sandwich. What other menu option do we have that is easy enough to make that most kids can make their own, portable enough to take just about anywhere, and flexible enough to enable everyone to have exactly what they want? It is easy to see why the sandwich is so synonymous with lunch! Get in the spirit for National Sandwich Day with these fun facts and ready-to-make recipes featuring the sandwich.

1. Ever wonder where the sandwich got its name?

It is named after the man credited with creating the first sandwich, John Montagu, the fourth Earl of Sandwich. Legend has it that he was unwilling to free up both hands during a 24 hour gambling event in order to eat. Instead, he asked his servant to put the meat from his meal between two slices of bread so he could hold it in one hand and continue gambling. Ease, convenience, and portability right from the start!

2. Do you know what the most popular sandwich in America is?

If you guessed peanut butter and jelly, you would be close since on average, we each will have eaten about 1,500 PB&Js by the time we graduate from high school. The most popular sandwich is the plain, ordinary ham sandwich followed by second place finisher the BLT.

3. How many sandwiches do Americans eat every day?

It might seem strange, but Americans eat more than 300 million sandwiches each and every day. This is an amazing statistic since there are slightly more than 300 million Americans and not everyone eats a sandwich everyday!

4. What sandwich helped keep Americans fed during the Great Depression?

With the price of peanut butter today, you may not believe it, but the PB&J offered a lot of nutrition for a low cost. This was due in part to two crucial advances in food delivery, the development of the process for making peanut butter and the adoption of the process for pre-slicing and packaging bread. These two advances made the necessary ingredients readily available at a reasonable cost just in time to help feed the families struggling through the depression.

5. Why do we call sandwiches served on oblong rolls subs?

You might think it is because the rolls themselves are shaped kind of like submarines but that is not where the name comes from. Legend has it that during World War II, a deli in New London, Connecticut got an order for 500 hero sandwiches from a local Navy submarine base. As a result, the employees of the deli started referring to the hero as a “sub”. The name stuck and in most parts of the country you are more likely to see subs on the menu than heros.

6. What world records are related to sandwiches?

There are several world records tracked by Guinness related to the sandwich. The most expensive sandwich ever sold was a grilled toast sandwich that seemed to have an image of the Virgin Mary on the toasted bread which sold for $28,000 in 2004. The longest sandwich, created in Italy in 2004 was 2081 ft. The largest sandwich ever made weighed 5,440 lbs. The year, the record for the most sandwiches being made simultaneously was set in New York City by Subway restaurants who had 254 people making sandwiches at the same time.

Making up your family’s favorite sandwiches is a great way to celebrate National Sandwich Day. Don’t have a favorite sandwich? Try one of ours!


The History Of American White Bread Is Anything But Bland

From a scapegoat for the "sapping" of the "white race," to a symbol of modern engineering, to a target of the counterculture movement: White bread's been a social lightning rod time and again. iStockphoto ocultar legenda

From a scapegoat for the "sapping" of the "white race," to a symbol of modern engineering, to a target of the counterculture movement: White bread's been a social lightning rod time and again.

Editor's note: Today is National Sandwich Day. To mark the occasion, we bring you this story from our archives. It was originally published in 2012.

White bread, like vanilla, is one of those foods that have become a metaphor for blandness. But it wasn't always that way.

Aaron Bobrow-Strain, an associate professor of food politics at Whitman College, tells Weekend Edition's Rachel Martin that white bread was a deeply contentious food — from the early 1900s ideas of "racial purity" up to the countercultural revolution of the 1960s. He documents that cultural legacy in his book, White Bread: A Social History of the Store-Bought Loaf.

White bread first became a social lightning rod with the Pure Foods movement of the late 1800s. Bobrow-Strain says well-meaning reformers were concerned about a host of legitimate food safety issues, and their activism led directly to many of today's food safety laws.

A Social History Of The Store-Bought Loaf

Compre livro em destaque

Sua compra ajuda a oferecer suporte à programação NPR. Como?

But food purity ideals bled into the social realm in the form of what Bobrow-Strain calls "healthism" — the idea that "perfect bodily health was an outward manifestation of inward genetic fitness."

One proponent of healthism was Bernarr Macfadden, whom Bobrow-Strain calls "the original strong man food guru in a leopard-skin tunic." Macfadden believed that "white bread was sapping the vitality of the white race, threatening white racial superiority," Bobrow-Strain says.

In the 1920s, white bread became a symbol of industrialization and modernity, as companies like Tip Top and Wonder Bread brought factory automation to bread-making. The invention of sliced bread, allegedly in Chillicothe, Mo., in 1928, was "really the culmination of a long process in which bread was engineered and designed to look like a streamlined wonder, like an edible piece of modern art," Bobrow-Strain says.

At the same time, the '20s and '30s saw a backlash against white bread, and a revival of Macfadden's idea that whole wheat bread was imbued with moral as well as dietary fiber. And another wave of criticism came in the 1960s.

The counterculture movement "took up white bread as an emblem of everything that was wrong with America. It was plastic, corporate, stale," Bobrow-Strain says. Eating handmade, whole wheat bread became "an edible act of rebellion, a way of challenging The Man."

These days, of course, artisanal breads are a common sight at supermarkets. "We see bread going from a kind of manifestation of grass-roots food activism to being a high-end, niche product," Bobrow-Strain says.

The Salt

Earl Of Sandwich Blended Frappes Long Before Starbucks

Food reformers could learn a thing or two from these decades-long bread battles. Bobrow-Strain says focusing on individual food choices creates divisive in-groups and out-groups, defined by who makes the supposedly "right" food choices. And activists often overlook the root causes of problems in the food system.

Like, for instance, the economy. It's hard to pay twice as much for artisanal bread when you're strapped for cash.

And some foods are just better with white bread, he says, whether it's a simple grilled cheese or something fancier.

"I made a sandwich that had garlicky braised kale with Manchego cheese, a fried egg, and I did it on grilled Wonder Bread," Bobrow-Strain says. "It was fabulous."


Durham University’s Castle Theatre Company presents one of Shakespeare’s most charming comedies: All’s Well at Ends Well. A fairy-tale story of true love finding a way, featuring colourful characters and a hilarious sub-plot, this is the tale of a heroine who tries to secure her own happy ending.

Low-born Helena is madly in love with the noble Count Bertram, but he won’t take a second look at her. When she saves the King of France’s life, he oers Helena anything she desires in return – she asks for Bertram’s hand in marriage. Horrified, Bertram flees to fight in the war, and refuses to love Helena until she can take the ring from his finger. Meanwhile, Bertram’s boastful friend Parolles is tricked by his fellow soldiers, who have had enough of his behaviour. Can Helena fulfil Bertram’s demands and persuade him to love her after all?

For over three decades, Castle Theatre Company has taken its annual summer Shakespeare tour around the south of England and the USA, performing classic comedies on the lawns of stately homes, gardens and abbeys. Renowned for its high standard of performance, Castle Theatre Company promises fantastic entertainment for audiences of all ages. Bring a picnic and enjoy an afternoon of riotous Shakespearean fun!


Who Invented the Peanut Butter and Jelly Sandwich?

The Earl of Sandwich is credited with inventing the sandwich because he wanted to eat his meal with one hand during a 24-hour gambling event and instructed his servant to put his meat between two slices of bread. But what many may not know, is how an American classic sandwich&mdashthe iconic peanut butter and jelly sandwich&mdashcame to be. If the Earl of Sandwich invented the sandwich, who invented the PB&J?

The story begins with the three essentials parts of the PB&J&mdashpeanut butter, jelly and bread. First, let&rsquos start with the bread, which is, of course, an ancient food that has been around for tens of thousands of years.

The significance of the bread component in the PB&J sandwich is the invention of pre-sliced bread in the early 1900s. Otto Frederick Rohwedder invented a bread slicer but bakers were not interested because they thought no one would want their bread pre-sliced. Rohwedder kept refining his invention and changing things until it was ready to use in bakeries. He advertised the machine as &ldquothe greatest step forward in baking since bread was wrapped.&rdquo Later, the slogan evolved into &ldquothe greatest thing since sliced bread.&rdquo

Sliced bread proliferated. Soon people were looking for spreads to use with this newfound wonder food.

Next, let&rsquos look at jelly which is another food that has been around for a long time. In the case of the quintessential American PB&J sandwich, the most important person in this part of the story is a man named Paul Welch. In 1917, Welch secured a patent for pureeing grapes and turning them into jelly. He developed and advertised Grapelade (rhymes with marmalade) from Concord grapes&mdashthis was popular with America&rsquos troops in WWI. When soldiers came home after the war, it was popular to spread Grapelade on bread.

Finally, there&rsquos the peanut butter. Contrary to popular belief, peanut butter was not invented by Dr. George Washington Carver. But he is crediting with advancing the peanut crop in the South in the early 1900s and published his &ldquo300 Uses for Peanuts,&rdquo which included a peanut paste.

The forerunner of the peanut butter we know today was first brought to light sometime during the 1880s when a St. Louis physician, Dr. Ambrose Straub, made a peanut paste for geriatric patients who had trouble swallowing, or had bad teeth. Around the same time, Dr. John Harvey Kellogg (same as the cereal) was the first to patent a process for manufacturing peanut butter. Peanut butter was first introduced at the 1893 Chicago World Fair. In 1904 Dr. Straub got a food company to develop the peanut spread and they took it to the St. Louis World Fair where it became so popular, grocery stores began ordering it.

Around the same time, peanut butter appeared in upscale tea rooms in New York City and was considered a delicacy. On the menu of Vanity Fair Tea Room was peanut butter with watercress. Other tea rooms featured peanut butter and pimento sandwich and peanut butter on toast triangles with soda crackers.

In 1901, the first peanut butter and jelly sandwich recipe appeared in the Boston Cooking School Magazine of Culinary Science and Domestic Economics written by Julia Davis Chandler. She said to use currant or crab-apple jelly and called the combination delicious and as far as she knew, original.

Still, the peanut butter and jelly sandwich was an exclusive food, and its popularity among the masses was yet to come. As Grapelade and pre-sliced bread became popular, another breakthrough happened with peanut butter&mdashcommercial brands found a way to create creamier peanut butter that didn&rsquot stick to the roof of the mouth so easily. And during the Great Depression of the 1930s, families discovered peanut butter provided a satisfying, high protein, less expensive meal.

But the major event that took the peanut butter and jelly sandwich over the top in popularity was WWII.

Peanut butter and jelly were on the U.S. Military ration menus in World War II. Peanut butter was a high-protein, shelf-stable ingredient and easily portable on long marches. Grapelade had already accompanied soldiers in the first world war and added a sweetness to the sandwich. With pre-sliced bread so easy to use, the natural inclination was to combine these three items, and before long the good ol&rsquo PB&J was a part of the American soldier&rsquos life.

When soldiers came home from the war, peanut butter and jelly sales soared. Kids loved it because it tastes great, parents loved how easy it was to make and how kids could make it themselves with pre-sliced bread. Many families and college students on a budget relied on PB&J.

So, the story of the peanut butter and jelly sandwich is the story of three essential ingredients all of which have been around for a long time, joining together to give us America&rsquos favorite and enduring sandwich.